3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos:"

Transcrição

1 1/7 1. OBJETIVO: 1.1. Esta Especificação Técnica tem por objetivo definir as características e estabelecer os critérios para a fabricação e aceitação do Sistema para Cabeamento Interno Aparente em Ambiente FTTX, que atenda aos requisitos técnicos estabelecidos pelas empresas de Telecomunicações, pela legislação em vigor e, quando for o caso pela Agência Reguladora do Setor. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO: 2.1. Este documento se aplica a todos os fabricantes/fornecedores e a todos os setores da DPR que atuam na aquisição, aceitação e comercialização do Sistema de Cabeamento Interno Aparente em Ambiente FTTX. 3. REFERÊNCIA NORMATIVA: 3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos: Norma para Certificação e Homologação de Cabos de Fibras Ópticas Anexo da Resolução Anatel 299 de 20 de Junho de 2002; Requisitos Técnicos e Procedimentos de Ensaios Aplicáveis à Certificação de Produtos para Telecomunicação de Categoria I; Norma ABNT NBR Carretel de Madeira para Acondicionamento de Fios e Cabos Dimensões e estruturas; Norma ABNT NBR Carretel para Acondicionamento de Fios e Cabos Requisitos de Desempenho. 4. DESCRIÇÃO DO PRODUTO: 4.1. O Sistema para Cabeamento Interno Aparente em Ambiente FTTX é constituído pelos seguintes componentes: Fibra Óptica Individual tipo G657 B3 (raio de curvatura mínimo de 5 mm), com revestimento do tipo tight de 900 μm, com grau de inflamabilidade UL5C, Certificada na Anatel conforme Normas e Requisitos referenciados nesta Especificação;

2 2/ Mini Duto em PVC, fabricado nas cores marfim, branca ou bege, em perfil T, contendo na sua face posterior uma fita adesiva dupla face de alta adesão, do tipo VHB, em toda a extensão do mini duto; Curva Planar constituída em plástico de engenharia, nas cores marfim, branca e bege, em formato de L, para a realização de curvas no mesmo plano em 90 do mini duto com fibra, mantendo o raio de curvatura permitido. A Curva Planar deve ser fornecida com fita adesiva dupla face de alta adesão, laminada na parte posterior para possibilitar a fixação na parede. 5. APLICAÇÃO DO PRODUTO: 5.1. O produto é utilizado para acesso interno aparente em ambientes FTTX, onde não exista viabilidade para a passagem do Drop Óptico, por obstrução ou falta de tubulação; 5.2. O Mini Duto deve permitir sua instalação e fixação de forma simultânea em uma única aplicação com utilização de ferramenta de instalação (Anexo V) e ferramenta de corte (Anexo VI); 5.3. A fita adesiva deve ser compatível para aplicação em diversos tipos de acabamento de superfícies, tais como: tintas látex ou a óleo, papel de parede e texturas leves. Não é aplicável para superfícies não acabadas de blocos ou de concreto; 5.4. As superfícies do mini duto e da curva planar devem ser compatível com tintas látex ou a óleo, de modo a permitir pintura ou acabamento sobre o produto; 5.5. O mini duto e a curva planar devem propiciar a proteção mecânica da fibra óptica durante a instalação e após o produto estar finalizado na superfície; 5.6. O mini duto deve possibilitar a manutenção e a troca da fibra sem a necessidade da remoção do adesivo; 5.7. A Curva Planar deve permitir o encaixe e roteamento sem distorção da fibra ou do mini duto.

3 3/7 6. DIMENSÕES DO PRODUTO: 6.1. Mini Duto em PVC em perfil T : a) Largura de 8,19 mm; b) Altura de 3,4 mm Curva Planar em formato L ; a) Dimensões: 32,5 x 32,5 mm. 7. ACABAMENTO: 7.1. O Mini Duto e a Curva Planar devem apresentar superfícies contínuas, homogenias, uniformes e isentas de irregularidades, reentrâncias, bolhas ou bordas cortantes. 8. MARCAÇÃO: 8.1. Os Produtos devem ser identificados de forma visível e indelével, com o nome ou marca do fabricante. Tais marcações não devem alterar as características das peças nem deformá-las de modo que venha a prejudicar sua instalação. 9. EMBALAGEM: 9.1. O Sistema para Cabeamento Interno Aparente em Ambiente FTTX deve ser fornecido acondicionado em caixa de papelão resistente, com rolo de mini duto com 90,00 metros, que permita a instalação da metragem necessária, sem necessidade de retirada do invólucro. Em cada caixa de rolo deve ser fornecido 60 Curvas Planares, embaladas em sacos plásticos, com 12 unidades e acondicionadas em caixa de papelão. Na embalagem de acondicionamento deve constar externamente o nome ou marca do fabricante, a designação do produto e a quantidade de unidades contidas na embalagem.

4 4/7 10. DESIGNAÇÃO: O Sistema para Cabeamento Interno Aparente em Ambiente FTTX, especificado por este documento, deverá ser fornecido sob a designação da tabela 1, especificada abaixo: Tabela 1 TIPO COMPRIMENTO LARGURA (mm) ALTURA (mm) QUANT. CORES MINI DUTO 90 m 8,1 3,4 MARFIM CURVA BRANCO 32,5 mm 32,5 60 PLANAR BEGE CÓDIGO DPR A Fibra Óptica instalada no interior do Mini Duto deve atender as características especificadas na tabela 2. Tabela 2 TIPO REVESTIMENTO INFLAMABILIDADE CERTIFICAÇÃO G657 B3 TIGHT 900 μm UL5C ANATEL 11. INSPEÇÃO VISUAL: O produto deverá apresentar conformidade de acordo com os itens 5, 6, 7, 8 e 9 desta Especificação. 12. INSPEÇÃO DIMENSIONAL: As dimensões das peças que compõem o Sistema de Cabeamento Interno Aparente em Ambiente FTTX deverão apresentar conformidade, de acordo com a Tabela REQUISITOS ESPECÍFICOS: Os materiais que compõem o Sistema de cabeamento Interno devem resistir à variação de temperatura entre 4 C a 38 C, com umidade relativa entre 0% e 95% sem sofrer alterações de desempenho;

5 5/ Os materiais que compõem o Mini Duto, a Curva Planar e o revestimento da Fibra Óptica devem atender ao padrão que examina a inflamabilidade e comportamento perante o fogo UL5C; Os materiais que compõem o Sistema de Cabeamento Interno não devem sofrer degradação ou deformação no seu ambiente de aplicação, que comprometa o desempenho do mesmo durante sua vida útil; O Sistema de Cabeamento Interno deve ser compatível com fibras tipo ITU G657 A2, nos comprimentos de onda de 1310, 1490, 1550 e 1625 nm e serem emendadas através dos métodos tradicionais por emenda por fusão ou mecânicos, atendendo as características de performance óptica, sem sofrer degradação. 14. REQUISITOS FUNCIONAIS: Resistência à Tração: Quando submetida ao ensaio de Resistência à Tração a amostra do Mini Duto deve resistir a um esforço de tração mínimo de 11.1 N, sem que haja rompimento do mesmo; Resistência ao Impacto: Quando submetida ao ensaio de Resistência ao Impacto a amostra do Mini Duto deve suportar um impacto de uma esfera de 2 com 535g, sob altura de 76 cm, sem danos ao mini Duto ou a Fibra Óptica. 15. TESTES DE QUALIFICAÇÃO: Exame Visual: a) Especificado: A identificação do produto, sua formação, material, dimensional e acabamento, devem estar em conformidade com os requisitos desta Especificação; b) Procedimento: O exame visual deve ser realizado em todos os componentes que compõem o Sistema de Cabeamento Interno Aparente em Ambiente FTTX, a olho nu.

6 6/7 16. ANEXOS: Anexo I: Mini Duto PVC com Fibra Individual G656 B3, com revestimento do tipo tight de 900 μm Anexo II: Curva Planar em formato L Anexo III: Acondicionamento do Mini Duto.

7 7/ Anexo IV: Dimensões do Mini Duto. Fibra G657 B3 900 μm Mini Duto PVC Adesivo Anexo V: Ferramenta de Instalação do Mini Duto Anexo VI: Ferramenta de Corte.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA Portaria Inmetro nº 220/2013 CÓDIGO: 3842

BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA Portaria Inmetro nº 220/2013 CÓDIGO: 3842 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR Importador: Lamedid Comercial e Serviços Ltda. Endereço: Av. Gupê, nº 10767 Galpão 20, Bloco IV Jardim Belval Município: Barueri SP -CEP: 06422-120

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras Dobradiça Furação para passagem de cabo de Ø21 mm ( 12x ) Vista Inferior Item 1 e 2 Adaptador para parafuso A.A. Fixação dos trilhos através de parafuso e porca ( possibilitando regulagem ) Trilho de fixação

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013.

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. Processo 56220/2013-73 Pregão 26/2014 GRUPO 1 MESAS E ESTAÇÕES DE TRABALHO 1 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1200X770MM 2 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1600X770MM

Leia mais

ALÇA PLÁSTICA PARA FIO FEB

ALÇA PLÁSTICA PARA FIO FEB ALÇA PLÁSTICA PARA FIO FEB Descrição: Alça plástica para fio FEB. Dados Técnicos: Utilizado na amarração final em roldana do fio telefônico FEB. Suporte no mínimo três imersões sim ocorrer deposição. Contém

Leia mais

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP INSTALAÇÃO HIDRÁULICA 1. INTRODUÇÃO As instalações de água fria devem atender

Leia mais

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Características Construtivas 1) Para Fio Inbranil Antichama: condutor sólido de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, classe 1. Para Cabo Inbranil Antichama: condutor

Leia mais

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Nome da empresa (razão social):... Endereço:... Cidade:... UF:... CEP:... CNPJ/MF n.:... Telefone/fax:... Nome:...

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Nome da empresa (razão social):... Endereço:... Cidade:... UF:... CEP:... CNPJ/MF n.:... Telefone/fax:... Nome:... FORMULÁRIO-PROPOSTA Nome da empresa (razão social):... Endereço:... Cidade:... UF:... CEP:... CNPJ/MF n.:... Telefone/fax:... Responsável pela assinatura do contrato: Nome:... Cargo/função:...Telefone/fax:...

Leia mais

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO Válida a partir de: 28.02.2008 Esta Norma fixa as condições mínimas de resistência e segurança exigíveis para guarda-corpos de edificações para uso privativo

Leia mais

205x50mm - Ref: ED 4D5

205x50mm - Ref: ED 4D5 DUTO DE PISO TIPO CANAL ABERTO ELETROCALHA DE PISO ED 4D5 (205 X 50 mm) - 4 seções 100% BRASILEIRA Dutos de piso abertos 1 - Perfil tipo canal aberto em alumínio extrudado que permite acesso/visita em

Leia mais

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Ofício nº 138/2003/CPL/SAA/SE/MEC Brasília, 04 de dezembro de 2003. REFERÊNCIA: Tomada de Preços nº 01/2003

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO 1. OBJETIVO Este Termo de Referência define requisitos que devem ser observados pelos interessados, para o fornecimento de chave de aferição à CEEE-D, em complementação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC)

Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC) Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC) Os cabos ópticos TELCON contam com uma excelente proteção e transmissão óptica para conectar longas distancias e outros serviços como Multimedia, Internet

Leia mais

Divisão Elétrica/Hidráulica

Divisão Elétrica/Hidráulica Divisão Elétrica/Hidráulica CARBINOX. O Brasil passa por aqui. Elétrica/Hidráulica A Carbinox é uma empresa que atua há 30 anos fornecendo soluções sob medida para impulsionar o desenvolvimento da economia.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

Distribuidor Interno Óptico Gaveta. Distribuidor Interno Óptico Fit

Distribuidor Interno Óptico Gaveta. Distribuidor Interno Óptico Fit Linha Óptica Família de produtos que tem como principal função proporcionar o tráfego de dados, voz e imagem através de cordões e cabos de fibra óptica com o auxílio de acessórios para garantir a infraestrutura

Leia mais

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall.

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. ANEXO 01 Sala MEV DW DW B B Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. 1 Figura 2 Detalhes das portas em drywall. A porta P11, destinada a acesso à

Leia mais

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC.

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC. Mobiliário 2000 1/6 VISTA LATERAL 0 VISTA FRONTAL 0 900 0 VISTA SUPERIOR 0 A A Mobiliário 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 40 COLUNA CHAPA 1 (2,25mm) VISTA SUPERIOR

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo FIPAI FUNDAÇÃO PARA O INCREMENTO DA PESQUISA E DO APERFEIÇOAMENTO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo Relatório Avaliação pós-ocupação

Leia mais

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC CONTATO E-MAIL: implantacao@redecidadania.ba.gob.br VERSÃO 9.0 MAIO / 2015 ESPECIFICAÇÕES DO ESPAÇO DO CDC Para a implantação do CDC é necessário encontrar

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX 1. INTRODUÇÃO O DRENO CIMFLEX é um tubo dreno corrugado fabricado em PEAD (Polietileno de Alta Densidade), de seção circular e com excelente raio de curvatura, destinado a coletar e escoar o excesso de

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV O CEASV consiste de um conjunto para a acomodação e proteção de emendas de cabos de rede externa de telefonia, em montagem de topo, para instalações aéreas. Trata-se de um sistema versátil, de fácil instalação

Leia mais

PISOS ELEVADOS. Pisos Elevados

PISOS ELEVADOS. Pisos Elevados 1 Sistema de Piso Elevado DataFloor Durabilidade e flexibilidade Branco Mesclado O sistema de piso elevado DataFloor foi desenvolvido para proporcionar máxima flexibilidade no uso do espaço em ambientes

Leia mais

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014)

AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO E EXTINTORES DE INCÊNDIO (PB-SBRH-002-2014) Maio 2014 Caderno de Especificações Técnicas Segurança do Trabalho de Sobradinho 1/19 ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

Soluções Inteligentes para o dia a dia

Soluções Inteligentes para o dia a dia Soluções Inteligentes para o dia a dia TELHAS TRANSLÚCIDAS 70 % transmissão de luz =$ Alta durabilidade; Não solta fibras; Melhor custo/benefício; Leveza e flexibilidade; Proteção contra raios UV (economia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Transmissor de nível Cod: 073AA-005-122M Rev. A Série LT-200 Fevereiro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

TABELA DE PREÇOS OUTUBRO 2010 V. 1

TABELA DE PREÇOS OUTUBRO 2010 V. 1 TABELA DE PREÇOS OUTUBRO 2010 V. 1 CABO VINIL FLEXÍVEL CABOS 0,6/1kV CABO FITER FLEX CABO AFITOX EP90-F 1kV 1 2 4 1,5 1,22 2,597,480 4,568 2,5 1,78,849 5,249 6,86 4 2,584 5,556 7,727 10,167 6,647 7,711

Leia mais

RALO LINEAR Localização no Website TIGRE: Obra Predial Esgoto Ralo Linear

RALO LINEAR Localização no Website TIGRE: Obra Predial Esgoto Ralo Linear RALO LINEAR Localização no Website TIGRE: Obra Predial Esgoto Ralo Linear Função: Captação de água servida com temperatura ambiente em instalações prediais. Aplicação: Instalações prediais, comerciais

Leia mais

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas

SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA. Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SESI - SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI DE SIMÕES FILHO QUADRA POLIESPORTIVA Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas Memorial Descritivo Revisão - 1 Outubro / 2010 página 1 S U M Á R I O : 1

Leia mais

Versatilidade e giro garantido

Versatilidade e giro garantido Versatilidade e giro garantido A Masterlux chegou para tornar a instalação e a manutenção dos eletrodomésticos uma atividade cada vez mais fácil e descomplicada. Com uma linha exclusiva de acessórios para

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

Linha Primeira Infância

Linha Primeira Infância Fichas Técnicas de Produto Pufe Infantil Folha Descritivo Técnico Completo Pufe Infantil Folha. Estofado infantil sem encosto (pufe) com face superior (assento) em formato losangular. Estruturado em madeira

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais

Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Estudo das Propriedades Físico Mecânicas do Papel a ser submetido ao 4º EETCG- Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais Pâmila Thais Heitkoeter de Melo (FATEB Faculdade de Telêmaco Borba)

Leia mais

ABNT NBR 9191:2008. Mara L. S. Dantas. Sacos com lixo infectante necessidade de controle na disposição

ABNT NBR 9191:2008. Mara L. S. Dantas. Sacos com lixo infectante necessidade de controle na disposição Sacos com lixo infectante necessidade de controle na disposição Linha do Tempo da participação do IPT na normalização e controle 1991/ jan - IPT emite avaliação dos sacos para a Secretaria de Defesa do

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

Especialista em Soluções

Especialista em Soluções Fita Adesiva de Polipropileno (Empacotamento) Fita adesiva de filme de polipropileno biorientado transparente com adesivo acrílico. Indicada para: - Trabalhos escolares; - Reforço de embalagens; - Fechamento

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010 ETME 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010 SUMÁRIO 1.1 OBJETIVO...4 1.2 NORMAS RECOMENDADAS...4 1.3 UNIDADES DE MEDIDA...4 1.4 IDIOMA...4 1.5 GARANTIAS QUANTO AO

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO Qualidade Confiança Tradição Inovação Tecnologia ÍNDICE Por que a TIGRE escolheu o Sistema Aquatherm para o Brasil? 05 Características técnicas 06 Instruções de instalação

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS - Pauluzzi Produtos Cerâmicos LTDA - Porto Alegre - Fevereiro de 2008. RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada

Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão e proteção das fibras ópticas contra mudanças ambientais. Estes cabos são formados

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT CUIABÁ, ABRIL DE 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 3 2. METODOLOGIA E TIPO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES

MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES Características MDF MDP O que é Painel de média densidade Painel de média densidade produzido a partir de fibras produzido a partir de

Leia mais

CJP-01 (modelo FDE/ FNDE) Conjunto para professor

CJP-01 (modelo FDE/ FNDE) Conjunto para professor CJP-01 (modelo FDE/ FNDE) Conjunto para professor DESCRIÇÃO Conjunto do professor composto de 1 (uma) mesa e 1 (uma) cadeira. Mesa individual com tampo em MDP ou MDF, revestido na face superior em laminado

Leia mais

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 3. CONDIÇÕES BÁSICAS PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS... 4 3.1. INFRAESTRUTURA INTERNA RECOMENDAÇÕES:... 4 3.2. CONDIÇÕES

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES

Pregão 003/2006 Alteração 01 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES Pregão 003/2006 Alteração ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE ARQUIVAMENTO COMPOSTO DE MÓDULOS DE ARQUIVOS DESLIZANTES ITEM O1 Sistema de arquivamento composto de módulos de arquivos deslizantes, com acionamento

Leia mais

Painel Setorial do Padrão Brasileiro de Plugues e Tomadas

Painel Setorial do Padrão Brasileiro de Plugues e Tomadas do Padrão Brasileiro de Plugues e Tomadas Módulo I: O impacto do padrão brasileiro de plugues e tomadas na segurança do cidadão. Palestra 2: As normas NBR 6147 e NBR 14136 e os aspectos de segurança associados.

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR 2000 1/6 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 900 0 VISTA SUPERIOR ESC. 1:20 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 2/6 2000 13 400 400 1 13 0 0 40 VISTA SUPERIOR

Leia mais

MÓDULO 1 ESPECIFICAÇÕES MOBILIÁRIOS REFERENCIAIS

MÓDULO 1 ESPECIFICAÇÕES MOBILIÁRIOS REFERENCIAIS DATA: DESTINO: FORUM CÍVEL MÓDULO 1 (itens 1-2) JUNHO 2015 RESPONSAVÉL: DIVISÃO DE ARQUITETURA ESPECIFICAÇÕES MOBILIÁRIOS REFERENCIAIS ITEM 1 MESAS /GAVETEIROS/CONEXÕES IMPORTANTE: AS MARCAS DE MATERIAIS,

Leia mais

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Valor unitário. Valor total. Item Descrição Qtde. 1 Móvel com Gavetas 12,00m². 2 Móvel com Portas de Abrir 70,00m²

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Valor unitário. Valor total. Item Descrição Qtde. 1 Móvel com Gavetas 12,00m². 2 Móvel com Portas de Abrir 70,00m² FORMULÁRIO-PROPOSTA Nome da empresa (razão social):... Endereço:... Cidade:... UF:... CEP:... CNPJ/MF n.:... Telefone/fax:... Responsável pela assinatura do contrato: Nome:... Cargo/função:...Telefone/fax:...

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 348, DE 2 DE SETEMBRO DE 2003

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 348, DE 2 DE SETEMBRO DE 2003 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 348, DE 2 DE SETEMBRO DE 2003 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS PÁRA-RAIOS COM FIBRAS ÓPTICAS PARA LINHAS AÉREAS DE TRANSMISSÃO (OPGW) 1. Objetivo Esta norma estabelece

Leia mais

Knauf Folheto Técnico. Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas.

Knauf Folheto Técnico. Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas. Knauf Folheto Técnico 01 / 2015 Knauf Flexboard Porque a mente criativa gera mais que linhas retas. Knauf Flexboard Flexboard é a mais delgada chapa Knauf Drywall, desenvolvida especialmente para permitir

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

CFOT-MF/UB. Interno / Externo

CFOT-MF/UB. Interno / Externo CFOT-MF/UB Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Núcleo Seco Tubo Loose (UB) ou Cordão Monofibra (MF) SM ou MM Descrição Conjunto constituído por cordões ópticos ("tight buffer") ou tubos

Leia mais

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas

Embalagens para esterilização. O que você precisa saber sobre: Normas técnicas O que você precisa saber sobre: Normas técnicas Leis e Normas Constituição Federal Leis Infra - constitucinais Ex: Código Penal 1940 Código Civil (1916) 2002 Leis Complementares (Decreto Lei) MP NORMAS

Leia mais

Soluções FORTLEV para a Sua Obra

Soluções FORTLEV para a Sua Obra Soluções FORTLEV para a Sua Obra 1 2 3 6 9 8 7 5 Soluções para Cuidar da Água 1. Caixa de Polietileno FORTLEV 2. Tanque Fortplus FORTLEV 3. Filtro de Entrada FORTLEV Soluções para Cuidar do Meio Ambiente

Leia mais

Telhas Térmicas Dânica

Telhas Térmicas Dânica Telhas Térmicas Dânica O melhor recheio. A melhor economia. CONCRETO? CERÂMICA? PVC? A inovadora telha térmica de aço As telhas térmicas TermoHouse da Dânica aliam tecnologia e estilo colonial a favor

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Construção Cabos Ópticos Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras ópticas do tipo multimodo ou monomodo.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005 ESPECIFICÇÃO TÉCNIC abr/2006 1 de 6 TÍTULO COBERTURS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Edificações. Coberturas. PROVÇÃO PROCESSO PR 010979/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI SEP Secretaria de Estado

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO O manual tem como objetivo auxiliar e responder algumas perguntas sobre o processo de instalação, conservação e limpeza das placas Decopainel. Aplica-se para todas as linhas (placas,

Leia mais

Projeto da rede de dados para o Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão - NUTEG

Projeto da rede de dados para o Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão - NUTEG Projeto da rede de dados para o Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão - NUTEG Diretoria de Suporte à Informática Local: Núcleo de Tecnologias para Educação e Gestão NUTEG Endereço: Av. BPS, 1303

Leia mais

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014.

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

FORRO DE PVC DATASHEET

FORRO DE PVC DATASHEET Pág. 1 / 7 Os forros são perfeitos para o acabamento de teto e/ou ocultamento de redes elétricas e hidráulicas em obras prediais. Isolamento térmico e acústico com acabamento perfeito. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Qualidade em exaustão.

Qualidade em exaustão. Qualidade em exaustão. A Distak é uma indústria especialista em peças e acessórios para a instalação de aquecedores a gás. Uma empresa criada para suprir as necessidades dos técnicos e a demanda das lojas

Leia mais

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos 1 Objetivo Procedimento Operacional Pág.: 1/15 Determinar as condições exigíveis de acondicionamento, transporte, armazenamento e movimentação de bobinas de condutores elétricos, visando à integridade

Leia mais

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos 1 Prefácio Este é o primeiro manual de projeto de sistemas drywall publicado no Brasil um trabalho aguardado por arquitetos, engenheiros,

Leia mais

Vídeo porteiro IV 300 LCD Intelbras

Vídeo porteiro IV 300 LCD Intelbras Vídeo porteiro IV 300 LCD Intelbras Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O vídeo porteiro IV 300 LCD Intelbras, com seu sistema de quatro cabos, oferece segurança

Leia mais

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras ópticas do tipo multimodo ou monomodo.

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD ANEXO 5 Contrato de Fornecimento de Serviços de Exploração Industrial de Linhas Dedicadas EILD entre a BRASIL e a OPERADORA INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD Página 1 de 7

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br

Leia mais

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DO MOBILIÁRIO PARA INSPETORIA REGIONAL DE MOSSORÓ

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DO MOBILIÁRIO PARA INSPETORIA REGIONAL DE MOSSORÓ ANEXO VII Item Descrição Pedido mínimo por fornecimento 01 Tampo em formatos retangular, medindo 90 x 60 cm, em chapa de madeira aglomerada de alta densidade revestida em ambas as faces em laminado plástico

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

CANALETA EM ALUMÍNIO APARENTE LINHA PREMIUM

CANALETA EM ALUMÍNIO APARENTE LINHA PREMIUM CANALETA EM ALUMÍNIO APARENTE LINHA PREMIUM CANALETA 156/3 (150 X 60 mm) - 3 seções 0% BRASILEIRA Características das canaletas de alumínio Blindagem eletromagnética devido à liga 6060 - T5, eliminando

Leia mais

Redes de Computadores II. Redes de Computadores

Redes de Computadores II. Redes de Computadores Redes de Computadores II Redes de Computadores 1 1 Padrão EIA/TIA 569A Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais 2 2 Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais ANSI/TIA/EIA 569-A

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

Telhas Térmicas Dânica

Telhas Térmicas Dânica Telhas Térmicas Dânica O melhor recheio. A melhor economia. CONCRETO? CERÂMICA? PVC? A inovadora telha térmica de aço As telhas térmicas TermoHouse da Dânica aliam tecnologia e estilo colonial a favor

Leia mais

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 11 APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 11 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES...

Leia mais

Exposição módulo PISO CENO

Exposição módulo PISO CENO Exposição módulo PISO CENO DESCRITIVO DO CADERNO DE DESENHO 01 Página1 PISO CENO DESCRITIVO DE PROJETO para Exposição Inaugural sobre Miçangas e Adornos Indígenas OUTUBRO. 2013 MUSEU DO ÍNDIO - Fundação

Leia mais