PROGRAMA AMBIENTAL E SOCIAL DOS IGARAPÉS DE MANAUS (PROSAMIM III) BR-L1297

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA AMBIENTAL E SOCIAL DOS IGARAPÉS DE MANAUS (PROSAMIM III) BR-L1297"

Transcrição

1 BRASIL PROGRAMA AMBIENTAL E SOCIAL DOS IGARAPÉS DE MANAUS (PROSAMIM III) BR-L1297 Luiz Fernando Galli Consultor em Meio Ambiente Manaus, julho de 2011 Versão Revisada, setembro de 2011

2 2 SUMÁRIO Página I. INTRODUÇÃO... 1 II. JUSTIFICATIVAS, OBJETIVOS E DESCRIÇÃO DO PROGRAMA... 2 II.1. Justificativa... 2 II.2. Objetivos... 4 III.3. Componentes do Programa... 5 III. PROSAMIM III... 7 III.1. Estratégia de Requalificação Urbanística e recuperação Ambiental para a Bacia do São Raimundo... 7 III.2. Caracterização da Área de Intervenção... 7 III.3. Principais Projeto Contemplados... 8 III.4. Quantitativo das Principais Obras IV. CARACTERIZAÇÃO DA BACIA DO SÃO RAIMUNDO IV.1. Contexto IV.2. Área Diretamente Afetada IV.3. Área de Influência Indireta V. DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL DA ÁREA V.1. Caracterização Socioeconômica V.2. Caracterização Urbanística Geral V.3. Caracterização Ambiental VI. ASPECTOS LEGAIS VI.1. Considerações VI.2. Instrumentos Relacionados aos Aspectos Ambientais VI.3. Instrumentos Relacionados aos Aspectos Sociais e Fundiários VII. IMPACTOS AMBIENTAIS E SOCIAIS VII.1. Principais Impactos Ambientais e Sociais e Medidas de Controle e Mitigação VII.2. Viabilidade Ambiental VII.3. Classificação da Operação VIII. GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL VIII.1. Sistema de Gestão Ambiental e Social do PROSAMIM (SGAS) VIII.2. Planos e Programas de Controle Ambiental e Mitigação de Impactos VIII.3. Subsistema de Monitoramento e Avaliação Socioambiental (SMAP) VIII.4. Oficinas de Nivelamento e Planejamento de Ações Integradas IX. RECOMENDAÇÕES... 43

3 I. INTRODUÇÃO 1.1. Manaus, capital do Estado do Amazonas, enfrenta um conjunto de problemas típicos de processos de crescimento urbano rápido e desordenado. Nas últimas quatro décadas, a sua população quintuplicou, passando de para 1,7 milhões de habitantes, num ritmo muito mais intenso que o crescimento das demais cidades brasileiras nesse mesmo período. Atualmente a capital concentra mais da metade da população do Estado e gera cerca de 90% do seu PIB. Como ocorre nas demais capitais brasileiras, o rápido crescimento populacional de Manaus não foi acompanhado de investimentos em infraestrutura, tampouco por controle sobre o uso e ocupação dos solos urbanos Este fato, combinado à falta de moradias acessíveis à população de baixa renda promoveu a instalação de assentamentos informais em áreas ambientalmente sensíveis, principalmente nas margens dos igarapés que atravessam a cidade e abaixo da cota 30m do Rio Negro. Em alguns trechos dos igarapés de Manaus, o leito foi totalmente tomado por residências do tipo palafita, cujo acesso se dá exclusivamente por meio de precárias passarelas A ocupação dessas áreas de alta sensibilidade ambiental e inaptas para esse modelo de desenvolvimento urbano, representa um grande problema ambiental, urbanístico e social para a cidade e gera impactos negativos para a área central (inundação, odores desagradáveis, mosquitos, roedores, resíduos etc.) que levam à deterioração e ao abandono das áreas limítrofes com a conseqüente perda de ativos públicos e valor imobiliário Para enfrentar e resolver os graves problemas vividos na capital, os governos do Estado e do Município vêm implementando diversas ações para reduzir esses passivos ambientais e promover a melhora na qualidade de vida da população, inclusive com a busca de financiamentos externos, cujo órgão financiador é o BID, ou mesmo com recursos internos, por meio da Caixa Econômica Federal, além de recursos próprios Em 2003 o Governo do Estado iniciou o Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (PROSAMIM), que apresenta uma estratégia de longo prazo envolvendo investimentos e ações em parceria com o Município, caracterizados por intervenções nas várias bacias e sub-bacias dos igarapés da cidade, conforme prioridades ambientais, sociais, urbanísticas e de emergência, visando a recuperação ambiental dos igarapés, a urbanização das áreas no entorno e a melhoria das condições de vida da população ribeirinha submetida a risco sócio-ambiental O PROSAMIM priorizou as áreas de intervenção com base na relação custo/beneficio sócio-ambiental, considerando a densidade populacional e a gravidade dos problemas sociais e ambientais ocasionados pela redução das matas de igarapé, contaminação por efluentes residenciais e industriais, excessiva impermeabilização do solo etc. e iniciou as intervenções na bacia do Igarapé Educandos/Quarenta, com uma extensão de ha e uma densidade populacional de 115 hab/ha, sendo habitantes situados abaixo da cota 30m do Rio Negro. Em segundo lugar está à bacia do Igarapé São Raimundo com uma extensão de 3.834ha e densidade de população de 32 hab/ha, sendo habitantes situados abaixo da cota 30m As primeiras fases do Programa contemplaram obras nas sub-bacias dos igarapés Manaus, Bittencourt, Mestre Chico e Quarenta, todas com as correspondentes ações de sustentabilidade social e institucional, e contou com o apoio do BID por meio de vários

4 2 empréstimos: i) PROSAMIM I e Suplementar; ii) PROSAMIM II; e iii) apoio do Fundo Espanhol para Água e Saneamento (FECASALC) Projeto Igarapés de Manaus O PROSAMIM tem vários objetivos interdependentes e multidisciplinares, destacando-se: i) a recuperação da função de drenagem e da qualidade ambiental dos igarapés; ii) o ordenamento urbano e reassentamento de famílias em situação precária; iii) a implementação de parques e equipamentos públicos de serviços e convivência social; iv) a melhoria da rede viária do centro da cidade; v) a implementação dos serviços de saneamento básico nas áreas de intervenção; vi) a melhoria da capacidade operacional e de gestão dos organismos envolvidos no Programa; e vii) a promoção efetiva da comunidade e a construção e manutenção das obras 1.9. A continuidade do Programa, com um terceiro financiamento do BID, denominado PROSAMIM III, deverá permitir a implementação de obras e ações de sustentabilidade socioambiental na Bacia do Igarapé do São Raimundo O Programa, em suas três fases (PROSAMIM I, II e III), vem sendo executado pela Unidade de Gerenciamento do Programa Social e Ambiental dos Igarapés (UGPI), subordinada ao Governo do Estado do Amazonas (GEA) e com autonomia administrativa. Esta Unidade está estruturada com um Coordenador Executivo e Subcoordenações técnicas nas áreas engenharia, social, ambiental, jurídico, financeiro e institucional, alem de assessores de comunicação social, administrativo e informática. Para a gestão e supervisão de obras e elaboração de projetos de engenharia do Programa, a UGPI conta com empresas de consultoria. O valor do Programa é de US$200,0 milhões, sendo US$140,0 milhões financiados pelo BID e US$60,0 milhões do GEA Este Relatório de Gestão Ambiental e Social do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III tem como objetivo apresentar os impactos ambientais e sociais do Programa, as respectiva medidas mitigadoras, de controle ambiental e de redução dos riscos ambientais e sociais decorrentes de sua implantação, bem como o atendimento da legislação ambiental brasileira e das políticas socioambientais do BID. II. JUSTIFICATIVAS, OBJETIVOS E DESCRIÇÃO DO PROGRAMA II.1. Justificativa 2.1. Como ocorreu nos demais bacias e sub-bacias de Manaus, algumas dos quais já contemplados pelo PROSAMIM I e PROSAMIM II, a ocupação desordenada e destruição de ecossistemas na Bacia do São Raimundo desencadeou a formação de um cenário urbanístico caracterizado pela deficiência, quando não ausência, dos sistemas públicos de transporte, principalmente coletivo, saneamento básico, comunicação, energia, segurança, entre outros A área de intervenção do PROSAMIM III, localizada no Igarapé de São Raimundo, contribuinte da Bacia do São Raimundo, entre a Avenida Kako Caminha e a foz no rio Negro (Figura N o 1) 1, atualmente é ocupada de forma irregular e inadequada por palafitas e construções de alvenaria, periodicamente afetadas pelas cheias e vazantes do rio Negro e pelos alagamentos resultantes do barramento dos volumes escoados pelos sete tributários do receptor final, agravados, quando não gerados, pelo acúmulo de dejetos lançados nos igarapés pelos moradores e transeuntes locais. 1 Incluindo parte dos bairros N.S. Aparecida, São Raimundo, Glória, Presidente Vargas e Centro.

5 3 Figura N o 1: Bacia do Igarapé do São Raimundo 2.3. Em decorrência dessa situação, a população residente permanece a mercê de riscos de desabamento e escorregamento de encostas, de doenças de veiculação hídrica e transmissíveis por pragas urbanas e do ataque por animais peçonhentos, sem contar as dificuldades de acesso aos serviços públicos essenciais (de saúde, segurança e defesa, limpeza, abastecimento) e os prejuízos ao transporte fluvial, bastante intenso na área pela

6 4 proximidade com o Porto Fluvial de Manaus e a Feira da Manaus Moderna Alem desses aspectos, há que se considerar que a sociedade local, tanto da área diretamente afetada pelo Programa, quanto a do entorno, vive em situação permanente de risco social, quer pelas condições subumanas de vida, quer pela constante ameaça que situações adversas como a prostituição, o tráfico de drogas e a utilização das sub-moradias como refúgio por infratores e criminosos A execução do PROSAMIM nesta porção da bacia do São Raimundo, além da ascensão social e econômica de famílias, possibilitará aos organismos públicos a canalização dos recursos economizados nas áreas de segurança, saúde, abastecimento e limpeza pública para setores como educação, cultura e infra-estrutura Há que se destacar, também, que na área de influência do Igarapé São Raimundo encontrase parte do Centro Histórico de Manaus e importantes marcos de seu patrimônio, como o Reservatório do Mocó (tombado pelo Governo Federal em 1985), o Conjunto Arquitetônico do Porto (tombado pelo Governo Federal em 1987) com o Prédio da Ilha de São Vicente, situado ao final da Rua Bernardo Ramos e construído em 1852 e as antigas sedes da Prefeitura Municipal (Paço da Liberdade, uma das primeiras manifestações da arquitetura neoclássica em Manaus) datada de 1874 e da Assembléia Legislativa do Amazonas (Palácio Rio Branco), ambas situadas na Praça D. Pedro II Justificam, portanto, as intervenções propostas a reestruturação da área do Igarapé São Raimundo a melhoria da qualidade de vida da população e a integração dos espaços e patrimônios natural, histórico, artístico, cultural e turístico, com consequente incremento à visitação, dinamização do uso e aquecimento da economia, sobretudo decorrente dos prestadores de serviços e comerciantes locais. II.2. Objetivos 2.8. O objetivo geral do PROSAMIM III é contribuir para a solução dos problemas ambientais, urbanísticos e sociais que afetam a cidade de Manaus, com destaque à população residente abaixo da cota 30m do Rio Negro na Bacia do Igarapé do São Raimundo, proporcionando melhores condições de vida Por sua vez, os objetivos específicos do Programa são: i) melhorar as condições ambientais e de saúde na área de intervenção do Programa, por meio da reabilitação e implantação de sistemas de drenagem, abastecimento de água e recuperação ambiental das áreas inundáveis e nascentes; ii) melhoria das condições habitacionais da população da área de intervenção do Programa, por meio do ordenamento urbano, regularização da propriedade, implantação de áreas dispersas de lazer e educação ambiental e sanitária; e iii) prosseguimento do fortalecimento das instituições envolvidas e capacitação junto às comunidades para assegurar a sustentabilidade dos financiamentos As intervenções do PROSAMIM III priorizaram a Bacia do Igarapé do São Raimundo (BISR) por sua alta densidade populacional, vulnerabilidade geológica e interferências do regime de cheias do Rio Negro sobre a Bacia. Os resultados previstos, decorrentes das intervenções do Programa são: i) reassentamento as famílias que ocupam as áreas de inundação natural devido às chuvas torrenciais e as cheias do Rio Negro; ii) a recuperação das margens dos igarapés, com estabilização dos taludes, revegetação e implantação de ciclovias e pistas de caminhada; iii) reflorestamento com espécies de floresta de igapó e criação de parques, áreas verdes e estruturas de recreação; iii) implantação de sistema de abastecimento de água com conexões domiciliares, instalação de hidrômetros, rede nova e recuperação da

7 5 rede existente; iv) sistema de coleta e tratamento de esgoto, com rede coletora, coletores tronco, estações elevatórias e seus emissários de recalque, alem da recuperação e ampliação da Estação de Pré-condicionamento (EPC) de Educandos e recuperação do emissário subfluvial; vi) sistema de microdrenagem com implantação de rede em locais com novos trechos viários e macrodrenagem com desobstrução do leito do Igarapé de São Raimundo e implantação de canais e galerias; vii) implantação de novas vias e reestruturação de vias existentes; y viii) construção de unidades habitacionais. II.3. Componentes do Programa Na estruturação do PROSAMIM III foram estabelecidos dois componentes, de acordo com a natureza das intervenções. O primeiro componente inclui as obras de infraestrutura e, o segundo, contempla ações institucionais de fortalecimento de entidades públicas e intervenções para o desenvolvimento comunitário. Componente 1: Melhoria ambiental, urbanística e habitacional Neste componente estão incluídas as obras necessárias para: i) recuperação da função de drenagem dos igarapés; ii) reordenamento urbano e o reassentamento das famílias afetadas pelas obras; iii) utilização dos espaços recuperados para uso público e melhoria da circulação no centro da cidade; e iv) serviços de água, esgoto e coleta de lixo para a população reassentada e a que habita a Bacia Para a implantação dessas obras foram considerados os sub-componentes apresentados a seguir. Sub-componente Macro e Microdrenagem Contempla a implantação de galerias e coletores pluviais, construção e adequação de canais, proteção das margens e áreas de cabeceira dos igarapés. Sub-componente Reordenamento Urbano e Reassentamento Contempla a implementação de soluções habitacionais para a população residente nos igarapés, que vive sob risco de inundações, e a população diretamente afetada pelas obras do Programa, além da regularização fundiária das propriedades das áreas vizinhas aos igarapés e a melhoria e ampliação de infraestrutura para oferta de serviços básicos à população. Este sub-componente deverá contemplar, também, a acessibilidade a deficientes nas áreas pública 2. Sub-componente Parques e Vias Urbanas Contempla a construção de parques urbanos nas áreas recuperadas dos igarapés que integram as bacias hidrográficas de Manaus e a construção de trechos de vias urbanas, para melhorar a circulação na área de abrangência do Programa. Além da recuperação dos ecossistemas, estas intervenções evitam a reocupação das margens dos igarapés e facilitam a manutenção das estruturas hidráulicas. Da mesma forma que no componente anterior, este também deverá contemplar medidas de acessibilidade a deficientes. Sub-componente Infraestrutura Sanitária Contempla os investimentos em serviços de água potável e esgotos para as populações reassentadas e remanescentes nas áreas de influência da bacia hidrográfica. 2 Recomendação da Auditoria Socioambiental do Programa realizada pelo Banco.

8 6 Componente 2: Sustentabilidade Social e Institucional Este componente contempla a melhoria da capacidade operacional e de gestão dos órgãos envolvidos na execução do Programa e a posterior operação e manutenção das obras, alem da promoção da efetiva participação da comunidade no estabelecimento de condições necessárias à sustentabilidade das ações do Programa As atividades deste componente, que inclui participação comunitária, comunicação social e educação ambiental e sanitária, ocorrerão de forma integrada e obedecendo a uma rotina de procedimentos do Sistema de Gestão Ambiental e Social Integrada do Programa podendo, também, contar com o apoio de ONGs locais para implementação dos sub-componentes apresentados a seguir. Sub-componente Participação Comunitária Estabelecido para apoiar o envolvimento ativo das comunidades afetadas direta e indiretamente pelo Programa, com o objetivo de incorporar os sentimentos e preocupações da sociedade na formatação das intervenções e possibilitar a gestão futura das áreas reabilitadas. A participação da comunidade é assegurada em todo o ciclo do Programa, isto é, do planejamento à operação. O processo participativo conta com o modelo de gestão compartilhada concebido especificamente para o Programa e detalhado no Plano de Sustentabilidade Socioambiental do PROSAMIM (PSSA) (Tomo II, Grupo I dos Estudos e Projetos Básicos Avançados do igarapé do São Raimundo e seus Afluentes). Sub-componente Comunicação Social Este sub-componente foi estabelecido de modo a garantir ampla divulgação do Programa por meio do Plano de Comunicação Social PCS, que prevê a manutenção de portal na internet (www.prosamim.am.gov.br) e o atendimento ao público nos Escritórios Locais de Gestão Compartilhada ELOs. Sub-componente Educação Ambiental e Sanitária Diz respeito às ações voltadas à conscientização das populações atingidas sobre os benefícios do Programa, uso e manutenção adequados da infra-estrutura e ao pagamento pelos serviços básicos recebidos (água, esgoto e energia elétrica). O detalhamento das ações consta no Capítulo 5. Proposta Técnica de Trabalho: Educação Ambiental e Sanitária do PSSA. Sub-componente Reassentamento de Famílias Contempla o reassentamento da população residente nos igarapés e que vive sob risco de inundações e da população diretamente afetada pelas obras do Programa. Tem como suporte técnico o PER - Plano Específico de Reassentamento Involuntário de População e Atividades Econômicas Igarapé do São Raimundo, estruturado com base em 15 diretrizes expressas no referido Plano O PER está de acordo com a legislação e as diretrizes do Governo do Estado do Amazonas e a Política do BID sobre o Reassentamento Involuntário (OP-710). Sub-componente Desenvolvimento Institucional Este sub-componente diz respeito ao financiamento de projetos destinados à melhoria da

9 7 capacidade da instituições estaduais e municipais 3 nas seguintes áreas: capacitação de pessoal; consultoria; cursos; visitas técnicas; otimização, melhoria e ampliação da capacidade de gestão; fiscalização e manutenção da infraestrutura instalada pelo Programa; melhoria de sistemas de informação através de novos equipamentos; e ampliação das ações de Educação Ambiental e Sanitária. O Plano de Fortalecimento Institucional - PFI elaborado para o Programa contempla as demandas de 15 entidades parceiras. O fortalecimento da integração institucional é fundamental para que as obras do PROSAMIM tenham solução de continuidade 4. III. PROSAMIM III III.1. Estratégias de Requalificação Urbanística e Recuperação Ambiental para a Bacia do São Raimundo 3.1. A Bacia do São Raimundo ocupa uma área de ,80 ha, abrigando atualmente habitantes dos quais residem em áreas ribeirinhas. Deste total, cerca de habitantes, correspondentes a aproximadamente famílias, residem abaixo da cota 30,00m, em situação de alto risco, sujeitos anualmente as mazelas causadas pela cheia do Rio Negro A Sub-Bacia do Igarapé São Raimundo, pertencente à Bacia do São Raimundo, definida como área de intervenção prioritária do PROSAMIM III, situa-se na confluência com o Rio Negro, em uma zona histórica e comercial da cidade de Manaus. Possui extensas margens e áreas de inundação abaixo da cota 30,00m e encontra-se densamente ocupada (92 hab/ha) por população de baixa renda, com alta vulnerabilidade social. As intervenções propostas se integram a outras ações do PROSAMIM na Bacia do São Raimundo. III.2. Caracterização da Área de Intervenção 3.3. A área de intervenção, com aproximadamente 530 ha, situa-se ao longo do Igarapé São Raimundo, com cerca de 2km de extensão, posicionado-se entre a Avenida Kako Caminha e a Ponte Fábio Lucena. No limite Leste, está localizada a Avenida Constantino Nery e o Centro e, a Oeste, a Orla do Rio Negro e a Avenida Presidente Dutra. É composta por cinco bairros localizados nas margens do Igarapé São Raimundo: Aparecida, São Raimundo, Glória, Presidente Vargas e Centro. Prevê-se, para esta área, remoções (Figura N o 2) A implantação das obras deverá ocorrer em duas áreas distintas: i) Área 1- Margem Esquerda; e ii) Área 2 Margem Direita. Poligonal de Perímetro Margem Esquerda 3.5. Na Margem Esquerda, a poligonal inicia-se na cabeceira da Ponte Senador Fábio Lucena (Bairro Centro) e se estende por 100,00m no sentido Leste. Passa pelo fundo da área do Centro Estadual de Convivência do Idoso, no final da Rua Ramos Ferreira, e prossegue pelos fundos de áreas de galpões comerciais, até chegar à margem esquerda do Igarapé Belchior. A partir deste ponto segue em direção a montante do Igarapé Belchior (sentido Nordeste) e paralelamente a Rua Ramos Ferreira, percorrendo uma extensão de 440,00m por fundos de lotes predominantemente residenciais, até chegar à Rua Luis Antony, entre as Ruas Leonardo Malcher e Simão Bolívar. 3 Os Governos Estadual e Municipal assinaram Convênio de Cooperação Mútua para execução do PROSAMIM, que compreende a realização de obras e a posterior gestão das áreas ambientalmente recuperadas e urbanisticamente requalificadas. Entre os objetivos do Convênio está o fortalecimento das instituições públicas envolvidas nestes processos, visando a sustentabilidade do Programa. 4 Recomendação da Auditoria Socioambiental do Programa realizada pelo Banco.

10 Ao chegar à Rua Ramos Ferreira cruza o Igarapé Belchior e se desenvolve pela sua margem direita em direção ao Igarapé São Raimundo, percorrendo uma distância de 415,00m nos fundos de lotes, até encontrar o final da Rua Leonardo Malcher. A partir desse ponto, segue paralelamente ao Igarapé São Raimundo, passando pelo campo de futebol, pelo SERPRO e pelo terreno do Exército, até chegar à área da várzea do Igarapé Castelhana, percorrendo uma extensão de 250,00m. Figura N o 2: PROSAMIM III Área de Intervenção. Fonte: Subcoordenadoria Setorial de Engenharia- PROSAMIM 3.7. No Igarapé Castelhana, prossegue por uma extensão de 500,00m, pela sua margem esquerda, até a Av. Constantino Nery na região do Terminal Rodoviário T1. Na proximidade deste a envoltória divide-se em duas áreas distintas, que cobrem as calhas dos Igarapés Castelhana e seu afluente até a Rua Ferreira Pena. Já na margem direita do Igarapé Castelhana, junto a Av. Constantino Nery, avança pela região da Fábrica Jutal, segue na direção Sudoeste até o muro de fechamento da fábrica, percorre o alinhamento do muro na direção Oeste por 35,00m até o final do beco, prosseguindo então no alinhamento da Rua da Paz por 180,00m, até a Rua da Serraria. Segue, a partir daí em direção ao Norte por 50,00m até a Rua da Legião, percorre 15,00m na direção Nordeste até o outro bordo da Rua da Legião, segue por 120,00m na direção Noroeste, passando pelos fundos dos lotes até o inicio do Beco da Serraria, atravessa a Rua Santa Luzia e passa pelos fundos dos lotes da Avenida Barcelos, percorrendo 70,00m na direção Nordeste e segue por mais 15,00m na direção Norte atravessando a Avenida Barcelos. Segue, a partir dessa avenida por 85,00m na direção Oeste

11 9 até encontrar-se com a Rua B, continua por 105,00m na direção Norte até o final desta rua, segue na direção Noroeste por 40,00m até o Beco Bragança e por mais 70,00m para atravessar o Beco Boa Sorte, seguindo pelo alinhamento das casas no beco de acesso Na direção norte percorre 95,00m até a Rua Boa Sorte, seguindo então por 96,00m na direção Oeste até a Rua Walter Rayol, e para o norte pelo alinhamento da rua até a Avenida Álvaro Botelho Maia, percorrendo 55,00m na direção Sudoeste, seguindo, então, pelo alinhamento da ponte por 195,00m até o eixo do Igarapé do São Raimundo. Poligonal de Perímetro Margem Direita 3.9. Na margem direita, a poligonal parte do ponto situado na cabeceira da Ponte Kako Caminha no extremo Noroeste da área no Bairro da Glória, prossegue pela Av. Presidente Dutra percorrendo uma distância de 447,00m e faz uma ligação com a Rua 5 de Julho seguindo 187,22m sentido Sudoeste, lateralmente a face dos lotes voltados para rua. Dai segue no sentido Sul faceando a frente dos lotes por 129,55m, alcançando a rua Osvaldo Cruz onde se desenvolve por mais 217,03m e cruza as Ruas José dos Inocentes, Rua da Glória, Rua 23 de Junho, Rua Vitória, Rua São Francisco e Rua São Bento. Prossegue pela Rua Osvaldo Cruz por 127,17m até o seu final, sentido Sudoeste, cruzando as Ruas São Francisco e São. A partir dai no sentido Sudoeste cruza os lotes a Oeste a 214,78m, passando pelo Beco do Livramento, Rua Sul América e Rua Sul América I. Prossegue a Noroeste cortando os fundos dos lotes e cruzando a Rua Acrisio Correa e passa pelo final da Rua Antonio Bitencurt até atingir a Av. Presidente Dutra. Na direção Oeste, se desenvolve por 156,31m, passando pelo fundo de lotes e cruzando o Beco Graça Thiago. A partir desse ponto, segue no sentido Sudoeste a 254,75m, passando por frente e fundos de lotes compreendidos entre as Ruas Rio Branco e Rua Amazonas, de onde prossegue por 26,25m no sentido Sul. Prossegue no sentido Noroeste cruzando os lotes situados nas adjacências do Beco São Sebastião e a Rua Rio Branco por 214,55m, até atingir a Rua do Rosário e, dai, a Leste lateralmente à Rua das Cacimbas por uma extensão de 170,34m, onde se direciona ao Sul, por cerca de 105,70m pela Av. Presidente Dutra, faceando a frente dos lotes. Pelos fundos dos lotes do Beco Normando se desenvolve por 118,44m até alcançar o final do Beco Normando I, percorrendo 49,48m em sentido Sudoeste pelo mesmo beco. Prossegue a Sudoeste cruzando o fundo dos lotes situados no Beco São Francisco. Dai, segue a Noroeste pela Rua São Francisco percorrendo uma distância de 86,79m até alcançar a Rua Adriano Jorge, prosseguindo 120,65m pela Rua Adriano Jorge no sentido Sul faceando os lotes situados na mesma rua e cruzando os fundos de lotes entre a Rua Padre Francisco e Rua 5 de Setembro. O fechamento se dá através da Ponte Fábio Lucena à 243,23m no sentido Sudeste, onde alcança o ponto de partida, na cabeceira na Ponte Fábio Lucena já na margem esquerda do Igarapé São Raimundo. III.3. Principais Projetos Contemplados Urbanização da Orla A urbanização da orla tem como objetivo a requalificação urbanisticamente de toda a margem do Igarapé do São Raimundo, tornando-a uma área de lazer e contemplação e facilitando a mobilidade urbana e acessibilidade O Programa contempla 4,31km de urbanização da Orla, sendo 2,20km para a margem esquerda, incluindo muros de contenção, ciclovias, pista de caminhada, passeios, mobiliário urbanos, paisagismo, iluminação ornamental e outros Como Amostra do Programa estão sendo considerados 1,00km de urbanização de orla.

12 10 Esgotamento Sanitário O esgotamento sanitário será implantado em toda sub-bacia do Igarapé São Raimundo, possibilitando a conexão ao sistema de todas as edificações e prédios nela existentes. A solução proposta para o Sistema de Esgotamento será a de redes de coleta, complementada com redes de fundo de lote, obras complementares e ligações domiciliares. Está previsto a implantação de aproximadamente 55,00km de rede coletora, 1,8km de interceptores, 11 mil ligações domiciliares e 7 Estações Elevatórias O destino final dos efluentes é a Estação de Pré-Condicionamento do Educando (EPC do Educandos), que será recuperada e ampliada para permitir a sua adequação ao sistema, conforme já previsto no Plano Diretor de Esgoto da Área Urbana da Cidade de Manaus A Amostra do Programa contempla 12km de rede coletora com diâmetro de 150mm, distribuídos em 4 sub bacias, ligações domiciliares e 2 Estações Elevatórias O monitoramento da qualidade da água será realizado por meio de programa específico (Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas (PMQA) página 43 deste relatório). Sistema de Drenagem A solução proposta para a macrodrenagem do Igarapé São Raimundo é a desobstrução/desocupação total do seu leito, com a remoção de palafitas, detritos, desassoreamento e outras interferências. Para os Igarapés e drenagem existentes na área de intervenção direta das obras, serão projetados canais abertos e galerias, com extensão total de 2,49km de canais e galerias com seção de 2,50m x 2,50m Por sua vez, os projetos de microdrenagem serão implantados em todas as áreas a serem urbanizadas, estando previsto aproximadamente 27,58km de coletores pluviais A Amostra do Programa contempla 569,00m de intervenção de macrodrenagem, sendo 342,00m de canais fechados com seção máxima de 1,50m x 1,50m e 227,00me de canais abertos com seção máxima de 4,00m de base e 1,50m de altura. Para as intervenções de microdrenagem, foram projetados 4,15km de redes coletoras, conectadas a galerias ou canais principais. Sistema Viário O projeto de sistema viário visa a ligação viária entre locais e regiões que, por sua condição atual, propiciará a otimização da mobilidade no entorno das áreas contempladas pelo Programa. Serão implantados aproximadamente 5.390,00m de vias locais. Para a margem esquerda serão 1.405,00m de vias locais e 901,00m de vias internas das quadras bairro, totalizando, aproximadamente, 2.306,00m A Amostra do Programa contempla 0,58km de vias incluindo 385,00m de viário urbano, compreendendo a ligação entre a Rua Ramos Ferreira e Rua Leonardo Malcher, e 190,00m de viário da Quadra Bairro Aparecida 4. As vias locais para veículos automotores têm o objetivo de conectar o projeto a malha viária existente e servir de acesso à Quadra Bairro projetada. Parque Urbanos e Praças Definidos nas margens dos igarapés e ao longo de toda a orla do Igarapé São Raimundo, junto às áreas de preservação permanente, têm a função de requalificação urbanística e ambiental de todo o complexo urbano, proporcionando espaços úteis de lazer, esporte e

13 11 contemplação à comunidade manauara No planejamento dessas áreas foram consideradas as características de relevo, vegetação e alinhamento do curso d água para a implantação de passeios, escadas, rampas, passarelas para transposição do igarapé, bancos, mesas para jogos e brinquedos de recreação infantil O projeto contempla a implantação de aproximadamente m² de parques lineares, dos quais aproximadamente m² estão previstos para a margem esquerda A Amostra do Programa contempla m², conforme descrito a seguir Parque Linear Igarapé Castelhana, implantado em uma área de m², estará localizado entre a Avenida Constantino Nery e a Rua Ferreira Pena e Beco Messias, no Centro da cidade de Manaus. Foram reservados espaços para a implantação de lazer interno como equipamentos de recreação infantil e áreas de estar Parque Linear Afluente do Igarapé Castelhana, a ser implantado em uma área de 4.300m², em um pequeno afluente do Igarapé Castelhana, estará localizado entre a Avenida Constantino Nery e a Rua Ferreira Pena, no Centro da Cidade de Manaus. O Parque se destinará à criação de espaços de lazer e a integração da comunidade local, dotado de passeios, áreas de jogos, áreas de estar e recreação infantil Parque Linear Igarapé Belchior, apresenta uma área de aproximadamente 8.900m². Por ser uma área de fundo de lote, foi previsto um parque fechado, com guarita e administração, visando à segurança e a manutenção. É composto por áreas de esporte, lazer e convivência, como:] áreas de ginástica e recreação infantil, trilha nos bosques existentes, ponto de venda, passeios, espaço para viveiro, palco e espaço-escola ao ar livre, sanitários e áreas de estar Parque da Cultura Amazônica, apresenta uma área de aproximadamente m². O Parque da Cultura Amazônica terá a missão de exaltar alguns dos aspectos mais significativos em termos de fauna, flora, canto e dança e estará localizado no bairro da Glória, onde vive uma porção desta cultura. Reassentamento e Habitação Estão previstas no Plano Especifico de Desapropriação, Reassentamento Involuntário de População Atingida e Atividades Econômicas (PER) diferentes formas de atendimento. Uma das premissas de maior peso é a orientação para que haja opção de atendimento nas proximidades da área de intervenção para aqueles que no cadastro sócio-econômico assim optaram. Quadras-Bairro As Quadras-Bairro são previstas em atendimento ao Plano de Reassentamento, para a condição de escolha de unidade habitacional em conjunto habitacional O Programa contempla a implantação de 6 Quadras-Bairros assim distribuídas: i) Quadra Bairro 01 - Presidente Vargas, com 390 unidades; ii) Quadra Bairro 02 Luiz Antony, com 246 unidades; iii) Quadra Bairro 03 Aparecida, com 42 unidades habitacionais; iv) Quadra Bairro 04 Aparecida, com 156 unidades habitacionais; v) Quadra Bairro 05 Glória, com 156 unidades habitacionais; e iv) Quadra Bairro 06 São Raimundo, com 252 unidades habitacionais. No total, são unidades habitacionais As Quadras-Bairros são compostas por Blocos (prédios) com 6 e 12 unidades habitacionais cada,

14 12 com 3 pavimentos e as demais obras de infra-estrutura necessárias a sua implantação. Em atendimento à legislação vigente quanto a recuos, gabarito, taxa de ocupação e coeficiente de aproveitamento, são previstas áreas verdes permeáveis, alem de espaços de lazer e convivência A Amostra do Programa contempla a implantação das Quadras-Bairro 3 e 4 - Aparecida (Figura N o 3), em uma área de m², com obras de infra-estrutura viária, micro-drenagem, abastecimento de água, rede de esgotamento sanitário, iluminação pública e urbanização. Está sendo considerado para as referidas Quadras a implantação de 198 unidades habitacionais, distribuídas em 33 blocos de 3 pavimentos, com 6 unidades habitacionais cada e área total construída de 9.504,00m². Figura N o 3: Quadra Bairro 4 - N.S. Aparecida. Fonte: Subcoordenadoria Setorial de Engenharia- PROSAMIM Para a implantação, serão utilizados blocos com 3 pavimentos e 2 unidades habitacionais por pavimento, totalizado 6 unidades por bloco. Também poderão ser implantados blocos isolados (1 de 6 un.) ou conjugados (2 de 6 un. justapostos). Cada unidade habitacional resultante tem área total aproximada de 48,00m² e área útil de 42,29m². A área total por blocos de 6 unidades é de 288,00m². Tipologia Habitacional A unidade habitacional atende aos quesitos da legislação vigente em área, círculo inscrito, ventilação e iluminação. A solução funcional encontrada é composta, a partir de um padrão médio familiar, por dois quartos, sala, cozinha, área de serviço e banheiro, à semelhança das soluções adotadas pelo PROSAMIM nas etapas anteriores Cada bloco tem 3 pavimentos e 2 unidades habitacionais por pavimento, totalizado 6 unidades por bloco. Poderão ser implantados blocos isolados (1 de 6 un.) ou conjugados (2 de 6 un. justapostos). Cada unidade habitacional resultante tem área total aproximada de 48,00 m² e área útil de 42,29 m². A área total por blocos de 6 unidades é de 288,00m². Recuperação Ambiental - Reflorestamento A proteção ambiental da calha do igarapé São Raimundo cumpre a diretriz da macrodrenagem de manter o ciclo hidrológico da Bacia do São Raimundo, alem de

15 13 requalificar a área ocupada pelo espelho d água quando ocorre a cheia do Rio Negro, indispensável ao paisagismo e turismo local Para isso torna-se fundamental a revitalização das APPs, com recomposição vegetal com espécies de Floresta de Igapó, possibilitando o retorno da fauna aquática, terrestre e avifauna e a neutralização do crescimento de vegetação herbácea de alto conteúdo de biomassa Na composição prevista, a implantação da Floresta de Igapó estará associada a trechos abertos, para apreciação da paisagem, criando, portanto, dois conjuntos: um de porte arbóreo médio a grande; e outro de pequeno porte, de espécies arbustivas e rasteiras São previstos m² de reflorestamento, sendo m² para a margem esquerda A Amostra do Programa contempla m² de reflorestamento com o plantio de mudas das seguintes espécies: Cueira, Sumaúma, Faveira, Tapereba, Buriti, Açaí, Munguba, Ingá de Várzea, Andiroba, Tapia, Caçari, Ourana Folha Grossa e Mata Pasto. Energia e Iluminação Pública O Programa prevê a expansão, ampliação e melhorias da infra-estrutura existente, incluindo a iluminação pública local com substituição de luminárias e deslocamento de ramais, quando necessário A Amostra do Programa contempla ações de melhoramento, em função das obras implementadas pelas intervenções urbanas. III.4. Quantitativos das Principais Obras Os quantitativos dos principais itens de obras, são apresentados na Tabela N o 1. Tabela N o 1: Quantitativos dos Principais Itens de Obras DESCRIÇÃO 1 Macrodrenagem e Microdrenagem. Quantitativo* Total Amostra 1.1 Macrodrenagem (m) 2.491,00 569, Coletores de Águas Pluviais (m) , ,00 2 Reordenamento Urbano e Reassentamento. 2.1 Unidades Habitacionais (und) 1.242,00 198, Infraestrutura Habitacional (m²) , ,00 3 Parques e Vias Urbanas 3.1 Sistema Viário (m) 5.390,00 600, Parques Urbanos e Praças (m²) , , Urbanização da Orla (m) 4.310, , Reflorestamento (m²) , ,00 4 Sistema de Esgotamento Sanitário 4.1 Redes Coletoras de Esgoto (m) , , Interceptor (m) 1.800, Ligações Domiciliares (UH) , , Estação Elevatória de Esgoto (UH) 7,00 2, Adequação da EPC Educandos (UH) 1, Adequação do Emissário Subfluvial (UH) 1,00 - *Valores em R$

16 O custo total previsto das obras é de R$ ,40 (US$ ,93), ao câmbio de US$1,50. O custo total das obras da Amostra é de R$ ,74 (US$ ,82), ao câmbio de US$1,50 5. IV. CARACTERIZAÇÃO DA BACIA DO IGARAPÉ DO SÃO RAIMUNDO IV.1. Contexto 4.1. A Bacia Hidrográfica do São Raimundo, inserida na área urbana de Manaus, abrange 16 bairros, estendendo-se da zona norte até a zona central da cidade e limitando-se com o Rio Negro. Os seus principais integrantes são: i) o igarapé dos Franceses, que está situado na zona centro-oeste e drena os bairros Alvorada I, Alvorada II, D. Pedro I e D. Pedro II; ii) o igarapé Bindá, que tem sua nascente na zona norte e percorre os bairros Cidade Nova, Parque 10 de Novembro e União; iii) o igarapé do Mindu, que é o principal tributário do igarapé São Raimundo e o mais extenso curso d água e tem uma de suas nascentes localizada na zona leste, nas proximidades do Jardim Botânico Adolpho Ducke. Este igarapé cruza a cidade no sentido nordeste-sudoeste, percorrendo e delimitando os bairros Jorge Teixeira, Tancredo Neves, Cidade Nova, Aleixo, Parque 10 de Novembro, N.S. das Graças e São Geraldo, a partir do qual passa a ser denominado igarapé da Cachoeira Grande, seguindo pelo bairro São Jorge até a confluência com o igarapé do Franco. A partir daí, até a sua foz no rio Negro, passa a ser denominado igarapé de São Raimundo. Além destes, os igarapés da Sapolândia (Alvorada), do Bombeamento (Compensa), de Santa Tereza e Nova Esperança (bairro de mesmo nome) também ganham destaque na constituição dessa Bacia A urbanização dessa Bacia se caracterizou basicamente pela ocupação popular não planejada, sobretudo invasões, a partir do Centro Histórico de Manaus, forçando, posteriormente, o aporte de infraestrutura básica Atualmente, em decorrência do crescimento demográfico, da saturação imobiliária nas áreas ao sul, leste e centro da cidade, da estruturação de rede comercial sólida e diversificada nos bairros, das melhorias na mobilidade com a ampliação do anel viário Grande Circular (interligando as zonas leste e norte) e, mais recentemente, da ampliação na oferta de empregos gerada com a instalação de indústrias de grande porte na rodovia Torquato - Tapajós 6, os bairros situados no perímetro de abrangência da bacia do São Raimundo passaram a ser considerados como pólos de expansão econômica e, por conseguinte, ser objeto de planejamento integrado do Governo do Estado, sobretudo nas áreas de saúde, educação, abastecimento, moradia e segurança Geomorfologicamente a Bacia do São Raimundo se caracteriza por relevo ondulado, com desníveis acentuados em toda sua extensão e áreas escarpadas nas proximidades da orla do rio Negro. Os solos são pouco ou mal consolidados, constituindo pacotes sedimentares de grande amplitude O sistema de drenagem da Bacia caracteriza-se pela predominância de padrão dendrítico - retangular, com canais principais bem definidos, encaixados em vales pouco abertos, com exceção da foz igarapé do São Raimundo. A capacidade de transporte desses cursos d água é elevada, em decorrência dos desníveis verificados entre as nascentes e as desembocaduras, resultando em trechos encachoeirados, onde afloram arenitos da 5 Referência: maio de Corredor viário que interliga as zonas centro e norte de Manaus, prosseguindo em direção aos municípios Rio Preto da Eva e Itacoatiara, após entroncamento para a rodovia BR 174 AM/RR.

17 15 Formação Alter do Chão (Arenito Manaus). Em decorrência da combinação dos atributos naturais (relevo/solo/drenagem) com a ocupação desordenada transformou esta bacia na maior detentora de áreas de risco geotécnico de Manaus A qualidade das águas está bastante comprometida, como ocorre nas demais bacias hidrográficas de Manaus, devido ao despejo de resíduos sólidos e efluentes domésticos e industriais. Com relação às indústrias, os vários empreendimentos ocorrem ao longo do igarapé, sem uma setorização, o que dificulta e onera o tratamento dos resíduos e efluentes antes de sua destinação final. As indústrias existentes estão dispersas e concentradas ao Norte e se caracterizam, basicamente, por empreendimentos de pequeno a médio porte como panificadoras, serralherias, serrarias, fábricas de vestuário e alguns estaleiros nas proximidades da foz do igarapé São Raimundo Na Bacia também merecem destaque os empreendimentos da AmBev (cervejarias), localizado na zona Centro-Sul, margens do igarapé dos Franceses (Avenida Constantino Nery) e a Cervejaria Miranda Correa, no bairro N.S. Aparecida, importante por seu conjunto arquitetônico datado do início do século XX O setor de serviços e o comércio (varejista e atacadista) caracterizam economicamente a Bacia do São Raimundo. Dentre as atividades de prestação de serviços, as oficinas mecânicas automotivas e postos de combustíveis, presentes em larga escala em todos os bairros da Bacia, ganham destaque pelos danos ao meio ambiente. Não obstante o rigor da legislação ambiental e a cobrança dos órgãos fiscalizadores quanto à destinação de óleos e graxas, recipientes usados de derivados petroquímicos e de águas residuárias, é possível detectar a presença de rejeitos provenientes dessas atividades em encostas e leitos dos igarapés, bem como de óleos e graxas nas águas. Polarizadas pelo Porto Fluvial de Manaus e pelo porto flutuante do São Raimundo (travessia Manaus - Iranduba), inúmeras oficinas navais e pequenos estaleiros se localizam nas proximidades e na foz do São Raimundo, dividindo espaço com serrarias, industrias de bebidas e a Termoelétrica de Aparecida Sete grandes unidades de saúde para atendimento de pequena a alta complexidade localizam-se na Bacia, todas com sistema isolado de tratamento de esgotos sanitários e coleta de resíduos hospitalares A atividade comercial nos bairros que integram a bacia é intensa e variada, destacando-se três dos quatro grandes shoppings de Manaus, situados na área de influência direta do igarapé do Mindu: Amazonas Shopping; Manaus Plaza; e Millenium Festival Mall, às margens deste curso d água O segmento habitacional também se destaca pelo uso de áreas marginais aos igarapés, com a multiplicação vertiginosa da implantação de unidades multifamiliares em áreas de preservação permanente na bacia do São Raimundo, sobretudo ao longo dos igarapés dos Franceses e Mindu. Há que se destacar, ainda, a concentração de bares e restaurantes em conjuntos habitacionais Finalmente, há que se notar o risco de danos à saúde decorrente da captação de água por poços profundos na Bacia do São Raimundo, prática esta motivada pela deficiência do sistema de distribuição e pela cultura do uso gratuito, utilizada tanto para o abastecimento doméstico como para atividades industriais e de serviços. Na Bacia, onde se encontra a maior concentração de balneários e complexos desportivos e de lazer da área urbana que utilizam amplamente os mananciais hídricos subterrâneos para abastecimento próprio, notadamente piscinas, cozinhas, bares e instalações sanitáriassão, os usos não consutivos merecem atenção diferenciada, quer pela precariedade do sistema de tratamento de

18 16 esgotos, quer pelo potencial de contaminação dos lençóis subterrâneos com a abertura indiscriminada de poços e cacimbas. Considerando ainda que o esgotamento doméstico que prevalece em toda a cidade é do tipo fossa sumidouro e que a bacia do São Raimundo é a mais extensa e diversificada quanto à ocupação, essa questão deve merecer maior atenção por parte do Poder Público. IV.2. Área Diretamente Afetada Foi considerada como Área Diretamente Afetada (ADA) do Programa, o perímetro do trecho entre a Avenida Kako Caminha e a foz do igarapé São Raimundo, no rio Negro, respeitandose o mínimo de 50 metros de distância das margens, medidos da máxima cheia, conforme preceitua o Código Ambiental de Manaus (Lei 605/2001). A ADA totaliza aproximadamente 530 ha, com cerca de 2 km de extensão, limitada a leste pela Avenida Constantino Nery e o Centro, e a oeste pela orla do Rio Negro e a Avenida Presidente Dutra, abrangendo cinco bairros localizados nas margens dos igarapés: N.S. Aparecida, São Raimundo, Glória, Presidente Vargas e Centro. IV.3. Área de Influência Indireta Foi considerada como Área de Influência Indireta (AII) do Projeto toda a extensão de terra ou lâmina d água situada fora do perímetro de intervenção das obras do PROSAMIM III, mas que possa ser utilizada para programas específicos como reassentamento (construção de novas unidades habitacionais), descarte de resíduos, jazidas (areia; saibro) e nascentes que possam ser objeto de intervenção pelo Programa. V. DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL DA ÁREA V.1. Caracterização Socioeconômica População Beneficiária do PROSAMIM 5.1. No trecho do São Raimundo, objeto do PROSAMIM III, foi identificado domicílios com famílias cadastradas perfazendo pessoas diretamente beneficiadas. No que se refere à forma de ocupação 54% famílias se identificaram como proprietário, sendo as demais caracterizadas na condição de cedido ou inquilino. Por sua vez, com relação ao uso do imóvel, 92% ocupam seus imóveis com fins residenciais, 3% para fins comerciais, menos de 1% são ocupados por igrejas e 5% são utilizados com finalidades mistas No que diz respeito ao tempo de moradia no local, apesar da ocupação ter se dado na metade do século passado, apenas 34% residem na área a mais de duas décadas e a maior parte da população está na área a pouco mais de cinco anos Na área a ser trabalhada, foram identificados domicílios, nos quais a predominância de famílias chefiadas por mulheres é de 62%. Nestes domicílios tem-se uma população chefe de família majoritariamente adulta de 5.740, dos quais 82% encontram-se na faixa de 21 a 60 anos, 14% tem mais de 61 anos e apenas 4% dos chefes de família têm idade entre 15 a 20 anos Prevê-se, para a implantação do Programa, a remoção de famílias. Cobertura de Equipamentos e Serviços 5.5. Na área de abrangência do Programa, no trecho compreendido entre a Ponte Kako Caminha e a foz do Igarapé do São Raimundo, existe uma boa cobertura para a educação, com 39

19 17 escolas e 02 universidades mas um déficit na área de segurança e na cobertura do equipamento creche para atendimento a crianças de zero a três anos, sobretudo quando se considera o número de chefes de família do sexo feminino. Há que se considerar, ainda, como um indicador importante para priorizar a implantação dos equipamentos sociais na área, que 10% das pessoas que responderam ao cadastro sentiram falta de creches. Existe também um déficit na área de segurança. O Quadro N o 1, apresenta uma síntese da cobertura dos equipamentos e serviços. IV.2. Caracterização Urbanística Geral Condições de Habitação 5.6. A maioria das residências é do tipo palafita com um pavimento, construída próxima ou no próprio leito dos igarapés. Estas, juntamente com as demais formas de ocupação que apresentam melhor condição construtiva, não atingem os parâmetros definidos pelo Plano Diretor de Verticalização Média na Unidade de Estruturação Urbana (UES) Centro e Verticalização Alta no Corredor Boulevard. Quadro N o 1: Síntese dos equipamentos e serviços no trecho compreendido entre a Ponte Kako Caminha e a foz do Igarapé do São Raimundo. EQUIPAMENTOS DE EDUCAÇÃO QUANTIDADE Escolas Municipais 4 Escolas Estaduais 16 Escolas Particulares 14 Universidades 1 Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas CEFET 1 Unidade de Educação Francisco Garcia (CRECHE 1 Centro de Analise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI 1 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI 1 TOTAL 39 EQUIPAMENTOS DE SAÚDE Centro de Saúde 01 Centro de Atenção a Melhor Idade CAIMI 01 Unidade Básica de Saúde UBS 05 Unidade Básica de Saúde da Família UBSF 04 Serviço de Pronto Atendimento SPA 01 Policlínica 01 Hospital Particular 01 Fundação Nacional de Saúde 01 TOTAL 15 ENTIDADES RELIGIOSAS Igreja Católica 12 Igreja Evangélica 42 Centro Espírita 01 TOTAL 55 ÁREA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Entidades Estaduais 02 Entidades Municipais 04 Entidades Particulares 01 Entidades Religiosas 03 ONG s 03

20 É interessante notar que análise do impacto dessas ocupações subnormais, no que se refere aos indicadores de conforto ambiental urbano nas áreas vizinhas como temperatura e ventos, concluiu que a ocupação dos trechos mais baixos (próximos aos corpos d água) por palafitas, em sua maioria dotadas de coberturas de amianto, tem impacto considerável no incremento da temperatura dos bairros vizinhos. Sistema Viário 5.8. A Bacia conta com aproximadamente 17,50km de vias asfaltadas, sendo 1,60km posicionados abaixo da cota 26,96m (correspondente à cheia máxima do rio Negro - datum IBGE). Nas proximidades dos igarapés predominam as ruas estreitas e sem saída, quando não com vários pontos de confinamento, o que inviabiliza a prestação adequada de serviços de transporte público, coleta de lixo, atendimento a emergências, etc O sistema viário arterial e coletor em muitos pontos se encontra saturado e poucas são as vias que possuem passeio arborizado e em condições de atender às necessidades dos pedestres. O pavimento asfáltico, da maior parte das vias apresenta-se danificado, o que compromete ainda mais a circulação de veículos e pessoas Essas deficiências associadas à crescente frota de veículos e ao ineficiente transporte coletivo de passageiros por ônibus, denotam que a reestruturação do sistema viário é fundamental para a melhoria da mobilidade local e do entorno, bem como das condições sócio-ambientais gerais. Mobilidade Os bairros que integram a área do Programa apresentam situação de mobilidade muito parecida, com trechos críticos e com problemas de largura de vias ou conexão, alem de passeios em condições precárias, quando não inexistentes A situação da mobilidade dos pedestres e da circulação veicular se mostram críticas devido às características das vias existentes, como descrito anteriormente. A ponte Senador Fabio Lucena, por exemplo, apresenta seção insuficiente para promover a transposição do igarapé no eixo leste-oeste, com apenas uma pista veicular em cada sentido e um pequeno passeio em apenas um dos lados da via. Drenagem De acordo com os dados do cadastro sócio-econômico realizado, o nível da soleira de 30% das edificações se posiciona abaixo da cota superior do pavimento das vias, ocasionando escoamento para o interior das residências e constantes alagamentos em épocas de chuva As galerias existentes recebem a vazão dos esgotos produzidos pela população ainda não beneficiada com rede pública de coleta, correspondendo à produção de residenciais, alem de significativo aporte de lixo que constantemente obstrui a seção de escoamento e promove alagamento de vias públicas e casas na época de chuvas mais intensas Há que se considerar, ainda, o lançamento de resíduos sólidos nos Igarapés e a ocupação de suas calhas com a construção de palafitas, que ocasionam graves problemas nas condições de drenagem da área.

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO 2 INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO O Município de Manaus está localizado na Região Norte do Brasil, no centro geográfico da Amazônia. A superfície total do Município é de 11.458,5km 2 (Lei Municipal

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Projeto Rio Maranguapinho Contexto Geral

Projeto Rio Maranguapinho Contexto Geral Projeto Rio Maranguapinho Contexto Geral Os desequilíbrios urbanos presentes na maioria dos municípios brasileiros, notadamente os localizados em regiões metropolitanas, têm sido objeto de preocupação

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA

CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA OBJETIVO O objetivo deste documento é orientar todas as ações e atividades que devem ser desenvolvidas na elaboração dos projetos de engenharia

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

PROSAMIM NO CENTRO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA UM PROGRAMA DE MELHORIA AMBIENTAL E INCLUSÃO SOCIAL

PROSAMIM NO CENTRO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA UM PROGRAMA DE MELHORIA AMBIENTAL E INCLUSÃO SOCIAL UM PROGRAMA DE MELHORIA AMBIENTAL E INCLUSÃO SOCIAL Nome: Frank Abrahim Lima Formação: Economista Instituição: GOVERNO DO AMAZONAS Unidade de Gerenciamento do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011 CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO...3 2. O PROGRAMA... 4 2.1 Objetivos...

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 1. INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 31 Ação Legislativa 0001- Execução da Ação Legislativa 2001 - Manutenção das Atividades Legislativas da Câmara Municipal FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006- Defesa

Leia mais

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL Ã ÇÃ ÇÃ Á PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL APRESENTAÇÃO O projeto Chico Mendes compreende uma

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

Título III Do Uso e Ocupação do Solo

Título III Do Uso e Ocupação do Solo Título III Do Uso e Ocupação do Solo RETORNAR Capítulo I Das Macrozonas Seção I Da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana Art. 26 A Subprefeitura da Mooca encontra-se integralmente contida na

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877 INSTRUMENTO PARTICULAR DE INCORPORAÇÃO Condomínio Horizontal Fechado RESIDENCIAL VILLAVERDE (Identificado no Cartório de Registro Civil do Distrito de Monte Verde Camanducaia Livro 05-B 1º Traslado Fls

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural. Habitação Desenvolvimento Social Conservação Ambiental Esportes Lazer Requalificação Ambiental Urbanização Patrimônio Cultural SIMÕES FILHO LAURO DE FREITAS BACIA DO COBRE SALVADOR Bacia do Rio do Cobre

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 031 Ação Legislativa 0001 - Execução da Ação Legislativa Manutenção das Atividades Legislativas FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006 - Defesa Jurídica do Município

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA CURITIBA - DADOS GEOGRÁFICOS Área - 432,17 km2 Relevo - Levemente ondulado Extensão Norte Sul - 35 km Extensão Leste-Oeste

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural. Habitação Lazer Desenvolvimento Social Requalificação Ambiental Conservação Ambiental Urbanização Esportes Patrimônio Cultural O Projeto de Requalificação Urbana e Ambiental da Bacia do Cobre é fruto de

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Critérios para Avaliação Econômica de Projetos

Critérios para Avaliação Econômica de Projetos Critérios para Avaliação Econômica de Projetos Este Anexo tem como objetivo orientar a elaboração ou atualização dos estudos de viabilidade econômica que se fizerem necessários durante a execução dos projetos

Leia mais

Medida Provisória nº 691/2015

Medida Provisória nº 691/2015 Medida Provisória nº 691/2015 Brasília, Setembro/2015 AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO GESTÃO DE IMÓVEIS DA UNIÃO APERFEIÇOAMENTO DO MARCO LEGAL- MP 691/2015 Alienação de terrenos em áreas urbanas consolidadas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

VOLUME III TOMO 1. Plano de Requalificação Urbana Plano de Articulação Institucional

VOLUME III TOMO 1. Plano de Requalificação Urbana Plano de Articulação Institucional VOLUME III TOMO 1 Plano de Requalificação Urbana Plano de Articulação Institucional Nota do IBAMA Esta fase do licenciamento ambiental Licença de Instalação se caracteriza pela análise, monitoramento e

Leia mais

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social CASA LEGAL Programa Estadual de Regularização Fundiária Programa Casa Legal Devido a Lei Estadual nº 16.269, de 29 de maio de 2008, dispor em seu

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente Anexo I a que se refere o Art. 2º, da Resolução do COEMA nº 107, de 08 de março de 2013. TIPOLOGIA SUB-TIPOLOGIA CONDIÇÃO ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Objetivos Gerais: PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Melhorar as condições de vida dos moradores do MACIÇO DO MORRO DA CRUZ, a partir de investimentos em infra-estrutura e serviços sociais. Objetivos Específicos:

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

CAIS JOSÉ ESTELITA. Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno

CAIS JOSÉ ESTELITA. Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno CAIS JOSÉ ESTELITA Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno Recife, 10 de setembro de 2014. SUMÁRIO: 1. Percurso metodológico 2. Sistematização

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ENGENHARIA Centro de Estudos - CEFEN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ENGENHARIA Centro de Estudos - CEFEN Parecer Final Quando da elaboração do Plano Estratégico, em 1995, a Cidade do Rio de Janeiro estava em um processo de deterioração crescente, gerado pelo empobrecimento de sua população, pela ocupação

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010.

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010. 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados Percentual 95% 0001 GESTÃO LEGISLATIVA E CIDADANIA 2002 Processamento Legislativo Ações Realizadas Percentual 95% 2003 Modernização Administrativa Gestão

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 DISPÕE sobre a aprovação de projetos de condomínios residenciais, horizontal e vertical, no perímetro urbano do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE

Leia mais

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS MOBILIDADE URBANA Na região Metropolitana de Florianópolis e o PLAMUS Superintendência da Região Metropolitana da Grande Florianópolis CIDADE DO AUTOMÓVEL CIDADE PARA PESSOAS RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO Espaço

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

Critérios Ambientais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos

Critérios Ambientais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos Critérios Ambientais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos Este Anexo tem como objetivo orientar a elaboração dos estudos ambientais necessários à preparação dos projetos do PROSAMIM/BID. Para contemplar

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente Programa 1305 Revitalização de Bacias Hidrográficas em Situação de Vulnerabilidade e Degradação Ambiental Numero de Ações 18 Ações Orçamentárias 101P Recuperação e Preservação da Bacia do Rio São Francisco

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 5 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Cap5 Plano Diretor de Águas Pluviais A gestão das águas pluviais dentro do município

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE ISSN 1984-9354 RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE CRISTIANA ALVES DE LIMA LOURO (PETROBRAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis Maria Teresa Diniz Município de São Paulo População = 10, 5 milhões hab. Área = 1.509 km² Subprefeituras = 31 Distâncias: Norte-Sul = 60 Km Leste-Oeste

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE JAPERI SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE JAPERI SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO Estado do Rio de Janeiro LEI COMPLEMENTAR N.º 069/2006. PREFEITURA MUNICIPAL DE JAPERI SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEMENTAR Nº 069/2006. "Institui o Plano Diretor Participativo do Município

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE SÍNTESE A despeito das doenças relacionadas a ambientes insalubres, não há, na Cidade do Recife, registro

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

PROSAMIM. Um programa de melhoria ambiental com inclusão social no centro da Amazônia IGARAPÉS DE MANAUS AMAZONAS BRASIL

PROSAMIM. Um programa de melhoria ambiental com inclusão social no centro da Amazônia IGARAPÉS DE MANAUS AMAZONAS BRASIL PROSAMIM Um programa de melhoria ambiental com inclusão social no centro da Amazônia IGARAPÉS DE MANAUS AMAZONAS BRASIL Antonio Carlos Rossin Engenheiro Químico-industrial (PUC/SP) e sanitarista (USP),

Leia mais

COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 Cidade-sede Natal RN

COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 Cidade-sede Natal RN GT - INFRAESTRUTURA GT - INFRAESTRUTURA Grupo de Trabalho INFRAESTRUTURA Responsável pela proposição de projetos e operações de infraestrutura, além do acompanhamento na execução destes, necessários à

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais