O Professor de Línguas Estrangeiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Professor de Línguas Estrangeiras"

Transcrição

1

2 O Professor de Línguas Estrangeiras Construindo a profissão 2ª Edição

3 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Chanceler D. Jayme Henrique Chemello Reitor Alencar Mello Proença Vice-Reitor José Carlos Bachettini Júnior Pró-Reitora Acadêmica Myriam Siqueira da Cunha Pró-Reitor Administrativo Carlos Ricardo Gass Sinnott EDUCAT - EDITORA DA UCPel Editor Wallney Joelmir Hammes CONSELHO EDITORIAL Wallney Joelmir Hammes - Presidente Adenauer Corrêa Yamim Fernando Celso Lopes Fernandes de Barros Luciana Bicca Dode Vera Maria Ribeiro Nogueira Vilson José Leffa EDUCAT Editora da Universidade Católica de Pelotas - UCPEL Rua Félix da Cunha, 412 Fone (53) FAX (53) Pelotas - RS / Brasil

4 3 Vilson J. Leffa (Organizador) ASSOCIAÇÃO DE LINGÜÍSTICA APLICADA DO BRASIL O Professor de Línguas Estrangeiras Construindo a profissão 2ª Edição EDUCAT Editora da universidade Católica de Pelotas Pelotas 2008

5 Vilson Jose Leffa (Organizador) Direitos desta edição reservados à Editora da Universidade Católica de Pelotas Rua Félix da Cunha, 412 Fone (53) Fax (53) Pelotas - RS - Brasil Loja virtual: Editora filiada à ABEU 2ª edição 2ª impressão PROJETO EDITORIAL EDUCAT CAPA Alexandre Feijó/Signus Comunicação L493p Leffa, Vilson J. O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. [organizado por] Vilson J. Leffa. 2.ed., Pelotas: EDUCAT, p. ISBN Língua estrangeira estudo e ensino 2. Formação profissional professores. I.Título. CDD Ficha catalográfica elaborada pela bibliotecária Cristiane de Freitas Chim CRB 10/1233

6 5 Sumário Apresentação Introdução PARTE 1 QUAIS SÃO AS IDÉIAS? Ensino de línguas estrangeiras: ocupação ou profissão? Maria Antonieta Alba Celani Do aquário em direção ao mar aberto: Mudanças no papel do professor e do aluno Markus J. Weininger O ensino de línguas estrangeiras na formação integral das crianças: Abordagem antroposófica Nívia Figueiredo Amaral A Aprendizagem de uma língua estrangeira como processo de construção para o desenvolvimento de uma identidade em educação ambiental Maria da Graça Carvalho do Amaral Maneiras inovadoras de ensinar e aprender: A necessidade de des(re)construção de conceitos Hilário I. Bohn A formação de professores de língua estrangeira frente aos novos enfoques de sua função docente Marina Tazón Volpi

7 6 PARTE 2 QUAL É A PRÁTICA? Compartilhando e aprendendo: Uma perspectiva dialógica do planejamento de aula de professoras em formação Anderson Salvaterra Magalhães O ensino colaborativo na formação do professor de inglês instrumental Anne Marie Moor, Rafael de Castro e Giordana P. Costa De receptador de informação a construtor de conhecimento: O uso do chat no ensino de inglês para formandos de Letras Désirée Motta-Roth Derrubando paredes e construindo comunidades de aprendizagem Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva Educação a Distância: O trabalho interativo e a aprendizagem colaborativa na busca pela autonomia Christiane Heemann Faustini Compartilhamento de experiências e busca de alternativas entre professores de língua inglesa Luciani Salcedo de Oliveira Malatér A implementação de um centro de aprendizagem autônoma de línguas Christine Nicolaides e Vera Fernandes

8 7 PARTE 3 O QUE MOSTRAM AS PESQUISAS? Conhecimentos em contato na formação pré-serviço Simone Reis, Telma Nunes Gimenez, Denise Ismênia Bossa Grassano Ortenzi e Elaine Fernandes Mateus.. A importância do metaconhecimento sobre noções de discurso e ideologia na formação do profissional de Letras Débora de Carvalho Figueiredo O professor em formação e o conflito de currículos: Uma experiência de pesquisa-ação Luciana Lins Rocha e Alice Maria da Fonseca Freire. Formação da competência do futuro professor de Inglês Solange T. Ricardo de Castro Reflexão sobre a prática social da fala repensando o ensino do oral em LE Vera Lúcia Lopes Cristóvão Expectativas de professores e alunos em relação à correção do erro oral em língua inglesa Aurélia Leal Lima Lyrio PARTE 4 O QUE SE PODE FAZER PARA MELHORAR? Aspectos políticos da formação do professor de línguas estrangeiras Vilson J. Leffa

9 8 O papel das associações na formação de professores Renato Caixeta da Silva, Rosely Perez Xavier, Carmen Cynira Otero Gonçalves, Walter Volkmann, Gladys Quevedo Camargo, Lydia Gabellini, Rachel Pires da Fontoura Uma reflexão sobre Parâmetros Curriculares Nacionais de línguas estrangeiras e transposição didática Maura R. Dourado e Glória M. Obermark A manutenção do ensino da língua ucraniana em comunidade bilíngüe: português/ucraniano Marlene Maria Ogliari Política de ensino da língua portuguesa no Japão Junko Okamura

10 9 Apresentação da segunda edição Cinco anos já se passaram desde o lançamento da primeira edição de O professor de línguas: construindo a profissão. Fizemos depois uma segunda impressão, com mais de mil exemplares e estamos agora lançando a segunda edição, juntamente com a terceira impressão. Não é muito em termos estritamente comerciais, mas considerando que se trata de uma publicação acadêmica, de uma editora universitária e voltada a um público específico, acredito que podemos classificar esta segunda edição como um sucesso editorial, entendendo-se aqui como sucesso editorial a socialização do conhecimento. Como não houve qualquer estratégia de marketing, atribuo este sucesso aos autores que contribuíram com seus textos e à generosidade dos leitores que, de boca em boca, foram divulgando a obra a seus colegas. Olhando o livro em retrospecto, parece-me mais clara a idéia de que se buscou aqui atingir três objetivos básicos: refletir a realidade do ensino de línguas no Brasil, mostrar esta realidade para o futuro professor e sugerir meios de se modificar essa mesma realidade. Retomam-se as idéias de Marx e Vygotsky de que não basta descrever o mundo; é preciso modificá-lo. Nessa mesma linha, Paulo Freire também nos adianta que reflexão sem ação é verbalismo. Assim, entre descrever e modificar, ou entre refletir e agir, propomos aqui ficar com as duas idéias. É tão inútil refletir sem agir como é perigoso agir sem refletir. Nem sempre é fácil estabelecer o equilíbrio entre um e outro. O excesso de reflexão pode levar à indecisão e paralisar a ação. O desafio é fazer com que a reflexão alimente a ação, que, por sua vez produzirá resultados que realimentarão a reflexão e, assim, sucessivamente. Este livro inclui, portanto, o componente político na formação do professor de línguas, indo além do aspecto puramente metodológico. Procura esclarecer a que interesses devemos servir quando ensinamos uma língua estrangeira. E procura também esclarecer que esses interesses devem ser

11 10 ampliados para além dos interesses individuais, alcançando os interesses da coletividade. A idéia de colocar os interesses da coletividade acima dos interesses individuas permanece a mesma desde a antiguidade; o que mudou foi o tamanho da coletividade, não mais a comunidade ou cidade em que se vive mas a comunidade planetária, principalmente quando se trata do ensino de línguas. Pelotas, abril de 2006 Vilson J. Leffa Organizador

12 11 Introdução COMO SE FAZ UM PROFESSOR DE LE Foi para responder a essa pergunta que se organizou o II Encontro Nacional Sobre Política de Ensino de Línguas Estrangeiras, realizado pela Associação de Lingüística Aplicada do Brasil (ALAB), em setembro de 2000 na Universidade Católica de Pelotas. Dos 163 trabalhos ali apresentados, 24 foram selecionados para compor este livro, abrangendo quatro questões norteadoras: (1) quais são as idéias que predominam na área de formação de professores? (2) como essas idéias são tratadas na prática? (3) o que mostram as pesquisas? e (4) o que se pode fazer para melhorar? QUAIS SÃO AS IDÉIAS? O professor de línguas estrangeiras é um profissional em formação contínua; precisa estar sempre se atualizando, não só para acompanhar um mundo em constante mudança, mas também para ser capaz de provocar mudanças. Emancipação, autonomia, diálogo, domínio afetivo, ênfase no desejo do aluno, ruptura com o tradicional, transgressão do currículo, formação integral são algumas das idéias chave aqui. Seis trabalhos forma selecionados para essa seção. O primeiro, de Maria Antonieta Alba Celani, Ensino de línguas estrangeiras: ocupação ou profissão, defende um perfil do profissional de línguas estrangeiras como alguém que seja reflexivo, crítico, responsável e amoroso. Para isso deve ir além dos fundamentos adquiridos na universidade, quando chega ao cotidiano da sala de aula, lançando-se do presente para o futuro. Esse professor será capaz de desenvolver um objetivo moral na sua ação pedagógica, saberá trabalhar de modo interativo e colaborativo e desenvolverá, entre outros aspectos, o hábito da

13 12 indagação contínua. Para Celani, a utopia é uma possibilidade ainda não realizada que faz parte da educação. Markus J. Weininger, em Do aquário em direção ao mar aberto; Mudanças no papel do professor e do aluno, mostra as mudanças que estão ocorrendo na linguagem e argumenta que mudanças também precisam ocorrer na maneira de ensinar e no papel do professor. O autor inicia criticando a abordagem comunicativa por colocar a linguagem dentro de um aquário e propõe que se tire o aluno da sala de aula ( cela de aula ), para o mar aberto, hoje possível com os recursos da tecnologia, incluindo a Internet. Faz também uma revisão de letramento no mundo atual, mostrando o colapso da diferença entre escritor e leitor. Defendendo idéias como a oferta de cursos sob medida, a necessidade de letramento informacional e a Internet como sala de aula global, o autor propõe uma nova qualificação para o professor, com ênfase no letramento pleno nesta era da informação. Nívia Figueiredo Amaral, em O ensino de línguas estrangeiras na formação integral das crianças: Abordagem antroposófica, descreve o ensino da língua estrangeira dentro da Pedagoria Waldorlf. O trabalha considera os aspectos teóricos e práticos da abordagem, dando detalhes das aulas, do currículo de cada ano e relacionando as atividades desenvolvidas com a idade das crianças. Considera também o aspecto da formação do professor e a aplicabilidade do método no contexto brasileiro. Maria da Graça Carvalho do Amaral, em A Aprendizagem de uma língua estrangeira como processo de construção para o desenvolvimento de uma identidade em educação ambiental, faz uma revisão do que alguns autores chamam de educação categorial, partindo das idéias de pedagogos alemães. Essa educação prega, entre outros aspectos, a aprendizagem em doses homeopáticas (despertando a consciência do aluno) e ênfase no sujeito que aprende e constrói sua linguagem heuristicamente através da autoatividade, numa trajetória que vai da identidade individual para a identidade global. Hilário I. Bohn, em Maneiras inovadoras de ensinar e aprender; A necessidade de des(re)construção de conceitos, faz uma reflexão sobre as diferenças entre a aprendizagem

14 13 tradicional, baseada em um mundo supostamente objetivo, de estrutura pré-determinada, com relações unívocas entre causa e efeito e a aprendizagem que se propõe, baseada no conhecimento em construção através do diálogo entre as pessoas. Arrola como condições da nova aprendizagem, entre outras, a necessidade de ruptura com a autoridade institucional, a opção de transgredir o currículo, a troca do conforto da certeza pela instabilidade dos questionamentos, a adoção do compromisso com a linguagem dialógica. O mesmo tópico é abordando por Marina Tazón Volpi, em A formação de professores de língua estrangeira frente aos novos enfoques de sua função docente. A autora argumenta que é necessário mudar a maneira de formar os professores, para que esses sejam capazes de exercer as novas funções, de acordo com os desafios de nosso tempo. O trabalho enfatiza que a Universidade é a instância responsável pela formação de professores, fazendo considerações sobre os aspectos que deveriam ser privilegiados nesse processo. QUAL É A PRÁTICA? Como está a formação de professores na prática? Os trabalhos aqui apresentados, como são descritos por seus autores, parecem sugerir que a prática reflete a teoria. Relatam-se experiências de construção de conhecimento de modo colaborativo e dialógico. Experiências, usando novas tecnologias de comunicação, como a Internet, também são relatadas. Há uma preocupação não só com a construção social do conhecimento, através da interação, mas também com o desenvolvimento da autonomia, sem necessidade da presença constante do professor. São sete os trabalhos que tratam dessas questões, assim resumidos: Anderson Salvaterra Magalhães, em Compartilhando e aprendendo; Uma perspectiva dialógica do planejamento de aula de professoras em formação, partindo de uma visão dialógica de discurso investiga o papel que as reuniões de orientação pedagógica desempenham no processo de

15 14 planejamento de aula de professoras em formação, a partir de uma experiência como orientador. O autor enfatiza a importância da interação, na qual os participantes devem compartilhar o conhecimento teórico e prático para transformar a ação pedagógica, justificando sua opção por uma pesquisa colaborativa, com ênfase no efetivo diálogo e não na competição. Em O ensino colaborativo na formação do professor de inglês instrumental, Anne Marie Moor, Rafael de Castro e Giordana Pozza relatam uma experiência de formação de professores usando uma abordagem colaborativa. A experiência envolve uma parte teórica, com ênfase no conhecimento recebido e uma parte prática, com ênfase na preparação de materiais. A reação dos futuros professores também é analisada, apresentando o que acharam de positivo e negativo na experiência. Désirée Motta-Roth, em De receptador de informação a construtor de conhecimento: O uso do chat no ensino de inglês para formandos de Letras descreve uma experiência com o uso do chat em turmas avançadas de inglês. A autora mostra como o chat, pelas suas características dinâmicas, favorece o desenvolvimento da fluência na língua, torna a interação menos vertical e genuína, com a diminuição do autoritarismo do professor. O aluno deixa de ser um mero recebedor de informação para se tornar um construtor de seu próprio conhecimento. Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva, em Derrubando paredes e construindo comunidades de aprendizagem, relata uma experiência com ensino a distância e analisa a implicações das novas tecnologias para a aprendizagem de línguas. O trabalho, com detalhes e inúmeros exemplos, mostra como professore e alunos podem interagir através da Internet na construção social do conhecimento da língua, num meio em que a negociação de sentidos é facilitada. A autora chama também a atenção para a importância da autonomia dos alunos e mostra alguns dos problemas que podem surgir no mundo sem paredes da Internet. Christiane Heemann Faustini, em Educação a Distância; O trabalho interativo e a aprendizagem colaborativa na busca pela autonomia, enfoca a abordagem colaborativa sob a perspectiva da Educação a Distância (EaD). A autora argumenta

16 15 que quando introduzimos uma nova tecnologia no processo de ensino-aprendizagem devemos estimular o professor a repensar seu modo de ensinar e também levar o aluno a adotar um novo modo de aprender. Relata uma experiência realizada com o uso da Internet na formação de professores. Luciani Salcedo de Oliveira Malatér, em Compartilhamento de experiências e busca de alternativas entre professores de língua inglesa, relata uma experiência de educação continuada. Os professores de várias escolas reuniamse uma vez por mês para refletir sobre questões metodológicas e burocráticas, discutir textos sobre o ensino de inglês, analisar e compartilhar materiais de ensino e estudar soluções alternativas para os inúmeros problemas de sala de aula. As implicações do trabalho realizado para a formação de professores são também apresentadas pela autora. Christine Nicolaides e Vera Fernandes, em A implementação de um centro de aprendizagem autônoma de línguas, descrevem a experiência de um laboratório de materiais de aprendizagem, criado com o objetivo de desenvolver a autonomia nos aprendizes de LE. O trabalho descreve, entre outros aspectos, as dificuldades em orientar bolsistas e professores para auxiliar o aluno na sua busca pela autonomia na aquisição de línguas estrangeiras, as constantes revisões feitas no material oferecido e a necessidade de compreender como se constrói a autonomia. O QUE MOSTRAM AS PESQUISAS? Existe às vezes uma diferença muito grande entre o que o professor, formador, orientador acha que o aluno está fazendo e o que realmente está acontecendo na cabeça do aluno. A maior parte dos trabalhos apresentados nesta seção tenta descrever justamente o que se passa na cabeça do aluno, independente do que ele diz fazer ou pensar. Alguns mostram conflitos de crenças, falta de postura crítica para resistir aos efeitos da ideologia apresentada, o dilema do estagiário, dividido entre o que propõe a orientadora e a realidade da administração da

17 16 escola, a dúvida entre quando corrigir ou não corrigir os erros do aluno, etc. Simone Reis, Telma Nunes Gimenez, Denise Ismênia Bossa Grassano Ortenzi e Elaine Fernandes Mateus, em Conhecimentos em contato na formação pré-serviço, investigam o processo de socialização de uma aluna-professora durante sua prática de ensino. O estudo parte das crenças trazidas pela alunaprofessora, mostra o choque entre essas crenças e o conhecimento teórico recebido na graduação, as estratégias usadas para tentar resolver o conflito, adaptando-se à situação, mas mantendo as crenças intocadas. Há uma conformidade externa nos contados com a supervisora de estágio, mas internamente prevalece a resistência e a discordância. Débora de Carvalho Figueiredo, A importância do metaconhecimento sobre noções de discurso e ideologia na formação do profissional de Letras, aborda a questão da análise crítica do discurso. Partindo do modelo teórico de Fairclough, analisa a ideologia das revistas femininas, mostrando a necessidade de se conscientizar o leitor sobre os significados ideológicos que são apresentados como sendo parte do senso comum, depois de passarem por um processo de naturalização. A autora argumenta que pela postura crítica é possível resistir aos efeitos da ideologia. Luciana Lins Rocha e Alice Maria da Fonseca Freire, em O professor em formação e o conflito de currículos: Uma experiência de pesquisa-ação, relatam uma experiência de prática de ensino do ponto de vista de uma futura professora. Usando a metodologia da pesquisa ação, as autoras mostram como ela auxilia no desenvolvimento da reflexão. O conflito é visto não como um fator de angústia, mas de geração de conhecimento, tornando o futuro professor agente de sua própria formação, pela revisão constante de sua prática. Solange T. Ricardo de Castro, em Formação da competência do futuro professor de Inglês, investigam o papel das transformações no contexto institucional de um curso de Letras no processo de desenvolvimento da competência de ensino de futuros professores de inglês. Mostra como os alunos

18 17 reconstroem e percebem suas ações de sala de aula, passando de uma ênfase na função unívoca (transmissão precisa de informações) para uma ênfase na função dialógica (criação de novos significados) onde os alunos podem dar a voz às suas dificuldades, questionar, ou solicitar informações. Vera Lúcia Lopes Cristóvão, em Reflexão sobre a prática social da fala repensando o ensino do oral em LE, propõe uma reflexão sobre o ensino oral da língua estrangeira. Vendo nos Parâmetros Curriculares Nacionais de línguas estrangeiras um embasamento para a prática social da fala, a autora os usa como referencial teórico de seu trabalho, juntamente com as idéias de Dolz e Schneuwly, da Universidade de Genebra. Usando como sujeitos professores da rede publica, em um curso de educação continuada, a autora mostra como as concepções originalmente mantidas por esses professores sobre o ensino da fala, baseadas na aprendizagem da sintaxe e do léxico, mudam, pela prática da reflexão, para uma visão mais colaborativa e dialógica da fala. Corrigir ou não corrigir o erro do aluno? E se corrigir, quando corrigir? O que pensam professores e alunos? Essas são algumas das perguntas levantadas por Aurélia Leal Lima Lyrio, em Expectativas de professores e alunos em relação à correção do erro oral em língua inglesa. Usando um amplo corpus, retirado de um questionário distribuído a mais de 600 alunos e professores, a autora mostra os desencontros entre as expectativas de professores e alunos. O QUE SE PODE FAZER PARA MELHORAR? Esta seção trata do efeito da ação política na formação do professor, mostrando aspectos que estão além da língua, da escola e da academia. Discutem-se principalmente o papel da LDB, dos Parâmetros curriculares, das associações de professores. Incluem-se também dois estudos, um sobre a manutenção do ensino do ucraniano no Estado do Paraná e outro sobre o desenvolvimento do ensino do Português como língua estrangeira no Japão. A idéia básica é de que a formação do professor é de responsabilidade de toda a sociedade.

19 18 Em meu trabalho, Aspectos políticos da formação do professor de línguas estrangeiras, enfoco os aspectos políticos dessa formação, considerando as implicações da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), o papel das universidades e das associações de professores e principalmente as implicações que podem advir do ensino de uma língua multinacional, como parece ser o caso da língua inglesa na atualidade. Procuro argumentar que uma língua multinacional não só é multicultural, como também possui variedades regionais que podem ser ensinadas ao aluno. A ênfase do ensino deve estar na produção (não apenas na leitura) e em objetivos específicos, às vezes não atendidos pela língua materna. Defendo a idéia de que o foco de interesse deve estar não no país onde a língua é falada, mas onde ela é estudada. O papel das associações na formação de professores é um trabalho colaborativo de vários presidentes de associações de professores de línguas, incluindo alemão, francês, espanhol, inglês e italiano. Cada presidente resume o que sua associação tem feito junto aos seus associados e às instituições. O trabalho dessas associações consta não só da promoção da língua, mas também da introdução de novas metodologias de ensino, oportunidades de estágio, e, principalmente, a veiculação de informações junto aos associados. Maura R. Dourado e Glória M. Obermark, em Uma reflexão sobre Parâmetros Curriculares Nacionais de línguas estrangeiras e transposição didática, fazem uma reflexão sobre os conceitos que subjazem aos PCNs. Enfocam a natureza sociocultural da língua, as noções de interdisciplinaridade e os temas transversais. Argumentam que a proposta educacional do MEC exige mudança não só das práticas atuais de sala de aula, mas também de muitos livros didáticos, que não atendem aos pressupostos teóricos que balizam os PCNs. Como são feitas, essas práticas não levam o aluno a atuar discursivamente e a perceber as desigualdades da sociedade em que está inserido. Marlene Maria Ogliari, em A manutenção do ensino da língua ucraniana em comunidade bilíngüe: português/ucraniano, apresenta os fatores responsáveis pela recriação, manutenção e ensino da língua ucraniana no município de Prudentópolis, no

20 19 estado do Paraná. Descreve a história da colonização ucraniana na localidade, mostra o papel da União, do Estado e da comunidade religiosa na continuidade do ensino e a situação atual da língua ucraniana no Paraná. Junko Okamura, em Política de ensino da língua portuguesa no Japão, faz uma retrospectiva do ensino do Português naquele país. Iniciado oficialmente em 1919, com a emigração para o Brasil, o ensino do português se intensificou com as relações comerciais, com o interesse pelo futebol e, mais recentemente, com a migração de retorno de japoneses e seus descendentes. Vilson J. Leffa Organizador

21 20

22 21 PARTE 1 QUAIS SÃO AS IDÉIAS? O professor de línguas estrangeiras é um profissional em formação contínua; precisa estar sempre se atualizando, não só para acompanhar um mundo em constante mudança, mas também para ser capaz de provocar mudanças. Emancipação, autonomia, diálogo, domínio afetivo, ênfase no desejo do aluno, ruptura com o tradicional, transgressão do currículo, formação integral são algumas das idéias chave aqui.

23 22

24 Ensino de línguas estrangeiras Ocupação ou profissão Maria Antonieta Alba Celani Pontifícia Universidade Católica SP Ao tratar do perfil do educador do ensino de línguas estrangeiras (Celani, 1996) abordei a questão com um olhar retrospectivo, tomando dois pontos no tempo como referências para minhas considerações. Foram eles 1955 e Considerei 1955 como um marco, porque foi o ano da publicação do documento da Modern Language Association of America, sobre as qualificações dos professores de línguas modernas para a escola secundária americana. Escolhi 1979 por ser uma data que diz respeito ao Brasil, a data do I Seminário Nacional para Professores Universitários de Língua Inglesa, onde, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, entre outras coisas, se discutiu a questão do perfil do professor universitário de uma língua estrangeira (Celani, 1979). A partir do que caracterizava a visão de capacitação para o professor de língua estrangeira naqueles dois momentos históricos, 1955 e 1979, minha posição em 1996, resumidamente poderia ser expressa assim: o professor de línguas estrangeiras seria um graduado com habilidades para manusear o conhecimento de maneiras definidas, através de uma prática reflexiva, construída ao longo de um processo, com base em uma visão sócio-interacional crítica da linguagem e da aprendizagem; um profissional envolvido em um processo aberto de desenvolvimento contínuo, inserido na prática, e não derivado de um método ou de um modelo teórico. Bohn (2000, p ) aponta questões importantes, fundamentais, para o estabelecimento de uma política de ensino de línguas estrangeiras apresentadas no Documento Síntese re-

25 24 OCUPAÇÃO OU PROFISSÃO? sultante do I Encontro Nacional de Políticas de Ensino de Línguas Estrangeiras1, mas, ressalta que o documento não é exaustivo. Além de outros aspectos apontados, o documento não trata, por exemplo, da questão do perfil do professor de línguas que o país precisa para atender às necessidades de ensino e aprendizagem de diferentes tipos de aprendizes, nem se posiciona sobre o problema do ensino de línguas estrangeiras na Universidade e o papel desta na formação dos recursos humanos necessários; não se posiciona tampouco sobre a necessidade de associações dos profissionais de ensino e as responsabilidades dos associados. A questão da profissionalização e, conseqüentemente, do papel do profissional do ensino de línguas estrangeiras foi o tema do II Encontro Nacional de Políticas de Ensino de Línguas Estrangeiras2. Em Celani (1996) várias vezes usei os termos profissional, profissão, sem, no entanto, me preocupar em elaborar a questão da significação que lhes estava atribuindo. Aqui, pelo contrário, quero me deter exatamente no aspecto profissão, tema desse II Encontro Construindo a Profissão. Para poder entender o que queremos construir, parece ser necessário antes de mais nada definir aquilo que estamos construindo. Qual seria a motivação para a interrogação no título deste trabalho? A alternativa estaria expressando dúvida, incerteza, hesitação ou é apenas um recurso retórico? É o que veremos ao longo da discussão. DEFININDO OS TERMOS E A ÁREA Para definir os termos recorro primeiramente aos dicionários. Vejamos o que diz o Novo Dicionário Aurélio: Ocupação ofício, trabalho, emprego, serviço. 1 Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, novembro, Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, 3-5 setembro, 2000.

26 MARIA ANTONIETA ALBA CELANI 25 Profissão atividade ou ocupação especializada, da qual se podem tirar os meios de subsistência. Essas duas definições não parecem ajudar muito, já que profissão pode também ser definida como ocupação, desde que seja especializada. Já o Collins Cobuild Dictionary define profissão como um tipo de emprego que requer treinamento especial e que confere um status bastante alto e ocupação como um emprego ou profissão; uma atividade que se faz por prazer ou como parte da vida cotidiana. Aqui, também, encontramos a circularidade que não torna as definições muito esclarecedoras. Saindo agora do âmbito dos dicionários e recorrendo a um autor como Boyle (1988), profissão é uma corporação que restringe seu quadro de membros a partir de considerações não ligadas ao mercado, sendo os padrões profissionais não impostos pelo mercado, mas pela opinião dos próprios profissionais. Howatt (1984, p. 213), por sua vez, aponta três condições principais para se poder falar de uma profissão autônoma: um arcabouço intelectual de princípios básicos distinto (condição necessária, mas não suficiente); um senso de coerência e estabilidade reforçado pelo estabelecimento de instituições com funções diversas, quais sejam: regras para admissão, manutenção de padrões, provisão de formação inicial e de alto nível, estruturas de carreira, comunicação por meio de periódicos especializados, associações e congressos; um comprometimento com a pesquisa e o desenvolvimento futuro. Voltarei a comentar estas duas últimas definições mais a- diante, quando tratar especificamente do ensino de língua estrangeira. Quanto a ocupação, o teor da discussão que segue deixará claro porque vou deixar de perseguir sua definição. Mas, talvez, antes de prosseguir, seja necessário examinar como são definidos os profissionais? Podem ser definidos como

O Professor de Línguas. Construindo a profissão

O Professor de Línguas. Construindo a profissão O Professor de Línguas Construindo a profissão UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Chanceler D. Jayme Henrique Chemello Reitor Alencar Mello Proença Vice-Reitor Cláudio Manoel da Cunha Duarte Diretora da

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO LOCAL DOS ENCONTROS Campinas: POLICAMP Rua: Luiz Otávio, 1281 Parque Santa Cândida Campinas SP Fone: (19) 3756-2300

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I)

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Prof. Júlio Wilson Ribeiro, Dr. (DC/UFC) Prof. Gilson Pereira do Carmo Filho, MSc. (DC/UFC) Prof. Hermínio

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD PROFª Mª MARIA DA GRAÇA GONÇALVES VINHOLI- GT-EAD E SENACmgvinholi@yahoo.com.br mariadagraca@ms.senac.br QUEM É O TUTOR? Mantendo a essência do termo e, transpondo

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo Andréia Ferreira dos SANTOS; Camilla Machado de SOUZA; Carmelita Brito de Freitas

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Palavras-chave: Formação, Aprendizagem, Ensino

Palavras-chave: Formação, Aprendizagem, Ensino LABORATÓRIO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Cármen Lúcia Rodrigues * RESUMO O presente texto busca explicar o que é o Laboratório de Ensino e Aprendizagem do curso de Pedagogia ULBRA/Guaíba, relatando suas funções,

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

TEORIA E PRÁTICA: AÇÕES DO PIBID/INGLÊS NA ESCOLA PÚBLICA. Palavras-chave: Ensino; Recomendações; Língua Estrangeira.

TEORIA E PRÁTICA: AÇÕES DO PIBID/INGLÊS NA ESCOLA PÚBLICA. Palavras-chave: Ensino; Recomendações; Língua Estrangeira. TEORIA E PRÁTICA: AÇÕES DO PIBID/INGLÊS NA ESCOLA PÚBLICA Bolsista Marilize Pires (PIBID/CNPq-UNICENTRO) Ruth Mara Buffa (PIBID/CNPq-UNICENTRO) 1 Resumo: O presente trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais