CSGrid: um Sistema para Integração de Aplicações em Grades Computacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CSGrid: um Sistema para Integração de Aplicações em Grades Computacionais"

Transcrição

1 CSGrid: um Sistema para Integração de Aplicações em Grades Computacionais Maria Julia de Lima, Taciana Melcop, Renato Cerqueira, Carlos Cassino, Bruno Silvestre, Marcelo Nery, Cristina Ururahy 1 Grupo de Tecnologia em Computação Gráfica / Tecgraf Departamento de Informática, PUC-Rio Rua Marquês de São Vicente, 225, , Rio de Janeiro, RJ, Brasil Abstract. CSGrid is a system for grids that, in addition to the support for usage and management of distributed computational resources, offers facilities to integrate applications and manage data and users. CSGrid presents to its users, through a web browser, a workspace with all available applications and with the user s data files organized by project. A user can extend the system adding new applications. CSGrid also provides its users with some collaborative work facilities. Keywords: Grid Computing, Grid Workbenches, Middleware. Resumo. CSGrid é um sistema para grades computacionais que, além de dar suporte ao uso e gerenciamento de recursos computacionais distribuídos, oferece facilidades para a integração de aplicações e para o gerenciamento de dados e usuários. O CSGrid apresenta para seu usuário, via um navegador Web, uma área de trabalho com todas as aplicações disponíveis e com os arquivos de dados do usuário organizados por projeto. Um usuário pode estender o ambiente adicionando novas aplicações. O sistema também oferece uma série de recursos para trabalho colaborativo entre seus usuários. Palavras-chave: Computação em Grade, Ambientes de Trabalho para Grades, Middleware. 1. Introdução Uma necessidade cada vez mais comum em diversas organizações é o uso coordenado de recursos em um ambiente computacional distribuído e heterogêneo. A variedade de plataformas e aplicações além da descentralização dos dados dos usuários dificulta o compartilhamento dos recursos disponíveis nessas organizações. Um tema que vem ganhando importância nos últimos tempos é o de grade computacional[foster and Kesselman 1999]. Recursos geograficamente distribuídos e em diferentes domínios administrativos são interligados com o objetivo de prover um maior poder computacional aos seus usuários. O CSGrid é um sistema para gerenciamento e integração de aplicações em um ambiente de grade computacional. Aplicações que executam no cliente utilizam os serviços Este trabalho conta com apoio e financiamento da Petrobras e do Projeto GIGA/RNP.

2 disponíveis no CSGrid para ter acesso e gerenciar os recursos computacionais distribuídos no ambiente. Um desses serviços é o de execução remota de algoritmos em máquinas que estão ligadas ao CSGrid. Algoritmos, no contexto do CSGrid, são programas executáveis implementados em qualquer linguagem que admitem parâmetros de entrada, geram uma saída e não possuem nenhum tipo de interação com o usuário durante sua execução. Diversas máquinas podem ser incorporadas ao ambiente para servir como plataforma de execução de algoritmos. Novos algoritmos são facilmente disponibilizados no ambiente e o processo para executá-los passa a ser uma tarefa transparente para o usuário. O CSGrid possui um desktop web onde os usuários utilizam os recursos computacionais distribuídos como se estivessem trabalhando localmente. Utilizando um navegador, os usuários podem criar suas áreas de trabalho, monitorar as máquinas da grade, instalar algoritmos, executar aplicações instaladas no desktop, comandar a execução remota de algoritmos e acompanhar os processos que estão executando esses algoritmos nas máquinas do ambiente. O objetivo do CSGrid é oferecer suporte tanto para o cliente como para o servidor. Uma característica importante na arquitetura do CSGrid é a interoperabilidade entre um servidor principal do sistema e os servidores executando nas diversas máquinas de execução de algoritmos. Independente da linguagem de implementação dos algoritmos e da máquina onde esses algoritmos serão executados, o CSGrid oferece uma interface padrão para execução remota e monitoração das máquinas do ambiente. O CSGrid é implementado como uma instância do CSBase 1, um framework para gerenciamento de recursos e execução de algoritmos em um ambiente computacional distribuído e heterogêneo. O CSBase é resultado do desenvolvimento de diferentes projetos de parceria do laboratório Tecgraf com a Petrobras. O primeiro desses projetos, o Web- Sintesi, implementou e disponibilizou um ambiente de integração de aplicações de análise e síntese de dados geofísicos. No WebSintesi, máquinas multi-processadas e clusters são interligados a um servidor principal que torna transparente para o usuário a execução remota de programas que necessitam de um alto poder computacional e que manipulam arquivos de dados sísmicos na ordem de até centenas de gigabytes. Após o primeiro ano de desenvolvimento do WebSintesi, o projeto InfoPAE Dinâmico foi requisitado para atender aos usuários da Petrobras que utilizam aplicações de acompanhamento de combate a contingências, como por exemplo, programas de análise de estabilidade e equilíbrio de plataformas de petróleo. Para permitir o reuso dos serviços já implementados para o WebSintesi e para facilitar o desenvolvimento de novos serviços e aplicações particulares a cada um dos projetos WebSintesi e InfoPAE Dinâmico, o framework CSBase foi criado. Hoje, além do WebSintesi, InfoPAE Dinâmico e CSGrid, outros dois novos sistemas estão utilizando o CSBase em seu desenvolvimento. Cada um desses sistemas possuem aplicações comuns e outras aplicações que utilizam serviços criados especificamente para cada um deles. A arquitetura flexível e extensível do CSBase permite que novos serviços sejam desenvolvidos e integrados aos serviços já existentes, tornando-o uma base comum de desenvolvimento para vários sistemas. 1

3 O artigo está organizado da seguinte forma. A seção 2. descreve as principais funcionalidades implementadas no CSGrid. A seção 3. apresenta a arquitetura do sistema, descrevendo seus componentes principais. A seção 4. finaliza o artigo com uma descrição sucinta dos trabalhos que estão sendo feitos para estender o CSGrid com novas funcionalidades. 2. CSGrid O CSGrid oferece para os usuários um conjunto de funcionalidades para disponibilização, compartilhamento, gerência e acesso aos recursos distribuídos Controle de Acesso Uma questão fundamental em ambientes de integração de recursos é o controle de acesso dos usuários. No CSGrid, as áreas de disco, os algoritmos e as máquinas estão protegidas do acesso de usuários não autorizados e podem ser restritas ao uso de algum conjunto específico de usuários. O ambiente de administração permite cadastrar usuários e atribuir permissões com um nível de granularidade que define não somente a funcionalidade como também o recurso que se deseja proteger. Existem classes de permissões pré-definidas. Algumas dessas classes permitem a definição de atributos através de uma interface. Uma classe de permissão existente no CSGrid é a de utilização de máquinas para execução de algoritmos. Essa classe representa o acesso a uma ou mais máquinas, onde os nomes das máquinas são os atributos dessa permissão. Para que um usuário possa executar algoritmos na máquina Salgueiro, por exemplo, o administrador deve criar uma permissão dessa classe com o atributo Salgueiro e atribuí-la ao usuário Gerenciamento de Projetos Os arquivos dos usuários são organizados por projetos. A estrutura de um projeto é hierárquica, isto é, o usuário pode criar sub-diretórios para organizar seus arquivos da maneira que desejar. Os usuários podem utilizar funcionalidades de importação e recuperação de dados para colocar arquivos dentro de seus projetos. O CSGrid gerencia as áreas de disco utilizadas para armazenar os projetos criados por cada usuário e as áreas de arquivos compartilhados por projetos diferentes. A janela principal do CSGrid consiste em um desktop como ilustrado na figura 1. Nesse desktop, apenas um projeto está aberto de cada vez. A área da esquerda do desktop mostra a árvore de um projeto aberto, semelhante à forma de visualização utilizada para sistemas de arquivos. O desktop também exibe uma visão em tabela com os detalhes dos arquivos que estão no diretório selecionado da árvore. Na área da direita do desktop estão as aplicações que podem ser executadas e que atuam sobre o projeto aberto. O CSGrid oferece facilidades que propiciam o trabalho colaborativo. Os donos dos projetos podem dar a outros usuários permissão de leitura e escrita em alguns de seus projetos. Além disso, o usuário pode publicar arquivos para outros usuários que passam a ter acesso a esse arquivo somente para leitura. O desktop possui também uma área de troca de mensagens entre usuários. Essa mesma área serve para o sistema enviar notificações de alguns eventos ocorridos. Exemplos de eventos notificados pelo CSGrid são publicação de arquivos, finalização de

4 um processo executando um algoritmo remoto ou a inclusão no ambiente de uma nova máquina de execução de algoritmos. Figura 1. Desktop de um usuário do CSGrid 2.3. Integração de Aplicações Sendo um ambiente para integração de aplicações, o CSGrid facilita a construção de aplicações que façam uso das funcionalidades do sistema e que possam ser incorporadas ao desktop dos usuários. Um conjunto de componentes prontos são disponibilizados junto com o sistema, para que o usuário construa suas aplicações em Java. Um aspecto comum a todas as aplicações é o fato de sua implementação utilizar o serviço de projetos do CS- Grid para ler e escrever arquivos no projeto aberto do desktop. A implantação de novas aplicações no CSGrid é feita por configuração de arquivos de propriedades do sistema. O desktop do CSGrid, conforme aparece na figura 1, já inclui algumas aplicações préinstaladas. As aplicações são apresentadas em grupos que classificam o propósito geral dessas aplicações Gerenciamento de Algoritmos O CSGrid permite que novos algoritmos sejam incorporados dinamicamente ao sistema. Um usuário com a devida permissão pode criar e alterar versões de algoritmos, registrando as informações necessárias para sua execução. Essas informações incluem a documentação, o código binário, a plataforma (versão do sistema operacional) em que o binário executa e um configurador que descreve o tipo dos parâmetros de entrada e saída desse algoritmo. O configurador é um arquivo no formato xml que o CSGrid utiliza para, dinamicamente, gerar uma classe de GUI que é apresentada para o usuário no momento da execução do algoritmo selecionado. Utilizando essa interface, o usuário pode preencher os valores que são usados como parâmetros de entrada e de saída do algoritmo executado. O formato do arquivo xml possui elementos que servem para descrever diferentes tipos pré-definidos de parâmetros, como por exemplo, arquivos, inteiro, texto, lista, etc.

5 2.5. Monitoração do Ambiente Para que o usuário possa selecionar em que máquina vai executar um algoritmo, o CSGrid disponibiliza diferentes visões para monitoração das máquinas do ambiente. Uma visão tabular com as informações de uma máquina exibe: o estado da máquina (disponível, inacessível ou reservado); o percentual de ocupação do processador (CPU) da máquina; o percentual de ocupação de memória RAM; o percentual de ocupação de swap; e o nome da plataforma (versão do sistema operacional) da máquina que serve para filtrar quais os algoritmos podem ser executados nessa máquina. O usuário pode monitorar a ocupação de CPU e de memória de máquinas ou nós de um cluster usando diversos tipos de gráficos como exemplificados na figura 2. Alguns gráficos mostram a tendência de ocupação de CPU e memória da máquina, considerando o histórico passado. Uma facilidade bastante útil é a possibilidade de criar grupos de máquinas e fazer a monitoração do grupo, onde os gráficos exibem, por exemplo, a distribuição de ocupação de CPU entre as máquinas que compõem esse grupo. Figura 2. Monitoração do estado de uma máquina de execução de algoritmos 2.6. Execução Remota de Algoritmos Os algoritmos cadastrados pelos usuários podem ser executados em uma das máquinas de execução de algoritmos que estão conectadas ao servidor principal naquele momento. Para isso, o CSGrid oferece um executor genérico de algoritmos que: exibe as máquinas cujas plataformas são compatíveis com o algoritmo selecionado para execução, solicita os informações de entrada e saída para o algoritmo usando uma interface GUI criada a partir do arquivo xml que descreve a parametrização do algoritmo, cria um processo para executar o algoritmo na máquina selecionada para o usuário.

6 Uma das opções de execução permite que o usuário deixe a critério do sistema a seleção automática da máquina para execução. Atualmente, o CSGrid adota o critério de ocupação de CPU para escolha automática da máquina de execução do algoritmo. O usuário pode acompanhar o andamento e interromper o processamento dos algoritmos que submeteu para execução remota. Quando o processo de execução de um algoritmo termina, o CSGrid notifica esse usuário e atualiza a árvore do projeto com os novos arquivos criados como resultado da execução. 3. Arquitetura A figura 3 exibe uma visão geral dos principais componentes da arquitetura do CSGrid, apresentados a seguir. Repositório de Dados Máquina A Processo Algoritmo (C) SGA Daemon CORBA Processo Algoritmo (Fortran) N F S Área de Projetos C O R B A Base de Usuários NFS NFS SSI RMI Repositório de Algoritmos C O R B A Máquina B N F S Processo Algoritmo (C++) SGA Daemon CORBA Desktop Web Desktop Web Desktop Web Figura 3. Arquitetura do CSGrid 3.1. Desktop Web Para que um usuário tenha acesso ao sistema, sua estação de trabalho precisa dispor apenas de um navegador web habilitado a executar o applet Java que implementa o desktop do CSGrid. O código do desktop é transferido para a máquina cliente quando o usuário acessa a URL do sistema. O desktop incorpora técnicas avançadas de interação usuáriosistema, concretizadas a partir do uso do pacote Swing da linguagem Java. O desktop possui um componente que monitora a comunicação com o servidor principal (SSI). Quando essa comunicação é perdida, o desktop informa ao usuário e entra num estado de monitoração até que a comunicação se reestabeleça. Dessa forma, o desktop não precisa ser reiniciado devido, por exemplo, a uma falha no SSI. Além disso, o desktop implementa observadores remotos que mantém os dados dos usuários e dos projetos consistentes entre os desktops que acessam os mesmos dados simultaneamente O Repositório de Dados O repositório de dados é uma área com acesso NFS onde o SSI armazena a base de usuários do sistema, os projetos dos usuários e o repositório de algoritmos. A base de usuários mantém em arquivos os dados dos usuários e suas permissões. A área de projetos possui um diretório para os projetos de cada usuário e mantém arquivos descritores que guardam informações sobre os projetos e sobre os próprios arquivos presentes nos projetos.

7 O repositório de algoritmos é uma estrutura hierárquica em que cada algoritmo é representado por um diretório. Dentro desse diretório estão os subdiretórios das suas versões com o arquivo configurador, a documentação e os binários separados por plataformas Servidor do Sistema Integrador O Servidor do Sistema Integrador (SSI) faz o papel de intermediário entre as requisições dos desktops, o repositório de dados e as máquinas para execução dos algoritmos. O SSI está desenvolvido em Java e é composto por um conjunto de serviços que implementam as diversas funcionalidades disponíveis no CSGrid. O serviço de administração, por exemplo, é responsável pela manutenção dos dados relativos aos usuários e suas permissões. Toda a parte de leitura e escrita de arquivos da área de projetos é realizado pelo serviço de projetos. Também existe o serviço de gerência de algoritmos, de , de Http, entre outros. Os serviços oferecem acesso através de uma implementação de segurança baseada em proxies [Marques 2002] e permissões. Cada usuário possui um conjunto de permissões que determinam o que ele pode utilizar nos serviços do CSGrid. Quando o usuário se autentica no sistema, o serviço de login instancia um proxy para cada serviço com a informação do usuário e retorna as referências remotas destes proxies para o cliente. As chamadas remotas dos clientes são repassadas aos serviços pelos proxies com a informação do usuário que as solicitou. Dessa maneira, o serviço verifica se o usuário possui a permissão necessária para realizar um procedimento antes de executá-lo. Todos os serviços possuem uma interface RMI, Remote Method Invocation. Para ler e escrever arquivos, o desktop estabelece uma comunicação via socket com o Servidor para fazer a transferência de dados de forma mais eficiente que a adotada pela serialização de RMI. Além disso, o serviço de FTP permite que o usuário obtenha arquivos de máquinas remotas para a área de projetos como também envie da área de projetos para outras máquinas. O serviço de Http foi criado para que o usuário possa fazer download e upload de arquivos para a área de projeto através de um navegador Web. Uma grade de computadores pode ser dividida em regiões, com seu próprio SSI. Um SSI central fica responsável pelas tarefas de administração e pelo repositório principal das informações administrativas (usuários e permissões). Sob todos os demais aspectos, os servidores locais são equivalentes funcionalmente ao SSI central. Cada SSI local possui uma réplica da base de usuários, atualizada automaticamente pelo sistema. A replicação da base de usuários nas diferentes regiões permite a autenticação de usuários que se conectam a um SSI local mesmo quando a conexão com o servidor central não está disponível Servidor de Gerência de Algoritmos O Servidor de Gerência de Algoritmos (SGA) é um daemon instalado em cada máquina de execução de algoritmos, que permite o SSI comandar a execução de algoritmos, como também a monitoração do estado de ocupação dessas máquinas e dos processos disparados a partir do SGA. Toda interação entre um SGA, implementado em Lua [Ierusalimschy 2003] e C++, e o SSI é realizada através de uma interface CORBA.

8 Ao ser ativado, o SGA se registra junto ao SSI de sua região e fica disponível aos clientes que se conectam a tal SSI. Quando um cliente solicita a execução de um algoritmo através do SSI, este passa a monitorar o processo até a sua conclusão (sucesso, insucesso ou interrupção). Os SGAs e os processos dos algoritmos disparados nas máquinas de execução permanecem ativos mesmo quando a conexão com o SSI é interrompida. Quando a conexão é reativada, o SGA se registra novamente no SSI. Periodicamente, o SSI solicita aos SGAs informações sobre o estado de sua máquina hospedeira. Essas informações podem ser exibidas ao usuário para que ele escolha aquela onde o algoritmo deve ser executado como também podem ser utilizadas pelo SSI na seleção automática da máquina para a execução de um determinado algoritmo. 4. Considerações Finais O CSGrid foi originado a partir de dois projetos desenvolvidos com a Petrobras e que já estão em produção. Vários de seus recursos são comuns a outros sistemas para grades, tais como Globus, Legion, Condor e OurGrid 2. Entretanto, sua origem lhe confere um aspecto de maior usabilidade e integração na rotina de trabalho de seus usuários. Atualmente, o CSGrid está sendo estendido como parte do Projeto GIGA 3, com o objetivo de prover um ambiente para aplicações da comunidade científica que utilizem a rede GIGA da RNP. Nesse contexto, novas funcionalidades estão sendo desenvolvidas e incorporadas ao framework do CSBase, tais como: um serviço para acesso e gerenciamento de arquivos, com a finalidade de eliminar a dependência do NFS; aprimoramento do mecanismo de seleção automática de máquinas, incluindo métricas que levem em consideração o tempo de transferência de arquivos de entrada e saída; suporte à definição e execução de workflows de execução de algoritmos; e componentes para renderização distribuída de imagens de dados científicos. O sistema está disponível em csgrid, em sua versão para plataforma Linux. Versões para outras plataformas podem ser obtidas contatando os autores. 5. Agradecimentos Gostaríamos de agradecer o apoio e financiamento da Petrobras para o desenvolvimento deste projeto. A nova versão do CSGrid que está em desenvolvimento também conta com o apoio do Projeto GIGA da RNP, com recursos do FUNTTEL e FINEP. Também agradecemos às equipes dos projetos WebSintesi e InfoPAE Dinâmico, que deram origem ao CSGrid. Referências Foster, I. and Kesselman, K. (1999). The Grid: Blueprint for a new Computing Structure. Morgan Kaufmann Publishers. Ierusalimschy, R. (2003). Programming in Lua. lua.org. Marques, P. (2002). Building secure java rmi servers. Dr.Dobb s Journal, 27(11): wisc.edu/condor/, 3

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Marcelo Nery dos Santos. GridFS Um Servidor de Arquivos para Grades e Ambientes Distribuídos Heterogêneos. Dissertação de Mestrado

Marcelo Nery dos Santos. GridFS Um Servidor de Arquivos para Grades e Ambientes Distribuídos Heterogêneos. Dissertação de Mestrado Marcelo Nery dos Santos GridFS Um Servidor de Arquivos para Grades e Ambientes Distribuídos Heterogêneos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Raphael Y. de Camargo Ricardo Andrade Departamento de Ciência da Computação Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo, Brasil São Paulo,

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi ENDIAN FIREWALL COMMUNITY 2.5.1 OURINHOS-SP 2012 HOW-TO

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

4 Arquitetura do middleware

4 Arquitetura do middleware 4 Arquitetura do middleware Ao utilizar um modelo de componentes orientado a serviços, o middleware Kaluana divide o processo de desenvolvimento de aplicações em duas etapas: a primeira é o desenvolvimento

Leia mais

Mobile Command. Diego Armando Gusava. Orientador: Mauro Marcelo Mattos

Mobile Command. Diego Armando Gusava. Orientador: Mauro Marcelo Mattos Mobile Command Diego Armando Gusava Orientador: Mauro Marcelo Mattos Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Implementação Conclusão Extensões Introdução O que me motivou? Solução

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática /

Leia mais

Web Design Aula 11: Site na Web

Web Design Aula 11: Site na Web Web Design Aula 11: Site na Web Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Criar o site em HTML é interessante Do que adianta se até agora só eu posso vê-lo? Hora de publicar

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Índice 1. Condições para acesso 2 2. Requisitos para conexão 2 3. Pré-requisitos para utilização do Applet Java com Internet Explorer versão 5.01

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre André Rover de Campos Membro Colméia andreroverc@gmail.com Joinville Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Roteiro Definições Virtualização Data

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher. Manual do Administrador QWCFP. Versão 1.2.0.0

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher. Manual do Administrador QWCFP. Versão 1.2.0.0 Padrão ix Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Administrador QWCFP Versão 1.2.0.0 Copyright 2000-2014 Padrão ix Sistemas Abertos Ltda. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste manual

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

Manual de instalação Servidor Orion Phoenix

Manual de instalação Servidor Orion Phoenix Manual de instalação Servidor Orion Phoenix Fevereiro/2011 Este documento se destina a instalação do Orion Phoenix na sua rede Versão 1.01 C ONTE ÚDO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO GERAL... 3 3. PROCEDIMENTOS

Leia mais

GUIA DE USO - ASSINATURA DIGITAL DE DOCUMENTOS

GUIA DE USO - ASSINATURA DIGITAL DE DOCUMENTOS GUIA DE USO - ASSINATURA DIGITAL DE DOCUMENTOS Introdução A partir da versão 9.0 do GXflow pode-se assinar digitalmente documentos. Esta funcionalidade permite verificar que um documento não tenha sido

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira File Transport Protocolo - FTP Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira Universidade do Vale do Rios dos Sinos (UNISINOS) Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos,

Leia mais

EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian

EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian EKM Visão Geral Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian EKM 2.0 Desafios na Simulação de Engenharia PAGE 2? Cenário 1: Colaboração Cenário 2: Reutilização Vários analistas trabalhando no mesmo Projeto

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM Manual DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIRGTI 2015 Sumário 1. Introdução... 3 2. Acessando o serviço...

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Manual de Operação SISRCA. Módulo Captação do Atendimento

Manual de Operação SISRCA. Módulo Captação do Atendimento Manual de Operação SISRCA Módulo Captação do Atendimento Versão Alfa 1.9 04-04-2013 SUMÁRIO GLOSSÁRIO... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 1.1. INFORMAÇÕES RELEVANTES... 4 2. VISÃO GERAL DO SISTEMA... 5 3. INSTALANDO

Leia mais

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das 324 Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das Estações Linux numa Rede LTSP Herlon Ayres Camargo 1, Joaquim Quinteiro Uchôa 2 1 Departamento de Desenvolvimento Educacional Escola Agrotécnica

Leia mais

1 Introdução. O sistema permite:

1 Introdução. O sistema permite: A intenção deste documento é demonstrar as possibilidades de aplicação da solução INCA Insite Controle de Acesso - para controle de conexões dia-up ou banda larga à Internet e redes corporativas de forma

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

4 Resultados Experimentais

4 Resultados Experimentais 4 Resultados Experimentais Diversos testes foram realizados para avaliar o comportamento do sistema. Os testes têm o objetivo de comparar a taxa de transferência obtida pelos métodos de cópia baseados

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 04/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL Thais Cabral de Mello, Bruno Schulze, Luis Rodrigo de Oliveira Gonçalves 1 Laboratório

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br SUMÁRIO Definições Características Desafios Vantagens Desvantagens 2 Definições DEFINIÇÕES Um sistema distribuído é uma coleção

Leia mais

Seu manual do usuário F-SECURE ONLINE BACKUP http://pt.yourpdfguides.com/dref/2859647

Seu manual do usuário F-SECURE ONLINE BACKUP http://pt.yourpdfguides.com/dref/2859647 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para F-SECURE ONLINE BACKUP. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual

Leia mais

Estratégia de Implantação do GridUNESP. II Brazilian LHC Computing Workshop - GridUNESP

Estratégia de Implantação do GridUNESP. II Brazilian LHC Computing Workshop - GridUNESP Estratégia de Implantação do GridUNESP II Brazilian LHC Computing Workshop - GridUNESP O que é Grid? Grid é um sistema que coordena recursos computacionais geograficamente distribuídos. Usa protocolos

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Porque usar o Servidor Samba Server? Compartilhamento de arquivos; Servidor de arquivos;

Leia mais

Arquiteturas de Software Problemas e soluções

Arquiteturas de Software Problemas e soluções Arquiteturas de Software Problemas e soluções Marcos Monteiro, MBA, ITIL V3 http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br Cliente - Servidor Cada instância de um cliente pode enviar requisições

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento da máquina virtual Java jvm_monitor série 1.4 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

4 Um Exemplo de Implementação

4 Um Exemplo de Implementação 4 Um Exemplo de Implementação Neste capítulo será discutida uma implementação baseada na arquitetura proposta. Para tanto, será explicado como a arquitetura proposta se casa com as necessidades da aplicação

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System O sistema Open Source de nuvens computacionais Eucalyptus Daniel Nurmi, Rich Wolski, Chris Grzegorczyk, Graziano Obertelli, Sunil Soman, Lamia Youseff,

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server

Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server Índice Resumo sobre este documento... 3 Integrando o IBM HTTP Server com o IBM WebSphere Application Server... 3

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Tutorial de Instalação da Grade Computacional Gustavo Mantovani Orlando Luiz Pelosi

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas.

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Sistema Digital de Controle Distribuido DeltaV Especificação do produto DeltaV Logbooks Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Melhore

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais