SAMARA DOURADO DOS SANTOS MORAES. PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: contribuições para a enfermagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SAMARA DOURADO DOS SANTOS MORAES. PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: contribuições para a enfermagem"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE / DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENFERMAGEM SAMARA DOURADO DOS SANTOS MORAES PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: contribuições para a enfermagem TERESINA 2011

2 SAMARA DOURADO DOS SANTOS MORAES PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: contribuições para a enfermagem Dissertação de Mestrado submetida à Banca Examinadora do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Enfermagem. Orientadora: Profa. Dra. Inez Sampaio Nery Área de Concentração: A enfermagem no contexto social brasileiro Linha de Pesquisa: Políticas e práticas sócio-educativas de Enfermagem TERESINA 2011

3

4 SAMARA DOURADO DOS SANTOS MORAES PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: contribuições para a enfermagem Dissertação de Mestrado submetida à Banca Examinadora do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Enfermagem. Aprovado em 25/11/2011 Profa. Dra. Inez Sampaio Nery - Presidente Universidade Federal do Piauí UFPI Profa. Dra. Rosângela da Silva Santos 1ª Examinadora Faculdade de Enfermagem da Universidade Estadual do Rio de Janeiro FE/UERJ Profa. Dra. Claudete Ferreira de Souza Monteiro 2ª Examinadora Universidade Federal do Piauí (UFPI) Suplente: Profa. Dra. Silvana Santiago da Rocha Universidade Federal do Piauí (UFPI)

5 Dedico este trabalho aos meus pais Onofre e Inez, que sempre acreditaram, apostaram e investiram em minha capacidade, e ao meu esposo Perysson, por toda a compreensão e apoio nesta árdua caminhada.

6 AGRADECIMENTOS A Deus e à Mãe Rainha, pela presença constante em minha vida, por ter sempre me fortalecido quando eu estava fraca e por sempre iluminar os meus passos. À minha mãe, por ser a minha mãezinha maravilhosa, amiga e companheira. Obrigada por seu amor, dedicação, exemplo, compreensão incondicional e por sempre me ter incentivado à constante qualificação. Ao meu pai, por ser aquele pai preocupado, presente e protetor em todos os momentos. Por todas as suas renúncias em nome da nossa educação e por ser exemplo de que só pela qualificação profissional é que se consegue vencer os obstáculos mais críticos. Ao meu esposo Perysson, pelo amor e companheirismo em todos os momentos, especialmente nos mais difíceis, de muito estresse e falta de tempo. Obrigada por entender minha ausência e por ser meu apoio mais próximo, pois isso me fortalecia e me fazia acreditar que tudo daria certo. Aos meus irmãos Iomara e Onofre Júnior, pelo amor fraterno, respeito e por sempre acreditarem em mim e se envaidecerem com as minhas conquistas. Aos meus sogros Pedro Neto e Mercedes, pelo constante apoio durante esta jornada. A todos o meus familiares, avós, tios, primos e cunhados, pela torcida. À UFPI, na pessoa do Magnífico Reitor Prof. Dr. Luiz de Sousa Santos Júnior, pela oportunidade da realização deste mestrado. À Coordenação do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem da UFPI, especialmente às profas. Dra. Telma Maria Evangelista de Araújo e Dra. Lídya Tolstenko Nogueira, pela competência, esforço e dedicação com que têm conduzido este programa de pós-graduação. À minha orientadora Profa. Dra. Inez Sampaio Nery, pelo incentivo para fazer a seleção, pela dedicação aos seus mestrandos, por conseguir transmitir a importância da temática estudada e me fazer acreditar nela, por ter sido a minha segurança e o meu ponto de equilíbrio quando o desespero em mim chegava. Obrigada por tudo, tenho certeza que só consegui graças aos seus ensinamentos, sua competência e seu apoio.

7 À Profa. Dra. Rosângela da Silva Santos, pela sua disponibilidade e todas as suas contribuições para a melhoria desta pesquisa e por ter participado de minha banca. Às professoras doutoras da banca examinadora, Claudete Ferreira de Sousa Monteiro e Silvana Santiago da Rocha, pelas valiosas reflexões e contribuições. Às professoras do Programa de Mestrado em Enfermagem da UFPI, pelo compromisso com a nossa formação e incentivo à produção do conhecimento científico na área da enfermagem. À minha amiga Juscélia, pelo apoio e seus ensinamentos durante a construção deste estudo. À amiga mestranda Verbênia, pela amizade e companheirismo, por compartilhar comigo momentos de angústia, e pelas palavras de força que me deu durante esta caminhada. Às amigas mestrandas Lívia e Ivanilda, pela amizade, pelo compartilhamento de conhecimento e por todas as parcerias na produção científica durante o mestrado. Obrigada também por terem feito parte de bons momentos nesta caminhada, como congressos e passeios. Às demais colegas do mestrado, pelo companheirismo, amizade e pelos inesquecíveis momentos de angústia e de alegria compartilhados ao longo período, em especial, Mariana, Cláudia, Carminha, Taiane, Francidalma e Dinah, pela maravilhosa convivência e apoio mútuo nesta jornada. Aos funcionários do Departamento e do Mestrado em Enfermagem, respectivamente, Valdira e Júnior, e todos os demais, pelo apoio essencial na realização de nossas atividades acadêmicas. Às alunas do Curso de Enfermagem - Bacharelado da Faculdade Santo Agostinho Kátia Siveira, Alliny Silva, Aurislânia Bezerra e Daniele Dias, por terem realizado comigo duas pesquisas na área temática de minha dissertação, que serviram para elucidar alguns questionamentos nos meus estudos. Ao Hospital São Marcos, em especial a psicóloga Roberta, por ter feito o elo entre mim e o Grupo Amigas do Peito, para que eu construísse minha identidade de pesquisadora, tão necessária à realização da pesquisa com o Método História de vida. A todas as mulheres do Grupo Amigas do Peito, por terem confiado a mim as suas histórias de vidas.

8 À Faculdade Santo Agostinho, por acreditar que um ensino de qualidade somente acontece com professores qualificados e, assim, apoiar e incentivar a qualificação de seus docentes. À Secretaria Municipal de Saúde de Cocal, na pessoa da Sra. secretária Maria do Socorro Vieira Marques, por proporcionar flexibilidade nos meus horários de trabalho e por me liberar para que eu pudesse me qualificar. À equipe de Agentes Comunitários de Saúde da Estratégia Saúde da Família Santo Hilário, pelo apoio, amizade e compromisso em suas atividades, mesmo com a minha ausência. Às enfermeiras Ariadna, Fátima, Islândia, Roberta, Gilmária e Geísa, companheiras da ESF de Cocal-Pi, pelo imenso apoio que recebi de todas durante o período em que trabalhávamos juntas e fazia o mestrado. Obrigada por tudo! Sem o apoio de vocês, teria sido muito difícil para mim! Às minhas amigas enfermeiras do Centro Cirúrgico da Maternidade Dona Evangelina Rosa, em especial, Amparo, Francisca, Núbia, Divonete e Jucéia, pelo total apoio e compreensão durante o período do mestrado. Aos colegas do Centro de Saúde Vila Irmã Dulce, da Fundação Municipal de Saúde de Teresina-PI, meu recente local de trabalho, pelo apoio e compreensão em minhas ausências. A todos aqueles, mesmo não mencionados nominalmente, que de algum modo torceram por mim e contribuíram direta ou indiretamente com este estudo e com a realização deste grande sonho, o meu MUITO OBRIGADA!!

9 Agradeço todas as dificuldades que enfrentei, não fosse por elas, eu não teria saído do lugar. As facilidades nos impedem de caminhar; mesmo as críticas nos auxiliam muito (Chico Xavier).

10 RESUMO O câncer de mama é uma doença de significação diferenciada devido às repercussões do tratamento na identidade feminina e na sua qualidade de vida. Assim, a interdependência corpo-mente-espírito deve ser considerada e, nesse contexto, as práticas integrativas e complementares são importantes recursos por proporcionarem melhoria na qualidade de vida e melhor resposta ao tratamento oncológico alopático. Dessa forma, este estudo teve como objetivos descrever as práticas integrativas e complementares adotadas por mulheres com câncer de mama e analisar a percepção da mulher com câncer de mama sobre os efeitos dessas práticas em sua qualidade de vida. Trata-se de uma pesquisa descritiva, qualitativa, que contou com a participação de 14 mulheres com câncer de mama como sujeito e teve como cenário um hospital filantrópico em Teresina PI, que é referência no norte-nordeste em tratamento de câncer. A produção dos dados foi realizada por meio de uma entrevista aberta, em conformidade com o método história de vida, e os resultados foram analisados à luz do referencial teórico construído a partir dos temas emergidos dos depoimentos. Adotou-se a técnica de análise de conteúdo segundo Bertaux, da qual emergiram as seguintes categorias: o yogaterapia, na promoção do bem-estar físico e mental; a terapia comunitária, como um espaço de trocas, empoderamento e resiliência; o uso de plantas medicinais, como prática complementar no combate ao câncer; Argiloterapia e religiosidade, como práticas integrativas e complementares no tratamento de câncer de mama. O yoga foi percebido de forma positiva e relacionado a melhorias físicas e mentais na vida das mulheres com câncer de mama. Elas relataram melhora na saúde psíquica, que fora abalada pela doença, e benefícios físicos como relaxamento e alívio de dores na coluna e nos membros. A troca de experiências entre mulheres que vivenciam a mesma situação durante a terapia comunitária foi propulsora para o processo de empoderamento e resiliência e possibilitou uma vivência menos traumática com o câncer. As participantes deste estudo relataram a utilização de plantas medicinais como o none, ameixa, janaguba, aveloz, babosa e mangaba, como forma complementar ao tratamento alopático e acreditam que essas ervas contribuíram positivamente para a melhora de seu estado geral e para a cura de sua doença. A argiloterapia promoveu conforto e relaxamento, e as práticas religiosas foram importantes terapias no enfrentamento da doença, tendo em vista que a fé em Deus promoveu redução da ansiedade e estresse implicando diretamente na melhoria de vida dessas pacientes. O estudo recomenda aos serviços de oncologia a adoção de programas de práticas integrativas e complementares por uma equipe multiprofissional e a extensão dessa assistência para o âmbito da atenção básica. Nesse contexto a enfermeira tem um papel primordial, pois é ela quem tem um maior contato com a paciente e pode educá-la para o uso adequado dessas práticas. A atuação da enfermeira nas práticas integrativas e complementares abre espaço para a enfermagem e proporciona autonomia e independência à enfermeira na sua prática em qualquer âmbito profissional. PALAVRAS CHAVE: Práticas Integrativas e Complementares. Câncer de Mama. Qualidade de Vida. Enfermagem.

11 ABSTRACT Breast cancer is a disease of significance differentiated due to the impact of treatment on female identity and quality of life. Thus, the interdependence mindbody-spirit must be considered and in this context, integrative and complementary practices are important resources for providing better quality of life and better response to allopathic cancer treatment. Therefore, this study aimed to describe the complementary and integrative practices adopted by women with breast cancer and to analyze the perception of women with breast cancer on the effects of these practices in their quality of life. It is a descriptive qualitative research, which had the participation of 14 women with breast cancer as the subject and was set in a charity hospital in Teresina-PI, which is a benchmark in the north-northeast in cancer treatment. Data production was performed using an open interview, in accordance with the method of life history, and the results were analyzed according to the theoretical framework built from the themes that emerged from interviews. It was adopted the technique of Bertaux content analysis, from which emerged the following categories: the yoga therapy, in promotion of physical well-being and mental health; therapy community, as a space of exchange, empowerment and resilience; the use of medicinal plants as complementary practice in fighting cancer; clay therapy and religion as complementary and integrative practices in the treatment of breast cancer. The yoga was positively perceived and related to physical and mental improvements in the lives of women with breast cancer. They reported improved mental health, which had been shaken by the disease, and physical benefits such as relaxation and relief of back pain and limb. The exchange of experiences among women who experienced the same situation during therapy community was propulsive into the process of empowerment and resilience and allowed a less traumatic experience with cancer. The study participants reported the use of medicinal plants such as noni, plum, janaguba, aveloz, aloe vera and mangaba as a complement to allopathic treatment and believe that these herbs have positively contributed to the improvement of their general condition and for the healing of their disease. The clay therapy promoted comfort and relaxation, and religious practices were important in fighting the disease therapies in order that faith in God promoted reduction of anxiety and stress directly involved in improving the lives of these patients. The study recommends to oncology services programs the adoption of integrative and complementary practices expertise in a multidisciplinary team and the extent of assistance to the scope of primary care. In this context, the nurse has a key role because it is she who has a greater contact with the patient and can educate them to the appropriate use of these practices. The activity of the nurse into integrative and complementary practices open space for nursing and provides the nurse s autonomy and independence in their practice in any professional field. KEY WORDS: Integrative and Complementary Therapies. Breast Cancer. Quality of Life. Nursing.

12 RESUMEN El cáncer de mama es una enfermedad de importancia debido a los efectos diferenciales del tratamiento sobre la identidad femenina y la calidad de vida. Por lo tanto, la interdependencia mente-cuerpo-espíritu debe ser considerada y en este contexto, las prácticas de integración y complementariedad son recursos importantes para proporcionar una mejor calidad de vida y una mejor respuesta a la quimioterapia alopática. Por lo tanto, este estudio tuvo como objetivo describir las prácticas complementarias y de integración utilizadas por las mujeres con cáncer de mama y analizar suyas percepciones sobre los efectos de estas prácticas en su calidad de vida. Es un salto cualitativo descriptivo, que contó con la participación de 14 mujeres con cáncer de mama como el sujeto y se estableció en un hospital de caridad en Teresina-PI, que es una referencia en el norte-noreste en el tratamiento del cáncer. La producción de datos se realizó por medio de una entrevista abierta, de acuerdo con el método de la historia de vida, y los resultados fueron analizados a luz de la construcción teórica sobre los temas que surgieron de las entrevistas. Hemos adoptado la técnica de análisis de contenido segunda Bertaux, del cual surgieron las siguientes categorías: terapia de yoga en la promoción del bienestar físico y mental; la terapia de comunidad, como un espacio de intercambio, empoderamiento y resistencia; el uso de plantas medicinales como práctica complementaria en la lucha contra el cáncer; la terapia de barro y la religión como prácticas complementarias e integradoras en el tratamiento del cáncer de mama. El yoga se percibió de manera positiva y relacionada con las mejoras física y mental en la vida de las mujeres con cáncer de mama. Se informó una mejor salud mental, que había sido sacudida por la enfermedad, y los beneficios físicos, como la relajación y el alivio del dolor lumbar y las extremidades. El intercambio de experiencias entre las mujeres que viven la misma situación durante la terapia de comunidad llevó el proceso de empoderamiento y la resistencia y permitió una experiencia menos traumática con el cáncer. Los participantes del estudio reportaron el uso de plantas medicinales como el noni, ciruela, janaguba, aveloz, aloe vera y mangaba como complemento al tratamiento alopático y cree que estas hierbas han contribuido positivamente a la mejora de su estado general y para curación de su la enfermedad. La comodidad y la relajación promovidas por la terapia de barro, y las prácticas religiosas fueron importantes en la lucha contra la enfermedad de las terapias con el fin de que la fe en Dios promovió la reducción de la ansiedad y el estrés directamente implicados en mejorar la vida de estos pacientes. El estudio recomienda al programa de servicios de prácticas de oncología las experiencias integradoras y complementarias por un equipo multidisciplinario y la amplitud de la asistencia con el ámbito de la atención primaria. En este contexto, la enfermera tiene un papel fundamental porque es ella quien tiene un mayor contacto con el paciente y puede lo educar para el uso adecuado de estas prácticas. La asistencia de enfermería con las prácticas de integración y complementariedad proporciona la autonomía del enfermero y la independencia en su práctica en cualquier campo profesional. PALABRAS CLAVE: Prácticas Complementarias y de Integración. Cáncer de Mama. Calidad de Vida. Enfermería.

13 SUMÁRIO 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Contextualização do problema e objeto de estudo 1.2 Questões norteadoras e objetivos 1.3 Justificativa e contribuições do estudo 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 O Câncer de mama: sintomatologia, tratamento convencional e a busca por novas possibilidades 2.2 Aspectos históricos, políticas de saúde e a inserção da enfermagem nas práticas integrativas e complementares. 2.3 A utilização das práticas integrativas e complementares em mulheres com câncer de mama 2.4 Práticas integrativas e complementares e a qualidade de vida ABORDAGEM METODOLÓGICA 3.1 Tipo de Estudo 3.2 O Método História de Vida 3.3 Cenário do estudo 3.4 Sujeitos da pesquisa 3.5 Produção dos dados 3.6 Análise dos dados 3.7 Aspectos éticos 4 RESULTADOS 4.1 Caracterização dos sujeitos 4.2 Percepções de mulheres com câncer de mama sobre práticas integrativas e complementares em sua qualidade de vida O yogaterapia na promoção do bem-estar, físico, mental e espiritual A terapia comunitária como espaço de trocas, empoderamento e resiliência O uso de plantas medicinais como prática complementar de combate ao câncer Argiloterapia e religiosidade como práticas integrativas e complementares no tratamento do câncer de mama 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS APÊNDICE

14 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

15 Contextualização do problema e objeto do estudo Vivencia-se um momento de grandes avanços na área da saúde, com o desenvolvimento de tecnologias e terapêuticas que prometem revolucionar a cura de doenças antes consideradas incuráveis, como o câncer. Porém, o surgimento de especializações que reduzem o ser humano a partes gera crises, pois deixam lacunas na assistência ao indivíduo, à família e à comunidade e são incapazes de atender à totalidade das demandas de saúde. Nesse contexto, observa-se uma crescente busca por práticas terapêuticas que assistam o indivíduo de uma forma holística, que contemplem os seus aspectos físicos, mentais, espirituais e emocionais. Assim, este estudo tem, como questão central, a reflexão sobre a percepção dos efeitos das práticas integrativas e complementares na qualidade de vida de mulheres com câncer de mama, num contexto em que as taxas de incidência e de prevalência desse tipo de câncer mantêm-se elevadas, apesar das políticas públicas existentes na área da oncologia e da saúde da mulher que visam à detecção e tratamento precoce da doença. Acrescenta-se a isso o fato de o câncer de mama trazer repercussões biopsicossociais que interferem diretamente na qualidade de vida, necessitando assim de práticas que assistam o indivíduo integralmente. As neoplasias são responsáveis por 13% de todas as causas de óbito no mundo. Estima-se que, em 2020, o número de casos novos anuais seja da ordem de 15 milhões, dos quais 60% ocorrerão nos países em desenvolvimento. O Sistema de Informação Sobre Mortalidade (SIM) registra que o câncer constitui-se na segunda causa de morte por doença no Brasil. Em 2004, o Brasil registrou 141 mil óbitos por câncer, sendo os mais incidentes os de próstata e pulmão no sexo masculino, e os cânceres de mama e do colo de útero no sexo feminino (BRASIL, 2008). As estimativas, para o ano de 2010, que eram válidas também para o ano de 2011, apontavam para a ocorrência de novos casos de câncer. Esperava-se ao final deste ano casos novos para o sexo masculino e para o sexo feminino. Os tipos mais comuns, além do câncer de pele do tipo não melanoma, seriam os cânceres de próstata e de pulmão, no sexo masculino, e os cânceres de mama e do colo do útero, no sexo feminino. Já as estimativas para

16 , que também são válidas para o ano de 2013, mostram um aumento do número de casos esperados de câncer, esperam-se novos casos, incluindo os de pele não melanoma, o que reforça a magnitude do problema do câncer no país (BRASIL, 2009a; INCA, 2011). O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo, e o mais comum entre as mulheres. A cada ano, 22% dos casos novos de câncer em mulheres são de mama. No Brasil ele é o mais incidente entre as mulheres em quase todas as regiões, ocupando segundo lugar apenas na região norte (BRASIL, 2007). A estimativa de novos casos de câncer de mama para o Brasil em 2010 era de , com um risco estimado de 49 casos a cada 100 mil mulheres. No Piauí, estimava-se que ocorreriam 350 casos, dos quais 150 seriam em Teresina. Já para o ano de 2012, a estimativa nacional era de novos casos de câncer de mama, com um risco estimado de 52 casos a cada 100 mil mulheres, sendo a estimativa no Piauí de ocorrência de 410 casos, dos quais 180 são na capital. (BRASIL, 2009a; INCA, 2011). Analisando-se as estimativas acima, percebe-se que há uma elevação do número esperado de casos de câncer, a cada ano, incluindo-se aí o de mama. Essa comparação é importante para estabelecer prioridades na assistência ao paciente, direcionada para a melhoria da qualidade de vida, tendo em vista que o câncer, principalmente o de mama, traz repercussões biopsicossociais. De acordo com Silva (2008), o diagnóstico de câncer tem um efeito devastador na vida de quem o recebe e, no caso do câncer de mama, esse impacto ainda é maior em virtude de o tratamento trazer repercussões importantes no que se refere à identidade feminina e, geralmente, levar a sentimentos de baixa autoestima, medo e incerteza, interferindo diretamente em sua qualidade de vida. Assim, é necessária uma compreensão de que, ao adoecer, todo o corpo se transforma para enfrentar a doença. Ao entrar em ação de enfrentamento da doença, o portador do câncer pode se expressar de maneiras diferentes: física, emocional ou espiritualmente. Dessa forma, novas abordagens a esses pacientes avançam para uma compreensão mais abrangente sobre o desequilíbrio causador do processo de adoecimento, que coloca o cliente, e não a doença, no foco central da atenção dos profissionais de saúde, que devem ter como meta ajudá-lo a criar condições mais favoráveis ao enfrentamento da doença e processo de cura. Dentro

17 15 dessa perspectiva, as ideias de interdependência mente-corpo-ambiente têm sido consideradas na assistência às pessoas portadoras de câncer e avançam para uma compreensão mais abrangente do desequilíbrio causador do adoecimento (FIGUEIREDO et al., 2009). Nesse contexto, as práticas integrativas e complementares se inserem e assumem um papel cada vez mais importante, tendo em vista que, ao considerarem o indivíduo um ser holístico, suas intervenções são baseadas na integralidade e são direcionadas para a recuperação do equilíbrio mente-corpo-espírito e para a restauração da saúde e da qualidade de vida perdida com a doença. A percepção gerada com a experiência do sofrimento faz surgir outros conceitos no processo saúde-doença, como a intuição, a energia vital, o holismo, e se impõe a necessidade de repensar a prática dentro de um novo espaço ético (TESSER; BARROS, 2008). A palavra holismo foi utilizada pela primeira vez em 1928 no livro Holism and Evolution, escrito por Smuts. Holismo, nesse livro, representa os preceitos filosóficos que consideram os sistemas como um todo, e não as suas partes, e demonstra a importância de se estudar a maneira como as partes se relacionam. Etimologicamente, a palavra holismo ou holístico vem do grego holos, que significa todo, completo (PAULA, 2005). Tem-se observado um aumento exponencial no uso de práticas integrativas e complementares no tratamento de várias doenças agudas e crônicas, entre elas o câncer. O processo de ampliação dessa prática acontece em paralelo ao progresso científico e tecnológico da medicina moderna ocidental e desperta o interesse de usuários, pesquisadores, profissionais e gestores de serviços de saúde (SPADACIO et al., 2010). As práticas integrativas e complementares são consideradas um conjunto de ações de prevenção, diagnóstico e tratamento fora do modelo biomédico que, em vez de se opor à doença, impedindo certas manifestações sintomáticas, tenta compreender suas causas e envolver o indivíduo em seu modo de vida (ELIAS; ALVES, 2002; SOUZA; VIEIRA, 2005). Esse campo de saberes e cuidados desenha um quadro múltiplo e sincrético, que articula um número crescente de métodos diagnóstico-terapêuticos, tecnologias leves, filosofias orientais e práticas religiosas em estratégias sensíveis de vivência corporal e de autoconhecimento. Esse amplo acervo de cuidados

18 16 terapêuticos abriga ainda recursos como terapias nutricionais, disciplinas corporais, diversas modalidades de massoterapia, práticas xamânicas e estilos de vida associados ao naturalismo e à ecologia (ANDRADE; COSTA, 2010). Percebe-se, portanto, a vasta quantidade de práticas integrativas e complementares que podem ser utilizadas como recursos terapêuticos importantes na assistência à saúde, entre elas acupuntura sistêmica, fitoterapia, cromoterapia, florais de Bach, musicoterapia, reflexologia, shiatsu (massagem terapêutica), alinhamento de chackras, reiki, toque terapêutico, laserterapia, auriculoterapia, terapia comunitária, yogaterapia, argiloterapia, alimentação natural, radiestesia, entre outras. Essas práticas podem ser utilizadas simultaneamente, a depender de cada situação, e são empregadas na maioria dos casos de forma integrada ao tratamento alopata, modalidade convencional de cuidado. Têm mostrado importantes repercussões físicas, mentais e espirituais na recuperação e resposta ao tratamento de diversas enfermidades, entre elas o câncer. Os motivos da expansão contínua das práticas integrativas na sociedade atual não podem ser reduzidos a questões de insatisfação ou ineficiência da medicina ocidental contemporânea ou aos sistemas públicos de saúde, apesar de sua inegável influência. Fundamentam-se, principalmente, em escolhas culturais e terapêuticas que apontam para mudanças nas representações de saúde, doença, tratamento e cura, presentes no processo de transformação da cultura, criando outras que valorizam o indivíduo e sua relação com o terapeuta como fundamental para o tratamento, bem como o uso de pouca tecnologia para resgatar a relação profissional-paciente, fragilizada pela interposição tecnológica. Nesse novo contexto, a saúde é valorizada como elemento fundamental da terapêutica, opondo-se ao papel central que a doença e seu combate atuam na biomedicina (SOUZA; LUZ, 2009). A utilização de práticas integrativas e complementares está diretamente relacionada ao alívio físico da dor, alívio emocional, diminuição dos efeitos colaterais de medicamentos alopáticos, melhoria no funcionamento do sistema imunológico e aumento da qualidade de vida. Acrescenta-se a isso o fato de essas práticas possibilitarem um cuidado integral focado na individualização do tratamento e nos impactos positivos junto ao tratamento convencional (SPADACIO et al., 2010).

19 17 Em virtude de as práticas integrativas e complementares proporcionarem aos pacientes melhoria da qualidade de vida, assim como uma melhor resposta ao tratamento clínico, já são adotadas de forma integrada ao tratamento convencional do câncer em diversos hospitais de referência no mundo, como por exemplo no MD Anderson Cancer Center, nos Estados Unidos, e no Hospital Israelita Albert Einstein, no Brasil. O Medical Doctor Anderson Cancer Center é um dos centros mais respeitados no mundo, dedicado exclusivamente ao cuidado de paciente com câncer. Vinculado à Universidade do Texas (EUA), ele tem dado importante contribuição na pesquisa, educação e prevenção do câncer. Esse centro possui o programa de Medicina Integrativa, que é referência mundial, em que os tratamentos oferecidos melhoram a qualidade de vida dos pacientes por meio de programas que focam a mente, o corpo e o espírito. Nesse sentido, utilizam a meditação, o yoga, a massagem, que complementam o tratamento convencional. Possui ainda um núcleo de pesquisa, cujo foco de investigação é a redução das consequências negativas do diagnóstico e tratamento do câncer pela utilização de práticas integrativas. Para isso utiliza ensaios clínicos rigorosamente controlados (MD ANDERSON, 2010). Nos moldes do que ocorre em grandes centros de excelência no tratamento de pacientes oncológicos como o MD Anderson (EUA), o Hospital Israelita Albert Einstein iniciou esse programa pioneiro no Brasil. O paciente passa pela avaliação do grupo de Terapias Integrativas e Complementares, na qual é discutida a sua indicação e utilização junto à Medicina Alopática. Dada a grande frequência com que os pacientes lançam mão de terapias alternativas, é de extrema importância que sejam acompanhados por profissionais estudiosos do tema e familiarizados com as terapias convencionais praticadas nesse hospital. O paciente é orientado nas diversas modalidades de medicina integrativa e complementar (acupuntura, meditação, yoga, toque terapêutico, entre outras), e pode contar com a segurança de profissionais especialmente capacitados para tratar de pacientes com câncer (HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN, 2010). A utilização de práticas integrativas e complementares é parte do escopo social dos pacientes oncológicos. O uso dessas práticas tem um sentido sociocultural importante na construção da identidade do paciente com câncer, ajudando-os, inclusive, na tomada de decisão sobre o próprio tratamento convencional (SPADACIO; BARROS, 2008).

20 18 Assim, essas práticas contribuem como recursos úteis na promoção da saúde individual e grupal de pacientes com câncer e ajudam na superação das dificuldades encontradas no enfrentamento da doença, o que repercute positivamente na resposta ao tratamento quimioterápico, radioterápico ou cirúrgico (mastectomia). Dessa forma, tornam-se particularmente importantes, tendo em vista que o diagnóstico de câncer e todo o processo de tratamento da doença são vividos pelos pacientes com sofrimento e ansiedade, além de outros sentimentos. Nesse contexto, as terapias integrativas e complementares são primordiais no tratamento do câncer de mama, já que, de acordo com Elsner, Trentin e Horn (2009), nesse tipo de câncer, adicionam-se ainda outras angústias relacionadas ao simbolismo que o seio representa, tornando esse câncer de significação diferenciada dos demais para a mulher que o vivencia. As questões que envolvem corpo, gênero e saúde são indissociáveis nos estudos sobre mulheres com câncer de mama, pois todo o contexto de significação da doença está intimamente ligado à questão do corpo feminino, da representação social que ele envolve, estando a mama associada à sexualidade, à maternidade e à feminilidade da mulher (AURELIANO, 2009). Por muito tempo o seio foi mais valorizado quanto aos aspectos relacionados à maternidade, mas hoje essa valorização está mais voltada ao seu significado de feminilidade, sendo fortemente explorado como ícone de apelo sexual. Assim, a mulher com câncer de mama é susceptível a prejuízos em sua experiência de sentir-se mulher, pois seu seio foi atingido pela doença e mutilado pelo tratamento. Dessa forma, o câncer de mama leva geralmente a sentimentos de baixa autoestima, de inferioridade e de medo da rejeição do parceiro, interferindo diretamente em sua qualidade de vida (SILVA, 2008). Assim, em virtude de o câncer de mama ser o mais temido entre as mulheres, sobretudo pelo impacto biopsicossocial que provoca e consequente diminuição da qualidade de vida, é oportuno desenvolver esse estudo com as mulheres que vivenciam o processo de adoecer e utilizam práticas integrativas e complementares como adjuvantes no tratamento convencional da doença. Nesse enfoque, refletindo sobre a problemática que envolve as repercussões do câncer de mama na vida da mulher e baseando-se nas implicações na qualidade de vida que as práticas integrativas e complementares proporcionam em pacientes oncológicos, delimitou-se como objeto de estudo a percepção das

21 19 mulheres com câncer de mama sobre os efeitos das práticas integrativas e complementares em sua qualidade de vida. De acordo com George (2000), a percepção consiste na representação que cada ser humano tem de si próprio e de tudo que faz parte de seu meio e de sua realidade sendo peculiar para cada pessoa. Isso significa que qualquer situação é vivenciada de uma maneira única por cada um dos indivíduos envolvidos. Ballone (2005) acrescenta que é ato pelo qual tomamos conhecimento de um objeto do meio exterior. A maior parte de nossas percepções conscientes provém do meio externo, portanto, a apreensão de uma situação objetiva baseada em sensações acompanhada de juízos. 1.2 Questões norteadoras e objetivos Com base no problema e objeto de estudo, foram elaboradas as seguintes questões norteadoras, que serviram para estruturar esta pesquisa: Que práticas integrativas e complementares são utilizadas por mulheres com câncer de mama? Como percebem os efeitos das práticas integrativas e complementares em sua qualidade de vida? Considerando a problemática, objeto de estudo e questões norteadoras foram traçados os seguintes objetivos: Descrever as práticas integrativas e complementares utilizadas por mulheres com câncer de mama. Analisar a percepção da mulher com câncer de mama sobre os efeitos das práticas integrativas e complementares em sua qualidade de vida. 1.3 Justificativa e contribuições do estudo Realizar este estudo justifica-se pela importância da temática para a Enfermagem, já que a cada dia cresce a adesão a práticas integrativas e complementares no tratamento de diversas enfermidades e, principalmente, entre

22 20 pacientes oncológicos, e essas terapias atuam na promoção da saúde, prevenção, tratamento e reabilitação de diversas doenças. Assim, um estudo desse tipo mostrará o impacto que essas práticas trazem para a qualidade de vida das mulheres com câncer de mama e poderá servir de subsídios para a elaboração de estratégias que introduzam essas terapias de forma efetiva na assistência dos serviços de saúde em geral e, sobretudo, nos de tratamento de câncer. Observa-se que, de uma maneira geral, há uma carência de estudos qualitativos que mostrem os efeitos do uso de práticas integrativas e complementares em tratamentos de doenças. Em sua maioria os trabalhos utilizam abordagem quantitativa e são de caráter experimental, com o objetivo de saber como acontece o uso dessas terapias. Diante dessa realidade, torna-se necessária a realização de pesquisas que aprofundem a compreensão sobre os sentidos, entendimentos, percepções, experiências e vivências de pacientes sobre o uso de práticas integrativas e complementares. Estudos têm mostrado que essas terapias são seguras e eficazes se utilizadas corretamente e orientadas por profissionais capacitados. Utilizar essas práticas sem a orientação de um profissional é um risco à saúde. Portanto, deverá ser desenvolvida uma atitude profissional direcionada para o papel educativo em saúde. Nesse contexto, a enfermeira 1 exerce papel fundamental, pois o contato direto e mais profundo com a população permite educá-la e esclarecê-la quanto ao uso benéfico ou não dessas técnicas, seja em hospitais, em centros de saúde ou junto à comunidade. Para que isso ocorra é necessária a capacitação técnicocientífica em terapias integrativas e complementares, pois a falta de conhecimento sobre elas acabaria por prejudicar sua adoção no cotidiano de trabalho. O conhecimento dessas práticas deve ter suas bases ainda na graduação em Enfermagem, com a inserção obrigatória de práticas integrativas e complementares no conteúdo curricular do curso. Assim, o estudante de hoje, que refletirá no profissional de amanhã, estará mais preparado para prestar uma assistência holística ao indivíduo. Também as atualizações dos profissionais de saúde nessas práticas devem ocorrer em um processo contínuo por meio de 1 Neste estudo será utilizada a denominação enfermeira(s) para representar o gênero masculino e feminino, devido a Enfermagem ser uma categoria em que predominam as mulheres. Porém, nas fontes bibliográficas e transcrições, quando o termo estiver no masculino, assim permanecerá.

23 21 educação permanente, pois vem ao encontro das necessidades do contexto da prática. A educação permanente é necessária para que os profissionais construam conhecimentos e os fortaleçam. Os programas educacionais preparam os capacitados para darem suas contribuições no âmbito social, promovendo a valorização dos recursos humanos. O profissional preparado faz a diferença e seu saber faz parte do cuidado integral (PARNAGUÁ; BEZERRA, 2008). O estudo sobre as práticas integrativas e complementares é hoje uma necessidade para a Enfermagem, tendo em vista que o conhecimento profundo de seus princípios resultará na ampliação do campo de atuação da enfermeira, podendo esta conduzir a efetivas intervenções terapêuticas. Todavia há que se estimular essa discussão como responsabilidade de todos os envolvidos: docentes, enfermeiras do serviço e dos próprios graduandos, tendo em vista serem as práticas integrativas e complementares um novo cenário no mercado de trabalho da área da saúde, que se mostra promissor.

24 22 2 REFERÊNCIAS CONCEITUAIS

25 23 É primordial a abordagem de alguns aspectos conceituais relacionados a toda a problemática do câncer de mama, como sua sintomatologia, tratamento convencional e a busca por novas possiblidades, e aí se inserem as práticas integrativas e complementares. A partir daí se discorre sobre as práticas integrativas e complementares, abordando conceitos e definições, bem como os aspectos históricos, políticas de saúde, a inserção na enfermagem e sua relação com a qualidade de vida. Essa explanação irá auxiliar no entendimento sobre a percepção das mulheres com câncer de mama sobre os efeitos das práticas integrativas e complementares em sua qualidade de vida. 2.1 O Câncer de mama: sintomatologia, tratamento convencional e a busca por novas possibilidades As neoplasias constituem-se em um grupo vasto e heterogêneo de doenças, que se caracterizam pelo crescimento anormal e pela capacidade de disseminação para os demais tecidos do organismo, ocorrendo modificações na função de genes responsáveis pela proliferação, a diferenciação e a morte celular. Essas mutações podem ser herdadas ou adquiridas, por meio de processos considerados endógenos ou pela exposição a fatores ambientais (SCHWARTSMANN; MARTELETE, 2006). O câncer, principalmente o de mama, é uma doença de significação diferenciada, pois há toda uma simbologia que permeia o processo de construção social da doença, uma vez que a sua vivência transcende a dimensão biológica do fenômeno. Ele é provavelmente o mais temido pelas mulheres, devido a sua alta frequência e pelo fato de ser uma doença que resulta em mutilação da mama, e muitas vezes a morte. Consequentemente se desenvolve uma diversidade de sentimentos negativos, tais como ansiedade, choque, desespero, depressão e medo, que geram estresse e diminuem a qualidade de vida destas mulheres. Apesar de ser considerado um câncer de relativamente bom prognóstico, se diagnosticado e tratado oportunamente, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas no Brasil, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados (BRASIL, 2009a).

26 24 O câncer de mama apresenta um grande número de fatores de risco, os principais são: idade; história pessoal ou familiar de câncer de mama; exposição à radiação ionizante; obesidade, principalmente em mulheres pós-menopausa ou após os 60 anos; terapia de reposição hormonal, devido aos hormônios femininos estrogênio e progesterona; uso de bebida alcoólica. Outros fatores são história ginecológica, menarca precoce ou menopausa tardia, história de doença mamária proliferativa benigna, nuliparidade e primeira gestação tardia (BEREK, 2005). A causa específica para a transformação maligna da célula epitelial ductal da mama é considerada ainda desconhecida. A gênese do tumor é um processo de vários estágios, desencadeado por carcinógeno, que provoca lesões genéticas e epigenéticas em células susceptíveis, cuja vantagem é crescer seletivamente e favorecer uma expansão clonal, que tem como resultado a ativação do protooncogenes ou inativação de genes supressores de formação tumoral (MACHADO et al., 2009). Desde o início da formação do câncer até a fase em que ele pode ser descoberto pelo exame físico, isto é, a partir de um centímetro de diâmetro, passam em média dez anos. Estima-se que o tumor duplica de tamanho a cada período de 3-4 meses. No início da fase subclínica, tem-se a impressão de crescimento lento, porém, depois que o tumor é palpável, a duplicação é facilmente perceptível. Se não tratado, o tumor desenvolve metástase, mais comumente nos ossos, pulmões e fígado (BRASIL, 2006b). De acordo com o Ministério da Saúde, os sintomas do câncer de mama palpável são o nódulo ou tumor no seio, acompanhado ou não de dor mamária. Podem surgir alterações na pele que recobre a mama, como abaulamentos ou retrações ou um aspecto semelhante à casca de laranja. Também podem surgir nódulos palpáveis na axila (BRASIL, 2006b). Contudo, as características biológicas, os atuais conhecimentos sobre o câncer de mama e a disponibilidade de recursos tecnológicos não justificam a adoção de programas de prevenção primária que evitem o aparecimento da doença. Os maiores esforços relacionados ao controle dessa doença está dirigida às ações de detecção precoce, ou seja, a descoberta de tumores mamários ainda pequenos, com doença restrita ao parênquima mamário. Assim, o exame clínico das mamas e a mamografia constituem estratégias recomendadas para o rastreamento do câncer de mama. Atualmente, o autoexame das mamas não é estimulado como estratégia

27 25 isolada para a detecção precoce, e sim, como ação de educação para saúde que contempla o conhecimento do próprio corpo (BRASIL, 2008). No Brasil, o Ministério da Saúde recomenda que todas as mulheres a partir de 40 anos de idade realizem anualmente, para a detecção precoce do câncer de mama, o rastreamento por meio do exame clínico. Esse procedimento é ainda compreendido como parte do atendimento integral à saúde da mulher, e deve ser realizado em todas as consultas clínicas, independente da faixa etária. Também se recomenda o rastreamento por mamografia para as mulheres com idade entre 50 a 69 anos, com o intervalo máximo de dois anos entre os exames. Para as mulheres pertencentes a grupos populacionais com risco elevado de desenvolver câncer de mama, o exame clínico e a mamografia anual são recomendados a partir dos 35 anos de idade (BRASIL, 2004). O exame clínico da mama é parte fundamental da propedêutica para o diagnóstico de câncer. Deve ser realizado como parte do exame físico e ginecológico e constitui a base para a solicitação dos exames complementares. Já a mamografia é um procedimento diagnóstico que identifica alterações ou sinais de malignidade nas mamas, mesmo ainda não perceptíveis ao exame clínico, ou seja, antes de tornar-se uma lesão palpável. O diagnóstico é feito por meio das características das imagens radiológicas. A lesão benigna é homogênea, de bordas lisas e sem alterações secundárias nas mamas. Já a maligna apresenta-se como nódulo irregular e pode causar alterações secundárias no parênquima mamário e na pele (BRASIL, 2008) Dependendo do estágio e do tipo de câncer, da idade e das condições da mulher, o tratamento pode ser realizado basicamente por quatro abordagens: a cirurgia (mastectomia unilateral, bilateral, total ou parcial) e radioterapia, como tratamentos locais; a quimioterapia e a terapia com agentes biológicos, como hormônios, anticorpos ou fatores de crescimento, como tratamentos sistêmicos. Os métodos convencionais são eficazes no tratamento ao câncer, porém trazem efeitos extremamente agressivos ao organismo e causam diversos efeitos colaterais (ANJOS; ZAGO, 2006). O tratamento cirúrgico é o mais antigo, principalmente de tumores sólidos. Sua indicação vai depender do estadiamento clínico e do tipo histológico, podendo ser conservadora, fazendo a ressecção do seguimento da mama (setorectomia,

28 26 tumorectomia alargada, e quadrantectomia), com retirada de gânglios axilares, ou não conservadora, que consiste na mastectomia (MACHADO et al., 2009). A radioterapia tem o objetivo de destruir as células remanescentes após a cirurgia ou de reduzir o tamanho do tumor antes da cirurgia. Após cirurgias conservadoras, deve ser aplicada em toda a mama da paciente, independentemente do tipo histológico, idade, uso de quimioterapia ou hormonioterapia ou mesmo das margens cirúrgicas livres de comprometimento neoplásico (BRASIL, 2004). A quimioterapia é amplamente utilizada para o controle da doença, devido à estratégia de tratar micrometástase. Constitui a unidade de tratamento sistêmico, sendo classificada em adjuvante, neoadjuvante e paliativa. A adjuvante antecede os tratamentos locorregionais. Na neoadjuvante, a terapia locorregional é feita previamente. Já na paliativa, o objetivo é reduzir as células tumorais, diminuindo os sinais e sintomas relacionados à doença (MACHADO et al., 2009). As diversas modalidades de tratamento do câncer de mama garantem uma maior expectativa de vida das pacientes, contudo, muitas vezes produzem efeitos indesejados a nível biopsicossocial, que repercutem no bem estar e na qualidade de vida da mulher. Assim, de acordo com Elias, Alves e Tubino (2006) e Jaconodino; Amestoy e Thofehr (2008), o paciente, diante do diagnóstico de câncer, muitas vezes deseja experimentar o que for possível para enfrentar a gravidade de sua doença. Dessa forma, buscam diversas possibilidades de cura, como suporte físico e emocional fora da medicina alopata. Dessa forma, um número significativo de portadores de câncer usa ou considera a possibilidade de usar as práticas integrativas e complementares em seu tratamento. Um estudo realizado na Nigéria mostrou que o uso de práticas integrativas e complementares é comum em pacientes com câncer. De 160 pacientes entrevistados, 104 afirmaram utilizar essas práticas em algum momento do curso da doença (EZEOME; ANARADO, 2007). No Japão, um estudo realizado por Hyodo et al., (2005) revelou uma alta prevalência do uso de práticas integrativas e complementares em paciente com câncer. Nos Estados Unidos, Gross, Liu e Bauer-Wu (2007) realizaram uma pesquisa para avaliar a prevalência e os preditores demográficos do uso de práticas complementares em uma amostra de mulheres com câncer de mama e verificaram que dos 173 participantes, 78% usaram pelo menos um tipo de terapia complementar, 43% utilizaram dois ou mais tipos, e 23% usaram três ou mais tipos,

29 27 excluindo as práticas espirituais e exercícios físicos. Ao incluir práticas espirituais e exercícios físicos, 90% usaram pelo menos uma terapia complementar, 70% usaram dois ou mais tipos, e 45% usaram três ou mais tipos. Os citados autores concluíram, então, que o uso de terapias integrativas e complementares é generalizado entre os pacientes com câncer de mama, particularmente entre aqueles que são mais jovens e culturalmente qualificados. No Brasil, as investigações sobre a temática são escassas, principalmente em pacientes com câncer de mama. Porém um estudo realizado por Cruz, Barros e Hoehne (2009), cujos objetivos eram identificar a prevalência do uso de práticas alternativas e complementares entre pacientes com neoplasias mamárias tratadas no Ambulatório de Mama do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM), Unicamp, e os motivos para o uso desses tratamentos, revelou que, apesar de 90,2% das entrevistadas negarem o uso de algum tipo dessas práticas, 96,3% faziam menção ao uso de pelo menos uma dessas terapias no decorrer das entrevistas. A prática mais utilizada era a oração, seguida de grupos de apoio, ervas e dieta. Observa-se, portanto, que em diversas partes do mundo existe uma busca crescente pelo uso de práticas integrativas e complementares entre os pacientes com câncer. Tal fato não dever ser ignorado por profissionais de saúde, principalmente as enfermeiras, que devem buscar continuamente educação profissional em relação às terapias integrativas e complementares para que estejam aptos a realizar uma orientação adequada para seu uso, contribuindo, assim, para a melhoria na qualidade de vida de seus pacientes e para a redução dos possíveis riscos decorrentes desses tratamentos. 2.2 Aspectos históricos, políticas de saúde e inserção na enfermagem nas práticas integrativas e complementares A estrutura conceitual das práticas complementares e alternativas obedece a um princípio mais amplo e integrado de saúde e doença e adota a concepção de ser humano como unidade inseparável de corpo, emoção e mente, que tem suas raízes na tradição da medicina hipocrática. Essa tradição, que permaneceu até o século

30 28 XV, concebia a saúde como um estado de equilíbrio entre as influências ambientais e as forças inerentes aos organismos vivos, e a doença como um distúrbio que envolvia a pessoa de uma forma holística, ou seja, não só o seu corpo, mas também a sua mente (NAGAI, 2005). Porém, a partir dos séculos XVI e XVII, com a revolução científica, o mundo da ciência foi reduzido a fenômenos matemáticos e quantificáveis, e o holismo deu lugar ao reducionismo e mecanicismo. Nesse contexto, a doença é encarada como um mau funcionamento de mecanismos estritamente biológicos. Perde-se então a noção do todo sistêmico e dinâmico (CARNEIRO; SOARES, 2004). Porém, no final da década de 60 do século XX, observa-se um movimento de resgate de valores e concepções holísticas perdidos na dimensão terapêutica da biomedicina que reduziu a perspectiva terapêutica com a desvalorização da abordagem do modo de vida, valores, dos fatores subjetivos e sociais relacionados ao processo saúde-doença (SOUZA; LUZ, 2009, TESSER, 2006). Assumiu-se esse novo paradigma científico com base em uma nova visão de mundo, cujo principal motivo não é mais a fragmentação da realidade e a especialização profissional, mas a construção integradora ou holística de uma realidade em sintonia com um cosmo mais amplo (NAGAI, 2003). Na década de 70, essas práticas foram reforçadas após a Conferência Internacional sobre Atenção Primária em Saúde em Alma-Ata, em A Declaração de Alma Ata reconheceu, pela primeira vez oficialmente, seus praticantes como trabalhadores de saúde, sua importância para o cuidado à saúde das populações e a necessidade de intercâmbio de informações entre os diversos modelos das mesmas nos sistemas mundiais de saúde (BRASIL, 2009b). Ao final da década de 70, a OMS criou o Programa de Medicina Tradicional, objetivando a formulação de políticas na área. Desde então, em vários comunicados e resoluções, a OMS expressa o seu compromisso em incentivar os Estadosmembro a formularem e implementarem políticas públicas para uso racional e integrado da Medicina Tradicional com a Medicina Complementar e Alternativa nos sistemas nacionais de atenção à saúde e para o desenvolvimento de estudos científicos com o fim de melhor conhecer sua segurança, eficácia e qualidade. O documento Estratégia da OMS sobre Medicina Tradicional vem reafirmar o desenvolvimento desses princípios (BRASIL, 2006a).

31 29 No Brasil, a legitimação e institucionalização das práticas integrativas e complementares têm expressão histórica e faz parte das demandas coletivas desde a criação do SUS, por meio das Conferências Nacionais de Saúde. A Oitava Conferência Nacional de Saúde é considerada um marco para a oferta das práticas integrativas no sistema de saúde do Brasil, pois, pautada pela reforma sanitária, deliberou em seu relatório final a introdução de práticas alternativas de assistência à saúde no âmbito dos serviços de saúde, possibilitando ao usuário o acesso democrático de escolher a terapêutica preferida (BRASIL, 2009b). Contudo, a instituição de um grupo de trabalho específico para a elaboração da política se deu apenas em 2003, com estudos sobre a inserção das práticas integrativas e complementares no SUS a partir de Assim, no dia 03 de maio de 2006, ocorreu a aprovação e publicação da Portaria nº 971 da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS- PNPIC (ANEXO A). Ao atuar nos campos da prevenção de agravos e da promoção, manutenção e recuperação da saúde baseada em um modelo de atenção humanizada e centrada na integralidade do indivíduo, essa política contribui para o fortalecimento dos princípios fundamentais do SUS (BRASIL, 2006a). As práticas integrativas e complementares podem ser adotadas tanto por profissionais médicos como por outros profissionais, incluindo-se aí as enfermeiras. Porém é de fundamental importância definir quem poderá praticá-la ou não, a partir de uma ampla discussão e pelo compartilhamento de experiências com outros países (BRASIL, 2009a). A Enfermagem é uma das profissões com respaldo legal para o desenvolvimento dessas práticas. O Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), na Resolução COFEN 197/97, estabelece e reconhece as Terapias Alternativas como especialidade e/ou qualificação do profissional de enfermagem, desde que ele conclua e tenha sido aprovado em curso reconhecido por instituição de ensino ou entidade congênere, com uma carga horária mínima de 360 horas (COFEN, 2007). Mais que qualquer profissional, a enfermeira tem sua formação voltada para o atendimento integral do ser humano, nos níveis de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde. A partir das práticas integrativas, ela adquire novos meios de auxiliar a si mesma, a seus familiares, aos usuários, clientes e funcionários de uma unidade de trabalho e aos outros que a procuram (NUÑEZ, 2002).

32 30 Ainda de acordo com Nuñez (2002), diversas enfermeiras têm abordado as práticas integrativas e complementares em seus estudos, sendo a Dra. Maria Jacyra Nogueira, em 1983, uma das pioneiras, com sua tese de Livre Docência A Fitoterapia Popular e a Enfermagem Comunitária. Há ainda diversos núcleos de trabalho que vêm pesquisando essas práticas de norte ao sul do país, e muitas pesquisas foram apresentadas isoladamente em eventos científicos. Os méritos das práticas complementares estão obtendo reconhecimento da população, da sociedade formal e em parte da ciência biomédica particularmente no que se refere à experiência com o processo adoecimento-cuidado-cura e ao estímulo do potencial de reequilíbrio e cura do próprio paciente, com uma relação de maior solidariedade e proximidade entre curador-doente, maior satisfação com abordagem filosófica cosmológica e de significação (holística) nos adoecimentos, proporcionada no campo dessas práticas (TESSER, 2009). Assim, analisando-se toda a trajetória histórica na qual estão inseridas as práticas integrativas e complementares, observa-se, ao final da década de 60, que houve uma necessidade de resgate de práticas com abordagem holística, perdidas com as transformações no sistema de assistência à saúde com o advento do capitalismo. Nesse novo contexto, o sujeito reassume seu papel ativo no processo saúde-doença, e a concepção de saúde está intrinsecamente ligada ao bem estar físico, mental, social e espiritual. Percebe-se que muito já se tem avançado, principalmente após a implantação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares, porém ainda há desafios importantes a serem superados, como aqueles relativos à qualificação massiva de profissionais, o fomento à pesquisa, e a efetivação dessas praticas na assistência. 2.3 As práticas integrativas e complementares utilizadas nas mulheres com câncer de mama As práticas integrativas e complementares têm consolidado seu espaço junto às práticas de saúde. Adotada de maneira individual ou articulada ao tratamento alopático, essas práticas são um novo campo de atuação na assistência. As terapias, que eram fruto das tradições culturais, passaram a serem validadas e

33 31 adquiriram cientificidade e reconhecimento pela biomedicina e pelos profissionais da saúde, em especial os enfermeiros, como importante recurso terapêutico para a população. A resolução de agravos à saúde mostra-se permeada da influência de práticas, crenças, valores e recursos populares. Dessa forma, a utilização de terapias integrativas e complementares na prevenção e resolução de problemas de saúde é uma realidade que precisa ser considerada no contexto saúde-doença (PARANAGUA; BEZERRA, 2008). As terapias complementares são abordagens que visam à assistência à saúde do indivíduo, seja na prevenção, tratamento ou cura, considerando-o como corpo, mente e espírito, não o enfocando como um conjunto de partes isoladas. Essas práticas ainda podem ser definidas como um grupo de sistemas médicos e de cuidado à saúde, práticas e produtos que não são presentemente considerados parte da biomedicina (CEOLIN, 2009; NATIONAL CENTER OF COMPLEMENTARY AND ALTERNATIVE MEDICINE, 2010). As denominações das práticas variam, e é preciso ressaltar que as diferenças de terminologia trazem toda a carga cultural envolvida. O que no Brasil se chama de práticas integrativas e complementares, no México, por exemplo, é conhecido como medicina complementar e integrativa e, em alguns outros países, terapia alternativa e complementar (BRASIL, 2009a). Segundo o National Center of Complementary and Alternative Medicine (2010), quando elas são usadas junto com práticas da biomedicina, são chamadas complementares; quando são usadas no lugar de uma prática biomédica, consideradas alternativas; e quando são usadas conjuntamente, baseadas em avaliações científicas de segurança e eficácia de boa qualidade, chamadas integrativas. De acordo com Fontanella et al. (2007), o termo Medicina Alternativa não seria o mais adequado, pois nem sempre as terapias convencionais são substitutivas, mas sim, complementares ou integrativas entre si. Assim, neste estudo, optou-se por utilizar o termo Práticas Integrativas e Complementares, por considerar-se mais abrangente e por ser a denominação adotada pelo Ministério da Saúde. Porém, nas fontes bibliográficas, quando a terminologia utilizada for Terapias Alternativas e/ou Complementares, assim permanecerá.

34 32 Segundo Hill (2003), as correntes terapêuticas básicas das medicinas alternativas classificam-se em quatro: Medicina Oriental, Hindu ou Ayurvédica, Homeopática e a Medicina ampliada pela Antroposofia. A medicina oriental baseia-se na convicção de que a humanidade é uma parte importante da natureza e de que a saúde só pode ser obtida se o homem reconhecer, clara e ativamente, esse fato essencial. Inversamente, a doença é uma consequência da incapacidade de viver em harmonia com as leis da natureza. Sua maior contribuição diz respeito ao campo da prevenção e do auto-tratamento das doenças (TARA, 2003). Com uma visão holística do ser humano, a medicina ayuvérdica é antes uma ciência preventiva do que uma prática médica intervencionista. Para ela, o ser humano adoece por ignorância da própria vida, da vida em harmonia consigo mesmo e com o ambiente ao seu redor. Essa harmonia depende de uma respiração correta, dieta adequada, prática regular de atividades físicas e bons desempenhos nas esferas social, profissional e sexual. Quando em desequilíbrio, o organismo envia sinais que, se tratados, evitam a instalação de doenças (BOTSARIS; MEKLER, 2004). A Homeopatia é o nome do sistema médico descoberto no final do século XVIII por Samuel Christian Hahnemann, que se baseia no princípio de que quanto menor for a quantidade de substância medicamentosa presente na dose, mais potente será seu efeito. Sua tarefa é selecionar o remédio, segundo os sintomas e escolher a potência mínima na menor dose possível para conseguir a cura (SHARMA, 2003). A Medicina Antroposófica é outro recurso complementar utilizado na assistência à saúde. Seu processo de trabalho é focado em equipes multidisciplinares, dispõe de metodologia científica própria, além de uma abordagem integrada da fisiologia, da fisio-patologia e da terapêutica, com uma visão voltada para o corpo, que contempla quatro organizações (eu, anímico, vital e físico) e três sistemas orgânicos funcionais (neuro-sensorial, rítmico, e metabólico-motor), correspondendo a terapias diversas, tais como: banhos; massagens; terapia artística; terapia externa, que são escalda-pés, enfaixamentos, compressas e emplastros à base de chás, óleos e pomadas fitoterápicas; terapia medicamentosa, que compreende diferentes farmacopeias, como terapia alopática, fitoterápica e à base de dinamizados (BRASIL, 2009a).

35 33 Dentro dessas correntes terapêuticas, pode-se observar a existência de uma grande diversidade de práticas integrativas e complementares, nem sempre pertencentes a uma única corrente. A exemplo, tem-se o uso da fitoterapia, que é utilizada tanto na medicina chinesa, quanto na ayurvédica, homeopática e antroposófica, diferenciando-se apenas pelo enfoque dado por cada corrente. Além da fitoterapia, observam-se diversas práticas integrativas e complementares conhecidas e utilizadas por diversos pacientes no tratamento de suas enfermidades, como, por exemplo, pelas mulheres com câncer de mama deste estudo. Entre elas, citam-se o yoga, a terapia comunitária, a fitoterapia, a argiloterapia e as práticas religiosas que serão discorridas a seguir: Yoga: De forma geral, a palavra sânscrita yoga quer dizer união e, nos sistemas filosóficos e religiosos indianos, significa união consciente entre os aspectos material e espiritual do homem. Seu objetivo final é o alcance da integração (BLAY, 2004). O Yoga é uma filosofia que abrange os vários aspectos da vida humana: espiritual, emocional, mental e físico. Embora seja, na atualidade, utilizado para fins terapêuticos, na realidade não foi criado com este objetivo. Originalmente, o yoga era um sistema de aperfeiçoamento individual ou de evolução consciente que transcendeu esse patamar e transformou-se em anos de existência conhecida (WORTHINGTON, 2003). Ainda de acordo com o autor, há um século, quando o yoga chegou ao Ocidente, trazido por soldados e funcionários que regressavam da Índia, e através da Sociedade Teosófica, as formas que predominavam eram o gnama yoga (yoga espiritual), o bhakti yoga (yoga emocional) e o haja yoga (yoga mental). Apenas alguns anos depois o hatha yoga (yoga físico) surgiu, inclusive na Índia, e ganhou popularidade. O Hatha Yoga é o tipo mais popular do Ocidente e busca alcançar a integração pelo domínio interno e externo do corpo. Para isso, combina exercícios posturais ( ásanas ), relaxamento e controle voluntário da respiração ( pranayamas ) (CHANAVIRUT et al., 2006). Ásanas é a parte mais conhecida do sistema. Sua tradução literal é postura, e geralmente tem nomes de animais ou coisas relacionadas à natureza. Elas guardam semelhança com exercícios de alongamento e são posturas que

36 34 devem ser mantidas em conforto e estabilidade por um tempo razoável, de acordo com o envolvimento do praticante. Esse mecanismo livrará a mente de tensões ou inquietações para acionar os mecanismos sutis de percepção, colocando o indivíduo em maior contato com ele mesmo e reestabelecendo, assim, um relacionamento de estabilidade entre seu corpo e sua mente. Dessa forma, o praticante perceberá e superará as dificuldades de cada exercício, não só no plano físico, mas também no mental (RODRIGUES, 2006). Ainda de acordo com Rodrigues (2006), as posturas são divididas em três grupos: 1. Culturais, que reestabelecem o equilíbrio fisiológico nos vários sistemas do corpo humano, para que se obtenha máximo vigor orgânico. Destina-se principalmente à coluna vertebral e promove força e flexibilidade aos seus músculos; 2. De relaxamento cuja manutenção tem como única atividade mecanismos indispensáveis à sobrevivência humana, como a respiração; e 3. As posturas de meditação, que podem ser mantidas por horas, sem desconforto. Os pranayamas são exercícios respiratórios com controle consciente, nos quais as três etapas, respiração-aspiração, retenção e expiração, variam de diversos modos. Esses exercícios costumam ser repetidos até dez vezes. Podem, contudo, produzir uma sensação de enjôo, devido ao excesso de dióxido de carbono produzido na corrente sanguínea (WORTHINGTON, 2003). Os pranayamas melhoram o funcionamento respiratório e formam um dos mais importantes canais de acesso para as emoções. O trabalho respiratório é uma porta de entrada para o sistema nervoso, constituindo-se numa técnica importante para a prática posterior do yoga, que é a meditação (RODRIGUES, 2006). O Hatha Yoga é considerado por muitos uma forma alternativa de atividade física e se popularizou no Ocidente devido à semelhança de suas posturas com exercícios físicos convencionais e aos resultados alcançados com a utilização de suas técnicas sobre a saúde, condicionamentos físicos e padrões estéticos (SILVA, 2005). Semelhante à atividade convencional, acredita-se que as práticas da postura do Hatha Yoga proporcionam o aumento da força muscular, flexibilidade, melhora do equilíbrio e outras adaptações fisiológicas. Contudo, é importante observar que, enquanto o objetivo da ginástica é a saúde física, o do Yoga é a saúde mental, passando pela física (HAGINS; MOORE; RUNDLE, 2007; BLAY, 2004).

37 35 Assim, por ter uma visão holística e enfocar simultaneamente os aspectos físicos, mentais e espirituais, o yoga contribui para a melhoria da qualidade de vida e bem estar geral dos indivíduos. Terapia Comunitária Integrativa Sistêmica A Terapia Comunitária constitui uma prática integrativa de efeito terapêutico, destinada à prevenção na área de saúde e a atender grupos num contato face-aface, com o interesse comum de aliviar seu sofrimento e buscar bem-estar. Ela promove a construção de vínculos solidários e cria uma rede de apoio social, em que a comunicação busca resolver problemas que estão ao alcance da coletividade (FUKUI, 2004). De acordo com Barreto (2008), a Terapia Comunitária é um espaço no qual pessoas em situação de crise e sofrimento têm a oportunidade de externar sua dor e seus conflitos. Ela propicia aos seus participantes experimentar a ajuda do grupo, que oferece apoio e suporte, e oportuniza, assim, a expressão de sofrimento e reposição de energias sem o risco de exclusão, valorizando cada experiência. Camarrroti et al. (2003) acrescenta que essa prática surgiu para ser espaço de fala das situações que promovem sofrimento, angústia e da possibilidade de prevenção dos efeitos do estresse do cotidiano das pessoas, visando garantir a elas o resgate da autoestima necessária para a implementação de mudanças em suas vidas. A terapia Comunitária nasceu das queixas sociais apresentadas por pessoas que moravam na favela de Pirambú, em Fortaleza-Ce. Essas queixas se concentravam em problemas psicológicos e de relacionamento familiar, levadas ao Projeto de Apoio aos Direitos Humanos de Pirambú. Tal projeto é de criação de Aírton Barreto, advogado, que ainda quando estudante optou por viver de perto os problemas das pessoas dessa comunidade. Adalberto de Paula Barreto, seu irmão, médico psiquiatra, doutor em Antropologia pela Universidade de Lion II, na França, e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) foi seu apoio, pois solicitou ajuda para atendimento a essa população (BARRETO, 2008). Ainda conforme Barreto (2008), os primeiros atendimentos foram realizados de forma individual, em locais distantes de Pirambú. A demanda cresceu e, pouco tempo depois, Aírton convidou o irmão para realizar atendimento no próprio local de moradia das pessoas. Sabendo que não conseguiria oferecer atenção individual

38 36 adequada àquela população, o Prof. Adalberto Barreto sistematizou uma técnica própria para realizar esses atendimentos. Para ele, seria necessário que esse novo método fosse coletivo, estimulasse a participação de todos e contribuísse para o fortalecimento da rede social daquele grupo de pessoas. Dessa forma, surgiu a Terapia Comunitária. A Terapia Comunitária já é utilizada em outros países, como a Suíça, a França e o México. No Brasil, já está presente em todos os estados. Ela é considerada uma prática integrativa terapêutica que tem a finalidade de promover saúde e prevenir o adoecimento, ajuda na promoção da cidadania, no fortalecimento da identidade cultural das comunidades, das redes sociais solidárias e possibilita aos indivíduos e às famílias o desenvolvimento da autonomia e das bases necessárias para o equilíbrio pessoal e social (GUIMARÃES, 2006). Na Terapia Comunitária, o conhecimento científico é agregado ao saber popular. Os encontros são transformados em um ambiente em que se produz um saber procedente da experiência pessoal. Ao longo dos anos, essa prática terapêutica tem demonstrado eficácia na promoção da autoestima e prevenção do adoecimento mental (CARÍCIO, 2010). Conforme Barreto (2008), a Terapia Comunitária pode ser realizada em contexto e espaços diversificados, pode acontecer em locais públicos, como parques, clubes, salas de espera, ambulatórios, salas de aula, igrejas ou qualquer outro local em que as pessoas vivem e que frequentam. Deve ser realizada com regularidade semanal ou quinzenal, de acordo com a participação. Cada encontro dura aproximadamente duas horas e é desenvolvido em seis momentos: acolhimento, escolha do tema, contextualização, problematização, encerramento e avaliação. Na visão de Barreto (2008), a Terapia Comunitária está fundamentada teoricamente em cinco pilares conceituais: Teoria da Comunicação, Antropologia Cultural, Resiliência, Teoria Sistêmica e Pedagogia de Paulo Freire. A Teoria da Comunicação enfatiza a comunicação como o elemento que une os indivíduos no seu grupo social e considera que todo comportamento é comunicação, que pode acontecer de forma verbal ou não verbal, indo além das palavras. A Antropologia Cultural considera as diferentes culturas onde as pessoas estão inseridas como um elemento de referência fundamental na identidade pessoal e grupal. E é a partir dessa referência que os indivíduos se afirmam, aceitam-se e assumem sua

39 37 identidade. A resiliência consiste na superação de uma dor profunda transformada em sabedoria para lidar com esse tipo de sofrimento. A Teoria Sistêmica chama atenção para a questão de que as crises e os problemas individuais só podem ser resolvidos se percebidos dentro de um contexto biopsicossocial. Já a Pedagogia Freiriana considera que todos os indivíduos têm experiência e conteúdo a trocar, aprendendo e ensinando em uma constante sinergia. A Terapia Comunitária constitui assim uma importante prática para mulheres com câncer de mama, tendo em vista que a troca de experiências no grupo empodera essas mulheres e lhes dá mais habilidade para enfrentar o câncer, melhora a sua auto-estima e a própria imagem corporal e contribui positivamente para a melhoria de sua vida. Fitoterapia A palavra fitoterapia, formada pelos radicais gregos phyton (planta) e terapia (tratamento), foi criada para definir diversas tradições populares de tratamento, nas quais as plantas medicinais são utilizadas (BOTSARIS; MEKLER, 2003) As substâncias fitoterapêuticas são muito utilizadas na medicina tradicional e nas terapias complementares. Por serem naturais, as pessoas acreditam que as plantas medicinais são necessariamente melhores ou mais seguras que os fármacos preparados (DUCAN et al., 2006). De acordo com Hill (2003), as fitoterapias podem ser utilizadas de diversas modalidades, como a Terapia aromática, os Florais de Bach, Vita Florum, Exultação de Flores e Medicina Herbária. A Medicina Herbária pode ser definida como a ciência de reestabelecer a saúde por meio de remédios vegetais. Ela pode utilizar-se de diferentes órgãos de uma planta, como a raiz, o rizoma, o caule, as folhas, as flores, os frutos ou as sementes, de tecidos como casca e a madeira, e de gomas e resinas obtidas pela exsudação das incisões feita na planta, ainda que um grande número de pequenas plantas anuais seja utilizado integralmente (HYDE, 2003). As plantas medicinais podem ser utilizadas para tratar diversas doenças, sendo que nas graves deve ser associada à outra terapêutica, a fim de melhorar seus próprios resultados e para reduzir os efeitos colaterais provocados por outros medicamentos (BOTSARIS; MEKLER, 2003). Apesar dos grandes avanços na indústria farmacêutica, que a cada dia fabrica drogas mais potentes para o tratamento de doenças, observa-se que uma

40 38 grande diversidade de plantas é utilizada na medicina popular para o tratamento de diversas enfermidades. Entre as plantas medicinais, observa-se que algumas têm o uso mais popular para o tratamento de específicas doenças. Assim, podem-se citar plantas popularmente conhecidas como a babosa, o ipê-roxo, a mangaba, a ameixa, a janaguba, o noni e o cachorro pelado, utilizadas no tratamento do câncer. A babosa é o nome popular dado a uma planta africana pertencente à família das Liliáceas e do gênero Aloe, à qual pertencem mais de 300 espécies, muitas delas utilizadas em diversos países, inclusive no Brasil, para fins medicinais e na cosmética. Entre as espécies existentes, as mais conhecidas são: Aloe socotrina, Aloe arborescens, Aloe chinensis, Aloe ferox e Aloe vera, essa última, a mais estudada pelas indústrias alimentícia, farmacêutica, cosmética e fitoterápica (BACH; LOPES, 2007). A Aloe vera, uma planta com caule curto e estolonífero e raízes abundantes, longas e carnosas, e que possui características de climas tropicais e subtropicais. Deve ser cultivada em solos protegidos de geadas e ventos frios, tendo em vista que é uma planta de plena luz (CASTRO; RAMOS, 2002) O uso terapêutico da babosa data de milhares de anos, desde os povos antigos, como gregos, judeus, egípcios, árabes, africanos, europeus e, mais recentemente, povos do continente americano. Ela tem sido utilizada na medicina tradicional, na cura de diversos males, como as doenças de pele, danos por irradiação, afecções dos olhos, desordens intestinais e doenças virais. Apresenta ação cicatrizante, anti-inflamatória, protetora da pele, tendo ainda propriedade bactericida, laxante e desintoxicante. É muito utilizada nas lesões de pele, devido ao seu poder emoliente e suavizante. Além das vitaminas C, E, do complexo B e ácido fólico, contém minerais, aminoácidos essenciais e polissacarídeos, que estimulam o crescimento dos tecidos e a regeneração celular, sendo por isso utilizada no tratamento do câncer (HEDENDAL, 2001; DOMÍNGUEZ et al., 2006). A Tabebuia impetiginosa, popularmente conhecida como ipê-roxo, pau d'arco-roxo, ipê-roxo-de-bola, entre outros nomes, é uma Bignoniaceae de porte arbóreo, que alcança alturas de 8 a 20m, com características de planta decídua. Sua ocorrência estende-se desde o Estado do Piauí até o de São Paulo, tanto na floresta pluvial atlântica como na semidecídua. Seu extrato está entre os mais estudados, já possui diversos componentes isolados e estruturalmente elucidados, entre os quais furano-naftoquinonas, quinonas (sendo a principal o lapachol), naftoquinonas, ácido

41 39 benzoico, derivados de benzaldeído, dialdeídos, ciclopenteno e flávoides (LORENZI; MATOS, 2002; PARK et al., 2003). O lapachol, a principal quinona encontrada no ipê-roxo, possui várias atividades biológicas. Em um estudo de revisão, Hussain et al. (2007) verificaram que o lapachol possui atividades antiulcerogênica, leishmanicida, anticarcinogênica, atiedematogênica, anti-inflamatória, antimalárica, anti-séptica, antiviral, bactericida, fungicida, pesticida e esquistosomicida. A mangabeira (Hancornia speciosa), frutífera nativa do Brasil, pertencente à família Apocynaceae, é encontrada em vários estados brasileiros, com grande dispersão natural na região Nordeste. O fruto, principal produto da mangabeira, utilizado na alimentação humana principalmente na forma de suco e sorvete, pode também ser consumido in natura. Além disso, seu látex tem sido empregado por algumas comunidades para fins terapêuticos (SANTOS et al., 2007). A Ximenia americana, popularmente conhecida como ameixa, é uma planta cosmopolita tropical com ocorrência silvestre no nordeste do Brasil, utilizada na medicina popular, principalmente para o tratamento da dor de estômago, sífilis, reumatismo, câncer e infecções da boca. Ainda é uma espécie pouco investigada cientificamente, porém bastante utilizada na medicina popular, principalmente em países pobres. Possui atividade antimicrobiana em diferentes microorganismos devido a seus constituintes químicos, como os taninos, que vêm sendo tradicionalmente usados, principalmente para a proteção de superfícies inflamadas. A presença de polifenóis pode ser um forte indicativo da sua atividade antiinflamatória, antialérgica, antibacteriana, antifúngica, além de seus efeitos vasoprotetores. Possui ainda proteína inibidora de ribossomos, o que lhe confere atividade antineoplásica (BRASILEIRO et al., 2008). A janaguba pertence a família Apocynaceae e é uma espécie arbórea, latescente, da região amazônica, cujo tronco é ereto e a casca é rugosa. Na medicina popular, seu látex e suas folhas são utilizados como antitumoral, antifúngico, antianêmico, vermífugo e no tratamento de gastrites e artrites. A infusão feita a partir da casca do caule é utilizada no tratamento de tumores, furúnculos, edemas, artrites e ainda como vermífugo e laxativo (FERNANDES et al., 2000; LARROSA; DUARTE, 2005). A planta conhecida como noni, cujo nome científico é Morinda citrifolia, é originária da Polinésia, Malásia, Austrália, Índia e Sudeste da Ásia. Ela tem crescido

42 40 em muitas regiões do mundo, inclusive no Brasil, e chama a atenção de pesquisadores em âmbito mundial devido a suas propriedades terapêuticas. Esta vasta gama de propriedades medicinais é originada de diferentes partes da planta. O fruto e as folhas exercem atividade antibacteriana, a raiz remove infecções pulmonares e hemorroidas e também mostra naturais propriedades sedativas e de controle da pressão arterial. Os extratos de folhas inibem a formação de coágulos sanguíneos. É particularmente útil para tratar a dor e inflamação da pele. Muitas pessoas tomam o suco da fruta para tratar a hipertensão, cólicas menstruais, artrite, úlceras gástricas, diabetes, câncer e outras afecções (LAVAUT; LAVAUT, 2003). Euphorbia tirucalli, popularmente conhecida como aveloz ou cachorro pelado, é um arbusto suculento, que, apesar de ser comum em regiões equatoriais como a África, Ásia e América Latina, apresenta distribuição mundial universal. É encontrado no Brasil, principalmente nos estados do Pernambuco, Ceará, Piauí, Bahia, Rio de Janeiro e litoral de São Paulo. Seu látex é comumente utilizado por via oral ou tópica na medicina tradicional e é popularmente conhecido como um agente antitumoral (mama, próstata, pulmão, rim), não só no Brasil, mas em vários outros países (AQUINO et al., 2008). Na última década, houve progressos consideráveis na Medicina Herbária, e muito provavelmente o câncer já teria sido dominado se os esforços dedicados a investigações químico-terapêuticas tivessem sido nos remédios antitumorais de origem vegetal (HYDE, 2003). Argiloterapia A Argiloterapia, também conhecida como geoterapia ou fangoterapia, consiste na utilização da argila de forma terapêutica. De acordo com Nightingale (2003), há milênios de anos a argila foi utilizada para fins curativos, e Hipócrates, Dioscórides, Avicena e Galeno realizaram milagres com tratamentos utilizando argila. Tal recurso natural, utilizado desde os primórdios da humanidade, continua a ser utilizado na atualidade no tratamento de diversas enfermidades. A argila são rochas sedimentares constituídas por vários minerais em diferentes proporções e estão associadas aos óxidos, que lhes conferem várias tonalidades. Tem um aspecto terroso e com granulações finas. São classificadas em primárias, quando originadas da decomposição do solo por ações físico-químicas do ambiente natural ao longo dos anos, e secundárias, quando decorrentes da

43 41 sedimentação de partículas transportadas pelas chuvas e pelos ventos, e possui a aparência de lama ou tem aspecto mais pastoso (CLAUDINO, 2010). Para o emprego medicinal, não se utiliza qualquer tipo de argila, somente aquelas extraídas de grandes profundidades de solos não contaminados, em regiões não habitadas, onde não haja escoamento de água e raízes vegetais e que seja posteriormente esterilizadas (SPETHMANN, 2003). De acordo com Claudino (2010), existe uma grande diversidade de argilas e, embora tenham seus valores individuais bem semelhantes, há uma pequena diferença de um tipo para outro. Contudo, essa variação não modifica seu valor de atuação, já que está diretamente relacionada à concentração individual de seus minerais. Todos os tipos de argila são utilizados para fins medicinais e estéticos. Quimicamente, a argila é composta por cálcio, enxofre, ferro, magnésio, potássio, silício, sódio e titânio, o que lhe confere vários poderes terapêuticos. Quando aplicada sobre a pele, age de forma absorvente, adsorvente e de liberação. Seus benefícios se estendem até três horas depois da aplicação (VILA, 2000; CLAUDINO, 2010). Dependendo da enfermidade a ser tratada, a argila pode ser administrada internamente, diluída em água, ou externamente, em forma de banhos, pulverizações, emplastros, cataplasmas entre outros usos. Para o tratamento interno poderá ser diluída em água a ser tomada em jejum ou como comprimido, meia hora antes das refeições. Nas aplicações externas, ganham um maior valor curativo se utilizada com a fervura de plantas indicadas de acordo com as condições a se tratar (YWATA; ANTÔNIO; CORDEIRO, s.d.) A argiloterapia é muito procurada devido à sua ação, que deixa o organismo humano isento dos radicais livres. Para que esta prática seja correta e garanta os benefícios, Masckiewic (2010) afirma serem importantes estudos aprofundados de todas as formas e relatos científicos da sua utilização, afim de se ter um tratamento seguro. Práticas religiosas De acordo com Bousso (2011), a religião ou crenças e práticas religiosas podem ser determinantes do processo saúde-doença na medida em que prega a adoção de hábitos e de comportamentos saudáveis que beneficiam aqueles que os praticam. Algumas práticas religiosas trazem efeitos salutares tanto na saúde física como na mental.

44 42 A relação espiritualidade/religiosidade com a saúde tornou-se um tema de interesse de estudiosos nos últimos tempos, e se acredita em sua influência positiva sobre o bem-estar das pessoas. Esses estudos partem de uma visão integral da saúde, que aborda o sujeito em suas diferentes dimensões e supera o modelo biomédico que acentua apenas o aspecto físico do processo saúde-doença e opera com uma concepção mecanicista do corpo e de suas funções, responsável por um atendimento fragmentado (ALVES; JUNGUES; LOPÉZ, 2010). A ressignificação e reinterpretação da enfermidade pelo pensamento e pela prática religiosa podem ordenar e dar sentido a uma realidade que aparece para o indivíduo doente como desordenada e caótica. Dentro dessa perspectiva, os fenômenos patológicos não são compreendidos somente sob a ótica da etiologia biomédica. Além disso, a doença ganha significado na medida em que extrapola o corpo individual e abrange as relações sociais e o mundo sobrenatural (BALTAZAR, 2003). Assim, as práticas religiosas têm sido utilizadas por um número crescente de indivíduos com doenças crônicas, como o câncer. Elas representam uma estratégia importante para o enfrentamento da doença e do tratamento e promovem uma melhoria no bem estar do paciente, o que repercute diretamente em sua qualidade de vida. De acordo Moreira-Almeida, Lotufo-Neto e Koening (2006) o indivíduo tem direito à qualidade de vida até seu último momento de existência. Assim, os profissionais de saúde, principalmente o enfermeiro, que tem um maior contato com o paciente, devem atentar para as maneiras de reduzir a ansiedade e o sofrimento, e as práticas religiosas podem contribuir como uma importante aliada nesse momento. Diversos estudos evidenciam a influência da religião no lidar com o câncer. Alguns autores apontam que os pacientes com crenças religiosas têm uma reabilitação com senso de esperança e satisfação com a vida, com níveis menores de depressão. Assim, a fé religiosa é reconhecida como uma estratégia de negociação para a sobrevivência ao câncer, pois o poder atribuído ao divino possibilita a satisfação das necessidades que escapam do controle do ser humano (AQUINO; ZAGO, 2007). Em um estudo realizado com pacientes em tratamento de câncer no serviço de oncologia do Hospital das Clínicas da Unicamp, Spadacio e Barros (2009) observaram que a prática religiosa possui caráter curativo no tratamento do câncer. Os sujeitos desse estudo consideram o recurso religioso como uma prática

45 43 terapêutica de cura, identificada como outras formas de tratamento e fundamental para o tratamento convencional e superação da doença. Depreende-se, então, que as práticas religiosas representam importantes trajetórias terapêuticas integrativas capazes de conduzir as mulheres ao enfrentamento da doença alicerçadas na esperança da cura ou como atenuante do possível sofrimento iminente por meio de uma ressignificação positiva do câncer. Dessa forma, devem ser consideradas, ao se prestar assistência ao paciente oncológico. 2.4 Práticas integrativas e complementares e qualidade de vida O conceito de qualidade de vida vem sendo amplamente utilizado na atualidade, principalmente na saúde quando se trata de abordagem terapêutica a doenças crônicas, como o câncer, que altera a estrutura biopsicossocial do indivíduo. A veiculação na mídia de maneira indiscriminada sobre qualidade de vida favorece uma visão genérica ou reducionista, sem o aprofundamento subjetivo que comporta. Essa dimensão, quase sempre ignorada, desperta interesse científico e uma conscientização cada vez maior e recebe devida consideração numa abordagem integrada e interdisciplinar, na tentativa de soluções holísticas, voltadas para o bem-estar integral do ser humano (NUCCI, 2003). De acordo com Minayo, Hartz e Buss (2000), a qualidade de vida pressupõe uma noção eminentemente humana, que se aproxima do grau de satisfação encontrada na vida familiar, amorosa, social, ambiental e da própria estética existencial, deixando clara a importância da percepção subjetiva na sua avaliação. Pressupõe a capacidade de efetuar uma síntese cultural de todos os elementos que determinada sociedade considera seu padrão de conforto e bem-estar. O termo abrange muitos significados, que refletem conhecimentos, experiências e valores de indivíduos e coletividades que a ele se reportam em variadas épocas, espaços e histórias diferentes; é, portanto, uma construção social com a marca da relatividade cultural.

46 44 Quanto à conceituação do termo na área da saúde, duas tendências são identificadas: qualidade de vida com um conceito mais genérico e a qualidade de vida relacionada à saúde. No primeiro caso, apresenta uma acepção mais ampla, influenciada por estudos sociológicos, sem fazer referência a disfunções ou agravos. Ilustra com excelência essa conceituação a que foi adotada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em seu estudo multicêntrico, que teve por objetivo elaborar um instrumento que avaliasse a Qualidade de Vida em uma perspectiva internacional e transcultural. Assim, a qualidade de vida constitui a percepção do indivíduo sobre a sua posição na vida, no contexto da cultura e dos sistemas de valores nos quais ele vive, e em relação a seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações. Já quando se relaciona à saúde, pode ser definida como o impacto que uma enfermidade e seu tratamento têm sobre a percepção do paciente quanto a seu bem-estar (SEIDL; ZANON, 2004). Dentro desse conceito de qualidade de vida, dois aspectos são considerados relevantes: a subjetividade e a multidimensionalidade. No que concerne à subjetividade, trata-se de considerar a percepção da pessoa sobre o seu estado de saúde e sobre os aspectos não médicos do seu contexto de vida. Quanto à multidimensionalidade, refere-se ao reconhecimento de que o construto é composto por diferentes dimensões (THE WHOQOL GROUP, 1995). Nos últimos anos a avaliação da qualidade de vida tem-se tornado cada vez mais importante na determinação do impacto global das doenças e tratamentos a partir da perspectiva do paciente. Ela tem sido potencialmente útil e pode auxiliar os profissionais de saúde a priorizar problemas, a se comunicar melhor com os pacientes, a prevenir adversidades e identificar preferências do cliente (CARR; HIGGINSON, 2001). Considerando que o câncer traz consigo uma série de implicações na saúde do paciente, interferindo diretamente em sua qualidade de vida, aliado ao aumento da sobrevida e da possibilidade de cura, faz-se necessário uma maior abrangência nos cuidados não somente biológicos, mas também sociais, psicológicos, espirituais, buscando o atendimento das várias necessidades do paciente (NUCCI, 2003). Nesse contexto, as práticas integrativas e complementares se inserem como importantes recursos terapêuticos, que reestabelecem a qualidade de vida do paciente, perdida com a doença e o tratamento alopático.

47 45 Atualmente, as intervenções em saúde são propostas ao paciente, com intuito de proporcionar-lhe uma vida mais confortável do que propriamente para darlhe a cura. Assim, a incorporação da qualidade de vida deve ser meta assistencial a ser alcançada pelos profissionais de saúde no atendimento aos pacientes, principalmente os que têm doenças crônicas como o câncer. O câncer deixa o indivíduo intimidado com a possibilidade do fim de sua existência. Isso gera uma ansiedade que determina comportamentos variados e leva à busca de outras formas de tratamento. Assim, as práticas integrativas e complementares dão ao paciente oncológico mais uma opção de complementação ao tratamento oficial a ele sugerido. Essas terapias possibilitam ainda a esses pacientes a diminuição da dor e dos efeitos secundários da quimioterapia e radioterapia. Dessa forma, as terapias complementares proporcionam certo conforto e melhoram a qualidade de vida (ELIAS; ALVES, 2002; SERRANO, 2005). Spadácio e Barros (2008) mostraram em seus estudos que os pacientes percebem o uso das práticas integrativas e complementares de maneira positiva, como úteis e não tóxicas, e acreditam que propiciam uma mudança no estilo e na qualidade de vida, influenciando positivamente os rumos da doença. Outra percepção significativa relaciona-se à sensação de maior controle sobre o corpo e o próprio tratamento após usarem alguma terapia complementar. Os estudos mostram que é grande o número de pacientes que usam algumas dessas práticas após o diagnóstico de câncer. Esse mesmo estudo mostrou ainda que as motivações para o uso de práticas integrativas são de natureza biológica, psíquica e técnica. Os primeiros relacionam-se ao aumento e à habilidade do corpo para lutar contra a doença, promover o fortalecimento do sistema imunológico, aliviar os efeitos colaterais provocados pela quimioterapia, criando uma esperança de cura e de prevenção do retorno da doença. Em relação à motivação psíquica foram descritas promoções de bem-estar, o controle do estresse e a melhoria da qualidade de vida. Os motivos técnicos para o uso de práticas complementares no tratamento do câncer estão ligados à insatisfação com o tratamento convencional, principalmente os efeitos secundários e a interação que se desenvolve com os profissionais, além do processo de autonomia e humanização promovido pelas práticas não convencionais. Em outro estudo, Spadacio et al. (2010) explicam que, no que se refere à experiência de pacientes com a utilização de práticas integrativas e

48 46 complementares, destaca-se um possível cuidado integral focado na individualização do tratamento e nos impactos positivos junto ao tratamento convencional. Diante do que foi discorrido, percebe-se a importância da utilização das práticas integrativas e complementares na assistência ao paciente oncológico, tendo em vista que o câncer transcende a dimensão biológica da doença. A qualidade de vida é um componente bastante afetado durante o tratamento, repercutindo na saúde e na resposta do indivíduo como um todo. Assim, não se pode reduzir a assistência desse paciente ao combate das células cancerígenas, pois é o paciente, e não a doença, o foco principal dessa assistência.

49 47 3. ABORDAGEM METODOLÓGICA

50 Tipo de estudo O processo metodológico que se insere nessa pesquisa é do tipo descritivo com abordagem qualitativa, cujo método utilizado foi História de Vida, que prioriza as ideias e os significados da vida da entrevistada, sem interferência da pesquisadora. A abordagem qualitativa, segundo Polit, Beck e Hungler (2004), parte da premissa de que o conhecimento sobre as pessoas só é possível a partir da descrição da experiência humana, tal como ela é vivida e tal como é definida pelos seus próprios sujeitos, permitindo a expressão do rico potencial que forma o conteúdo das percepções e subjetividade dos seres humanos. Dessa forma, essa abordagem é a que melhor se ajusta ao objeto de estudo, pois permite compreender a percepção dessas mulheres com câncer de mama sobre os efeitos das práticas integrativas e complementares em sua qualidade de vida, com toda a sua riqueza de significados que não podem ser reduzidos a números e percentuais. 3.2 O Método História de Vida Para melhor entender o uso das práticas integrativas e complementares em mulheres com câncer de mama, utilizou-se o Método História de Vida, que trabalha com a reconstrução de experiências vividas e permite a obtenção dessas informações a partir do ponto de vista da própria mulher. Esse método é um procedimento que utiliza a narrativa da vida do sujeito ao entrevistador, tal qual foi vivenciada por ele mesmo, com enfoque nas suas convergências e divergências, em suas condições sociais, culturais e da práxis, assim como nas relações sócio-estruturais e na dinâmica histórica. Portanto, por mais particulares que possam ser as histórias de vida, serão sempre relatos de práticas sociais: a maneira como o indivíduo se insere e atua no mundo e no grupo no qual ele está inserido (BERTAUX, 2005). A expressão narrativa de vida foi introduzida na França há cerca de vinte anos por Daniel Bertaux. Até esse período, o termo consagrado em ciências sociais

51 49 era história de vida, que era uma tradução literal da expressão americana life history. Contudo, esse termo apresentava inconvenientes, como o de não distinguir a história vivida por uma pessoa e a narrativa que ela poderia fazer de sua vida. Com Bertaux, a concepção proposta consiste em considerar que a narrativa de vida acontece a partir do momento em que o sujeito conta a outra pessoa, pesquisador ou não, um episódio qualquer de sua experiência vivida. Faz-se essencial nesse contexto o verbo contar, que significa que a produção discursiva do sujeito tomou a forma narrativa (BERTAUX, 2010). O método começa a partir do desejo do entrevistado de contar sua vida. Pede-se ao sujeito que conte sua história, como achar melhor. É a partir da relação que vai sendo estabelecida o vínculo, a confiança, a construção de sentidos que o método se desenvolve. Ao contar sua vida, o sujeito fala de seu contexto, fala do processo por ele experimentado, intimamente ligado à conjuntura social onde se encontra inserido (SILVA et al., 2007). Cabe ressaltar que, segundo Bertaux (2010), a narrativa de vida pode ser um importante instrumento para a elaboração dos saberes práticos, podendo, assim, orientar para a descrição das experiências vividas por cada pessoa dentro do seu contexto. Dessa forma, as narrativas de vida poderiam ser chamadas de narrativas de práticas. Para Nogueira (2004), a história de vida propõe uma escuta comprometida, engajada e participativa. Na relação de cumplicidade entre pesquisadores e sujeitos pesquisados, encontra-se a oportunidade de aquele que narra sua história experimentar uma ressignificação de seu percurso e dar continuidade à construção de um sentido frente a esse relato endereçado. A História de Vida é um método que tem como principal característica a preocupação com o vínculo entre pesquisador e sujeito. Os aspectos metodológicos apresentam uma grande inovação proposta pelo interacionismo simbólico, quando propõe ceder o lugar do saber ao agente social, postulando que o conhecimento deve ser construído a partir das interpretações e significações daquele que está inserido no fenômeno social a ser estudado (SILVA et al., 2007). No Brasil, a origem da história de vida remonta à década de 50, na época utilizada com mais frequência nas áreas das Ciências Humanas, especialmente Sociologia, Antropologia e Psicologia. Na área de Enfermagem foi introduzida em

52 , por Santos, em tese de doutorado defendida pela Escola de Enfermagem Anna Nery na Universidade Federal do Rio de Janeiro (SAMPAIO, 2005). As investigações na Enfermagem têm buscado maior aproximação com os sujeitos do estudo, procurando escutá-los, e não apenas tratá-los como simples objeto de pesquisa, numa relação impessoal e fria. Assim, o método História de Vida oportuniza aos pesquisadores aprender a ouvir o sujeito que vivenciou a situação que se quer estudar, o que implica tê-lo como um parceiro, como alguém que é ativo no estudo e que reflete sobre sua própria vida (SANTOS; SANTOS, 2008). Para Nery e Tyrrell (2010), o método História de Vida permitiu o aprofundamento do tema por meio dos relatos sobre a trajetória de cada mulher na vivência da situação de aborto, traduzindo as suas percepções, sentimentos e experiências. A utilização das narrativas de vida para esse estudo se mostra particularmente eficaz, pois, de acordo com Bertaux (2010), essa forma de coleta de dados empíricos se ajusta às trajetórias de vida e permite identificar por meio de quais mecanismos e processos os sujeitos chegaram a uma dada situação, como se esforçam para administrar essa situação e até mesmo para superá-la. 3.3 Cenário do estudo O cenário dessa pesquisa foi um hospital filantrópico localizado no município de Teresina-PI, que atende múltiplas especialidades e que atualmente é referência Norte e Nordeste no tratamento do câncer. Esse hospital apoia o ensino e a pesquisa e faz parte do Sistema de Procedimentos de Alta complexidade na Área do Câncer (SISPAAC) do Ministério da Saúde. Sua atuação no tratamento de câncer tem se projetado aqui e além de nossas fronteiras, com imensa repercussão social, criando oportunidades de cura ou, no mínimo, de melhor qualidade de vida para os portadores desse mal (HSM, 2010). Esse hospital oferece diversos serviços como o Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar ao Paciente Oncológico (NADIPO), que tem por objetivo oferecer atendimento integral ao paciente em seu domicílio, com uma equipe multidisciplinar, composta por médicos, assistentes sociais, nutricionistas,

53 51 psicólogos, farmacêuticos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, além dos serviços de fisioterapia, assistência social e psicologia, entre outros que visam a uma melhor assistência aos seus pacientes, sobretudo os oncológicos. Vale destacar que nesse hospital o serviço de psicologia desenvolve diversas atividades visando minimizar o sofrimento causado pela doença e oferece suporte emocional para favorecer a qualidade de vida aos pacientes assistidos pela Instituição. Entre essas atividades, está o grupo de apoio Amigas do Peito, que trabalha com pacientes em tratamento e controle do câncer de mama e constitui-se em um grupo de autoajuda com sessões conduzidas por uma psicóloga e com apoio de uma equipe multidisciplinar, que realiza orientações e presta informações. Nesse grupo, que se reúne quinzenalmente, e que tem uma população flutuante de quinze mulheres, são desenvolvidas práticas, como Terapia Comunitária, que é um espaço de fala e escuta em que são compartilhadas experiências de dor, sofrimento e superação do câncer de mama, e a yogaterapia, que é conduzida por uma profissional voluntária. 3.4 Sujeitos da pesquisa Os sujeitos do estudo foram 14 pacientes que fazem parte do grupo Amigas do Peito, que vivenciam ou vivenciaram a situação do câncer de mama, que utilizaram práticas integrativas e complementares no tratamento e aceitaram participar da pesquisa. A inclusão dos sujeitos foi feita de forma gradativa até observar-se a negação dos dados obtidos, ou seja, até chegar ao ponto de saturação. De acordo com Bertaux (2010), o ponto de saturação é atingido quando o entrevistador chega ao caso negativo. Ou seja, após chegar à formulação do modelo, graças à observação de recorrências, é necessário procurar casos que negam o que se encontrou. Caso o pesquisador não encontre o caso negativo, ele precisará modificar o modelo em função disso. A escolha por trabalhar com o Grupo Amigas do Peito deveu-se ao fato de ele ser composto, em sua maioria, de mulheres que já estão na fase de controle do câncer de mama, tendo, assim, uma história de vida para contar no que se refere ao uso de práticas integrativas e complementares.

54 52 Considerando a resolução nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, que trata da regulamentação da ética em pesquisa com seres humanos, os participantes do estudo assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido (ANEXO B), previamente explicitado aos sujeitos. Nele estão garantidos a preservação da identidade e o direito a interromper o estudo voluntariamente a qualquer tempo (BRASIL, 1996). O anonimato teve a sua garantia assegurada com a substituição dos nomes das depoentes pela numeração sucessiva, conforme a sequência em que as entrevistas aconteceram. 3.5 Produção dos dados A produção dos dados desta pesquisa foi realizada pela autora, no período de janeiro e fevereiro de Inicialmente, procurou-se a psicóloga que conduzia o grupo, explicando-lhe os objetivos da pesquisa com a aplicação do Método História de Vida. Falou-se sobre a importância da construção da identidade da pesquisadora para que fosse construído um vínculo com os sujeitos, uma relação de confiança necessária para a coleta dos relatos. É importante a relação de confiança estabelecida entre entrevistador e entrevistada para a obtenção dos relatos de vida. Essa relação torna a entrevista um momento mágico de exteriorização de sentimentos, emoções, angústias e mágoas. Daí a necessidade do estabelecimento de um contexto social, pois ele permite que essa relação de confiança seja alcançada (SPINDOLA; SANTOS, 2003). Assim, após autorização da instituição, foi iniciado o contato com as mulheres do Grupo Amigas do Peito. Iniciaram-se conversas informais que aconteceram em três encontros e que proporcionaram uma aproximação com os sujeitos. Esses momentos foram relevantes, pois permitiram uma maior familiarização sujeito-pesquisadora, e foram enriquecedores para a pesquisadora como ser-humano, já que se percebeu a experiência transformadora que é vivenciar o câncer. No último encontro, as mulheres perguntaram quando seria o início das entrevistas. Uma delas pediu que se iniciasse por ela, pois iria viajar. Foi aí que se percebeu que se tinha conseguido estabelecer o vínculo necessário para iniciar a

55 53 coleta dos relatos de vida. Para tanto se utilizou um roteiro constituído de uma caracterização sociodemográfica e gineco-obstétrico dos sujeitos e a seguinte questão norteadora da pesquisa: Fale sobre sua vida relatando o uso de práticas integrativas e complementares durante seu tratamento do câncer de mama (APÊNDICE A). A técnica utilizada para a produção dos dados foi a entrevista aberta ou prolongada, que, segundo Nery e Tyrrell (2010), não tem necessidade de um roteiro previamente elaborado, apenas uma pergunta norteadora, na qual se pede ao sujeito que fale livremente sobre sua vida referentemente ao objeto estudado. As duas primeiras entrevistas foram realizadas no ambulatório da instituição de realização da pesquisa e serviram para validação e ambientação à técnica proposta pelo método. A princípio, a pesquisadora encontrou dificuldades, como a de manter-se calada no decorrer do procedimento. Essa entrevista serviu de base para adaptação e correção. Calar-se não constitui uma tarefa fácil principalmente para as enfermeiras, que são treinadas para falar, interagir e intervir na comunidade. Porém, por muitas vezes é preciso calar, pois nem sempre as pessoas querem ouvir uma opinião. Às vezes, elas necessitam apenas de alguém para escutá-las. Esse é um cuidado que merece atenção da pesquisadora que escolhe o Método História de Vida como metodologia a ser utilizada em seu estudo (SPINDOLA; SANTOS, 2003). As entrevistas ocorreram com as mulheres que aceitaram participar do estudo e foram gravadas em aparelho eletrônico MP4, com autorização prévia das depoentes e garantia de sigilo e anonimato. Foram realizadas no próprio local do encontro do Grupo Amigas do Peito, no ambulatório da referida instituição e no domicílio, conforme a preferência das depoentes. A pesquisadora teve o cuidado de seguir o que é recomendado pelo método, como considerar sempre um tempo de preparo de uma hora como parte integrante do trabalho de pesquisa, durante o qual refletia sobre o objeto de estudo e objetivos. Para a realização das entrevistas buscava-se sempre um lugar adequado, a fim de deixar a depoente mais à vontade e evitar interrupções. Era explicada às mulheres a proposta do trabalho, a importância do estudo e como poderiam colaborar. A adesão foi quase total, com recusa de apenas duas mulheres que frequentavam o grupo.

56 54 Durante os depoimentos, as mulheres se emocionavam em alguns momentos e, às vezes, houve confiança nos relatos até de outras questões não aplicadas ao objeto de estudo, como as angústias, as dificuldades financeiras, o divórcio com a descoberta da doença, a sexualidade após a mastectomia, entre outras. As entrevistas proporcionaram grande aprendizagem, por estar ouvindo alguém contar sua história de vida sobre um momento tão difícil de ser vivenciado. A superação demonstrada por aquelas mulheres foi uma experiência transformadora para quem é pesquisador. As transcrições das entrevistas foram feitas na íntegra e deu-se imediatamente após sua realização, permitindo, assim, a organização das ideias em relação ao questionamento e ao ponto de saturação. 3.6 Análise dos dados A análise dos relatos começava logo após a sua transcrição, realizada progressivamente após cada entrevista, pois, segundo Bertaux (2005), essa análise inicia-se e permanece contínua e simultaneamente à transcrição dos depoimentos. Isso equivale a dizer que a análise de um relato de vida constitui um episódio dentro de uma totalidade dinâmica. O modelo de análise proposto não extrai do relato de vida todos os significados que podem existir, mas somente aqueles pertinentes que podem ajudar na construção do objeto de investigação. Spindola e Santos (2003) acrescentam que a análise simultânea à transcrição facilita a avaliação do procedimento metodológico, cria possibilidades de ajustes no processo e direciona o caminhar do pesquisador. Depois de colhidos e transcritos, os depoimentos foram submetidos a uma análise temática que, de acordo com Bertaux (2005), consiste em buscar nos relatos os discursos correspondentes ao tema. Baseia-se em operações de desmembramento do texto em unidades, ou seja, descobrir os diferentes núcleos de sentido que constituem a comunicação e, posteriormente, realizar o seu reagrupamento em classes ou categorias. A análise de uma entrevista biográfica tem por objetivo explicitar as informações e significados pertinentes nela contidos. A maioria dessas informações

57 55 e significados não aparece na primeira leitura; sem dúvida, a experiência demonstra que vão surgindo umas atrás das outras no transcurso das leituras sucessivas. Cada leitura revela novos conteúdos semânticos (BERTAUX, 2010). Dessa forma, realizaram-se sucessivas leituras e releituras buscando compreender as ideias centrais dos temas revelados naqueles discursos para a construção das categorias temáticas. Ao realizar esse procedimento, os temas revelados se tornaram mais precisos e principiados pela sistematização e condensação das narrativas. Também, foram-se organizando os elementos que passaram a constituir os conteúdos de informação necessários para serem integrados no texto. Segundo Bertaux (2005), no método História de Vida, a busca e a seleção do referencial que dá suporte teórico às análises somente são feitas a partir do surgimento dos temas nos depoimentos, pois o pesquisador deve ir a campo sem ideias preconcebidas, desarmado de hipóteses e pronto para se defrontar com o novo, o inesperado. Dessa maneira, após a identificação dos temas, busca-se o material que apoiará a análise. Santos e Santos (2008) reiteram as palavras de Bertaux, ao afirmarem que é através do significado atribuído por cada depoente à sua história de vida que o pesquisador pode determinar a orientação teórica de seu estudo. Assim, para embasar as análises e discussão, foi utilizado o referencial teórico construído a partir dos temas que surgiram nos depoimentos, em conformidade ao método história de vida. É importante ressaltar que, para iniciar as análises, discussões e interpretações dos dados contidos nas categorias temáticas, quais sejam o yogaterapia, na promoção do bem-estar físico e mental; a terapia comunitária, como um espaço de trocas, empoderamento e resiliência; o uso de plantas medicinais, como prática complementar no combate ao câncer; a argiloterapia e a religiosidade, como práticas integrativas e complementares no tratamento do câncer de mama, seguiram-se os passos metodológicos do método História de Vida de acordo com Bertaux (2010).

58 Aspectos éticos Esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Federal do Piauí (UFPI), no dia 07 de dezembro de 2010 CAAE nº , (ANEXO C) e pelo Centro de Ensino e Pesquisa da instituição onde foi realizada a produção dos dados deste estudo. Antecedendo a realização das entrevistas, foi solicitada às participantes do estudo a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Elas ainda foram informadas de que a participação seria voluntária e livre de qualquer ônus em caso de desistência. Em respeito às diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa com seres humanos, estabelecidas pela Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (CNS) e Conselho Nacional de Pesquisa em Seres Humanos (CONEP), as mulheres que aceitaram participar do estudo foram esclarecidas acerca dos objetivos e contribuições do estudo, assim como do direito de se recusar a participar ou retirar seu consentimento, em qualquer fase da pesquisa, sem nenhuma penalização e prejuízo ao seu cuidado.

59 57 4 RESULTADOS

60 58 Os resultados compreenderam a caracterização dos sujeitos quanto aos aspectos sociodemográficos e gineco-obstétricos e à percepção de mulheres com câncer de mama sobre práticas integrativas e complementares em sua qualidade de vida. 4.1 Caracterização dos sujeitos Para caracterizar os sujeitos que participaram deste estudo, utilizaram-se os aspectos sociodemográficos e gineco-obstétricos, conforme descrito nos quadros 1 e 2. Quadro 01. Perfil dos sujeitos segundo os aspectos sócio-demográficos Dep Idade Escolaridade/ Grau de Instrução Estado Civil/ Situação Conjugal Profissão/ Ocupação Renda mensal (SM) Procedência Religão ESC Casada Professora 10 Brasília-DF Católica EFI União Autônoma < 1 Caxias-MA Evangélica estável Não Casada Do lar 2 Teresina-PI Católica alfabetizada EMC Divorciada Do lar < 2 Teresina-PI Evangélica ESI Casada Do lar 2 Buriti dos Evangélica Lopes-PI EMC Solteira Doméstica 1 Jaicós-PI Católica EFI Divorciada Costureira < 1 S. João da Evangélica Serra-PI EFI União Do lar < 1 Teresina-PI Católica estável EFI Casada Autônoma < 1 Teresina-PI Evangélica EMI Viúva Do lar < 1 Teresina-PI Católica EFI Casada Do lar 3 Teresina-PI Católica EMC Solteira Agente 3 Guadalupe- Evangélica Adm. PI EFI Solteira Doméstica < 1 Caxias-MA Evangélica EFI Viúva Lavradora < 2 Batalha-PI Evangélica *Legenda: Dep- depoente; ESC-Ensino Superior Completo; ESI- Ensino Superior Incompleto; EMC-Ensino Médio Completo; EMI- Ensino Médio Incompleto; EFC-ensino Fundamental Completo; EFI- Ensino Fundamental Incompleto; Agente Adm.- agente administrativo; SM- salário mínimo(r$ 545,00). Conforme Quadro 01, os sujeitos deste estudo possuíam idade entre 31 e 73 anos. Das quatorze mulheres, 13 possuíam escolaridade que variava de fundamental incompleto a superior completo e apenas 01 não era alfabetizada. No que tange ao estado civil/situação conjugal, sete eram casadas e em união estável e sete eram solteiras, viúvas ou divorciadas. Quanto à profissão/ocupação, a

61 59 predominância foi do lar, a renda variou de menos de um a dez salários mínimos. Em relação à procedência, onze eram do Piauí. Quanto à religião, oito eram evangélicas e seis católicas. O quadro 02 a seguir apresenta os dados referentes aos aspectos ginecoobstétricos: menarca, menopausa, uso de contraceptivo oral, reposição hormonal, gestação, parto, aborto e amamentação. Quadro 02. Perfil dos sujeitos segundo os aspectos gineco-obstétricos. Dep Menarca Menopausa Contracep Oral Reposição hormonal Primeira Gestação (idade) G P A Amam * Sim Não Sim Não Não Sim * Não Não Sim Não Não Sim Não Não Sim (-) Sim Não Não Sim Sim Sim * Sim Não Sim Sim Sim Sim * Não Não Sim Sim Sim Sim Não Não Não * Não Não Sim * Não Não Sim Legenda: *Menopausa após quimioterapia; (-) não ocorrência do evento; Dep- depoente; contracep oral- uso de contraceptivo oral; G- número de gestações; P- número de partos; A- número de abortos; Amam- amamentação. Nos aspectos ginecológicos, o Quadro 02 mostra que a idade da menarca das mulheres em estudo variou entre 12 e 15 anos, e a menopausa ocorreu entre 27 e 50 anos em treze mulheres, das quais 06 tiveram a última menstruação em decorrência do início da quimioterapia. Das quatorze mulheres, seis fizeram uso de contraceptivos orais. Quanto à reposição hormonal, onze não a fizeram. Em relação aos aspectos obstétricos, no que se refere à gestação: cinco eram multigestas; cinco, trigestas; três, primigestas; e uma, nuligesta. Já quanto à paridade, três eram multíparas; cinco, tercíparas; duas, secundíparas; três, primíparas; e uma, nulípara. Das quatorze mulheres, cinco tiveram abortos. Quanto à amamentação, 12 amamentaram.

62 Percepção de mulheres com câncer de mama sobre práticas integrativas e complementares em sua qualidade de vida Por meio da história de vida das mulheres sujeitos desta pesquisa, compreendeu-se qual a percepção dessas mulheres sobre os efeitos das práticas integrativas e complementares em sua qualidade de vida, o que está bem evidenciado no conteúdo das falas pertinentes ao objeto deste estudo. Cada achado foi analisado e articulado com o referencial conceitual construído ao longo desta pesquisa. Nesse sentido, com a finalidade de atingir aos objetivos propostos pelo estudo, realizou-se o mapeamento dos dados, que foram agrupados nas seguintes categorias temáticas: o yogaterapia, na promoção do bemestar físico e mental; a terapia comunitária, como um espaço de trocas, empoderamento e resiliência; o uso de plantas medicinais, como prática complementar no combate ao câncer; a Argiloterapia e a religiosidade, como práticas integrativas e complementares no tratamento do câncer de mama O yogaterapia na promoção do bem-estar físico mental A partir da leitura dos depoimentos das mulheres que vivenciaram o câncer de mama, conseguiu-se observar que essa doença traz repercussões biopsicossociais que fazem com que as mulheres busquem as práticas integrativas e complementares como recursos que atendam não apenas as necessidades biológicas geradas com a doença. Assim as mulheres com câncer de mama citaram o yoga como uma prática útil no enfrentamento da doença. Elas percebem que, com o yoga, adquirem uma maior capacidade de lidar com a doença, como mostram os seguintes depoimentos: Eu também participei do yoga, muito bom! Eu gostava. Quando eu fazia me sentia bem, bem mesmo. A gente se sente leve, desaparecem as preocupações, uma coisa muito boa e o meu astral como melhorou. Isso fez muito bem a muita gente [...]. (Dep.11) Eu também participei do yoga e achava ótimo [...] melhora muito a mente da gente, melhora com yoga por tem coisas que ela fala [referindo-se a

63 61 instrutora] que a gente parece que sai e esquece tudo [...] mas que era ótimo era e eu me sentia muito melhor. É como se a gente tivesse com a cabeça muito quente e tomasse um banho, aquele alívio. Esfria mesmo. (Dep.12) O yoga era bom porque a gente relaxava, tinha gente que até dormia. A gente se sente bem, mais leve. Eu me sentia melhor, porque às vezes a gente ficava pensando umas coisas, e ai com ele eu melhorava. (Dep.13) As depoentes foram unânimes em referir-se ao yoga como muito bom e ótimo para a sua melhora física, mental e emocional durante o tratamento do câncer, pois desapareceram as preocupações, melhorou o astral e relaxavam chegando até a dormir. Assim, ao reportar-se à fala das depoentes, houve o impacto da yogaterapia na saúde física e psíquica dessas mulheres. Essa prática foi importante para amenizar a angústia psicológica trazida pelo câncer, pois elas demonstraram claramente que foi a partir do uso dessa prática que conseguiram melhorar sua saúde abalada. Assim, na história de vida das mulheres pesquisadas, observa-se que o estar com câncer de mama traz um grande sofrimento psíquico, pois, para as mulheres, o câncer é sinônimo de morte, principalmente morte da feminilidade, em virtude da simbologia que o seio tem em nossa sociedade. Os transtornos de ordem psíquica são frequentes e levam a uma diminuição da qualidade de vida de pacientes com câncer. Entre esses transtornos, a ansiedade está entre as mais comuns e pode exacerbar outras formas de sofrimento, como a dor. O sofrimento psíquico é tão perturbador quanto o sofrimento físico e, para muitas pacientes, menos tolerável que o sofrimento físico (SILVA, 2004). Assim, Nucci (2003) chama atenção para o fato de que, na assistência ao paciente com câncer, os cuidados devem ser voltados não somente para o aspecto biológico, mas também sociais e psicológicos, buscando atendimento para várias necessidades do paciente. Nesse contexto, as diversas práticas integrativas e complementares têm assumido um papel importante, tendo em vista que o foco de sua assistência está voltado para o indivíduo e não para a doença. Ao contemplar aspectos físicos, mentais e espirituais, essas terapias têm sido utilizadas de maneira crescente por pacientes com câncer, em virtude, sobretudo, das repercussões que elas têm na qualidade de vida do indivíduo. Entre elas, o yoga tem mostrado importante efeito mental, físico, espiritual e emocional.

64 62 Diversos estudos têm sido realizados para avaliar o efeito do yoga na saúde mental. Um dos mais recentes foi conduzido por Gururaja et al. (2011) entre jovens e idosos. Nessa pesquisa, vinte e cinco voluntários saudáveis de ambos os sexos foram divididos em dois grupos, de acordo com a idade. Esses indivíduos foram submetidos a noventa minutos de aula de yoga, uma ou duas vezes por semana, durante um mês. A atividade salivar, que é um dos métodos mais simples para avaliar a resposta simpática e consequentemente o estresse, foi avaliada antes e depois da prática de yoga. O Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE), que apresenta duas escalas cujo propósito é o de quantificar a ansiedade como estado (IDATE-E) e a ansiedade como traço (IDATE-T), foram aplicadas antes da primeira prática de yoga e após um mês de terapia. Gurujara et al. (2011) observaram que o nível de atividade de amilase salivar diminuiu após a prática de yoga em ambos os grupos, significando uma diminuição no nível de estresse e uma redução da pontuação do estado e do traço da ansiedade, o que significa que o yoga tem efeito tanto imediato como a longo prazo sobre a redução da ansiedade. Assim, os estudiosos concluíram que o yoga ajuda a melhorar a saúde mental de jovens e idosos, reduz o estresse e pode ser sabiamente aplicado em programas assistenciais para melhorar a qualidade de vida em todas as faixas etárias. Os achados neste estudo corroboram com os encontrados na pesquisa de Gururaja et al.(2011), já que se pôde perceber que o yoga proporcionou uma melhoria da saúde física e psíquica destas mulheres com câncer de mama, o que repercutiu diretamente na qualidade de vida dessas pacientes. Mas que prática é essa que traz tão importantes repercussões holísticas na vida do indivíduo? De acordo com Andrade (2006), Jorge e Matos (2009), o yoga constitui um movimento cultural ou conjunto de condutas e práticas que buscam identificar o indivíduo com sua própria natureza e sua integração com o universo, levando a um equilíbrio interno que balanceia mente, corpo e espírito. É também uma filosofia de vida associada ao hinduísmo e ao budismo, como suporte para o trabalho de aperfeiçoamento espiritual. Pertence, assim, a um dos seis sistemas filosóficos hindus, transmitidos oralmente ao longo de gerações, há milênios de anos. Nessa filosofia, o indivíduo é incentivado a assumir algumas de suas inspiradoras ideias, como adotar uma atitude adequada em relação à vida, aos

65 63 demais seres humanos e a todo seu meio ambiente. Dessa forma, poderá obter resultados benéficos. Assim, após uma sessão de hatha yoga, os participantes sentem-se relaxados física e mentalmente (WORTHINGTON, 2003). Porém, por ter uma filosofia própria, algumas pessoas podem não se deixar beneficiar completamente da prática do yoga, tendo em vista que não conseguem uma sintonia com seus preceitos. Tal fato pode ser observado no relato da depoente 04: [...] o yoga é bem relaxante pra todo mundo, mas assim, eu tenho uma religião que a gente não costuma misturar com yoga. Pra gente yoga é uma coisa que é contra os princípios. Eu fazia mais porque estava ali no grupo, mas minha consciência assim, eu não me sentia mentalmente muito bem fazendo yoga. Fisicamente podia até me ajudar, mas eu sabia que aquilo não tinha nada a ver com meus princípios. (Dep. 04) Nesse relato, a depoente 04 reconhece o yoga como uma prática relaxante, mas, como é contrária a seus princípios religiosos, ela refere que fazia somente porque participava do grupo, porém não se sentia bem mentalmente. No entanto diz fisicamente poderia até ajudar, mas sabia que não fazia parte de seus princípios. Percebe-se, assim, que seu desconhecimento sobre o yoga faz que ela confunda essa prática com uma religião. Em virtude disso, não consegue experimentar os benefícios holísticos que ele proporciona por medo que venha a interferir em sua fé religiosa. Na verdade, enquanto na Índia, há mais de sessenta anos, o yoga vem sendo objeto de estudo e, na Europa, utilizado com parte integrante de treinamento de atletas de alto nível, no Brasil há ainda os que o confundem com religião, faquirismo ou prática exótica (RODRIGUES, 2006b). O yoga esteve associado desde a antiguidade a vários sistemas filosóficos e teológicos, sendo que nenhum o define enquanto tal. Isso porque ele é, antes de tudo, uma disciplina espiritual prática que atribui a máxima importância à experimentação e verificação pessoal. Por isso, o yoga pode ser praticado por pessoas que adotam as mais diversas filosofias e crenças, pois ele, independentemente da religião, ajuda na medida em que equilibra o sistema nervoso e imobiliza a mente por meio de seus vários exercícios (FEUERSTEIN, 2005). Constituindo uma intervenção holística, por considerar o indivíduo corpo, mente e espírito, o yoga é uma prática integrativa, que tem sido recomendada como

66 64 uma estratégia para ajudar os indivíduos a lidar como os sintomas e os efeitos colaterais associados ao câncer e seus tratamentos. Participantes de um estudo realizado por Ducan, Leis e Taylor (2008) que estavam em tratamento de câncer atribuíram benefícios físicos à prática do yoga, como uma sensação de fortalecimento físico e mental após as sessões. Eles também listaram o relaxamento como um efeito positivo dessa prática, o que permitiu aos participantes uma maior concentração e redução da ansiedade. Esta pesquisa oferece apoio adicional para o estudo citado, porque as participantes também atribuíram à prática do yoga uma melhoria física e mental, como se pode observar pelos depoimentos que seguem: [...] eu melhorava porque tinha o yoga, a gente vinha toda entrevada, dor aqui, dor acolá, aí a gente fazia o relaxamento e melhorava muito [...] olha quando eu vim pra cá, tinha perdido a mama e tinha muita dor nas costas porquê eu sentia falta da mama né, ai eu tava com muita dor na coluna. Doía meu ombro, o braço e no meio das costas era uma dor monstra. Aí comecei o yoga e fiquei boa, sem remédio, boa dessas dores que eu tinha nas costas que era demais, acho que porque eu tirei a mama e sentia falta do peso da mama e eu fiquei boa só com esses exercícios aqui da yoga. Serve muito pra gente! Chegava aqui minhas pernas nem dobrava e depois do yoga tava sentando normal. Sentava no chão e levantava numa boa. É muito bom. O yoga foi muito bom pra mim durante o tratamento. (Dep. 05) [...] também participei do yoga. Achei bom porque ali só em deitar a gente relaxa [...] Mas é muito bom, e me aliviou as dores na mama, porque tinha hora que a gente sentia a aquele cansaço na mama aí a gente fazia o exercício e ia indo e passava [...] no yoga a gente chegava com baixo astral e saia com alto astral. Aliviava o corpo e a mente. Tem gente que vinha preocupada e depois melhorava. (Dep.08) Durante todo o discurso, a depoente 05 vai relatando a melhoria das dores, conseguida por meio dessa terapia, e enfatiza ainda não ter feito uso de nenhum recurso farmacológico para alívio da dor. O relato mostra como o yoga foi uma prática importante para o tratamento das dores que a paciente sentia após a mastectomia. Já a depoente 08 relata que, por meio do yoga, ela relaxava e que era muito bom, porque também aliviava suas dores nas mamas. O yoga também promovia um alívio na mente, já que chegava preocupada e, após o yogaterapia, ela melhorava. Assim, analisando os dois discursos, percebe-se que o yoga, ao englobar aspectos físicos, mentais e espirituais, exerceu impacto positivo sobre a qualidade de vida dessas mulheres. A dor constitui uma das queixas mais frequentes em oncologia e é uma variável peculiar que exige um manejo adequado. A influência da dor sobre a

67 65 qualidade de vida dos pacientes oncológicos é algo marcante. Assim, diversas intervenções complementares e alternativas ao tratamento medicamentoso têm sido utilizadas visando reduzir o sofrimento relacionado e/ou acentuado pela dor, e promover a qualidade de vida nas diferentes fases do tratamento clínico usual. Dentre elas, o yoga tem mostrado impacto positivo na dor oncológica (GRANER; COSTA JUNIOR; ROLIM, 2010). De acordo com Silva (2005), o yoga tem mostrado efeitos positivos para o controle do quadro álgico, atuando principalmente no equilíbrio das energias internas com as externas, ou seja, participa da vivência do indivíduo, considerando que as doenças também são causadas por disfunção crônica de energia emocional e por maneiras pouco saudáveis de nos relacionarmos conosco e com as outras pessoas. Essa prática também desenvolve bem-estar geral por meio de exercícios para força, flexibilidade e equilíbrio, em posições estacionárias que usam contração isométrica e relaxamento dos grupos musculares, criando alinhamentos específicos. A prática dessas posturas pode ainda proporcionar, entre outras adaptações fisiológicas, aumento da força muscular e da flexibilidade e melhora do equilíbrio. Associadamente, estabelece técnicas respiratórias e exercícios para concentração e meditação. Atua ainda sobre a coluna vertebral, órgãos viscerais e também estimula os sistemas endócrino e nervoso autônomo. A ação sobre os órgãos viscerais, em grande parte, verifica-se pela criação de pressões intra-abdominais (WORTHINGTON, 2003; JORGE; MATOS, 2009; COELHO et al., 2011). Segundo Shannahoff-Khalsa (2005), o yoga tem sido uma prática utilizada em pacientes com câncer para o tratamento de ansiedade, fadiga e dor. Além disso, tem sido usado para estimular o sistema imune para o tratamento de tumores sólidos, expansão e integração da mente, desenvolvimento de uma mente comparativa, compreensiva e intuitiva e para a regeneração do sistema nervoso central. O uso dessa técnica pode ser muito significativo, inclusive, em termos de cuidados paliativos. De acordo com o que foi discorrido anteriormente, observa-se que o yoga constitui um importante recurso terapêutico a ser integrado ao tratamento convencional do câncer, tendo em vista que essa prática mostra repercussões no bem-estar físico, mental e espiritual dos pacientes oncológicos. Tal fato pode ser observado nos discursos das depoentes 05 e 08 desta pesquisa.

68 66 Em virtude das repercussões dessa terapia no bem-estar integral de pacientes com neoplasias, os estudos sobre a terapia do yoga têm crescido nas últimas décadas e têm chamado atenção dos pesquisadores do mundo inteiro. Especificamente em pacientes com câncer, essas pesquisas têm mostrado a melhoria que essa prática proporciona na qualidade de vida das pacientes. Uma pesquisa americana realizada por Moadel et al. (2007) examinou o impacto do yoga incluindo postura e exercícios de respiração e meditação na qualidade de vida, fadiga, alteração do humor e bem-estar espiritual entre uma amostra multiétnica de pacientes com câncer de mama. Os resultados sugeriram que o yoga está associado à melhoria na qualidade de vida entre uma população urbana de diferentes raças com câncer de mama. Também se observou que ele pode ter servido para promover uma sensação de apoio social entre os praticantes. Tal apoio é importante porque tem sido associado à promoção da qualidade de vida e até mesmo à maior sobrevida do paciente com câncer. Na Índia, pesquisadores avaliaram os efeitos da terapia do yoga em sintomas de angústia entre pacientes em estágio inicial de câncer submetidos à radioterapia. Os resultados indicaram que a intervenção do yoga foi útil para reduzir a angústia e, consequentemente, o sofrimento físico e psicológico e para proporcionar uma melhoria nas atividades diárias. Assim, concluiu-se que o yoga é uma importante ação profilática nos estágios iniciais de tratamento, e pode trazer repercussões no futuro para a qualidade de vida do paciente (HOSAKOTE, 2009). Assim como esses, diversos estudos têm sido realizados para examinar os efeitos do yoga entre pacientes com câncer. Contudo, essas pesquisas vinham mostrando algumas limitações, como a ausência de grupo-controle. Mas, recentemente, no congresso da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, conhecido como ASCO, o maior e mais importante encontro mundial sobre câncer, divulgou-se a mais importante pesquisa sobre o yoga, na qual pesquisadores do Medical Doctor Anderson Cancer Center relataram como ele ajuda a tratar o câncer. A pesquisa de Cohen et al. (2011) teve por objetivo realizar um ensaio clínico controlado para examinar os efeitos do yoga na qualidade de vida, os níveis de cortisol e a variabilidade da frequência cardíaca em mulheres com câncer de mama submetidas à radioterapia. Para isso, pacientes com estágios de 0-III da doença foram recrutadas antes da radioterapia e randomizadas para um dos três grupos: yoga ou alongamento três vezes por semana durante seis semanas, durante

69 67 a radioterapia ou grupo controle. O cortisol foi medido cinco vezes por dia em cinco dias consecutivos, durante a intervenção e cada período de acompanhamento. Realizavam eletrocardiogramas e coletavam saliva depois de 10 minutos no início do estudo, final do tratamento e 1, 3 e 6 meses depois. Os resultados dessa pesquisa evidenciam que as mulheres que praticaram yoga tiveram os maiores declínios em seus níveis de cortisol, ao longo do dia, o que indica que essa prática tem a capacidade de melhorar a regulação do hormônio do estrese. Em 1, 3 e 6 meses após a radioterapia, as mulheres que praticaram yoga durante o período de tratamento relataram maiores benefícios no funcionamento físico e saúde geral. Elas também estavam mais propensas a perceber mudanças positivas em sua experiência de vida com o câncer do que qualquer uma participante de outros grupos. No grupo de yoga, as participantes tinham melhoria contínua no funcionamento físico. Seis meses pós-yoga, aquelas que participaram da maioria das aulas continuaram a ter melhorias. Vale ressaltar que esse estudo é o primeiro a incluir um grupo controle ativo, sugerindo que os benefícios dessa terapia se devem a mais do que simples alongamentos, apoio social ou outros efeitos indiretos (COHEN et al., 2011). Os estudos de Moadel et al.(2007), Hosakote(2009) e mais recentemente o de Cohen et al.(2011) vêm dar uma sustentação científica para todas as melhorias proporcionadas pelo yoga às mulheres com câncer desse estudo, apontando para o fato de que, comprovadamente, essa terapia integrativa e complementar promove um impacto biopsicossocial na vida das pacientes e repercute diretamente na qualidade de vida A terapia comunitária como um espaço de trocas, empoderamento e resiliência Na categoria a terapia comunitária como um espaço de trocas, empoderamento e resiliência observou-se pelos relatos que a participação na terapia comunitária foi muito importante para o enfrentamento da doença. A troca de experiências entre mulheres que vivenciam a mesma situação foi propulsora para o

70 68 processo de empoderamento e resiliência, que possibilitou uma vivência menos traumática do câncer. A Terapia Comunitária constitui um espaço de promoção de vínculos interpessoais e intercomunitários, objetiva a valorização das histórias de vida dos participantes, o resgate da identidade, a restauração da autoestima e da confiança em si e o aumento da percepção dos problemas e das possibilidades de resolução. Tem como base de sustentação, o estímulo para o desenvolvimento ou a criação de uma rede de solidariedade. Esse contexto de possibilidades de demonstração dos conflitos, medos e dúvidas em um ambiente livre de julgamentos, em que se valorizam as diferenças individuais e as experiências de vida de cada um, favorece a prevenção, o tratamento e a reinserção social das pessoas (BARRETO, 2008). De acordo com Holanda, Dias e Ferreira Filha (2007), a Terapia Comunitária permite a ampliação da consciência crítica sobre os dilemas existenciais, e cada pessoa pode transformar sua história e seu sofrimento. Constitui uma estratégia não mais centrada no modelo medicalizado, mas na potencialidade do indivíduo, proporcionando equilíbrio físico, mental e espiritual, por meio de uma abordagem sistêmica, aliada a suas crenças e valores espirituais. Ela favorece o desenvolvimento de uma teia de relação social que proporciona troca de experiências, retomada de habilidades e superação de adversidades com base na aquisição de recursos sociais e emocionais na conquista de forma individual e coletiva (GUIMARÃES; FERREIRA FILHA, 2006). Segundo Holanda (2006), nos encontros de Terapia Comunitária, geralmente as pessoas falam sobre seus problemas, suas inquietações e perturbações. Dessa forma, essa terapia ajuda a expressar algo que ainda não foi verbalizado. Tal fato pode ser observado no seguinte relato: [...] o que mais me levantou foi lá, porque quando a gente chega lá desabafa, conta tudo sabe e o fato de eu ouvir aqueles testemunhos daquelas mulheres que já passaram pelo problema aquilo me fortaleceu [...] (Dep.07) Nesse relato, a depoente fala que a terapia comunitária a reanimou, pois quando ela chegava lá, desabafava e, como ouvia os testemunhos das mulheres que já passaram pelo problema, ela se sentia fortalecida.

71 69 Vale enfatizar que a depoente 07 valoriza a oportunidade de falar, de desabafar sobre as angústias que o câncer lhe trouxe. Com a fala e a troca de experiências, ela encontra força para enfrentar a doença e confiança para superá-la. Assim, a Terapia Comunitária cria um espaço de palavra que é terapêutico para quem fala e para quem ouve e proporciona apoio pela troca de experiências. É através da fala, de cada história compartilhada e do desabafar dos problemas que os participantes compreendem mais a si mesmos e aos outros e saem da terapia comunitária com um sentimento de pertencimento e alívio (HOLANDA, 2006). De acordo com Camarotti et al. (2003), no ato de comunicar-se entre si, o homem ganha consciência do seu próprio eu, passando a fazer parte viva de sua própria realidade. Dessa forma, a Terapia Comunitária, por meio da comunicação, apropria-se das experiências da roda e amplia as possibilidades de ressignificação e transformação do eu de cada participante. Contudo, apesar de a comunicação possibilitar uma transformação pessoal e coletiva, deve-se ficar alerta aos efeitos nocivos usados de maneira ambígua, uma vez que todo ato verbal tem diversas possibilidades de significado e sentidos que podem estar ligados ao comportamento e à busca de cada ser humano pela consciência de existir e pertencer como cidadão (BARRETO, 2008). Ao reportar-se à fala da depoente 09, podem-se observar as diversas significações que o ato verbal pode ter. Eis o relato: [...] às vezes eu achava que era bom eu ir e às vezes eu achava que não, porque tinha vezes que eu chegava em casa muito carregada e eu ficava pensando, meu Deus eu não sei se eu vou, pra saber mais coisa ruim[...] eu vou mais por causa das colegas, mas muitas vezes eu saio de lá muito arrasada por conta de algumas que estão piores ou que se foram e eu saio quase com depressão[...] (Dep. 09) A depoente 09 revela que nem sempre achava que era bom ir, porque chegava a casa sem se sentir bem devido ao que ouvia. Afirma que ia mais por causa das colegas, mas muitas vezes saía de lá ruim em virtude da piora ou morte de algumas. Observa-se em seu discurso que as vivências do câncer de mama compartilhadas eram percebidas de forma negativa, causavam mal-estar e as deixavam deprimidas. O depoimento mostra como o ser humano percebe e atribui

72 70 significados diferentes às palavras, pois os relatos, que para muitas mulheres eram motivo para superação, para a depoente 09 era sinônimo de angústia. Assim, a terapia comunitária pode ter uma repercussão positiva ou negativa e está condicionada à percepção de cada mulher. Na história de vida das mulheres pesquisadas, também se observava que, na terapia comunitária, as participantes tiveram a oportunidade de estabelecer vínculos de amizades, importantes durante o tratamento do câncer. A depoente 02 relata que essa prática ajudou bastante no tratamento do câncer, pois os encontros com as amigas na terapia comunitária e as conversas distraíam e ajudavam a tirar a doença do foco de seus pensamentos. Eis o relato: [...] acho que me ajudou bastante no tratamento do câncer porque ali a gente fica junto com as amigas e aí fica conversando, fica se distraindo, não fica pensando muito na doença. (Dep.02) A depoente 10 afirma que, depois que entrou para o grupo de terapia comunitária, e conheceu as colegas, sua vida ficou mais alegre e nunca mais ela teve medo de morrer. O convívio com pessoas enfrentando a mesma situação fez que ela superasse a tristeza e o medo da morte, como se pode observar no depoimento a seguir: Antes de eu participar desse grupo eu ficava em casa só aqui deitada e começava a chorar. Eu chorava e ficava imaginando besteira. Depois que eu entrei para grupo comecei a conhecer as colegas, a ficar mais alegre. Aí nunca mais eu tive aquela tristeza, aquele medo de morrer [...] (Dep. 10) A formação de vínculos e o estabelecimento de relações de amizade, de convivência e de manifestações afetivas são necessários ao existir do ser humano convivendo em sociedade. A terapia comunitária constituiu para as mulheres com câncer de mama uma estratégia que promoveu a construção de vínculos, criandose, assim, uma rede de apoio social tão necessária na superação dessa doença. De acordo com Barreto (2008), o vínculo é tudo que liga o homem à terra, às suas crenças, aos seus valores, enfim, à sua cultura. Confere ao ser humano identidade, inclusão e sentido de pertença. Podem-se identificar três tipos de vínculos: os saudáveis, que ligam as pessoas de maneira positiva, e as deixam confiantes e felizes, pois reforçam a identidade pessoal e cultural, consolidam a inclusão social e reforçam o sentimento de pertença; os frágeis, em que há

73 71 desconforto; e os de risco, que geram coisas desagradáveis e podem causar prejuízos às pessoas e a sua saúde e separação nos relacionamentos. Para se entenderem vínculos, é importante considerar o sujeito como múltiplo, com múltiplas origens ao longo de sua vida, além das primeiras relações. Alguns vínculos são considerados como emergidos em sua origem, por inscrever no sujeito o que não fazia parte de sua personalidade, modificando-o, suplementandoo, tornando-o outro sujeito que não estava previsto na infância. Nesse contexto o enquadre grupal é considerado como próprio da vincularidade e se configura como um atributo terapêutico. Dessa forma, a realização de seu potencial constitui-se na medida em que as relações em seu interior estimulam em seus participantes a constante produção de novos vínculos e pertenças e, com isso, a formulação de sujeitos (HOLANDA; DIAS; FERREIRA FILHA, 2007). Como já mencionado anteriormente, a partir dessa construção de vínculos, criou-se uma rede de apoio social. De acordo com Ferreira (2011), o apoio social pode ser definido como resultado de um conjunto de informações que levam o indivíduo a acreditar que é amado, estimado, valorizado e que está inserido em uma rede de relações sociais. Evidências mostram que a presença do apoio social pode atuar como fator de proteção para a saúde humana, reduz a necessidade da utilização de determinados medicamentos e acelera o processo de recuperação, repercutindo diretamente na qualidade de vida do paciente. A Terapia Comunitária constitui uma estratégia eficaz porque leva à construção de um sentimento de pertença, de valorização, uma melhoria das relações interpessoais, de autoestima, da saúde, da expressão emocional e qualidade de vida das pessoas. O sentimento de pertença permite a formação de grupos e é responsável por sua manutenção, introduzindo elementos na fala, nos gestos e no agir cotidiano (MALHEIROS, 2007; GUIMARÃES; FERREIRA FILHA, 2006). A valorização pessoal ocorre quando o indivíduo acredita que ele, como sujeito do processo da vida que se dá de modo dinâmico, passa a ser pertença desse grupo social, entendida na aceitação de diferenças individuais, que faz surgir a valorização de cada ser humano e o aprendizado de conviver com a diversidade (CECCARELLI, 2005). Tal fato pode ser observado no depoimento a seguir:

74 72 [...] me ajudou muito, me ajudou da mais valor, ajudou ainda eu ser forte, ajudou eu não ter vergonha do que eu sou[...] (Dep.03) No discurso da depoente 03, ela afirma que a terapia comunitária ajudou muito a se valorizar, a se fortalecer e não ter vergonha de si. Essa prática contribuiu para a paciente empoderar-se para enfrentar a situação vivenciada, visto que, ao participar dessa terapia, ela afirma que ganhou forças para superar a situação em que se encontrava. O enfoque principal da Terapia Comunitária é identificar e suscitar as forças e capacidades dos indivíduos, famílias e comunidades, que foram desenvolvidas ao longo de suas histórias pessoais e de suas experiências de vida. À medida que são identificadas e valorizadas, passam a ser reconhecidas como fonte de competências. Assim, as pessoas são estimuladas a encontrar as suas próprias soluções e superar as dificuldades impostas pelo meio e pela sociedade (BARRETO, 2008). O empoderamento, palavra muito utilizada por Paulo Freire, tem sentido de transformação e pode ser definida como a capacidade de realização. Uma pessoa empoderada realiza por si mesma as mudanças e ações que a levam a evoluir e fortalecer-se. Implica em conquista, avanço e superação; é algo que acontece internamente pela conquista (VALOURA, 2005). De acordo com Holanda (2006), o empoderamento é um processo contínuo que fortalece a autoconfiança dos grupos e do indivíduo, capacita-os para a articulação de seus interesses e para a participação na comunidade e que lhes facilita o acesso aos recursos disponíveis e o controle sobre eles. Ele garante um ganho de poder, traduzido em habilidade de agir e criar mudanças conscientes, permitindo aos participantes despertarem para um significado que mude sua condição de sofrimento. Assim, as depoentes falam desse empoderamento experimentado na terapia comunitária, que realizou mudanças em suas vidas, como chama atenção o relato a seguir: Aqui no grupo é muito bom, a gente chega triste, abatida, sem força, sem coragem, sem esperança, mas aí quando chega aqui vê que não é aquele bicho monstro que a gente cria na cabeça. Vamos melhorando, criando mais esperança, uma luz que brilha. Só de tá aqui até começa a esquecer de tanta coisa que passou no tratamento. Mas quando deixar de vir pra cá a

75 73 gente sempre cai porque é aqui que estamos encontrando força, esclarecimento e a alegria pra continuar [...]. (Dep. 05) Em seu discurso, a depoente 05 afirma que o grupo de terapia comunitária é bom porque ela chegava triste, abatida, sem força e lá ela percebia que a doença não era bem o que criava em sua cabeça. Assim ia melhorando e criando esperança. Acrescenta ainda que quando não ia piorava porque era lá que encontrava forças para enfrentar a doença. Nessa perspectiva, pode-se perceber que o grupo de terapia comunitária permite a ela uma transformação, tendo em vista que chegava com uma baixa autoestima e ao participar da roda de terapia, ganhava poder que lhe permitia superação, renovando suas forças necessárias para vivenciar o câncer. Assim Terapia Comunitária não constitui apenas uma prática voltada para a resolução de problemas, mas, sobretudo, para o desenvolvimento da resiliência. Segundo Melillo (2007), a resiliência é um processo que vai além do simples superar, já que permite sair fortalecido de situações adversas e contribui necessariamente para saúde mental. Ela diminui a intensidade de sinais emocionais negativos, como depressão, ansiedade, raiva e, sob condições e valores próprios, permite-lhes metabolizar o evento negativo e construir a partir dele. Dessa forma, a capacidade resiliente permite tolerar, manipular e aliviar as consequências psicológicas, sendo efetivas para a promoção da saúde mental e emocional, contribuindo dessa forma para a qualidade de vida. A resiliência constitui uma âncora para a Terapia Comunitária, por ser compreendida como a capacidade de transformar sofrimento em aprendizado, modificando os desafios em contextos de crescimento e incremento de autonomia. Desse modo, a mudança é de fato para as pessoas, já que nesse espaço há uma transformação de seus problemas em um novo jeito de enfrentar a vida (GRANDESCO; AMARANTE, 2007). Assim, percebe-se em vários relatos que a terapia comunitária contribui efetivamente para desenvolver o empoderamento e a capacidade de resiliência e promover uma mudança na percepção de cada mulher sobre o estar com câncer, como se observa no relato da depoente 07: Muitos testemunhos que eu ouvi foi que me deu força. Ah, então não vou morrer não, porque essa mulher fez (referindo-se ao tratamento do câncer)

76 74 ta com dez anos e ainda ta viva. Aí pronto, me levantei né porque tava nervosa mesmo. E venci! [...]. (Dep.07) Nos testemunhos ouvidos na terapia comunitária, a depoente 07 fala que adquiriu forças, pois viu que uma colega há dez anos tinha se tratado do câncer e ainda estava viva. Foi a partir dessa fala que afirma ter encontrado forças para superação da doença. Percebe-se o significado do empoderamento presente nesse relato, um ganho de poder, traduzido como habilidade de agir e criar mudanças conscientes que permitem a essa mulher despertar para o fato de que o câncer não seria o fim, que ele poderia ser superado, como foi. Ressalta-se ainda que em outros depoimentos emergiram, além do empoderamento, o desenvolvimento da capacidade de resiliência, como se manifesta nas falas a seguir: [...] a aceitação também né, porque a princípio ninguém aceita, vê aquele monte de mulher lá né, naquele grupo todo mundo de um jeito diferente, um olhar diferente, aí minha aceitação foi também a partir da participação no grupo. (Dep.01) Sempre frequento o grupo. Lá eu acho bom e me sinto bem porque a gente escuta outras pessoas que tem problemas muito maiores. A gente sempre pensa que só nós estamos passando por isso, pensa que o problema da gente é maior e tem outros que tem problema maior que esse. Eu acho que o grupo ajuda no tratamento porque no início quando eu descobri, eu ficava pra baixo, assim, tava muito mal mesmo ai eu vim pra cá e melhorei [...]. (Dep. 06) A depoente 01 afirma que a aceitação de estar com câncer só aconteceu a partir de sua participação no grupo. Já a depoente 06 refere que, após frequentar essa prática, percebeu que existem problemas maiores que o seu. Essa mesma depoente refere que o grupo ajuda no tratamento porque melhora o astral e a autoestima. Observa-se que ela ampliou sua percepção sobre os problemas que causam sofrimento e sobre o fato de que o problema dos outros pode ser maior que o seu, e isso lhe permitiu a superação. Diante do que foi discorrido durante a construção dessa categoria, concordase com Andrade et al.(2010) na afirmação de que a terapia comunitária permite aos indivíduos a recuperação de sua autoestima e, pelo processo de resiliência, empoderarem-se e se tornam terapeutas de si mesmos, a partir da escuta de vida. Essa prática promove ações positivas no âmbito da saúde mental, traduzidas em

77 75 aspectos de empoderamento e, por sua vez, em melhoria de qualidade de vida para todos. A Terapia comunitária constitui uma prática integrativa e complementar que tem importante contribuição para as mulheres com câncer de mama, tendo em vista que ela proporciona uma melhoria na qualidade de vida dessa mulher, uma vez que o compartilhar de experiências de estar com câncer produz transformações que dão outro nuance ao problema vivenciado O uso de plantas medicinais como prática complementar no combate ao câncer A partir da leitura dos relatos de vida das mulheres com câncer de mama, observou-se que, além do tratamento alopático tradicional, elas buscaram outras práticas terapêuticas para a cura do câncer de mama e, entre elas, o uso de plantas medicinais. Assim, essas mulheres relataram a utilização de várias plantas medicinais, durante ou após o tratamento convencional do câncer, como se pode perceber nos seguintes relatos: [...] eu tomei duas garrafadas com uísque e babosa que era muito bom e esse só foi o remédio que eu tomei contra o câncer fora a quimioterapia [...] (Dep.03) Quando eu terminei a quimioterapia foi que eu fiz tratamento alternativo, eu tomei, por exemplo, garrafada do ipê roxo com ameixa, umas raízes que a gente bota de molho. (Dep.04) [...] eu utilizei a babosa e o leite da mangaba. Ainda hoje eu tenho na geladeira. Fiz uns dois litros. Ah lembro, usei também o noni [...] (Dep.07) [...] eu tomei a água da casca de ameixa durante um ano, você acredita? (Dep.11) Nos relatos das depoentes 03, 04, 07 e 11, há menção à utilização de plantas medicinais popularmente conhecidas, como a babosa, o ipê-roxo, a ameixa, e a mangaba, no tratamento adjuvante de sua doença, e elas acreditam que as referidas plantas têm poder curativo sobre o câncer não se limitando a utilizar uma única erva. O emprego de plantas medicinais para a manutenção e a recuperação da saúde tem ocorrido ao longo dos tempos desde as formas mais simples de

78 76 tratamento local até as formas tecnologicamente sofisticadas de fabricação industrial. Mas, apesar das enormes diferenças entre as duas maneiras de uso, em ambos os casos o ser humano percebeu, de alguma forma, a propriedade de provocar reações benéficas ao organismo (LORENZI; MATOS, 2008). A utilização de plantas medicinais como medicamento é provavelmente tão antiga quanto o próprio homem. Numerosas etapas marcaram a evolução da arte de curar, porém torna-se difícil delimitá-las com exatidão devido ao fato de que a medicina esteve por muito tempo associada a práticas mágicas, místicas e ritualísticas. Consideradas ou não seres espirituais, as plantas, por suas propriedades terapêuticas ou tóxicas, adquiriram fundamental importância na medicina popular (MARTINS et al., 2000). A cura pelas plantas e seus produtos como medicina popular têm resistido às inovações que vêm ocorrendo com o passar dos tempos, as ervas têm conseguido sustentar sua importância e a confiança das populações atuais. É importante ressaltar que, mesmo diante dos progressos tecnológicos atuais, existem locais em que as plantas medicinais representam o único recurso de tratamento (MACIEL; PINTO; VEIGA, 2002). No Brasil, as práticas naturais de utilização de ervas ou plantas medicinais estão presentes em todo o território, independente das diferenças das regiões. Estas ervas têm sido muito utilizadas nos dias atuais como estratégia terapêutica para várias doenças, entre elas o câncer. Apesar de todos os avanços no desenvolvimento de drogas e outros recursos de tratamento, observa-se um crescente uso de plantas medicinais entre pacientes com essa doença. O tratamento convencional contra o câncer tem mostrado algumas limitações. A quimioterapia, apesar de seu efeito indiscutível no combate à doença, provoca várias reações tóxicas. Além disso, tumores sólidos são geralmente resistentes à quimioterapia, devido à incapacidade das drogas em acessar células hipóxicas. Acrescenta-se ainda o fato de muitos agentes antineoplásicos não serem específicos para células cancerosas e danificarem as células saudáveis, principalmente aquelas com alta rotatividade como as do sistema gastrointestinal e do sistema imunológico. Diante disso, muitos pacientes com câncer em todo o mundo têm recorrido às práticas integrativas e complementares, como o uso de plantas medicinais, para tratamento adjuvante ao convencional (OLIVEIRA; ALVES, 2002; CASSILETH; DENG, 2004; ALMEIDA et al., 2005).

79 77 As falas das depoentes 03, 04, 07 e 11 demonstram o uso, durante o tratamento do câncer, de algumas das plantas medicinais/ervas mencionadas na história de vida dessas mulheres e mostram que plantas populares são utilizadas de forma empírica para o tratamento do câncer, sem a devida orientação ou prescrição de um profissional capacitado. Nos relatos a seguir as mulheres expressam a sua percepção de como essas plantas foram importantes na sua melhora e na cura do câncer. Assim, mesmo realizando o tratamento convencional, elas utilizaram essas ervas por acreditarem que elas contribuiriam positivamente, conforme suas manifestações seguintes: [...] já tô num período da vida que nós já estamos em 2011 e graças a Deus até hoje eu não tenho comprovação nenhuma que a doença voltou [...] Eu tomei as garrafadas de babosa porque disse que é muito bom a gente tomar, que a garrafada servia pro câncer. Então como servia e eu já tinha dado mesmo o câncer aí eu ia tomar mesmo pra nunca vir de volta. (Dep.03) [...] antes de eu fazer esse tratamento alternativo (referindo-se ao uso de várias plantas medicinais) eu fiquei tão pálida, em todo lugar e as pessoas da minha família olhavam pra mim e só achavam que eu ia morrer, né, meus olhos roxos, as unhas tudo roxa até mesmo por causa da vacina (referindo-se à quimioterapia) e aí depois que eu comecei esse tratamento alternativo tudo melhorou, minha pele mudou, eu engordei um pouquinho em vista do que eu era né, minha pele ficou limpa, limpou tudo né[...] eu tenho certeza absoluta em Deus que se eu não tivesse feito esse tratamento eu teria morrido. Eu sei que a quimioterapia me ajudou muito, eu acho que ela conserva a gente assim por uns anos viva, mas eu sei lá alguma coisa da natureza da gente que tem a ver com essas plantas que Deus já fez mesmo assim porque se eu não tivesse feito tratamento alternativo eu não estaria aqui bem hoje como eu tô. (Dep.04) Eu tomei porque eu pensei se ainda tiver alguma coisa de câncer que a quimioterapia não matou, ele vai matar. Eu acho que tanto a babosa como a mangaba me ajudou na cura do meu câncer Eu achei também que elas melhoraram meu funcionamento intestinal. O noni abriu muito meu o apetite e me deixou corajosa e energética. (Dep.07) [...] junto à quimioterapia eu usei a água da casca de ameixa e só sei que fiquei curada [...] no terreno de um amigo do meu marido, tem um caboclo morador, que teve câncer e foi despachado daqui pra casa porque o médico disse que o caso dele não tinha jeito. E lá a mulher dele e os vizinhos ensinaram pra ele tomar casca de ameixa. Botaram umas cascas lá de molho pra ele tomar e o homem ta bom. Já está com três anos que ele se recuperou e ele ta bonzinho. (Dep.11) A depoente 03 fala que já faz algum tempo que terminou o tratamento do câncer de mama e nunca teve recaída. Acrescenta que tomou a garrafada de babosa porque ouviu falar que era bom para curar o câncer e para evitar que ele

80 78 retornasse. Já a depoente 04 diz que, antes de fazer uso das plantas medicinais, estava com uma aparência ruim e, após utilizá-las, tudo melhorou, a pele, o peso e revela que tem certeza de que, se não fosse esse tratamento com as plantas medicinais, ela teria ido a óbito. Reconhece a importância da quimioterapia, mas acha que, sem esse tratamento alternativo, ela não estaria tão bem. Já depoente 07 fala que fez uso da babosa e da mangaba para curar o que a quimioterapia não curou do seu câncer de mama. Acrescenta ainda que tanto a babosa como a mangaba melhoram o funcionamento de seu intestino e que o noni estimulou seu apetite e lhe deu mais energia. A depoente 11 diz ter feito uso da casca da ameixa e ficou curada. Também contou a cura de um conhecido seu que tinha sido desenganado da medicina em virtude de que seu caso não teria cura. Fala que, ao chegar a sua casa, fez uso da água da casca de ameixa e se recuperou. O discurso da depoente 03 revela que, diante de enfermidades como o câncer, o indivíduo tenta esgotar todas as possibilidades de tratamento da doença. Assim, utiliza tudo que a medicina científica e o saber popular oferecem para curar sua enfermidade. A fala da depoente 04 mostra uma melhora integral, inclusive da autoimagem, com o uso das ervas medicinais. Observa-se no seu discurso que percebe uma melhoria em sua vida, o que proporciona uma satisfação com sua saúde e repercute em sua qualidade de vida. Também se observa que, apesar de esse tratamento com plantas medicinais ser referendado por ela como alternativo, na realidade foi complementar, tendo em vista que ela realizou o tratamento alopata. A satisfação com a saúde tem importante repercussão na qualidade de vida das pessoas, porém, compreende-se que o significado de qualidade de vida é subjetivo, supera o estado de saúde física e adquire proporções muito mais significativas para o ser humano (ADAMOLI; AZEVEDO, 2009). A depoente 07, em seu relato de vida, diz acreditar que a babosa e a mangaba contribuíram para curar seu câncer enquanto o noni para ela proporcionou uma melhoria em sua vida traduzida no aumento do apetite, da coragem e da energia. Ela enfatiza que fez uso dessas plantas medicinais por crer que, se ainda tivesse algo da doença que o tratamento alopata não tivesse curado, as ervas curariam. A depoente 11 menciona o uso da água da casca de ameixa na cura do câncer.

81 79 Observa-se, portanto, que entre as depoentes houve consenso quanto à ocorrência de mudanças significativas em suas vidas após a adoção do uso de plantas medicinais como modalidade terapêutica adjuvante à medicina alopática no tratamento do câncer de mama. Essas mudanças são traduzidas na cura ou melhoria do estado geral dessas mulheres e contribuem de forma positiva para a melhoria da qualidade de vida dessas pacientes. De acordo com Melo et al. (2011), as plantas medicinais utilizadas em vários estudos experimentais mostram significativos resultados nos moldes farmacológicos usados, e esses resultados corroboram com seu uso popular. Dentre essas, quatro espécies de plantas merecem destaque por serem altamente citadas para o tratamento de doenças, entre elas o câncer, em pesquisas realizadas. São elas: Aloe vera, conhecida como babosa, Euphorbia tirucalli, que é corresponde ao aveloz ou cachorro pelado e a Tabebuia impetiginosa, vulgarmente chamada de ipê-roxo. Vários estudos realizados recentemente por Kametani et al. (2007), Guo et al. (2007), Akev et al. (2007), Guo et al. (2008) e Cui et al. (2008), têm proporcionado uma melhor definição do mecanismo da atividade antineoplásica da Aloe vera. Um estudo realizado por Lissoni et al. (2009) confirma investigações clínicas preliminares anteriores que já haviam demonstrado a eficácia de extratos de Aloe vera no tratamento paliativo de pacientes com câncer metastático, quer para melhorar a sua qualidade da vida, ou para prolongar o tempo de sobrevida. Além de disso, esse estudo demonstra a eficácia dessa planta em associação com quimioterapia. Assim, extratos de aloe vera podem exercer não só efeito oncostático direto, mas também melhoram a eficácia da quimioterapia na taxa de regressão do tumor e tempo de sobrevivência, bem como na redução de alguns efeitos tóxicos. É interessante destacar que, nos discursos, as mulheres referem não ter associado o uso de plantas medicinais, como a babosa, com a quimioterapia, como se pode observar a seguir: Eu também tomei a babosa com mel, mas eu só comecei a tomar depois que tinha terminado a quimio e a radio, porque quando eu tava fazendo não tomava nada não, porque dizem que não é não é bom misturar [...] (Dep.13) A depoente 13 refere que fez uso da babosa somente após o tratamento alopático em virtude de ter medo de misturar com o uso de ervas. Pode-se perceber

82 80 que o saber popular considera maléfica a associação do uso de ervas à quimioterapia. No caso específico da Aloe vera, vai de encontro com o estudo de Lissoni et al. (2009), que relata efeitos benéficos da sua associação com a quimioterapia já descrita anteriormente. Um estudo realizado por Powell et al. (2002) mostrou que as ervas medicinais são frequentemente usadas em conjunto com o tratamento quimioterápico. Diante dessa associação, surge uma importante questão, o risco de interação das ervas com os medicamentos da quimioterapia. Em relação a essa interação, uma pesquisa realizada por Sparreboom, Cox e Acharya (2004), que mostra as ervas mais comumente usadas no tratamento alopático para o câncer, revela que todas elas têm potencial para interações farmacocinéticas com as drogas anticâncer e podem, por exemplo, trazer graves efeitos como a não resposta aos quimioterápicos. Contudo, outros estudos, inclusive já citados nesta pesquisa como o de Lissoni et al. (2009), aludiram essa interação como benéfica, podendo diminuir os efeitos colaterais e tóxicos dos medicamentos alopáticos e otimizar a eficácia da quimioterapia. No que se refere à utilização do ipê-roxo, da mangaba e da casca de ameixa já citadas nos discursos das mulheres deste estudo, autores dão ênfase quanto a sua importância no tratamento de doenças, entre elas o câncer. A espécie Tabebuia impetiginosa, relatada pelas mulheres deste estudo pelo nome de ipê-roxo, também tem sido utilizado popularmente para o tratamento do câncer. De acordo com Lee et al. (2006), no extrato da T. impetiginosa foram identificados constituintes importantes como as naftoquinona e antraquinonas. Entre esses, a naftoquinona beta-lapachona é um dos componentes isolados mais estudados do gênero Tabebuia e já mostrou potencial antitumoral. A mangaba (Hancornia speciosa) é utilizada no tratamento de moléstias relacionadas ao aparelho genito-urinário, cólicas menstruais, luxações e hipertensão (MONTELES; PINHEIRO, 2007). Apesar de nos relatos a mangaba ser utilizada empiricamente para o tratamento do câncer, não se encontrou nenhuma referência que mostrasse especificamente essa evidência. Na busca nos bancos de dados indexados na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), encontrou-se o estudo de Wong et al. (2011), que mostra que algumas espécies de família Apocynaceae, a mesma da

83 81 mangaba, têm propriedades anticâncer. Assim, não há indícios de embasamento científico que sugiram o uso benéfico da mangaba contra o câncer. Um estudo realizado por Voss et al. (2006) identificou uma mistura de dois novos tipos de proteínas inibidoras de ribossomos, o riproximin, como o princípio ativo da atividade antineoplásica contida no material vegetal, e a Ximenia americana, popularmente conhecida como ameixa. Essa planta foi mencionada pelas mulheres deste estudo como adjuvantes no tratamento do câncer de mama. Ainda neste estudo destaca-se o relato de mulheres acerca da utilização da janaguba, do noni e do cachorro pelado. Elas assim se manifestaram: [...] eu tomei a janaguba. Depois de 6 meses eu passei 4 sem tomar nada aí depois passei 2 meses tomando janaguba. Aí depois da janaguba eu tomei também cachorro pelado. Era meu cunhado que preparava, botava 2 gotinhas de cachorro pelado em um litro de 2 litros de água aí a água que eu bebia era aquela nesses 2 meses. O último tratamento que eu fiz foi esse. Ah, fiz com noni agora já recente [...]. (Dep. 04) [...] ai eu comecei fazendo garrafada, fiz de noni, de cachorro pelado [...] (Dep.14) A depoente 04 fala que fez uso da janaguba em períodos alternados. Depois da janaguba, tomou o cachorro pelado e recentemente fez uso de noni. A depoente 14 também relata o uso do noni e do cachorro pelado. A janaguba, nome como é conhecida a espécie Himatanthus drasticus, foi outra erva mencionada pelas mulheres deste estudo como coadjuvantes em seu tratamento alopata. Essa planta, de acordo com Amaro et al. (2006), tem uma longa história de emprego na cura do câncer no nordeste brasileiro, porém quase sem registro na literatura até um passado recente. Contudo, estudos recentes têm mostrado o efeito antineoplásico dessa planta. Em 2008, Colares et al. isolaram e identificaram um extrato etanólico da casca do caule de H. drasticus, que é, provavelmente, uma substância com potencial com atividade anti-tumoral. Uma pesquisa realizada por Sousa et al. (2010) investigou a atividade antitumoral do extrato bruto metanólico das folhas de Himatanthus drasticus e avaliou sua toxicidade aguda. Os resultados mostram que o mecanismo subjacente à atividade antitumoral da janaguba ainda não foi elucidado. Sabe-se que o gênero Himatanthus possui substâncias em sua composição química que provavelmente são responsáveis por essa atividade. Estudos detalhados estão sendo realizados

84 82 para esclarecer a atividade antitumoral das folhas dessa espécie, assim como para determinar nova via de administração de drogas. Baseados nesses resultados, os pesquisadores concluíram que o extrato metanólico das folhas de H. drasticus possui baixa toxicidade e atividade antitumoral significativa nas doses testadas administradas por via oral. Os resultados de atividade antitumoral eram muito bons em relação ao controle ciclofosfamida, uma droga sintética amplamente utilizada nos protocolos de quimioterapia. O extrato encontrado é seguro em termos de toxicidade aguda em animais experimentais. Contudo, são necessários estudos sobre sua toxicidade crônica, mutagenicidade e de carciogenicidade, para verificar a segurança e os benefícios das plantas. Outra planta bastante relatada nos discursos das mulheres deste estudo foi o noni. Conhecida cientificamente por Morinda citrifolia, o noni tem chamado atenção de muito pesquisadores no mundo inteiro. De acordo com Franco (2008), o noni contém antraquinonas, enzima proxeronina, alcaloide, teronina, fitonutrientes, escopoleína e mais de 150 nutracêntricos. Ele reforça o sistema imunológico em caso de doenças imunossupressoras, como o câncer, e possui um importante efeito antitumoral e anticancerígeno, além de ter efeito restaurador celular. Uma das teorias mais utilizadas para o funcionamento do noni está relacionada com a proxeronina, que quando se liga a partes específicas das células se combina com outros agentes bioquímicos naturais onde exerce sua ação, através da corrente sanguínea, nas células doentes do organismo. Esta combinação se converte em xeronina, que auxilia na reparação e regeneração da célula (LAVAUT; LAVAUT, 2003). Conhecida por aveloz ou cachorro pelado, a Euphorbia tirucalli, é a planta hoje mais popularmente usada para tratar os diversos tipos de câncer e foi uma das que teve uso mais mencionado pelas pacientes deste estudo. De acordo com Aquino et al. (2008), tem sido utilizado com sucesso no tratamento de tumores, embora os mecanismos envolvidos nesta atividade tumoral não estejam totalmente elucidados. Um estudo realizado por Valadares et al. (2006) demonstrou que o extrato de avelóz induziria mielopoiese e involução tumoral em ratos com certo modelo de câncer experimental. Mas segundo Varricchio et al. (2008), além de ação imunossupressora, o látex do aveloz, tem efeitos nefro e hepatotóxicos devido à presença de ésteres de forbol.

85 83 Nos discursos das mulheres deste estudo, percebe-se que, mesmo utilizando o aveloz de forma empírica, elas conhecem por meio do saber popular sua toxicidade, e algumas referem medo em utilizá-lo, como mostram os seguintes depoimentos: [...] me ensinaram também o cachorro pelado, mas eu também tenho medo de fazer porque dizem que é perigoso se a gente não souber fazer né, porque eu não sei quantos pingos é aí fica ruim. (Dep.02) [...] Eu ainda usei cachorro pelado, mas foi por poucos dias porque eu fiquei com medo. Eu fiz por minha conta mesmo. Agora tô até com vontade de usar, mas tem gente que diz que queima. (Dep.09) [...] daí pra cá apareceu o cachorro pelado. Tomei um bocado de dia, só que eu não tomei as quatro garrafadas porque me fizeram medo (referindo-se à comunidade), mas eu tomei bem duas [...]. (Dep 05) Observa-se que houve um consenso entre as depoentes 02, 05 e 09 em relação ao medo da toxicidade do aveloz, já que a depoente 02 não chegou nem a fazer seu uso, e as depoentes 05 e 09, apesar de terem iniciado a utilização da seiva desta planta, por medo de seus efeitos, desistiram usá-la. É interessante observar ainda que mesmos as mulheres que ainda não utilizaram o aveloz, manifestaram desejo de utilizá-lo após o tratamento com a quimioterapia, o que está bem evidenciado no discurso a seguir: [...] eu tenho lá em casa um pezinho de cachorro pelado (risos) pra quando terminar o tratamento (referindo-se à quimioterapia). Sei lá a gente escuta tanta coisa, ah! fulano tomou isso e se curou, ah fulano teve câncer tal tomou isso e foi curado. Eu mesmo já vi muitas, por isso eu vou tomar, quando terminar o tratamento eu vou tomar o cachorro pelado. (Dep.06) No relato da depoente 06 fica evidente que, apesar de ela não ter utilizado o cachorro pelado, ela irá utiliza-lo após o término da quimioterapia, já que no meio popular observou muitos relatos de pacientes que se curaram com o uso de plantas medicinais. O uso do aveloz tem chamado maior atenção dos pacientes com câncer após a divulgação na impressa sobre uma pesquisa que visa à produção de um medicamento à base do látex dessa planta, eficaz no tratamento e cura do câncer. Essa pesquisa, que tem por objetivo desenvolver o novo medicamento fitoterápico batizado de AM 10, é financiada por um grupo de empresários do Nordeste e tem apoio de renomados especialistas e destacados institutos, como a Faculdade de

86 84 Medicina do ABC, Hospital Albert Einstein, Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho, Hospital Sírio Libanês e Centro Paulista de Oncologia (AMAZONIA FITOMEDICAMENTOS, 2011). A fase pré-clínica da pesquisa, com testes em células e animais, já foi concluída, atualmente se encontra na fase clínica e está sendo realizada em pacientes do sexo feminino e com diagnóstico de câncer de mama metastático. Nesta fase, o tratamento substitui as terapias convencionais, como a quimioterapia, pelo novo medicamento fitoterápico. O AM 10, diferentemente de outros medicamentos e da quimioterapia, que destroem células doentes e sadias, propõese a atuar direto nas células doentes, sendo, portanto, menos prejudicial e traumático ao paciente. A conclusão dos estudos sobre a ação do princípio ativo em células tumorais no organismo humano dependerá ainda de uma terceira fase, em que o medicamento terá que comprovar sua eficácia em um grande número de pacientes, também com outros tipos de câncer (SAPIÊNCIA, 2010; AMAZONIA FITOMEDICAMENTOS, 2011). Segundo Oliveira, Barros e Moita Neto (2010), o estudo do emprego popular de plantas medicinais é reconhecidamente uma ferramenta importante na descoberta de novos fármacos, tendo em vista que o uso e permanência de determinadas plantas dentro de uma comunidade sugere que ela possua real eficácia. Assim, observa-se que a utilização de plantas medicinais relatadas na história de vida das mulheres deste estudo reitera a afirmativa dos autores referidos anteriormente, tendo em vista que a maioria das ervas cuja utilização foi relatada possuem, de acordo com a literatura, real eficácia no tratamento de tumores Argiloterapia e religiosidade como práticas integrativas e complementares no tratamento do câncer de mama É interessante observar que algumas práticas integrativas surgiram, de forma isolada, nos relatos deste estudo. Dentre elas, o tratamento com argila e as práticas religiosas foram apontadas com importantes recursos complementares ao tratamento do câncer de mama.

87 85 A utilização e os benefícios da argiloterapia antes da mastectomia foram mencionados na história de vida da depoente 04: Ele (referindo-se ao cunhado que é terapeuta natural) fez um tratamento com argila, barro de olaria antes da cirurgia em mim. Aí ele preparava assim com água e ficava só aquela pasta aí ele colocava aqui na região todinha, na mama toda mesmo. Nossa, parece que eu entrava assim no céu e voltava porque assim, aquela quentura me incomodava tanto e quando ele colocava a argila era frio, bem friinho. Era uma temperatura natural, eu me sentia bem relaxada chega até dormir [...] só que o dr X falou assim, dona Y eu tô admirado do seu câncer não ter assim durante esse período da biópsia que a sra. fez, ele não ter generalizado, não ter afetado outros órgãos seus. Aí eu me lembrei do tratamento que tinha feito com argila, porque meu cunhado falou que ela suga as células cancerígenas. (Dep. 04) A depoente 04 fala que fez uso da argila na mama, em forma de pasta d água, antes da mastectomia. Ela afirma que quando colocava a argila, aliviava a quentura e ela se sentia relaxada que chegava até a dormir. Relata ainda que, ao retornar ao médico com o resultado da biópsia, ele se admirou por não haver metástase da doença. Pode-se perceber pelo depoimento que a argila proporciona um relaxamento, um conforto quando aplicada sobre a mama. Isso é importante, pois durante o tratamento do câncer a utilização de práticas que diminuam o desconforto gerado pela doença tem uma importante repercussão na qualidade de vida da paciente. O discurso mostra ainda que a paciente atribui ao tratamento com argila o não surgimento de metástase em seu corpo. A argila constitui na atualidade uma das mais importantes técnicas terapêuticas da medicina natural podendo ser utilizada tanto de modo preventivo como auxiliar no tratamento de doenças. Seu poder curativo pode ser parcialmente explicado pela sua composição química. Os íons negativos da argila podem atrair e absorver toxinas provenientes de íons positivos. Assim, a argila elimina toxicidade (NIGHTINGALE, 2003; SANTOS, 2004). De acordo com Claudino (2010), a argila possui propriedades antiinflamatórias, refrescantes, analgésicas, cicatrizantes, descongestionantes, desintoxicantes, antibióticas, bactericidas, calmantes e antissépticas. Elimina células danificadas, mortas e fortalece as que estão por vir. Pode ser utilizada em quaisquer tipos de lesões, debilidade dos ossos e músculos e ainda no tratamento do câncer de mama, sendo observados resultados mais notáveis na fase inicial do problema.

88 86 Diversas pesquisas clínicas e experimentais têm sido realizadas com argila e, em sua maioria, mostram apenas seu efeito terapêutico sobre processos infamatórios. Essa ação anti-inflamatória foi sugerida, por exemplo, por Tarkhan- Muuravi e Dzhakobiia (2006), ao analisar os resultados da sua aplicação em pacientes com trauma de troncos nervosos. Observa-se, porém, uma carência de estudos que relacionem outros efeitos da argila à regressão de tumores. Outra prática integrativa e complementar mencionada na história de vida de mulheres deste estudo foram as práticas religiosas, conforme no seguinte relato: Assim, durante meu tratamento também, todo dia, toda pessoa tem que fazer né, eu li a bíblia, salmo 90. Esse salmo ele me fortaleceu muito durante o meu tratamento, eu sentia mais firmeza, achava que nada ia dar errado, que tudo daria certo, como deu certo. (Dep. 01) [...] Eu acho que uma coisa muito importante foi a minha igreja. Minha fé em Deus foi uma coisa que me deu muita coragem pra continuar (silêncio), eu fiquei muito forte depois que eu voltei mesmo e até hoje na hora que eu to sentindo qualquer coisa meu destino é ir pra igreja, num instante. (Dep. 05) Ah eu também frequentei muita a igreja. Foi uma renovação na minha religião. Eu tinha muita fé e eu sentia que recebia muitas graças. Eu participava de um grupo de oração todos os sábados [...] (Dep.11) A depoente 01 refere que a prática diária de ler um salmo da bíblia a deixou fortalecida e confiante de que tudo daria certo, ou seja, que a cura ocorreria. Já a depoente 05 atribui à igreja importância para o tratamento. Diz que sua fé em Deus a deixou corajosa para enfrentar e acrescenta que ainda na atualidade quando sente algo, sua vontade é de ir à igreja. A depoente 11 relata que com a doença teve uma renovação em sua religião. Diz que participava de grupos de oração e recebia muitas graças. É interessante notar como a depoente 01 considera o recurso religioso como uma prática terapêutica de cura importante para o sucesso do tratamento convencional e superação da doença. No relato 05, observa-se que a fé em Deus, deixou esta mulher fortalecida para lutar contra a doença. O recebimento de graças, entendida neste estudo como melhora da doença, constitui, de acordo com a depoente 11, consequência de sua fé em Deus. Ela ainda acrescenta que a experiência do câncer permitiu uma renovação em sua religião. Assim, houve consenso nos discursos de que ler a bíblia e ter fé em Deus, um ser sobrenatural

89 87 que só deseja o melhor para as pessoas, é um fator que reduz a ansiedade e o estresse, o que repercute diretamente na qualidade de vida dessas mulheres. Os efeitos adversos, o medo, as experiências negativas prévias e um desejo por mais cuidados de apoio são algumas das razões apontadas por pacientes para busca de práticas integrativas, incluindo-se aí as práticas religiosas. Essas práticas constituem um dos recursos acessados a partir da ruptura biográfica que permite ao paciente ampliar sua capacidade de negociação constituindo-se como estratégia que legitima e ameniza a incerteza diante de uma enfermidade crônica como o câncer (ROSNER, 2001; SPADACIO; BARROS, 2009). Quando o paciente utiliza práticas religiosas de cuidado, ele adota uma forma cultural e social de tratamento mais próxima de sua realidade, buscando sentido para lidar com a vida e abrandar o sofrimento (CORTEZ; TEIXEIRA, 2010) Assim, nas pessoas doentes, a crença e as práticas religiosas se tornam particularmente importantes. Muitos pacientes veem na fé um remédio poderoso para o seu restabelecimento, ou seja, para sua cura, que pode ser influenciada pelo reforço positivista do paciente, e este efeito pode ser tão importante quanto os efeitos do tratamento alopático (KOENIG, 2000; SAAD; MEDEIROS, 2008). Culturalmente, a religião procura desempenhar várias funções, como criar uma identidade de coesão entre as pessoas, ganhar novas energias na luta pela sobrevivência e reforçar uma resistência cultural que, por si só, reforça também a busca da religião como solução (AQUINO; ZAGO, 2007). De acordo com Trentini et al. (2005) e Aquino e Zago (2007), uma das formas de enfrentamento da doença e da morte está diretamente ligada à força da fé e a crenças religiosas, ou seja, formas de expressar a espiritualidade, que constitui uma expressão da identidade e o propósito da vida de cada um mediante a própria história, experiências e aspirações. O alívio do sofrimento acontece na medida em que a fé religiosa permite transformações na perspectiva pela qual o paciente percebe a doença grave. Assim, Barros e Lopes (2007) afirmam que o tratamento do câncer como um todo se manifesta como uma situação extremamente difícil para as mulheres, exigindo-lhes muitos esforços psíquicos para suportarem prosseguir nesta caminhada, recorrendo, frequentemente, à dimensão espiritual, visto que a proximidade com a possibilidade concreta de finitude leva as mulheres a

90 88 perceberem sua mortalidade, procurando, assim, fortalecer a esperança na possibilidade de vida. Atualmente, muitas evidências conectam a religião/espiritualidade à saúde física e mental e à qualidade de vida. De acordo com Panzine et al.(2007), há indícios consistentes de associação entre qualidade de vida e espiritualidade em estudos com razoável rigor metodológico, utilizando diversas variáveis para avaliar a espiritualidade, como, por exemplo, afiliação religiosa e oração. Em relação especificamente ao câncer, pesquisas têm demonstrado que a religiosidade/espiritualidade contribui significativamente para o ajustamento pessoal à doença e seus tratamentos. A espiritualidade oferece a esperança para os pacientes com câncer, e tem sido comprovado efeito positivo na qualidade de vida desses pacientes, além de fornecer mecanismos de enfrentamento para o paciente e até seus cuidadores. Os pacientes espiritualizados lidam melhor com o câncer e têm uma postura mais ativa, aceitando sua doença e trantando-a de forma positiva (WEAVER; FLANNELLY, 2004). Um estudo de revisão realizado por Moreira-Almeida, Lotufo-Neto e Koenig (2006) também mostra indícios de que relacionam o envolvimento religioso com o processo de qualidade de vida de pessoas com câncer, trazendo evidências sobre a possibilidade de que a fé possa influenciar positivamente na saúde e qualidade de vida, permitindo, assim, redução de estresse e adesão ao tratamento. Nesse aspecto, percebe-se a necessidade de uma compreensão da importância da dimensão espiritual para a paciente com câncer, de forma a integrála de forma efetiva ao tratamento convencional dessa doença, já que tem importante repercussão na qualidade de vida desse paciente. Contudo, Faria e Seidl (2005) ressaltam que o paciente tem o direito de buscar alternativas para o próprio bem, desde que não interfiram no tratamento médico, mesmo que isso tenha demonstrado refletir positivamente no bem-estar físico e mental em todo o processo saúde-doença de um ser humano. Nesse sentido, as mulheres deste estudo, por meio da religiosidade, tiveram repercussões na qualidade de vida. Essas mulheres encontravam fortaleza para enfrentar a doença e a terapêutica alopática, reduziam o estresse e melhoravam o bem estar. Assim, a religiosidade foi utilizada por mulheres com câncer de mama como uma prática integrativa e complementar que teve importante impacto durante o tratamento do câncer de mama.

91 89 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

92 90 A realização deste estudo permitiu uma aproximação com uma temática relativamente nova dentro da oncologia, que é a utilização de práticas integrativas e complementares no tratamento do câncer. Essas práticas constituem-se um importante recurso na assistência a esses pacientes tendo em vista que, com o aumento da sobrevida deles, cresce a preocupação com a sua qualidade de vida. No caso do câncer de mama feminino, essa é mais evidente, já que a doença repercute na feminilidade da mulher e altera consideravelmente sua vida em diversos aspectos. A partir da utilização do método história de vida, conseguiu-se identificar uma diversidade de práticas integrativas e complementares utilizadas por quatorze mulheres com câncer de mama e conhecer suas percepções acerca dos efeitos dessas práticas em sua qualidade de vida. Este método foi de fundamental importância, pois permitiu uma aproximação pesquisador-sujeito necessária para a abordagem de uma temática permeada de tantas controvérsias no meio popular. Por meio dele, conseguiu-se entrar na história de vida daquelas mulheres e perceber como a abordagem ao câncer, principalmente o de mama, exige a utilização de práticas que contemplem o indivíduo de forma holística, já que a doença consegue atingir o trinômio corpo-mente-espírito. A análise dos relatos permitiu a construção de quatro categorias temáticas: o yogaterapia, na promoção do bem-estar físico e mental; a terapia comunitária, como um espaço de trocas, empoderamento e resiliência; o uso de plantas medicinais, como prática complementar no combate ao câncer; Argiloterapia e religiosidade, como práticas integrativas e complementares no câncer de mama. Conforme se observou nos relatos, as mulheres deste estudo utilizaram práticas integrativas e complementares, como o yoga, a terapia comunitária, as plantas medicinais, a argiloterapia e as práticas religiosas, de forma adjuvante ao tratamento alopático do câncer de mama e perceberam que todas essas terapias promoveram, entre outro efeitos, a diminuição da ansiedade, melhora do estresse, melhor aceitação e enfrentamento da doença, o que repercutiu diretamente em seu bem-estar e qualidade de vida. A prática do yoga foi percebida de forma positiva e relacionada a melhorias físicas e mentais na vida das mulheres com câncer de mama. Em seus discursos, elas relataram que foi a partir da participação nessa terapia que conseguiram melhorar a saúde psíquica abalada pela doença. Elas também atribuíram benefícios

93 91 físicos como relaxamento e alívio de dores na coluna e nos membros. Assim, relataram uma sensação de fortalecimento biopsíquico após as sessões. Percebe-se ainda que o yoga, ao englobar aspectos físicos e mentais, exerceu impacto positivo sobre a qualidade de vida nas mulheres com câncer de mama. Dessa forma, constitui uma importante prática integrativa e complementar a ser utilizada no tratamento oncológico. No que se refere à categoria A terapia comunitária como um espaço de trocas, empoderamento e resiliência observou-se, a partir das análises realizadas, que essa prática foi muito importante para o enfrentamento da doença. A troca de experiências entre mulheres que vivenciam a mesma situação foi propulsora para o processo de empoderamento e resiliência possibilitando uma vivência menos traumática do câncer. Esta prática constituiu-se um espaço de fala, de desabafo das angústias geradas pelo câncer de mama. E esse espaço de palavra era terapêutico para quem falava e para quem ouvia, proporcionando apoio através da troca de experiências. As participantes tiveram a oportunidade de estabelecer vínculos de amizades e através deles, formou-se uma rede de apoio social que foi importante durante o tratamento do câncer e contribuiu na melhora da qualidade de vida dessas mulheres. No que se refere à utilização de plantas medicinais, as participantes desse estudo relataram também a utilização de plantas como o noni, ameixa, janaguba, aveloz, babosa e mangaba de forma complementar ao tratamento alopático. Na percepção dessas mulheres, essas plantas foram importantes adjuvantes na cura do câncer. Assim, mesmo realizando o tratamento convencional, elas utilizaram essas ervas e acreditaram que poderiam contribuir positivamente na melhora de seu estado geral e na cura de sua doença. As histórias de vida das mulheres em estudo ainda revelaram que o uso de argila e a religiosidade foram formas utilizadas como práticas integrativas e complementares no tratamento do câncer e tiveram importante contribuição no tratamento do câncer, contribuindo positivamente na qualidade de vida dessas mulheres. A argiloterapia promoveu conforto e relaxamento quando diretamente aplicada sobre mama. Essa prática, utilizada antes da mastectomia, também foi percebida com a responsável pelo não aparecimento de metástase em seu corpo.

94 92 As práticas religiosas também estiveram presentes nos relatos das mulheres e constituíram importantes terapias no enfrentamento da doença tendo em vista que a fé em Deus promoveu redução da ansiedade e estresse, implicando diretamente a melhoria de vida dessas pacientes. Assim, os resultados deste estudo mostram que o câncer, ao promover repercussões biopsicossociais e espirituais na vida de uma pessoa, não pode ter seu tratamento reduzido ao componente biológico, tendo em vista que a doença extrapola essa dimensão e interfere na qualidade de vida dessas pacientes. Vale ressaltar que a incorporação da qualidade de vida deve ser uma meta assistencial a ser alcançada pelos profissionais de saúde na assistência aos pacientes com câncer, tendo em vista que os avanços tecnológicos na área da oncologia, apesar de aumentarem a sobrevida dessas pacientes, não proporcionam a elas viver com bem-estar. Tendo em vista a necessidade de prestar uma assistência voltada para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes oncológicos, deve-se fazer uso de práticas integrativas e complementares, já que elas constituem importantes recursos terapêuticos ao promover uma assistência integral. Nesta pesquisa, a utilização dessas práticas resultou em diminuição da ansiedade, depressão e estresse, aumentou o bem-estar e promoveu, consequentemente, uma melhor resposta do organismo ao tratamento alopático e uma melhoria na vida dessas mulheres. Contudo, a utilização dessas terapias deve ser realizada de forma assistida, e necessita obrigatoriamente da ajuda de profissionais capacitados nestas práticas, entre os quais a enfermeira tem um papel primordial, tendo em vista que é ela que tem um maior contato com a paciente, educando-a para uso adequado dessas terapias. Assim, este estudo recomenda aos serviços de oncologia a criação de programas de práticas integrativas e complementares com uma equipe multiprofissional, composta por médicos, enfermeiras, nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas naturais, entre outros, que possam oferecer uma associação benéfica entre o tratamento convencional e as terapias complementares com o objetivo de alcançar os melhores resultados nos tratamentos e promover uma melhoria de vida desses pacientes. Entre essas práticas, recomendam-se as utilizadas pelas mulheres deste estudo, a saber, yoga, terapia comunitária, uso de plantas medicinais, argiloterapia, práticas religiosas e outras mencionadas na

95 93 literatura e utilizadas em grandes centros, a exemplo do Hospital Israelita Albert Einstein, como a acupuntura, o Reiki, o toque terapêutico, a meditação, entre outras. Isso constitui um desafio que, para ser transformado em realidade, precisa inicialmente da sensibilização dos gestores e profissionais de saúde para a necessidade de uma nova abordagem ao tratamento oncológico, que vise prioritariamente, a promover qualidade de vida do paciente. Essas práticas dentro da oncologia vêm consolidar o principio do SUS da integralidade e amplia aos menos favorecidos os recursos antes restritos ao setor privado. Assim, tendo em vista que a Estratégia Saúde da Família deve ter sua atuação voltada para a integralidade das ações, considerando o indivíduo como um ser biopsicossocial e espiritual, que necessita de assistência voltada não apenas para o físico, mas para a mente e a alma do indivíduo, recomenda-se que a assistência por meio das práticas integrativas iniciada nos serviços oncológicos seja estendida para o âmbito da atenção básica, na ESF, em virtude também de esse serviço ser o que está mais vinculado ao paciente durante e após o término do tratamento alopata. Dentro desse contexto a enfermagem, como uma profissão que cuida do paciente, tem um importante papel. Há atualmente necessidade de uma assistência mais voltada para a integralidade e para a qualidade de vida da mulher com câncer, e a atuação nas práticas integrativas e complementares constitui uma estratégia para isso. No entanto, é necessário que haja capacitação dessas profissionais, pois somente assim é que poderão realizar uma assistência de qualidade a essa clientela. A qualificação dessas profissionais e a produção de conhecimento por meio de pesquisas também abre espaço para a atuação da enfermagem e proporciona autonomia e independência a enfermeira na sua prática em qualquer âmbito profissional. Considera-se ao final deste estudo que seus resultados não levam ao fim, mas ao início de grandes discussões e reflexões sobre a importância da utilização das práticas integrativas e complementares pelos serviços de saúde, e profissionais, em especial a enfermeira, como estratégia adjuvante de tratamento do câncer que vise sobretudo a uma melhoria na vida dessas pacientes.

96 94 REFERÊNCIAS

97 95 ADAMOLI N. A.; AZEVEDO M. R. Padrões de atividade física de pessoas com transtornos mentais e de comportamento. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, n. 14, v. 02, p , AKEV, N. et al. Tumour-preventive effect of Aloe vera leaf pulp lectin (Aloctin I) on Ehrlich ascites tumours in mice. Phytother Res, v.21, n.11, p , ALMEIDA, V. L. de et al. Câncer e agentes antineoplásicos específicos e ciclocelular não específicos que interagemcom o DNA: uma introdução. Quimica Nova, São Paulo, v. 28, n. 1, p , ALVES, E.; ELIAS, M. C. Medicina não convencional: prevalência em pacientes oncológicos. Rev Bras Cancerol., Rio de Janeiro-RJ, v. 48, n.4, p , ALVES, J. de A.; JUNGES, J. R. ; LÓPEZ, L. C. A dimensão religiosa dos usuários na prática do atendimento à saúde: percepção dos profissionais da saúde. O Mundo da Saúde, São Paulo, v.34, n.4, p.430-6, AMARO, M. S.; FILHO, S. M.; GUIMARÃES, R. M; TEÓFILO, E. M. Morfologia de frutos, sementes e de plântulas de Janaguba Himatanthus drasticus (MART.) Plumel.-Apocynaceae. Rev. Bras. Sementes, Londrina, v.28, n.1, p.63-71, AMAZONIA FITOMEDICAMENTOS. Sobre a Amazônia. Sobre a pesquisa. Disponível em:< Acesso em: 31 de Agosto de ANDRADE, et al. Promoção da saúde mental do idoso na atenção básica: as contribuições da terapia comunitária. Rev. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v.19, n.1, p , ANDRADE, J. T. de. Medicina alternativa e complementar: experiência, corporeidade e transformação. Salvador: EDUFBA/ EdUECE, ANDRADE, J.T.; COSTA, L. F. A. Medicina Complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da Antropologia médica. Saúde Soc., São Paulo, v.19, n.3, p , ANJOS, A.C.Y.; ZAGO, M.M.F. A Experiência da Terapêutica Quimioterápica Oncológica na Visão do Paciente. Rev Latino-Am Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 14, n. 1, p , 2006.

98 96 AQUNO, C. L. et al. High dilutions of Euphorbia tirucalli L. (AVELOZ) modify the viability and glycolitic metabolism of cell lines. Int J High Dilution Res, v.7, n.24, p.132-9, AQUINO, V.V.; ZAGO, M.M.F. O significado das crenças religiosas para em grupo de pacientes oncológicos em reabilitação. Rev. Latino-am Enfermagem, Ribeirão Preto, v.15, n.01, p.42-7, AURELIANO, W.A...e Deus criou a mulher : reconstruindo o corpo feminino na experiência do câncer de mama. Estudos feministas, Florianópolis, v. 17, n. 1, p.49-69, BACH, D. B.; LOPES, M. A. Estudo da viabilidade econômica do cultivo da babosa (aloe vera ). Ciênc. agrotec., Lavras, (MG), v. 31, n. 4, p , BALTAZAR, D. V. S. Crenças religiosas no contexto dos projetos terapêuticos em saúde mental: impasse ou possibilidade? Rio de janeiro, Dissertação (mestrado)- Escola Nacional de Saúde Pública/Fundação Osvaldo Cruz- Rio de Janeiro, p. BALLONE,G.J. Percepção e realidade. PsiqWeb, 2005.Disponível em Acesso em: 23 de Outubro de BARRETO, A. P. Terapia comunitária: passo a passo. 3. ed. revisada e ampliada. Fortaleza: Gráfica LCR, BARROS, D. O. ; LOPES, R. L. M. Mulheres com câncer invasivo do colo uterino: suporte familiar como auxílio. Rev Bras Enferm., Brasília, v. 60, n. 3, p , BEREK, J. S. N. Tratado de Ginecologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, BERTAUX, D. L approche biographique: as validité méthodologique, ses potentialities. Cahiers Internationaux de sociologia, v.69, Los relatos de vida: perspectiva etnosociológica. Barcelona-Espanha: editora bellaterra, 2005.

99 97 BERTAUX, D. Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. São Paulo; Paulus, BLAY, A. Fundamento e técnica do Hatha Yoga. 9. ed. São Paulo: Edições Loyola, BOTSARIS, A.; MEKLER, T. Medicina Complementar: vantagens e questionamentos sobre terapias não-convencionais. Rio de Janeiro: Nova Era, p. BOUSSO et al. Crenças religiosas, doença e morte: perspectiva da família na experiência de doença. Rev Esc Enferm USP, São Paulo, v.45, n.2, p , BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos ( Resolução 196/96 do conselho Nacional de Saúde). Rio de Janeiro: Fiocruz, Portaria Nº 19/GM de Janeiro de Instituto Nacional de Câncer. Controle do câncer de mama: documento do consenso. Rio de Janeiro: INCA, p.. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Editora MS, 2006a. 92p.. Controle dos Cânceres do Colo de Útero e da Mama. Brasília: Editora MS, 2006b. 124p..Estimativas 2008: incidência do câncer no brasil. Rio de Janeiro: Editora MS, p.. Instituto Nacional do Câncer (INCA). As Ações de Enfermagem para o Controle do Câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. 3ed. Rio de Janeiro: INCA, p.. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2010: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro: Editora MS, 2009a. 98p. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/estimativa/2010>. Acesso em: 15 mai

100 98. Relatório do 1º seminário Internacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde PNPIC. Brasília: Editora MS, 2009b. 196p. BRASILEIRO, M. T. Ximenia americana L.: botânica, química e farmacologia no interesse da tecnologia farmacêutica. Rev. Bras. Farm., Rio de Janeiro (RJ), v. 89, n. 2, p.164-7, CAMAROTTI, H. et al. Terapia Comunitária: relato da experiência de implantação em Brasília-DF. In BARRETO, A.; CAMAROTTI, H. (Org). A Terapia Comunitária no Brasil: anais dos trabalhos apresentados no I Congresso Brasileiro de Terapia Comunitária. Morro Branco- CE, p , maio CARÍCIO, M.R. Terapia Comunitária: um encontro que transforma o jeito de ver e conduzir a vida. João Pessoa, Dissertação (Mestrado)- Universidade Federal da Paraíba- João Pessoa, p. CARNEIRO, M. L. M.; SOARES, M. S. Holismo e Saúde: uma abordagem ampliada. In: GUALDA, D. M. R.; & BERGAMASCO, R. B. (Org.). Enfermagem, Cultura e o Processo Saúde-Doença. São Paulo (SP): Ícone; 2004, p CARR, A. J.; HIGGINSON, I. J. Are quality of life measures patiente centred? BMJ, v. 322, n. 2, p , CASSILETH, B. R.; DENG, G. Complementary and alternative therapies for cancer. Oncologist., v. 9, n. 1, p. 80 9, CASTRO, L. O.; RAMOS, R. L. D. Cultivo de três espécies de babosa. Porto Alegre: FEPAGRO, p. (Circular Técnica, 20). CECCARELLI, P. O sofrimento psíquico na perspectiva da psicopatologia fundamental. Psicologia em Estudo, v. 10, n. 3, p , CEOLIN, T. et al. A inserção das terapias complementares no sistema único de saúde visando o cuidado integral na assistência. Enferm. glob. n.16. p. 1-9, CHANAVIRUT, R. et al. Yoga exercise increases chest wall expansion and lung volumes in young healthy thais. Thai Journal of Physiological Sciences, v. 19, n. 1, p. 1-7, CHIZZOTTI, A. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 6ed. São Paulo; Cortez, 2003.

101 99 CLAUDINO, H. Argila Medicinal: propriedades, benefícios e uso na saúde e estética. São Paulo: Elevação, COELHO, C. M. et al. Qualidade de vida em mulheres praticante de Hatha Ioga. Motriz, v.17, n. 1, p , COHEN, L. et al. Effect of yoga on QOL, cortisol rhythym, and HRV for women breast cancer undergoing radiotherapy. Journal of Clinical Oncology, v. 29, n. 15 suppl, CRUZ, C. T.; BARROS, N. F de; HOEHNE; L. E. Evidências sobre o Uso de Práticas Alternativas e Complementares no Tratamento Convencional de Neoplasias Mamárias. Rev. Brasileira de Cancerologia, v.55,n.3, p , CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Resolução 197/97. Disponível em: <http://www.portalcofen.gov.br/2007/materias.asp?articleid=7041. &sectionid=34>. Acesso em 31 de Agosto de CORTEZ, E. A.; TEIXEIRA, E. R. O Enfermeiro diante da religiosidade do cliente. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v.18, n.01,p.114-9, CUI, X. et al. Preparation of 1,8-di-O-alkylaloe-emodins and 15-amino-, 15 thiocyanoand 15-selenocyanochrysophanol derivatives from aloe-emodin and studying their cytotoxic effects. Chem Pharm Bull, Tokyo, v.56, n.4, p , DOMÍNGUEZ I.R. et al. Beneficios del Aloe Vera L. (sábila) en las afecciones de la piel. Rev Cubana Enferm.v.2, n.3, p. 1-4, DUNCAN, M. D.; LEIS, A.; TAYLOR-BROWN, J. W. Impact and outcomes of an Iyengar yoga program in a cancer centre. Current Oncology, v. 15, n. S2, p. S72- S78, ELIAS, M. C.; ALVES, E.; TUBINO, P. Uso de medicina não-convencional em crianças com câncer. Rev. Brasileira de Cancerologia, São Paulo, v.52,n.3, p , ELSNER, V. R. ; TRENTIN, R. P.; HORN, C. C. Efeito da hidroterapia na qualidade de vida de mulheres mastectomizadas. Arq Ciênc Saúde, v.16, n.2, p.67-71, 2009.

102 100 ELIAS, M. C.; ALVES, E. Medicina não convencional: prevalência em pacientes oncológicos. Revista Brasileira de Cancerologia, Rio de Janeiro, v.48, n. 4, p , EZEOME, E. R.; ANARADO, A. N. Use of complementary and alternative medicine by cancer patientsat the University of Nigeria Teaching Hospital, Enugu, Nigeria. BMC Complementary and Alternative Medicine, v.7, n.28, FARIA, J.B.; SEIDL, E.M.F. Religiosidade e enfrentamento em contextos de saúde e doença: revisão da literatura. Psicol Reflex Crit, Porto Alegre, v.18, n.3, 381-9, FIGUEIREDO, M. N. A. et al. O corpo sadio que adoece por câncer: um caranguejo no corpo. IN: FIGUEIREDO, M. N. A. et al. (Org.). Enfermagem Oncológica: conceitos e práticas. São Caetano do Sul, SP: Yendis, p FRANCO, L. L. 100 chás e seus benefícios medicinais. São Paulo: Elevação, FERNANDES M. Z. L. C. M. Determinação da toxicidade aguda da Himatanthus sucuuba (Spruce) Woodson (Apocynaceae) em camundongos. Rev Bras Farm, Rio de Janeiro(RJ) v. 81, n.1, p , FERREIRA, D. B. Qualidade de vida em pacientes em tratamento de câncer de mama - associação com rede social, apoio social e atividade física. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado) Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, p. FEUERSTEIN, G. Uma visão profunda do yoga: teoria e prática. Tradução por Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Pensamento, FUKUI, L. Terapia comunitária e o conceito de comunidade: uma contribuição da sociologia. [online]disponível em:http://www.usp.br/nemge/textos_tecendo_estudando/terapia_comunidade_fukui. pdf. Acesso em: 16 de Agosto de FONTANELLA, F. et al. Conhecimento, acesso e aceitação das práticas integrativas e complementares em saúde por uma comunidade usuária do Sistema Único de Saúde na cidade de Tubarão/SC. Arquivo Catarinense de Medicina, Florianópolis, v. 36, n.2, p , 2007.

103 101 GEORGE, J.B. Teorias de enfermagem: fundamentos para a prática profissional. 4 ed. Porto Alegre: Artes Médicas; GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, GIL, A. C. ; LICHT, R. H. G.; SANTOS, B. R. M. Porque fazer pesquisa qualitativa em saúde? Caderno de Saúde. v. I, n. 2; p.5-19, Disponivel em: <http://www.uscs.edu.br/revistasacademicas/caderno/caderno_sau02.pdf> Acesso em : 21 de abril de GRANDESCO, L.; AMARANTE, P. O enfoque estratégico do planejamento em saúde e saúde mental. In: BARRETO, M. R. Terapia Comunitária: torcendo redes para a transformação social, saúde, educação e políticas públicas. São Paulo-SP: Casa do Psicólogo, GRANDESSO, M. A. Terapia Comunitária- um contexto de fortalecimento de indivíduos, famílias e redes. In: Congresso Brasileiro de terapia Comunitária- Fortaleza: Abratecom, 2005, p GRANER, K. M., COSTA JUNIOR, A. L.; ROLIM, G. S. Dor em oncologia: intervenções complementares e alternativas ao tratamento medicamentoso. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto(SP), v.18, n. 2, p , GROSS A., LIU, Q., BAUER-WU S.M. Prevalence and predictors of integrative therapies use in advanced-stage breast cancer patients. Journal of Oncology Practice, v.3, n.6, p , GUIMARÃES, F. J. Repercussões da Terapia Comunitária no cotidiano de seus participantes. João Pessoa, Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Paraíba- João Pessoa, p. GUIMARÃES, F. J.; FERREIRA FILHA, M. O. Repercussões da terapia comunitária no cotidiano de seus participante. Rev. Eletr. Enf., Goiânia, v.08, n.03, p , Disponível em: <http://www.fen.ufg.br/revista/revista8_3/v8n3a11.htm> Acesso em: 12 de Agosto de GUO, J.M. et al. Anticancer effect of aloe-emodin on cervical cancer cells involves G2/M arrest and induction of differentiation. Acta Pharmacol Sin, v.28, n.12, p , 2007.

104 102 GUO, J. M. et al. Suppression of C-myc expression associates with anti-proliferation of aloe-emodin on gastric cancer cells. Cancer Invest., v. 26, n.4, p , GURURAJA, D. Effect of yoga on mental health: Comparative study between young and senior subjects in Japan. International Journal of Yoga, v.4, n.1, p.7-12, HAGINS, M.; MOORE, W.; RUNDLE, A. Does practicing hatha yoga satisfy recommendations for intensity of physical activity which improves and maintains health and cardiovascular fitness? BMC Complementary and Alternative Medicine, London, v. 7, n. 40, p. 1-9, Disponível em: <http://www.biomedcentral.com/ /7/40>. Acesso em: 01 agosto de HEDENDAL, B. E. Whole-leaf aloe vera, almost A panacea Disponível em:<http://wholeleaf/.com/aloeverainf/>. Acesso em: 19 de Outubro de HOSPITAL SÃO MARCOS (HSM). Histórico. Teresina, Disponível em: <http://www.saomharcos.org.br >Acesso em: 24 jun INAGAKI, A.D.M. et al. Prática para Detecção Precoce do Câncer de Mama Entre Docentes de uma Universidade. Rev. Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro: v. 16, n. 3, p , INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA). Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, p. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/estimativa/2012/>. Acesso em: 08 de Janeiro de HOLANDA, V. R. Contribuições da terapia comunitária para o enfrentamento das inquietações de gestantes. João Pessoa,2006.Dissertação( Mestrado)- Universidade Federal da Paraíba-João Pessoa, p. HOLANDA, V. R.; DIAS, M.D. FERREIRA FILHA, M.O. Contribuições da terapia comunitária para o enfrentamento das inquietações de gestantes. Rev. Eletr. Enf., Goiânia, v.09, n. 01, p.79-92, Disponível em: <http://www.fen.ufg.br/revista/v9/n1/v9n1a06.html> Acesso em: 12 de Agosto de HOSAKOTE, V. S. et al. Effects of yoga on symptom management in breast cancer patients: A randomized controlled trial. International Journal of Yoga, v.2, n.1, p. 73-9, 2009.

105 103 HUSSAIN, H. et al. Lapachol: an overview. Arkivoc II, p , HYDE, F. F. Medicina Herbária. Ann Hill (Org.) Guia das Medicinas alternativas. Tradução por Fernando Valdemar de Castro Soromenho. 2 ed. Belo Horizonte: Mandala, 2003.p HYODO, I. et al. Nationwide Survey on Complementary and Alternative Medicine in Cancer Patients in Japan. Journal of Clinical Oncology, v.23, n.12, p , JORGE, L.L.; MATOS, L.D.N.J. Ioga: efeitos fisiológicos e terapêuticos. Einstein: Educ Contin Saúde, São Paulo, v. 07, n. 4, p.213-5, KAMETANI, S. Mechanism of growth inhibitory effect of Cape aloe extract in ehrlich ascites tumorcells. J Nutr Sci Vitaminol, Tokyo, v.53, n.6, p , KOENIG, H.G. Spiritual aspects of surgery. Ophthalmol Clin North Am, v. 13, n.01, p.71-83, LARROSA, C. R. R.; DUARTE, M. R. Contribuição ao estudo anatômico do caule de Himatanthus sucuuba(spruce ex Müll. Arg.) Woodson, Apocynaceae. Rev. Bras. Farmacogn., Curitiba(PR), v. 15, n. 2, p , LAVAUT, N.E. G; LAVAUT, J. A. G. Rev. Cubana Farm, v. 37, n. 3, dic Disponível em:< >Acesso em: 20 de Agosto de LEE, J.I. et al. Beta-lapachone induces growth inhibition and apoptosis in bladder cancer cells by modulation of Bcl-2 family and activation of caspases. Experimental Oncology, v.28, n.1, p.30-5, LIN, K. Y. et al. Effects of Yoga on Psychological Health, Quality of Life, and Physical Health of Patients with Cancer: A Meta-Analysis. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, v. 38, n. 06, p.1-12, LISSONI, et al. A Randomized Study of Chemotherapy Versus Biochemotherapy with Chemotherapy plus Aloe arborescens in Patients with Metastatic Cancer. In vivo, n.23, p , 2009.

106 104 LORENZI, H.; MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2ª ed. Nova Odessa: Plantarum, MACIEL, M.A.M.; PINTO, A.A; VEIGA, V.F. J. Plantas Medicinais: A necessidade de estudos multidisciplinares. Química nova, São Paulo, v.25, n.03, p , MACHADO, W. C. A. et al. Ações de enfermagem fundamentada no saber médico. IN: FIGUEIREDO, M. N. A. et al. (Org.). Enfermagem Oncológica: conceitos e práticas. São Caetano do Sul, SP: Yendis, p MALHEIROS, E. O uso da fala como instrumento restaurador dos males psicossomáticos e melhora da qualidade de vida. In: GRANDESSO, M. BARRETO, M. R. Terapia Comunitária: tecendo redes para a transformação social, saúde, educação e políticas públicas. São Paulo(SP): casa do psicólogo; p MARTINS, E. R.; CASTRO, D. M. de; CASTELLANI, D. C.; DIAS, J. E. Plantas Medicinais. Viçosa: Editora da UFV: Universidade Federal de Viçosa, 2000, 220 p. MASCKIEWIC, E. Argila. Revista Bel Col, v. 55, n.03, p. 15-8, 2010; MD ANDERSON CANCER CENTER. Integrative Medicine Program. Texas-EUA, Disponível em: <http://www.mdanderson.org/education-andresearch/departments-programs-and-labs/programs-centers-institutes/integrativemedicine program/index.html/www.mdanderson.org> Acesso em 19 de julho de MELILLO, A. A resiliência: descobrindo fortalezas. Porto Alegre: Artmed, MELO, J. G. de, et al. Medicinal Plants Used as Antitumor Agents in Brazil: Na Ethnobotanical Approach. Evidenc-based Complementary and Alternative Medicine. p. 2-14, MINAYO, M.C. S. et al. Pesquisa social: teoria e criatividade. 18 Ed. Petrópolis-RJ: Vozes, MINAYO, M. C. S.; HARTZ, Z. M. A.; BUSS, P. M. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc Saúde Coletiva, Rio de janeiro, v.5, n.1, p.7-18, MOADEL, A.B. et al. Randomized Controlled Trial of Yoga Among a Multiethnic

107 105 Sample of Breast Cancer Patients: Effects on Quality of Life. Journal of Clinical Oncology, v.25, n. 28, p] , MONTELES, R.; PINHEIRO, C. U. B. Plantas medicinais em um quilombo maranhense: uma perspectiva etnobotânica. Rev Biol Cien Terra, João Pessoa (PB), v.7, n. 2 p.38-48, MOREIRA-ALMEIDA, A.; LOTUFO-NETO, F., KOENIG, H. G. (2006). Religiousness and mental health: A review. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v.28, n.3, p , NERY, I.S.; TYRELL, M, A, R. O aborto provocado e a questão de gênero: mulher em evidência e as evidencias das mulheres para as bases da assistência de enfermagem. 2. ed. Teresina: EDUFPI, NATIONAL CENTER OF COMPLEMENTARY AND ALTERNATIVE MEDICINE. What Is Complementary and Alternative Medicine. Maryland-EUA, Disponível em: <http://nccam.nih.gov/health/whatiscam> Acesso em: 21 de Abril de NIGHTINGALE, M. J. Argila e lama. In: HILL, A. (Org.). Guia das medicinas alternativas. Tradução por Fernando Valdemar de Castro Soromenho. 2 ed. Belo Horizonte: Mandala, p NOGUEIRA, M. L. Mobilidade psicossocial: a história de Nil na cidade vivida. Dissertação (Mestrado) Belo Horizonte, FAFICH, NUCCI, N. A. G. Qualidade de vida e câncer: um estudo compreensivo. Ribeirão Preto (SP), Tese (Doutorado)- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Universidade de São Paulo. NUÑEZ, H. M. F. Terapias alternativas/complementares: o saber e o fazer das enfermeiras do DA-71 Santo Amaro- São Paulo. São Paulo (SP), p. Dissertação (Mestrado)- Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo. OLIVEIRA, F.C.S.; BARROS, R.F.M.; MOITA NETO, J.M. Plantas medicinais utilizadas em comunidades rurais de Oeiras, semiárido piauiense. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, v.12, n.3, p , 2010.

108 106 OLIVEIRA, R. B. de; ALVES, R. J. Agentes antineoplásicos biorredutíveis: uma nova alternativa para o tratamento de tumores sólidos. Quimica Nova, São Paulo, v. 25, n. 6a, p , PAULA, J. A. M.; PAULINO, V. C. P. - A necessidade de uma prática holística em saúde e a formação de professores dos cursos da área da saúde na Universidade Estadual de Goiás (UEG). Revista da UFG, Goiânia, v. 7, n. 2, Disponível em: <http://www.proec.ufg.br/revista_ufg/45anos/r-necessidade.html#tema>. PARK, B.S. et al. Antioxidant activity and characterization of volatile constituents of Taheebo (Tabebuia impetiginosa). Journal of Agricultural and Food Chemistry, v.51, n.1, p , PARNAGUÁ, T.T.B.; BEZERRA, A.L.Q. Atuação do Enfermeiro em um Hospital Especializado em Práticas Integrativas. Rev. Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p POLIT,D.F.;BECK,C.T;HUNGLER,B.P. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem: Métodos, avaliação e utilização. 5 ed. Porto Alegre:Artmed,2004,487p. POWELL, C. B. et al. Use of herbs in women diagnosed with ovarian cancer. Int J Gynecol Cancer, v.12, n.2, p , RODRIGUES, M. R. et al. Estudos sobre o yoga. São Paulo: Phorte; 2006a. RODRIGUES, M. R. O que é yoga? IN: RODRIGUES, M. R. et al (Org.) Estudos sobre o yoga. São Paulo: Phorte; 2006b. p ROSNER, F. Religion and Medicine. Arch Intern Med, v. 165, n. 15, p , SAAD, M.; MEDEIROS, R, de. Espiritualidade e saúde. Einstein: Educ Contin Saúde, São Paulo, v. 06, n.03, p.135-6, SAMPAIO, M. R. F. B. Vivência da Sexualidade de Mulheres Portadoras do HIV/AIDS. Teresina, Dissertação (Mestrado em Enfermagem) Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2005.

109 107 SANTOS, B. M. V. dos. A cura pela argila: os benefícios da lama no corpo físico. 3ed. Terra Viva, SANTOS, I. M.M.; SANTOS, R.S. A etapa de análise no método história de vida uma experiência de pesquisadores de enfermagem. Rev. Texto Contexto Enferm., Florianópolis, v. 17, n. 4, p , SANTOS, R. S. Ser mãe de uma criança especial: do sonho à realidade. Rio de Janeiro, p. Tese (doutorado em Enfermagem) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, SANTOS, P. O. et al. Investigação da atividade antimicrobiana do látex da mangabeira (Hancornia speciosa Gomes). Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, v.9, n.2, p , SAPIÊNCIA: Informativo científico da FAPEPI. Teresina-PI: Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Piauí. Trimestral. N. 26, Ano VI. ISSN SCHWARTSMANN, G.; MARTELETE, M. Câncer. In: DUNCAN, B. B. et al. Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, SCHWARTZMANN, L. Calidad de vida relacionada con la salud: aspectos conceptuales. Cienc Enferm., v.9, n.2, p.9-21, SEIDL, E. M. F.; ZANNON, C. M. L. C. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.20, n.2, p.580-8, SERRANO, R. A.; Hierbas medicinales y câncer. Rev. Metas Enferm., v. 8, n. 10, p , SHANNAHOFF-KHALSA, D.S. - Kundalini yoga meditation techniques for psychooncology and as potential therapies for cancer. Integrative Cancer Therapies, v.4, n.1,p , SHARMA, C. H. Homeopatia. IN: Ann Hill (Org.) Guia das Medicinas alternativas. Tradução por Fernando Valdemar de Castro Soromenho. 2 ed. Belo Horizonte: Mandala, 2003.p

110 108 SILVA, A. P. et al. Conte-me sua história : reflexões sobre o método história de vida. Mosaico: estudos em psicologia, Belo Horizonte, v. 1, n.1, p , SILVA, G. D. Efeitos do yoga com e sem aplicação da massagem tui na em pacientes com fibromialgia f. Dissertação (Mestrado em Ciências) Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, SILVA, L. C. Câncer de mama e sofrimento psicológico: aspectos relacionados ao feminino. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n.2, p , SILVA, R. C. F. da. Cuidados paliativos oncológicos: reflexões sobre uma proposta inovadora na atenção à saúde p. Dissertação(Mestrado em Ciências - área de Saúde Pública), Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN (HIAE). Saúde além da cura. Medicina integrativa e Complementar. Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.einstein.br/hospital/oncologia/programas/paginas/saudealem-cura.aspx.> Acesso em: 21 de abril de SOUSA E. L. de, et al. Antitumor activity of leaves of Himatanthus drasticus (Mart.) Plumel-Apocynaceae (Janaguba) in the treatment of Sarcoma 180 tumor. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, São Paulo, v. 46, n. 2, p , SOUZA, I. M.C., VIEIRA, A.L.S. Serviços públicos de saúde e medicina alternativa. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, supl 0, p , SOUZA, E. F. A. A.; LUZ, M. T. Bases Socioculturais das Práticas Terapêuticas Alternativas. Rev. História, Ciências, Saúde- Manguinhos,Rio de Janeiro, v. 16, n.2, p , SPADACIO, C.; BARROS, N.F. Uso de Medicinas Alternativas e Complementares por Pacientes com Câncer: Revisão Sistemática. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v.42, n. 1, p , SPADACIO, C.; BARROS, N.F. Terapêuticas convencionais e não convencionais no tratamento do câncer: o sentido das práticas religiosas. Interface-comunicação, saúde, educação, Botucatu, v.13, n.30, p.45-52, SPADACIO, C. et al. Medicinas Alternativas e Complementares: uma metassíntese. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 7-13, jan

111 109 SPINDOLA, T.; SANTOS, R da S. Trabalhando com a história de vida: percalços de uma pesquisa (Dora)? Rev Esc Enfer USP. São Paulo, v. 37, n. 2, p , SPARREBOOM, A. Herbal remedies in the United States: potential adverse interactions with anticancer agents. Journal Clin Oncol. v.22, n.12, p , SPETHMANN, C. N. Medicina alternativa de A a Z. 6 ed. Uberlândia(MG): Natureza, TARA, W. Medicina Oriental. IN: Ann Hill (Org.) Guia das Medicinas alternativas. Tradução por Fernando Valdemar de Castro Soromenho. 2 ed. Belo Horizonte: Mandala, 2003.p TARKHAN-MUURAVI, I. D.; DZHAKOBIIA, N.V. Effect of complex rehabilitation byphysical factors (therapeutic mud, waves of millimeter range) on the indices of inflammation process and immune status in patients with traumas of peripheral nervous system. Georgian Med News, v.132, n.03, p.72-6, TESSER, C. D. Medicalização social (II): limites biomédicos e propostas para a clínica na atenção básica. Interface, Botucatu, v.10, n.20, p , TESSER, C.D. Práticas complementares, racionalidades médicas e promoção da saúde: contribuições pouco exploradas. Cad. de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 8, p , THE WHOQOL GROUP. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Soc Sci Med, v, 41, p , TREASURE, J. Herbal medicine and cancer: an introductory overview. Semin Oncol Nurs., v.21, n.3, p , TESSER, C.D.; BARROS, N. F. de. Medicalização social e medicina alternativa e complementar: pluralização terapêutica do Sistema Único de Saúde. Rev. Saúde Pública. São Paulo, v. 42, n. 5, p , 2008.

112 110 TRENTINI, M. et al. Enfrentamento de situações adversas e favoráveis por pessoas idosas em condições crônicas de saúde. Rev Latino-am Enfermagem, Ribeirão Preto v.13, n.01, p.38-45, VALADARES, M. C. et al. Euphorbia tirucalli L. modulates myelopoiesis and enhances the resistance of tumour-bearing mice. Int Immunopharmacol., v.6, n.2, VALOURA, L. de C. Paulo Freire, o educador brasileiro autor do termo Empoderamento, em seu sentido transformador, 2005/2006. Disponível em: <http://www.paulofreire.org/pub/crpf/crpfacervo000120/paulo_freire_e_o_conceito_ de_empoderamento.pdf> Acesso em: 14 de Agosto de VARRICCHIO, M. C. B. N et al. Chronic toxicological effects of high diluted solutions of Aveloz (Euphorbia tirucalli L.) on healthy mice: a preliminary study. Int J High Dilution Res., São Paulo, v.7, n. 25, p , VILA, M. C. Manual de geoterapia aplicada. Lima: EsSALUD; Organización Panamericana de la Salud, p. VOSS C. et al. Identification and characterization of riproximin, a new type II ribosome-inactivating protein with antineoplastic activity from Ximenia Americana. The FASEB Journal, n. 20, p , YWATA, C.; ANTÔNIO, J.; CORDEIRO, R. Medicina Natural: a cura está na natureza. São Paulo: Brasil; [s.d.]. WEAVER, A. J.; FLANNELLY, K. J. the role of religion/spirituality for cancer patients and their caregivers. South Med J., v. 97, n.12,p , WONG, S. K. et al. Antiproliferative and phytochemical analyses of leaf extracts of ten Apocynaceae species. Pharmacognosy research, v.3, n.2 p.100-6, 2011 WORTHINGTON, V. Terapias de exercícios individuais. In: HILL, A. (Org.). Guia das medicinas alternativas. Tradução por Fernando Valdemar de Castro Soromenho. 2 ed. Belo Horizonte: Mandala, p

113 111 ANEXOS

114 112 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO EM ENFERMAGEM ANEXO A - PORTARIA Nº 971, DE 3 DE MAIO DE 2006

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR Karyanna Alves de Alencar Rocha (1); Maria Janielly de Oliveira Costa (2); Ariadne Messalina Batista

Leia mais

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS Gilmara Saraiva Bezerra 1 Irma Caroline Lima Verde da Silva 2 Nydia Cavalcante de Carvalho Pinheiro 3 Maria Zélia de Araújo Madeira

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

Sumário. Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução 17. Princípios e conceitos 19. Atenção ao corpo 39

Sumário. Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução 17. Princípios e conceitos 19. Atenção ao corpo 39 Sumário Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução 17 1 Princípios e conceitos 19 Complementar ou alternativa? 26 Trazendo a medicina a suas origens 29 O direito à cura 35 Para saber mais 38 Atenção ao corpo

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS 1 Resumo MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS SILVA, Gusmão Fernanda¹ SOUZA, Lindyara Thâmara² O câncer de mama tem sido o responsável pelos maiores índices

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 COMO TUDO COMEÇOU: Demanda da Coordenadora do Voluntariado

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

A Importância na Identificação dos Fatores de Risco para Prevenção do Câncer de Mama

A Importância na Identificação dos Fatores de Risco para Prevenção do Câncer de Mama A Importância na Identificação dos Fatores de Risco para Prevenção do Câncer de Mama Felipe A. de A. Souza Universidade Severino Sombra,Acd. de medicina faandrades@hotmail.com Juliana L. Fernandes Universidade

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER.

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. Antônio Augusto Gonçalves TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Em junho deste ano, comecei um trabalho voluntário na instituição Casa Ronald McDonald, que tem como missão apoiar e humanizar o tratamento de crianças e adolescentes

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama.

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Histórico O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Iniciado na década de 90 nos EUA, a campanha derrubou

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 01-Out-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 01/10/2015

Leia mais

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama BOLETIM ELETRÔNICO EPIDEMIOLÓGICO G E R E N C I A E X E C U T I V A D E V I G I L Â N C I A E M S A Ú D E ANO 1, Nº 1 EXPEDIENTE: Novembro de 27 GOVERNADOR DO ESTADO Cássio Cunha Lima SECRETÁRIO DE ESTADO

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde da Mulher Professor: Renata Fernandes do Nascimento Pré-requisito(s): ------ Carga

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

Experiência da Secretaria Municipal de Saúde do Recife SUS

Experiência da Secretaria Municipal de Saúde do Recife SUS Experiência da Secretaria Municipal de Saúde do Recife Unidade de Cuidados Integrais à Saúde Professor: Guilherme Abath (UCIS) Odimariles Dantas Gerente da UCIS/PCR Unidade de Cuidados Integrais à Saúde

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

CÃNCER DE MAMA X PADRÃO DE COMPORTAMENTO

CÃNCER DE MAMA X PADRÃO DE COMPORTAMENTO 1 Resumo CÃNCER DE MAMA X PADRÃO DE COMPORTAMENTO Maria das Graças Vilas Boas É uma observação clinica nas mulheres com câncer de mama que apresentam padrões comportamentais semelhantes. Gostam de fazer

Leia mais

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM Alex Henrique de Oliveira 1 Resumo: A Síndrome de Burnout é um transtorno adaptativo crônico que gera no profissional um sentimento de impotência,

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL Contributions of physiotherapy for the promotion of health of the informal caregiver Lidiane Cristina Custódio

Leia mais

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia II Congresso Multidisciplinar em Oncologia SOBREVIVENTES DO CÂNCER: DE QUAL DEMANDA EMOCIONAL ESTAMOS FALANDO? Vicente A. de Carvalho II Congresso Multidisciplinar em Oncologia A revolução na Medicina

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2 ESTUDO CLÍNICO-PATOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES JOVENS DIAGNOSTICADAS E TRATADAS NO HOSPITAL DE CÂNCER DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 1996 A 2006. Marília Ávila Acioly 1 ; Maria

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA APRESENTAÇÃO E-mail para contato: ctifor@tjce.jus.br Nome do trabalho: Projeto Qualidade de Vida: celebrando o equilíbrio mente/corpo no ambiente

Leia mais

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. COORDENADOR Prof a. Dr a. Denise Siqueira de Carvalho AUTOR

Leia mais

PET- SAÚDE NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA.

PET- SAÚDE NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA Prevenção em dobro Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel O eixo de Prevenção do Câncer do Programa Cuide-se+ acaba de ganhar um importante reforço no atendimento aos trabalhadores das

Leia mais

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense A herança renascentista: controle da natureza Deslocamento do teocentrismo

Leia mais

Redações vencedoras I Concurso de Redação

Redações vencedoras I Concurso de Redação Redações vencedoras I Concurso de Redação 1 Lugar Aluno: Julia Stefani Moraes Professora: Regina M. Macedo de Melo Castro Informação: A melhor maneira de combater o câncer Penso que falar sobre este assunto

Leia mais

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução)

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução) UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG PERÍODO LETIVO: 2015.2 CURSO: ENFERMAGEM - TURNO: NOTURNO 5º PERÍODO A AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR MANUAL 1 E L A B O R A Ç Ã O HGWA: Fernanda Azevedo de Souza: Coordenação, UCE Adulto (UCE I e AVC Subagudo) e Cuidados Paliativos Isabelle de Freitas Luz - Clínica Pediátrica, UCE Pediátrica e PAD Pediátrico

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À MULHER COM CÂNCER. Enfª Rosenice Perkins D S Clemente Enfermagem oncológica

HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À MULHER COM CÂNCER. Enfª Rosenice Perkins D S Clemente Enfermagem oncológica HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À MULHER COM CÂNCER Enfª Rosenice Perkins D S Clemente Enfermagem oncológica 12 de julho de 2013 Cena 1 Joana - casada, dois filhos pequenos, do lar, evangélica, desinteressada

Leia mais

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) O que é? É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - CURITIBA Unidade

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL Disciplina: A ética descritiva sob a Perspectiva Interdisciplinar 1 e 2 A ética descritiva, Logoterapia e as esferas

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais