EMPRESA BRASILEIRA DE HEMODERIVADOS E BIOTECNOLOGIA. Análise Participativa da Realidade Socioambiental de Goiana / PE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESA BRASILEIRA DE HEMODERIVADOS E BIOTECNOLOGIA. Análise Participativa da Realidade Socioambiental de Goiana / PE"

Transcrição

1 EMPRESA BRASILEIRA DE HEMODERIVADOS E BIOTECNOLOGIA Análise Participativa da Realidade Socioambiental de Goiana / PE Recife PE 2013

2

3 Análise Participativa da Realidade Socioambiental de Goiana/PE Recife, 2013

4 Hemobrás Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra é da área técnica. Este documento pode ser acessado na íntegra no site: <www.hemobras.gov.br> e no site: <www.cpqam.fiocruz.br>. Tiragem: 1ª edição exemplares Elaboração, distribuição e informações Hemobrás Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia - Assessoria de Responsabilidade Socioambiental ARSA, em parceria com o Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães/Fiocruz Av. Eng. Antônio de Góes, 60 (JCPM Trade Center), 11º andar, Pina CEP: Recife/PE Fone: (81) Sites: Diretor Presidente da Hemobrás Romulo Maciel Filho Diretor do Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães/Fiocruz/Recife Eduardo Maia Freese de Carvalho Coordenação Geral e Supervisão Técnica- Assessoria de Responsabilidade Socioambiental - ARSA-Hemobrás/Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães/Fiocruz Danusa Fernandes Benjamim Tereza Maciel Lyra Impresso no Brasil/Printed in Brazil Consultores/Equipe técnica ARSA Elcylene Maria de Araújo Leocádio Maria do Carmo Soares D`Oliveira Maria Rita Coêlho Dantas Coordenação Geral da Pesquisa/Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães/Fiocruz: Tereza Maciel Lyra Coordenação técnica da pesquisa/ Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães/ Fiocruz e UFPE Maria do Socorro Veloso de Albuquerque Equipe técnica Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães/Fiocruz Adeilton Marcelino Vidal de Sousa Anselmo César Vasconcelos Bezerra Ana Carolina Malheiros Cavalcanti Daniely Aleixo Barbosa Maria José Vieira Lucena Maria Lindomar da Silva Nicéia Fernandes Barbosa Formiga Osmar Cavalcanti da Costa Lima Coordenação editorial Maria Rita Coêlho Dantas-ARSA Paula Santos Lourenço- ASCOM Ficha Catalográfica Elaboração de texto Equipe técnica do Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães/Fiocruz sob a coordenação de texto de Maria do Socorro Veloso de Albuquerque/ UFPE Adeilton Marcelino Vidal de Sousa Anselmo César Vasconcelos Bezerra Maria Lindomar da Silva Osmar Cavalcanti da Costa Lima Tereza Maciel Lyra Projeto Gráfico, capa e editoração sobre fotografias de Osmar Lima e revisão All Type Assessoria Editorial Ltda Gráficos Adeilton Marcelino Vidal de Sousa Maria do Socorro Veloso de Albuquerque Nicéia Formiga Tereza Maciel Lyra Fotografias Adeilton Marcelino Vidal de Sousa Anselmo César Vasconcelos Bezerra Ernesto Rodrigues Osmar Cavalcanti da Costa Lima Tereza Maciel Lyra Mapas Adeilton Marcelino Vidal de Sousa Anselmo César Vasconcelos Bezerra Nicéia Formiga e Daniely Barbosa Normalização Maristela da Fonseca Oliveira/CGDI/Editora MS Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia. Análise Participativa da Realidade Socioambiental da Goiana- PE / Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia. Recife : Hemobrás, p. : il. ISBN: Desenvolvimento sustentável. 2. Recursos ambientais. 3. Realidade socioambiental. 4. Realidade sociocultural. I. Hemobras. II.Título. CDU 502.1/15 Catalogação na fonte Coordenação-Geral de Documentação e Informação Editora MS OS 2013/0223 Títulos para indexação: Em inglês: Participatory Analysis of the Socio-environmental Reality of Goiana PE Em espanhol: Análisis Participativa de la Realidad Socioambiental de Goiana PE

5 Agradecimentos Agradecemos a valiosa participação e contribuição de todos os atores sociais locais da sociedade civil (população de todos os núcleos territoriais e representantes de entidades) e do poder público (gestores e técnicos das Secretarias Municipais da Prefeitura de Goiana); sem sombra de dúvida, sem essa efetiva participação seria impossível retratar, com legitimidade, a realidade socioambiental do município de Goiana/PE. Um agradecimento especial ao empenho dos Agentes Comunitários de Saúde e ao presidente da Associação Escoteira Prof. Antonio Rufino Ribeiro, nas atividades de leitura de paisagem, como também aos professores que coordenaram o autodiagnóstico da juventude e aos estudantes que dele participaram. Agradecemos também às pessoas que contribuíram com o apoio logístico, sobretudo os eficientes motoristas que se deslocaram com as equipes durante todo o desenvolvimento dos trabalhos. Equipe técnica da pesquisa/fiocruz e UFPE

6

7 Sumário Socializando os resultados no documento socioambiental... 9 Apresentação Introdução Itinerário Metodológico Abordagem Metodológica Detalhamento Metodológico Caracterização Socioambiental do Município de Goiana/PE Perfil Socioambiental dos Núcleos Territoriais Núcleo Litorâneo Núcleos Estuarinos Núcleos dos Assentamentos Rurais Núcleos Canavieiros Núcleos da Sede Municipal Diagnóstico Socioambiental, segundo Dimensões Temáticas Meio Ambiente e Infraestrutura Cultura e Turismo Cultural Saúde Educação Assistência Social Considerações finais Referências Apêndice A Matriz da Oficina de Meio Ambiente e Infraestrutura Apêndice B Matriz da Oficina Temática de Cultura e Turismo Cultural Apêndice C Matriz da Oficina Temática de Saúde Apêndice D Matriz da Oficina Temática DE Educação Apêndice E Matriz da Oficina Temática da Assistência Social...146

8 Lista de figuras Figura 1 Mapa do Território Estratégico da Hemobrás Figura 2 Representação gráfica da concepção de Desenvolvimento Sustentável. Adaptado de Buarque (2002) Figura 3 Oficina de sensibilização dos Gestores municipais. Goiana, Figura 4 Mapa dos Núcleos Territoriais de Goiana Figura 5 Mapa dos Núcleos Territoriais de Goiana ajustado segundo setores censitários IBGE (2010) Figuras 6 e 7 Reunião de apresentação do projeto de APR. Goiana, Figura 8 Pôster do Autodiagnóstico da Juventude Figuras 9 e 10 Equipe técnica em atividade de leitura de paisagem. Goiana, Figura 11 Seminário de apresentação e discussão dos resultados preliminares da pesquisa. Goiana, Figura 12 Representação gráfica do Processo Metodológico da Pesquisa Figura 13 Mapa de Pernambuco Goiana Figura 14 Diversidade de padrões de uso e ocupação do solo no município de Goiana/PE Figura 15 Região Estuarina do Rio Itapessoca. Goiana, Figura 16 Mapa das Unidades de Conservação da Natureza do Litoral Norte-PE Figura 17 Sistemas alternativos de abastecimento de água no bairro de Bom Tempo. Goiana, Figura 18 Sistema de esgotamento sanitário deteriorado na comunidade de Flexeiras. Goiana, Figura 19 Expansão urbana com construção de casas de taipa no Bom Tempo. Goiana, Figura 20 Despejo de Esgoto na praia de Ponta de Pedras. Goiana, Figura 21 Destinação inadequada de resíduos sólidos. Goiana, Figura 22 Desmatamento de fragmento de Mata Atlântica. Goiana, Figura 23 Mapa da evolução de ocupação urbana de Goiana, de 1940 a Figura 24 Oficina Temática de Meio Ambiente Figura 25 Oficina Temática de Saúde Figura 26 Desenho de aluno da Rede Municipal de Educação (Autodiagnóstico da Juventude). Goiana, Figura 27 Aterro Sanitário de Goiana. Goiana,

9 Figura 28 Mosaico de igrejas do centro da cidade Figura 29 Ruína da Fábrica Fiação e Tecelagem de Goiana (FITEG). Goiana, Figura 30 Conjunto arquitetônico do Baldo do Rio. Goiana, Figura 31 Obelisco em homenagem as heroínas de Tejucupapo. Goiana, Figura 32 Potencial turístico/ Barra de Catuama. Goiana, Figura 33 Mapa da Rede Assistencial de Saúde Pública. Goiana, Figura 34 Desenho de aluno da Rede Municipal de Educação (Autodiagnóstico da Juventude) Figura 35 Oficina Temática da Educação Figura 36 Oficina Temática da Educação Figura 37 Desenho de aluno da Rede Municipal de Educação (Autodiagnóstico da Juventude). Goiana, Figuras 38 e 39 Desenhos de alunos da Rede Municipal de Educação (Autodiagnóstico da Juventude). Goiana, Figura 40 Mapa da Rede de Proteção Social Básica de Goiana. Goiana, Figura 41 Mapa da Rede de Proteção Social Especial. Goiana, Lista de gráficos, quadros e tabelas Gráfico 1 Estrutura etária e de gênero da população, Goiana, Gráfico 2 Taxa de Homicídios (por 100 mil hab.), segundo área do estado. Pernambuco, Gráfico 3 Coeficiente de Mortalidade infantil (por mil NV) em Goiana, Gráfico 4 Razão de Mortalidade Materna (por 100 mil nv) por município de residência Goiana, Gráfico 5 Percentual de alunos matriculados, segundo unidade administrativa. Goiana, Gráfico 6 Evolução do número de famílias atendidas pelo Programa Bolsa Família. Goiana, Gráfico 7 Distribuição percentual das principais despesas do município em relação ao orçamento total. Goiana Quadro 1 Comparativo das taxas de homicídios de Crianças e Adolescentes (por 100 mil hab.) Brasil, Pernambuco, Recife, Goiana Quadro 2 Demonstrativo do percentual de Evasão Escolar, segundo modalidade de ensino. Rede Municipal Goiana, Tabela 1 Demonstrativo do número de participações nas atividades de análise participativa da realidade socioambiental de Goiana 2011/ Tabela 2 Proporção de óbitos da população residente, segundo grandes grupos de causas. Goiana, Tabela 3 Proporção de nascidos vivos por idade da mãe, segundo ano do nascimento. Goiana, Tabela 4 Percentual de nascidos vivos de mulheres residentes segundo número de consultas pré-natal, e ano do nascimento. Goiana, Tabela 5 Taxa de analfabetismo segundo núcleos territoriais

10

11 Socializando os resultados no documento socioambiental Para a Hemobrás, é uma grande satisfação socializar os resultados da pesquisa sobre a realidade socioambiental do município de Goiana/PE. Ela é fruto do compromisso da Hemobrás com a responsabilidade socioambiental, compreendendo-se esta como filosofia de gestão que busca aliar os interesses da comunidade, onde atua, aos interesses da empresa. Processo que exige de nós a construção de uma relação ética e transparente com todos os públicos com os quais a Hemobrás se relaciona e a promoção de incentivos às ações que impulsionem o desenvolvimento sustentável do município e da região e preservem os recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais. Nesta direção, a Hemobrás considerou a necessidade visceral de conhecer a região, não apenas por meio de levantamento de dados oficiais, mas por meio da escuta de seus habitantes e do poder público local; assim buscou a parceria com o Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães/Fiocruz, instituição de pesquisa altamente qualificada em estudos sobre os determinantes sociais do processo saúde doença, onde a dimensão socioambiental se insere como campo de conhecimento. Na perspectiva de um desenvolvimento com equidade social, os resultados da pesquisa apontam para a necessidade de ações intersetoriais que privilegiem novas formas de interação, manutenção e difusão da cultura local; que potencializem as atividades produtivas das comunidades tradicionais e dos produtores da agricultura familiar; que promovam ações integradas que venham reduzir os riscos que hoje vulnerabilizam parcela significativa da juventude goianense; que ampliem o acesso da população ao saneamento e a um sistema de saúde e educação com qualidade; que incentivem processos de produção que preserve o meio ambiente. É importante salientar que todo o esforço despreendido pelas equipes da Hemobrás e do Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães/Fiocruz só vem reforçar o fato de que o interesse pelos resultados é mais que uma expectativa e transcende a questão do esperar para a dimensão do que é possível fazer, exige a construção de uma sinergia por parte de todos os atores sociais, presentes no município e na região, no desafio de um desenvolvimento com sustentabilidade. Nesse sentido, esperamos que esta pesquisa possa subsidiar a pactuação de uma agenda de desenvolvimento que envolva o poder público (local, estadual e federal), a sociedade civil organizada, os jovens, as mulheres e homens que residem em Goiana/PE, os grupos socioprodutivos de base comunitária e as empresas com a responsabilidade socioambiental que lhes compete.

12

13 Apresentação A Análise Participativa da Realidade Socioambiental do município de Goiana/PE privilegiou duas das cinco dimensões do desenvolvimento sustentável: a dimensão Ambiental e a Sociocultural. Foi um processo que demandou um intenso ano de trabalho, tanto nas atividades de campo quanto na sistematização e análise das informações. Dentre os desafios que a equipe técnica enfrentou está a construção da síntese dos diferentes olhares sobre a realidade, apoiados ora nos dados secundários, ora na leitura de paisagem, nos autodiagnósticos e nas oficinas temáticas. Assim, tem-se a clareza de que esse documento reflete uma análise situacional, onde não há neutralidade na leitura da realidade, uma vez que cada ator social, participante do processo, trouxe para a cena da problematização socioambiental de Goiana aspectos que refletem seus interesses, valores e visão de mundo. O documento está estruturado em seis capítulos: introdução, itinerário metodológico, caracterização socioambiental do município, perfil socioambiental dos núcleos territoriais, diagnóstico socioambiental segundo dimensões temáticas e considerações finais. Na introdução, apresentam-se as instituições envolvidas, as linhas gerais do projeto e os conceitos que nortearam a pesquisa. No itinerário metodológico, tem-se o desenho dos procedimentos e as principais atividades desenvolvidas. No capítulo dedicado à caracterização socioambiental do município, são apresentados os principais indicadores sociais que o caracterizam, além de uma análise agregada de aspectos do uso e ocupação do solo e da infraestrutura urbana. No tópico referente ao perfil socioambiental, a análise partiu da desagregação do município em núcleos homogêneos (litoral, estuarinos, assentamentos, canavieiros e sede municipal), com o intuito de identificar tanto as especificidades de cada um, quanto o que há de comum entre eles, no que se refere às potencialidades e aos problemas. O capítulo do diagnóstico socioambiental foi dividido segundo as cinco dimensões temáticas (Meio Ambiente e Infraestrutura, Cultura e Turismo Cultural, Saúde, Educação e Assistência Social), com o objetivo de aprofundar problemas e propostas inerentes a cada um, assim como evidenciar as questões intersetoriais. Nas considerações finais apresenta-se uma síntese da análise participativa, destacando-se alguns dos aspectos julgados essenciais a um processo de desenvolvimento sustentável. 11

14

15 Introdução A Hemobrás tem por missão pesquisar, desenvolver e produzir hemoderivados, medicamentos biotecnológicos e reagentes, buscando a excelência na qualidade, a responsabilidade socioambiental e a satisfação de seus funcionários, colaboradores, clientes e da comunidade em geral, para atender, prioritariamente, o Sistema Único de Saúde (SUS). A opção por uma postura social e ambientalmente responsável se fez em respeito, não só aos setores internos (funcionários e colaboradores), mas, principalmente, aos setores externos à organização: a sociedade, representada por seus fornecedores primários e secundários (doadores e hemocentros), por seus clientes usuários (pacientes e associações de pacientes), pelas instâncias de controle social e pelas comunidades do entorno do local onde a fábrica está sendo construída. A empresa encontra-se em um momento privilegiado, pois vem aliando a construção da sua planta industrial com a articulação de parceiros no desenvolvimento de pesquisas, tanto tecnológicas quanto socioambientais e socioprodutivas, que possam subsidiar seu plano de desenvolvimento socioambiental, norteado pelo conceito Responsabilidade Social 1. O município de Goiana, localizado na Zona da Mata Norte de Pernambuco, historicamente tem sua economia fundada no predomínio da monocultura da cana-de-açúcar, com graves problemas daí decorrentes. Atualmente, o município compõe uma região de desenvolvimento do Estado com muitos empreendimentos estruturadores, como, por exemplo, os polos farmacoquímico e automotivo (CONDEPE-FIDEM, 2010). 1 Responsabilidade Social empresarial é a forma de gestão que se define pela postura ética e transparente da empresa para com todos os públicos com os quais ela se relaciona e pelo estabelecimento de metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais (ETHOS, 2011). Em outras palavras, o conceito de responsabilidade social empresarial traz embutida a questão da relação da empresa com seus diversos públicos e a aposta em processos de desenvolvimento sustentável. 13

16 Análise Participativa da Realidade Socioambiental de Goiana/pe Por outro lado, é importante ressaltar que no Brasil alguns polos de desenvolvimento vêm apresentando problemas de sustentabilidade por terem se concentrado na dimensão econômica. Segundo Carvalho, Silva, Totti (2005) e Paganoto (2005), a experiência do polo de desenvolvimento econômico de Macaé, que embora seja a 2ª maior cidade arrecadadora de royalties do petróleo no país, tem apresentado um perfil de acentuação das desigualdades sociais, com especulação imobiliária e favelização, com mais de 50% dos domicílios sem coleta de esgoto. Macaé apresenta uso predatório do litoral, os serviços públicos tornaram-se insuficientes e há um acentuado crescimento do tráfico de drogas e violência. Em Pernambuco, o polo de desenvolvimento de Suape tem apresentado algumas evidências de um processo de desenvolvimento com frágil sustentabilidade, como: crescimento desordenado, habitações de médio e baixo padrão construtivo e presença de bolsões de pobreza, escassez de moradias e inflação imobiliária (GUARDA, 2011a). Estudo realizado por GURGEL et al. (2009), aponta uma insuficiência de infraestrutura de abastecimento de água, esgotamento sanitário e recolhimento do lixo e um processo de proliferação de doenças como a esquistossomose, dengue, leishmaniose e Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). Segundo dados da Secretaria de Defesa Social do estado de Pernambuco, divulgados no Jornal do Commercio (GUARDA, 2011b), no período entre 2009 e 2010 houve na região de Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca um crescimento significativo do percentual de apreensão de drogas. Enquanto em todo o Estado houve um incremento de 36% na apreensão de drogas em geral, na região de Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca esse percentual alcançou um patamar de 293%. Assim, na perspectiva de que Goiana e todo território de influência da planta industrial da Hemobrás (Figura 1) venham a empreender um processo de desenvolvimento sustentável, a Hemobrás e o Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (Fiocruz PE) firmaram convênio para a elaboração de um diagnóstico socioambiental. A pesquisa, no primeiro momento, priorizou um processo de Análise Participativa da Realidade Socioambiental do município de Goiana. O seu desenvolvimento possibilitou a participação coletiva dos diversos segmentos da população e do poder público local para realização do diagnóstico socioambiental. Espera-se com isso poder contribuir para um processo de desenvolvimento sustentável norteado pela Agenda 21 2 e pelas Metas do Milênio 3. 2 Agenda 21 pode ser definida como um instrumento de planejamento para a construção de sociedades sustentáveis, em diferentes bases geográficas, que concilia métodos de proteção ambiental, justiça social e eficiência econômica (MMA, 2012). 3 No ano 2000 a Organização das Nações Unidas estabeleceu 8 Objetivos do Milênio ODM. São eles: acabar com a fome e a miséria; educação básica de qualidade para todos; igualdade entre os sexos e valorização da mulher; redução da mortalidade infantil; melhorar a saúde da gestante; combater a aids, a malária e outras doenças; qualidade de vida e respeito ao meio ambiente; todo o mundo trabalhando pelo desenvolvimento (ONU, 2000). 14

17 Introdução Figura 1 Mapa do Território Estratégico da Hemobrás Fonte: Elaborado a partir de informações CONDEPE/FIDEM (2009) Segundo a clássica definição da Comissão Brundtland 4, desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades presentes sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras satisfazerem suas próprias necessidades 4 Comissão Mundial Independente sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, também conhecida como Comissão Brundtland, em alusão a Gro Harlem Brundtland, ex-primeira Ministra da Noruega, que a presidiu em Teve por objetivo examinar questões críticas relativas ao meio ambiente e formular novas propostas de abordagem, a fim de orientar as ações e políticas em busca das mudanças necessárias. (BRUNDTLAND, 1987). Para autores como Sen (2000) e Buarque (2002), é preciso fazer a fundamental distinção entre desenvolvimento e crescimento econômico. Há desenvolvimento sustentável quando os benefícios do crescimento contribuem para o processo interno de mudança, que pode conduzir ao dinamismo econômico 5 e 5 Não confundido com o movimento econômico gerado por grandes investimentos de capital externo, que não se internalizam e não se irradiam na economia local. 15

18 Análise Participativa da Realidade Socioambiental de Goiana/pe Figura 2 Representação gráfica da concepção de Desenvolvimento Sustentável. Adaptado de Buarque (2002) Econômico SOCIAL que requeiram produção segundo especificações ou que exijam rigoroso controle de qualidade (uma exigência sempre presente no mundo globalizado). De modo semelhante, a participação política pode ser tolhida pela incapacidade de ler jornais ou de comunicar-se por escrito com outros indivíduos envolvidos em atividades políticas (p. 56). AMBIENTAL Fonte: Elaborado por Maria de Albuquerque, adaptado de Buarque (2002) à melhoria da qualidade de vida do conjunto da população. O ideário de desenvolvimento sustentável se expressaria por meio de um modelo socialmente includente, ambientalmente sustentável e economicamente sustentado (SACHS, 2007). Sen (2000) a esse respeito enfatiza que não há desenvolvimento sustentável quando há exclusão social, e exemplifica, com maestria, o analfabetismo como elemento determinado e determinante da exclusão: [...] o analfabetismo pode ser uma barreira formidável à participação em atividades econômicas Dessa forma, a presente pesquisa partiu do entendimento de desenvolvimento enquanto processo capaz de aliar objetivos sociais, ambientais e econômicos. Crescimento econômico com equidade social 6, capaz de assegurar que os frutos do desenvolvimento econômico sejam traduzidos na preservação dos recursos naturais, em melhorias nas condições de vida sobretudo no aumento das potencialidades das pessoas por meio do acesso à educação, aos serviços de saúde, às melhores condições de habitabilidade, do acesso à renda, à alimentação, dentre outros. O desenvolvimento sustentável mantém uma sintonia fina com o conceito amplo de saúde, adotado pelo SUS este determinado pelas condições sociais, ambientais e econômicas condições que devem ser abordadas de forma coordenada e abrangente, integrando políticas e esforços intersetoriais nos níveis local, regional, nacional e internacional. Assim, pode-se dizer que se pro- 6 Entende-se por Equidade Social o processo no qual os recursos gerados pelo crescimento econômico se destinam a promover o acesso do conjunto da população às políticas públicas, como saúde, educação, esportes, lazer, cultura e infraestrutura urbana, dentre outros. 16

19 Introdução move saúde por meio de um processo de desenvolvimento sustentável, ampliando-se a interseção entre as várias dimensões que compõem a realidade: social, econômica e ambiental (Figura 2). No processo de Análise Participativa da Realidade do município de Goiana a pesquisa privilegiou duas das cinco dimensões do desenvolvimento sustentável 7 : a dimensão Ambiental e a Sociocultural. A primeira no que diz respeito à disponibilidade de recursos naturais (renováveis ou não renováveis); situação dos recursos hídricos (disponibilidade e tendência ao esgotamento, uso e qualidade); recursos florestais (disponibilidade e tendência ao esgotamento/ desmatamento), solo, relevo e clima; qualidade geral do meio ambiente natural; degradação dos recursos naturais e do meio ambiente. A segunda enfocando a evolução geral da população, sua estrutura e sua tendência; emprego e estrutura de renda; estrutura fundiária; oferta e qualidade dos serviços públicos de infraestrutura (saneamento, habitação), de saúde e educação; os padrões culturais e da produção cultural (patrimônio histórico-cultural, artes e artesanatos, manifestações culturais mais significativas). A pesquisa primou por combinar e/ou confrontar o levantamento e análise técnica da realidade com a visão da sociedade. Nesse sentido, buscou promover a interação das diferentes percepções dos atores sociais 8 sobre os principais problemas e potencialidades, estabelecendo um processo de negociação das duas visões. A Análise Participativa da Realidade Socioambiental de Goiana se configurou como um processo sociopedagógico cujo objetivo principal foi fortalecer a capacidade dos atores sociais locais na identificação e apreensão da realidade, de forma analítica e crítica, ressaltando que toda e qualquer mudança proposta, para ter sustentabilidade, passará, necessariamente, por um processo de reflexão coletiva. Assim, durante o período , num intenso processo participativo, analisou-se como a sociedade civil e política de Goiana compreende as potencialidades e problemas atuais do município e formulam proposições na perspectiva de um crescimento com sustentabilidade. 7 Segundo Buarque (2002), o desenvolvimento sustentável implica cinco dimensões da realidade que possuem interações múltiplas: econômica, tecnológica, ambiental, sociocultural, político institucional. 8 Atores Sociais: organizações e/ou personalidades que se relacionam de forma significativa com um problema, exercendo o poder, tanto para transformar uma situação, quanto para mantê-la. 17

20

21 Itinerário Metodológico

22 Análise Participativa da Realidade Socioambiental de Goiana/pe 1 Itinerário Metodológico 1.1 Abordagem Metodológica Este documento contempla os resultados da construção do conhecimento sobre a situação socioambiental de Goiana elaborada por meio de uma Análise Participativa da Realidade/APR 9. Esta se configurou como um processo sociopedagógico que objetivou fortalecer a capacidade dos atores sociais locais na identificação e apreensão da realidade, de forma analítica e crítica, combinando e/ou confrontando o levantamento e a análise técnica da realidade com a visão da sociedade. Partiu-se do princípio em que toda e qualquer concepção de desenvolvimento sustentável deve privilegiar um processo participativo que promova a negociação e a corresponsabilidade entre a sociedade política e civil no desenvolvimento de um dado território. Nesse sentido, o 9 Pode-se entender a análise participativa como uma análise situacional da qual fala Matus(1991). Para esse autor essa é uma leitura da realidade feita por atores sociais que expressam sua visão de mundo e seus interesses na forma de analisar a realidade. É, portanto, um espaço de possibilidades explicativas, aberto a todos os atores sociais que nela atuam e que demanda um processo de negociação na seleção dos problemas e propostas prioritárias. presente diagnóstico socioambiental optou por um processo metodológico de pesquisa que agregou técnicas formais de pesquisa (pesquisa documental, levantamentos de dados em sistemas de informações) com técnicas de planejamento participativo de discussão coletiva de problemas e propostas. No planejamento participativo, pode-se desenvolver um processo de reflexão estruturada sobre a realidade, que promova a interação e a negociação de saberes e interesses, ao mesmo tempo em que se estimula um processo de aprendizagem social. Para Buarque (2002), esta última será proporcional à abrangência da participação da sociedade no processo de planejamento. A participação deve ser considerada muito mais do que estar presente, significa tomar parte no processo, emitir opinião, acordar e discordar (CORDIOLI, 2001). Nas palavras de Pereyra (2001), a participação é entendida como um processo emancipatório e de empoderamento: Promover la participación es más que dar la posibilidad de hablar, implica iniciar un proceso de aprendizaje horizontal, que necesariamente promueva el compromiso a partir del reconocimiento de su realidad. 20

23 Itinerário Metodológico Como salienta Buarque (2002), o processo de planejamento deve criar as condições para o confronto dos saberes diferenciados da sociedade. Deve ser o fórum onde cada grupo, pensando e refletindo sobre sua plataforma como ator social, participa das decisões e contribui para a construção de um projeto coletivo de sociedade. Assim, entende-se que o planejamento participativo é um processo de tomada de decisões com o envolvimento dos atores sociais, diretamente interessados e comprometidos com o futuro da comunidade, município e/ou região. Este documento registra um dos momentos do ciclo de um processo de planejamento participativo a compreensão e o conhecimento compartilhado da realidade espera-se que ele sirva de subsídio à implantação de ações prioritárias no âmbito de um desenvolvimento com equidade social. 1.2 Detalhamento Metodológico A análise participativa da realidade socioambiental de Goiana foi composta por duas fases que se entrecruzaram durante todo o processo: FASE I Mobilização e articulação de atores sociais. FASE II Realização da Análise Participativa da Realidade/APR. No início do projeto, a mobilização e articulação de atores sociais concentrou-se em atividades que buscavam comprometer a sociedade Figura 3 Oficina de sensibilização dos Gestores municipais. Goiana, 2011 Fonte: Oficina de discussão do projeto de pesquisa com o poder público municipal. Foto de Tereza Lyra, 2012 política e civil no processo de Análise Participativa da Realidade/APR, sendo, portanto uma fase preparatória da pesquisa que contemplou as seguintes atividades: A) Formação da equipe técnica local (constituída por representantes do poder público local) que, juntamente com a equipe executora, seria responsável pela condução e articulação do processo 10 (Figura 3). 10 Apesar da formação da equipe técnica e do desenvolvimento de atividades de capacitação, esse processo não se consolidou. As atividades em campo foram desenvolvidas pela equipe técnica da Fiocruz, com o suporte de atores-chave da comunidade e, em algumas atividades, com a participação dos Agentes Comunitários de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde. 21

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 Declara como Área de Proteção Ambiental APA a região que compreende os Municípios de Itamaracá e Itapissuma e parte do Município de Goiana, e dá outras providências.

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável.

Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável. Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável. EXPEDIENTE Realização: Prefeitura Municipal de Porto Alegre (PMPA) José Fortunati - Prefeito Secretaria Municipal de Governança Local (SMGL) Cezar

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

2.2 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

2.2 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 3 DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL - LITORAL SUL DE PERNAMBUCO. Embora a cana-de-açúcar ainda continue sendo a atividade agrícola predominante na maior parte do Litoral Sul de Pernambuco, outros usos vêm ganhando

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

OFICINA DE MONITORAMENTO

OFICINA DE MONITORAMENTO OFICINA DE MONITORAMENTO Instituto Pólis CARAGUATATUB A 11 de junho de 2015 OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL Implementação da Agenda de Desenvolvimento Sustentável OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL MONITORAMENTO

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE PROJETO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL DO VALE DO RIBEIRA E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PRIORITÁRIOS 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

Nova geração de políticas para o desenvolvimento sustentável

Nova geração de políticas para o desenvolvimento sustentável Nova geração de políticas para o desenvolvimento sustentável Helena M M Lastres Secretaria de Arranjos Produtivos e Inovativos e Desenvolvimento Local Rio de Janeiro, 1 de dezembro de 2010 Novas geração

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente 19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG Eixo 1. Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA E SEUS IMPACTOS

Leia mais

Gestão da dengue no município de Niterói

Gestão da dengue no município de Niterói Gestão da dengue no município de Niterói Fundação Municipal de Saúde de Niterói Veronica Alcoforado de Miranda Coordenação do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa A questão da reemergência da dengue

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais