Aula 2 Arquitetura Oracle

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 2 Arquitetura Oracle"

Transcrição

1 Aula 2 Arquitetura Oracle Instancia Oracle Uma instância Oracle é composta de estruturas de memória e processos. Sua existência é temporária na memória RAM e nas CPUs. Quando você desliga a instância em execução, todos os vestígios de sua existência desaparecem. O banco de dados é composto de arquivos físicos no disco. Esteja ele em execução ou parado, os arquivos permanecem. Assim, o tempo de vida da instância é apenas o período de usa permanência na memória: ela pode ser iniciada e parada. Por outro lado, o banco de dados, uma vez criado, persiste indefinidamente até que você deliberadamente exclua os arquivos que estão associados ao banco de dados. Os processos que compõem a instancia são conhecidos como processos de segundo plano BACKGROUND, porque estão presentes e em execução o tempo todo enquanto a instancia esta ativa. Esses processos são autoadministrado, embora em alguns casos o DBA possa influenciar alguns deles. Um usuário interage com um processo de usuário Um processo de usuário interage com um processo de servidor (PGA) Um processo de servidor interage com uma instância (SGA) Uma instância interage com o Banco de Dados SGA System Global Area Essa é a área alocada na inicializção da instância e liberada no desligamento, ela é compartilhada e seus elementos poderm ser redimensionados enquanto a instância esta em execução, tanto automaticamente ou com a intervenção de um DBA. Dinâmica e definida pelo parâmetro SGA_MAX_SIZE PGA Program Global Area OU Area Global de Sistema É uma área privada da sessão, ela inicia-se quando um processo de servidor é estabelecido, nela são armazenados variáveis, endereços de rotinas e etc.

2 Database Buffer Cache É uma area de trabalho no Oracle para de armazenamento de dados. Ao atualizar os dados, as sessões dos usuários não atualizam diretamente o no disco. Os blocos que conêm os dados de interess são primeiramente copiados no cache de Buffer. As alterações como inserção, exclusão e alteração são feiras primeiro nesta área. É uma área compartilhada a todos os usuários, seu tamanho pode ser ajustado dinamicamente e pode ser gerenciado automaticamente. O pocesso LRU(qual o meno utilizado) define em qual bloco de memória será copiado as informações do disco. Seus blocos de memórias podem ser : DIRTY (SUJO) quando a imagem do cache não é a mesma imagem do disco CLEAN (LIMPO) quando a imagem do cache é igual a do disco PINNED (FIXO) quando sessões tentam escrever no mesmo bloco, a uma espera FREE or UNUSED os blocos ainda não foram atualizados Suas informações são gravadas em disco pelo processo DBWRITER e tambem uando há muitos blocos sujos, existe outros casos em que os blocos são gravados em disc mas isso veremos mais isso a frente. Redo Log Buffer É uma área de memória que armazena todas as modificações relizadas em dados (instruções DM), essa área é a garantia de que os dados nunca serão perdidos, suas informações são gravadas nos arquivos de regolgs(veremos mais a frente). Essa área é pequena em relação a outras, pois eu armazenmento dura muito pouco tempo, por padrão é escolhido seu tamanho pelo numero de processadores na CPU. É ma area circular de armazenamento. O processo LOGWRITER grava informações nos arquivos de REDOLOG. A instrução commit faz com que seus dados sejam gravados nos arquivos de REDOLOG, quand seus arquivos estão com 1/3 cheios e antes de um DBWRITER gravar. Shared Pool A shared pool é uma porção de memória compartilhada que contém as áreas chamadas shared SQL, estruturas de memória compartilhadas que contêm os comandos SQL que estão sendo executados pelos múltiplos usuários conectados a um banco de dados. Essas áreas compartilhadas shared SQL contêm informações como o texto e a forma interpretada dos comandos SQL, a fase de análise dos comandos SQL e seus planos de execução, informações do dicionário de dados e de geradores de números seqüenciais. Uma única área shared SQL pode ser compartilhada por diversas aplicações que usam o mesmo comando definido na área compartilhada de comandos SQL, deixando assim mais área em memória disponível para os outros usuários e melhorando a performance de execução de um comando, já que o plano de execução já está definido e o ORACLE não precisa defini-lo novamente. A shared pool contém ainda o data dictionary cache, com as informações do dicionário de dados, e o sequence cache, com as informações dos geradores de números seqüenciais. Um cursor é um nome ou ponteiro para a memória associada a um comando específico. Muitas aplicações ORACLE tiram proveito dos cursores.

3 Large Pool (opcional) Utilizado para armazenar grandes estruturas de memória que não estão relacionadas diretamente ao processamento de instruções SQL, como por exemplo blocos de dados copiados durante operações de backup e recovery. Seu tamanho é dinamico e pode ser gerenciado automticamente. Java Pool Utilizado para armazenar código Java, somente é necessário se sua paplicação for exectar procedures javas armazenadas no banco de dados Streams Pool Utilizado para manter estruturas de dados e controle do recurso Oracle Streams Servidores Compartilhados PROCESSOS DE SEGUNDO PLANO BACKGROUND Processos em Segundo Plano - Os processos em segundo plano (background processes) de uma instância executam funções comuns que são necessárias para atender as solicitações de serviço de usuários simultâneos, sem comprometer a integridade e o desempenho do sistema. - Eles consolidam funções que, de outra forma, seriam tratadas por diversos programas Oracle executados para cada usuário. - Ele executam tarefas de I/O e monitoram outros processos Oracle para oferecer maior paralelismo, o que aumenta o desempenho e a confiabilidade. - Dependendo da configuração, uma instância Oracle pode incluir vários processos de segundo plano, no entanto cada instância inclui cinco processos de segundo plano fundamentais. São Eles: O Database Writer (DBW0) é responsável por gravar dados alterados do buffer cache do banco de dados nos arquivos de dados. O DBWriter grava quando possuir nenhum buffer livre, muitos buffer sujos, um checkpoint e m time de 3 segundos. Quando uma transação realiza um comit ele não faz nada. O Log Writer (LGWR) grava as alterações registradas no buffer de redo log nos arquivos de redo log. Sera usado quando um commit for emitido quando os arquivos de red estão 1/3 cheios e antes do DBWRITER ser utiliado O Monitor de Sistema (SMON, System Monitor) verifica a consistência no banco de dados e, se necessário, inicia a recuperação do banco de dados quando ele é aberto. O Monitor de Processo (PMON, Process Monitor) disponibiliza recursos se um dos processos Oracle falhar. Se sua sessão terinar de forma anormal, ele executará um processo de rollback O Checkpoint Process (CKPT) é responsável pela atualização das informações de status do banco de dados nos arquivos de controle e nos arquivos de dados, sempre que as alterações efetuadas no cache de buffer ficam registradas no banco de dados de forma permanente.

4 O Recovery Process (RECO) Uma transação ditribida é uma transação que envolve atualização em dis u mais banco de dados, este processo viabiliza isso ex SQL > UPDATE EMPLOYEES SET SALARY = 900 UPDATE SET SALARY = 800 Archive (Arch) processo que grava os arquivos de redolog nos arquivos de archive, ele grava quando um redolog esta cheio. ARQUIVOS DE DADOS *Arquivos de Dados (Data Files) - Os arquivos de dados contém os dados do banco, e eles são armazenados em tabelas definidas pelo usuário. Além disto, nos arquivos de dados também são armazenados o dicionário de dados, as imagens anteriores de dados alterados, índices e outros tipos de estruturas. Um banco de dados Oracle deve conter no mínimo um arquivo de dados. *Características dos Arquivos de Dados - Os arquivos de dados podem estar associados a apenas um banco de dados Oracle. - Um ou mais arquivos de dados formam uma unidade lógica chamada tablespace. *Redo Logs - Os redo logs armazenam as mudanças efetuadas no banco de dados para possibilitar a recuperação dos dados em caso de falhas. Um banco de dados Oracle deve possuir no mínimo dois arquivos de redo log. *Arquivos de Controle (Control Files) - Os arquivos de controle contém as informações necessárias para manter e verificar a integridade do banco de dados. Por exemplo, o arquivo de controle é utilizado para identificar os arquivos de dados e os arquivos de redo log. Um banco de dados Oracle deve possuir no mínimo um arquivo de controle. *Outros Arquivos Importantes - O servidor Oracle também faz uso de outros arquivos que não fazem parte do banco de dados: Arquivo de Parâmetros (Parameter File) -define as características da instância Oracle. Por exemplo, ele contém parâmetros que definem o tamanho das estruturas de memória da SGA Arquivo de Senhas (Password File) -faz a validação de quais usuários tem permissão de fazer start up e shutdown na instância Oracle + Arquivos de Redo Log Arquivados (Archived Redo Log Files) -são cópias off-line dos arquivos de redo log, que podem ser necessários em um processo de recuperação de falhas de mídia

5 ESTRUTURAS LOGICAS E FISICAS DE UM BANCO Tablespaces: Um tablespace pertence a apenas um database Cada tablespace consiste de um ou mais arquivos do sistema operacional Tablespaces podem ser colocados online enquanto o database está sendo executado Exceto pelo tablespace SYSTEM, um tablespace pode ser colocado offline enquanto o database está sendo executado Tablespaces podem trocar seu status entre read-write e read-only Segments: Um segmento é um espaço alocado para um tipo específico de uma estrutura lógica em um tablespace Exemplos de segmentos: Table segment Index segment Temporary segment Rollback segment Segmentos de dados podem se espalhar por múltiplos arquivos que pertencem a um mesmo tablespace Extents: Um extent é um número contíguo de blocos Cada tipo de segmento é composto de um ou mais extents Um extent deve estar em um data file Data Blocks: A menor porção de dados de um database é um bloco Um bloco de dados corresponde a um ou mais blocos do sistema operacional O tamanho de um bloco pode ser especificado pelo parâmetro de inicialização DB_BLOCK_SIZE quando o banco de dados é criado Execícios Auxiliares 1 Determine se a instância esta em RAC : SQL> SELECT PARALLEL FROM V$INSTANCE 2 Determine o banco de dados esta protegido por um banco em StandBy SQL> SELECT PROTECTION_LEVEL FROM V$INSTANCE 3 Determine se os recursos de Streams foi configurado no banco de dados SQL> SELECT * FROM DBA_STREAMS_ADMINISTRATOR 4 Determine o tamanho atual dos componentes de sua SGA SQL> SELECT COMPONENT, CRRENT_SIZE, MIN_IZE, MAX_SIZE FROM V$SGA_DYNAMIC_COMPONENTS; 5 Determine quais os processos em execução SQL> SELECT PROGRAM FROM V$SESSION ORDER BY PROGRAM 6 Faça consulta nas views V$DATABASE V$CONTROLFILE V$LOG V$LOGFILE

6 V$TABLESPACE V$DATAFILE

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional.

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. Arquitetura Oracle e seus componentes Hoje irei explicar de uma forma geral a arquitetura oracle e seus componentes. Algo que todos os DBA s, obrigatoriamente, devem saber de cabo a rabo. Vamos lá, e boa

Leia mais

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE Faculdade Pernambucana - FAPE Visão Geral dos Componentes Principais da Arquitetura Oracle Servidor Oracle É o nome que a Oracle deu ao seu SGBD. Ele consiste de uma Instância e um Banco de Dados Oracle.

Leia mais

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa).

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa). ARQUITETURA ORACLE O conhecimento da arquitetura interna do ORACLE é de extrema importância para a compreensão das técnicas de otimização do produto. Basicamente, os seus mecanismos de execução são as

Leia mais

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11 UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas Administracão de Banco de Dados ORACLE Backup / Recovery AULA 11 Prof. MsC. Eng. Marcelo Bianchi AULA 09 A ARQUITETURA DO ORACLE O conhecimento da arquitetura Oracle

Leia mais

BI: Um estudo de Oracle MÉLODY BALLOUARD (MAMB)

BI: Um estudo de Oracle MÉLODY BALLOUARD (MAMB) BI: Um estudo de Oracle MÉLODY BALLOUARD (MAMB) Roteiro Introdução Motivação Objetivos Historico Conceitos Arquitetura Estado da arte Exemplos Referências Introdução Quantidade infinita de dados Ferramentas

Leia mais

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server.

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server. Recover no Oracle O backup e recuperação de dados em um SGBD é de grande importância para a manutenção dos dados. Dando continuidade a nossos artigos, apresentamos abaixo formas diferentes de se fazer

Leia mais

Servidores SQL - SQL SERVER 7.0 e Oracle

Servidores SQL - SQL SERVER 7.0 e Oracle Servidores SQL - SQL SERVER 7.0 e Oracle SQL SERVER O SQL Server é um sistema de gerenciamento de banco de dados cliente/servidor de alto desempenho com alta integração com o Windows NT. Suas características

Leia mais

A instância Oracle é composta de :

A instância Oracle é composta de : Conceitos básicos da arquitetura do Oracle Uma instância Oracle consiste na System Global Area (SGA) e um conjunto de processos de segundo plano (background processes). Quando uma instância é iniciada,

Leia mais

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira

ESTRUTURA DE SERVER 2008. Lílian Simão Oliveira ESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO SQL SERVER 2008 Lílian Simão Oliveira O Banco de Dados SQL Server mapeia um banco em um conjunto de arquivos do sistema operacional As informações de log e de dados nunca ficam

Leia mais

SQL Introdução ao Oracle

SQL Introdução ao Oracle SQL Introdução ao Oracle Estagiários: Daniel Feitosa e Jaqueline J. Brito Sumário Modelo de armazenamento de dados Modelo físico Modelo lógico Utilizando o SQL Developer Consulta de Sintaxe Sumário Modelo

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37 7 Sumário Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 13 Capítulo 1 Instalação e Configuração... 15 Instalação em Linux... 15 Instalação e Customização do Red Hat Advanced Server 2.1... 16 Preparativos

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD Curso Banco de Dados Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia Brasília 2012 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO... 3 2- DESCRIÇÃO DO ASSUNTO... 4 2.1- Estrutura fisica

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle Prof. Hugo Souza Após abordarmos os componentes lógicos, em uma síntese de dependências gradativas, vamos

Leia mais

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas Treinamento DBA Oracle 11g Duração: 120 horas Neste curso no primeiro módulo (Introdução ao Oracle 11g SQL e PL_SQL) é oferecido um curso introdutório à tecnologia do banco de dados Oracle 11g. Também

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados aula 1 Prof. Marcos Alexandruk Aula 1 Principais funções do DBA Estruturas físicas do Oracle (overview) Estruturas lógicas do Oracle (overview) Principais funções do DBA

Leia mais

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode 1 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS NO SGBD ORACLE 11G JUVENAL LONGUINHO DA SILVA NETO 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo apresenta como criar, modificar e excluir usuários, privilégios, atribuições

Leia mais

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO 1 Soluções Oracle Voltadas à Continuidade dos Negócios Luciano Inácio de Melo Oracle Database Administrator Certified Oracle Instructor Bacharel em Ciências da Computação

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Prof. Luiz Fernando. Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE

Prof. Luiz Fernando. Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE Prof. Luiz Fernando Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Administração de SGBDs De todo o tipo de pessoal envolvido com desenvolvimento, manutenção, e utilização de bancos de dados há dois tipo

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Aula 2 Prof. Marcos Alexandruk Aula 2 Estruturas Físicas do Oracle: Arquivos Arquivos de dados Arquivos de redo log Arquivos de controle Arquivos de log arquivados Arquivos

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

Procedimentos para Instalação do SISLOC

Procedimentos para Instalação do SISLOC Procedimentos para Instalação do SISLOC Sumário 1. Informações Gerais...3 2. Instalação do SISLOC...3 Passo a passo...3 3. Instalação da Base de Dados SISLOC... 11 Passo a passo... 11 4. Instalação de

Leia mais

Gerenciamento de Transações

Gerenciamento de Transações Gerenciamento de Transações Outros tipos de recuperação: Além das falhas causadas por transações incorretas, conforme vimos anteriormente, podem ocorrer outros tipos de falhas, que ocorrem por fatores

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III 4 ADMINISTRAÇÃO DE SGBDs As pessoas que trabalham com um banco de dados podem ser categorizadas como usuários de banco de dados ou administradores de banco de dados. 1 Entre os usuários, existem

Leia mais

SGBD. Funções Básicas de um SGBD

SGBD. Funções Básicas de um SGBD Definição Sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso e a correta manutenção dos dados armazenados em um banco dados. Funções básicas Métodos acesso Integrida Semântica Segurança Concorrência

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS Guia de Criação da Base Produção Paralela INICIAL SEQUENCES, tabelas de BMF e CADASTRO. Atualização de Bancos de Dados. Validações necessárias. IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS OS PROCEDIMENTOS DA

Leia mais

Guia de procedimentos de backups

Guia de procedimentos de backups Guia de procedimentos de backups Sumário Sobre o guia 3... 4 Procedimentos de backup do banco de dados Oracle... 5 Backup lógico... 6 Backup físico... 7 Envio de backup... para fita 9 2 3 Sobre o guia

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Procedimentos para Instalação do Sisloc

Procedimentos para Instalação do Sisloc Procedimentos para Instalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Instalação do Sisloc... 3 Passo a passo... 3 3. Instalação da base de dados Sisloc... 16 Passo a passo... 16 4. Instalação

Leia mais

Real Application Cluster (RAC)

Real Application Cluster (RAC) Real Application Cluster (RAC) Anderson Haertel Rodrigues OCE RAC 10g anderson.rodrigues@advancedit.com.br AdvancedIT S/A RAC? Oracle RAC é um banco de dados em cluster. Como assim? São vários servidores

Leia mais

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados Oracle 10g - Workshop de Administração I Objetivos do Curso Este curso foi projetado para oferecer ao participante uma base sólida sobre tarefas administrativas fundamentais. Neste curso, você aprenderá

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI PAMELA CRISTINA MACHADO DE OLIVEIRA RENAN MILHOMEM PARISOTTO RODRIGO DA SILVA SIMÕES

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI PAMELA CRISTINA MACHADO DE OLIVEIRA RENAN MILHOMEM PARISOTTO RODRIGO DA SILVA SIMÕES UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI PAMELA CRISTINA MACHADO DE OLIVEIRA RENAN MILHOMEM PARISOTTO RODRIGO DA SILVA SIMÕES ALTA DISPONIBILIDADE EM SISTEMAS DE BANCO DE DADOS ORACLE São Paulo 2009 PAMELA CRISTINA

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ORACLE

ADMINISTRAÇÃO ORACLE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO ORACLE Prof. Marcos Alexandruk SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 ORACLE 9i SERVER: OVERVIEW 05 ARQUITETURA FÍSICA 08 ARQUITETURA LÓGICA 16 SEGMENTOS 25 TRANSAÇÕES 27 SEGMENTOS DE ROLLBACK

Leia mais

Estudo Comparativo do Oracle Automatic Storage Management em Relação ao Desempenho

Estudo Comparativo do Oracle Automatic Storage Management em Relação ao Desempenho Estudo Comparativo do Oracle Automatic Storage Management em Relação ao Desempenho Valderes S. Sobrinho 1, Alexandre Galvani 1 1 Curso de Tecnologia em Banco de Dados - Faculdade de Tecnologia de Bauru

Leia mais

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES.

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. SEGURANÇA DE USUÁRIOS Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. Todos os usuários são cadastrados no Dicionário de Dados do Banco em tabelas e views

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

2015.1- INF1340 - BD2. SGBD Grupo: Amanda Christian Gustavo

2015.1- INF1340 - BD2. SGBD <Oracle> Grupo: Amanda Christian Gustavo SGBD Grupo: Amanda Christian Gustavo Breve Histórico Larry Ellison e amigos fundam a SDL(Software Development Laboratories) Primeira versão do oracle (Oracle V1) foi desenvolvida mas nunca lançada

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

ARQUIVOS DE CONFIGURAÇAO ZIM 8.50

ARQUIVOS DE CONFIGURAÇAO ZIM 8.50 ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL ARQUIVOS DE CONFIGURAÇAO ZIM 8.50 Próx Antes de Iniciar Este documento detalha os arquivos de configuração da versão Zim 8.50 para Unix/WIndows. Você também deve consultar as

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. As informações

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e

Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e Informação é o seu bem mais precioso e você não pode correr riscos de perder dados importantes. Por isso, oferecemos um serviço de qualidade e confiança que vai garantir maior eficiência e segurança para

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Instalando e Atualizando a Solução... 3. Arquivos de Instalação... 4. Instalação do Servidor de Aplicação... 7. Instalação JDK...

Instalando e Atualizando a Solução... 3. Arquivos de Instalação... 4. Instalação do Servidor de Aplicação... 7. Instalação JDK... Instalando e Atualizando a Solução... 3 Arquivos de Instalação... 4 Instalação do Servidor de Aplicação... 7 Instalação JDK... 7 Instalação Apache Tomcat... 8 Configurando Tomcat... 9 Configurando Banco

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

TREINAMENTO. Apresentação. Objetivos. Dados Principais. Tecnologia Abordada Oracle Databese 11g

TREINAMENTO. Apresentação. Objetivos. Dados Principais. Tecnologia Abordada Oracle Databese 11g Apresentação Dados Principais Combinando quinze dias em 60 horas de conteúdo, o treinamento para os DBAs Oracle gerenciam os sistemas de informação mais avançados do setor e têm alguns dos maiores salários

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II. Trabalho Prático 2

Algoritmos e Estruturas de Dados II. Trabalho Prático 2 Algoritmos e Estruturas de Dados II Entrega: 24/09/08 Devolução: 15/10/08 Trabalho individual Prof. Jussara Marques de Almeida Trabalho Prático 2 Você foi contratado pela XOL X Online para desenvolver

Leia mais

Lendas do Oracle. Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br. TITLE Speaker

Lendas do Oracle. Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br. TITLE Speaker TITLE Speaker Lendas do Oracle Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br Esta obra está licenciada sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivados 3.0 Brasil. Para ver uma cópia desta

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A

Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0. Versão 7.0A Guia de administração para a integração do Portrait Dialogue 6.0 Versão 7.0A 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO

PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO APLICATIVO MASTERSAFDW VERSÃO 5-25/04/12 PÁGINA 1 Índice Informações Importantes... 3 Atualizando o aplicativo... 4 Procedimentos para atualização da base de

Leia mais

Alta concorrência com PostgreSQL

Alta concorrência com PostgreSQL Alta concorrência com PostgreSQL ou Fazendo uma manada de elefantes passar debaixo da porta Fábio Telles Rodriguez Timbira - A empresa brasileira de PostgreSQL 09 de novembro de 2012 Agenda Sobre o que

Leia mais

Worldwide Online TechDay. 30 - Outubro

Worldwide Online TechDay. 30 - Outubro 30 - Outubro 1 Como funciona um banco de dados Microsoft SQL Server? Fabricio Catae Premier Field Engineer Microsoft Certified Master Twitter: @fcatae WebSite: http://blogs.msdn.com/fcatae/ 2 Nossos Parceiros

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Backup e recuperação. Guia do Usuário

Backup e recuperação. Guia do Usuário Backup e recuperação Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation. As informações contidas neste documento

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Auto Download

Manual do usuário. Mobile Auto Download Manual do usuário Mobile Auto Download Mobile Auto Download Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS: UM ESTUDO NO ORACLE 10G TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Guia de Atualização TOTVS Segurança e Acesso 12.1

Guia de Atualização TOTVS Segurança e Acesso 12.1 06/2015 Sumário 1 Prefácio... 3 1.2 Finalidade... 3 1.3 Público Alvo... 3 1.4 Organização deste Guia... 3 1.5 Documentações Importantes... 3 2 Atualização... 4 2.1 Executando o Updater de Atualização...

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II 1 Armazenamento secundário Primeiro tipo de armazenamento secundário: papel! Cartões perfurados HDs, CD-ROM, floppy disks, memórias

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

FUNCIONALIDADES DO ORACLE RAC. Resumo: Diversas empresas têm como requisito fundamental do negócio que os seus

FUNCIONALIDADES DO ORACLE RAC. Resumo: Diversas empresas têm como requisito fundamental do negócio que os seus FUNCIONALIDADES DO ORACLE RAC Eduardo Amaral Ferreira 1 Iremar Nunes de Lima 2 Resumo: Diversas empresas têm como requisito fundamental do negócio que os seus sistemas de informação fiquem disponíveis

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre André Rover de Campos Membro Colméia andreroverc@gmail.com Joinville Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Roteiro Definições Virtualização Data

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA Página: 1/16 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA Módulo CBDS (Central de Banco de Dados Senior) A quem se destina: Todos que tiverem a necessidade de administrar os dados da base de dados da Senior Sistemas

Leia mais

Guia do usuário do Seagate Dashboard

Guia do usuário do Seagate Dashboard Guia do usuário do Seagate Dashboard Guia do usuário do Seagate Dashboard 2013 Seagate Technology LLC. Todos os direitos reservados. Seagate, Seagate Technology, o logotipo Wave e FreeAgent são marcas

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 10 PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 QUESTÃO 21 Analise as seguintes afirmativas: I. Uma das funções de um DBA é gerenciar os mecanismos de segurança de acesso aos dados armazenados em um SGBD (Sistema Gerenciador

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

Fox Gerenciador de Sistemas

Fox Gerenciador de Sistemas Fox Gerenciador de Sistemas Índice 1. FOX GERENCIADOR DE SISTEMAS... 4 2. ACESSO AO SISTEMA... 5 3. TELA PRINCIPAL... 6 4. MENU SISTEMAS... 7 5. MENU SERVIÇOS... 8 5.1. Ativação Fox... 8 5.2. Atualização

Leia mais

CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET

CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET Para utilizar um banco de dados com um aplicativo ASP.NET, é necessário criar uma conexão de banco de dados no Macromedia Dreamweaver MX.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE ANDRÉ LUCHESI CESAR HENRIQUE KÁLLAS SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Engenharia de Computação Turma III Grupo 9 Agosto

Leia mais