Matemática Financeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática Financeira"

Transcrição

1 Matemática Financeira 1) A principal diferença entre os juros simples e os juros compostos é: a) Os juros simples não são empregados em operações financeiras de nenhuma natureza. b) Os juros compostos são empregados em operações financeiras e no mercado de capitais, mas não em operações de arrendamento mercantil. c) No regime dos juros simples, os juros formados em cada período de capitalização são parcialmente integrados ao montante relativo ao último período do cálculo. d) No regime de juros compostos, os juros formados em cada período de capitalização são integrados ao montante relativo ao último período de cálculo. e) Nenhuma, tendo em vista que o cálculo dos juros simples é idêntico ao cálculo dos juros compostos. 2) Em relação ao cálculo dos juros simples, pode-se afirmar que: a) Taxas de juros menores produzem montante maior. b) Taxas de juros menores são capitalizadas em períodos menores. c) Os juros formados são capitalizados em separado no período seguinte. d) Os juros formados são proporcionais ao número de períodos de capitalização. e) Sua forma de capitalização corresponde a um cálculo exponencial. 3) Uma condição fundamental para o adequado cálculo dos juros é que:

2 a) As taxas de juros devem estar sempre na mesma unidade de tempo que o prazo. b) As taxas de juros devem ser calculadas em separado a fim de se determinar o prazo posteriormente. c) Os juros compostos tenham seu coeficiente ajustado pelo prazo antes de se realizar o cálculo do montante inicial. d) Os juros simples tenham seu coeficiente ajustado pelo prazo antes de se realizar o cálculo do montante inicial. e) O prazo vai determinar a taxa de juros usada no cálculo. 4) No cálculo do juros devidos em qualquer transação financeira, aponte a definição incorreta: a) O capital corresponde ao valor expresso em moeda e que corresponde à quantia monetária aonde se incidirão os juros. b) A taxa de juros corresponde a um percentual aplicado ao capital e que vai determinar o valor dos juros devidos em função de um período de capitalização e de um regime de formação de juros. c) A capitalização corresponde à formação dos juros devidos em função do capital, prazo e taxa de juros. d) A taxa de juros pode variar entre um período de capitalização e outro em função do contrato celebrado entre as partes. e) O crescimento dos juros em relação ao capital é sempre linear. 5) Considerando o cálculo dos juros simples e sua relação com o regime de capitalização simples, é incorreto afirmar-se que: a) Uma taxa de juros simples de 2% ao mês é proporcional a uma taxa de juros simples de 24% ao ano.

3 b) Uma taxa de juros simples de 2% ao mês é proporcional a uma taxa de juros simples de 6% ao trimestre. c) Uma taxa de juros simples de 2% ao mês é proporcional a uma taxa de juros simples de 12% ao semestre. d) Uma taxa de juros simples de 2% ao mês é proporcional a uma taxa de juros simples de 4% ao bimestre. e) Uma taxa de juros simples de 2% ao mês é proporcional a uma taxa de juros simples de 10% ao quadrimestre. 6) Financeiramente, a maior característica do regime de juros compostos é: a) Os juros calculados se incorporam ao capital e portanto formam parte dos juros calculados no período de capitalização seguinte. b) Os juros calculados se incorporam ao capital e portanto formam a totalidade dos juros calculados no período de capitalização seguinte. c) Não há relação entre o cálculo dos juros compostos e o capital. d) O crescimento dos juros em uma operação financeira não tem relação com o regime de capitalização adotado. e) O regime de capitalização adotado não influi no valor dos juros calculados. 7) A necessidade de se informar o Custo Efetivo Total a um cliente de uma operação financeira se deve ao fato de que: a) Praticamente nenhum cliente tem condições técnicas de calcular os juros devidos em uma operação financeira. b) O prazo de cada operação influencia no montante dos juros calculados para o regime de juros compostos.

4 c) O regime de capitalização adotado influencia no cálculo dos juros e portanto uma mesma taxa de juros pode produzir valores diferentes de juros. d) As tabelas de coeficientes de financiamento são calculadas arbitrariamente pelos ofertantes de crédito, de modo que as taxas de juros são válidas para cada tabela de coeficientes específica. e) É necessário padronizar o critério de arredondamento de cálculo de juros compostos. 8) Se um tomador de empréstimos solicita carência para o pagamento das parcelas devidas em uma operação, o efeito desta negociação é que: a) As parcelas a serem pagas terão seu valor aumentado em função do período de tempo em que não houveram pagamentos ao credor. b) As parcelas a serem pagas terão seu valor mantido em função do período de tempo em que não houveram pagamentos ao credor. c) As parcelas a serem pagas terão seu valor diminuído em função do período de tempo em que não houveram pagamentos ao credor. d) O Custo Efetivo Total da operação diminui. e) O valor da entrada correspondente à operação tem seus juros necessariamente formados pelo regime de capitalização simples. 9) Uma operação de crédito aonde o valor das parcelas é firmado no momento da negociação, não sendo admitidas variações nestas parcelas exceto por atraso no pagamento, corresponde a uma operação contratada com uma taxa de juros do tipo: a) Descapitalizada. b) Pré-fixada. c) Compostos.

5 d) Simples. e) De Correção Monetária. 10) Em uma operação financeira na qual o devedor negocia um valor como entrada no pagamento: a) O valor das parcelas a serem pagas corresponde à diferença entre o valor do financiamento contratado e a respectiva entrada. b) O valor a ser capitalizado corresponde à diferença entre o valor do financiamento contratado e a respectiva entrada. c) O prazo do contrato automaticamente diminui proporcionalmente ao valor do financiamento. d) O regime de capitalização deve mudar para ajustar o valor constante da parcela. e) A taxa de juros deve mudar para ajustar o valor constante da parcela. Normas do Banco Central 11) Entre os eventos de risco operacional, de acordo com o Banco Central do Brasil, não se inclui: a) Demandas trabalhistas e segurança deficiente do local de trabalho. b) Danos a ativos físicos próprios ou em uso pela instituição. c) Aqueles que acarretem a modificação das atividades da instituição. d) Falhas em sistemas de tecnologia da informação. e) Fraudes externas.

6 12) A estrutura do gerenciamento do risco de crédito, de acordo com o Banco Central do Brasil, deve prever: a) Adequada validação dos sistemas, modelos e procedimentos internos utilizados para gestão do risco de crédito. b) Elaboração, com periodicidade mínima anual, de relatórios que permitam a identificação e correção tempestiva das deficiências de controle e de gerenciamento do risco de crédito. c) Elaboração e disseminação da política de gerenciamento de risco de crédito ao pessoal da instituição, em seus diversos níveis, estabelecendo papéis e responsabilidades, bem como as dos prestadores de serviços terceirizados. d) Realização, com periodicidade mínima anual, de testes de avaliação dos sistemas de controle de riscos de crédito implementados. e) Implementação, manutenção e divulgação de processo estruturado de comunicação e informação. 13) De acordo com a Resolução 3.954/2011 do Banco Central do Brasil, alterada pela Resolução 3.959/2011, não podem ser contratados na qualidade de correspondentes no país: a) As empresas públicas. b) As sociedades definidas no Código Civil. c) Os prestadores de serviços notariais e de registro de que trata a Lei 8.935/1994. d) As associações definidas na Lei /2002. e) As Sociedades de Propósito Específico definidas no Código Civil.

7 14) De acordo com a Resolução 3.954/2011 do Banco Central do Brasil, alterada pela Resolução 3.959/2011, o contrato de correspondente deve estabelecer: a) Exigência de que o contratado mantenha relação formalizada mediante vínculo empregatício ou vínculo contratual de outra espécie com as pessoas naturais integrantes da sua equipe, envolvidas no atendimento a clientes, usuários e sociedade civil. b) Obrigação ao contratado de emitir, a seu favor, carnês ou títulos relativos às operações realizadas, ou cobrar por conta própria, a qualquer título, valor relacionado com os produtos e serviços de fornecimento da instituição contratante. c) Realização de acertos financeiros entre a instituição contratante e o correspondente, no máximo, a cada cinco dias úteis. d) Obrigação à utilização, pelo contratado, de instalações cuja configuração arquitetônica, logomarca e placas indicativas sejam similares às adotadas pela instituição contratante em suas agências e postos de atendimento. e) Permissão de acesso do Banco Central do Brasil aos contratos firmados ao amparo desta resolução, à documentação e informações referentes aos produtos e serviços fornecidos, bem como às dependências do contratado e respectiva documentação relativa aos atos constitutivos, registros, cadastros e licenças requeridos pela legislação. 15) Conforme a Resolução 3.954/2011 do Banco Central do Brasil, no seu Capítulo V, que trata especificamente do controle das atividades do correspondente: a) A instituição contratante deve adequar o sistema de controles internos e a auditoria interna, com o objetivo de monitorar as atividades de atendimento ao público realizadas por intermédio de correspondentes, compatibilizando-os com

8 o número de pontos de atendimento, e com o volume e complexidade das operações realizadas. b) A instituição contratada deve estabelecer, com relação à atuação do correspondente, metas quantitativas de controle de qualidade, levando em conta, entre outros fatores, as demandas e reclamações de clientes e usuários. c) Fica o Banco Central do Brasil autorizado a estabelecer procedimentos a serem integrados aos controles das atividades do correspondente, bem como determinar a adoção de auditorias e procedimentos padronizados, estabelecendo períodos específicos para sua implementação, caso verifique a inadequação do controle que a contratante exerce sobre as atividades do correspondente; d) O correspondente deve colocar à disposição da instituição contratante e de sua equipe de atendimento documentação técnica adequada, bem como manter canal de comunicação permanente com objetivo de prestar esclarecimentos tempestivos à referida equipe sobre seus produtos e serviços. e) A instituição contratante deve disponibilizar, exceto por meio de telefone, informação sobre determinada entidade ser, ou não, correspondente e sobre os produtos e serviços para os quais está habilitada a prestar atendimento. 16) A Resolução 3.516/07 do Banco Central do Brasil trata, especificamente: a) Das Normas Sobre Cobrança de Tarifas Pela Prestação de Serviços Por Parte das Instituições Financeiras. b) Da cobrança de tarifa em decorrência de liquidação antecipada de contratos de concessão de crédito e de arrendamento mercantil financeiro. c) Normas sobre a contratação de correspondentes no País d) Do Fornecimento Por Escrito das Razões Para o Indeferimento dos Pedidos de Financiamento.

9 e) Da Emissão de Recibos Pela Cobrança de Taxas de Levantamentos Efetuados. 17) A Resolução 2.554/98 do Banco Central do Brasil, em seu Art. 2º, indica que os controles internos voltados às atividades das instituições financeiras e demais instituições autorizadas, devem prever, dentre outros, os seguintes aspectos, exceto: a) A definição de responsabilidades dentro da instituição. b) A segregação das atividades atribuídas aos integrantes da instituição de forma a que seja evitado o conflito de interesses, bem como meios de minimizar e monitorar adequadamente áreas identificadas como de potencial conflito da espécie. c) Meios de identificar e avaliar fatores internos e externos que possam afetar adversamente à realização dos objetivos da instituição. d) A existência de canais de comunicação que assegurem aos funcionários, segundo o correspondente nível de atuação, o acesso a confiáveis, tempestivas e compreensíveis informações consideradas relevantes para suas tarefas e responsabilidades. e) A existência de testes periódicos de auditoria nos sistemas de informações, em especial para os mantidos em meio eletrônico.

10 Para responder às perguntas 19 a 20 abaixo, considere o texto da Resolução 3.919/2010 do Banco Central do Brasil, que trata sobre as normas de cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas. 18) Conforme o Art. 2º e seus incisos, é vedada a cobrança pela prestação de serviços bancários em contas de depósitos à vista relativas a: a) Emissão de cartões de crédito. b) Realização de até quatro saques, por mês, em guichê de caixa, inclusive por meio de cheque ou de cheque avulso, ou em terminal de autoatendimento. c) Fornecimento de até vinte folhas de cheques por mês, desde que o correntista reúna os requisitos necessários à utilização de cheques, de acordo com a regulamentação em vigor e as condições pactuadas. d) Fornecimento de até quatro extratos, por mês, contendo a movimentação dos últimos trinta dias por meio de guichê de caixa e/ou de terminal de autoatendimento. e) Transferências eletrônicas de valores até o montante de R$ 3.000,00 (três mil reais). 19) Conforme o Art. 5º e seus incisos, admite-se a cobrança de tarifa pela prestação de serviços diferenciados a pessoas naturais, assim considerados aqueles relativos a alguns dos produtos e serviços abaixo, exceto: a) Aval e fiança. b) Câmbio. c) Cartão de crédito diferenciado.

11 d) Custódia. e) Conta poupança. 20) Conforme o Art. 13 e seus incisos, os demonstrativos e/ou faturas mensais de cartão de crédito devem explicitar informações, no mínimo, a respeito dos seguintes aspectos, excetuando-se: a) Limite de crédito total e limites individuais para cada tipo de operação de crédito passível de contratação. b) Gastos realizados com o cartão, por evento, inclusive quando parcelados. c) Identificação das operações de crédito contratadas e respectivos valores. d) Valores relativos aos encargos cobrados, informados de forma unificada de acordo com os tipos de pagamentos realizados por meio do sistema de autoatendimento. e) Valor dos encargos a ser cobrado no mês seguinte no caso de o cliente optar pelo pagamento mínimo da fatura. Lavagem de Dinheiro A Lei Nº 9.613, de 03 de Março de 1998, dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores, bem como sobre a prevenção da utilização do sistema financeiro para os ilícitos previstos nesta Lei, cria o Conselho de Controle de Atividades Financeiras - COAF, além de outras providências. Para responder às questões 21 a 30 abaixo, considere os Capítulos I, V, VI, VII, VIII e IX do texto da referida Lei. 21) Não corresponde a crime de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores a circunstância de:

12 a) Tráfico ilícito de substâncias entorpecentes ou drogas afins. b) Contrabando ou tráfico de pessoas, armas e seres vivos. c) Extorsão mediante sequestro. d) Contra a Administração Pública, inclusive a exigência, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, de qualquer vantagem, como condição ou preço para a prática ou omissão de atos administrativos. e) Terrorismo e seu financiamento. 22) A pena prevista para os crime de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores corresponde a: a) Multa de UFIR. b) Multa de UFIR. c) Reclusão de cinco anos. d) Reclusão de três a cinco anos e multa. e) Reclusão de três a dez anos e multa. 23) A pena será aumentada de um a dois terços, se o crime for cometido de forma habitual ou por intermédio de organização criminosa, exceto no caso de: a) Extorsão mediante sequestro. b) Contra o sistema financeiro nacional. c) Crime contra o mercado de valores mobiliários. d) Terrorismo e seu financiamento.

13 e) Tráfico ilícito de substâncias entorpecentes ou drogas afins. 24) De acordo com o Art. 9º da Lei 9.613/98, indique as pessoas jurídicas que não se sujeitam-se às obrigações de identificação de clientes e manutenção de cadastros atualizados: a) As bolsas de valores e bolsas de mercadorias ou futuros. b) As seguradoras, as corretoras de seguros e as entidades de previdência complementar ou de capitalização. c) As empresas de arrendamento mercantil (leasing) e as de fomento comercial (factoring). d) As empresas de varejo eletrônico. e) As sociedades que efetuem distribuição de dinheiro ou quaisquer bens móveis, imóveis, mercadorias, serviços, ou, ainda, concedam descontos na sua aquisição, mediante sorteio ou método assemelhado. 25) A respeito da Identificação de Clientes e Manutenção de Registros, é correto afirmar que: a) As pessoas jurídicas sujeitas à Lei manterão registro de toda transação em moeda nacional ou estrangeira, títulos e valores mobiliários, títulos de crédito, metais, ou qualquer ativo passível de ser convertido em dinheiro, que ultrapassar limite fixado pela autoridade competente e nos termos de instruções por esta expedidas; b) As pessoas físicas deverão ter tratamento diferenciado e identificação cadastral específica na forma padronizada definida pelo Banco Central.

14 c) As pessoas jurídicas deverão ter tratamento diferenciado e identificação cadastral específica na forma padronizada definida pelo Banco Central. d) O registro das transações será efetuado também quando a pessoa física ou jurídica houver realizado, em um mesmo dia útil, operações com uma mesma pessoa, conglomerado ou grupo que, em seu conjunto, ultrapassem o limite fixado pela autoridade competente e) O Banco Central autorizará a manutenção de registro por empresas terceirizadas, formando o cadastro geral de correntistas e clientes de instituições financeiras, bem como de seus procuradores. 26) As pessoas jurídicas sujeitas à Lei deverão dispensar especial atenção às operações que apresentem indícios ou suspeitas de crimes de lavagem e ocultação de bens e direitos e portanto: a) Deverão comunicar, abstendo-se de dar aos clientes ciência de tal ato, no prazo de cinco dias úteis, às autoridades competentes b) Deverão comunicar todas as transações que ultrapassarem limite fixado, para esse fim, pela mesma autoridade e na forma e condições por ela estabelecidas c) As comunicações equivocadas acarretarão responsabilidade civil ou administrativa d) Existe um canal de comunicação direto e online do banco Central para o recebimento das denúncias de suspeição. e) As pessoas para as quais não exista órgão próprio fiscalizador ou regulador farão as comunicações mencionadas no respectivo artigo ao Conselho Monetário Nacional - CMN e na forma por ele estabelecida.

15 27) A inadequada ou incorreta Identificação de Clientes e Manutenção de Registros não prevê a sanção de: a) Ajuizamento de ação penal. b) Inabilitação temporária. c) Cassação da autorização para operação ou funcionamento. d) Advertência. e) Multa pecuniária variável. 28) A sanção aplicada sempre que as pessoas sujeitas à Lei, por negligência ou dolo, deixarem de sanar as irregularidades objeto de advertência, no prazo assinalado pela autoridade competente, será de: a) Multa pecuniária variável. b) Cassação da autorização para operação ou funcionamento. c) Advertência. d) Inabilitação temporária. e) Ajuizamento de ação penal. 29) A sanção aplicada quando forem verificadas infrações graves quanto ao cumprimento das obrigações constantes da referida Lei ou quando ocorrer reincidência específica, devidamente caracterizada em transgressões anteriormente punidas com multa, será de: a) Advertência. b) Majoração da multa pecuniária.

16 c) Ajuizamento de ação penal. d) Cassação da autorização para operação ou funcionamento. e) Inabilitação temporária. 30) Dentre as atribuições do Conselho de Controle de Atividades Financeiras COAF, não se inclui: a) Coordenar e propor mecanismos de cooperação e de troca de informações que viabilizem ações rápidas e eficientes no combate à ocultação ou dissimulação de bens, direitos e valores. b) Disciplinar, aplicar penas administrativas, receber, examinar e identificar as ocorrências suspeitas de atividades ilícitas previstas na Lei, sem prejuízo da competência de outros órgãos e entidades. c) A manutenção centralizada de registros das operações financeiras realizadas no país. d) Comunicar-se junto às autoridades competentes para a instauração dos procedimentos cabíveis, quando concluir pela existência de crimes previstos na Lei, de fundados indícios de sua prática, ou de qualquer outro ilícito. e) Requerer aos órgãos da Administração Pública as informações cadastrais bancárias e financeiras de pessoas envolvidas em atividades suspeitas. Ética de Conduta e Melhores Práticas 31) Não pode ser considerado um princípio ético fundamental: a) A benemerência e a filantropia. b) A estrita observância do sistema de leis, normas, costumes e normas de regulação. c) A observância dos princípios da probidade e da boa-fé

17 d) A observância dos interesses de investidores, emissores e demais usuários de serviços. e) A responsabilidade social e o espírito público. 32) Devem ser consideradas como responsabilidades fundamentais empresariais, com relação à condução de seus negócios: a) Conhecer e observar todas as leis e normas aplicáveis a suas atividades, e disseminá-las internamente aos seus funcionários. b) Não violar ou aconselhar a violação e, ainda, opor-se à violação das leis e normas aplicáveis a suas atividades. c) Contribuir para o aprimoramento do ordenamento jurídico aplicável aos mercados aonde a empresa atua. d) Exercer as atividades relacionadas com a atuação em seus mercados nos termos das prerrogativas legais que lhes forem cometidas pelo Poder Público. e) A preservação do sistema de liberdade de iniciativa e de livre concorrência. 33) São padrões de conduta válidos no relacionamento com agentes e demais partes interessadas no mercado financeiro os seguintes elementos, excetuando-se: a) A preservação do sistema de liberdade de iniciativa e de livre concorrência. b) Manter-se independente nos procedimentos de auditoria, análise e avaliação de quaisquer ativos e/ou empresas. c) A contribuição para análise, avaliação, aprimoramento e bom encaminhamento de sugestões ou propostas para o desenvolvimento dos mercados financeiro e de capitais.

18 d) Não realizar operações que coloquem em risco sua capacidade de liquidação física ou financeira. e) Utilizar informação útil na realização de seus negócios. 34) A manutenção do estrito sigilo sobre as informações confidenciais que lhes forem confiadas em razão da condição de prestador de serviços corresponde a: a) Um princípio ético fundamental. b) Uma declaração de transparência e probidade. c) Um padrão de conduta obrigatório. d) Um compromisso com a responsabilidade social. e) A principal observância dos interesses de investidores, emissores e demais usuários de seus serviços. 35) São padrões de conduta válidos no relacionamento com seus clientes os seguintes elementos, excetuando-se: a) Manter sigilo sobre informações e dados confiados por seus clientes em razão da relação profissional que com eles possuem. b) A preservação do sistema de liberdade de iniciativa e de livre concorrência. c) Praticar remuneração adequada na prestação dos serviços que lhes forem autorizados em decorrência de sua participação nos mercados financeiro e de capitais. d) Adotar providências no sentido de evitar a realização de operações em situação de conflito de interesses, visando a assegurar tratamento equitativo a seus clientes.

19 e) Utilizar-se de especial cuidado na identificação e cumprimento de seus deveres fiduciários junto a seus clientes. 36) Normas e princípios éticos dispostos em Códigos de Conduta geralmente não se aplicam a: a) Conselhos de Administração. b) Poder Público. c) Fornecedores e Terceiros. d) Funcionários. e) Coordenadores de comitês de ética. 37) Violações a normas e princípios éticos previstos em Códigos de Conduta frequentemente são apuradas a partir de: a) Denúncia fundamentada. b) Auditoria contábil. c) Perícia judicial. d) Autuação pelo Poder Público. e) Processo na Justiça Civil. 38) Não pode ser considerada uma atitude ética: a) A preservação do sistema de liberdade de iniciativa e de livre concorrência. b) Oferecer a seus clientes todas as informações e documentação a respeito de seus investimentos efetivos ou potenciais, de modo a permitir-lhes uma adequada decisão de investimento

20 c) Agir sempre com prudência, diligência, integridade, responsabilidade e transparência na condução das atividades profissionais d) Apontar interpretações prévias em circunstâncias sujeitas a arbitramento de terceiros. e) Cumprir com as disposições do Código de Ética relativo à profissão regulamentada à qual o indivíduo pertence, ou à qual a empresa aonde atua geralmente adota. 39) Pode ser considerado um dos principais objetivos de qualquer Código de Conduta Ética: a) Constituir legislação pertinente. b) Definir padrões obrigatórios de conduta ética. c) Definir o que vem a ser conduta transparente. d) Administrar conflitos de interesses. e) Preservar a integridade e confiabilidade da informação empresarial. 40) O desenvolvimento de Códigos Internos de Conduta nas empresas e demais organizações não apresenta o seguinte efeito: a) Autorregulação da conduta dos colaboradores e parceiros. b) Apoio técnico à legislação cível. c) Criar referencial ético organizacional. d) Manutenção e elevação de padrões éticos. e) Manifestação clara de compromisso com a ética.

21 Crédito e Produtos 41) A respeito das operações de arrendamento mercantil, não é correto afirmar que: a) O cliente é contratualmente denominado como arrendatário. b) Uma sociedade de arrendamento mercantil é contratualmente denominada arrendador. c) Não existe prazo mínimo de arrendamento nas operações. d) O arrendamento mercantil não se constitui como operação de financiamento. e) O objeto do contrato é a aquisição, por parte do arrendador, de bem escolhido pelo arrendatário para sua utilização. 42) Dentre as condições que permitem a quitação do contrato de arrendamento mercantil antes do prazo definido no contrato, se inclui: a) A exigência de prazo mínimo de dois anos para bens com vida útil até cinco anos. b) A exigência de prazo mínimo de dois anos para bens com vida útil superiores a cinco anos. c) Na modalidade de arrendamento mercantil operacional, prazo mínimo de 90 dias. d) A obrigatoriedade da operação ser contratada por pessoa física. e) A obrigatoriedade da operação ser contratada por pessoa jurídica.

22 43) Uma operação de refinanciamento não pode ser efetivada no caso de um contrato de: a) Crédito consignado. b) Arrendamento mercantil. c) Financiamento bancário. d) Financiamento de veículo. e) Linha de crédito. 44) Uma diferença importante, frequentemente notada quando se compara operações de crédito de longo prazo e operações de crédito de curto prazo, é que: a) As taxas de juros de longo prazo geralmente são mais altas. b) As taxas de juros de longo prazo geralmente são mais baixas. c) As taxas de juros de curto prazo são capitalizadas por juros simples. d) As taxas de juros de curto prazo geralmente são isentas de impostos federais. e) As operações de crédito de curto prazo normalmente apresentam período de carência, diferentemente das operações de crédito de longo prazo. 45) Nas operações de crédito pessoal, os limites por operação são definidos: a) Em função do prazo proposto na operação.

23 b) Em função da taxa definida para a operação. c) Independentemente da taxa de juros ser pré ou pós-fixada. d) Conforme a capacidade de pagamento do tomador. e) Caso a caso. 46) As operações de crédito cujas parcelas são deduzidas em folha de pagamento do tomador são operações de: a) Refinanciamento. b) Crédito Pessoal. c) Arrendamento Mercantil. d) Crédito Direto ao Consumidor com Interveniência. e) Crédito Consignado. 47) As operações de antecipação do Imposto de Renda se constituem em operações de: a) Crédito Direto ao Consumidor. b) Crédito Direto ao Consumidor com Interveniência. c) Refinanciamento. d) Crédito Consignado. e) Crédito Pessoal.

24 48) As operações de CDC - Crédito Direto ao Consumidor não se valem para: a) Concessão de crédito a pessoas físicas. b) Concessão de crédito a pessoas jurídicas. c) Arrendamento mercantil. d) Que o bem financiado seja caracterizado contratualmente como garantia do contrato. e) Aquisição de serviços. 49) Nas operações de CDC - Crédito Direto ao Consumidor, não são possíveis: a) Pagamentos mediante emissão de cheques pré-datados. b) Pagamentos mediante emissão de boletos bancários. c) Pagamentos mediante emissão de carnês de pagamento. d) Eventos de liquidação antecipada do débito, total ou parcialmente, sem redução proporcional dos juros. e) Operações de refinanciamento. 50) A principal característica que diferencia as operações de CDC Crédito Direto ao Consumidor e CDCI - Crédito Direto ao Consumidor com Interveniência é que: a) Nas operações de CDC o consumidor garante o pagamento ao vendedor por meio de garantia contratual. b) Nas operações de CDCI o consumidor garante o pagamento ao vendedor por meio de acordo com garantia bancária.

25 c) Nas operações de CDC o vendedor garante o recebimento mediante securitização da dívida do cliente. d) Nas operações de CDCI o vendedor se responsabiliza pela liquidação das parcelas junto ao banco emprestador. e) Nas operações de CDCI o vendedor se responsabiliza pela liquidação das parcelas mediante securitização da dívida do cliente. Atividades de Ouvidoria e Código de Defesa do Consumidor 51) Segundo o Código de Defesa do Consumidor, não é considerada uma prática abusiva: a) Recusar atendimento às demandas dos consumidores, na exata medida de suas disponibilidades de estoque, e, ainda, de conformidade com os usos e costumes. b) Repassar informação, mesmo que positiva, referente a ato praticado pelo consumidor no exercício de seus direitos. c) Condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro produto ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites quantitativos. d) Enviar ou entregar ao consumidor, sem solicitação prévia, qualquer produto, ou fornecer qualquer serviço. e) Aplicar fórmula ou índice de reajuste diverso do legal ou contratualmente estabelecido. 52) O Código de Defesa do Consumidor impõe que, no fornecimento de produtos ou serviços que envolva outorga de crédito ou concessão de financiamento ao consumidor, o fornecedor deverá, entre outros requisitos,

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001.

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.613, DE 3 DE MARÇO DE 1998. Dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Lei nº 9.613, de 03 de Março de 1998

Lei nº 9.613, de 03 de Março de 1998 Lei nº 9.613, de 03 de Março de 1998 Dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização do sistema financeiro para os ilícitos previstos nesta lei;

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA 1. APRESENTAÇÃO 1.1 OBJETIVO O objetivo deste Código de Conduta Ética é definir padrões visando : a) Prevenção de conflitos de interesses, envolvendo acesso às informações privilegiadas,

Leia mais

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

Guia Rápido de Orientação Operacional

Guia Rápido de Orientação Operacional Correspondentes de veículos e consignado Este Guia Rápido de Orientação destina-se a orientar os correspondentes no país que possuem contrato com Instituição Financeira e que passam a seguir, obrigatoriamente,

Leia mais

BANCOS: SAIBA QUAIS SÃO OS SEUS DIREITOS

BANCOS: SAIBA QUAIS SÃO OS SEUS DIREITOS BANCOS: SAIBA QUAIS SÃO OS SEUS DIREITOS Entre os primeiros no ranking de reclamações As instituições financeiras sempre estiveram entre os setores com maior número de queixas por parte do consumidor.

Leia mais

ANEXO I. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA REALIZAÇÃO DO EXAME DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL FEBRABAN DA MODALIDADE COMPLETA.

ANEXO I. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA REALIZAÇÃO DO EXAME DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL FEBRABAN DA MODALIDADE COMPLETA. ANEXO I. Versão 1.1 Março de 2014 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA REALIZAÇÃO DO EXAME DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL FEBRABAN DA MODALIDADE COMPLETA. Esta modalidade visa à certificação plena do Correspondente,

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

Transações imobiliárias e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras - COAF

Transações imobiliárias e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras - COAF Transações imobiliárias e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras - COAF Migalhas, 16 de novembro de 2006 Nos termos da Resolução 14/06 do COAF (a Resolução 14 ), que produzirá efeitos a partir

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas funções, para cumprimento das obrigações previstas

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

COAF- CONS. DE CONTROLE DE ATIVIDADE FINANCEIRA

COAF- CONS. DE CONTROLE DE ATIVIDADE FINANCEIRA COAF- CONS. DE CONTROLE DE ATIVIDADE FINANCEIRA Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) é uma autarquia de natureza corporativa,

Leia mais

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 D.O.U.: 30.07.2013 (Estabelece normas gerais de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010.

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. RESOLUÇÃO N 3.518 Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U:

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U: RESOLUCAO 2.878 Dispõe sobre procedimentos a serem observados pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil na contratação de operações e na

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este sumário representa um resumo das principais informações

Leia mais

RESOLUCAO N. 003568. Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências.

RESOLUCAO N. 003568. Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. RESOLUCAO N. 003568 RESOLUCAO 3.568 --------------- Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964,

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

RESOLUÇÃO-COFECI Nº 1.168/2010 (Publicada no D.O.U nº 77, de 26/04/10, fls. 103, Seção 1)

RESOLUÇÃO-COFECI Nº 1.168/2010 (Publicada no D.O.U nº 77, de 26/04/10, fls. 103, Seção 1) RESOLUÇÃO-COFECI Nº 1.168/2010 (Publicada no D.O.U nº 77, de 26/04/10, fls. 103, Seção 1) 1 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas pessoas jurídicas que exerçam atividades de promoção imobiliária

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições:

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições: CONTRATO DE MÚTUO Prelo presente instrumento particular, [O Estudante, pessoa física proponente de empréstimo com determinadas características ( Proposta )], identificado e assinado no presente contrato

Leia mais

CORRESPONDENTES DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS. RESOLUÇÕES 3.954 2011 e 3.959 2011 DO CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL

CORRESPONDENTES DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS. RESOLUÇÕES 3.954 2011 e 3.959 2011 DO CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL CORRESPONDENTES DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS RESOLUÇÕES 3.954 2011 e 3.959 2011 DO CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL Caro Correspondente, O Mercantil do Brasil elaborou esta cartilha para orientar e esclarecer

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 675 DE, 21 DE MAIO DE 2015.

CONGRESSO NACIONAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 675 DE, 21 DE MAIO DE 2015. CONGRESSO NACIONAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 675 DE, 21 DE MAIO DE 2015. (Mensagem nº 153, de 2015, na origem) Altera a Lei nº 7.689, de 15 de dezembro de 1988, para elevar a alíquota da Contribuição Social

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução:

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução: RESOLUÇÃO N 3518 Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. O BANCO CENTRAL

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Fraudes BTG Pactual Resseguradora e BTG Pactual Vida e Previdência

Treinamento de Prevenção a Fraudes BTG Pactual Resseguradora e BTG Pactual Vida e Previdência Janeiro 2015 Error! Reference source not found. Treinamento de Prevenção a Fraudes Introdução Esse treinamento visa à orientação dos funcionários da Resseguradora S.A. e Vida e Previdência S.A. e das pessoas

Leia mais

Empréstimo e cartão consignado

Empréstimo e cartão consignado outubro/2014 Empréstimo e cartão consignado direcionados a aposentados e pensionistas Todo aquele que recebe benefícios de aposentadoria ou pensão por morte pagos pela Previdência Social pode obter crédito

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO CONFIANET CERTIFICAÇÕES S.A. INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE LICENCIAMENTO DE USO DE SOFTWARE DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE COMERCIAL CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO O presente instrumento faz parte

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Contrato com o Associado Soluções Corporativas American Express

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Contrato com o Associado Soluções Corporativas American Express SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Contrato com o Associado Soluções Corporativas American Express Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e os Associados devem ter

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco.

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco. Resumo do Regulamento de Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco - Pessoa Física das Bandeiras Visa, MasterCard

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

REGULAMENTO BANCO DE PREÇOS

REGULAMENTO BANCO DE PREÇOS REGULAMENTO BANCO DE PREÇOS O BANCO DO BRASIL S.A., sociedade de economia mista, com sede em Brasília, Distrito Federal, sito no SBS, Quadra 4, Lote 32, Bloco C, inscrito no CNPJ sob o n.º 00.000.000/0001-91,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013. Disciplina as operações das sociedades seguradoras por meio de seus representantes de seguros, pessoas jurídicas,

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade é uma autarquia especial de caráter corporativo, criado pelo Decreto-Lei n.º 9295/46, que tem por

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo;

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo; LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. Projeto de Lei que estabelece normas para acompanhamento fiscal do ISS, relativo as operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências.

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE Julho/2002 SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar a comercialização, no exterior, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES e/ou

Leia mais

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres;

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres; LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: Estabelece normas de incidência do ISS, relativas às operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências. AUTORIA: Poder Executivo A Câmara Municipal

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

COAF - RESOLUÇÃO Nº 20, DE 29 DE AGOSTO DE 2012

COAF - RESOLUÇÃO Nº 20, DE 29 DE AGOSTO DE 2012 COAF - RESOLUÇÃO Nº 20, DE 29 DE AGOSTO DE 2012 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas pessoas reguladas pelo COAF, na forma do 1º do art. 14 da Lei nº 9.613, de 3.3.1998. RESOLUÇÃO Nº

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Correspondentes de crédito Consignado. ResoluçÕES 3.954 2011 e 3.959 2011 Do Conselho Monetário Nacional

Correspondentes de crédito Consignado. ResoluçÕES 3.954 2011 e 3.959 2011 Do Conselho Monetário Nacional Correspondentes de crédito Consignado ResoluçÕES 3.954 2011 e 3.959 2011 Do Conselho Monetário Nacional Caro Correspondente, O Mercantil do Brasil elaborou esta cartilha para orientar e esclarecer você,

Leia mais

Condições Gerais Para Abertura de Conta

Condições Gerais Para Abertura de Conta O Cliente, devidamente qualificado no Cadastro, doravante designado simplesmente Cliente, toma conhecimento dos termos definidos pelo Banco BTG Pactual S.A. para a abertura de conta corrente de depósitos

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA INSTRUÇÃO CVM N o 529, DE 1º DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instituição da Ouvidoria no âmbito do mercado de valores mobiliários. O PRESIDENTE INTERINO DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

Art. 2º. Esta resolução entrará em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º. Esta resolução entrará em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário. RESOLUÇÃO SMF N.º 3 DE 19 DE AGOSTO DE 2004 Complementa normas de escrituração fiscal do ISQN para contribuintes que exerçam atividades bancárias e financeiras e dá outras providências. O SECRETÁRIO DE

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Contrato de Utilização do Cartão Cencosud

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Contrato de Utilização do Cartão Cencosud SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Contrato de Utilização do Cartão Cencosud SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Contrato de Utilização do Cartão Cencosud A seguir você encontrará um resumo das principais condições a

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da autorregulação

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE PRESENCIAL CURSOS LIVRES DE CURTA DURAÇÃO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE PRESENCIAL CURSOS LIVRES DE CURTA DURAÇÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE PRESENCIAL CURSOS LIVRES DE CURTA DURAÇÃO Pelo presente instrumento particular, de um lado, GRUPO IBMEC EDUCACIONAL S.A., sociedade anônima

Leia mais

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES Como resultado de uma série de reuniões técnicas envolvendo representantes da Febraban, do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor e do Banco Central do Brasil, no sentido de aprimorar ainda mais os procedimentos

Leia mais

A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu Cartão.

A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu Cartão. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Contrato de Utilização American Express Linha Crédito A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do seu

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

MENSALIDADES ESCOLARES

MENSALIDADES ESCOLARES MENSALIDADES ESCOLARES O aumento das mensalidades escolares deve obedecer a algum parâmetro legal? O assunto mensalidades escolares é regulado pela Lei 9870, de 23 de novembro de 1999. Esta Lei, dentre

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

O ISS e as tarifas bancárias

O ISS e as tarifas bancárias O ISS e as tarifas bancárias No jargão bancário, tarifa é a contrapartida de uma prestação de serviço, é a receita decorrente do serviço prestado. Por conseguinte, sempre que o Banco registra uma receita

Leia mais

SISCOAF CRECI PR. Profissionalismo e responsabilidade social a serviço da sociedade. CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS 6ª REGIÃO PARANÁ

SISCOAF CRECI PR. Profissionalismo e responsabilidade social a serviço da sociedade. CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS 6ª REGIÃO PARANÁ SISCOAF CRECI PR CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS DO PARANÁ- 6ª REGIÃO / PR Profissionalismo e responsabilidade social a serviço da sociedade. CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS 6ª REGIÃO

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Estas são as condições gerais do Empréstimo, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições gerais, que serão aplicáveis durante todo o período

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO OUROCARD PRÉ-PAGO RECARREGÁVEL VISA DO BANCO DO BRASIL S.A - CORRENTISTAS PESSOAS FÍSICAS

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO OUROCARD PRÉ-PAGO RECARREGÁVEL VISA DO BANCO DO BRASIL S.A - CORRENTISTAS PESSOAS FÍSICAS CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO OUROCARD PRÉ-PAGO RECARREGÁVEL VISA DO BANCO DO BRASIL S.A - CORRENTISTAS PESSOAS FÍSICAS Pelo presente contrato, o BANCO DO BRASIL S.A., com sede em Brasília

Leia mais

CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC. Outubro / 2015

CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC. Outubro / 2015 CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC Outubro / 2015 CONHEÇA SEUS DIREITOS Principais normas aplicáveis aos consumidores: * Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90); * Regulamento Geral de

Leia mais

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização,

Leia mais

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank CONSIDERANDO QUE: i) A empresa para a qual o MUTUÁRIO trabalha ( EMPREGADOR ) celebrou com o MUTUANTE (BANCO CITIBANK S.A.) Convênio

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

Sumário Executivo 7 1 430

Sumário Executivo 7 1 430 43017 Sumário Executivo SUMÁRIO EXECUTIVO CARTÃO DE CRÉDITO BANDEIRA VISA INTERNACIONAL: Este documento contém as informações essenciais e resumidas relacionadas ao seu cartão extraídas das Condições Gerais

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais