BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA"

Transcrição

1 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI/SI

2 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Título: Nº.: TI/SI Baterias estacionárias Prep.: AMPN Visto: chumbo-ácidas Conf.: Aprov.: reguladas por válvula Data: Folhas: 11 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Arquivo: ET917a3.doc REVISÃO DATA FEITO VISTO APROV. a Revisão geral AMPN b c d e 2

3 ÍNDICE ITEM...pág INTRODUÇÃO OBJETIVO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CONTEÚDO DA PROPOSTA LISTA DE DESVIOS DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA DOCUMENTOS PARA APROVAÇÃO DOCUMENTAÇÃO DEFINITIVA CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS REQUISITOS GERAIS IDENTIFICAÇÃO DOS VASOS ESTANTES INSPEÇÃO CONDIÇÕES GERAIS ENSAIOS DE CAPACIDADE EM AMPÈRES-HORA RELATÓRIOS DOS ENSAIOS LIBERAÇÃO DO EQUIPAMENTO EXPEDIÇÃO EMBALAGEM PARA TRANSPORTE IDENTIFICAÇÃO PARA ENTREGA CONDIÇÕES DE GARANTIA VIGÊNCIA DA GARANTIA CERTIFICADO DE GARANTIA GARANTIA TOTAL GARANTIA PROPORCIONAL LAUDO TÉCNICO

4 1.0 - INTRODUÇÃO OBJETIVO Esta E.T. (Especificação Técnica) tem por objetivo apresentar critérios e exigências técnicas aplicáveis à fabricação e ao recebimento de baterias estacionárias chumboácidas reguladas por válvula, destinadas à utilização em sistemas de energia para telecomunicações e informática nas instalações das empresas CEMIG. 1.2 REFERÊNCIAS Os critérios e exigências apresentados nesta E.T. complementam, para efeito de aquisição pela CEMIG das baterias aplicáveis, a norma Telebrás SDT ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA ACUMULADORES CHUMBO-ÁCIDOS ESTACIONÁRIOS REGULADOS POR VÁLVULA. Caso seja detectada alguma divergência entre os textos, deve prevalecer o disposto nesta E.T.. Nos casos onde houver omissão de ambos, passa a prevalecer a especificação ABNT NBR ACUMULADOR CHUMBO-ÁCIDO ESTACIONÁRIO REGULADO POR VÁLVULA, 2ª edição, setembro de DEFINIÇÕES Nesta especificação os termos abaixo terão os seguintes significados: PROPONENTE A parte ou partes que submetem propostas para fornecer os equipamentos e serviços aqui especificados. FORNECEDOR A parte ou partes contratadas pela CEMIG para fornecer os equipamentos e serviços solicitados; responsável perante a CEMIG pelo fornecimento contratado. SUBFORNECEDOR A parte ou as partes contratadas pelo FORNECEDOR e aceitas pela CEMIG para o fornecimento de quaisquer equipamentos, acessórios e /ou serviços suplementares. FABRICANTE A parte contratada pelo FORNECEDOR ou pelo SUBFORNECEDOR para a fabricação do equipamento e emissão da documentação técnica. Pode tratar-se do próprio SUBFORNECEDOR ou, ainda, do próprio FORNECEDOR. INSPETOR Representante da CEMIG para inspeção, verificação de provas e ensaios, além de acompanhamento de testes de aceitação em fábrica e/ou laboratório e/ou em campo. 4

5 2.0 CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO 2.1 APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CONTEÚDO DA PROPOSTA Além da proposta comercial, o proponente deverá fornecer as seguintes informações técnicas: a) características e dados técnicos das baterias ofertadas, conforme itens 6.05 a 6.23 da SDT ; b) desenho preliminar das dimensões básicas para as estantes; c) processo de limpeza e proteção anti-corrosão das superfícies das estantes; d) desvios em relação ao edital e a esta especificação O proponente deverá apresentar cotação em separado para estantes e acessórios LISTA DE DESVIOS Os desvios em relação à E.T. declarados pelo proponente serão objeto de análise pela CEMIG. Esses desvios deverão ser claramente expressos na proposta através de uma Lista de Desvios. Caso não haja essa lista, será considerado que o proponente se dispõe a atender sem restrições ao especificado tecnicamente para as baterias. 2.2 DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA DOCUMENTOS PARA APROVAÇÃO Após o recebimento do Pedido de Compra, o fornecedor deverá enviar à CEMIG, para aprovação: a) duas vias do Manual Técnico emitido pelo fabricante; b) desenhos de dimensões das estantes DOCUMENTAÇÃO DEFINITIVA Após a aprovação dos desenhos e antes dos ensaios, o fabricante deverá entregar ao inspetor da CEMIG três vias do Manual Técnico, que deve conter informações detalhadas sobre:: a) transporte; b) armazenamento; c) instalação; d) colocação em operação; e) operação e testes; f) lista básica de defeitos e soluções. 5

6 As instruções para instalação devem informar qual o torque máximo a ser aplicado nos parafusos das conexões entre elementos As instruções para colocação em operação devem indicar o processo (tensões, correntes, duração, etc.) para aplicação da carga a ser dada imediatamente após a instalação da bateria As instruções para operação e testes devem indicar: a) valores de tensão por elemento recomendados para o regime de flutuação; b) coeficiente para ajuste da variação da tensão de flutuação em função da temperatura ambiente; c) valor máximo permissível para a corrente de carga; d) elevação máxima permissível de temperatura; e) curvas de descarga nos regimes de 10h, 5h, 3h e 1h, para sistemas com FCC convencional e de 1min, 5min, 15min, 30min e 60min, para UPS, com respectivas tensões finais; f) tabela das correntes de descarga; g) curvas de carga a tensão constante e a corrente constante Todos os valores expressos sujeitos a variação devem ter as respectivas tolerâncias indicadas. 2.3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS REQUISITOS GERAIS As baterias deverão: a) ser fornecidas completas, com estante(s) e todos os acessórios e conexões necessárias a sua montagem e a seu perfeito funcionamento, mesmo os não explicitamente citados nesta E.T., no Edital de Licitação e/ou no Pedido de Compra; b) ser do tipo chumbo-ácida, tensão nominal 2V/elemento e reguladas por válvula; c) possuir alta densidade de potência e menor peso na menor área ocupada; d) ser projetadas para uma vida útil mínima de 10 anos, em regime de flutuação a 25ºC, para operação tanto em sistemas de descargas lentas quanto em sistemas de altas descargas IDENTIFICAÇÃO DOS VASOS Todos os vasos (elementos ou monoblocos) devem ser numerados seqüencialmente. Cada banco de baterias completo deve possuir uma placa de identificação, fabricada com material resistente à corrosão, fixada em local de fácil leitura após a montagem da estante. Essa placa deve conter, gravadas de forma legível e indelével, as seguintes informações: a) nome do fabricante/fornecedor ou sua marca registrada; b) tipo e modelo de fabricação; c) mês e ano de fabricação; d) número do Pedido de Compra CEMIG; e) número(s) de série; f) capacidade nominal, em Ah (Ampères-hora); g) tensão final de descarga, em V (volts); 6

7 h) tensão de flutuação a 25ºC por elemento, em V; i) número de elementos da bateria; j) elevação máxima permissível de temperatura; k) data de término da garantia total/proporcional; l) data de instalação As informações que não puderem ser preenchidas em fábrica, por dependerem da instalação, serão preenchidas em campo pela CEMIG ou pelo instalador e informadas ao fabricante, para efeito de contagem de tempo de garantia ESTANTES As estantes para montagem do banco de baterias deverão: a) ser fabricadas em aço; b) ser fabricadas em níveis, racks modulares e empilháveis, gabinetes, etc., conforme projeto do fabricante, porém em dimensões compatíveis com a área prevista para a instalação e a serem indicadas no Edital; c) ser providas de isoladores de modo a assegurar uma resistência de isolamento, entre a bateria e o piso, igual ou superior a 50kΩ; d) ter a pintura de acabamento feita preferencialmente na cor cinza-claro, notação Munsell N INSPEÇÃO CONDIÇÕES GERAIS Todas as unidades do fornecimento deverão ser submetidas à inspeção visual e aos ensaios de rotina. Portanto, não deverá haver plano de amostragem A inspeção visual deverá incluir verificação das dimensões e acabamento, além da identificação dos vasos e estantes Os ensaios de rotina consistem basicamente na determinação da capacidade em Ampères-hora, conforme item a seguir. A capacidade medida ao final do teste deverá ser no mínimo igual a 100% da capacidade nominal declarada pelo fabricante ENSAIOS DE CAPACIDADE EM AMPÈRES-HORA Para a execução de ensaios de capacidade, deverá ser utilizada a seguinte aparelhagem: a) voltímetro digital ou de bobina móvel, classe de exatidão 1% máxima; b) amperímetro digital ou de bobina móvel, classe de exatidão 1% máxima; c) termômetro com escala de 0ºC a 50ºC, erro máximo 1%. 7

8 Cada banco de baterias a ser testado deverá ser previamente colocado em flutuação, a fim de adquirir carga total visando ao ensaio de capacidade. Esse procedimento poderá ser realizado sem a presença do inspetor da CEMIG e conforme os métodos do fabricante Após a carga completa, o banco deverá permanecer em repouso e em circuito aberto durante um período de 4 a 10 horas antes do horário marcado para o início da descarga Ao final do período de repouso, deverão ser medidos e anotados os valores de tensão em circuito aberto de todos os monoblocos; a partir desse momento o ensaio deve ser obrigatoriamente realizado na presença do inspetor da CEMIG Após o período de repouso, deverá ser iniciada a descarga, através de carga resistiva ou descarregador eletrônico, com corrente constante de intensidade em Ampères com valor numérico igual a 10% de sua capacidade nominal em Ampèreshora (teste C 10 ) Durante a descarga as medições de tensão deverão ser efetuadas em todos os vasos (elementos ou monoblocos) e anotadas; a primeira medição deverá ser efetuada 5 (cinco) minutos após o início da descarga; a segunda medição, a 1 (uma) hora do início da descarga; a partir daí, em intervalos de 1 (uma) hora Considera-se terminada a descarga no instante em que a tensão de qualquer vaso atingir 1,75V (um vírgula setenta e cinco Volt) por elemento A capacidade do banco de baterias deve ser determinada pelo produto da corrente de descarga com o tempo decorrido entre início e término da descarga; o valor obtido deve ainda ser corrigido para a temperatura de referência de 25ºC, conforme item 5.08b da norma SDT RELATÓRIOS DOS ENSAIOS Os relatórios dos ensaios devem conter as seguintes informações: a) nome do fabricante; b) número do Pedido de Compra da CEMIG; c) descrição sucinta dos ensaios; d) normas técnicas aplicadas; e) instrumentos e circuitos de medição utilizados; f) tamanho do lote, número e identificação das unidades ensaiadas; g) datas de início e término dos ensaios; h) nome do laboratório onde os ensaios foram executados (quando for o caso); i) nomes e assinaturas do inspetor da CEMIG e do representante do fabricante. 8

9 2.4.4 LIBERAÇÃO DO EQUIPAMENTO O equipamento, se aprovado nos ensaios, será liberado pelo inspetor da CEMIG somente após o recebimento de três vias dos relatórios dos testes mais três vias da lista de embarque e a verificação da embalagem e sua marcação. 2.5 EXPEDIÇÃO EMBALAGEM PARA TRANSPORTE A embalagem deverá ser adequada e suficiente para proteger as baterias contra danos durante seu transporte normal, do local de fabricação até o local de entrega e/ou instalação IDENTIFICAÇÃO PARA ENTREGA Todos os volumes deverão apresentar indicativo de posição e fragilidade, número da nota fiscal, número do Pedido de Compra (PC) da CEMIG e código(s) do(s) item(ns), para que se permita a identificação do conteúdo sem a necessidade de abertura da embalagem. 2.6 CONDIÇÕES DE GARANTIA VIGÊNCIA DA GARANTIA As baterias deverão ser garantidas por um período de 10 anos, contados a partir da data de emissão pela CEMIG do Relatório de Inspeção em fábrica e liberação para embarque e entrega CERTIFICADO DE GARANTIA O Certificado de Garantia apresentado pelo fabricante deverá conter, no mínimo, as seguintes informações: a) sigla CEMIG; b) número do Pedido de Compra; c) identificação da bateria, informando tipo, nº de elementos, capacidade nominal em Ah, números de série, etc.; d) nº do Relatório de Inspeção; e) tipo de fornecimento (posto fábrica ou instalação em campo); f) data de início da garantia, conforme item acima; g) data de término da garantia. 9

10 2.6.3 GARANTIA TOTAL Aplica-se a garantia total quando ocorrerem defeitos de fabricação e/ou quando ocorrer perda de capacidade superior a 5% (cinco por cento) da capacidade nominal, obedecido o prazo de 24 (vinte e quatro ) meses contados a partir da data de emissão do Relatório de Inspeção em fábrica Vencido o prazo acima, a garantia continua a ser total quanto a defeitos sistemáticos de fabricação ou montagem dos vasos, tampas, pólos, buchas e separadores. NOTAS: 1) Define-se defeito sistemático como sendo aquele que ocorre simultaneamente em um número de elementos superior ou igual ao valor encontrado pela fórmula: C = (0,15 X n) + 2, onde n representa o número de elementos da bateria; 2) Não se aplica o disposto nesta seção quando, no caso específico de separadores, as anormalidades observadas forem decorrentes do desgaste ou degradação natural não provenientes de defeitos de fabricação Na aplicação da garantia total, são de exclusiva responsabilidade do fabricante todos os custos e/ou despesas provenientes de: a) partes, peças, materiais e elementos a serem substituídos; b) serviços de reparo, reforma ou substituição de elementos defeituosos; c) embalagem; d) transporte; e) deslocamento e estadia de pessoal; f) mão-de-obra de instalação GARANTIA PROPORCIONAL A garantia proporcional (pró-rata) passa a vigorar ao término da garantia total ( ) e abrangerá todas as partes, peças (mesmo as citadas em , desde que não sejam caracterizados defeitos sistemáticos) e materiais Na aplicação da garantia proporcional, fica a critério do fabricante, baseada em parecer técnico e orçamento previamente elaborados por ele e aceito por ambas as partes, a substituição das baterias que apresentarem defeito de fabricação ou capacidade inferior a: a) 90% (noventa por cento) da capacidade nominal nos primeiros 4 (quatro) anos da garantia proporcional; b) 80% (oitenta por cento) da capacidade nominal nos anos seguintes ao período definido em a), limitados ao vencimento do prazo citado em

11 O custo da substituição, reforma ou reparo de um elemento ou monobloco fica limitado ao valor calculado pela fórmula: Custo = (0,9 X t X c) / (12 X p X n), onde: t = tempo de uso da bateria, em meses, contado a partir do dia de início da garantia (2.6.2 f)) até a data de: a) formalização da reclamação para os serviços executados em campo; b) recebimento do elemento ou monobloco em fábrica para os serviços ali executados; c = preço de tabela do elemento ou monobloco novo, vigente na data definida para t; p = prazo de garantia, em anos; n = número de elementos contidos num mesmo vaso Havendo a substituição ou recondicionamento total de um ou mais elementos defeituosos, fica definido um novo período de garantia total, condicionado às exigências de NOTAS: 1) A capacidade é garantida pelo mesmo período que os demais elementos ou monoblocos do banco, mantido o prazo definido em ) Ocorrendo a substituição de algum elemento ou monobloco, deve ser emitido um novo certificado de garantia Comprovando-se a ocorrência de defeito sistemático, a parte, peça ou material responsável será substituída(o) em todo o banco de baterias, a critério da CEMIG Na aplicação da garantia proporcional, a CEMIG se torna responsável por todos os custos ou despesas provenientes de: a) embalagem; b) transporte; c) deslocamento e estadia de pessoal; d) mão-de-obra de desmontagem e reinstalação LAUDO TÉCNICO No caso de defeito comprovado, o fabricante deverá enviar à CEMIG um laudo técnico, no prazo máximo de 30 (trinta) dias contados a partir da data em que tenha recebido o(s) elemento(s) ou monobloco(s) defeituoso(s). Esse laudo deverá conter uma descrição objetiva das prováveis causas que tenham provocado os danos no(s) elemento(s). -- X -- 11

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO M A N U A L B A T E R I A C H U M B O - Á C I D A S E L A D A MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BATERIAS CHUMBO-ÁCIDAS SELADAS COM RECOMBINAÇÃO DE GÁS POWERSAFE VF ÍNDICE 1.0 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MANUTENÇÃO CORRIVA EM TRANSFORMADORES DE SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

ANEXO 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ARMÁRIOS PARA CRMS

ANEXO 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ARMÁRIOS PARA CRMS Página 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 PARA LICITAÇÃO ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F DATA 01.08.11 25.04.14 EXECUÇÃO JADR AF VERIFICAÇÃO JADR JADR APROVAÇÃO

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria de

Leia mais

Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center

Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO Memorial Técnico para Aquisição de Solução modular escalável e móvel de Contêiner para Data Center Projeto DATA CENTER José Fioravante Schneider 01/06/2015 Página 1 de 9 ÍNDICE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Pedro Paulo Freitas da Silva 17.709-12

Pedro Paulo Freitas da Silva 17.709-12 EMPRESA BRASILEIRA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO NORTE- SRNO FOLHA 01/09 TÍTULO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE QUINZE (15) ESTAÇÕES DE RETRABALHO COMPLETAS PARA

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

GARANTIA DELTAFIRE. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

GARANTIA DELTAFIRE. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA GARANTIA DELTAFIRE Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Garantia

Leia mais

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO PÁGINA 1 de 7 ÍNDICE DO CONTEÚDO 1. Objetivo 1 2. Norma e Documentos Complementares 1 3. Definições 1/2 4. Condições Gerais 2 5. Procedimentos 3/4/5 6. Anexo 6 7. Ficha de Vida 7 1. Objetivo: Esta norma

Leia mais

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300.

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução s de armazenamento (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução de armazenamento do

Leia mais

POLÍTICA INTERNA TROCA E DEVOLUÇÃO DE PRODUTOS Versão: 1 Data: 30/10/2015

POLÍTICA INTERNA TROCA E DEVOLUÇÃO DE PRODUTOS Versão: 1 Data: 30/10/2015 POLÍTICA INTERNA TROCA E DEVOLUÇÃO DE PRODUTOS Versão: 1 Data: 30/10/2015 1. Objetivo Definir as regras para a realização de trocas, devoluções e reparos dos produtos comercializados pela ZOOM education

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.025 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO - ES

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT Termo de Referência Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Termo de Referência Aquisição de Servidores Tipo 1A-1B para camada de Banco de Dados / Alta Disponibilidade RQ DEPI nº 11/2009

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal ATO DELIBERATIVO Nº 8, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre o Programa de auxílio para aquisição ou locação de órteses e próteses médicas não-cirúrgicas e implementos médico-hospitalares. A PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO Brasília, 10 de Janeiro de 2013. Prezadas Senhoras, Prezados Senhores, A ONU Mulheres Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres solicita

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO N 003/2013 EMBAP PROCESSO N 11.897.915-0 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO ELETRÔNICO N 003/2013 EMBAP PROCESSO N 11.897.915-0 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. O presente tem por objeto a aquisição de mobiliário, máquinas e ferramentas para atelier de escultura e gravura, com garantia e assistência técnica, conforme

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF)

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) PROCEDIMENTO SL - 002 Página 1 de 6 EDIÇÃO 11/12 Título: Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) Rev.: 00 Data: 11/12 Emitido Por Verificado Verificado Aprovado Nome Marcos

Leia mais

Treinamento em transformadores- Programa 1

Treinamento em transformadores- Programa 1 Treinamento em transformadores- Programa 1 Módulo 1: Núcleo Caminho de passagem da energia magnética Perdas a vazio Corrente de excitação Nível de ruído Descargas parciais Gás-cromatografia Chapas de M4

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 021/2015 Termo de Referência 1. DO OBJETO 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo a aquisição, por intermédio de licitação na modalidade de Pregão Presencial, de

Leia mais

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES CADASTRO DE CLIENTES Recebimento de equipamentos somente com cadastro completo; O cadastro do e-mail é obrigatório; É de responsabilidade do cliente manter seus dados sempre

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos na execução de provas práticas, na qualificação de Inspetor de Controle Dimensional, modalidade Caldeiraria. 2. REGRAS

Leia mais

Fone: 0800 707 5700. Manual de Instruções. Bloco Digestor DQO Microprocessado Mod.: 25439

Fone: 0800 707 5700. Manual de Instruções. Bloco Digestor DQO Microprocessado Mod.: 25439 Fone: 0800 707 700 Manual de Instruções Bloco Digestor DQO Microprocessado Mod.: 9 Fone: 0800 707 700 ÍNDICE. INTRODUÇÃO. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. FUNCIONAMENTO. Instalação. Programando o timer (tempo).

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO 1. OBJETIVO Este Termo de Referência define requisitos que devem ser observados pelos interessados, para o fornecimento de chave de aferição à CEEE-D, em complementação

Leia mais

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO... 2 3. CONCEITOS... 2 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS... 3 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 3 6. PROCEDIMENTOS... 4 7. NATUREZA DAS ALTERAÇÕES... 7 8. ANEXOS... 7 Elaboração:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Capitulo I - Objetivo. Artigo 1º - O presente regulamento

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

Pergunta 01 No item 01 Desktops, está sendo solicitado o seguinte:

Pergunta 01 No item 01 Desktops, está sendo solicitado o seguinte: QUESTIONAMENTOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 002/2012 Pergunta 01 No item 01 Desktops, está sendo solicitado o seguinte: 1) Brilho: 250 cd/m2;interface: RF, D-sub, CVBS, S-Video no mínimo; Tendo em vista que as

Leia mais

PORTEIRO ELETRÔNICO. Modelo: EG-PRL002. Manual do Usuário

PORTEIRO ELETRÔNICO. Modelo: EG-PRL002. Manual do Usuário PORTEIRO ELETRÔNICO Modelo: EG-PRL002 Manual do Usuário 1 Introdução Parabéns por adquirir o Porteiro Eletrônico modelo EG-PRL002 da EcoGold! Para conhecer toda a linha de produtos EcoGold, visite o site:

Leia mais

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1 de 5 Assunto: CONDIÇÕES GERAIS DE VENDAS Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1. Conceito 2. Abrangência 3. Documentos Relacionados 4. Regras Gerais 4.1. Pedido e Fornecimento 4.1.1. Pedido

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

Retificador No Break duo

Retificador No Break duo Retificador No Break duo Manual do Usuário ccntelecom.com.br O Retificador No Break duo O Retificador No Break duo é um equipamento desenvolvido para facilitar a alimentação e organização de redes de dados

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO 1 PRODUTOS 1.1 Serviço de manutenção preventiva mensal e corretiva, quando necessário, para o elevador da Unidade Operacional da Anatel no Estado de Santa Catarina UO031, situada à Rua Saldanha Marinho,

Leia mais

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. REV. Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. REQUISOS GERAIS 3.1. Projeto Geral 3.2. Normas Recomendadas 3.3. Unidade de Medida e Idiomas 3.4. Desenhos 3.5. Garantia 4. DEFINIÇÕES 3.6. Valor Nominal

Leia mais

Manual do Usuário. ccntelecom.com.br

Manual do Usuário. ccntelecom.com.br Manual do Usuário ccntelecom.com.br PD-FIBER (1 Gbps, 7 Ramais/Clientes) O PD-FIBER é um equipamento constituído de uma placa que concentra alguns produtos já conceituados da CCN Telecom, de forma a reduzir

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS MÉTODO UTILIZADO As orientações constantes deste documento são uma compilação das exigências

Leia mais

Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA

Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA Manual Técnico PROPOSTA COMERCIAL CONSULTORIA TÉCNICA À xxxx Aos cuidados Sr. xxxxxx São Paulo, 23 de Março de 2011 2 1 INTRODUÇÃO O CESVI BRASIL através da prestação de serviços de consultoria tem como

Leia mais

SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO. Esta Norma aplica-se à RBMLQ - Inmetro 3 RESPONSABILIDADE

SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO. Esta Norma aplica-se à RBMLQ - Inmetro 3 RESPONSABILIDADE VERIFICAÇÃO METROLÓGICA DOS PRODUTOS SABÃO E SABONETE EM BARRA NORMA N o NIE-DIMEL-042 APROVADA EM ABR/05 N o /13 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos de referência 5

Leia mais

Roteador com serviço VoIP. D-Link DVG-1402S

Roteador com serviço VoIP. D-Link DVG-1402S Roteador com serviço VoIP D-Link DVG-1402S ( 0 1 ) 0 7 8 9 8 9 0 1 7 2 9 2 0 4 Portas Phone Portas LAN Portas WAN Reset Conector de Alimentação Conecta seu telefone usando um cabo telefônico padrão. Conecte

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA/CORRETIVA EM NO-BREAKS DAS DEPENDÊNCIAS E PONTOS DE ATENDIMENTO DO BANCO DE BRASÍLIA

ESPECIFICAÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA/CORRETIVA EM NO-BREAKS DAS DEPENDÊNCIAS E PONTOS DE ATENDIMENTO DO BANCO DE BRASÍLIA FL. 1/8 1. OBJETO E SUAS CARACTERÍSTICAS A CONTRATADA prestará ao BRB serviços de manutenção preventiva e corretiva nos sistemas ininterruptos de energia ( no-breaks ) e baterias existentes nas dependências

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

As informações devem ser passadas garantia@aca.ind.br claudia.jara@aca.ind.br

As informações devem ser passadas garantia@aca.ind.br claudia.jara@aca.ind.br Garantia ACA Com o objetivo de facilitar e agilizar com qualidade o atendimento técnico e elaboração do processo de Garantia dos nossos equipamentos de Ar Condicionados, solicitamos que alguns critérios

Leia mais

A presente garantia terá 4 (quatro) anos de vigência sem limite de. garantia de 4 (quatro) anos contra defeitos de corrosão perfurativa.

A presente garantia terá 4 (quatro) anos de vigência sem limite de. garantia de 4 (quatro) anos contra defeitos de corrosão perfurativa. GARANTIA HYUNDAI I Terno de Garantia Hyundai O Presente Termo de Garantia Hyundai aplica-se única e exclusivamente ao veículo da marca e fabricação Hyundai devidamente identificado ao final deste documento,

Leia mais

Especificação técnica. Conector rj45 macho e fêmea para rede de dados e voz

Especificação técnica. Conector rj45 macho e fêmea para rede de dados e voz DO - DIRETORIA DE OPERAÇÃO GRP - GERÊNCIA REGIONAL DE PAULO AFONSO SPTL- SERVIÇO DE TELECOMUNICAÇÕES DE PAULO AFONSO Especificação técnica Conector rj45 macho e fêmea para rede de dados e voz ET-SPTL-006-novembro/2013

Leia mais

* Produto deve ser usado por no máximo 6 horas continuas com intervalo de no mínimo 1 hora para resfriamento do motor. Manual Gerador Série ND7000

* Produto deve ser usado por no máximo 6 horas continuas com intervalo de no mínimo 1 hora para resfriamento do motor. Manual Gerador Série ND7000 * Produto deve ser usado por no máximo 6 horas continuas com intervalo de no mínimo 1 hora para resfriamento do motor. Manual Gerador Série ND7000 Termo de garantia A NTS do Brasil concede garantia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DGA/054/2012

TERMO DE REFERÊNCIA DGA/054/2012 TERMO DE REFERÊNCIA DGA/054/2012 AQUISIÇÃO DE MATERIAL ELÉTRICO E DE REDE LÓGICA PARA REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL NOS IMÓVEIS DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RONDÔNIA EM PORTO VELHO PORTO VELHO DEZEMBRO DE

Leia mais

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos LSE 05-2013 1 Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos segundo as Normas:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 ETEM 41 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...4 1.1 TABELAS DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GARANTIDAS...4

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rev.03-06/23 M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rua Major Carlos Del Prete, 19 - Bairro Cerâmica CEP 09530-0 - São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone/Fax: (11) 4224-3080

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010

TERMO DE REFERÊNCIA. Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010 TERMO DE REFERÊNCIA Registro de Preços para aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010 1. OBJETO Registro de Preços para eventual aquisição de envelopes plásticos para as Eleições 2010, de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I. OBJETO.. Aquisição de memórias para servidores corporativos da Seção Judiciária do Espírito Santo. 2. ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS Lote Módulo de Memória de 52 Megabytes para servidores

Leia mais

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10 Características & Interligação Módulo APGV Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada Revisão 00 de 13/05/10 Direitos Reservados à Todas as informações contidas neste manual são de uso exclusivo da Equipamentos

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS (TABLET)

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS (TABLET) ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS (TABLET) IplanRio Empresa Municipal de Informática Janeiro 2012 1. OBJETO Registro de preço para aquisição de Dispositivos Móveis do tipo,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 3.1. Siglas 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Características Gerais 03 5.2. Características Específicas e Exclusivas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150831

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150831 TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150831 1. DA JUSTIFICATIVA: Dispensa de licitação, via cotação eletrônica, nos termos do decreto estadual Nº 28.397, de 21 de setembro de 2006 para atender SC 014306 UN BBA 2.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA INSTALAÇÃO DE REDE DE GÁS NATURAL À NOVA USINA DE ASFALTO

TERMO DE REFERÊNCIA INSTALAÇÃO DE REDE DE GÁS NATURAL À NOVA USINA DE ASFALTO TERMO DE REFERÊNCIA INSTALAÇÃO DE REDE DE GÁS NATURAL À NOVA USINA DE ASFALTO 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as exigências técnicas e a metodologia para a contratação

Leia mais

POLÍTICA DE GARANTIA AUTORIDADE DE REGISTRO PRONOVA

POLÍTICA DE GARANTIA AUTORIDADE DE REGISTRO PRONOVA POLÍTICA DE GARANTIA AUTORIDADE DE REGISTRO PRONOVA Obrigado por adquirir um produto e/ou serviço da AR PRONOVA. Nossa Política de Garantia foi desenvolvida com objetivo de fornecer produtos e serviços

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 01 PE Nº 35/2012

PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 01 PE Nº 35/2012 PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 01 PE Nº 35/2012 Considerando o posicionamento enviado pela área técnica desta CGU-PR, seguem abaixo as respostas ao Pedido de Esclarecimento nº 01 PE nº 35/2012: QUESTIONAMENTOS:

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 1.007, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

4.1 A Parte que recebeu a notificação de anormalidade deverá encaminhá-la imediatamente a um órgão responsável, para resolver a anormalidade.

4.1 A Parte que recebeu a notificação de anormalidade deverá encaminhá-la imediatamente a um órgão responsável, para resolver a anormalidade. ANEXO 8: GERENCIAMENTO DE ANORMALIDADES DA REDE 1 As Partes reconhecem que é de seu mútuo interesse estabelecer um processo eficiente e efetivo para comunicar e resolver as anormalidades de rede que repercutam

Leia mais