UMA DINÂMICA COM CONTRASTES

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA DINÂMICA COM CONTRASTES"

Transcrição

1 U M A D I N Â M I C A C O M C O N T R A S T E S Variação da população 1981/91: estagnação resultante de dois movimentos contrários A publicação dos Resultados Pré- Definitivos dos Recenseamentos da População e da Habitação de 1991, fixou a população residente da Região do Norte em cerca de 3,5 milhões de indivíduos, representando cerca de 37,1% da população do Continente. Com uma taxa de variação da população residente entre 1981 e 1991 de apenas 1,8%, pode considerar-se que a Região estagnou em termos de crescimento populacional seguindo, aliás, a tendência verificada em termos nacionais. No entanto, essa taxa coloca a Região em segundo lugar, depois da Região do Algarve (5,5%), quanto ao crescimento da população residente. Esta evolução é diferenciada a nível subregional: contrariamente à variação positiva apresentada pelas restantes NUTES, Alto Trás-os- -Montes (-13,7%), Douro (-8,7%) e Minho-Lima (-2,6%) perderam, entre os dois Recenseamentos, cerca de 67 mil residentes. As subregiões que maior crescimento apresentaram foram: Cávado (7,4%), Ave e Entre Douro e Vouga (6,5%), responsáveis conjuntamente por um acréscimo de cerca de 68 mil pessoas. Analisadas a nível concelhio as evoluções da população são ainda mais diferenciadas. Desde o concelho com maior crescimento negativo do país - Vimioso, que perde cerca de um quarto da população (-25,6%) - até ao que mais cresce na Região - Valongo, com uma variação positiva de 15,5% - várias situações intermédias se verificam. Em termos gerais, o quadro afigura-se negativo: dos 84 concelhos, cerca de 60% apresentam uma variação negativa. Destes, cerca de 24% têm uma * I.N.E. - Direcção Regional do Norte ESTAGNAÇÃO, LITORALIZAÇÃO E ENVELHECIMENTO NA REGIÃO ( ) UMA DINÂMICA COM CONTRASTES SÉRGIO BACELAR* variação inferior a -10% e cerca de 12% mostram um decréscimo ainda superior a -20%. Por outro lado, dos 33 concelhos com crescimento positivo, só 5 têm variações superiores a 10%. Os concelhos com decréscimos mais importantes (com valores negativos inferiores a -20%) situam-se no interior, sobretudo em Alto Trás-os-Montes (Vimioso, Vinhais, Mogadouro e Montalegre), mas também no Tâmega (Ribeira de Pena) e no Douro (Vila Nova de Foz Côa). No entanto, se tomarmos como referência a variação negativa de -10%, verificamos que todos os concelhos de Alto Trás-os-Montes, com as excepções de Bragança (-6,6%) e Boticas (-9,5%), decrescem mais ainda e que cerca de metade dos concelhos do Douro estão nas mesmas circunstâncias. Sublinhe-se que, nestas duas subregiões, o único concelho com variação positiva é o de Tarouca (2,3%) a qual representa um acréscimo de cerca de duas centenas de indivíduos. Mas os decréscimos importantes não são exclusivos destas duas subregiões: dois dos concelhos fronteiriços do Minho-Lima - Melgaço (-16,8%) e Arcos de Valdevez (-13,4%) - apresentam variações fortemente negativas, constituindo assim, exemplos extremos da tendência geral da subregião. De facto, mais de metade dos concelhos do Minho-Lima decrescem no decénio, e só dois - Valença (6,2%) e Vila Nova de Cerveira (5,5%) - apresentam variações positivas superiores a 5%, as quais representam no seu conjunto um acréscimo de pouco mais de um milhar de pessoas. Nesta subregião é extremamente nítida a relação directa entre a interioridade e o decréscimo populacional: à medida que nos afastamos do litoral as variações positivas relativas aos concelhos vão sendo progressivamente menores e as negativas maiores. Também na subregião do Tâmega mais de metade dos concelhos mostram um crescimento efectivo negativo, com destaque para Ribeira de Pena (-21,2%), Cabeceiras de

2 Taxa de Variação do Crescimento Efectivo, (%) 13 Mapa I Taxa de Variação do Crescimento Efectivo, (%) MAPA I a -20 a -15 a -10 a -5 a 5 a 10 a -26 a a a a -5-5 a 5 5 a a 16 Nota: ver legenda no final do artigo Basto (-13,8%) e Resende (-10,9%). Já no Ave, o concelho de Vieira do Minho aparece como excepção: perdeu em dez anos mais de 2 mil pessoas o que implicou uma variação negativa de -12,0%. Movimento natural e migratório Até aqui temos vindo a caracterizar os concelhos quanto às variações populacionais negativas, medidas em termos relativos. Na óptica das variações absolutas, pode verificar-se que todos os concelhos que decrescem, com a excepção do Porto, perdem entre 1981 e 1991 menos de 5 mil residentes. O caso extremo do concelho do Porto, só por si responsável por um decréscimo de cerca de 25 mil pessoas, é paradigmático do fenómeno de repulsão populacional característico dos grandes centros urbanos 1 : os concelhos do Grande Porto - com as possíveis excepções de Vila do Conde e da Póvoa de Varzim (que também apresentam repulsão) - crescem em grande parte à custa do decréscimo verificado naquele concelho. Os acréscimos populacionais mais importantes verificaram-se, sobretudo, na subregião do Grande Porto, na qual dois terços dos concelhos apresentam uma variação populacional positiva, igual ou superior a 8%, com destaque para Valongo (15,5%) e Maia (14,0%). Noutras subregiões assumem particular relevo os casos de Braga, Lousada e S. João da Madeira, com taxas de variação a rondar os 12%. A Região apresentou na década um crescimento efectivo de cerca de 63 mil pessoas. Mas este valor resulta de dois movimentos de sinal contrário: do movimento natural (nascimentos - óbitos) com sinal positivo e do movimento migratório, em relação à Região (imigrantes - emigrantes), com sinal negativo. Com um crescimento natural de cerca de 224 mil pessoas, o qual corresponde a uma variação decenal de 6,6%, a Região do Norte é a que mais contribui para o crescimento natural do Continente (representando cerca de 70% desse valor) e é a que mais cresce em termos relativos, só superada, ao nível nacional, pela Região Autónoma dos Açores. No entanto, a este crescimento natural positivo corresponde um crescimento migratório negativo de cerca de 161 mil pessoas, o qual se deverá repartir pelo saldo migratório interno e internacional. Este saldo negativo representa cerca de 56% do crescimento migratório negativo do Continente e corresponde a uma variação relativamente a 1981 de -4,7%, o que coloca a Região do

3 Norte, juntamente com a do Alentejo, como as regiões do Continente que mais população perderam no decénio, em termos relativos, com as migrações. Note-se que em termos nacionais, este valor só é superado pelo da Região Autónoma dos Açores (-9,7%) e da Madeira (-5,8%). A nível subregional o crescimento natural segue um padrão de distribuição espacial próximo do verificado pelo crescimento efectivo. Na verdade, embora com saldos naturais positivos, é Alto Trás-os-Montes (1,3%), Minho-Lima (1,7%) e Douro (2,5%) que apresentam as menores variações relativas. Todas as outras subregiões têm valores superiores a 5%, com destaque para as subregiões do Tâmega, Ave e Cávado, com valores próximos de 10%. Estas subregiões - às quais deve acrescer a de Entre Douro e Vouga (7,8%) - merecem, aliás, ser consideradas autênticas reservas demográficas a nível nacional, pois apresentam, no país, as maiores taxas de crescimento natural no decénio. Os concelhos de Felgueiras, Paços de Ferreira, Paredes, Lousada - com variações que oscilam entre 13,1% e 12,7% constituem os concelhos do Continente com maior crescimento natural 2. Mas, na verdade, mais de metade dos concelhos da Região apresentam crescimento natural superior à média para o Continente. Na situação oposta encontram-se concelhos fronteiriços como Melgaço (-4,9%), Vila Nova de Foz Côa (-3,8%) e Freixo de Espada à Cinta (-3,1%), em que o número de nascimentos não chegou para superar os óbitos no decénio 3. Taxa de Variação do Crescimento Natural, (%) Mapa II Taxa de Variação do Crescimento Natural, (%) -5 a -2-2 a 2 2 a 5 5 a a 15 Mapa II Nota: ver legenda no final do artigo -5 a -2-2 a 2 2 a 5 5 a a 15 São raros os concelhos, na Região, com crescimento migratório positivo, isto é, em que o número de entradas de residentes para o concelho supera o número de saídas (12 em 84). Distinguemse Valença e Vila Nova de Cerveira com taxas superiores a 8% - as maiores da Região - as quais correspondem a uma entrada líquida de cerca de 2 milhares de pessoas no conjunto dos dois concelhos. De resto há apenas a salientar o caso dos cinco concelhos limítrofes ao Porto, com destaque para a Maia (6,9%). Estes concelhos, no seu conjunto, atraíram em dez anos, cerca de 26 mil pessoas. A tipologia criada pela combinação entre o crescimento natural (positivo e negativo) e o crescimento migratório (positivo e negativo) remete-nos para quatro tipos de concelhos com representatividade diferenciada na Região: dois terços dos concelhos situam-se no tipo resultante

4 Taxa de Variação do Crescimento Migratório, (%) Mapa III Taxa de Variação do Crescimento Migratório, (%) -25 a -25 a a -15 a a -10 a -5-5 a -5 a 5 5 a 5 a 9 Mapa III Nota: ver legenda no final do artigo de um crescimento natural positivo e migratório negativo; dois (Valença e Vila Nova de Cerveira) correspondem ao caso excepcional de um crescimento natural negativo combinado com um crescimento migratório de sinal contrário; os restantes, repartem-se em partes relativamente desiguais pelos tipos com o mesmo sinal - ambos positivos (10) e ambos negativos (16) Gráfico I Evolução do Saldo Natural, Saldo Natural Cávado Grande Porto Tâmega Ave 2000 Entre Douro e Vouga 1000 Alto Trás-os-Montes Douro Minho-Lima Anos Na generalidade das subregiões, o saldo natural (nascimentos-óbitos) decresce continuamente a partir de Note-se que no Grande Porto há, a partir de 1986, um abrandamento no decréscimo deste saldo. De referir ainda, o facto do saldo natural atingir valores negativos em 1990 para o Minho-Lima, Douro e Alto Trás-os-Montes.

5 Litoralização da população e concentração nos grandes centros A Região do Norte concentra actualmente uma proporção de população relativamente ao país (35,2%) ligeiramente maior do que a que se verificava em 1981 (34,7%). Esta variação na concentração da população só tem paralelo a nível regional na Região do Algarve. No entanto, como seria de esperar, este movimento é bastante desigual quando considerado a nível subregional: assim, as subregiões do Cávado, Grande Porto e Entre Douro e Vouga - as únicas que viram reforçar de forma significativa o seu peso na Região - representam em 1991 cerca de 64% da população residente, ao passo que dez anos antes esse valor era apenas de 62%. São 26 os concelhos da Região que concentram mais população do que em A sua localização geográfica configura o fenómeno de litoralização da população da Região. Trata-se assim de concelhos do litoral, com relevo sobretudo para os concelhos limítrofes ao concelho do Porto, particularmente Vila Nova de Gaia. Para além destes concelhos, assumem alguma importância dois grupos de concelhos: o primeiro, no qual Braga desempenha um papel preponderante e que envolve, para além do já referido, os concelhos de Guimarães, Barcelos, Vila Nova de Famalicão e Santo Tirso (os quais passaram, entre os dois censos, de 16,9% para 18,1% da população da Região); e o segundo, dominado por Santa Maria da Feira, do qual fazem parte ainda São João da Madeira e Oliveira de Azeméis (estes concelhos evoluiram de 5,5% para 5,9% da população da Região). Se analisarmos a concentração da população no interior de cada NUTE III, verificamos que em todas, com a excepção do Grande Porto, se verificou um aumento da concentração da população residente, nos concelhos que já possuíam maior dimensão. Consequentemente, em termos subregionais, os concelhos com acréscimos mais importantes em termos de polarização da população da subregião em que se inserem são, por ordem decrescente de importância: Braga (Cávado), Viana do Castelo (Minho-Lima), Vila Real (Douro), Bragança (Alto Trás-os-Montes - com evolução superior a Chaves que permanece o concelho mais populoso), Vila Nova de Gaia (o 2º maior concelho do Grande Porto), Santa Maria da Feira (Entre Douro e Vouga), Paredes (Tâmega - relevo para a evolução de Lousada que ocupa um lugar intermédio na subregião) e Santo Tirso (que embora sendo o 3º maior concelho do Ave é o que apresenta maior acréscimo em termos de polarização da população). Gráfico II R. Norte-Distribuição ordem - dimensão dos concelhos População (milhares) Ordem Este gráfico relaciona, para 1981 e 1991, a ordem de grandeza dos concelhos quanto à dimensão da população residente* com o valor total da população. A escala é logarítmica. Verifica-se que - abstraindo o caso excepcional do Porto - os vinte maiores concelhos da Região concentram em 1991 mais população, em termos relativos, do que em *(desde o concelho do Porto (1º) com 302,5 mil residentes até ao de Penedono (84º) com 3,7 mil residentes)

6 Menos jovem do que era, mas ainda mais jovem do que as outras Continua a ser a região mais jovem do Continente português, uma vez que detém, face aos valores relativos às outras regiões, a maior proporção de jovens e a menor proporção de idosos. No entanto, a evolução da estrutura etária da população da região, entre os dois Recenseamentos, permite verificar a existência de um duplo envelhecimento, manifestado pela diminuição da proporção de jovens na população total (que passou de 28,9% em 1981 para 22,1% em 1991) e pelo acréscimo da proporção de idosos (que passou de 9,8% para 11,4% da população total). activos) é maior em Alto Trás-os-Montes (27,6%), Minho-Lima (26,6%) e Douro (24,8%) e menor no Ave (13,7%); por último o índice de dependência total (jovens e idosos/activos) é maior no Minho- Lima (59,6%), Alto Trás-os-Montes (59,4%) e Douro (58,6%) e menor no Grande Porto (44,0%). Por outro lado, o índice de envelhecimento (idosos/jovens) passou de 33,9% em 1981 para 51,7% em 1991, tendo crescido em todas as subregiões. No último censo, era maior em Alto Trás-os-Montes (86.7%), Minho-Lima (80,7%) e Douro (73,1%) e menor no Ave (38,2%), Tâmega (39,2%) e Cávado (39,5%). A nível concelhio, os contrastes em termos de estrutura etária são ainda mais marcantes. Consideremos, para representar essa heterogeneidade, os valores médios para a Região e os valores extremos. Apesar desta evolução, a Região do Norte ainda apresenta a estrutura demográfica mais equilibrada quando comparada com as restantes regiões do Continente. Permanecem, no entanto, diferenciações regionais bem marcadas. As subregiões com maior percentagem de residentes com menos de 15 anos são: Cávado (24,9%), Tâmega (24,3%), e Ave (23,9%). A estas, podem contrapor-se as subregiões mais envelhecidas, quer na base - menor percentagem de residentes com menos de 15 anos - Douro (21,4%), Minho-Lima (20,6%), Alto Trásos-Montes (20,0%) e Grande Porto (20,0%), quer no topo - maior percentagem de residentes com mais de 64 anos - as quais são exactamente as mesmas, com a excepção do Grande Porto. Entre 1981 e 1991, as principais variações verificadas traduzem-se: na perda de jovens (Alto Trás-os-Montes (-36,1%), Douro (-30,8%) e Minho-Lima (-25,7%)) e no acréscimo de idosos (Entre Douro e Vouga (24,9%) e Grande Porto (23,6%)). Uma outra possibilidade de avaliar a diferenciação regional da estrutura etária, consiste em analisar o comportamento dos índices de dependência. Assim, o índice de dependência de jovens (jovens/activos) é maior no Tâmega (39,1%) e no Cávado (38,1%) e menor no Grande Porto (28,8%); o índice de dependência de idosos (idosos/ Para uma média regional de 22,1% a percentagem de jovens é menor nos concelhos de Melgaço, Freixo de Espada-à-Cinta e Miranda do Douro (16%) e maior nos de Póvoa de Lanhoso, Mondim de Basto e Lousada (17%). Em termos de idosos, a média situa-se nos 11,4%, apresentando os menores valores os concelhos de Paços de Ferreira, Paredes, Valongo e Lousada (7%) e os maiores Vila Nova de Foz Côa e Melgaço (23%). Entre 1981 e 1991 perderam mais jovens sobretudo Vimioso, Melgaço e Vinhais (crescimento negativo superior a -45%). No extremo oposto situa-se São João da Madeira que embora também com evolução negativa, aparece destacado como o concelho que perdeu menos jovens em termos relativos (-8,4%). Em termos de variação de idosos (média de 19%), destaque principalmente para os concelhos do Grande Porto: na verdade, Valongo, Espinho, São João da Madeira, Gondomar e Maia, apresentaram variações positivas superiores a 30%. O índice de envelhecimento da população, que assume o valor médio para a região de 51,7%, permite distinguir os concelhos mais jovens (Paços de Ferreira, Paredes e Lousada - todos com valores inferiores a 30%) dos mais envelhecidos (Melgaço, Freixo de Espada-à-Cinta e Vila Nova de Foz Côa - todos apresentando índices superiores a 135%). De facto, são 13 os concelhos da Região Norte que apresentam índices superiores a 100%.

7 Indice de Envelhecimento (1991) Mapa IV Índice de Envelhecimento (1991) 25 a a a a a Nota: ver legenda no final do artigo 8 Gráfico III - Matriz de Diagramas de Dispersão A matriz de diagramas de dispersão permite destacar o tipo de relação existente - ou a sua ausência - entre as variáveis comentadas, tomadas duas a duas. Cada ponto da nuvem de dispersão representa um dos 84 concelhos da Região. Salientam-se as seguintes relações: a) Entre o crescimento efectivo (CEfe) e o migratório (CMig), de uma forma directa - e com uma série de indicadores relacionados com o envelhecimento da população (Idos, DI91, IE91 - ver legenda) duma forma inversa. b) O crescimento natural (CNat) e a percentagem de jovens (Jov): os concelhos com maior percentagem de jovens apresentam tendencialmente maiores taxas de crescimento natural. E evidentemente de uma forma inversa com os indicadores de envelhecimento referidos no ponto anterior. c) Duma forma menos clara, é possível visualizar uma relação directa entre a dimensão da população residente em 1991 (Log91) e a percentagem de residentes em idade activa e uma relação inversa da mesma variável com os vários indicadores de envelheci-mento.

8 Quadro I - Alguns indicadores para a Região Norte COD NUTES e CONCELHOS PRT81 PRT91 CEfe CNat CMig Jov IdAct Idos DJ81 DJ91 DI81 DI91 DT81 DT91 IE81 IE91 CONTINENTE NORTE MINHO-LIMA ARCOS DE VALDEVEZ CAMINHA MELGAÇO MONÇÃO PAREDES DE COURA PONTE DA BARCA PONTE DE LIMA VALENÇA VIANA DO CASTELO VILA NOVA DE CERVEIRA CÁVADO AMARES BARCELOS BRAGA ESPOSENDE TERRAS DE BOURO VILA VERDE AVE FAFE GUIMARÃES PÓVOA DE LANHOSO SANTO TIRSO VIEIRA DO MINHO VILA NOVA DE FAMALICÃO GRANDE PORTO ESPINHO GONDOMAR MAIA MATOSINHOS PORTO PÓVOA DE VARZIM VALONGO VILA DO CONDE VILA NOVA DE GAIA TÂMEGA AMARANTE BAIÃO CABECEIRAS DE BASTO CASTELO DE PAIVA CELORICO DE BASTO CINFÃES FELGUEIRAS LOUSADA MARCO DE CANAVEZES MONDIM DE BASTO PACOS DE FERREIRA PAREDES PENAFIEL RESENDE RIBEIRA DE PENA (continua)

9 Quadro I - Alguns indicadores para a Região Norte (cont.) COD NUTES e CONCELHOS PRT81 PRT91 CEfe CNat CMig Jov IdAct Idos DJ81 DJ91 DI81 DI91 DT81 DT91 IE81 IE91 CONTINENTE NORTE ENTRE DOURO E VOUGA AROUCA FEIRA OLIVEIRA DE AZEMÉIS S. JOÃO DA MADEIRA VALE DE CAMBRA DOURO ALIJÓ ARMAMAR CARRAZEDA DE ANSIÃES FREIXO DE ESPADA À CINTA LAMEGO MESÃO FRIO MOIMENTA DA BEIRA PENEDONO PESO DA RÉGUA SABROSA S.MARTA DE PENAGUIÃO S. JOÃO DA PESQUEIRA SERNANCELHE TABUAÇO TAROUCA TORRE DE MONCORVO VILA NOVA DE FOZ CÔA VILA FLOR VILA REAL ALTO TRÁS-OS-MONTES ALFANDEGA DA FÉ BOTICAS BRAGANÇA CHAVES MACEDO DE CAVALEIROS MIRANDA DO DO DOURO MIRANDELA MOGADOURO MONTALEGRE MURÇA VALPAÇOS VILA POUCA DE AGUIAR VIMIOSO VINHAIS LEGENDA: COD - Nº de ordem do concelho (para leitura nos mapas) PRT81 - População residente total (1981) PRT91 - População residente total (1991) CEfe - Crescimento efectivo ( ) CNat - Crescimento natural ( ) CMig - Crescimento migratório ( ) Jov - População residente com menos de 15 anos (1991) IdAct - População residente dos 15 aos 64 anos (1991) Idos - População residente com 65 e mais anos (1991) DJ81 - Índice de dependência de jovens (1981) DJ91 - Índice de dependência de jovens (1991) DI81 - Índice de dependência de idosos (1981) DI91 - Índice de dependência de idosos (1991) DT81 - Índice de dependência total (1981) DT91 - Índice de dependência total (1991) IE81 - Índice de envelhecimento (1981) IE91 - Índice de envelhecimento (1991) NOTAS: (1) O concelho de Lisboa perdeu no decénio cerca 145 mil residentes os quais correspondem a uma variação de -17,9%. (2) O concelho de Ribeira Grande, na Região Autónoma dos Açores, é o que apresenta a maior taxa a nível nacional (14,6%). (3) Trata-se, no entanto, de valores que se afastam ainda largamente dos mínimos nacionais, como é o caso do concelho de Sabugal (-9,8%) o qual não constitui de forma alguma uma excepção: 27 concelhos no país possuem valores inferiores ao de Melgaço. (4) Concentravam em 1981, 57,9% da população residente na região do Norte. O valor correspondente para 1991 é de 61,8%. (5) Estes concelhos passam, entre os dois censos, de 18,8% para 20,5% da população da Região. (6) Indivíduos com idade inferior a 15 anos. (7) Indivíduos com idade superior a 64 anos. (8) Concelhos com maior número de idosos do que o de jovens. FONTES: - INE - Recenseamentos Gerais de População e 1991 (Dados Pré-Definitivos) - INE - Gabinete de Estudos Demográficos, "Alterações Demográficas nas Regiões Portuguesas entre ", Lisboa, Março de 1993

EXECUÇÃO do PRODER. Jovens Agricultores (Ação 1.1.3) , , , ,69

EXECUÇÃO do PRODER. Jovens Agricultores (Ação 1.1.3) , , , ,69 EXECUÇÃO do PRODER AÇÃO Nº (só Prémio) JOVENS AGRICULTORES Nº (com Investimento) Nº BENEFICIÁRIOS PRÉMIO APROVADO INVESTIMENTO MONTANTES APROVADOS SUBSÍDIO DESPESA PÚBLICA REALIZADA (PRÉMIO + SUBSÍDIO)

Leia mais

Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em:

Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Plataformas Supraconcelhias Norte Atualizado em: 17-11-2014 Plataformas Supraconcelhias As Plataformas Territoriais, como órgão da Rede Social, foram criadas com o objetivo de reforçar

Leia mais

Promoção da Mobilidade, Transportes e Logística na Região do Norte CONCRETA REABILITAR/ HABITAR EXPONOR 21 OUT 2009 ANTÓNIO PÉREZ BABO

Promoção da Mobilidade, Transportes e Logística na Região do Norte CONCRETA REABILITAR/ HABITAR EXPONOR 21 OUT 2009 ANTÓNIO PÉREZ BABO Promoção da Mobilidade, Transportes e Logística na Região do Norte Nº Viagens / pessoa. dia INDICADORES 1 padrão de mobilidade RN antes do metro na AMP Repartição das Viagens Diárias por Modo de Transporte

Leia mais

Municípios da Região do Norte Fundos municipais em 2019

Municípios da Região do Norte Fundos municipais em 2019 Municípios da Região do Norte Fundos municipais em 2019 A participação dos municípios nos impostos do Estado encontra-se definida no regime financeiro das autarquias locais e das entidades intermunicipais,

Leia mais

CENSOS 2001 Resultados Preliminares para a Região do Norte

CENSOS 2001 Resultados Preliminares para a Região do Norte Informação à Comunicação Social 26 de Junho de 2001 CENSOS 2001 Resultados Preliminares para a Região do Norte De acordo com resultados preliminares dos Censos 2001, a população residente na Região Norte

Leia mais

URGÊNCIA HOSPITALAR - SONHO

URGÊNCIA HOSPITALAR - SONHO MARÇO-2018 URGÊNCIA HOSPITALAR - SONHO 05-04-2018 CONTEÚDO EVOLUÇÃO DAS URGÊNCIAS HOSPITALARES... 3 URGÊNCIAS HOSPITALARES (PERÍODO ANTERIOR E PERÍODO HOMÓLOGO)... 4 URGÊNCIAS HOSPITALARES (PERÍODO ANTERIOR

Leia mais

URGÊNCIA HOSPITALAR - SONHO

URGÊNCIA HOSPITALAR - SONHO DEZEMBRO-2017 URGÊNCIA HOSPITALAR - SONHO 05-01-2018 CONTEÚDO EVOLUÇÃO DAS URGÊNCIAS HOSPITALARES... 3 URGÊNCIAS HOSPITALARES (PERÍODO ANTERIOR E PERÍODO HOMÓLOGO)... 4 URGÊNCIAS HOSPITALARES (PERÍODO

Leia mais

URGÊNCIA HOSPITALAR - SONHO

URGÊNCIA HOSPITALAR - SONHO JULHO-2018 URGÊNCIA HOSPITALAR - SONHO 05-08-2018 CONTEÚDO EVOLUÇÃO DAS URGÊNCIAS HOSPITALARES... 3 URGÊNCIAS HOSPITALARES (PERÍODO ANTERIOR E PERÍODO HOMÓLOGO)... 4 URGÊNCIAS HOSPITALARES (PERÍODO ANTERIOR

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte

ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte ANTÓNIO EDUARDO PEREIRA* Sendo a terceira região do país com maior nível de poder de compra per capita, o Norte

Leia mais

Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 SISTEMAS AMBIENTAIS ARNALDO MACHADO Nota Preliminar Princípios gerais de Política Ambiental

Leia mais

NÍVEL EDUCACIONAL NA REGIÃO DO NORTE

NÍVEL EDUCACIONAL NA REGIÃO DO NORTE Nível Educacional na Região do Norte NÍVEL EDUCACIONAL NA REGIÃO DO NORTE CARLA MELO* Tendo por referência os resultados Pré-Definitivos do Recenseamento da População de 1991, e comparando-os com os dados

Leia mais

Rui Monteiro Diretor de Serviços de Desenvolvimento Regional da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte

Rui Monteiro Diretor de Serviços de Desenvolvimento Regional da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte Desenvolvimento e Competitividade Económica: o Papel do Poder Local O Papel do Poder Local nas Políticas de Desenvolvimento Económico e Competitividade: Enquadramento no Contexto do Norte 2020 Rui Monteiro

Leia mais

AS INTERVENÇÕES PARA FECHO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO. 8 de maio Convento de S. Francisco, Coimbra

AS INTERVENÇÕES PARA FECHO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO. 8 de maio Convento de S. Francisco, Coimbra AS INTERVENÇÕES PARA FECHO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO 8 de maio Convento de S. Francisco, Coimbra Águas do Norte, SA Sistema Multimunicipal A Águas do Norte, S.A. foi constituída pelo Decreto-Lei n.º 93/2015,

Leia mais

AS INTERVENÇÕES PARA FECHO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO. 8 de maio Convento de S. Francisco, Coimbra

AS INTERVENÇÕES PARA FECHO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO. 8 de maio Convento de S. Francisco, Coimbra AS INTERVENÇÕES PARA FECHO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO 8 de maio Convento de S. Francisco, Coimbra Águas do Norte, SA Sistema Multimunicipal A Águas do Norte, S.A. foi constituída pelo Decreto-Lei n.º 93/2015,

Leia mais

1. Lista de Municípios onde se detetou a existência de Vespa velutina pela primeira vez em 2018

1. Lista de Municípios onde se detetou a existência de Vespa velutina pela primeira vez em 2018 1. Lista de s onde se detetou a existência de Vespa velutina pela primeira vez em 2018 Mirandela Mogadouro Vinhais Vila Flor Oleiros Fundão Covilhã Sertã Miranda do Corvo Trancoso Celorico da Beira Batalha

Leia mais

Rui Monteiro Diretor de Serviços de Desenvolvimento Regional da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte

Rui Monteiro Diretor de Serviços de Desenvolvimento Regional da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte Desenvolvimento e Competitividade Económica: o Papel do Poder Local O Papel do Poder Local nas Políticas de Desenvolvimento Económico e Competitividade: Enquadramento no Contexto do Norte 2020 Rui Monteiro

Leia mais

CONTRIBUTO PARA A DEFINIÇÃO DE UMA TIPOLOGIA SOCIOECONÓMICA DOS CONCELHOS DA REGIÃO DO NORTE PAULO GOMES / SÉRGIO BACELAR / EMILIA SALEIRO*

CONTRIBUTO PARA A DEFINIÇÃO DE UMA TIPOLOGIA SOCIOECONÓMICA DOS CONCELHOS DA REGIÃO DO NORTE PAULO GOMES / SÉRGIO BACELAR / EMILIA SALEIRO* Contributo para a Definição de uma Tipologia Socioeconómica dos Concelhos da Região do Norte CONTRIBUTO PARA A DEFINIÇÃO DE UMA TIPOLOGIA SOCIOECONÓMICA DOS CONCELHOS DA REGIÃO DO NORTE PAULO GOMES / SÉRGIO

Leia mais

REN PUBLICADAS (atualizado em 18 de Janeiro de 2016)

REN PUBLICADAS (atualizado em 18 de Janeiro de 2016) REN PUBLICADAS (atualizado em 18 de Janeiro de 2016) Concelho Diploma não em vigor Diploma em vigor Alfândega da Fé RCM n.º 146/96, de 11 de Setembro Portaria n.º 156/2015, de 28 de Maio de 2015 (entrou

Leia mais

REN PUBLICADAS (atualizado em 17 de Março de 2016)

REN PUBLICADAS (atualizado em 17 de Março de 2016) REN PUBLICADAS (atualizado em 17 de Março de 2016) Concelho Diploma não em vigor Diploma em vigor Alfândega da Fé RCM n.º 146/96, de 11 de Setembro Portaria n.º 156/2015, de 28 de Maio de 2015 (entrou

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL E COMPONENTES REGIÃO NORTE

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL E COMPONENTES REGIÃO NORTE NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL E COMPONENTES REGIÃO NORTE - ABRIL Ficha Técnica Título Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes, - Editor Administração Regional da Saúde do Norte, I.P. Rua Santa

Leia mais

Ponto de situação na Região Norte. da Flavescência dourada da videira. e do vector Scaphoideus titanus Ball

Ponto de situação na Região Norte. da Flavescência dourada da videira. e do vector Scaphoideus titanus Ball Ponto situação na Região Norte da Flavescência urada da viira e vector Scaphoius titanus Ball Junho 2009 SCAPHOIDEUS TITANUS Originário norte s Estas Unis da América; Na Europa, algumas referências apontam

Leia mais

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Produção de Pequenos Frutos na Região Norte Em Portugal, à exceção do morango,

Leia mais

TIPO MUNICÍPIOS COM SERVIÇOS CRO OBSERVAÇÃO - OUTRAS AUTORIZAÇÕES. ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT CGM in situ

TIPO MUNICÍPIOS COM SERVIÇOS CRO OBSERVAÇÃO - OUTRAS AUTORIZAÇÕES. ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT CGM in situ ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS ALCOBAÇA

Leia mais

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta ACES Início Conclusão 00 0 0 Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Alto Minho -0-00 -0-0 Alto Tâmega e Barroso 8-06-00-07-0 Aveiro Norte 0-09-00-0-0

Leia mais

INCENTIVOS AO INVESTIMENTO COMÉRCIO TRADICIONAL. 17 de Abril de 2018

INCENTIVOS AO INVESTIMENTO COMÉRCIO TRADICIONAL. 17 de Abril de 2018 INCENTIVOS AO INVESTIMENTO COMÉRCIO TRADICIONAL 17 de Abril de 2018 Vale Comércio Parte I 17/04/2018 2 Vale Comércio CRESCIMENTO DA ECONOMIA Restauração Promoção da inovação Renovação do modelo de negócio

Leia mais

Semana da FORMAÇÃO FINANCEIRA

Semana da FORMAÇÃO FINANCEIRA Semana da FORMAÇÃO FINANCEIRA 29out-2nov2018 www.todoscontam.pt Na Formação Financeira Programa Todos Contam! NA FORMAÇÃO FINANCEIRA TODOS CONTAM Semana da Formação Financeira 2018 O Plano Nacional de

Leia mais

a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1

a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1 a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1 Paulo Reis Mourão Daniela Gaspar Resumo: Palavras-chave Portugal Códigos JEL Abstract: Keywords JEL Codes

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS ALCOBAÇA

Leia mais

Campanha Esterilização de Animais Abandonados

Campanha Esterilização de Animais Abandonados Campanha Esterilização de Animais Abandonados Quadro informativo sobre a oferta das Câmaras em matéria de esterilizações de animais domésticos ( Lei 27/2016) em construção Abrantes S Águeda Aguiar Da Beira

Leia mais

PARA OS RESIDENTES DOS CONCELHOS DE. Presidente Dr. João Manuel Barros Figueiredo Cruz.

PARA OS RESIDENTES DOS CONCELHOS DE. Presidente Dr. João Manuel Barros Figueiredo Cruz. Juntas Médicas de Avaliação do Grau de Incapacidade de Deficientes Civis de Braga, Esposende, Barcelos, V. N. de Famalicão, Guimarães, Vizela, Fafe, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Vieira do Minho,

Leia mais

PARTE II Empresas TIC do Minho (2003)

PARTE II Empresas TIC do Minho (2003) PARTE II Empresas TIC do Minho (2003) II.2. Caracterização por concelho II.2.1. Análise por dimensão e volume Nesta secção caracteriza-se o conjunto das 613 esas identifi cadas como TIC (ou a partir das

Leia mais

Juízes a considerar Movimento PGD Comarca Município Secções Amares Local 1 DIAP Família e Menores 2 Barcelos

Juízes a considerar Movimento PGD Comarca Município Secções Amares Local 1 DIAP Família e Menores 2 Barcelos PGD Comarca Município Secções Juízes a considerar Movimento 2016-2017 Efetivos Auxiliares Aveiro Águeda / Execução 1 Albergaria a Velha Anadia Local 1 Arouca Local 1 / 1 Central Cível 3 Aveiro Central

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS 1 ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ 2 ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM 3 AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO 4 ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSOS DE ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA REN - ARTIGO 16º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSOS DE ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA REN - ARTIGO 16º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSOS DE ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA REN - ARTIGO 16º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO Instrução do processo para publicação em DRE 1 Exemplar em papel (na

Leia mais

ANEXOS 79. As doenças são referidas e ordenadas pelos respectivos códigos da CID-10.

ANEXOS 79. As doenças são referidas e ordenadas pelos respectivos códigos da CID-10. ANEXOS 79 O Anexo 1 é constituído por quadros que apresentam as taxas de incidência, por 100 000 habitantes, das doenças de declaração obrigatória com casos notificados em 2000, por Regiões de Saúde e

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA REGIÃO DO NORTE: EXPORTAÇÕES E TERRITÓRIO

A COMPETITIVIDADE DA REGIÃO DO NORTE: EXPORTAÇÕES E TERRITÓRIO A COMPETITIVIDADE DA REGIÃO DO NORTE: EXPORTAÇÕES E TERRITÓRIO Exportações excecionais, investimento sofrível Exportações a pesar 45% no PIB: a grande transformação A economia só regressa a 2008 em

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSO DE CORRECÇÃO MATERIAL DA CARTA DA REN NO ÂMBITO DO ART. 19.º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSO DE CORRECÇÃO MATERIAL DA CARTA DA REN NO ÂMBITO DO ART. 19.º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSO DE CORRECÇÃO MATERIAL DA CARTA DA REN NO ÂMBITO DO ART. 19.º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO Instrução do processo para publicação em DRE 1 Exemplar em

Leia mais

Poder de Compra Concelhio

Poder de Compra Concelhio Poder de Compra Concelhio 2002-2005 Síntese A presente análise baseia-se no índice de poder de compra per capita retirado das últimas duas versões do Estudo sobre o Poder de Compra Concelhio (EPCC). A

Leia mais

MEIOS DE TRANSPORTE E DURAÇÕES DOS PERCURSOS CASA-TRABALHO

MEIOS DE TRANSPORTE E DURAÇÕES DOS PERCURSOS CASA-TRABALHO Meios de Transporte e Durações dos Percursos Casa - Trabalho MEIOS DE TRANSPORTE E DURAÇÕES DOS PERCURSOS CASA-TRABALHO Deslocações pendulares de activos empregados residentes na Região Norte EDUARDO PEREIRA

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSO DE CORRECÇÃO MATERIAL DA CARTA DA REN NO ÂMBITO DO ART. 19.º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSO DE CORRECÇÃO MATERIAL DA CARTA DA REN NO ÂMBITO DO ART. 19.º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSO DE CORRECÇÃO MATERIAL DA CARTA DA REN NO ÂMBITO DO ART. 19.º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO Instrução do processo para publicação em DRE 1 Exemplar em

Leia mais

TENDÊNCIAS EVOLUTIVAS DA POPULAÇÃO ACTIVA NA REGIÃO NORTE ( ) ANTÓNIO EDUARDO PEREIRA*

TENDÊNCIAS EVOLUTIVAS DA POPULAÇÃO ACTIVA NA REGIÃO NORTE ( ) ANTÓNIO EDUARDO PEREIRA* Tendências Evolutivas na Região Norte (1981-1991) TENDÊNCIAS EVOLUTIVAS DA POPULAÇÃO ACTIVA NA REGIÃO NORTE (1981-1991) ANTÓNIO EDUARDO PEREIRA* Entre 1981 e 1991, a População Activa da região Norte aumentou

Leia mais

A desaceleração no ritmo de crescimento da população residente na Região Norte,

A desaceleração no ritmo de crescimento da população residente na Região Norte, Alteração das Acessibilidades e Dinâmicas Territoriais na Região Norte: expectativas, intervenções e resultantes 4.1 POPULAÇÃO E QUALIDADE DE VIDA 4.1.1 Estabilização e envelhecimento (196 a 1997) A desaceleração

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO (RH3)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO (RH3) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO (RH3) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 1 Código: PTA0x1RH3... 3 Código: PTA1... 9 Código: PTO01RH3... 13 Anexo III Fichas de massa de água

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO (RH3)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO (RH3) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO DOURO (RH3) Maio 2016 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH3... 7 Código: PTA1... 13 Código: PTO01RH3... 19 Anexo III Fichas de massa de água

Leia mais

INFORMAÇÃO FINANCEIRA DAS DELEGAÇÕES

INFORMAÇÃO FINANCEIRA DAS DELEGAÇÕES C D INFORMAÇÃO FINANCEIRA DAS DELEGAÇÕES Delegação Advogados inscritos activos - PROJECÇÃO PARA 2009 Verbas que deverão ser entregues às Delegações em 2009 (valor aproximado fixado com base no orçamento

Leia mais

Dia Escola Agrupamento Distrito Concelho

Dia Escola Agrupamento Distrito Concelho Dia Escola Agrupamento Distrito Concelho Número de reuniões agendadas Número de reuniões não realizadas EBS ESCARIZ AE ESCARIZ AVEIRO ESCARIZ 6 6 EBS FAJOES AE FAJOES AVEIRO OLIVEIRA DE 5 5 EBS LOUREIRO

Leia mais

AS MIGRAÇÕES INTERNAS NA REGIÃO NORTE

AS MIGRAÇÕES INTERNAS NA REGIÃO NORTE AS IGRAÇÕES INTERNAS NA REGIÃO NORTE PEDRO CAPOS / EÍLIA SALEIRO* Na Região Norte, cerca de 114 mil indivíduos mudaram de concelho de residência entre 1985 e 1991. Este valor não se distribui de uma forma

Leia mais

PORTA 65 JOVEM RESULTADOS DO 2 E 3º PERÍODOS DE CANDIDATURAS (15 Abril 15 Maio 08)

PORTA 65 JOVEM RESULTADOS DO 2 E 3º PERÍODOS DE CANDIDATURAS (15 Abril 15 Maio 08) PORTA 65 JOVEM RESULTADOS DO 2 E 3º PERÍODOS DE CANDIDATURAS (15 Abril 15 Maio 08) Candidaturas submetidas na plataforma 5 508 Candidaturas aprovadas 4 156 1. Situação das 5508 candidaturas submetidas

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSOS DE ALTERAÇÃO SIMPLIFICADA DA DELIMITAÇÃO DA REN - ARTIGO 16º-A DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSOS DE ALTERAÇÃO SIMPLIFICADA DA DELIMITAÇÃO DA REN - ARTIGO 16º-A DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSOS DE ALTERAÇÃO SIMPLIFICADA DA DELIMITAÇÃO DA REN - ARTIGO 16º-A DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO Instrução do processo para publicação em DRE 1 Exemplar

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSOS DE ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA REN - ARTIGO 16º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSOS DE ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA REN - ARTIGO 16º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSOS DE ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA REN - ARTIGO 16º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO Instrução do processo para publicação em DRE 1 Exemplar em papel (na

Leia mais

Protocolos firmados no âmbito das Autarquias: Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens

Protocolos firmados no âmbito das Autarquias: Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens 1 Abrantes Santarém 2 Águeda Aveiro 3 Albufeira Faro 4 Alcanena Santarém 5 Alcobaça Leiria 6 Alcoutim Faro 7 Alenquer Lisboa 8 Alfândega da Fé Bragança 9 Aljustrel Beja 10 Almada Setúbal 11 Almodôvar Beja

Leia mais

PARTE I Geografi a do Minho

PARTE I Geografi a do Minho PARTE I Geografi a do Minho I.2 Dados fundamentais, por concelho I.2.1. População Os indicadores concelhios foram obtidos de dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), incluindo o Census 2001 (www.ine.pt).

Leia mais

spn - greve às avaliações 22 de junho

spn - greve às avaliações 22 de junho NÃO AVEIRO AROUCA AE AROUCA EBS AROUCA 10 10 100 AVEIRO AROUCA AE ESCARIZ EBS ESCARIZ 7 7 100 AVEIRO CASTELO DE PAIVA AE CASTELO DE PAIVA AE CASTELO PAIVA 19 19 100 AVEIRO CASTELO DE PAIVA AE COUTO MINEIRO

Leia mais

Ordem dos Advogados. Conselho Geral

Ordem dos Advogados. Conselho Geral Ordem dos Advogados Conselho Geral O Conselho Geral, reunido em sessão plenária de 11 de Julho de 2008, relativamente ao número de lotes (por comarca), deliberou, por unanimidade, aprovar o seguinte: I

Leia mais

PARTE II Empresas TIC do Minho (2003)

PARTE II Empresas TIC do Minho (2003) PARTE II Empresas TIC do Minho (2003) II.2. Caracterização por concelho II.2.2. Análise por sectores de actividade As tabelas 16 e 17 mostram os resultados da análise das 613 empresas TIC do Minho por

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSO DE CORRECÇÃO MATERIAL DA CARTA DA REN NO ÂMBITO DO ART. 19.º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO

INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSO DE CORRECÇÃO MATERIAL DA CARTA DA REN NO ÂMBITO DO ART. 19.º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO INSTRUÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE PROCESSO DE CORRECÇÃO MATERIAL DA CARTA DA REN NO ÂMBITO DO ART. 19.º DO DECRETO-LEI Nº 239/2012, DE 2 DE NOVEMBRO Instrução do processo para publicação em DRE 1 Exemplar em

Leia mais

Centro Norte Litoral que (des) continuidades

Centro Norte Litoral que (des) continuidades Centro Norte Litoral. que (des) continuidades no norte centro litoral? 1 Evolução da População Residente 1991 Norte 3472715 3687293 3689713 Norte Litoral 1830979 1981427 1992779 Norte interior 473936 445186

Leia mais

Notas sobre a população níveis de povoamento e envelhecimento: contrastes entre os concelhos do continente

Notas sobre a população níveis de povoamento e envelhecimento: contrastes entre os concelhos do continente Maria João Valente Rosa* AnáliseSocial,vol.xxxiii (148),1998 (4. ), 855-860 Notas sobre a população níveis de povoamento e envelhecimento: contrastes entre os concelhos do continente Uma viagem pelo continente

Leia mais

Dia Escola Agrupamento Distrito Concelho

Dia Escola Agrupamento Distrito Concelho Dia Escola Agrupamento Distrito Concelho Número de reuniões agendadas Número de reuniões não realizadas EBS AROUCA AE AROUCA AVEIRO AROUCA EBS ESCARIZ AE ESCARIZ AVEIRO ESCARIZ 6 6 EBS FAJOES AE FAJOES

Leia mais

ÁREA AGRUPAMENTOS/ESCOLAS Concelho Votantes Sim % Não % Brancos % Nulos % NÃO AGRUPADAS

ÁREA AGRUPAMENTOS/ESCOLAS Concelho Votantes Sim % Não % Brancos % Nulos % NÃO AGRUPADAS ÁREA AGRUPAMENTOS/ESCOLAS Concelho Votantes Sim % Não % Brancos % Nulos % NÃO AGRUPADAS AMARANTE Escolas de Amarante Amarante 73 0 0% 72 99% 1 1% 0 0% Escolas Amadeo de Souza Cardoso, Amarante Amarante

Leia mais

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 Portaria n.º 273/2009 de 18 de Março O Programa do XVII Governo Constitucional define que «o sistema [de saúde] deve ser reorganizado a todos

Leia mais

Top 10 Necessárias 930 novas igrejas:

Top 10 Necessárias 930 novas igrejas: Blocos prioritários por distrito MG 2015 Top 10 Necessárias 930 novas igrejas: 1. BRAGA: São necessárias 186 novas igrejas, sendo 35 destas nos blocos prioritários a seguir: Briteiros (1248 hab.), Caldas

Leia mais

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS NA REGIÃO NORTE NO PERÍODO INTERCENSITÁRIO ( )

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS NA REGIÃO NORTE NO PERÍODO INTERCENSITÁRIO ( ) Estatísticas & Estudos Regionais PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS NA REGIÃO NORTE NO PERÍODO INTERCENSITÁRIO (-) CENSOS - RESULTADOS PROVISÓRIOS António Eduardo Pereira * A expansão demográfica na região

Leia mais

PARTE II Empresas TIC do Minho (2003)

PARTE II Empresas TIC do Minho (2003) PARTE II Empresas TIC do Minho (2003) II.2. Caracterização por concelho 2.2.3. Análise por dimensão das empresas As tabelas 23 e 24 mostram a distribuição da dimensão das empresas identifi cadas pelas

Leia mais

Demografia e Estrutura Urbana António Lacerda e Josefina Gomes

Demografia e Estrutura Urbana António Lacerda e Josefina Gomes Demografia e Estrutura Urbana António Lacerda e Josefina Gomes 2 a sessão NORTE & TERRITÓRIO 30 setembro Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro www.ccdr-n.pt/norte-territorio Sumário 1. Breve caracterização

Leia mais

PARTE II Empresas TIC do Minho (2003)

PARTE II Empresas TIC do Minho (2003) PARTE II Empresas TIC do Minho (2003) II.2. Caracterização por Concelho II.2.4 Análise por forma jurídica das sociedades As tabelas 26 e 27 sumariam os dados por concelho relativos à forma jurídica das

Leia mais

Semana da FORMAÇÃO FINANCEIRA

Semana da FORMAÇÃO FINANCEIRA Semana da FORMAÇÃO FINANCEIRA 30out-3nov2017 www.todoscontam.pt Na Formação Financeira Programa Todos Contam! NA FORMAÇÃO FINANCEIRA TODOS CONTAM Semana da Formação Financeira 2017 O Plano Nacional de

Leia mais

Amarante. Armamar Agrupamento de Escolas de Gomes Teixeira, Armamar Escola Básica e Secundária Gomes Teixeira, Armamar

Amarante. Armamar Agrupamento de Escolas de Gomes Teixeira, Armamar Escola Básica e Secundária Gomes Teixeira, Armamar Unidades de Apoio Especializado para a Educação de Alunos com Multideficiência e Surdocegueira Congénita (Artigo 26.º do Decreto-Lei n.º3/2008) Região Norte Ano Letivo 2016/2017 Concelho Unidade Orgânica

Leia mais

Semana da FORMAÇÃO FINANCEIRA

Semana da FORMAÇÃO FINANCEIRA Semana da FORMAÇÃO FINANCEIRA 30out-3nov2017 www.todoscontam.pt Na Formação Financeira Programa Todos Contam! provisório NA FORMAÇÃO FINANCEIRA TODOS CONTAM Semana da Formação Financeira 2017 O Plano Nacional

Leia mais

1652-(6) Diário da República, 1.ª série N.º de abril de 2018

1652-(6) Diário da República, 1.ª série N.º de abril de 2018 1652-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 77 19 de abril de 2018 Portaria n.º 107-B/2018 de 19 de abril Ao abrigo do artigo 28.º do Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e Professores dos Ensinos

Leia mais

Perfil Regional de Saúde 2017

Perfil Regional de Saúde 2017 O perfil de saúde constitui-se como um instrumento de apoio à tomada de decisão técnica, politico/estratégica e organizacional, sendo uma ferramenta virada para a ação, no sentido da melhoria da saúde

Leia mais

Repartição de 60% Fundo. Repartição de 40% Fundo

Repartição de 60% Fundo. Repartição de 40% Fundo s # CIM ALENTEJO CENTRAL 14 - - 46 090,5 61 645,3 - - 0 - - ALANDROAL 1 - - 3 292,2 4 504,0 - - 0 - - ARRAIOLOS 1 - - 3 292,2 4 890,0 - - 0 - - BORBA 1 - - 3 292,2 2 798,1 - - 0 - - ESTREMOZ 1 - - 3 292,2

Leia mais

REDE DE GABINETES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL VAGAS A APROVAR

REDE DE GABINETES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL VAGAS A APROVAR REDE DE GABINETES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL 2019-2021 VAGAS A APROVAR DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE e CTEF ALTO TÂMEGA CTEF BRAGA CTEF BRAGANÇA CHAVES BRAGA BRAGANÇA MACEDO DE CAVALEIROS BOTICAS 1 MONTALEGRE

Leia mais

Fundo para o Serviço Público de Transportes (FSPT) Listagem provisória das transferências para as Autoridades de Transportes em 2017*

Fundo para o Serviço Público de Transportes (FSPT) Listagem provisória das transferências para as Autoridades de Transportes em 2017* ALENTEJO CENTRAL ALANDROAL 5 603 742 0,37533% 3 292 4 504 7 796 ALENTEJO CENTRAL ARRAIOLOS 6 084 002 0,40750% 3 292 4 890 8 182 ALENTEJO CENTRAL BORBA 3 481 299 0,23317% 3 292 2 798 6 090 ALENTEJO CENTRAL

Leia mais

Poder de compra mais elevado associado aos territórios urbanos, destacando-se a Grande Área Metropolitana de Lisboa, o Algarve e o Grande Porto

Poder de compra mais elevado associado aos territórios urbanos, destacando-se a Grande Área Metropolitana de Lisboa, o Algarve e o Grande Porto Estudo sobre o Poder de Compra Concelhio 2005 Número VII Edição de 2007 14 de Setembro de 2007 Poder de compra mais elevado associado aos territórios urbanos, destacando-se a Grande Área Metropolitana

Leia mais

Perfil Regional de Saúde

Perfil Regional de Saúde ENTRAR Perfil Regional de Saúde O perfil de saúde constitui-se como um instrumento de apoio à tomada de decisão técnica, politico/estratégica e organizacional, sendo uma ferramenta virada para a ação,

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS 1 ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ 2 ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM 3 AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO 4 ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS

Leia mais

VII JORNADAS DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO

VII JORNADAS DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO VII JORNADAS DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E AMBIENTE: DESAFIOS PARA A GESTÃO PÚPLICA E PRIVADA BARCELOS, 24 DE NOVEMBRO DE 2006 EM QUE AMBIENTE VIVE A GESTÃO DO 1 O Contexto Territorial 2 O Contexto Temporal

Leia mais

Fundo para o Serviço Público de Transportes (FSPT) Montantes provisórios das transferências para as Autoridades de Transportes em 2018*

Fundo para o Serviço Público de Transportes (FSPT) Montantes provisórios das transferências para as Autoridades de Transportes em 2018* ALENTEJO CENTRAL 14 77 447 903 5,1462% 46 091 61 754 107 845-107 845-107 845 ALANDROAL 1 5 682 487 0,3776% 3 292 4 531 7 823-7 823-7 823 ARRAIOLOS 1 6 160 883 0,4094% 3 292 4 912 8 205-8 205-8 205 BORBA

Leia mais

Fundo para o Serviço Público de Transportes Estimativa preliminar do financiamento regular das autoridades de transportes em 2019

Fundo para o Serviço Público de Transportes Estimativa preliminar do financiamento regular das autoridades de transportes em 2019 ALENTEJO CENTRAL 5,1740% 46.091 62.089 108.179-19.048 31.044 50.092 108.179 50.092 158.271 ALANDROAL 0,3690% 3.292 4.428 7.720-2.214 2.214 7.720 2.214 9.935 ARRAIOLOS 0,3997% 3.292 4.797 8.089-2.398 2.398

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS 774 POSTOS DE TRABALHO POR ARS/ ACES/ CONCELHO. Administração Regional de Saúde do Norte, I.P.

IDENTIFICAÇÃO DOS 774 POSTOS DE TRABALHO POR ARS/ ACES/ CONCELHO. Administração Regional de Saúde do Norte, I.P. IDENTIFICAÇÃO DOS 774 POSTOS DE TRABALHO POR ARS/ ACES/ CONCELHO Administração Regional de Saúde do Norte, I.P. Entre Douro e Vouga II Aveiro Norte Oliveira de Azeméis 4 Porto I St Tirso/ Trofa Trofa 1

Leia mais

VALOR ECONÓMICO DO SETOR DA RESTAURAÇÃO E BEBIDAS RESTAURANTE DO FUTURO JOSÉ MENDES IDTOUR UNIQUE SOLUTIONS, LDA.

VALOR ECONÓMICO DO SETOR DA RESTAURAÇÃO E BEBIDAS RESTAURANTE DO FUTURO JOSÉ MENDES IDTOUR UNIQUE SOLUTIONS, LDA. VALOR ECONÓMICO DO SETOR DA RESTAURAÇÃO E BEBIDAS RESTAURANTE DO FUTURO JOSÉ MENDES IDTOUR UNIQUE SOLUTIONS, LDA. AVEIRO, UNIVERSIDADE DE AVEIRO, 27.FEVEREIRO.2012 ANÁLISE MACROECONÓMICA CONTA SATÉLITE

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS Quadro das aprovações

PLANOS MUNICIPAIS DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS Quadro das aprovações Aveiro Águeda 05-03-2007 29-04-2015 Aveiro Albergaria-a-Velha 05-03-2007 14-12-2015 Aveiro Anadia 05-03-2007 07-06-2013 Aveiro Arouca 11-08-2008 15-07-2015 Aveiro Aveiro 15-12-2008 Aveiro Castelo de Paiva

Leia mais

Nupcialidade, Divorcialidade e Natalidade na Região do Norte ( )

Nupcialidade, Divorcialidade e Natalidade na Região do Norte ( ) Nupcialidade, Divorcialidade e N atalidade na Região do Norte ( 1991-1992) Nupcialidade, Divorcialidade e Natalidade na Região do Norte (1991-1992) UMA HISTÓRIA COM MORAL António Eduardo Pereira* A instituição

Leia mais

1.1 Municípios por NUTS III, distrito/ra e CCR/RA (2001, Municípios por ordenação alfabética)

1.1 Municípios por NUTS III, distrito/ra e CCR/RA (2001, Municípios por ordenação alfabética) 1.1 Municípios por NUTS III, distrito/ra e CCR/RA ABRANTES Médio Tejo Santarém Lisboa e Vale do Tejo Continente ÁGUEDA Baixo Vouga Aveiro Centro Continente AGUIAR DA BEIRA Dão-Lafões Guarda Centro Continente

Leia mais

Director Presidente do Conselho de Administração C. Corrêa Gago

Director Presidente do Conselho de Administração C. Corrêa Gago ENTRE DOURO E MINHO Catalogação recomendada INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA Recenseamento geral da agricultura : 999 : Entre Douro e Minho : principais resultados / Instituto Nacional de Estatística.

Leia mais

Estimativas Provisórias de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas Provisórias de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas Provisórias de População Residente, 2007 Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios ficha técnica Título Estimativas provisórias de população residente, 2007 Portugal, NUTS II, NUTS III e municípios

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 1246-(96) Diário da República, 1.ª série N.º 41 27 de fevereiro de 2015 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 57-C/2015 de 27 de fevereiro No cumprimento da sua missão, o Ministério

Leia mais

PROGRAMA HIDROPAS EXEMPLO DE MEMÓRIA DESCRITIVA

PROGRAMA HIDROPAS EXEMPLO DE MEMÓRIA DESCRITIVA Anexo D PROGRAMA HIDROPAS EXEMPLO DE MEMÓRIA DESCRITIVA 2 Programa HIDROPAS. Exemplo de memória descritiva ======================================== DIMENSIONAMENTO DE PASSAGENS HIDRÁULICAS ========================================

Leia mais

Censos População residente que trabalha ou estuda, segundo as entradas, saídas e sexo, por municipio

Censos População residente que trabalha ou estuda, segundo as entradas, saídas e sexo, por municipio Censos 2011 - População residente que trabalha ou estuda, segundo as entradas, saídas e sexo, por municipio NUTS1 COD NUT1 DSG NUTS2 NUT2 DSG NUTS3 NUT3 DSG MUNICIPIO COD MUNICIPIO DSG POPULAÇÃO QUE ENTRA

Leia mais

Correspondência entre Municípios. Área de Rede Tejo. (Diretiva n.º 2/2018 da ERSE) Área de Rede Lisboa. Área de Rede Mondego.

Correspondência entre Municípios. Área de Rede Tejo. (Diretiva n.º 2/2018 da ERSE) Área de Rede Lisboa. Área de Rede Mondego. Abrantes Águeda Aguiar da Beira Alandroal Albergaria-a-Velha Albufeira Alcácer do Sal Alcanena Alcobaça Alcochete Alcoutim Alenquer Alfândega da Fé Alijó Aljezur Aljustrel Almada Almeida Almeirim Almodôvar

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO E DA ESTRUTURA FAMILIAR NA REGIÃO NORTE NOS ÚLTIMOS 15 ANOS: MUDANÇA E CONTINUIDADE

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO E DA ESTRUTURA FAMILIAR NA REGIÃO NORTE NOS ÚLTIMOS 15 ANOS: MUDANÇA E CONTINUIDADE CAPÍTULO II Sérgio Bacelar EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO E DA ESTRUTURA FAMILIAR NA REGIÃO NORTE NOS ÚLTIMOS 15 ANOS: MUDANÇA E CONTINUIDADE A análise da evolução da população e da estrutura familiar da Região

Leia mais

Tabela 2: Características dos municípios

Tabela 2: Características dos municípios Tabela 2: Características dos municípios Abrantes 19 713,41 37,55 Águeda 20 334,71 16,74 Aguiar da Beira 13 206,94 15,92 Alandroal 6 544,86 90,81 Albergaria-a-Velha 8 155,75 19,47 Albufeira 5 140,46 28,09

Leia mais