SEMINÁRIO VINTE ANOS DA NORMA REGULAMENTADORA 17 (NR 17): HISTÓRIAS DESDOBRAMENTOS E DESENVOLVIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO VINTE ANOS DA NORMA REGULAMENTADORA 17 (NR 17): HISTÓRIAS DESDOBRAMENTOS E DESENVOLVIMENTOS"

Transcrição

1 SEMINÁRIO VINTE ANOS DA NORMA REGULAMENTADORA 17 (NR 17): HISTÓRIAS DESDOBRAMENTOS E DESENVOLVIMENTOS CLAUDIO CEZAR PERES Auditor Fiscal do Trabalho da SRTE RS Local: FUNDACENTRO SP 23 de novembro de 2010

2 A CONSOLIDAÇÃO DO CONHECIMENTO EM ERGONOMIA No período pós guerra, de , formam-se as sociedades científicas, os laboratórios de pesquisa e os cursos específicos consolidando o conhecimento da ergonomia, sua discussão e sua prática. Cito: Ergonomics Research Society (1950); 1 Congresso da International Ergonomics Association (IEA) (1961); SELF - Soc. d Erg. de Langue Français (1963); CNAM Conservatoire national des arts et métiers; INRS Institut national de recherche et de sécurité.

3 A ERGONOMIA FRANCÓFONA A Ergonomia Francófona construiu uma diversidade de pontos de vista sobre o campo da ergonomia, seus métodos, seus objetivos, sua relação com a ação: esta diversidade reflete nas práticas, nas lições e na pesquisa. No entanto, em meio desta diversidade, é reconhecida uma característica específica partilhada : ela é centrada na análise ergonômica do trabalho e situa os trabalhadores como sujeitos ativos desta análise.

4 NR 17 ERGONOMIA (PORTARIA N 3751, DE 23/11/1990) Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente Para avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, cabe ao empregador realizar a análise ergonômica do trabalho, devendo a mesma abordar, no mínimo, as condições de trabalho, conforme estabelecido nesta Norma Regulamentadora.

5 A DIFICULDADE DAS ASSESSORIAS: O QUÊ SÃO AS CARACTERÍSTICAS PSICOFISIOLÓGICAS DOS TRABALHADORES? O QUÊ É ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO?

6 AS CARACTERÍSTICAS PSICOFISIOLÓGICAS DOS TRABALHADORES A condição de trabalho deve respeitar as características do trabalhador enquanto ser humano exercendo uma atividade. Deve considerar suas capacidades e seus anseios. Avaliar essas características é algo muito complexo. Quantificá-las nem sempre é necessário e, em seu conjunto, talvez impossível. Portanto, a avaliação das características psicofiológicas deve ser feita por demanda: Que aspectos são relevantes se estudar e para que fim? A modéstia é obrigatória, assim como o é a necessidade para os atores de prevenção de se expor aos riscos da interdiciplinaridade ou, melhor, das lógicas transprofissionais (SELF, 2001, in Fanzon, 2007).

7 A BUSCA POR METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO, DE QUANTIFICAÇÃO DA EXPOSIÇÃO E A NORMATIZAÇÃO RODGERS SILVERSTEIN ARMSTRONG MOORE & GARG CORLETT & BISHOP OWAS RULA REBA NIOSH Lifting Equation STONE etc Normas internacionais de referência sobre ergonomia ISO EN

8 PROJETO ERGONOMIA SRTE RS 2010/ 2011 Objetivo: Promover a metodologia na elaboração de análises ergonômicas e fazer cumprir, em atividade de inspeção do trabalho, a NR 17 e seus Anexos I e II, com enfoque - mas não restrição na ergonomia na operação de máquinas. Promover a melhoria da qualidade do ar condicionado em ambientes climatizados conforme NR 17 e normas ANVISA. Promover a aplicação de normas ISO de ergonomia, suprindo a lacuna de normas nacionais. Divulgar a NR 17 e seus Anexos I e II em eventos, seminários e congressos, assim como divulgar ações fiscais de promoção da ergonomia, ou seja de boas práticas.

9 ANÁLISE ERGONÔMICA ANÁLISE DA DEMANDA ANÁLISE DA TAREFA ANÁLISE DAS ATIVIDADES OBJETIVO: TRANSFORMAR O TRABALHO

10 METODOLOGIA DA ANÁLISE ERGONÔMICA (WISNER, 1994) 1. ANÁLISE DA DEMANDA E DA PROPOSTA DE CONTRATO 2. ANÁLISE DO AMBIENTE TÉCNICO ECONÔMICO E SOCIAL; 3. ANÁLISE DAS ATIVIDADES E DA SITUAÇÃO DE TRABALHO E RESTITUIÇÃO DOS RESULTADOS; 4. RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS; 5. VALIDAÇÃO DA INTERVENÇÃO E EFICIÊNCIA DAS RECOMENDAÇÕES. WISNER, A. A METODOLOGIA NA ERGONOMIA: ONTEM E HOJE em A Inteligência do Trabalho Textos selecionados de ergonomia. p. 87 a 107. Tradução Roberto Leal Ferreira. São Paulo: FUNDACENTRO, p.

11 Exemplo típico - Ergonomia na Indústria NORMAS DE PROTEÇÃO DE MÁQUINAS EN972 Tipo C EN415 Máquinas de embalagem Máquina para Processo de couro NM273 EN1088 EN746 Termoprocessamento B2 Intertravamentos Tipo B NBR14152 EN574 NT 16 Prensas de Chaveta EN 1760 NBR14009 EN1050 Riscos B2 Tapetes Tipo A NORMAS B2 Controle Bi-Manual EN692 EN418 B2 Emergência EN 414 NBR213 EN292 Princípios Padrões EN60204 Prensa mecânicas EN1114 NBR14153 EN954 B1 Controle B2 Equipamentos Máquinas para borracha e Plástico EN 999 B1 Velocidade Cilindros de massa alimentícia EN693 Prensas Hidráulicas

12 EN 931 Tipo C EN972 Máquinas para calçados EN415 Máquinas de embalagem EN746 Termoprocessamento Máquina para Processo de couro NF EN Serra Fita de açougue NM273 EN1088 B2 Intertravamentos Tipo B NBR14009 EN1050 ISO EN Apreciação de riscos NBR14152 EN574 NF EN 1974+A1 Fatiador de Frios B2 Tapetes Tipo A B2 Controle Bi-Manual EN13861 NORMAS EN 614 Princípios de Desenho Ergonômico Injetoras de plástico EN 201 EN 1760 EN 418 EN 414 Padrões B2 Emergência Guia para aplicação das Normas de ergonomia ao desenho de máquinas NF EN 1674+A1 EN60204 EN 1114 NBR14153 EN954 ISO EN B2 Equipamentos Máquinas para borracha e Plástico B1 Controle NBR213 ISO EN 9921 Centros de Controle EN292 Comunicação Verbal Princípios B1 Velocidade de EN 999 aproximação de EN 894 partes do corpo Reuisitos Ergonômicos humano para desenho de máquinas ISO EN Antropometria Laminoirs à pâte ISO EN ISO Robôs B1 Carga Mental EN692 NBR Prensa mecânicas EN693 Prensas Hidráulicas EN 1005 B1 Comportamento físico do corpo humano ISO EN 11064

13 O ENGATE DE CHAVETA EM PRENSAS MECÂNICAS FOI PROIBIDO EM NORMA TÉCNICA DESDE 2001! NBR 13930: O sistema de acoplamento deve ser através de freio embreagem específico para prensas, sendo proibidas construções e/ ou utilizações de prensas com controle para descida do martelo através de engate de chaveta ou similar. NBR 13930: Prensa mecânica máquina projetada para transmitir energia de um acionamento principal para uma ferramenta por meios mecânicos...essa energia pode ser transmitida por meio de um conjunto volante e embreagem, ou acoplamento direto (não mais utilizado).

14 NBR 13930: 2008 PRENSAS MECÂNICAS PERIGOS POR NEGLIGENCIAR OS PRINCÍPIOS ERGONÔMICOS A prensa e seus controles devem ser projetados de modo que permitam posturas de trabalho adequadas e que não causem fadiga A localização, identificação e iluminação (se necessário) dos dispositivos de controle e instalações para manuseio de materiais e ferramentas devem estar de acordo com princípios ergonômicos.

15 O QUÊ FAZER COM PRENSA MECÂNICA COM ACLOPAMENTO POR CHAVETA? Sem proteção deve ser interditada! Com proteção não atende as normas de ergonomia!!

16

17 A PRECARIEDADE DE ALGUMAS MÁQUINAS UTILIZADAS EM PADARIA E AÇOUGUE, ASSIM COMO A INCIDÊNCIA DE ACIDENTES EM CILINDROS DE MASSA DE PADARIA,INCLUSIVE NAQUELES FABRICADOS CONFORME O ANEXO II DA NR 12, LEVOU A UMA AÇÃO INTERINSTITUCIONAL SRTE PRT SINDEC

18 A APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM MÁQUINAS DE PADARIA, MERCEARIA E AÇOUGUE LEVOU A PUBLICAÇÃO DA NT 94 E SUA APLICAÇÃO REDUZIU EM 70% OS ACIDENTES NAS GRANDES REDES NO RS EM 2009, O QUE FOI OBJETO DE PUBLICAÇÃO NO SELF: ACTIONS INTER INSTITUTIONNELLES POUR REDUIRE L'INCIDENCE D'ACCIDENTS AVEC LES MACHINES DE BOULANGERIE, D'ÉPICERIE ET DE BOUCHERIE AU BRÉSIL PERES, C. C., LIMA, V. S., ARAUJO P. R., DELPINO S. F.

19 ANEXO II DA NR 17 TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/ TELEMARKETING PORTARIA N. 153, DE 14 DE MARÇO DE Divulga para consulta pública o texto técnico básico do Anexo II da NR- 17 (Trabalho em Teleatendimento) PORTARIA N.º 174, DE 05 DE SETEMBRO DE "Constitui o Grupo de Trabalho Tripartite sobre Trabalho em Teleatendimento/ Telemarketing PORTARIA N 09, DE 30 DE MARÇO DE Aprova o Anexo II da NR-17 Trabalho em Teleatendimento/Telemarketing.

20 DEFINIÇÕES Call center: é o ambiente de trabalho no qual a principal atividade é conduzida via telefone e/ou rádio com utilização simultânea de terminais de computador. Trabalho de teleatendimento/ telemarketing é aquele cuja comunicação com interlocutores clientes e usuário é realizada à distância por intermédio da voz e/ou mensagens eletrônicas, com a utilização simultânea de equipamentos de audição/escuta e fala telefônica e sistemas informatizados ou manuais de processamento de dados.

21 ABORDAGEM DO ANEXO II Mobiliário do posto de trabalho, Equipamentos dos postos de trabalho, Condições Ambientais de Trabalho, Organização do trabalho, Capacitação dos trabalhadores, Condições sanitárias de conforto, Programas de saúde ocupacional e de prevenção de riscos ambientais, Pessoas com deficiência, Disposições transitórias.

22 O Anexo II da NR 17 foi divulgado nesse congresso em idioma inglês. SEVENTH INTERNATIONAL CONFERENCE ON PREVENTION OF WORK- RELATED MUSCULOSKELETAL DISORDERS. ANGERS, FRANCE. STANDARD TO PREVENTION OF MUSCULOSKELETAL DISORDERS AMONG CALL CENTER OPERATORS IN BRAZIL. PERES, C. C., ROCHA, L. E., BARREIRA, T. H. C., MARINHO-SILVA, A, MATSMOTO, R. and CAVALCANTE, E.

23 ANEXO I DA NR-17 TRABALHO DOS OPERADORES DE CHECKOUT PORTARIA N 8, DE 30 DE MARÇO DE Objetivo e campo de aplicação Adequação das condições de trabalho dos operadores de checkout, visando à prevenção dos problemas de saúde e segurança relacionados ao trabalho. Aplica-se aos empregadores que desenvolvam atividade comercial utilizando sistema de autoserviço e checkout, como supermercados, hipermercados e comércio atacadista.

24 - EVITAR A FLEXÃO E A TORÇÃO DO TRONCO; - DAR ESPAÇO ADEQUADO PARA LIVRE MOVIMENTAÇÃO DO OPERADOR; - PERMITIR A ALTERNÂNCIA DO TRABALHO NA POSIÇÃO EM PÉ COM O TRABALHO NA POSIÇÃO SENTADA. 1999

25 - MANTER UMA CADEIRA DE TRABALHO COM ASSENTO E ENCOSTO PARA APOIO LOMBAR, COM ESTOFAMENTO DE DENSIDADE ADEQUADA, AJUSTÁVEIS À ESTATURA DO TRABALHADOR E À NATUREZA DA TAREFA. - COLOCAR APOIO PARA OS PÉS, INDEPENDENTE DA CADEIRA. 2001

26 OPERADOR DE CAIXA UTILIZANDO USANDO CHAPÉU DE PAPAI NOEL, PATINS E EQUIPAMENTO COMO JOELHEIRA EMPURRANDO DOIS CARRINHOS DE COMPRAS! Roller e patins no trabalho não devem ser utilizados como equipamentos esportivos e de competição! Já ocorreram quedas com o uso de roller e patins que causaram fraturas ósseas em operadores de caixa e feriram clientes!

27 O DESGASTE DO MOBILIÁRIO COM O USO DE 1999 A 2006 Esteiras estragam constantemente Cadeiras quebradas Apoio de pés inadequado(aro) Mesa quebrada e desnivelada

28 BALANÇAS DESNIVELADAS COM A SUPERFÍCIE DO CHECKOUT E NÃO ALINHADAS COM O LEITOR ÓTICO, PORTANTO, INADEQUADAS ÀS EXIGÊNCIAS DA NR

29 ABRANGÊNCIA 2. O POSTO DE TRABALHO 3. A MANIPULAÇÃO DE MERCADORIAS 4. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 5. OS ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DO TRABALHO 6. INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DOS TRABALHADORES

30 OPERADOR DE CAIXA NÃO ENSACA MAIS AS MERCADORIAS 3.3. O EMPREGADOR DEVE ADOTAR MEDIDAS PARA EVITAR QUE A ATIVIDADE DE ENSACAMENTO DE MERCADORIAS SE INCORPORE AO CICLO DE TRABALHO ORDINÁRIO E HABITUAL DOS OPERADORES DE CHECKOUT, TAIS COMO: a) manter, no mínimo, 01 (um) ensacador a cada 03 (três) checkouts em funcionamento; b) proporcionar condições que facilitem o ensacamento pelo cliente; c) outras medidas que se destinem ao mesmo fim A escolha dentre as medidas relacionadas no item 3.3 é prerrogativa do empregador.

31 RECOMENDAÇÕES 45 cm máximo Máximo de 8 dígitos para identificação de mercadorias a serem pesadas para reduzir o número de toques Gaveta de numerário com tampa Leitor horizontal permite leitura biótica com o leitor vertical e reduz a manipulação.

32 FINALIZANDO, QUE A METODOLOGIA PROPOSTA NA NR 17, QUE AS PRESCRIÇÕES DOS SEUS ANEXOS I E II DA NR 17 SEJAM EXIGIDOS PELA SOCIEDADE, ASSIM COMO A ERGONOMIA NA OPERAÇÃO DE MÁQUINAS! Grato pela atenção! Claudio Cezar Peres AFT SEGUR SRTE RS

33 LEITURAS Ergonomia. Falzon, P. Ed. Blucher, São Paulo, Ergonomie. Monod, H. & Kapitaniak, B. Ed. Masson, Paris, Compreeder o trabalho para transformá-lo. A prática da ergonomia. Guérin, F. Laville, A. Daniellou, F. Duraffourg, J. Kerguelen, A. Ed. Edgar Blücher Ltda, São Paulo, Laville, A. Introduction historique. Repères pour une histoire de l Ergonomie francophone. (consulta em 04/2010) WISNER, A. A METODOLOGIA NA ERGONOMIA: ONTEM E HOJE em A Inteligência do Trabalho Textos selecionados de ergonomia. p. 87 a 107. Tradução Roberto Leal Ferreira. São Paulo: FUNDACENTRO, p.

34 UNE-EN ISO 14738:2003 AC 2005 EN ISO 6385: 2004 EN ISO EN ISO 11064B1 7 Normas ISO de ergonomia aplicadas à segurança de máquinas Seguridad de las máquinas. Requisitos antropométricos para el diseño de puestos de trabajo asociados a máquinas. (ISO 14738:2002) Principios Ergonómicos para el diseño de sistemas de trabajo Principios Ergonómicos relativos a carga de trabajo mental Diseño Ergonómico de Centros de Controle EN ISO Ergonomia em Ambiente Térmico EN ISO Ergonómia. Maniquies informatizados y plantillas del corpo humano

35 UNE-EN :2002 UNE-EN :2004 UNE-EN :2002 UNE-EN :2007 Normas EN de ergonomia aplicadas à segurança de máquinas Seguridad de las máquinas. Comportamiento físico del ser humano. Parte 1: Términos y definiciones Seguridad de las máquinas. Comportamiento físico del ser humano. Parte 2: Manejo de máquinas y de sus partes componentes. Seguridad de las máquinas. Comportamiento físico del ser humano. Parte 3: Límites de fuerza recomendados para la utilización de máquinas Seguridad de las máquinas. Comportamiento físico del ser humano. Parte 5: Evaluación del riesgo por manipulación repetitiva de alta frecuencia. UNE-EN 614-1:2006 Seguridad de las máquinas. Principios de diseño ergonómico. Parte 1: Terminología y principios generales. UNE-EN 614-2:2001 Seguridad de las máquinas. Principios de diseño ergonómico. Parte 2: Interacciones entre el diseño de las máquinas y las tareas de trabajo. UNE-EN 894-1:1997 UNE-EN 894-2:1997 UNE-EN 894-3:2001 UNE-EN 13861:2003 Seguridad de las máquinas. Requisitos ergonómicos para el diseño de dispositivos de información y mandos. Parte 1: Principios generales de la interacción entre el hombre y los dispositivos de información y mandos. Seguridad de las máquinas. Requisitos ergonómicos para el diseño de dispositivos de información y órganos de accionamiento. Parte 2: Dispositivos de información. Seguridad de las máquinas. Requisitos ergonómicos para el diseño de dispositivos de información y mandos. Parte 3: Mandos. Seguridad de las máquinas. Guía para la aplicación de las normas sobre ergonomía al diseño de máquinas.

36 ONU - ISO Em1946 a ONU criou uma organização internacional de normalização, a ISO (International Standarisation Organization), cujas normas podem ser adotadas pelos países membros como normas nacionais, com valor de recomendação, mas não de obrigação. A ISO conta com161 países membros. Brasil Canadá China França Alemanha México Espanha Reino Unido USA ABNT SCC SAC AFNOR DIN DGN AENOR BSI ANSI

37 BUSCA POR QUANTIFICAÇÃO DA EXPOSIÇÃO STONE et al. Sensory Evaluation by Quantitative Descriptive Analysis. Food Technology nov CORLETT, E. N. BISHOP, R. P. 1976, A technique for measuring postural discomfort, Ergonomics, 9, OWAS: Ovako Working Posture Analysis System Silverstein B., Fine L. J., Armstrong T. J., Handwrist cumulative trauma disorders in industry. British Journal of Industrial Medicine, 1986, 43: Rodgers S., A fuctional job analysis technique. Occupational Medicine, 1992: Revised NIOSH Lifting Equation, 1994.

38 BUSCA POR QUANTIFICAÇÃO DA EXPOSIÇÃO Moore J. S., Garg A., A job analysis method for predicting risk of upper extremity disorders at work results. Advanced in Industrial Ergonomics and Safety, 1993, V: RULA: A Survey Method for the Investigation of Work-Related Upper Limb Disorders, McAtamney, L. and Corlett, E.N., Applied Ergonomics, 1993, 24(2): Comparaison de Methodes d analyse du risque musculo squelettique des membres superieurs. Leão, R. D., Université Catholique de Louvain. Unité Hygiène et Physiologie du travail. Rapid Entire Body Assessment (REBA). Sue Hignett, Lynn McAtamney, Applied Ergonomics 31 (2000) accepted 17 June 1999.

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751

Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751 Seminário sobre a Norma Regulamentadora 17- Fundacentro- 23/11/2010 Evolução da Legislação em Ergonomia no Brasil: a construção social da Portaria No. 3.751 Autoria: Lys Esther Rocha As relações de trabalho

Leia mais

Vantagens e limitações de duas ferramentas de análise e registro postural quanto à identificação de riscos ergonômicos

Vantagens e limitações de duas ferramentas de análise e registro postural quanto à identificação de riscos ergonômicos Vantagens e limitações de duas ferramentas de análise e registro postural quanto à identificação de riscos ergonômicos João Paulo Campos de Souza (PPGEP UFPB) souza.jp@gmail.com Prof. Dr. Celso Luiz Pereira

Leia mais

Os direitos das trabalhadoras nos checkouts (caixas)

Os direitos das trabalhadoras nos checkouts (caixas) Os direitos das trabalhadoras nos checkouts (caixas) ANEXO 1 da NR-17 Trabalho em Checkouts e dos Operadores de Caixa de Supermercado Cartilha de responsabilidade da Secretaria de Saúde e Segurança do

Leia mais

A Nova NR12. AFT Aida Cristina Becker

A Nova NR12. AFT Aida Cristina Becker A Nova NR12 AFT Aida Cristina Becker Fevereiro 2011 DOU 24 de dezembro 2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 197, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010 Altera a Norma

Leia mais

Sistema para a Análise Ergonômica do Trabalho com uso de Câmeras de Profundidade

Sistema para a Análise Ergonômica do Trabalho com uso de Câmeras de Profundidade Sistema para a Análise Ergonômica do Trabalho com uso de Câmeras de Profundidade Ruberth A. A. Barros 1, Valéria P. Carvalho 1, Darlan B. P. Quintanilha 1, Anselmo C. Paiva 1, Ivana M. O. Maia 2 1 Núcleo

Leia mais

FELOC ATIBAIA 06-05-2015

FELOC ATIBAIA 06-05-2015 FELOC ATIBAIA 06-05-2015 ANO Desabamento e soterramento Choque Acidentes Fatais Queda na Construção de Civil Queda Município de elevador SP Equipamentos Diversos elétrico operários de objetos 1997 6

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 88 Município: Garça Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

Máquinas e Equipamentos: A Nova NR 12. Roque Puiatti SRTE/RS/MTE

Máquinas e Equipamentos: A Nova NR 12. Roque Puiatti SRTE/RS/MTE Máquinas e Equipamentos: A Nova NR 12 Roque Puiatti SRTE/RS/MTE União Européia... 89/392/EEC 91/368/EEC 93/44/EEC 93/68/EEC 98/37/EC 2006/42/EC 12.1.6 A concepção de máquinas deve atender ao princípio

Leia mais

INPAME. www.inpame.org.br. Instituto Nacional de Prevenção aos. Fones: (11) 3765 2155 / 3719 1059. Filiado à:

INPAME. www.inpame.org.br. Instituto Nacional de Prevenção aos. Fones: (11) 3765 2155 / 3719 1059. Filiado à: INPAME Instituto Nacional de Prevenção aos Acidentes em Máquinas M e Equipamentos www.inpame.org.br Fones: (11) 3765 2155 / 3719 1059 Filiado à: PROTEÇÃO AO TRABALHO EM MÁQUINAS Palestra realizada em Florianópolis

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

MÉTODOS E FERRAMENTAS ERGONÔMICAS QUE AUXILIAM NA ANÁLISE DE SITUAÇÕES DE TRABALHO

MÉTODOS E FERRAMENTAS ERGONÔMICAS QUE AUXILIAM NA ANÁLISE DE SITUAÇÕES DE TRABALHO ISSN 1984-9354 MÉTODOS E FERRAMENTAS ERGONÔMICAS QUE AUXILIAM NA ANÁLISE DE SITUAÇÕES DE TRABALHO Georgia Jully Shida (UFSCar) Paulo Eduardo Gomes Bento (UFSCar) Resumo Neste trabalho é apresentada uma

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO DE UMA COZINHEIRA EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA-PB: UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO DE UMA COZINHEIRA EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA-PB: UM ESTUDO DE CASO ANÁLISE ERGONÔMICA DO POSTO DE TRABALHO DE UMA COZINHEIRA EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA-PB: UM ESTUDO DE CASO Jerusa Cristina Guimaraes de Medeiros (UFPB) jerusacgm@gmail.com Helena Thamara Aquino

Leia mais

Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho

Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho 45 Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho Parte A: Introdução Uma boa postura de trabalho é fundamental para prevenir lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho

Leia mais

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P

Blocos de segurança para Prensas tipo N e P 1 Blocos de segurança para Prensas tipo N e P Conteúdo Introdução Referências normativas Bloco tipo N Bloco tipo P Considerações finais 2 Introdução Prensas hidráulicas são máquinas responsáveis pela conformação,

Leia mais

Análise ergonômica com a aplicação do método OWAS: Estudo de caso em uma indústria moveleira do centro-oeste do Paraná

Análise ergonômica com a aplicação do método OWAS: Estudo de caso em uma indústria moveleira do centro-oeste do Paraná Análise ergonômica com a aplicação do método OWAS: Estudo de caso em uma indústria moveleira do centro-oeste do Paraná Diego Aparecido da Silva 1 (UEM) diego.apo.silva@gmail.com Laurindo Otávio Gonçalves

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO

APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO Ben Hur Giovani M Capeletti (UTFPR) bgmcapelettiz29@gmail.com ALINE SIAS FRANCHINI

Leia mais

3º PROTEGE Mesa Redonda Qual a abordagem para avaliação de calor em trabalho a céu aberto? Cuiabá - 15/10/2015

3º PROTEGE Mesa Redonda Qual a abordagem para avaliação de calor em trabalho a céu aberto? Cuiabá - 15/10/2015 3º PROTEGE Mesa Redonda Qual a abordagem para avaliação de calor em trabalho a céu aberto? Cuiabá - 15/10/2015 Auditor do Trabalho Claudio Cezar Peres SRTE/RS MTPS Avaliar calor é avaliar risco. 1 - Qual

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

ISSN 2358-3126 PRIORIZAÇÃO DE RISCOS ERGONÔMICOS EM OPERADORES DE GUINDASTE RISK PRIORITIZATION ERGONOMIC IN CRANE OPERATORS

ISSN 2358-3126 PRIORIZAÇÃO DE RISCOS ERGONÔMICOS EM OPERADORES DE GUINDASTE RISK PRIORITIZATION ERGONOMIC IN CRANE OPERATORS ISSN 2358-3126 PRIORIZAÇÃO DE RISCOS ERGONÔMICOS EM OPERADORES DE GUINDASTE Karine Borges de Oliveira, karine@ergobrasil.com 1 Eduardo Ferro dos Santos, eduardo.ferro@usp.br 2 1 UNISAL, Centro Universitário

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

ERGONOMIA NR-17 Ergonomia e Segurança do Trabalho

ERGONOMIA NR-17 Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA NR-17 Ergonomia e Segurança do Trabalho Prof. Mario S. Ferreira, Setembro, 2011 ERGONOMIA (CONFORTO & SEGURANÇA) PRODUTO-EQUIPAMENTO MÁQUINA COM QUALIDADE TAREFA-PROCESSO COM QUALIDADE ADEQUADO

Leia mais

Cartilha da Norma Regulamentadora de Checkout

Cartilha da Norma Regulamentadora de Checkout Cartilha da Norma Regulamentadora de Checkout Índice Apresentação... 3 Publicação... 4 Sobre a NR17... 5 17.2. Levantamento, transporte e descarga individual de materiais... 6 17.3. Mobiliário dos postos

Leia mais

ESTUDO ERGONÔMICO NO SETOR DE CAIXA DE UM SUPERMERCADO DE MÉDIO PORTE EM QUISSAMÃ/RJ: UM ESTUDO DE CASO.

ESTUDO ERGONÔMICO NO SETOR DE CAIXA DE UM SUPERMERCADO DE MÉDIO PORTE EM QUISSAMÃ/RJ: UM ESTUDO DE CASO. ESTUDO ERGONÔMICO NO SETOR DE CAIXA DE UM SUPERMERCADO DE MÉDIO PORTE EM QUISSAMÃ/RJ: UM ESTUDO DE CASO. Brenno Rangel Cavalcante (UCAM) brenno_rangel@hotmail.com breno mota medeiros (UCAM) br-mm89@hotmail.com

Leia mais

3.1.1 Considera-se grave e iminente risco

3.1.1 Considera-se grave e iminente risco NR 3 - EMBARGO OU INTERDIÇÃO 3.1 Embargo e interdição são medidas de urgência, adotadas a partir da constatação de situação de trabalho que caracterize risco grave e iminente ao trabalhador. 3.1.1 Considera-se

Leia mais

Uma análise ergonômica de levantamento de cargas utilizando o método NIOSH

Uma análise ergonômica de levantamento de cargas utilizando o método NIOSH Uma análise ergonômica de levantamento de cargas utilizando o método NIOSH João Antônio de Castro FERNANDES¹; Wemerton Luís EVANGELISTA² ¹ Aluno do curso de Engenharia de Produção do IFMG campus Bambuí

Leia mais

ERGONOMIA DE CONCEPÇÃO COMO META DA AUDITORIA DO TRABALHO

ERGONOMIA DE CONCEPÇÃO COMO META DA AUDITORIA DO TRABALHO ERGONOMIA DE CONCEPÇÃO COMO META DA AUDITORIA DO TRABALHO Estudo do posto de trabalho dos operadores de caixa de um supermercado em Fortaleza e resultado da intervenção da Auditoria do Trabalho Mauro de

Leia mais

WORKSHOP IMPACTOS DA NOVA REDAÇÃO DA NR

WORKSHOP IMPACTOS DA NOVA REDAÇÃO DA NR WORKSHOP IMPACTOS DA NOVA REDAÇÃO DA NR 12 Saúde e Segurança no Trabalho SST Outubro / 2013 QUEM MEXEU NA MINHA MÁQUINA 2 ALTERAÇÃO DA NR 12 Publicada no DOU do dia 24/12/2010 pela Portaria nº 197, estabelece

Leia mais

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho 1. Com base na CLT e com a Norma Regulamentadora 07 (PCMSO), julgue os itens a seguir. I. Quando na fase de reconhecimento dos riscos ambientais não for detectado risco específico, o controle médico poderá

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

17.2. Levantamento, transporte e descarga individual de materiais.

17.2. Levantamento, transporte e descarga individual de materiais. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira NR 17 - Ergonomia (117.000-7) 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam

Leia mais

Segurança para Máquinas Cenário Brasil Rodrigo Rodrigues

Segurança para Máquinas Cenário Brasil Rodrigo Rodrigues Segurança para Máquinas Segurança para Máquinas Cenário Brasil Rodrigo Rodrigues 1 Internal 20/04/2011 DC/QMM3 Dr. Alexandre Orth Training Bosch Rexroth AG 2011. All rights reserved, also regarding any

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DA ATIVIDADE DE PINTURA EM UMA OBRA DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO

ANÁLISE ERGONÔMICA DA ATIVIDADE DE PINTURA EM UMA OBRA DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO ANÁLISE ERGONÔMICA DA ATIVIDADE DE PINTURA EM UMA OBRA DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO 1. INTRODUÇÃO FERNANDA APARECIDA HENNEBERG 1 NATHALIE CAVALCANTI MONTEIRO 2 ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA 3

Leia mais

NR 12 e os Anexos VI e VII:

NR 12 e os Anexos VI e VII: TREINAMENTO FIEMG - 28/02/2013 NR 12 e os Anexos VI e VII: Diagnóstico em Fev/2013 Marcos Ribeiro Botelho Auditor-Fiscal do Trabalho SRTE/MG 31-32706151 Paralelo entre as duas NR-12 Antiga NR-12 NR-12

Leia mais

Trabalho nos checkouts (caixas) Anexo I da NR 17

Trabalho nos checkouts (caixas) Anexo I da NR 17 Trabalho nos checkouts (caixas) Anexo I da NR 17 Prevenção dos problemas de segurança e saúde relacionados ao trabalho dos operadores e operadoras de caixa 1 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NO

Leia mais

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail:

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: Texto Proposto Comentário Nossa Proposta Justificativa Técnica Dobradeiras

Leia mais

PRÉ ORÇAMENTO - LINHA MOBILIÁRIA PRODUTO CADEIRAS

PRÉ ORÇAMENTO - LINHA MOBILIÁRIA PRODUTO CADEIRAS PRÉ ORÇAMENTO - LINHA MOBILIÁRIA PRODUTO CADEIRAS Ajude-nos a conhecer melhor suas necessidades a fim de que nossos especialistas em ergonomia, custo x benefício, lay outs, fluxo de material e até especialistas

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS Mariana de Barros Cruz Pereira Mota (UCAM) marianamota01@hotmail.com Mayara Ribeiro Castilho (UCAM) mayararc2005@hotmail.com Leandro

Leia mais

Análise de risco para disfunções músculo-esqueléticas na atividade de operadores de enchimento de cilindros

Análise de risco para disfunções músculo-esqueléticas na atividade de operadores de enchimento de cilindros Análise de risco para disfunções músculo-esqueléticas na atividade de operadores de enchimento de cilindros Thiago de Oliveira Pegatin (UTFPR) thiagopegatin@yahoo.com.br Prof. Dr. Antonio Augusto de Paula

Leia mais

ANEXO I DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA E REQUISITOS PARA O USO DE DETECTORES DE PRESENÇA OPTOELETRÔNICOS

ANEXO I DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA E REQUISITOS PARA O USO DE DETECTORES DE PRESENÇA OPTOELETRÔNICOS ANEXO I DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA E REQUISITOS PARA O USO DE DETECTORES DE PRESENÇA OPTOELETRÔNICOS A) Distâncias de segurança para impedir o acesso a zonas de perigo quando utilizada barreira física QUADRO

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 17 - ERGONOMIA Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Atualizações/Alterações D.O.U. Portaria MTPS n.º 3.751, de 23 de novembro de 1990 26/11/90 Portaria SIT n.º 08,

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/ICP/15345/2012 ORIGEM: PRT 2ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DRA. ASSUNTO: TEMAS GERAIS

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/ICP/15345/2012 ORIGEM: PRT 2ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DRA. ASSUNTO: TEMAS GERAIS CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/ICP/15345/2012 ORIGEM: PRT 2ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DRA. DÉBORA MONTEIRO LOPES INTERESSADO 1: MIRELLA NICACIO INTERESSADO 2: SALES COMÉRCIO E SERVIÇOS

Leia mais

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho MANIPULAÇÃO MANUAL DE CARGAS (MMC) Fatores de Risco e Avaliação Ana Sofia Colim A Problemática da MMC Legislação Decreto-Lei 330/93 Métodos de Avaliação de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. WILSON FILHO) Dispõe sobre a obrigatoriedade de manutenção de serviço de ensacamento ou empacotamento de mercadorias pelas empresas que desenvolvem atividade comercial

Leia mais

NR 12 - Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos

NR 12 - Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos Ministério do Trabalho e Emprego Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho NR 12 - Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos Fabricação, Importação, Comércio

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO VIII PRENSAS E SIMILARES

NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO VIII PRENSAS E SIMILARES NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO VIII PRENSAS E SIMILARES 1. Prensas são máquinas utilizadas na conformação e corte de materiais diversos, nas quais o movimento do martelo

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NA OPERAÇÃO DE DESBOBINAMENTO DE CABOS NO ALMOXARIFADO DE UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA

PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NA OPERAÇÃO DE DESBOBINAMENTO DE CABOS NO ALMOXARIFADO DE UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA ação ergonômica, volume 5, número 3 PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NA OPERAÇÃO DE DESBOBINAMENTO DE CABOS NO ALMOXARIFADO DE UMA CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA ELÉTRICA Paula Karina Hembecker PPGEP/UFSC pkhembecker@yahoo.com.br

Leia mais

CEO da DQS do Brasil e América do Sul, na DQS há 17 anos. Auditora Líder de Sistema de Gestão da Qualidade Auditora Líder de Gestão de Riscos

CEO da DQS do Brasil e América do Sul, na DQS há 17 anos. Auditora Líder de Sistema de Gestão da Qualidade Auditora Líder de Gestão de Riscos Seu sucesso é Nosso objetivo! DQS do Brasil Ltda. Sistemas Integrados de Gestão CIESP - Diadema. Dezée Mineiro CEO da DQS do Brasil e América do Sul, na DQS há 17 anos Auditora Líder de Sistema de Gestão

Leia mais

Avaliação Ergonômica: Revisão dos Métodos para Avaliação Postural. Ergonomic Assessment: Postural Assessment Methods Review.

Avaliação Ergonômica: Revisão dos Métodos para Avaliação Postural. Ergonomic Assessment: Postural Assessment Methods Review. Avaliação Ergonômica: Revisão dos Métodos para Avaliação Postural. Ergonomic Assessment: Postural Assessment Methods Review. Moacyr Machado Cardoso Junior Engenheiro de Segurança do Trabalho, Msc. Centro

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Auditoria de Segurança e Higiene no Trabalho

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Auditoria de Segurança e Higiene no Trabalho INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 28/10/2015 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 16/12/2015 Ficha de

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NAS ATIVIDADES DE TELEATENDIMENTO

SEGURANÇA E SAÚDE NAS ATIVIDADES DE TELEATENDIMENTO RECOMENDAÇÃO TÉCNICA DSST Nº 01 /2005 Brasília, 23 de março de 2005 SEGURANÇA E SAÚDE NAS ATIVIDADES DE TELEATENDIMENTO I JUSTIFICATIVAS O Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho DSST/SIT/MTE, em

Leia mais

Sumario. 1 Introdução à Ergonomia... 2. 2 Conceito de Ergonomia... 3 3 NR 17... 7. 4 Equação de NIOSH... 28. 5 Transporte de cargas...

Sumario. 1 Introdução à Ergonomia... 2. 2 Conceito de Ergonomia... 3 3 NR 17... 7. 4 Equação de NIOSH... 28. 5 Transporte de cargas... Sumario 1 Introdução à Ergonomia........................... 2 2 Conceito de Ergonomia............................ 3 3 NR 17........................................... 7 Anexo I Trabalhos dos Operadores

Leia mais

Márcia de Matos, Acadêmica Ana Regina de Aguiar Dutra, Dra. INTRODUÇÃO

Márcia de Matos, Acadêmica Ana Regina de Aguiar Dutra, Dra. INTRODUÇÃO PROJETO DE UMA FERRAMENTA PARA A COLETA E TRANSPORTE DE LIXO A SER UTILIZADA PELOS GARIS NOS MORROS DE FLORIANÓPOLIS, A PARTIR DAS METODOLOGIAS ERGONÔMICAS E DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Márcia de Matos,

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE CONFORMIDADE SEGURANÇA DE MÁQUINAS

RELATÓRIO TÉCNICO DE CONFORMIDADE SEGURANÇA DE MÁQUINAS RELATÓRIO TÉCNICO DE CONFORMIDADE SEGURANÇA DE MÁQUINAS EMPRESA: Jzardo-ME ENDEREÇO: Rua sebastião Ferraz de Campos Junior,210 BAIRRO: Chácara Flora ESPECIFICAÇÃO: Equipamento destina à compactação de

Leia mais

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 1 DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA (DE EMERGÊNCIA)

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 1 DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA (DE EMERGÊNCIA) MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 1 DISPOSITIVOS DE PARTIDA, ACIONAMENTO E PARADA (DE EMERGÊNCIA) INTRODUÇÃO Este trabalho é uma compilação de informações sobre várias formas de proteções

Leia mais

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Marcello Guimarães Couto, M.Sc. HGB Consultoria e Gestão Ltda. marcello@hgb.com.br mgcouto@gmail.com Resumo Este artigo aborda os novos

Leia mais

IPR Instalações Prediais

IPR Instalações Prediais IPR Instalações Prediais Programa: Sistemas Prediais de Água Fria Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Professora Andreza Kalbusch Sistemas Prediais de Água Quente Sistemas Prediais de Águas Pluviais

Leia mais

FERRAMENTAS, MÉTODOS E PROTOCOLOS DE ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO ERGONOMICS ANALYZIS TOOLS, METHODS AND PROTOCOLS AT WORK

FERRAMENTAS, MÉTODOS E PROTOCOLOS DE ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO ERGONOMICS ANALYZIS TOOLS, METHODS AND PROTOCOLS AT WORK FERRAMENTAS, MÉTODOS E PROTOCOLOS DE ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO ERGONOMICS ANALYZIS TOOLS, METHODS AND PROTOCOLS AT WORK STRABELI, Giovana I. (1); NEVES, Érica P. (2). (1) UFSCar 1, Mestranda e-mail:

Leia mais

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR O QUE É ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO?

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR O QUE É ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO? ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO? ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Trabalho e Emprego Carlos Lupi FUNDACENTRO

Leia mais

A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR

A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR A MAIOR EXPERIÊNCIA PRÁTICA DO MERCADO WWW.WESERGONOMIA.COM.BR ERGONOMIA COMO PARTE DO NEGÓCIO E SEU GERENCIAMENTO NA REDUÇÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS ERGONOMIA TAYLOR PRODUÇÃO SÉRIE MECANIZAÇÃO AUTOMAÇÃO

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR. NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR. NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Trabalho e Emprego Carlos Lupi FUNDACENTRO

Leia mais

As tendencias normativas mundiais e a NR12 Fundacentro - SP, Novembro 2015

As tendencias normativas mundiais e a NR12 Fundacentro - SP, Novembro 2015 As tendencias normativas mundiais e a NR12 Fundacentro - SP, Novembro 2015 AFT Aida Cristina Becker Coordenadora Comissão Nacional Tripartite Temática CNTT NR12 http://www.tst.jus.br/legislacao?p_auth=5nbo3ayt&p_

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 059 Município: CASA BRANCA Eixo Tecnológico: SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Qualificação:

Leia mais

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon Profa. Linda Nice Gama segurança, conforto, bem-estar e a eficácia das atividades humanas Ergonomia de Concepção: projeto posto, instrumento, máquina, sistemas

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Ana Carla da Silveira Lomba Osvaldo Luis Gonçalves Quelhas Gilson Brito Alves Lima ABSTRACT: The present work wants to stress, trough an application

Leia mais

Trabalhos em Capelas Químicas. Julio Carlos Alves e Ailton Pupo Baratella Designs Laboratório

Trabalhos em Capelas Químicas. Julio Carlos Alves e Ailton Pupo Baratella Designs Laboratório Recomendações de Segurança a para Trabalhos em Capelas Químicas Julio Carlos Alves e Ailton Pupo Baratella Designs Laboratório 1 1 - DEFINIÇÕES DE CAPELA 2 - PLANEJAMENTO NO LAY OUT 3 - PREVENÇÃO DE ACIDENTES

Leia mais

Avaliação de problemas ergonômicos prioritários em posto de trabalho de uma indústria de bebidas

Avaliação de problemas ergonômicos prioritários em posto de trabalho de uma indústria de bebidas Avaliação de problemas ergonômicos prioritários em posto de trabalho de uma indústria de bebidas Charles Ricardo Leite da Silva (UFPE) charles.leite@gmail.com Andresa Rodrigues Marques (UFPE) andrezarm@uol.com.br

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Manfred Peter Johann Gerente de Vendas da WEG Automação A crescente conscientização da necessidade de avaliação dos riscos na operação de uma máquina ou

Leia mais

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355.

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Sócio do Grupo Rumo Engenharia www.rumoengenharia.com.br Telefone: (15) 3331-2300 Celular: (15) 9 9742-9819 Diretor da Área de Engenharia

Leia mais

02 - Empresa ou entidade que representa, cargo que ocupa e há quanto tempo exerce a atividade.

02 - Empresa ou entidade que representa, cargo que ocupa e há quanto tempo exerce a atividade. SEGURANÇA NO TRABALHO COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 01 - Nome completo e breve formação acadêmica e profissional. JAQUES SHERIQUE - Engenheiro Mecânico e de Segurança do Trabalho, foi Vice- Presidente do

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO INSTALAÇÃO PERMANENTE

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO INSTALAÇÃO PERMANENTE ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 11 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Laboratório de Árvores, Madeiras e Móveis / Centro

Leia mais

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA De acordo com dados da Ergonomics Research Society, Inglaterra, a Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA ERGONOMIA PARA A MELHORIA DO SETOR DE LOGÍSTICA INTERNA DE UMA ORGANIZAÇÃO

AS CONTRIBUIÇÕES DA ERGONOMIA PARA A MELHORIA DO SETOR DE LOGÍSTICA INTERNA DE UMA ORGANIZAÇÃO AS CONTRIBUIÇÕES DA ERGONOMIA PARA A MELHORIA DO SETOR DE LOGÍSTICA INTERNA DE UMA ORGANIZAÇÃO Flávia Koerich Brüggemann¹; Dra. Ana Regina de Aguiar Dutra (orientadora)² INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento

Leia mais

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Portaria n.º 197, de 17 de dezembro de 2010 17 de outubro 2011 Eng João Baptista Beck Pinto REVISÃO NR-12 Art. 2º Criar a Comissão Nacional Tripartite

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais

3º ENCONTRO ESTADUAL DE CIPA E SESMT DO SETOR QUÍMICO

3º ENCONTRO ESTADUAL DE CIPA E SESMT DO SETOR QUÍMICO 3º ENCONTRO ESTADUAL DE CIPA E SESMT DO SETOR QUÍMICO PROTEÇÃO DE MÁQUINAS NR 12 ENG. ROBERTO DO VALLE GIULIANO CONVENÇÃO COLETIVA DE 1995 EXEMPLOS DE PROTEÇÕES UNIDADE DE FECHAMENTO Proteção móvel Proteção

Leia mais

ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário:

ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário: ERGONOMIA - Adaptação das Condições de Trabalho Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 18/12/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito e Objetivo 3 - Análise Ergonômica do Trabalho 3.1

Leia mais

Acidentes de Trabalho com Máquinas Identificação de Riscos e Prevenção

Acidentes de Trabalho com Máquinas Identificação de Riscos e Prevenção Acidentes de Trabalho com Máquinas Identificação de Riscos e Prevenção Introdução à Engenharia de Segurança Cristhiane Gonçalves RA 206130 Mara Brasileiro RA 229539 Tarcila Yamada Miyamoto RA 206156 Introdução

Leia mais

ESTRATÉGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS MANUAIS FOCADA NA PERCEPÇÃO DOS TRABALHADORES

ESTRATÉGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS MANUAIS FOCADA NA PERCEPÇÃO DOS TRABALHADORES ESTRATÉGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS MANUAIS FOCADA NA PERCEPÇÃO DOS TRABALHADORES Túlio Oliveira de Souza, M.Sc. Nilton Luiz Menegon, M.Sc. Grupo Ergo&Ação/ D.E.P./ Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO www.decibel.com.br ATENÇÃO É de fundamental importância a leitura completa deste manual antes de ser iniciada qualquer atividade

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: Interessado(s) 1: PRT 1ª Região Sigiloso Interessado(s) 2: Germans Distribuidora de Comestíveis Ltda. (Supermercados Campeão) Assunto(s): Meio Ambiente do Trabalho 01.01.10. RECURSO ADMINISTRATIVO.

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

Análise da Postura de Trabalho com Computador

Análise da Postura de Trabalho com Computador Artigo Revista Científica da UFPA, V. 7, Nº 01, 2009 Análise da Postura de Trabalho com Computador Shahine Paccola Gonçalves 1 Cinthia Dias Rocha 1 Paulo Torres Fenner 2 Resumo Este artigo trata sobre

Leia mais

Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais (musculoesquéticas) e melhorar a qualidade de vida como um todo

Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais (musculoesquéticas) e melhorar a qualidade de vida como um todo ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA PRÓ-QUALIDADE DE VIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO I COLÓQUIO DE QUALIDADE DE VIDA Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Mestre em Engenharia de Produção, especialidade em Ergonomia pela universidade Federal de Pernambuco Recife/Brasil (UFPE);

Mestre em Engenharia de Produção, especialidade em Ergonomia pela universidade Federal de Pernambuco Recife/Brasil (UFPE); Currículo Vitae Dados Biográficos Ernesto Vilar Filgueiras Data de nascimento: 24 de Julho de 1973 Naturalidade: Crato - Brasil Morada: Cc. Conde de Tomar, nº 31 3º DT 1497-710 Cruz Quebrada Telefone.

Leia mais