IV Congresso Internacional de Educação VII Semana Acadêmica do Curso de Pedagogia da Uniamérica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV Congresso Internacional de Educação VII Semana Acadêmica do Curso de Pedagogia da Uniamérica"

Transcrição

1 AS POSSIBILIDADES DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL A PARTIR DO PROJETO LABORATÓRIO VIVO DE CIÊNCIAS NATURAIS E CUIDADO COM O MEIO AMBIENTE Simone Zacarias da Silva RESUMO Este artigo aborda, as possibilidades de formação dos professores da rede municipal a partir do projeto laboratório vivo de ciências naturais. A formação continuada de professores através da participação em projetos é uma discussão contemporânea e faz parte dos programas formativos das redes, pois é intenção dos gestores modificarem as práticas pedagógicas. O estudo investigou três professores da rede municipal de Foz do Iguaçu que participam do projeto desde 2010, através de questionário estruturado, onde objetivou averiguar a formação e identificar as influências do projeto nas práticas pedagógicas dos professores em sala de aula. O ensino de ciências nas escolas tem resquícios dos métodos tradicionais, onde a exploração do livro didático é a ferramenta exemplificadora das representações da natureza, o aluno fica limitado à visualização de figuras e memorização de nomenclaturas abstratas que mal tem haver com o significado real. O projeto apresenta atividades inovadoras da ciência do cotidiano, nas aplicações o professor tem oportunidade de resignificar seus conhecimentos, aprender a aproximar o currículo da vida do aluno, avaliar a aprendizagem e o domínio dos saberes. Participar de projetos que estimulem a construção de novas experiências, de novos saberes, deve fazer parte do cotidiano do professor. Cabe as políticas educacionas oportunizar estes ambientes, possibilitando o crescimento do profissional. PALAVRAS-CHAVE: Formação, Ciências, Professores, Ensino. Introdução A formação continuada de professores através da participação em projetos é uma discussão contemporânea e faz parte dos programas formativos das redes, pois é intenção dos gestores modificarem as práticas pedagógicas. É cada vez mais comum encontrar os docentes dos Anos Iniciais participando de formação continuada, ancorada em conhecimentos mais sólidos, principalmente na área de Ciências Naturais, complementando a formação recebida nos cursos de graduação. O estudo tem relevância, pois acompanhou a formação de professores da rede municipal de um município da região do Extremo Oeste do Paraná que participam de um Projeto de Ciências Inovador desde Além de entender como o Projeto auxiliou na formação dos professores, observamos a contribuição para 1

2 incentivar o espírito científico junto às crianças, despertando o interesse pela área de Ciências Naturais. O estudo investigou as dificuldades dos professores em inovar suas práticas pedagógicas no ensino de Ciências Naturais, pois para haver um ensino de qualidade é necessário que os docentes se apropriem do conhecimento cientifico que ocorre através de fenômenos e transformações no cotidiano do ser humano. A pesquisa tem sua importância para o campo da Educação, pois problematiza as dificuldades encontradas no processo de formação docente, principalmente quando se trata de redes de ensino de menor organização. O estudo se insere na linha de pesquisa Formação de Professores do Curso de Pedagogia. A finalidade do estudo partiu da questão que a área de Ciências Naturais, em pleno século XXI aparece como a mais esquecida, embora seja a mais rica quando a ideia é trabalhar com praticas pedagógicas inovadoras. A problemática que norteou o estudo parte das questões: Por que os professores têm dificuldades de inovar em suas práticas pedagógicas? Como o ensino de Ciências Naturais do Projeto poderá auxiliar na formação dos professores da rede? Além das questões apresentadas procuramos também compreender como a participação em projetos pode melhorar a prática docente e se a partir dessa experiência ocorreram mudanças no processo ensino e aprendizagem? Tivemos como objetivo averiguar a formação de professores a partir do Projeto Laboratório Viva de Ciências Naturais, identificando as influências nas práticas pedagógicas em sala de aula. A hipótese corresponde à dificuldade dos professores em ministrar o conteúdo de Ciências Naturais nas escolas na rede municipal relacionadas com o método tradicional de ensino que muitos usam como estratégia por não ter conhecimento na área cientifica, no que resulta em um bloqueio pessoal ao que pressupõe a mudança nas práticas pedagógicas. A pesquisa se utilizou do Estudo de Caso no trabalho metodológico. É na analise de um pequeno grupo que podemos identificar os problemas do coletivo. Nas palavras de Gil (2009, p. 55) os propósitos do estudo de caso não são os de proporcionar o conhecimento preciso das características de uma população, mas sim o de proporcionar uma visão global do problema ou de identificar possíveis fatores que o influenciem ou não por ele influenciados. Investigamos três professores dos Anos Iniciais da rede de Foz do Iguaçu, que participaram do Projeto 2

3 Laboratório Vivo de Ciências Naturais. Aplicamos um questionário estruturado, tendo como critérios um professor do pré ou 1º ano, um professor do 2º ou 3º ano e um professor do 4º ou 5º ano. O questionário estruturado foi de caráter formal, objetivando proporcionar confiabilidade na pesquisa, de acordo com Gil (2006, p. 90) a confiabilidade de uma pesquisa é sua coerência, determinada através da constância dos resultados. Em outras palavras, a confiabilidade de uma pesquisa é a confiança que a mesma inspira. A questão norteadora pretendeu dar base a oralidade dos docentes. Por que os professores tem dificuldades de inovar suas práticas pedagógicas no ensino de ciências? A partir da mesma pode-se chegar às peculiaridades e especificidades do problema, através da coleta da fala, dados e informações cabíveis ao assunto, na busca pela confiabilidade da pesquisa. A pesquisa acrescenta conhecimentos já construídos em organizações sociais e políticas de um grupo, com recorte claro na formação do professor participante de projeto e nas mudanças e reflexões que ocorrem na participação docente após, se confrontar com métodos tradicionais que não são compatíveis com a geração atual. científica O projeto laboratório vivo de ciências como espaço de produção Na segunda década do século XXI encontramos em relação à prática do ensino de Ciências Naturais nas escolas Brasileiras problemas quanto ao aspecto metodológico, devido à dificuldade que os professores têm em inovar a práxis em sala de aula. Entendemos o contexto educacional brasileiro que quer um docente com pleno domínio do conhecimento especifico da sua área e que promova a aprendizagem dos alunos. Contudo deve compreender que para a construção de um conhecimento sólido é preciso utilizar todos os recursos para a produção ser significativa. Para alguns professores, seguir uma proposta tradicional parece cômodo, pois a formação que receberam não possibilita encontrar novos mecanismos. A repetição de métodos clássicos só distancia a pedagogia inovadora. Segundo 3

4 Saviani (1984, 47-48) o método pedagógico mais empregado é o expositivo, calcado nos cinco passos formais de Herbart: preparação, apresentação, comparação e assimilação, generalização e, por último a aplicação. A metodologia herbatiana é ainda forte nos dias atuais, a relação professor aluno é autoritária, tendo o professor como centro do conhecimento e o aluno mero receptor. A disciplina garante a ordem e a atenção em sala de aula. A partir dos anos 90 tem se provado que o professor tradicional, não representa sinônimo de aprendizagem e várias propostas de educação vão surgindo junto à globalização. A idéia de rever e refletir as atuações pedagógicas com pesquisas referentes á análise do cotidiano escolar foi o viés para propor mudanças significativas. Segundo Baillauquès (2001, p. 47) Os mesmos professores fizeram compreender que na situação real, complexa, móvel, aberta a múltiplas pressões e em total responsabilidade com o ensino, uma outra maneira de formar, diferente daquela vivida até então, é posta em prática ou é descoberta. Ela é personalizada, enraizada nas situações da classe e da profissão, baseado nas atividades locais; é também, nesses locais e dentro desse período de tempo, uma interpelação do sujeito sobre o que ele é, o que ele sabe, o que ele faz, o que ele está se tornando ou deseja tornar-se. Um dos motivos da prática tradicional manter-se viva até hoje é o fato de que ela deu certo por muito tempo, na lógica progressivista se mais da metade dos alunos compreendia o conteúdo era sinal de que a forma de ensinar estava eficiente. Sem considerar, que cada aluno é diferente do outro, para cada um existe um momento certo para aprender, no qual a maturação cognitiva precisa de tempo. Está forma de ensinar foi se mantendo por conta da sociedade tradicional, pois a partir do momento que ela evolui junto às tecnologias, considerando que cada ser humano aprende com métodos e didáticas diferentes, o tradicionalismo perdeu para inovação. Mas a rotina, o dia-a-dia e as dificuldades que o professor enfrenta o forçam para uma acomodação, mesmo refletindo suas práticas, nem sempre obtém êxito. O ensino de Ciências Naturais nas escolas tem resquícios dos métodos tradicionais, onde a exploração do livro didático é a ferramenta exemplificadora das representações da natureza, o aluno fica limitado à visualização de figuras e memorização de nomenclaturas abstratas que mal tem haver com o significado real. A aula expositiva e o uso da lousa como único recurso, não ocasiona curiosidade 4

5 para o aluno, é cansativo e ele irá preferir prestar atenção em outra coisa sem ser a fala do professor. São apontados inúmeros fatores que impedem um ensino de melhor qualidade, os mais citados são: as condições de trabalho, a falta de material didático, o pouco tempo disponível para ciências. Conforme Bizzo (2009, p. 14) é comum que diante da falta de compreensão de certa definição, por exemplo, tanto o professor quanto os alunos passem a acreditar que estejam diante de uma verdade absoluta e se sinta incapazes, intelectualmente, de entender algo que parece óbvio para os cientistas. Para haver mudança é necessário criar possibilidades de modificar as práticas pedagógicas dos professores, através da formação continuada com o objetivo de aperfeiçoar a profissionalização docente. A formação continuada, por meio da participação de projeto é de grande valia, pois o professor pode acompanhar estratégias inovadoras. O projeto Laboratório Vivo de Ciências Naturais, tem o apoio da Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu, FPTI (Fundação do Parque Tecnológico de Itaipu) e Faculdade União das Américas Uniamérica, onde desde 2010 disponibiliza estudantes de Pedagogia e Ciências Biológicas, junto a Orientador e Supervisor do projeto. O projeto vai até a escola (Altair Ferraz da Silva - Zizo), no horário de aula, aplicar atividades diferenciadas do ensino de ciências. O professor regente pode acompanhar o desenvolvimento das atividades junto aos alunos. Tem o objetivo de apresentar atividades inovadoras das ciências do cotidiano, nas aplicações o professor tem oportunidade de resignificar seus conhecimentos, aprender a aproximar o currículo da vida do aluno, avaliar a aprendizagem e o domínio dos saberes. Na formação continuada o professor pode rever e avaliar suas práticas, inserindo novos mecanismos para desenvolver o gosto pelo o ensino da disciplina, de uma ciência viva que ocorre ininterruptamente na vida de todo ser vivo. Segundo Bizzo (2009, p. 15) o ponto principal é reconhecer a real possibilidade de entender o conhecimento científico e a sua importância na formação dos nossos alunos uma vez que ele pode contribuir efetivamente para a ampliação de sua capacidade de compreensão e atuação no mundo que vivemos. Parte-se de que ensinar ciências no mundo atual deve constituir uma das prioridades para todas as escolas, que devem investir na edificação de uma população consciente e crítica diante das escolhas e decisões a serem tomadas. 5

6 É importante que o professor propicie aos alunos práticas de experimentação, pois quando o aluno realiza um experimento cientifico, ele pode comprovar a veracidade do mesmo. Esta atividade pode ser prazerosa tanto para o aluno quanto para o professor, pois pode ser realizada fora da sala de aula, em ambiente aberto ou laboratório, onde ambos podem sair da rotina da sala de aula. O aluno provavelmente irá criar expectativas por está aula diferenciadas, é natural de a criança gostar de resolver desafios e ter a possibilidade de investigar aspectos da natureza. Após a aula é interessante propor debates sobre o que observaram, fazendo comparações, classificar e conceituar elementos, ligando com os acontecimentos de casa. Há inúmeras possibilidades de estratégias inovadoras do ensino ciências, porém é necessário que o professor queira modificar-se, no sentido de melhorar sua profissionalização. Para ocorrer atividades de ciências significativas, como em qualquer disciplina é necessário planejamento, este é a base para qualquer professor realizar seu trabalho, é interessante que ele seja aberto para qualquer alteração e complementação. Sabemos que há limitações para a ação docente, mas há também liberdade, pode- se ampliar temáticas ou abordar temas transversais tão importante quanto o conteúdo anual. Fazer-se- á necessário de fundamentação profunda, pois não há prática sem teoria, está é essência de todo professor. Desta forma, é possível que os professores estabeleçam prioridades quanto a uma metodologia inovadora, que seja capaz de motivar e sensibilizar-se, pois, os que serão os futuros professores de amanhã merecem um ensino de qualidade, voltado para a formação de um cidadão transformador e agente da sociedade, no qual fará uso da ciência do seu dia-a-dia para a sala de aula. Reflexo do projeto laboratório vivo de ciências naturais e cuidado com o meio ambiente na práxis escolar A formação de professores quanto ao estudo e prática cientifica, não é considerado relevante na sociedade atual, há variáveis que confirmam a ideia de que, a aplicabilidade da língua portuguesa e da matemática são as disciplinas mais importantes que os docentes devem se ater. Segundo Harlen, citado por Borges 6

7 (2010, p. 35) na educação fundamental, o professor é responsável por todas as matérias, mas sua formação cientifica tende em geral a ser bastante limitado, o que faz com que a evite e que dê preferência a outras questões. Atualmente as políticas educacionais reforçam a ruptura entre as propostas de avaliação em larga escala e o conhecimento de ciências naturais, com isso ocorre o recuo do professor quanto à necessidade de aprimorar o caráter investigo cientifico, pois a falta de cobrança quanto a está disciplina faz com que não haja interesse em ampliar o conhecimento nesta área. O ensino de ciências na prática tradicional limita a aprendizagem, proporcionando situações como a citada por Arroyo (2006) os professores ficam surpresos quando aprendem que mesmo apesar de seu melhor empenho, os estudantes não conseguem aprender as idéias fundamentais apresentadas na sala de aula. Mesmo quando os alunos com melhor desempenho apresentam as respostas corretas a impressão é de que se trata da memorização das palavras corretas. Pois quando questionados mais profundamente os estudantes revelam sua falhas no entendimento dos conceitos em si. O Projeto Laboratório Vivo de Ciências Naturais e Cuidado com o Meio Ambiente vem realizando um trabalho desde 2010, justamente para romper o mito de que ciências é coisa de cientista e diminuir o fracasso escolar nesta área. Sugerindo que o planejamento seja feito de forma interdisciplinar, contrapondo o reforço únicas determinadas disciplinas, ampliando outras possibilidades, propondo ideias inovadoras para os professores, na busca do aprimoramento prático e intelectual. O estudo investigou três professores da rede municipal de Foz do Iguaçu que participam do projeto, através de questionário estruturado, onde objetivou averiguar a formação de professores a partir do projeto e identificar as influências do projeto nas práticas pedagógicas dos professores em sala de aula. Responderam o questionário professores do 1º, 4º e 5º ano, as perguntas foram voltadas aos elementos que envolvem o ensino de ciências naturais dentro do projeto. Dentre elas, perguntas objetivas e dissertativas. Os nomes dos entrevistados são fictícios, para manter o sigilo dos mesmos, que optaram por não se expor. Os professores foram chamados de Entrevistado 1, Entrevistado 2 e Entrevistado e Entrevistado 3. 7

8 Conteúdos do ensino de ciências Relacionando o conteúdo de ciências no currículo escolar, foi apresentado aos entrevistados o questionário de cunho objetivo. A questão pede para que identifique os conteúdos que devem ser contemplados no ensino de ciências naturais. As alternativas obtém respostas do conteúdo básico, conteúdo estruturante e conteúdos fictícios. Todos os depoentes apresentaram dificuldades ao escolher a resposta, pois optaram pelo conteúdo básico e conteúdo fictício, isso mostra a falta de conhecimento que os professores tem, em relação ao conteúdo de ciências naturais. Na lógica da questão, deveriam ter optado pelo conteúdo estruturante, que já contempla o conteúdo básico dentro do currículo escolar. Conhecer o currículo abre possibilidades de domínio sobre um trabalho diferenciado em sala de aula, segundo Henning (1998, p.26) O currículo de ciências pode ser organizado de várias maneiras, em função dos conceitos, dos métodos, dos temas, das generalizações, dos ramos, dos conteúdos, dos processos de investigação, de uma unidade de ensino. Em uma perspectiva de que o professor conheça diferentes currículos (as formas de suas organizações) e possa, posteriormente, pensar em organizar um currículo conveniente para o ensino de Ciências em nosso meio. O método para propor a compreensão dos fenômenos científicos, deve ser atrativo para o aluno, a forma como o professor ensina, os meios que utiliza para expor o conteúdo faz parte de um processo de vínculo com a disciplina. Henning (1998, p. 84) conceitua o método científico em um conjunto sistematizado de etapas de atividades mentais e práticas, como o proceder regular do fazer Ciência; uma estratégia de conduzir à investigação; uma maneira de fazer uma boa ciência, tão boa que possibilite uma compreensão coerente do universo e inúmeras descobertas científicas relevantes. A questão posterior visa conhecer os meios de como os professores entrevistados ensinam ciências naturais, todos optaram por métodos diferenciados e criativos se comparados aos métodos tradicionais, como: experimento científico, aula fora da sala, vídeo, dentre outros. 8

9 Analisando as duas questões acima, pode-se identificar que os professores entrevistados mesmo sem conhecer os conteúdos de ciências naturais, procuram formas inovadoras na prática educativa com os alunos, isso pressupõe que diante da dificuldade, os professores tentam compensar os alunos com um cotidiano diferente. Recursos A área de científica está totalmente ligada com as tecnologias, os produtos tecnológicos é resultante de uma ação científica inovadora, embasada no desenvolvimento global humano. O uso da tecnologia nas escolas vem a somar ao processo ensino aprendizagem dos alunos, é um recurso determinante na geração atual que respira aparelhos tecnológicos inovadores. Quando perguntado aos depoentes, sobre qual recursos eles utilizam para a disciplina de ciências naturais, a internet foi citada por dois entrevistados, isso mostra que os professores utilizam este recurso á seu favor, como parte dos elementos de aprendizagem. Poder fazer uso dos meios tecnológicos, é uma forma de implantar estratégias pedagógicas inovadoras, para Henning (1998, p.35) a inovação é a intenção deliberada de tornar familiar o que não era; é enxertar o novo no velho; é criar novos modelos; é vencer a resistência intrínseca às alterações e preferência pela estabilidade que não conduz ao progresso; é lutar para que, se a inovação for boa (não-prejudicial, não-antieconômica), ela perdure, seja amplamente utilizada e que não perca suas características; é empenhar-se para que as alterações realmente progressistas não fiquem condicionadas a iniciativas fortuitas de pessoas ou grupos alheios ás realidades concretas. Práticas experimentais no ensino de ciências Sem dúvida a prática experimental faz parte no estudo de ciências, atualmente nas escolas é pouco praticada, devido ao déficit na formação inicial e contínua dos professores nesta área. Segundo Carvalho (2001, p. 146) Embora algumas experiências tenham mostrado que o desenvolvimento de cursos de graduação oferecidos a futuros professores da escola elementar nem sempre apresentam resultados muito positivos quanto à alteração das concepções destes professores em relação à natureza da ciência. 9

10 Quando perguntado, como se define uma prática experimental de cunho científico? Apenas o Entrevistado 2, professor do 4ºano, sintetizou uma resposta coesa de cunho cientifico os demais não interpretaram a pergunta e utilizaram-se de conhecimento ímpirico na resposta. Está dificuldade em definir ou conceituar os elementos da ciência como a prática experimental, vem com a fragilidade da aprendizagem nas academias, de certo modo os problemas educacionais direcionam-se consequentemente no professor, conforme Tardif (2008, p.114) Na maioria dos países ocidentais, os sistemas escolares vêem-se hoje diante de exigências, espectativas e desafios sem precedentes. É no pessoal escolar, e mais especificamente nos professores, que essa situação crítica repercute com mais força. As pessoas se interrogam cada vez mais sobre o valor do ensino e seus resultados. Enquanto as reformas anteriores enfatizavam muito mais as questões de sistema ou de organização curricular, constata-se, atualmente, uma ênfase maior na profissão docente, e também na formação dos professores e na organização do trabalho cotidiano. Exigi-se cada vez mais, que os professores se tornem profissionais da pedagogia, capazes de lidar com inúmeros desafios suscitados pela escolarização de massa em todos os níveis do sistema de ensino. Os apontamentos do fracasso na área da ciência, não cabe somente ao professor, pois as políticas atuais de educação e todo o sistema capitalista não planeja com qualidade a formação docente, a necessidade abre á frente de trabalho sem investir no profissional. Portanto, é evidente que os professores farão uso de conhecimento empírico para responder o que desconhecem. Contribuições do projeto laboratório vivo de ciências naturais e cuidados com o meio ambiente para os professores da rede Segundo as informações do questionário, os depoentes consideram relevante a existência do projeto na escola. Na fala do Entrevistado 3, percebeu-se que o projeto trabalha com o resgate do profissional, O projeto sempre nos anima a fazer práticas que muitas vezes deixamos de fazer por comodismo e ou falta de tempo. Quando questionado sobre, quais contribuições o Projeto traz para sua prática pedagógica? O Entrevistado 2 respondeu: Traz um espaço de vivência 10

11 prática, articulando a teoria trabalhada em sala de aula, dando a oportunidade ao aluno de observar, comparar e analisar. Ao analisar a fala dos depoentes, observou-se que o Projeto atinge dois elementos importantes na escola: O aluno e o professor. Ou seja, o fato é que o projeto mexe no cotidiano do professor, instiga, renova, motiva, com está movimentação, o aluno ganha em qualidade de conteúdo, em práticas experimentais diferenciadas, em recursos inovadores. A participação em formação continuada através de projetos, tendência a uma evolução das práticas tradicionais para as práticas inovadoras, que considere o aprender. Conforme Henning (1998, p. 46) Aprender implica desenvolver destrezas e atitudes naturais do aluno, capacitando-o a aplicar conhecimentos e compreensões; pensar disciplinadamente, de conformidade com as normas da lógica e da evidência, envolvendo amplitude e independência de critério; desenvolver uma forma de pensamento imaginativo e criador. Considerações finais A fragilidade na formação de professores no ensino de ciências, tendência ao pensamento de que outras possibilidades que permitam o aprimoramento da profissionalização da práxis docente, seja válida na aquisição da aprendizagem. Participar de projetos que estimulem a construção de novas experiências, de novos saberes, deve fazer parte do cotidiano do professor. Cabe as políticas educacionais oportunizar estes ambientes, possibilitando o crescimento do profissional. Nos espaços escolares podem-se evidenciar as angustias dos professores, ao ministrar conteúdos científicos com dificuldades até mesmo para quem tenta ensinar. Desta forma, a introdução de projetos nas escolas com caráter formativo, deve ser abraço por gestores que pensam na educação, de forma global. Assegurar a contribuição de novas práticas, métodos, recursos, é acreditar no processo ensino aprendizagem tanto do aluno quanto do professor. REFERÊNCIAS 11

12 ARROYO, A. CONCEPÇÕES ALTERNATIVAS COMO BARREIRAS NO APRENDIZADO DE CIÊNCIAS ed.31, Revista eletrônica de Ciências São Carlos BAILLAUQUÈS,S. Formando Professrores Profissionais: Quais Estratégias? Quais Competências. Organizado por Léopold Paquay, Fhilippe Perrenoud, Marguerite Altet, Évelyne Charlier; trad. Fátima Murad e Eunice Gruman.- 2. Ed. rev.- Porto Alegre: Artmed Editora, BIZZO, N. Ciências: Fácil ou Difícil? São Paulo, BORGES, R.C.P. Formação de Formadores para o Ensino de Ciências Baseado em Investigação. São Paulo: s.n., CARVALHO, L.M. Pro-Posições - vol. 12, N. 1 (34) Rio Claro, GEORGE J. HENNIG. Metodologia do Ensino de Ciências. 3ªed. Porto Alegre, Mercado Aberto, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. 9ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes,

Doutorando em Educação UNIAMÉRICA/PR. (blasius@ietalenttos.com.br) Acadêmica de Pedagogia UNIAMÉRICA/PR. (sihmonny@hotmail.com)

Doutorando em Educação UNIAMÉRICA/PR. (blasius@ietalenttos.com.br) Acadêmica de Pedagogia UNIAMÉRICA/PR. (sihmonny@hotmail.com) APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS E APROXIMAÇÕES CIENTÍFICAS DA CRIANÇA: EXPERIÊNCIA NO LABORATÓRIO VIVO DE CIÊNCIAS NATURAIS E CUIDADOS COM O MEIO AMBIENTE Blasius Silvano Debald Doutorando em Educação UNIAMÉRICA/PR.

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE DE MATEMÁTICOS

IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE DE MATEMÁTICOS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE DE MATEMÁTICOS Jéssica Paloma Alves dos Santos¹ Maria de Fátima Dutra² Anaeli Chaerli Ferreira Alves 3 O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID)

Leia mais

JOGOS PEDAGÓGICOS LÚDICOS NA EUCAÇÃO NÃO FORMAL

JOGOS PEDAGÓGICOS LÚDICOS NA EUCAÇÃO NÃO FORMAL JOGOS PEDAGÓGICOS LÚDICOS NA EUCAÇÃO NÃO FORMAL Gislaine Fornari 1 Fátima Regina Debald 2 RESUMO: A pesquisa apresenta um estudo sobre a dimensão lúdica no processo ensino e aprendizagem na educação não

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

RESUMO. O recurso dos Jogos como ferramenta importante utilizada pelos bolsistas do PIBID para o ensino de matemática nas series iniciais.

RESUMO. O recurso dos Jogos como ferramenta importante utilizada pelos bolsistas do PIBID para o ensino de matemática nas series iniciais. RESUMO O recurso dos Jogos como ferramenta importante utilizada pelos bolsistas do PIBID para o ensino de matemática nas series iniciais. Kayte Katiane Linhares Pereira 1 Pedro Winícius de Almeida Gomes

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Resumo SANTOS, Gisele Mugnol - FACINTER 1 gisele@facinter.br ROSENAU, Luciana dos Santos - FACINTER

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN)

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN) AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID-ESPANHOL PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA EM DUAS ESCOLAS DA CIDADE DE PAU DOS FERROS-RN Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA

JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA SAIDELLES, Ana Paula Fleig¹*; CRUZ, Litiele Cezar da²; KIRCHNER, Rosane Maria³; PIVOTTO, Otávio Lavarda²; SANTOS, Douglas Silva dos²; SANTOS, Nara

Leia mais

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos.

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos. SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA FUTUROS PROFESSORES DE QUÍMICA Joycyely Marytza de Araujo Souza Freitas 1 Reneid Emanuele Simplicio Dudu 2 Gilberlândio Nunes da Silva 3 RESUMO Atualmente a informática e a

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Palavras-Chave: Educação; Estágio Supervisionado; Prática de Regência; Realidade da Educação.

Palavras-Chave: Educação; Estágio Supervisionado; Prática de Regência; Realidade da Educação. PERCEPÇÕES ESTABELECIDAS ATRAVÉS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Il: A SALA DE AULA E SUAS ESPECIFICIDADES Tarcisio Santos Souza- UESC tarcisio_palito@hotmail.com Deborah Laís

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

UMA PEDAGOGIA VISANDO A INDISSOCIABILIDADE ENTRE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO NOS CURSOS UNIVERSITÁRIOS

UMA PEDAGOGIA VISANDO A INDISSOCIABILIDADE ENTRE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO NOS CURSOS UNIVERSITÁRIOS UMA PEDAGOGIA VISANDO A INDISSOCIABILIDADE ENTRE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO NOS CURSOS UNIVERSITÁRIOS QUEIROZ, GLÓRIA P. E SANTIAGO, ROSANA B. Instituto de Física, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente

Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente Capa Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente Prof. Dr. Airton Marques da Silva Universidade Estadual do Ceará, Universidade Federal do Ceará e Academia Cearense de Química airton@baydenet.com.br

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática.

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática. O USO DO MATERIAL CONCRETO NO ENSINO DA MATEMÁTICA Francisca Marlene da Silva Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Déborah Almeida Cunha Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Aline Araújo da Silva Graduanda-FECLESC/UECE

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 RESUMO Nos CEFFAs o processo de ensino e aprendizagem se

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

O PIBID E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA SALA DE AULA: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO

O PIBID E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA SALA DE AULA: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO O PIBID E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA SALA DE AULA: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO Delcimara Santos Aranha (1); Kalyane Pereira de Oliveira (1); Sandra Alves de Oliveira (2); Sônia Maria Alves de

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

Projeto de Extensão Universitária: Pequeno Cientista

Projeto de Extensão Universitária: Pequeno Cientista Projeto de Extensão Universitária: Pequeno Cientista BRESCI, M. S. 1 Projeto de Extensão Universitária: Pequeno Cientista Melissa Salaro Bresci 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID ISSN 2316-7785 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID Charles Peixoto Mafalda Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões charles1995peixoto@hotmail.com

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PROJETO DE CURSO DE EXTENSÃO PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA ROBERT SARAIVA MATOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PROJETO DE CURSO DE EXTENSÃO PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA ROBERT SARAIVA MATOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PROJETO DE CURSO DE EXTENSÃO PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA ROBERT SARAIVA MATOS USO DE ARTEFATOS EXPERIMENTAIS COMO AUXILIO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE FÍSICA DE NÍVEL

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA AÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA

RELATÓRIO DE PESQUISA AÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA ESCOLA DE GESTORES RELATÓRIO DE PESQUISA AÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA Leila

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DOS ANOS INICIAIS PROPORCIONANDO MUDANÇAS NO CURRÍCULO DE CIÊNCIAS EXATAS

CURSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DOS ANOS INICIAIS PROPORCIONANDO MUDANÇAS NO CURRÍCULO DE CIÊNCIAS EXATAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CURSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DOS ANOS INICIAIS PROPORCIONANDO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais.

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. 1 A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. Introdução Amanda Da Fonseca Cavalcanti &Isabely Fernandes Leão Nunes O ensino superior, incluso numa

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCACAO TECNOLOGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PROJETO DE PESQUISA:

CENTRO FEDERAL DE EDUCACAO TECNOLOGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PROJETO DE PESQUISA: www.tecnologiadeprojetos.com.br CENTRO FEDERAL DE EDUCACAO TECNOLOGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PROJETO DE PESQUISA: Projetos de ensino

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Facinor- Faculdade

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Literatura Infantil e Raciocínio Lógico: Interdisciplinaridade na

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Introdução. Maria Cristina Piana

Introdução. Maria Cristina Piana Introdução Maria Cristina Piana SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros PIANA, MC. A construção do perfil do assistente social no cenário educacional [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo:

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA ROSEMARY BARBEITO PAIS rosebarbeito@hotmail.com ORIENTADORA PEDAGÓGICA - CP2 DOUTORANDA EM

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR VOLTADO PARA OS SABERES MATEMÁTICOS DAS CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR VOLTADO PARA OS SABERES MATEMÁTICOS DAS CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR VOLTADO PARA OS SABERES MATEMÁTICOS DAS CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES Maria Raquel da Silva- Graduanda em Pedagogia (UFPE- CAA) G. Nóbrega L. de

Leia mais

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO Área Temática: sociedade e educação. Anilde Tombolato Tavares da Silva (Coordenadora da Ação) Autores

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO Andeson Lisboa de Oliveira AZEVEDO 1, Kleyfton Soares da SILVA 2 1 Departamento de Química, Instituto Federal da Paraíba-IFPB, João Pessoa-PB. E-mail:

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

iniciais: relato de uma experiência de parceria

iniciais: relato de uma experiência de parceria A formação do professor de ciências para as séries iniciais: relato de uma experiência de parceria Profa. Dra. Maria Candida Muller Professora dos cursos de Pedagogia e Análise de Sistemas Centro Universitário

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais