um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode"

Transcrição

1 1 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS NO SGBD ORACLE 11G JUVENAL LONGUINHO DA SILVA NETO 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo apresenta como criar, modificar e excluir usuários, privilégios, atribuições e perfis em instâncias de banco de dados Oracle 11g. A definição de cada item é feito com base na literatura sobre o assunto sendo apresentados exemplos práticos. Palavras-chave: Banco de Dados, Oracle, Administração, Usuário, Perfil, Atribuição e Privilégio. 1. INTRODUÇÃO Para realizarmos qualquer ação em um servidor de banco de dados é necessário ter um usuário com determinados privilégios de acesso ao servidor. No banco de dados Oracle 11g existem diferentes privilégios que podem ser concedidos aos usuários, e gerenciar os privilégios individualmente pode se tornar uma tarefa extremamente cansativa. Para facilitar essa tarefa de gerenciamento, normalmente, utilizamos atribuições para agrupar os privilégios. Geralmente temos vários usuários conectados ao banco de dados e executando ações concorrentes e simultâneas. Para evitar que um usuário específico consuma em excesso os recursos disponíveis (CPU, E/S, memória), o que prejudicaria os demais usuários, o banco de dados Oracle 11g fornece 1 Especialista em Banco de Dados e Business Inteligence 2 DBA, Mestre em informática e Professor do Centro Universitário Newton Paiva

2 2 um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode utilizar. Este artigo discute as funcionalidades para criar usuários, controlar perfis, conceder privilégios e estabelecer atribuições no SGBD Oracle 11g. Para entendimento deste artigo é necessário conhecimentos de conceitos básicos do SGBD Oracle. 2. USUÁRIOS Uma conta de usuário é identificada por um nome (de no máximo trinta caracteres) e está associado a somente um esquema, com o mesmo nome do usuário, no banco de dados. Os termos usuário e esquema podem ser usados alternadamente em um ambiente Oracle, mas nem sempre querem dizer a mesma coisa. Um usuário é o nome utilizado para estabelecer uma conexão com o banco de dados. Um esquema é um conjunto de objetos de propriedade do usuário: tabelas, índices, seqüências, visões, entre outros (WATSON, 2010). O comando utilizado para criar um usuário é o CREATE USER. Esse comando possui somente dois parâmetros obrigatórios: o nome e a senha do usuário. No entanto, é boa prática definir vários outros parâmetros para a conta do usuário (WATSON, 2010). Abaixo, conforme apresentando por BRYLA & LONEY (2009), os principais parâmetros utilizados quando um usuário é criado. Parâmetros Nome do usuário IDENTIFIED BY senha DEFAULT TABLESPACE TEMPORARY TABLESPACE Uso Especifica o nome que identifica a conta do usuário. Ele pode ter até 30 caracteres e não pode ser uma palavra reservada a menos que ela esteja entre aspas (o que não é recomendado). Especifica a senha do usuário para acesso ao banco de dados. Especifica o tablespace padrão onde os objetos permanentes da conta do usuário serão criados, exceto, quando o tablespace é explicitamente especificado durante a criação dos objetos. Especifica o tablespace onde os segmentos temporários, da conta do usuário, serão criados durante as operações de classificação, criação de índices, etc.

3 3 Parâmetros QUOTA PROFILE PASSWORD EXPIRE ACCOUNT {LOCK UNLOCK} Uso Especifica a quantidade de espaço, ou tamanho, permitido para os objetos criados no tablespace especificado. O tamanho pode ser em kilobytes(k) ou em megabytes(m). Especifica o perfil atribuído a este usuário. Ele será discutido mais adiante nesse artigo. Se um perfil não for especificado, o perfil utilizado será o DEFAULT. Especifica que após o primeiro logon, o usuário deve alterar a senha. Especifica se a conta do usuário está bloqueada (LOCK) ou desbloqueada (UNLOCK). Por padrão, a conta do usuário será criada desbloqueada. Tabela 1: Principais parâmetros para a criação da conta de usuário. Fonte: BRYLA & LONEY (2009) Exemplo do comando para criar a conta do usuário CREATE USER JUVENAL IDENTIFIED BY ACCOUNT UNLOCK DEFAULT TABLESPACE USERS TEMPORARY TABLESPACE TEMP; Exemplo do comando para alterar a conta do usuário ALTER USER JUVENAL IDENTIFIED BY ACCOUNT LOCK; Exemplo do comando para remover a conta do usuário DROP USER JUVENAL; 3. PERFIS Um processo de usuário pode consumir, em excesso, recursos como CPU, espaço em disco ou largura de banda de E/S (Entrada / Saída). Como esses recursos geralmente são limitados, o Oracle 11g possui um mecanismo para limitar e controlar a quantidade desses recursos que os processos do usuário podem consumir. Além disso, os perfis também podem ser usados como um mecanismo de autorização para controlar como as senhas de usuários são criadas, reutilizadas e validadas (BRYLA & LONEY, 2009).

4 4 Um perfil tem dupla função: impor uma política para a senha da conta de usuário (limites para as senhas) e restringir os recursos que uma sessão pode ocupar (limites para os recursos). No banco de dados Oracle 11g os limites para as senhas são sempre obrigatórios; e os limites para os recursos só são obrigatórios se o parâmetro de instância RESOURCE_LIMIT estiver como TRUE (por padrão ele é FALSE). Todas as contas de usuários têm um perfil, por padrão, chamado de DEFAULT. O perfil DEFAULT pode ser ajustado, e a alteração será imediatamente aplicada a todos os usuários com o perfil. Perfis adicionais podem ser criados e atribuídos explicitamente a certos usuários (WATSON, 2010). A seguir é descrito os dois limites apresentados: a. Limites para as senhas Segundo WATSON (2010), os limites que podem ser aplicados a política de senha são: Parâmetros FAILED_LOGIN_ATTEMPTS PASSWORD_LOCK_TIME PASSWORD_LIFE_TIME PASSWORD_GRACE_TIME PASSWORD_REUSE_TIME PASSWORD_REUSE_MAX PASSWORD_VERIFY_FUNCTION Uso Especifica o número de erros consecutivos em uma senha antes de a conta do usuário ser bloqueada. Se a senha correta for fornecida antes desse limite ser alcançado, o contador é redefinido como zero. Especifica o número de dias que uma conta ficará bloqueada depois que o FAILED_LOGIN_ATTEMPTS for atingido. Especifica o número de dias antes de uma senha expirar. Ela ainda poderá ser usada por algum tempo após a expiração, dependendo da configuração utilizada em PASSWORD_GRACE_TIME. Especifica o número de dias depois do primeiro logon bemsucedido após a senha ter expirado. A senha antiga ainda pode ser usada durante esse período. Especifica o número de dias antes que uma senha possa ser reutilizada. Especifica o número de vezes que uma senha pode ser reutilizada. Especifica o nome de uma função a ser executada sempre que uma senha for alterada. A finalidade da função deve ser verificar se a nova senha tem um grau de complexidade adequado. Tabela 2: Principais limites aplicados a política de senha.

5 5 Fonte: WATSON (2010) b. Limites para os recursos Segundo WATSON (2010), os limites que podem ser aplicados ao uso dos recursos (também conhecidos como limites de kernel) são: Parâmetros SESSIONS_PER_USER Uso Especifica o número de logins concorrentes que podem ser feitos à mesma conta de usuário. Sessões que tenta fazer login com o mesmo nome de usuário após esse limite ser alcançado serão bloqueadas. CPU_PER_SESSION CPU_PER_CALL LOGICAL_READS_PER_SESSION LOGICAL_READS_PER_CALL PRIVATE_SGA CONNECT_TIME IDLE_TIME COMPOSITE_LIMIT Especifica o tempo de CPU, em centissegundos, que um processo de servidor de uma sessão pode ser usado antes da sessão ser forçadamente terminada. Especifica o tempo de CPU, em centissegundos, que um processo de servidor de uma sessão pode ser usado para executar uma instrução SQL, antes de a instrução ser forçadamente terminada. Especifica o número de blocos que podem ser lidos por uma sessão (independentemente de eles estarem no cache de buffer do banco de dados ou lidos no disco) antes que a sessão seja forçadamente terminada. Especifica o número de blocos que podem ser lidos por uma única instrução SQL (independentemente de eles estarem no cache de buffer do banco de dados ou lidos no disco) antes que a instrução seja forçadamente terminada. Para sessões conectadas por meio da arquitetura de servidor compartilhado, especifica o número, em kilobytes, que a sessão pode usar na SGA (System Global Area). Especifica a duração máxima, em minutos, máxima de uma sessão antes de ser forçadamente terminada. Especifica tempo máximo, em minutos, que uma sessão pode ficar ociosa antes de ser forçadamente terminada. Especifica uma soma ponderada dos parâmetros acima. Geralmente utilizamos esse parâmetro quando precisamos dar flexibilidade e tolerância às operações executadas pelos usuários, assim estamos limitando o usuário pelo uso ponderado

6 6 Parâmetros Uso dos recursos e pela disponibilidade de cada recurso no servidor. Tabela 3: Principais limites aplicados aos recursos. Fonte: WATSON (2010) Os limites para os recursos só são obrigatórios se o parâmetro de instância RESOURCE_LIMIT estiver como TRUE. Por padrão, esse parâmetro é definido com FALSE. Uma das maneiras para ativar o RESOURCE_LIMIT é utilizar a sintaxe: ALTER SYSTEM SET RESOURCE_LIMIT=TRUE; Segundo BRYLA & LONEY (2009), nos limites aplicados ao uso dos recursos existem dois tipos de valores especiais que podem ser aplicados aos seus parâmetros: UNLIMITED e DEFAULT. O valor de parâmetro UNLIMITED significa que não há limites sobre quanto do recurso determinado pode ser utilizado, já o valor de parâmetro DEFAULT significa que este parâmetro assume seus valores a partir do perfil DEFAULT. Ainda conforme BRYLA & LONEY (2009), a maneira como o banco de dados Oracle 11g trata um dos limites de recursos que está sendo excedido, depende do tipo deste. Mas na maioria dos casos, a sessão será forçadamente terminada quando o limite para um recurso determinado for excedido. Por exemplo, caso haja uma transação em andamento quando uma sessão for terminada porque o limite de um recurso foi alcançado, ela sofrerá rollback. Se uma instrução for terminada, o trabalho feito por ela sofrerá um rollback, mas todas as instruções anteriores permanecerão intactas. Exemplo para criar um perfil CREATE PROFILE EXEMPLO LIMIT CONNECT_TIME 120 FAILED_LOGIN_ATTEMPTS 8; Exemplo para alterar um perfil ALTER PROFILE EXEMPLO LIMIT PASSWORD_LIFE_TIME 180

7 7 PASSWORD_GRACE_TIME 7 PASSWORD_REUSE_MAX UNLIMITED FAILED_LOGIN_ATTEMPTS 10 PASSWORD_LOCK_TIME 1; Exemplo para remover um perfil DROP PROFILE EXEMPLO; 4. PRIVILÉGIOS Segundo WATSON (2010), em um banco de dados Oracle 11g não é possível fazer nada sem o(s) privilégio(s) correto(s). Um usuário não pode sequer conectar-se sem ter o privilégio para tal e, uma vez que conectado, ele não pode fazer mais nada de útil (ou perigoso) sem receber mais privilégios. Os privilégios são atribuídos às contas de usuários com o comando GRANT e removidos através do comando REVOKE. Na maioria das vezes que o usuário não possui privilégio para executar uma ação, o banco de dados Oracle 11g emite uma mensagem de advertência semelhante a esta: ORA : Privilégios Insuficientes. Ainda segundo WATSON (2010), podemos dividir os privilégios em dois grupos: privilégios de sistemas e privilégios de objeto. O primeiro grupo permite que os usuários executem ações que afetam o dicionário de dados, já o segundo grupo permite aos usuários executar ações que afetam os dados. Outra definição que podemos usar é dada por BRYLA & LONEY (2009): eles nos dizem que um privilégio de sistema é um direito para executar ações, que não envolvam nenhum objeto específico, mas sim procedimentos tais como alterar os parâmetros da instância, criar atribuições e criar usuários. Em um banco de Oracle 11g existem aproximadamente duzentos privilégios de sistemas. A relação completa desses privilégios pode ser encontrada na tabela do dicionário de dados chamada SYSTEM_PRIVILEGE_MAP. Os privilégios de objeto são definidos por BRYLA & LONEY (2009) como um direito que permite executar comandos como ALTER, SELECT,

8 8 INSERT, UPDATE e DELETE em tabelas, visões, procedimentos ou seqüências existentes no banco de dados. Os privilégios de sistema podem ser concedidos para um usuário, atribuição (será discutido mais adiante) ou para o grupo PUBLIC. Um fator importante ressaltado tanto por BRYLA & LONEY (2009), como por WATSON (2010), é que os privilégios de sistema ou de objeto devem ser concedidos para o grupo PUBLIC somente quando for realmente necessário. PUBLIC é um grupo especial que inclui todos os usuários do banco de dados e é um atalho para conceder privilégios para todas as contas de usuários. Quando estamos concedendo um privilégio, podemos permitir que os beneficiados pelos privilégios concedam estes mesmos a outros usuários, para isso basta incluir o parâmetro WITH ADMIN OPTION ao final do comando GRANT. A seguir temos a descrição de alguns privilégios de sistema (BRYLA & LONEY, 2009): Privilégio ALTER SYSTEM CREATE USER CREATE SESSION CREATE TABLE SYSDBA Capacidade Permite modificar os parâmetros de inicialização do banco de dados Oracle 11g. Permite criar novos usuários. Permite abrir uma conexão com o banco de dados. Permite criar tabelas somente no seu esquema. Esse é um privilégio especial, permite ao usuário executar qualquer ação dentro do banco de dados Oracle 11g. Tabela 4: Alguns privilégios de sistema. Fonte: (BRYLA & LONEY, 2009) Exemplo de como conceder um privilégio de sistema GRANT CREATE SESSION TO JUVENAL; Exemplo de como retirar um privilégio de sistema REVOKE CREATE ANY TABLE FROM JUVENAL;

9 9 Assim como nos privilégios de sistema, podemos conceder privilégios de objeto a um usuário, atribuição ou para o grupo PUBLIC. E também podemos usar o parâmetro WITH ADMIN OPTION para permitir que os beneficiados repassem os mesmo privilégios a outros usuários. A seguir temos a descrição de alguns privilégios de objeto (BRYLA & LONEY, 2009): Privilégio ALTER EXECUTE SELECT INSERT DELETE UPDATE Capacidade Permite alterar a estrutura de uma tabela ou seqüência. Permite executar a função (FUNCTION) ou procedimento (PROCEDURE). Permite ler as linhas de tabela ou visão, e adicionalmente, ler o valor corrente e o próximo valor para uma seqüência. Permite inserir dados em uma tabela ou visão. Permite apagar os dados de uma tabela ou visão. Permite atualizar os dados em uma tabela ou visão. Tabela 5: Alguns privilégios de objeto. Fonte: (BRYLA & LONEY, 2009): Exemplo de como conceder privilégios de objeto GRANT SELECT ON LUCAS.TABELA01 TO JUVENAL; GRANT SELECT, INSERT, UPDATE ON LUCAS.TABELA02 TO JUVENAL; Exemplo de como retirar privilégios de objeto REVOKE UPDATE ON LUCAS.TABELA02 FROM JUVENAL; 5. ATRIBUIÇÕES No contexto do banco de dados Oracle 11g, uma atribuição (role em inglês) é conjunto de privilégios de sistema e/ou privilégios de objeto que podem ser concedidos e revogados com uma unidade (WATSON, 2010). Também podemos dizer que uma atribuição é um grupo nomeado de privilégios, sejam eles de sistema ou de objeto, ou uma combinação de ambos, que facilita a administração dos privilégios em

10 10 um banco de dados Oracle 11g. Em vez de conceder privilégios de sistemas ou de objeto individualmente para cada usuário, é possível conceder um grupo de privilégios a uma atribuição e, por sua vez, a atribuição pode ser concedida aos usuários (BRYLA & LONEY, 2009). Criamos as atribuições utilizando o comando CREATE ROLE e as removemos através do comando DROP ROLE. As atribuições não são objetos de um esquema, ou seja, elas não pertencem a nenhum usuário específico. Uma vez que a atribuição esteja criada, podemos conceder todos os privilégios que julgamos necessários para a atribuição, os privilégios são concedidos através do comando GRANT visto anteriormente (WATSON, 2010). Exemplo para criar uma atribuição CREATE ROLE DESENVOLVEDORES; Exemplo para conceder privilégios uma atribuição GRANT CREATE SESSION TO DESENVOLVEDORES; GRANT CREATE TABLE TO DESENVOLVEDORES; GRANT CREATE VIEW TO DESENVOLVEDORES; GRANT CREATE PROCEDURE TO DESENVOLVEDORES; GRANT SELECT, UPDATE ON IREMAR.TABELA02 TO DESENVOLVEDORES; Exemplo para atribuir uma atribuição a usuário GRANT DESENVOLVEDORES TO JOAO; Exemplo para excluir uma atribuição DROP ROLE DESENVOLVEDORES; 6. CONCLUSÃO Um banco de dados Oracle 11g fornece excelentes mecanismos para o gerenciamento da segurança do usuário, além de permitir controlar, através de perfil, os recursos disponíveis e a política de senha para os usuários. O mecanismo de privilégios, juntamente com as atribuições, é transparente e de fácil utilização, permitindo conceder aos usuários os direitos necessários para a execução das tarefas.

11 11 REFERÊNCIAS BRYLA, Bob; LONEY, Kevin. Oracle Database 11g: Manual do DBA. Tradução Altair Caldas Dias de Moraes. Porto Alegre. Ed. Bookman WATSON, John. OCA Oracle Database 11g: Administração I: guia do exame 1Z Tradução Altair Caldas Dias de Moraes. Porto Alegre. Ed. Bookman

Banco de Dados II. Administração do SGBD Oracle. Tablespaces, usuários, privilégios, papéis e perfis. Gustavo Dibbern Piva

Banco de Dados II. Administração do SGBD Oracle. Tablespaces, usuários, privilégios, papéis e perfis. Gustavo Dibbern Piva Banco de Dados II Administração do SGBD Oracle. Tablespaces, usuários, privilégios, papéis e perfis. Gustavo Dibbern Piva 1 Tablespace Um tablespace é uma unidade lógica onde os dados são armazenados.

Leia mais

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES.

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. SEGURANÇA DE USUÁRIOS Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. Todos os usuários são cadastrados no Dicionário de Dados do Banco em tabelas e views

Leia mais

Configurando um SGBD Oracle de forma # segura # Gerson S V Júnior (http://diaadiaoracle.blogspot.com)

Configurando um SGBD Oracle de forma # segura # Gerson S V Júnior (http://diaadiaoracle.blogspot.com) Configurando um SGBD Oracle de forma # segura # Gerson S V Júnior (http://diaadiaoracle.blogspot.com) O que deve ser observado? Protecting the database environment (Proteja seu ambiente) Install only what

Leia mais

DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS. Fábio Roberto Octaviano

DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS. Fábio Roberto Octaviano DO BÁSICO AO AVANÇADO PARA MANIPULAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DE DADOS Fábio Roberto Octaviano Controlando Acesso dos Usuários Após o término do Capítulo: Diferenciar privilégios de sistema e privilégios de objetos.

Leia mais

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Para efetuar com sucesso os exemplos que serão mostrados a seguir é necessário que exista no SQL Server uma pessoa que se conecte como Administrador,

Leia mais

Administração de Usuários e Privilégios no Banco de Dados

Administração de Usuários e Privilégios no Banco de Dados Administração de Usuários e Privilégios no Banco de Dados Todo agrupamento de bancos de dados possui um conjunto de usuários de banco de dados. Estes usuários são distintos dos usuários gerenciados pelo

Leia mais

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE Faculdade Pernambucana - FAPE Visão Geral dos Componentes Principais da Arquitetura Oracle Servidor Oracle É o nome que a Oracle deu ao seu SGBD. Ele consiste de uma Instância e um Banco de Dados Oracle.

Leia mais

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com BANCO DE DADOS WEB AULA 4 linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O que é SQL? Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL,

Leia mais

Quando se seleciona os modos OS ou XML, arquivos são criados com os registros de auditoria, eles se localizam parâmetro audit_file_dest.

Quando se seleciona os modos OS ou XML, arquivos são criados com os registros de auditoria, eles se localizam parâmetro audit_file_dest. Auditoria é a habilidade do banco de dados Oracle poder gerar logs de auditoria (XML, tabelas, arquivos de SO, ) em atividades suspeitas do usuário, como por exemplo: monitorar o que um determinado usuário

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37 7 Sumário Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 13 Capítulo 1 Instalação e Configuração... 15 Instalação em Linux... 15 Instalação e Customização do Red Hat Advanced Server 2.1... 16 Preparativos

Leia mais

Aula 2 Arquitetura Oracle

Aula 2 Arquitetura Oracle Aula 2 Arquitetura Oracle Instancia Oracle Uma instância Oracle é composta de estruturas de memória e processos. Sua existência é temporária na memória RAM e nas CPUs. Quando você desliga a instância em

Leia mais

MySQL: Controle de Acesso

MySQL: Controle de Acesso MySQL: Controle de Acesso Programação de Servidores Marx Gomes Van der Linden http://marx.vanderlinden.com.br/ Controle de Acesso MySQL tem um sistema de controle de acesso de usuários que é independente

Leia mais

Conceitos sobre Segurança em Banco de Dados

Conceitos sobre Segurança em Banco de Dados Conceitos sobre Segurança em Banco de Dados Os bancos de dados são utilizados para armazenar diversos tipos de informações, desde dados sobre uma conta de e- mail até dados importantes da Receita Federal.

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional.

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. Arquitetura Oracle e seus componentes Hoje irei explicar de uma forma geral a arquitetura oracle e seus componentes. Algo que todos os DBA s, obrigatoriamente, devem saber de cabo a rabo. Vamos lá, e boa

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre

Leia mais

AUDITORIA NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2. Resumo: Este artigo discute o processo de auditoria no Sistema Gerenciador de

AUDITORIA NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2. Resumo: Este artigo discute o processo de auditoria no Sistema Gerenciador de AUDITORIA NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 WADSON DUARTE MONTEIRO 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo discute o processo de auditoria no Sistema Gerenciador de Banco de Dados SQL Server 2008

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III 4 ADMINISTRAÇÃO DE SGBDs As pessoas que trabalham com um banco de dados podem ser categorizadas como usuários de banco de dados ou administradores de banco de dados. 1 Entre os usuários, existem

Leia mais

A criação de utilizadores no MySQL pode passar pela utilização de dois comandos: - Create user; - Grant;

A criação de utilizadores no MySQL pode passar pela utilização de dois comandos: - Create user; - Grant; Objetivo: Criar utilizadores e definir os seus direitos no sistema Entrar no MySQL como um utilizador diferente de root Gestão de utilizadores e direitos no MySQL Criar utilizadores e definir os seus direitos

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

SISTEMA PARA AUDITORIA DE SEGURANÇA DE BANCO DE DADOS ORACLE.

SISTEMA PARA AUDITORIA DE SEGURANÇA DE BANCO DE DADOS ORACLE. UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMA PARA AUDITORIA DE SEGURANÇA DE BANCO DE DADOS ORACLE. Alan Filipe Mattiollo Prof. Cláudio Ratke, Orientador Introdução Objetivos

Leia mais

Controle de transações em SQL

Controle de transações em SQL Transações Controle de transações em SQL Uma transação é implicitamente iniciada quando ocorre uma operação que modifica o banco de dados (INSERT, UPDATE ou DELETE). Uma transação pode terminar normalmente

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Esta classe se aplica aos usuários do Banco de Dados Oracle8i,

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

André Milani. Novatec

André Milani. Novatec André Milani Novatec Sumário Agradecimentos...19 Sobre o autor...21 Prefácio...23 Capítulo 1 Bem-vindo ao PostgreSQL...25 1.1 O que é o PostgreSQL?...25 1.1.1 História do PostgreSQL...26 1.1.2 Licença

Leia mais

Uniao Educacional e Tecnologica Impacta- Uni Impacta

Uniao Educacional e Tecnologica Impacta- Uni Impacta Controlando o Acesso do Usuário Objetivos Ao concluir esta lição, você será capaz de: Diferenciar privilégios de sistema de privilégios de objeto Conceder privilégios em tabelas Conceder funções Distinguir

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Guia de Referência Rápida Administração de Bancos de Dados Oracle - Abstratos Tecnologia

Guia de Referência Rápida Administração de Bancos de Dados Oracle - Abstratos Tecnologia Objetivo O objetivo deste guia é tão somente o de servir como referência, um lembrete, da sintaxe dos comandos de administração de bancos de dados Oracle mais usuais. Sendo assim ele não tem o objetivo

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

SEGURANÇA EM BANCO DE DADOS: CONCEITOS E APLICAÇÕES

SEGURANÇA EM BANCO DE DADOS: CONCEITOS E APLICAÇÕES SEGURANÇA EM BANCO DE DADOS: CONCEITOS E APLICAÇÕES Fábio Crepaldi MARTINS 1 Eli CANDIDO JUNIOR ² RESUMO: Um banco de dados deve ser seguro e confiável. Proteger e garantir a segurança de uma base de dados

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Administração de Banco de Dados - Oracle

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Administração de Banco de Dados - Oracle Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Administração de Banco de Dados - Oracle Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Administração de Banco de Dados tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Criando um banco de dados

Criando um banco de dados Após ter projetado o banco de dados, você pode criá-lo utilizando a interface ou com a linguagem. É possível que você queira adicionar tabelas existentes ao banco de dados e depois modificá-las para aproveitar

Leia mais

Programa de aplicação de segurança LOCK Manual do usuário V2.22-T05

Programa de aplicação de segurança LOCK Manual do usuário V2.22-T05 Programa de aplicação de segurança LOCK Manual do usuário V2.22-T05 Índice A. Introdução...2 B. Descrição Geral...2 C. Recursos...3 D. Antes de usar o programa de aplicação de segurança Flashlock...4 E.

Leia mais

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas Treinamento DBA Oracle 11g Duração: 120 horas Neste curso no primeiro módulo (Introdução ao Oracle 11g SQL e PL_SQL) é oferecido um curso introdutório à tecnologia do banco de dados Oracle 11g. Também

Leia mais

Programação com Acesso a Banco de Dados

Programação com Acesso a Banco de Dados Campus Ipanguaçu Curso: Técnico em Informática Programação com Acesso a Banco de Dados AULA 17 ACESSO A BANCO DE DADOS COM JDBC PROF.: CLAYTON M. COSTA 2 011.2 Introdução Aplicação + Banco de Dados: Funcionalidade

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Segurança com o MySQL

Segurança com o MySQL 1. Introdução Segurança com o MySQL Anderson Pereira Ataides O MySQL sem dúvida nenhuma, é o banco de dados open source mais conhecido do mercado e provavelmente o mais utilizado. Ele é rápido, simples,

Leia mais

Segurança em Banco de Dados

Segurança em Banco de Dados Centro de Educação Superior de Brasília Instituto de Educação Superior de Brasília Pós-Graduação em Banco de Dados Segurança em Banco de Dados Cláudio Reis Ferreira Galvão José Augusto Campos Versiani

Leia mais

Resumo do Capítulo 21 Segurança

Resumo do Capítulo 21 Segurança MO410 Banco de Dados I 1º Semestre - 2005 Prof. Responsável: Geovane Cayres Magalhães Resumo do Capítulo 21 Segurança Grupo 13 Aluno RA Fabiana Bellette Gil 028671 Marclei Santos Neves 039095 Índice 1.Introdução...

Leia mais

FAPLAN - Faculdade Anhanguera Passo Fundo Gestão da Tecnologia da Informação Banco de Dados II Prof. Eder Pazinatto Stored Procedures Procedimento armazenados dentro do banco de dados Um Stored Procedure

Leia mais

Instruções de operação Guia de segurança

Instruções de operação Guia de segurança Instruções de operação Guia de segurança Para um uso seguro e correto, certifique-se de ler as Informações de segurança em 'Leia isto primeiro' antes de usar o equipamento. CONTEÚDO 1. Instruções iniciais

Leia mais

COMMANDedx. Guia de Instalação e Configuração 7/6/2012. Command Alkon Inc. 5168 Blazer Parkway Dublin, Ohio 43017 1.800.624.1872 Fax: 614.793.

COMMANDedx. Guia de Instalação e Configuração 7/6/2012. Command Alkon Inc. 5168 Blazer Parkway Dublin, Ohio 43017 1.800.624.1872 Fax: 614.793. COMMANDedx Guia de Instalação e Configuração 7/6/2012 Command Alkon Inc. 5168 Blazer Parkway Dublin, Ohio 43017 1.800.624.1872 Fax: 614.793.0608 2003-2012 Command Alkon Incorporated. Todos os direitos

Leia mais

Visões. Definição de Visões

Visões. Definição de Visões Visões Visão tabela derivada a partir das tabelas do BD tabela virtual isto é transparente para usuários e aplicações visões são manipuladas como tabelas normais do BD Visões fazem parte dos esquemas externos

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO

PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO MASTERSAFDW VERSÃO 5-25/04/12 PÁGINA 1 Índice Informações Importantes... 3 Atualizando o aplicativo... 4 Procedimentos para atualização da base de

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.04.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.04.01.pdf

Leia mais

SQL Introdução ao Oracle

SQL Introdução ao Oracle SQL Introdução ao Oracle Estagiários: Daniel Feitosa e Jaqueline J. Brito Sumário Modelo de armazenamento de dados Modelo físico Modelo lógico Utilizando o SQL Developer Consulta de Sintaxe Sumário Modelo

Leia mais

Este documento irá abordar a montagem de um ambiente do BackOffice Protheus e da Linha RM cuja integração utilize Mensagem Única.

Este documento irá abordar a montagem de um ambiente do BackOffice Protheus e da Linha RM cuja integração utilize Mensagem Única. AMBIENTE LINHA RM E BACKOFFICE PROTHEUS Processo : Ambiente Subprocesso Montagem de Ambiente com Linha RM e BackOffice Protheus. Data da publicação : 10/12/2012 Este documento irá abordar a montagem de

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

BEM VINDO (A) À ACTVS SOFTWARE E APOIO A GESTÃO

BEM VINDO (A) À ACTVS SOFTWARE E APOIO A GESTÃO 1 BEM VINDO (A) À ACTVS SOFTWARE E APOIO A GESTÃO Este guia foi desenvolvido com a finalidade de explicar de forma simples e dinâmica os procedimentos básicos de utilização de nossa rede e seus recursos.

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Desktop

MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Desktop MANUAL DE UTILIZAÇÃO Aplicativo Controle de Estoque Desktop 1 1 INICIANDO O APLICATIVO PELA PRIMEIRA VEZ... 3 2 PÁGINA PRINCIPAL DO APLICATIVO... 4 2.1 INTERFACE INICIAL... 4 3 INICIANDO PROCESSO DE LEITURA...

Leia mais

Gerência de Banco de Dados

Gerência de Banco de Dados exatasfepi.com.br Gerência de Banco de Dados Prof. Msc. André Luís Duarte Banco de Dados Os bancos de dados são coleções de informações que se relacionam para criar um significado dentro de um contexto

Leia mais

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados Oracle 10g - Workshop de Administração I Objetivos do Curso Este curso foi projetado para oferecer ao participante uma base sólida sobre tarefas administrativas fundamentais. Neste curso, você aprenderá

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11 UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas Administracão de Banco de Dados ORACLE Backup / Recovery AULA 11 Prof. MsC. Eng. Marcelo Bianchi AULA 09 A ARQUITETURA DO ORACLE O conhecimento da arquitetura Oracle

Leia mais

PgAdmin. O pgadmin é um software gráfico para administração do SGBD PostgreSQL disponível para Windows e UNIX.

PgAdmin. O pgadmin é um software gráfico para administração do SGBD PostgreSQL disponível para Windows e UNIX. 1/20 PgAdmin O pgadmin é um software gráfico para administração do SGBD PostgreSQL disponível para Windows e UNIX. Site para download. Caso queira a última versão - http://www.pgadmin.org/download/ É uma

Leia mais

BI: Um estudo de Oracle MÉLODY BALLOUARD (MAMB)

BI: Um estudo de Oracle MÉLODY BALLOUARD (MAMB) BI: Um estudo de Oracle MÉLODY BALLOUARD (MAMB) Roteiro Introdução Motivação Objetivos Historico Conceitos Arquitetura Estado da arte Exemplos Referências Introdução Quantidade infinita de dados Ferramentas

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View www.cali.com.br - Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View - Página 1 de 29 Índice INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (FIREBIRD E

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server.

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server. Recover no Oracle O backup e recuperação de dados em um SGBD é de grande importância para a manutenção dos dados. Dando continuidade a nossos artigos, apresentamos abaixo formas diferentes de se fazer

Leia mais

Integridade dos Dados

Integridade dos Dados 1 Integridade dos Dados Integridade dos Dados Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br A integridade dos dados é feita através de restrições, que são condições obrigatórias impostas pelo modelo. Restrições

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito)

8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito) 8. Outros tipos de Transação (Modo de Transação de Autoconfirmação e Modo Implícito) Nos itens anteriores vimos transações do tipo explícitas, ou seja, aquelas que iniciam com BEGIN TRANSACTION. As outras

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Guia de conexão na rede wireless

Guia de conexão na rede wireless 1 Guia de conexão na rede wireless Este documento tem por objetivo orientar novos usuários, não ambientados aos procedimentos necessários, a realizar uma conexão na rede wireless UFBA. A seguir, será descrito

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Nome: n.º WEB Série 2B 2C 2D 2E Barueri, 17/08/2009 2ª Postagem Disciplina: Gerenciamento e Estrutura de Banco de Dados Professor: Márcio

Nome: n.º WEB Série 2B 2C 2D 2E Barueri, 17/08/2009 2ª Postagem Disciplina: Gerenciamento e Estrutura de Banco de Dados Professor: Márcio Nome: n.º WEB Série 2B 2C 2D 2E Barueri, 17/08/2009 2ª Postagem Disciplina: Gerenciamento e Estrutura de Banco de Dados Professor: Márcio MySQL Query Browser Após usarmos o ambiente MySQL Monitor, que

Leia mais

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br JSP (Java Server Pages) - JavaServer Pages (JSP) - Tecnologia de programação serverside - Permite

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

INSTALAÇÃO BASE TESTE AUTOSERVIÇO. 1-Instalação usando emulador de impressora fiscal.

INSTALAÇÃO BASE TESTE AUTOSERVIÇO. 1-Instalação usando emulador de impressora fiscal. INSTALAÇÃO BASE TESTE AUTOSERVIÇO 1-Instalação usando emulador de impressora fiscal. O PDV DE TESTES DEVE OBRIGATORIAMENTE ESTAR CADASTRADO EM UM BANCO DE DADOS DE TESTES. CASO ESTEJA EM PRODUÇÃO, CUPONS

Leia mais

LexML Brasil. Parte 4a Kit Provedor de Dados

LexML Brasil. Parte 4a Kit Provedor de Dados LexML Brasil Parte 4a Kit Provedor de Dados Versão 1.0 (RC1) Brasília Fevereiro de 2011 Parte 4a Kit Provedor de Dados 2 LexML Brasil Parte 4a Kit Provedor de Dados Versão 1.0 (Maio/2010) 1. Introdução...

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL;

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL; Boletim Técnico EP3 11/07 Utilizando Funções e Blocos Funcionais de usuário pelo software A1 19 de outubro de 2007 O objetivo deste boletim é mostrar como utilizar o recurso de Funções (Functions) e Blocos

Leia mais

Neste tópico, abordaremos a funcionalidade de segurança fornecida com o SAP Business One.

Neste tópico, abordaremos a funcionalidade de segurança fornecida com o SAP Business One. Neste tópico, abordaremos a funcionalidade de segurança fornecida com o SAP Business One. 1 Ao final deste tópico, você estará apto a: Descrever as funções de segurança fornecidas pelo System Landscape

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

seguras para administradores de organizadores do site Cisco WebEx Melhores práticas para reuniões Visão geral da privacidade WebEx

seguras para administradores de organizadores do site Cisco WebEx Melhores práticas para reuniões Visão geral da privacidade WebEx Visão geral da privacidade WebEx As soluções on-line ajudam a permitir que os funcionários globais e as equipes virtuais se reúnam e colaborarem em tempo real como se estivessem trabalhando na mesma sala.

Leia mais