DESMATAMENTO EM ÁREAS PROTEGIDAS DA CAATINGA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESMATAMENTO EM ÁREAS PROTEGIDAS DA CAATINGA"

Transcrição

1 DESMATAMENTO EM ÁREAS PROTEGIDAS DA CAATINGA Laura Sabbatini Trebbi 1,2, Bianca Vigo Groetaers Vianna 1,2, Bruno Mariani Piana 1,2, Daniel Moraes de Freitas 3, Rodrigo Antônio de Souza 3 1 Empresa Júnior Florestal Planalto Verde ECOFLOR Brasília/DF Tel: (61) Universidade de Brasília UnB Brasília, DF Tel: (61) Centro de Sensoriamento Remoto CSR/IBAMA Brasília/DF Tel: (61) e (61) e Resumo: apesar de ser a única grande região natural brasileira que possui limites restritos ao território nacional, pouca atenção tem sido dedicada à conservação do bioma Caatinga. Segundo o SNUC, as Unidades de Conservação de Uso Sustentável tem como objetivo a compatibilização entre a conservação da natureza e o uso sustentável de parcela de seus recursos naturais. Este trabalho teve como objetivo averiguar o desmatamento ocorrido entre 2002 e 2009 no interior das Unidades de Conservação de Uso Sustentável existentes na caatinga. A quantificação da área desmatada foi feita a partir de shapes obtidos junto ao SISCOM IBAMA, com o auxílio do programa ArcGis 9.3. Os resultados mostraram que em um período de sete anos (2002 a 2009) hectares foram desmatados dentro das 44 Unidades de Conservação analisadas, correspondendo a quase 1,8% da área destinada à conservação. É uma falha a quantia segura de ser explorada dentro destas áreas protegidas não ser estipulada em lei. Palavras-chave: Unidades de Conservação, uso sustentável, SNUC, sensoriamento remoto. 1. Introdução O bioma Caatinga possui área de, aproximadamente, hectares e, de acordo com o IBGE (2004), cobre cerca de 9,9% do território brasileiro. Segundo Leal et al. (2005), tal bioma é formado por um mosaico de arbustos espinhosos e florestas sazonalmente secas, cobrindo a maior parte dos estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e a parte nordeste de Minas Gerais (Fig. 1).

2 Figura 1: distribuição do bioma Caatinga. A partir de estudos coordenados pela Conservation International, a caatinga foi reconhecida como uma das 37 grandes regiões naturais do planeta (TABARELLI e SILVA, 2005). Grandes regiões naturais são ecossistemas que, além de ocuparem áreas superiores a km², abrigam pelo menos 70% de sua cobertura vegetal original e, por isso, são consideradas estratégicas no contexto das grandes mudanças globais (GIL, 2002 citado por TABARELLI e SILVA, 2005). Silva et al. (2004) complementam que, apesar de ser a única grande região natural brasileira que possui limites restritos ao território nacional, pouca atenção tem sido dedicada à conservação desse importante bioma. De acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, SNUC, (MMA 2000) as Unidades de Conservação da Natureza são divididas em dois grupos: 1-Unidades de Proteção Integral e 2- Unidades de Uso Sustentável, cada uma com características específicas. A mesma lei define que o objetivo básico das Unidades inseridas no segundo grupo (Uso Sustentável) é a compatibilização entre a conservação da natureza e o uso sustentável de parcela de seus recursos naturais. Tabarelli e Silva (2005) explicam que a conservação do bioma Caatinga é importante para a manutenção dos padrões regionais e globais do clima, a disponibilidade de água potável, de solos possíveis de serem agricultáveis e, ainda, de parte importante da biodiversidade do planeta. O sensoriamento remoto é um exemplo de ferramenta possível de ser utilizada para realizar o levantamento e o reconhecimento da cobertura dos solos, tendo como grande vantagem a possibilidade de obtenção de informações periódicas, além de possibilitar a visão de uma ampla área de estudo e o levantamento do uso do solo em áreas de difícil acesso (MOREIRA, 2003). Assim, Feitosa et al. (2010) complementam que a ferramenta pode ajudar no entendimento do estado atual e da tendência de desenvolvimento do processo de degradação de uma área. Diante do exposto, este trabalho tem como objetivo averiguar o desmatamento ocorrido entre os anos de 2002 e 2009 em Unidades de Conservação de Uso Sustentável existentes no bioma Caatinga.

3 2. Materiais e Métodos Foram adquiridos, por meio do SISCOM IBAMA, shapes referentes ao bioma Caatinga, às Unidades de Conservação (UC s) de Uso Sustentável existentes no bioma e ao desmatamento ocorrido nestas unidades entre os anos de 2002 e Toda a análise foi feita com o auxílio do programa ArcGis 9 (ArcMap TM Version 9.3), no qual também foram construídos os mapas que mostram os resultados encontrados neste estudo. Para efetuar o cálculo do desmatamento, foram colocados todos os shapes na projeção Albers, que é a utilizada para efetuar cálculos de áreas extensas envolvendo mais de um fuso horário. Em seguida, foram selecionadas somente as UC s de Uso Sustentável situadas na Caatinga, por meio do cruzamento dos shapes. Posteriormente foram selecionadas no shape de desmatamento as regiões onde existiam atividades antrópicas no período de 2002 a 2009 para que, assim, fosse possível o cruzamento de dados dos shapes e, então, fossem obtidos os dados relacionados à área desmatada. Por fim, com a separação de cada categoria de UC de Uso Sustentável em shapes, foi possível obter as informações sobre a área total, em hectares, de cada categoria de UC e a área total do desmatamento ocasionado no período estabelecido para a análise. 3. Resultados e Discussão O desmatamento foi averiguado em 44 Unidades de Conservação de Uso Sustentável, distribuídas em cinco categorias, conforme mostra a Tab. 1. Tabela 1: Categorias e respectivas quantidades de Unidades de Conservação de Uso Sustentável analisadas. CATEGORIA SIGLA QUANTIDADE Área de Proteção Ambiental APA 31 Área de Relevante Interesse Ecológico ARIE 5 Floresta Nacional FLONA 6 Reserva do Desenvolvimento Sustentável RDS 1 Reserva Extrativista RESEX 1 TOTAL 44 As 44 UC s cobrem uma área de aproximadamente ha, o que equivale a cerca de 6,4 % do bioma Caatinga (Fig. 2).

4 Figura 2: Unidades de Conservação de Uso Sustentável da Caatinga. É possível perceber que as áreas protegidas estão localizadas, de forma geral, mais na porção oeste da Caatinga, ficando grande parte desprovida de Unidades que, a princípio, auxiliam na conservação da biodiversidade existente nesse importante bioma brasileiro. Durante o período analisado (7 anos), o desmatamento constatado dentro das áreas protegidas foi de cerca de hectares, ou seja, quase 1,8% da cobertura vegetal natural das Unidades de Conservação foi devastada (Fig. 3).

5 Figura 3: Desmatamento observado entre 2002 e 2009 dentro das Unidades de Conservação de Uso Sustentável existentes na Caatinga. O sistema nacional que regulamenta as UC s brasileiras permite o uso de parcela dos recursos naturais existentes nas Unidades de Uso Sustentável, porém não existe nenhuma informação da quantia segura de ser explorada nestas áreas e, por isso, não há um parâmetro de comparação para o desmatamento constatado no presente estudo. Assim, a exploração aceitável torna-se relativa e, diante da importância destas áreas destinadas ao uso sustentável da biodiversidade, sugere-se a criação de limites exploráveis mais rígidos, gerando, por consequência, parâmetros de comparação para futuras avaliações. 4. Conclusões A partir da análise feita no presente estudo, é possível concluir que: 1- foi constatado desmatamento de aproximadamente hectares dentro das Unidades de Conservação entre os anos de 2002 e 2009; 2- o total desmatado durante o período de análise corresponde a cerca de 1,8% da área coberta pelas Unidades de Conservação averiguadas; 3- como não existe nenhum parâmetro que serve como base para avaliar o desmatamento nas Unidades de Conservação de Uso Sustentável, não é possível concluir se a supressão constatada é significativa ou não para a área em questão; Referências FEITOSA, P.H.C.; ANDRADE, K.S.; BARBOSA, M.P.; RIBEIRO, G.N. Avaliação do processo de degradação da cobertura vegetal em Serra Branca e Coxixila - PB. Revista Verde de agroecologia e desenvolvimento sustentável

6 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de Biomas do Brasil Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em 29 jul LEAL, I.R.; SILVA, J.M.da; TABARELLI, M.; LACHER JR, T.E. Mudando o curso da conservação da biodiversidade na Caatinga do Nordeste do Brasil. Megadiversidade, v.1, n.1, p MMA (Ministério do Meio Ambiente) SNUC (Sistema Nacional de Unidades de Conservação). MMA, SNUC, Brasília MOREIRA, M.A. Fundamentos do sensoriamento remoto e metodologias de aplicação. 2ed., Viçosa, UFV SILVA, J.M.C.; TABARELLI, M.T. In: FONSECA e LINS, L.V. (orgs.). Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Ministério do Meio Ambiente, Brasília TABARELLI, M.; SILVA, J.M.C.da. Áreas e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Caatinga. In: LEAL, I.R.; TABARELLI, M.; SILVA, J.M.C.da. (editores) Ecologia e conservação da Caatinga. 2ª ed. Recife: Ed. Universitária da UFPE. 822p

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

Diagnóstico de unidades de conservação no Nordeste brasileiro - presente e futuro: Pernambuco

Diagnóstico de unidades de conservação no Nordeste brasileiro - presente e futuro: Pernambuco 22 Diagnóstico de unidades de conservação no Nordeste brasileiro - presente e futuro: Pernambuco Josué Francisco da Silva Junior 1 1 Pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros, Unidade de Execução de

Leia mais

DESMATAMENTO NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA CAATINGA EM 2009

DESMATAMENTO NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA CAATINGA EM 2009 DESMATAMENTO NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA CAATINGA EM 2009 Mirella Basileu de Oliveira Lima 1,2, Thalline Rodrigues da Silva 1,2, Bianca Vigo Groetaers Vianna 1,2, Bruno Mariani Piana 1,2, Daniel Moraes

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 2012.0730.00006-0

TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 2012.0730.00006-0 TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 212.73.6- Ref. Contratação de consultoria (pessoa física) para realizar a correção topológica dos dados espaciais dos projetos financiados pelo Projeto de Conservação e Utilização

Leia mais

ANÁLISE DO DESMATAMENTO NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DA CAATINGA

ANÁLISE DO DESMATAMENTO NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DA CAATINGA ANÁLISE DO DESMATAMENTO NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DA CAATINGA Mariana Rezende de Oliveira e Silva 1,2, Maria Luiza Almeida Luz 1,2, Bianca Vigo Groetaers Vianna 1,2, Bruno Mariani

Leia mais

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação...

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 2324-00-EIA-RL-0001-01 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 3/4 agosto de 2009

Leia mais

Marco legal, definições e tipos

Marco legal, definições e tipos Unidades de conservação Marco legal, definições e tipos Prof. Me. Mauricio Salgado " Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA.

CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA. CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA. Iara Késia Alves dos Santos (1); Tamires Araújo Fortunato (2); Jorgeana de

Leia mais

FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO

FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO Ailson de Lima Marques (1); Júlia Diniz de Oliveira (2); Douglas Cavalcante de Araújo (3) Anna Raquel Dionísio Ramos (4) Universidade Federal de

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sisbio Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sistema interativo e simplificado de atendimento à distância e de informação. O

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica Atlas dos Municípios da Mata Atlântica 2015 Realização: Patrocínio: Execução Técnica: MATA ATLÂNTICA De acordo com o Mapa da Área de Aplicação da Lei nº 11.428, de 2006, segundo Decreto nº 6.660, de 21

Leia mais

CONHECIMENTO SOBRE O BIOMA CAATINGA E SUA IMPORTÂNCIA NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE PATOS, PARAÍBA

CONHECIMENTO SOBRE O BIOMA CAATINGA E SUA IMPORTÂNCIA NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE PATOS, PARAÍBA CONHECIMENTO SOBRE O BIOMA CAATINGA E SUA IMPORTÂNCIA NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE PATOS, PARAÍBA Thamyres Brito do Nascimento; Maria das Graças Veloso

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DGEO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA Caicó/RN 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS José Irivaldo Alves Oliveira Silva, Elizandra Sarana Lucena Barbosa Universidade Federal de Campina

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

UCs E PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO NATURAL E CULTURAL. Márcia Leuzinger

UCs E PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO NATURAL E CULTURAL. Márcia Leuzinger UCs E PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO NATURAL E CULTURAL Márcia Leuzinger ETEP CDB: instituição de APs como estratégia para preservação in situ da biodiversidade; Lei da PNMA (art. 9º, VI) : criação de ETEP como

Leia mais

Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAM 2007)

Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAM 2007) Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAM 2007) DIRETORIA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL BRASÍLIA - DF MAIO/2007 Roteiro PPCDAM Planejamento 2007 Monitoramento Análise das tendências para

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL E AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO BIOMA CAATINGA

PERÍCIA AMBIENTAL E AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO BIOMA CAATINGA PERÍCIA AMBIENTAL E AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO BIOMA CAATINGA Flávia Michels Gonçalves Sarges Pontifícia Universidade Católica de Goiás/IFAR. flaviasarges@gmail.com Janaína Juliana Maria Carneiro Mestre

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA. 1.1 Introdução

1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA. 1.1 Introdução TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA, PESSOA FÍSICA, NA ÁREA DE MAPEAMENTO GEOLÓGICO E GEOPROCESSAMENTO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALERTA PRECOCE DE SECA E DESERTIFICAÇÃO. 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil

A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil Dra. Sueli Angelo Furlan Laboratório Climatolofia e Biogeografia Departamento de Geografia Faculdade

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Fábio França Silva Araújo Departamento de Áreas Protegidas Ministério do Meio Ambiente Unidades de conservação: Espaços territoriais

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS FOCOS DE CALOR E O DESMATAMENTO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NA CAATINGA

RELAÇÃO ENTRE OS FOCOS DE CALOR E O DESMATAMENTO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NA CAATINGA RELAÇÃO ENTRE OS FOCOS DE CALOR E O DESMATAMENTO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NA CAATINGA Marina Salgado Fontenele 1,2, Pedro Guilherme de A. Vasconcelos 1,2, Bianca Vigo Groetaers Vianna 1,2, Bruno Mariani

Leia mais

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Carlos Antônio Melo CRISTÓVÃO Laerte Guimarães FERREIRA Jr. Universidade Federal de Goiás - UFG Instituto

Leia mais

O Capítulo III do SNUC define os seguintes objetivos e normas para as categorias de man ejo:

O Capítulo III do SNUC define os seguintes objetivos e normas para as categorias de man ejo: 4.4 - Unidades de Conservação Segundo PEREIRA et al., (1999) Unidades de Conservação (UCs) Costeiras e Marinhas são aquelas situadas na faixa que se estende desde o limite interior dos ambientes com influência

Leia mais

Antônia Lucia Monteiro/CGEUC/DIREC/IBAMA

Antônia Lucia Monteiro/CGEUC/DIREC/IBAMA Antônia Lucia Monteiro/CGEUC/DIREC/IBAMA IBAMA O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis/IBAMA é uma Autarquia, vinculada ao Ministério do Meio Ambiente/MMA, responsável

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 2010081611071732

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 2010081611071732 1. Antecedentes TERMO DE REFERÊNCIA N.º 2010081611071732 Ref: Contratação de consultoria (Pessoa Jurídica) para realizar levantamento dos aspectos socioeconômicos e fundiários das unidades produtivas localizadas

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

ÁREAS PARA PRODUÇÃO FLORESTAL MANEJADA: DETALHAMENTO DO MACROZONEAMENTO ECOLÓGICO ECONÔMICO DO ESTADO DO PARÁ.

ÁREAS PARA PRODUÇÃO FLORESTAL MANEJADA: DETALHAMENTO DO MACROZONEAMENTO ECOLÓGICO ECONÔMICO DO ESTADO DO PARÁ. ÁREAS PARA PRODUÇÃO FLORESTAL MANEJADA: DETALHAMENTO DO MACROZONEAMENTO ECOLÓGICO ECONÔMICO DO ESTADO DO PARÁ. Adalberto Veríssimo Carlos Souza Jr. Danielle Celentano Rodney Salomão Denys Pereira Cíntia

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

FLORESTA NACIONAL DE BRASÍLIA (Como preservá- la para as presentes e futuras gerações?)

FLORESTA NACIONAL DE BRASÍLIA (Como preservá- la para as presentes e futuras gerações?) FLORESTA NACIONAL DE BRASÍLIA (Como preservá- la para as presentes e futuras gerações?) Promotor de Jus,ça do MPDFT Promotoria de Defesa do Meio Ambiente (PRODEMA) Dr. PAULO LEITE Audiência Pública dia

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A REALIDADE DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: O CASO DO MUNÍCIPIO

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A REALIDADE DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: O CASO DO MUNÍCIPIO 1 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A REALIDADE DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: O CASO DO MUNÍCIPIO DE SOBRAL, CEARÁ DÉBORAH DE ANDRADE ARAGÃO 1 KAMILA PRADO 2 GETSEMÂNI DE SOUSA BEZERRA 3 Resumo: O objetivo do presente

Leia mais

APRENDENDO SOBRE A CAATINGA ATRAVÉS DO FUTEBOL E DE POEMAS: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS

APRENDENDO SOBRE A CAATINGA ATRAVÉS DO FUTEBOL E DE POEMAS: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS APRENDENDO SOBRE A CAATINGA ATRAVÉS DO FUTEBOL E DE POEMAS: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS Clélia de Almeida Agra Albuquerque Secretaria de Estado da Educação no Estado

Leia mais

Tema 1: Adaptação à seca e desenvolvimento do extrativismo e do turismo sustentáveis.

Tema 1: Adaptação à seca e desenvolvimento do extrativismo e do turismo sustentáveis. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Departamento de Combate à Desertificação Tema 1: Adaptação à seca e desenvolvimento do extrativismo e do turismo

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Sra. Thelma de Oliveira) Art. 1º Ficam suspensas, pelo período de três anos, as autorizações para

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Sra. Thelma de Oliveira) Art. 1º Ficam suspensas, pelo período de três anos, as autorizações para PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Sra. Thelma de Oliveira) Suspende as autorizações para queimadas e desmatamentos ou, supressão de vegetação na Amazônia Legal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam

Leia mais

Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite

Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite O programa foi instituído por meio da Instrução Normativa Interministerial n.º 02, de 04 de setembro de 2006 e criado em virtude do

Leia mais

Conhecimento exigido: Questão exigia do aluno conhecimento sobre conflitos atuais bem como algumas atualidades políticas geográficas.

Conhecimento exigido: Questão exigia do aluno conhecimento sobre conflitos atuais bem como algumas atualidades políticas geográficas. Prova de Geografia (versão amarela) Professor Marcelo da Silva Questão 11 Nível - Fácil Conhecimento exigido: Questão exigia domínio sobre o histórico do processo migratório para Santa Catarina bem como

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Conectando pessoas e florestas Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica ti Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Objetivos PCE 1. Objetivo Geral: Demonstrar a viabilidade

Leia mais

Empresa Júnior de Consultoria Florestal ECOFLOR Brasília/DF Tel: (61)

Empresa Júnior de Consultoria Florestal ECOFLOR Brasília/DF Tel: (61) UTILIZAÇÃO DE IMAGENS LANDSAT5 EM ÉPOCAS ESTACIONAIS DIFERENTES NA INTERPRETAÇÃO DO USO ANTRÓPICO Beatriz Garcia Nascimento 1,2,Patrícia Gimenez Carluccio 1,2 Bianca Vigo Groetaers Vianna 1,2, Bruno Mariani

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais BRASIL NO MUNDO: Linha do Equador: 93% Hemisfério Sul 7% Hemisfério Norte Trópico de Capricórnio: 92% zona Tropical 8% Zona temperada do Sul Nossas fronteiras-problema : ( FARC ) Colômbia: Narcotráfico

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

RESERVA EXTRAVISTAS DO LITORAL PARAENSE: FERRAMENTAS PARA O ORDENAMENTO TERRITORIAL

RESERVA EXTRAVISTAS DO LITORAL PARAENSE: FERRAMENTAS PARA O ORDENAMENTO TERRITORIAL Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 RESERVA EXTRAVISTAS DO LITORAL PARAENSE: FERRAMENTAS PARA O ORDENAMENTO TERRITORIAL Aninha Melo Moreira Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará Campus Bragança,

Leia mais

SERRA DO MAR ENTRE A EXPLORAÇÃO E A CONSERVAÇÃO

SERRA DO MAR ENTRE A EXPLORAÇÃO E A CONSERVAÇÃO SERRA DO MAR ENTRE A EXPLORAÇÃO E A CONSERVAÇÃO 34 INTRODUÇÃO Marcos Antonio Pinto Acadêmico 4 Geografia - UNESPAR/Fafipa jrnarcos.geo@gmail.com Renato Rafael Diogo do Valle Acadêmico 4 Geografia - UNESPAR/Fafipa

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado.

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. 136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. Em relação às regiões marcadas na figura, observa-se que A) a existência de áreas superáridas,

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

As atividades econômicas realizadas pelas pessoas costumam ser agrupadas em três setores.

As atividades econômicas realizadas pelas pessoas costumam ser agrupadas em três setores. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 03 / 2 / 205 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): TURMA: N.º: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Aneo II - Termo de Referência 1. Antecedentes O projeto BRA/11/001 tem como objetivo cooperar, por meio de suporte técnico ao Ministério do Meio Ambiente, para a implementação dos dispositivos da Convenção

Leia mais

MANEJO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS

MANEJO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS MANEJO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS Prof a Dra. Regina Márcia Longo Ementa Biomas: principais biomas brasileiros Manejo de Fauna Indicadores de degradação Ecologia florestal Restauração de processos ecológicos

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 Cuidar da Água: Desafio para sociedade Combater: Desmatamento Poluição Desperdício Investir Refloretamento Saneamento Tecnologia e Gestão Integrada 8,5 145 72 70 20

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica

Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica PAULO KAGEYAMA. SBF Ministério do Meio Ambiente PRIMEIRA REUNIÃO DE COORDENADORES NACIONAIS DO PROJETO

Leia mais

CONHECENDO O CADASTRO AMBIENTAL RURAL

CONHECENDO O CADASTRO AMBIENTAL RURAL CONHECENDO O CADASTRO AMBIENTAL RURAL BOFF, Giovani Veiga 1 ; CÓRDOVA, Leticia Brum¹; ZAMBERLAN, João Fernando²; ARALDI, Daniele Furian² Palavras Chave: Produtor. Código Florestal. Biomas. Área de Preservação

Leia mais

Boletim de Pesquisa 71 e Desenvolvimento

Boletim de Pesquisa 71 e Desenvolvimento Boletim de Pesquisa 71 e Desenvolvimento ISSN 1809-5003 Setembro, 2015 Mapeamento de unidades de produção com variedades de mandioca recomendadas pela Embrapa: biomas Caatinga e Mata Atlântica ISSN 1809-5003

Leia mais

O Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC) do Amazonas: momento atual e perspectivas futuras

O Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC) do Amazonas: momento atual e perspectivas futuras O Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC) do Amazonas: momento atual e perspectivas futuras Centro Estadual de Unidades de Conservação Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS LEIA AS INFORMAÇÕES, CONSULTE O LIVRO PARA ADQUIRIR MAIS CONHECIMENTO E RESPONDA OS EXERCÍCIOS EM SEU CADERNO. 1- Quente e frio: um país de extremos O Brasil é

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

3 Analista Ambiental do Parque Nacional da Chapada Diamantina

3 Analista Ambiental do Parque Nacional da Chapada Diamantina ZONA DE AMORTECIMENTO: CRIAÇÃO OU DELIMITAÇÃO? Cezar Neubert Gonçalves 1, Luanne Helena Augusto Lima 2, Bruno Soares Lintomen 3, Pablo Lacaze de Camargo Casella 3, Christian Niel Berlinck 4 Resumo No ano

Leia mais

Abundância de Biodiversidade

Abundância de Biodiversidade RIQUEZA POUCO CONHECIDA Abundância de Biodiversidade Apesar de distintas, as transformações sofridas por biomas como Mata Atlântica, Caatinga e Campos Sulinos mostram variações de um processo único: a

Leia mais

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS-PB

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS-PB Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 503 Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - Julho 2005-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 GEOGRAFIA QUESTÃO 21

Processo Seletivo/UFU - Julho 2005-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 GEOGRAFIA QUESTÃO 21 Observe a tabela. GEOGRAFIA QUESTÃO 21 POPULAÇÃO DE CONSUMIDORES NOS PAÍSES, EM 2002 País População da Classe de Participação nototal da Consumidores (em milhões) População (em %) Estados Unidos 242,5

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA Parte do estudo da ciência geográfica que combina elementos da botânica e geografia; Analisa características da vegetação partindo das características climáticas,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA COMPILAÇÃO E MAPEAMENTO DE IMOVEIS RURAIS

TERMO DE REFERENCIA PARA COMPILAÇÃO E MAPEAMENTO DE IMOVEIS RURAIS SERVIÇOS DE GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS DE ELABORAÇÃO DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR NO MUNICÍPIO DE RIO CLARO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1. Contextualização A The Nature Conservancy

Leia mais

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO A caatinga é um bioma que se concentra na região nordeste do Brasil. Ocupando

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

Profª:Sabrine V.Welzel

Profª:Sabrine V.Welzel Geografia 2 ano/ensino Médio Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil 1) (FGV. SP) De acordo com o geógrafo Aziz N. Ab.Sáber, o território brasileiro é constituído por seis domínios morfoclimáticos e fitogeográficos,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 Nome do Projeto Região País Setor(es) Tema(s) Instrumento de Empréstimo ID do Projeto Mutuário(s) Agência Implementadora

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi Justificativa para a criação da Unidade de Conservação - Ponta de Pirangi Os recifes de corais são ecossistemas que abrigam grande biodiversidade marinha, tendo, portanto uma grande relevância ecológica,

Leia mais

Mapeamento Participativo em Sete Unidades de Conservação no Extrativismo Não Madeireiro

Mapeamento Participativo em Sete Unidades de Conservação no Extrativismo Não Madeireiro Mapeamento Participativo em Sete Unidades de Conservação no Extrativismo Não Madeireiro Mônica Suani Barbosa da Costa 1 Karina de Oliveira Milhomem 2 Therezinha de Jesus Pinto Fraxe 3 Suellen Amorim da

Leia mais

NOTIFICAÇÃO Nº 11 /2010

NOTIFICAÇÃO Nº 11 /2010 NOTIFICAÇÃO Nº 11 /2010 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ, por intermédio da representante da 30ª Promotoria de Justiça abaixo firmada, com fundamento no art. 38, inciso I, letra a e inciso V, da

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE POR MEIO DE IMAGENS DO SATÉLITE CBERS

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE POR MEIO DE IMAGENS DO SATÉLITE CBERS SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DO DESMATAMENTO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE POR MEIO DE IMAGENS DO SATÉLITE CBERS CRUZ, P. F. 1 ; BEZERRA, I. DE M. 2 RESUMO: O projeto desenvolvido teve como objetivo

Leia mais

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Projeto de criação do Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Flora Fauna Comunidade Movimento Pró-Restinga Está totalmente equivocada a classificação daque-la área como uma APA. O conceito principal

Leia mais