ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 348, DE 2 DE SETEMBRO DE 2003

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 348, DE 2 DE SETEMBRO DE 2003"

Transcrição

1 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 348, DE 2 DE SETEMBRO DE 2003 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS PÁRA-RAIOS COM FIBRAS ÓPTICAS PARA LINHAS AÉREAS DE TRANSMISSÃO (OPGW) 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos mínimos a serem demonstrados na avaliação da conformidade de cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) para efeito de certificação e homologação junto à Agência Nacional de Telecomunicações. 2. Referências Para fins desta norma, são adotadas as seguintes referências: I NBR 6814 Fios e cabos elétricos Ensaio de resistência Elétrica Método de ensaio; II NBR 7272 Condutores elétricos de alumínio Ruptura e característica dimensional Método de ensaio; III NBR 7303 Condutores elétricos de alumínio Fluência em condutores de alumínio Método de ensaio; IV NBR 9136 Fios e cabos telefônicos Ensaio de penetração de umidade Método de ensaio; V NBR 9140 Fios e cabos telefônicos Ensaio de comparação de cores Método de ensaio; VI NBR 9149 Fios e cabos telefônicos Ensaio de escoamento do composto de enchimento Método de ensaio; VII NBR Fibras ópticas Determinação da largura de banda Método de ensaio; VIII NBR Fibras ópticas Determinação da atenuação óptica Método de ensaio; IX NBR Fibras ópticas Determinação do diâmetro do campo modal Método de ensaio; X NBR Cabos ópticos Verificação da uniformidade de atenuação óptica Método de ensaio; XI NBR Ensaio de tensão mecânica constante Método de ensaio; XII NBR Fibras ópticas Determinação da dispersão cromática Método de ensaio; XIII NBR Cabos ópticos Ensaio de compressão Método de ensaio; XIV NBR Cabos ópticos Ensaio de ciclo término de cabo Método de ensaio; XV NBR Fibras e cabos ópticos Ensaio de ataque químico na fibra óptica tingida Método de ensaio; XVI NBR cabos ópticos Ensaio de tração em cabos ópticos e determinação da deformação da fibra óptica Método de ensaio; XVII NBR Fibras e cabos ópticos Ensaio de ciclo térmico na fibra óptica tingida Método de ensaio; XVIII NBR Cabos ópticos Variação de atenuação Método de ensaio; XIX NBR Fibras ópticas Determinação da força de extração do revestimento Método de ensaio; XX NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Tração do elemento metálico (tubo e/ou elemento ranhurado) Método de ensaio; XXI NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Verificação de protuberâncias internas no tubo metálico Método de ensaio; XXII NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Curto-circuito Método de ensaio; 1

2 XXIII NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Vibração eólica Método de ensaio; XXIV NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Puxamento pela polia Método de ensaio; XXV NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Raio mínimo de curvatura Método de ensaio; XXVI NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Tensão Deformação Método de ensaio; XXVII NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Tração Método de ensaio; XXVIII NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Torção Método de ensaio; XXIX NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Pressurização do tubo metálico de proteção Método de ensaio; XXX NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Determinação do desempenho térmico Método de ensaio; XXXI NBR Cabos ópticos Determinação do comprimento de onda de corte em fibra monomodo cabeada Método de ensaio; XXXII NBR Fibras ópticas Determinação dos parâmetros geométricos da fibra óptica Método de ensaio; XXXIII NBR Cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW) Determinação dos efeitos da descarga atmosférica; XXXIV NBR Fibras ópticas Medição da dispersão de modos de polarização parte 1: Varredura espectral Método de ensaio; XXXV NBR Fibras ópticas Medição da dispersão de modos de polarização parte 2: Método interferométrico Método de ensaio. 3. Abrangência Esta norma aplica-se aos cabos pára-raios com fibras ópticas para linhas aéreas de transmissão (OPGW), contemplando os agrupamentos em famílias de cabos de construção idêntica e que possuem a mesma designação genérica vinculada à sua aplicação e instalação. 4. Definições Para fins desta norma, são adotadas as seguintes definições: I Atenuação: expressão quantitativa do decréscimo de potência eletromagnética que pode ser expresso pela taxa de valores em dois pontos de uma quantidade de potência relacionada de forma bem definida; II Cabo Pára-raios com Fibras Ópticas (OPGW): cabo pára-raios de cobertura ou guarda, utilizado preferencialmente em linhas aéreas de transmissão de energia elétrica, construído de modo a abrigar em seu interior fibras ópticas; III Capacidade: quantidade de fibras ópticas no interior do cabo; IV Comprimento de Onda de Corte: comprimento de onda, no espaço livre, acima do qual o modo fundamental é o único modo confinado na fibra óptica; V Diâmetro da Casca: diâmetro do círculo definindo o centro da casca que é um material dielétrico da fibra óptica que circunda o seu núcleo; VI Diâmetro do Campo Modal: medida de uma largura transversal de modo guiado em uma fibra óptica monomodo. É calculado a partir da distribuição da intensidade do campo afastado; 2

3 VII Dispersão: alargamento temporal do pulso luminoso de entrada ao longo do comprimento da fibra óptica, causado principalmente por diferença nos caminhos ópticos percorridos em fibras multimodo (dispersão modal) ou por diferenças de velocidade de propagação na transmissão de diferentes comprimentos de onda em fibras monomodo (dispersão cromática). A dispersão resulta em distorção do sinal transmitido; VIII Erro de Concentricidade do Campo Modal/Casca: distância entre o centro do campo modal e o centro da casca; IX Erro de Concentricidade Fibra/Revestimento: distância entre o centro do núcleo e o centro da casca; X Família de Cabos: conjunto de produtos de construção similar que possuem designação genérica vinculada à sua aplicação e instalação, e que contemplam toda a faixa de capacidade com relação à quantidade de fibras ópticas no cabo e na unidade básica; XI Fibra Óptica de Dispersão Deslocada (DS): guia de onda dielétrico construído à base de sílica de alta pureza, que apresenta comportamento monomodal na região próxima de 1550 nm, com dispersão cromática zero na região de 1550 nm e protegido por uma ou mais camadas de acrilato; XII Fibra Óptica de Dispersão Deslocada e Não Nula (NZD): guia de onda dielétrico construído à base de sílica de alta pureza, que apresenta comportamento monomodal na região próxima de 1550 nm, com dispersão cromática pequena porém não nula na região entre 1530 nm e 1565 nm e protegido por uma ou mais camadas de acrilato; XIII Fibra Óptica Monomodo de Dispersão Normal (SM): guia de onda dielétrico construído à base de sílica de alta pureza, que apresenta comportamento monomodal na região próxima de 1300 nm, com dispersão cromática zero na região de 1310 nm e protegido por uma ou mais camadas de acrilato; XIX Fibra Óptica Multimodo Índice Gradual (MM): guia de onda dielétrico cuja variação dos índices de refração do núcleo e da casca seguem uma curva parabólica, sendo o índice do núcleo maior que o da casca; XX Modo de Polarização por Dispersão (PMD Polarization Mode Dispersion ): média dos atrasos diferenciais de grupo entre os dois modos de polarização ortogonais (rápido e lento) em uma determinada faixa de comprimento de onda, expresso em ps/(km) 1/2 ; XXI Não Circularidade da Casca: diferença entre os diâmetros de dois círculos definidos pelo campo de tolerância da casca, dividida pela medida do diâmetro da casca; XXII Unidade Básica: elemento básico do cabo utilizado na construção do núcleo óptico. Tem função de proteger, agrupar e identificar as fibras ópticas. 5. Requisitos e Métodos de Ensaios para as Fibras Ópticas 5.1 Requisitos e Métodos de Ensaios para Comprimento de Onda de Corte O comprimento de onda de corte para o cabo de fibra óptica monomodo deve ser menor ou igual a 1270 nm O comprimento de onda de corte para o cabo de fibra óptica monomodo com dispersão deslocada (DS) e monomodo de dispersão deslocada e não nula (NZD) deve ser menor ou igual a 1350 nm O método de ensaio para a verificação do comprimento de onda de corte no cabo deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisitos e Métodos de Ensaios para o Diâmetro de Campo Modal das Fibras Monomodo 3

4 5.2.1 O diâmetro de campo modal para a fibra óptica monomodo (SM) deve ser 9,3 µm ± 0,5 µm em 1310 nm e 10,5 µm ± 0,8 µm em 1550 nm O diâmetro de campo modal para a fibra óptica monomodo com dispersão deslocada e não nula (NZD) em 1550 nm deve possuir valor nominal na faixa de 8,0 µm a 11,0 µm, com variação máxima de ± 10%, em relação ao valor nominal O diâmetro de campo modal para a fibra óptica monomodo com dispersão deslocada (DS) deve ser 8,1 µm ± 0,8 µm em 1550 nm O método de ensaio para a verificação do campo modal das fibras ópticas monomodo deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisitos e Método de Ensaio para o Diâmetro do Núcleo das Fibras Multimodo O núcleo da fibra óptica multimodo de índice gradual deve apresentar um diâmetro de 50 µm ± 3 µm ou 62,5 µm ± 3 µm O método de ensaio para a verificação do diâmetro do núcleo das fibras ópticas multimodo deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaios para o Diâmetro da Casca A casca da fibra óptica, deve ter um diâmetro de 125 µm ± 2 µm O método de ensaio para a verificação do diâmetro da casca deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Não Circularidade da Casca A fibra óptica não deve apresentar um valor de não circularidade superior a 2% O método de ensaio para a verificação da não circularidade da casca deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Avaliação do Erro de Concentricidade Fibra / Revestimento O erro de concentricidade fibra/revestimento deve ser inferior a 12 µm O método de ensaio para a verificação da concentricidade fibra/revestimento deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Avaliação do Erro de Concentricidade Campo Modal/Casca O erro de concentricidade campo modal/casca da fibra óptica monomodo deve ser no máximo 0,8 µm O método de ensaio para a verificação da concentricidade Campo Modal/Casca deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR

5 5.8 Requisito e Método de Ensaio para Avaliação do Erro de Concentricidade Núcleo/Casca O erro de concentricidade entre o núcleo e a casca da fibra óptica multimodo índice gradual deve ser inferior a 6% O método de ensaio para a verificação da concentricidade Núcleo/Casca deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Extração do Revestimento da Fibra Óptica A força de extração do revestimento da fibra óptica cabeada deve ser de, no mínimo 1,5 N e de, no máximo, 10,0 N O método de ensaio para extração do revestimento da fibra óptica deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Dispersão Cromática Para fibras ópticas a dispersão cromática, a inclinação da curva de dispersão e o comprimento de onda em que a dispersão é nula, devem estar em conformidade com os valores expressos nas tabelas 1 e 2. Tabela 1 Dispersão Cromática em Fibras SM Comprimento de Onda (nm) Dispersão Cromática Máxima (ps/nm.km) Inclinação Máxima da Curva de Dispersão S 0 (ps/nm 2.km) Entre 1285 e ,0 0,10 Entre 1525 e ,10 Comprimento de Onda para Dispersão Nula (nm) Entre 1300 e 1323 Tabela 2 Dispersão Cromática em Fibras DS Faixa de Comprimento de Onda: entre 1525 nm e 1575 nm Dispersão Cromática Máxima (ps/nm.km) Inclinação Máxima da Curva de Dispersão S 0 (ps/nm 2.km) Comprimento de Onda para Dispersão Nula (nm) 3,5 0,085 Entre 1535 e Para fibras NZD a dispersão cromática deve apresentar valores conforme tabela O método de ensaio para dispersão cromática deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Largura de Banda em Fibras Multimodo 5

6 A largura de banda mínima para as fibras ópticas multimodo, deve estar em conformidade com os valores indicados na tabela 4. Classe NZD* Tabela 3 Dispersão Cromática em Fibras NZD Comprimento de Onda (nm) Dispersão Cromática (ps/nm.km) 1530 Maior ou igual a 0, Menor ou igual a 10,0 (*) Dependendo do tipo de transmissão ou do projeto do sistema óptico, pode ser necessário especificar o sinal negativo da dispersão cromática. Neste caso, na designação da fibra deve ser incluída a letra N logo após a identificação - (NZDN). Tabela 4 - Largura de Banda Diâmetro do Núcleo (µm) 50 62,5 Comprimento de Onda (nm) Largura de Banda Mínima (MHz.km) O método de ensaio para largura de banda em fibras multimodo deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Dispersão dos Modos de Polarização (PMD) O coeficiente de dispersão dos modos de polarização (PMD) da fibra óptica monomodo, deve ser menor ou igual a (0,5 ps/km) 1/ O método de ensaio para dispersão dos modos de polarização (PMD) deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR ou NBR Requisito e Método de Ensaio para Ciclo Térmico na Fibra Óptica Tingida Os cabos de fibras ópticas OPGW devem ser submetidos ao ciclo térmico de -10 C a +65 C durante 8 horas. Após o ensaio a fibra tingida não deve apresentar variações de coloração quando comparada com a amostra não submetida ao ensaio O método de ensaio para Ciclo Térmico na Fibra Óptica Tingida deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Ataque Químico à Fibra Óptica Tingida 6

7 A amostra da fibra óptica tingida, quando em contato com compostos de enchimento, deve ser submetida ao ensaio de ataque químico, e não deve apresentar perda de coloração ou remoção da pintura, conforme NBR O método de ensaio para Ataque Químico à Fibra Óptica Tingida deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Os corpos-de-prova devem ser enrolados em mandris de 50 mm de diâmetro Mergulhar um corpo-de-prova em um recipiente contendo o mesmo composto químico que está em contato com a fibra óptica no cabo e mergulhar outro corpo-de-prova em um recipiente contendo água. Mantendo os corpos-de-prova submersos por um período de 48 horas. Após o ensaio a fibra tingida não deve apresentar perda de coloração ou remoção de pintura. 6. Requisitos e Métodos de Ensaio para os Cabos 6.1 Tipos de Fibras e Formação de Unidades Básicas Os cabos de fibras ópticas podem ser constituídos de fibras multimodo índice gradual (MM), monomodo de dispersão normal (SM), monomodo com dispersão deslocada (DS) e monomodo com dispersão deslocada e não nula (NZD) Os componentes do cabo, além de atender as exigências elétricas e mecânicas do cabo pára-raios da linha de transmissão, devem proteger as fibras ópticas em seu interior, não permitindo que estas tenham seu desempenho alterado quando o cabo for submetido às diversas solicitações mecânicas e elétricas A identificação das fibras ópticas deve ser feita utilizando o código de cores conforme mostrado na tabela 5, sendo recomendado que as cores das fibras ópticas apresentem tonalidade, luminosidade e saturação iguais ou mais elevadas que o valor do padrão Munsell mostrado na referida tabela. Tabela 5 - Código de Cores das Fibras Ópticas Fibra Cor Valor do Padrão Munsell 1 Verde 2,5 G 4/6 2 Amarela 2,5 Y 8/8 3 Branca N8,75 4 Azul 2,5 B 5/6 5 Vermelha 2,5 R 4/6 6 Violeta 2,5 P 4/6 7 Marrom 2,5 YR 3,5/6 8 Rosa 2,5 R 5/12 9 Preta N2 10 Cinza N5 7

8 11 Laranja 2,5 YR 6/14 12 Água marinha 10 BG 5/4 à 8/ Os grupos de fibras ópticas devem ser identificados por meio de coloração dos tubetes de proteção que as contém, por listras ou anéis coloridos adicionais sobre seu revestimento ou ainda por qualquer outro meio que permita identificá-los de maneira única, conforme tabela 6, pelo sistema piloto direcional ou pelo sistema de código de cores Outros sistemas de identificação podem ser empregados desde que permitam a identificação das unidades básicas de forma inequívoca. Tabela 6 - Identificação dos grupos de fibras ópticas Grupo de fibras Piloto direcional Código de cores 01 Piloto-Verde Verde 02 Direcional-Amarelo Amarelo 03 Normal-Branco ou Neutro Branco 04 Normal-Branco ou Neutro Azul 05 Normal-Branco ou Neutro Vermelho 06 Normal-Branco ou Neutro Violeta 6.2 Requisito e Método de Ensaio para Ciclo Térmico do Cabo O cabo deve ser condicionado a -10 C por 48 horas, após o que a temperatura deve ser elevada a +65 C, mantendo-o neste patamar por um mesmo período de 48 horas. Devem ser realizados 4 ciclos térmicos, conforme NBR A variação do coeficiente de atenuação não deve ser superior aos valores mostrados na tabela 7, medida conforme NBR As medições ópticas devem ser realizadas ao final de cada patamar e comparadas à medida de referência realizada no patamar inicial a 25 C. Tipo de Fibra Óptica Tabela 7 Acréscimo ou Variação de Atenuação Comprimento de Onda de Operação (nm) de Medida (nm) Acréscimo ou Variação Máxima do Coeficiente de Atenuação (db/km) de Atenuação (db) Multimodo ± 20 0,2 0,2 Multimodo ± 20 0,2 0,2 Monomodo ± 20 0,1 0,1 Monomodo ± 20 0,05 0,1 8

9 6.2.2 O ensaio de ciclo térmico dos cabos OPGW deve ser realizado em conformidade com o método definido na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Puxamento pela Polia Quando submetido a 70 puxamentos, com tração de 25% do valor da RMC do cabo, este não deve apresentar: a) variação da atenuação superior aos valores mostrados na tabela 7, medida conforme NBR 13520; b) dano significativo nos componentes do cabo, que altere seu bom desempenho, e deformação nos elementos de proteção superiores a 10% do diâmetro externo em qualquer ponto O método de ensaio para puxamento pela polia deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio de Carga de Ruptura do Cabo A carga de ruptura não deve ser menor que a Resistência Mecânica Calculada (RMC) do cabo, calculada conforme 6.4.2, desde que a ruptura ocorra em um ponto a mais de 25 mm dos terminais de fixação. Se a ruptura se verificar nos terminais de fixação ou a uma distância menor ou igual a 25 mm destes, a carga de ruptura não deve ser menor que 95% da RMC do cabo A Resistência Mecânica Calculada (RMC) do cabo completo deve considerar somente a contribuição dos fios metálicos e ser calculada tomando-se 90% da soma dos valores da carga de ruptura dos fios individuais, calculadas com base em seus diâmetros nominais e em seus limites de resistência à tração mínimos especificados O ensaio deve ser realizado conforme NBR 7272, e devem ser utilizados acessórios de ancoragem passantes iguais aos que serão utilizados na linha de transmissão a que se destina o cabo pára-raios. 6.5 Requisito e Método de Ensaio para Tração no Cabo O cabo, quando submetido ao ensaio de tração, conforme NBR 13986, até 80% da RMC, não deve apresentar rompimento de fibra óptica. Deve ser medida a deformação da fibra óptica, conforme NBR e registrada a margem de deformação marginal. 6.6 Requisito e Método de Ensaio para Fluência Quando submetido ao ensaio de fluência conforme NBR 7303, nas cargas de 15%, 20%, 25% e 30% da RMC do cabo, durante pelo menos 250 horas, os valores de alongamento do cabo em função do tempo devem ser anotados. Devem ser feitas medidas a cada 5 minutos durante a primeira hora de ensaio, a cada 15 minutos nas sete horas subseqüentes. No restante do tempo devem ser tomadas 3 medidas a cada 24 horas com intervalo mínimo de duas horas entre elas. 6.7 Requisito e Método de Ensaio para Tensão-Deformação da Fibra Óptica por Tração no Cabo Quando submetido ao ensaio de Tensão-Deformação, os valores de alongamento do cabo e a variação da atenuação das fibras ópticas, em função da tensão mecânica aplicada, devem ser anotados. A 9

10 variação de atenuação óptica, para tração até 30% da RMC, não deve ser superior aos valores mostrados na tabela 7, medida conforme NBR O método de ensaio para tensão-deformação na fibra óptica por tração no cabo deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Torção O cabo deve ser submetido ao ensaio de torção, conforme NBR 13987, não devendo apresentar variação de atenuação superior aos valores mostrados na tabela 7, medida conforme NBR Após o ensaio, não deve haver evidência de danos estruturais no cabo. 6.9 Requisito e Método de Ensaio de Pressurização O tubo de proteção, se destinado ao bloqueio de umidade, quando submetido ao ensaio de pressurização, deve suportar a pressão de 0,40 MPa durante 3 horas, sem apresentar vazamento O método de ensaio para pressurização deve ser realizado em conformidade com o método de ensaio conforme norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Tração no Elemento Metálico Deformação nos elementos de proteção não deve atingir o limite plástico quando o cabo for tracionado até 33% da RMC. A verificação deste requisito deve ser feita conforme NBR Requisito e Método de Ensaio para Protuberâncias no Tubo Eventuais protuberâncias na superfície interna do tubo, provenientes do processo de soldagem, não devem exceder 5% do diâmetro interno do tubo, limitado a um valor máximo de 0,2 mm, conforme NBR Requisito e Método de Ensaio para Compressão O cabo deve ser submetido ao ensaio de compressão, com carga aplicada em uma região de 100 mm de cabo, a uma velocidade de 5 mm/min. Deve ser verificada a carga máxima que não provoque variação de atenuação superior aos valores mostrados na tabela 7, medida conforme NBR O valor da carga encontrado deve ser superior a N O método de ensaio para compressão deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma método de ensaio conforme norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Raio Mínimo de Curvatura O cabo, quando ensaiado com o raio de curvatura de 15 vezes o seu diâmetro externo, conforme NBR 13984, não deve apresentar: a) variação de atenuação superior aos valores mostrados na tabela 7, medida conforme NBR 13520; b) danos físicos ou estruturais. 10

11 6.14 Requisito e Método de Ensaio para Penetração de Umidade O cabo, submetido a uma coluna de água de 1,0 m em uma das extremidades, no sentido longitudinal, pelo período de 1 hora, não deve apresentar vazamento de água na extremidade oposta, aplicável nas partes do cabo que possuam bloqueio de umidade O método de ensaio para Penetração de umidade deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Vibração Eólica O cabo deve ser submetido a (cem milhões) de ciclos de vibração, conforme NBR 13982, com tração de 25% ± 1% do valor da RMC do cabo, amplitude de 1/3 do diâmetro externo e freqüência igual a: f = 830 / d onde: f = frequência em Hz; d = diâmetro externo do cabo em mm, Durante e após o ensaio de vibração o cabo não deve apresentar: a) variação do coeficiente de atenuação superior a 0.2 db/km de fibra ensaiada, medida conforme NBR 13520; b) ruptura em qualquer elemento constituinte que altere seu bom desempenho Requisitos e Métodos de Ensaio para o Ensaio de Escoamento do Composto de Enchimento Quando submetido a uma temperatura de (65 ± 2) C por um período de 24 horas, não deve haver escoamento ou gotejamento do composto de enchimento O método de ensaio para escoamento do composto de enchimento deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisitos e Método de Ensaio para Estabilidade Eletrolítica O cabo completo deve ser submerso em água a 90ºC pelo período de 500 horas. Após este condicionamento, seus componentes poliméricos não devem apresentar: a) tempo de indução oxidativa (OIT) inferior a 10 minutos para o composto de enchimento; b) temperatura de início de decomposição, após a fusão, inferior a 210 C, para compostos de enchimento, tubetes e elementos de proteção; c) temperatura de fusão inferior a 180 C, para tubetes e elementos de proteção; d) trincas, fissuras, bolhas, rugas ou alteração visual significativa da cor; e) alterações em suas dimensões superiores a 10%. 11

12 O método de ensaio para Estabilidade Eletrolítica deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR Requisito e Método de Ensaio para Estabilidade Térmica O cabo completo deve ser mantido em estufa a 180 C, com circulação de ar, durante 24 horas, conforme NBR Após este condicionamento, seus componentes poliméricos não devem apresentar: a) tempo de indução oxidativa (OIT) inferior a 10 minutos para o composto de enchimento; b) temperatura de início de decomposição, após a fusão, inferior a 210 C, para compostos de enchimento, tubetes e elementos de proteção; c) temperatura de fusão inferior a 180 C, para tubetes e elementos de proteção; d) trincas, fissuras, bolhas, rugas ou alteração visual significativa da cor; e) alterações em suas dimensões superiores a 10% Requisitos e Método de Ensaio para Curto-Circuito Quando submetido ao ensaio de Curto-Circuito conforme NBR 13981, o cabo não deve apresentar: a) variação do coeficiente de atenuação superior a 0,2 db/km de fibra ensaiada; b) engaiolamento ou quebra de qualquer fio externo, ou ainda, após a desmontagem do cabo ensaiado, distorção de qualquer de seus elementos componentes, que possa ser atribuída ao ensaio em si e não somente à montagem ou aos acessórios utilizados e que possa provocar alteração do bom desempenho do produto; c) temperatura, em qualquer ponto monitorado, superior à informada pelo fornecedor, calculada em função do nível de curto-circuito e do sistema de proteção da linha, fornecidos pelo comprador; d) seus componentes poliméricos não devem apresentar, conforme NBR 13991: - tempo de indução oxidativa (OIT) inferior a 10 minutos para o composto de enchimento; - temperatura de início de decomposição, após a fusão, inferior a 210 C, para compostos de enchimento, tubetes, e elementos de proteção; - temperatura de fusão inferior a 180 C, para tubetes e elementos de proteção; - trincas, fissuras, bolhas, rugas ou alteração visual significativa da cor; - alterações em suas dimensões superiores a 10% Requisitos e Método de Ensaio para Resistência Elétrica A Resistência Elétrica do cabo em corrente contínua deve ser medida conforme NBR Deve ser informada a resistência elétrica para 1 quilômetro de cabo, referida a 20 C Requisitos e Método de Ensaio para Descarga Atmosférica O cabo deve ser submetido ao ensaio de Verificação dos Efeitos da Descarga Atmosférica, conforme Norma NBR 14586, devendo ser enquadrado em uma das classes de corrente definidas na tabela 8. Tabela 8 Classe de corrente por descarga atmosférica 12

13 Classe de Corrente A B C D Corrente Elétrica Valor médio (A) Tempo de Aplicação (ms) Carga Elétrica (Coulomb) Os valores acima têm tolerância de ± 10% Durante o ensaio, aplicar 5 descargas em 5 corpos-de-prova distintos. a) caso não ocorra falha em nenhum dos corpos-de-prova, o cabo deve ser considerado aprovado. b) caso ocorra falha em mais de 1 corpo-de-prova, o cabo deve ser considerado rejeitado. c) caso ocorra falha em 1 corpo-de-prova, devem ser realizadas mais 2 aplicações em 2 novos corposde-prova. Qualquer falha nesses 2 novos corpos-de-prova, o cabo deve ser considerado rejeitado. d) caso não ocorra falha em nenhum desses 2 novos corpos-de-prova, o cabo deve ser considerado aprovado Entende-se como falha do corpo-de-prova quando durante o ensaio ele: a) apresentar danos nos elementos estruturais ou elementos de proteção, tais que exponham a unidade óptica ou as fibras ópticas aos agentes ambientais (como umidade, etc.) ou que possam comprometer o desempenho das fibras ópticas; b) não atingir a carga limite de ensaio; c) apresentar variação de atenuação óptica superior a 0,2 db/km, na carga máxima de projeto Requisitos e Método de Ensaio para Uniformidade de Atenuação Óptica Não é permitida descontinuidade óptica localizada na curva de retroespalhamento da fibra óptica monomodo com valor superior a 0,05 db no comprimento de onda de medida de 1550 nm ± 20 nm Não é permitida descontinuidade óptica localizada na curva de retroespalhamento da fibra óptica multimodo índice gradual com valor superior a 0,10 db O método de ensaio para descontinuidade óptica deve ser realizado em conformidade com o disposto na norma NBR A diferença dos coeficientes de atenuação médios a cada 500 m de cabo não deve apresentar variação maior que o mostrado na tabela Performance de Enlaces Ópticos Os requisitos e métodos de ensaios para testes de performance de enlaces ópticos descritos no anexo I possuem importância quando relacionados ao projeto de um enlace óptico. Os valores recomendados dos requisitos representam o estado da arte podendo ser alterados em função das características de cada rota. 13

14 8. Verificação da Conformidade 8.1 Requisitos Específicos das Fibras Ópticas no Cabo Óptico OPGW Os requisitos específicos das fibras ópticas a serem avaliados no cabo óptico OPGW estão dispostos na tabela 9. Tabela 9 - Requisitos Específicos da Fibra Óptica no Cabo Requisitos Específicos da Fibra Óptica Tipo de Fibra Óptica MM SM NZD DS Atenuação óptica x x x x Descontinuidade óptica x x x x Dispersão cromática - x x x Largura de banda x Dispersão dos modos de polarização (PMD) - x x x Comprimento de onda de corte - x x x Diâmetro da casca x x x x Diâmetro da fibra multimodo x Diâmetro do campo modal - x x x Não circularidade da casca x x x x Erro de concentricidade fibra/revestimento x x x x Erro de concentricidade núcleo/casca x - - x Erro de concentricidade campo modal/casca - x x x Força de extração do revestimento x x x x Ciclo térmico na fibra óptica tingida x x x x Ataque químico à fibra óptica tingida x x x x 8.2 Requisitos Específicos dos Cabos OPGW Os requisitos específicos a serem avaliados para a certificação dos cabos OPGW devem ser: a) Ciclo Térmico b) Deformação na fibra por tração no cabo c) Tração no Cabo b) Compressão c) Torção 14

15 d) Raio mínimo de Curvatura e) Puxamento pela Polia f) Vibração g) Fluência h) Pressurização i) Tração no Elemento Metálico j) Protuberâncias e reentrâncias no tubo k) Penetração de umidade l) Carga de Ruptura do Cabo m) Escoamento do composto de enchimento n) Estabilidade Eletrolítica o) Estabilidade Térmica p) Curto-Circuito q) Resistência Elétrica r) Descarga Atmosférica 9. Certificação 9.1 Condições Mínimas para Certificação A certificação dos cabos OPGW deve ser limitada por: a) máxima capacidade de fibras ópticas da família de cabos submetida ao processo de certificação; b) máxima capacidade de fibras ópticas da unidade básica da família de cabos submetida ao processo de certificação; c) tipo de proteção do grupo de fibras (Tubo Único Dielétrico, Tubo Único Metálico, Espaçador Ranhurado, Tubos Dielétricos Encordoados). 9.2 Amostragem para o Cabo OPGW Para a realização dos ensaios de conformidade em cabos OPGW o fornecedor deve apresentar uma amostra de cabo contendo no mínimo 1300 m de comprimento Deve ser apresentada uma amostra por família de cabos limitada à capacidade máxima de fabricação do interessado A amostragem de fibras ópticas para teste deverá seguir a quantidade especificada na tabela 10. Tabela 10 Amostragem Mínima de Fibras Ópticas no Cabo Ensaios Atenuação óptica Descontinuidade óptica Uniformidade de atenuação óptica Impacto Amostragem 100% das fibras 15

16 Ciclo térmico no cabo Demais ensaios Uma fibra óptica por grupo 10. Identificação da Homologação A marcação do selo Anatel e a identificação do código de homologação e do código de barras deverão ser apresentadas na embalagem externa do produto (bobina), em conformidade com o disposto no artigo 39 do Regulamento para Certificação e Homologação de Produtos para Telecomunicações, aprovado pela Resolução 242, de Adicionalmente, poderão ser utilizados meios de impressão gráfica nos catálogos dos produtos ou na documentação técnica pertinente. 16

17 ANEXO I Características das Fibras Ópticas no Cabo para Projeto de Enlaces Ópticos 1) Coeficiente de atenuação da fibra óptica tipo multimodo índice gradual I - O coeficiente de atenuação da fibra óptica multimodo deve ser especificado pelo comprador. II - De acordo com o coeficiente de atenuação medido, a fibra óptica multimodo pode ser classificada conforme apresentado na tabela A. Tabela A Coeficiente de Atenuação da Fibra Óptica MM Diâmetro do Núcleo (µm) 50 62,5 Comprimento de Onda (nm) Classe Coeficiente de Atenuação Máximo (db/km) A 2,5 B 3,0 A 0,6 B 1,0 A 2,8 B 3,0 A 0,7 B 1,2 III - Método de ensaio conforme norma NBR ) Coeficiente de atenuação da fibra óptica monomodo I O coeficiente de atenuação da fibra óptica monomodo deve ser especificado pelo comprador. II - De acordo com o coeficiente de atenuação medido, a fibra óptica pode ser classificada conforme apresentado na tabela B para fibra monomodo, e tabela C para fibras DS ou NZD. Classe Tabela B Coeficiente de Atenuação da Fibra Óptica SM λ = 1310 nm Coeficiente de Atenuação Máximo (db/km) Classe λ = 1550 nm Coeficiente de Atenuação Máximo (db/km) A 0,34 A 0,20 B 0,36 B 0,22 C 0,40 C 0,24 D maior que 0,40 D maior que 0,24 17

18 Tabela C Coeficiente de Atenuação da Fibra Óptica DS ou NZD Classe Coeficiente de Atenuação Máximo em 1550 nm (db/km) A 0,21 B 0,23 C 0,25 D Maior que 0,25 III - Método de ensaio conforme norma NBR ) Tensão mecânica constante (Proof Test): I - A fibra óptica deve ser submetida ao ensaio de tensão mecânica constante (Proof Test) e enquadrada em uma das classes definidas na tabela D. Tabela D - Classe de Tensão Mecânica Constante ( Proof Test ) Classe Tensão (GPa) Deformação na Fibra (%) 1 0,35 0,5 2 0,49 0,7 3 0,70 1,0 4 1,05 1,5 5 1,40 2,0 II - A classe mínima de tensão mecânica constante (Proof Test) deve ser enquadrada na classe 1. III - Método de ensaio conforme norma NBR

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 299, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS DE FIBRAS ÓPTICAS

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 299, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS DE FIBRAS ÓPTICAS ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 299, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS DE FIBRAS ÓPTICAS 1. OBJETIVO Esta norma estabelece os requisitos mínimos a serem demonstrados na avaliação

Leia mais

Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada

Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão e proteção das fibras ópticas contra mudanças ambientais. Estes cabos são formados

Leia mais

Especi cação Técnica Cabo OPGW

Especi cação Técnica Cabo OPGW Especi cação Técnica Cabo OPGW No Especificação.: ZTT 15-48656 Revisão: DS_V.00-15/02/2016 Escrito por: Fabricante: ZTT Cable - Jiangsu Zhongtian Technology Co.,td. Gerencia Técnica Escritório Comercial

Leia mais

CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Cabos Ópticos Família do Produto Construção TeraLan Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras

Leia mais

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras ópticas do tipo multimodo ou monomodo.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /2015 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos

Leia mais

PROJETO OPGW CABLES OPGW

PROJETO OPGW CABLES OPGW PROJETO OPGW CABLES OPGW 2007 CABO OPGW Para instalação em sistemas de linhas distribuição e transmissão de energia elétrica: Abriga em seu interior, fibras ópticas. Interface de comunicação entre dois

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Construção Cabos Ópticos Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras ópticas do tipo multimodo ou monomodo.

Leia mais

CFOT-MF/UB. Interno / Externo

CFOT-MF/UB. Interno / Externo CFOT-MF/UB Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Núcleo Seco Tubo Loose (UB) ou Cordão Monofibra (MF) SM ou MM Descrição Conjunto constituído por cordões ópticos ("tight buffer") ou tubos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68)

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68) AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68) Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Salário-de-contribuição (R$) INSS até 1.040,22 8,00% de 1.040,23 até 1.733,70 9,00% de 1.733,71 até 3.467,40

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC)

Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC) Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC) Os cabos ópticos TELCON contam com uma excelente proteção e transmissão óptica para conectar longas distancias e outros serviços como Multimedia, Internet

Leia mais

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus...

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus... Página 1 de 7.: Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo :. Metodologia de Análise, Ensaios Realizados e Resultados Obtidos As equipes que visitaram os estabelecimentos eram compostas

Leia mais

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos:

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos: 1/7 1. OBJETIVO: 1.1. Esta Especificação Técnica tem por objetivo definir as características e estabelecer os critérios para a fabricação e aceitação do Sistema para Cabeamento Interno Aparente em Ambiente

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

DISPERSÃO. Esse alargamento limita a banda passante e, consequentemente, a capacidade de transmissão de informação na fibra;

DISPERSÃO. Esse alargamento limita a banda passante e, consequentemente, a capacidade de transmissão de informação na fibra; DISPERSÃO Quando a luz se propaga em meios dispersivos a sua velocidade de propagação muda com o comprimento de onda. Além disso a luz se propaga de diferentes modos (por diferentes caminhos) gerando distintos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

CTP APL xdsl 8,5 MHz

CTP APL xdsl 8,5 MHz CTP APL xdsl 8,5 MHz Tipo do Produto Construção 10 a 1800 pares Cabos Telefônicos Núcleo seco Descrição Cabo telefônico para banda larga, constituído por condutores de cobre eletrolítico e maciço, isolação

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição Federal,

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Cabo Óptico Dielétrico Duto com Capa Externa Retardante à Chama

Cabo Óptico Dielétrico Duto com Capa Externa Retardante à Chama Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão e proteção das fibras ópticas contra mudanças ambientais. Este cabo foi desenvolvido com uma proteção externa contra fungos e bactérias,

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Portaria n.º 116, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 116, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 116, de 14 de março de 2014. CONSULTA

Leia mais

Cabo Óptico Tubo Único Dielétrico

Cabo Óptico Tubo Único Dielétrico Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão. Este cabo tem como diferencial ser constituído por um único tubo loose, protegidos por termoplástico preto retardante a chama

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Diretoria de Gestão da Tecnologia da Informação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Diretoria de Gestão da Tecnologia da Informação PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS A Coordenadoria de Segurança da Informação da Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação DGTI, em conformidade com a Norma Complementar nº 04, da Instrução Normativa

Leia mais

Película Scotchcal MR Série BR 7300

Película Scotchcal MR Série BR 7300 Película Scotchcal MR Série BR 7300 Dados Técnicos Julho/2005 Substitui: Junho/2004 Revisão 09 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As películas Scotchcal MR Série

Leia mais

Enunciados de Problemas

Enunciados de Problemas INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES Enunciados de Problemas de Sistemas de Telecomunicações I Ano Lectivo de 2002/2003 2.17 Admita que o coeficiente de

Leia mais

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA FIBRA OTICA 4 4 CABOS DE FIBRA ÓTICA Fibra Ótica com diferentes tipos de cabos: Tight Buffer - Estrutura Fechada Fibra ótica com revestimento em PVC. Usado para ligações dentro de edifícios (cabos, cordões

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO 2.0 REQUISITOS GERAIS 2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO 2.4. EXTENSÃO

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama.

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama. 24 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 de Umuarama. 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 25 ANEXO I DO REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO Nº 9510/2013 26 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 ANEXO

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

Ondas Sonoras. Velocidade do som

Ondas Sonoras. Velocidade do som Ondas Sonoras Velocidade do som Ondas sonoras são o exemplo mais comum de ondas longitudinais. Tais ondas se propagam em qualquer meio material e sua velocidade depende das características do meio. Se

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 300, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS TELEFÔNICOS METÁLICOS

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 300, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS TELEFÔNICOS METÁLICOS ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 300, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS TELEFÔNICOS METÁLICOS 1. OBJETIVO Esta norma estabelece os requisitos mínimos a serem demonstrados na avaliação

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 71, de 4 de novembro de 2009. D.O.U de 10/11/2009 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Potência com Isolação em XLPE para Tensões de 1 a 35 kv Especificação NTC-34

NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Potência com Isolação em XLPE para Tensões de 1 a 35 kv Especificação NTC-34 NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Potência com Isolação em XLPE para Tensões de 1 a 35 kv Especificação NTC-34 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

REQUISITOS TÉCNICOS E PROCEDIMENTOS DE ENSAIOS APLICÁVEIS À CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO DE CATEGORIA III

REQUISITOS TÉCNICOS E PROCEDIMENTOS DE ENSAIOS APLICÁVEIS À CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO DE CATEGORIA III REQUISITOS TÉCNICOS E PROCEDIMENTOS DE ENSAIOS APLICÁVEIS À CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO DE CATEGORIA III OBSERVAÇÃO: Os itens destacados em VERMELHO no índice e nas Notas indicam as últimas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.207, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações do Ministério da Saúde. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Informativo 24. Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL

Informativo 24. Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL Informativo 24 Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL Objetivo: Orientar e esclarecer todos os participantes e presentes as condutas necessárias para a realização da Competição em clima de respeito

Leia mais

FAST CIT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Tipo do Produto. Construção. Descrição. Aplicações

FAST CIT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Tipo do Produto. Construção. Descrição. Aplicações FAST CIT Tipo do Produto Cabos Telefônicos Construção 02 a 200 pares Núcleo seco Classificação de retardância a chama: CM ROHS Compliant Descrição Cabo telefônico constituído por condutores de cobre eletrolítico,

Leia mais

NÁLISE FRMCOPÊIC ENSIOS DE POTÊNCI MÉTODOS INSTRUMENTIS Profa. Ms. Priscila Torres Métodos Quantitativos Instrumentais - São mais sensíveis; - Requerem quantidades menores de amostras; - São mais seletivos

Leia mais

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA.

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA. Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.126.00 1 de 20 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de elo fusível para utilização nas

Leia mais

CFOA-DER-G (ABNT) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Tipo do Produto

CFOA-DER-G (ABNT) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Tipo do Produto CFOA-DER-G (ABNT) Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção RoHS Compliant Proteção dielétrica anti roedor Núcleo Geleado Tubos Loose SM, MM e NZD Descrição Conjunto constituído por fibras ópticas tipo

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0015 ELOS FUSÍVEIS DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos.

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em nível global e mais de 40 anos no Brasil.

Leia mais

COMPLEMENTAÇÃO DE VOTO

COMPLEMENTAÇÃO DE VOTO COMPLEMENTAÇÃO DE VOTO Perante a COMISSÃO MISTA, sobre a Medida Provisória nº 675, de 21 de maio de 2015, que altera a Lei nº 7.689, de 15 de dezembro de 1988, para elevar a alíquota da Contribuição Social

Leia mais

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local a) COORDENADOR ADJUNTO: 01 (Contratação Temporária

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Camada Física Trata da geração de sinais físicos e sua propagação através do

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

NBR 5599 - INFORMAÇÕES TÉCNICAS

NBR 5599 - INFORMAÇÕES TÉCNICAS NBR 5599 - INFORMAÇÕES TÉCNICAS 1 OBJETIVO 1.1 Esta norma fixa as condições exigíveis para encomenda, fabricação e fornecimento de tubos de aço-carbono de precisão, com costura, trefilados, com diâmetros

Leia mais

ABSORÇÃO ATÓMICA E FOTOMETRIA DE CHAMA SÃO DOIS MÉTODOS QUANTITATIVOS DE ANÁLISE ELMENTAR, QUE PODEM SER USADOS PARA QUANTIFICAR APROXIMADAMNETE 70 ELEMENTOS. AS APLICAÇÕES SÃO NUMEROSAS, E AS CONCENTRAÇÕES

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ DIRETORIA DE CONTAS MUNICIPAIS Prestação de Contas de Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista Municipais Prestação de Contas Anual Instrução Normativa n 22/2008 INSTRUÇÃO

Leia mais

SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS

SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS 25.01.2010 ÍNDICE 1. Notificação de Início do Acompanhamento... 3 2. Software para Elaboração de Projetos Agropecuários... 5 2.1. Ícones... 6 3. Cadastro do

Leia mais

Fenômeno Físico Como a cor acontece

Fenômeno Físico Como a cor acontece Fenômeno Físico Como a cor acontece Teoria das Cores Definição Expressa uma sensação visual que nos oferece a natureza através dos raios de luz irradiados em nosso planeta. A cor não existe, materialmente

Leia mais

Instrução de Trabalho TRATAMENTO ANTI-CORROSIVO E

Instrução de Trabalho TRATAMENTO ANTI-CORROSIVO E PINTURA ELETROSTÁTICA PADRÃO Página: 1/7 Ed. Descrição Data Elaborado Verif. / Aprovado 0 Esta edição cancela e substitui a versão anterior 22/11/2011 Josias Salvador 1. OBJETIVO Instrução de Trabalho

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PRODUÇÃO DE TELHA SEM AMIANTO USANDO FIBRAS DE COCO VERDE E CINZAS DE CANA-DE-AÇÚCAR. Ana Paula dos Santos Rodrigues¹; Daiene Lemes Pinto 2, Fernanda Luiza Mendonça Oliveira³, Guilherme Vitor Batista Correia

Leia mais

FIBER-LAN-AR (PFV) INDOOR/OUTDOOR (CFOT-EOR) - ABNT

FIBER-LAN-AR (PFV) INDOOR/OUTDOOR (CFOT-EOR) - ABNT FIBER-LAN-AR (PFV) INDOOR/OUTDOOR (CFOT-EOR) - ABNT Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção ROHS Compliant Dielétrico Tight Proteção anti-roedor Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico totalmente

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI N.º 13.593, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010. (publicada no DOE nº 248, de 31 de dezembro de 2010) Altera a Lei nº 8.820,

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares no Curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015 Altera a Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000, para determinar que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estabeleça o índice máximo de reajuste das contraprestações

Leia mais

Capítulo 3 Circuitos Elétricos

Capítulo 3 Circuitos Elétricos Capítulo 3 Circuitos Elétricos 3.1 Circuito em Série O Circuito Série é aquele constituído por mais de uma carga, ligadas umas as outras, isto é, cada carga é ligada na extremidade de outra carga, diretamente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 02/MNNO/2015

TERMO DE REFERÊNCIA TR 02/MNNO/2015 TERMO DE REFERÊNCIA TR 02/MNNO/2015 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE CABO DE FIBRA OPTICA DO TIPO MULTIMODO 62,5μm, APROPRIADA PARA USO EXTERNO EM DUTOS E COM PROTEÇÃO CONTRA ROEDORES, PARA

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Especificação Técnica ETD -00.063 Materiais de telecomunicação ópticos Versão:

Leia mais

Capacetes de Segurança H-700

Capacetes de Segurança H-700 Dados Técnicos Página 1 de 8 Capacetes de Segurança H-700 DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança H-700 é composto de: Casco ventilado (com ou sem tira refletiva) ou sem ventilação (com ou sem tira refletiva),

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE IV FIBRA ÓPTICA

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE IV FIBRA ÓPTICA APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE IV FIBRA ÓPTICA 1 REDE DE COMPUTADORES IV 1. Introdução FIBRA ÓPTICA É um filamento de vidro ou de materiais poliméricos com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI 0a Revisão do item 5 10/12/2010 KCAR/SMMF 10/12/2010 AQ 0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

C O L O R I M E T R I A

C O L O R I M E T R I A C O L O R I M E T R I A FUNDAMENTOS DA COLORIMETRIA Coleta da amostra Preparação da amostra Procedimento de teste O teste Amostra na cubeta Reagentes adicionados Período de espera Branco da amostra Leitura

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante INTRODUÇÃO II - DO OBJETO E DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS III - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA IV - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII - DA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

PRODUTO: SEL-SV--1-O40-K7 FOLHA TÉCNICA 1/5 SAC 55 11 3019-1616

PRODUTO: SEL-SV--1-O40-K7 FOLHA TÉCNICA 1/5 SAC 55 11 3019-1616 PRODUTO: SEL-SV--1-O40-K7 FOLHA TÉCNICA 1/5 APLICAÇÃO Sensor-transmissor de sinal de presença de chama à prova de explosão, certificado pelo TÜV, IPT e pelo CENPRA do MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA,

Leia mais

PROC. Nº 3832/07 PR Nº 060/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 3832/07 PR Nº 060/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Apresentamos aos Senhores Vereadores o presente Projeto de Resolução, que institui premiações a serem conferidas pela Câmara Municipal de Porto Alegre. Este trabalho é resultado da

Leia mais

CABO OPTICO CFOA-AS : ABNT

CABO OPTICO CFOA-AS : ABNT CABO OPTICO CFOA-AS : ABNT Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Núcleo Seco ou Geleado Tubos Loose SM, MM e NZD Descrição Cabos óptico dielétricos auto sustentados de 02 (duas) a 144 (cento

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 2013 MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 2013 MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA Nas instalações aéreas devem ser considerados os seguintes aspectos: Resistência à raios UV e intempéries; O tipo de suportação da tubulação;

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais