Curso de Tecnólogo em Radiologia MAMOGRAFIA MASCULINA: UM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM MAMMOGRAPHY MALE: A DIAGNOSTIC IMAGING. Revisão Literária.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Tecnólogo em Radiologia MAMOGRAFIA MASCULINA: UM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM MAMMOGRAPHY MALE: A DIAGNOSTIC IMAGING. Revisão Literária."

Transcrição

1 Curso de Tecnólogo em Radiologia Revisão Literária. MAMOGRAFIA MASCULINA: UM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM MAMMOGRAPHY MALE: A DIAGNOSTIC IMAGING Emerson Ribeiro de Castro 1, Glêicio Oliveira Valgas 2. 1 Aluno do curso de Tecnologia em Radiologia 2 Professor Especialista em Imaginologia Resumo Ano após ano surgem mais de novos casos de câncer no Brasil, menos de 1% destes casos aparece na mama masculina. O câncer de mama, ao contrário do que se imagina também e um mal que afeta a sociedade masculina, ele se apresenta da mesma forma, como o que afeta as mulheres, tanto no seu diagnóstico, quanto no seu tratamento. Assim, como para o câncer na mama feminino, a divulgação e abordagem se fazem igualmente necessário. Objetivo: Este projeto foi desenvolvido com o objetivo de resaltar a importância da mamografia masculina. Materiais e Métodos: Para a elaboração deste projeto foram utilizados bibliografias nacionais e internacionais como referencial teórico, foram realizadas consultas através da SCIELO - Scientific Electronic Library Online, o INCA Instituto Nacional do Câncer, e o GOOGLE ACADÊMICO (sit de pesquisa de literatura acadêmica), consideradas como uma das principais fontes de publicações científicas na atualidade. A partir de seu sistema de busca, utilizou-se as palavraschaves "câncer de mama", "masculino" e também "fatores de risco" e "Brasil". Resultado: Com base nas pesquisas e os estudos realizados, notou-se que o Brasil tem uma enorme deficiência no que se trata de conhecimento do câncer de mama em homens. Conclusão: Concluiu-se que os sintomas, forma de tratamento, e o diagnóstico deste tipo de câncer é exatamente igual ao câncer que acomete as mulheres, foi demonstrado os fatores de risco, as principais formas de diagnóstico, as diversas formas de tratamento, inclusive as formas de prevenção. Palavras-Chaves: Mamografia Masculina; Diagnóstico; Fatores de Risco. Abstract Year after year there are over new cases of cancer in Brazil, less than 1% of these cases appear in the male breast. Breast cancer, unlike that also imagines and an evil that affects male society, it presents the same way as it affects women, both at diagnosis and in treatment. So, as for female breast cancer, disclosure and approach are equally necessary. Objective: This project was developed with the goal of resaltar the importance of male mammography. Materials and Methods: To prepare this project national and international bibliographies were used as the theoretical framework, were held consultations through SciELO - Scientific Electronic Library Online, INCA National Cancer Institute, and Google Scholar (sit search of academic literature) considered as a major source of scientific publications today. From its search system, we used the key words "breast cancer", "masculine" and also "risk factors" and "Brazil." Results: Based on surveys and studies conducted, it was noted that Brazil has a huge deficiency in that it is aware of breast cancer in men. Conclusion: It was concluded that the symptoms, course of treatment, and diagnosis of this cancer is exactly the same cancer that affects women, demonstrated the risk factors, the main forms of diagnosis, the various forms of treatment, including forms of prevention. Key Words: Male Mammography; diagnosis; Risk Factors.

2 INTRODUÇÃO O câncer mamário é uma das doenças que estão entre as que tem um crescimento descontrolado das células, e que pode se espalhar para várias áreas do corpo, o câncer de mama leva a óbito inúmeras pessoas pelo mundo 1, 2, 3, 4. A necessidade de qualificar os profissionais quanto às técnicas de posicionamento e parâmetros radiológicos utilizados é muito grande, para que se tenha uma melhora da qualidade da imagem, e um aumento da precisão do diagnóstico, proporcionando um melhor discernimento entre calcificações benignas e malignas 5. O câncer de mama masculino se apresenta da mesma forma como os que acometem as mulheres, porém nos homens ele aparece de forma só que em estágio mais avançado, talvez por desconhecerem a possibilidade de desenvolver a doença, causas sociais ou culturais, são responsáveis pelo o enorme atraso na procura por auxilio médico 6. A estrutura das glândulas mamárias variam de acordo com o sexo, estado fisiológico ou idade. As glândulas mamárias se desenvolvem depois da puberdade tanto no homem quanto na mulher, porém as mamas masculinas quando são expostas à estimulações clínicas como estrógeno, progesterona, trauma local ou cirurgia podem sofrer um desenvolvimento não natural, estas são notificações que devem constar no prontuário de exame do paciente 7, 8. Em alguns países, o câncer de mama feminino tem apresentado uma incidência elevada e crescente, 43% dos casos registrados no mundo, estão em países em desenvolvimento, entretanto o câncer de mama masculino não e abordado, tendo como necessidade a implementação de ações do sistema de saúde desses países, como tratamento e prevenção desse tipo de câncer nas regiões mais pobres 9. O controle do câncer de mama é uma prioridade da política de saúde do Brasil e foi incluído como uma das metas do Pacto pela Saúde de (2006), com o objetivo de fortalecer a integração e a resolutividade do Sistema Único de Saúde(SUS), através de estratégias de responsabilização mutua dos gestores federais, estaduais e municipais. Desde 2004, quando foi divulgado o Controle do Câncer de Mama: Documento de Consenso, as ações governamentais têm se orientado para oferecer à população o acesso a procedimentos de detecção precoce dessa doença em quantidade e qualidade adequada, tanto para o câncer de mama feminino quanto o câncer de mama masculino 11. Em 2011 durante a edição do Outubro Rosa no Rio de Janeiro, os homens foram homenageados. Uma campanha que teve início em Nova York, nos Estados Unidos Unidos da Ámerica, no ano de 1990, com o intuito de marcar a luta contra o câncer de mama. Esta atitude demonstra a necessidade de divulgar que os tumores nas mamas não são exclusividade feminina e que os homens também sofrem desse mal, embora com uma incidência bem menor 10. MATERIAIS E MÉTODOS Este trabalho foi desenvolvido através da pesquisa de artigos acadêmicos e livros na biblioteca da faculdade ICESP/PROMOVE de Brasília, na biblioteca da Universidade Católica de Brasília, e em sits como GOOGLE ACADÊMICO site de pesquisa de material acadêmico, SCIELO - Scientific Electronic Library Online, e o INCA Instituto Nacional do Câncer, a pesquisa foi voltada para o tema mamografia masculina um diagnóstico por imagem. Os artigos foram lidos, analisados, e selecionados de forma criteriosa com a ajuda do professor orientador, e obedecendo as normas impostas pelo o conselho de avaliação da faculdade, foram escolhidos trechos de maior importância e reescritos de forma cuidadosa afim de que não parecesse com o texto original, evitando o plágio. 1

3 A HISTÓRIA DA MAMOGRAFIA A descoberta dos raios X, em 1895, pelo pesquisador Wilhelm Conrad Röntgen, desencadeou várias tentativas de sua aplicação em diversas áreas da Medicina, entre elas o estudo de doenças da mama, os raios X foram utilizados de forma significativa pelo Dr. Albert Salomon, cirurgião da Universidade de Berlim. No ano de 1913, realizou mais de radiografias de amostras de mamas mastectomizadas, e descobriu e classificou os vários tipos de cânceres de mama. O primeiro mamógrafo pronto para o comércio foi o "Senographe" (em francês, "pintura do seio"), foi posto à venda em Só na década de 80 é que foram desenvolvidos os primeiros mamógrafos com motor para compressão da mama. Devido à compressão das mamas o exame costuma ser desagradável e doloroso em alguns casos, mas é preciso diminuir a espessura da mama para melhorar a visualização do tecido 11. Em 1965 Charles Gros de Estrasborgo, França, desenvolveu a primeira unidade dedicada para Mamografia, o aparelho apresentava tubo de raios X de molibdênio com 0,7mm de ponto focal, proporcionando alto contraste diferencial entre parênquima, gordura e microcalcificações; um sistema de compressão apropriado constituía um importante complemento. Em 1985 László Tabár e colaboradores descrevem os resultados obtidos com rastreamento de mulheres, entre 40 e 79 anos, com uma única imagem obtida em posicionamento oblíqua-médio-lateral, verificaram uma redução de 31% de mortalidade. Tabár desenvolve incansável operosidade científica, com inúmeras publicações, conferências e cursos; proporciona ensinamentos sobre epidemiologia, rastreamento, diagnóstico precoce e estabelece novos conceitos em correlação ao clínicoradiológico-patológico e com avaliação sistematizada de cortes seccionais de espécimes e achados mamográficos 12. MAMOGRAFIA MASCULINA Considerada uma doença incomum para os homens, o câncer de mama representa cerca de 1% de todos os cânceres de mama, menos de 1% de todos os cânceres que incidirão em homens, e sendo responsável por apenas 0,1% das mortes em homens por câncer, a mamografia hoje é a melhor técnica de diagnóstico precoce de lesões não palpáveis na mama com altas chances de ser um câncer curável. As chances de cura do câncer de mama, é, relativamente boa, se detectado no inicio. Porém, a qualidade desse diagnóstico pode variar muito, por causa de fatores como qualidade do exame ou experiência do especialista 13. Homens adultos normais não tem tecido mamário palpável, mas na puberdade, os meninos podem apresentar uma sensibilidade (dor) na região das mamas por causa das mudanças hormonais. O maior volume das mamas masculinas dá a elas um aspecto arredondado e feminino, seja em meninos, adolescentes ou homens entre 50 e 70 anos, e que podem ter várias causas, por exemplo: por acúmulo de gordura, vírus, uso abusivo de bebidas alcoólicas e drogas ou por medicação. A proporção entre homens e mulheres é de 1 caso masculino para cada 100 casos femininos 14. Um mal que tem como alvo as mulheres, mais também pode castigar os homens. Diferentemente de muitos casos entre as mulheres, a doença no homem é detectada na maioria das vezes em estágio terminal 15. Para enfrentar o câncer de mama masculino, são necessárias ações como: educação em saúde, e em todos os níveis da sociedade; promoção e prevenção, orientação individual e em grupos (não se esquecendo de ambientes de trabalho e escolas); e geração de opinião pública 16. O câncer de mama é considerado o segundo tipo mais frequente no mundo entre as mulheres, somando 22% dos novos casos registrados a cada ano 17. FORMAÇÃO DO CÂNCER DE MAMA 2

4 Todos os seres vivos são constituídos de células. Estas células são divididas em grupos que formarão tecidos, que formarão órgãos e assim por diante. O câncer é caracterizado por apresentar alterações que fazem com que as células tenham um crescimento desordenado, prejudicando tecidos e órgãos, as células se dividem em três partes: membrana celular, a parte mais externa; o citoplasma, que é o corpo da célula; e núcleo, sua parte mais interna, e onde estão os cromossomos. Os cromossomos são compostos de pequenas unidades chamadas genes, que são formados pelos ácidos desoxirribonucleico, o DNA. É através do DNA que os cromossomos transmitem todas as informações relativas à organização, atividade, forma e reprodução celular, porém podem acontecer alterações nos genes que passam a adquirir informações erradas para executar suas atividades. Essas alterações podem acontecer em genes especiais, denominados protooncogênes, inoperantes em células normais, e transformando-os em oncogênes, que são responsáveis pela cancerização de células normais 18. Caso não for tratado, o tumor desenvolve metástases (focos de tumores em outros órgãos), mais frequente nos ossos, fígado e pulmões. Dentro de 3 a 4 anos da descoberta do tumor pela palpação, ocorre a ferida e consequentemente a morte do paciente, conforme a figura abaixo 19. Figura 01: Ferida provocada por um câncer na mama masculina. CLASSIFICAÇÕES DAS LESOES As lesões mamarias são classificadas de acordo com o sistema BI-RADS (Breast Image Reporting and Data System), que é um sistema que padroniza os laudos de exames das imagens da mama, que podem também ser aplicado em alterações na mamografia, ressonância magnética, e ultrassonografia. De acordo com este sistema as lesões são classificadas da seguinte forma: Categoria zero: exame não conseguiu caracterizar alterações. Necessita de outros exames complementares. Categoria 1: significa exame normal. Recomendado controle em 1 ano. Categoria 2: significa presença de alterações benignas, sem risco de câncer. Recomendado controle em 12 meses. Categoria 3: significa alterações provavelmente benignas. Risco de câncer de 3%. Recomendado controle em 6 meses. Categoria 4: significa alterações suspeitas para malignidade. Risco de câncer de 20%. Necessita de realização de biópsia e avaliação anatomopatológica. Categoria 5: significa alterações provavelmente malignas. Risco de câncer de 95%. Indicado ressecção cirúrgica podendo ser realizado alguma modalidade de biopsia pré-operatória. Categoria 6: significa lesão já com biopsia, com diagnóstico de câncer. Pode ser usada para classificação dos achados de uma mamografia de monitoramento após quimioterapia neoadjuvante 20. ANATOMIA DA MAMA MASCULINA As mamas são estruturas anexas à pele, situam-se simetricamente em cada lado do tórax, anterior aos músculos da região peitoral, e verticalmente da segunda à sexta costela e transversalmente da margem do esterno até à linha médio-axilar. Seu estudo imagenológico tem sido feito com mais frequência devido o aumento na incidência no número de câncer de mama nos homens. A mama masculina normal é constituída de mamilo e aréola, de tecido subcutâneo, tecido gorduroso, e ductos mamários

5 Figura 03: Anatomia de Mama Masculina. FATORES DE RISCO A incidência do câncer de mama varia de acordo com a presença ou ausência de certos fatores de risco 22. Fatores genéticos: História familiar positiva em parentes de primeiro grau está presente em 20% dos homens com câncer de mama, e a predisposição genética está associada ao câncer de mama, o que pode aumentar em até 2,5 vezes o risco de desenvolver a doença. Fatores ambientais: Alguns autores relatam maior frequência de câncer de mama masculino, associado á exposição ocupacional. São exemplos disso, homens com exposição profissional crônica a altas temperaturas e trabalhadores de indústrias químicas, como as de sabão e perfumes. Existem ainda, evidências em relação à exposição profissional á gasolina e também em homens que trabalham em empresas de fumo. A radiação ionizante está bem definida como fator de risco para desenvolvimento de câncer de mama em mulheres, principalmente se ocorrer precocemente na época do desenvolvimento mamário. Nos homens, há também relatos de aumento de casos de câncer de mama em sobreviventes das explosões das bombas atômicas. A associação entre ingestão alcoólica e câncer de mama é bem definida para mulheres, mas ainda é controversa em homens. Fatores hormonais: Alguns fatores de risco refletem a importância dos fatores hormonais e sugerem que anormalidades no balanço estrogênico e androgênico, incluindo síndrome de Klinefelter, obesidade, e ginecomastia, podem estar relacionadas com o aumento do risco de desenvolvimento de câncer de mama em homens. Síndrome de Klinefelter: O cariótipo 47XXY e um fenótipo que demonstra disgenesia testicular, ginecomastia e diminuição dos níveis de testosterona e aumento das gonadotrofinas, onde existe um aumento no risco de câncer de mama que é de 20 à 50 vezes maior do que em homens com cariótipo 46XY 23. Ginecomastia: Ginecomastia é basicamente o aumento não neoplásico da mama masculina. Pode se apresentar de formas diferentes, unilateral ou bilateral, simétrica ou assimétrica, podendo também ser considerada fisiológica na puberdade ou em homens entre 50 e 80 anos, conforme a figura abaixo 24, 25. Figura 02: A ginecomastia e classificada em fisiológica (geralmente com menos de 2 cm de diâmetro ou entre 2 e 4 cm, sendo que não é dolorosa e não tem tendência para aumentar) ou patológica (normalmente com mais de 4cm de diâmetro ou mais de 2cm, sendo acompanhada de dor e crescimento durante o seguimento) 26, 27. Fatores endócrinos: O risco de câncer de mama masculino é afetado pelo equilíbrio entre estrogênio e testosterona, com aumento das taxas nos homens que tomam medicamentos, como pacientes com câncer de próstata e transexuais. A disfunção testicular como resultado da hérnia inguinal congênita, infertilidade, lesão testicular, entre outros aumentam o risco de câncer de mama masculino em até 12 vezes 28. 4

6 MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO Exame físico: No caso do câncer, a presença do tumor deve ser analisada de acordo com seu tamanho, forma, limites, consistência, fixação aos planos superficiais ou profundos, características da pele que o recobre e a sua localização. Palpação das mamas: Faz-se primeiro, movimentos no sentido radial e posteriormente circulares incluindo o prolongamento axilar e a região retroareolar. As características mais comuns do tumor maligno à palpação são bordas irregulares, consistência maior que do parênquima, menor mobilidade, aderências aos planos adjacentes e indolor 29. Mamografia: O aparelho de mamografia sendo convencional, que tem como conjunto chassis, ecrã e filme, ou o digital que é equipado com um receptor digital em um computador, sua rotina, a forma de se fazer o exame e a mesma. As duas utilizam radiação ionizante para obter as imagens, fazem a compressão das mamas que deve ser de 13 e 15 kgf. Assim como o posicionamento do paciente em relação à angulação do tubo de raios X, com a incidência crânio-caudal (CC): com o tubo na posição vertical, com o feixe perpendicular à mama, com o paciente de frente para o aparelho, a cabeça do paciente fica virada para o lado contrário ao exame; do lado a ser examinado o paciente fica com a mão na cintura e o ombro para trás ou com o braço estendido ao longo do corpo, com o ombro em rotação externa. Centralizar a mama a ser examinada no bucky, com o mamilo paralelo ao filme, o filme deve estar o mais próximo dos quadrantes inferiores, e a mama deve ser posicionada de forma simétrica, para melhorar a exposição dos quadrantes externos, se for o caso pode-se fazer a tração da parte lateral da mama, antes de aplicar a compressão 30, 31. Existem casos que diante de uma mama muito pequena no caso do homem e em mulheres com pouco tecido mamário se o equipamento for adequado pode ser feita uma incidência caudo-cranial, em que o aparelho sofre uma rotação de 180 graus com o feixe de raios X em sentido dos pés para a cabeça do (a) paciente como mostra a imagem abaixo 32. Figura 4: LOPES, Aimar Aparecida; LEDERMAN, Henrique M; DIMENSTEIN, Renato. Guia prático de posicionamento em mamografia. 2. ed. rev. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, p. Atualmente a mamografia é a mais importante arma que se tem para diagnosticar alterações da glândula mamária, principalmente o câncer na fase pré-clínica, apresentando o índice de apenas 15% de falso-negativo e 9% de falsopositivo 33. O objetivo da mamografia é produzir imagens detalhadas, com alta resolução espacial da estrutura interna da mama, para possibilitar bons resultados de diagnósticos. A diferença radiográfica entre o tecido normal e o tecido doente é extremamente tênue; portanto, a alta qualidade do exame é indispensável para alcançar uma resolução de alto contraste que permita essa diferenciação 34. Ultrassom (ou sono grama): A ultrassonografia (US) é depois da mamografia o exame mais utilizado. O ultrassom é uma técnica utilizada para obter informações anatômicas, basease em um fenômeno resultante da interação de ondas sonoras com o tecido, precisa-se ter um computador, um transdutor que possui as características básicas de emitir o efeito piezelétrico, que é um transmissor e um receptor ao mesmo tempo. A velocidade do som é constante em cada material e depende de suas propriedades elásticas, assim como a densidade do meio, como a maioria dos elementos que constituem o corpo humano possuem impedâncias acústicas parecidas 5

7 exceto os ossos e o ar. A imagem é formada através da velocidade em que o som atinge a estrutura mais densa e retorna ao transdutor. Usado na mama, é possível identificar a diferença entre caroços, como cistos cheios de líquido e massas sólidas. Os médicos usam o ultrassom para descobrir o tamanho, formato, textura e densidade de um caroço mamário 35. Ressonância Magnética Nuclear: Uma máquina de ressonância magnética nuclear (RMN) usa um grande campo magnético, com uma bobina dedicada para mama, e ondas de rádio frequência para criar sinais suficientes para gerar uma imagem da mama. Pode algumas vezes detectar cânceres em mamas densas que não são vistos em uma mamografia. A ressonância magnética das mamas tem uma boa sensibilidade quando se trata de carcinoma invasivo, porém, as microcalcificações não são detectadas nesse método de diagnóstico. Normalmente as calcificações não são acompanhadas de lesões passando despercebido, o que não e sinal de benignidade. Os tumores possuem características que favorecem o uso da ressonância magnética nuclear, como sua permeabilidade e alta vascularização, por serem muito irrigados. O tempo de absorção do gadolínio, contraste injetado no paciente durante o exame para realçar as lesões é muito curto, e acontece precocemente logo após sua injeção, sendo assim a ressonância nuclear magnética não é indicada como único método de diagnóstico para o câncer mamário, apesar do pouco tempo de impregnação do contraste e da alta intensidade de concentração do mesmo nos tumores. A sensibilidade da ressonância é de 99%, porém o índice cai drasticamente quanto à especificidade, de 37 a 83% nos estudos publicados 36. Muitos dos estudos de ressonância magnética das mamas publicados foram realizados por aparelhos de alto campo magnético (1,0 1,5 T). Isto é consequência de relação sinal-ruído, maior definição do realce pelo o meio de contraste em equipamentos de alto campo e melhor desempenho na técnica com suprepressão de gordura. Equipamentos com um menor campo possuem pouca relação sinal-ruido, técnicas de supreção de gordura, com comprometimento da resolução espacial. Quanto aos planos de aquisição de imagens da mama não existe um entendimento para este exame, porque realizando o estudo de uma mama pode ser usado qualquer plano de aquisição, porém o plano sagital seja o mais utilizado. É importante lembrar, dos pré-requisitos para o estudo das mamas com este método que são: a injeção do meio de contraste paramagnético intravenoso, as bobinas dedicadas, supreção do sinal de gordura, múltiplas aquisições pós-contraste e um campo magnético potente e homogênio. Já a sequência de pulso utilizada é: T1 pré e pós-administração do meio de contraste em gradiente eco, T2 fast spineco pré-contraste, e T2 com supressão de gordura 37. Figura 5: Equipamento de RM. Fonte: OUTROS MÉTODOS DE IMAGENS A associação da tomossíntese mamária (ou mamografia tomográfica) à mamografia digital convencional resulta na mamografia 3D, a tomossíntese da mama é uma técnica de imagem tridimensional baseada na aquisição de um pequeno número de imagens mamográficas de baixa dose feitas em um intervalo de 4 segundos. Um computador processa essas imagens, 6

8 fornecendo cortes em alta resolução de toda a mama. Com isso, há uma melhor definição das bordas das lesões, melhor detecção de lesões sutis e excelente localização espacial, pois é possível identificar em qual plano a lesão é detectada. Eliminando a sobreposição de estruturas normais nas mamas, há o esclarecimento de algumas imagens que, na mamografia digital biplanar, necessitam de imagens adicionais (compressão localizada e ampliação) para serem melhor estudadas. No entanto, não foi comprovado que trabalham bem para uso rotineiro. No momento, são usados principalmente em estudos de pesquisa e, algumas vezes, para se obter mais informações sobre um tumor encontrado por outro exame 38. SPECT Cintilografia: Também chamada de cintilomamografia, este exame usa uma câmera especial para mostrar onde um marcador (uma substância radioativa) está localizado dentro de um tumor. Um scanner é então usado para ver se o câncer mamário absolveu mais material radioativo que o resto do tecido da mama. Mapeamento linfático: Este exame também usa uma câmera especial e scanner para ver onde um marcador foi colhido. É usado para localizar linfonodos sentinela para estágio de câncer. Tomografia Computadorizada Por Emissão de Pósitron: As células cancerígenas crescem mais rápido que as outras células, então elas usam a energia mais rapidamente também. Para medir quão rápido a glicose (o combustível do corpo) está sendo usado, um marcador (glicose radioativa) é injetado no corpo, e o corpo é escaneado. O equipamento detecta o quão rápido a glicose está sendo usada. Se estiver sendo usada mais rapidamente em alguns lugares, pode indicar a presença de um tumor cancerígeno. Imagem estereotática: Este tipo especial de equipamento de mamografia é usado durante uma biópsia. Depois das mamografias serem tiradas de diferentes ângulos para localizar a área exata em questão, um computador mescla as imagens para formar uma imagem tridimensional da mama. A imagem é usada para guiar uma agulha de biópsia até a área suspeita da mama 39. TRATAMENTO Cirurgia: A mastectomia radical ou simples é usada para tratar o câncer de mama em homes. A mastectomia radical é usada nos tumores de grande porte e que envolvem a pele e músculo. O European Institute of Oncology at Milan propôs que esta técnica seja aplicada a todos os pacientes com um tumor de tamanho inferior a 2,5 cm e sem evidência clínica de envolvimento axilar. Radioterapia: Muitos estudos provaram a utilidade da radioterapia adjuvante locoregional no câncer de mama em homens, na redução da recidiva local e sobrevivência global. Como os homens apresentam mais frequentemente o envolvimento do mamilo e pele, a radioterapia da área de mastectomia é mais frequentemente indicada do que nas mulheres. Depois da mastectomia radical modificada as indicações de radioterapia são semelhantes às da mulher pós-menopausa. Vários estudos demonstraram que os homens que fizeram radioterapia após a cirurgia, tiveram uma diminuição na recidiva locoregional, mas em relação à sobrevivência, o benefício não está demonstrado. Na maioria dos casos a radioterapia é recomendada a homens com envolvimento dos gânglios linfáticos, e com tumor maior que 5 cm, margens positivas ou envolvimento da pele, mamilo e músculo 40. Hormonoterapia: No inicio foi utilizada no câncer de mama, a hormonioterapia foi sendo subsequentemente aplicada a outros tumores que mostravam hormoniossensibilidade incontestável, como os carcinomas de endométrio e de próstata e os tumores de tireoide que são iodocaptantes. A hormonioterapia raramente tem objetivo curativo quando usada isoladamente. É usual sua associação, concomitante ou não, com quimioterapia (câncer de mama e do 7

9 sistema hemolinfopoético); cirurgia (câncer de endométrio); radioterapia (câncer de próstata). A hormonioterapia pode ser indicada para tratamento paliativo de metástases ósseas de tumores hormoniossensíveis, como, por exemplo: A supressão hormonal que pode ser obtida por meio de procedimentos cirúrgicos ou com o emprego de radiações. Os medicamentos utilizados na hormonioterapia têm como ação a supressão ou o aumento dos níveis de hormônios circulantes 41. Quimioterapia: E definida como a utilização de substâncias químicas para destruir, inibir, controlar ou neutralizar o crescimento das células tumorais e são divididas da seguinte forma. Cura: A quimioterapia pode ser usada para destruir as células cancerígenas até que não possa mais detectá-las em seu corpo ou utilizada para impedir que o câncer recorra (recidiva). Controle: É utilizada para que seja possível controlar o alastramento do câncer, a sua progressão, impedindo seu crescimento para outras partes e realizando a destruição de parte das células cancerígenas. Paliativo: Quando o câncer já está em estado muito avançado, ainda é possível fazer uso da quimioterapia para melhorar os sintomas causados pela presença do tumor. Independentemente dos objetivos terapêuticos, a quimioterapia pode ser utilizada em diferentes fases do tratamento, em conjunto com radioterapia ou a terapia biológica, além disso, ela pode ser usada antes da cirurgia, após a cirurgia e radioterapia 42. RESULTADOS Com base nas pesquisas e nos estudos realizados, e de acordo com o referencial teórico, o Brasil tem uma enorme deficiência no que se trata de conhecimento do câncer de mama em homens, ficando assim uma enorme lacuna em relação ao conhecimento por parte da população masculina para com essa enfermidade. Entretanto os exames, aparelhos, métodos de aquisição de imagens, e tratamentos para este tipo de neoplasia são bastante eficazes e estão em constante evolução, proporcionando as mulheres e homens maiores chances de superar esse grande obstáculo. Nota-se também que apesar de ser muito sutil, a abordagem desta doença por meio das autoridades, é cada vez maior a interação dos homens com a ideia de que podem ser afetados por uma doença que até pouco tempo pensava-se ser um mal único e exclusivamente feminino. DISCUSSÃO O câncer de mama masculino é pouco abordado, discutido e compreendido pela a população, principalmente os homes, cujo machismo é a principal causa do atraso no diagnóstico deste tipo de câncer, a importância do exame preventivo e a orientação da sociedade masculina quanto a sua suscetibilidade a esta neoplasia é extremamente grande, pois neste caso a porcentagem de mortes seria muito menor se o preconceito e a ignorância fosse deixada de lado por um trabalho de conscientização por parte das secretarias de saúde e governo. Segundo Vivian Mae Schmidt Lima Amorim e Duarte Filho, o Câncer de mama é uma doença que se manifesta devido ao crescimento desordenado de algumas células, causando centenas de mortes todos os anos em todo o mundo. De acordo com Marília de Fátima Felícimo, o câncer de mama masculino tem pouca incidência na população masculina, fazendo-se necessário uma abordagem mais direcionada para este tipo de neoplasia, porem o câncer de mama é facilmente confundido com outras neoplasias que acometem a mama masculina como a ginecomastia descrita por Daniels IR, e Jameson JL. Ainda de acordo com Jameson JL e Andersen JÁ, o câncer de mama masculino esta precedido de alguns fatores de risco tais como fatores genéticos, hormonais, ambientais e endócrinos como a 8

10 disfunção testicular como resultado da hérnia inguinal congênita, infertilidade e lesão testicular. Quanto aos métodos de diagnóstico a mamografia está sendo de fundamental importância para diagnosticar o câncer na mama masculina assim como e feito na mama feminina, esse método tem tido um importante aliado na luta contra o câncer de mama porque suas imagens são extremamente precisas assim como os métodos de posicionamento descritos por Simara Vieira. Segundo João Emilio Peixoto e outros, o tratamento deste tipo de neoplasia e feito através de procedimento cirúrgico que consiste na retirada parcial ou total da mama afetada, e posteriormente por tratamento de quimioterapia e radioterapia. Assim com o intuito de que em um futuro próximo este trabalho possa contribuir e auxiliar na conscientização e consequentemente redução da taxa de mortalidade por este tipo de câncer que também afeta os homens. AGRADECIMENTOS A Deus por ter me dado saúde e força para superar as dificuldades. A esta universidade, seu corpo docente, direção e administração que oportunizaram a janela que hoje vislumbro um horizonte superior. Ao meu orientador Glêicio Oliveira Valgas, pelo suporte no pouco tempo que lhe coube, pelas suas correções e incentivos. Aos meus pais, irmã, minhas filhas e esposa, pelo o amor, incentivo e apoio incondicional. E a todos que direta ou indiretamente fizeram parte da minha formação, o meu muito obrigado. CONCLUSÃO A necessidade deste trabalho surgiu ao se tomar conhecimento do baixo índice de conhecimento dos homens em relação à mamografia como exame de rotina, justificada pela intolerância e falta de informação necessária para prevenção e até mesmo tratamento de doenças existentes. Fazer com que entendam este método de tratamento que envolve desde o diagnóstico das patologias até a orientação médica, foi um dos fatores que contribuíram para escolha dos conteúdos de estudo. A postura adotada foi reunir todas as disciplinas de interesse envolvidas no âmbito da mamografia e que juntas são ferramentas indispensáveis para a realização de um bom exame e diagnóstico preciso, sendo que o principal objetivo é reforçar a divulgação do tema abordado, para os homens e para a sociedade. 9

11 Referências: 1. Amorim, Vivian Mae Schmidt Lima, et al. Fatores Associados a não Realização da Mamografia e do Exame Clínoco das Mamas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, p , nov Caleffi M, Ribeiro RA, Duarte Filho DL, Ashton-Prolla P, Bedin Junior AJ, Skonieski1 GP, et al. A model to optimize public health care and downstage breast cancer in limited-resource populations in southern Brazil. (Porto Alegre Breast Health Intervention Cohort). BMC Public Health 2009; 9:83.Disponível em: <http://www.googleacademico.com.br>. Acesso em: 23 mar Parkin DM, Whelan SL, Ferlay J, Teppo L, Thomas DB. Cancer incidence in five continents. Lyon: In-ternational Agency for Research on Cancer; 2002.Disponível em: <http://www.googleacademico.com.br>. Acesso em: 23 mar Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2010: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Câncer; Disponível em: <http://www.googleacademico.com.br>. Acesso em: 24 mar Belfer, Aron J, Schivartch, Vivian. CDB Premium O primeiro na América Latina a fazer Mamografia 3D. Jornal Centro de Diagnósticos Brasil, Tatuapé, Abr Disponível em: <http:// Acesso em: 07 fev Clinimater, Revista Eletrônica Permanente. Disponível em: <http:// Acesso em: 22 jan Espaço de Vida, Revista Eletrônica Permanente. Os homens têm câncer de mama? Disponível em: <http:// Acesso em: 07 mar Nobrega, Almir Inacio da, Tecnologia radiológica por imagem. 4. Ed. 3. vl. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, p. 9. Espaço de Vida, Revista Eletrônica Permanente. Quando Outros Metodos de Imagem são Necessários. Disponível em: <http:// Acesso em: 02 mar FAP, Citologia Clínica, Citologia Mamaria. Disponível em:< > Acessado em 08 mar Felícimo, Marília de Fátima. Câncer de Mama: Um Alerta Para os Homes. Jornal do Belvedere e Condomínios de Nova Lima, Minas Gerais, n. 68, Abril Disponível em: <HTTP://www.biocor.com.br> Acesso em: 17 jan Fentiman, IS. Câncer de mama masculino: uma revisão. Disponível em: <http://share.pdfonline.com/06e9b45fe41844ddb78c48038f114625/c%c3%a2ncer%20de%20mam a%20masculino. htm> Acesso em: 07 fev Gombata, Marsílea. Homes Tamben São Vitimas do Câncer de Mama-17 de Nov Disponível em:< Acesso em: 07 mar Inca, Instituto Nacional do Câncer, Mamografia: Da Pratica ao Controle Disponível em:< Acessado em 08 mar Inca, Instituto Nacional do Câncer, Números de Mortes Disponível em: <http://www.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/mama> Acessado em 08 jan Inca, Instituto Nacional do Câncer, Rio de Janeiro. Disponível em: <http:// Acesso em: 20 jan

12 17. Kallf, José Michel. A evolução da mamografia, RRC. Radiologia Clínica de Campinas. Imagem de Saúde. Disponível em:<http://://www.radiologiaclinicadecampinas.com.br/blog/?p=159> Acesso em 06 de jan Piccinini, Tereza Maria. Falando sobre câncer de mama. Disponível em: <http://www.inca.org.br>. Acesso em: 10 Abr de Sasse, André. E-Câncer - Informações para uma vida melhor. Disponível em:<http://andre.sasse.com/mama.htm>. Acesso em: 09 Abri de Climater, A.C.Camrgo Cancer Center. Disponível em: <http:// Acesso em: 12 mai Michelli, Rodrigo Augusto Depieri. Estudo caso-controle dos marcadores clínicos patológicos e imuno-istoquímicos no câncer de mama masculino em relação ao feminino e seu impacto com a sobrevida. 1. ed. São Paulo: Preparada pela biblioteca da Faculdade de medicina da Universidade de São Paulo, p. 22. Gikas P, Mokbel K. Management of gynaeco-mastia: an update. Int J Clin Pract 2007;61: Daniels IR, Layer GT. Testicular tumours pre-senting as gynecomastia. Eur J Surg Oncol 2003;29: Bhasin S, Jameson JL. Disorders of the testes and male reproductive system. In: Jameson JL, e t H E gy; M G w-hill, 2006: Andersen JA, Gram JB. Male breast at autopsy. Acta Pathol Microbiol Imunnol Scand 1982;90: Mota, Mariana Cardoso. Cancro da mama no homem: artigo de revisão bibliográfica do Centro Hospitalar do Porto Dissertação (Mestrado em Medicina) - Coordenação dos Programas de Pós- Graduação de medicina, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar Universidade do Porto, Porto Psicologia.com. PT, São Paulo. Disponível em: <http://www.psicologia.com.pt.br>. Acesso em: 03 mar Radiologia visão da medicina, Belém, Pará. Disponível em:< Acesso em: 07 mar Newman J. Quality control and artifacts in mammography. Radiol Technol 1998;70: Disponível em: <http://www.psicologia.com.pt.br>. Acesso em: 24 mar Revista Adolecência e Saúde, Rio de Janeiro, v.7, n. 3. Set Disponível em: < Acesso em: 13 mar Revista Brasileira de Mastologia, Revista Eletrônica Permanente. Disponível em:<http:// Acesso em 09 de jan Rocha, Simara Vieira. et al, Detecção e Diagnóstico de Massas em Mamografia : revisão bibliográfica. Caderno de Pesquisa, São Luíz, v. 18, n.1, p.26, Dez Pisco, João Martins. et al, RADIOLOGIA e análise de imagens. 1. Ed. São Paulo: Rideel, p. 34. Silva, Ana Paula Roque da, et al. Estimativa 2012: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro, v.1, p

13 35. Silva, Julio Cesar Santos da, et al. Mama masculina Estudo por imagem. Jornal Interação Diagnóstica, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, 7 nov Disponível em: < Acesso em: 17 fev Silva, Mac Antonio Camargo. A Mamamografia Através dos Tempos, Portal da Educação, junho de Disponível em: <HTTP://www.portaleducacao.com.br/Artigo/Imprimir/23432>. Acesso em 06 de jan Carlos Igor Silvestre, Luizetto Luliana de Lucca, Zago André. O Papel da Ressonância Magnética nuclear no Estadiamento do Câncer de Mama ; jun de 2010 á jul 2012.Disponível em:< https://www.inesul.edu.br/revista_saude/arquivos/arq-idvol_14_ pdf:>acesso em: 12 mai Stein, Airton Tetelbon, Rastreamento do câncer de mama: recomendações baseadas em evidências. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, V. 4, p. 439, out./dez Sueli, Freitas. O Desenvolvimento Mamario Masculino Disponível em: <http://abrindomeparaofuturo.blogspot.com.br/2012/06/o-desenvolvimento-mamario-asculino.html> Acesso em: 9 jan Peixoto; João Emilio, Canella; Ellyete; Azevedo; Adeli C. (2007). Mamografia da Pratica ao Controle. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro: INCA. 41. Lopes, Aimar Aparecida; Lederman, Henrique M; Dimenstein, Renato. Guia prático de posicionamento em mamografia. 2. ed. rev. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, p. 42. Lopes, Aimar Aparecida. et al. Tecnologia radiológica e diagnóstico por imagem: Guia para Ensino e Aprendizado. 4. ed. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, v. 3. (Série Curso de radiologia). 11

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES As incidência complementares são realizadas para esclarecer situações suspeitas detectadas nas incidências

Leia mais

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) O que é? É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama BOLETIM ELETRÔNICO EPIDEMIOLÓGICO G E R E N C I A E X E C U T I V A D E V I G I L Â N C I A E M S A Ú D E ANO 1, Nº 1 EXPEDIENTE: Novembro de 27 GOVERNADOR DO ESTADO Cássio Cunha Lima SECRETÁRIO DE ESTADO

Leia mais

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA C A R T I L H A OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA OOUTUBRO ROSA é um movimento mundial pela prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. Com suas ações especialmente

Leia mais

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1 Rosa de Hiroshima Ney Matogrosso Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam

Leia mais

Redações vencedoras I Concurso de Redação

Redações vencedoras I Concurso de Redação Redações vencedoras I Concurso de Redação 1 Lugar Aluno: Julia Stefani Moraes Professora: Regina M. Macedo de Melo Castro Informação: A melhor maneira de combater o câncer Penso que falar sobre este assunto

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Capacitação ACS /FEMAMA 2012 Eduardo Cronemberger Oncologia em 120 anos Willian Halsted Aqui está minha sequencia! Mastectomia

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

é a vez dos homens câncer.

é a vez dos homens câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer Uma publicação do SIEMACO Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL Universidade Federal do Acre Centro de Ciências da Saúde e do Desporto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS PROF. DR. CRESO MACHADO LOPES Tutor NOVEMBRO AZUL CAMPANHA DE

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas II Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P Método de diagnóstico

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia VII Encontro Nacional para o Controle do Câncer de Colo do Útero e de Mama QUALIDADE DA MAMOGRAFIA A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia Objetivo - Roteiro Descrever as

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE AGOSTO DE 2002 A 01 DE AGOSTO DE 2003, NO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE

Leia mais

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório.

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório. OUTUBRO ROSA 25 de outubro Mais detalhes sobre o câncer de mama no Brasil 1. Exames clínicos de mama são tão importantes quanto as mamografias. Mamografias a partir de 40 anos de idade são cruciais (Deve

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui O Desenvolvimento e o funcionamento da glândula mamária são presididos pelo lobo anterior da hipófise, com o ovário na função

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008)

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) De Bock GH, Beusmans GHMI, Hinloopen RJ, Corsten MC, Salden NMA, Scheele ME, Wiersma Tj traduzido do original em

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. 88) O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE torna pública, nos termos do artigo

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 QUESTÃO 26 As afirmativas abaixo estão corretas, a) Amastia é ausência congênita da mama. b) Amastiaéaausênciadetecidomamário,mascompreservaçãodocomplexo areolo-papilar. c)

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA: EXAME PREVENTIVO

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA: EXAME PREVENTIVO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA: EXAME PREVENTIVO CASCAVEL PR 2010 2 CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA:

Leia mais

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT.

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT. Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT Importância da Campanha de câncer bucal no Município de Nova Olímpia MT. Autores: - CD Fabrício Galli e - CD Michelle Feitosa Costa. Com

Leia mais

REALIZAÇÃO COORDENAÇÃO CRISTIANE MÁRCIA VELOSO DE CARVALHO LOPES. Dr. REYNALDO ROCHA NASCIMENTO JÚNIOR

REALIZAÇÃO COORDENAÇÃO CRISTIANE MÁRCIA VELOSO DE CARVALHO LOPES. Dr. REYNALDO ROCHA NASCIMENTO JÚNIOR FORMULÁRIO DE PERÍCIA MÉDICA GINECOMASTIA Junho de 2012 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO REALIZAÇÃO COORDENADOR GERAL SONIA MAGNÓLIA LEMOS DE

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA LUTA CONTRA O CÂNCER

A EVOLUÇÃO DA LUTA CONTRA O CÂNCER A EVOLUÇÃO DA LUTA CONTRA O CÂNCER Vanessa Gabriela Martins Pereira, Thaís Nogueira Silva, Laísa de Fátima Rangel, Karen Dias Ferreira, Hadassa Cristina Souza dos Santos, Gisele Aparecida de Castro Moreira,

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM Direção: Dr. Carlos Alberto Martins de Souza Coordenação: Fis. Antonio Pires Filho Supervisão: Drª Leolinda Maria E.

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Sumário Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Seção 1 Introdução 1 Epidemiologia 3 2 Diretrizes de rastreamento do câncer de mama na população geral e de alto risco 9 3 Mamografia 17 4 BI-RADS ACR (Breast

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Profª Drª Fabiana Flores Sperandio O que é câncer de mama? É uma doença que surge quando células da mama sofrem uma mutação e se

Leia mais

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho CÂNCER DE BOCA Disciplina: Proteção Radiológica Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho OBJETIVOS Descrever o processo carcinogênico geral e específico para o

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato O exame de mamografia é um exame que utiliza raios-x e um aparelho próprio chamado mamógrafo, com ampola composta de Molibdênio, o que permite melhor avaliação de partes

Leia mais