Conselho Pedagógico. Análise do funcionamento do ano lectivo 2005/06. Reunião de 28 Novembro ESTiG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conselho Pedagógico. Análise do funcionamento do ano lectivo 2005/06. Reunião de 28 Novembro 2006. ESTiG"

Transcrição

1 Conselho Pedagógico Análise do funcionamento do ano lectivo 2005/06 Reunião de 28 Novembro

2 Evolução do Sucesso Escolar Contabilidade e Administração 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% CA Aprovados/Inscritos CA Aprovados/Avaliados CA Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /2006 2

3 Evolução do Sucesso Escolar Engenharia Civil 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% EC Aprovados/Inscritos EC Aprovados/Avaliados EC Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /2006 3

4 Evolução do Sucesso Escolar Engenharia Electrotécnica 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% EE Aprovados/Inscritos EE Aprovados/Avaliados EE Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /2006 4

5 Evolução do Sucesso Escolar Engenharia Informática 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% EI Aprovados/Inscritos EI Aprovados/Avaliados EI Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /2006 5

6 Evolução do Sucesso Escolar Engenharia Mecânica 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% EM Aprovados/Inscritos EM Aprovados/Avaliados EM Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /2006 6

7 Evolução do Sucesso Escolar Engenharia Química 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% EQ Aprovados/Inscritos EQ Aprovados/Avaliados EQ Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /2006 7

8 Evolução do Sucesso Escolar Gestão de Empresas 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% GE Aprovados/Inscritos GE Aprovados/Avaliados GE Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /2006 8

9 Evolução do Sucesso Escolar Gestão e Engenharia Industrial 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% GEI Aprovados/Inscritos GEI Aprovados/Avaliados GEI Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /2006 9

10 Evolução do Sucesso Escolar Informática de Gestão 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% IG Aprovados/Inscritos IG Aprovados/Avaliados IG Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /

11 Evolução do Sucesso Escolar Média dos cursos 90.00% 80.00% 70.00% 60.00% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% Total Aprovados/Inscritos Total Aprovados/Avaliados Total Avaliados/Inscritos 10.00% 0.00% 2001/ / / / /

12 Conclusões da Evolução do Sucesso Escolar Tendência crescente para o número de aprovações em quase todos os cursos Atingiram-se valores máximos na ESTiG das percentagens de Aprovados/Inscritos, Aprovados/Avaliados e Avaliados/Inscritos. 12

13 Resultados dos Inquéritos Pedagógicos Por Curso Apenas foi analisada a questão: Apreciação global do funcionamento da disciplina 1-Má 3-Média 5-Excelente É apresentada a média pesada pelo número de respostas englobando todas as disciplinas do curso no semestre respectivo. É apresentada a evolução ao longo dos semestres: 2003/04 1º Sem 2003/04 2º Sem 2004/05 1º Sem 2004/05 2º Sem 2005/06 1º Sem 2005/06 2º Sem 13

14 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Por Curso Número de respostas inquérito-disciplina-curso CA EC EE EI EM EQ GE GEI IG 0 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S 14

15 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Por Curso Apreciação Global do Funcionamento das Disciplinas Média das disciplinas do curso 5 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 CA EC EE EI EM EQ GE GEI IG 1 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S 15

16 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Por Curso Apreciação Global do Funcionamento das Disciplinas (Expandido) Média das disciplinas do curso 4,1 4 3,9 3,8 3,7 3,6 3,5 3,4 CA EC EE EI EM EQ GE GEI IG 3,3 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S 16

17 Resultados dos inquéritos Pedagógicos - Disciplinas dos Departamentos Apenas foi analisada a questão: Apreciação global do funcionamento da disciplina 1-Má 3-Média 5-Excelente É apresentada a média pesada pelo número de respostas englobando todas as disciplinas do Departamento no semestre respectivo, agrupadas por tipologia: Teórica + (prática ou laboratorial) Teórico/Prática É apresentada a evolução ao longo dos semestres: 2003/04 1º Sem 2003/04 2º Sem 2004/05 1º Sem 2004/05 2º Sem 2005/06 1º Sem 2005/06 1º Sem 17

18 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Disciplinas dos Departamentos Disciplinas com aulas Teóricas Número médio de respostas 4,00 3,75 3,50 3,25 3,00 2,75 2,50 2,25 2,00 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S CCP (99) DSC (143) EG (45) E (326) GI (170) IC (223) M (332) MA (264) TM (108) TQB (286) ESTiG (2001) 18

19 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Disciplinas dos Departamentos 5,00 4,50 4,00 3,50 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 Disciplinas com aulas Teóricas/Práticas Número médio de respostas CCP (71) DSC (41) EG (684) GI (17) IC (217) MA (35) TM (37) TQB (64) ESTiG (1164) 0,00 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S 19

20 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Disciplinas da ESTiG Comparação de tipologias de disciplinas 3,75 3,70 Número médio de respostas 3,65 3,60 3,55 Disciplinas com aulas teóricas (2001) Disciplinas com aulas Teóricas/Práticas (1164) 3,50 3,45 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S 20

21 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Docentes dos Departamentos Apenas foi analisada a questão: Apreciação global do docente 1-Má 3-Média 5-Excelente É apresentada a média pesada pelo número de respostas englobando todos os docentes do Departamento no semestre respectivo, agrupados por tipologia de aula: Teórica Teórico/Prática Prática Laboratorial É apresentada a evolução ao longo dos semestres: 2003/04 1º Sem 2003/04 2º Sem 2004/05 1º Sem 2004/05 2º Sem 2005/06 1º Sem 2005/06 2º Sem 21

22 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Docentes dos Departamentos Docentes das aulas Teóricas Número médio de respostas 4,50 4,30 4,10 3,90 3,70 3,50 3,30 3,10 2,90 2,70 2,50 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S CCP (100) DSC (144) EG (45) E (327) GI (178) IC (225) M (337) MA (264) TM (109) TQB (287) ESTiG (2016) 22

23 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Docentes dos Departamentos Docentes das aulas Teórico/Práticas Número médio de respostas 4,90 4,70 4,50 4,30 4,10 3,90 3,70 3,50 3,30 3,10 2,90 2,70 2,50 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S CCP (71) DSC (41) EG (692) GI (17) IC (217) MA (34) TM (34) TQB (64) ESTiG (1170) 23

24 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Docentes dos Departamentos 4,40 Docentes das aulas Práticas Número médio de respostas 4,20 4,00 3,80 3,60 3,40 CCP (158) E (464) GI (408) IC (318) M (691) MA (490) TM (101) TQB (468) ESTiG (3112) 3,20 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S 24

25 Resultados dos inquéritos Pedagógicos Docentes dos Departamentos Docentes da ESTiG 4,40 4,30 Número médio de respostas 4,20 4,10 4,00 3,90 3,80 Teórica (2016) Teórico/Prática (1170) Prática (3112) Laboratório (88) 3,70 3,60 3,50 03/04-1º S 03/04-2º S 04/05-1º S 04/05-2º S 05/06-1º S 05/06-2º S 25

26 Conclusões A apreciação global das disciplinas por curso situa-se estável entre os 3.3 e os 4.1 pontos, para todos os curso. A análise das disciplinas por Departamento reflecte a apreciação positiva referida na apreciação por curso. As disciplinas com tipologia teórico/prática são globalmente melhor apreciadas que as disciplinas com aulas teóricas + (práticas ou laboratoriais). 26

27 Conclusões A Apreciação global dos docentes das aulas teóricas, teórico/práticas e práticas mantém-se num patamar elevado. Na ESTiG a apreciação global do trabalho dos docentes situa-se acima dos 3.9. Os docentes são melhor avaliados na sequência crescente dos seguintes tipos de aulas: teóricas<teórico/práticas<práticas<laboratoriais. 27

ENSINO SUPERIOR DIPLOMADOS ATENÇÃO: É INDISPENSÁVEL A LEITURA DAS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO IMPRESSO

ENSINO SUPERIOR DIPLOMADOS ATENÇÃO: É INDISPENSÁVEL A LEITURA DAS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO IMPRESSO 6. Grau: MESTRADO - 2º CICLO 7. Curso: Engenharia de Electrónica e Telecomunicações 6 3 5 7 8. Ramo: Área de especialização: Electrónica 9. Duração do curso: 3 semestres letivos 23 anos 0 0 24 anos 1 1

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I 3º Ano Regime: 2º Semestre Ano Lectivo: 2006/2007 Carga Horária: 1T 1TP 2P Docente responsável: Eng.º Toni Alves Total de horas de contacto: 60 Corpo Docente:

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL II

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL II PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL II 3º Ano Regime: 2º Semestre Ano Lectivo: 2006/2007 Carga Horária: 2TP+2P Docente responsável: Eng.º Toni Alves Total de horas de contacto: 60 Corpo Docente:

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

SOCIEDADE CAMPINEIRA DE EDUCAÇÃO E INSTRUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Média de Qualidade de cada Aspecto por ano/semestre

SOCIEDADE CAMPINEIRA DE EDUCAÇÃO E INSTRUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Média de Qualidade de cada Aspecto por ano/semestre 1º Semestre de 2007 03/08/16 17:03 Pagina 1 de19 2º Semestre de 2007 03/08/16 17:03 Pagina 2 de19 1º Semestre de 2008 03/08/16 17:03 Pagina 3 de19 2º Semestre de 2008 03/08/16 17:03 Pagina 4 de19 1º Semestre

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009 Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água Ano de 2008/2009 Comissão Coordenadora Maria da Natividade Ribeiro Vieira Directora de Curso Vítor Manuel Oliveira Vasconcelos Luís Filipe

Leia mais

Período: 2º Turma: A Turno: Noturno Curso: DESIGN DE INTERIORES- Semestre: 2015.2

Período: 2º Turma: A Turno: Noturno Curso: DESIGN DE INTERIORES- Semestre: 2015.2 Período: 2º Turma: A Turno: Noturno Curso: DESIGN DE INTERIORES- Semestre: 20:40 20:50 09:10 09:20 EG114 EG114 EG102 EG102 2º PERÍODO : 1 turma teórica (60) e 3 turmas práticas 2 2 4 TDI201 72 2 2 4 TDI202

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE Apresentação geral do Decreto Regulamentar (a publicar em breve) - diferenciação; Princípios orientadores - distinção pelo mérito (diferenciação pela positiva);

Leia mais

Regulamento do Regime de Frequência e Avaliação

Regulamento do Regime de Frequência e Avaliação Regulamento do Regime de Frequência e Avaliação CURSO DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTETRÍCIA Aprovado em Conselho Científico de 19/09/2007 A Presidente do Conselho

Leia mais

Engenharia Informática. Projecto de Gestão de presenças de Alunos e Docentes

Engenharia Informática. Projecto de Gestão de presenças de Alunos e Docentes Engenharia Informática Projecto de Gestão de presenças de Alunos e Docentes Engenharia de Software Docente: Isabel Sofia Brito Alunos: Pedro Miguel Sameiro Serrano nº 3958 Ana Filipa Farinha Isidro nº

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DANIEL SAMPAIO Calendarização de Atividades de Início de Ano Letivo. setembro 2015. Data Hora Atividade/ Destinatários Local

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DANIEL SAMPAIO Calendarização de Atividades de Início de Ano Letivo. setembro 2015. Data Hora Atividade/ Destinatários Local AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DANIEL SAMPAIO Calendarização de Atividades de Início de Ano Letivo setembro 2015 Semana de 31 agosto a 04 de setembro Dia 1 terçafeira Apresentação de professores e educadores Professores

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

ENS. FUNDAMENTAL II - I UNIDADE 6º s ANOS - MANHÃ

ENS. FUNDAMENTAL II - I UNIDADE 6º s ANOS - MANHÃ 6º s ANOS - MANHÃ 03/03 06/03 12/03 17/03 20/03 24/03 26/03 Laboratório Empreendedorismo 5 5 5 5 5 As avaliações parciais das seguintes disciplinas: Empreendedorismo, e serão trabalhos realizados em sala

Leia mais

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de março e abril /2013

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de março e abril /2013 Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC nos meses de março e abril /2013 Considerações Em março e abril de 2013, a Ouvidoria da UNISC recebeu 184 solicitações. Das solicitações dos dois meses, 60,33%

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Programação com Objectos. Programação Centrada em Objectos. Home Page. Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre. Objectivos Programa Bibliografia Avaliação

Programação com Objectos. Programação Centrada em Objectos. Home Page. Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre. Objectivos Programa Bibliografia Avaliação Última actualização: 25 de Outubro de 2008 Ano Lectivo 2008/2009 1º Semestre ção com Objectos ção Centrada em Objectos Docente: Paulo Leocádio Web: www.uac.pt/~pleocadio E-mail: pleocadio@uac.pt : Competências:

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular Ficha da Unidade Curricular Curso: Engenharia Electrotécnica/Informática Ano Lectivo: 2010/11 Unidade Curr.: Sistemas Digitais Ano Curricular: 1 Créditos: 6 Responsável: João Paulo Coelho Regime: Anual

Leia mais

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período -

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO 2014-2015 Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - Índice 1 Introdução... 3 2 Cumprimento das atividades propostas... 4 3 Proponentes e destinatários das atividades...

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Artigo 1 o (Definição) O Laboratório de Cálculo Automático, adiante designado por Lc, é um dos laboratórios do Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Ano Lectivo 2011/2012 1 Os resultados apresentados reflectem a análise dos Questionários de Satisfação dos Estudantes/Formandos Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ( T

Leia mais

INQUÉRITO AOS ALUNOS FUNCIONAMENTO DAS DISCIPLINAS (1º SEMESTRE)

INQUÉRITO AOS ALUNOS FUNCIONAMENTO DAS DISCIPLINAS (1º SEMESTRE) ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO GABINETE DE AVALIAÇÃO E QUALIDADE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DA ESTG / IPG INQUÉRITO AOS ALUNOS FUNCIONAMENTO DAS DISCIPLINAS (1º SEMESTRE) ANO LECTIVO 2004-2005

Leia mais

FACULDADE MODELO CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2010

FACULDADE MODELO CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2010 FACULDADE MODELO CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2010 1. APRESENTAÇÃO O relatório que segue apresenta a Avaliação Institucional da Faculdade Modelo

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013)

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (2ª Edição 2011/2013) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Ano lectivo 2010 / 2011 Introdução De modo a dar cumprimento à legislação em vigor, tendo como base os objectivos do Projecto Educativo: Diminuir o Insucesso e abandono

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento Mestrado em Sistemas de Informação Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Introdução 1 - O presente Regulamento fixa as condições de funcionamento do ciclo de estudos conducente ao grau de

Leia mais

Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às unidades curriculares

Leia mais

O Sistema de Créditos ECTS

O Sistema de Créditos ECTS O Sistema de Créditos ECTS Isabel Nunes Gabinete de Estudos e Planeamento Coord. Marta Pile Maio 2001 Índice 1. O Sistema de Créditos ECTS 1 1.1. ECTS/Sistema em vigor 1 1.2. Declaração de Bolonha 2 1.3.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SEGMENTOS QUESITOS AVALIADOS PONTUAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SEGMENTOS QUESITOS AVALIADOS PONTUAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Domínio da matéria 8,62 Transmissão da matéria 7,80 Relacionamento com os alunos 8,34 Postura profissional e ética 8,69 Interesse na aprendizagem dos alunos 8,24 Média geral 8,34

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SEGMENTOS QUESITOS AVALIADOS PONTUAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SEGMENTOS QUESITOS AVALIADOS PONTUAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Domínio da matéria 8,69 Transmissão da matéria 7,90 Relacionamento com os alunos 8,33 Postura profissional e ética 8,59 Interesse na aprendizagem dos alunos 8,28 Média geral 8,36

Leia mais

MESTRADO EM QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR EM RESTAURAÇÃO - ANO LECTIVO 2010/2011. Plano de aulas

MESTRADO EM QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR EM RESTAURAÇÃO - ANO LECTIVO 2010/2011. Plano de aulas MESTRADO EM QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR EM RESTAURAÇÃO ANO LECTIVO 2010/2011 Plano de aulas Gestão de Alimentos e 2 de Novembro a 20 de Dezembro Frequências 6 e 15 e 20 de Dezembro restauração 3 de

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012-2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012-2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012-2013 IMPORTANTE Usar EXCEL 2007 ou superior! Ativar as macros! Começar por preencher os dados correspondentes aos campos sombreados. ANO ESCOLAR: 2012-2013

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Preâmbulo O anterior Regulamento de Avaliação em vigor até 2011-2012 foi elaborado para um tipo

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente Procedimento de Avaliação de desempenho docente Índice Introdução... 2 1. Periodicidade e requisito temporal... 2 2. Legislação de referência... 3 3. Natureza da avaliação... 3 4. Elementos de Referência

Leia mais

UNIFESP Virtual - DIS

UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual Avaliação 2003 http://www.virtual.unifesp.br Com o crescimento explosivo da Internet, da comunicação e do reconhecimento do potencial da rede em atuar na globalização

Leia mais

João Paulo Ribeiro Pereira

João Paulo Ribeiro Pereira João Paulo Ribeiro Pereira Dados Biográficos Nome: João Paulo Ribeiro Pereira Data de Nascimento: 14 de Setembro de 1972 Bilhete de Identidade: 9787152 de 27-06-2002 - Bragança Residência: Loteamento Rica-Fé

Leia mais

SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA

SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO ENSINO Inquérito aos alunos das licenciaturas 2006/2007 SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA - Relatório - António Caetano (Coord.) Sílvia Silva Francisco Nunes Generosa do Nascimento

Leia mais

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de julho e agosto/2011

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de julho e agosto/2011 Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC nos meses de julho e agosto/2011 Considerações Em julho e agosto de 2011, a Ouvidoria da UNISC recebeu 96 solicitações. Das solicitações dos dois meses, 73%

Leia mais

ISEL. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

ISEL. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa A Marca Marvila O como parceiro activo na visibilidade e na economia de Marvila José Carlos Quadrado O que é o? É das mais antigas Escolas públicas de Engenharia

Leia mais

Calendarização da Avaliação de Desempenho Docente Educadores e Professores dos Quadros - Anos Lectivos: 2007/2009

Calendarização da Avaliação de Desempenho Docente Educadores e Professores dos Quadros - Anos Lectivos: 2007/2009 Calendarização da Avaliação de Desempenho Docente Educadores e Professores dos Quadros - Anos Lectivos: 2007/2009 Desenvolvimento da Avaliação Intervenientes Calendarização Observações Definição dos Objectivos

Leia mais

REFORMA DO ENSINO SECUNDÁRIO MATRIZES CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS CURSOS TECNOLÓGICOS. Versão definitiva de10 de Abril de 2003

REFORMA DO ENSINO SECUNDÁRIO MATRIZES CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS CURSOS TECNOLÓGICOS. Versão definitiva de10 de Abril de 2003 REFORMA DO ENSINO SECUNDÁRIO MATRIZES CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS E CURSOS TECNOLÓGICOS Versão definitiva de0 de Abril de 003 CURSO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Componentes de Formação 0º º º Geral Português

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DE CURSO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DO ALUNO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DE CURSO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DO ALUNO 1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DE CURSO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DO ALUNO PERÍODO: 7 A 16 DE JULHO DE 2010 (DURANTE A MATRÍCULA) LOCAL: LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

FAHOR - FACULDADE HORIZONTINA

FAHOR - FACULDADE HORIZONTINA Ciências Econômicas - 1º Semestre de 2016 EC2013 0094 - Economia Internacional II - EC04 0094 - Economia Internacional II - EC04 0093 - Econometria - EC04 0093 - Econometria - EC04 0097 - Trabalho de Conclusão

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares... 4 1º Semestre - Resultados

Leia mais

Uma Mensagem Positiva

Uma Mensagem Positiva Uma Mensagem Positiva "O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objectivo. Mesmo não atingindo o objectivo, quem procura e vence obstáculos, no mínimo fará coisas admiráveis.

Leia mais

CALENDÁRIO DE PROVAS DAS DISCIPLINAS OFERTADAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DOS CURSOS PRESENCIAIS

CALENDÁRIO DE PROVAS DAS DISCIPLINAS OFERTADAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DOS CURSOS PRESENCIAIS CALENDÁRIO DE PROVAS DAS DISCIPLINAS OFERTADAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DOS CURSOS PRESENCIAIS Prezados(as) alunos (as) A seguir o calendário de provas do 2º. Bimestre: CAMPUS: SÃO PAULO CURSO TURNO SEMESTRE

Leia mais

ACEF/1314/02887 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1314/02887 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1314/02887 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1314/02887 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

ETPZP 1989-2014 [ANO LETIVO 2013/14]

ETPZP 1989-2014 [ANO LETIVO 2013/14] ETPZP Petroensino Ensino e Formação Profissional, Lda. Direção Geral Direção Pedagógica 1989-2014 Escola Tecnológica e Profissional da Zona do Pinhal [ANO LETIVO 2013/14] Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES RELATÓRIO DA DIRECÇÃO 1º TRIMESTRE ANO LECTIVO 2010/2011 1. INTRODUÇÃO Para despertar o engenho e a arte O trabalho desenvolvido neste primeiro trimestre vem na continuidade

Leia mais

Resumo análise dos contra o gabarito preliminar e o conteúdo das questões da prova objetiva.

Resumo análise dos contra o gabarito preliminar e o conteúdo das questões da prova objetiva. 101 - AUXILIAR DE BIBLIOTECA 1 Indeferido 19 Indeferido 20 Indeferido 2 2 25 Indeferido 35 Indeferido 55 Indeferido 57 DEFERIDO/DE D PARA A 6 6 65 Indeferido 71 Indeferido 7 74 DEFERIDO/DE B PARA C 75

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento Engenharia Civil Secção Planeamento e Urbanismo Teóricas Curso Engenharia Civil ECTS 4,0 Teóricopráticas Distribuição das horas de contacto Trabalho Práticas e de Seminário Estágio Laboratoriais

Leia mais

Reorganização da oferta formativa da. Escola de Ciências e Tecnologia. da Universidade de Évora. Paulo Quaresma 1. Escola de Ciências e Tecnologia

Reorganização da oferta formativa da. Escola de Ciências e Tecnologia. da Universidade de Évora. Paulo Quaresma 1. Escola de Ciências e Tecnologia Reorganização da oferta formativa da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora Paulo Quaresma 1 Escola de Ciências e Tecnologia Universidade de Évora pq@uevora.pt Resumo Este artigo descreve

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS / MAGISTÉRIO - IFSP Edital nº 50/2014

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS / MAGISTÉRIO - IFSP Edital nº 50/2014 CARGO: ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO: 401 QUESTÃO ALTERNATIVA 1 D 2 B 3 C 4 D 5 A 6 A 7 C 8 B 9 C 10 D 11 C 12 D 13 D 14 C 15 A 16 D 17 A 18 B 19 D 20 A 21 D 22 B 23 C 24 C 25 A 26 B 27 D 28 C 29 B 30 A 31 C 32

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 150253 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRAGA OESTE Sede: 343640 Escola dos 2.º e 3.º Ciclos de Cabreiros DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Ano lectivo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO No primeiro

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ORGAOS CENTRO DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Identificação Disciplina: ANÁLISE DE SISTEMAS CONTÁBEIS Corpo

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos de Mestrado em Genética Molecular

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

CÓD. 104 - CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 42

CÓD. 104 - CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 42 Aprovado no CONGRAD: 15.09.09 Vigência: 2010/1, com efeito retroativo para os ingressos a partir 2009/1 104 - CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 42 ÁREAS DE FORMAÇÃO I - CONTEÚDOS

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO PGT- Programa de Gestão da Inovação e Projetos Tecnológicos Educação Continuada em Gestão de Projetos: a Experiência da FIA/FEA/USP Prof. Roberto Sbragia rsbragia@usp.com.br

Leia mais

Análise Matemática II

Análise Matemática II Página Web 1 de 7 Análise Matemática II Nome de utilizador: Arménio Correia. (Sair) LVM AM2_Inf Questionários INQUÉRITO ANÓNIMO» AVALIAÇÃO de AM2 e dos DOCENTES Relatório Ver todas as Respostas View Todas

Leia mais

SENAI - FATESG. Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima. Aula 1

SENAI - FATESG. Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima. Aula 1 SENAI - FATESG Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Bacharel em Análise de Sistemas Destaque acadêmico Especialista em Tecnologia da Informação MBA em Gestão de Tecnologia Atuo a mais de 12 anos no

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DE CURSO SEQUÊNCIAIS DE TOPOGRAFIA NAS ÁREAS DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NA UFRPE

UMA PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DE CURSO SEQUÊNCIAIS DE TOPOGRAFIA NAS ÁREAS DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NA UFRPE UMA PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DE CURSO SEQUÊNCIAIS DE TOPOGRAFIA NAS ÁREAS DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NA UFRPE Fernando J. L. Botelho - fbotelho@elogica.com.br; UFRPE/UNICAP, DTR, Rua d. Manoel de Medeiros, s/n

Leia mais

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS PROCEDIMENTOS E REGRAS A ADOPTAR PARA A FIXAÇÃO DOS CRÉDITOS A OBTER EM CADA ÁREA CIENTÍFICA E A ATRIBUIR POR CADA UNIDADE CURRICULAR (de acordo com Dec.- Lei nº 42/2005)

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: ECONOMIA APLICADA Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 1º Carga Horária Semestral: 67 EMENTA A Ciência Econômica. Os Problemas Econômicos

Leia mais

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade)

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) Relatório do inquérito aplicado aos Docentes Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) 1 UAL, Ano lectivo de 2007/2008 2 Índice 1. Estrutura do questionário 1.1. Resultados do Alpha

Leia mais

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: E.I.A. - Ensino, Investigação

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

Graça Eckhardt. Gestor de Actividades TIC na Educação

Graça Eckhardt. Gestor de Actividades TIC na Educação Graça Eckhardt Gestor de Actividades TIC na Educação Atenção! Aqui há GATO! O que é o GATo? A aplicação das Tecnologias de Informação e Comunicação ao contexto educativo passa pelo apetrechamento das escolas

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS Fevereiro 2011 PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS DA FEAMIG Introdução Desde o final do ano de 2007 e o início de 2008, a FEAMIG

Leia mais

Calendário Acadêmico 2015 - IFG Campus Uruaçu

Calendário Acadêmico 2015 - IFG Campus Uruaçu JANEIRO 1 2 3 1 Confraternização Universal 4 5 6 7 8 9 10 2 31 Férias Docentes 11 12 13 14 16 17 5 16 Período para renovação de matrícula para cursos técnicos e pré-matrícula dos cursos superiores. 18

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

despachos do diretor ÍNDICE REMISSIVO clique nos despachos para aceder ou use os marcadores (painel lado esqº)

despachos do diretor ÍNDICE REMISSIVO clique nos despachos para aceder ou use os marcadores (painel lado esqº) despachos do diretor 2012 ÍNDICE REMISSIVO clique nos despachos para aceder ou use os marcadores (painel lado esqº) 01 / 2012 Calendário de Exames do 3.ª Ano (2.º Semestre) do CMIM Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

Plano de Formação [2012/2013] Agrupamento de Escolas Elias Garcia

Plano de Formação [2012/2013] Agrupamento de Escolas Elias Garcia Plano de Formação [2012/2013] Agrupamento de Escolas Elias Garcia Introdução A formação profissional dos atores escolares deve obedecer a uma lógica contextual, adaptativa, organizacional e orientada para

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

11/03 Leitura do PPP da unidade escolar Local: livre. 18/03 Leitura do PPP da unidade escolar. Local: livre

11/03 Leitura do PPP da unidade escolar Local: livre. 18/03 Leitura do PPP da unidade escolar. Local: livre MARÇO 2015/01 02/03 Reunião de Planejamento para inicio das atividades do PIBID/ 2015 Horário: 13:00 às 17:00 05/03 Reunião de planejamento Reunião Pibid Unemat Prof. Franciano Horário: 13:00 às 17:00

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( X ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Ano Lectivo 2007/2008 Junho de 2009 ÍNDICE Objectivos do Relatório Fases de Elaboração do Relatório Universo do Relatório

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Curso: Bacharelado em Informática Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Informações Básicas do Currículo Duração Ideal 8 semestres Mínima 6 semestres Máxima 14 semestres Carga Horária Aula

Leia mais