UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROGRAMA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE TRABALHO E RESSOCIALIZAÇÃO DO HOMEM ENCARCERADO NO PRESÍDIO DE NOSSA SENHORA DA GLÓRIA-SE Autora: Tereza Caroline de Ávila Carvalho Orientadora: Dra. Maria Augusta Mundim Vargas Colaborador: Dr. Marco Antonio Jorge JUNHO São Cristóvão Sergipe Brasil

2 ii UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROGRAMA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE TRABALHO E RESSOCIALIZAÇÃO DO HOMEM ENCARCERADO NO PRESÍDIO DE NOSSA SENHORA DA GLÓRIA-SE Dissertação de Mestrado apresentada ao Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal de Sergipe, como parte dos requisitos exigidos para a obtenção do título de Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente. Autora: Tereza Caroline de Ávila Carvalho Orientadora: Dra. Maria Augusta Mundim Vargas Colaborador: Dr. Marco Antonio Jorge JUNHO São Cristóvão Sergipe Brasil

3 iii FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CARVALHO, Tereza Caroline de Ávila Carvalho. Trabalho e ressocialização do homem encarcerado no Presídio de Nossa Senhora da Glória-se.

4 iv UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROGRAMA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE TRABALHO E RESSOCIALIZAÇÃO DO HOMEM ENCARCERADO NO PRESÍDIO DE NOSSA SENHORA DA GLÓRIA-SE Dissertação de Mestrado defendida por Tereza Caroline de Ávila Carvalho e aprovada em 02 de junho de 2005 pela banca examinadora constituída pelos doutores: Dra. Maria Augusta Mundim Vargas Orientadora Universidade Federal de Sergipe Dr. Marco Antonio Jorge Universidade Tiradentes Dr. Francisco Sandro Rodrigues Holanda Universidade Federal de Sergipe

5 v Este exemplar corresponde à versão final da Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente. Dra. Maria Augusta Mundim Vargas Orientadora Universidade Federal de Sergipe Dr. Marco Antonio Jorge Colaborador Universidade Tiradentes

6 vi É concedida ao Núcleo responsável pelo Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal de Sergipe permissão para disponibilizar, reproduzir cópias desta dissertação e emprestar ou vender tais cópias. Tereza Caroline de Ávila Carvalho Autora Universidade Federal de Sergipe Dra. Maria Augusta Mundim Vargas Orientadora Universidade Federal de Sergipe Dr. Marco Antonio Jorge Colaborador Universidade Tiradentes

7 vii Àqueles que acreditam que o ser humano pode ser agente modificador de sua própria realidade.

8 viii AGRADECIMENTOS Aos meus pais, que compreenderem minha ausência, com grande paciência, sem me exigirem atenção durante esse longo período de construção da dissertação. À minha tia-mãe Nair, pelo apoio, carinho e atenção. À minha tia-mãe Ilda (in memorian), pelo amor e delicadeza que me tinha, pelo incentivo, por suas palavras sempre sábias. Obrigada! Às minhas irmãs Gisa e Andréa, e a minha prima-irmã Alzira pelo apoio e incentivo. Ao meu sobrinho Andrey, minha fonte de energia, que sem perceber tanto me ajudou com sua alegria contagiante. A José Alejandro, meu companheiro, que mesmo muitas vezes distante geograficamente, sempre esteve presente, dando-me idéias e compartilhando o prazer de poder idealizar um futuro muito mais digno para aqueles que são tão estigmatizados pela sociedade. Obrigada pelo carinho, paciência e amor que tanto me ajudaram nesta caminhada. Aproveito para agradecer a seus pais Maria Antonieta e José Andrés Mella, pelo apoio e por me acolherem em sua casa, com muito amor e atenção durante os seis meses de pesquisa sobre o sistema prisional chileno. À minha grande amiga e irmã de alma, Edjânia Santana, pela forte presença em minha vida, com suas elucidações de grande sabedoria, que foram imprescindíveis para a construção e conclusão deste estudo. Agradeço também à sua família que me acolheu com muito carinho durante o período em que estive em Ribeirópolis para finalizar a dissertação. À minha amiga Sudanês Barbosa que muito me incentivou. À minha querida orientadora Dra. Maria Augusta Mundim Vargas, por aceitar o desafio em orientar um estudo numa área distinta à sua formação, e que acreditou na grande contribuição acadêmica deste trabalho. Obrigada pela paciência, pelo compromisso e estímulo. Agradeço também ao meu amigo e colaborador Dr. Marco Antonio Jorge, que com sua delicadeza, atenção, paixão pelo tema, e com toda clareza de informações, esteve sempre ao meu lado, como economista, estudioso da criminalidade em Aracaju e que também aceitou o desafio de compartilhar este estudo de cunho ambiental. Ao professor Dr. Francisco Sandro Rodrigues Holanda, por participar da banca examinadora, e que muito me ajudou na definição dos indicadores aqui utilizados.

9 ix Ao amigo Sérgio Carvalho, mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente, turma 2002, que foi meu fiel companheiro de tantas informações e de tantas noites de estudos, que me direcionou ao saber científico. Ao Dr. Ângelo Roncalli, ex-diretor do DEPEN e grande amigo, que compartilhou sua experiência de anos de estudo sobre o sistema penitenciário brasileiro. Suas idéias me serviram de ânimo, uma vez que idealizamos um sistema penitenciário muito mais justo. Ao Secretário de Estado da Justiça e da Cidadania, Dr. Emanuel Oliveira Cacho, que contribuiu na fomentação de questionamentos, e que me liberou durante seis meses para fazer uma ampla pesquisa na Gendarmería do Chile, que me serviu de modelo para este trabalho. Ao Dr. Ricardo Franco de Carvalho, Ex-Chefe da ASPLAN da Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania, pelo incentivo e pela paciência com relação a minha ausência. Ao Diretor do Presídio de Nossa Senhora da Glória, Coronel Duvaltécio Bomfim, por acreditar no meu comprometimento com o tema, e demonstrou grande interesse em tornar realidade o estudo em questão. Compartimos do mesmo sonho, que é tornar o Presídio de Glória modelo para o sistema penitenciário sergipano. Ao amigo e atual Chefe da ASPLAN, Edmilson Suassuna, pela eterna paciência e apoio. À minha amiga Cleciana, que tanto me ajudou na tabulação dos dados. Obrigada! A Alexandre e Heriberto pela paciência e pela ajuda nos cruzamentos dos dados. A Bruno Setton, companheiro de trabalho e grande amigo, que me ajudou na pesquisa documental frente à Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania, bem como na formatação das planilhas. À minha amiga e ex-aluna, Maísa e seu marido Humberto por me acolherem em sua casa em Nossa Senhora da Glória durante a pesquisa de campo. Aos homens encarcerados, pela confiança em mim depositada. Obrigada! Aos professores do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente: Edmilson, Antônio Carlos, Maria Augusta, Rivanda, Roberto e Francisco Sandro, que contribuíram muito com seus saberes tão distintos e complementares. Aos colegas da turma de 2003, pelas discussões em sala de aula, que me ajudaram na formação da interdisciplinaridade neste trabalho científico. Em especial a Mirian, Eurico e Ana Paula pelo incentivo, principalmente em momentos difíceis.

10 x Ao Diretor Nacional da Gendarmería de Chile, Juan Carlo Pérez Contreras que me autorizou realizar uma ampla pesquisa junto ao referido Órgão. Ao Dr. Cláudio Cerda Videla, Chefe de Gabinete do Diretor Nacional da Gendarmería de Chile pela paciência, pela disponibilidade de me ajudar sempre. Que nunca fez objeção para me receber, passando informações muitas vezes sigilosas, mas que acreditou que apenas as usaria academicamente. Ao Dr. Eduardo Evans Espiñeira, assessor do Diretor Nacional da Gendarmería de Chile, que se tornou um grande amigo, sempre presente nas reuniões com os diretores nacionais ligados ao Departamento de Readaptação. A alguns Encarregados Nacionais da Gendarmería de Chile: Dr. Julio Abelleira Figueroa (Assessor do Diretor Nacional), Sr. Rodolfo Aguayo (Chefe do Departamento de Informática), Sr. Luís Neira (Assessor do Chefe do Departamento de Informática), Dra. Silvia Granifo Lagos (Encarregada Nacional do Programa de Saúde Ambiental nas Unidades de Atenção Médica). Em especial meus agradecimentos a Dra. Mariela Neira (Chefe Nacional do Departamento de Readaptação), Dr. Carlos Cabezas (Chefe Nacional de Classificação e Segmentação), Dr. Jorge Tapia Aravena (Chefe Nacional da Área de Trabalho Intramuros) e Dr. Luís Cortez (Chefe Nacional da Área de Educação), que tiveram prazer em estar horas respondendo minhas perguntas com muita paciência e atenção. Para não ser injusta, agradeço a todos que diretamente ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho, funcionários do Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, aos meus amigos e amigas, que muito me ajudaram com tamanho incentivo.

11 xi RESUMO As políticas públicas vigentes no país que estão direcionadas para o sistema prisional não mostram uma preocupação em dar ao homem encarcerado o tratamento adequado à sua ressocialização. O sistema prisional brasileiro tem passado por crises de toda ordem, comprometendo ainda mais a sustentabilidade dos presídios. O homem sempre foi visto como um ser irrecuperável sendo, por isso, relegado ao segundo plano, contribuindo, sobremaneira, para o aumento dos índices de violência e de reincidência criminal. Este estudo tem como objetivo, a partir de questionários aplicados a 99 encarcerados do Presídio Regional Senador Leite Neto, município de Nossa Senhora da Glória, e de entrevistas realizadas com os gestores e executores das políticas prisionais, avaliar se as condições oferecidas no referido presídio possibilitam uma satisfatória reintegração dos encarcerados na sociedade. Para tanto, foi realizada uma discussão teórica dos aspectos políticos e sociais, fazendo uma leitura do homem enquanto parte da natureza, tendo como foco principal o papel do trabalho no processo de ressocialização. O presente estudo permitiu, ainda, apresentar o programa de recuperação do homem encarcerado no Chile, mantendo uma relação com o sistema prisional sergipano. Como resultado foi possível identificar a necessidade da implementação de um programa de classificação e segmentação dos encarcerados no Presídio analisado, bem como do desenvolvimento de projetos voltados para a recuperação do homem pela via do trabalho, da educação e da profissionalização. No entanto, o sucesso da sustentabilidade do presídio não está apenas em preparar o homem para sua reinserção no convívio social, mas, também em preparar a sociedade para recebê-lo enquanto parte da mesma. Palavras-chaves: trabalho, homem encarcerado, ressocialização.

12 xii ABSTRACT Brazil s public policies which are directed to the prison system as it stands do not consider an adequate treatment focus on the reintegration of inmates to society. The Brazilian prison system has undergone crises of all kind, further compromising the penitentiaries sustenance. Man has always been treated as irrecoverable, left behind therefore, contributing, as it is, to the violence rate raise and criminal recurrence. This study aims at - based on a questionnaire answered by 99 convicts from the Presídio Regional Senador Leite Neto, Nossa Senhora da Glória city, and on interviews with both managers and prison policies executors evaluating whether the offered conditions in this detention centre would allow a satisfactory inmate reintegration to the society. In order to achieve the expected goals, a social and political theoretical discussion has been made, depicting man as part of nature, and focusing mainly on the part the job plays in reintegrating convicts to society. The present study also permitted to outline the recovering programme of the inmate in Chile, relating it to our own prison system. The outcome shed lights on the need of an implementation, in the analyzed penitentiary, of a convict s classification and segmentation programme, as well as the necessity of the development of projects directed to recover men through job, education and rise in their professional skills. Nevertheless, the prison sustenance success does not depend only on preparing the man to reintegrate the social living, but also on teaching society how to welcome him as its own part. Key Words: job, inmate, reintegration

13 xiii SUMÁRIO NOMENCLATURA Siglas LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS Página xvi xvi xvii xviii xix CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 01 CAPÍTULO 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA NATUREZA E SOCIEDADE Breve discussão acerca da evolução da relação homem e natureza Sustentabilidade - reforma do pensamento Do crescimento econômico ao desenvolvimento sustentável Reforma do pensamento Ordenamento jurídico codificação SISTEMA PRISIONAL/PENITENCIÁRIO Evolução dos sistemas penitenciários Sistema prisional brasileiro Regulamentação do sistema prisional brasileiro- LEP Políticas Criminais e Penitenciárias Sistema prisional chileno: o trabalho como fator de reinserção e de 46 sustentabilidade Dados gerais sobre o sistema prisional chileno Departamento de readaptação Modalidades de trabalho Trabalho com empresas privadas externas Centros de Educação e Trabalho - CET Unidades Produtivas do Patronato Nacional de 58 Réus PANAR Microempresas (pequenas e médias P&ME) Artesãos 60

14 xiv Serviços Internos TRABALHO E REINCIDÊNCIA Segmentação no mercado de trabalho Análise custo-benefício do infrator Trabalho na prisão Efeito estigma 75 CAPÍTULO 3 METODOLOGIA PROCEDIMENTOS DA PESQUISA Montagem dos questionários POPULAÇÃO E AMOSTRA INDICADORES TRATAMENTO DOS DADOS 91 CAPÍTULO 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES RESULTADOS GERAIS RE(INSERÇÃO) NO MERCADO E TRABALHO E 115 REINCIDÊNCIA 4.3 DISCUSSÃO DOS INDICADORES Educação, profissionalização e trabalho Infraestrutura Alimentação, Segmentação e Classificação Visitas familiares e íntimas Assistências (material, à saúde, jurídica, religiosa e social) Atividades de lazer Custos 130 CAPÍTULO 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 132 BIBLIOGRAFIA 138 ANEXO A - Questionário destinado ao homem encarcerado 145 ANEXO B - Questionário destinado ao Diretor e Ex-Diretor do DEPEN 152 ANEXO C - Questionário destinado ao Secretário de Estado da Justiça e da 155 Cidadania ANEXO D - Questionário destinado ao Diretor do DESIPE 158 ANEXO E - Questionário destinado à Diretora de Ressocialização 160

15 xv ANEXO F Questionário destinado ao Diretor do PRESLEN 163 ANEXO G - Questionário destinado ao Coordenador da Segurança Militar 166 das Unidades Prisionais ANEXO H - Questionário destinado ao Superintendente da Polícia Civil em 168 Exercício

16 xvi NOMENCLATURA Siglas PRESLEN Presídio Regional Senador Leite Neto CMMAD Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento DEPEN Departamento Penitenciário Nacional LEP Lei de Execução Penal CTC Comissão Técnica de Classificação ONU Organização das Nações Unidas PLANFOR Plano Nacional de Qualificação do Trabalhador PEA População Economicamente Ativa FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador PROGER Programa de Geração de Emprego e Renda PRONAF Programa Nacional da Agricultura Familiar PANAR Programa de Nivelamento de Trabalho CET Centro de Educação e Trabalho PAC Programa de Administração Carcerária INFOPEN Sistema de Informação Penitenciária IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística DESIPE Departamento do Sistema Penitenciário... 85

17 xvii LISTA DE FIGURAS 3.1- Localização das Unidades Prisionais em Sergipe O círculo vicioso da reincidência

18 xviii LISTA DE TABELAS 3.1- Capacidade e população carcerária set/ Relação entre local de nascimento do encarcerado e cidade/estado que foi preso (out/nov-2004) Relação entre local que residem antes da prisão e número de encarcerados (out/nov-2004) Relação entre escolaridade e estado civil (out/nov-2004) Relação entre escolaridade e crime cometido (out/nov-2004) Relação entre idade do homem encarcerado e o início na vida do crime (out/nov-2004) Relação entre tempo de reclusão e crime cometido (out/nov-2004) Relação crime cometido e crimes cometidos anteriores (out/nov-2004) Relação entre cursos feitos no PRESLEN e o tempo que está recluso (out/nov-2004) Relação entre atividades exercidas no PRESLEN e total de atividades exercidas (out/nov-2004) Relação entre as atividades produtivas e exercidas no PRESLEN e crimes cometidos (out/nov-2004) Relação entre atividades produtivas exercidas no PRESLEN e escolaridade (out/nov-2004) Relação entre o tempo que recebem visitas da família e encarcerados que recebem visitas da família (out/nov-2004) Relação entre o tempo que recebem visitas íntimas e encarcerados que recebem visitas íntimas (out/nov-2004) Espaço para acomodações (out/nov-2004) Relação entre crimes cometidos e situação ocupacional no momento do crime (out/nov-2004) Relação entre a situação ocupacional e escolaridade no momento do crime (out/nov-2004)

19 xix LISTA DE QUADROS 4.1- Classificação dos indicadores

20 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

21 Capítulo 1 Introdução INTRODUÇÃO O homem pode ser agente modificador da sua própria realidade. Por meio do trabalho o homem é capaz de modificar-se a si mesmo, construindo, desse modo, uma relação harmônica com a natureza. À luz da teoria marxista, o trabalho é um processo do qual participam igualmente o homem e a natureza. Sendo assim, se o trabalho é a expressão própria do ser humano, este é capaz de desenvolver as suas próprias faculdades por meio do desenvolvimento das atividades produtivas a que está ligado. O atual conceito de meio ambiente está voltado para o desenvolvimento humano. Essa nova concepção reintegra os valores e potenciais da natureza, os saberes subjugados, as externalidades sociais, bem como a complexidade do mundo, deixando de lado a racionalidade econômica e enfatizando a racionalidade ambiental. Dentro desse contexto, identifica-se que essa nova concepção, com ênfase, no ser humano, volta-se para a questão da sustentabilidade ambiental que compreende os mais diversos setores. No entanto, essa sustentabilidade só é possível por meio de políticas direcionadas para uma gestão democrática mobilizada pelas reformas do Estado e pelo fortalecimento da organização da sociedade civil. O desafio da sociedade reside, entretanto, na construção de uma nova realidade fundada num saber ambiental em que a consciência ecológica depende do próprio homem. Esta consciência pode ser atingida a partir do querer do próprio homem, levando a relação homem natureza a uma cooperação mútua. A racionalidade econômica, que tem como fundamento o crescimento econômico, resultou nos sérios desregramentos que acometem a sociedade na atualidade. Os desajustes que decorrem de um crescimento econômico deliberado e que não priorizam o ser humano fortalecem o caos, aumentando o nível de desvios de comportamento que podem levar ao aumento da criminalidade.

22 Capítulo 1 Introdução 3 Essa criminalidade tem levado à necessidade de se criar um sistema prisional cada vez mais eficaz, no qual seja possível controlar a violência no meio social e evitar que esta chegue ao caos. Todavia, o sistema prisional em qualquer parte do mundo sofre crises que comprometem o desenvolvimento de um sistema que seja capaz de manter a ordem e ao mesmo tempo, de recuperar o homem para retornar ao convívio social. No Brasil, o sistema prisional vem passando por inúmeras crises, sendo as mais recorrentes as de caráter econômico-financeiro, político, administrativo e jurídico, prejudicando a recuperação do homem encarcerado, enquanto principal objetivo da prisão. O homem, sendo fruto da sociedade, sofre todas as pressões que provém das condições sócio-econômicas do meio em que vive. Ao chegar no sistema prisional que se encontra em crise, o homem encarcerado se depara com um ambiente que pela falta de planejamento e de controle, leva à ociosidade e não está preparado para a ressocialização. À luz dessa problemática, este estudo tenta avaliar as condições oferecidas pelo sistema prisional sergipano. Para isso, tomou-se como objeto o Presídio Regional Senador Leite Neto -PRESLEN, em regime fechado, localizado no município de Nossa Senhora da Glória no semi-árido de Sergipe, buscando verificar se as condições e políticas implementadas neste possibilitam a recuperação do homem que está encarcerado. De forma mais específica, pretende-se com esse estudo: Identificar a relação entre desemprego e criminalidade; Levantar as atividades produtivas existentes no referido Presídio; Levantar a atuação do PRESLEN na formação profissional; Levantar as condições de infraestrutura do referido estabelecimento penal; Analisar a situação do trabalho do encarcerado (renda, número de encarcerados que trabalha, qualidade do produto, comercialização, entre outros); Propor alternativas que viabilizem a ressocialização do homem encarcerado.

23 Capítulo 1 Introdução 4 O Presídio Regional Senador Leite Neto foi escolhido, por localizar-se no semiárido sergipano, área de concentração do PRODEMA-SE, pela existência, no interior do presídio, de atividades produtivas com potencial de desenvolvimento de capacidades autogestoras, a exemplo da marcenaria e do artesanato. E por ser o referido presídio em regime fechado, pois a reabilitação deve partir do momento em que o homem encarcerado entra no sistema prisional. Como forma de discutir todas as questões que envolvem esta problemática, este estudo foi dividido em cinco capítulos, sendo que o primeiro trata desta parte introdutória. O segundo capítulo, por sua vez, apresenta uma discussão teórica dos assuntos que darão embasamento à elucidação da problemática apresentada. Para tanto, serão discutidos neste capítulo assuntos referentes à relação natureza e sociedade, ao sistema prisional/penitenciário e ao trabalho e reincidência. O terceiro capítulo trata da metodologia, no qual é apresentada a área de estudo, o método de análise utilizado, os procedimentos de pesquisa, bem como a população e amostra, os indicadores e o tratamento dos dados obtidos por meio dos questionários e entrevistas nas visitas realizadas. No quarto capítulo estão expostos os resultados e discussões da pesquisa. Para que fosse obtida a consistência esperada dos resultados foi feito um trabalho de discussão dos resultados, com embasamento na teoria apresentada. A teoria serviu como pilar do trabalho, uma vez que se buscou, antes de tudo, um modelo de sustentabilidade para o sistema prisional. As considerações finais deste estudo estão postas no quinto e último capítulo. Neste são feitas considerações relevantes mantendo um paralelo com o sistema prisional do Chile, considerado um modelo a ser seguido, tendo em vista a importância do programa de trabalho desenvolvido e que vem conseguindo resultados positivos, com diminuição da reincidência e aumento do nível de auto-gestão no interior dos estabelecimentos prisionais.

24 CAPÍTULO 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

25 Capítulo 2 Fundamentação teórica FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 NATUREZA E SOCIEDADE Breve discussão acerca da evolução da relação homem e natureza Na história da civilização ocidental houve época em que o modo de pensar a natureza era distinto do que domina as épocas moderna e contemporânea; embora, na Idade Média, entre filósofos clássicos gregos, já existisse uma visão dicotomizada da relação homem e natureza. O advento do capitalismo foi o marco da cristalização dessa visão dicotômica que tem perdurado na contemporaneidade. Não obstante, a sociedade só tenha passado a repensar tal relação, de forma harmônica, no século XX, quando a questão ambiental, finalmente, chegou ao centro das discussões mundiais, reorientando o processo civilizatório da humanidade. Nesse sentido e tendo em vista a importância dessa discussão para a compreensão da evolução da relação homem e natureza, faz-se necessário retomar as relações que foram sendo instituídas ao longo da história da civilização ocidental, desde a Antiguidade Clássica até os dias atuais. No período pré-socrático, por exemplo, o homem grego não compreendia os seus deuses como pertencentes a um mundo sobrenatural, mas como uma presença puramente natural. Na concepção de Bornheim (1989), os deuses existiam da mesma forma que existem as plantas, as pedras, o amor, os homens, o riso, o choro, a justiça. Assim, os deuses gregos não eram entidades sobrenaturais, pois eram compreendidos como partes integrantes da natureza, ou seja, pertencentes à physis. Esta, por sua vez, exprime a totalidade de tudo o que existe, podendo ser apreendida na aurora, no crescimento das plantas, no nascimento de animais e de homens.

26 Capítulo 2 Fundamentação teórica 7 A partir de Platão e Aristóteles o homem e a idéia passaram a ocupar um lugar privilegiado, dando início a um outro conceito de physis. Então, passou a existir certo desprezo pelas pedras e pelas plantas, bem como por toda concepção anterior a esse período, começando, desde esse momento, a vigorar, o entendimento de uma natureza desumanizada ou não-humana que se consolida na modernidade (Gonçalves, 1998). Entretanto, a oposição homem-natureza e espírito-matéria só conseguiram adquirir maior dimensão a partir da influência judaico-cristã. Com o cristianismo no Ocidente o homem passou a ser dotado do privilégio de ser criado à imagem e semelhança de Deus. O Deus agora era um ser único, que subia aos céus e, de fora, passava a agir sobre o mundo imperfeito do dia-dia dos mortais (GONÇALVES, op.cit., p. 32). Sendo assim, os deuses já não habitavam mais esse mundo, como na concepção pré-socrática. Como reflexo dessa nova visão, na Idade Média, inicia-se um processo de dissecação de cadáveres no ocidente europeu, uma vez que corpo e alma não representavam uma unidade, estavam separados, podendo o corpo, após a morte, ser tratado como objeto. Nessa perspectiva, assegura Kesselring (1992) que foi por meio, principalmente, da tradição bíblica, que surgiram novos aspectos da concepção de natureza que, segundo a tradição cristã, era o âmbito da criação. Daí se segue, por um lado, que o mundo teria um início e um fim, e por outro, que ele não surgiu espontaneamente por si mesmo. Desse modo, concebe-se a idéia de que existe um criador, mas que este não faz parte do mundo, não reside dentro da natureza. De acordo com Foladori (2001), os mundos antigo e medieval possuíam uma visão orgânica de mundo, com um modo correspondente de situar-se num Cosmos ordenado e determinado. Ao invés do distanciamento havia uma proximidade dos processos sócionaturais. No período renascentista, as profundas alterações da vida correspondentes ao desmantelamento do Feudalismo tiveram amplas repercussões no campo das idéias, a exemplo da revalorização do empirismo e do racionalismo e da contestação religiosa

27 Capítulo 2 Fundamentação teórica 8 responsável pela eclosão do protestantismo a partir das idéias de Lutero. Conforme Mello e Souza (2003), a partir desse momento histórico, o poder da Igreja Católica de Roma deixou de ser incontestável, sobretudo em domínios filosóficos. Entretanto, foi com Descartes e seu pensamento cartesiano que a oposição homemnatureza, espírito-matéria, sujeito-objeto, tornou-se mais completa, constituindo-se no centro do pensamento moderno e contemporâneo, em que a natureza passou a ser objeto da ciência (Gonçalves, 1998; Kesselring, 1992). Para Descartes, sintomática pela cisão entre homem e natureza é a divisão cartesiana do mundo em duas partes: a res extensa (mundo dos corpos materiais) e a res congitans (mundo do pensamento); neste esquema a natureza restringe-se, por um lado, à res extensa e ao pensamento, e, por outro, não pertence à natureza (apud Bolfe, 2004). Como assegura Gonçalves (1998), dois aspectos importantes marcam a modernidade: o primeiro, o caráter pragmático do conhecimento que vê a natureza como um recurso, um meio para se atingir um fim; e segundo, o antropocentrismo, em que o homem passa a ser o centro do mundo, um sujeito em oposição ao objeto (natureza), visto que o homem, instrumentalizado pelo método científico, mostra-se capaz de penetrar os mistérios da natureza e, assim, tornar-se senhor e possuidor dela. A natureza perde o caráter de finalidade e espontaneidade com o qual os Antigos haviam sido impregnados e passa a ser interpretada como máquina, podendo ser esmiuçada de maneira que tudo seja conhecido, que nada cause espanto ou admiração, pois segundo Donatelli (apud Bolfe, 2004), não havia mais sentido estudar fenômenos com o objetivo de descobrir as intenções da natureza, na medida em que, para a teoria mecanicista, o homem deveria ser um manipulador da natureza. Dessa forma, a natureza foi dessacralizada, como afirma Acot (1990), e o conceito utilitário vem à tona, só interessando o que serve, o que tem rendimento e de preferência o imediato, ampliando-se, com isso, o caráter de finalidade e aprofundando-se a concepção de matéria a ser explorada e dominada pela técnica.

28 Capítulo 2 Fundamentação teórica 9 De acordo com Pelizzoli (2003), com o advento da sociedade capitalista, nos finais do século XVII, a ciência e a técnica passaram a assumir um lugar central na vida dos homens. Com o desenvolvimento mercantil e a ascensão da burguesia, a riqueza passou a depender cada vez mais da técnica. Nesse cenário, Bacon assumiu importante papel ao formular a teoria do procedimento indutivo tendo como finalidade realizar experimentos e extrair conclusões gerais a serviço da industrialização, passando a debruçar-se sobre as técnicas capazes de dominar e controlar a natureza. Nesse sentido, segundo Bernardes & Ferreira (2003), a dialética homem/natureza encontra-se na base do processo de desenvolvimento e de transformação das sociedades humanas. Marx considera a produção como um processo pelo qual se altera a forma da natureza, isto é, pelo trabalho o homem modifica as formas das matérias naturais, de modo a satisfazer suas necessidades. Na concepção de Marx, trabalho e capital não eram meras categorias econômicas; eram categorias antropológicas, impregnadas de um juízo de valor oriundo de sua posição humanista (FROMM, 1983, 46). Ainda segundo Marx: O trabalho é, em primeiro lugar, um processo de que participam igualmente o homem e a natureza, e no qual o homem espontaneamente inicia, regula e controla as relações materiais entre si próprio e a natureza. Ele se opõe á natureza como uma de suas próprias forças, pondo em movimento braços e pernas, as forças naturais de seu corpo, a fim de apropriar-se das produções da natureza de forma ajustada a suas próprias necessidades. Pois, atuando assim sobre o mundo exterior e modificando-o, ao mesmo tempo ele modifica sua própria natureza (FROMM, 1983, 47). O trabalho é, portanto, a expressão própria do homem, uma expressão de suas faculdades físicas e mentais, uma vez que se desenvolve a si mesmo, torna-se ele próprio; o trabalho não é só um meio para um fim, o produto, mas um fim em si mesmo, a

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Utilização sustentável dos recursos naturais

Utilização sustentável dos recursos naturais Utilização sustentável dos recursos naturais O conceito de desenvolvimento sustentável, segundo a declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e desenvolvimento do Rio de Janeiro, em 1992, diz

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Crescimento versus Desenvolvimento- O termo Desenvolvimento Sustentável

Crescimento versus Desenvolvimento- O termo Desenvolvimento Sustentável Crescimento versus Desenvolvimento- O termo Desenvolvimento Sustentável 1 A grande preocupação dos países sempre foi e continua sendo com o crescimento econômico, crescimento do PIB etc... Um país ou mesmo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

4- A SUSTENTABILIDADE E OS CONTRATOS DE OBRAS PÚBLICAS 5- CENÁRIO ATUAL DOS CONTRATOS DE OBRAS PÚBLICAS 6- CONCLUSÕES

4- A SUSTENTABILIDADE E OS CONTRATOS DE OBRAS PÚBLICAS 5- CENÁRIO ATUAL DOS CONTRATOS DE OBRAS PÚBLICAS 6- CONCLUSÕES 1- INTRODUÇÃO 2- LINHA DO TEMPO 3- O CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE E A NOSSA IGNORÂNCIA 4- A SUSTENTABILIDADE E OS CONTRATOS DE OBRAS PÚBLICAS 5- CENÁRIO ATUAL DOS CONTRATOS DE OBRAS PÚBLICAS 6- CONCLUSÕES

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Educação Ambiental: a formação continuada do professor

Educação Ambiental: a formação continuada do professor Educação Ambiental: a formação continuada do professor 2012 Keila Maria de Alencar Bastos Andrade Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma parte desta obra pode ser apropriada e

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense A herança renascentista: controle da natureza Deslocamento do teocentrismo

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Urbanismo, Meio Ambiente e Interdisciplinaridade Geraldo Milioli, Dr. (UNESC) Sociólogo, Professor/Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA) e Coordenador do Laboratório de

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo em uma instituição privada de ensino superior no interior de São Paulo.

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo em uma instituição privada de ensino superior no interior de São Paulo. 467 RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo em uma instituição privada de ensino superior no interior de São Paulo. Gláucia Coutinho Bucioli Oliveira Orientador: Paulo de Tarso Oliveira I.

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7ADN-1 LEMOS, Haroldo Matos. Desenvolvimento Sustentável: antecedentes. Rio

Leia mais

The further backyard you look, the further forward you can see.

The further backyard you look, the further forward you can see. ESCOLA POLITÉCNICA DA USP MBA/USP GERENCIAMENTO DE FACILIDADES Raízes do desenvolvimento sustentável: uma abordagem holística ABRAFAC / CBCS 2º Seminário de sustentabilidade e facilities São Paulo 26/05/2010

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO 1 A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO Sandra Maria Mattar RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo analisar a contribuição da Sociologia na formação do pedagogo, considerando-se as

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA SENADOR MARCO MACIEL MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA 1990 ~7C[NTROGRAflCO ~ [X) 5l:NAOO federal a nos OS 1308/90 o AUTOR Marco Maciel foi estudante de ativa participação, tendo sido eleito duas vezes

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

4CEDMEOUT01 RESUMO. Palavras-chave: Percepção, Educação Ambiental, Meio Ambiente INTRODUÇÃO

4CEDMEOUT01 RESUMO. Palavras-chave: Percepção, Educação Ambiental, Meio Ambiente INTRODUÇÃO 4CEDMEOUT01 PERCEPÇÃO DE EDUCANDOS DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA ESTADUAL DR. TRAJANO NÓBREGA, MUNICÍPIO DE SOLEDADE-PB, SOBRE OS CONCEITOS DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL Hugo da Silva Florentino (1);

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - MARIA ELOISA FARIAS - UNIVERSIDADE LUTERNA DO BRASIL - ULBRA - CANOAS RS

EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - MARIA ELOISA FARIAS - UNIVERSIDADE LUTERNA DO BRASIL - ULBRA - CANOAS RS 1 EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - MARIA ELOISA FARIAS - UNIVERSIDADE LUTERNA DO BRASIL - ULBRA - CANOAS RS O Desenvolvimento Sustentável vem sendo objeto de estudos, análises e críticas entre

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE

CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE Esdras Lins Bispo Júnior 1 Universidade Católica de Pernambuco UNICAP bispojr@dei.unicap.br Introdução A

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Lei: O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Art.

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ

FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ RECONHECIDA PELO GOVERNO FEDERAL, CONFORME DECRETO Nº 69.599 DE 23/11/1971 CNPJ (MF) 80 904 402/0001-50 Campus Universitário Frei Ulrico Goevert

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO 0 A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO (1)Prof. Dr. Samir Cristino de Souza (IFRN) (2) Prof a. Dr a. Maria da Conceição Xavier de Almeida (UFRN) RESUMO A Pedagogia da

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

Carta da Terra e Ecopedagogia

Carta da Terra e Ecopedagogia Carta da Terra e Ecopedagogia A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana Labrea O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo um

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: MEIO AMBIENTE

ÁREA TEMÁTICA: MEIO AMBIENTE TÍTULO: TREINAMENTO PARA AUTO-SUSTENTABILIDADE E AUTOGESTÃO ASSOCIAÇÃO DE TREINAMENTO E COSTURA DE SÃO DOMINGOS/ BREJO DA MADRE DE DEUS/PE AUTORES: Adriana Lima de Carvalho (adriana-carvalho@ig.com.br),

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais