PANORAMA DA TUBERCULOSE EM DISTRITOS SANITÁRIOS DE SALVADOR: IMPORTÂNCIA PARA UM INQUÉRITO TUBERCULÍNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANORAMA DA TUBERCULOSE EM DISTRITOS SANITÁRIOS DE SALVADOR: IMPORTÂNCIA PARA UM INQUÉRITO TUBERCULÍNICO"

Transcrição

1 PANORAMA DA TUBERCULOSE EM DISTRITOS SANITÁRIOS DE SALVADOR: IMPORTÂNCIA PARA UM INQUÉRITO TUBERCULÍNICO Amanda Leite Barreto Neuranides Santana Patrícia Borges Oliveira Jean de Jesus Souza Bianca de Melo Vivas A tuberculose é uma doença infecciosa e contagiosa causada pelo microorganismo Mycobacterium tuberculosis, também conhecido por bacilo de Koch (BK), que se propaga através do ar, por meio de gotículas, contendo essas bactérias expelidas por um doente de TB pulmonar ao tossir, espirrar ou falar em voz alta.¹ Em todo o Brasil foram registrados novos casos no ano de 2010 até o mês de outubro. Contudo, segundo estimativas do próprio MS esse número deve ser bem maior, ultrapassando a casa dos 80 mil casos, podendo chegar 100 mil casos até o fim do ano, já que por se tratar de uma doença silenciosa e com sintomas comuns a outras doenças, muitos profissionais de saúde conferem diagnósticos errôneos.² Além disso, ainda existe a subnotificação da doença no país, onde a situação mais preocupante é na região sudeste, sobretudo em São Paulo com casos. No estado da Bahia foram registrados, no mesmo período, novos casos. Porém, a situação se configura mais alarmante no estado do Rio de Janeiro, que apresentou uma taxa de incidência de 70,7casos a cada 100 mil habitantes.² Estima que no ano de 2007 foram registrados aproximadamente 9,27 milhões novos casos de TB no mundo sendo que 14,8% (1,37 milhões) são de co-infecção pelo HIV, e 500 mil casos TB multirresistente (TB-MDR).³ O esquema básico para adultos e adolescentes com mais de 50kg se dividiu em duas fases: a intensiva (RHZE- 150/75/400/275mg- 4 comprimidos/dia) com duração de dois meses e a fase de manutenção (RH- 300/200mg- 2 comprimidos/dia ou 150/100mg- 4 comprimidos/dia) com duração de quatro meses. 4 A prova tuberculínica (PT) ou Inquérito Tuberculínico (IT) é um dos métodos utilizados para fazer a detecção de infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis. O teste não deve ser utilizado para diagnosticar a doença, tendo em vista que, uma vez infectado o indivíduo não, necessariamente irá desenvolver a doença. Ele terá 5% de chances de

2 desenvolvê-la nos primeiros 5 anos e outros 5% de chances de desencadear a doença ao longo de toda a vida. 4 A leitura deve ser feita considerando apenas reator (igual ou acima de 5 mm) e não reator (abaixo de 5 mm). Nos indivíduos HIV positivo, valores iguais ou superiores a 5 mm, são considerados co-infectados pelo BK, sendo indicado a quimioprofilaxia. 4 Este artigo é parte constituinte do projeto intitulado Inquérito Tuberculínico numa Comunidade Universitária. Considerando o exposto, questiona-se: Qual o panorama superficial da Tuberculose em dois distritos sanitários de Salvador? Como objetivo pretende-se descrever o panorama superficial da tuberculose em dois Distritos Sanitários da periferia de Salvador-BA. Paralelamente, também busca justificar a relevância da realização de um inquérito tuberculínico entre estudantes da área de saúde de uma universidade privada de Salvador-BA. Trata-se de um estudo de cunho descritivo, retrospectivo de natureza quantitativa onde utilizou-se como fonte de dados o Sistema Tabnet da Secretaria Municipal de Salvador e o banco de dados preliminar do projeto Inquérito Tuberculínico numa comunidade universitária. A inserção no PISCO ocorre a partir do 2º semestre do curso até o último semestre dos cursos, com exceção daqueles do curso de psicologia. Este é um dos componentes constituintes da matriz curricular que se caracteriza pela transversalidade e interdisciplinaridade. Os Distritos Sanitários do Subúrbio Ferroviário e de Itapagipe onde as práticas são desenvolvidas, localizam-se em região periférica da capital do Estado, cujas condições sócio-demográficas vulnerabiliza a população ao desenvolvimento da TB. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Salvador trata-se de uma região com elevada incidência de novos casos de TB. O gráfico 1 explicita o número de casos notificados a cada ano em um dos Distritos Sanitários onde as práticas comunitárias são realizadas (Subúrbio Ferroviário).

3 Gráfico 1- Nº de casos de TB notificados por ano no Subúrbio Ferroviário de Salvador Fonte: SALVADOR. Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Subcoordenação de Informação em Saúde. Entre os anos de 2001 a 2010 a média estimada de casos notificados por ano na região foi de aproximadamente 312,3. Como se trata de uma doença prevenível, esses dados demonstram o tamanho do problema de saúde pública com relação à tuberculose. O tratamento da TB é totalmente fornecido pelo Sistema Único de Saúde sem custos para o paciente, porém é um tratamento árduo que dura pelo menos seis meses e pode gerar efeitos colaterais. Fator estes, que muitas vezes fazem com que o paciente abandone o tratamento. Através desses dados fica mais evidente a importância de um estudo dessa natureza. O gráfico 2 revela o número de óbitos por tuberculose notificados por ano no Subúrbio Ferroviário de Salvador. Entre os anos de 2001 a 2010 a média desses óbitos foi de 15,6. Esse, também se constitui como um dado relevante, pois a tuberculose é uma doença que tem cura e tratamento gratuito. A maior frequência registrada foi no ano de 2002, com 22 óbitos. Neste sentido, surge a necessidade de uma maior orientação e sensibilização da população em geral acerca da importância da aderência ao tratamento da tuberculose e o não abandono.

4 Gráfico 2- Nº de óbitos de TB por ano no Subúrbio Ferroviário de Salvador Fonte: SALVADOR. Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Subcoordenação de Informação em Saúde. Em relação ao Distrito Sanitário de Itapagipe o gráfico 3 expõe o nº de óbitos por ano nesta região da Cidade de Salvador-BA. Gráfico 3 - Nº de óbitos de TB por ano no Distrito de Itapagipe, Salvador-BA Fonte: SALVADOR. Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Subcoordenação de Informação em Saúde.

5 Esse gráfico revela o número de óbitos por tuberculose ocorridos no Distrito de Itapagipe do período de 2001 a É possível constatar que em 2001 houve a maior número de óbitos, com o registro de 18 casos. Entre os anos de 2001 a 2011 houve uma média de 10 casos/ano. Os anos que registraram menor frequência foram os de 2006 e 2009, que obtiveram o mesmo quantitativo, 5 casos ao ano. Gráfico 4 - Quantitativo de testes tuberculínicos realizados por ano no Distrito de Itapagipe, Salvador-BA Fonte: SALVADOR. Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Subcoordenação de Informação em Saúde. O gráfico 4 demonstra o quantidade de pessoas que realizaram o teste tuberculínico no Distrito de Itapagipe e a sua classificação com relação ao resultado. É importante salientar que esta era a classificação usada anteriormente pelo Ministério da Saúde. Este é um gráfico que reflete uma das relevâncias do projeto Inquérito Tuberculínico numa Comunidade Universitária, a saber: de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, através da Subcoordenação de Informação em Saúde, no ano de 2011 registrou-se cerca de 209 casos de TB na região. Porém, destes registrados, foram notificados que, pelo menos, 51 deles realizaram o teste tuberculínico no período de um ano. Esse teste não pode ser realizado por qualquer profissional de saúde. De acordo com o Ministério da Saúde, os enfermeiros são os profissionais que devem ser capacitados para esses procedimentos. Para tanto, eles precisam ser capacitados não só quanto a técnica de aplicação, mas principalmente no processo da leitura. O treinamento tem duração de cinco dias, requer um quantitativo mínimo

6 de 100 aplicações e 100 leituras do teste do PPD para que o profissional seja avaliado e, dependendo do desempenho, certificado quanto essa competência técnica. Numa universidade privada da cidade de Salvador-BA os estudantes dos cursos de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia, iniciam suas atividades práticas comunitárias através do componente curricular denominado PISCO- Programa de Integração Saúde Comunidade, a partir do 2º semestre, nos dois distritos sanitários, cujo panorama da TB foi demonstrado acima. Diante do elevado número de novos casos de TB, assim como o número de óbitos por TB torna-se relevante conhecer as reações imunológicas à tuberculina da população estudantil que utilizará os referidos distritos como campo de prática, haja vista a potencialização da exposição ao BK. Nesta perspectiva em 2009, durante uma atividade acadêmica que ocorreu entre os dias 21 e 25 de setembro, período que coincidiu com o segundo semestre do curso de enfermagem da mesma Universidade, aconteceu um IT realizado nas dependências da instituição em atendimento a um pedido da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVEP) da Secretaria de Saúde da Bahia (SESAB) para capacitação de equipe de enfermeiras no processo de aplicação e leitura do teste PPD. Cabe ressaltar que Salvador/BA, em 2009, foi considerada o 3º município brasileiro em número de novos casos de TB. Esse estudo começou a ser idealizado após esse primeiro Inquérito Tuberculínico (IT), considerando que naquele IT houveram 317 participantes para aplicação e 233 para leitura do teste PPD. Dos participantes que não concluíram o teste, 15% foram estudantes dos cursos da saúde. Daqueles que realizaram a leitura do teste, detectou-se que entre os estudantes dos cursos de enfermagem, nutrição, fisioterapia e psicologia haviam 57 com resultados não reator. A partir desses achados, foi firmada parceria com SESAB/DIVEP e a Coordenação do Curso de Enfermagem da Universidade campo da investigação, há época sob a responsabilidade de uma das autoras, afim de ampliar o processo de capacitação dos profissionais e conhecer a reação imunológica daquela população. Posteriormente, o projeto foi elaborado, submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa com aprovação e contemplado com três bolsas de Iniciação Científica. Com isso, o estudo se desenvolveu e foi ampliado para que haja um total de três IT, até Sendo assim, o segundo IT ocorreu em 2011 com toda comunidade universitária, da unidade de ensino onde os cursos da saúde são lecionados. Com isso, contou com a participação, não só dos estudantes da área da saúde (enfermagem, fisioterapia, nutrição,

7 psicologia), mas também, os estudantes de gestão comercial, comunicação, administração, enfermeiras da Secretaria de Saúde da Bahia (SESAB), alguns funcionários, professores e visitantes. Para realização do IT, além da parceria estabelecida pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVEP)\ SESAB contou-se com 8 voluntários do curso de enfermagem e os pesquisadores. Todos os dados obtidos durante o IT 2011 foram tabulados em planilha excel a partir dos dados gerados nas fichas preenchidas pelos participantes e pelos profissionais da DIVEP\SESAB. Os resultados estão expressos em número absoluto, frequência e percentuais, sob a forma de gráficos e quadros. No IT de 2011 participaram 375 participantes. Destes, 306 foram estudantes da área de saúde: enfermagem, fisioterapia, nutrição e psicologia, representando um percentual de 81,6% do total. O curso de enfermagem foi o que obteve a maior adesão por parte dos discentes. No total foram registrados os seguintes estudantes por curso: 175 de enfermagem, 70 de nutrição, 21 de fisioterapia e 40 de psicologia. O gráfico 5 demonstra esses dados. Gráfico 5- Total de participantes no IT 2011 Vale salientar que nesse grupo de participantes, estão inseridos 34 estudantes que realizaram o PPD em 2009 e tiveram resultados não reator. Dos 57 estudantes com resultado não reator no IT/2009, em 2011 foram localizados na instituição de ensino campo da investigação, 40 estudantes. Desses quarenta, refizeram a

8 prova tuberculínica 34 estudantes. Os trinta e quatro estudantes estavam assim distribuídos: 25 do curso de enfermagem, 3 do curso de nutrição e 6 do curso de fisioterapia. A partir da análise dos resultados, constatou-se que 5 dos 34 discentes dos cursos de saúde obtiveram mudança no perfil imunológico, sendo caracterizados agora como reatores. O quadro 1 exemplifica as alterações que ocorreram no perfil das reações imunológicas dos cinco discentes descritos acima. As informações contidas na segunda coluna correspondem aos resultados do teste tuberculínico no IT 2009, em milímetros. Após um ano e meio, houve o segundo IT que revelou mudanças nos resultados, como demonstrado na terceira coluna do quadro. A partir dessas informações é possível observar a alteração do perfil de reação imunológica de cada um dos discentes. Nenhum dos 3 estudantes do curso de nutrição alterou o perfil imunológico em relação ao teste de PPD. Curso Resultado 2009 (mm) Resultado 2011 (mm) Enfermagem 1 8 Fisioterapia Quadro 1- Resultados das leituras da prova tuberculínica em 2009 e em 2011 O quadro 2 revela a relação entre o curso e o tempo em que os estudantes que apresentaram a alteração nos resultados entre os IT de 2009 e 2011, estão inseridos nas atividades práticas comunitária nos Distritos Sanitários de Itapagipe e Subúrbio Ferroviário. Curso Nº discentes Semestres Tempo no PISCO 1 3º 1 ano Fisioterapia 2 4º 1 ano e meio Enfermagem 2 5º 2 anos Quadro 2- Alterações de respostas imunológicas curso/semestre/tempo no PISCO No gráfico 6 está demonstrado perfil de reação imunológica a prova tuberculínica de todos participantes que fizeram a aplicação e leitura no IT 2011.

9 Gráfico 6- Perfil de reação imunológica ao PPD no IT 2011 A análise do gráfico 6 evidencia que de um total de 331 participantes que realizaram a aplicação e a leitura do teste de PPD, 74,9% (248) se caracterizaram como não reator a prova tuberculínica e 25,1% (83) apresentaram-se como reatores ao teste. Pelo fato dos estudantes de enfermagem terem aderido mais ao IT, eles são proporcionalmente a maioria entre as duas categorias de resultados, com 52,4% (130) dos não reatores e com 44,6% (37) dos reatores. Para os demais estudantes da área de saúde (foco do estudo) tem-se para os não reatores: nutrição 21,8% (54), fisioterapia 4,4% (11) e psicologia 8,5% (21). Para os reatores: nutrição 14,5% (12), fisioterapia 7,2% (6) e psicologia 6% (5). A relação entre os resultados não reatores entre os participantes, mostra-se sempre superior aos resultados reatores, excetuando-se nos participantes funcionários, majoritariamente do serviço de higienização e da manutenção, onde essa proporção é invertida 11 e 15 respectivamente. De acordo com o gráfico 7, dos 15 participantes funcionários com resultados reator na prova tuberculínica, 46,7% (7) obtiveram resultado entre 5 e 9mm. Os outros 53,3%, (8) participantes, obtiveram PPD maior do que 10mm.

10 Gráfico 7- Percentual de funcionários com PPD maior e menor do que 10 mm Este é um fator de destaque e que pode se justificar por diversas formas. Até o momento não houve uma investigação sobre o perfil sócio demográfico desses participantes. Porém, como a TB é uma doença potencialmente de cunho socioeconômico e de resistência imunológica, subtendesse que esses possam ser um fatores de vulnerabilidade. A TB é uma doença que tem uma maior incidência na população de baixa renda, por ter condições de moradia impróprias (como casas sem iluminação solar e com umidade), terem mais contato com situações de aglomeração com pouca circulação de ar (no caso dos ônibus cheios), em função da baixa renda, má alimentação e por conseqüência, debilidade do sistema imunológico. Ou ainda, podem morar em áreas onde há uma alta incidência da TB. Na ficha de coleta de dado preenchida durante o inquérito, é demandado do participante se alguma vez ele teve contato com alguém que tem a doença pulmonar ativa. Excetuando-se essa informação, não há como assegurar como ele adquiriu a infecção latente. A descrição do panorama da TB nos Distritos Sanitários de Itapagipe e Subúrbio Ferroviário, associado aos dados do IT 2011 da comunidade universitária se justificam por demonstrarem que a sua importância ultrapassa as barreiras da Universidade privada. Isso ocorre não só pelo fato de evidenciar dados epidemiológicos relevantes, mas também por se tratar de uma doença que pode ser prevenível e tratável e que há anos, vem fazendo vítimas

11 por conta do descaso com a saúde pública. Outra relevante contribuição é possibilitar a capacitação de enfermeiras no processo de aplicação e leitura do teste tuberculínico. A tuberculose é uma doença que está cada vez mais em evidência, dada a elevada incidência em nosso meio. Portanto, o IT mostra-se capaz de despertar e sensibilizar a comunidade universitária e os futuros profissionais da saúde para a problemática. Para os dois próximos IT a serem realizados até 2013, pretende-se recrutar todos os que apresentaram resultado não reator, sobretudo os estudantes da saúde. Desse modo, o estudo provavelmente conseguirá acompanhar e monitorar as mudanças nas respostas de reações imunológicas, dando continuidade às pesquisas realizadas em âmbito acadêmico. REFERÊNCIAS 1- Souza, et al. Comunicação sobre prevenção da tuberculose: perspectivas dos profissionais de saúde e pacientes em duas unidades assistenciais da Fundação Oswaldo Cruz. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. Rio de Janeiro, Ministério da saúde (Brasil), Secretaria de Saúde, SINAM 2009[internet]. [Acesso em 12 maio 2009]. Disponível em: hppt://www.saude.gov.br. 3- Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Eletrônico Epidemiológico. Ano 9, nº 2, Ministério de Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Controle em Tuberculose. Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil SALVADOR. Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Subcoordenação de Informação em Saúde. Disponível em: hppt://

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós.

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE AGRAVOS Aos Profissionais de Saúde e População Catarinense DIA MUNDIAL DE LUTA CONTRA

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 TUBERCULOSE Doença infecciosa, atinge, principalmente, o pulmão. Éuma doença grave, transmitida

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO I PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO I PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO I Código: ENF - 225 Pré-requisito: Disciplinas

Leia mais

Coinfecção TB HIV Recomendações. Marli Marques Gerente Técnica do PCT/PCH/SES/MS

Coinfecção TB HIV Recomendações. Marli Marques Gerente Técnica do PCT/PCH/SES/MS Coinfecção TB HIV Recomendações Marli Marques Gerente Técnica do PCT/PCH/SES/MS Tuberculose no Brasil 70 mil casos novos de TB notificados em 2011 4,6 mil mortes em 2010 17º país em número de casos entre

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE Área geográfica = 95,4 mil Km² equivalente a 1,12 do território rio nacional População = 6.049.234 habitantes Nº de municípios do Estado = 293 Nº de municípios

Leia mais

Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS

Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS Secretaria da Saúde do Estado da Bahia SESAB Superintendência de Gestão dos Sistemas de Regulação da Atenção à Saúde SUREGS Diretoria de Programação e Desenvolvimento de

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

TESTE TUBERCULÍNICO: CARACTERIZAÇÃO DAS REAÇÕES IMUNOLÓGICAS DE UMA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

TESTE TUBERCULÍNICO: CARACTERIZAÇÃO DAS REAÇÕES IMUNOLÓGICAS DE UMA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA TESTE TUBERCULÍNICO: CARACTERIZAÇÃO DAS REAÇÕES IMUNOLÓGICAS DE UMA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Patrícia Borges Oliveira Jean de Jesus Souza Neuranides Santana Amanda Leite Barreto Bianca de Melo Vivas A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG As atividades do Pró-Saúde para o primeiro ano de desenvolvimento

Leia mais

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO 1- O que mudou no tratamento da tuberculose (TB) padronizado no Brasil? A principal mudança consiste

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL E INTERDISCIPLINAR DA CHAMBERLAIN COLLEGE OF NURSING, AREA1 E FACULDADE RUY BARBOSA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL E INTERDISCIPLINAR DA CHAMBERLAIN COLLEGE OF NURSING, AREA1 E FACULDADE RUY BARBOSA EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL E INTERDISCIPLINAR DA CHAMBERLAIN COLLEGE OF NURSING, AREA1 E FACULDADE RUY BARBOSA Nº 012/2015 Por meio do presente Edital se faz a Convocação

Leia mais

saude.empauta.com Ministério da Saúde Clipping da imprensa Brasília, 21 de agosto de 2009 às 19h31 Seleção de Notícias

saude.empauta.com Ministério da Saúde Clipping da imprensa Brasília, 21 de agosto de 2009 às 19h31 Seleção de Notícias Ministério da Saúde Clipping da imprensa Brasília, 21 de agosto de 2009 às 19h31 Seleção de Notícias A Tribuna Digital - Baixada Santista/SP Ministério da Saúde José Gomes Temporão São Paulo deve receber

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES Vivenciando a Saúde Comunitária na Unidade Básica de Saúde Glória Porto Alegre 2011 1 FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ Mauricio Pastor dos Santos 1 PUCPR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Fevereiro de 2008 I Da Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares - AC dos Cursos de Jornalismo,

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

BAHIA MANUAL PRÁTICO TABNET TUBERCULOSE

BAHIA MANUAL PRÁTICO TABNET TUBERCULOSE BAHIA MANUAL PRÁTICO TABNET TUBERCULOSE Salvador-BA Agosto/2012 DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE - BAHIA MANUAL PRÁTICO TABNET TUBERCULOSE

Leia mais

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Desafios para o Sistema de Vigilância / Sistema de Atenção a Saúde Queda da Taxa de Fecundidade

Leia mais

Plano Municipal de Educação de Sorocaba - Texto-base versão 1.0 -

Plano Municipal de Educação de Sorocaba - Texto-base versão 1.0 - PNE PME META 12 META Elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população de 18 (dezoito) a 24 (vinte e

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

PNCT Programa Nacional de. Enfermagem em Saúde Pública Enfermeira Deborah Cecília

PNCT Programa Nacional de. Enfermagem em Saúde Pública Enfermeira Deborah Cecília PNCT Programa Nacional de Controle da Tuberculose Enfermagem em Saúde Pública Enfermeira Deborah Cecília PNCT Considerações Gerais Pneumotórax Manuel Bandeira Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos,

Leia mais

Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20. Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA. Pré-requisito: Nenhum

Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20. Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA. Pré-requisito: Nenhum C U R S O D E E N F E R M A G E M Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA Código: ENF - 204 CH Total: 60 horas Pré-requisito:

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari -

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - 1 Apresentação O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97

QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97 QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97 PROPOSTA GOVERNO Art. 1º - A Universidade do Estado da Bahia - UNEB, criada pela Lei Delegada n.º 66, de 1º de junho de 1983, a Universidade

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico A Universidade Federal de Uberlândia, num esforço coletivo liderado pela atual gestão vem trabalhando na excelência de ensino,

Leia mais

PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE.

PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE. PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE. Caracterização da situação anterior Em 2013, a Secretaria de Saúde Pública de Campo Grande (SESAU) detectou déficit de profissionais ginecologistas/obstetras

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Barretos SP 2016 A Atividade Complementar do Curso de Administração da FACULDADE BARRETOS é componente curricular, que visa complementar

Leia mais

O PLANO ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE DETALHAMENTO DA OPERACIONALIZAÇÃO DO NOVO ENFOQUE EM NÍVEL DE MUNICÍPIO

O PLANO ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE DETALHAMENTO DA OPERACIONALIZAÇÃO DO NOVO ENFOQUE EM NÍVEL DE MUNICÍPIO SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE O PLANO ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE O Plano

Leia mais

Pesquisa inédita avalia conhecimento da população sobre a tuberculose

Pesquisa inédita avalia conhecimento da população sobre a tuberculose Pesquisa inédita avalia conhecimento da população sobre a tuberculose Uma pesquisa quantitativa de opinião pública realizada pelo Núcleo de Pesquisas da Universidade Federal Fluminense (DataUFF) demonstra

Leia mais

Biossegurança em Unidades Primárias de Saúde. IV Encontro Nacional de Tuberculose

Biossegurança em Unidades Primárias de Saúde. IV Encontro Nacional de Tuberculose Biossegurança em Unidades Primárias de Saúde IV Encontro Nacional de Tuberculose Jorge Eduardo Pio Assistente da S/SUBPAV/CLCPE/GPS Diretor Científico da SOPTERJ 20210-2011 1 Biossegurança em Tuberculose

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 019/2014, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 019/2014, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 019/2014, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

2. DOS PRÉ-REQUISITOS PARA PARTICIPAR DA SELEÇÃO E DAS VAGAS

2. DOS PRÉ-REQUISITOS PARA PARTICIPAR DA SELEÇÃO E DAS VAGAS Universidade Federal de Viçosa Secretaria Municipal de Saúde de Viçosa Edital nº 02/2016 SELEÇÃO DE PRECEPTORES PARA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE/GraduaSUS A Secretaria Municipal

Leia mais

COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014

COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014 COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014 Gabriela Souza Alves 1 Manoela de Carvalho Maria Lúcia Frizon Rizzotto Neide Tiemi Murofuse RESUMO: Trata-se de um

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES,

EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES, EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES, Penélope Bueno 1 ; MORAES, Paula Ávila 1 SANTOS, Paulie

Leia mais

Breve Histórico da Instituição

Breve Histórico da Instituição Breve Histórico da Instituição Universidade Federal de Santa Maria, idealizada e fundada pelo Prof. Dr. José Mariano da Rocha Filho, foi criada pela Lei n. 3.834- C, de 14 de dezembro de 1960, com a denominação

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de Projetos Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia 15/05/2013 Pró diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE MUNICÍPIO DE LONDRINA PERGUNTAS E RESPOSTAS

REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE MUNICÍPIO DE LONDRINA PERGUNTAS E RESPOSTAS REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE MUNICÍPIO DE LONDRINA PERGUNTAS E RESPOSTAS 1- O QUE É O TRABALHO INTERSETORIAL DA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? É uma diretriz de todas as políticas públicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE CONVOCATÓRIA DE SUBMISSÃO DE SUBPROJETOS EM RESPOSTA AO

Leia mais

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas Apresentação 11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas Identificação do órgão: Supremo Tribunal Federal Unidade: Secretaria de Recursos Humanos / Coordenadoria de Desenvolvimento

Leia mais

SEMINÁRIO VIGILÂNCIA E CONTROLE DA TUBERCULOSE E DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NA POPULAÇÃO INDÍGENA. Salvador, 23 e 24 de julho de 2013

SEMINÁRIO VIGILÂNCIA E CONTROLE DA TUBERCULOSE E DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NA POPULAÇÃO INDÍGENA. Salvador, 23 e 24 de julho de 2013 SEMINÁRIO VIGILÂNCIA E CONTROLE DA TUBERCULOSE E DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NA POPULAÇÃO INDÍGENA Salvador, 23 e 24 de julho de 2013 O QUE É A TUBERCULOSE: RELEMBRANDO... Doença infecto-contagiosa causada

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS Lizyanne Saldanha Soares 1, Natalia Máximo Souza Lima 2, Raquel Gusmão Oliveira

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA

PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA 1) Justificativa Os estágios, curriculares ou não, têm a finalidade de proporcionar a complementação da formação universitária e constam de atividades de prática

Leia mais

EDITAL Nº 02/2014 PRONATEC/IF SUDESTE MG - REITORIA

EDITAL Nº 02/2014 PRONATEC/IF SUDESTE MG - REITORIA EDITAL Nº 02/2014 PRONATEC/IF SUDESTE MG - Dispõe sobre a Chamada Externa Simplificada de Seleção para os encargos de Apoio às Atividades Acadêmicas e Administrativas, Professor/Instrutor de Curso, Supervisor

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA

A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA Galeazzi, Leiza 1 Deggeroni, Ariane Fátima 1 Rosalen, Camila 1 Hillesheim, Adriana Cristina 2 Resumo:

Leia mais

Tuberculose - Breve Revisão Clínica

Tuberculose - Breve Revisão Clínica Tuberculose - Breve Revisão Clínica - 0 - Apoio cientifico de: Observatório Nacional das Doenças Respiratórias Associação Nacional da Tuberculose e Doenças Respiratórias Índice A Tuberculose --------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios não obrigatórios do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FAIBI CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FAIBI CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FAIBI CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - O presente conjunto de normas da Faculdade de Filosofia, Ciências

Leia mais

EDITAL Nº 02, DE 11 DE ABRIL DE 2016

EDITAL Nº 02, DE 11 DE ABRIL DE 2016 EDITAL Nº 02, DE 11 DE ABRIL DE 2016 Inscrição e Seleção de Alunos Bolsistas e voluntários para o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde/GraduaSUS A Direção Geral da Faculdade Unigran Capital,

Leia mais

TELEPED-TELEMEDICINA COMO ESTRATÉGIA DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: RELATO DE EXPERIÊNCIA

TELEPED-TELEMEDICINA COMO ESTRATÉGIA DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: RELATO DE EXPERIÊNCIA TELEPED-TELEMEDICINA COMO ESTRATÉGIA DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: RELATO DE EXPERIÊNCIA Sandhara Ribeiro Rodrigues 1 Maria Auxiliadora Ferreira Brito 2 1 Introdução/ Desenvolvimento

Leia mais

CONHECENDO A TUBERCULOSE

CONHECENDO A TUBERCULOSE CONHECENDO A TUBERCULOSE Œ Tuberculose Œ Transmissão Œ Sintomas Iniciais Œ Diagnóstico Œ Contatos Œ Tratamento Œ Convívio Social Œ Vacinação Œ TB, AIDS Œ Alcoolismo Œ Prevenção Œ Cura O QUE É TUBERCULOSE?

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08 MANUAL DE ESTÁGIOS Lei de estágio 11.788/08 O QUE É ESTÁGIO O estágio tem por finalidade proporcionar a complementação da formação acadêmica e permite que o estudante tenha acesso ao campo de sua futura

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DO IFMS Campo Grande - MS 2014 PROGRAMA DE MONITORIA DO IFMS Capítulo I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Programa estabelece as finalidades, objetivos, atribuições e normas para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE FISIOTERAPIA SELEÇÃO MONITORIA EDITAL Nº 01/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE FISIOTERAPIA SELEÇÃO MONITORIA EDITAL Nº 01/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE FISIOTERAPIA SELEÇÃO MONITORIA EDITAL Nº 01/2015 O Curso de Fisioterapia comunica que estão abertas as inscrições para Seleção de Monitores

Leia mais

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Caminhos na estratégia de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Erica Rosalba Mallmann: Escola de Enfermagem - UFRGS Lenice Ines Koltermann: Enfermeira Supervisora da Saúde da Família da

Leia mais

Objetivos: Evitar a infecção nos não infectados ou o adoecimento nos infectados

Objetivos: Evitar a infecção nos não infectados ou o adoecimento nos infectados SBPT 2004 Quimioprofilaxia : Objetivos: Evitar a infecção nos não infectados ou o adoecimento nos infectados Quimioprofilaxia da TB Primária É a administração de INH com a finalidade de prevenir a infecção.

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO.

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS CARNAVAL 2011 AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE

Leia mais

Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade.

Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade. Turismo em Análise, v.20, n.3, dezembro 2009 578 Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade. Alexandre Panosso Netto 1 Karina Toledo Solha 2 Marcelo

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. ESQUISTOSSOMOSE CID 10: B 65 a B 65.9 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO

Leia mais

A função social da ciência, ecologia de saberes, e outras experiências de produção compartilhada de conhecimento

A função social da ciência, ecologia de saberes, e outras experiências de produção compartilhada de conhecimento 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente 19-22 de outubro, 2014. Minascentro A função social da ciência, ecologia de saberes, e outras experiências de produção compartilhada de conhecimento EXPERIÊNCIA

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO FARMÁCIA

MANUAL DE ESTÁGIO FARMÁCIA UNIP MANUAL DE ESTÁGIO FARMÁCIA MANUAL DO ALUNO COMISSÃO : Prof Carlos A Rosin Prof Alípio O Carmo São Paulo - SP 2009 Versão 1 Março 2009 UNIP O estágio curricular é uma DISCIPLINA OBRIGATÓRIA do curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - PROPesq NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS - NCH DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO - DED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇAO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UMA ABORDAGEM

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul ANA GABRIELA BATISTA MARQUES RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SANTA CECÍLIA-HCPA

Universidade Federal do Rio Grande do Sul ANA GABRIELA BATISTA MARQUES RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SANTA CECÍLIA-HCPA Universidade Federal do Rio Grande do Sul ANA GABRIELA BATISTA MARQUES RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SANTA CECÍLIA-HCPA Porto Alegre 2011 1 ANA GABRIELA BATISTA MARQUES RELATÓRIO

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 31/8/2011, Seção 1, Pág.24. Portaria n 1168, publicada no D.O.U. de 31/8/2011, Seção 1, Pág.24. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

Índice. 1) O exemplo do trigo. 2) Curtas. 3) Uerj estuda causas pela baixa inscrição de cotista - 20/05/08 - Educação > Noticiário

Índice. 1) O exemplo do trigo. 2) Curtas. 3) Uerj estuda causas pela baixa inscrição de cotista - 20/05/08 - Educação > Noticiário Registros da UENF na Imprensa, tais como foram publicados na Internet. Índice 1) O exemplo do trigo 2) Curtas - 20/05/08 - Opinião > Artigo - 20/05/08 - Painel Político 3) Uerj estuda causas pela baixa

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR Superintendência de Investimentos em Polos Turísticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR Janeiro a Dezembro de 2014 Pesquisa SETUR Janeiro,

Leia mais

3. Resultados e discussão

3. Resultados e discussão Ximenes Neto FR, Rocha AEF, Linhares MSC, Cunha ICKO. Pesquisa e prioridades em saúde: um olhar para o trabalho do enfermeiro no cuidado aos sujeitos com hanseníase na Estratégia Saúde da Família. In:

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo. Instituto de Ciências Ambientais Químicas e Farmacêuticas Curso Ciências Ambientais

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo. Instituto de Ciências Ambientais Químicas e Farmacêuticas Curso Ciências Ambientais Instituto de Ciências Ambientais Químicas e Farmacêuticas Curso Ciências Ambientais RESOLUÇÃO N. 1 DE 29/06/2011 Alterada em 15 de junho de 2015 Regulamenta as normas para o cumprimento e a validação das

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 17, DE 01 DE OUTUBRO DE 2012

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 17, DE 01 DE OUTUBRO DE 2012 ATUAÇÃO NO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus Buriticupu, no uso de suas atribuições, torna público

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Secretaria de Estado da Saúde Vigilância Epidemiológica em âmbito hospitalar Revista de Saúde Pública, vol. 41, núm.

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO II REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares

Leia mais

Diagnóstico e prescrição feitos por enfermeiro(a) em Unidades Básicas de Saúde. Cons. Rosylane Nascimento das Mercês Rocha

Diagnóstico e prescrição feitos por enfermeiro(a) em Unidades Básicas de Saúde. Cons. Rosylane Nascimento das Mercês Rocha PARECER CFM nº 27/15 INTERESSADO: Sras. T.B.R.B. e M.C.R.S. ASSUNTO: RELATOR: Diagnóstico e prescrição feitos por enfermeiro(a) em Unidades Básicas de Saúde Cons. Rosylane Nascimento das Mercês Rocha EMENTA:

Leia mais

I RELATÓRIO: 5023/2015, de 23/12/2015 PARECER CEE/PE Nº 145/2015-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 14/12/2015

I RELATÓRIO: 5023/2015, de 23/12/2015 PARECER CEE/PE Nº 145/2015-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 14/12/2015 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO TÉCNICO DE ARCOVERDE CETA ARCOVERDE/PE ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE EIXO TECNOLÓGICO: AMBIENTE E SAÚDE, NA MODALIDADE PRESENCIAL RELATOR:

Leia mais

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA Este documento se propõe a estabelecer normas de inserção e execução de estágio em Serviço Social no Projeto Viva a Vida, de acordo com a Resolução 533/2008

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2005/2006

CONVENÇÃO COLETIVA 2005/2006 1 de 5 CONVENÇÃO COLETIVA 2005/2006 Convenção Coletiva de Trabalho que firmam entre si, de um lado, o SINDICATO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO DO ESTADO DA BAHIA, adiante denominado SINEPE-BA, e de outro

Leia mais

META NACIONAL 15: garantir, em regime de colaboração entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no prazo de 1 (um) ano de vigência deste PNE, política nacional de formação dos profissionais

Leia mais

A Fundação concederá apenas bolsas de estudo integrais (100%).

A Fundação concederá apenas bolsas de estudo integrais (100%). ENEM 1 - Quando serão feitas as inscrições para o Enem 2014? Do dia 12 de maio até às 23h59 do dia 23 de maio, observado o horário oficial de Brasília-DF. 2 - Quando será a aplicação das provas do Enem

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

A vacina BCG e teste tuberculínico

A vacina BCG e teste tuberculínico A vacina BCG e teste tuberculínico Arlan de Azevedo Ferreira Prof Adjunto - Depto Pediatria / UFMT Mycobacterium tuberculosis Replicação 16 a 20 h Foco Primário Nódulo de Gohn Linfangite / Adenite Bacteremia

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

Informe Técnico: Vigilância das Meningites no Estado de Santa Catarina

Informe Técnico: Vigilância das Meningites no Estado de Santa Catarina GOVERNO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância de Doenças Imunopreveníveis e Imunização Informe

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO do PROGRAMA: Ética, Cidadania e Solidariedade: A UNIFEBE, Você e a Comunidade.

Leia mais

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18.1. Introdução O quadro de saúde da região da área de influência direta do empreendimento traduzido pelas condições

Leia mais