ADMINISTRAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADMINISTRAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS"

Transcrição

1 ADMINISTRAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS NO CONCEITO DE ADMINISTRAÇÃO DE BENS COMPREENDE-SE EM SENTIDO ESTRITO, A ADMINISTRAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS ADMITINDO UNICAMENTE SUA UTILIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO SEGUNDO A DESTINAÇÃO NATURAL OU LEGAL DE CADA COISA, E EM SENTIDO AMPLO ABRANGE TAMBÉM A ALIENAÇÃO DOS BENS QUE SE REVELAREM INÚTEIS OU INCONVENIENTES AO DOMÍNIO PÚBLICO E A AQUISIÇÃO DE NOVOS BENS, NECESSÁRIOS AO SERVIÇO PÚBLICO. QUANTO À ONERAÇÃO, NÃO ADMITIMOS QUE POSSA INCIDIR SOBRE BEM PÚBLICO, SALVO QUANDO INCORPORADO A ENTIDADE PARAESTATAL. A ADMINISTRAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS REGE-SE PELAS NORMAS DO DIREITO PÚBLICO, APLICANDO-SE SUPLETIVAMENTE OS PRECEITOS DO DIREITO PRIVADO NO QUE AQUELAS FOREM FALHAS OU OMISSAS. OBSERVE-SE, DESDE LOGO, QUE A TRANSFERÊNCIA DA PROPRIEDADE DOS BENS IMÓVEIS SE OPERA SEGUNDO AS NORMAS E INSTRUMENTOS CIVIS (ESCRITURA E REGISTRO). TODO BEM PÚBLICO FICA SUJEITO AO REGIME ADMINISTRATIVO PERTINENTE AO SEU USO, CONSERVAÇÃO OU ALIENAÇÃO. EMBORA UTILIZADOS COLETIVAMENTE PELO POVO OU INDIVIDUALMENTE POR ALGUNS USUÁRIOS, CABEM SEMPRE AO PODER PÚBLICO A ADMINISTRAÇÃO E A PROTEÇÃO DE SEUS BENS, PODENDO VALER-SE DOS MEIOS JUDICIAIS COMUNS E ESPECIAIS PARA A GARANTIA DA PROPRIEDADE E DEFESA DA POSSE. UTILIZAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS OS BENS PÚBLICOS OU SE DESTINAM AO USO COMUM DO POVO OU AO USO ESPECIAL. EM QUALQUER DESSES CASOS O ESTADO INTERFERE COMO PODER ADMINISTRADOR, DISCIPLINANDO E POLICIANDO A CONDUTA DO PÚBLICO E DOS USUÁRIOS ESPECIAIS, A FIM DE ASSEGURAR A CONSERVAÇÃO DOS BENS E POSSIBILITAR SUA NORMAL UTILIZAÇÃO, TANTO PELA COLETIVIDADE, QUANTO PELOS INDIVÍDUOS COMO, AINDA, PELAS REPARTIÇÕES ADMINISTRATIVAS. - USO COMUM DO POVO- É TODO AQUELE QUE SE RECONHECE À COLETIVIDADE EM GERAL SOBRE OS BENS PÚBLICOS, SEM DISCRIMINAÇÃO DE USUÁRIOS OU ORDEM ESPECIAL PARA SUA FRUIÇÃO. É O USO QUE O POVO FAZ DAS RUAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS, DOS RIOS NAVEGÁVEIS, DO MAR E DAS PRAIAS NATURAIS. ESSE USO COMUM NÃO EXIGE QUALQUER QUALIFICAÇÃO OU CONSENTIMENTO ESPECIAL. PARA ESSE USO SÓ SE ADMITEM REGULAMENTAÇÕES GERAIS DA ORDEM PÚBLICA, PRESERVADORAS DA SEGURANÇA, DA HIGIENE, DA SAÚDE, DA MORAL E DOS BONS COSTUMES, SEM PARTICULARIZAÇÕES DE PESSOAS OU CATEGORIAS SOCIAIS.

2 NO USO COMUM DO POVO OS USUÁRIOS SÃO ANÔNIMOS, INDETERMINADOS, E OS BENS UTILIZADOS O SÃO POR TODOS OS MEMBROS DA COLETIVIDADE UTI UNIVERSI - RAZÃO PELA QUAL NINGUÉM TEM DIREITO AO USO EXCLUSIVO OU A PRIVILÉGIOS NA UTILIZAÇÃO DO BEM: O DIREITO DE CADA INDIVÍDUO LIMITA-SE À IGUALDADE COM OS DEMAIS NA FRUIÇÃO DO BEM OU NO SUPORTAR OS ÔNUS DELE RESULTANTES. O QUE CONVÉM FIXAR É QUE OS BENS PÚBLICOS DE USO COMUM DO POVO, NÃO OBSTANTE ESTEJAM À DISPOSIÇÃO DA COLETIVIDADE, PERMANECEM SOB A ADMINISTRAÇÃO E VIGILÂNCIA DO PODER PÚBLICO, QUE TEM O DEVER DE MANTÊ-LOS EM NORMAIS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO PELO PÚBLICO EM GERAL. TODO DANO AO USUÁRIO, IMPUTÁVEL A FALTA DE CONSERVAÇÃO OU A OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS QUE ENVOLVAM ESSES BENS, É DA RESPONSABILIDADE DO ESTADO, DESDE QUE A VÍTIMA NÃO TENHA AGIDO COM CULPA. - USO ESPECIAL É TODO AQUELE QUE, POR UM TÍTULO INDIVIDUAL, A ADMINISTRAÇÃO ATRIBUI A DETERMINADA PESSOA PARA FRUIR DE UM BEM PÚBLICO COM EXCLUSIVIDADE, NAS CONDIÇÕES CONVENCIONADAS. É TAMBÉM USO ESPECIAL AQUELE A QUE A ADMINISTRAÇÃO IMPÕE RESTRIÇÕES OU PARA O QUAL EXIGE PAGAMENTO, BEM COMO O QUE ELA MESMA FAZ DE SEUS BENS PARA A EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS, COMO É O CASO DOS EDIFÍCIOS, VEÍCULOS E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS POR SUAS REPARTIÇÕES. TODOS OS BENS PÚBLICOS, QUALQUER QUE SEJA A SUA NATUREZA, SÃO PASSÍVEIS DE USO ESPECIAL POR PARTICULARES, DESDE QUE A UTILIZAÇÃO CONSENTIDA PELA ADMINISTRAÇÃO NÃO OS LEVE A INUTILIZAÇÃO OU DESTRUIÇÃO, CASO EM QUE SE CONVERTERIA EM ALIENAÇÃO. NINGUÉM TEM DIREITO NATURAL A USO ESPECIAL DE BEM PÚBLICO, MAS QUALQUER INDIVÍDUO OU EMPRESA PODE OBTÊ-LO MEDIANTE CONTRATO OU ATO UNILATERAL DA ADMINISTRAÇÃO, NA FORMA AUTORIZADA POR LEI OU REGULAMENTO OU SIMPLESMENTE CONSENTIDA PELA AUTORIDADE COMPETENTE. ASSIM SENDO, O USO ESPECIAL DO BEM PÚBLICO SERÁ SEMPRE UMA UTILIZAÇÃO INDIVIDUAL - UTI SINGULI - A SER EXERCIDA PIVATIVAMENTE PELO ADQUIRENTE DESSE DIREITO. O QUE TIPIFICA O USO ESPECIAL É A PRIVATIVIDADE DA UTILIZAÇÃO DE UM BEM PÚBLICO, OU DE PARCELA DESSE BEM, PELO BENEFICIÁRIO DO ATO OU DO CONTRATO, AFASTANDO A FRUIÇÃO GERAL E INDISCRIMINADA DA COLETIVIDADE OU DO PRÓPRIO PODER PÚBLICO. ESSE USO PODE SER CONSENTIDO GRATUITA OU REMUNERADAMENTE, POR TEMPO CERTO OU INDETERMINADO, CONSOANTE O ATO OU CONTRATO ADMINISTRATIVO QUE O AUTORIZAR, PERMITIR OU CONCEDER. UMA VEZ TITULADO REGULARMENTE O USO ESPECIAL, O PARTICULAR PASSA A TER UM DIREITO SUBJETIVO PÚBLICO AO SEU EXERCÍCIO, OPONÍVEL A TERCEIROS E À PRÓPRIA ADMINISTRAÇÃO, NAS CONDIÇÕES ESTABELECIDAS OU CONVENCIONADAS. A ESTABILIDADE OU PRECARIEDADE DESSE USO, ASSIM COMO A RETOMADA DO BEM PÚBLICO, COM OU SEM INDENIZAÇÃO AO PARTICULAR, DEPENDERÃO DO TÍTULO ATRIBUTIVO QUE O LEGITIMAR.

3 AS FORMAS ADMINISTRATIVAS PARA O USO ESPECIAL DE BEM PÚBLICO POR PARTICULARES VARIAM DESDE AS SIMPLES E UNILATERAIS AUTORIZAÇÃO DE USO E PERMISSÃO DE USO ATÉ OS FORMAIS CONTRATOS DE CONCESSÃO DE USO E CONCESSÃO DE USO COMO DIREITO REAL SOLÚVEL, ALÉM DA IMPRÓPRIA E OBSOLETA ADOÇÃO DOS INSTITUTOS CIVIS DO COMODATO, DA LOCAÇÃO E DA ENFITEUSE, COMO VEREMOS A SEGUIR. AUTORIZAÇÃO DE USO: É O ATO UNILATERAL, DISCRICIONÁRIO E PRECÁRIO PELO QUAL A ADMINISTRAÇÃO CONSENTE NA PRÁTICA DE DETERMINADA ATIVIDADE INDIVIDUAL INCIDENTE SOBRE UM BEM PÚBLICO. NÃO TEM FORMA NEM REQUISITOS ESPECIAIS PARA SUA EFETIVAÇÃO, POIS VISA APENAS A ATIVIDADES TRANSITÓRIAS E IRRELEVANTES PARA O PODER PÚBLICO, BASTANDO QUE SE CONSUBSTANCIE EM ATO ESCRITO, REVOGÁVEL SUMARIAMENTE A QUALQUER TEMPO E SEM ÔNUS PARA A ADMINISTRAÇÃO. ESSAS AUTORIZAÇÕES SÃO COMUNS PARA A OCUPAÇÃO DE TERRENOS BALDIOS, PARA A RETIRADA DE ÁGUA EM FONTES NÃO ABERTAS AO USO COMUM DO POVO E PARA OUTRAS UTILIZAÇÕES DE INTERESSE DE CERTOS PARTICULARES, DESDE QUE NÃO PREJUDIQUEM A COMUNIDADE NEM EMBARACEM O SERVIÇO PÚBLICO. PERMISSÃO DE USO: É O ATO NEGOCIAL, UNILATERAL, DISCRICIONÁRIO E PRECÁRIO ATRAVÉS DO QUAL A ADMINISTRAÇÃO FACULTA AO PARTICULAR A UTILIZAÇÃO INDIVIDUAL DE DETERMINADO BEM PÚBLICO. COMO ATO NEGOCIAL, PODE SER COM OU SEM CONDIÇÕES, GRATUITO OU REMUNERADO, POR TEMPO CERTO OU INDETERMINADO, CONFORME ESTABELECIDO NO TERMO PRÓPRIO, MAS SEMPRE MODIFICÁVEL E REVOGÁVEL UNILATERALMENTE PELA ADMINISTRAÇÃO, QUANDO O INTERESSE PÚBLICO O EXIGIR. CESSÃO DE USO: É A TRANSFERÊNCIA GRATUITA DA POSSE DE UM BEM PÚBLICO DE UMA ENTIDADE OU ÓRGÃO PARA OUTRO, A FIM DE QUE O CESSIONÁRIO O UTILIZE NAS CONDIÇÕES ESTABELECIDAS NO RESPECTIVO TERMO, POR TEMPO CERTO OU INDETERMINADO. É ATO DE COLABORAÇÃO ENTRE REPARTIÇÕES PÚBLICAS, EM QUE AQUELA QUE TEM BENS DESNECESSÁRIOS AOS SEUS SERVIÇOS CEDE O USO A OUTRA QUE DELES ESTÁ PRECISANDO. CONCESSÃO DE USO: É O CONTRATO ADMINISTRATIVO PELO QUAL O PODER PÚBLICO ATRIBUI A UTILIZAÇÃO EXLUSIVA DE UM BEM DE SEU DOMÍNIO A PARTICULAR, PARA QUE O EXPLORE SEGUNDO SUA DESTINAÇÃO ESPECÍFICA. O QUE CARACTERIZA A CONCESSÃO DE USO E A DISTINGUE DOS DEMAIS INSTITUTOS ASSEMELHADOS - AUTORIZAÇÃO E PERMISSÃO É O CARÁTER CONTRATUAL E ESTÁVEL DA OUTORGA DO USO DO BEM PÚBLICO AO PARTICULAR, PARA QUE O UTILIZE COM EXCLUSIVIDADE E NAS CONDIÇÕES CONVENCIONADAS COM A ADMINISTRAÇÃO. A CONCESSÃO PODE SER REMUNERADA OU GRATUITA, POR TEMPO CERTO OU INDETERMINADO, MAS DEVERÁ SER SEMPRE PRECEDIDA DE AUTORIZAÇÃO LEGAL E, NORMALMENTE, DE LICITAÇÃO PARA O CONTRATO. CONCESSÃO DE DIREITO REAL DE USO: É O CONTRATO PELO QUAL A ADMINISTRAÇÃO TRANSFERE O USO REMUNERADO OU GRATUITO DE TERRENO PÚBLICO A PARTICULAR, COMO

4 DIREITO REAL RESOLÚVEL, PARA QUE DELE SE UTILIZE EM FINS ESPECÍFICOS DE URBANIZAÇÃO, INDUSTRIALIZAÇÃO, EDIFICAÇÃO, CULTIVO OU QUALQUER OUTRA EXPLORAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. A CONCESSÃO DE DIREITO REAL DE USO PODE SER OUTORGADA POR ESCRITURA PÚBLICA OU TERMO ADMINISTRATIVO, CUJO INSTRUMENTO FICARÁ SUJEITO A INSCRIÇÃO NO LIVRO PRÓPRIO DO REGISTRO IMOBILIÁRIO COMPETENTE. ENFITEUSE OU AFORAMENTO: É O INSTITUTO CIVIL QUE PERMITE AO PROPRIETÁRIO ATRIBUIR A OUTREM O DOMÍNIO ÚTIL DE IMÓVEL, PAGANDO A PESSOA QUE O ADQUIRE (ENFITEUTA) AO SENHORIO DIRETO UMA PENSÃO OU FORO, ANUAL, CERTO E INVARIÁVEL. JÁ ACENTUAMOS A INUTILIDADE DO REGIME ENFITÊUTICO E SUA INCONVENIÊNCIA MESMO NA PRÁTICA ADMINISTRATIVA. MUITOS ESTADOS JÁ O EXCLUÍRAM DE SUAS LEIS ORGÂNICAS, E OS QUE O CONSERVAM NÃO ENCONTRARÃO RAZÕES PONDERÁVEIS PARA SUA SUBSISTÊNCIA, QUANDO A ADMINISTRAÇÃO DISPÕE DE TANTOS OUTROS MEIOS DE TORNAR PRODUTIVO SEU PATRIMÔNIO E DE AJUDAR OS DESFAVORECIDOS QUE DESEJAM CULTIVAR SUAS TERRAS. ALIENAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS A ADMINISTRAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS COMPREENDE NORMALMENTE A UTILIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO, MAS, EXCEPCIONALMENTE, PODE A ADMINISTRAÇÃO TER NECESSIDADE OU INTERESSE NA ALIENAÇÃO DE ALGUNS DE SEUS BENS, CASO EM QUE DEVERÁ ATENDER ÀS EXIGÊNCIAS ESPECIAIS IMPOSTAS POR NORMAS SUPERIORES. É O QUE VEREMOS A SEGUIR. ALIENAÇÃO É TODA TRANSFERÊNCIA DE PROPRIEDADE, REMUNERADA OU GRATUITA, SOB A FORMA DE VENDA, PERMUTA, DOAÇÃO, DAÇÃO EM PAGAMENTO, INVESTIDURA, LEGITIMAÇÃO DE POSSE OU CONCESSÃO DE DOMÍNIO. QUALQUER DESSAS FORMAS DE ALIENAÇÃO PODE SER UTILIZADA PELA ADMINISTRAÇÃO, DESDE QUE SATISFAÇA AS EXIGÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PARA O CONTRATO ALIENADOR E ATENDA AOS REQUISITOS DO INSTITUTO ESPECÍFICO. EM PRINCÍPIO, TODA ALIENAÇÃO DE BEM PÚBLICO DEPENDE DE LEI AUTORIZADORA, DE LICITAÇÃO E DE AVALIAÇÃO DA COISA A SER ALIENADA. FEITAS ESSAS CONSIDERAÇÕES GERAIS, VEJAMOS AS VÁRIAS FORMAS DE ALIENAÇÃO. Venda: venda, ou, mais propriamente, venda e compra, é o contrato civil ou comercial pelo qual uma das partes (vendedor) transfere a propriedade de um bem à outra (comprador), mediante preço certo em dinheiro. Toda venda, ainda que de bem público, é contrato de direito privado. Não há venda administrativa; AS FORMALIDADES ADMINISTRATIVAS PARA A VENDA DE BEM PÚBLICO IMÓVEL SÃO, COMO JÁ VIMOS, A AUTORIZAÇÃO COMPETENTE, A AVALIAÇÃO PRÉVIA E A LICITAÇÃO, NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO PERTINENTE. TRATANDO-SE DE BEM DE USO COMUM DO POVO OU DE USO

5 ESPECIAL, HAVERÁ NECESSIDADE DE DESAFETAÇÃO LEGAL, QUE PODERÁ CONSTAR DA MESMA NORMA QUE AUTORIZE A ALIENAÇÃO. DOAÇÃO: É O CONTRATO PELO QUAL UMA PESSOA (DOADOR), POR LIBERALIDADE, TRANSFERE UM BEM DO SEU PATRIMÔNIO PARA O DE OUTRA (DONATÁRIO), QUE O ACEITE. É CONTRATO CIVIL, E NÃO ADMINISTRATIVO, FUNDADO NA LIBERALIDADE DO DOADOR, EMBORA POSSA SER COM ENCARGOS PARA O DONATÁRIO. A DOAÇÃO SÓ SE APERFEIÇOA COM A ACEITAÇÃO DO DONATÁRIO, SEJA PURA OU COM ENCARGO. A ADMINISTRAÇÃO PODE FAZER DOAÇÕES DE BENS MÓVEIS OU IMÓVEIS DESAFETADOS DO USO PÚBLICO, E COMUMENTE O FAZ PARA INCENTIVAR CONSTRUÇÕES E ATIVIDADES PARTICULARES DE INTERESSE COLETIVO. MODERNAMENTE, A DOAÇÃO DE TERRENOS PÚBLICOS VEM SENDO SUBSTITUÍDA - E COM VANTAGENS PELA CONCESSÃO DE DIREITO REAL DE USO, QUE EXAMINAMOS PRECEDENTEMENTE. DAÇÃO E PAGAMENTO: É A ENTREGA DE UM BEM QUE NÃO SEJA DINHEIRO PARA SOLVER DÍVIDA ANTERIOR. A COISA DADA EM PAGAMENTO PODE SER DE QUALQUER ESPÉCIE E NATUREZA, DESDE QUE O CREDOR CONSINTA NO RECEBIMENTO EM SUBSTITUIÇÃO DA PRESTAÇÃO QUE LHE ERA DEVIDA. A DAÇÃO EM PAGAMENTO, EMBORA CONSUBSTANCIE UMA ALIENAÇÃO DE BEM PÚBLICO, NÃO EXIGE LICITAÇÃO, POR SE TRATAR DE UM CONTRATO COM DESTINATÁRIO CERTO, QUE É O CREDOR QUE CONSENTE NO PAGAMENTO POR ESSA FORMA. PERMUTA: PERMUTA, TROCA OU ESCAMBO É O CONTRATO PELO QUAL AS PARTES TRANSFEREM E RECEBEM UM BEM, UMA DA OUTRA, BENS, ESSES, QUE SE SUBSTITUEM RECIPROCAMENTE NO PATRIMÔNIO DOS PERMUTANTES. HÁ SEMPRE NA PERMUTA UMA ALIENAÇÃO E UMA AQUISIÇÃO DE COISA, DA MESMA ESPÉCIE OU NÃO. A PERMUTA PRESSUPÕE IGUALDADE DE VALOR ENTRE OS BENS PERMUTÁVEIS, MAS É ADMISSÍVEL A TROCA DE COISAS DE VALORES DESIGUAIS COM REPOSIÇÃO OU TORNA EM DINHEIRO DO FALTANTE. A PERMUTA DE BEM PÚBLICO, COMO AS DEMAIS ALIENAÇÕES, EXIGE AUTORIZAÇÃO LEGAL E AVALIAÇÃO PRÉVIA DAS COISAS A SEREM TROCADAS, MAS NÃO EXIGE LICITAÇÃO, PELA IMPOSSIBILIDADE MESMA DE SUA REALIZAÇÃO, UMA VEZ QUE A DETERMINAÇÃO DOS OBJETOS DA TROCA NÃO ADMITE SUBSTITUIÇÃO OU COMPETIÇÃO LICITATÓRIA. QUALQUER BEM PÚBLICO, DESDE QUE DESAFETADO DO USO COMUM DO POVO OU DE DESTINAÇÃO PÚBLICA ESPECIAL, PODE SER PERMUTADO COM OUTRO BEM PÚBLICO OU PARTICULAR, DA MESMA ESPÉCIE OU DE OUTRA. INVESTIDURA: É A INCORPORAÇÃO DE UMA ÁREA PÚBLICA, ISOLADAMENTE INCONSTRUTÍVEL, AO TERRENO PARTICULAR CONFINANTE QUE FICOU AFASTADO DO NOVO ALINHAMENTO EM RAZÃO DE ALTERAÇÃO DO TRAÇADO URBANO.ASSIM SENDO, ÁREA INAPROVEITÁVEL ISOLADAMENTE É AQUELA QUE NÃO SE ENQUADRA NOS MÓDULOS ESTABELECIDOS POR LEI PARA EDIFICAÇÃO URBANA OU APROVEITAMENTO PARA FINS AGROPECUÁRIOS, CONSOANTE A LIÇÃO DE ANTONIO MARCELLO DA SILVA, CONCLUINDO QUE A INAPROVEITABILIDADE DA ÁREA,

6 ISOLADAMENTE, É JUSTIFICATIVA SUFICIENTE PARA A ALIENAÇÃO E TAMBÉM PARA A DISPENSA DE LICITAÇÃO, POIS NÃO PODERIA SER USADA POR OUTREM QUE NÃO O PROPRIETÁRIO DO IMÓVEL LINDEIRO. A FORMALIZAÇÃO DA INVESTIDURA SE FAZ POR ESCRITURA PÚBLICA OU TERMO ADMINISTRATIVO, SEMPRE SUJEITOS A REGISTRO IMOBILIÁRIO. CONCESSÃO DE DOMÍNIO: ATUALMENTE, SÓ É UTILIZADA NAS CONCESSÕES DE TERRAS DEVOLUTAS DA UNIÃO, DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS, CONSOANTE PREVÊ A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA. QUANDO FEITA POR UMA ENTIDADE ESTATAL A OUTRA, A CONCESSÃO DE DOMÍNIO FORMALIZA-SE POR LEI E INDEPENDE DE REGISTRO; QUANDO FEITA A PARTICULARES EXIGE TERMO ADMINISTRATIVO OU ESCRITURA PÚBLICA E O TÍTULO DEVE SER TRANSCRITO NO REGISTRO IMOBILIÁRIO COMPETENTE, PARA A TRANSFERÊNCIA DO DOMÍNIO. A CONCESSÃO DE DOMÍNIO DE TERRAS PÚBLICAS NÃO DEVE SER CONFUNDIDA COM A CONCESSÃO ADMINISTRATIVA DE USO DE BEM PÚBLICO, NEM COM A CONCESSÃO DE DIREITO REAL DE USO DE TERRENOS PÚBLICOS PORQUE IMPORTA ALIENAÇÃO DO IMÓVEL, ENQUANTO ESTAS CONCESSÕES DE USO COMO DIREITO PESSOAL OU REAL - POSSIBILITAM APENAS A UTILIZAÇÃO DO BEM CONCEDIDO, SEM A TRANSFERÊNCIA DE SUA PROPRIEDADE. LEGITIMAÇÃO DE POSSE: É MODO EXCEPCIONAL DE TRANSFERÊNCIA DE DOMIÍNIO DE TERRA DEVOLUTA OU ÁREA PÚBLICA SEM UTILIZAÇÃO, OCUPADA POR LONGO TEMPO POR PARTICULAR QUE NELEA SE INSTALA, CULTIVANDO-A E OU LEVANTANDO EDIFICAÇÃO PARA SEU USO. EXPEDIDO O TÍTULO DE LEGITIMAÇÃO DE POSSE QUE NA VERDADE, É TÍTULO DE TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO SEU DESTINATÁRIO, OU SUCESSOR, DEVERÁ LEVÁ-LO A REGISTRO. NÃO HÁ USUCAPIÃO DE BEM PÚBLICO COMO DIREITO DO POSSEIRO MAS, SIM, RECONHECIMENTO DO PODER PÚBLICO DA CONVENIÊNCIA DE LEGITIMAR DETERMINADAS OCUPAÇÕES, CONVERTENDO-AS EM PROPRIEDADE EM FAVOR DOS OCUPANTES QUE ATENDAM ÀS CONDIÇÕES ESTABELECIDAS NA LEGISLAÇÃO DA ENTIDADE LEGITIMANTE. ESSA PROVIDÊNCIA HARMONIZA-SE COM O PRECEITO CONSTITUCIONAL DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE (ART. 170, III) E RESOLVE AS TÃIO FREQÜENTES TENSÕES RESULTANTES DA INDEFINIÇÃO DA OCUPAÇÃO, POR PARTICULARES, DE TERRAS DEVOLUTAS E DE ÁREAS PÚBLICAS NÃO UTILIZADAS PELA ADMINISTRAÇÃO. TERRAS PÚBLICAS O CÓDIGO CIVIL DECLARA QUE: SÃO PÚBLICOS OS BENS DO DOMÍNIO NACIONAL, PERTENCENTES À UNIÃO, AOS ESTADOS OU AOS MUNICÍPIOS. TODOS OS OUTROS SÃO PARTICULARES, SEJA QUAL FOR A PESSOA A QUE PERTENÇAM. AS TERRAS PÚBLICAS COMPÕEM-SE DE TERRAS DEVOLUTAS, PLATAFORMA CONTINENTAL, TERRAS OCUPADAS PELOS SILVÍCOLAS, TERRENOS DE MARINHA, TERRENOS ACRESCIDOS, ILHAS DOS RIOS PÚBLICOS E OCEÂNICAS, ÁLVEOS ABANDONADOS, ALÉM DAS VIAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS E ÁREAS OCUPADAS COM AS FORTIFICAÇÕES E EDIFÍCIOS PÚBLICOS, COMO VEREMOS ADIANTE.

7 TERRAS DEVOLUTAS - SÃO TODAS AQUELAS QUE, PERTENCENTES AO DOMÍNIO PÚBLICO DE QUALQUER DAS ENTIDADES ESTATAIS, NÃO SE ACHAM UTILIZADAS PELO PODER PÚBLICO, NEM DESTINADAS A FINS ADMINISTRATIVOS ESPECÍFICOS. SÃO BENS PÚBLICOS PATRIMONIAIS AINDA NÃO UTILIZADOS PELOS RESPECTIVOS PROPRIETÁRIOS. PLATAFORMA CONTINENTAL - A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CONSIDERA COMO BENS DA UNIÃO OS RECURSOS NATURAIS DA PLATAFORMA CONTINENTAL. A PLATAFORMA CONTINENTAL COMPREENDE O LEITO E O SUBSOLO DAS ÁREAS SUBMARINAS QUE SE ESTENDEM ALÉM DE SEU MAR TERRITORIAL, EM TODA A EXTENSÃO DO PROLONGAMENTO NATURAL DE SEU TERRITÓRIO TERRESTRE, ATÉ O BORDO EXTERIOR DA MARGEM CONTINENTAL, OU ATÉ UMA DISTÂNCIA DE DUZENTAS MILHAS MARÍTIMAS DAS LINHAS DE BASE. TERRAS TRADICIONALMENTE OCUPADAS PELOS ÍNDIOS - AS TERRAS OCUPADAS PELOS ÍNDIOS, A QUE SE REFERE A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA (ARTS. 20, XI, E 231), SÃO AS PORÇÕES DO TERRITÓRIO NACIONAL NECESSÁRIAS À SOBREVIVÊNCIA FÍSICA E CULTURAL DAS POPULAÇÕES INDÍGENAS QUE AS HABITAM (CF. ART. 231, 1º). REALMENTE, ESTE DISPOSITIVO ASSEGURA AOS ÍNDIOS A POSSE PERMANENTE DAS TERRAS POR ELES HABITADAS E O USUFRUTO EXCLUSIVO DAS RIQUEZAS NATURAIS E DE TODAS AS UTILIDADES NELAS EXISTENTES (ART. 231, 2º). CONSTITUINDO BENS PÚBLICOS DA UNIÃO COM DESTINAÇÃO ESPECÍFICA, AS TERRAS OCUPADAS PELOS ÍNDIOS SÃO INALIENÁVEIS E INDISPONÍVEIS, E OS DIREITOS SOBRE ELAS, IMPRESCRITÍVEIS (ART. 231, 4º), SENDO DEMARCÁVEIS ADMINISTRATIVAMENTE, NOS TERMOS DO DEC. 1775, DE TERRENOS DE MARINHA - SÃO TODOS OS QUE, BANHADOS PELAS ÁGUAS DO MAR OU DOS RIOS NAVEGÁVEIS, EM SUA FOZ, VÃO ATÉ A DISTÂNCIA DE 33 METROS PARA A PARTE DAS TERRAS, CONTADOS DESDE O PONTO EM QUE CHEGA O PREAMAR MÉDIO. A UTILIZAÇÃO DOS TYERRNOS DE MARINHA, INCLUSIVE PARA EDIFICAÇÕES DEPENDE DE AUTORIZAÇÃO FEDERAL, MAS, TRATANDO-SE DE ÁREAS URBANAS OU URBANIZÁVEIS, AS CONSTRUÇÕES E ATIVIDADES CIVIS NELAS REALIZADAS FICAM SUJEITAS A REGULAMENTAÇÃO E A TRIBUTAÇÃO MUNICIPAIS, COMO AS DEMAIS REALIZAÇÕES PARTICULARES. A RESERVA DOMINIAL DA UNIÃO VISA, UNICAMENTE, A FINS DE DEFESA NACIONAL, SEM RESTRINGIR A COMPETÊNCIA ESTADUAL E MUNICIPAL NO ORDENAMENTO TERRITORIAL E URBANÍSTICO DOS TERRENOS DE MARINHA, QUANDO UTILIZADOS POR PARTICULARES PARA FINS CIVIS. TERRENOS ACRESCIDOS - SÃO TODOS AQUELES QUE SE FORMAM COM A TERRA CARREADA PELA CAUDAL. TAIS TERRENOS PERTENCEM AOS PROPRIETÁRIOS DAS TERRAS MARGINAIS A QUE ADERIREM, NA FORMA QUE O CÓDIGO CIVIL ESTABELECE. TERRENOS RESERVADOS - SÃO AS FAIXAS DE TERRAS PARTICULARES, MARGINAIS DOS RIOS, LAGOS E CANAIS PÚBLICOS, NA LARGURA DE QUINZE METROS. ESSA SERVIDÃO COMO TODA SERVIDÃO, É ÔNUS REAL SOBRE A PROPRIEDADE ALHEIA. TRATANDO-SE, COMO SE TRATA, DE UMA SERVIDÃO PÚBLICA OU ADMINISTRATIVA, DESTINA-SE UNICAMENTE A POSSIBILITAR A

8 REALIZAÇÃO DE OBRAS OU SERVIÇOS PÚBLICOS PELA ADMINISTRAÇÃO, NO INTERESSE DA MELHOR UTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS, DO APROVEITAMENTO DAS SUAS RIQUEZAS E DO SEU POLICIAMENTO. ILHAS AS ILHAS DOS RIOS E LAGOS PÚBLICOS INTERIORES PERTENCEM AOS ESTADOS-MEMBROS E AS DOS RIOS E LAGOS LIMÍTROFES COM ESTADOS ESTRANGEIROS SÃO DO DOMÍNIO DA UNIÃO. É O QUE SE INFERE DO DISPOSTO NO ART. 20, IV, DA CF, QUE, EMBORA NÃO SE REFIRA ÀS ÁGUAS PÚBLICAS INTERNAS, DECLARA EXPRESSAMENTE QUE SE INCLUEM ENTRE OS BENS DA UNIÃO AS ILHAS FLUVIAIS E LACUSTRES NAS ZONAS LIMÍTROFES COM OUTROS PAÍSES. ESSA RESERVA DAS ILHAS DAS ZONAS LIMÍTROFES PARA A UNIÃO IMPORTA RECONHECIMENTO DE QUE AS DEMAIS, DAS ÁGUAS PÚBLICAS INTERIORES, PERMANECEM NO DOMÍNIO DOS ESTADOS-MEMBROS, À SEMELHANÇA DAS TERRAS DEVOLUTAS QUE LHES FORAM TRANSFERIDAS PELO ART. 64 DA CF DE ÁLVEOS ABANDONADOS - O ÁLVEO ABANDONADO PELAS ÁGUAS PÚBLICAS PASSA A PERTENCER AOS PROPRIETÁRIOS RIBEIRINHOS DAS RESPECTIVAS MARGENS, SEM QUE TENHAM DIREITO A INDENIZAÇÃO ALGUMA OS DONOS DOS TERRENOS POR ONDE A CORRENTE ABRIR NOVO CURSO (CÓDIGO DE ÁGUAS, ART. 26), MAS, SE A MUDANÇA DO PRIMITIVO LEITO OCORRER POR OBRA DO PODER PÚBLICO, O ANTIGO ÁLVEO PASSA A PERTENCER-LHE (CÓDIGO DE ÁGUAS, ART. 27, QUE SUBSTITUIU E REVOGOU O ART. 544 DO CC). FAIXA DE FRONTEIRA - A FAIXA DE FRONTEIRA, DESTINADA À DEFESA NACIONAL PELA LEI 6.634, DE (REGULAMENTADA PELO DEC , DE ), É DE CENTO E CINQUNETA QUILÔMETROS DE LARGURA, PARALELA À LINHA DIVISÓRIA DO TERRITÓRIO BRASILEIRO (CF, ART. 20, 2º). NESSA FAIXA AS ALIENAÇÕES E AS CONSTRUÇÕES FICAM SUJEITAS ÀS LIMITAÇÕES IMPOSTAS PELOS REGULAMENTOS MILITARES E LEIS DE DEFESA DO ESTADO, NOTADAMENTE O DEC.-LEI 3.437, DE , QUE DISPÕE SOBRE ZONAS FORTIFICADAS E ATIVIDADES VEDADAS NESSAS REGIÕES E NOS ARREDORES DE FORTALEZAS. VIAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS - AS TERRAS OCUPADAS COM AS VIAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS PERTENCEM ÀS ADMINISTRAÇÕES QUE OS CONSTRUÍRAM. TAIS ÁREAS PODEM CONSTITUIR BENS DE USO COMUM DO POVO OU BENS DE USO ESPECIAL. PRESENTEMENTE, AS RUAS E AS ESTRADAS ADMITEM DISCRIMINAÇÃO DE USO, CONTRARIANDO A REGRA EXPRESSA NO INC. I DO ART. 66 DO CC, QUE, AO SEU TEMPO, DESCONHECIA AS LIMITAÇÕES DE TRÂNSITO E TRÁFEGO MODERNAMENTE ESTABELECIDAS PARA AS VIAS DE CIRCULAÇÃO. ESTRADAS HÁ QUE, EMBORA DE DOMÍNIO PÚBLICO, SÃO RESERVADAS A DETERMINADAS UTILIZAÇÕES OU A CERTOS TIPOS DE VEÍCULOS, TENDO EM VISTA SUA DESTINAÇÃO OU SEU REVESTIMENTO; NOUTRAS O USO É PAGO, MEDIANTE TARIFA DE PEDÁGIO OU RODÁGIO; NOUTRAS O TRÂNSITO É CONDICIONADO A HORÁRIO OU A TONELAGEM MÁXIMA, O QUE AS TORNA VERDADEIROS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS, DE USO ESPECIAL, SEM A GENERALIDADE DAS UTILIZAÇÕES DO PASSADO, QUE AS CARACTERIZAM COMO BENS DE USO COMUM DE TODOS RES COMMUNES OMNIUM. AS MESMAS OBSERVAÇÕES VALEM PARA AS ÁREAS DE TERRENOS OCUPADAS PELAS ESTRADAS DE FERRO.

9 AS ESTRADAS DE RODAGEM COMPREENDEM, ALÉM DA FAIXA DE TERRA OCUPADA COM O REVESTIMENTO DA PISTA, OS ACOSTAMENTOS E AS FAIXAS DE ARBORIZAÇÃO, ÁREAS, ESSAS, PERTENCENTES AO DOMÍNIO PÚBLICO DA ENTIDADE QUE AS CONSTRÓI, COMO ELEMENTOS INTEGRANTES DA VIA PÚBLICA. A LEGISLAÇÃO RODOVIÁRIA GERALMENTE IMPÕE UMA LIMITAÇÃO ADMINISTRATIVA AOS TERRENOS MARGINAIS DAS ESTRADAS DE RODAGEM, CONSISTENTE NA PROIBIÇÃO DE CONSTRUÇÕES A MENOS DE QUINZE METROS DA RODOVIA, CONTANDO O RECUO DA DIVISA DO DOMÍNIO PÚBLICO COM O PARTICULAR.

UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO

UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Particular pode utilizar, com exclusividade, loja pertencente à prefeitura municipal localizada no terminal rodoviário? Há necessidade

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

Regulação municipal para o uso de espaços públicos por particulares e pelo próprio Poder Público. Mariana Moreira

Regulação municipal para o uso de espaços públicos por particulares e pelo próprio Poder Público. Mariana Moreira Regulação municipal para o uso de espaços públicos por particulares e pelo próprio Poder Público Mariana Moreira Funções dos bens públicos: EM PRINCÍPIO, OS BENS PÚBLICOS DEVEM SERVIR DE SUPORTE ÀS FUNÇÕES

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO

PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO Contador José Carlos Garcia de Mello MELLO 1 Controle Patrimonial MELLO 2 PATRIMÔNIO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Conceito Patrimônio Público, segundo Heilio Kohama, "compreende o conjunto

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Domínio público bens públicos Wanildo José Nobre Franco* SUMÁRIO: 1 Da história 2 Do domínio público 3 Dos bens públicos 4 Da classificação 4.1 Bens de uso comum ou bens do domínio

Leia mais

Diretoria de Patrimônio - DPA

Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Finalidade Coordenar, supervisionar, controlar e executar as atividades relativas a administração patrimonial do Estado. (Decreto Estadual nº

Leia mais

Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União

Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União Seminário Nacional de Gerenciamento Costeiro Brasília, 4 de novembro de 2014 Reinaldo Redorat A área pública não é do Estado e sim, de todos!

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Administrativo Prof. Flávia Cristina Data: 07/10/2009 Aula nº. 04 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE 1. Modalidades a) Requisição b) Servidão c) Ocupação Temporária

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade.

DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade. LEI N. 120/1952 DISPÕE SOBRE AS CLASSES DOS BENS, COMPRA E VENDA E LEGITIMAÇÃO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO.- CEZAR DOS SANTOS ORTIZ Prefeito Municipal de Soledade. Faço saber que a Câmara Municipal de Soledade,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 12672

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 12672 PARECER Nº 12672 Faixas de domínio marginais às estradas de rodagem cuja exploração é objeto de contrato de concessão. Uso por particulares, sem exclusividade. Autorização. Competência. Licitação. Expondo

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO 3ᴼ Ano Turmas A e B Prof. Ms: Vânia Cristina Teixeira CORREÇÃO PROVA 3ᴼ BIM Examine as proposições abaixo, concernentes à desapropriação, e assinale a alternativa correta: I. Sujeito

Leia mais

CURSO: BENS PÚBLICOS

CURSO: BENS PÚBLICOS CURSO: BENS PÚBLICOS Ementa: Conceito. Domínio Público. Classificação. Afetação e Desafetação. Regime Jurídico: Alienabilidade Condicionada, Impenhorabilidade, Imprescritibilidade e Não Onerabilidade.

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS. Kleide Maria Tenffen Fiamoncini Assessora Jurídica da Amavi

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS. Kleide Maria Tenffen Fiamoncini Assessora Jurídica da Amavi PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS Kleide Maria Tenffen Fiamoncini Assessora Jurídica da Amavi De serviço público: Lei 8.987/95 De uso de bem público: Leis municipais Conceito de serviço

Leia mais

COMENTÁRIOS À LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS LEI nº 8.666/1993

COMENTÁRIOS À LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS LEI nº 8.666/1993 COMENTÁRIOS À LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS LEI nº 8.666/1993 www.editoraferreira.com.br Na aula passada, conversamos sobre a mais nova das modalidades de Licitação: o Pregão. No encontro de hoje, começaremos

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 Altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências, para alargar a faixa não

Leia mais

Contabilidade Plano de Contas do Sistema Compensação Página : 001 Governo Municipal de Aquiraz

Contabilidade Plano de Contas do Sistema Compensação Página : 001 Governo Municipal de Aquiraz Plano de Contas do Sistema Compensação Página : 001 4 SISTEMA COMPENSADO 41 ATIVO COMPENSADO 419 ATIVO COMPENSADO 419.90 COMPENSAÇÕES ATIVAS DIVERSAS Funcionamento.: REPRESENTA O SOMATÓRIO DO VALOR DOS

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE CÂMARA MUNICIPAL DE ARACAJU LEI COMPLEMENTAR Nº 27 DE 08 DE AGOSTO DE 1996 A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE ARACAJU:

ESTADO DE SERGIPE CÂMARA MUNICIPAL DE ARACAJU LEI COMPLEMENTAR Nº 27 DE 08 DE AGOSTO DE 1996 A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE ARACAJU: Estabelece critérios sobre a composição, defesa, utilização e alienação dos bens públicos municipais.(promulgada pelo Poder Legislativo) A MESA DIRETORA DA : Faço saber que a Câmara de Vereadores aprovou

Leia mais

Meio Ambiente & Sociedade

Meio Ambiente & Sociedade Meio Ambiente & Sociedade Módulo II Ambiente: natural, cultural, artificial e do trabalho; ambiente rural e urbano; Ambiente: natural, cultural, artificial e do trabalho; Conceituar o meio ambiente, ou

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

INFORMAÇÃO AJUR Nº 006/2014 CONSULENTE: Prefeito Municipal de Caseiros

INFORMAÇÃO AJUR Nº 006/2014 CONSULENTE: Prefeito Municipal de Caseiros INFORMAÇÃO AJUR Nº 006/2014 CONSULENTE: Prefeito Municipal de Caseiros BEM PÚBLICO. IMÓVEL. TRANSFERÊNCIA À RÁDIO COMUNITÁRIA. Considerações. O prefeito municipal de Caseiros solicita a Área Jurídica da

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS DO SISTEMA RODOVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL 1. OBJETIVO Estabelecer complementação visando instruir

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

Prof. Gustavo Eidt. www.facebook.com/gustavoeidt gustavoeidt@yahoo.com.br

Prof. Gustavo Eidt. www.facebook.com/gustavoeidt gustavoeidt@yahoo.com.br Prof. Gustavo Eidt www.facebook.com/gustavoeidt gustavoeidt@yahoo.com.br DOS BENS Conceito: bens são as coisas materiais ou imateriais, úteis aos homens e de expressão econômica, suscetíveis de apropriação.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba) Altera a Lei n o 6.015, de 31 de dezembro de 1973, a fim de prever o registro de legitimação de posse e de ocupação urbanas no Registro de Títulos e

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis.

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 23 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (IV) Direitos Reais

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a autorização de uso de espaços físicos de corpos d água de domínio da União para fins de aquicultura, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Os recursos minerais da República de Moçambique, quando racionalmente avaliados e utilizados, constituem um factor

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

Mantém, com modificações, o Decreto n.º 24.643, de 10 de julho de 1934 e dá outras providências.

Mantém, com modificações, o Decreto n.º 24.643, de 10 de julho de 1934 e dá outras providências. DECRETO-LEI Nº 852, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1938. Mantém, com modificações, o Decreto n.º 24.643, de 10 de julho de 1934 e dá outras providências. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO.

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. 1 AS SANÇÕES APLICÁVEIS NO CASO DE SOLO NÃO EDIFICADO, SUBUTILIZADO, OU NÃO UTILIZADO. Gina Copola (outubro de 2.012) I Tema atual

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO SUMÁRIO ABREVIATURAS CAT Certidão Autorizativa de Transferência CC - Código Civil CF - Constituição Federal CGC Corregedoria Geral de Justiça CPC Código de Processo Civil CSM Conselho Superior de Magistratura

Leia mais

ANEXO 10-A MINUTA DE TERMO DE DAÇÃO EM PAGAMENTO DO IMÓVEL

ANEXO 10-A MINUTA DE TERMO DE DAÇÃO EM PAGAMENTO DO IMÓVEL ANEXO 10-A MINUTA DE TERMO DE DAÇÃO EM PAGAMENTO DO IMÓVEL Pelo presente instrumento, o ESTADO DO CEARÁ, representado pela SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA DO ESTADO DO CEARÁ SEINFRA, pessoa jurídica de Direito

Leia mais

LEI Nº 9.636, DE 15 DE MAIO DE 1998

LEI Nº 9.636, DE 15 DE MAIO DE 1998 LEI Nº 9.636, DE 15 DE MAIO DE 1998 Dispõe sobre a regularização, administração, aforamento e alienação de bens imóveis de domínio da União, altera dispositivos dos Decretos-Leis nºs 9.760, de 5 de setembro

Leia mais

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário.

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1)Poderes Administrativos: Poder hierárquico continuação:

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atualizado em 22/10/2015 CONTRATOS ADMINISTRATIVOS São contratos celebrados pela Administração Pública sob regime de direito público com particulares ou

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 2.658, DE 2003

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 2.658, DE 2003 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 2.658, DE 2003 Dispõe sobre a concessão de uso especial para fins de moradia prevista pelo 1º do art. 183 da Constituição Federal e dá outras providências.

Leia mais

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02 ANUÊNCIA PARA DOAÇÃO OU VENDA DE IMÓVEL ENTRE ASCENDENTE E DESCENDENTES Modelo 01 a quem confere poderes para o fim especial de, como interveniente na escritura de (doação, venda ) que seu(sua)(s) ( pai,

Leia mais

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies.

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. Navio: deriva do latim navigium; o navio é juridicamente uma coisa; no estaleiro, já possui existência real; reconhecido

Leia mais

Privadas O Projeto de Lei em tramitação

Privadas O Projeto de Lei em tramitação BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Parcerias Público-Privadas Privadas O Projeto de Lei em tramitação MAURÍCIO PORTUGAL RIBEIRO CONSULTOR JURÍDICO DA UNIDADE DE PPP DO MINISTÉRIO

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram:

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: I - de um lado, na qualidade de Promitente VENDEDORA, a FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL DO BANCO ECONÔMICO S/A-ECOS,

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015

LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015 LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulariza áreas públicas municipais ocupadas para fins de moradia e estabelece diretrizes para concessão de outorga para uso especial e dá outras providências.

Leia mais

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013 REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13 Outubro de 2013 ESTRUTURA DA MINUTA DO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PDE TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS QUE

Leia mais

LEI Nº 8.906, DE 21 DE DEZEMBRO DE 1992.

LEI Nº 8.906, DE 21 DE DEZEMBRO DE 1992. REVOGADA PELA LEI N 9.412/1994 LEI Nº 8.906, DE 21 DE DEZEMBRO DE 1992. Dispõe sobre as terras de domínio do Estado, sua atuação no processo de reforma agrária e dá outras providências O GOVERNADOR DO

Leia mais

SERVIDÃO ADMINISTRATIVA

SERVIDÃO ADMINISTRATIVA Direito Administrativo Aula 06 Professora Giovana Garcia SERVIDÃO ADMINISTRATIVA Definição: é direito real público que autoriza à Administração usar da propriedade imóvel, particular ou pública, limita

Leia mais

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes.

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 13 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: 3- Classificação; 4 - Princípios. 3. Classificação: 3.1

Leia mais

1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística.

1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística. REGISTRO DE IMÓVEIS DE LAJEADO - RS Fluxograma constitucional-urbanístico-condominial e anotações Luiz Egon Richter 12 1 1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística. A Constituição

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998 PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998 Dispõe sobre as terras de domínio do Estado de Roraima e sua atuação no processo de Reforma Agrária, Regularização Fundiária

Leia mais

Rio Navegável e não navegável Carlos A. Arantes

Rio Navegável e não navegável Carlos A. Arantes Rio Navegável e não navegável Carlos A. Arantes Muitas dúvidas existem em trabalhos de Georreferenciamento principalmente no tocante ao entendimento dos divisores de um imóvel rural, em especial quando

Leia mais

Gestão de Contratos. Noções

Gestão de Contratos. Noções Gestão de Contratos Noções Contrato - Conceito Contrato é todo acordo de vontades, celebrado para criar, modificar ou extinguir direitos e obrigações de índole patrimonial entre as partes (Direito Civil).

Leia mais

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 Regulamenta a Lei nº 11.483, de 31 de maio de 2007, no que se refere à avaliação da vocação logística

Leia mais

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE:

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: 1. FULANO DE TAL, nacionalidade, naturalidade, estado civil (se casado indicar o regime de bens), categoria

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO. QUESTÕES SOBRE SERVIÇOS PÚBLICOS Profa. Iana Almeida I - ESTILO FCC

DIREITO ADMINISTRATIVO. QUESTÕES SOBRE SERVIÇOS PÚBLICOS Profa. Iana Almeida I - ESTILO FCC QUESTÕES SOBRE SERVIÇOS PÚBLICOS Profa. Iana Almeida I - ESTILO FCC 1 - Q444474 (Prova: FCC - 2014 - TRT - 13ª Região (PB) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação / Direito Classificação;) O conceito

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

Paula Freire Faculdade Estácio de Sá Ourinhos 2012

Paula Freire Faculdade Estácio de Sá Ourinhos 2012 Paula Freire Faculdade Estácio de Sá Ourinhos 2012 Intervenção do Estado na propriedade Limitação relativa da propriedade (continuação): Ocupação temporária Limitação administrativa Tombamento Ocupação

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e,

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e, Publicação: 22/09/99 PORTARIA Nº 1145/1999 Dispõe sobre aquisição, controles e formas de desfazimento de bens móveis permanentes no âmbito da Secretaria do Tribunal de Justiça e Comarcas do Estado de Minas

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ LEI Nº 2829, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. "DISPÕE SOBRE CONCESSÃO DE USO ESPECIAL PARA FIM DE MORADIA, DE QUE TRATA A ME- DIDA PROVISÓRIA Nº 2.220/2001, E DÁ OU- TRAS PROVIDÊNCIAS."

Leia mais

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e RESOLUÇÃO N.o 83, de 10 de junho de 2009. Dispõe sobre a aquisição, locação e uso de veículos no âmbito do Poder Judiciário brasileiro e dá outras providências. o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA,

Leia mais

DIREITO REAL DE USO DE INSTALAÇÕES AEROPORTUÁRIAS

DIREITO REAL DE USO DE INSTALAÇÕES AEROPORTUÁRIAS DIREITO REAL DE USO DE INSTALAÇÕES AEROPORTUÁRIAS Instrumentos jurídicos de utilização dos bens públicos instalações aeroportuárias Concessão de Uso - Pessoal Concessão de Direito Real de Uso Concessão

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II Incorporação de Redes Particulares de Distribuição de Energia Elétrica Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Planejar o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.001

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: Decreto Nº 30.374, de 12 de setembro de 1989 12/09/1989. Aprova o regulamento de autorização de acesso pelas rodovias estaduais aos terrenos lindeiros às suas faixas de domínio, onde se instalem estabelecimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCL Sistema de Compras e Licitações Versão: 1.0 Aprovada em: 17/12/2010 Unidade Responsável: Departamento de Compras e Licitações

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC).

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC). Noção Contrato pelo qual uma Pessoa Jurídica, por espírito de liberalidade e à custa do seu património, dispõe gratuitamente de uma coisa ou de um direito, ou assume uma obrigação, em benefício do outro

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto aos procedimentos administrativos

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002/2010 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Diretor Presidente

Leia mais

DOS BENS. BENS CORPÓREOS = Aquele que tem existência: física, material.

DOS BENS. BENS CORPÓREOS = Aquele que tem existência: física, material. DOS BENS CONCEITO: Bens são coisas materiais ou concretos, úteis aos homens e de expressão econômica, suscetível de apropriação. COISA É O GÊNERO DO QUAL O BEM É ESPÉCIE. A classificação dos bens é feita

Leia mais

MANUAL DE GARANTIAS 1

MANUAL DE GARANTIAS 1 MANUAL DE GARANTIAS 1 Para a obtenção do financiamento junto à FINEP deverão ser apresentadas Garantias Reais e Pessoais cumulativamente, exceto em caso de garantia por fiança bancária e demais casos de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO Nepomuceno, 18 de agosto de 2014. MENSAGEM Nº 032/2014 Exmo. Sr. Francisco Ricardo Gattini DD. Presidente da Câmara Municipal de NEPOMUCENO MG Senhor Presidente, Com meus cordiais e respeitosos cumprimentos,

Leia mais

Torna obrigatória a contratação do serviço de Inspeção de Segurança Veicular mediante processo de licitação pública.

Torna obrigatória a contratação do serviço de Inspeção de Segurança Veicular mediante processo de licitação pública. PROJETO DE LEI N 3005 DE 2008 Business Online Comunicação de Dados Torna obrigatória a contratação do serviço de Inspeção de Segurança Veicular mediante processo de licitação pública. Autor: Regis de Oliveira

Leia mais