Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico"

Transcrição

1 Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Análise de Mercado segundo dados extraídos da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Julho / 2014

2 Panorama do Segmento Odontológico O, legítimo e legal representante das Operadoras de Odontologia de Grupo, fundado em agosto de 1996, tem prestado, em sua atividade de representação sindical patronal, relevantes serviços à sua categoria econômica, não apenas nas negociações coletivas de trabalho, mas também na defesa dos seus interesses junto aos órgãos governamentais e às entidades que congregam os prestadores de serviços odontológicos ou que legalmente fiscalizam a execução dos trabalhos profissionais desse segmento. Por outro lado, o SINOG, nestes 17 anos de vida, também se preocupou em auxiliar o aprimoramento do exercício profissional dos integrantes da área, através da realização de cursos, simpósios e congressos, voltados à gestão de Operadoras Odontológicas, todos realizados com êxito. A assistência odontológica, como segmento do mercado de assistência suplementar à saúde no Brasil, é oferecida exclusivamente pelas operadoras de planos odontológicos e planos médicos, através da oferta de produtos respeitadas as respectivas amplitudes de cobertura definida no plano-referência, segundo as exigências mínimas relacionadas no rol mínimo de procedimentos e eventos estipulado pela Agência Reguladora. A prestação dos serviços odontológicos é realizada a todos os beneficiários de planos odontológicos por redes credenciadas e próprias. A assistência odontológica tem nas operadoras de Odontologia de Grupo (incluídas as com vínculo às Medicinas de Grupo) e Cooperativas Odontológicas (incluídas as com vínculo ás Cooperativas Médicas) a maior concentração de beneficiários, participando com 79,15% e 17,30% do total do segmento odontológico. A direção do SINOG, consciente da dificuldade de acesso das operadoras às informações detalhadas do setor, elaborou um trabalho de compilação de dados, com base nas informações divulgadas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar, Entidades de Classe, Ibope, FGV etc., a fim de facilitar consultas e elaboração de estudos. 2

3 A Realidade do Mercado A população atual estimada do país consiste em pessoas (1), sendo 60,2% economicamente ativa (2). Cerca de 22,5 (2) milhões de brasileiros nunca foram ao dentista, ou seja, 11,7% da população total. Além disto, 8 milhões com mais de 30 anos já utilizam próteses, apenas 3,8% das crianças com 5 anos estão livres de cáries, 12,8% da população adulta com mais de 35 anos possui mais de 20 dentes, três em cada quatro idosos não possuem nenhum dente, 2,5 milhões de adolescentes nunca foram ao dentista e apenas 10,62% têm planos odontológicos (3). Desde a fundação da 1ª empresa a comercializar planos exclusivamente odontológicos, em 1966, até o final de 2001, o mercado atingiu beneficiários. De lá para cá este número cresceu 577,21%, alcançando beneficiários (4). No segmento de Odontologia de Grupo, o SINOG detém, em seu quadro associativo, uma grande parte do total de todas as empresas de odontologia de grupo que operam exclusivamente planos de Odontologia cadastradas na Agência Nacional de Saúde Suplementar, sendo que as maiores (em número de beneficiários) compõem este quadro. Isto significa que o SINOG, 10,6% da população possui plano odontológico hoje, é composto por quase 50% do número de usuários de planos odontológicos do Brasil, através de suas associadas. Estima-se que no segmento, clientes de planos odontológicos gerem hoje aproximadamente empregos diretos e indiretos. Atualmente, o número de profissionais que prestam serviços odontológicos no Brasil cresce a cada ano. De acordo com as estatística do Conselho Federal de Odontologia, existem cerca de 395 mil profissionais, sendo 65,81% de cirurgiões-dentistas, 23,80% de atendentes de saúde bucal, 5,36% de técnicos em prótese dentária, 3,66% de técnicos em saúde bucal e 1,23% de auxiliar de prótese dentária (5). Vale ressaltar que, hoje, este é, comprovadamente, o maior mercado gerador de trabalho para os cirurgiões-dentistas, considerando que mais de 65%, destes profissionais, estão vinculados às operadoras de planos odontológicos. (1) População estimada de acordo com a publicação Saúde Brasil 2012, no Tabnet do Datasus e Tabnet da ANS; e (2) Dados colhidos no sítio do IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2001/ (3) Valor projetado com base no Suplemento de Saúde da PNAD - Pesquisa Nacional de Amostras de Domicílios de 2003, do IBGE; (4) Dados colhidos no sítio da Agência Nacional de Saúde Suplementar Tabnet em 25/03/ (5) Informações do site do CFO colhidas em 10 de fevereiro de

4 Atual Conjuntura Julho / 2014 GRÁFICO 1. Distribuição, por modalidade, dos beneficiários de planos odontológicos* GRÁFICO 2. Distribuição, por regiões, dos beneficiários de planos odontológicos* 4

5 GRÁFICO 3. Crescimento do nº de beneficiários entre 12/2012 e 12/2013, por regiões* Gráfico 4. Taxa de cobertura da população com planos odontológicos* Região Norte Região 5,20% 5,42% Norte 4,74% Região Nordeste 7,41% Região Centrooeste Região Centrooeste 10,14% 10,31% 9,67% Região Sudeste Região 13,97% 14,89% Sudeste 13,92% Região Sul Região 6,95% 7,57% Sul 6,22% 5

6 Gráfico 5. Taxa de cobertura da população com planos odontológicos por Estado* Grande Região/UF dez/13 Δ % Ano População 2013 TX cobertura Região Norte ,44% ,42%..Rondônia ,85% ,36%..Acre ,40% ,47%..Amazonas ,49% ,41%..Roraima ,72% ,24%..Pará ,99% ,04%..Amapá ,83% ,90%..Tocantins ,73% ,84% Região Nordeste ,10% ,41%..Maranhão ,15% ,65%..Piauí ,00% ,95%..Ceará ,19% ,17%..Rio Grande do Norte ,57% ,05%..Paraíba ,60% ,89%..Pernambuco ,78% ,19%..Alagoas ,11% ,29%..Sergipe ,17% ,61%..Bahia ,50% ,28% Região Sudeste ,08% ,89%..Minas Gerais ,16% ,18%..Espírito Santo ,07% ,52%..Rio de Janeiro ,68% ,29%..São Paulo ,16% ,64% Região Sul ,87% ,57%..Paraná ,96% ,70%..Santa Catarina ,74% ,68%..Rio Grande do Sul ,98% ,62% Região Centro Oeste ,92% ,31%..Mato Grosso do Sul ,38% ,79%..Mato Grosso ,82% ,07%..Goiás ,40% ,95%..Distrito Federal ,02% ,42% Não Identificado 164 Total ,18% ,62% 6

7 Gráfico 6. Crescimento dos planos odontológicos por tipo de contratação* * Fonte: TABNET/ANS - Dados base Dezembro/2013 7

8 Panorama dos Planos de Assistência à Saúde Segmentação Odontológica Operadoras registradas na ANS Distribuição dos Beneficiários Beneficiários por segmentação do plano* Segmentação do Plano Planos novos (posteriores a Lei 9.656/98) Planos Antigos (anteriores a Lei 9.656/98) ODONTOLÓGICO ,65% 2,35% Total Coletivos Coletivos Coletivos ,86% 1,84% 81,71% Individuais Individuais ou Individuais ou Familiares Familiares ,79% 0,07% 17,86% Não Identificados Não Identificados ,43% 0,43% Beneficiários de Planos Exclusivamente Odontológicos por modalidade e época de contratação* Modalidades Planos Novos Planos Antigos Total % Odontologia de Grupo ,67% Cooperativa Odontológica ,84% Medicina de Grupo ,79% Seguradora espec. Saúde ,63% Cooperativa Médica ,15% Filantropia ,61% Autogestão ,31% Total ,00% 8

9 Beneficiários de Planos Exclusivamente Odontológicos por modalidade e tipo de contratação* Modalidades Individual ou Familiar Coletivo Empresarial Coletivo por adesão Coletivo Não indentificado Não informado Odontologia de Grupo Cooperativa Odontológica Total Medicina de Grupo Seguradora espec. Saúde Cooperativa Médica Filantropia Autogestão Total % do Total 17,86% 72,15% 9,05% 0,51% 0,43% 100,00% Beneficiários, por faixa etária e sexo, de planos individuais ou familiares e coletivos* Faixas Etárias Total Posteriores à Lei Anteriores a Lei Total Masculino Feminino Masculino Feminino Masculino Feminino 0 a 9 anos a 19 anos a 29 anos a 39 anos a 49 anos a 59 anos a 69 anos a 79 anos anos e mais Inconsistente Total Parcial Total Geral Participação do número de beneficiários, por cobertura assistencial, desde 2001, na saúde suplementar* 9

10 Evolução dos Beneficiários de Planos Exclusivamente Odontológicos (1) Competência Beneficiários Δ% Δ % em relação ao ano de dez/ dez/ ,66 17, dez/ ,08 41,29 20, dez/ ,61 66,18 41,23 17, dez/ ,83 104,11 73,47 44,46 22, dez/ ,78 138,36 102,58 68,70 43,44 16, dez/ ,46 182,35 139,97 99,84 69,91 38,34 18, dez/ ,69 252,07 199,23 149,18 111,87 72,49 47,71 24, dez/ ,70 324,95 261,17 200,76 155,72 108,20 78,28 50,50 20, dez/ ,13 410,48 333,86 261,30 207,19 150,11 114,17 80,80 44,99 20, dez/ ,50 458,98 375,08 295,63 236,38 173,87 134,52 97,97 58,77 31,54 9, dez/ ,98 553,90 455,76 362,81 293,50 220,37 174,34 131,59 85,73 53,88 28,09 16, dez/ ,64 636,53 525,98 421,29 343,22 260,85 209,00 160,85 109,20 73,32 44,28 31,76 12, dez/ ,18 696,80 577,21 463,95 379,49 290,38 234,29 182,20 126,32 87,51 56,09 42,55 21,85 8,18 Receita do Segmento Odontológico em R$ (2) Operadoras Exclusivamente Odontológicas Odontologia de Grupo Cooperativa Odontológica ,05% ,95% ,60% ,40% ,57% ,43% ,55% ,45% ,80% ,20% ,51% ,49% ,10% ,90% ,34% ,66% ,99% ,01% ,75% ,25% ,24% ,76% ,88% ,12% ,08% ,92% 10

11 Despesa Assistencial do Segmento Odontológico em R$ (2) Operadoras Exclusivamente Odontológicas Odontologia de Grupo Cooperativa Odontológica ,48% ,52% ,82% ,18% ,78% ,22% ,68% ,32% ,28% ,72% ,34% ,66% ,80% ,20% ,28% ,72% ,55% ,45% ,44% ,56% ,50% ,50% ,45% ,55% ,64% ,36% Despesa Administrativa do Segmento Odontológico em R$ (2) Operadoras Cooperativa Exclusivamente Odontologia de Grupo Odontológica Odontológicas ,63% ,37% ,70% ,30% ,41% ,59% ,55% ,45% ,55% ,45% ,39% ,61% ,79% ,21% ,09% ,91% ,10% ,90% ,21% ,79% ,13% ,87% ,30% ,70% ,87% ,13% 11

12 Relação Receita, Custo Assistencial e Despesa Administrativa do Segmento Odontológico em R$ (2) RECEITA CUSTO ASSISTENCIAL %RECEITA DESPESA ADMINISTRATIVA %RECEITA ,67% ,88% ,64% ,79% ,97% ,26% ,97% ,11% ,89% ,49% ,23% ,29% ,16% ,34% ,77% ,99% ,48% ,44% ,85% ,28% ,57% ,89% ,79% ,41% ,36% ,56% Despesa Assistencial segundo grupos de modalidades e itens de despesa assistencial em R$ (2) Itens de despesa assistencial Total Operadoras médicohospitalares Operadoras exclusivamente odontológicas Total Despesas médico-hospitalares Consultas Exames Terapias Internações Outros atendimentos ambulatoriais Demais despesas assistenciais SUS Eventos não avisados Despesas odontológicas Procedimentos odontológicos Demais despesas assistenciais SUS Eventos não avisados Despesas assistenciais não especificadas

13 Taxa de Sinistralidade das operadoras de Planos de Saúde, segundo a modalidade da operadora (2) Total Operadoras médicohospitalares Autogestão Cooperativa médica Filantropia Medicina de grupo Seguradora especializada em saúde Operadoras Exclusivamente Odontológicas Odontologia de Grupo Cooperativa Odontológica ,20% 79,58% 84,44% 83,74% 62,78% 74,27% 82,71% 54,90% 45,40% 71,20% ,77% 79,14% 85,97% 82,71% 61,71% 75,12% 82,12% 55,00% 46,00% 70,60% ,90% 81,30% 82,70% 83,60% 73,30% 75,90% 86,20% 55,20% 44,90% 76,30% ,80% 81,30% 87,30% 82,60% 78,80% 75,50% 87,20% 51,00% 42,40% 66,60% ,80% 81,40% 87,80% 81,50% 75,70% 75,90% 90,00% 49,90% 41,30% 67,20% ,10% 79,70% 83,10% 80,80% 77,30% 75,90% 84,00% 47,20% 39,60% 64,50% ,90% 80,60% 87,60% 79,60% 53,70% 77,20% 89,70% 48,20% 41,10% 64,80% ,80% 80,40% 91,70% 81,30% 53,10% 77,60% 81,50% 47,80% 40,20% 65,00% ,30% 83,00% 94,20% 82,40% 81,50% 79,10% 83,60% 48,50% 41,90% 63,70% ,40% 81,20% 89,20% 80,70% 79,30% 78,70% 81,30% 45,90% 40,10% 62,10% ,60% 82,40% 91,70% 81,80% 80,80% 79,30% 83,10% 48,60% 43,60% 64,40% ,10% 84,90% 93,50% 82,60% 82,40% 81,20% 90,10% 48,80% 44,10% 64,50% ,90% 83,70% 92,60% 83,50% 82,20% 82,30% 81,60% 45,60% 41,30% 60,90% Operadoras Ativas por Beneficiários do Segmento Odontológico, segundo critérios abrangentes (1) Porte da Operadora por Nº de Beneficiários Nº Operadoras Ativas % Operadoras Nº Beneficiários % Beneficiários > ,39% ,60% a ,97% ,36% a ,49% ,58% a ,07% ,39% a ,38% ,74% < ,66% ,34% Sem beneficiários 57 11,05% 0 0% TOTAL % % Beneficiários do segmento odontológico por porte de operadoras ativas, segundo critérios da ANS (1) Porte da Operadora segundo ANS Nº Operadoras Ativas % Operadoras Ativas Nº Beneficiários % Beneficiários > (Grandes) 25 4,84% ,54% a (Médias) 59 11,43% ,66% < (Pequenas) ,67% ,80% Sem beneficiários 57 11,05% 0 0,00% TOTAL % % * Fonte: (1) - TABNET/ANS - Dados base Abril/2014 (2) Caderno de Informação em Saúde Suplementar ANS Março 2014 com dados até dezembro/

14 Evolução do Número de Beneficiários na Odontologia de Grupo Exclusivamente Odontologia de Grupo Competência Beneficiários Δ% Δ % em relação ao ano de dez/ dez/ ,57 14, dez/ ,73 32,59 15, dez/ ,54 55,86 36,03 17, dez/ ,50 94,05 69,37 46,35 24, dez/ ,00 127,03 98,15 71,22 45,67 17, dez/ ,13 175,01 140,03 107,41 76,45 41,72 21, dez/ ,08 252,22 207,42 165,64 125,99 81,52 55,14 28, dez/ ,52 313,94 261,29 212,19 165,59 113,32 82,33 50,52 17, dez/ ,12 401,34 337,58 278,10 221,67 158,36 120,83 82,30 42,34 21, dez/ ,96 496,40 420,55 349,80 282,67 207,35 162,70 116,87 69,33 44,08 18, dez/ ,52 583,01 496,14 415,11 338,23 251,98 200,85 148,36 93,91 65,00 36,24 14, dez/ ,27 653,18 557,39 468,04 383,26 288,15 231,76 173,88 113,84 81,96 50,23 26,29 10, dez/ ,05 676,16 577,45 485,37 398,00 299,99 241,88 182,23 120,36 87,51 54,82 30,14 13,64 3,05 Vínculo com Medicina de Grupo Competência Beneficiários Δ% Δ % em relação ao ano de dez/ dez/ ,80 10, dez/ ,67 45,89 31, dez/ ,48 103,49 83,65 39, dez/ ,67 290,03 252,01 167,34 91, dez/ ,04 395,50 347,21 239,63 143,51 27, dez/ ,95 533,99 472,19 334,55 211,56 62,55 27, dez/ ,61 651,96 578,67 415,41 269,54 92,80 51,76 18, dez/ ,72 980,72 875,38 640,75 431,10 177,09 118,11 70,46 43, dez/ , , ,87 928,95 637,73 284,89 202,96 136,79 99,64 38, dez/ , , ,30 934,60 641,78 287,00 204,62 138,08 100,73 39,67 0, dez/ , , , ,71 877,02 409,73 301,23 213,59 164,39 83,96 32,44 31, dez/ , , , , ,66 596,32 448,10 328,38 261,17 151,30 80,91 79,93 36, dez/ , , , , ,77 785,76 597,22 444,92 359,43 219,67 130,13 128,88 73,77 27,21 14

15 Odontologia de Grupo com e sem vínculo à Medicina de Grupo Competência Beneficiários Δ% Δ % em relação ao ano de dez/ dez/ ,34 14, dez/ ,67 33,40 16, dez/ ,00 58,75 38,84 19, dez/ ,74 105,97 80,14 54,40 29, dez/ ,16 143,37 112,84 82,43 53,30 18, dez/ ,98 196,86 159,62 122,53 86,99 44,12 21, dez/ ,85 276,55 229,32 182,27 137,19 82,82 54,72 26, dez/ ,71 354,52 297,51 240,71 186,31 120,67 86,76 53,11 20, dez/ ,69 462,20 391,68 321,43 254,13 172,95 131,01 89,38 49,30 23, dez/ ,97 551,98 470,20 388,73 310,68 216,53 167,90 119,62 73,14 43,44 15, dez/ ,94 662,45 566,81 471,54 380,27 270,17 213,29 156,84 102,48 67,75 35,62 16, dez/ ,45 772,65 663,19 554,14 449,68 323,67 258,57 193,96 131,75 91,99 55,22 33,85 14, dez/ ,63 839,20 721,40 604,03 491,61 355,98 285,92 216,38 149,42 106,63 67,06 44,05 23,18 7,63 * Fonte: TABNET/ANS - Dados base Dezembro/

16 Ranking das 20 maiores operadoras de planos odontológicos, segundo o número de beneficiários* Ordem Código ANS / Operadora Beneficiários Modalidade ODONTOPREV S/A Odontologia de Grupo AMIL ASSISTÊNCIA MÉDICA INTERNACIONAL LTDA Medicina de Grupo ODONTO EMPRESA CONVENIOS DENTARIOS LTDA Odontologia de Grupo INTERODONTO - SISTEMA DE SAÚDE ODONTOLÓGICA Odontologia de Grupo HAPVIDA - ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA Medicina de Grupo METLIFE PLANOS ODONTOLÓGICOS LTDA Odontologia de Grupo PRODENT - ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA LTDA Odontologia de Grupo ODONTO SYSTEM PLANOS ODONTOLOGICOS LTDA Odontologia de Grupo UNIODONTO DE CURITIBA - COOPERATIVA ODONTOLÓGICA Cooperativa Odontológica UNIODONTO DE CAMPINAS COOPERATIVA ODONTOLÓGICA Cooperativa Odontológica UNIMED BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO Cooperativa Médica SUL AMÉRICA SEGURO SAÚDE S/A Seguradora SAUDE MED ODONTOLOGIA LTDA - BELO DENTE Odontologia de Grupo GOLDEN CROSS ASSISTENCIA INTERNACIONAL DE SÁUDE Medicina de Grupo PORTO SEGURO -SEGURO SAÚDE S/A Seguradora SUL AMÉRICA ODONTOLÓGICO S/A Odontologia de Grupo INPAO - INSTIT DE PREVIDENCIA E ASSIST. ODONTOLÓGICA Odontologia de Grupo UNIODONTO GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO Cooperativa Odontológica SÃO FRANCISCO ODONTOLOGIA LTDA Odontologia de Grupo MAIS ODONTO ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA Odontologia de Grupo * Fonte: TABNET/ANS - Dados base Dezembro/

17 Participação no Mercado das Operadoras filiadas ao SINOG* ANS OPERADORA 2013 % NO SINOG % NO SEGMENTO ODONTOLÓGIC O % NO TOTAL DE PLANOS DE SAÚDE ODONTOPREV S/A ,76% 29,74% 8,69% AMIL ASSISTÊNCIA MÉDICA INTERNACIONAL S.A ,40% 10,65% 3,11% HAPVIDA ASSISTENCIA MEDICA LTDA ,63% 3,80% 1,11% INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA ODO ,97% 0,98% 0,29% SÃO FRANCISCO ODONTOLOGIA LTDA ,52% 0,76% 0,22% SORRISO OPERADORA ODONTOLÓGICA LTDA ,95% 0,47% 0,14% AMICO SAÚDE LTDA ,94% 0,47% 0,14% PRIMA VIDA ODONTOLOGIA DE GRUPO LIMITADA ,63% 0,31% 0,09% DENTAL CENTER SERVIÇOS ODONTOLOGICOS S/C L ,57% 0,28% 0,08% SOESP-ODONTO SISTEMA ODONTOLÓGICO E SERVIÇ ,50% 0,25% 0,07% ORAL BRASIL PLANOS ODONTOLÓGICOS LTDA ,50% 0,25% 0,07% ODONTOGROUP SISTEMA DE SAÚDE LTDA ,36% 0,18% 0,05% DENTAL-PAR - ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA EMPR ,35% 0,17% 0,05% SOGELI PLANOS ODONTOLÓGICOS LTDA ,33% 0,17% 0,05% GARCIA PEDROSA LTDA ,33% 0,16% 0,05% SISTEMA PREVSAUDE LTDA ,19% 0,09% 0,03% INTEGRAL SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS LTDA ,19% 0,09% 0,03% ATEMDE ODONTO SAÚDE CLUBE DE BENEFÍCIOS ,19% 0,09% 0,03% CROWN ODONTOLOGIA DE GRUPO LTDA ,16% 0,08% 0,02% ODONTOART PLANOS ODONTOLÓGICOS LTDA ,16% 0,08% 0,02% ARM ODONTOLOGIA LTDA ,15% 0,07% 0,02% RIBEIRO & SILVA PLANO ODONTOLÓGICO LTDA EP ,13% 0,07% 0,02% DENTAL PLUS CONVÊNIO ODONTOLÓGICO LTDA ,12% 0,06% 0,02% L.K.L PLANO ODONTOLÓGICA LTDA ,12% 0,06% 0,02% PERSONAL DOCTOR ASSISTENCIA ODONTOLOGICA L ,11% 0,06% 0,02% ORAL MED PARANÁ-CLÍNICA ODONTOLÓGICA LTDA ,10% 0,05% 0,02% MARKI ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA LTDA - EPP ,10% 0,05% 0,01% SITO - SISTEMA INTEGRADO DE TRATAMENTO ODO ,07% 0,04% 0,01% UP ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA S.A ,06% 0,03% 0,01% ODONTOBASE PLANOS DE SAUDE LTDA ,06% 0,03% 0,01% PORTO ALEGRE CLÍNICAS S/S LTDA ,05% 0,03% 0,01% NUCLEO ASSISTENCIA ODONTOLOGICA LTDA ,05% 0,02% 0,01% METODONT - ASSISTÊNCIA ODONTOLOGICA LTDA ,04% 0,02% 0,01% UNIVERSAL PLANO ODONTOLOGICO LTDA ,04% 0,02% 0,01% PREVINA ODONTOLOGIA LTDA ,02% 0,01% 0,00% 17

18 SADI - SERVIÇO DE ASSIST. DENTARIA A INDUS ,02% 0,01% 0,00% WM ADMINISTRAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS L ,02% 0,01% 0,00% HUMANA ASSISTENCIA MEDICA LTDA ,02% 0,01% 0,00% SER ÚNICO - PLANOS ODONTOLÓGICOS S/S LTDA ,02% 0,01% 0,00% ORAL COMPANY ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA LTDA ,02% 0,01% 0,00% PLENA SAÚDE LTDA ,01% 0,01% 0,00% ORAL SAÚDE DE IBITINGA SERVIÇOS ODONTOLÓGI ,01% 0,01% 0,00% ODONTODHAN OPERADORA ODONTOLÓGICA LTDA ,01% 0,00% 0,00% BACCIN BONONI ODONTOLOGIA LTDA 452 0,00% 0,00% 0,00% UNICA COOPERATIVA DE ATENDIMENTO ODONTOLÓG 403 0,00% 0,00% 0,00% VIVA PLANOS DE SAÚDE LTDA 381 0,00% 0,00% 0,00% CRUSAM CRUZEIRO DO SUL SERVIÇO DE ASSISTÊN 137 0,00% 0,00% 0,00% ODONTOMAR LTDA ,00% 0,00% 0,00% PRODONTO ODONTOLOGIA LTDA 16 0,00% 0,00% 0,00% PORTO SEGURO SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS S.A. 15 0,00% 0,00% 0,00% SEMECO SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGIC 5 0,00% 0,00% 0,00% GARDEN GESTÃO DE ASSISTÊNCIA E REABILITAÇÃ 0 0,00% 0,00% 0,00% VIDA SAUDÁVEL 0 0,00% 0,00% 0,00% DOUTOR SORRISO 0 0,00% 0,00% 0,00% Beneficiários de Odontologia de Grupo Beneficiários de Odontologia de Grupo com vínculo à Medicina de Grupo Associados SINOG Total da Segmentação Odontológica Total da Segmentação Médico-hospitalar * Fonte: TABNET/ANS - Dados base Dezembro/

19 Produção Assistencial* PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS 1º SEM/2011 2º SEM/2011 ANO º SEM/2012 2º SEM/2012 ANO 2012 % 1. Consultas Odontológicas Iniciais ,72 2. Exames radiográficos ,08 3. Procedimentos preventivos , Atividade educativa individual , Aplicação tópica profissional de flúor por hemi-arcada , Selante por elemento dentário (menores de 12 anos) ,52 4. Raspagem supra-gengival por hemi-arcada (12 anos ou mais) 5. Restauração em dentes decíduos por elemento (menores de 12 anos) 6. Restauração em dentes permanentes por elemento (12 anos ou mais) , , ,02 7. Exodontias simples de permanentes (12 anos ou mais) ,12 8. Tratamento endodôntico concluído em dentes decíduos por elemento (menores de 12 anos) 9. Tratamento endodôntico concluído em dentes permanentes por elemento (12 anos ou mais) , , Próteses odontológicas , Próteses odontológicas unitárias (Coroa Total e Restauração Metálica Fundida) ,86 TOTAL ,43 DESPESAS ASSISTENCIAIS NO SEGMENTO ODONTOLÓGICO Consultas Odontológicas Iniciais 1º SEM/2011 2º SEM/2011 ANO º SEM/2012 2º SEM/2012 ANO 2012 % , , , , , ,69-12,83 Procedimentos Preventivos , , , , , ,26-20,24 Exodontias simples de permanentes (12 anos ou mais) , , , , , ,10-60,63 Próteses Odontológicas , , , , , ,53-52,95 Próteses odontológicas unitárias (Coroa Total e Restauração Metálica Fundida) , , , , , ,12-24,57 TOTAL , , , , , ,70-31,12 Dados brutos informados pelas operadoras de planos de saúde, referentes aos beneficiários dos segmentos exclusivamente odontológico e médico-hospitalar com odontologia. * Fonte: Mapa Assistencial da Saúde Suplementar - ANS Abril de

20 Diretoria Sinog 2014/2017 EFETIVA Presidente Geraldo Almeida Lima (São Francisco Odontologia) Vice-presidente Reinaldo Camargo Scheibe (Amil Dental) 1º Secretário Flávio Marcos Batista (OdontoPrev) 2º Secretário Sergio Ulian (Hap Vida) 1º Tesoureiro Roberto Seme Cury (Rede Dental) 2º Tesoureiro Claudio Aboud (Inpao Dental) Diretor de Assuntos Profissionais Walter Carmo Coriolano (Crown Odonto) Diretor de Assuntos Institucionais Nivaldo Vanni Filho (Sogeli) Diretor-procurador Wagner Barbosa de Castro (Universal) SUPLENTES Fernanda Cenevida de Athayde Monseur (Dix Dental) José de Arimathea Barcellos (Dental Plus) Kátia Machado Viana (LKL Plano Odontológico) DIRETORES REGIONAIS SP Cláudio Ciorlia Denipoti (OdontoBase) José Humberto Linhares Dutra (Soesp Odonto) RJ Kleber Bernardes (Primavida) ES Sinval Santos Silva (Oral Brasil) MG Maria Cristina de Lourenço (Intermedici Piracicaba) DF/GO/MT/MS Regina Salgado (OdontoGroup) AC/AM/AP/PA/RO/RR/TO Carlos Roberto Squillaci (Garden) AL/BA/CE/PB/PE/PI/RN/SE Antonio Cleiton Gurgel (Atemde Odonto) AL/BA/CE/PB/PE/PI/RN/SE Tadeu Magela de Oliveira (Odontoart) PR/SC William César Caldas Lopes (WM Planos Odontológicos) RS Alexandre Diamante (Porto Alegre Clínicas) CONSELHO FISCAL EFETIVO Antonio Luiz de Oliveira (Integral) Sérgio Tadeu Almeida (Personal Doctor) Sandra Angotti Ossent (Porto Odonto); CONSELHO FISCAL SUPLENTE Luciano Cedrinho Ciciarelli (Núcleo) Alexandre de Souza Martinelli (ARM Odontologia) Diogo Vilella (Dr. Sorriso) 20

21 Elaboração: Assessoria de Comunicação e Marketing Sinog Luís Fernando Russiano Assessor de Comunicação e Marketing Camila Pupo Mercias Assistente de Comunicação Amauri Gonçalves Estagiário de Comunicação Julho /

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Análise de Mercado segundo dados extraídos da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Análise de Mercado segundo dados extraídos da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Março / 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Dezembro/ 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Análise de Mercado segundo dados extraídos da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia

Leia mais

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 SETEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Análise de Mercado segundo dados extraídos da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

3.000.000 2.000.000 1.000.000 2.489.239 2.270.578 2.050.498 1.052.432 818.993 864.748 328.552 223.651 220.002 198.142

3.000.000 2.000.000 1.000.000 2.489.239 2.270.578 2.050.498 1.052.432 818.993 864.748 328.552 223.651 220.002 198.142 Rank Código ANS Nomes Beneficiários 1 326305 Amil 2.489.239 2 359017 Intermedica 2.270.578 3 302872 Amil (Medial) 2.050.498 4 306622 Amil (DixAmico) 1.052.432 5 403911 Golden Cross 818.993 6 368253 Hapvida

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

3.000.000 2.000.000 1.000.000 2.464.419 2.295.978 2.020.883 992.586 867.392 831.535 325.275 242.433 219.843 197.706

3.000.000 2.000.000 1.000.000 2.464.419 2.295.978 2.020.883 992.586 867.392 831.535 325.275 242.433 219.843 197.706 Rank Código ANS Nomes Beneficiários 1 326305 Amil 2.464.419 2 359017 Intermedica 2.295.978 3 302872 Amil (Medial) 2.020.883 4 306622 Amil (DixAmico) 992.586 5 368253 Hapvida 867.392 6 403911 Golden Cross

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Gestão em Clínicas de Serviço de Saúde. José Cechin SP, 24.mai.2013

8º Congresso Brasileiro de Gestão em Clínicas de Serviço de Saúde. José Cechin SP, 24.mai.2013 8º Congresso Brasileiro de Gestão em Clínicas de Serviço de Saúde José Cechin SP, 24.mai.2013 1 Gestão da Qualidade Adote o processo, escolha depois 2 FENASAUDE 3 FenaSaúde Associadas: 17 grupos empresariais

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 JUNHO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

Ciclo de Encontros Executivos As Melhores Práticas em Gestão de Saúde CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE SAÚDE NO BRASIL. Mozart de Oliveira Júnior

Ciclo de Encontros Executivos As Melhores Práticas em Gestão de Saúde CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE SAÚDE NO BRASIL. Mozart de Oliveira Júnior Ciclo de Encontros Executivos As Melhores Práticas em Gestão de Saúde CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE SAÚDE NO BRASIL Mozart de Oliveira Júnior Histórico Atividades caritativas e ação sobre o ambiente

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. Brasília 03.abril.2013

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. Brasília 03.abril.2013 Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor Brasília 03.abril.2013 Federação Nacional de Saúde Suplementar Associadas: 15 grupos empresariais Beneficiários: 25 milhões (37.2%)

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Junho / 2009 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2014 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2014 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

6º Seminário SINDHOSP e Grupo Fleury

6º Seminário SINDHOSP e Grupo Fleury 6º Seminário SINDHOSP e Grupo Fleury Saúde Suplementar Oportunidades e Desafios para o Crescimento São Paulo 16.abril.2013 Federação Nacional de Saúde Suplementar FENASAÚDE 2 Federação Nacional de Saúde

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL 15 setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Junho2015. Caderno de Informação. da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos. Rio de Janeiro - 2015. ISSN online 1981-0962

Junho2015. Caderno de Informação. da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos. Rio de Janeiro - 2015. ISSN online 1981-0962 Junho2015 Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Rio de Janeiro - 2015 ISSN online 1981-0962 Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras

Leia mais

A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO

A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO IBDESS Fevereiro/2010 Fausto Pereira dos Santos Diretor-Presidente Vínculos a planos privados de assistência à saúde e registros no cadastro: Brasil (2000 2009) (milhões)

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Avaliação dos planos de saúde Brasil. Dezembro de 2010

Avaliação dos planos de saúde Brasil. Dezembro de 2010 Avaliação dos planos de saúde Brasil Dezembro de 2010 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil da amostra Avaliação dos planos ou seguros saúde Avaliação geral dos planos de saúde Desempenho dos planos de

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Educação Financeira na Infância 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: A sondagem teve por objetivo identificar informações relacionadas à educação financeira durante

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 29ª Edição Agosto de 214 SUMÁRIO EXECUTIVO Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (Mar/14): 5.722.522; Taxa

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE UNIDADE : 36211 - FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE ANEXO I CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 E G R M I F FUNC.

Leia mais

Avaliação dos planos de saúde Brasil. Dezembro de 2010

Avaliação dos planos de saúde Brasil. Dezembro de 2010 Avaliação dos planos de saúde Brasil Dezembro de 2010 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil da amostra Avaliação dos planos ou seguros saúde Avaliação geral dos planos de saúde Desempenho dos planos de

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

Índice de Desempenho da Saúde Suplementar - IDSS

Índice de Desempenho da Saúde Suplementar - IDSS Índice de Desempenho da Saúde Suplementar - IDSS Ano Base de 2014 Divulgação: Setembro 2015 Dimensões avaliadas do IDSS Atenção à Saúde: Avalia a qualidade da atenção, com ênfase nas ações de promoção,

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 30ª Edição Outubro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (jun/14): 50.930.043; Taxa

Leia mais

Elaboração, distribuição e informações:

Elaboração, distribuição e informações: Painel de Precificação Planos de Saúde 2013 Elaboração, distribuição e informações: Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Av. Augusto Severo, 84, Glória CEP: 20021-040, Rio de Janeiro RJ Tel.: +5521

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

SISTEMA DE SAÚDE PRIVADO

SISTEMA DE SAÚDE PRIVADO DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SISTEMA DE SAÚDE PRIVADO SETEMBRO DE 2015 1 SERVIÇOS 2 CADEIA DE SERVIÇOS DO SETOR DE SAÚDE Médicos Dentistas Clínicas Consultórios Hospitais Laboratórios

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Panorama dos gastos com cuidados em saúde

Panorama dos gastos com cuidados em saúde Panorama dos gastos com cuidados em saúde Os custos da saúde sobem mais que a inflação em todo o mundo: EUA Inflação geral de 27% em dez anos, a inflação médica superou 100%; Brasil Inflação geral 150%

Leia mais

46.051 46.051 S 3 1 90 0 100 46.051

46.051 46.051 S 3 1 90 0 100 46.051 UNIDADE : 14102 - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ACRE UNIDADE : 14105 - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA BAHIA 0570 GESTAO DO PROCESSO ELEITORAL 50.468 0570 GESTAO DO PROCESSO ELEITORAL 107.350 50.468 RES,

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social Oferta de vagas por instituição UNIVERSIDADES FEDERAIS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE 408 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 636 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Erradicação do Trabalho Infantil Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Estrutura do MTE para o Combate ao Trabalho Infantil a Serviço da Rede de Proteção à Infância.

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais