PARA UM DEBATE SOBRE A QUESTÃO MIGRÁTORIA NO BRASIL: PANORAMA ATUAL DA SITUAÇÃO DOS HAITIANOS NO ACRE E SUA REPERCUSSÃO NA PEB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARA UM DEBATE SOBRE A QUESTÃO MIGRÁTORIA NO BRASIL: PANORAMA ATUAL DA SITUAÇÃO DOS HAITIANOS NO ACRE E SUA REPERCUSSÃO NA PEB"

Transcrição

1 PARA UM DEBATE SOBRE A QUESTÃO MIGRÁTORIA NO BRASIL: PANORAMA ATUAL DA SITUAÇÃO DOS HAITIANOS NO ACRE E SUA REPERCUSSÃO NA PEB Miguel P. P. Dhenin (UFF) Raísa Skinner (UFF) Doutorado em Ciência Política na Universidade Federal Fluminense Graduação em Relações Internacionais na Universidade Fluminense Resumo: A instabilidade mundial mudou de maneira significativa as relações entre os países. Nesse contexto internacional imprevisível, as crises financeiras e econômicas estimularam o deslocamento de milhares de trabalhadores para outras regiões do globo. Recentemente, o fluxo migratório no Brasil ficou mais intenso, particularmente na região de Brasiléia, Acre. A entrada ilegal em 2011 de centenas de haitianos mudou a rotina da pequena cidade fronteiriça. Com isso, precisamos nos questionar: como esses novos fluxos migratórios afetam a relação entre os países da trifronteira? Como lidar com os refugiados legalmente e conciliar os direitos humanos de populações vulneráveis? Como atender as demandas dos refugiados e garantir os seus direitos? Com este artigo, queremos analisar o caso dos haitianos, por ser um caso emblemático dos problemas de migrações no Brasil. Pode-se analisar um crescimento de imigração no território brasileiro como um todo, desde trabalhadores legais até aos ilegais. Porém, precisamos compreender esse fenômeno, para entender as dinâmicas regionais e locais, afetadas pela entrada de novas populações que consigo trazem sua cultura, hábitos e novos modos de pensar. Depois de quase três anos de presença haitiana, queremos oferecer um panorama da situação atual, a partir de dados coletados em julho de 2013, sobre um problema que saiu claramente da agenda nacional. O objetivo do artigo é também de suscitar um debate na academia, entre direitos 1

2 humanos e política externa. As questões geopolíticas norteiam as discussões em torno da presença haitiana na região da fronteira. Carregam consigo problemas cujas implicações são importantes para o Brasil e precisam ser debatidas. Por isso, é necessário mencionar os direitos humanos na questão haitiana, pois observou-se a precariedade da situação dos migrantes. Introdução O problema da imigração haitiana no Acre necessita um debate claro e aberto na academia brasileira. É preciso trabalhar sobre as problemáticas que envolvem uma série de atores relevantes na esfera das relações internacionais. A partir de uma experiência de campo realizada em julho de 2013, queremos apresentar alguns elementos que poderão servir de base para realizar uma reflexão aprofundada sobre o tema. Lembramos também a importância da questão migratório nas regiões periféricas do Brasil, que enfatizam o caráter multifacetado de um país que pretende ser um líder regional e assumir suas responsabilidades internacionalmente. Como frisado por Thomaz: as palavras miséria, diáspora e instabilidade costumam se repetir nas narrativas veiculadas sobre a história e a realidade do Haiti. Tendo sido uma nação pioneira na obtenção da independência e na abolição da escravidão, o país e a população são, no entanto, lembrados atualmente na agenda internacional como incapazes de se recuperar e desenvolver, passadas décadas de crises políticas e pobreza, acompanhadas de intervenções externas e ajuda internacional. (THOMAZ, 2013) Um dos efeitos da catástrofe de 2010 foi a chegada gradual de migrantes haitianos para o Brasil. A presença das tropas da MINUSTAH desde 2004 na ilha pode ter influenciado, em certa medida a escolha do Brasil como destino final para a sua trajetória de migração. De fato, é difícil avaliar os motivos da escolha do país. Os resultados econômicos dos últimos dez anos acelerou o processo migratório, tanto legal como ilegal. Ao sediar a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, o Brasil atrai não somente investidores como também a mão de obra de regiões que passam ou passaram por crises econômicas severas, como 2

3 por exemplo, a Europa ou mesmo os Estados Unidos. De qualquer modo, essa tragédia criou uma nova rota de imigração ilegal de moradores da ilha caribenha para o Brasil. Os imigrantes deixam Porto Príncipe, a capital haitiana, de navios e atravessam o Mar do Caribe até chegarem ao Panamá. De lá, seguem para o Equador e depois para o Peru. Dos portos de Lima, os grupos seguem de ônibus, táxis e até mesmo a pé pela Rodovia Transoceânica rumo ao Brasil. (GOVERNO DO ACRE, 2012) A questão migratória no Brasil e a evolução do marco legal Para realizar o nosso trabalho de reflexão sobre esse tema, precisamos apresentar alguns elementos históricos da questão migratória no Brasil. A elaboração do arcabouço jurídico específico levou um tempo importante dado o caráter sensível da matéria. Podemos brevemente visualizar três fases: a primeira de 1945 até 1964, a segunda de 1964 até 1985 e finalmente a ultima a partir de 1988, com a nova Carta Magna. Ao sair da Segunda Guerra mundial até o começo da década de 1960, a posição do país foi de abertura ao refugiado. Com efeito, o Brasil assinou e ratificou a Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados, elaborada em 1951 na ONU. (ACNUR, 2011) A Convenção de 1951 relativa ao estatuto dos refugiados que estabeleceu o estatuto dos refugiados define-o, no artigo 1º, como sendo aquela pessoa que temendo ser perseguida por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas, se encontra fora do país de sua nacionalidade e que não pode ou, em virtude desse temor, não quer valer-se da proteção desse país, ou que, se não tem nacionalidade e se encontra fora do país no qual tinha sua residência habitual em conseqüência de tais acontecimentos, não pode ou, devido ao referido temor, não quer voltar a ele (ACNUR, 2011) Com a queda de João Goulart e a 3

4 chegada dos militares ao poder, esse processo de abertura foi travado durante quase duas décadas, o que impossibilitou a evolução da legislação sobre a questão. Assim, o governo brasileiro preferiu conceder o estatuto de asilado, ao invés de refugiado, para a maioria de não europeus. (BÓGUS e RODRIGUES, 2011, p.104) O controle da estrutura tripartite (ONGs, Governo e Nações Unidas) fez parte de um processo de organização por parte do regime militar. De acordo com Julia M. Bertino, the committee institutional design consolidates the tripartite structure that was formed in Brazil in the 1970s (during the military dictatorship), gathering the actors working with refugees in the country: NGOs, the UN refugee agency and the Brazilian government represented by its bureaucratic agencies. (BERTINO, 2012) Com a Declaração de Cartagena em 1984, no âmbito regional, houve um avanço para resolver questões específicas da América Central. Na seqüência, a Carta Magna de 1988 no seu art. 1 inciso III instituiu o princípio do respeito à dignidade da pessoa humana, que viabilizou o esforço para o surgimento de uma nova lei no final da década de A Lei 9474/97 favoreceu a criação do Conselho Nacional para os Refugiados, e vai ser justamente o objeto da próxima parte. A definição de refúgio na Lei 9.474/97 merece uma grande atenção. No seu Artigo. 1, reconhece como refugiado todo indivíduo que: I devido a fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas encontre-se fora de seu país de nacionalidade e não possa ou não queira acolher-se a proteção de tal país; II não tendo nacionalidade e estando fora do país onde ates teve sua residência habitual, não possa ou não queira regressar a ele, em função das circunstancias descritas no inciso anterior; III devido à grave e generalizada violação de direitos humanos, e obrigado a deixar seu país de nacionalidade para buscar refúgio em outro país. (ACNUR e IMDH, 2007) De acordo com os documentos do Ministério da Justiça, o Conare (Comitê Nacional para os Refugiados) é o órgão colegiado, vinculado ao Ministério da Justiça, que reúne segmentos representativos da área governamental, da Sociedade Civil e das Nações Unidas, e que 4

5 tem por finalidade: analisar o pedido sobre o reconhecimento da condição de refugiado; deliberar quanto à cessação ex oficio ou mediante requerimento das autoridades competentes, da condição de refugiado; declarar a perda da condição de refugiado; orientar e coordenar as ações necessárias à eficácia da proteção, assistência, integração local e apoio jurídico aos refugiados, com a participação dos Ministérios e instituições que compõem o Conare; e aprovar instruções normativas que possibilitem a execução da Lei nº 9.474/97. Recentemente, a atuação do CNIg trouxe novos elementos para a compreensão da questão dos migrantes haitianos no Brasil. Assim, o Conselho Nacional da Imigração (CNIg) é formado por representantes de oito Ministérios (do Trabalho e Emprego, que o preside; da Justiça; das Relações Exteriores; da Agricultura e do Abastecimento; da Ciência e Tecnologia; do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; da Saúde e da Educação), cinco representantes dos trabalhadores (indicados pelas Centrais Sindicais) e cinco representantes dos empregadores (indicados pelas Confederações Nacionais da Indústria, do Comércio, do Transporte, da Agricultura e das Instituições Financeiras), com uma vaga para a comunidade científica (indicada pela SBPC). Como podemos observar, a questão da migração e dos refugiados abrange uma série de problemas e de atores que participam da organização sócio-econômica do país. Porém a visão que permanece até hoje é de uma migração representando um certo grau de ameaça para o equilíbrio do Estado. Esses elementos são corroborados com a legislação em vigor, que foi estabelecida durante o regime militar (1980). A região Norte e suas especificidades A entrada no território brasileiro de milhares de haitianos durante os três ultimos anos fez que a situação sanitária piorasse rapidamente. A região que recebeu o fluxo maior de migrantes haitianos foi a região Norte. Em função do contexto geográfico, é difícil realizar um trabalho de acompanhamento da situação. Sendo assim, a fiscalização federal de fronteiras é intensa em algumas áreas, porém, considerando a vastidão da selva amazônica, é humanamente impossível 5

6 manter um controle 100% eficaz nessas condições de traslado permanente. (OLIVEIRA, 2006) Em virtude da vulnerabilidade sob a qual estes indivíduos estão submetidos, eles também podem ser explorados de outras formas como por exemplo, o tráfico de pessoas para trabalho escravo. Haja vista que são indivíduos muitas vezes sem documentação, por conta do terremoto de 2010, e com dificuldade de comunicação, sabendo-se que em sua maioria comunicam-se apenas pelo idioma nativo do Haiti, isto é o crioulo haitiano ou mesmo pelo francês. Sem recursos financeiros, já que a maior parte ou toda quantia de sua posse foi gasta no deslocamento. De acordo com o responsável pelo campo de refugiados, Damião Borges de Melo, estão presentes no momento entre 850 a 900 imigrantes ilegais, que pediram auxílio ao Brasil. De fato, o governo federal, com a ajuda das autoridades do estado do Haiti, resolveu receber os haitianos que chegassem, tentando oferecer de modo emergencial os recursos básicos para manter sua dignidade. Atualmente, a área reservada aos haitianos é de responsabilidade do governo de Estado do Acre, que passou por diversas dificuldades relacionadas ao abastecimento de comida, no local onde eles estão abrigados. O governo federal conseguiu oferecer alguma ajuda financeira (repasse) devido às dificuldades enfrentadas pelo governo acreano. Em depoimento, Damião Borges resumiu a evolução da situação dos haitianos e o cenário caótico para encontrar um lugar decente em relação a uma população que não parou de crescer: eles [os haitianos] já passaram por seis lugares. No primeiro lugar, eles chegaram ao ginásio de Brasiléia, deixamos eles quatro meses lá e depois levamos pro ginásio de um município vizinho em Epitaciolândia. Depois os tiramos e trouxemos para um hotel, o Hotel Brasiléia, que fica aqui no centro da cidade, mas tivemos um alagamento e levamos para um local que tem perto do posto de gasolina, depois o tiramos e colocamos em uma casa que alugamos na saída da cidade, de lá conseguimos trazer de volta para esse canto que eles estão. A situação dos haitianos no Acre: o fim da viagem? 6

7 A população acreana tem que conviver com a população flutuante da cidade de Brasiléia. O município é localizado no sul do estado do Acre. Sua população em 2010 era estimada em habitantes. Sua área é de 3.916,507 km² (5,46 h/km²). Localizado ao sul de Rio Branco, na fronteira com a Bolívia, tem limites com os municípios de Epitaciolândia, Assis Brasil, Sena Madureira e Xapuri. Os refugiados agem de uma maneira inconsciente no cotidiano local, alterando tanto no ponto de vista social, econômico e cultural da estrutura populacional de Brasiléia. As atividades econômicas encontram-se praticamente paralisadas, sua agricultura é tradicional, a indústria dá lentos sinais de recuperação, com a instalação de uma beneficiadora de leite, que permitirá abastecer mercados como Epitaciolândia e Cobija (Bolívia); algumas serrarias e fábricas de móveis, no setor de prestação de serviços estão completamente paralisadas. Quando um imigrante se desloca para um outro país, ele carrega toda uma bagagem cultural, os hábitos e os costumes que fazem parte de sua identidade. Isso pode causar em certa medida um impacto na região de chegada, podendo ter diversos efeitos, desde a xenofobia mais evidente até a criação de novos hábitos e recortes culturais com a população. Fica difícil avaliar o impacto da presença dos haitianos na cidade de Brasiléia, pois não existem estatísticas que permitem traçar um perfil do migrante. As interações entre os moradores e os haitianos não são muito frequentes. De acordo com Damião Borges, o migrante passa em média três meses no acampamento antes de seguir seu caminho, geralmente no Sul ou no Sudeste do Brasil, procurando emprego e renda. A questão do trabalho migrante é um outro ponto de grande relevância, pois também implica um papel que envolve a identidade pessoal dele e dos costumes que ele traz. Tudo começa no próprio país de origem. Uma parte significativa dos haitianos se endivida para conseguir o dinheiro necessário para pagar os custos da viagem. Um método utilizado é a hipoteca da própria casa para conseguir o financiamento. Outro modo utilizado é emprestar com agiotas, onde o migrante se compromete a enviar dinheiro pela família para pagar o empréstimo. 7

8 Apesar de instituída como área de livre comércio, Brasiléia não foi regulamentada. Atualmente, registra-se forte dependência comercial com o vizinho município boliviano de Cobija, em função dos baixos preços. A entrada de migrantes do lado boliviano é proibida pelas autoridades. Essa situação precária do trabalhador haitiano gera uma tensão muito grande para conseguir uma renda. Durante a nossa observação, foi confirmado o fato de que qualquer pessoa que entrasse no acampamento era rapidamente solicitada para um emprego, por dezenas de haitianos. O perfil dos imigrantes haitianos O perfil dos imigrantes haitianos é variado. De acordo com Damião Borges, a entrada de haitianos depende do mês do ano. Assim, houve meses que chegaram jovens de quinze a trinta anos, outros com mais de 40 anos. Não existe um padrão claro de migração. Quando foi feita a observação do acampamento em julho de 2013, foi clara a presença dominante de homens no acampamento. A proporção de homens e mulheres é mais ou menos de sete homens e três mulheres a cada dez indivíduos. Essa assimetria pode ser explicada pelo fato do marido (no caso de uma célula familiar) majoritariamente ter mais disposição para realizar uma viagem arriscada, como também as mulheres ficarem no país para cuidar dos filhos e dos familiares, enquanto o marido tenta alcançar meios de se estabilizar, conseguir enviar dinheiro para os parentes, e no melhor dos casos, traze-los para o país onde estão trabalhando. Essa situação foi a mais comum das histórias de vida dos haitianos presentes naquele momento. Uma questão importante merece ser abordada, que diz respeito à situação da mulher haitiana. Apesar dos riscos da viagem, o número de mulheres é importante. As motivações são diversas, mas recebemos algumas respostas dramáticas, por exemplo, por medo de que caso o marido viesse, eles a abandonassem no Haiti. Embora a situação no Acre segue controlada, é possível perceber tensões entre as mulheres, principalmente na hora da refeição, servida no acampamento. A convivência entre homens e mulheres não é das melhores, principalmente por conta da falta de liderança no acampamento. De acordo com os nossos dados, não houve relatos de violência, moral ou sexual, 8

9 mas a dificuldade em realizar uma entrevista com uma mulher gerou uma série de perguntas. Além das dificuldades no dia-a-dia, existe uma assimetria entre homens e mulheres na hora de procurar um emprego. Para a mulher haitiana, é mais difícil conseguir um trabalho no Brasil, pois a maioria das empresas que contratem trabalhadores, buscam um perfil masculino, devido à carga pesada e o caráter repetitivo do trabalho. Elas geralmente são recrutadas para indústrias textis, ou vendem artesanatos pela cidade. A situação do refugiado em Brasiléia é precária, apesar dos esforços do governo estadual. Não há camas (os refugiados fiquem deitados no chão). Os raros colchões são sujos e finos. A água do acampamento não é tratada e os casos de diarréias são muito frequentes entre os refugiados. Os problemas de saúde da população haitiana têm um impacto na rede pública, que fica congestionada. Os moradores, embora sensibilizados pela situação dos refugiados, começam a mostrar sinais de impaciência e cobram das autoridades respostas e soluções para esta situação. A procura para um emprego no Brasil parece justificar uma viagem longa e perigosa, em toda ilegalidade. Apesar dos esforços do Brasil, junto à sua embaixada de Porto Príncipe, em tentar regularizar a situação dos vistos no Haiti, a situação permanece crítica, e o custo da manutenção (6 milhões de reais desde 2011) não deve diminuir. Paradoxalmente, o ACNUR considera o Brasil como um país com grande potencial de acolhimento. De acordo com dados do Comitê Nacional para Refugiados (Conare), há no Brasil cerca de refugiados reconhecidos pelo governo, provenientes de 76 países diferentes. A maioria de Angola e Colômbia. (BÓGUS e RODRIGUES, 2011, p.107) As mulheres constituem cerca de 30% dessa população. A maioria desses refugiados está concentrada nos grandes centros urbanos do país (ACNUR, 2011). Questões relativas a política do Estado são necessárias para amenizar os impactos dessa vinda desenfreada de haitianos. A exemplo do município de Brasiléia, justamente o qual foi mais impactado, com 21 mil habitantes chegou ao número de 1,2 mil de estrangeiros haitianos, aproximadamente 5,7% de suas população. O que acaba sendo algo bastante problemático. Pois estas pessoas necessitam de serviços, como saúde segurança, habitação, trabalho, saneamento. No 9

10 início deste ano mais precisamente em fevereiro de 2012 uma grande cheia do rio Acre atingiu cerca de 95% do município, assim como outros municípios a margem do rio, como Epitaciolândia. Fato este que maximizou a problemática da condição das comunidades locais e do excedente estrangeiro. Entre as principais dificuldades apontadas pelos participantes em relação ao acesso da população refugiada ao mercado de trabalho brasileiro, estavam: 1) dificuldade com o idioma português; 2) baixa qualificação profissional; 3) desconhecimento por parte dos empregadores e dos funcionários das entidades de facilitação de mão de obra sobre o tema do refúgio; 4) desconhecimento dos refugiados sobre as regras trabalhistas brasileiras; 5) dispersão territorial dos refugiados em solo brasileiro; 6) falta de acesso dos refugiados a atividades produtivas, como micro crédito e economia solidária; 7) dificuldade de validação de diploma emitido no país de origem. Repercussão na política externa brasileira da situação dos refugiados A partir dos dados apresentados, precisamos avaliar rapidamente os custos políticos para a diplomacia brasileira de uma crise migratória no Acre. De fato, apesar de a situação piorar, o governo abriu a fronteira e assumiu publicamente seu compromisso com a população haitiana no Brasil. A proteção dos refugiados e sua regularização são objetivos claros do Itamaraty para evitar uma crise maior, como ocorreu em Apesar dos esforços, não parece haver uma vontade política para sair da crise na qual os refugiados se encontram. Além das soluções de curto prazo, o governo brasileiro precisa oferecer alternativas para a população haitiana. As orientações no Haiti sobre a dureza da situação no Brasil não parece ter freado o movimento migratório. A rota entrou num ciclo rotineiro, e os coiotes estão lucrando todos os dias com eles. Fischel de Andrade (2002) analisa os principais fatores que motivaram a atuação do governo brasileiro na proteção de refugiados, ressaltando que: as inovações constitucionais, a 10

11 necessidade de o Estado brasileiro reorganizar sua agenda externa, o objetivo de compor uma imagem mais positiva no contexto internacional e o aceite do Brasil para com a idéia contemporânea de globalização dos direitos humanos, facilitaram a inserção da questão dos refugiados na agenda nacional. (FISCHEL DE ANDRADE, 2002, p. 172). Devido a todas as dificuldades de se manter esse acampamento, e certo incomodo da população local devido a constante presença haitiana na cidade, apesar de não haver relatos de nenhum tipo de agressão ou problemas graves entre eles e os locais, é questionável o porquê o Brasil continuar mantendo essa política de aceita-los em território brasileiro. Uma das hipóteses, levantada por Damião Borges, é que o Brasil quer barganhar uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU. Uma crise maior (como a expulsão de centenas de refugiados) ou o fato de parar de ajudar os haitianos, pode repercutir negativamente no cenário internacional, e dificultar essa agenda do Itamaraty. Também é preciso salientar o fato de que a linha política da presidente Dilma segue um caráter social e enfatizo o respeito dos direitos humanos. Acolher e ajudar os haitianos faz parte do perfil adotado por seu governo, que preza as questões políticas sociais e a boa relação com os países, sejam dos mais aos menos desenvolvidos. A situação está longe de ser resolvidas. Conclusão O problema dos refugiados haitianos no Acre é complexo pois ele abrange vários setores. A exploração dos refugiados pelos coiotes até a barganha política ao nível internacional para conseguir avançar na agenda do Itamaraty fazem que essas questões são relevantes na análise das relações internacionais do Brasil. Apesar dos riscos, os haitianos continuam acreditando na possibilidade de melhorar suas vidas no país, procurando um futuro melhor. A questão haitiana no Brasil como foi exposta acima é delicada e possui diversos 11

12 desafios. Ao mesmo tempo em que os direitos humanos têm que ser preservados e eles necessitam de assistência, tem que ser levado em consideração as possibilidades do país de sustentar e abrigar os imigrantes, sem prejudicar a população local. O Brasil precisa dar atenção a pontos chaves que seriam a estrutura e o encaminhamento dos haitianos durante sua estadia no Brasil, para que não vire um problema imigratório grave e eles acabem sendo marginalizados perante a sociedade e que se tenha um aumento maior da pobreza e da miséria. Talvez o maior problema dos haitianos encontra-se na dificuldade para organizar um fluxo migratório coerente, e fazer valer os seus direitos perante a comunidade internacional. Na observação do acampamento, não foi possível determinar quem era a liderança instituída, em função da precariedade das instalações, mas também a ausência de um projeto coletivo. Esse sentimento é reforçado pelas palavras de Valler Filho, quando ele explica que a nação haitiana não chegou a ser consolidada, pois não houve o desenvolvimento de uma visão coletiva de cidadania. As diferentes forças internas nunca se interessaram na elaboração de um projeto de nação, até porque as elites nunca chegaram a estruturar um diálogo com as outras classes sociais. E, uma vez no poder, cada grupo buscou aniquilar o outro. Os únicos vínculos sociais derivam apenas e, em certos casos, do compartilhamento de determinadas tradições culturais e de certas práticas religiosas. (VALLER FILHO, 2007, p.161) Bibliografia 12

13 ACNUR. Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados. Brasília: L/Convencao_relativa_ao_Estatuto_dos_Refugiados ACNUR; IMDH. Lei 9474/97 e coletânea de instrumentos de proteção internacional dos refugiados. Brasília, 2007 BERTINO, Julia M. The refugee regime in Latin America and the Brazilian act. Oxford, Workshop Paper, BÓGUS, Lúcia M. M. e RODRIGUES, Viviane M. Os refugiados e as políticas de proteção e acolhimento no Brasil: História e Perspectivas. Vitória. Dimensões, vol. 27, p , BRASIL. Lei Nº 6.815, de 19 de agosto de Disponível em FISCHEL DE ANDRADE, J. H.; MARCOLINI, A. A política brasileira de proteção e de reassentamento de refugiados: breves comentários sobre suas principais características. Brasília: Revista Brasileira de Política Internacional. ano/vol.45, n.1, p , GOVERNO DO ACRE. Agência «Notícias do Acre» do dia 18 de maio de Disponível em: OLIVEIRA, Márcia M. de. A mobilidade humana na tríplice fronteira: Peru, Brasil e Colômbia. São Paulo: Estudos Avançados, n. 20 (57), p , 2006 THOMAZ, Diana Z. Migração haitiana para o Brasil pós-terremoto: indefinição normativa e implicações políticas. São Paulo: Primeiros Estudos, n. 4, p ,

14 VALLER FILHO, Wladimir. O Brasil e a crise haitiana : a cooperação técnica como instrumento de solidariedade e de ação diplomática. Brasília : FUNAG,

A Migração de Haitianos para o Brasil

A Migração de Haitianos para o Brasil A Migração de Haitianos para o Brasil Mariana Longhi Batista Alessi 1 RESUMO Desde o terremoto de janeiro de 2010, uma onda de haitianos passou a buscar refúgio no território brasileiro. O presente artigo

Leia mais

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO UNHCR ACNUR QUEM SOMOS ACNUR O ACNUR foi criado para proteger e assistir às vítimas de perseguição, da violência e da intolerância. Desde então, já ajudou mais de 50

Leia mais

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014 Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 21 a Outubro de 214 O Brasil é signatário dos principais tratados internacionais de direitos humanos e é parte da Convenção das Nações Unidas de 1951

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Thais Lara Marcozo Severo Set. 2012

Thais Lara Marcozo Severo Set. 2012 Thais Lara Marcozo Severo Set. 2012 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MIGRAÇÃO IMIGRANTES EMIGRANTES VOLUNTÁRIOS FORÇADOS CONFLITOS ARMADOS MOTIVAÇÃO ECONÔMICA PERSEGUIÇÃO CATÁSTROFES AMBIENTAIS REFUGIADO MOLDES

Leia mais

ACNUR e América Latina: estratégias regionais e soluções aos problemas no continente

ACNUR e América Latina: estratégias regionais e soluções aos problemas no continente ACNUR e América Latina: estratégias regionais e soluções aos problemas no continente Por Philippe Lavanchy Diretor do Escritório das Américas do ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados)

Leia mais

IMIGRANTES HAITIANOS NA CIDADE DE VIDEIRA-SC: INSERÇÃO CULTURAL, SOCIAL E ECONÔMICA

IMIGRANTES HAITIANOS NA CIDADE DE VIDEIRA-SC: INSERÇÃO CULTURAL, SOCIAL E ECONÔMICA IMIGRANTES HAITIANOS NA CIDADE DE VIDEIRA-SC: INSERÇÃO CULTURAL, SOCIAL E ECONÔMICA Autores: Guilherme Vanz dos SANTOS, Solange Francieli VIEIRA, Cristiane Aparecida Fontana GRÜMM. Identificação autores:

Leia mais

MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU

MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU OS REFUGIADOS: * A MAIOR TRAGÉDIA HUMANA DA NOSSA ÉPOCA * A AMEAÇA DE MORTE VIOLENTA DOS REFUGIADOS * E A MORTE CERTA PELA MISÉRIA E PELA FOME * DESAFIO DE UMA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS. UMA ANÁLISE SOBRE OS REFUGIADOS NO BRASIL. Social service and human rights. An analisis of refugees in Brazil

SERVIÇO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS. UMA ANÁLISE SOBRE OS REFUGIADOS NO BRASIL. Social service and human rights. An analisis of refugees in Brazil SERVIÇO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS. UMA ANÁLISE SOBRE OS REFUGIADOS NO BRASIL Social service and human rights. An analisis of refugees in Brazil 1 Cyntia de Albuquerque Sampaio* Palavras-chave: Direitos

Leia mais

Mariana Bassoi Duarte da Silva¹ Maria Virginia Filomena Cremasco² Migração e Refúgio, contribuições da Psicologia

Mariana Bassoi Duarte da Silva¹ Maria Virginia Filomena Cremasco² Migração e Refúgio, contribuições da Psicologia Mariana Bassoi Duarte da Silva¹ Maria Virginia Filomena Cremasco² Migração e Refúgio, contribuições da Psicologia Movimento e migração são as condições de definição histórica da humanidade. Porém, o mundo

Leia mais

A Cidade E Os Refugiados: Breve Aproximação À Realidade

A Cidade E Os Refugiados: Breve Aproximação À Realidade A Cidade E Os Refugiados: Breve Aproximação À Realidade Aluno: Raquel Cynthia do Nascimento Barbosa Orientador: Rafael Gonçalves Soares Co-Orientadora: Maria Leila Sales Introdução Migrar faz parte da

Leia mais

PRODEL - UNISUL Etapas a) Inscrição b)encontros presenciais c) Formação das equipes d)leitura dos materiais e) Autoavaliação f) Intervenção g)

PRODEL - UNISUL Etapas a) Inscrição b)encontros presenciais c) Formação das equipes d)leitura dos materiais e) Autoavaliação f) Intervenção g) PRODEL - UNISUL Etapas a) Inscrição b)encontros presenciais c) Formação das equipes d)leitura dos materiais e) Autoavaliação f) Intervenção g) Feedback - relatório Projeto Acolhida ao Migrante Objetivo:

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

Chefe Assessoria junto ao Poder Executivo (Apex) da CNC. (Compareceu) Suplente Roberto Luis Lopes Nogueira

Chefe Assessoria junto ao Poder Executivo (Apex) da CNC. (Compareceu) Suplente Roberto Luis Lopes Nogueira R E L A Ç Õ E S D O T R A B A L H O Órgão Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Representação Efetiva Conselho Nacional de Imigração (CNIg) Representantes: Titular Marjolaine Bernadette Julliard Tavares

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Realizar exames supletivos com o apoio da representação diplomática brasileira

Realizar exames supletivos com o apoio da representação diplomática brasileira Propostas da Comunidade Brasileira na Bélgica para a II Conferência Brasileiros no mundo, Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, dias 14, 15 e 16 de Outubro de 2009 Considerando os Documentos propositivos

Leia mais

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I Recordando as conclusões e recomendações adotadas pelo Colóquio realizado no México sobre Asilo

Leia mais

Carta de Apresentação

Carta de Apresentação Carta de Apresentação Caros Delegados, Em nome da equipe acadêmica do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, gostaria de dar as boas-vindas à todos. Eu sou Marcos Alexandre Santos, estou

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

Migrações Alguns números

Migrações Alguns números Migrações Alguns números Dados gerais: Mundo» Há 232 milhões de migrantes internacionais no mundo (ONU, 2013), ou 3.2% da população mundial» Os migrantes internacionais compõem 10.8% da população das regiões

Leia mais

Declaração de Brasília: Rumo à Cidadania Sul- Americana

Declaração de Brasília: Rumo à Cidadania Sul- Americana Declaração de Brasília: Rumo à Cidadania Sul- Americana XI Conferência Sul-Americana sobre Migrações Brasília, de 19 a 21 de outubro de 2011 Declaração de Brasília Rumo à Cidadania Sul-Americana Os representantes

Leia mais

Em busca de um lugar seguro

Em busca de um lugar seguro refugiados Em busca de um lugar seguro Gleilson Miranda/Secom Daniella Cambaúva e Murilo Machado de São Paulo Mais de 500 haitianos chegaram ao Acre somente nos últimos 10 dias do mês de janeiro. Apenas

Leia mais

O Brasil e o espírito da Declaração de Cartagena

O Brasil e o espírito da Declaração de Cartagena MINI-FEATURE: BRASIL PUBLICADO PELA REVISTA FORCED MIGRATION, EDIÇÃO 35, JULHO DE 2010 O Brasil e o espírito da Declaração de Cartagena Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto e Renato Zerbini Ribeiro Leão A

Leia mais

GLOSSÁRIO SOBRE MIGRAÇÃO

GLOSSÁRIO SOBRE MIGRAÇÃO GLOSSÁRIO SOBRE MIGRAÇÃO Comunidade de acolhimento Contrabandista dos migrantes Contrabando de migrantes Corredor de migração Migração forçada e voluntária Migração irregular Migração laboral Migrante

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Wendel Uhren Meira 08/11/2012

Wendel Uhren Meira 08/11/2012 Wendel Uhren Meira 08/11/2012 Sequência Didática Trabalho Concludente Tema: A Imigração no Estado de São Paulo e suas diferentes facetas. Justificativa: É fator de grande importância para esse período

Leia mais

A diáspora Haitiana rumo ao Brasil e os desafios à política migratória brasileira: migrantes indesejados?

A diáspora Haitiana rumo ao Brasil e os desafios à política migratória brasileira: migrantes indesejados? A diáspora Haitiana rumo ao Brasil e os desafios à política migratória brasileira: migrantes indesejados? Gláucia de Oliveira Assis 1 O Brasil, que construiu ao longo do século XX uma autoimagem de pais

Leia mais

Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos

Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos 6 setembro 2015 Image caption Alemanha continua a ser destino mais popular para refugiados Fotos: AP/Reuters/EPA As solicitações de asilo para a Europa

Leia mais

A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos

A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos Introdução A proteção dos refugiados e a migração mista: O Plano de Ação de 10 Pontos Conteúdo 1. Cooperação entre parceiros chaves 2. Coleta de informações e análise 3. Sistemas de entrada sensíveis à

Leia mais

Conselho Nacional de Imigração. Migração Haitiana ao Brasil

Conselho Nacional de Imigração. Migração Haitiana ao Brasil Conselho Nacional de Imigração Migração Haitiana ao Brasil INÍCIO 12/012010 TERREMOTO NO HAITI No pós-terremoto inicia-se movimento migratório de haitianos ao Brasil através da fronteira norte, valendo-se

Leia mais

PROJETO ESTUDO SOBRE A MIGRAÇÃO HAITIANA AO BRASIL DIÁLOGO BILATERAL Pesquisa Brasil. Brasília, 08 de abril de 2014

PROJETO ESTUDO SOBRE A MIGRAÇÃO HAITIANA AO BRASIL DIÁLOGO BILATERAL Pesquisa Brasil. Brasília, 08 de abril de 2014 PROJETO ESTUDO SOBRE A MIGRAÇÃO HAITIANA AO BRASIL DIÁLOGO BILATERAL Pesquisa Brasil Brasília, 08 de abril de 2014 Estudo utiliza três metodologias distintas, a saber: Análise de informações de registros

Leia mais

Aumentar a fonte Diminuir a fonte

Aumentar a fonte Diminuir a fonte 1 de 7 31/01/2014 23:23 Aumentar a fonte Diminuir a fonte MIGRAÇÕES ACOLHIDOS - Imigrantes haitianos que obtiveram visto de trabalho por cinco anos, em fábrica da cidade de Nova Odessa (SP) Crédito: Gustavo

Leia mais

ENQUADRAMENTO LEGAL DO DIREITO DE ASILO. Constança Urbano de Sousa Ordem dos Advogados, 19 de outubro de 2015

ENQUADRAMENTO LEGAL DO DIREITO DE ASILO. Constança Urbano de Sousa Ordem dos Advogados, 19 de outubro de 2015 ENQUADRAMENTO LEGAL DO DIREITO DE ASILO Constança Urbano de Sousa Ordem dos Advogados, 19 de outubro de 2015 Plano I. Notas prévias: Direito de Imigração v. Direito de Asilo; Asilo, proteção subsidiária

Leia mais

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ SEMANA 21 A 27 DE ABRIL SEMANA 21 A 27 DE ABRIL. Material: Raquel Basilone

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ SEMANA 21 A 27 DE ABRIL SEMANA 21 A 27 DE ABRIL. Material: Raquel Basilone Europa decide agir após tragédias no mar Redução de tropas da ONU no Haiti pré-eleições preocupa brasileiros ATUALIDADES PROFESSOR MARCOS JOSÉ Material: Raquel Basilone Dilma sanciona Orçamento com R$

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

Deslocamentos Forçados e os Novos Refugiados: o Papel do Direito Internacional na Proteção às Vítimas de Conflitos Armados

Deslocamentos Forçados e os Novos Refugiados: o Papel do Direito Internacional na Proteção às Vítimas de Conflitos Armados Deslocamentos Forçados e os Novos Refugiados: o Papel do Direito Internacional na Proteção às Vítimas de Conflitos Armados Paulo Márcio Reis Santos 1 Amanda Ferreira Halle Najm 2 Marcelo Fontes Santos

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção)

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migrações O vaivém da população pelo mundo Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migração ou Movimento Populacional: Ocorre o tempo todo no mundo Pessoas mudam-se

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Marcus

GEOGRAFIA. Prof. Marcus GEOGRAFIA Prof. Marcus Migração e xenofobia Migração Trata-se de um fluxo de pessoas. Existe por diversos motivos, como: Fluxos globais, regiões superpovoadas, desemprego, desorganização, desigualdade,

Leia mais

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE.

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE. FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE Nova Odessa SP Maio / 2014 1 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA FELIPE CARCELIANO

Leia mais

Sobre os outros que chegam a nós: apontamentos sobre os institutos do asilo e refúgio que tutelam a condição jurídica do estrangeiro no Brasil.

Sobre os outros que chegam a nós: apontamentos sobre os institutos do asilo e refúgio que tutelam a condição jurídica do estrangeiro no Brasil. Sobre os outros que chegam a nós: apontamentos sobre os institutos do asilo e refúgio que tutelam a condição jurídica do estrangeiro no Brasil. Júlia Lenzi Silva No dia 9 de Junho de 2015, o portal de

Leia mais

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Documento Conceitual Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Genebra, 9-10 de dezembro de 2009 I. Introdução O terceiro

Leia mais

REFUGIADOS E MIGRAÇÕES FORÇADAS:: UMA REFLEXÃO AOS 20 ANOS DA DECLARAÇÃO DE CARTAGENA

REFUGIADOS E MIGRAÇÕES FORÇADAS:: UMA REFLEXÃO AOS 20 ANOS DA DECLARAÇÃO DE CARTAGENA REFUGIADOS E MIGRAÇÕES FORÇADAS:: UMA REFLEXÃO AOS 20 ANOS DA DECLARAÇÃO DE CARTAGENA Por Rosita Milesi Advogada, Religiosa Scalabriniana, Mestre em Migrações, Diretora do Centro Scalabriniano de Estudos

Leia mais

(Adaptado de: . Acesso em: 26 jul. 2014.)

(Adaptado de: <http://www2.sabesp.com.br/mananciais/divulgacaositesabesp.aspx>. Acesso em: 26 jul. 2014.) GEOGRFI 1 Leia o texto e as figuras a seguir. O conhecimento da geografia contribui para que a sociedade tenha uma melhor compreensão dos problemas ambientais. falta d água no Sistema Cantareira do estado

Leia mais

Refugiados em Israel: organizações denunciam descaso com crianças africanas no país

Refugiados em Israel: organizações denunciam descaso com crianças africanas no país Refugiados em Israel: organizações denunciam descaso com crianças africanas no país por Por Dentro da África - sábado, junho 20, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/noticias/refugiados-em-israel-organizacoes-denunciam-descaso-comcriancas-africanas-no-pais

Leia mais

DECLARAÇÃO DO BRASIL

DECLARAÇÃO DO BRASIL DECLARAÇÃO DO BRASIL Um Marco de Cooperação e Solidariedade Regional para Fortalecer a Proteção Internacional das Pessoas Refugiadas, Deslocadas e Apátridas na América Latina e no Caribe Brasília, 3 de

Leia mais

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERNACIONAIS 1. RAZÕES DAS MIGRAÇÕES FATORES ATRATIVOS X FATORES REPULSIVOS - CONDIÇÕES DE VIDA - OFERTAS DE EMPREGO - SEGURANÇA -

Leia mais

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Companheiras e companheiros de caminhada, nossas sinceras saudações. Há aqueles que lutam um dia; e por isso são

Leia mais

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o tema de cooperação brasileira para o desenvolvimento.

Leia mais

ÍNDICE. Crianças palestinas no campo de refugiados Ruweished, na Jordânia, que foram reassentadas no Brasil em 2007. ACNUR S.

ÍNDICE. Crianças palestinas no campo de refugiados Ruweished, na Jordânia, que foram reassentadas no Brasil em 2007. ACNUR S. REFUGIADOS NO BRASIL E NO MUNDO ÍNDICE QUEM É REFUGIADO? 3 O ACNUR 4 PROTEÇÃO INTERNACIONAL 5 DIREITOS DOS REFUGIADOS 6 REFUGIADOS, SOLICITANTES DE REFÚGIO, DESLOCADOS INTERNOS E MIGRANTES 7 POPULAÇÕES

Leia mais

A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA E A QUESTÃO DOS DESLOCADOS AMBIENTAIS: BREVES REFLEXÕES SOBRE A (DES) PROTEÇÃO DOS HAITIANOS NO BRASIL

A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA E A QUESTÃO DOS DESLOCADOS AMBIENTAIS: BREVES REFLEXÕES SOBRE A (DES) PROTEÇÃO DOS HAITIANOS NO BRASIL A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA E A QUESTÃO DOS DESLOCADOS AMBIENTAIS: BREVES REFLEXÕES SOBRE A (DES) PROTEÇÃO DOS HAITIANOS NO BRASIL Marília Daniella Freitas Oliveira Leal (UFCG e UEPB) mariliadaniellaufpb@yahoo.com.br

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Breves dados estatísticos sobre a. Realidade da. mobilidade humana.

Breves dados estatísticos sobre a. Realidade da. mobilidade humana. Breves dados estatísticos sobre a Realidade da mobilidade humana. 1 DE ONDE VIERAM OS MIGRANTES? De que nacionalidade? IMIGRAÇÃO 1819 e1939 CONFERE NO MAPA. 2 Emigração e imigração séc.xix e XX 3 Correntes

Leia mais

xiv semana de pós-graduação em ciências sociais da unesp/fclar

xiv semana de pós-graduação em ciências sociais da unesp/fclar xiv semana de pós-graduação em ciências sociais da unesp/fclar movimentos sociais no século XXI: olhares sobre o brasil contemporâneo de 16 a 19 de novembro de 2015 - unesp/fclar Migrações atuais no Brasil:

Leia mais

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Setembro de 2012 Secretaria de Políticas para as Mulheres/PR Diretrizes para Enfrentamento ao Protocolo de Palermo Tráfico de Mulheres

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Valores-notícia na cobertura online sobre a imigração haitiana no Brasil 1

Valores-notícia na cobertura online sobre a imigração haitiana no Brasil 1 Valores-notícia na cobertura online sobre a imigração haitiana no Brasil 1 RESUMO Renata RIBAS 2 Angélica CORDOVA 3 Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF Este trabalho busca compreender quais

Leia mais

Deslocamentos forçados e sustentabilidade

Deslocamentos forçados e sustentabilidade Setembro de 2012 Deslocamentos forçados e sustentabilidade Profa. Dra. Bibiana Graeff Docente do Curso de Gerontologia EACH-USP NÚMERO DE DESLOCAMENTOS FORÇADOS TÊM AUMENTADO Ocorrem + deslocamentos forçados

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA ESTUDOS DA SOCIEDADE E DA NATUREZA ALFA Título do Deslocamento Populacional

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA ESTUDOS DA SOCIEDADE E DA NATUREZA ALFA Título do Deslocamento Populacional SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA ESTUDOS DA SOCIEDADE E DA NATUREZA ALFA Título do Deslocamento Populacional Podcast Área Estudos da Sociedade e da Natureza Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização

Leia mais

Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil

Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil O mundo tem passado por uma série de dificuldades nos últimos anos. Junto com crises financeiras que, muitas vezes, esvaziam países, nos vemos também

Leia mais

Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi

Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi O Crack na Fronteira Brasileira Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi Resumo: O Observatório do Crack, projeto elaborado e mantido pela Confederação Nacional de Municípios

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

É permitida a reprodução deste texto e dos dados contidos, desde que citada à fonte. Reproduções para fins comerciais são proibidas.

É permitida a reprodução deste texto e dos dados contidos, desde que citada à fonte. Reproduções para fins comerciais são proibidas. É permitida a reprodução deste texto e dos dados contidos, desde que citada à fonte. Reproduções para fins comerciais são proibidas. Realização: Observatório das Migrações Internacionais - OBMigra URL:

Leia mais

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015 Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo II Cimeira de Presidentes de Parlamentos Lisboa, 11 de maio de 2015 Senhora Presidente da Assembleia da República, Senhores Presidentes, Senhores Embaixadores,

Leia mais

A TEMÁTICA DOS REFUGIADOS NA GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO

A TEMÁTICA DOS REFUGIADOS NA GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO A TEMÁTICA DOS REFUGIADOS NA GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO Jorge Luiz Raposo Braga/UERJ-FFP jorgebragar@uol.com.br Eduardo Karol/UERJ-FFP eduardokarol@ig.com.br Atualmente observamos uma variedade de textos que

Leia mais

A TEMÁTICA DOS REFUGIADOS NA GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO

A TEMÁTICA DOS REFUGIADOS NA GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO A TEMÁTICA DOS REFUGIADOS NA GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO 8-Movilidad de la población e identidad cultural Luiz Raposo Braga, Jorge 1(*) ; Karol, Eduardo 1 1 - UERJ - FFP (*) Brazil Muitos autores têm ressaltado

Leia mais

AS POLÍTICAS CONTEMPORÂNEAS APLICADAS NO BRASIL E NO JAPÃO SOBRE O ESTATUTO DE REFUGIADOS

AS POLÍTICAS CONTEMPORÂNEAS APLICADAS NO BRASIL E NO JAPÃO SOBRE O ESTATUTO DE REFUGIADOS AS POLÍTICAS CONTEMPORÂNEAS APLICADAS NO BRASIL E NO JAPÃO SOBRE O ESTATUTO DE REFUGIADOS 1 Viviane Mozine Rodrigues 2 Eyla Miyuki Kinjyo Este trabalho analisa a evolução histórica e a securitização do

Leia mais

PROPOSTA DE REDAÇÃO ENEM 2013

PROPOSTA DE REDAÇÃO ENEM 2013 PROPOSTA DE REDAÇÃO ENEM 2013 A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade

Leia mais

Exercícios Migrações Internacionais

Exercícios Migrações Internacionais Exercícios Migrações Internacionais Material de apoio do Extensivo 1. Nas últimas décadas do século XX, o número de migrantes internacionais aumentou de forma significativa [ ] por causa das disparidades

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

M A N U A L _ D O _ R E F U G I A D O

M A N U A L _ D O _ R E F U G I A D O MANUAL_ DO_ R E F U G I A D O MANUAL_ DO_ R E F U G I A D O _SUMÁRIO _Quem é o (a) solicitante de refúgio?...4 _Dificuldades enfrentadas pelo refugiado ao chegar ao Brasil...5 _Direito dos solicitantes

Leia mais

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO KOLLER, Evely Marlene Pereira 1 RAMOS,Flávia Regina Souza 2 O Brasil conta com uma população

Leia mais

MATERIAL ATUALIDADES 1 OS MIGRANTES DE HOJE

MATERIAL ATUALIDADES 1 OS MIGRANTES DE HOJE MATERIAL ATUALIDADES 1 OS MIGRANTES DE HOJE O mundo nunca teve tanta gente morando fora do país de origem. A ONU (Organização das Nações Unidas) avalia que existem atualmente 160 milhões de migrantes,

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas.

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. 2 Habilidades: Observar as limitações das Guianas e suas ligações com o Brasil. 3 Colômbia 4 Maior população da América Andina. Possui duas saídas marítimas: Para o Atlântico

Leia mais

Os refugiados e as políticas de proteção e acolhimento no Brasil: História e Perspectivas *

Os refugiados e as políticas de proteção e acolhimento no Brasil: História e Perspectivas * Dimensões, vol. 27, 2011, p. 101-114. ISSN: 2179-8869 Os refugiados e as políticas de proteção e acolhimento no Brasil: História e Perspectivas * LÚCIA MARIA MACHADO BÓGUS Pontifica Universidade de São

Leia mais

Declaração de Estocolmo. Declaração de Estocolmo

Declaração de Estocolmo. Declaração de Estocolmo Declaração de Estocolmo Declaração de Estocolmo Como resultado do Congresso Mundial sobre Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, realizado em Estocolmo, em 1998, foi apresentada uma Declaração e

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Joanesburgo,

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

Relato sobre imigração na Amazônia ocidental brasileira: haitianos em Porto Velho 1 Geraldo C. Cotinguiba 2 Marília Lima Pimentel 3

Relato sobre imigração na Amazônia ocidental brasileira: haitianos em Porto Velho 1 Geraldo C. Cotinguiba 2 Marília Lima Pimentel 3 Relato sobre imigração na Amazônia ocidental brasileira: haitianos em Porto Velho 1 Geraldo C. Cotinguiba 2 Marília Lima Pimentel 3 A partir da pesquisa de campo com os haitianos em Porto Velho, iniciada

Leia mais

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Keila Grinberg * Este paper está inserido no projeto de pesquisa que venho desenvolvendo atualmente sobre escravidão e formação das relações

Leia mais

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências.

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. LEI Nº 9.474, DE 22 DE JULHO DE 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente :

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente : TRABALHO É toda atividade humana, remunerada ou não, sistemática, obrigatória, que pode ou não exigir conhecimentos específicos sobre determinado tema, arte ou ofício, cujo objetivo é o alcance de uma

Leia mais

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA RELATÓRIO 2009-2011 PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA Linda Machuca Moscoso Membro da Assembléia Nacional do Equador RESUMO EXECUTIVO DO RELATÓRIO 2009-2011 Este resumo executivo

Leia mais

Reunião Plenária Final da

Reunião Plenária Final da Reunião Plenária Final da Conferência Regional das Américas sobre Avanços e Desafios no Plano de Ação contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e as Intolerância Correlatas Resumo da Presidenta

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

Lidando com o sistema africano de proteção dos direitos humanos e dos povos 1

Lidando com o sistema africano de proteção dos direitos humanos e dos povos 1 Lidando com o sistema africano de proteção dos direitos humanos e dos povos 1 José H. Fischel de Andrade 2 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Fundamentos e Vertentes do Direito Internacional dos Direitos Humanos

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil

Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil A origem do trabalho infantil remonta ao princípio do trabalho humano. Contudo, salienta Adalberto Martins,... que na antiguidade, o trabalho do menor se

Leia mais

A nova fase da abordagem global da União Europeia Marzia Cardinali, Coordenadora técnica do projecto, FIIAPP

A nova fase da abordagem global da União Europeia Marzia Cardinali, Coordenadora técnica do projecto, FIIAPP ! "# $ % &' '( Seminário «Medidas de apoio à reinserção profissional dos migrants circulares e de retorno ao país de origem» Hotel Rabat, Rabat, 22-24 de Fevereiro de 2012. Introdução: A nova fase da abordagem

Leia mais