Esportes de Invasão. Aula 2. Futebol, futebol de 5 e futebol de 7. Rio 2016 Versão 1.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esportes de Invasão. Aula 2. Futebol, futebol de 5 e futebol de 7. Rio 2016 Versão 1.0"

Transcrição

1

2 Esportes de Invasão Aula 2 Futebol, futebol de Rio 2016 Versão 1.0

3 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria INVASÃO. 2 Conhecer a história desses esportes e a entrada para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

4 Introdução Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre três esportes que fazem parte da categoria ESPORTES DE INVASÃO: FUTEBOL FUTEBOL DE 5 FUTEBOL DE 7

5 1 Futebol

6 Capítulo 1 Futebol UM POUCO DE HISTÓRIA CHINA DA ANTIGUIDADE Esporte mais popular do mundo, o futebol tem suas origens na China da Antiguidade segundo historiadores, o jogo disputado à época tinha como BOLA OS CRÂNIOS dos adversários superados pelos exércitos. Com o passar dos anos, a prática de colocar dois grupos como rivais e uma bola em campo foi se espalhando pelo Oriente, a Grécia Antiga e o Império Romano.

7 Capítulo 1 Futebol UM POUCO DE HISTÓRIA 1175 Mas as origens do futebol moderno estão na Inglaterra. Segundo relatos históricos, no ano de 1175 habitantes de cidades inglesas chutavam uma bola de couro, simbolizando as cabeças dos inimigos, para simbolizar a expulsão dos invasores nórdicos. Os participantes tinham de levá-la por um percurso de até dois quilômetros, por entre as ruas da cidade. A prática, no entanto, foi abolida ao longo dos quatro séculos posteriores.

8 Capítulo 1 Futebol UM POUCO DE HISTÓRIA SÉCULO XIX No começo do Século XIX, o esporte foi adotado como ATIVIDADE FÍSICA por três escolas da elite inglesa, e ganhou popularidade. Diante disso, era necessária a uniformização das regras, pois tocar a bola com as mãos e os pés era permitido em alguns lugares. Foi a partir daí que o Futebol começou a se diferenciar do Rugby.

9 Capítulo 1 Futebol UM POUCO DE HISTÓRIA SÉCULO XIX No começo do Século XIX, o esporte foi adotado como ATIVIDADE FÍSICA por três escolas da elite inglesa, e ganhou popularidade. Diante disso, era necessária a uniformização das regras, pois tocar a bola com as mãos e os pés era permitido em alguns lugares. Foi a partir daí que o Futebol começou a se diferenciar do Rugby Em 1863, nasceu a Football Association, para estabelecer regras que permitissem a disputa de campeonatos em todo o mundo. Oito anos depois, surgiu a primeira competição de Futebol do planeta, a FA Cup que existe até hoje.

10 Capítulo 1 Futebol UM POUCO DE HISTÓRIA SÉCULO XIX No começo do Século XIX, o esporte foi adotado como ATIVIDADE FÍSICA por três escolas da elite inglesa, e ganhou popularidade. Diante disso, era necessária a uniformização das regras, pois tocar a bola com as mãos e os pés era permitido em alguns lugares. Foi a partir daí que o Futebol começou a se diferenciar do Rugby Em 1863, nasceu a Football Association, para estabelecer regras que permitissem a disputa de campeonatos em todo o mundo. Oito anos depois, surgiu a primeira competição de Futebol do planeta, a FA Cup que existe até hoje. O profissionalismo foi implantado em 1885 e a Inglaterra, então uma potência mundial, ajudou o esporte a se espalhar pelo mundo. O Brasil acabou entre os beneficiados, com a chegada de Charles Müller a Santos em 1894, para tornar o esporte o mais popular no país.

11 Capítulo 1 Futebol Saiba mais... Em 1904, nasceu a Federação Internacional de Futebol (FIFA), única entidade autorizada a organizar torneios internacionais, sempre com base nas regras da Football Association. A primeira competição entre seleções seria em 1906, mas acabou não acontecendo.

12 Capítulo 1 Futebol NOS JOGOS OLÍMPICOS A primeira aparição do futebol nos Jogos Olímpicos foi na edição de 1900, em Paris, como esporte de exibição e com clubes representando cada país. A ENTRADA EM DEFINITIVO ACONTECEU APENAS EM 1908, QUANDO OS JOGOS FORAM DISPUTADOS EM LONDRES, COM A CHANCELA DA FIFA. O único ano em que não houve competição foi em 1932, em Los Angeles, por divergências entre a entidade e o Comitê Olímpico Internacional (COI) na questão de os jogadores serem amadores ou não. A ENTRADA DAS MULHERES NO PROGRAMA OCORREU NO ANO DE 1996, EM ATLANTA.

13 Capítulo 1 Futebol PRINCIPAIS REGRAS O torneio Olímpico de futebol masculino é disputado por jogadores até 23 anos, com a exceção de três sem limite de idade em cada equipe. 1 No feminino, não há nenhuma restrição.

14 Capítulo 1 Futebol PRINCIPAIS REGRAS A disputa conta com uma primeira fase, em que os participantes (16 no masculino e 12 no feminino) são distribuídos em GRUPOS DE QUATRO SELEÇÕES CADA. 2 TODOS OS PAÍSES SE ENFRENTAM, e os dois melhores de cada chave avançam à etapa eliminatória no feminino, os seis classificados ganham a companhia dos dois melhores terceiros colocados. Em caso de EMPATE nas partidas do mata-mata, são disputadas duas PRORROGAÇÕES DE 15 MINUTOS CADA. Se a igualdade persistir, acontecem PÊNALTIS. As melhores seleções de cada lado da chave se enfrentam pelo ouro, e os perdedores das semifinais disputam o bronze.

15 2 Futebol de 5

16 Capítulo 2 Futebol de 5 UM POUCO DE HISTÓRIA O FUTEBOL DE 5 É DISPUTADO APENAS POR PESSOAS TOTALMENTE CEGAS OU INCAPAZES DE DISTINGUIR A FORMA DE UMA MÃO. A modalidade teria surgido por volta da década de 20, na Espanha, em escolas e institutos especializados.

17 Capítulo 2 Futebol de 5 NOS JOGOS PARALÍMPICOS Embora exista há algum tempo, o esporte só passou a fazer parte do programa Paralímpico nos Jogos de Atenas, em O primeiro Mundial foi disputado na cidade paulista de Paulínia, em 1998, e o título ficou com o Brasil.

18 Capítulo 2 Futebol de 5 NOS JOGOS PARALÍMPICOS 1 A QUADRA O Futebol de 5 é disputado em uma quadra com as mesmas medidas que a de futsal, e o piso pode ser emborrachado, de cimento ou de madeira porém, a grama sintética tem sido a preferência desde a primeira disputa do esporte nos Jogos Paralímpicos.

19 Capítulo 2 Futebol de 5 NOS JOGOS PARALÍMPICOS 2 AS MARCAÇÕES Apesar das regras serem baseadas no futsal, existem diferenças como a ausência da saída lateral da bola duas bandas laterais de 1,20 metro impedem que ela deixe a quadra. Além do pênalti, existe o duplo pênalti, em uma marca a oito metros do gol.

20 Capítulo 2 Futebol de 5 NOS JOGOS PARALÍMPICOS 3 A EQUIPE Cada equipe é composta de quatro atletas de linha, que utilizam vendas nos olhos para evitar que aqueles que apresentam percepção luminosa levem vantagem - já o goleiro enxerga normalmente.

21 Capítulo 2 Futebol de 5 NOS JOGOS PARALÍMPICOS 4 O JOGO Os jogos são disputados em dois tempos de 25 minutos, com um intervalo de dez, e o vencedor é o time que fizer mais gols.

22 Capítulo 2 Futebol de 5 NOS JOGOS PARALÍMPICOS 5 A BOLA E AS INSTRUÇÕES A bola oficial possui guizos em seu interior, e o seu som orienta os jogadores. Os jogadores recebem instruções de três chamadores, que ficam nos terços de orientação: no DEFENSIVO, a responsabilidade é do goleiro. no MÉDIO, do técnico, que fica no banco de reservas, no OFENSIVO de outro integrante da comissão técnica, que fica atrás do gol adversário. Apesar deste recurso, falar muito pode atrapalhar os jogadores.

23 Capítulo 2 Futebol de 5 Saiba mais... As regras gerais são baseadas no futsal, que é de responsabilidade da Federação Internacional de Futebol (FIFA, em inglês). O esporte está a cargo da Federação Internacional de Esportes para Cegos (IBSA, em inglês), criada em 1981.

24 3 Futebol de 7

25 Capítulo 3 Futebol de 7 UM POUCO DE HISTÓRIA O FUTEBOL DE 7 teve início em Edimburgo, capital escocesa, durante a terceira edição dos Jogos Internacionais para Paralisados Cerebrais, realizados no ano de 1978 na cidade. Na mesma ocasião, foi fundada a Associação Internacional de Desporto e Recreação para Paralisia Cerebral (CP-ISRA, em inglês), que rege o esporte atualmente. A realização do primeiro Mundial foi em 1982, na Dinamarca, dois anos antes de sua estreia nos Jogos Paralímpicos.

26 Capítulo 3 Futebol de 7 FUTEBOL DE 7 NOS JOGOS PARALÍMPICOS Uma adaptação do esporte mais popular do planeta, o Futebol de 7 entrou no programa Paralímpico nos Jogos de Nova Iorque e Stoke Mandeville (Inglaterra), em Desde então, o esporte vem crescendo e se espalhando por todo o mundo ano após ano.

27 Capítulo 3 Futebol de 7 PRINCIPAIS REGRAS O esporte, apenas para homens, é praticado por pessoas com paralisia cerebral, decorrente de sequelas de traumatismo crânio-encefálico ou acidentes vasculares cerebrais Todos os atletas são avaliados antes de qualquer competição, e classificados nas classes 5 a 8, sendo a oitava a de maior potencial funcional. Para garantir que os jogadores de todas as classificações estejam em quadra, uma regra determina que pelo menos um integrante da classe 5 ou 6 esteja em campo durante todo o tempo de partida, e no máximo dois da 8.

28 Capítulo 3 Futebol de 7 PRINCIPAIS REGRAS O esporte, apenas para homens, é praticado por pessoas com paralisia cerebral, decorrente de sequelas de traumatismo crânio-encefálico ou acidentes vasculares cerebrais Outro aspecto interessante do esporte é o fato de cada participante ser deslocado para uma função em campo compatível com suas possibilidades. Jogadores de classe 5, com comprometimento nos membros inferiores e que têm restrições para realizar o passe e o chute, comumente atuam como goleiros.

29 Capítulo 3 Futebol de 7 PRINCIPAIS REGRAS O esporte, apenas para homens, é praticado por pessoas com paralisia cerebral, decorrente de sequelas de traumatismo crânio-encefálico ou acidentes vasculares cerebrais As regras oficiais são parecidas com as da Federação Internacional de Futebol (FIFA, em inglês), com adaptações que facilitam a prática do futebol por pessoas com paralisia cerebral. Entre elas estão: cada equipe conta com seis jogadores de linha e mais o goleiro; não há impedimento; a partida tem dois tempos de 30 minutos cada; e o arremesso lateral, normalmente feito com duas mãos no Futebol, também pode ser executado com uma só.

30 Capítulo 3 Futebol de 7 PRINCIPAIS REGRAS A semelhança com o futebol serve de estímulo para que este esporte cresça no mundo todo, e a constante revisão das regras oficiais faz com as pessoas com paralisia cerebral mais severas tenham mais oportunidades de praticá-lo.

31 Consolidando seus conhecimentos. Assista o vídeo e conheça mais sobre o Futebol de 5! Que tal fazer uma experiência com seus alunos e depois debater com eles sobre a experiência vivida? Aprenda a ensinar Futebol de 5

32 Relembrando As origens do futebol moderno estão na Inglaterra. Segundo relatos históricos, no ano de 1175 habitantes de cidades inglesas chutavam uma bola de couro, simbolizando as cabeças dos inimigos, para simbolizar a expulsão dos invasores nórdicos. No começo do Século XIX, o esporte foi adotado como atividade física por três escolas da elite inglesa, e ganhou popularidade. A primeira aparição do futebol no programa Olímpico foi na edição de 1900, em Paris, como esporte de exibição. A entrada em definitivo aconteceu apenas em 1908, quando os jogos foram disputados em Londres, com a chancela da FIFA. A entrada das mulheres no programa ocorreu no ano de 1996, em Atlanta. O futebol de 5 é disputado apenas por pessoas totalmente cegas ou incapazes de distinguir a forma de uma mão. A modalidade teria surgido por volta da década de 20, na Espanha, em escolas e institutos especializados. O esporte só passou a fazer parte do programa Paralímpico nos Jogos de Atenas, em O futebol de 7 tem como origem Edimburgo, capital escocesa, durante a terceira edição dos Jogos Internacionais para Paralisados Cerebrais, realizados no ano de 1978 na cidade. Entrou no programa Paralímpico nos Jogos de Nova Iorque e Stoke Mandeville (Inglaterra), em 1984.

33 Conclusão Você acaba de concluir a aula 2 do curso Esportes de Invasão. Nesta aula, você estudou como surgiram os esportes futebol, futebol de e como eles entraram para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Estudou também sobre as principais regras desses esportes. Acesse a aula 3 e prossiga com seus estudos.

34 FICHA CATALOGRÁFICA Título: Futebol, Futebol de 5, Futebol de 7 Assunto: Esportes de Invasão Palavras-chave: Futebol, cinco, sete, invasão Data da publicação: 03/2015 Edição: 1ª edição Autor/Criador: Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Colaboração: Política e Operações Esportivas SPP Banco de Imagens Rio 2016 Imagens: Getty Images Tipo de Documento: Aula Digital Idioma: Português (Brasil) Objeto Digital: Slide de Apresentação Formato:.pps e.pdf Local original:

Esportes de Invasão. Aula 1. Basquetebol, basquetebol em cadeira de rodas e handebol. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Invasão. Aula 1. Basquetebol, basquetebol em cadeira de rodas e handebol. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Invasão Aula 1 Basquetebol, de rodas e handebol Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria INVASÃO e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses esportes

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 4. Badminton e goalball Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 4. Badminton e goalball Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 4 Badminton e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria de REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história do surgimento desses esportes e

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 3. Golfe e hóquei sobre grama Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 3. Golfe e hóquei sobre grama Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 3 Golfe e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria de REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história do surgimento desses esportes e sua

Leia mais

Esportes de Invasão. Aula 3. Rugby, rugby em cadeira de rodas e polo aquático. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Invasão. Aula 3. Rugby, rugby em cadeira de rodas e polo aquático. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Invasão Aula 3 Rugby, rugby em cadeira de rodas e polo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria INVASÃO. 2 Conhecer a história desses esportes e a sua entrada

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 1 Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 2. Tênis e tênis de mesa. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 2. Tênis e tênis de mesa. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 2 Tênis e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria de REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história do surgimento desses esportes e sua

Leia mais

Esportes de Combate. Aula 1. Judô e taekwondo

Esportes de Combate. Aula 1. Judô e taekwondo Esportes de Combate Aula 1 Judô e taekwondo Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria de COMBATE e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses esportes e sua entrada para os Jogos Olímpicos

Leia mais

Esportes de Interação com a Natureza

Esportes de Interação com a Natureza Esportes de Interação com a Natureza Aula 2 Canoagem e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA e suas principais regras. 2 Conhecer a história

Leia mais

Esportes de Interação com a Natureza

Esportes de Interação com a Natureza Esportes de Interação com a Natureza Aula 1 Vela e remo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria ESPORTES DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA e suas principais regras. 2 Conhecer a

Leia mais

O Movimento Olímpico. Aula 1 Olimpismo. Rio 2016 Versão 1.0

O Movimento Olímpico. Aula 1 Olimpismo. Rio 2016 Versão 1.0 O Movimento Olímpico Aula 1 Olimpismo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Definir o Olimpismo, compreendendo sua filosofia. 2 Identificar os Valores Olímpicos. 3 Reconhecer a estrutura da Família Olímpica.

Leia mais

O Movimento Paralímpico. Aula 2 Esportes Paralímpicos Parte 1

O Movimento Paralímpico. Aula 2 Esportes Paralímpicos Parte 1 O Movimento Paralímpico Aula 2 Esportes Paralímpicos Parte 1 Objetivos 1 2 Apresentar a classificação funcional dos esportes Paralímpicos. Conhecer os seguintes esportes Paralímpicos: atletismo, halterofilismo,

Leia mais

* Regulamento Técnico 2016 * FUTSAL

* Regulamento Técnico 2016 * FUTSAL * Regulamento Técnico 2016 * FUTSAL 1. DOS JOGOS: Os jogos de Futsal serão regidos pelas Regras Oficiais vigentes da Confederação Brasileira de Futsal, observadas as exceções previstas neste Regulamento

Leia mais

M I N I S T É RI O D OS D ES B RA V A DO R ES ESPORTES ADAPTADOS

M I N I S T É RI O D OS D ES B RA V A DO R ES ESPORTES ADAPTADOS M I N I S T É RIO DOS D E S B RA V A DO R E S ESPORTES ADAPTADOS Esta é mais uma publicação do site, Guias de estudo para as especialidade do Clube de Desbravadores Volume 42 1ª Edição: Disponível em www.mundodasespecialidades.com.br

Leia mais

REGULAMENTO DANONE COPA DAS NAÇÕES

REGULAMENTO DANONE COPA DAS NAÇÕES REGULAMENTO DANONE COPA DAS NAÇÕES Capítulo 1 Da Finalidade Artigo 1º - A DANONE COPA DAS NAÇÕES tem como objetivo incentivar a prática esportiva no meio estudantil e comunitário e promover o intercâmbio,

Leia mais

Esportes de Interação com a Natureza

Esportes de Interação com a Natureza Esportes de Interação com a Natureza Aula 3 Hipismo, triatlo e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria ESPORTES DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA e suas principais regras.

Leia mais

REGULAMENTO DE FUTSAL

REGULAMENTO DE FUTSAL REGULAMENTO DE FUTSAL Capítulo I DAS FINALIDADES Art. 1º O campeonato de futsal masculino, é promovido como uma das modalidades dos VI JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA, promovido e organizado pela AMB Associação

Leia mais

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na FUTSAL O futebol de salão conhecido apenas como futsal é uma prática adaptada do futebol. Em uma quadra esportiva são formados times de cinco jogadores e assim como no futebol, o principal objetivo é colocar

Leia mais

Educação Física: Futsal

Educação Física: Futsal FUTSAL Apresentação do Plano de Trabalho História e evolução do futebol de salão Regras Oficiais Métodos de Ensino Progressivo Repetitivo/Parcial Situacional/Global Fundamentos Técnicos Controle Proteção

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO FUTSAL

REGULAMENTO TÉCNICO FUTSAL FUTSAL Art. 1º - O campeonato de Futebol de Salão será regido pelas regras oficiais da CBFS - Confederação Brasileira de Futsal, por este Regulamento e conforme o disposto no Regulamento Geral. Art. 2º

Leia mais

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I I MACEIÓ-AL, 2015 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º - O esporte é considerado um fenômeno cultural da humanidade capaz de propiciar inúmeros benefícios aos seus praticantes.

Leia mais

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Prof. Mst. Sandro de Souza Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Desenhe um campo de Futebol com as suas dimensões e marcações. Qual o número mínimo de jogadores, em um time, para iniciar

Leia mais

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 Organização, compromisso e qualidade em prol do esporte universitário paulista www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 REGULAMENTO

Leia mais

O Movimento Olímpico. Aula 2 Os Símbolos Olímpicos. Rio 2016 Versão 1.0

O Movimento Olímpico. Aula 2 Os Símbolos Olímpicos. Rio 2016 Versão 1.0 O Movimento Olímpico Aula 2 Os Símbolos Olímpicos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Identificar os principais símbolos olímpicos. 2 Compreender a importância e a função de cada símbolo olímpico. Introdução

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 3 A categorização dos esportes Olímpicos e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Compreender a categorização dos esportes Olímpicos e por similaridade de movimentos, ações ou local

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE 1. As competições de basquete serão realizadas de acordo com as regras internacionais da FIBA e os regulamentos e normas do Novo Desporto Universitário 2012 NDU. 2. Cada

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 2 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar o desenvolvimento e o amadurecimento dos aspectos motores. 2 Relacionar os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS MULTIVIX

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS MULTIVIX ART. 1º - DA FINALIDADE REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS MULTIVIX Os JOGOS MULTIVIX modalidade Beach Soccer fazem parte do CIRCUITO VIDA SAUDÁVEL MULTIVIX, torneio universitário que tem por finalidade integrar

Leia mais

REGULAMENTO GERAL GEACSB 2015

REGULAMENTO GERAL GEACSB 2015 REGULAMENTO GERAL GEACSB 2015 PARTE GERAL Art. 1º - Denomina-se Grêmio de Ex-Alunos do Colégio de São Bento ( GEACSB ) o campeonato de futebol society organizado pela ALUMNI CSB-RJ e realizado anualmente

Leia mais

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil APOSTILA DE FUTSAL 6º, 7º, 8º e 9º ANO HISTÓRICO No Brasil O Futebol de Salão tem duas versões sobre o seu surgimento, como em outros esportes, há divergências quanto a sua invenção. Há uma versão que

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 4 Criando um Plano Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Conhecer um passo a passo para trabalhar com a categorização de esportes. 2 Identificar sugestões de planejamento para as

Leia mais

Histórico de Medalhas e Modalidades Paralímpicas - Portugal

Histórico de Medalhas e Modalidades Paralímpicas - Portugal Histórico de Medalhas e Modalidades Paralímpicas - Portugal Igualdade, Inclusão & Excelência Desportiva Departamento Técnico, Fevereiro de Índice Introdução... Medalhas... Gráficos de Medalhas... Atletas

Leia mais

DICAS DE OURO O que você precisa saber para aproveitar cada momento dos Jogos Rio 2016

DICAS DE OURO O que você precisa saber para aproveitar cada momento dos Jogos Rio 2016 LEGENDA ACESSÍVEL: ILUSTRAÇÃO DO PICTOGRAMA ESPORTIVO COM MARCA E IDENTIDADE VISUAL DOS JOGOS OLÍMPICOS BEM-VINDO! Você agora faz parte do maior evento esportivo do mundo. O Guia do Espectador dos Jogos

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 1 Educação Olímpica

Valores Educacionais. Aula 1 Educação Olímpica Valores Educacionais Aula 1 Educação Olímpica Objetivos 1 Apresentar os objetivos da Educação Olímpica. 2 Indicar as possibilidades de trabalho com a temática Valores Educacionais integrada aos conteúdos

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

DA FINALIDADE: Homens só poderão substituir homens e mulheres só poderão substituir mulheres.

DA FINALIDADE: Homens só poderão substituir homens e mulheres só poderão substituir mulheres. DA FINALIDADE: Art. 1º - Os JOGOS DE VERÃO ARCO SPM 2013 MODALIDADE VOLEIBOL 4X4, tem como finalidade principal, promover o congraçamento das equipes e o aumento da adesão à prática de exercícios físicos

Leia mais

DORIVAL ANTONIO DE LIMA

DORIVAL ANTONIO DE LIMA 5ºCOPA FUPESP FEDERAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO 2009 DORIVAL ANTONIO DE LIMA REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação e Participação Art. 1º - A

Leia mais

CATEGORIA: IDADE LIVRE

CATEGORIA: IDADE LIVRE 15º CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE ADVOGADOS (15ª edição) 2014 CATEGORIA: IDADE LIVRE REGULAMENTO GERAL Art. 1 - Participantes: O 15º Campeonato Brasileiro de Futebol da OAB terá a participação dos

Leia mais

3ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS.

3ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS. 3ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS. REGULAMENTO OFICIAL CAPÍTULO I OBJETIVOS ART. 1º - A 3ª Copa Quiosque Natureza de Futebol Suíço Inter-Academias, que será realizada no 2º semestre

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA Art. 1º O Torneio de Futebol Society tem por finalidade: A congregação dos graduandos, o fortalecimento dos laços de amizade e a camaradagem

Leia mais

10ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS.

10ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS. 10ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS. REGULAMENTO OFICIAL (atualizado em 16/09) CAPÍTULO I OBJETIVOS ART. 1º - A 10ª Copa Quiosque Natureza de Futebol Suíço Inter-Academias, que

Leia mais

As tochas Olímpicas e Paralímpicas

As tochas Olímpicas e Paralímpicas As tochas Olímpicas e Paralímpicas Aula 2 A tocha dos Jogos Rio 2016 Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos Nesta aula, você irá conhecer: 1 As principais características da tocha dos Jogos Rio 2016 2 O revezamento

Leia mais

XI COPA PAULISTA DE FUTEBOL DE BASE

XI COPA PAULISTA DE FUTEBOL DE BASE XI COPA PAULISTA DE FUTEBOL DE BASE REGULAMENTO OFICIAL - 2015 Da Finalidade Art. 01 - A XI Copa Paulista de Futebol de Base, tem por finalidade o estimulo à prática esportiva saudável, ao caráter formativo

Leia mais

REGULAMENTO COPA NOVOS HORIZONTES DE FUTSAL 2014

REGULAMENTO COPA NOVOS HORIZONTES DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO COPA NOVOS HORIZONTES DE FUTSAL 2014 I - FINALIDADES ARTIGO 1º - A COPA NOVOS HORIZONTES DE FUTSAL, na categoria masculino/adulto, tem por finalidade congregar os alunos das unidades do Santo

Leia mais

Confederação Brasileira de Futsal

Confederação Brasileira de Futsal Emendas e correções às Regras do Futsal para os jogos a partir de 01/01/2015 Prezados Desportistas, Em colaboração com a International Football Association Board ( IFAB) e o Departamento de Arbitragem

Leia mais

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 I - DOS JOGOS Art.1 - A Olimpíada Especial UBM/PMBM tem por finalidade desenvolver o intercâmbio desportivo e social entre os atletas, professores

Leia mais

FUNPEEL Troféu Luiz Carlos Heidrich (LULI)

FUNPEEL Troféu Luiz Carlos Heidrich (LULI) 8 o CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTSAL MASCULINO/ FUNPEEL Troféu Luiz Carlos Heidrich (LULI) 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO TÉCNICO 1.1. O 8º Campeonato Municipal de Futsal Masculino será promovido e

Leia mais

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010.

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010. COPA SENAI 2010 REGULAMENTO GERAL SESI SENAI - SP 2010 REGULAMENTO GERAL FASE INTERCLASSES I DOS OBJETIVOS Art. 01 A COPA SENAI 2010, tem por finalidade o bem estar e a integração do aluno perante a sociedade

Leia mais

REGULAMENTO PROVAS ESPORTIVAS. 11ª Gincana do Calouro Solidário Univille 2014

REGULAMENTO PROVAS ESPORTIVAS. 11ª Gincana do Calouro Solidário Univille 2014 REGULAMENTO PROVAS ESPORTIVAS 11ª Gincana do Calouro Solidário Univille 2014 Como parte das atividades, a Univille, em parceria com o Departamento de Educação Física, realizará, na 11ª Gincana do Calouro

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL N.: 5 DATA: 2012.07. 07.10 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL ONZE 2012/13

COMUNICADO OFICIAL N.: 5 DATA: 2012.07. 07.10 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL ONZE 2012/13 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL ONZE 2012/13 Para conhecimento geral, informa-se que a FIFA, através da sua Circular Nº 1302 de 31.05.2012, divulgou as alterações às leis do jogo 2012/13, que se

Leia mais

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY XIII JOGOS AFFEMG Associação dos Funcionários Fiscais de Minas Gerais 1- DO LOCAL REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY 1.1 - Os jogos acontecerão em campos de futebol society de grama sintética ou natural, aprovados

Leia mais

IX COPA ASTEROIDE CCPR DE FUTEBOL REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO

IX COPA ASTEROIDE CCPR DE FUTEBOL REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO IX COPA ASTEROIDE CCPR DE FUTEBOL REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação, Objetivo e Participação a. A IX Copa Asteroide CCPR de Futebol Interagências, doravante denominada CAMPEONATO, será

Leia mais

As Informações serão divulgadas no site www.faculdedemental.com.br e na www.unihorizontes.br. REGULAMENTO I- FINALIDADES

As Informações serão divulgadas no site www.faculdedemental.com.br e na www.unihorizontes.br. REGULAMENTO I- FINALIDADES As Informações serão divulgadas no site www.faculdedemental.com.br e na www.unihorizontes.br. Após todos os jogos REGULAMENTO I- FINALIDADES ARTIGO 1º - O TORNEIO FUTSAL DA FACULDADE NOVOS HORIZONTES,

Leia mais

Torneio de Futsal 2014 Troféu Rafael Afonso Leite

Torneio de Futsal 2014 Troféu Rafael Afonso Leite Torneio de Futsal 2014 Troféu Rafael Afonso Leite DOS OBJETIVOS: O Einstein Gol é um evento que visa aumentar sociabilizarão e integração entre todos os nossos alunos, funcionários, Corpo Docente e Direção.

Leia mais

DANONE COPA DAS NAÇÕES 2015

DANONE COPA DAS NAÇÕES 2015 REGULAMENTO DE SÃO PAULO CAPÍTULO 1 DA FINALIDADE Artigo 1º - A DANONE COPA DAS NAÇÕES tem por objetivo, incentivar a prática esportiva no meio estudantil e comunitário, e promover o intercâmbio, a socialização

Leia mais

ANHEMBI TÊNIS CLUBE REGULAMENTO DO FUTEBOL SOCIETY

ANHEMBI TÊNIS CLUBE REGULAMENTO DO FUTEBOL SOCIETY REGULAMENTO 1- OBJETIVO: Regulamentar, padronizar, unificar e disciplinar as atividades do FUTEBOL SOCIETY do Anhembi Tênis Clube. 2- FINALIDADE: Aprimorar o aspecto de Lazer, o companheirismo, o respeito

Leia mais

REGULAMENTO DELEGACIA SINDICAL DE BRASÍLIA - DF IV CAMPEONATO DE FUTEBOL SOÇAITE DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL / 2011

REGULAMENTO DELEGACIA SINDICAL DE BRASÍLIA - DF IV CAMPEONATO DE FUTEBOL SOÇAITE DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL / 2011 REGULAMENTO DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES: Artigo 1 Artigo 2 Artigo 3 Artigo 4 Artigo 5 Fica instituído pela Delegacia Sindical de Brasília o IV Campeonato de Futebol Soçaite. Este regulamento é o conjunto

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO MUNICIPAL DE 2012 CATEGORIA PRINCIPAL DIVISÃO ESPECIAL/1ª DIVISÃO/2ª DIVISÃO/3ª DIVISÃO/4ª DIVISÃO

REGULAMENTO DO CAMPEONATO MUNICIPAL DE 2012 CATEGORIA PRINCIPAL DIVISÃO ESPECIAL/1ª DIVISÃO/2ª DIVISÃO/3ª DIVISÃO/4ª DIVISÃO LIGA DE FUTEBOL DE SALÃO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO e-mail ligafutsalsbc@gmail.com ou ligafutsalsbc@uol.com.br - Data de fundação 15/08/1981 site : www.ligafutsalsaobernardo.com.br Telefones: 4122-58-85-4330-95-70

Leia mais

REGULAMENTO. Os representantes das equipes ficarão responsáveis pela disciplina de seus atletas.

REGULAMENTO. Os representantes das equipes ficarão responsáveis pela disciplina de seus atletas. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES: REGULAMENTO Artigo 1 Artigo 2 Artigo 3 Artigo 4 Artigo 5 Fica instituído pela Delegacia Sindical de Brasília o IV Campeonato de Futebol Soçaite. Este regulamento é o conjunto

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL SALVADOR CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY - 2009 REGULAMENTO GERAL - CÓDIGO ESPORTIVO

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL SALVADOR CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY - 2009 REGULAMENTO GERAL - CÓDIGO ESPORTIVO CAPÍTULO I - DAS COMPETIÇÕES ARTIGO 01 - A finalidade principal da realização dos Campeonatos Internos de Futebol é desenvolver a prática esportiva, fomentando em caráter recreativo e, absolutamente amadorista,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA DO BANCO DO BRASIL VICE-PRESIDÊNCIA DE ESPORTES TORNEIO INTERNO I COPA MUNDO A.A.B.B. DE FUTEBOL DE CAMPO

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA DO BANCO DO BRASIL VICE-PRESIDÊNCIA DE ESPORTES TORNEIO INTERNO I COPA MUNDO A.A.B.B. DE FUTEBOL DE CAMPO TORNEIO INTERNO I COPA MUNDO A.A.B.B. DE FUTEBOL DE CAMPO REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO O Vice-Presidente de Esportes da Associação Atlética do Banco do Brasil de Belo Horizonte, usando de suas atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO

REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO I - DOS LOCAIS DOS JOGOS Art. 1º - Os jogos serão realizados nos seguintes locais: Quadras 01,02 e 03 - térreo do Prédio 80 Quadras 01,02 e 03-4º andar do Prédio

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO GERAL. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º A Copa Sesquinho é promovida pelo Serviço Social do Comércio SESC-DF. Os jogos serão regidos pelo presente Regulamento Geral e por decisões

Leia mais

JOGOS RECREATIVOS ESPECIAIS DE MATO GROSSO DO SUL JORES 2015

JOGOS RECREATIVOS ESPECIAIS DE MATO GROSSO DO SUL JORES 2015 GOVERNADO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO FUNDAÇÃO DE DESPORTO E LAZER DE MATO GROSSO DO SUL GERÊNCIA GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE ATIV. DESPORTIVAS JOGOS RECREATIVOS ESPECIAIS

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

Regulamento 7ª Olimpíada TJPE

Regulamento 7ª Olimpíada TJPE Regulamento 7ª Olimpíada TJPE A Secretaria de Gestão de Pessoas do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco FAZ SABER que nos dias 17 e 18 de outubro de 2015 realizará a 7ª OLIMPÍADA TJPE, mediante

Leia mais

Município de Santa Helena Secretaria de Educação, Cultura e Esportes Departamento de Esportes e Lazer CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTEBOL SUÍÇO - 2013.

Município de Santa Helena Secretaria de Educação, Cultura e Esportes Departamento de Esportes e Lazer CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTEBOL SUÍÇO - 2013. CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTEBOL SUÍÇO - 2013. REGULAMENTO Santa Helena, Outubro de 2013. CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTEBOL SUIÇO 2013 I DO REGULAMENTO Art. 1º - Este regulamento se destina a regulamentar

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO JICOF JOGOS INTERNOS DO COLÉGIO FRACTAL

REGULAMENTO GERAL DO JICOF JOGOS INTERNOS DO COLÉGIO FRACTAL REGULAMENTO GERAL DO JICOF JOGOS INTERNOS DO COLÉGIO FRACTAL CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Os jogos internos do COLÉGIO FRACTAL (JICOF) têm por finalidade principal humanizar a prática desportiva, valorizando

Leia mais

AS MOEDAS DO MUNDO. C a d a a t i v i d a d e p o d e s e i m p re s s a separadamente e realizada com as crianças em sala de aula ou em casa.

AS MOEDAS DO MUNDO. C a d a a t i v i d a d e p o d e s e i m p re s s a separadamente e realizada com as crianças em sala de aula ou em casa. 1 AS MOEDAS DO MUNDO Esse é um livro de atividades para crianças. O objetivo proposto é aproveitarmos o período e empolgação das crianças com a Copa do Mundo de Futebol para propiciar aprendizado e maior

Leia mais

Conhecendo o futebol!

Conhecendo o futebol! Conhecendo o futebol! Jacqueline Cristina Jesus Martins E.E. Alcides da Costa Vidigal Todos os anos, na Escola Estadual Alcides da Costa Vidigal, antes do início do ano letivo, os professores, a coordenação

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS EINSTEIN

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS EINSTEIN CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS EINSTEIN Artigo 1º - Os Jogos Universitários tem como objetivo: * Incentivar a participação dos jovens em atividades saudáveis do ponto de vista social,

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço Valores Educacionais Aula 2 Alegria do Esforço Objetivos 1 Apresentar o valor Alegria do Esforço. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Alegria do Esforço. Introdução As próximas aulas

Leia mais

Guilherme Raymundo Costa

Guilherme Raymundo Costa Guilherme Raymundo Costa Concedei-me, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso modificar, coragem para modificar aquelas que posso e sabedoria para distinguir umas das outras.

Leia mais

II CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2014 TAÇA FIFA 2014 Troféu Álvaro Wischral Tuti

II CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2014 TAÇA FIFA 2014 Troféu Álvaro Wischral Tuti II CAMPEONATO DE FUTEBOL SUIÇO BEIRA RIO CLUBE DE CAMPO 2014 TAÇA FIFA 2014 Troféu Álvaro Wischral Tuti Regulamento Geral I Das Disposições Gerais Obs: A COMISSÃO É COMPOSTA pelos integrantes: Rafael Rangel,

Leia mais

REALIZAÇÃO: NOVE DE JULHO CASA VERDE

REALIZAÇÃO: NOVE DE JULHO CASA VERDE 6ª COPA NOVE DE JULHO DE FUTEBOL AMADOR 2016 REALIZAÇÃO: NOVE DE JULHO CASA VERDE 1 REGULAMENTO DA 6ª COPA NOVE DE JULHO 2016 CAPITULO I Da PARTICIPAÇÃO Esta copa contará com a participação de 48 (quarenta

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DESPORTO PARA DEFICIENTES XV CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE SETE PC 2014 REGULAMENTO GERAL

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DESPORTO PARA DEFICIENTES XV CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE SETE PC 2014 REGULAMENTO GERAL XV CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE SETE PC 2014 REGULAMENTO GERAL 26 DE AGOSTO A 31 DE AGOSTO DE 2014 AGUAS DE LINDOIA - SP CAPÍTULO I Da Finalidade: Art. 1º - Têm por finalidade estimular a participação

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º ENCONTRO da CATEGORIA da SAÚDE de FUTSAL 2012. I Dos Objetivos

REGULAMENTO DO 1º ENCONTRO da CATEGORIA da SAÚDE de FUTSAL 2012. I Dos Objetivos REGULAMENTO DO 1º ENCONTRO da CATEGORIA da SAÚDE de FUTSAL 2012. I Dos Objetivos (Art. 1º) Este modelo de regulamento é o conjunto das disposições que regem os Campeonatos da CNFS Confederação Nacional

Leia mais

TAÇA CIDADE SÃO JOSÉ DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO GERAL I - DA ORGANIZÇÃO E DIREÇÃO

TAÇA CIDADE SÃO JOSÉ DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO GERAL I - DA ORGANIZÇÃO E DIREÇÃO TAÇA CIDADE SÃO JOSÉ DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO GERAL I - DA ORGANIZÇÃO E DIREÇÃO Art. 1º - A organização da Taça Cidade São José de Futsal é de inteira responsabilidade da Prefeitura Municipal de São

Leia mais

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES 2012 Thiago Magalhães / UNICAMP Otávio Luis Piva da Cunha Furtado / UNICAMP Márcio Pereira Morato / USP Diego Henrique

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo Valores Educacionais Aula 3 Jogo Limpo Objetivos 1 Apresentar o valor Jogo Limpo. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Jogo Limpo. Introdução Esta aula apresenta definições e sugestões

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º. Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem a Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos 2015, nas categorias

Leia mais

Reis do Drible. Realização: 20 de Dezembro de 2015 Local: Rio de Janeiro

Reis do Drible. Realização: 20 de Dezembro de 2015 Local: Rio de Janeiro Reis do Drible Realização: 20 de Dezembro de 2015 Local: Rio de Janeiro As Regras para o evento Reis do Drible, foram formatadas e adaptadas a partir das regras originais do Futsal Brasileiro. ÍNDICE 01

Leia mais

Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa

Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa ARTIGO ORIGINAL Ocorrência de entorse e lesões do joelho em jogadores de futebol da cidade de Manaus, Amazonas Eduardo Telles de Menezes Stewien

Leia mais

T.C.A. Trabalho Colaborativo de Autoria

T.C.A. Trabalho Colaborativo de Autoria T.C.A Trabalho Colaborativo de Autoria Jogos Paraolímpicos Logo do Comitê Paraolímpico Internacional Integrantes : Guilherme Souza Dantas Nº08 Gustavo Haruki Nº09 Marcelo Henrique Cordeiro Moraes Nº14

Leia mais

PREFEITURA DE SOROCABA SECRETARIA DE ESPORTE

PREFEITURA DE SOROCABA SECRETARIA DE ESPORTE I - DA PROMOÇÃO E OBJETIVO PREFEITURA DE SOROCABA SECRETARIA DE ESPORTE 32º TORNEIO ABERTO DE FUTSAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES CRUZEIRINHO 2012 REGULAMENTO GERAL E TÉCNICO Artigo 1º - O 32º Torneio

Leia mais

Disponibilizado pela Urece Esporte e Cultura. www.urece.org.br. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 1

Disponibilizado pela Urece Esporte e Cultura. www.urece.org.br. Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 1 Disponibilizado pela Urece Esporte e Cultura www.urece.org.br Regras de Futsal B1 e B2/B3 da IBSA 2005/2009 1 FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE ESPORTES PARA CEGOS REGRAS DE FUTSAL 2005-2009 CATEGORIAS B1 e B2/B3

Leia mais

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015 REGULAMENTO 2015 1º Torneio Bancário Society de Clubes Paulista 2015, é uma promoção da Secretaria de Esporte do Sindicato dos Bancários, e tem por finalidade efetuar o congraçamento entre os bancários

Leia mais

Federação Gaúcha de Rugby FGR

Federação Gaúcha de Rugby FGR Federação Gaúcha de Rugby FGR Regulamento do Circuito Gaúcho de Rugby SevensFeminino ( CGR 7 s Feminino ). Capítulo I - Disposições Gerais O Circuito Gaúcho de Rugby Sevens ( CGR 7 s ) é um evento promovido

Leia mais

COPA INTERBAIRROS 2ª Edição Taça Ricardo Peixoto (ROLINHA)

COPA INTERBAIRROS 2ª Edição Taça Ricardo Peixoto (ROLINHA) COPA INTERBAIRROS 2ª Edição Taça Ricardo Peixoto (ROLINHA) REGULAMENTO CAPITULO I DISPOSICÕES PRELIMINARES Art. 1º - A Copa Interbairros de Futebol tem como finalidade despertar entre os comunitários a

Leia mais

REGULAMENTO do TORNEIO

REGULAMENTO do TORNEIO REGULAMENTO do TORNEIO As regras de jogo aplicadas no Maia Handball Cup 2014 são as que estão em vigor na Federação de Andebol de Portugal que, por sua vez, baseia a sua lei na IHF. No entanto, ficam estabelecidas

Leia mais

V ENCONTRO DESPORTIVO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ. Juazeiro do Norte-CE, 03 a 06 de dezembro de 2015

V ENCONTRO DESPORTIVO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ. Juazeiro do Norte-CE, 03 a 06 de dezembro de 2015 V ENCONTRO DESPORTIVO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DO CEARÁ Juazeiro do Norte-CE, 03 a 06 de dezembro de 2015 REGULAMENTO GERAL NOVEMBRO-2015 REGULAMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

A Copa do Mundo de 2010 A Seleção Japonesa chegou aos 16 finalistas na Copa do Mundo na África do Sul. (Foto: Cortesia de Photo Kishimoto)

A Copa do Mundo de 2010 A Seleção Japonesa chegou aos 16 finalistas na Copa do Mundo na África do Sul. (Foto: Cortesia de Photo Kishimoto) Futebol A Copa do Mundo de 2010 A Seleção Japonesa chegou aos 16 finalistas na Copa do Mundo na África do Sul. Introdução No Japão, o esporte conhecido na maioria dos países como futebol é tipicamente

Leia mais

COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015 REGULAMENTO

COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015 REGULAMENTO COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015 REGULAMENTO DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Art. 1º Á COPA DOS CAMPEÕES UNILIGAS 2015, será disputada pelas 7 (sete) equipes Campeãs e as 7(sete) equipes Vice Campeãs das

Leia mais

HTTP://PT.SCRIBD.COM/DOC/55452326/FUNDAMENTOS-BASICOS-DO-HANDEBOL INTRODUÇÃO DA HISTÓRIA DOHANDEBOL

HTTP://PT.SCRIBD.COM/DOC/55452326/FUNDAMENTOS-BASICOS-DO-HANDEBOL INTRODUÇÃO DA HISTÓRIA DOHANDEBOL HTTP://PT.SCRIBD.COM/DOC/55452326/FUNDAMENTOS-BASICOS-DO-HANDEBOL INTRODUÇÃO DA HISTÓRIA DOHANDEBOL Atribui-se a invenção do Handebol ao professor Karl Schellenz, da Escola Normal de Educação Física de

Leia mais

2ª COPA MENAKA DE FUTSAL 2013 REGULAMENTO GERAL

2ª COPA MENAKA DE FUTSAL 2013 REGULAMENTO GERAL ALTERADO: 09/08/2013 2ª COPA MENAKA DE FUTSAL 2013 REGULAMENTO GERAL 1) DAS FINALIDADES: Artigo 1. ) O Campeonato, é realizado pela Batalha Comércio e Promoções Esportivas, e tem como principais objetivos:

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º- Este regulamento é o conjunto de disposições que rege os jogos internos do Colégio Facex edição 2014.

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º- Este regulamento é o conjunto de disposições que rege os jogos internos do Colégio Facex edição 2014. Página 1 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º- Este regulamento é o conjunto de disposições que rege os jogos internos do Colégio Facex edição 2014. CAPÍTULO II DA FINALIDADE Art. 2º - Os jogos internos

Leia mais

REGULAMENTO VII TORNEIO INTER-CARTÓRIOS 2015 DE FUTSAL DE SOROCABA E REGIÃO

REGULAMENTO VII TORNEIO INTER-CARTÓRIOS 2015 DE FUTSAL DE SOROCABA E REGIÃO REGULAMENTO VII TORNEIO INTER-CARTÓRIOS 2015 DE FUTSAL DE SOROCABA E REGIÃO REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART.1 Este regulamento é o conjunto das disposições que regem as competições do Torneio

Leia mais

APOSTILA DE RUGBY O RUGBY BRASILEIRO

APOSTILA DE RUGBY O RUGBY BRASILEIRO APOSTILA DE RUGBY O RUGBY BRASILEIRO História do Rugby no Brasil -O RUGBY chegou ao BRASIL no século retrasado. -Charles Miller teria organizado em 1895 o primeiro time de rugby brasileiro, em São Paulo.

Leia mais