Esportes de Interação com a Natureza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esportes de Interação com a Natureza"

Transcrição

1

2 Esportes de Interação com a Natureza Aula 2 Canoagem e Rio 2016 Versão 1.0

3 Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA e suas principais regras. 2 Conhecer a história do surgimento desses esportes e sua entrada nos Jogos Olímpicos e nos Jogos Paralímpicos.

4 Introdução Introdução Nesta aula, vamos aprender um pouco mais sobre dois esportes que estão dentro da categoria DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA: CANOAGEM PARACANOAGEM

5 1 Canoagem

6 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM A seguir, vamos conhecer as duas disciplinas da canoagem: CANOAGEM VELOCIDADE CANOAGEM SLALOM

7 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM VELOCIDADE UM POUCO DA HISTÓRIA Disciplina da canoagem presente há mais tempo no programa Olímpico, a CANOAGEM VELOCIDADE teve suas primeiras competições na metade do século XIX. A primeira organização a realizar disputas foi o Royal Canoe Club, fundado em 1866 na Inglaterra, seguido pelo surgimento do New York Canoe Club, em POR VOLTA DE 1890, O ESPORTE JÁ ERA AMPLAMENTE DIFUNDIDO POR TODA A EUROPA.

8 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM VELOCIDADE UM POUCO DA HISTÓRIA Em 1924, a canoagem velocidade dava dois passos importantes para se popularizar ainda mais: A FUNDAÇÃO DE SUA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL: ICF - International Canoe Federation. A INCLUSÃO COMO ESPORTE DE DEMONSTRAÇÃO NO PROGRAMA DOS JOGOS OLÍMPICOS DAQUELE MESMO ANO, EM PARIS.

9 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM VELOCIDADE NOS JOGOS OLÍMPICOS A entrada oficial aconteceu na edição de 1936, em Berlim, na Alemanha, com nove eventos só para homens. As disputas femininas começaram em 1948, nos Jogos de Londres, com apenas um evento. HOJE, SÃO OITO NO MASCULINO E QUATRO NO FEMININO.

10 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM VELOCIDADE PRINCIPAIS REGRAS 1 A canoagem velocidade é disputada em ÁGUAS CALMAS, em PERCURSOS BALIZADOS POR BOIAS EM LINHA RETA, com 1000, 500 e 200 metros de extensão. 2 O objetivo é simples: TERMINAR O PERCURSO NO MENOR TEMPO POSSÍVEL.

11 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM VELOCIDADE PRINCIPAIS REGRAS 3 Os eventos são diferenciados pelo: NÚMERO DE ATLETAS nas embarcações: uma, duas ou quatro pessoas, TIPO DE BARCO utilizado: canoas ou caiaques. CANOAS As canoas, identificadas pela letra C, são barcos abertos, nos quais os competidores se apoiam sobre um dos joelhos e usam remos que têm apenas uma pá. CAIAQUES Identificados pela letra K (do inglês Kayak), os caiaques possuem um espaço para que os competidores fiquem sentados enquanto tracionam a água de forma alternada. Para isto, utilizam um remo com duas pás, uma em cada extremidade.

12 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM SLALOM UM POUCO DA HISTÓRIA A CANOAGEM SLALOM surgiu em 1932, na Suíça. A inspiração foi a prova de mesmo nome do esqui, na qual os participantes descem por um percurso pré-definido, com portas que tem de ser ultrapassadas só que, em vez da neve, o cenário é um RIO DE ÁGUAS TURBULENTAS, onde as portas de cor vermelha devem ser cruzadas no sentido contrário à correnteza.

13 Capítulo 1 Canoagem Saiba mais... A primeira competição oficial aconteceu em 1933, mas a Segunda Guerra Mundial prejudicou o desenvolvimento da disciplina. Depois do fim do conflito, a Federação Internacional de Canoagem (ICF, em inglês), fundada em 1924, decidiu organizar o primeiro Mundial sob sua chancela, no ano de 1949, também na Suíça.

14 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM SLALOM NOS JOGOS OLÍMPICOS O slalom ENTROU NO PROGRAMA OLÍMPICO NOS JOGOS DE 1972, EM MUNIQUE, com três eventos masculinos e um feminino. O esporte RETORNOU APENAS NA EDIÇÃO DE 1992, EM BARCELONA, e permanece em disputa até hoje, com o mesmo número de eventos.

15 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM SLALOM NOS JOGOS OLÍMPICOS As provas podem ser: em CANOAS INDIVIDUAIS OU EM DUPLAS, APENAS PARA OS HOMENS, em CAIAQUES, EM QUE HOMENS E MULHERES COMPETEM INDIVIDUALMENTE. Para atender melhor ao público e à transmissão de TV, as provas de slalom nos Jogos Olímpicos sempre foram disputadas em pistas artificiais ou semiartificiais.

16 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM SLALOM PRINCIPAIS REGRAS 1 Diferentemente das embarcações utilizadas na canoagem velocidade, mais alongadas e finas, as do slalom são menores, mais leves e com um formato diferente, com materiais capazes de resistir às fortes corredeiras e que permitam aos competidores se movimentarem agilmente em meio ao percurso.

17 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM SLALOM PRINCIPAIS REGRAS 2 Assim como na velocidade, cada tipo de embarcação é identificada por uma letra: C - para a canoa, em que os atletas usam remos com uma pá, K - para o caiaque (do inglês Kayak), em que os competidores usam um remo com duas pás.

18 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM SLALOM PRINCIPAIS REGRAS 3 Cada competidor deve passar por 18 a 25 portas, que estão penduradas por cabos suspensos e distribuídas ao longo da pista, cujo percurso pode variar de 200 a 250 metros. Existe uma sequência numérica e uma indicação de sentindo a favor ou contra a correnteza para cada uma das portas, que deve ser obedecida. As portas de cor verde são superadas a favor da correnteza e as de cor vermelha no sentido contra a corrente. O trajeto é feito duas vezes, valendo a descida mais rápida. Há penalidades que somam tempo ao desempenho final de cada competidor, sendo elas: 05 segundos pelo toque na baliza e 50 segundos por não passar ao menos com a cabeça por dentro da porta.

19 Capítulo 1 Canoagem CANOAGEM SLALOM PRINCIPAIS REGRAS 4 O vencedor da prova é aquele que conseguir o MELHOR DESEMPENHO, já com o desconto de todas as penalidades.

20 2 Paracanoagem

21 Capítulo 2 Paracanoagem PARACANOAGEM NOS JOGOS PARALÍMPICOS UMA DAS NOVIDADES NO PROGRAMA DOS JOGOS PARALÍMPICOS DO RIO DE JANEIRO, A PARACANOAGEM É UM ESPORTE RECENTE Em 2009, a Federação Internacional de Canoagem (ICF, em inglês) iniciou um programa para levar o esporte a todos, com o objetivo de incluir suas disputas em Em 2010, 31 países levaram participantes ao Mundial de Paracanoagem de 2010, na Polônia. Naquele mesmo ano, o esporte teve sua inclusão aprovada no programa Paralímpico a ser disputado no Rio de Janeiro.

22 Capítulo 2 Paracanoagem PARACANOAGEM PRINCIPAIS REGRAS O esporte Paralímpico tem uma dinâmica similar à disputa Olímpica, ou seja, VENCE O MAIS RÁPIDO NA SUA BATERIA. O formato da competição é o mesmo da canoagem velocidade, mudando apenas as distâncias a serem percorridas. Os eventos são sempre realizados em uma raia demarcada por boias, em linha reta, com 200 metros de extensão. Existem eventos masculinos e femininos sendo disputados em embarcações individuais.

23 Capítulo 2 Paracanoagem PARACANOAGEM PRINCIPAIS REGRAS SÃO DOIS TIPOS DE EMBARCAÇÕES UTILIZADAS: CAIAQUES Como no esporte Olímpico, os caiaques são identificados pela letra K. CANOAS POLINÉSIAS As canoas polinésias são também conhecidas como Va a e, por isso, identificadas pela letra V. Cada embarcação tem suas adaptações de acordo com as habilidades funcionais de seus tripulantes. E atletas com qualquer tipo de limitação físico-motora podem participar da competição.

24 Capítulo 2 Paracanoagem PARACANOAGEM PRINCIPAIS REGRAS NA COMPETIÇÃO DE PARACANOAGEM, AS CLASSES FUNCIONAIS SÃO TRÊS: LTA (Do inglês Leg, Trunk and Arms ) na qual o atleta utiliza braços, tronco e pernas para auxiliar na remada. TA (Do inglês Trunk and Arms ) na qual o atleta utiliza apenas o tronco e os braços. A (Do inglês Arms ) na qual o atleta pode utilizar apenas o movimento dos braços.

25 Consolidando seus conhecimentos. Veja o vídeo e reflita sobre superação! Multicampeão de forma novos talentos para o esporte.

26 Relembrando A canoagem se divide em duas disciplinas: CANOAGEM VELOCIDADE e CANOAGEM SLALOM. A CANOAGEM VELOCIDADE teve suas primeiras competições na metade do século XIX. A entrada oficial nos Jogos Olímpicos foi em 1928, em Berlim na Alemanha, com nove provas só para homens. As disputas femininas começaram em 1948, nos Jogos de Londres, com apenas um evento. A canoagem slalom surgiu em 1932, na Suíça. As competições são realizadas em águas turbulentas e com correnteza. O slalom entrou no programa Olímpico nos Jogos de 1972, em Munique, com três eventos masculinos e um feminino. E retornou apenas na edição de 1992, em Barcelona. A é uma das novidades do programa dos Jogos Paralímpicos de É um esporte recente e tem uma dinâmica similar à disputa Olímpica, ou seja, vence o mais rápido.

27 Conclusão Você acaba de concluir a aula 2 do curso Esportes de Interação com a Natureza. Nesta aula, você conheceu como surgiram os esportes canoagem e e como eles entraram para os PROGRAMAS OLÍMPICO e PARALÍMPICO, respectivamente. Além disso, estudou as principais regras desses esportes. Acesse a aula 3 e prossiga com seus estudos.

28 FICHA CATALOGRÁFICA Título: Canoagem e Paracanoagem Assunto: Esportes de Interação com a Natureza Palavras-chave: Canoagem,, interação, natureza Data da publicação: 03/2015 Edição: 1ª edição Autor/Criador: Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Colaboração: Política e Operações Esportivas SPP Banco de Imagens Rio 2016 Imagens: Getty Images Tipo de Documento: Aula Digital Idioma: Português (Brasil) Objeto Digital: Slide de Apresentação Formato:.pps e.pdf Local original:

O Movimento Paralímpico. Aula 2 Esportes Paralímpicos Parte 1

O Movimento Paralímpico. Aula 2 Esportes Paralímpicos Parte 1 O Movimento Paralímpico Aula 2 Esportes Paralímpicos Parte 1 Objetivos 1 2 Apresentar a classificação funcional dos esportes Paralímpicos. Conhecer os seguintes esportes Paralímpicos: atletismo, halterofilismo,

Leia mais

Esportes de Interação com a Natureza

Esportes de Interação com a Natureza Esportes de Interação com a Natureza Aula 1 Vela e remo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria ESPORTES DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA e suas principais regras. 2 Conhecer a

Leia mais

Esportes de Combate. Aula 1. Judô e taekwondo

Esportes de Combate. Aula 1. Judô e taekwondo Esportes de Combate Aula 1 Judô e taekwondo Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria de COMBATE e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses esportes e sua entrada para os Jogos Olímpicos

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 4. Badminton e goalball Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 4. Badminton e goalball Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 4 Badminton e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria de REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história do surgimento desses esportes e

Leia mais

Esportes de Invasão. Aula 3. Rugby, rugby em cadeira de rodas e polo aquático. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Invasão. Aula 3. Rugby, rugby em cadeira de rodas e polo aquático. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Invasão Aula 3 Rugby, rugby em cadeira de rodas e polo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria INVASÃO. 2 Conhecer a história desses esportes e a sua entrada

Leia mais

Esportes de Invasão. Aula 2. Futebol, futebol de 5 e futebol de 7. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Invasão. Aula 2. Futebol, futebol de 5 e futebol de 7. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Invasão Aula 2 Futebol, futebol de Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria INVASÃO. 2 Conhecer a história desses esportes e a entrada para os Jogos Olímpicos

Leia mais

Esportes de Invasão. Aula 1. Basquetebol, basquetebol em cadeira de rodas e handebol. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Invasão. Aula 1. Basquetebol, basquetebol em cadeira de rodas e handebol. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Invasão Aula 1 Basquetebol, de rodas e handebol Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria INVASÃO e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses esportes

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 3. Golfe e hóquei sobre grama Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 3. Golfe e hóquei sobre grama Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 3 Golfe e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria de REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história do surgimento desses esportes e sua

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 2. Tênis e tênis de mesa. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 2. Tênis e tênis de mesa. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 2 Tênis e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria de REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história do surgimento desses esportes e sua

Leia mais

O Movimento Olímpico. Aula 1 Olimpismo. Rio 2016 Versão 1.0

O Movimento Olímpico. Aula 1 Olimpismo. Rio 2016 Versão 1.0 O Movimento Olímpico Aula 1 Olimpismo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Definir o Olimpismo, compreendendo sua filosofia. 2 Identificar os Valores Olímpicos. 3 Reconhecer a estrutura da Família Olímpica.

Leia mais

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA A A Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. 2 A A Habilidades: Reconhecer os jogos com heranças indígenas. 3 A A O esporte indígena na cultura não indígena: A cultura brasileira

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 1 Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses

Leia mais

O Movimento Olímpico. Aula 2 Os Símbolos Olímpicos. Rio 2016 Versão 1.0

O Movimento Olímpico. Aula 2 Os Símbolos Olímpicos. Rio 2016 Versão 1.0 O Movimento Olímpico Aula 2 Os Símbolos Olímpicos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Identificar os principais símbolos olímpicos. 2 Compreender a importância e a função de cada símbolo olímpico. Introdução

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 3 A categorização dos esportes Olímpicos e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Compreender a categorização dos esportes Olímpicos e por similaridade de movimentos, ações ou local

Leia mais

Esportes de Interação com a Natureza

Esportes de Interação com a Natureza Esportes de Interação com a Natureza Aula 3 Hipismo, triatlo e Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria ESPORTES DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA e suas principais regras.

Leia mais

Guia de Mídia Canoagem Brasileira. Remando em busca do sonho olímpico

Guia de Mídia Canoagem Brasileira. Remando em busca do sonho olímpico Guia de Mídia Canoagem Brasileira Remando em busca do sonho olímpico Remando em busca do sonho olímpico A Confederação Brasileira de Canoagem vem trabalhando intensamente pelo desenvolvimento da canoagem

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 2 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar o desenvolvimento e o amadurecimento dos aspectos motores. 2 Relacionar os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DE VELOCIDADE Em vigor a partir de 27 de Janeiro de 2010 INDICE 1. CAMPEONATO NACIONAL DE REGATAS EM LINHA... 3 2. DEFINIÇÃO... 3 3.

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço Valores Educacionais Aula 2 Alegria do Esforço Objetivos 1 Apresentar o valor Alegria do Esforço. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Alegria do Esforço. Introdução As próximas aulas

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 1 Educação Olímpica

Valores Educacionais. Aula 1 Educação Olímpica Valores Educacionais Aula 1 Educação Olímpica Objetivos 1 Apresentar os objetivos da Educação Olímpica. 2 Indicar as possibilidades de trabalho com a temática Valores Educacionais integrada aos conteúdos

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 6 A conexão das águas. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 6 A conexão das águas. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 6 A conexão das águas Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Conhecer o conceito de bacia hidrográfica 2 Identificar as bacias hidrográficas brasileiras e como acontece a gestão das suas

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 4 Criando um Plano Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Conhecer um passo a passo para trabalhar com a categorização de esportes. 2 Identificar sugestões de planejamento para as

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Organizando Voluntariado na Escola Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Objetivos 1 Entender a importância de fazer um planejamento. 2 Aprender como planejar o projeto de voluntariado. 3 Conhecer ferramentas

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo Valores Educacionais Aula 3 Jogo Limpo Objetivos 1 Apresentar o valor Jogo Limpo. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Jogo Limpo. Introdução Esta aula apresenta definições e sugestões

Leia mais

As tochas Olímpicas e Paralímpicas

As tochas Olímpicas e Paralímpicas As tochas Olímpicas e Paralímpicas Aula 2 A tocha dos Jogos Rio 2016 Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos Nesta aula, você irá conhecer: 1 As principais características da tocha dos Jogos Rio 2016 2 O revezamento

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 1 Água para todos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar a quantidade de água potável disponível em nosso planeta 2 Identificar os diferentes estados da água 3 Conhecer o ciclo

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n :16 Data: 01 A 04 MARÇO 2010. Professor: Conhecer os locais de treino.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n :16 Data: 01 A 04 MARÇO 2010. Professor: Conhecer os locais de treino. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula n :16 Data: 01 A 04 MARÇO 2010. Conhecer os locais de treino. Levar aos alunos a conhecer os locais de treino e explicar suas

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 2 O caminho das águas. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 2 O caminho das águas. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 2 O caminho das águas Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Aprender o caminho que a água percorre de sua nascente até a foz 2 Conhecer a forma como a água chega até as nossas casas

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 1 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Resgatar alguns conceitos sobre o movimento e o desenvolvimento motor e suas fases. 2 Definir habilidade motora e identificar

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 3 Divulgação de fotos e vídeos

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 3 Divulgação de fotos e vídeos Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 3 Divulgação de fotos e vídeos Objetivos 1 Entender o que são as redes sociais. 2 Definir Marketing Viral. 3 Entender como divulgar fotos e vídeos nas redes

Leia mais

Rio Va a 2015. Aito Va a Brasil Edição brasileira da TE AITO, maior prova de V1 do mundo, em associação com

Rio Va a 2015. Aito Va a Brasil Edição brasileira da TE AITO, maior prova de V1 do mundo, em associação com Membro desde 2003 Clube Pioneiro de Canoa Polinésia (Va a) na América Latina (1999) Organizador da prova Rio Va a desde 2002 Afilado desde 2008 Rio Va a 2015 e lançamento da Aito Va a Brasil Edição brasileira

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

ATLETISMO. Alyne Rayane

ATLETISMO. Alyne Rayane ATLETISMO Alyne Rayane O QUE É ATLETISMO? O atletismo é um conjunto de esportes constituído por três modalidades: corrida, lançamentos e saltos. ATLETISMO QUANDO SURGIU? Atletismo tempo dos ancestrais;

Leia mais

Campeonato Pan-americano de Canoagem Velocidade Rio de Janeiro Brasil 20 22 de abril de 2012. Boletim 1

Campeonato Pan-americano de Canoagem Velocidade Rio de Janeiro Brasil 20 22 de abril de 2012. Boletim 1 Campeonato Pan-americano de Canoagem Velocidade Rio de Janeiro Brasil 20 22 de abril de 2012 Boletim 1 Realização Patrocinador oficial Supervisão Apoio institucional Apoio PALAVRA DO PRESIDENTE Prezados

Leia mais

Esportes de Interação com a Natureza

Esportes de Interação com a Natureza Esportes de Interação com a Natureza Aula 4 Ciclismo, ciclismo BMX e paraciclismo Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria ESPORTES DE INTERAÇÃO COM A NATUREZA e suas

Leia mais

Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades

Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades Moutain biking Uma modalidade de ciclismo na qual o atleta deve fazer vários percursos com obstáculos e irregularidades surgiu na Califórnia na década de 1950, através das brincadeiras de alguns ciclistas

Leia mais

REGULAMENTO DE REMO 2007 2008

REGULAMENTO DE REMO 2007 2008 REGULAMENTO DE REMO 2007 2008 REGATAS OFICIAIS E CAMPEONATOS ESTADUAIS CAPÍTULO I DOS REMADORES E SUAS CATEGORIAS: Artigo 1º O(a)(s) remador(a)(es)(as) que vierem a participar de regatas da serão divididos

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015 P1. Implantação e manutenção de unidades gerenciais na CBR Aumentar o nível de maturidade gerencial da CBR A melhoria do gerenciamento da CBR causará impacto positivo em todas as partes interessadas Captação

Leia mais

3 ETAPAS JULHO SETEMBRO NOVEMBRO MAIS DE 400 ATLETAS

3 ETAPAS JULHO SETEMBRO NOVEMBRO MAIS DE 400 ATLETAS 3 ETAPAS JULHO SETEMBRO NOVEMBRO 2013 MAIS DE 400 ATLETAS Circuito Potiguar de Tênis Um novo evento para o calendário potiguar de grandes competições. O Circuito Potiguar de Tênis será realizado no mais

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE

PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE Versão 1 26/08/2015 PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS PARA O ANO DE 2016 E CONVOCAÇÃO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2.

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO

EJA 5ª FASE PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO EJA 5ª FASE PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO Unidade II CULTURA: A pluralidade na expressão humana. 2 Aula 7.2 Conteúdo: A interação do homem com o meio ambiente através dos esportes. 3 Habilidade: Valorizar

Leia mais

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I I MACEIÓ-AL, 2015 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º - O esporte é considerado um fenômeno cultural da humanidade capaz de propiciar inúmeros benefícios aos seus praticantes.

Leia mais

MISSÃO PORTUGUESA AOS JOGOS PARALÍMPICOS LONDRES 2012 29 DE AGOSTO 9 DE SETEMBRO -REMO - - ANÁLISE DE RESULTADOS -

MISSÃO PORTUGUESA AOS JOGOS PARALÍMPICOS LONDRES 2012 29 DE AGOSTO 9 DE SETEMBRO -REMO - - ANÁLISE DE RESULTADOS - MISSÃO PORTUGUESA AOS JOGOS PARALÍMPICOS LONDRES 2012 29 DE AGOSTO 9 DE SETEMBRO -REMO - - ANÁLISE DE RESULTADOS - 1 Análise dos resultados. - Dia 31 Agosto 2012 1ª Eliminatória Tempo 2ª Eliminatória 1º

Leia mais

texto I partes I e II Língua Portuguesa e Matemática Futebol de rua De preferência os novos, do colégio.

texto I partes I e II Língua Portuguesa e Matemática Futebol de rua De preferência os novos, do colégio. partes I e II Língua Portuguesa e Matemática texto I Futebol de rua Pelada é o futebol de campinho, de terreno baldio. Mas existe um tipo de futebol ainda mais rudimentar do que a pelada. É o futebol de

Leia mais

Versão 1 14/11/2014 CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO

Versão 1 14/11/2014 CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Versão 1 1/11/201 CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. ELEGIBILIDADE...3. CALENDÁRIO DE EVENTOS

Leia mais

Conceito da Modalidade Esporte para Todas as Idades Sustentabilidade Financeira e Ecológica Estudos de Logomarca

Conceito da Modalidade Esporte para Todas as Idades Sustentabilidade Financeira e Ecológica Estudos de Logomarca Conceito da Modalidade Esporte para Todas as Idades Sustentabilidade Financeira e Ecológica Estudos de Logomarca 1. CONCEITO E DEFINIÇÃO Modalidade esportiva de prova de longa distância - mínimo de 80

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

ATENÇÃO A ordem das largadas foi modificada, leia com atenção as últimas instruções abaixo e verifique o novo horário das largadas.

ATENÇÃO A ordem das largadas foi modificada, leia com atenção as últimas instruções abaixo e verifique o novo horário das largadas. 1. CONVITE A Federação de Canoas Havaianas - FCHRJ (www.fchrj.org) e o Urca Canoe Clube - UCC (www.urcacanoeclube.com.br) têm o prazer de convidar a todos para a Copa Rio 2011 - II Etapa do Campeonato

Leia mais

12/07 MANHÃ GINÁSIO Disputa de sete metros Categorias 4, 5 e 6 (6º ano ao Ens. Médio)

12/07 MANHÃ GINÁSIO Disputa de sete metros Categorias 4, 5 e 6 (6º ano ao Ens. Médio) 12/07 MANHÃ GINÁSIO Disputa de sete metros Categorias 4, 5 e 6 (6º ano ao Ens. Médio) 7:30h Azul x Vermelha (cat. 4,5,6) Verde x Amarela (cat. 4,5,6) Handebol feminino II Categoria 4 (6º e 7º anos) 8:00h

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE CICLISMO JERNS 2014

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE CICLISMO JERNS 2014 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO, DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA COORDENADORIA DE DESPORTOS DESPORTO ESCOLAR CODESP REGULAMENTO ESPECÍFICO DE CICLISMO JERNS 2014 Art.1º- As competições

Leia mais

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014

Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 Olimpíadas Especiais UBM/PMBM Regulamento Técnico 2014 I - DOS JOGOS Art.1 - A Olimpíada Especial UBM/PMBM tem por finalidade desenvolver o intercâmbio desportivo e social entre os atletas, professores

Leia mais

Plano de aula n : 10 Data: 21/22/23/25 de janeiro 2010. Professor:

Plano de aula n : 10 Data: 21/22/23/25 de janeiro 2010. Professor: Plano de aula n : 10 Data: 21/22/23/25 de janeiro 2010. Técnica de remada inclinada Demonstrar aos alunos a maneira correta de utilização e ajustes do material em beneficio de uma maior segurança, iniciando

Leia mais

AS CORRIDAS DE REVEZAMENTO

AS CORRIDAS DE REVEZAMENTO AS CORRIDAS DE REVEZAMENTO Segundo J. Kenneth Dohert, em seu livro Tratado Moderno de Pieta e Campo, as corridas de revezamento foram idealizadas pelos norte-americanos, em decorrência de outras atividades

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Formando Cidadão na Lagoa

Mostra de Projetos 2011. Formando Cidadão na Lagoa Mostra de Projetos 2011 Formando Cidadão na Lagoa Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Clube de

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

ACESSOS 1/6. . Campo de Regatas 2000 metros. F e d e r a ç ã o P o r t u g u e s a d e C a n o a g e m É p o c a 2 0 1 4

ACESSOS 1/6. . Campo de Regatas 2000 metros. F e d e r a ç ã o P o r t u g u e s a d e C a n o a g e m É p o c a 2 0 1 4 ACESSOS A competição realiza-se na Barragem da Aguieira, nas instalações do Montebelo Aguieira Resort. A melhor forma de chegar ao local é através da A1, cortando para Coimbra (IP3), no sentido contrário

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL CENTRO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

MATEMÁTICA ANO: 2013 IFPB QUESTÃO 01

MATEMÁTICA ANO: 2013 IFPB QUESTÃO 01 MATEMÁTICA ANO: 2013 IFPB QUESTÃO 01 Os Jogos Olímpicos foram criados pelos gregos por volta de 2500 a.c. e foram retomados por iniciativa do Barão de Coubertin no final do século XIX. Em 1960, foram disputados

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 2 Produzindo uma foto

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 2 Produzindo uma foto Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 2 Produzindo uma foto Objetivos 1 Entender um pouco da história da fotografia. 2 Identificar o que observar na escolha do equipamento fotográfico. 3 Compreender

Leia mais

CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E SELEÇÃO DE ATLETAS PARA O CENTRO DE TREINAMENTO

CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E SELEÇÃO DE ATLETAS PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Versão 2-08/12/2013 CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. ELEGIBILIDADE...3 4. CALENDÁRIO DE EVENTOS INTERNACIONAIS E PRIORIDADES

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO JICOF JOGOS INTERNOS DO COLÉGIO FRACTAL

REGULAMENTO GERAL DO JICOF JOGOS INTERNOS DO COLÉGIO FRACTAL REGULAMENTO GERAL DO JICOF JOGOS INTERNOS DO COLÉGIO FRACTAL CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Os jogos internos do COLÉGIO FRACTAL (JICOF) têm por finalidade principal humanizar a prática desportiva, valorizando

Leia mais

Quem será o campeão? Dinâmica 2. Professor. 9º Ano 4º Bimestre. DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO DINÂMICA. Tratamento da Informação.

Quem será o campeão? Dinâmica 2. Professor. 9º Ano 4º Bimestre. DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO DINÂMICA. Tratamento da Informação. Reforço escolar M ate mática Quem será o campeão? Dinâmica 2 9º Ano 4º Bimestre DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Professor Matemática Ensino Fundamental 9º DINÂMICA Quem será o campeão? Tratamento da Informação.

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II C. SÃO CRISTÓVÃO II EDUCAÇÃO FÍSICA MATERIAL DE ESTUDO HANDEBOL/GINÁSTICA RÍTMICA PFV 7 ANO HANDEBOL

COLÉGIO PEDRO II C. SÃO CRISTÓVÃO II EDUCAÇÃO FÍSICA MATERIAL DE ESTUDO HANDEBOL/GINÁSTICA RÍTMICA PFV 7 ANO HANDEBOL HANDEBOL GINÁSTICA RÍTMICA A ginástica rítmica (GR) é uma modalidade exclusivamente feminina da ginástica, realizada com cinco materiais diferentes: a corda, as maças, a bola, o arco e a fita. Os exercícios

Leia mais

90km cruzando a Ilha de Santa Catarina

90km cruzando a Ilha de Santa Catarina 90km cruzando a Ilha de Santa Catarina canoagem ciclismo corrida 90km pelos pontos mais fantásticos da Ilha de Santa Catarina! Morro das Pedras Armação Lagoinha do Leste Ribeirão da Ilha Campeche Lagoa

Leia mais

Primeira brasileira a entrar na Vila, Ana Sátila controla ansiedade glo...

Primeira brasileira a entrar na Vila, Ana Sátila controla ansiedade glo... 1 de 8 20/01/2013 19:13 globoesporte.globo.com notícias esportes entretenimento vídeos Série A Série A Série B Série C 17/07/2012 07h58 - Atualizado em 17/07/2012 09h35 Primeira brasileira a entrar na

Leia mais

1. ÂMBITO DE PARTICIPAÇÃO

1. ÂMBITO DE PARTICIPAÇÃO 1. ÂMBITO DE PARTICIPAÇÃO O PRORIVER ADVENTURE CHALLENGE é um evento aberto a todos os maiores de 18 anos. A prova é direccionada exclusivamente para equipas de dois elementos. As equipas poderão ser masculinas,

Leia mais

Como uma onda no mar...

Como uma onda no mar... Como uma onda no mar... A UU L AL A Certa vez a turma passou férias numa pequena cidade do litoral. Maristela costumava ficar horas a fio admirando a imensidão azul do mar, refletindo sobre coisas da vida

Leia mais

Art.2º- Os números de atletas por prova em suas respectivas categorias ficarão assim distribuídos:

Art.2º- Os números de atletas por prova em suas respectivas categorias ficarão assim distribuídos: REGULAMENTO ESPECÍFICO DE CICLISMO JEM S 2015 Art.1º- As competições serão regidas pelos regulamentos, normas e especificações técnicas da Confederação Brasileira de Ciclismo em tudo que não contrariar

Leia mais

SEMANA DA INTEGRAÇÃO FISMA/FCAA 2015

SEMANA DA INTEGRAÇÃO FISMA/FCAA 2015 SEMANA DA INTEGRAÇÃO FISMA/FCAA 2015 16 a 20 de março de 2015 EVENTO ESPORTIVO E CULTURAL COM OBJETIVO DE INTEGRAR OS CALOUROS AO AMBIENTE ACADÊMICO DA FISMA/FCAA PROGRAMAÇÃO Dia 16/03 Ginásio de Esportes

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVA CAMPEONATO NACIONAL DAS ASSOCIAÇOES MATRAQUILHOS E FUTEBOL DE MESA FEDERAÇÃO PORTUGUESA

REGULAMENTO DE PROVA CAMPEONATO NACIONAL DAS ASSOCIAÇOES MATRAQUILHOS E FUTEBOL DE MESA FEDERAÇÃO PORTUGUESA FEDERAÇÃO PORTUGUESA MATRAQUILHOS E FUTEBOL DE MESA FUNDADA EM 0 DE FEVEREIRO DE 200 FILIADA NA ITSF - INTERNATIONAL TABLE SOCCER FEDERATION SEDE OFICIAL AV. ENG.º ARMANDO MAGALHAES, 31 4440-505 VALONGO

Leia mais

VI Seminário de Educação Inclusiva Direito à Diversidade ESPORTE ADAPTADO Ana Leonídia Soares Prof. Educação Física analeonsoares@bol.com.

VI Seminário de Educação Inclusiva Direito à Diversidade ESPORTE ADAPTADO Ana Leonídia Soares Prof. Educação Física analeonsoares@bol.com. VI Seminário de Educação Inclusiva Direito à Diversidade ESPORTE ADAPTADO Ana Leonídia Soares Prof. Educação Física analeonsoares@bol.com.br Quem somos? Onde estamos? Pessoa com deficiência; quase ¼ da

Leia mais

3 MODALIDADES DO CICLISMO

3 MODALIDADES DO CICLISMO 3 MODALIDADES DO CICLISMO Não há muitos registros sobre cada modalidade, além de haver uma variedade muito grande de informações sobre uma mesma modalidade. PORTE (1996), porém, nos relata sobre os vários

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PROJETO

DESCRIÇÃO DO PROJETO DESCRIÇÃO DO PROJETO I. NÚMERO DE CADASTRO DO PROPONENTE (login) 02SP016702007 Proponente: Secretaria de Esportes de São Sebastião CNPJ: 46.482.832/0001-92 E-mail: segov@saosebastiao.sp.gov.br Endereço:

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS e Circuito Regional ASRAM FPS 2014 SUP (Stand Up Paddle)

REGULAMENTO DE PROVAS e Circuito Regional ASRAM FPS 2014 SUP (Stand Up Paddle) REGULAMENTO DE PROVAS e Circuito Regional ASRAM FPS 2014 SUP (Stand Up Paddle) INTRODUÇÃO: Com o objetivo de estimular o desenvolvimento da modalidade de STAND UP PADDLE na Região Autónoma da Madeira,

Leia mais

III COPA BRASIL DE VELA CLASSES OLÍMPICAS

III COPA BRASIL DE VELA CLASSES OLÍMPICAS III COPA BRASIL DE VELA CLASSES OLÍMPICAS I COPA BRASIL DE VELA JOVEM CLASSES DA JUVENTUDE (RS:X M/F, Laser Radial M/F, 420 M/F, 29er M/F e Hobie Cat 16) 15 a 20 de dezembro de 2015 ORGANIZAÇÃO: PREFEITURA

Leia mais

T.C.A. Trabalho Colaborativo de Autoria

T.C.A. Trabalho Colaborativo de Autoria T.C.A Trabalho Colaborativo de Autoria Jogos Paraolímpicos Logo do Comitê Paraolímpico Internacional Integrantes : Guilherme Souza Dantas Nº08 Gustavo Haruki Nº09 Marcelo Henrique Cordeiro Moraes Nº14

Leia mais

Campeonato Pan-americano de Canoagem Velocidade Rio de Janeiro Brasil 20 22 de Abril de 2012. Boletim 2

Campeonato Pan-americano de Canoagem Velocidade Rio de Janeiro Brasil 20 22 de Abril de 2012. Boletim 2 Campeonato Pan-americano de Canoagem Velocidade Rio de Janeiro Brasil 20 22 de Abril de 2012 Boletim 2 Realização Patrocinador oficial Supervisão Apoio Institucional Apoio HOSPEDAGEM Visando facilitar

Leia mais

REGULAMENTO. XXX CAMPEONATO SUL BRASILEIRO MASTERS DE NATAÇÃO - 2011 Dias 08 e 09 de Outubro de 2010 Palhoça - SC

REGULAMENTO. XXX CAMPEONATO SUL BRASILEIRO MASTERS DE NATAÇÃO - 2011 Dias 08 e 09 de Outubro de 2010 Palhoça - SC REGULAMENTO XXX CAMPEONATO SUL BRASILEIRO MASTERS DE NATAÇÃO - 2011 Dias 08 e 09 de Outubro de 2010 Palhoça - SC Art. 1º - A Federação Aquática de Santa Catarina realizará o Campeonato acima descrito,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA 2014 NOTA AULA PRÁTICA No. 04 VETORES - 20 A 26 DE MARÇO PROF. ANGELO BATTISTINI NOME RA TURMA NOTA Objetivos do experimento: Nesta aula você deverá aprender (ou recordar) a representação

Leia mais

25 julho'15 RIO SADO DESCIDA. Partida às 09h30 Moinho de Maré da Mourisca. Participe com a família ou amigos!

25 julho'15 RIO SADO DESCIDA. Partida às 09h30 Moinho de Maré da Mourisca. Participe com a família ou amigos! DESCIDA DO RIO SADO Moinho de Maré da Mourisca ao Parque Urbano de Albarquel 25 julho'15 Partida às 09h30 Moinho de Maré da Mourisca Participe com a família ou amigos! Inscrições gratuitas: jogodosado@gmail.com

Leia mais

Campeonato Brasileiro de Rafting R4 PROGRAMAÇÃO. organização do Ginásio >Base e Base> Ginásio) a partir do dia 13/08.

Campeonato Brasileiro de Rafting R4 PROGRAMAÇÃO. organização do Ginásio >Base e Base> Ginásio) a partir do dia 13/08. Campeonato Brasileiro de Rafting R4 PROGRAMAÇÃO Informações Gerais aos Atletas Base sede do evento: KM 109 BR470 Base Ibirama Rafting Alojamento do Evento: Ginásio de Esporte de Ibirama (transporte disponível

Leia mais

1. Os jogadores registram o número 1 em suas folhas e decidem quem começa. 7. O jogo acaba quando um dos jogadores alcançar a posição CHEGADA.

1. Os jogadores registram o número 1 em suas folhas e decidem quem começa. 7. O jogo acaba quando um dos jogadores alcançar a posição CHEGADA. ANAIS DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA - PROFMAT - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI - UFSJ ANEXOS AO ARTIGO FUNÇÕES DO 1 o GRAU: UMA PROPOSTA DIDÁTICA

Leia mais

Professor: Natação com coletes salva vidas.

Professor: Natação com coletes salva vidas. Plano de aula n : 01 Data: 07/08/ dezembro Natação com coletes salva vidas. Demonstrar aos alunos a maneira correta de utilização e ajustes do material em beneficio de uma maior segurança. Local amplo

Leia mais

Regulamento Copa Cemil de Ciclismo 2015

Regulamento Copa Cemil de Ciclismo 2015 Regulamento Copa Cemil de Ciclismo 2015 Regulamento Particular da Competição Na ausência de item especifico para um determinado assunto neste regulamento particular, a organização considera como referencia

Leia mais

PISTAS DE TREINAMENTO PARA CANOAGEM SLALOM.

PISTAS DE TREINAMENTO PARA CANOAGEM SLALOM. PISTAS DE TREINAMENTO PARA CANOAGEM SLALOM. Construção, montagem e desmontagem fácil. Guto Merkle, abril de 2008 (Ultima atualização: maio/2008) Esta apostila está disponível em: Português, Español, English

Leia mais

Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO. Fase escolar

Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO. Fase escolar Programa de Formação Esportiva Escolar COMPETIÇÕES DE ATLETISMO Fase escolar Introdução O Programa de Formação Esportiva Escolar tem como premissas a democratização do acesso ao esporte, o incentivo da

Leia mais

Número de atletas O tipo de embarcação depende do número de atletas: 1 atleta K1 2 atletas K2 4 atletas K4

Número de atletas O tipo de embarcação depende do número de atletas: 1 atleta K1 2 atletas K2 4 atletas K4 FICHA DE APRESENTAÇÃO CANOAGEM Objectivo Realizar um determinado percurso cumprindo todos os seus pressupostos no menor tempo. Material A embarcação e a pagaia dependem do tipo de prova. Terreno da prova

Leia mais

OLHAR DA PSICOLOGIA DO ESPORTE SOBRE A AUTOCONFIANÇA E A AUTO-EFICÁCIA EM ATLETAS DE CANOAGEM SLALOM: relação com o rendimento esportivo

OLHAR DA PSICOLOGIA DO ESPORTE SOBRE A AUTOCONFIANÇA E A AUTO-EFICÁCIA EM ATLETAS DE CANOAGEM SLALOM: relação com o rendimento esportivo OLHAR DA PSICOLOGIA DO ESPORTE SOBRE A AUTOCONFIANÇA E A AUTO-EFICÁCIA EM ATLETAS DE CANOAGEM SLALOM: relação com o rendimento esportivo Tiago Nicola Lavoura, Rafael Moreno Castellani, Afonso Antonio Machado

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL 1 BASQUETEBOL As Regras Oficiais da Special Olympics devem governar todas as competições de Basquete da Special Olympics. Como um programa de esportes internacional, a Special Olympics criou estas regras

Leia mais

HISTÓRIA DA CANOAGEM E DO RAFTING

HISTÓRIA DA CANOAGEM E DO RAFTING Resumo HISTÓRIA DA CANOAGEM E DO RAFTING Profa. Msd. Kátia Bortolotti Marchi UFPR / UNIANDRADE Prof. Dr. Fernando Marinho Mezzadri UFPR Historiadores registravam a utilização de canoas no século XVI na

Leia mais

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI

PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PROJETO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES TESTE DE APTIDÃO FÍSICA GARI PARANAGUÁ 2011 TESTE DE APTIDÃO FÍSICA PARA SELEÇÃO DE GARI O candidato do sexo masculino que não alcançar a pontuação mínima de 50

Leia mais

CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 CIDADE DE CABO FRIO - RJ Dias 04, 05, 06 e 07 de Junho de 2015 VOLEIBOL DO RIO DE JANEIRO CABO FRIO VOLEI MASTER 2015

CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 CIDADE DE CABO FRIO - RJ Dias 04, 05, 06 e 07 de Junho de 2015 VOLEIBOL DO RIO DE JANEIRO CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 REALIZAÇÃO APOIO ASSOCIAÇÃO MASTER DE VOLEIBOL DO RIO DE JANEIRO AMAVOLEI CABO FRIO VOLEI MASTER 2015 VOLEIBOL DE QUADRA PREFEITURA MUNICIPAL DE CABO FRIO SECRETARIA DE ESPORTES DE CABO FRIO Regulamento

Leia mais

CANOE KAIAK SLALOM P EDRO HENRIQUE GONÇALVES DA SILVA PEPE

CANOE KAIAK SLALOM P EDRO HENRIQUE GONÇALVES DA SILVA PEPE CANOE KAIAK SLALOM P EDRO HENRIQUE GONÇALVES DA SILVA PEPE Março, 2013 O ATLETA P EDRO H ENRIQUE G ONÇALVES DA S ILVA PEPE Esporte: canoagem slalom Categoria: caiaque K1 sênior Nascimento: 12/04/1993 Reside

Leia mais

Bem vindos ao Trekking de Regularidade!! Apostila

Bem vindos ao Trekking de Regularidade!! Apostila Amigos e Amigas, Bem vindos ao Trekking de Regularidade!! Apostila O Trekking de Regularidade é uma modalidade esportiva agradável e de esforço moderado. As provas acontecem todo mês e o contato com a

Leia mais