UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UNIVERSIDADE: UM ESTUDO DE CASO NUMA DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO Por: Uyara Guimarães Santos Orientador Profª. Ms. Maria Esther de Araújo Oliveira Co-orientador Profº. Drº. Alexandre de Gusmão Pedrini Rio de Janeiro 2003

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UNIVERSIDADE: UM ESTUDO DE CASO NUMA DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Planejamento e Educação Ambiental. Por: Uyara Guimarães Santos

3 3 AGRADECIMENTOS Aos amigos e professores, que contribuíram para a confecção desse trabalho acadêmico.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho ao meu filho, Vinicius, orgulho de minha existência.

5 5 RESUMO Esta pesquisa aborda, a Educação Ambiental numa Universidade do Rio de Janeiro, no nível de Pós-graduação. É relatado como esta temática é abordada, se é uma disciplina ou não; si possui metodologia dentro dos pressupostos teóricos, como por exemplo, da principal Conferência sobre Educação Ambiental (EA) que é a de Tbilisi e se está de acordo com a Política Nacional do Meio Ambiente (PONEA). Serão apresentados os conceitos de Educação Ambiental, e as mais importantes recomendações das principais Conferências Internacionais sobre o tema. É relatada a opinião de vários autores a respeito da implantação da Educação Ambiental nas Universidades, com suas dificuldades e porque é considerado fundamental que a EA seja inserida através da interdisciplinaridade. Apresenta ainda o resultado de uma entrevista realizada com o professor responsável pela disciplina na instituição pesquisada com a síntese da Ementa e da bibliografia adotada.

6 6 METODOLOGIA Nesta pesquisa monográfica foram realizadas pesquisas em sites para detectar quais as universidades que possuem a Educação Ambiental como disciplina bem como uma pesquisa bibliográfica em três fases: identificação, localização e reunião sistemática dos materiais, tais como: Ementa, Conteúdo Programático, Programa, Bibliografia adotada e complementar. Nesta pesquisa foram obtidos dados já catalogados em fontes de informações como bibliotecas, editoras e internet. A escolha da Instituição de ensino Superior para estudo foi realizada com base em informações obtidas na pesquisa e pela facilidade de acesso para obtenção de material para a pesquisa. Inicialmente contatou-se o professor do curso onde a disciplina Educação Ambiental faz-se presente, para uma entrevista focalizada que permite mais liberdade para o pesquisador e para o pesquisado. As perguntas, foram elaboradas sem rigor, foram definidos tópicos para uma orientação a entrevista, isso fez com que a conversa fosse informal, mesmo obedecendo um roteiro pré estabelecido. Com os dados coletados analisou-se qualitativamente a proposta buscando o sentido mais explicativo da pesquisa.

7 SUMÁRIO 7 INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I - Conceitos de Educação Ambiental 10 CAPÍTULO II - Histórico da Educação Ambiental 13 CAPÍTULO III - A Educação Ambiental no Brasil 18 CAPÍTULO IV - A Educação Ambiental na Universidade 20 CAPÍTULO V - A Interdisciplinaridade na Educação Ambiental 23 CAPÍTULO VI - Resultados: Entrevista 26 Bibliografia adotada 29 Comentários 33 CONCLUSÃO 35 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 36 ANEXO 38

8 8 INTRODUÇÃO A Educação Ambiental, surge como um processo de conscientização para reverter ou pelo menos tentar minimizar as agressões que o homem vem infringindo, em relação ao meio ambiente. Assistimos nos anos 70 ao que se convencionou chamar de o despertar da consciência ecológica no mundo. A Educação Ambiental segundo DIAS (1992:p.28). Foi dada a missão de ser o agente de mudanças desejáveis na sociedade, e a ela se acoplaram as educações (sexual, antidroga, para o trânsito, para a saúde e higiene, etc.). Pode-se dizer, que a Educação Ambiental deve resgatar o papel fundamental que a educação tradicional não cumpriu. De acordo com Paulo Freire (In:BELTRÃO;1992:p.161) a educação é um enfoque crítico da realidade. A Constituição de 1988 em seu art. 225 estabeleceu que o poder público deve promover a Educação Ambiental em todos o níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente. Na Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental aos Países Membros (Tbilisi Geórgia, ex - URSS 1977), a Educação Ambiental se define como resultado de uma reorientação e articulação de diversas disciplinas e experiências educativas, que facilitam a percepção integrada do meio ambiente. (BELTRÃO;1992:p.179).

9 9 A Educação Ambiental no curso de pós-graduação, considera-se uma proposta eficaz o que consiste em adotar em enfoque pluridisciplinar, centrado em soluções dos problemas. Formando assim especialistas que trabalhariam como integradores (integeracionistas para distingui-los dos generalistas e dos especialistas) em equipes multidisciplinares. (DIAS;1992:p.78). Embora muitos autores mencionam que a Educação Ambiental não deve ser uma disciplina, pois para eles seria um retrocesso, a Lei 9.795, no Art.10º- 2º de 27 de abril de 1999 da Política Nacional de Educação Ambiental (PONEA), que no Ensino Formal consta: Nos cursos de pós-graduação, extensão e nas áreas voltadas ao aspecto metodológico da educação ambiental, quando se fizer necessário, é facultada a criação de disciplina específica. O objetivo desta pesquisa foi conhecer como a Educação Ambiental (EA) está sendo abordada nos cursos de pós-graduação, qual sua importância na universidade, a possibilidade de ser uma opção para capacitar o profissional, afim de atuarem em diferentes níveis da educação formal e não formal, se os cursos que dizem possuir a Educação Ambiental apresentam metodologias com características interdisciplinares, e se estão dentro da política ambiental.

10 10 CAPÍTULO I CONCEITOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL... Nenhum homem poderá revelar-vos nada senão o que já está escrito meio adormecido na aurora do vosso entendimento. O mestre que caminha à sombra do templo, rodeado de discípulos, não dá de sua sabedoria, mas sim de sua fé e de sua ternura. Se ele for verdadeiramente sábio, não vos convidará a entrar na mansão de seu saber, mas antes vos conduzirá ao limiar de vossa própria mente. (Gibran-1975:p.53) A Educação Ambiental (EA) recebeu várias definições segundo DIAS (1992:p.29),ao longo de sua evolução: STAPP et al. processo que deve objetivar a produção de cidadãos, cujos conhecimentos acerca do ambiente biofísico e seus problemas associados, possam alerta-los a resolver os problemas. IUCN (1970), definiu Educação Ambiental como o processo de reconhecimento de valores e de esclarecimentos de conceitos, que permitam o desenvolvimento de habilidades e atitudes necessárias para entender e apreciar as interrelações entre o homem, sua cultura e se seu ambiente biofísico circunjacente.

11 11 MELLOWES (1972), A Educação Ambiental seria um processo no qual deveria ocorrer um desenvolvimento progressivo de um senso de preocupação com o meio ambiente, baseado num completo e sensível entendimento das relações do homem com o ambiente em sua volta. O modo como o meio ambiente era percebido interferiu, na evolução do conceito de Educação Ambiental. Não se pode avaliar as interdependências, conceituando a EA só nos seus aspectos naturais, nem a contribuição das ciências sociais à percepção e melhoria do meio ambiente humano. O conceito de Educação Ambiental que é válido até hoje, foi definido na Conferência Intergovernamental sobre a Educação Ambiental (Tbilisi, Geórgia, ex- URSS 1977), conhecida como a Conferência de Tbilisi: "A Educação Ambiental com uma dimensão dada ao conteúdo e a prática, orientada para a resolução dos problemas concretos do meio ambiente através de enfoques interdisciplinares, e de uma participação ativa e responsável de cada indivíduo e da coletividade." (DIAS; 1992:p.29). O Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA),defini como um processo de formação e informação, orientado para o desenvolvimento da consciência crítica sobre as questões ambientais, e de atividades que levem à participação das comunidades na preservação do equilíbrio ambiental. (DIAS- 1992:p.31)

12 12 As definições são muitas, mas existem entre elas vários pontos em comum, pois consideram que na Educação Ambiental possui a necessidade de uma visão holística e de uma abordagem integradora.

13 CAPÍTULO II HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 13 Quando for buscar alternativas para soluções aos problemas ambientais, segundo DIAS (1992:p.24), a palavra mais coerente seria REDESCOBRIR. Os nossos antepassados já se preocupavam com os problemas ambientais. Thomas Huxley em 1863, no seu ensaio sobre os seres vivos e os seres humanos, já escrevia sobre as interdependências entre eles. "Evidências sobre o lugar do homem na natureza". Na Suécia, Estocolmo em 1972 aconteceu o marco histórico político internacional para a criação das políticas de gerenciamento do meio ambiente. Realizou-se a Conferência da ONU sobre o meio Ambiente gerando assim, a Declaração sobre o meio Ambiente Humano e estabeleceu o Plano de Ação Mundial com o intuito de orientar e inspirar a humanidade para a preservação e melhoria do meio ambiente humano. Para combater a crise ambiental, reconheceu que a Educação Ambiental é o elemento crítico para o combate à crise no mundo, destacou a necessidade urgente do homem recompor suas prioridades. Reconheceu a importância do treinamento de professores e o desenvolvimento de novos recursos instrucionais e métodos, e a Educação Ambiental como fundamental para o público de um modo geral. A UNESCO promoveu em Belgrado, Iugoslávia (1975) a Carta de Belgrado, segue um trecho da Carta - Czapski In:MEC (1998:p.31).

14 14 Governantes e planejadores podem ordenar mudanças e novas abordagens de desenvolvimento que possam melhorar as condições do mundo, mas tudo isto não se constituirá em soluções de curto prazo, se a juventude não receber um novo tipo de educação. Isto vai requerer um novo e produtivo relacionamento entre estudantes e professores, entre escola e comunidade, entre o sistema educacional e a sociedade. É nesse sentido que devem ser lançadas as fundações para um programa mundial de Educação Ambiental que torne possível o desenvolvimento de novos conhecimentos e habilidades, valores e atitudes, visando à melhoria de qualidade ambiental e, efetivamente, à elevação da qualidade de vida para as gerações e futuras. Segundo DIAS (1992:p.26) a carta de Belgrado: "Preconiza a necessidade de uma nova ética global, capaz de promover a erradicação da pobreza, da fome, do analfabetismo, da poluição, da exploração e dominação humana, e censurava o desenvolvimento de uma nação às custas de outra, acentuando a premência de formas de desenvolvimento que beneficiassem toda a humanidade." Realizou-se em 1977 em Tbilisi, Georgia, ex-urss, promovida pela UNESCO-PNUMA, a Conferência Intergovernamental sobre a Educação Ambiental, ficou conhecida como a Conferência de Tbilisi. Um marco no desenvolvimento da Educação Ambiental. Uma seqüência à recomendação nº96 da Conferência de Estocolmo. Na Conferência de Tbilisi foram definidas, quarenta e uma Recomendações, mas para fins de esclarecimentos sobre o tema desta pesquisa, só transcreverei as Recomendações abaixo relacionadas que considera:

15 15 Recomendação nº11 Que menciona a motivação para os profissionais que possuem grande influência sobre o meio ambiente a aperfeiçoarem sua educação ambiental em: a) Programas de formação complementar que permitam estabelecer relações mais apropriadas sobre uma base interdisciplinar. b) Programas de pós-graduação destinados a um pessoal já especializado em certas disciplinas. Considera-se como método de formação eficaz o que consiste em adotar em enfoque pluridisciplinar centrado na solução dos problemas. Isto permitiria formar especialistas que, havendo adquirido essa formação, trabalhariam como integradores em equipes multidisciplinares. Recomendação nº13 considera que as universidades: na sua qualidade de centro de pesquisa, de ensino e de pessoal qualificado no país, devem dar, cada vez mais, ênfase à pesquisa sobre a educação formal e não formal; a educação ambiental nas escolas superiores diferirá cada vez mais da educação tradicional, e se transmitirá aos estudantes os conhecimentos básicos essenciais para sua futuras atividades profissionais redundem em benefícios para o meio ambiente; Recomenda: que se examine o potencial atual das universidades para o desenvolvimento de pesquisa; que se estimule a aplicação de um tratamento interdisciplinar ao problema fundamental da correlação entre o homem e a natureza, em qualquer que seja a disciplina;

16 16 que se elaborem diversos meios auxiliares e manuais sobre os fundamentos teóricos da proteção ambiental. (DIAS;1992:p.81) Recomendação nº17 considera: a necessidade de que todo o pessoal docente compreenda que é preciso conceder um lugar importante em seus cursos à temática ambiental, recomenda: que se incorporem nos programas, o estudo das ciências ambientais e da educação ambiental. Dez anos após Tbilisi em 1987, realizou-se em Moscou, URSS, o Congresso Internacional da UNESCO - PNUMA sobre a Educação e Formação Ambientais, onde ficou estabelecido a Estratégia Internacional de Ação em Matéria de Educação (EA) e Formação Ambiental (FA)para o Decênio de 90. Foram definidas orientações, objetivos e ações para as estratégias internacional em EA e FA, que são; a) Acesso à informação, b) Pesquisa e experimentação, c) Programas educacionais e materiais de ensino, d) Treinamento de pessoal, e) Educação técnica e vocacional, f) Educando e informando ao público, g) Educação Universitária em Moscou foram estabelecidas as seguintes prioridades de ação: DIAS;1992:p.100 I - Desenvolvimento de sensibilização para as autoridades acadêmicas. II Desenvolvimentos de programas de estudo. III Treinamento de professores. IV - Cooperação institucional.

17 h)treinamento de especialistas, i)cooperação internacional e regional. 17 Em 1992 realizou no Rio de Janeiro a Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento UNCED, (Rio 92). Houve vários debates com educadores do mundo todo, que debateram uma agenda comum de ação como: as questões metodológicas e curriculares no campo da Educação Ambiental. Desses debates foram criados três documentos, que hoje são referências para a Educação Ambiental, são elas: Agenda 21 O Capítulo 36 é de grande importância, pois foi dedicado integralmente à Promoção do Ensino, da Conscientização e do Treinamento. A Carta Brasileira para Educação Ambiental que deu destaque para o poder público federal, estadual e municipal, para se cumprir a legislação brasileira, inserindo a Educação Ambiental em todos os níveis de ensino. Tratado de Educação Ambiental para a Sociedade Sustentável e Responsabilidade Global que contém, entre outras propostas, o fortalecimento de uma Rede de Educação Ambiental. Com estes encontros e documentos, abriram-se mais caminhos para a EA. Só que a abertura de um caminho não significa o fim dos obstáculos. É o que se percebe, ao analisar as conseqüências desta constelação de eventos. (Czapski IN:MEC-1998)

18 18 CAPITULO III A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL Na década de 70 o ensino de primeiro grau, nas disciplinas de ciências, introduzia a defesa do meio ambiente com exercício a cidadania. SANTOS In:PEDRINI (org)(2002:p.58). Com a repercussão na mídia, os movimentos ecológicos popularizaram-se na década seguinte (80), dando uma nova visão para as questões do meio ambiente. Nesta mesma década o Conselho Federal de Educação (CFE) defende que a Educação Ambiental não dever ser uma disciplina específica, mas ressalva que a inclusão da Educação Ambiental nos cursos de formação de professores faz-se necessário. Em 1988 a Constituição no seu art. 225 estabeleceu que para a preservação do meio ambiente e conscientização pública, o poder público deve, promover a Educação Ambiental em todos os níveis de ensino. Na Conferência Rio 92, surge muitas ofertas de informações, cursos, materiais didáticos e aperfeiçoamento dos profissionais. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) em 1996, em seu Art. 26, 1º, considera que a "compreensão do meio ambiente natural, social do sistema político em que se fundamenta a sociedade deve estar inserida na formação básica". SANTOS In:PEDRINI(org)(2002:p.60). Consagrada como tema transversal pelos PCNS em 1998, tendo como critério norteador a perspectiva de construção da cidadania, com os temas: ética, Educação e Saúde, Educação Ambiental, etc...

19 19 Mas só em 1999 que os termos legitimados na Conferência de Tbilisi, foram mencionados na Política Nacional de Educação Ambiental (PONEA), onde foram definidos os princípios, objetivos, as obrigações do governo, empresas, instituições de um modo geral, as modalidades, o papel do ensino formal e não formal.

20 20 CAPÍTULO IV A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UNIVERSIDADE As reflexões sobre o tema começou a ser debatida em 1986 de acordo com TRISTÃO (1997:p.107), foram realizados cinco encontros nacionais, que muito contribuíram para a divulgação das experiências com relação a Educação Ambiental. A universidade tem se visto envolvida em discussões intermináveis, quanto ao seu objetivo, qualquer que seja o resultado desta discussão, a instituição não pode estar separada dos interesses das sociedades. O Tratado de Educação Ambiental para a Sociedade Sustentável e Responsabilidade Global, dá ênfase a importância do ensino, pesquisa e extensão em Educação Ambiental (EA) e criação de centros interdisciplinares para o meio ambiente em cada universidade. A estrutura organizacional segundo TRISTÃO (1997:p.107), da universidade : Dificulta a descentralização das informações e a comunicação entre os diferentes setores da instituição. Devido uma estrutura interna departamentada, compartimentada que fragmenta o conhecimento e torna a instituição resistente a mudanças.

21 21 Embora não se tenha nenhuma definição se a EA no 3º grau seria ou não uma disciplina, os autores enfatizam que o mais importante, seria não perder o enfoque interdisciplinar que a EA necessita. Os cursos de especialização, extensão e pós-graduação são uma indicação para a solução da formação dos profissionais da área formal e não formal. Seria uma abordagem sócio-ambiental em disciplinas de todas as áreas das ciências humanas, natureza, a sociedade e o planeta. A universidade possui hoje uma importância muito maior na criação de espaços de discussão, tanto no formal como o não formal. A formação profissional acadêmica necessita desse componente no sentido de que os estudantes, futuros profissionais, compreendam a sociedade em toda sua complexidade. BELTRÃO (1992:p.21). A extensão universitária estaria envolvida na integração do saber cientifico com o popular, através de pesquisas metodológicas participativa com a comunidade. Segundo BELTRÃO (1992:p.125), A proposta de um curso de pós-graduação de profissionais neste nível de graduação para a EA, entendendo-se esta como uma prática subjacente a qualquer área do conhecimento ou disciplina curricular. A universidade que é uma instituição, a nível superior, para formação na área formal, precisa segundo PEDRINI&PAULA (2002:p.102: Sensibilizar para a capacitação de educadores sócioambientais. A capacitação de professores nos cursos regulares ou de extensão, deveria perseguir a construção de referenciais teóricos - práticos inovadores em EA e outras áreas. E, na prática, a criação de cursos multidisciplinares, buscando a prática interdisciplinar, ainda na graduação.

22 22 Assim, os professores poderão, no ensino formal, articular-se entre si e promover a EA, segundo prevê tantos instrumentos legais. E os pressupostos da UNESCO, estando disponíveis para adoção, permitiriam que os educadores pudessem conceber, planejar, executar e avaliar atividades/projetos em EA que este órgão promovesse. Capacitados, o educadores poderão instruir seus alunos para lutarem pela sua cidadania, por meio de um aprendizado que possibilite mudar sua conduta e o desenvolvimento de novos hábitos para fazer valer seus direitos constitucionais e holísticos. Algumas universidades, um número ainda reduzido, encontraram uma forma de satisfazer o interesse por uma Educação Ambiental orientada, criando institutos ou centros voltados para esse fim.

23 23 CAPÍTULO V A INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTER é uma preposição latina que quer dizer: no meio de, no número de; junto de. DISCIPLINA vem do conceito de aprender, objeto do conhecimento. Apesar de conhecida desde os anos 60, a palavra ainda não tinha adquirido a conotação específica que se tem hoje. Foi no Seminário Internacional realizado na Universidade de Nice, França em 1970, que houve um marco na definição e no tratamento da interdisciplinaridade, voltada principalmente para o papel da universidade, neste seminário também se discutiu a pesquisa na construção do conhecimento e a utilidade do processo para o crescimento do ensino. Num tempo de comunicações rápidas e de fácil contágio terminológico, o jargão da interdisciplinaridade alastrou-se facilmente, não apenas pela sensação de novidade mas, ainda, por uma justificada preocupação com a busca de novos paradigmas, que viessem a responder às inquietações teóricas e práticas associadas as mutações que o saber e o agir enfrentam nos dias de hoje.

24 24 A importância da interdisciplinaridade é indiscutível que, longe de restringir-se a simples metodologia de ensino e aprendizagem, é também uma das molas propulsoras na reformulação do saber, do ser, do fazer. COIMBRA (2000:p.52). A interdisciplinaridade é considerada uma das vias possíveis para articular o conhecimento sobre o meio ambiente. De acordo com ROCHA;2002:p.9, se entende por interdisciplinaridade ambiental: Como o processo de pesquisa, de conhecimento, de levantamento, análise e síntese da realidade por diferentes campos disciplinares em trabalho conjunto interligado por um objetivo unificado, o de compreender e resolver problemáticas sócioambientais. A interdisciplinaridade envolve um compromisso com as diferentes disciplinas para obter o conhecimento da realidade, mas para BARBOSA;2000p.297: não se trata de ambientalizar as ciências existentes, como se o ambiente fosse uma nova dimensão a ser internalizada às disciplinas. Tampouco se trata de criar uma disciplina síntese, uma ciência totalitária. No entanto, deve-se conhecer os paradigmas das ciências existentes, pois o interdisciplinar não exclui o disciplinar, mas supõe como referencial básico. Em todos o níveis educacionais é exigida a interdisciplinaridade devido a complexidade dos fenômenos vitais, pessoais, sociais e naturais e é considerada como importante alternativa ao desenvolvimento profissional cientifico.

25 25 O curso de extensão segundo ROCHA;2002;p.11, pode ser a saída: o excessivo encerramento acadêmico, na busca de divulgar e democratizar o conhecimento. Uma ciência fechada não é mais suportada, pois passa a não resolver questões sociais pela falta de vínculo entre estudo e sociedade A estrutura universitária rígida e tradicional deforma uma tendência natural do aluno de perceber seu ambiente com uma visão múltipla. A extensão acontece quando orientadores e alunos desenvolvem o trabalho de pesquisa associando práticas integradas com as comunidades envolvidas pesquisa-ação. De acordo com a Recomendação nº 13 da Conferência de Tbilisi, segundo DIAS;1992:p.81, as universidades deve estimular a aplicação de um tratamento interdisciplinar ao problema fundamental da correlação entre o homem e a natureza, em qualquer que seja as disciplinas. A finalidade da interdisciplinaridade na Educação Ambiental de acordo com BARBOSA;2000:p.298, é uma ação do conhecimento que consiste em confrontar saberes, cuja finalidade é alcançar outro saber, mais complexo, diverso daquele que seria efetuado, caso não existisse o encontro entre diferentes disciplinas.

26 CAPÍTULO VI RESULTADOS: ENTREVISTA COM O PROF. DA INSTITUIÇÃO 26 Esta entrevista foi realizada com um professor de uma universidade no Rio de Janeiro, com o objetivo de verificar, na prática, como a instituição aborda a Educação Ambiental, se é como disciplina, qual sua metodologia, como é o interesse dos alunos sobre o tema. Quais são as dificuldades encontradas para a realização da temática e se possui projetos com a participação da comunidade. Foi uma conversa informal onde foram definidos tópicos para uma orientação do roteiro pré-estabelecido. Segue a entrevista: a) Qual sua formação acadêmica? - Possuo formação em Biologia, pedagogia, mestre em Educação e estou fazendo doutorado em Saúde Ambiental. De acordo com o professor existem outros professores na instituição que lecionam a disciplina, mas na mesma área de graduação, ou seja Biologia. b) Há quanto tempo existe a Educação Ambiental nesta instituição? - Desde 1992, já havia um grupo chamado "GIEA" (Grupo interdisciplinar em Educação Ambiental). c) È uma disciplina? Eletiva? Como é a procura dos alunos? - Não é disciplina. A Educação Ambiental é inserida em dois projetos a nível de pós-graduação: Um curso é de pós-graduação de ciências, que às vezes conseguimos incluir a disciplina de Educação Ambiental e o outro é de Iniciação a Docência.

27 27 Existe uma disciplina para elaboração de monografia, que o aluno pode escolher a Educação Ambiental como tema, mas os alunos não se inscrevem, porque preferem fazer sua monografia na área específica da biologia. d) Qual sua opinião sobre a Educação Ambiental na Universidade? - Na graduação acho necessária, porque estaria discutindo os pressupostos teóricos, mas na educação básica, isso já foi muito discutido, seria um retrocesso ter a Educação Ambiental como disciplina. A geografia, biologia na disciplina de ciências sempre trabalhou com o meio ambiente, mas isso não é Educação Ambiental. Aqui na universidade existe a dificuldade de montar uma grade para os cursos de pós-graduação, principalmente com Educação Ambiental. Nem sempre a EA pode ser incluída, depende da disponibilidade da carga horária dos professores, pois os cursos de pós não contam como carga horária trabalhada, então vai muito da possibilidade do professor. e) Você considera importante a teoria da Educação Ambiental? - Dentro de um projeto a Educação Ambiental é necessário. A aula teórica é importante, mas quando agente vai para campo, você começa encontrar várias conexões e percebe que a coisa é mais complexa. Surge a necessidade do auxilio de outras ciências. Já houve caso de necessitarmos até da ajuda de um "pai de santo", pois o projeto seria realizado numa área de que a comunidade fazia seus rituais religiosos. Não poderíamos desrespeitar a crença da comunidade. Em conversa com o professor foi mencionado que a instituição possui um projeto com uma comunidade no Estado, mas às vezes encontra dificuldade de levar os alunos, por ser uma comunidade distante da instituição.

28 28 f) Alguns autores mencionam que não há diálogo na Educação Ambiental, você concorda? E a confusão com o nome Educação Ambiental? - Não concordo com a falta de diálogo. Acontece o seguinte: No Brasil a Educação Ambiental começou na era da ditadura militar, onde não era permitido nenhuma manifestação social, não era permitido falar em Educação Ambiental, no sentido mais amplo. Por isso o conceito ficou muito voltado para a ecologia, onde só se levantava a problemática da natureza. Esta idéia ficou muito forte, daí que até hoje pensam que Educação Ambiental e Ecologia é a mesma coisa. g)qual sua opinião sobre a nossa legislação? - Como tudo que é novo, precisa ser mais elaborado com o tempo. A legislação é importante, mas sozinha não conta. h) Qual a bibliografia utilizada? E adotada? - Existem várias bibliografias clássicas como é o caso do livro de Genebaldo, mas não dá para trabalhar somente com os livros de Educação Ambiental, é necessário muitas vezes buscar o auxílio nas outras ciências. SÍNTESE DA EMENTA DO CURSO EMENTA: Educação Ambiental. Meio Ambiente. Cidadania e Qualidade de Vida Saúde. Meio Ambiente e Desenvolvimento. Ensino e Pesquisa. UNIDADES: Educação Ambiental e Meio Ambiente. Cidadania e qualidade de vida. Meio Ambiente e desenvolvimento. Educação Ambiental: Ensino e Pesquisa. OBJETIVOS, PROCEDIMENTOS, TÉCNICAS, MÉTODOS:

29 29 A disciplina é desenvolvida com o objetivo de proporcionar uma reflexão crítica sobre os fatores que ocasionam e/ou interferem nos problemas ambientais atuais e a necessidade da implantação da Educação Ambiental como uma possibilidade de entendimento, controle e resolução dessas questões ambientais. Para isso são utilizadas aulas expositivas (teóricas); apresentações de seminários; dinâmicas de grupo; estudos de textos; pesquisas bibliográficas; exibições de vídeos; entrevistas; atividades de observação e experimentação; trabalhos de campo. SINTESE DAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADOTADA PELO PROFESSOR NO CURSO: BARBIERI, José Carlos. Desenvolvimento e meio ambiente: as estratégias de mudanças da Agenda 21.Petrópolis, RJ: Vozes, BOFF, Leonardo. Ecologia: grito da terra, grito dos pobres. São Paulo: Ática, CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE. Agenda 21 - Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE MEIO AMBIENTE E SOCIEDADE: EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO PÚBLICA PARA A SUSTENTABILIDADE. Educação para um futuro sustentável: uma visão transdisciplinar para ações compartilhadas. UNESCO.- Brasília: Ed. IBAMA, CRESPO, S. et al. O que o brasileiro pensa do meio ambiente, do desenvolvimento e da sustentabilidade. Rio de Janeiro: MAST/ISER/MMA/MCT, 1998.

30 30 CURRIE, Karen et al. Meio ambiente: interdisciplinaridade na prática. Campinas, SP: Papirus, CZAPSKI, Silvia. A implantação da Educação Ambiental no Brasil. Coordenação de Educação Ambiental do Ministério da Educação e do Desporto: Brasília, DF, 1998 D ÁVILA NETO, Maria Inácia (Org.). Desenvolvimento social: desafios e estratégias. Rio de Janeiro: Imprinta, DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, DIEGUES, Antônio Carlos (Org.). Etnoconservação. Novos rumos para a conservação da natureza. São Paulo: Hucitec, DIEGUES, Antonio Carlos e ARRUDA, Rinaldo S. V. (Orgs.). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; São Paulo: USP, GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Os (des) caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1990 GRÜN, Mauro. Ética e educação ambiental: a conexão necessária. Campinas, SP: 1996 GUATARRI, Félix. As três ecologias. São Paulo: Papirus, 1990.

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60 Um pouco da História da Educação Ambiental Década de 60 1962 Livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson - alertava sobre os efeitos danosos de inúmeras ações humanas sobre o ambiente, como por exemplo

Leia mais

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO...

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... RAQUEL DA SILVA PEREIRA raquelspereira@uol.com.br universidade municipal de são caetano do sul O livro escrito pelos professores e pesquisadores José Carlos Barbieri

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POSSÍVEIS DIÁLOGOS PARA PRÁTICA DO PROFESSOR

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POSSÍVEIS DIÁLOGOS PARA PRÁTICA DO PROFESSOR 1 EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POSSÍVEIS DIÁLOGOS PARA PRÁTICA DO PROFESSOR Pollyana de Macedo Villela ESEFFEGO/UEG Suzianne Morais ESEFFEGO/UEG RESUMO O presente trabalho apresenta possíveis

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS E CORRENTES Talita Cristina de Oliveira Educação ato de educar; ensino; processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício (Ruth

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007 Karla Ferreira DIAS 1 ; Dr. Agustina Rosa ECHEVERRÍA 2 1,2 Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Módulo Educação Ambiental Prof. Fernando Santiago dos Santos

Módulo Educação Ambiental Prof. Fernando Santiago dos Santos Campus São Roque Curso de Extensão Educação Ambiental e Parasitoses Módulo Educação Ambiental Prof. Fernando Santiago dos Santos Aula 1 06 de abril de 2011 1. Definições de Educação Ambiental 2. O paradigma

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL Profa. Lucy Almeida Ecocidadania e movimentos sociais Crise ambiental do mundo globalizado: A crise ambiental do mundo globalizado trouxe a necessidade de se desenvolver a

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

Sensibilização Ambiental a partir do Plantio de Mudas Nativas, no Município de Guaçuí, Espírito Santo. M. V. Costa Filho 1* &. A.

Sensibilização Ambiental a partir do Plantio de Mudas Nativas, no Município de Guaçuí, Espírito Santo. M. V. Costa Filho 1* &. A. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 465 Sensibilização Ambiental a partir do Plantio de Mudas Nativas, no Município de Guaçuí, Espírito Santo. M. V. Costa Filho 1* &. A. Amaral

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-2 DISCIPLINA: Projetos e Interdisciplinaridade Código: JP0058 PROFESSOR: Ms. Claudemir Madeira I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 30h II EMENTA Estudo teórico e prático

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Graciane Rodrigues Rocha (*), Juliana Rodrigues Rocha, Caroline

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

META Possibilitar ao aluno uma reflexão sobre os aspectos teóricos e práticos da Educação Ambiental.

META Possibilitar ao aluno uma reflexão sobre os aspectos teóricos e práticos da Educação Ambiental. TEORIA E PRÁTICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL META Possibilitar ao aluno uma reflexão sobre os aspectos teóricos e práticos da Educação Ambiental. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Compreender os

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas A CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA CONSERVAÇÃO DA RESERVA R-3 ENVOLVENDO TRÊS ESCOLAS PÚBLICAS EM SINOP-MT Sinovia Cecília Rauber Curso de Especialização em Educação e Meio Ambiente FASIPE SINOP/MT

Leia mais

Curso Educação Ambiental e Ética

Curso Educação Ambiental e Ética Curso Educação Ambiental e Ética Módulo 3 - Marcos referenciais em Educação Ambiental 1 Módulo 3 - Marcos referenciais em Educação Ambiental Primeiros movimentos em direção a uma Educação Ambiental A Conferência

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CLAUDIA LISETE OLIVEIRA GROENWALD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CANOAS RS.

EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CLAUDIA LISETE OLIVEIRA GROENWALD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CANOAS RS. 1 EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CLAUDIA LISETE OLIVEIRA GROENWALD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CANOAS RS. Viver com sustentação tornou-se, nos últimos anos, um conceito de vida que

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16.

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz

Leia mais

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares Faculdade de ciências e tecnologia do maranhão-facema Caxias/MA pedroftb@hotmail.com.br/coor.educacaoambiental@facema.edu.br

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores.

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores. INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA: DIFICULDADES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA, DA REDE PÚBLICA BRASILEIRA, PARA A IMPLANTAÇÃO DESSAS PRÁTICAS. GIMENEZ DA SILVA AUGUSTO, THAÍS

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ Governador do Estado do Piauí: Dr. Francisco de Assis de Moraes Souza Vice- Governador do Estado do Piauí: Dr. Osmar Ribeiro de Almeida Júnior Secretário

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: GESTÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE Código: Pré-Requisito: -----

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2º/2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR Autora: Lívia Costa de ANDRADE- liviacandrade@uol.com.br Orientadora: Sandra de Fátima OLIVEIRA sanfaoli@gmail.com.br

Leia mais

Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu)

Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu) Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu) O Curso de Especialização Docente em Educação Ambiental (Lato Sensu) é fruto de uma Dissertação desenvolvida no Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa GESTÃO EDUCACIONAL INTEGRADA: Oferecendo 04 Habilitações: supervisão de ensino, orientação educacional, inspeção de ensino e administração escolar. JUSTIFICATIVA O Curso de Especialização em Gestão Educacional

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Facinor- Faculdade

Leia mais

ESTAGIÁRIOS ATUANDO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL: RELATANDO EXPERIÊNCIAS

ESTAGIÁRIOS ATUANDO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL: RELATANDO EXPERIÊNCIAS ESTAGIÁRIOS ATUANDO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL: RELATANDO EXPERIÊNCIAS NORONHA, Maria Glícia Rocha da Costa e Silva mglicia@gmail.com CORASOLLA, Marine Alvarez Martinez acorasolla@gmail.com ANDRADE,

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 OBJETIVOS DO PROJETO:...5 3 METAS PARA A SUSTENTABILIDADE...6 4 JUSTIFICATIVAS...6 4.1-

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA)

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA) EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA) Processos educativos que procuram incorporar em suas propostas pedagógicas as implicações tanto teóricas quanto práticas do ideário ambientalista. A EA teve sua origem vinculada

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BAPTISTA, Ligia Pavan. Palavras-chave: Ética, Administração Pública, Ética Pública

CURSO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BAPTISTA, Ligia Pavan. Palavras-chave: Ética, Administração Pública, Ética Pública CURSO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BAPTISTA, Ligia Pavan Palavras-chave: Ética, Administração Pública, Ética Pública R E S U M O 1. INTRODUÇÃO A proposta do curso de Ética na

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR E NA PÓS- GRADUAÇÃO.

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR E NA PÓS- GRADUAÇÃO. FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR E NA PÓS- GRADUAÇÃO. Vilma M. Marcassa Barra NIMAD/ UFPR O conceito de Educação Ambiental mais aceito hoje em dia estabelece que esta é

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Ciências Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conteúdos e fundamentos

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E FORMAÇÃO DE EDUCADORES RESUMO:

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E FORMAÇÃO DE EDUCADORES RESUMO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E FORMAÇÃO DE EDUCADORES Solange Reiguel Vieira 1 Josmaria Lopes de Morais 2 UTFPR solgeografia@gmail.com jlmorais@utfpr.edu.br RESUMO: A Educação Ambiental (EA) surge como

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais