DO RELIGIOSO AO CULTURAL: A (RE)SIGNIFICAÇÃO DA IDENTIDADE JUDAICA EM PERNAMBUCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO RELIGIOSO AO CULTURAL: A (RE)SIGNIFICAÇÃO DA IDENTIDADE JUDAICA EM PERNAMBUCO"

Transcrição

1 DO RELIGIOSO AO CULTURAL: A (RE)SIGNIFICAÇÃO DA IDENTIDADE JUDAICA EM PERNAMBUCO Isabela Andrade de Lima UFPE Mestranda do Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFPE, Membro do Grupo Interdisciplinar de Estudos sobre o Judaísmo da UFPE e Pesquisadora do Arquivo Histórico Judaico de Pernambuco - AHJPE Rua: Desembargador Freitas, 33 Estância Recife PE, CEP: Fone: (81) ; Durante a década de 30, o governo brasileiro iniciando uma campanha de nacionalização, negava legitimidade ao pluralismo étnico privilegiando a assimilação como base da formação nacional. O discurso étnico do governo baseava-se em critérios simbólicos primordialistas, através da proibição da imprensa estrangeira e do uso da língua estrangeira em público, mudanças nas redes de ensino e nas sociedades recreativas Nesse mesmo contexto, cresce o número de imigrantes europeus, sobretudo dos judeus perseguidos pelos regimes nazifascistas. Em Pernambuco, a interventoria Agamenon Magalhães juntamente com a Delegacia de Ordem Política e Social- DOPS/PE tomou medidas restritivas, de controle e de vigilância aos indivíduos que não enquadravamse à nova ordem social que estava se estabelecendo. O objetivo deste trabalho é identificar até que ponto essas medidas tiveram consequências para identidade do judeu. A metodologia utilizada baseia-se na análise da documentação presente no acervo da DOPS/PE e nas entrevistas realizadas com os imigrantes judeus, com o objetivo de recuperar tanto parte do passado através da coleta das histórias de vida dos imigrantes como a noção de identidade que está associada à idéia de memória. O que se observou é que mesmo diante de um discurso assimilacionista por parte do governo brasileiro, a comunidade judaica que estabelecia-se em Pernambuco sofreu alterações em seu patrimônio histórico e cultural, configuradas através do deslocamento do núcleo religioso para o núcleo cultural, entendidas como re-significação de sua identidade étnica.

2 DO RELIGIOSO AO CULTURAL: A (RE)SIGNIFICAÇÃO DA IDENTIDADE JUDAICA EM PERNAMBUCO * Isabela Andrade de Lima UFPE Mestranda do Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFPE, Membro do Grupo Interdisciplinar de Estudos sobre o Judaísmo da UFPE e Pesquisadora do Arquivo Histórico Judaico de Pernambuco - AHJPE Rua: Desembargador Freitas, 33 Estância Recife PE, CEP: Fone: (81) ; Segundo Kaufman (2000) a identidade do imigrante judeu em Pernambuco durante o século XX foi configurada através do deslocamento do núcleo religioso para o núcleo cultural, processos denominados como secularização do judaísmo religião e sacralização do judaísmo cultura. Inúmeros foram os fatores que possibilitaram essa inovação cultural e identitária. O objetivo desta comunicação é identificar até que ponto os fatores políticos tiveram influência para o estabelecimento dessa identidade do pernambucano-judeu. Tratar da identidade do judeu não é fácil, haja visto que ela repousa sobre múltiplas bases de identificação. Os indivíduos podem identificar-se na qualidade de judeu a partir de diferentes categorias ou componentes religiosos, étnicos, culturais, históricos, etc. Entretanto, meu objeto de estudo não é descrever o conteúdo cultural, histórico ou religioso do judeu, mas analisar como os judeus conseguiram, a partir de uma relação interétnica, manter a diferença, e construir uma identidade do judeu pernambucano baseado na ênfase do cultural em detrimento do religioso. Essa construção identitária foi reforçada também pelas relações que os imigrantes judeus estabeleceram com a Delegacia de Ordem Política e Social de Pernambuco DOPS/PE, enquanto uma instituição de controle, vigilância, censura e repressão. Para isso, irei fazer um estudo que tome como base a questão identitária a partir da perspectiva antropológica contemporânea. Nessa perspectiva, segundo Agier (2001) devemos abordar o objeto de maneira contextual, relacional, construtivista e situacional. Para Cuche (1999:201/202) a análise da identidade não pode se contentar com um abordagem sincrônica, deve ser feita também em um plano diacrônico. Esta comunicação baseia-se ainda numa abordagem interdisciplinar que procura aproximar o discurso antropológico do discurso histórico, tomarei como base as documentações presentes no acervo da Delegacia de Ordem Política e Social de Pernambuco DOPS/PE e do Arquivo Histórico Judaico de Pernambuco AHJPE. O acervo da DOPS/PE possibilita identificar, por um lado, como os investigadores desta delegacia utilizavam-se dos estereótipos e estigmas criados sobre os imigrantes judeus para vigiar e censurar esses indivíduos, e por outro lado, como os judeus diante dessas rotulações, vigilância e censura conseguiram estabelecer algumas estratégias para construir uma identidade baseada na continuidade através da mudança. No acervo do AHJPE as entrevistas com os imigrantes judeus possibilitam, através da memória individual de cada imigrante, reconstruir a memória coletiva do grupo.

3 No Brasil, entre 1840 e 1942 entraram aproximadamente imigrante judeus, que se concentraram nas metrópoles urbanas como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife. Em Pernambuco 90% dos imigrantes judeus vindos nesse período são de origem ashkenazim, ou seja, vindos da Europa Central e Oriental, das regiões como Bessarábia, Lituânia, Ucrânia, Polônia e Rússia. As decisões de para emigrar são, principalmente as condições de vida a que os judeus estavam submetidos nessas regiões. M. L. imigrante polonês, nascido em 1912 relata que: a vida era dura lá, muito anti-semitismo e por isso, meu pai e meu irmão mais velho, viajaram e chegaram aqui em 1928, depois de 2 anos nós chegamos aqui, em 1930, eu, minha mãe, duas irmãs e meu cunhado...medo não tinha não, havia limites, não vivia com medo porque depois de melhorou muito, não tinha perseguição muita não. Mas o judeu não tinha direito a isso ou aquilo, o judeu não podia cultivar, não tinha o direito de ter terra, não podia cultivar nada. Sobre as perseguições às famílias judias M. L. relata os apedrejamentos: apedrejavam, jogavam pedras, quando sabiam que era judia. R.B, imigrante da Bessarábia, também nascida em 1912 relata algumas perseguições: As próprias pessoas da aldeia, não judeus vinham contra os judeus. E, assim, eles quebravam as casas, destruíam as coisas, as lojas... Roubavam e matavam... pessoas da comunidade judaica...só porque eram judeus...não havia nenhuma outra razão para isso. É sob essas condições que o Brasil se transformava na terra prometida para esses imigrantes. M.L. nos conta que meus pais viram que não tinha futuro pra gente, então eles resolveram vir pra cá, "machn América". Já J G. conta que seu pai A.I.G, nascido em Viena, chegou ao Brasil em 1922, com o desejo de fazer a independência econômica e fazer a América. Normalmente, a vinda para Pernambuco era motivada pelo fato de já existir um parente ou amigo próximo estabelecido que, eventualmente, iria oferecer ajuda ao recém-chegado. Primeiro vinham os homens, após algum tempo estabelecido, mandavam buscar da Europa suas famílias. C.S. imigrante da Bessarábia, conta-nos que primeiro vieram seus irmãos J.C de 16 anos e L.C. de 18 anos, chegaram em 1909 e vieram porque não queriam servir ao exército russo, que, na época, recrutava judeus. Cinco anos depois, em 1914, veio seu pai: Ele veio para o Brasil para alugar uma casa, estabelecer, botar tudo direitinho para buscar a gente (sua mãe e mais quatro filhos) Mas, justamente, logo que ele saiu, quando ele só passou a fronteira estourou a Guerra (Primeira Guerra Mundial). Aí ele não podia, nem mandar dinheiro, nem telegramas, nem nada. Isso foi até De 1914 até Terminada a Guerra, o restante da família chegou em Pernambuco. Os imigrantes judeus já estabelecidos em Pernambuco, davam acolhida aos recém chegados da Europa, oferecendo-lhes moradia, alimentação, etc. R.B., imigrante da Bessarábia, lembra que seu pai chegou ao Brasil em 1911, indo primeiro para São Paulo trabalhar com um irmão já estabelecido, depois viera para Recife

4 trabalhar com um amigo. Depois de estabelecido, dedicou-se a ajudar os imigrantes: A casa de meu pai, lá na Rua Leão Coroado tinha um sótão, enorme. E toda família que chegava, eles recebiam as famílias, botava lá no sótão, dava comida a eles e ajudava para eles se estabelecerem. Quando eles viam que eles já estavam ganhando, aí eles: vocês tem que sair porque tem uma outra pessoa. E durantemuitotempo meu pai ajudou a muitos emigrantes (...) ajudavaporque eles chegavam com uma mão na frentee outra atrás, sem dinheiro, sem nada. A prática dessa solidariedade, é um dos preceitos do judaísmo, a Tzedack, a prática da caridade com justiça, instituída também pela Cooperativa do Banco Popular Israelita de Pernambuco cujo objetivo era proporcionar crédito aos seus sócios, por meio de mutualidade e da economia, mediante juros razoáveis, auxiliando em particular o pequeno trabalho, seja de ordem agrícola ou profissional, seja de ordem industrial ou comercial 1. Segundo a nossa informante B., o Banco funcionava da seguinte maneira: Pessoas que passavam por situação difícil, iam lá para pegar empréstimo, então havia uma comissão que analisava a situação daquela pessoa que foi pedir, se ela realmente estava precisando e tal. E que tipo de pessoa era com relação ao seu comportamento, comportamento social, é, como é que era o comportamento dela, e se emprestava o dinheiro. O que dava crédito à essa pessoa era o fato dela pagar as parcelas em dia, então se precisasse novamente, isso já credenciava. E como é que eles conseguiam esse dinheiro para essa tal cooperativa? Judeus abastados, emprestavam esse dinheiro. Esse dinheiro era repassado pra aqueles que precisavam que quando era devolvido voltava para o bolso de quem emprestou. Isso chamava-se Guemilut Chassadim, é que tem relação com prática de boas ações A organização social dos imigrantes judeus em Pernambuco, foi realizada a partir dessas instituições, que serviam também como uma forma de reforçar ou criar laços de solidariedade dentro do grupo, manter, preservar, e até mesmo re-significar algumas tradições judaicas. Uma outra instituição cuja finalidade era proporcionar diversos divertimentos aos seus sócios, foi o Centro Cultural Israelita de Pernambuco, que promovia festas, casamentos, bailes, pic-nic aos seus sócios 2. Esses espaços são também símbolos de mobilização coletiva da distinção étnica, é através deles que os atores mantém uma solidariedade difusa e persistente. Esta solidariedade, segundo Poutignat (1998) não é um aspecto inerente da essência do grupo, mas recursos que são explorados com a finalidade de enfrentar um meio ambiente social hostil ou incerto. Mas o estabelecimento dos judeus no Brasil também não foi fácil. Durante a década de 30, sobretudo após 1937 com o Estado Novo, foram instituídas as campanhas de nacionalização, estas, segundo Seyferth (1997), visavam ao caldeamento de todos os alienígenas em nome da unidade nacional. Com uma proposta homogeneizadora, a campanha nacionalista implementada pelo governo, não tolerava o pluralismo étnico. Os

5 atos de nacionalização atingiram o sistema de ensino de língua estrangeira, a imprensa estrangeira, as atividades religiosas e as organizações comunitárias. É também durante o governo Vargas que é criada a DOPS, seu objetivo enquanto polícia repressiva é coibir a desordem social, protegendo a sociedade dos inimigos do regime. A preocupação da DOPS/PE era combater o comunismo, haja visto que Pernambuco era considerado um Estado de grande concentração do foco vermelho em face de ter sediado a Intentona Comunista em Os judeus de origem ashkenazim, traziam consigo o estigma de terem sua imagem associada às utopias revolucionárias do século XX. Michael Löwy (1989) explica que a atração existente entre o messianismo judaico e as utopias revolucionárias levou uma multidão imensa e variada de intelectuais judeus a se sentirem atraídos pelas correntes socialistas, marxistas ou anarquistas. É nesse perspectiva que começa a se construir no imaginário político a imagem do judeu como imigrante indesejável. Os judeus já traziam um legado de serem nocivos, desde a Antiguidade eram considerados como deicidas e desrespeitadores da fé cristã, a partir do século XIX com o advento do Iluminismo e o surgimento as Ciências do Homem, serão considerados cientificamente como uma anomalia do ponto de vista racial e social. É também no início do século XIX, que circula a obra Os Protocolos dos Sábios de Sião, onde os judeus serão apontados como aqueles que pretendiam dominar o mundo secretamente através de uma organização que visava controlar a imprensa, o governo e as finanças. Diante dessa imagem criada acerca dos judeus, somando-se à imagem de agente comunista, tem-se a construção imaginária do judeu como inimigo a ser contido. O duplo estigma judeu e comunista, fará com que os judeus tornem-se um dos grupos mais visados pelos órgãos de repressão, o DEOPS de São Paulo, segundo Wiazovski (2001), durante todo o seu tempo de existência teve os comunistas como objeto principal de perseguição, porém o fato de o suspeito ser de origem judaica também contava como critério de julgamento. Em Pernambuco, a atuação da DOPS não foge à regra. A comunidade judaica torna-se alvo de controle e vigilância. Os investigadores estavam atentos aos passos dos judeus e das instituições judaicas. O Centro Cultural de Pernambuco, por exemplo, deveria pedir autorização para realização de cultos religiosos, festas, bailes que por ventura viesse a oferecer aos seus sócios, até mesmo para realização de um pic-nic, na praia de Gaibu 3, no dia 29 de Outubro de 1945, o vice-presidente do Centro Cultural Israelita envia ao Delegado de Ordem Política e Social a seguinte solicitação: O Centro Cultural Israelita de Pernambuco, pretendendo realizar um pic-nic no próximo dia 4, na praia de Gaibu, vem pedir a V.S. a devida permissão para a realização do referido pic-nic. Todo o cotidiano e até mesmo o lazer da comunidade era alvo de investigação. Diante desse contexto, interessa saber como os judeus agiram e/ou reagiram. O projeto assimilacionista pregado pela campanha nacionalista não surtiu efeito, pelo contrário, garantiu a manutenção das fronteiras

6 identitárias, na medida em que os judeus, assim como outros imigrantes, desenvolveram várias maneiras, bem sucedidas, de tornarem-se aceitos como cidadãos do país e ao mesmo tempo preservar sua identidade. 4 A finalidade do Colégio Idiche Brasileiro é exposta num relatório enviado à DOPS: O Colégio Idiche Brasileiro, tem por fim primordial a educação das crianças descendentes de israelitas, no conhecimento perfeito da língua e história brasileira, ensinando-as o respeito, a guarda dos feriados e dias santificados nacionais, incentivando-as no amor a pátria e nacionalidade brasileira (...) O Corpo docente acima, aquém está confiado a fiel observância do programa do ensino, é constituído de professores brasileiros... 5 Note-se que a reação à campanha nacionalista se dá através da contribuição com ela. O Colégio Idich Brasileiro funcionava ensinado também história e religião israelita, mas sua principal finalidade é a exposta acima. Segundo Kaufman (2000), a imigração e a integração do europeu de origem judaica no Brasil, teve como cenário um processo que incluía, por um lado, o temor de novas perseguições - que o levava a buscar estratégias para ser aceito como cidadão do país de destino e, por outro lado, a vontade de preservar o patrimônio religioso-cultural. Na raiz deste processo está o desejo do judeu de ser aceito como cidadão do país, e ao mesmo tempo, de preservar a cultura judaica. Esses traços são observados na comunidade judaica presente na sociedade pernambucana durante o período varguista. Por um lado, tentava-se preservar sua identidade cultural, haja visto o número de solicitações enviadas à DOPS/PE, para realizações de festas, cultos e bailes. E, por outro lado, o desejo de ser aceito como cidadão do país é evidenciado quando a própria comunidade envia à DOPS/PE essas solicitações. Em abril de 1932, o presidente do Centro Cultural Israelita de Pernambuco escreve para o Chefe da Seção de Ordem Social, descrevendo as finalidades da instituição: Aconselhados por um funcionário da seção acima, (Seção de Ordem Social) vimos, por meio deste, apresentar a comissão dirigente da nossa sociedade e descrever os fins dela. Fins: 1º)Proporcionar aos sócios os meios de conhecer a literatura israelita, brasileira e outras, por meio de biblioteca, jornais, noites literárias, etc. 2º) comemorar datas nacionais, israelitas e brasileiras. 3º) Proporcionar diversos divertimentos aos sócios, como bailes, recreios, etc. 4º) Pequenos esportes, como ping-pong, xadrez e outros. 6 Assim, foi se construindo a identidade hifenizada do pernambucano-judeu, a qual formou-se deslocando o núcleo religioso do cultural. As políticas implementadas durante a década de 30 contribuíram para esse deslocamento, na medida em que foi o conteúdo cultural que serviu de fonte de mobilização e de negociação, pois é no campo da cultura que as sociedades conseguem articular seus processos de resistência à sociedade envolvente. É o capital simbólico cultural que possibilita fazer frente à dominação e aos elementos que lhes são impostos pela sociedade dominante e que são continuamente reinterpretado por elas. A partir das considerações

7 que envolvem a esfera cultural que se pode entender que as diferenças entre as sociedades não são suprimidas, mas reformuladas (Novaes:1993). Notas: * Esta comunicação é parte da pesquisa para Dissertação de Mestrado que está sendo desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pernambuco, sob orientação da Prof. Tânia Neumann Kaufman. 1 Fundo SSP-DOPS/PE Prontuário Funcional nº 27687, Anexo II APEJE/PE. 2 Fundo SSP-DOPS/PE - Prontuário Funcional nº 413, Anexo II - APEJE/PE. 3 Idem. 4 Sobre as estratégias de alguns imigrantes ver: OLIVEIRA, Lúcia L. O Brasil dos Imigrantes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001; LESSER, Jeffrey. A negociação da identidade nacional: Imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: UNESP, Fundo SSP-DOPS/PE - Prontuário Funcional nº 413, Anexo II - APEJE/PE.. 6 Idem. Bibliografia: AGIER, Michel. Distúrbios identitários em tempos de globalização. In. MANA. Outubro, 2001, vol. 7, nº 2, p CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. O Anti-semitismo na Era Vargas: fantasmas de uma geração: São Paulo: Brasiliense, CUCHE, Denys. Cultura e Identidade. In. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, HALBWACHS, Maurice. Memória Coletiva. São Paulo: Vértice, KAUFMAN, Tânia Neumann. Passos Perdidos - História Recuperada: a presença judaica em Pernambuco. Recife: Edição do Autor, LESSER, Jeffrey. A negociação da identidade nacional: Imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: UNESP, O Brasil e a Questão Judaica: imigração, diplomacia e preconceito. Rio de Janeiro: Imago Ed., LÖWY, Michael. Redenção e Utopia: O judaísmo libertário na Europa Central: um estudo de afinidade eletiva. Tradução Paulo Neves São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

8 NOVAES, Sylvia Caiuby. Jogo de Espelhos: Imagens da Representação de si através dos outros. São Paulo: Edit. da USP, 1993 OLIVEIRA, Lúcia L. O Brasil dos Imigrantes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, OS PROTOCOLOS DOS SÁBIOS DE SIÃO. São Paulo: Centauro Editora, POUTIGNAT, Philippe e STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da Etnicidade. Seguido de Grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: Editora da UNESP, SCHWACZ, L.M. (org) Antropologia e História: Debate em região de fronteira. Belo Horizonte: Autêntica, SEYFERTH, Giralda. A assimilação dos imigrantes como questão nacional. In. Mana, Abril 1997, vol. 3, nº 1, p SILVA, Marcília G. DOPS e o Estado Novo : Os bastidores da Repressão em Pernambuco, Dissertação apresentada ao curso de mestrado na UFPE, WIAZOVSKI, Taciana. Bolchevismo e judaísmo: a comunidade judaica sob o olhar do DOPS. São Paulo: Arquivo do Estado: Imprensa Oficial, 2001.

A presença dos japoneses no Piauí. Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro

A presença dos japoneses no Piauí. Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro 1 A presença dos japoneses no Piauí Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro O tema deste artigo é a migração japonesa no Piauí, com destaque para as sobrevivências e rupturas na contemporaneidade

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Fundador da Comunidade Judaica do Porto

Fundador da Comunidade Judaica do Porto Fundador da Comunidade Judaica do Porto Arthur Carlos de Barros Bastos nasceu a 18 de Dezembro de 1887 em Amarante e faleceu no Porto a 8 de Março de 1961. Foi um militar de carreira, mas também um escritor

Leia mais

DA ÁUSTRIA AO BRASIL: OS EXÍLIOS DE STEFAN ZWEIG E OTTO MARIA CARPEUAX.

DA ÁUSTRIA AO BRASIL: OS EXÍLIOS DE STEFAN ZWEIG E OTTO MARIA CARPEUAX. DA ÁUSTRIA AO BRASIL: OS EXÍLIOS DE STEFAN ZWEIG E OTTO MARIA CARPEUAX. Aluno: Blanche Marie Evin da Costa Orientador: Mauricio Parada Introdução: O século XX ficou marcado na história pelas grandes Guerras

Leia mais

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA De uma forma geral, a prova foi boa com questões claras e bem articuladas. Louvável a intenção de cobrar reflexões sobre a históriografia, bem como a de revisitar o passado a partir

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO DA CULTURA MATERIAL NOS CEMITÉRIOS MUNICIPAIS DE ROLÂNDIA-PR: IDENTIDADES E RELIGIOSIDADES JUDAICAS

A CLASSIFICAÇÃO DA CULTURA MATERIAL NOS CEMITÉRIOS MUNICIPAIS DE ROLÂNDIA-PR: IDENTIDADES E RELIGIOSIDADES JUDAICAS A CLASSIFICAÇÃO DA CULTURA MATERIAL NOS CEMITÉRIOS MUNICIPAIS DE ROLÂNDIA-PR: IDENTIDADES E RELIGIOSIDADES JUDAICAS Guilherme Alves Bomba (UEL IC); e-mail: guilherme.bomba@hotmail.com. Marco Antonio Neves

Leia mais

Uma visão humanista do judaismo

Uma visão humanista do judaismo Uma visão humanista do judaismo Entrevista com Bernardo Sorj Bernardo Sorj é professor titular de Sociologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e diretor do Centro Edelstein de Pesquisas Socais.

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E A IMIGRAÇÃO EUROPÉIA

POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E A IMIGRAÇÃO EUROPÉIA POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E A IMIGRAÇÃO EUROPÉIA Mario De Souza Martins 1 Introdução Trabalhamos nesse artigo, com a falta de políticas públicas, desde o início do processo imigratório, até os dias

Leia mais

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES Um relato de Elia Meneses Rola Eu, Elia Meneses Rola, brasileira, separada judicialmente, Servidora Pública Federal aposentada, CPF, CI, domiciliada e residente nessa

Leia mais

Ensinando por projetos transdisciplinares

Ensinando por projetos transdisciplinares Ensinando por projetos transdisciplinares Romildo Nogueira (UFRPE) ran.pe@terra.com.br Maria Cilene Freire de Menezes (UFRPE) pgensino@ufrpe.br Ana Maria dos Anjos Carneiro Leão (UFRPE) amanjos2001@yahoo.com.br

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

PESQUISAS SOBRE A IMIGRAÇÃO ESPANHOLA NO RIO GRANDE DO SUL

PESQUISAS SOBRE A IMIGRAÇÃO ESPANHOLA NO RIO GRANDE DO SUL PESQUISAS SOBRE A IMIGRAÇÃO ESPANHOLA NO RIO GRANDE DO SUL Drª Regina Weber Daiane Souza Renata K. Veleda Vagner M. Corrêa Aluisio Lessa Os espanhóis chegaram ao Rio Grande do Sul, o estado mais meridional

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG 1 O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG O presente trabalho apresenta resultados preliminares de uma

Leia mais

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus?

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? 2 Coríntios 5:18-20 Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber,

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante.

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante. O Catequista, coordenador, responsável pela reunião ou encontro, quando usar esse material, tem toda liberdade de organizar sua exposição e uso do mesmo. Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

CIVILIDADE E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS JAPONESAS: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES COM NORBERT ELIAS

CIVILIDADE E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS JAPONESAS: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES COM NORBERT ELIAS CIVILIDADE E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS JAPONESAS: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES COM NORBERT ELIAS Orientanda: Joice Camila dos Santos Kochi Orientadora: Magda Sarat Co-orientadora: Míria Izabel Campos Universidade

Leia mais

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva Projeto de Pesquisa - Microcrédito Produtivo Orientado: Inovações de Tecnologia Social e Aperfeiçoamento de Política A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO 1 INTRODUÇÃO Jesus mandou seus discípulos: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA. MANUAL DO ALUNO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA. MANUAL DO ALUNO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA. MANUAL DO ALUNO APRESENTAÇÃO: O Programa de Pós Graduação em História da Universidade Severino Sombra tem como Área de Concentração a

Leia mais

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém,

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, lá permanecendo até, pelo menos, pouco depois de Pentecostes.

Leia mais

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro O QUE É BULLYING Bullying é um termo da língua inglesa (bully = valentão ) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas,

Leia mais

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS Plataforma dos Centros Urbanos SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS PARTICIPATIVAS DE SÃO PAULO INTRODUÇÃO Este relatório sintetiza os dados consolidados do processo de consulta participativa, realizado

Leia mais

22h00 às 23h30 COQUETEL E LANÇAMENTO Coquetel de boas vindas e Lançamento de livros e revistas Espaço da feira de livros 27/10, TERÇA-FEIRA

22h00 às 23h30 COQUETEL E LANÇAMENTO Coquetel de boas vindas e Lançamento de livros e revistas Espaço da feira de livros 27/10, TERÇA-FEIRA 26/10/, SEGUNDA-FEIRA 20h30 às 22h00 ABERTURA Abertura oficial do 39º Encontro Anual da ANPOCS Anfiteatro Glória Cerimônia de entrega do Prêmio ANPOCS de Excelência Acadêmica - Anfiteatro Glória 22h00

Leia mais

Construindo a nova relação entre judeus e cristãos

Construindo a nova relação entre judeus e cristãos Os Doze Pontos de Berlim e A História da Transformação de um Relacionamento I Construindo a nova relação entre judeus e cristãos No verão de 1947, 65 judeus e cristãos de 19 países reuniram-se em Seelisberg,

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia 1 2015 VICE Media LLC Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia março 19, 2015 Por Matias Maxx Repórter Foto por Matias Max. No ano passado, poucas semanas antes do início

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

O que Aconteceu Naquele Dia?

O que Aconteceu Naquele Dia? O que Aconteceu Os eventos da Páscoa Naquele Dia? Há quase dois mil anos, depois de ser falsamente acusado pelo sumo sacerdote e outros líderes religiosos de blasfêmia contra a religião judaica, Jesus

Leia mais

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 ENTRE O PASSADO E O PRESENTE: A CONSTRUÇÃO E AFIRMAÇÃO DA IDENTIDADE ÉTNICA DOS CIGANOS DA CIDADE ALTA, LIMOEIRO DO NORTE CE 1 BETWEEN THE PAST AND THE PRESENT: THE CONSTRUCTION AND AFFIRMATION OF ETHNIC

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

CONSTRUINDO UMA NOVA IDENTIDADE: ESCOLA SAGRADA FAMÍLIA 1933-1945 1. A identidade de uma comunidade não pode ser definida unicamente a partir da

CONSTRUINDO UMA NOVA IDENTIDADE: ESCOLA SAGRADA FAMÍLIA 1933-1945 1. A identidade de uma comunidade não pode ser definida unicamente a partir da CONSTRUINDO UMA NOVA IDENTIDADE: ESCOLA SAGRADA FAMÍLIA 1933-1945 1 Elizabeth Johansen 2 - UEPG A identidade de uma comunidade não pode ser definida unicamente a partir da ocupação de territórios determinados

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Nascimento: 19/11/1942, Bakwa Kalonji Profissão: Professor universitário e pesquisador

Nascimento: 19/11/1942, Bakwa Kalonji Profissão: Professor universitário e pesquisador Depoimento de Kabengele Munanga ao Museu da Pessoa Munanga, Kabengele Nascimento: 19/11/1942, Bakwa Kalonji Profissão: Professor universitário e pesquisador Kabengele Munanga nasceu na República Democrática

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus S. José modelo e protector de todos os pais materialdecatequese.webnode.pt 1 A terra de José (Mapa) O seu país era a Palestina e a aldeia onde morava chamava-se

Leia mais

Teste 3 - Auto-avaliação das habilidades empreendedoras

Teste 3 - Auto-avaliação das habilidades empreendedoras Teste 3 - Auto-avaliação das habilidades empreendedoras Para cada questão, faça um círculo na resposta que está mais adequada às suas crenças ou ações, mesmo que aparentemente não tenham algo em comum

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c.

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Depois de Davi, veio Salomão. O Reino de Davi e Salomão

Leia mais

A primeira delas tem como objetivos uma formação básica em Antropologia Social e orientar a elaboração do projeto de pesquisa que conduzira à

A primeira delas tem como objetivos uma formação básica em Antropologia Social e orientar a elaboração do projeto de pesquisa que conduzira à INTERESSADO/MANTENEDORA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UF SP ASSUNTO RENOVAÇÃO DE CREDENCIAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL Nível de Mestrado. RELATOR: SR.CONS. Layrton Borges

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 10 - Para uma educação antirracista Objetivos: Analisar o conceito de multiculturalismo;

Leia mais

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Ensino religioso História Geografia

Ensino religioso História Geografia TEMA As diferenças podem incomodar AUTOR Loridane Gondim de Souza e-mail: loridanesouza@zipmail.com.br SÉRIE II etapa do 1º ciclo, 2ª série EIXOS Ensino religioso História Geografia Alteridade História

Leia mais

Os arquivos da Polícia Política do Espírito Santo: a fotografia como prova do crime político

Os arquivos da Polícia Política do Espírito Santo: a fotografia como prova do crime político Os arquivos da Polícia Política do Espírito Santo: a fotografia como prova do crime político DIEGO STANGER Palavras chave: Polícia Política, fotografia, Espírito Santo, Era Vargas. A Era Vargas constitui-se

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

A imigração judaica para a Amazônia. Dawdson Soares Cangussu * Danilson J. Coelho Cordovil ** Maurício S. Silva ***

A imigração judaica para a Amazônia. Dawdson Soares Cangussu * Danilson J. Coelho Cordovil ** Maurício S. Silva *** A imigração judaica para a Amazônia Dawdson Soares Cangussu * Danilson J. Coelho Cordovil ** Maurício S. Silva *** Estudar o povo judeu é, acima de tudo, estudar o processo migratório desse povo. Este

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei,

Leia mais

MÚSICA E ETNICIDADE JUDAICA NAS CANÇÕES DO SHABAT EM RECIFE/PE

MÚSICA E ETNICIDADE JUDAICA NAS CANÇÕES DO SHABAT EM RECIFE/PE 933 MÚSICA E ETNICIDADE JUDAICA NAS CANÇÕES DO SHABAT EM RECIFE/PE Keila Souza Fernandes da Cunha Universidade Federal da Paraíba UFPB Mestranda em Música Etnomusicologia SIMPOM: Subárea de Etnomusicologia

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português O Holocausto O Holocausto foi o extermínio de, aproximadamente, seis milhões de judeus pelos nazis

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática?

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática? 1 XENOFOBIA À BRASILEIRA: A CRESCENTE AVERSÃO DA SOCIEDADE CIVIL BRASILEIRA À PRESENÇA DE POPULAÇÕES ESTRANGEIRAS Nathália França Figuerêdo Porto Graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal

Leia mais

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante.

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante. O Catequista, coordenador, responsável pela reunião ou encontro, quando usar esse material, tem toda liberdade de organizar sua exposição e uso do mesmo. Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV Cultura Política em Perspectiva Maria Raquel Lino de Freitas Dezembro de 2006 UMA BREVE COLOCAÇÃO DO PROBLEMA Sociedade Civil Estado

Leia mais

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEMPO PRESENTE NÚCLEO DE HISTÓRIA ORAL Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil (UFRJ/ Comissão de Anistia-MJ) Ficha

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Profª. Dda. Maria de Nazaré Tavares Zenaide Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Não bastam boas leis, uma boa Constituição, é preciso que as pessoas

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

Marketing de Causas Sociais

Marketing de Causas Sociais Marketing de Causas Sociais Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br AEDB Lúcia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Vanderléia Duarte potter_van@yahoo.com.br AEDB Rayanna Mattos Viana rayannamviana@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernanda Oliveira Fernandes 1 José Heleno Ferreira 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca da educação integral

Leia mais