ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte"

Transcrição

1 ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte ANTÓNIO EDUARDO PEREIRA* Sendo a terceira região do país com maior nível de poder de compra per capita, o Norte será, no entanto, aquela que internamente porventura regista maior heterogeneidade a este respeito. Na verdade, o Norte integra simultaneamente alguns dos concelhos com maiores e menores capitações do poder de compra de todo o país. A situação privilegiada dos centros urbanos (inclusive daqueles situados no interior da região) torna-se evidente à luz deste indicador. O estudo sobre o poder de compra concelhio 1 procura compensar a lacuna resultante da inexistência de informação estatística sobre variáveis como consumo ou rendimento à escala concelhia. No entanto, os indicadores propostos naquele estudo não se confundem com estas variáveis, antes se limitando a comparar o poder de compra per capita nos vários concelhos do país e a retratar a distribuição espacial do poder de compra. A maior parte da informação de base tratada neste estudo diz respeito ao ano de PODER DE COMPRA PER CAPITA A Região Norte, considerada globalmente, apresenta um nível de poder de compra per capita 2 inferior ao registado para o país. De facto, o poder de compra per capita, na Região Norte, é apenas cerca de quatro quintos do poder de compra per capita nacional. Ainda assim, apenas duas outras regiões apresentam valores superiores ao do Norte para o poder de compra per capita: o * INE - Direcção Regional do Norte 1 vide Estudo sobre o poder de compra concelhio, Instituto Nacional de Estatística, Direcção Regional do Centro, nºii, Coimbra, O indicador per capita do poder de compra exprime o valor de cada concelho/região em termos comparativos com o poder de compra per capita médio do país, ao qual é atribuído o valor 100.

2 Algarve (com um nível de poder de compra per capita coincidente com a média nacional) e a região de Lisboa e Vale do Tejo (onde a capitação do poder de compra excede em cerca de 44 % a média nacional). Indicador per capita do poder de compra Portugal 100,00 Continente 102,00 Norte 81,87 Centro 71,63 Lisboa e Vale do Tejo 144,60 Alentejo 69,62 Algarve 100,43 Açores 64,47 Madeira 59,74 Numa análise por sub-regiões (NUTS III) o Norte apresenta-se com fortes contrastes. Assim, o Grande Porto beneficia de um poder de compra per capita que ultrapassa em um pouco mais de um terço o valor médio nacional. Em todo o país, apenas a sub-região da Grande Lisboa supera esta performance, com uma capitação do poder de compra que excede em cerca de 88 % a média nacional. Por outro lado, quatro das seis subregiões nacionais que registam menores níveis de poder de compra per capita localizam-se no Norte, destacando-se em particular o Tâmega, com um indicador per capita equivalente a pouco mais de dois quintos da média nacional. Seguem-se-lhe o Douro, Alto Trás-os-Montes e o Minho-Lima, todos com valores per capita próximos de metade da média nacional. As restantes três sub-regiões do Norte (Cávado, Ave e Entre Douro-e-Vouga), registam capitações do poder de compra entre 61 e 68 % da média nacional. Indicador per capita do poder de compra - sub-regiões do Norte (NUTS III) A divisão do território segundo a NUTS nem sempre será a mais adequada para evidenciar a homogeneidade de determinadas zonas da Região Norte. O cartograma abaixo apresenta, a título exemplificativo, três zonas com valores per capita do indicador de poder de compra particularmente baixos e outras tantas com valores significativamente elevados, pelo menos face ao panorama global da região. Nenhuma das seis zonas apresentadas tem correspondência exacta com as sub-regiões definidas pelo nível III da NUTS.

3 Zonas de relativa homogeneidade do indicador per capita de poder de compra Indicador per capita de poder de compra zona 1: 158,77 zona 2: 74,64 zona 3: 73,31 zona 4: 30,63 zona 5: 29,28 zona 6: 28,87 A zona 1 é composta pelos cinco concelhos do Grande Porto que apresentam maiores capitações do indicador de poder de compra: Porto, Matosinhos, Espinho, Maia e Vila Nova de Gaia. Esta zona apresenta um valor per capita do indicador de poder de compra igual a 158,77. Foram identificadas duas outras zonas cujo indicador per capita de poder de compra, sendo embora relativamente modesto (tendo em conta que o valor 100 representa o valor médio nacional), supera o registado por qualquer sub-região NUTS III do Norte, à excepção do Grande Porto. Assim, a zona 2 apresenta uma capitação do poder de compra próxima dos três quartos da média nacional (74,64). Esta zona tem como pólo mais dinâmico o concelho de Braga (pertencente à sub-região NUTS III do Cávado), abrangendo ainda os concelhos de Guimarães, Vila Nova de Famalicão e Santo Tirso (todos pertencentes à sub-região do Ave) e os concelhos de Vila do Conde e Póvoa de Varzim (ambos pertencentes ao Grande Porto). Por seu turno, a zona 3, composta pelos concelhos de Vila Real (pólo mais dinâmico), Peso da Régua e Lamego (todos pertencentes à sub-região NUTS III do Douro) regista o valor de 73,31 para o indicador per capita de poder de compra, o qual supera largamente o valor apurado para a sub-região Douro tomada globalmente. Note-se o facto curioso de este eixo Vila Real/Lamego se encontrar rodeado por zonas onde se registam a maior parte dos valores mais baixos do indicador per capita de poder de compra. Assim, nas zonas 4, 5 e 6 o indicador per capita de poder de compra situa-se aquém de um terço da média nacional. A zona 4, com uma capitação do indicador de poder de compra da ordem de 30,63, é constituída pelos seguintes 10 concelhos, todos da sub-região Douro: Alijó, Armamar, Carrazeda de Ansiães, Moimenta da Beira, São João da Pesqueira, Sabrosa, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca e Vila Flor. A zona 5 integra três concelhos da sub-região Tâmega (Baião, Cinfães e Resende) e ainda dois da sub-região Douro (Mesão Frio e Santa Marta de Penaguião). Globalmente, para estes quatro concelhos o indicador per capita de poder de compra regista o valor 29,28. Finalmente, a zona 6 abrange quatro concelhos da sub-região Tâmega (Ribeira de Pena, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto e Mondim de Basto), três da sub-região de Alto Trás-os-Montes (Montalegre, Boticas e Vila Pouca de Aguiar), um do Cávado (Terras de Bouro) e ainda um do Ave (Vieira do Minho). Para este conjunto de concelhos, globalmente considerados, o indicador per capita de poder de compra assume o valor 28,87.

4 O cartograma seguinte apresenta a totalidade dos concelhos da Região Norte, segundo o respectivo valor per capita do indicador de poder de compra. Naturalmente, uma grande parte dos maiores e dos menores valores concelhios deste indicador ocorrem no âmbito das zonas atrás identificadas. As fortes assimetrias intra-regionais ficam bem patentes ao notar-se que, num total de 84 concelhos que compõem a Região Norte, existem 56 onde o poder de compra per capita é inferior a metade da capitação nacional; ao mesmo tempo, apenas 5 concelhos do Norte registam uma capitação do poder de compra superior à nacional, existindo apenas mais 6 onde aquela capitação excede três quartos do valor nacional. Indicador per capita de poder de compra, por concelhos Indicador per capita de poder de compra a a a a a Globalmente, constata-se ainda que a maior parte das capitações mais favoráveis do poder de compra se concentram na área do Grande Porto ou nos concelhos onde se situam os restantes principais centros urbanos da região (como Braga, Vila Real, Bragança ou, a um nível mais modesto, Viana do Castelo, Guimarães ou Chaves). Para além destes, são de referir ainda os concelhos de São João da Madeira, Valença e Oliveira de Azeméis, todos com capitações do poder de compra acima de 65 % do valor nacional. Valerá também a pena notar que os concelhos do Porto e de São João da Madeira registam o segundo e o terceiro valores mais favoráveis de todo o país para o indicador per capita de poder de compra (respectivamente, 257,00 e 178,45), sendo apenas superados pelo concelho de Lisboa. No extremo oposto, destacam-se os concelhos de Sabrosa, Celorico de Basto e Terras de Bouro, todos com valores per capita do indicador de poder de compra entre um quinto e um quarto do valor nacional. Em todo o país, apenas um concelho (Calheta, na Madeira) regista um valor per capita mais desfavorável do que aqueles três. PERCENTAGEM DE PODER DE COMPRA Enquanto o indicador per capita de poder de compra compara o nível médio de poder de compra de cada concelho/região com o nível médio de poder de compra do país (ao qual, como já dissemos, é atribuído o valor 100), a percentagem de poder de compra exprime o peso de cada concelho/ região no poder de compra total do país (que igualmente toma o valor 100). Assim, a percentagem de poder de compra de cada concelho/região é determinada conjuntamente pelo nível per capita de poder de compra e pela população residente.

5 Quase metade do poder de compra nacional situa-se na região de Lisboa e Vale do Tejo. À Região Norte cabem perto de três décimos do poder de compra total, enquanto o Centro detém cerca de um oitavo do poder de compra nacional. As sub-regiões (NUTS III) da Grande Lisboa e do Grande Porto, consideradas conjuntamente, detém cerca de metade de todo o poder de compra nacional. Percentagem de poder de compra, por regiões (NUTS II) Lisboa e Vale do Tejo 48,25% Grande Lisboa 34,88% Madeira 1,54% Açores 1,56% Algarve 3,49% Grande Porto 16,04% Alentejo 3,73% Centro 12,42% Norte 29,01% Mais de metade do poder de compra radicado na Região Norte diz respeito à subregião (NUTS III) do Grande Porto, conforme se pode constatar no cartograma abaixo (onde o valor 100 representa agora o total de poder de compra do Norte). Percentagem de poder de compra, por sub-regiões (NUTS III) (Norte = 100)

6 Destaca-se sobretudo o concelho do Porto, onde se concentra mais de um quarto (26,36 %) do poder de compra radicado no Norte (ou, de forma equivalente, 7,65 % do poder de compra de todo o país). Apenas três outros concelhos do Norte concentram em si mais de 4 % do poder de compra total da região; é o que sucede com Vila Nova de Gaia (8,28 %), Matosinhos (6,95 %) e Braga (5,14 %). A maior parte dos concelhos da região, porém, não detém sequer 1 % do poder de compra total do Norte (sequer 0,3 % do poder de compra total nacional). O único concelho do interior que detém uma percentagem de poder de compra assinalável (embora modesta), é Vila Real (1,46 % do poder de compra do Norte, ou 0,42 % do poder de compra nacional). Percentagem de poder de compra por concelhos (Norte = 100) % de poder de compra (Norte = 100) 0.05 a a a a a 26.37

NÍVEL EDUCACIONAL NA REGIÃO DO NORTE

NÍVEL EDUCACIONAL NA REGIÃO DO NORTE Nível Educacional na Região do Norte NÍVEL EDUCACIONAL NA REGIÃO DO NORTE CARLA MELO* Tendo por referência os resultados Pré-Definitivos do Recenseamento da População de 1991, e comparando-os com os dados

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS ALCOBAÇA

Leia mais

Ponto de situação na Região Norte. da Flavescência dourada da videira. e do vector Scaphoideus titanus Ball

Ponto de situação na Região Norte. da Flavescência dourada da videira. e do vector Scaphoideus titanus Ball Ponto situação na Região Norte da Flavescência urada da viira e vector Scaphoius titanus Ball Junho 2009 SCAPHOIDEUS TITANUS Originário norte s Estas Unis da América; Na Europa, algumas referências apontam

Leia mais

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Produção de Pequenos Frutos na Região Norte Em Portugal, à exceção do morango,

Leia mais

EM 2009, 39 MUNICÍPIOS APRESENTAVAM UM PODER DE COMPRA PER CAPITA ACIMA DA MÉDIA NACIONAL

EM 2009, 39 MUNICÍPIOS APRESENTAVAM UM PODER DE COMPRA PER CAPITA ACIMA DA MÉDIA NACIONAL EM 2009, 39 MUNICÍPIOS APRESENTAVAM UM PODER DE COMPRA PER CAPITA ACIMA DA MÉDIA NACIONAL Estudo sobre o Poder de Compra Concelhio 2009 Em 2009, dos 308 municípios portugueses, 39 apresentavam, relativamente

Leia mais

MEIOS DE TRANSPORTE E DURAÇÕES DOS PERCURSOS CASA-TRABALHO

MEIOS DE TRANSPORTE E DURAÇÕES DOS PERCURSOS CASA-TRABALHO Meios de Transporte e Durações dos Percursos Casa - Trabalho MEIOS DE TRANSPORTE E DURAÇÕES DOS PERCURSOS CASA-TRABALHO Deslocações pendulares de activos empregados residentes na Região Norte EDUARDO PEREIRA

Leia mais

a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1

a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1 a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1 Paulo Reis Mourão Daniela Gaspar Resumo: Palavras-chave Portugal Códigos JEL Abstract: Keywords JEL Codes

Leia mais

Protocolos firmados no âmbito das Autarquias: Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens

Protocolos firmados no âmbito das Autarquias: Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens 1 Abrantes Santarém 2 Águeda Aveiro 3 Albufeira Faro 4 Alcanena Santarém 5 Alcobaça Leiria 6 Alcoutim Faro 7 Alenquer Lisboa 8 Alfândega da Fé Bragança 9 Aljustrel Beja 10 Almada Setúbal 11 Almodôvar Beja

Leia mais

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 Portaria n.º 273/2009 de 18 de Março O Programa do XVII Governo Constitucional define que «o sistema [de saúde] deve ser reorganizado a todos

Leia mais

Publicação Periódica sobre o Número de Utentes Inscritos nos Cuidados de Saúde Primários

Publicação Periódica sobre o Número de Utentes Inscritos nos Cuidados de Saúde Primários Publicação Periódica sobre o nos Cuidados de Saúde Primários Outubro de 2015 ACSS RELATÓRIO: 1. inscritos 2. Listas de utentes por de Família Produzido por Ministério da Saúde, ACSS, DPS, Núcleo CSP e

Leia mais

PARA OS RESIDENTES DOS CONCELHOS DE. Presidente Dr. João Manuel Barros Figueiredo Cruz.

PARA OS RESIDENTES DOS CONCELHOS DE. Presidente Dr. João Manuel Barros Figueiredo Cruz. Juntas Médicas de Avaliação do Grau de Incapacidade de Deficientes Civis de Braga, Esposende, Barcelos, V. N. de Famalicão, Guimarães, Vizela, Fafe, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Vieira do Minho,

Leia mais

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta ACES Início Conclusão 00 0 0 Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Alto Minho -0-00 -0-0 Alto Tâmega e Barroso 8-06-00-07-0 Aveiro Norte 0-09-00-0-0

Leia mais

Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010. Disciplina de Geografia 7ºano

Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010. Disciplina de Geografia 7ºano Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010 Disciplina de Geografia 7ºano Portugal Continental localiza-se no extremo Sudoeste da Europa, a Oeste do continente Asiático a Norte do continente

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] O PIB REGIONAL UMA ANÁLISE APLICADA À REGIÃO CENTRO O Produto Interno Bruto (PIB) é um indicador habitualmente utilizado para aferir e comparar o grau de desenvolvimento

Leia mais

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação Neste processo de inquirição foram convidadas a participar todas as escolas públicas e privadas de Portugal continental (807 escolas,

Leia mais

Oficio-Circulado 147, de 30/03/2001-Direcção de Serviços do IRC

Oficio-Circulado 147, de 30/03/2001-Direcção de Serviços do IRC Oficio-Circulado 147, de 30/03/2001-Direcção de Serviços do IRC Incentivos fiscais à interioridade Ofício-Circulado 00147-30/03/2001 ASSUNTO: Incentivos fiscais à interioridade Foi recentemente feita a

Leia mais

Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve

Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve Tábuas de Mortalidade 2013-2015 30 de setembro de 2016 Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve A esperança de vida à nascença foi estimada em 80,41 anos para o total

Leia mais

DIA MUNDIAL DO PROFESSOR MAPA DE INICIATIVAS OUTUBRO 2016

DIA MUNDIAL DO PROFESSOR MAPA DE INICIATIVAS OUTUBRO 2016 DIA MUNDIAL DO PROFESSOR MAPA DE INICIATIVAS OUTUBRO 2016 DIA HORA LOCAL ATIVIDADE 5 9h30 11h30 Angra do Heroísmo Percurso pedestre pela zona classificada de Angra do Heroísmo Ag. Escolas Marcelino Mesquita

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS 1 ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ 2 ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM 3 AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO 4 ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS

Leia mais

Programa Operacional da Cultura Projectos Aprovados por Entidades Executora

Programa Operacional da Cultura Projectos Aprovados por Entidades Executora Programa Operacional da Cultura 2000-2006 Projectos Aprovados por Entidades Executora Entidade Executora Nº de Projectos Aprovados Instituto Português do Património Arquitectónico 69 Instituto Português

Leia mais

Concelhos abrangidos pela Rede Social, segundo a NUT II, por NUT III e Distrito

Concelhos abrangidos pela Rede Social, segundo a NUT II, por NUT III e Distrito abrangidos pela Rede Social, segundo a NUT II, por NUT III e Distrito NUTS II* NUT III* Distrito Concelhos Ano de Adesão 278 Bragança Alfândega da Fé 2004 Bragança 2005 Macedo de Cavaleiros 2000 Miranda

Leia mais

Tabela 1: Classificação dos Municípios por dimensão

Tabela 1: Classificação dos Municípios por dimensão Tabela 1: Classificação dos Municípios por dimensão Municípios de grande dimensão 1 Lisboa Lisboa Vale do Tejo 519 795 509 751 499 700 489 562 2 Sintra Lisboa Vale do Tejo 419 382 428 470 437 471 445 872

Leia mais

Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas

Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas Isabel Breda Vázquez Paulo Conceição Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Porto 4.07.14 Estudo Prospetivo do Mercado

Leia mais

VII JORNADAS DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO

VII JORNADAS DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO VII JORNADAS DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E AMBIENTE: DESAFIOS PARA A GESTÃO PÚPLICA E PRIVADA BARCELOS, 24 DE NOVEMBRO DE 2006 EM QUE AMBIENTE VIVE A GESTÃO DO 1 O Contexto Territorial 2 O Contexto Temporal

Leia mais

Atividades de Enriquecimento Curricular

Atividades de Enriquecimento Curricular Atividades de Enriquecimento Curricular 2012 / 2 0 1 3 Dados finais 1 ÍNDICE NOTA METODOLÓGICA... 5 RELATÓRIO... 6 1 - Evolução 2007/2008 2012/2013... 6 1.1. Evolução do número de estabelecimentos com

Leia mais

ZA6774. Flash Eurobarometer 436 (Perceived Independence of the National Justice Systems in the EU among Companies) Country Questionnaire Portugal

ZA6774. Flash Eurobarometer 436 (Perceived Independence of the National Justice Systems in the EU among Companies) Country Questionnaire Portugal ZA677 Flash Eurobarometer 6 (Perceived Independence of the National Justice Systems in the EU among Companies) Country Questionnaire Portugal FL6 Independence of Justice BTB PT D Em que região se situa

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] INDICADOR REGIONAL DE LISBOA LISBON INDEX A Comissão Europeia (CE) divulgou recentemente os resultados de um novo índice que produziu o Indicador Regional de Lisboa

Leia mais

Habitação em Portugal: evolução e tendências.

Habitação em Portugal: evolução e tendências. Habitação em Portugal: evolução e tendências João Branco Lisboa http://portugalfotografiaaerea.blogspot.pt/search/label/arcos%20de%20valdevez Sumário Introdução 1. Publicação 2. Estrutura e conteúdo da

Leia mais

EVOLUÇÃO DO ENDIVIDAMENTO DE MÉDIO E LONGO PRAZOS, POR MUNICÍPIO (2010 a 2013)

EVOLUÇÃO DO ENDIVIDAMENTO DE MÉDIO E LONGO PRAZOS, POR MUNICÍPIO (2010 a 2013) Limite de Endividamento SANTARÉM ABRANTES 17.826.299 16.296.512 6.660.154 9.636.358 11.590.900 14.996.367 6.097.434 8.898.933 10.014.089 14.811.552 5.575.824 9.235.728 16.157.114 13.234.222 5.022.183 8.212.039

Leia mais

Anexo V Tribunais Judiciais de Comarca

Anexo V Tribunais Judiciais de Comarca Anexo V Tribunais Judiciais de Comarca Tribunal (Círculo / Distrito) Arquitecto projectista Data de conclusão ou de inauguração Tipo de cobertura Abrantes (Abrantes / Évora) Arq. António Madeira Portugal

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos Proveitos e Custos nos Estabelecimentos Hoteleiros Ano de 2004 Página 2

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Anexo 7 - Lista de Códigos de Concelhos por QZP

Anexo 7 - Lista de Códigos de Concelhos por QZP Anexo 7 - Lista de s de s por QZP QZP - 01 AVEIRO 0101 ÁGUEDA 0102 ALBERGARIA-A-VELHA 0103 ANADIA 0105 AVEIRO 0108 ESTARREJA 0110 ÍLHAVO 0111 MEALHADA 0112 MURTOSA 0114 OLIVEIRA DO BAIRRO 0115 OVAR 0117

Leia mais

Código Escola/Agrupamento Concelho Zona Pedagógica

Código Escola/Agrupamento Concelho Zona Pedagógica Código Escola/Agrupamento Concelho Zona Pedagógica Nº Horári o 135239 Agrupamento de Escolas do Crato Crato ALTO ALENTEJO 5 CIDADE LISBOA E ZONA 170070 Agrupamento de Escolas do Bom Sucesso, Vila Franca

Leia mais

Propostas da Cáritas no âmbito da Pobreza Infantil

Propostas da Cáritas no âmbito da Pobreza Infantil Propostas da Cáritas no âmbito da Pobreza Infantil 1. UNICEF - {Integrar) Criar uma Estratégia Nacional para a Erradicação da Pobreza Infantil centrada nos direitos da criança, que adopte uma abordagem

Leia mais

Amarante. Armamar Agrupamento de Escolas de Gomes Teixeira, Armamar Escola Básica e Secundária Gomes Teixeira, Armamar

Amarante. Armamar Agrupamento de Escolas de Gomes Teixeira, Armamar Escola Básica e Secundária Gomes Teixeira, Armamar Unidades de Apoio Especializado para a Educação de Alunos com Multideficiência e Surdocegueira Congénita (Artigo 26.º do Decreto-Lei n.º3/2008) Região Norte Ano Letivo 2016/2017 Concelho Unidade Orgânica

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO TERRITORIAL DE EMPRESAS DE TECNOLO- GIAS DA INFORMAÇÃO E COMU- NICAÇÃO: O CASO DO MINHO E DO NORTE DE PORTUGAL

DISTRIBUIÇÃO TERRITORIAL DE EMPRESAS DE TECNOLO- GIAS DA INFORMAÇÃO E COMU- NICAÇÃO: O CASO DO MINHO E DO NORTE DE PORTUGAL 1. Objectivos e metodologia Em trabalho separado fez-se um inventário das empresas de tecnologias de informação e comunicação (TIC) do Minho e respectiva caracterização, indo até ao nível territorial de

Leia mais

PROGRAMA HIDROPAS EXEMPLO DE MEMÓRIA DESCRITIVA

PROGRAMA HIDROPAS EXEMPLO DE MEMÓRIA DESCRITIVA Anexo D PROGRAMA HIDROPAS EXEMPLO DE MEMÓRIA DESCRITIVA 2 Programa HIDROPAS. Exemplo de memória descritiva ======================================== DIMENSIONAMENTO DE PASSAGENS HIDRÁULICAS ========================================

Leia mais

Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015

Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015 23.11.2015 Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015 Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Instituto Português de Oncologia do Porto Francisco Gentil,

Leia mais

Institutions Index. State-run Higher Education- Universities. Name of Institutions

Institutions Index. State-run Higher Education- Universities. Name of Institutions Institutions Index Code Name of Institutions State-run Higher Education- Universities 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Universidade dos Açores 0110 Universidade dos Açores -

Leia mais

SERVIÇO DESCONCENTRADO NIB FAX

SERVIÇO DESCONCENTRADO NIB FAX 1ª Conservatória do Registo Predial de Almada 0035.2143.00033486530.03 212721259 1ª Conservatória do Registo Predial de Amadora 0007.0000.00207288322.23 214929419 1ª Conservatória do Registo Predial de

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 Informação à Comunicação Social 28 de Dezembro de 2001 SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 O INE dá início à difusão de estatísticas

Leia mais

Imprensa Regional. AJBB Network Arnado Business Center Rua João de Ruão, n.º 12-1.º Coimbra (Portugal)

Imprensa Regional. AJBB Network Arnado Business Center Rua João de Ruão, n.º 12-1.º Coimbra (Portugal) Imprensa Regional 2014 AJBB Network Arnado Business Center Rua João de Ruão, n.º 12-1.º 3000-229 Coimbra (Portugal) Contato: Tlm. (+351) 912 573 813 publicidade@ajbbnetwork.com www.ajbbnetwork.com A AJBB

Leia mais

Mapa de Sensibilidade Ambiental dos Concelhos de Portugal Continental

Mapa de Sensibilidade Ambiental dos Concelhos de Portugal Continental Mapa de Sensibilidade Ambiental dos Concelhos de Portugal Continental 233 234 238 240 235 231 232 59 236 237 246 46 242 34 44 252 42 39 37 36 35 41 191 58 52 54 53 249 247 38 47 181 245 48 192 187 183

Leia mais

COBERTURA TDT POR CONCELHO

COBERTURA TDT POR CONCELHO COBERTURA TDT POR CONCELHO Percentagem (%) de população coberta, estimada para cada concelho, da rede implementada pela PT Comunicações, relativa ao primeiro trimestre de 2012. Cobertura Televisão Digital

Leia mais

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04)

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) Z3 ENTRE DOURO E VOUGA (21) AVEIRO (01) VISEU (18) Z4 COIMBRA (06) LEIRIA (10) Z5 CASTELO

Leia mais

Produtividade e Rendimento no Minho Lima: uma breve análise

Produtividade e Rendimento no Minho Lima: uma breve análise Viana do Castelo Produtividade e Rendimento no Minho Lima: uma breve análise FICHA TÉCNICA TÍTULO PRODUTIVIDADE E RENDIMENTO NO MINHO LIMA: UMA BREVE ANÁLISE AUTOR HÉLDER PENA NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA

Leia mais

TIC, World Wide Web e infraestrutura digital: análise dos sítios Internet das empresas no Noroeste de Portugal

TIC, World Wide Web e infraestrutura digital: análise dos sítios Internet das empresas no Noroeste de Portugal TIC, World Wide Web e infraestrutura digital: análise dos sítios Internet das empresas no Noroeste de Portugal Ricardo Fernandes 1, Rui Gama 2, Cristina Barros 3 1) Departamento de Geografia da Faculdade

Leia mais

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA?

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? 2 C. Predial 1 VISEU NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 BRAGANÇA NÃO 0 C. Civil/Predial/Comercial 2 VILA NOVA DE CERVEIRA NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 VIANA DO CASTELO

Leia mais

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS Notas: 1 O conselho geral deliberou, em reunião de 15 de outubro, nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do EOSAE, agregar as delegações distritais de Beja, Évora e Portalegre numa

Leia mais

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal Intermunicipal Intermunicipal Área Metropolitana Intermunicipal Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal do Cávado Área Metropolitana do Porto Intermunicipal do Ave Intermunicipal do

Leia mais

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Licenciamento de Obras Dezembro de 2005 1 09 de Fevereiro de 2006 ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Em Dezembro de 2005, atenuou-se a tendência decrescente da variação

Leia mais

Concelhos e Distritos (2016)

Concelhos e Distritos (2016) Angra do Heroísmo Calheta Corvo Horta Lagoa Lajes das Flores Lajes do Pico Madalena Nordeste Ponta Delgada Povoação Praia da Vitória Ribeira Grande Santa Cruz da Graciosa Santa Cruz das Flores São Roque

Leia mais

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO SISTEMA DE SAÚDE (ACSS) ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO, IP ARS DO ALENTEJO, IP ARS DO ALGARVE, IP ARS DO CENTRO, IP ARS DO NORTE, IP CENTRO DE MEDICINA E REABILITAÇÃO DA REGIÃO CENTRO

Leia mais

1 - Lugares - o número de cartórios notariais e respetiva área de localização constam da lista anexa ao presente aviso.

1 - Lugares - o número de cartórios notariais e respetiva área de localização constam da lista anexa ao presente aviso. Aviso - Faz-se público que, por despacho de 31 de janeiro de 2014 da Ministra da Justiça, foi autorizada a abertura de concurso para atribuição de licenças de instalação de cartório notarial, nos termos

Leia mais

UM RETRATO SOCIOECONÓMICO QUE SE PERPÉTUA OU SE TRANSFORMA?

UM RETRATO SOCIOECONÓMICO QUE SE PERPÉTUA OU SE TRANSFORMA? BOLSEIROS DO ENSINO SUPERIOR PRIVADO UM RETRATO SOCIOECONÓMICO QUE SE PERPÉTUA OU SE TRANSFORMA? INDICE 1 - INTRODUÇÃO 4 1.1 - Âmbito e Objectivos de Estudo 5 1.1.1 - Âmbito 5 1.1.2 - Objectivos 5 1.2

Leia mais

CENTROS DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE COMPETÊNCIA GENÉRICA. Todo o tipo de conflitos de consumo

CENTROS DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE COMPETÊNCIA GENÉRICA. Todo o tipo de conflitos de consumo CENTROS DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE COMPETÊNCIA GENÉRICA Todo o tipo de conflitos de consumo Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo Atuação em todo o território

Leia mais

Nº DE DOCENTES POR CFAE Nº DE ESC. ASSOCIADAS ESCOLA-SEDE NOME DO CFAE NOME DAS ESCOLAS ASSOCIADAS CONCELHOS

Nº DE DOCENTES POR CFAE Nº DE ESC. ASSOCIADAS ESCOLA-SEDE NOME DO CFAE NOME DAS ESCOLAS ASSOCIADAS CONCELHOS CONCELHOS Amares, Vila Verde e Terras de Bouro Braga, Póvoa de Lanhoso e Vieira do Minho Braga NOME DO CFAE do Alto Cávado Sá de Miranda CFAE Braga Sul NOME DAS ESCOLAS ASSOCIADAS Agrupamento de Escolas

Leia mais

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL NUTS3-region NUTS2-region irrigation Area actually (ha) irrigated (ha) Alentejo Central Alentejo 42 675 22 287 Alentejo Litoral Alentejo 40 289 14 427 Alto Alentejo Alentejo 39 974 20 993 Baixo Alentejo

Leia mais

Devolução municipal do IRS em 2016

Devolução municipal do IRS em 2016 Devolução municipal do IRS em 2016 Devolução máxima (5%) Devolução entre 3% e 4% Devolução entre 2% e 2,5% Devolução até 1,5% Sem devolução Municípios IRS para o município Devolução do IRS Águeda 0,00%

Leia mais

TABELA DE TAXAS DE DERRAMA A APLICAR NO PERÍODO FISCAL DE 2012

TABELA DE TAXAS DE DERRAMA A APLICAR NO PERÍODO FISCAL DE 2012 CÓDIGO TABELA DE TAXAS DE DERRAMA A APLICAR NO PERÍODO FISCAL DE 2012 MUNICÍPIO TAXA NORMAL TAXA REDUZIDA ISENÇÃO ÂMBITO DA ISENÇÃO DISTRITO DE AVEIRO 01 01 ÁGUEDA 1,50% - 01 02 ALBERGARIA-A-VELHA 1,35%

Leia mais

Mapa de Vagas IM-2009 B

Mapa de Vagas IM-2009 B Mapa de IM-2009 B colocação Centro Hospitalar do Porto, EPE colocação Hospital de São João, EPE - Porto colocação Anatomia Patológica Anestesiologia Cardiologia Hospitais da Universidade de Coimbra, EPE

Leia mais

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO MAPA XIX - PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO - 2012 MUNICÍPIOS AVEIRO (distrito) ÁGUEDA 4 477 961 2 985 308 7 463 269 660 535 1 284 849 5,0% 1 284 849 9 408 653 ALBERGARIA-A-VELHA

Leia mais

AS CIDADES EM NÚMEROS

AS CIDADES EM NÚMEROS CD-ROM As Cidades em Números 2000-2002 17 de Junho de 2004 AS CIDADES EM NÚMEROS Caracterizar e quantificar o conhecimento sobre as actuais 141 cidades portuguesas, espaços que, cada vez mais, concentram

Leia mais

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2013

Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 2013 Índice Sintético de Desenvolvimento Regional 213 15 de junho de 215 Em 213, de acordo com os resultados do índice sintético de desenvolvimento regional, quatro das 25 regiões NUTS III portuguesas superavam

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00%

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00% Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Abrantes 0,25% Boticas 0,25% Figueiró dos Vinhos 0,00% Mirandela 0,25% Pombal 0,25% Sertã 0,25%

Leia mais

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Alemanha Janeiro de 2016 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas DRE QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada Escola Sede Telefone Observações DREN Braga (03) Amares (0301) 150459 - Agrupamento de Escolas de Amares

Leia mais

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp DISTRITO ANGRA DO HEROISMO 1901 ANGRA DO HEROISMO 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1902 CALHETA (AÇORES) 0,800 % 0,500 % 0,80 % 1903 SANTA CRUZ DA GRACIOSA 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1904 VELAS 0,500 % 0,300 % 0,80

Leia mais

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Universidade dos Açores 0110 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo

Leia mais

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE Profissional de Vila Real VILA REAL TORRE DE MONCORVO A2000 ARDAD Centro de Emprego do Baixo Ave VILA NOVA DE FAMALICÃO ACIP SANTO TIRSO Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Sabóia Artes Visuais Odemira Baixo Alentejo / Alentejo Litoral

Agrupamento de Escolas de Sabóia Artes Visuais Odemira Baixo Alentejo / Alentejo Litoral Código Nome Tipo de Necessidade Horas Grupo Final Candidatura Concelho QZP 121502 Agrupamento de Escolas Dr. Manuel Fernandes 350 - Espanhol 22 350 11-10-2011 Abrantes Lezíria e Médio Tejo 121617 Agrupamento

Leia mais

Alto Alentejo Caracterização Socio-económica

Alto Alentejo Caracterização Socio-económica Research Sectorial Alto Caracterização Socio-económica Conceição Leitão Espírito Santo Research Sectorial Elvas, 15 de Abril 2010 Enquadramento. NUTS II - ALENTEJO 5 NUTS III 34% do território nacional

Leia mais

COMPETITIVIDADE TERRITORIAL COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL

COMPETITIVIDADE TERRITORIAL COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL COMPETITIVIDADE TERRITORIAL E COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL RELATÓRIO FINAL VOLUME 3 COMPETITIVIDADE, COESÃO E CONVERGÊNCIA: A ÓPTICA ESPECÍFICA DAS REGIÕES PORTUGUESAS REGIÃO NORTE JULHO DE 2005 Estudos de

Leia mais

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2014

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2014 QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR PORTIMÃO 1.054 1.055 1.975 2.044 4.628 NAZARÉ 421 428 1.632 1.692 3.411 PAÇOS DE FERREIRA 874 916 865 1.122 1.417 SÃO VICENTE 436 543 744 889 1.088

Leia mais

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS - OE/2017

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS - OE/2017 FINAL ÁGUEDA 7 035 116 781 680 7 816 796 775 247 0 8 592 043 586259 65140 64603 0 586267 65140 64614 0 ALBERGARIA-A-VELHA 4 478 645 497 627 4 976 272 498 356 418 651 5 893 279 373220 41468 41529 34887

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Operações Isoladas PRU/1/2008 Política de Cidades Parcerias para a Regeneração

Leia mais

Palavras Chave: Dinâmica populacional, Crescimento natural, Crescimento migratório, Dinâmicas demográficas regionais.

Palavras Chave: Dinâmica populacional, Crescimento natural, Crescimento migratório, Dinâmicas demográficas regionais. Artig tigo 8º_ página 169 PORTUGAL (des)continuidades demográficas - orte e Centro Interior 2011 Autora: Maria João Guardado Moreira Professora Coordenadora na Escola Superior de Educação do Instituto

Leia mais

RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2015

RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2015 NÚMERO DATA 16/09/2015 TÍTULO 7.º RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2015 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2015 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO 1/11

Leia mais

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO)

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO) ABRANTES MÉDIO TEJO 334,00 468,00 589,00 AGUEDA BAIXO VOUGA 368,00 501,00 645,00 AGUIAR DA BEIRA DÃO LAFÕES 334,00 468,00 589,00 ALANDROAL ALENTEJO CENTRAL 368,00 501,00 645,00 ALBERGARIA-A-VELHA BAIXO

Leia mais

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO MAPA XIX - PARA OS MUNICÍPIOS CORRENTE CAPITAL PIE % a transferir AVEIRO (distrito) ÁGUEDA 6 728 451 747 606 7 476 057 775 247 1 585 731 0,0% 0 8 251 304 ALBERGARIA-A-VELHA 4 279 964 475 551 4 755 515

Leia mais

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores A. Pesquisa Divisões territoriais: http://sig.ine.pt/viewer.htm Indicar os tipos de divisões territoriais (administrativa, estatística, outras); Indicar os itens de cada divisão administrativa (distrito,

Leia mais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais. Anexo I Mapa da actual Divisão Judicial

Reabilitação de Coberturas em Tribunais. Anexo I Mapa da actual Divisão Judicial Reabilitação de Coberturas em Tribunais Anexo I Mapa da actual Divisão Judicial I II Anexo II Actual Divisão Judicial Distrito Judicial Círculo Judicial Comarca Porto Porto Porto Barcelos Barcelos Esposende

Leia mais

Plano de Prevenção de Resíduos Urbanos

Plano de Prevenção de Resíduos Urbanos Plano de Prevenção de Resíduos Urbanos SISTEMAS MULTIMUNICIPAIS DE VALORIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS URBANOS Setembro, 2010 Situação Actual 1. Universo de Intervenção O Sistema Multimunicipal de Valorização

Leia mais

ESTATÍSTICAS AMBIENTAIS DO DISTRITO DE BRAGANÇA. Co-Financiamento:

ESTATÍSTICAS AMBIENTAIS DO DISTRITO DE BRAGANÇA. Co-Financiamento: ESTATÍSTICAS AMBIENTAIS DO DISTRITO DE BRAGANÇA Co-Financiamento: Índice 1. Introdução... 2 2. Registo de resíduos sólidos urbanos por municípios em 2008... 3 3. Quantidade de RSU recolhido por município

Leia mais

sobre o Número de Utentes Inscritos nos de Saúde Primários

sobre o Número de Utentes Inscritos nos de Saúde Primários Título da Apresentação Publicação Periódica Dados Editoriais sobre o Número de Utentes Inscritos nos Dados Editoriais Dados Cuidados Editoriais de Saúde Primários 16 de fevereiro de 2015 Nota introdutória

Leia mais

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013 VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 317 303 716 996 1.601 RIBEIRA BRAVA 127 127 125 123 1.558 PORTIMÃO 1.088 1.140 797 780 1.057 SANTA CRUZ 518 515 566 595 1.049 ALIJÓ 202 208 206 203 827 ÉVORA 541 623 867 843

Leia mais

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada BRAGANÇA VILA REAL PORTO BRAGA VIANA DO CASTELO ARCOS DE VALDEVEZ 10 de Maio de 2003 14h e 30m Braga Casa dos Crivos Orfeão de Braga CAMINHA 10 de Maio

Leia mais

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal Information on the videoconferencing equipment in the courts Portugal No Court name & city Equipment type and make 1 Abrantes Tribunal Judicial 3 2 Abrantes Tribunal do Trabalho 1 3 Águeda Juízo de Instrução

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

n DRE CLDE DES_CONC DES_ESCOLA MOD ESCALAO

n DRE CLDE DES_CONC DES_ESCOLA MOD ESCALAO n DRE CLDE DES_CONC DES_ESCOLA MOD ESCALAO 1 DREA CLDE Alentejo Central Évora Escola Básica André de Resende, Évora Golfe Vários 1 DREA CLDE Baixo Alentejo e Alentejo Litoral Grândola Escola Básica D.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO DISTRITO DE AVEIRO Escola Profissional de Espinho Rua 30, nº 611, 579, 603 - Apartado 443 4500 Espinho Web: http://espe-m.ccems.pt E-mail:

Leia mais

Balcões RENTEV. telefónico

Balcões RENTEV. telefónico Página 1 Identificação da Entidade no RENTEV (aplicação) ACES Alto Minho ACES Alto Tâmega e Barroso ACES Aveiro Norte Balcão de atendimento ao público Aces Aveiro Norte - Unidade Apoio à Gestão ACES Baixo

Leia mais

ARS do Norte, IP. Lisboa, 21 de Junho de Coordenador Nacional para a Reforma do SNS área dos Cuidados de Saúde Primários

ARS do Norte, IP. Lisboa, 21 de Junho de Coordenador Nacional para a Reforma do SNS área dos Cuidados de Saúde Primários De acordo com o Plano Estratégico e Operacional apresentado pela Coordenação Nacional em Fevereiro de 2016, e a título informativo e complementar do Aviso n.º 7530-B/2016 de 15 de Junho publicado pela

Leia mais

Anuários Estatísticos Regionais Informação estatística à escala regional e municipal

Anuários Estatísticos Regionais Informação estatística à escala regional e municipal Anuários Estatísticos Regionais 2015 20 de dezembro de 2016 Anuários Estatísticos Regionais Informação estatística à escala regional e municipal O INE divulga os Anuários Estatísticos Regionais, que constituem

Leia mais

Lista de Unidades Orgânicas TEIP por Nut II

Lista de Unidades Orgânicas TEIP por Nut II Código DGAE DRE Distrito Concelho Agrupamento Fase NUTS II 135021 DREALT Beja Beja Agrupamento de Escolas n.º 1 de Beja 2 Alentejo 135094 DREALT Beja Serpa Agrupamento de Escolas n.º 1 de Serpa 4 Alentejo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Por expressa determinação do Código Administrativo, no seu artigo 6.º, a classificação

Leia mais

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Nas 159 cidades portuguesas residiam 4,5 milhões de indivíduos, o que correspondia a 42% da população residente em Portugal

Leia mais