COMUNICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO SOCIAL NOS VIDEOGAMES Em análise o jogo Grand Theft Auto San Andreas 17/07/2008. Daniel Neves Abath Luna* RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO SOCIAL NOS VIDEOGAMES Em análise o jogo Grand Theft Auto San Andreas 17/07/2008. Daniel Neves Abath Luna* RESUMO"

Transcrição

1 COMUNICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO SOCIAL NOS VIDEOGAMES Em análise o jogo Grand Theft Auto San Andreas 17/07/2008 Daniel Neves Abath Luna* RESUMO O presente trabalho consiste numa tentativa de compreensão da relação entre videogames, comunicação e representação social, em específico do jogo GTA San Andreas, mostrando que os videojogos, através de suas narrativas virtuais, configuramse como produtores de representações sociais. O estudo dessa relação se faz importante, na medida em que as tecnologias audiovisuais carecem de análises voltadas ao viés da comunicação. O objetivo da pesquisa foi investigar as evidências comunicativas e representacionais presentes no jogo, observando os elementos da narrativa, tais como linguagem verbal e ambientação imagética. A análise demonstra que o jogo GTA San Andreas produz inúmeras representações sociais, dentre as quais destacamos o preconceito e o estereótipo. Os resultados apontam para a necessidade de análises e sistematizações de um campo ainda pouco estudado no Brasil, o da comunicação nos videogames, mostrando que além do entretenimento, os jogos se constituem em verdadeiros sistemas semióticos. Palavras-chave: Comunicação. Representação social. Videogames. INTRODUÇÃO Para muitas pessoas, o jogo é visto apenas como uma espécie de lazer. Contudo, além de ser um lazer, o jogo possui uma função significante, sendo um reflexo da cultura hodierna. Os jogos eletrônicos, ou videogames, em particular, estão cada vez mais carregados de sentido e representações. Em nosso estudo, vamos nos prender a um jogo em específico, justamente devido a suas peculiaridades narrativas, tais como forte teor de violência e associação direta com o mundo real: Grand Theft Auto San Andreas, conhecido pelos jogadores como GTA San Andreas. O estudo do jogo GTA San Andreas se faz importante na medida em que o campo das novas tecnologias carece de estudos e sistematizações acerca de suas características e formas de comunicação e representação, configurando-se um campo de estudos entre a comunicação e os jogos eletrônicos. Em face de pesquisas na área de comunicação que privilegiam as análises dos meios de comunicação de massa (rádio, televisão e jornal impresso), os artefatos culturais audiovisuais ficam aquém das discussões teóricas na área de comunicação em torno das significações e construções simbólico-cognitivas. O jogo Grand Theft Auto, que em português significa grande ladrão de carros, foi lançado em princípio para computador, sendo o primeiro traço característico a permissão dada ao jogador para roubar qualquer carro presente no jogo. É possível, em GTA, encarnarmos um fora da lei como personagem principal. Esse foi apenas o primeiro exemplar de uma série que ficaria conhecida no mundo inteiro. Em seguida foram lançados, para diferentes videogames, também chamados de plataformas ou consoles, os jogos: GTA London 1969; GTA London 1961; GTA 2; GTA III; GTA Vice City; GTA San Andreas e GTA IV. A versão que nos interessa neste trabalho, por ser a mais recente e por contar com um enredo muito mais complexo que as demais, o GTA San Andreas, foi lançada

2 em 2004 para o videogame Playstation 2 e em meados de 2005 para o console X-BOX e para os computadores. San Andreas é um estado fictício do jogo, sendo baseado nos estados reais da Califórnia e de Nevada, dos Estados Unidos. Intentamos elaborar um estudo acerca dos elementos comunicativos e representacionais do jogo GTA San Andreas, utilizando-se de abordagens da comunicação e da psicologia social. Além disso, observamos os elementos da narrativa do jogo, mapeando suas características de linguagem verbal e ambientação imagética, estudando como os elementos da narrativa hipermidiática representam o social e como o conjunto dessa narrativa se apresenta enquanto comunicação. A análise contribui para com os estudos interdisciplinares, tecendo uma ponte entre a grande área da comunicação e os jogos eletrônicos como elementos constituintes da cultura, campo ainda carente de estudos no Brasil. Para tanto, fizemos um apanhado histórico dos jogos, desde suas origens até o advento dos videogames. Situamos o jogo em análise dentro das classificações dos jogos eletrônicos, para em seguida abordarmos a cultura presente nesses artefatos. Inseridos neste capítulo, tratamos das características próprias ao mundo virtual dos games. Abordamos a teoria das representações sociais como elemento metodológico à análise empreendida. Assim fundamentado teoricamente, o trabalho parte para a análise propriamente dita do jogo, em seu funcionamento, espaço social-geográfico, trama e personagens. Por fim, tratamos das considerações analíticas, apresentando a relação entre as temáticas propostas pelo estudo, demonstrando a riqueza imagética da hipernarrativa e a necessidade de uma maior atenção a tais artefatos audiovisuais da comunicação contemporânea. 1. PREÂMBULO 1.1 Uma breve definição de jogo O jogo é uma função vital presente tanto nos seres humanos quanto nos outros animais. De acordo com Huizinga (1999, p. 1), o jogo está em tudo: Não vejo razão alguma para abandonar a noção de jogo como um fator distinto e fundamental, presente em tudo o que acontece no mundo. Alves (2005, p. 18) concorda com o autor e complementa a idéia afirmando que o jogo ajuda na relação social, na cognição e na subjetividade, podendo ser classificado, tomando de empréstimo o conceito de Lévy (1993), como uma tecnologia intelectual: No decorrer do tempo, os jogos passaram a ser compreendidos pelo senso comum apenas como atividades de entretenimento. Contudo, jogar vai além da distração. Por estar em tudo, desde os animais, como nas brincadeiras entre cães, por exemplo, pode-se dizer que o jogo, num conceito mais amplo, precede a cultura. E mesmo nas suas manifestações mais simplórias, ultrapassa uma função psico-fisiológica, pois exprime um sentido. O jogo se processa numa mescla de tensão, alegria e divertimento. Como está além da esfera humana, não se erige em fundamentos da racionalidade e, portanto, possui uma realidade própria. Em sua essência, o jogo não é material e consiste em uma imaginação, no sentido de tecer imagens acerca de determinada realidade. Freire (2005, p. 33) coloca a questão da imaginação como sendo uma dádiva humana: "Que prodígio representantes de uma espécie animal capazes de representar para si mesmos as experiências vividas de alguma forma nas suas realidades! Basta olhar à minha volta para constatar o poder dessa representação. Quase tudo que meu olhar registra é produto da imaginação humana". Huizinga afirma que nossa concepção de jogo o coloca completamente oposto à seriedade. Mas ele diz que se analisarmos bem essa oposição, veremos que ela não é decisiva. Podemos dizer que o jogo é a não-seriedade, contrário a dizer que ele não é sério. E o mais importante: o jogo não possui uma função moral. "O jogo não é compreendido pela antítese entre sabedoria e loucura, ou pelas que opõem a verdade e

3 a falsidade, ou o bem e o mal. Embora seja uma atividade não material, não desempenha uma função moral, sendo impossível aplicar-lhe as noções de vício e virtude". (HUIZINGA, 1999, p. 9) As características do jogo, apontadas por Huizinga, são: a liberdade, a evasão da vida real, o isolamento e a criação de uma ordem própria a cada jogo. Crianças e animais brincam por instinto, mas também, e aí temos a evidência de liberdade, brincam porque gostam de brincar. Para o adulto, o lúdico é supérfluo e só vira uma necessidade se o prazer o impuser, pois se pode pará-lo a qualquer momento, sendo posto em prática nas horas de ócio. O jogo não é a vida real e sim uma saída dessa realidade (evasiva), como atividade temporária. Contudo, esse faz de conta não impede que haja seriedade e, consequentemente, um grande arrebatamento e uma imersão. Possui também um tempo e um espaço determinados, havendo um isolamento. Joga-se até chegar ao fim. Essa limitação no tempo incorre num fenômeno cultural, pois quando acaba, o jogo é retido na memória, podendo ser repetido. Além disso, é limitado no espaço (real ou imaginário) como num campo fechado, onde se respeita a determinadas regras. Um lugar temporário. A questão da ordem nos faz pensar no elemento da tensão, que é intrínseco ao jogo. A tensão, proveniente da incerteza, é o que predomina nos jogos solitários. Correr riscos é o que dá sentido ao lúdico, fazendo com que o jogador esqueça que está jogando, além do que, nos dizeres de Freire (2005, p. 11), [...] é justamente aí que reside boa parte do prazer de jogar [...]. E é essa tensão que vai incutir no jogo uma espécie de ética. Embora o jogo enquanto tal esteja para além do domínio do bem e do mal, o elemento da tensão lhe confere um certo valor ético, na medida em que são postas à prova as qualidades do jogador, sua força e tenacidade, sua habilidade e coragem e, igualmente, suas capacidades espirituais, sua lealdade. (HUIZINGA, 1999, p. 14) O jogo é um mistério para quem joga. Huizinga (1999) afirma que as leis e costumes do cotidiano não valem dentro do espaço do jogo. Talvez numa época em que não se falava em realidade virtual e na qual eram considerados como jogos apenas as competições atléticas, os jogos de tabuleiro, os jogos de azar, etc. Porque na atualidade, alguns jogos eletrônicos simulam as leis do cotidiano, quer seja para deturpá-las, quer seja para fazê-las valer como regras. Doria (1999, p. 153) afirma que qualquer interação social é já um jogo e tangencia a reta transdisciplinar entre o lúdico e a comunicação: Jogos, enfim, são trocas simbólicas entre pessoas, entre grupos; entre jogadores. Donde seu interesse para a comunicação. Freire (2005) considera as principais contribuições acerca do jogo, ou seja, os estudos de Huizinga, Caillois e Brougère como relativistas, onde os autores utilizam o mesmo procedimento, fragmentando-se o estudo em partes, ao invés de analisar a complexidade do todo. Dessa forma, certas características enumeradas pelos estudiosos como sendo do jogo, também caracterizam outros fenômenos. Ordem, ritmo, harmonia, tensão, isolamento, movimento, progressão: tudo isso caracteriza o jogo. E para além do lúdico, nas sociedades modernas, o jogo está associado à expressão de algo, como poética. Uma criança, um músico, um atleta, um ator se deixam envolver e são tomados inteiramente pela realidade do jogo, mesmo sem perder a consciência das atividades que exercem. No espaço real, o jogo assim se mostra. Mas, e no espaço virtual? Que características poderíamos enumerar acerca do jogo de tipo eletrônico? Podemos definir os videogames apenas a partir das premissas tradicionais de estudos sobre jogos? Até onde vão as intenções e o que está por trás do lúdico no virtual?

4 1.2 Os jogos eletrônicos Percurso histórico dos jogos eletrônicos É difícil encontrar autores brasileiros que discutam sobre os jogos eletrônicos. Por isso, nossa visualização histórica dos games está fundamentada nas contribuições de Alves (2005) e em sítios da internet. A primeira intenção de criação de um videogame se deu em 1958, com um jogo de tênis criado por Willy Higinbotham, que subestimou o próprio invento e não o patenteou. Na década de 60, Ivan Sutherland defende tese onde mostra o primeiro sistema de gráficos computacionais que geraria, mais tarde, os videogames. Em 1962, o designer Stephen Russel cria o primeiro videogame, reconhecido como tal, o Space War. O primeiro protótipo de um console, que é justamente toda máquina feita exclusivamente para videojogos, com funcionamento através da TV, só aparece em 1966, através de Ralph Baer. A criação de Baer foi o que começou a dar forma a uma verdadeira revolução: uma máquina que rodaria jogos na TV, com um custo acessível e com disponibilidade para qualquer indivíduo. Space War continha elementos que seriam depois utilizados em famosos jogos da década de 70, como Asteroids e Pong. Já em 1970, estudiosos dos Estados Unidos como Steve Jobs, Steve Wozniac, Bill Gates e Nolan Bushnell criam o Personal Computer, conhecido pela sigla PC. Bushnell simplifica o Space War, chamando-o de Computer Space, com circuitos ligados à TV preto-e-branco, o que configurou o primeiro arcade da história. Quem conhece um pouco de videogame acredita que o primeiro console foi o Atari Todavia, em 1972 chegava ao mercado o Odyssey 100, o primogênito dos consoles caseiros, desenvolvido por Ralph Baer e fabricado pela Magnavox, subsidiária da Philips. O Odyssey era bastante obsoleto e a prova disso eram as folhas de papel que acompanhavam o console para anotar os placares, pois os chips de memória ainda demandavam muitos recursos. Para se ter uma idéia do obsoletismo gráfico do console, vale lembrar que ele não tinha poder suficiente para gerar todos os pontos necessários para dar realismo ao jogo. Por isso, os usuários eram obrigados a colocar cartões plásticos na tela da TV para simular o campo do jogo (em um jogo de tênis, por exemplo, colocava-se um cartão verde para parecer grama)[1]. De qualquer forma, podemos vislumbrar a partir do Odyssey um novo conceito em games. Do tradicional Pinball, passou-se a jogos de esporte (basquete, tiro ao alvo, corrida de cavalo, moto). Mas as vendas caem, o desinteresse do público é geral, devido justamente ao obsoletismo dos gráficos, e Nolan Bushnell contra-ataca, modificando completamente os conceitos até aqui vistos quando o assunto era videogame. Nolan decide criar no mesmo ano de 1972 uma firma exclusiva para desenvolvimento de jogos, que seria chamada Syzygy, mas como já havia uma construtora com esse nome, resolveu chamar de Atari, que significa no português o referente à expressão xeque-mate do jogo de xadrez. A companhia inicia os trabalhos com o jogo Pong, um ping-pong eletrônico que obteve grande êxito com o público. Tal jogo foi responsável pelo surgimento da indústria dos videogames, pois já que o sucesso foi um fato, pensou-se em criar a versão caseira do jogo, o Home Pong. Nolan Bushnell enriquece e a indústria dos consoles caseiros e dos jogos eletrônicos acabava de nascer. Em 1976 surgem os consoles programáveis, onde havia a possibilidade da troca de jogos contidos em cartuchos, vendidos em lojas especializadas, dos quais são exemplos o Channel F e o Studio II. O primeiro console que o Brasil conheceu foi o Tele-jogo, lançado pela Philco. Os primeiros jogos do Tele-jogo foram: paredão, futebol e tênis. Tal console fez sucesso no início da sua comercialização, mas logo foi esquecido, pois danificava os aparelhos de TV na época.

5 Em novembro de 1977 é lançado o Atari VCS (Video Computer System), o videogame mais conhecido da história. Houve várias conversões de jogos de arcade para o Atari, que incorporou a concepção dos cartuchos do Channel F e tornou isso uma característica da indústria de games. O Atari VCS, depois de lançado, mudou o nome para Atari E, então, as expectativas foram frustradas, pois houve uma crise no setor. A tática das produtoras foi pressionar os fabricantes a produzirem jogos em quantidade triplicada, o que funcionou e gerou um crescimento de vendas no início dos anos 80. Porém, em 1984, o Atari 2600 fracassa e traz consigo um momento conhecido como o crash dos videogames. Em 1978 ressurge o Odyssey em sua segunda versão, o Odyssey 2. O console não superava o Atari 2600, pois o processador de imagens era mais lento e os gráficos muito quadrados. Os criadores apostaram no apelo de marketing em torno do lançamento. Para o Odyssey 2 foram lançados apenas vinte e quatro títulos em quatro anos. Já em 1979, surgiu o primeiro videogame portátil da história: o Microvision. Os jogos eram em preto-e-branco e foram lançados apenas dez títulos, sendo alguns de esporte e outros de guerra intergaláctica. No ano de 1980 surge o Intellivision. Foi concorrente do Atari 2600 e apresentava melhores gráficos. O público gostou dos jogos, mas odiou o controle que era frágil e de péssima jogabilidade. Vários periféricos foram lançados para o console, que prometia se transformar, no futuro, em um completo computador pessoal. Foram produzidos cerca de cento e vinte e cinco jogos, bastante diversificados quanto às temáticas. A terceira geração dos videogames nasce em 1982, com a estréia do ColecoVision. O que acontece quando uma companhia que produzia couro - a Conneticut Leather Company - e que quase foi a falência nos anos 70, resolve produzir um videogame? Simples, ela lançou o primeiro console que conseguiu a façanha de derrubar o poderoso Atari 2600, e que tinha o melhor hardware em sua geração. Muitos atribuem o título de "melhor console de todos os tempos" ao ColecoVision, devido aos excelentes gráficos para a época, e à seleção de jogos de altíssima qualidade e jogabilidade[2]. A principal característica do ColecoVision eram as conversões fidedignas dos jogos de arcade para o console. Os jogos do ColecoVision também variavam em suas temáticas, desde o esporte a jogos de aventura. Muitos periféricos foram lançados para o videogame. A concorrência o exigiu e a Atari lançou o Atari O grande problema do videogame foi o estranho controle que apresentou inúmeros defeitos e quebras. O console possuía bons jogos, porém péssimos controles na opinião dos jogadores. E isso o levou à fraca popularidade. A partir de 1981 há um crescimento instável e oscilante na indústria dos videogames, pois a empresa IBM lança os computadores pessoais (PCs), o que leva a uma queda das empresas de consoles, pois os usuários dos computadores e editores de jogos podiam manipular a técnica, a narrativa e a estética dos jogos, como atenta Alves (2005, p. 42): Os computadores, além de surgirem com intenção de mediação das atividades profissionais, propunham-se a ocupar o espaço de entretenimento e desenvolvimento de atividades pedagógicas. Diante desse novo universo de alternativas, as empresas de games começaram a desaparecer do cenário. Decretou-se, portanto, a morte dos videogames.

6 A crise era flagrante. E foi nessa época que a Microsoft de Bill Gates assinou um contrato com a empresa japonesa Ascii e criaram o MSX. A Ascii queria um computador para entrar em concorrência com os PCs da IBM. O MSX, dessa forma, foi um computador pessoal que rodava jogos em cartuchos e em fitas cassete, ou seja, era um computador-console. Contra as previsões apocalípticas do fim dos games e da substituição destes pelos computadores pessoais, o Japão, com a Nintendo, ressuscita o mercado. Em 1983, a Nintendo lança o Famicom japonês e insere o console no mercado americano com o nome NES (Nintendo Entertainment System), justamente o grande mentor da recuperação do mercado de jogos eletrônicos da época. Os seus concorrentes eram o Sega Master System e o Atari 7800, que possuíam gráficos e sons mais sofisticados do que os do NES. Porém, o console da Nintendo conseguiu mais adeptos devido ao lançamento adiantado em relação aos concorrentes, às campanhas publicitárias mais sedutoras, aos inúmeros títulos e à equipe de designers da Nintendo. O NES dominou o mercado até o início dos anos 90, quando nasce a quinta geração de consoles, liderada pelo Mega Drive e o Super Nintendo. No ano de 1988, dois anos depois do fracasso do Master System no mercado dos videogames, a empresa Sega lança o Mega Drive, o primeiro console de 16 bits da história. A plataforma possuía gráficos muito sofisticados para a época e uma excelente qualidade gráfica dos jogos convertidos dos arcades. Nos EUA, assumiu o nome Genesis. O Mega Drive possuiu mais de mil títulos, dentre os mais variados gêneros, destacandose, inclusive, o jogo Road Rash, que misturava corrida de motos e luta, um modelo que serviu de exemplo para muitos outros jogos atuais, como o Grand Theft Auto San Andreas. Além disso, em 1989, foi lançado no Japão o GameBoy, o minigame da Nintendo, que em sua primeira versão tinha jogos preto-e-branco, evoluindo para o GameBoy Color, com jogos a cores. Em 1990 a empresa SNK lança o Neo Geo, um dos videogames mais caros da história, com cartuchos de muita memória e grandes controles no formato arcade. A característica marcante dos jogos do Neo Geo é a predominância das temáticas de luta e tiro. A mesma empresa lançou o Neo Geo CD em 1994, que era similar ao primeiro, acrescido de um drive de CD. A Sega ainda lança em 1991, no Japão, o Mega CD, um periférico que aumentava as potencialidades gráficas e sonoras do Mega Drive, trabalhando com maior capacidade de armazenamento de dados, através da mídia CD. Nos EUA, o Mega CD foi chamado de Sega CD. No mesmo ano de 1990 surge o Super Nintendo, em concorrência com o Mega Drive. A disputa aumenta e a Sony entra no mercado em 1991, propondo um CD-ROM, o Playstation, para o Super Nintendo. Seria uma parceria com o objetivo de melhorar os gráficos com o recurso do CD. Porém, finanças e política rompem a parceria, ficando o projeto do Playstation com a Sony, que lança o console com o mesmo nome no final de Alves (2005, p. 44) bem mostra que a história dos videogames constituiu-se de oscilações no mercado desses produtos, por ações na justiça envolvendo as corporações e pela eterna busca de superação dos concorrentes no desenvolvimento de novos produtos. Ainda surgiram: o Game Gear da Sega, concorrente com o GameBoy da Nintendo; o Amiga CD32; o 3DO; o Atari Jaguar; o Sega Saturn, concorrente do Playstation; o Nintendo 64; o Sega Dreamcast, que foi à falência; o Playstation 2; o X-Box; o Gamecube e os atuais Playstation 3, Nintendo Wii e X-Box 360. Hoje em dia, Nintendo, Sony e Microsoft dominam a indústria do entretenimento eletrônico, se bem que os jogos para computador e de rede cresceram bastante. Atualmente todas as empresas trabalham com jogos no formato de CD-ROM: X-Box 360 (Microsoft), Gamecube e Wii (Nintendo), Playstation 3 (Sony), e com ligação à internet. O jogo analisado neste trabalho é disponível para os consoles Playstation 2, X-Box e para os computadores pessoais.

7 O fato é que, hoje, os jogos eletrônicos possuem simulações cada vez mais próximas da realidade. As imagens realistas chegam a fazer com que o jogador sinta como se estivesse dentro do jogo; ativo na trama como se fosse o personagem. Os games têm hoje tanta qualidade que concorrem com o realismo dos filmes, mas têm algo mais: são interativos As classificações dos jogos eletrônicos E essa aproximação dos jogos com o cinema não se dá apenas pela qualidade das imagens. Percebe-se que, progressivamente, os games trabalham com narrativas mais complexas, que introduzem técnicas e modelos discursivos cinematográficos tipos de planos, enquadramentos, montagem, ritmo, foco narrativo, elaboração de personagens, narrativas em primeira pessoa etc., nos quais os jogos se transformam em histórias interativas, construídas pelos próprios usuários, obviamente dentro dos limites permitidos pelos dispositivos. (ALVES, 2005, p. 47) Existem seis categorias de classificação dos games, estipuladas pelos próprios jogadores e pelas revistas especializadas. Atualmente, são aceitas as seguintes categorias: jogos de aventura, de estratégia, jogos de arcade, simuladores, jogos de esporte e RPG (ALVES, 2005, p. 70). Tais classificações não podem ser consideradas de forma isolada, pois em alguns casos é difícil de apontar qual o gênero que predomina. A aventura, por exemplo, está presente em muitos títulos que não são propriamente de aventura. Já os jogos de estratégia se confundem com os de guerra e tabuleiro. Há autores, como Myers (apud ALVES, 2005) que propõem classificar os jogos através da análise da interação simbólica entre o jogador e o jogo. De acordo com Fragoso (apud ALVES, 2005, p. 71) os jogos eletrônicos exigem duas capacidades específicas: a reação física (viso-motora) e o planejamento estratégico. Os jogos de reação física objetivam fazer com que o jogador reaja, em um curto espaço de tempo, aos estímulos visuais, ou seja, às formas que vão surgindo na tela. Fazem parte desse grupo as seguintes subcategorias, derivadas das seis categorias embrionárias: jogos de tiro, como Doom; jogos de combate, como Street Fighter; jogos adaptados do cinema, como O Rei Leão; jogos de esporte e os jogos de corrida. Os games de estratégia são aqueles que desenvolvem a capacidade de administração de recursos e planejamento em longo prazo. Estão nesse grupo os jogos que se desenvolvem dentro de um enredo, como os RPGs, e os que se desenvolvem dentro de uma lógica abstrata, como os quebra-cabeças, os jogos de tabuleiro e os chamados God Games, como The Sims, onde o objetivo é administrar uma vida. Existem também os jogos híbridos, que exigem a reação física e o planejamento estratégico, como por exemplo, Warcraft. O jogo GTA San Andreas é um misto de vários tipos de games. Permite dirigir uma vasta gama de veículos, desde motos a aviões supersônicos; jogar, dentro do próprio jogo, clássicos dos antigos videogames; administrar a vida do personagem principal, o Carl Johnson; participar de corridas de carro, como nos jogos específicos de corrida, e, principalmente, matar e roubar. Dessa forma, podemos considerá-lo um jogo híbrido, dotado de uma narrativa aberta, não tanto quanto um RPG, mas que permite muitas combinações e possibilidades, alternando entre as funções de reação motora e de planejamento estratégico. E se quisermos destacar um elemento predominante, este se chama violência. Estamos analisando, portanto, um game que reflete, talvez, o próprio jogo da vida, visto pela ótica de um gângster dos subúrbios norte-americanos.

8 1.3 A cultura dos jogos eletrônicos Em linhas gerais, o enredo conta a ascensão de CJ, de como ele passou de líder de uma pequena gangue a uma poderosa personalidade. Para isso, o game propõe diversas missões a serem realizadas e o jogador terá a oportunidade de participar de assaltos, assassinatos e outros tipos de crimes nas mais diversas situações. Mas essa aventura principal do game é apenas 50% do todo. [...] Nesse sentido, o jogo pode ser colocado na mesma categoria que um "The Sims", tamanha a liberdade que o usuário possui[3]. Vivemos um tempo de incertezas. Da nova relação com a técnica temos novos estilos de vida e as mídias eletrônicas, como a informática, por exemplo, têm agido fortemente sobre esse tempo. O conhecimento e a apreensão do mundo estão intimamente relacionados às novas tecnologias. Castells (2004, p. 17), ao tratar da internet, mostra-nos que o estudo das novas mídias, [...] sua lógica, linguagem e limites não são totalmente entendidos para além dos aspectos tecnológicos. As técnicas atuais possuem o mesmo valor cultural que as técnicas antigas, ou seja, elas influem na maneira com a qual as pessoas se relacionam em sociedade, num dado momento histórico. O computador estrutura a nossa experiência, como afirma Lévy (1993, p. 16): os produtos da técnica moderna, longe de adequarem-se apenas a um uso instrumental e calculável, são importantes fontes de imaginário, entidades que participam plenamente da instituição de mundos percebidos. Negroponte (1995, p. 81) é da mesma opinião que Lévy, ao dizer que existe uma polaridade (por mais artificial que seja) entre a tecnologia e as humanidades, a ciência e a arte, os lados direito e esquerdo do cérebro. A técnica de cada tempo faz com que a sociedade viva uma nova história. Dentro do contexto contemporâneo, os videogames, em gradativa evolução histórica, sofreram profundas mudanças quanto às potencialidades gráficas, jogabilidade, formas narrativas e riquezas perceptivas e sensório-motoras. Os jogos eletrônicos traduzem hoje em dia uma cultura própria da realidade das redes informáticas: a cultura da simulação O mundo simulado A simulação é um tipo de realidade não-linear, negociável e de construção cognitiva. A interação com os jogos permite o exercício da bricolagem. A realidade virtual amplia a criação. A esse respeito, Pierre Lévy (1993, p. 122) afirma que fazemos mais do que uma leitura do mundo, ou seja, exploramo-no: [...] programas de inteligência artificial podem ser considerados como simuladores de capacidades cognitivas humanas: visão, audição, raciocino, etc. Quando o usuário manipula o programa (um game, por exemplo) adquire intuição sobre ação/ efeito, causa/ conseqüência, podendo tal intuição ser classificada como um conhecimento por simulação. Essa realidade, portanto, funciona como uma imaginação feita através de imagens, sons e textos na tela. Dessa forma, temos um complemento externo ao ato da imaginação que provém da mídia eletrônica. A simulação, portanto, é uma imaginação auxiliada pelas tecnologias e os meios eletrônicos, a saber, o computador, a internet, os videogames etc. Freire (2005, p. 67) mostra que o ponto de convergência entre o jogo e o mundo objetivo é exatamente a simulação: Se o mundo do jogo desenrola-se na invisibilidade da subjetividade humana, sua tradução para o exterior, por mais que isso seja sutil, deixa vestígios

9 e um deles, embora possa não ser visível em todos os tipos de jogos, é o caráter da simulação. Ao ver alguém ou um grupo jogando, sabemos que jogam, em parte, porque sabemos que estão fazendo-deconta, que estão representando, e mais, se autorepresentando, e essa pode vir a ser a mais completa tradução, para o mundo exterior, que o jogo fornece. Baudrillard (1999, p. 24) é um dos autores que assumem posição contrária em relação à simulação e às técnicas do virtual, apontando-as como uma espécie de esvaziamento de sentido: "[...] a extensão incondicional do virtual (que não inclui somente as novas imagens ou a simulação a distância, mas todo o cyberespaço da geofinança [...] e o da multimídia e das auto-estradas da informação) determina a desertificação sem precedentes do espaço real e de tudo o que nos cerca". O novo modelo comunicativo, a nova cultura surgida neste século é fruto de quatro etapas na concepção de Castells (2004, p. 238): da integração entre formas tecnológicas e artísticas; da interatividade, como sendo o poder de comando do usuário em relação aos media; dos hipermeios, que representam a interligação das mídias e da imersão, ou seja, da inserção do usuário na simulação dos mundos virtuais. Castells (ibid.) chega a afirmar que vivemos numa virtualidade real. Construímos nossas interpretações a partir dos media, sendo essas interpretações, significados individuais. É inegável que a sociedade virtual incita automaticamente ao individualismo, visto que as atividades que antes eram realizadas socialmente, hoje o são de forma solitária. Portanto, há impreterivelmente uma perda da construção comum do entendimento. Nessa cultura da realidade virtual, a comunicação precisa de convenções de significados, dos quais a arte é um exemplo. Da mesma forma poderíamos pensar nos videogames como um tipo de protocolo, em atividade há vários anos, como foi visto no histórico dos jogos eletrônicos. Mas, afinal: se estamos falando de uma cultura da simulação, como se caracteriza esse novo mundo do ciberespaço? A eminência do virtual O senso comum considera virtual como um sinônimo de ilusão. Autores como Negroponte (1995) chegam a tratar do virtual de forma análoga ao conceito de realidade virtual (RV), limitando-se a observar a antiga indumentária de óculos 3D, capacetes e luvas, que propunham uma imersão dependente de tais equipamentos. Mas a realidade que o virtual dispõe vai muito além de artigos periféricos. Lévy (1996, p. 15) explica que em termos rigorosamente filosóficos, o virtual não se opõe ao real, mas ao atual: virtualidade e atualidade são apenas duas maneiras de ser diferentes. Ou seja, o virtual é aquilo que é possível, só não é exercido em ato. O virtual, portanto, não é o oposto do real, mas do atual. A virtualização é uma mudança de identidade, não uma anulação do real. É independente do momento e do lugar imediato (do aqui e agora). É o virtual que faz ressurgir uma cultura do nomadismo e da interação social, numa espécie de desterritorialização. Disso podemos concluir que no virtual vários espaços estão em coexistência, multiplicando-se cada vez mais, de forma que há um movimento de imbricação entre universos antes dicotômicos: público/ privado; subjetivo/ objetivo; leitor/ autor. A tendência agora é a construção individual de significados, ainda mais forte do que quando da eminência da técnica da escrita. Os corpos também passam por uma realidade da virtualização. Enxertos, próteses e extensões, como os dispositivos tecnológicos, transformam o nosso corpo em artefato. Nossas percepções passam a ser externalizadas através dos sistemas de comunicação, portanto, o corpo sai de si mesmo, adquire novas velocidades, conquista novos espaços. Verte-se no

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

Estudo de Caso da Nintendo

Estudo de Caso da Nintendo Estudo de Caso da Nintendo Roberto Paulo da Silva Pinto Junior robertjr@furnas.com.br 1 Universidade Federal Fluminense (UFF), Centro Tecnológico - Niterói, RJ, Brasil 2 Furnas Centrais Elétricas S.A.

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game.

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game. Design de Games: A importância da estética utilizada na interface de um game. Edival Oliveira Lago Filho* Resumo: O artigo tem como objetivo, refletir sobre a importância da estética aplicada sobre o design

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

- Aula 03_2012 - Profa. Ms. Karen Reis

- Aula 03_2012 - Profa. Ms. Karen Reis Protótipos de Jogos Digitais - Aula 03_2012-1 Design de Games Só temos GAMES quando há: contexto interessante, direcionados a um objetivo e limitado por regras. Os games da era pós-digital se apoiam em

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Evolução das Consolas de Jogos de Video

Evolução das Consolas de Jogos de Video Evolução das Consolas de Jogos de Video 1 FCT Faculdade Nova de Lisboa Expressão e Comunicação 1 2 º Desde sempre que os jogos acompanham a humanidade. Artefactos encontrados no antigo Egipto provam que

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A (R)evolução dos Games

A (R)evolução dos Games A (R)evolução dos Games Meu Histórico... Guilherme Camargo, 37 anos Formação em Comunicação Social pela ESPM/97 FGV, Fundação Dom Cabral, Kellogg Marketing Academy + de 15 anos de experiência em consumo

Leia mais

Game Design e Tecnologia na Incubadora

Game Design e Tecnologia na Incubadora Game Design e Tecnologia na Incubadora INCUBADORA versão final Introdução Inspirado em jogos de simulação como The Sims, INCUBADORA versão final é um espetáculo-jogo, que promove a reflexão sobre os modos

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Videogames por uma poética da interatividade Entrevista com Marie-Laure Ryan

Videogames por uma poética da interatividade Entrevista com Marie-Laure Ryan Videogames por uma poética da interatividade Entrevista com Marie-Laure Ryan Júlia Pessôa 1 No atual contexto das investigações acadêmicas dos jogos eletrônicos, a pesquisadora suíça Marie-Laure Ryan,

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS Aline Ferraz da Silva 1 Carine Bueira Loureiro 2 Resumo: Este artigo trata do projeto de Trabalho

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como AS NOVAS MÍDIAS COMO FERRAMENTA SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS 1. INTRODUÇÃO Waleska da Graça Santos (UFS) O ensino de línguas, assim como em qualquer outra esfera do saber

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

TECNOLOGIAS NO COTIDIANO: DESAFIOS À INCLUSÃO DIGITAL

TECNOLOGIAS NO COTIDIANO: DESAFIOS À INCLUSÃO DIGITAL TECNOLOGIAS NO COTIDIANO: DESAFIOS À INCLUSÃO DIGITAL O que é Tecnologia? O que é Tecnologia Educacional? Tecnologia e Tecnologia Educacional Histórico da Evolução da Tecnologia O homem foi utilizando

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

RESENHA DO LIVRO A COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO, DE JESÚS MARTÍN-BARBERO

RESENHA DO LIVRO A COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO, DE JESÚS MARTÍN-BARBERO RESENHA DO LIVRO A COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO, DE JESÚS MARTÍN-BARBERO Sannya Fernanda Nunes Rodrigues MARTÍN-BARBERO, J. A Comunicação na Educação. São Paulo: Contexto, 2014. 155 p. Palavras-chave: Comunicação.

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil.

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. Universidade Federal de Santa Catarina julianacmuller@hotmail.com Ficamos sabendo pelo narrador que as novas aventuras fizeram

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

1 Introdução. Sistemas de Autoria

1 Introdução. Sistemas de Autoria 1 Introdução Sistemas de Autoria O momento atual impulsiona a computação a lançar um novo olhar sobre a Educação, focados para as possibilidades da construção de um mundo de inovações onde as tecnologias

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

A Pedagogia Clínica Biográfica

A Pedagogia Clínica Biográfica A Pedagogia Clínica Biográfica Josef David Yaari Sim, é isso que devo fazer, é isso que eu sou! Ocorre a urgência! O mundo, as empresas, iniciativas e muitos empreendimentos precisam de gente. Há uma demanda

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS: 3 grandes problemas de modelam 1

NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS: 3 grandes problemas de modelam 1 NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS: 3 grandes problemas de modelam 1 Henrique Lian O problema com as pessoas que falam de Negócios Sustentáveis é que a maioria delas não tem a menor ideia do que é ser sustentável,

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 A IMPORTÂNCIA DO BRINQUEDO NO PROCESSO EDUCATIVO DA CRIANÇA Eder Mariano Paiva Filho

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais