Eduardo Paciência Godoy 1 Rafael Vieira de Sousa 2 Arthur José Vieira Porto 3 Ricardo Yassushi Inamasu 4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eduardo Paciência Godoy 1 Rafael Vieira de Sousa 2 Arthur José Vieira Porto 3 Ricardo Yassushi Inamasu 4"

Transcrição

1 PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE REDES CAN APLICADAS EM MÁQUINAS AGRÍCOLAS Eduardo Paciência Godoy 1 Rafael Vieira de Sousa 2 Arthur José Vieira Porto 3 Ricardo Yassushi Inaasu 4 RESUMO O trabalho apresenta o desenvolviento de u prograa coputacional de siulação para auxiliar a definição e o diensionaento de parâetros de configuração para o projeto de rede ebarcada baseada no protocolo CAN (Controller Area Network) e na nora ISO As etapas desse desenvolviento baseia-se na elaboração de u odelo do enlace de dados da rede a partir da pesquisa e sisteatização de equações ateáticas e na proposta de ua etodologia de análise a partir da definição de parâetros fixos e variáveis da rede. É construído u abiente coputacional de siulação que ipleenta o odelo e a etodologia de análise. Deonstra-se a funcionalidade do prograa através da análise de ua rede CAN aplicada e u robô agrícola óvel. A aplicação do prograa coputacional perite estudar o desepenho da rede CAN sob configurações de equipaentos e parâetros de configuração diferenciados para aplicações e áquinas agrícolas. Palavras chaves: rede CAN, análise de desepenho, ISO PROGRAM FOR SIMULATION OF CAN-BASED NETWORKS APPLIED IN AGRICULTURAL MACHINERY ABSTRACT This work presents the developent of a coputational siulation progra to support the selection of the configuration paraeters for the project of ebedded networks based on CAN (Controller Area Network) and ISO standard. The stages of this developent are the odeling of the network data link based on the research and systeatization of atheatical equations and the proposal of a ethodology of analysis for selecting soe paraeters of the network. A siulation coputational environent is built for ipleenting the odel and the ethodology. The functionality of the progra is verified through the 1 Eng de Controle e Autoação, Bolsista de Mestrado CAPES. 2 MSc. Eng. a Mecânica, Bolsista de Doutorado Fapesp. 3 Prof. Titular Departaento de Engenharia Mecânica. 4 Dr. Eng. a Mecânica, Pesquisador da Ebrapa Instruentação Agropecuária de São Carlos SP. 1,2,3 Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo.

2 Prograa coputacional para siulação de redes CAN aplicadas e áquinas agrícolas 37 analysis of a CAN-based network designed for a obile agricultural robot. The application of the software allows the perforance analysis of the CAN-based networks under differentiated equipent and configuration paraeters for applications in agricultural achinery. Keywords: CAN-based network, network perforance analysis, ISO INTRODUÇÃO Modernas arquiteturas distribuídas de autoação são caracterizadas por redes de counicação entre dispositivos de capo, usualente conectadas através de u barraento de counicação, chaado de fieldbus. E sisteas de controle e autoação deste tipo, a instruentação é constituída por dispositivos sensores e atuadores co diversas funções, capazes de executar processaento local e counicar-se entre si. Os benefícios tecnológicos e funcionais obtidos através da utilização de barraentos de capo faze dessa solução ua das tecnologias do estado da arte e instruentação e controle. De acordo co Farsi et al. (1999), entre as vantagens da utilização deste tipo de arquitetura distribuída ou tecnologia fieldbus, pode-se citar: Quantidade reduzida de cabeaento da rede; Menor tepo de instalação e aior robustez do sistea; Flexibilidade e facilidade para apliação do sistea; Disponibilidade e viabilidade econôica. Nesse contexto, há diversas possibilidades, entre elas o CAN Controller Area Network que é u protocolo de counicação serial digital aplaente utilizado na indústria para integração de dispositivos (OTHMAN et al., 2006). Aplicações tê deonstrado que a rede CAN oferece boas propriedades para transissão de ensagens co requisitos teporais (LIAN et al., 2001). O protocolo CAN apresenta iportância crescente e aplicações agrícolas (AUERNHAMMER, 2004). A crescente utilização do protocolo CAN na área agrícola é confirada e Suvinen e Saarilahti (2006) e Auernhaer e Speckan (2006), e tabé para a realidade brasileira e Sousa (2002) e Guiarães (2003). Constatase, tabé, o esforço de instituições de pesquisa, associações de noras e de fabricantes de áquinas e ipleentos pela sua padronização. Atualente a nora ISO 11783, tabé denoinada ISOBUS, constitui o principal alvo de desenvolviento e ipleentação coo detalhado e Benneweiss (2005). Tipicaente, e sisteas de autoação e controle, as especificações requere que a atuação sobre o sistea controlado seja correta tanto do ponto de vista lógico coo tabé do ponto de vista teporal. E sisteas distribuídos baseados e redes de capo, coo a rede CAN, isto não é diferente, de odo que cada dispositivo conectado possui u nível de prioridade para acessar o barraento e u período de tepo (deadline) e que sua ensage deve ser transitida se que haja prejuízo Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

3 38 para o sistea de controle. Alé disso, ostra-se interessante a proposta de estudos para situações coo a presença de jitter no conjunto de ensagens (variabilidade do tepo édio de espera de ua ensage na fila de transissão) e o funcionaento da rede co alta carga de ensagens. Assi, para a ipleentação de aplicações e sisteas distribuídos é cou a pesquisa que busca desenvolver odelos e experientos para análise de desepenho (GODOY, 2007), de odo a peritir o diensionaento e a otiização do funcionaento do sistea distribuído. Os trabalhos Tindell e Burns (1994) e Tindell et al. (1995) tornara-se referências, coo o estado da arte e análise de redes baseadas no protocolo CAN. A partir destes trabalhos, diversas adaptações e variações desses étodos e equações de análise de rede CAN pode ser encontradas, coo análises de atraso (delay) de counicação e Upender e Dean (1996) e análises sob condições de erros e Punnekkat et al. (2000) para aplicações autootivas. Tabé, Jeon et al. (2001) apresenta u estudo de viabilidade de aplicação de ua arquitetura distribuída e u AGV (Autoated Guided Vehicles Veículo Auto-Guiado) e Santos et al. (2002) descreve ua análise de escalonabilidade de ensagens de ua rede para u helicóptero autônoo. Na área agrícola, Hofstee e Goense (1999) apresenta resultados referentes à siulação de operação de ua rede CAN, co parâetros baseados na nora ISO 11783, para ua configuração de trator e ipleento. Entretanto, apesar da utilização de odelos de análise de rede CAN estar presente e várias áreas de aplicação, não Godoy et al. há etodologias e ferraentas de análises para aplicações agrícolas baseadas nas abordagens propostas por Tindell e Burns (1994) e Tindell et al. (1995). Assi, orientando-se pelas necessidades citadas, apresenta-se o desenvolviento e a aplicação de ua etodologia de análise de rede CAN para áquinas agrícolas. A etodologia é ipleentada e u prograa coputacional de siulação para auxiliar o projeto e o diensionaento de parâetros de rede CAN, coo velocidade de transissão do barraento, taanho das ensagens de dados, esquea de prioridade das ensagens e período de aostrage dos dispositivos. O prograa coputacional é utilizado no projeto e análise de ua rede ebarcada baseada no protocolo CAN para integrar dispositivos de u robô agrícola óvel para aquisição de dados e Agricultura de Precisão (PORTO et al., 2003) 2 MATERIAIS E MÉTODOS 2.1 CAN - CONCEITUAÇÃO Coo descrito e Sousa (2002) e e Guiarães (2003), o CAN é u protocolo de counicação digital serial, onde a counicação de dados é baseada e ensagens foradas por quadros de bits co deterinada função. Entre esses quadros de bits, existe o capo identificador (identifier) que caracteriza e define a prioridade de cada ensage. O valor do identificador de ua ensage e ua rede CAN é exclusivo e quanto ais baixo seu valor, aior será a prioridade da ensage. Os sinais elétricos digitais do CAN são representados pelo nível recessivo (nível lógico 1) e nível doinante (nível lógico 0), sendo eles sinais Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

4 Prograa coputacional para siulação de redes CAN aplicadas e áquinas agrícolas 39 diferenciais entre os dois fios do barraento (condutores CAN_H e CAN_L). O ecaniso de acesso ao eio é fundaentado no conceito CSMA/CD co NDA (Carrier Sense Multiple Access / Collision Detection with Non-Destructive Arbitration), o que significa que os ódulos (nós CAN) possue acesso ao barraento co prioridades deterinadas. Ao verificar o status do barraento, os ódulos inicia a transissão de suas ensagens. De acordo co o valor do identificador, o ódulo co a ensage de prioridade enor cessa sua transissão e o ódulo co a ensage de aior prioridade continua enviando sua ensage deste ponto, se ter que reiniciála. Isto é realizado pelo processo de arbitrage bit a bit não destrutivo, ou lógica "E" por fios, quando dois ou ais ódulos inicia a transissão siultaneaente. Cada bit transitido é coparado, sendo que o doinante sobrepõe o recessivo. Dentre as especificações do protocolo CAN e relação à caada de enlace de dados, estão os dados relacionados aos foratos existentes do quadro de dados. São definidos dois foratos de quadros dados de ensage, onde a única diferença está no taanho do identificador, sendo CAN A Standard (ID 11 bits) e CAN B Extended (ID 29 bits) especificados segundo a Figura 1. Figura 1. Forato do Quadro de Dados de Mensagens CAN. Fonte: Adaptado de SOUSA, Os fundaentos do CAN são especificados por duas noras: a ISO e a ISO Abas especifica as características das caadas Física e de Enlace de Dados, respectivaente 1 e 2 do odelo rede de counicação OSI (Open Syste Interconnection) de 7 caadas. As deais caadas, (3 a 7), são especificadas por outros protocolos, relacionados a aplicações específicas, coo a ISO que é relacionado a aplicações agrícolas. 2.2 MODELO BASEADO EM E- QUAÇÕES MATEMÁTICAS O auento da utilização do CAN e soluções de counicação tepo real realça a iportância da realização de análises teporais e de desepenho (LIAN et al., 2001) para aplicações desse protocolo. O Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

5 40 tepo de transissão (R ) de ua ensage () e ua rede CAN (TINDELL et al., 1995), sob condições norais de operação, é definido pela equação (1). R = J + W + C (1) Onde o tero J representa o Jitter da ensage (variabilidade do tepo édio de espera de ua ensage na fila de transissão) e é deterinado epiricaente, utilizando-se J igual 0,1 s. O tero W representa o atraso na fila no pior caso (o aior tepo entre a inserção de ua ensage na fila de prioridades e o inicio de sua transissão) e o tero C representa o tepo gasto para se transitir ua ensage () fisicaente sobre o barraento. O forato do quadro de dados de ua ensage CAN conté ua largura de stuff (quantidade de bits consecutivos que pode ser transitidos co o eso valor 0 ou 1) de 5 bits e ua quantidade O de bits de overhead (requerido para verificação de erros e controle de transissão) por ensage, sendo que apenas u núero T desta quantidade O de bits de overhead está sujeito ao stuffing (capos não sujeitos ao bit stuffing na Figura 1: Deliiters CRC, Godoy et al. ACK e EOF). Assi, para cada u dos teros da equação (1) são definidas as equações (2), (3), (4) e (5), confore apresentadas e Tindell e Burns (1994) e aperfeiçoadas por Punnekkat et al. (2000). T + 8S 1 C τ. 4 = + O + 8S bit (2) onde T = Quantidade de bits de overhead sujeita ao bit stuffing; O = núero áxio de bits de overhead por ensage; S = taanho liitado da ensage () e bytes (taanho áxio de 8 bytes); bit = tepo necessário para transitir u bit sobre o barraento (encontrado de acordo co a velocidade de transissão de dados: 125k, 250k, 500k, 1M bps ou outra qualquer). Na Tabela 1 são identificados os valores das variáveis referentes à equação (2) para os tipos de ensage CAN que pode ser analisados. Tabela 1 - Valor das Variáveis da Equação (2) para os Tipos de Mensage CAN. Variável nas Valor da Variável para cada Tipo de Mensage Equações CAN 2.0 A Standard CAN 2.0 B Extended T O Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

6 Prograa coputacional para siulação de redes CAN aplicadas e áquinas agrícolas 41 W onde = B + j hp ( ) W + J + τ T j j bit. C j (3) hp () = conjunto de ensagens no sistea co prioridade aior que a ensage (); B = tepo de bloqueio no pior caso da ensage (); Tj = período de ua ensage (j); Jj = Jitter de ua ensage (j). onde B = ax ( C ) (4) k lp ( ) lp () = conjunto de ensagens co prioridade enor que a ensage (). (se a ensage () for a de enor prioridade, então B é zero). Os valores de C j, C k são obtidos da equação (2). k Para que a equação (3) possa ser utilizada, é necessária ua relação de recorrência, co valor inicial W 0 = 0, que resulta na equação (5). W n+ 1 = B + j hp( ) n W + J + τ T j j bit. C j (5) Para o caso de operação da rede CAN sob condições de erro, o tepo de transissão (R) de ua ensage (), apresentado e Tindell e Burns (1994) e aperfeiçoadas por Punnekkat et al. (2000) é definido pela equação (6). R = J + Q + C (6) Onde os teros J e C tê o eso significado coo apresentado anteriorente, e Q corresponde agora o tepo gasto por ua ensage na fila de espera, sob condições de erro, dado diretaente pela seguinte forulação de recorrência ostrada pela equação (7). n Q 1 + J j + τ n+ bit Q = B +. C j + E( Q + C j hp ( ) Tj ) (7) E(t) é ua função de recuperação de erro, que define o valor de bits de overhead de recuperação de erros que pode ocorrer nu intervalo de tepo (t), é definida pela equação (8). onde n error = núero de erros e seqüência que pode ocorrer e u intervalo arbitrário; E t t) = nerror + 1.(31. bit + ax ( Ck ) τ T K hp ( ) { } (8) error ( ) T error = período de ocorrência do erro. Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

7 42 Os valores de n error = 1 e = 100 s são definidos de acordo co os valores típicos de taxa de erro do CAN (TINDELL; BURNS, 1994) para utilização da equação (8). E cada erro o overhead de recuperação de erros pode ser auentado e 31 bits, seguido pela retransissão da ensage. Apenas ensagens de prioridade aior que a ensage () e ela esa pode ser retransitidas e atrasar a ensage (). A aior destas ensagens é deterinada pela equação (10). ax ( Ck ) ( ) { } K hp (10) Godoy et al. Para copletar o odelo de análise para rede CAN, fora analisadas equações para cálculo e otiização de taxa de utilização barraento, encontradas e Tipsuwa e Chow (2003), o qual apresenta etodologias de controle relacionadas co sisteas distribuídos. O conjunto de equações apresentado constitui u odelo ateático que pode ser utilizado para análises de redes CAN sob configurações e parâetros deterinados para aplicações agrícolas. 2.3 METODOLOGIA DE ANÁLISE Para a utilização do odelo ateático apresentado são evidenciados na Tabela 2 os tipos de parâetros que pode ser relacionados co aplicações agrícolas de fora a direcionar a utilização desse odelo ao estudo do coportaento da rede CAN e da influência de parâetros e diversas situações. Tabela 2 - Dados para a Utilização do Modelo Proposto. Dados de Entrada Dados de Saída Velocidade de Counicação (125K, 250Kbits/s ou outra) Versão CAN (CAN 2.0 A / CAN 2.0 B) Período de Aostrage das Mensagens dos Equipaentos Taanho (Bytes) das Mensagens dos Equipaentos Tepo de Transissão das Mensagens Taxa Utilização do Barraento Otiização / Siulação de Coportaento Definição do Esquea de Prioridades A partir da definição dos parâetros de entrada, as equações que define o odelo são utilizadas para obter os dados de saída apresentados na Tabela 2. Através da análise desses dados de saída pode-se deterinar se os parâetros de entrada conduze a u bo funcionaento da rede, ou senão, orientar ua nova escolha de entrada de dados. Essa escolha pode ser realizada de acordo co as especificações de ua nora da aplicação desejada (por exeplo, a ISO 11783). Essa estrutura iterativa origina ua Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

8 Prograa coputacional para siulação de redes CAN aplicadas e áquinas agrícolas 43 etodologia de análise de rede CAN, co u fluxograa de utilização ostrada na Figura 2. Figura 2. Fluxograa de Utilização da Metodologia de Análise. A etodologia de análise pode ser aplicada para estudo de viabilidade de ipleentação e do coportaento de redes CAN configuradas sob os parâetros fixados por noras de protocolo. Para o caso de ua rede CAN sob a nora ISO 11783, os dados que seria levados e consideração seria o de velocidade de transissão de 250Kbps, versão CAN 2.0 B para tipo de ensage, alé de outras características definidas pelas Partes 4 a 10 da nora citada. Para o caso da aplicação da rede ebarcada do robô agrícola óvel, citado na introdução, outros parâetros poderia ser testados e analisados. Ua proposta que surge co grande potencial, e que será realizada na próxia seção, é a siulação de coportaento da rede CAN para u deterinado conjunto de ensagens referente aos equipaentos que serão conectados na estrutura do robô agrícola óvel, confore ostrado na Figura 3, contribuindo para o diensionaento de parâetros e conheciento da utilização da rede CAN projetada. A ipleentação coputacional do odelo de equações ateáticas para o protocolo CAN e da etodologia de análise apresentados anteriorente representa ua tarefa necessária de odo a facilitar os trabalhos de análise e obtenção de dados de desepenho da rede CAN. Para essa ipleentação foi utilizado abiente de prograação LabVIEW 7.0 da National Instruents (NI, 2005) que possibilita o desenvolviento de ua interface gráfica interativa e facilita tarefas de anipulação de grande quantidade de dados. Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

9 44 Godoy et al. Figura 3. Estrutura do Robô Agrícola Móvel e Equipaentos Conectados pela Rede CAN. 3 RESULTADOS E DISCUSSÕES 3.1 PROGRAMA DE SIMULAÇÃO O prograa coputacional desenvolvido é coposto basicaente por três telas de dados, sendo duas telas relacionadas à entrada de dados a ser realizada pelo usuário e ua tela referente à saída de dados que ostra os resultados da siulação. Essa divisão e telas de dados visa facilitar a visualização e a copreensão dos capos do prograa por parte do usuário. Outras características iportantes do prograa desenvolvido são funções coo validação dos dados de entrada (o que não deixa o usuário continuar a execução do prograa se existire dados de entrada incorretos) e geração de relatórios dos dados de saída (geração das tabelas de saída de dados e planilha eletrônica). As telas do prograa desenvolvido são ostradas na Figura 4 e Figura 5. Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

10 Prograa coputacional para siulação de redes CAN aplicadas e áquinas agrícolas 45 (a) Figura 4. Telas de Entrada de Dados do Prograa de Siulação de Rede CAN. (a) Entrada de Dados 1; (b) Entrada de Dados 2. Nas telas de entrada de dados da Figura 4 são definidos os parâetros de entrada, confore explicado na Tabela 2 da etodologia de análise, que serão utilizados pelo odelo de equações para gerar os dados de saída relacionados à rede CAN. Na tela Entrada de Dados 1, Figura 4(a), são definidas as configurações principais da rede (b) CAN coo: versão do protocolo CAN (CAN 2A, CAN 2B), núero de ensagens e velocidade de transissão do barraento. No caso do capo velocidade de transissão, pode ser selecionado ais de u valor para análise, sendo ele fixo ou definido pelo usuário. Na tela Entrada de Dados 2, Figura 4(b), de acordo co o núero de ensagens Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

11 46 selecionado anteriorente, são definidos os capos que descreve o conjunto de ensagens da rede. Para cada ensage são requeridos os seguintes dados: descrição da Godoy et al. função, quantidade de bits de dados (Data field capo de dados), prioridade e o período de aostrage (T) e s. Figura 5. Tela de Saída de Dados do Prograa de Siulação de Rede CAN. Na tela de Saída de Dados, Figura 5, são ostrados os resultados obtidos para a siulação da rede CAN. Resultados coo o tepo de transissão das ensagens para condições norais e condições de erro de transissão são ostrados. Tabé são ostrados os dados sobre taxas de utilização, sendo que a taxa utilização de ensagens é calculada utilizando o núero de bits (bytes) de dados e ua ensage CAN e a taxa de utilização do barraento é calculado utilizando o núero total de bits (bytes) e ua ensage CAN incluindo bits de overhead. Os dados sobre valor para otiização da taxa de utilização do barraento corresponde ao valor pelo qual se pode dividir todos os períodos de aostrage das ensagens para otiizar e atingir a taxa de utilização áxia (100%) do barraento co o cupriento dos requisitos teporais das ensagens. 3.2 ANÁLISE PARA O ROBÔ A- GRÍCOLA MÓVEL De fora a exeplificar a utilização da etodologia de análise e do prograa coputacional de siulação para redes CAN são consideradas três siulações co parâetros de entrada diferentes para o robô agrícola óvel citado. Para isso, é proposto o conjunto de ensagens e parâetros preliinares descritos na Tabela 3 referentes aos dispositivos ilustrados na Figura 3. Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

12 Prograa coputacional para siulação de redes CAN aplicadas e áquinas agrícolas 47 Tabela 3 - Caracterização do Conjunto de Mensagens da Rede CAN do Robô Agrícola. Nº Descrição das Mensagens Dados Período T (s) 1 Controle do Motor de Propulsão Controle do Motor de Propulsão Controle do Motor de Propulsão Controle do Motor de Propulsão Controle do Motor de Guiage Controle do Motor de Guiage Controle do Motor de Guiage Controle do Motor de Guiage Velocidade / Encoder do Motor de Propulsão Velocidade / Encoder do Motor de Propulsão Velocidade / Encoder do Motor de Propulsão Velocidade / Encoder do Motor de Propulsão Deslocaento Angular do Motor de Guiage Deslocaento Angular do Motor de Guiage Deslocaento Angular do Motor de Guiage Deslocaento Angular do Motor de Guiage Conjunto de Sensores Ultra-so Lado Direito Conjunto de Sensores Ultra-so Lado Esquerdo Posicionaento GPS Localização Bússola Digital Dados Processados da Câera de Navegação Controle do PC Industrial Ebarcado Para a realização dessas siulações, fora considerados os seguintes parâetros de entrada: velocidades de transissão do barraento de 125 e 250 kbps, versão CAN 2B (ID 29 bits) e configuração de prioridades das ensagens de acordo co a coluna (Nº) da Tabela 3. Essa configuração de prioridades (orde) das ensagens foi deterinada, selecionando-se aior prioridade para ensagens de controle e co aostrage ais rápida. Para o caso específico do robô agrícola óvel, os prieiros resultados obtidos co os dados de entrada da Tabela 3 são ostrados nas Tabelas 4 e 5. Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

13 48 Godoy et al. Tabela 4 - Tepo de Transissão para o Conjunto de Mensagens da Rede CAN. Nº Quant. de bits Caracterização do Conjunto de Mensagens Prioridades Período/ Deadline (s) Tepo de Transissão R (s) Condições Norais Veloc. 125 kbps Veloc. 250 kbps Tepo de Transissão R (s) Condições de Erro Veloc. 125 kbps Veloc. 250 kbps ,18 1,14 3,23 1, ,98 1,54 4,03 2, ,78 1,94 4,83 2, ,58 2,34 5,63 2, ,38 2,74 6,43 3, ,18 3,14 7,23 3, ,98 3,54 8,03 4, ,78 3,94 8,83 4, ,58 4,34 9,63 4, ,38 4,74 10,43 5, ,18 5,14 11,23 5, ,98 5,54 12,03 6, ,78 5,94 12,83 6, ,58 6,34 13,63 6, ,38 6,74 14,43 7, ,18 7,14 15,23 7, ,46 7,78 16,99 8, ,74 8,42 18,27 9, ,7 8,9 19,23 9, ,66 9,38 20,19 10, ,62 9,86 21,15 10, ,62 9,86 21,15 10,62 Total 238,68 120,44 264,62 133,41 - Tabela 5 - Valores de Otiização e Taxas de Utilização para a Rede CAN. Velocidade de Transissão do Barraento 125 kbps 250 kbps Taxa de Utilização de Mensagens 3,64% 1,82% Taxa de Utilização do Barraento 20,85% 10,43% Valor para Otiização da Taxa de Utilização do Barraento 4,7 9,4 Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

14 Prograa coputacional para siulação de redes CAN aplicadas e áquinas agrícolas 49 Na Tabela 4 são ostrados dados referentes aos tepos de transissão das ensagens, enquanto na Tabela 5 são ostrados dados referentes às taxas de utilização e valores para otiização da taxa de utilização. Coo pode ser visto na Tabela 4, os resultados ostra que o sistea de controle para a rede CAN do robô apresenta u tepo de resposta satisfatório para cuprir o requisito teporal de cada ensage, ou seja, o tepo de transissão de cada ua das ensagens, sob condições norais e de erro, é enor que o seu período de aostrage, não acarretando e sobreposição e perdas de ensagens transitidas. Esse fato deonstra a utilização do prograa para selecionar ua configuração de ensagens aceitável para o funcionaento do robô. Diante disso, conclui-se que existe viabilidade para a aplicação da rede CAN analisada ao controle do robô agrícola óvel. Isso é confirado pelos baixos valores referentes às taxas de utilização do barraento CAN ostrado na Tabela 5. Esses dados deonstra que o sistea apresenta capacidade para futuras conexões de equipaentos, auento da carga de dados (enviados por ensage) e auento do tráfego (núero) de ensagens na rede CAN. Para ua segunda siulação fora alterados os valores dos períodos de aostrage (T), de 50 s para 100 s, para os dispositivos 1 a 8 da Tabela 3. Co a definição desses parâetros fora obtidos os resultados ostrados na Tabela 6. Tabela 6 - Resultados obtidos para a Rede CAN na segunda siulação. Velocidade de Transissão do Barraento 125 kbps 250 kbps Taxa de Utilização de Mensagens 2,62% 1,31% Taxa de Utilização do Barraento 14,45% 7,23% Na tabela 6, os resultados da segunda siulação deonstra que o parâetro período de aostrage influi sobre os valores das taxas de utilização calculadas. Isso pode ser visto, por exeplo, para a velocidade de 250 kbps, onde o auento do período de aostrage acarretou ua diinuição da taxa de utilização do barraento de 10,43% para 7,23%. Para ua terceira siulação, fora alterados os valores das quantidades de bits de dados da ensage, de 16 para 64 bits, para os dispositivos 1 a 16 da Tabela 3. Co a definição desses parâetros, obtivera-se os resultados ostrados na Tabela 7. Tabela 7 - Resultados obtidos para a Rede CAN na terceira siulação. Velocidade de Transissão do Barraento 125 kbps 250 kbps Taxa de Utilização de Mensagens 12,86% 6,43% Taxa de Utilização do Barraento 32,37% 16,19% Tepo de Transissão do Conjunto de Mensagens / Condições Norais 176,12 s 192,93 s Tepo de Transissão do Conjunto de Mensagens / Condições de Erro 350,04 s 383,66 s Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

15 50 Os resultados da terceira siulação, ostrados na Tabela 7, perite identificar que o parâetro quantidade de bits de dados da ensage, alé de influenciar os valores das taxas de utilização calculadas, tabé influi sobre os valores dos tepos de transissão das ensagens na rede. Coo ostrado pelos dados referentes à velocidade de 250 kbps, o auento da quantidade de bits de dados acarretou u auento das taxas de utilização, de 10,43% para 16,19% para a taxa de utilização do barraento e de 1,82% para 6,43% para a taxa de utilização das ensagens. E relação ao tepo de transissão das ensagens na rede, o auento da quantidade de bits provocou u auento do tepo de resposta da rede. Coo pode ser visto para a velocidade de 125 kbps, o tepo de transissão total do conjunto de ensagens auentou de 120,44 s para 176,12 s para condições norais e de 238,68 s para 350,04 s para operação da rede sob condições de erro. Os baixos valores obtidos para a taxa de utilização do barraento (até 30%) pode ser explicados pelo fato de o sistea proposto apresentar baixo tráfego (núero) de ensagens e tais ensagens não tere períodos de aostrage críticos (tepo real: 5 a 10 s), coo encontrado, por exeplo, e aplicações autootivas. Sisteas co essas características pode apresentar taxas de utilização uitas vezes próxias de 100%, reafirando a iportância da utilização deste tipo de ferraenta. Ressalta-se que outros dados ou parâetros de entrada, diferentes dos alterados nas siulações ostradas anteriorente, poderia ser considerados para ua nova siulação. Entre eles estão os parâetros: Godoy et al. velocidades de transissão, configurações de prioridades para o conjunto de ensagens, versão do protocolo CAN. A siulação da rede CAN co a alteração destes parâetros de configuração origina dados que auxilia no projeto e diensionaento desses parâetros para o funcionaento otiizado da rede CAN analisada. 4 CONCLUSÕES A aplicação do prograa de siulação desenvolvido, segundo a etodologia de análise apresentada, origina dados que perite ao projetista estudar o desepenho e a influência dos parâetros de configuração de ua rede CAN sob configurações de equipaentos e parâetros diferenciados. Através da utilização desse prograa de siulação espera-se contribuir co o processo de desenvolviento e diensionaento dessas redes, be coo auxiliar na ipleentação da nora ISO coo padrão de counicação para redes ebarcadas e áquinas agrícolas. A utilização do abiente de siulação apresentado para o caso do robô agrícola óvel deonstra sua flexibilidade e potencial de aplicação, siplificando as tarefas de análises relacionadas à rede CAN e gerando inforações que auxilia o projetista no seu projeto e desenvolviento. AGRADECIMENTOS A Coordenação de Aperfeiçoaento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) pelo apoio ao desenvolviento deste trabalho. Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

16 Prograa coputacional para siulação de redes CAN aplicadas e áquinas agrícolas 51 REFERÊNCIAS AUERNHAMMER, H. Off-Road Autoation Technology in European Agriculture - State of the Art and expected Trends. In: AUTOMATION TECHNOLOGY FOR OFF-ROAD EQUIPMENT, 7-8 October, Kyoto, Japan, ASAE International Conference, ASAE Publication #701P1004, p AUERNHAMMER, H.; SPECKMANN, H. Dedicated Counication Systes and Standards for Agricultural Applications. Chapter 7, Section 7.1 Counication Issues and Internet Use, ASAE CIGR Handbook of Agricultural Engineering. v. 7, p , BENNEWEISS, R.K. Status of the ISO11783 Serial control and counications data network standard. In: 2005 ASAE ANNUAL INTERNATIONAL MEETING, 2005, July, Tapa, Florida. ASAE paper No FARSI, M.; RATCLIFF, K.; BARBOSA, M. An overview of controller area network. Coputing and Control Engineering Journal, v. 10, n. 3, p , June, GUIMARÃES, A.A. Análise da nora ISO11783 e sua ipleentação no barraento do ipleento de u onitor de seeadora. Dissertação (Mestrado), Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, GODOY, E.P. Desenvolviento de ua Ferraenta de Análise de Desepenho de Redes CAN (Controller Area Network) para Aplicações e Sisteas Agrícolas f. Dissertação (Mestrado), Escola de Engenharia de São Carlos, USP, São Carlos, HOFSTEE, J.W.; GOENSE, D. Siulation of a CAN-based tractor-ipleent field bus according to ISO Journal of Agricultural Engineering Research, v. 73, n. 4, p , August, JEON, J.G.; KIM, D.W.; KIM, H.S.; CHO, Y.J.; LEE, B.H. An Analysis of Network- Based Control Syste Using CAN (Controller Area Network) Protocol. In: ROBOTICS & AUTOMATION, 2001, May, Seoul, Korea. Proceedings, Seul, Coréia do Sul. v. 4, p LIAN, F.L.; MOYNE, J.R; TILBURY, D.M. Perforance evaluation of control networks: Ethernet, Controlnet and DeviceNet. 2001, IEEE Control Systes Magazine, p NI National Instruents. Site da Epresa. Disponível e: <http://www.ni.co/>. A- cesso e: nov OTHMAN, H.F.; AJI, Y.R.; FAKHREDDIN, F.T.; AL-ALI, A.R. Controller Area Network: Evolution and Applications. In: INTER-NATIONAL CONFERENCE ON INFOR-MATION AND COMMUNICATION TECH- NOLOGIES, 2, Proceedings..., Daasco, Síria: IEEE, V. 2, P PORTO, A.J.V; SOUSA, R.V., SILVA, A.R.Y., INAMASU, R.Y. Robô Agrícola Móvel (RAM): ua revisão das pesquisas recentes sobre sisteas de navegação autônoa de robôs e veículos agrícolas (CD ROM). In: CONGRESSO BRASILEIRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

17 52 INFORMÁTICA APLICADA À AGRO- PECUÁRIA E AGROINDÚSTRIA, 4, 2003, Porto Seguro. Anais, Porto Seguro: SBIAgro, PUNNEKKAT, S.; HANSSON, H. A.; NORSTROM, C. Response Tie Analysis under Errors for CAN. In: REAL-TIME TECHNOLOGY AND APPLICATIONS, 2000, Washington, USA. Proceedings, Washington, EUA, p SANTOS, M.M.; STEMMER, M.R.; VASQUEZ, F. Schedulability Analysis of Messages in a CAN Network Applied to an Unanned Airship. In: INDUSTRIAL ELECTRONICS SOCIETY, 28, 2002, Noveber, Sevilha, Espanha. Proceedings, Seville, v. 3, p SOUSA, R. V. CAN (Controller Area Network): ua abordage para autoação e controle na área agrícola. Dissertação (Mestrado), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, SUVINEN, A.; SAARILAHTI, M. Measuring the obility paraeters of forwarders using GPS and CAN bus techniques. Journal of Terraechanics, v. 43, p , TINDELL, K.; BURNS, A. Guaranteeing Message Latencies on Controller Area Network (CAN), In: CAN CONFERENCE, 1, 1994, Septeber, Mainz, Aleanha. Proceedings, Mainz, p TINDELL, K.; BURNS, A.; WELLINGS, A. Calculating Controller Area Network (CAN) Message Response Tie. Control Engineering Practice, v. 3, n. 8, p , Godoy et al. TIPSUWAN, Y., CHOW, M. Y. Control Methodologies in Networked Control Systes. Control Engineering Practice, v. 11, n. 3, p , UPENDER, B. P.; DEAN, A. G. Variability of CAN Network Perforance, In: CAN CONFERENCE, 3, 1996, Paris, França. Proceedings, Paris, França, p Revista Brasileira de Agroinforática, v. 8, n. 1, p.36-52, 2006

Protocolo CAN Controller Area Network

Protocolo CAN Controller Area Network Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Protocolo CAN Controller Area Network Carlo Frederico Campos Danielle Simone Prof. Luiz Affonso Maio / 2005

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 25 CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 O Protocolo PROFIBUS O PROFIBUS (acrônimo de Process Field Bus) é o segundo tipo mais popular de sistema de comunicação em rede Fieldbus, ficando atrás somente

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

1. Definições Iniciais

1. Definições Iniciais O Básico da Criptografia usada na Internet Alessandro Martins Mestrando e Redes de Coputadores - PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro {artins@ufrj.br} RESUMO O objetido deste texto é apresentar

Leia mais

SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE

SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE RODRIGO S. MARTINS, VICTOR J. L. DUARTE, ANDRÉ L. MAITELLI, ANDRÉS O. SALAZAR, ADRIÃO D. D. NETO Laboratório

Leia mais

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ Departaento de Física, ITA, CTA, 18-9, São José dos

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO Modelage e Siulação de u Sistea de Counicação Digital via Laço Digital de Assinante no Abiente SIMOO Luciano Agostini 1 Gaspar Steer 2 Tatiane Capos 3 agostini@inf.ufrgs.br gaspar@inf.ufrgs.br tatiane@inf.ufrgs.br

Leia mais

KpClasseASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A RESUMO

KpClasseASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A RESUMO Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.6, nº. 4, p. 96-30, 01 ISSN 198-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI http://www.inovagri.org.br DOI: 10.717/rbai.v6n400094 Protocolo 094.1 4/08/01 Aprovado

Leia mais

ARQUITETURAS ELETRO-ELETRÔNICAS CONCEITUAÇÃO

ARQUITETURAS ELETRO-ELETRÔNICAS CONCEITUAÇÃO ARQUITETURAS ELETRO-ELETRÔNICAS CONCEITUAÇÃO por Alexandre de A. Guimarães, MSc ELETRÔNICA EMBARCADA EM AUTOMÓVEIS Antes de explorarmos as mais variadas alternativas tecnológicas para arquiteturas elétricas,

Leia mais

Componentes de um sistema de realidade virtual

Componentes de um sistema de realidade virtual p prograação Coponentes de u sistea de realidade virtual Neste artigo apresenta-se a idéia de u projeto que perite a siulação de u passeio ciclístico utilizando a realidade virtual. Os sentidos do ciclista

Leia mais

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros.

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Ensino Fundaental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Autoria: Jaie Crozatti Resuo: Para contribuir co a discussão da gestão de políticas públicas

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE SEGUIMENTO DE TRAJETÓRIAS COMPLEXAS PARA AERONAVES COMERCIAIS

CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE SEGUIMENTO DE TRAJETÓRIAS COMPLEXAS PARA AERONAVES COMERCIAIS Revista Iberoaericana de Ingeniería Mecánica. Vol. 7, N.º 2, pp. 63-74, 203 CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE SEGUIMENTO DE TRAJETÓRIAS COMPLEXAS PARA AERONAVES COMERCIAIS TÉO C. REVOREDO, JULES G. SLAMA 2, FÉLIX

Leia mais

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS Pedro Massanori Sakua, Álvaro José Noé Fogaça, Orlete Nogarolli Copel Copanhia Paranaense de Energia Paraná Brasil RESUMO Este

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Leilões de Copra de Energia Elétrica Proveniente de Novos Epreendientos de Geração Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Hector M. O. Hernandez e André P. Assis Departaento de Engenharia Civil & Abiental, Universidade de Brasília, Brasília,

Leia mais

SIMULAÇÃO, ANÁLISE E CONTROLE DE MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA UTILIZANDO UM SISTEMA DE CONTROLE VIA REDE CAN

SIMULAÇÃO, ANÁLISE E CONTROLE DE MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA UTILIZANDO UM SISTEMA DE CONTROLE VIA REDE CAN SIMULAÇÃO, ANÁLISE E CONTROLE DE MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA UTILIZANDO UM SISTEMA DE CONTROLE VIA REDE CAN Alan Ferreira Zanatta 1, Eduardo Paciência Godoy 2, Arthur José Vieira Porto 3 1 Escola de Engenharia

Leia mais

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA ALEXANDRE DE A. GUIMARÃES 1 ANTÔNIO M. SARAIVA 2 RESUMO Considerando-se os impactos relacionados ao aumento da eletrônica embarcada

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE Tatiana Turina Kozaa 1 Graziela Marchi Tiago E diversas áreas coo engenharia, física, entre outras, uitas de suas aplicações

Leia mais

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

ISSN 1518-7179 Novembro, 2007. Redes Embarcadas em Máquinas e Implementos Agrícolas: o Protocolo CAN (Controller Area Network) e a ISO11783 (ISOBUS)

ISSN 1518-7179 Novembro, 2007. Redes Embarcadas em Máquinas e Implementos Agrícolas: o Protocolo CAN (Controller Area Network) e a ISO11783 (ISOBUS) ISSN 1518-7179 Novembro, 2007 27 Redes Embarcadas em Máquinas e Implementos Agrícolas: o Protocolo CAN (Controller Area Network) e a ISO11783 (ISOBUS) ISSN 1518-7179 Novembro, 2007 Empresa Brasileira de

Leia mais

KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A

KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A T. D. C. Peixoto 1 ; S. L. A. Levien ; A. H. F. Bezerra 3 ; S. T. A. da Silva 4 RESUMO: A evapotranspiração de referência

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Aente e Desenvolviento 2 a 5/09/06 Goiânia, GO UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER E. Vendraini Universidade Estadual

Leia mais

REDE ISOBUS PARA CONTROLE E COMUNICAÇÃO DE DADOS DE UM ROBÔ AGRÍCOLA MÓVEL

REDE ISOBUS PARA CONTROLE E COMUNICAÇÃO DE DADOS DE UM ROBÔ AGRÍCOLA MÓVEL REDE ISOBUS PARA CONTROLE E COMUNICAÇÃO DE DADOS DE UM ROBÔ AGRÍCOLA MÓVEL 1 EDUARDO PACIÊNCIA GODOyl GIOVANA TRIPOLONI TANGERIN0 2 RAFAEL VIEIRA DE SOUSA 3 ARTHUR JOSÉ VIEIRA PORT0 4 RICARDO YASSUSm INAMASUS

Leia mais

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA EM PORTFOLIOS PCH E BIOMASSA 48 4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA Confore explicado no capitulo anterior, a decisão do agente hidráulico de coo sazonalizar

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES XIV CONRESSO NACIONAL DE ESUDANES DE ENENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica LOCALIZAÇÃO ÓIMA DE AUADORES E SENSORES EM ESRUURAS INELIENES Sione Nishioto

Leia mais

DESCRIÇÃO E SÍNTESE DE CONVERSORES A/D E D/A PWM. Eduardo dos Santos Ferreira*, Mauricio Gomes**, Ricardo Teixeira*** e Nilton Itiro Morimoto.

DESCRIÇÃO E SÍNTESE DE CONVERSORES A/D E D/A PWM. Eduardo dos Santos Ferreira*, Mauricio Gomes**, Ricardo Teixeira*** e Nilton Itiro Morimoto. DESCRIÇÃO E SÍNESE DE CONVERSORES A/D E D/A PWM. Eduardo dos Santos Ferreira*, Mauricio Goes**, Ricardo eixeira*** e Nilton Itiro Morioto.**** RESUMO Neste artigo apresentaos o projeto, descrição e ipleentação

Leia mais

OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR

OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR OS PRIEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA ANUTENÇÃO DOUGLAS LINO ARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES E QUESTIONAENTOS O PRIEIRO PASSO EXEPLO

Leia mais

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos Algorito para a siulação coputacional da colisão tridiensional de dois corpos André C. Sila, Aérico T. Bernardes Departaento de Engenharia de Minas Uniersidade Federal de Goiás (UFG) A. Dr. Laartine Pinto

Leia mais

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br Rede DeviceNet Fábio Soares de Lima fabio@dca.ufrn.br Índice Introdução e Histórico Modelo de camadas Meio Físico Topologia Números de Estações Ativas Número de Redes por CLP Protocolo DATA Frame Camada

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.2.2, 16.7.1, 16.7.2 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3.3, 6.3.2 Controller Area Network

Leia mais

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

Medidas de Desempenho em Computação Paralela

Medidas de Desempenho em Computação Paralela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Capus Curitiba Prograa de Pós-graduação e Engenharia e Inforática (CPGEI) Laboratório de Bioinforática Medidas de Desepenho e Coputação Paralela Heitor

Leia mais

CONTROLE ADAPTATIVO POR MODELO DE REFERÊNCIA DE UMA PLANTA REDUZIDA DE UM SISTEMA DE BOMBEIO MECÂNICO

CONTROLE ADAPTATIVO POR MODELO DE REFERÊNCIA DE UMA PLANTA REDUZIDA DE UM SISTEMA DE BOMBEIO MECÂNICO VI CONGRSSO NACIONAL D NGNHARIA MCÂNICA VI NATIONAL CONGRSS OF MCHICAL NGINRING 18 a 1 de agosto de 010 Capina Grande Paraíba - Brasil August 18 1, 010 Capina Grande Paraíba Brazil CONTROL ADAPTATIVO POR

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

Protocolos Industriais SensorBus Redes Industriais Semestre 01/2015

Protocolos Industriais SensorBus Redes Industriais Semestre 01/2015 Protocolos Industriais SensorBus Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Devido aos diferentes requisitos de comunicações industriais, existem diferentes tipos

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE CENTRO DE INFORMÁTICA CIN GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 2007.2 Coo o Pensaento Sistêico pode Influenciar o Gerenciaento de Projetos TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

José Luiz Fernandes Departamento de Engenharia Mecânica - PUC-Rio jlf@mec.puc-rio.br

José Luiz Fernandes Departamento de Engenharia Mecânica - PUC-Rio jlf@mec.puc-rio.br PROPAGAÇÃO DE TRINCAS POR FADIGA NO AÇO API-5L-X60 José Luiz Fernandes Departaento de Engenharia Mecânica - PUC-Rio jlf@ec.puc-rio.br Jaie Tupiassú Pinho de Castro Departaento de Engenharia Mecânica -

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO Instrutora: Noe: Márcia Assunção Foração: Graduada e Pós-graduada... Exp. Profissional:... 10 anos Objetivo do curso: Disseinar a interpretação dos

Leia mais

Segmentação por Agrupamentos Fuzzy C- means em Imagens LiDAR Aplicados na Identificação de Linhas de Transmissão de Energia Elétrica

Segmentação por Agrupamentos Fuzzy C- means em Imagens LiDAR Aplicados na Identificação de Linhas de Transmissão de Energia Elétrica Segentação por Agrupaentos Fuzzy C- eans e Iagens LiDAR Aplicados na Identificação de Linhas de Transissão de Energia Elétrica Anderson J. Azabuja Guiera 1, 2 Tania Mezzadri Centeno 1 Myria Regattieri

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

LOOZ ap o.. qw;:nas ap OZ ~sajl~ldwaxa OSE N::>\f - I:!f..,n.>ado..lSv ~:t~i~wjo.luf.e"dejqw3;o~jnpo.. d a O~SI:!',J:>

LOOZ ap o.. qw;:nas ap OZ ~sajl~ldwaxa OSE N::>\f - I:!f..,n.>ado..lSv ~:t~i~wjo.luf.edejqw3;o~jnpo.. d a O~SI:!',J:> LOOZ ap o.. qw;:nas ap OZ ~sajl~ldwaxa OSE N::>\f - I:!f..,n.>ado..lSv ~:t~i~wjo.luf.e"dejqw3;o~jnpo.. d a O~SI:!',J:> i. 'i REVISÃO DO PADRÃo ISOBUS PARA COMUNICAÇÃO DO IMPLEMENTO AGRÍCOLA COM TERMINAL

Leia mais

ALGORITMO GENÉTICO E PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA NA RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BEBIDAS

ALGORITMO GENÉTICO E PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA NA RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BEBIDAS ALGORTMO GENÉTCO E PROGRAMAÇÃO MATEMÁTCA NA RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTCO PARA UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BEBDAS Claudio Fabiano Motta Toledo Departaento de Ciência da Coputação Universidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia http://dx.doi.org/10.5902/2236117016368 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Eletrônica e Gestão, Educação e Tecnologia Abiental - ReGet e-issn 2236 1170 - V. 19,

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade e da Segurança Social Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Horizonte 2012-2016 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Inforação e Counicação 1 Título: Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério

Leia mais

UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES

UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES Felipe Martins Müller UFSM / CT / DELC 97105-900 Santa Maria - RS Fone:(055)220-8523 FAX:(055)220-8030

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ROGÉRIO ESPÍNDOLA SILVEIRA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR VOICE COIL

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ROGÉRIO ESPÍNDOLA SILVEIRA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR VOICE COIL UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ROGÉRIO ESPÍNDOLA SILVEIRA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR VOICE COIL Canoas, Dezebro de 2009 Departaento

Leia mais

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200 NOVOS PRODUTOS Micróetro Laser Scan USB co leitor incorporado LSM 5200 Inforação detalhada na página 336. Micróetros Laser Scan Micróetros Laser Unidades de Medição Páginas 333 335 Micróetros Laser LSM

Leia mais

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008 ESTUDO DA COMPOSIÇÃO FÍSICA DO BAGAÇO DE CANA JOYCE MARIA GOMES COSTA 1* ; JOHNSON CLAY PEREISA SANTOS 2 ; JEFFERSON LUIZ GOMES CORRÊA 3 ; VIVIANE MACHADO DE AZEVEDO 4 RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

UM ALGORITMO GENÉTICO PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UM ALGORITMO GENÉTICO PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER UM ALGORITMO GENÉTICO PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Lúcio Lopes Rodrigues Neto Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ/ COPPE lucio.lopes@bol.co.br Ait Bhaya Universidade Federal do

Leia mais

Uma Contribuição à Avaliação de Contratos Bilaterais de Suprimento de Energia Elétrica

Uma Contribuição à Avaliação de Contratos Bilaterais de Suprimento de Energia Elétrica Dissertação de Mestrado Ua Contribuição à Avaliação de Contratos Bilaterais de Supriento de Energia Elétrica Daniel Marrocos Caposilvan Itajubá, junho de 2003 Dissertação de Mestrado Ua Contribuição à

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA.

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. André Gustavo S. Conceição 1, Luciano F. Chaves 2, Luís Fernando A. Pereira 3 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Coordenação Geral Maurício Tiono Tolasqui José Carlos de Miranda Farias Equipe Técnica Danielle Bueno de Andrade

Leia mais

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1 CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1. Introdução Seja u vetor à nu sistea de coordenadas (x, y, z), co os versores T,], k, de odo que - - - A = A 1 i + A 2 j + A 3 k. A derivada

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Estudo e Desenvolvimento de uma Turbina Hidráulica: Um Enfoque Voltado às Pequenas Centrais Hidrelétricas.

Estudo e Desenvolvimento de uma Turbina Hidráulica: Um Enfoque Voltado às Pequenas Centrais Hidrelétricas. studo e esenvolviento de ua Turbina idráulica: U nfoque Voltado às Pequenas Centrais idrelétricas. Carlos Barreira Martinez*, verton Adriano de Castro uarte, Antônio lísio Oliveira 2, Jair Nasciento Filho,

Leia mais

Uma abordagem neurocomputacional na otimização de um sistema linear com restrições

Uma abordagem neurocomputacional na otimização de um sistema linear com restrições ABR. MAI. JUN. 005 ANO XI, Nº 4 59-68 INTEGRAÇÃO 59 Ua abordage neurocoputacional na otiização de u sistea linear co restrições WALTER R. HERNANDEZ VERGARA* Resuo Nesta pesquisa discutios o problea de

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

DETERMINAÇÃO AUTOMATIZADA DE PARÂMETROS FOTOELÁSTICOS

DETERMINAÇÃO AUTOMATIZADA DE PARÂMETROS FOTOELÁSTICOS 15º POSMEC - Sipósio do Prograa de Pós-Graduação e Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica DETEMINAÇÃO AUTOMATIZADA DE PAÂMETOS FOTOELÁSTICOS Fernando Lourenço

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL EM FLORIANÓPOLIS: ANÁLISE DE FUNCIONALIDADES BASEADA NOS REQUISITOS DO E-ARQ BRASIL

SISTEMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL EM FLORIANÓPOLIS: ANÁLISE DE FUNCIONALIDADES BASEADA NOS REQUISITOS DO E-ARQ BRASIL SISTEMAS DE GESTÃO DOCUMETAL EM FLORIAÓPOLIS: AÁLISE DE FUCIOALIDADES BASEADA OS REQUISITOS DO E-ARQ BRASIL Suélle Chrystina Leal da lva Graduanda no Curso de Arquivologia UFSC suelle.lealdasilva@gail.co

Leia mais

Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social

Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Horizonte 2012-2016 Versão de Trabalho Dezebro 2014 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Inforação e Counicação 1 Título: Plano de ação setorial de

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MAPAS DE LIGAÇÃO POR MEIO DE SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO VIA CADEIAS DE MARKOV

CONSTRUÇÃO DE MAPAS DE LIGAÇÃO POR MEIO DE SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO VIA CADEIAS DE MARKOV CONSTRUÇÃO DE MAPAS DE LIGAÇÃO POR MEIO DE SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO VIA CADEIAS DE MARKOV Moysés NASCIMENTO 1 Cose Daião CRUZ Ana Carolina Capana NASCIMENTO 1 Adésio FERREIRA 3 Luiz Alexandre PETERNELLI

Leia mais

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES George Martins Silva Universidade Estadual do Ceará - UECE Av. Dr. Silas Munguba,

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU

ANÁLISE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO ANÁLIE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU Jeniffer Fonseca Zanitt (UFJ) jzanitt@gail.co Daniela Carine Raires de Oliveira

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

PC160LC-7B ESCAVADEIRA HIDRÁULICA. POTÊNCIA NO VOLANTE 111 1 HP (82,4 kw) @ 2200 rpm PESO OPERACIONAL 17000 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,65-1,2 m 3

PC160LC-7B ESCAVADEIRA HIDRÁULICA. POTÊNCIA NO VOLANTE 111 1 HP (82,4 kw) @ 2200 rpm PESO OPERACIONAL 17000 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,65-1,2 m 3 POTÊNCI NO VOLNTE 111 1 HP (82,4 kw) @ 2200 rp PESO OPERCIONL 17000 PC160LC-7 CPCIDDE D CÇM 0,65-1,2 3 O odelo ostrado pode incluir equipaentos opcionais ESCVDEIR HIDRÁULIC Escavadeira Hidráulica PC160LC-7

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura uiz de Queiroz Sistea coputacional de auxílio ao desenho, siulação e desenvolviento de projetos de irrigação localizada Miguel Angel Isaac Toledo

Leia mais

CAN (CONTROLLER AREA NETWORK): UMA ABORDAGEM PARA AUTOMAÇÃO E CONTROLE NA ÁREA AGRÍCOLA

CAN (CONTROLLER AREA NETWORK): UMA ABORDAGEM PARA AUTOMAÇÃO E CONTROLE NA ÁREA AGRÍCOLA CAN (CONTROLLER AREA NETWORK): UMA ABORDAGEM PARA AUTOMAÇÃO E CONTROLE NA ÁREA AGRÍCOLA Rafael Vieira de Sousa Dissertação apresentada à Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo,

Leia mais

Anexo 4 Regras de faturação

Anexo 4 Regras de faturação Anexo 4 Regras de faturação Data: 01 Dezebro 2014 Página: 1/8 Versão: V0 Índice 1 Introdução 3 2 Regras de facturação 3 2.1 Análise de Viabilidade de Ocupação 3 2.1.1 Pedido de Viabilidade 3 2.2 Serviço

Leia mais

Um Novo Sistema de Rastreamento de Pacotes IP contra Ataques de Negação de Serviço

Um Novo Sistema de Rastreamento de Pacotes IP contra Ataques de Negação de Serviço U Novo Sistea de Rastreaento de Pacotes IP contra Ataques de Negação de Serviço Rafael P. Laufer, Pedro B. Velloso 2 e Otto Carlos M. B. Duarte Grupo de Teleinforática e Autoação Universidade Federal do

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Docuento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 20/203-BNDES Rio de Janeiro, 7 de aio de 203 Ref.: Produto BNDES Autoático Ass.: Prograa BNDES para o Desenvolviento da Indústria Nacional

Leia mais

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI N., Março Ano Cláudio Sérgio SARTORI n. USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS p. 59-68 Instituto de Engenharia Arquitetura e Design INSEAD Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio

Leia mais

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no MEC 2.0

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no MEC 2.0 Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no 2.0 Horizonte 2014-2016 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Inforação e Counicação 1 Título: Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Transformadores e bobinas de alta frequência

Transformadores e bobinas de alta frequência Transforadores e bobinas de alta frequência 007 Profª Beatriz Vieira Borges 1 Transforadores e bobinas de alta frequência ideal v 1 v úcleo de ferrite i 1 i + + v 1 v - - v 1 1 1 v i 1 i 007 Profª Beatriz

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 10 Lajes Fungiformes Análise Estrutural

Estruturas de Betão Armado II 10 Lajes Fungiformes Análise Estrutural Estruturas de Betão Arado II 10 Lajes Fungifores Análise Estrutural A. P. Raos Out. 006 1 10 Lajes Fungifores Análise Estrutural Breve Introdução Histórica pbl 1907 Turner & Eddy M (???) 50 1914 Nichols

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistea de chuveiros autoáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Nora de Procediento Técnico 104páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 Objetivo

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS CICUIOS EÉICOS EGIME PEMANENE SENOIDA, EPESENAÇÃO FASOIA E As análises de circuitos até o presente, levou e consideração a aplicação de fontes de energia elétrica a u circuito e conseqüente resposta por

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS COM UMA VARIAÇÃO DO MODELO DE LI E REEVES

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS COM UMA VARIAÇÃO DO MODELO DE LI E REEVES AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS COM UMA VARIAÇÃO DO MODELO DE LI E REEVES Juliana Quintanilha da Silveira Eliane Ribeiro Pereira 2 Teresa Cristina Vilardo Doingues Correia João

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração Nov/03 Prograa de Pós-Graduação e Eng. Mecânica Disciplina: Siulação de Sisteas Téricos Introdução aos ciclos de refrigeração Organização: Ciclo de Carnot Ciclo padrão de u estágio de copressão Refrigerantes

Leia mais

UHE Igarapava Como o monitoramento do entreferro evitou danos de grande monta no gerador

UHE Igarapava Como o monitoramento do entreferro evitou danos de grande monta no gerador UHE Igarapava Coo o onitoraento do entreferro evitou danos de grande onta no gerador utores: Raiundo Jorge Ivo Metzker, CEMIG Marc R. Bissonnette, VibroSystM ndré Tétreault, VibroSystM Jackson Lin, VibroSystM

Leia mais