BACIA HIDROGRÁFICA DO CABUÇU DE BAIXO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BACIA HIDROGRÁFICA DO CABUÇU DE BAIXO"

Transcrição

1 BACIA HIDROGRÁFICA DO CABUÇU DE BAIXO Apresentação Coordenador do Trabalho: Prof. Wilson Fernandes Forti Professores: Profª. Elisangela Ronconi Rodrigues Prof. Jorge Luiz dos Santos Prof. Marco Aurélio Gattamorta Prof. Sergio Luiz Damiati Coordenadora do Curso: Profª. Cristina Pereira de Araujo Equipe: Caroline Bertocco Evandro Matthiesen Leister Maria Betânia de Lima Soares Michele Ortiz Rosana Rocha Valdelice Nelo de Souza TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Turma: A05-2 Semestre/09

2 BACIA HIDROGRÁFICA DO CABUÇU DE BAIXO Introdução A bacia do rio Cabuçu de Baixo caracteriza muito bem os problemas de água urbana das grandes cidades do mundo em desenvolvimento. Enfrenta problemas de ocupação irregular, de áreas de risco para inundação e para escorregamento de morros, de falta de moradia adequada para boa parte dos seus habitantes, de falta de infra-estrutura urbana, de geração de resíduos sólidos e líquidos lançados diretamente na rede hídrica, etc. Enfim é uma bacia que apresenta todos os tipos de fatores que contribuem para a degradação da água urbana e, conseqüentemente, do padrão de vida da população. (Poli/USP, 2002) CARACTERISTICASGERAISDABACIA TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Turma: A05-2 Semestre/09

3 Localização A Bacia Hidrográfica do Cabuçu de Baixo está localizada ao norte do Município de São Paulo e possui uma área de drenagem aproximada de 42 km 2. Além do Córrego do Cabuçu, é composta por vários outros córregos cujas nascentes estão ao norte, dentro do Parque Estadual da Cantareira, um dos mais importantes remanescentes de Mata Atlântica do Município e considerado pela UNESCO como reserva da biosfera, ocupando 30% de toda a bacia. Cantareira - Google Maps N DO CABUÇU

4 Localização O córrego do Cabuçu de Baixo é um dos afluentes da margem direita do rio Tietê, com sua foz situada próxima à ponte da Freguesia do Ó. Foz do Córrego do Cabuçu Google Maps Ponte da Freguesia do Ó Rio Tietê

5 Divisões dos Distritos e suas Histórias O Bairro Brasilândia originou-se de um desmembramento de sítios e chácaras que havia no início do século xx. Os sítios, que antes existiam, com o tempo foram tornando-se loteamentos irregulares. O primeiro loteamento aconteceu em Nessa mesma época, a prefeitura preocupava-se com a beleza e o saneamento do centro da cidade. Com a demolição de cortiços, algumas pessoas foram obrigadas a deixar suas casas no centro e passaram a refugiar-se ou abrigar-se na Brasilândia. Também, dentre essas famílias, haviam aquelas vindas do interior, procurando melhoria de vida. Nos anos 90 a infraestrutura de comércio, bancos e serviços começaram a se estabelecer, acentuando-se sua expanção a partir de O bairro apresenta deficiência no sistema de transporte, devido as vias inadequadas e estreitas. DO CABUÇU Destaca-se a baixa qualidade de vida e precariedade das moradias, com uma taxa de criminalidade alta, ocasionada principalmente pelo tráfico de drogas.

6 Divisões dos Distritos e suas Histórias DO CABUÇU A Freguesia do Ó foi fundada em 1580 e era apenas um local para descanso de Bandeirantes no caminho para o Pico do Jaraguá, onde acreditavam existir ouro. Também serviu de caminho entre a cidade e a região de Campinas e Jundiaí. Conserva ainda traços do período colonial na arquitetura de suas construções. No início, a principal cultura era a de cana-de-açúcar para a produção de aguardente; o café, mandioca, algodão, milho e legumes eram outras culturas, porém, utilizadas para a subsistência. Atualmente o bairro sofre especulação imobiliária pela presença de terrenos descampados e casas velhas simples, de baixo valor comercial. Isto se deve em grande parte a retificação pela qual o Rio Tietê passou, durante a administração do prefeito Prestes Maia, além das obras que abriram as avenidas Inajar de Sousa e General Edgard Facó nos anos 80, e nelas, a canalização dos rios Cabuçu e Verde (respectivamente). É considerado um dos bairros com melhor qualidade no fornecimento de água dentro da cidade de São Paulo.

7 Divisões dos Distritos e suas Histórias DO CABUÇU O bairro Vila Nova Cachoeirinha nasceu no dia 05 de agosto de 1933 a mesma da fundação da Associação Nipo Brasileira, a primeira organização popular local e que foi criada por antigos donos de chácaras, de origem nipônica, com o objetivo de organizar e unir a população local e preservar a sua cultura. O nome da Cachoeirinha, deve-se ao fato de ter existido em época passada uma cachoeira que, infelizmente, foi soterrada para dar passagem à avenida Inajar de Souza, e que servia como área de lazer e de piquenique para os moradores O bairro de Vila Nova Cachoeirinha tem forte ligação com a colônia japonesa, ali presente bem antes de o bairro ser loteado. Se pode citar o crescimento da rede bancária, a instalação d escolas de idiomas e informática que chegaram na região e também uma faculdade, entre outros novos empreendimentos comerciais e também imobiliários.

8 Divisões dos Distritos e suas Histórias DO CABUÇU O nome do bairro Mandaqui tem origem indígena e era usado para apontar um dos afluentes da margem direita do Rio Grande, como era conhecido o Rio Tietê pelos índios de Foi às margens do Mandaqui que, em 1616, o fazendeiro Amador Bueno da Silva instalou em sua propriedade um moinho. Foi a construção daquele moinho que indiretamente determinou a criação do bairro. Ponto de trânsito dos itinerantes do Oeste, várias referências nas atas da Câmara são feitas a consertos nas pontes do ribeirão nas terras de Amador Bueno. Essa região só deixou de ser o centro do bairro com a chegada da estação ferroviária. A Estação Mandaqui foi uma das cinco paradas originais do Tramway. Aberta por volta de 1895, permaneceu em funcionamento até 1964, quando foi desativada com o fim do ramal, é uma das poucas que até hoje está de pé.

9 Divisões dos Distritos e suas Histórias DO CABUÇU Em meados do século XIX, a região que compreende o bairro do Limão e adjacências não passava de um vasto terreno ocupado por sítio e chácaras. Esta região começou a ser habitada pelos antigos colonos da Freguesia do Ó. Nessa época, contam que foi encontrado um pé de limão bravo bem na divisa dos dois bairros, daí o nome de Bairro do Limão. Antes de ser loteado já existiam alguns sítios no local, mas foi somente em 1921 que a empresa imobiliária Matteo Bei o loteou. Logo depois o Limão começou a se desenvolver, pela lei 8.092, de 28 de fevereiro de 1964, o Limão passou a ser o 44º subdistrito do município de São Paulo, mas foi instalado somente em 17 de janeiro de Outro item que trouxe benefícios ao bairro foi a Sociedade Amigos do Bairro do Limão, fundada em O aniversário do bairro do Limão já foi comemorado em 13 de novembro, porém, atualmente comemora-se em 1º de outubro.

10 Divisões dos Distritos e suas Histórias DO CABUÇU O bairro da Casa Verde, localizado na Zona Norte de São Paulo teve na sua evolução um processo lento. No início do século XX o que caracterizava a cidade eram as mudanças sofridas, os sítios passavam a ser loteados e as vilas viravam dormitórios. O lote do bairro era de propriedade de Amador Bueno, passando mais tarde para seu descendente José Arouche de Toledo Rendon. É nessa época que fica então conhecida como o "sítio das moças da casa verde", o nome provém daí. Ao passar do tempo o bairro começa a ver o seu crescimento, mesmo em um processo vagaroso os benefícios surgem como a construção da ponte de madeira, chegada do bonde, a luz elétrica, a construção da igreja. As diferentes nacionalidades que hoje habitam o bairro como portugueses, japoneses, chilenos, bolivianos e também chineses, fazem do local uma mistura de culturas tornando o lugar com uma diversidade étnica um tanto que diferente em outras localizações.

11 Sub-prefeituras A divisão política e administrativa da bacia compreende quatro subprefeituras: - Pirituba - Freguesia - Brasilândia - Casa Verde Cachoeirinha - Santana Tucuruvi Os maiores problemas com assentamentos precários e expansão populacional, bem como a degradação das reservas florestais, estão sob a responsabilidade das subprefeituras da Freguesia- Brasilândia e Casa Verde- Cachoeirinha.

12 Urbanização A região do Cabuçu de Baixo tem parte de sua ocupação consolidada há muito tempo e compreende a parte de jusante da bacia até o trecho médio-superior. Nesta área, as casas são construídas em alvenaria, a malha viária está quase totalmente asfaltada e serviços públicos essenciais como luz, água, telefone e esgoto contemplam a região. Foto de Campo Google Maps

13 Urbanização e Hidrografia Nas cabeceiras, apresenta um processo de urbanização acelerado e completamente desordenado, apresentando construções precárias, geralmente edificadas com restos de madeira ou com blocos, sem reboco, e com poucos serviços públicos. A enorme densidade de construções, sem qualquer área livre entre elas e interligadas apenas por vielas estreitas, também chamam a atenção. Foto de Campo

14 Densidade Demográfica Cachoeirinha Google Maps Brasilândia Google Maps Freguesia do Ó Google Maps

15 Crescimento Demográfico Destaca-se o crescimento populacional nos bairros de Brasilândia e Cachoeirinha, evidenciando uma ocupação desordenada, avançando nas áreas de preservação. Brasilândia Google Maps

16 Divisões das Sub-Bacias O córrego Cabuçu é um afluente da margem direita do rio Tietê tendo como principais cursos d água os córregos do Bananal, Itaguaçu, Bispo e Guaraú que definem as sub-bacias que o compõem. Bacia do Rio Cabuçu de Baixo Bacia do Córrego do Bananal Bacia do Córrego Guaraú Bacia do Córrego do Bispo Bacia do Córrego Itaguaçu Córrego do Bispo PicassaWeb Foto de Campo

17 Sub-Bacia do Córrego do Bananal O córrego Bananal apresenta urbanização densa na sua margem direita, onde ocorrem problemas generalizados de inundação. Área de Drenagem: 13,76 Km 2 Comprimento do Córrego: 6,0 Km Declividade da Sub-bacia: 0,011-1,1% Taxa de Cobertura Vegetal: 0,6 (cobetura vegetal / área total) Brasilândia - Piscinão Poli/USP Córrego Bananal - Jd. Vista Alegre Poli/USP

18 Sub-Bacia do Córrego do Itaguaçu O córrego Itaguaçu encontra-se em grande parte na área preservada. Área de Drenagem: 6,20 Km 2 Comprimento do Córrego: 5,2 Km Declividade da Sub-bacia: 0,011-1,1% Taxa de Cobertura Vegetal: 0,7 (cobetura vegetal / área total) Google Maps

19 Sub-Bacia do Córrego do Bispo O córrego do Bispo não está canalizado e sua bacia encontrase em grande parte na Reserva da Cantareira (margem direita). Contudo, a sua margem esquerda encontra-se ocupada, na sua maior parte, por favelas. Área de Drenagem: 4,00 Km 2 Comprimento do Córrego: 3,8 Km Declividade da Sub-bacia: 0,028-2,8% Taxa de Cobertura Vegetal: 0,5 (cobetura vegetal / área total) Córrego do Bispo PicassaWeb

20 Sub-Bacia do Córrego do Guaraú Na sub-bacia do córrego Guaraú foi implantada a E.T.A. Guaraú da SABESP, que conta com uma barragem que permite a laminação das vazões de cheia. Área de Drenagem: 10,00 Km 2 Comprimento do Córrego: 7,0 Km Declividade da Sub-bacia: 0,023-2,3% Taxa de Cobertura Vegetal: 0,4 (cobetura vegetal / área total) E.T.A - Guaraú Sabesp

21 Sub-Bacia do Cabuçu de Baixo Junto à sua foz o córrego encontra-se canalizado numa extensão de 680 m por meio de galeria dupla quadrada de 2,25 m de lado. Na sua porção final a galeria recebe a contribuição do córrego Água Preta. Área de Drenagem: 41,96 Km 2 Comprimento do Córrego: 13,5 Km Declividade da Sub-bacia: 0,016-1,6% Taxa de Cobertura Vegetal: 0,05 (cobetura vegetal / área total) Cabuçu de Baixo Poli/USP

22 Parques Estaduais Na bacia, situam-se duas áreas de matas e reflorestamentos protegidas, quais sejam: a Reserva Estadual da Cantareira e o Parque Estadual Alberto Lofgren, somando cerca de 20 km2. Portanto, praticamente metade da bacia corresponde a florestas. O restante da bacia encontra-se totalmente urbanizado, com exceção de pequenas porções ainda naturais das bacias dos córregos Bananal e Itaguaçu. Vista da Pedra Grande Parque Estadual da Cantareira

23 Macrozonas de Proteção (Ambiental e ZEPAM s) ZEPAM - Zonas Especiais de Preservação Ambiental Limite da Macrozona de Proteção Ambiental O Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo (PDE Título III, Cap. II, Subseção II, Art. 150), define a Macrozona de Proteção Ambiental determinando os usos e a definição dos instrumentos urbanísticos, ambientais e jurídicos nesta área. As ZEPAM's são porções do território destinadas à preservação da biota, à proteção e recuperação dos recursos hídricos e à proteção de áreas de risco geotécnico. Também estão legalmente estabelecidas e delimitadas pelo PDE (Plano Diretor Estratégico) do município de São Paulo e pelos Planos Regionais Estratégicos das Subprefeituras.

24 Rochas granitóides predomimantemente maciças Depósitos sedimentares aluviais Depósitos de sistemas de leques aluviais e plan. fluv. entrel. Micaxistos com quartzitos e metasiltitos subordinados Rochas metacarbonáticas Hidrografia com Geologia Os principais problemas de caráter geológico-geotécnico que afetam a ocupação são os escorregamentos, inundações e a erosão. A ocorrência desses fenômenos está na conjugação de condicionantes naturais tais como tipos de rochas, de relevo, presença de descontinuidades (fraturas, falhas) com as formas de ocupação urbana (supressão de vegetação, aterramento das várzeas, modificação do perfil natural da encosta pela execução de corte-aterro lançado, impermeabilização do solo, entre outros). Cada uma destas unidades possui um comportamento geológicogeotécnico diferente em função, exatamente, de sua composição.

25 Hidrografia com Relevo A bacia é constituída por relevo de morros e montanhas com grandes declividades na sua porção norte, que vai suavizando até alcançar na sua porção final a planície aluvial do Rio Tietê. A altitude varia de 700 m (junto à foz) a 1200 m (Serra da Cantareira). A região de relevo mais acidentado, antiga zona rural, é justamente aquela com ocupação mais recente, caracterizada por invasões e ocupações desordenadas que provocam intenso desmatamento em áreas de risco geológico.

26 Hidrografia com Relevo A bacia é constituída por relevo de morros e montanhas com grandes declividades na sua porção norte, que vai suavizando até alcançar na sua porção final a planície aluvial do Rio Tietê. A altitude varia de 700 m (junto à foz) a 1200 m (Serra da Cantareira) m m m 900 m A região de relevo mais acidentado, antiga zona rural, é justamente aquela com ocupação mais recente, caracterizada por invasões e ocupações desordenadas que provocam intenso desmatamento em áreas de risco geológico. 800 m 725 m

27 Hidrografia com Relevo A bacia é constituída por relevo de morros e montanhas com grandes declividades na sua porção norte, que vai suavizando até alcançar na sua porção final a planície aluvial do Rio Tietê. A altitude varia de 700 m (junto à foz) a 1200 m (Serra da Cantareira) m m m 900 m A região de relevo mais acidentado, antiga zona rural, é justamente aquela com ocupação mais recente, caracterizada por invasões e ocupações desordenadas que provocam intenso desmatamento em áreas de risco geológico. 800 m 725 m

28 Declividade A porção norte e central é constituída por duas tipologias: - Morros e Montanhas: Constituem as áreas mais altas e íngremes da bacia com altitudes entre 850 a 1205 metros. - Morros: Situam-se na área média da bacia, em altitudes que variam entre 750 e 800 metros. O restante das áreas são constituídas por Colinas Pequenas com altitudes que variam entre 750 a 800 m, e nas planícies fluviais que se situam próximas aos leitos dos rios, com altitudes de 725 a 750 metros.

29 Uso do Solo Lotes com vegetação Lotes sem vegetação Áreas vagas com vegetação Áreas vagas sem vegetação Áreas de proteção legal Área florestal Clubes de campo Equipamentos públicos Cemitérios Piscinão Indústrias / depósitos Comércio / serviços Edificações Conjuntos residenciais Ocupação densa irregular Ocupação densa regularizada Arruamentos (com asfalto) Arruamentos (sem asfalto)

30 Áreas de Assentamentos Precários Na bacia existem aproximadamente 150 favelas, sendo 28 localizadas em áreas críticas de risco geotécnico, todas no trecho médio-superior da bacia e retratam condicionantes que interferem de forma significativa no uso e ocupação do solo. Foto de Campo Foto de Campo

31 Rede de Esgoto A Rede de Esgoto Sanitário da Bacia do Cabuçu de Baixo atende aproximadamente domicílios, que corresponde a 85% da população da Bacia. Segundo cadastro da SABESP, existem 159 pontos de lançamento de esgoto em galerias de águas pluviais ou nos córregos. Estes provêm principalmente dos assentamentos precários, dos quais somente 51% desta população é atendida por rede de esgotamento sanitário. DO CABUÇU DO DE CABUÇU BAIXO Foto: Plano de Bacia Urbana (Poli)

32 Análise Laboratorial da Água A equipe efetuou visita à área de estudo no dia 12/09/09. Foram coletadas duas amostras sendo a Amostra 1 na Avenida Inajar de Souza, altura do número 6600 e a Amostra 2 nas dependências do Condomínio Residencial Quintas da Cidade. Amostra 1 Amostra 2 A análise foi realizada no laboratório da FMU, utilizando-se do método colorimétrico, e foram obtidos os seguintes resultados:

33 Análise Laboratorial da Água De acordo com o Decreto Estadual nº as águas da Bacia do Cabuçu de Baixo são classificadas como Classe 1. Foto de Campo Local de Coleta da Amostra 2 Google Maps Foto de Campo Local de Coleta da Amostra 1

34 Equipamentos Urbanos e Sistema de Transporte Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso CAPS Casa Verde Foto: Prefeitura SP TRANSPORTE COLETIVO A região conta com o Terminal Vila Nova Cachoeirinha que está localizado na Av. Inajar de Souza x Av. Itaberaba e é atendido por 20 linhas e mais 2 de passagem. Também conta com o Terminal Casa Verde na Rua Baía Formosa, nº 80 (esq. com Av. Eng. Caetano Álvares s/nº) e é atendido por 4 linhas (Jd. Das Paineiras, Pq Tietê, Terminal D. Pedro II / Bandeira e Paissandu). DO CABUÇU Terminal Vila Nova Cachoeirinha Foto: Wikypédia

35 BACIA HIDROGRÁFICA DO CABUÇU DE BAIXO DIAGNÓSTICOGERAL TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Turma: A05-2 Semestre/09

36 Rede de Esgoto DO CABUÇU DO DE CABUÇU BAIXO

37 Rede de Esgoto + Unidade de Conservação

38 Rede de Esgoto + Unidade de Conservação + ZEPAM

39 Rede de Esgoto + Unidade de Conservação + ZEPAM + Ocupação do Solo

40 Rede de Esgoto + Unidade de Conservação + ZEPAM + Ocupação do Solo + Hidrografia

41 Rede de Esgoto + Unidade de Conservação + ZEPAM + Ocupação do Solo + Hidrografia + Favelas

42 Proposta de Ações para Urbanização de Favelas e Recuperação Sócio-ambiental da Bacia Hidrográfica do Cabuçu de Baixo PROPOSTA TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Turma: A05-2 Semestre/09

43 Objetivos Proteger as Áreas de Preservação Ambiental e Recuperar àquelas já Degradadas.

44 Objetivos Proteger as Áreas de Preservação Ambiental e Recuperar àquelas já Degradadas. Melhorar o Nível de Qualidade das Águas e Recuperar as APP.

45 Objetivos Proteger as Áreas de Preservação Ambiental e Recuperar àquelas já Degradadas. Melhorar o Nível de Qualidade das Águas e Recuperar as APP. Urbanizar as Áreas com Assentamentos Precários, e promover sua Regularização Fundiária.

46 Objetivos Proteger as Áreas de Preservação Ambiental e Recuperar àquelas já Degradadas. Melhorar o Nível de Qualidade das Águas e Recuperar as APP. Urbanizar as Áreas com Assentamentos Precários, e promover sua Regularização Fundiária. Garantir a participação da população em todas as etapas da intervenção e zelar pela melhoria na qualidade de vida, buscando fomentar a autogestão e apropriação efetiva do espaço.

47 Ações Previstas Diagnóstico da Área de Intervenção - Realização de Diagnóstico Físico, Urbanístico, Social e Ambiental (produzir conhecimento específico da área, de maneira a subsidiar a elaboração, execução, acompanhamento e avaliação da intervenção identificação de lideranças e representantes locais, equipamentos e atividades econômicas) Intervenção Físico-urbanística e Ambiental - Remoção de Famílias (em situação de Risco e APP ou liberação de frente de obras) - Alojamentos/Acomodações Provisórias (famílias removidas) - Construção de Novas Moradias (unidades térreas e de até 4 pavimentos) - Recuperação e reforma de moradias que permanecerão no local (reboco, cobetura, calhas, pintura) - Implantação de Infraestutura (pavimentação, água/esgoto, energia-elétrica, iluminação pública, etc.) - Recuperação de Áreas Degradadas (Unidades de Conservação / ZEPAM s / APP / Paisagismo) - Construção de Equipamentos Comunitários (creche, escola, centro comunitário, centro de saúde, etc) - Construção de Áreas de Lazer (parques lineares, ciclovias, quadras poliesportivas, playground, etc.) - Construção de Centro de Desenvolvimento Sustentável (capacitação profissional, formação de agentes comunitários, cursos de reciclagem e atualização, bolsa de empregos, potencialização do desenvolvimento local, educação e práticas ambientais, captação de parcerias/recursos, representatividade regional legal, etc.)

48 Ações Previstas Implantação de Projetos Sócioambientais e Promoção da Organização Comunitária - Comissão de Acompanhamento do Projeto e Obras - Comissão de Acompanhamento à Regularização Fundiária - Comissão de Manutenção do Patrimônio e dos Recursos Naturais - Formação de Agentes Comunitários (cidadania, educação, saúde, meio ambiente, legislação, etc) - Formação de Fórum Permanente a fim de promover o compartilhamento de informações, visando a realização de ações voltadas para o desenvolvimento sustentável da comunidade, tendo como meta principal a sua autonomia, assim como a integração efetiva da favela à cidade formal (associações, lideranças, agentes comunitários de urbanização, agentes comunitários de saúde, representantes de órgãos e serviços públicos, ONGs e concessionárias) - Implementação de Centro de Desenvolvimento Sustentável (Educação Sócioambiental,Geração de Trabalho e Renda, Capacitação Profissional, Formação de Cooperativas e Captação de Parcerias e Recursos Materiais e Financeiros) - Formação de Agentes do Verde (pesquisa sobre a vegetação original da região pelos alunos da rede pública de ensino local, a criação de um viveiro de mudas e o plantio de áreas degradadas, desenvolvimento do conceito de espaço público, paisagismo, horta comunitária, etc) - Projetos estratégicos de superação da pobreza e inclusão social dos moradores da área de intervenção, tendo por base suas potencialidades, vocação profissional, inserção regional, universo cultural e perspectivas de produção qualificada.

49 Ações Previstas Monitoramento e Avaliação Esse processo deve ser contínuo, bastante simplificado e ágil, possibilitando uma rápida apropriação dos dados, de forma a orientar possíveis ajustes na condução dos trabalhos e em suas metas. Deve contemplar as seguintes ações: - Presença em Campo (acompanhamento de todas as etapas da intervenção) - Avaliação do Desenvolvimento e dos Resultados (alcance efetivo dos objetivos) - Dar Subsídios ao Planejamento e Redirecionamento e/ou Novas Ações (implementação de ações alternativas para superação de dificultadores) - Orientação Técnica Permanente (adequação da condução dos trabalhos) - Produção de Relatórios Mensais (registro e sistematização das atividades desenvolvidas e resultados obtidos) - Realizações de Reuniões Sistemáticas com a Comunidade para Avaliação e Apresentação dos Resultados (Garantir que as iniciativas, tanto de um lado quanto de outro, não sejam ações unilaterais dentro de um processo de gestão democrática e aberta)

50 Linhas de Ação Planejamento Operacional Discussão com a Comunidade sobre a Intervenção Reprogramação, Redirecionamento ou Novas Ações Reunião com a Comunidade Diagnóstico da Área de Intervenção Resultado do Diagnóstico Físico, Urbanistico, Social e Ambiental Coleta de Dados em Campo e em Fontes Secundárias Relatório de Atividades e Resultados Orientação Técnica Intervenção Físico Urbanistica e Ambiental Adequação e Implantação do Proj. Físico-Urbanistico Equacionamento Setores de Remoção Execução da Obras de Urbanização, Moradias e de RAD Liberação de Frente de Obras Reuniões de Avaliação Implantação de Projetos e Organização Comunitária Formação de Representações Locais Definição dos Projetos de Inclusão Social Centro de Desenvolvimento Sustentável Elaboração e Implantação de Projetos Fórum Permanente Presença em Campo Monitoramento e Avaliação

51 Recursos Humanos Poderão participar do processo profissionais comprovadamente qualificados compreendendo as seguintes áreas do conhecimento: - Gestores Ambientais - Profissionais da Saúde - Engenheiros - Geógrafos - Arquitetos / Urbanistas - Geólogos - Sociólogos - Pedagogos - Assistentes Sociais - Psicólogos - Biólogos - Artistas Plásticos - Químicos - Historiadores Recursos Materiais e Financeiros Os Recursos para Viabilização da Proposta podem ser oriundos dos seguintes agentes: - Governo Federal. PAC - Programa de Aceleração do Crescimento. FNHIS Fundo Nacional para Habitação de Interesse Social. FGTS / FAT. Outros - Governo Estadual (Administração Direta ou Indireta, Empresas e Fundações) - Governo Municipal - Iniciativa Privada - ONG / OSCIP - Bancos de Investimentos Internacionais (BID / BIRD)

52 Fontes: IBGE - Censos Demográficos, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000 Sinopses Preliminares dos Censos Demográficos de 1950 e 1960 Sempla/Dipro - Retroestimativas e Recomposição dos Distritos para os anos 1950,1960 e 1970 Atlas Ambiental do Município de São Paulo Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente Secretaria Municipal de Planejamento Urbano Escola Politécnica da Universidade de S. Paulo Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica Gerenciamento Integrado de Bacias Hidrográficas em Áreas Urbanas Projeto: 02 - CIAMB - 01/97-03/01-2 Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo SABESP Cia. de Saneamento Básico do Estado de São Paulo CDHU Cia. de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Est. de São Paulo Sites Consultados: Wikipédia enciclopédia livre Google Maps UNE - União Nacional dos Estudantes Radar Paulistano Sabesp Cia. de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sempla Secretaria Municipal de Planejamento Prefeitura Municipal de São Paulo FMU TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Turma: A05-2 Semestre/09

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

SÃO PAULO - SP. Domicílios total da cidade 3.039.104 domicílios em favelas e cortiços 405.857 (14%)*

SÃO PAULO - SP. Domicílios total da cidade 3.039.104 domicílios em favelas e cortiços 405.857 (14%)* URbanização de FaveLas 2010 SÃO PAULO - SP População total da cidade - 11 milhões* total de residentes em moradias precárias: 3,4 milhões (1,6 milhões em loteamentos clandestinos ou irregulares, 1,2 milhões

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr Direito à Moradia e a Questão Ambiental Suyá Quintslr Roteiro da aula 1. A questão ambiental : do surgimento do preservacionismo no período moderno à problemática ambiental na atualidade 2. A ambientalização

Leia mais

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Município de Santana de Parnaíba Plano Diretor 2005/2006 (para o período 2006/2013) ANEXO A.02 SANTANA DE PARNAÍBA DADOS GERAIS Referência em: Art. 8º 0 SANTANA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Objetivos Gerais: PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Melhorar as condições de vida dos moradores do MACIÇO DO MORRO DA CRUZ, a partir de investimentos em infra-estrutura e serviços sociais. Objetivos Específicos:

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

VILA REAL, ESTUDO DA URBANIZAÇÃO DE ASSENTAMENTO PRECÁRIO E IRREGULAR EM VÁRZEA PAULISTA

VILA REAL, ESTUDO DA URBANIZAÇÃO DE ASSENTAMENTO PRECÁRIO E IRREGULAR EM VÁRZEA PAULISTA VILA REAL, ESTUDO DA URBANIZAÇÃO DE ASSENTAMENTO PRECÁRIO E IRREGULAR EM VÁRZEA PAULISTA Viviane Martinelli de Almeida Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC martinelli.viviane@puc-campinas.com Laura

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais.

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais. DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) Regulamenta o artigo 37-A da Lei nº 1.172, de 17 de novembro de 1976, acrescido pela Lei nº 11.216, de 22 de julho de 2002, que delimita as áreas de proteção

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

PAC Urbanização de assentamentos precários ALESSANDRA D AVILA VIEIRA Diretora de Urbanização de Assentamentos Precários

PAC Urbanização de assentamentos precários ALESSANDRA D AVILA VIEIRA Diretora de Urbanização de Assentamentos Precários PAC Urbanização de assentamentos precários ALESSANDRA D AVILA VIEIRA Diretora de Urbanização de Assentamentos Precários Porto Alegre, outubro de 2015 AVANÇOS SOCIAIS NO BRASIL COMPARAÇÃO 2005-2014 (1)

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Prefeitura do Município de São Paulo. Secretaria do Verde e Meio Ambiente. Os parques lineares como estratégia de recuperação ambiental

Prefeitura do Município de São Paulo. Secretaria do Verde e Meio Ambiente. Os parques lineares como estratégia de recuperação ambiental Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria do Verde e Meio Ambiente Os parques lineares como estratégia de recuperação ambiental na cidade de São Paulo. Autores: Alejandra Maria Devecchi, Rosélia

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL Vórtice é um projeto de investigação e práticas urbanas experimentais. Reúne pesquisadores, arquitetos, engenheiros e artistas, junto com as comunidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP.

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. 26º. Encontro Técnico AESABESP Izanilde Barbosa da Silva Elivania Silva de Abreu DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. São Paulo-SP INTRODUÇÃO O Brasil é um pais

Leia mais

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis Maria Teresa Diniz Município de São Paulo População = 10, 5 milhões hab. Área = 1.509 km² Subprefeituras = 31 Distâncias: Norte-Sul = 60 Km Leste-Oeste

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural. Habitação Desenvolvimento Social Conservação Ambiental Esportes Lazer Requalificação Ambiental Urbanização Patrimônio Cultural SIMÕES FILHO LAURO DE FREITAS BACIA DO COBRE SALVADOR Bacia do Rio do Cobre

Leia mais

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO Timóteo MG Janeiro/2004 RESPONSÁBILIDADE TÉCNICA UNIVERSALIS - Consultoria, Projetos e Serviços Ltda - CREA/MG

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA CLUSTER 8 Perspectivas da Geografia Urbana CLUSTER 6 Estruturas urbanas, Planejamento urbano,

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000

CAMARA MUNICIPAL DE BRUMADINHO Praça da Paz Carmem de Oliveira Gonçalves, s/nº - São Conrado Brumadinho/MG CEP 35.460-000 PROPOSIÇAO DE LEI Nº 30/2004 O Presidente da Câmara Municipal de Brumadinho, no uso de suas atribuições e no termos do disposto nos 1º e 8º do Art. 89 da Lei Orgânica Municipal do município de Brumadinho,

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA

ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Econômico Sustentável do Estado do Acre PROACRE / FINANCIAMENTO ADICIONAL PROSER JUNHO 2012 LVA PARA INFRAESTRUTURA

Leia mais

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL Ã ÇÃ ÇÃ Á PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL APRESENTAÇÃO O projeto Chico Mendes compreende uma

Leia mais

REMOÇÃO E REASSENTAMENTO DE POPULAÇÃO EM OBRAS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA ESTRUTURA DE SANEAMENTO EM FAVELAS

REMOÇÃO E REASSENTAMENTO DE POPULAÇÃO EM OBRAS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA ESTRUTURA DE SANEAMENTO EM FAVELAS REMOÇÃO E REASSENTAMENTO DE POPULAÇÃO EM OBRAS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA ESTRUTURA DE SANEAMENTO EM FAVELAS Paula Dias Pini (1) Economista pelo Institut d Estudes Économiques et Sociales, Universidade de

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO 2 INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO O Município de Manaus está localizado na Região Norte do Brasil, no centro geográfico da Amazônia. A superfície total do Município é de 11.458,5km 2 (Lei Municipal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Uma faceta do problema de abastecimento de água na cidade de São Paulo: o (sub)aproveitamento da produção hídrica do rio Aricanduva.

Uma faceta do problema de abastecimento de água na cidade de São Paulo: o (sub)aproveitamento da produção hídrica do rio Aricanduva. Marcia Regina Fracaro dos Santos Geógrafa DG/FFLCH/USP E-mail: mrfracaro@usp.br Uma faceta do problema de abastecimento de água na cidade de São Paulo: o (sub)aproveitamento da produção hídrica do rio

Leia mais

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETRIZES DE SUSTENTABILIDADE NO PROGRAMA HABITACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO EDUARDO TRANI Chefe de Gabinete da Secretaria de Habitação SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO PLANO DE AÇÃO REGIONAL LESTE Legenda: Subprefeitura Vias Principais de acesso Linha de Metrô / CPTM Região Leste 08 Subprefeituras: Penha, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista,

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

URBANIDADE E ARQUITETURA NA PERIFERIA

URBANIDADE E ARQUITETURA NA PERIFERIA CONCURSO RENOVA SP Sehab, IAB-DF, PMH São Paulo, SP. 2011 urbanismo URBANIDADE E ARQUITETURA NA PERIFERIA Projetos vencedores do Renova SP levam qualidade construtiva à periferia de São Paulo. Mas ainda

Leia mais

Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares

Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares PROJETO PESQUISA E ANÁLISE DE APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS EM PLANEJAMENTO URBANO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares

Leia mais

Falta de água e excesso de água

Falta de água e excesso de água Falta de água e excesso de água Quando era aluno na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, o professor doutor José Meiches era Secretário de Obras Públicas do Estado de São Paulo em seu primeiro

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Movimento Movimento Nacional de Proteção à de Proteção à Vida Vida MMA / PNEA MMA / IBAMA /Est. RJ / Prefeituras RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Agosto/2000 a Agosto/2001 APRESENTAÇÃO O Projeto de Educação

Leia mais

ü Contribuir para equacionar os problemas ambientais, urbanís4cos e sociais ü Devido ao crescimento populacional nas áreas dos fundos de vale, os 83

ü Contribuir para equacionar os problemas ambientais, urbanís4cos e sociais ü Devido ao crescimento populacional nas áreas dos fundos de vale, os 83 CONDEITO E JUSTIFICATIVA DO PUAMA ü Contribuir para equacionar os problemas ambientais, urbanís4cos e sociais que afetam a cidade de Goiânia, resultantes da ocupação desordenada do espaço urbano, em especial

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Resumo Alessandra G. Soares (alessandra.soares@usp.br)* Daniela Luz Carvalho

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 ORGANIZAÇÃO DA APRESENTAÇÃO I. CONTEÚDOS ATITUDINAIS II. CONTEÚDOS PROCEDIMENTAIS III. CONTEÚDOS CONCEITUAIS 1. AS TRANSFORMAÇÕES DA VILA MADALENA Da vila

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.840000 S 21.178888 2 de 11 FICHA CADASTRAL DO

Leia mais

A ocupação de várzeas na urbanização paulista: histórico e perspectivas

A ocupação de várzeas na urbanização paulista: histórico e perspectivas A ocupação de várzeas na urbanização paulista: histórico e perspectivas Seminário Enchentes II Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre IAB-SP / FAUUSP IE-SP / ABES/ IAB-SP / SINAENCO 11 de agosto 2010 1 O Sítio

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR PROJETOS SOCIAIS PARA FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO LOCAL O Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar e do Sistema de Mosaicos da Mata Atlântica

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

[O Laudo de Avaliação completo do Imóvel encontra-se disponível na sede do Administrador do Fundo Brazilian Mortgages Cia.

[O Laudo de Avaliação completo do Imóvel encontra-se disponível na sede do Administrador do Fundo Brazilian Mortgages Cia. [O Laudo de Avaliação completo do Imóvel encontra-se disponível na sede do Administrador do Fundo Brazilian Mortgages Cia. Hipotecária ] HOSPITAL E MATERNIDADE NOSSA SENHORA DE LOURDES Rua das Perobas,

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

1. Fomentar ações de Educação Ambiental - (incluir o assunto no GT de Educação) 2. Utilizar adequadamente os recursos hídricos

1. Fomentar ações de Educação Ambiental - (incluir o assunto no GT de Educação) 2. Utilizar adequadamente os recursos hídricos Elevar o nível de conscientização ambiental da Sociedade Santa-mariense Incentivar ações de educação ambiental e sanitária nas escolas Horas Aulas/palestrar Número de horas aula/palestra Realizar um diagnóstico

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural. Habitação Lazer Desenvolvimento Social Requalificação Ambiental Conservação Ambiental Urbanização Esportes Patrimônio Cultural O Projeto de Requalificação Urbana e Ambiental da Bacia do Cobre é fruto de

Leia mais

PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 688/2013

PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 688/2013 A Câmara Municipal de São Paulo D E C R E T A: PROPOSTA DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 688/2013 TÍTULO I DA ABRANGÊNCIA, DOS CONCEITOS, PRINCÍPIOS E OBJETIVOS CAPÍTULO I DA ABRANGÊNCIA E DOS CONCEITOS

Leia mais

PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLHIS CUBATÃO AUDIÊNCIA PÚBLICAP MAIO - 2010 O Processo de Elaboração do PLHIS ETAPA ETAPA I - Proposta Metodológica Novembro de 2008 EXEMPLOS DE PRODUTOS E

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais