Agenciamentos entre ficção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agenciamentos entre ficção"

Transcrição

1 Agenciamentos entre ficção seriada televisiva e novas mídias: uma introdução ao campo das narrativas transmidiáticas 1* Assemblages between television serial fiction and new media: an introduction to the field of transmedia storytelling Resumo Gilberto Alexandre Sobrinho 2 Edvaldo Acir 3 O texto investiga sobre as transformações nas narrativas seriadas, relacionadas com as novas mídias. Partindo do conjunto de ficções seriadas caras ao fluxo televisivo, apontam-se mudanças estruturais, nas formas de comunicação e de consumo, sendo a web 2.0 agenciadora de reelaborações significativas que resultam nas narrativas transmidiáticas. Palavras-chave: Ficção seriada. Novas mídias. Narrativas transmidiáticas. 77 Conexão Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 10, n. 20, jul./dez Abstract This text develops an introductory approach to the changes in the realm of serial narratives, related to the new media context. Starting from serial fiction television, produced to feed television flow, we detected structural changes in the forms of communication and consumption. Web 2.0 is faced as an agent for significant reworkings that result in transmedia storytelling. Keywords: Serial ficction. New media. Transmedia storytelling. 1 Artigo recebido em Aprovado em Professor Doutor no Departamento de Multimeios, Mídia e Comunicação do Instituto de Artes da Unicamp. Foi Coordenador do curso de graduação em Comunicação Social Midialogia. Atualmente, é assessor da Pró-Reitoria de Graduação da Unicamp. Atua nas Áreas de História da Televisão e do Vídeo, na graduação e na pós-graduação. 3 Mestre em Artes pela Unicamp. Especialista em Publicidade pela ECA /USP.

2 Sobrinho, Gilberto Alexandre. Acir, Edvaldo. Agenciamentos entre ficção seriada televisiva e novas mídias: uma introdução Apartir da década de 90 (séc. XX), sob o impacto do digital, a produção audiovisual foi afetada por transformações profundas. Cinema, televisão e vídeo passaram, então, por mudanças nos processos de produção, distribuição e consumo. Com o avanço das mídias digitais, sendo a internet protagonizadora desse processo, foram agregadas novas formas de comunicação, socialização e se reformulou a esfera dos negócios. O interesse, neste texto, recai sobre as relações entre televisão e novos agenciamentos de produção, distribuição, consumo e negócios sob o impacto do digital. Sendo a televisão produtora e veiculadora de conteúdos, vamos perscrutar um tema caro à configuração de sua programação nesse novo cenário: as séries narrativas ficcionais no horizonte da produção transmidiática. O advento das narrativas transmidiáticas está vinculado ao aparecimento das chamadas novas mídias. Denominam-se novas mídias o vídeo e cinema digitais, os sites da web, os ambientes e os mundos virtuais, os games de computador e de consoles computadorizados, as instalações interativas mediadas por computador, as animações com imagens reais e sintéticas, os domínios da multimídia, os dispositivos móveis e as demais interfaces humano-computador. (Mu r r ay, 1998, p. 152). Graças aos recursos das novas mídias, as histórias podem ser apresentadas a partir de diversos pontos de vista, com histórias paralelas, com possibilidades de interferência na narrativa, com opções de continuidade ou descontinuidade da narrativa. Para a elaboração deste artigo, estabelecemos relação entre o plano conceitual, principalmente, a partir de Jenkins (2009), Lacalle (2010), Murray (1998), O Reilly (2011). Traçamos um breve percurso histórico, destacando casos relevantes do fenômeno observado e entrevistamos profissionais de TV e de grupos de mídia que já trabalham com produção transmidiática. Nessas conversas, foi possível verificar uma forte tendência por parte de alguns desses grupos, operadoras e produtores de audiovisual. Em diversos níveis, já dedicam infraestrutura e pessoas para o desenvolvimento da área de audiovisual para dispositivos móveis, mesmo que essa ainda não seja uma iniciativa popularizada entre os usuários no Brasil. Há, por assim dizer, uma expansão do vocabulário televisivo, pois, ao olhar o universo da produção seriada, nota-se um forte movimento comunicacional entre as telas, digamos, da sala de estar e das telas móveis multiplicadas, acessíveis e conectadas. A televisão, a partir da segunda metade do século XX, tem um histórico de alterações significativas, mesmo tendo uma vida relativamente curta. Em pouco tempo, passou a exercer grande espectro de influência em relação às outras mídias, dado que se mantém até a atualidade. Até a década de 80 (séc. XX), o aparelho eletrodoméstico tinha o espaço doméstico, em particular a sala de estar, como topografia essencial,

3 e o ato de ver televisão era homologado de forma passiva, ao menos do ponto de vista de uma participação direta com o material veiculado. Precisamente, a partir de 1983, com o surgimento do controle remoto, seguido da comercialização e do barateamento do videocassete, alterou-se de forma profunda o consumo da mensagem televisiva; posteriormente, o satélite e o cabo promoveram também mudanças estruturais. A partir de meados da década de 90 (séc. XX), e com ênfase nos anos 2000, vemos surgir uma outra configuração, sob o impacto das novas mídias. Pode-se dizer que a evolução tecnológica, associada a interesses públicos e privados de expansão do setor, contribuiu decisivamente para um quadro de reelaborações significativas. No intuito de mapear e refletir, de forma introdutória, sobre os efeitos dessa passagem, este texto volta-se ao estudo de narrativas seriadas de ficção, a fim de observar quais elementos se destacam nesse horizonte. A escolha justifica-se pela importância que a serialização adquiriu na grade de programação e, consequentemente, nos usos expandidos desse conteúdo na era digital, sendo o produto ficcional atualizado em vários formatos dessa natureza, tais como telenovelas, soap operas, séries, sitcoms, minisséries. Realizaremos uma inspeção geral sobre essas alterações, para, em seguida, observar o comportamento da produção seriada brasileira. No Brasil, a telenovela constitui um formato privilegiado no âmbito da serialização, sendo a Rede Globo a emissora/produtora que se destaca. Sob o impacto das tecnologias digitais, a televisão tem multiplicado seu vocabulário e reconfigurado suas singularidades. O fluxo televisivo, aspecto definidor da programação segundo Williams (2003), não se sustenta mais como traço definidor de uma programação que estava à disposição do telespectador, ela passou a ser contida, e o eterno presente da grade tornou-se coisa do passado. Ainda sob o impacto do videocassete, programas eram armazenados, e a estocagem caseira permitia investimentos de sentido segundo o desejo do espectador. Recentemente, programas são comercializados em DVDs e convivem com a TV aberta, a programação segmentada dos canais pagos, a cabo ou por satélite. O surgimento do Youtube acentuou o estilhaçamento da programação e incrementou as apropriações dos espectadores em relação ao seu conteúdo. A TV Digital assinala outro campo profundo de mudanças, onde a interatividade segue como o desafio dos programadores na nova relação com o espectador/usuário. Nesse quadro, as relações entre TV, internet e, particularmente, a web, merecem considerações mais destacadas. 79 Conexão Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 10, n. 20, jul./dez A internet, segundo Lacalle (2010), forneceu a infraestrutura tecnológica necessária para superar a diversidade de formas comunicativas; operando transformação de conteúdos de meios prévios para o formato digital, constitui um dos instrumentos

4 Sobrinho, Gilberto Alexandre. Acir, Edvaldo. Agenciamentos entre ficção seriada televisiva e novas mídias: uma introdução privilegiados para poder representar configurações socioculturais baseadas na cooperação e é um metameio interativo e comunitário. Trata-se de um espaço de trocas entre sujeitos de modo contundente, que forma um circuito que agrega de maneira indistinta autores e leitores, produtores e espectadores, criadores e intérpretes. Em seu desenvolvimento, a internet agregou o conceito de multiplataforma, em que se destaca a migração de conteúdos para mídias com características próprias, um fenômeno recente, marcado, sobretudo, pela multiplicação de telas. Diante desse movimento, em que velhas mídias (TV, rádio e cinema) convivem com as novas mídias (computador, celular, tablets, etc.), o fenômeno da convergência assinala um novo paradigma no campo da comunicação: trata-se da remodelação da relação entre produção e consumo de conteúdos midiáticos. Vale dizer que, nesse ambiente facilitado pela internet, a demanda por vídeos, sobretudo de programação televisiva, tem protagonizado esse processo, e a web 2.0, uma plataforma aberta, tornou possível a participação de usuários na elaboração de conteúdos. Segundo O Relly (2005), são sete os princípios básicos da web 2.0: 1) a World Wide Web como plataforma de trabalho; 2) o reforço da ideia de inteligência coletiva; 3) a gestão de base de dados como competência primária; 4) a constante atualização gratuita dos dados e dos serviços disponíveis na rede; 5) a utilização de modelos de programação rápidos e a busca da simplicidade; 6) software não-limitado a um único dispositivo; 7) o valor agregado das experiências dos internautas. Portanto, esse quadro tecnológico traz consigo o surgimento de um outro sujeito que, potencialmente, pode participar de modo ativo na construção da significação em rede. No plano do desenvolvimento narrativo, o agenciamento de conteúdo que prevê a inclusão de um sujeito que não apenas recebe a mensagem, nos moldes acima descritos, mas participa de sua elaboração promove o que Jenkins (2008) denomina narrativa transmidiática, em que não há somente a migração de conteúdos para multiplataformas, mas também a ativação do conhecimento desse usuário na geração e nos desdobramentos das histórias. Jenkins propõe a tese de que temos, hoje, o estabelecimento de novos paradigmas de comunicação e a reinvenção dos suportes de mídia de maneira complementar, proporcionando novas significações técnicas e socioculturais. Ou seja, para Jenkins, a televisão não vai acabar por conta da internet, assim como a internet não vai inventar um novo modelo de comunicação em vídeo: o acoplamento das duas propostas vai criar uma terceira via, com a possibilidade de novas ferramentas e de mecanismos de interatividade. E isso, por sua vez, deve reconfigurar a maneira pela qual as pessoas se

5 apropriam do produto audiovisual, determinando um novo modelo de raciocínio comunicacional que, por fim, gerará impactos na economia, na arte, nos modos de consumo e no relacionamento entre as pessoas e o mundo como um todo. Como explica Jenkins, a convergência das mídias é mais do que apenas uma mudança tecnológica. A convergência altera a relação entre tecnologias existentes, indústrias, mercados, gêneros e públicos. A convergência altera a lógica a partir da qual a indústria midiática opera e pela qual os usuários processam a notícia e o entretenimento. (Je n k i n s, 2009, p. 286). Em 1999, A Bruxa de Blair (The Blair Witch Project, direção Daniel Myrick e Eduardo Sánchez, EUA), uma produção independente de baixo custo, ficção escamoteada de documentário, tornou-se emblema pioneiro da junção entre mobilização de fãs na internet e sucesso absoluto de público em escala internacional quando chegou às salas de cinema. Dando sequência, o surgimento de Matrix (1999, direção Irmãos Wachowski, EUA) ampliou o vocabulário das narrativas audiovisuais, por meio do desenvolvimento de produtos para multiplataformas. Os desdobramentos narrativos de Matrix, também conhecidos como franquia, incluíam pedaços-chave de informação transmitidos por meio de três filmes live action, série de curtas de animação, uma coleção dupla de histórias em quadrinhos e também videogames. Esses exemplos surgidos da esfera do cinema assinalaram um outro imperativo de comunicação com o público e, mais importante, mobilizaram outras janelas para o mundo dos negócios midiáticos. Esse exemplo comprova que o processo de produção e circulação de uma narrativa transmidiática requer alto grau de coordenação entre diferentes setores de mídias, envolvendo uma teia complexa de franchising e licenciamento de produtos. Mas foi principalmente no âmbito da televisão, sobretudo norte-americana, que as transformações em relação à expansão do conteúdo narrativo se acentuaram, e Lost é um caso específico desse fenômeno. 81 Conexão Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 10, n. 20, jul./dez J. J. Abrams e Damon Lindelof foram os criadores da série que começou a ser exibida em 2004, pela rede norte-americana ABC, e teve sua última temporada lançada em 2010, o que contabilizou seis temporadas e 121 episódios no total. A série televisiva, comercializada internacionalmente, é o núcleo de um conjunto de produtos midiáticos composto por blogs, videogames, livros, sites, vídeos na internet e outros produtos. Vale dizer que se busca uma arquitetura entrelaçada e a valorização da cooperação entre os vários setores que edificam esse novo conceito de produto audiovisual. Das extensões de Lost, podemos destacar os episódios feitos para serem exibidos exclusivamente em aparelhos celulares, os chamados mobisódios, Lost Missing

6 Sobrinho, Gilberto Alexandre. Acir, Edvaldo. Agenciamentos entre ficção seriada televisiva e novas mídias: uma introdução Pieces, em que apareciam situações não exibidas na TV, amarrando alguns fios soltos da trama. Outro produto dessa rede transmídia foi a incorporação do ARG, ou Alternate Reality Game, jogo em que a realidade ficcional se transmuta com o cotidiano do espectador, integrando-o no universo fantasioso. Em seus aspectos técnicos, um ARG pode ser definido como um jogo de natureza coletiva que usa como suporte várias plataformas digitais, tais como GPS, telefonia móvel, internet, etc. Trata-se de uma interface que intermedia um formato lúdico no qual o público se sujeita a desvendar um intrincado jogo narrativo interligado ao universo de Lost. (Me s q u i ta, 2010, p. 6-7). A solução para a incorporação dos ARGs no universo transmídia de Lost surgiu em 2006, com o chamado The Lost Experience. Nele havia o intuito de preencher alguns vazios entre a segunda e a terceira temporadas, mantendo, assim, a expectativa do público. Depois, seguiram-se mais três: ARGs, FIND815 (2007), Dharma Iniciative Recruiting Project (2008) e Lost University (2009). A incorporação dessa interface funcionou como instrumento de marketing e de propaganda (além da promoção da própria série, apareceram os patrocinadores Sprite, Jeep, Monster.com e Verizon), de sedução narrativa e buscou transformar a experiência narrativa em imersão adensada. Ao fim da última temporada, Lost contabilizava números expressivos de espectadores na TV e na web, e as vendas dos DVDs foram recordes. Jenkins (2009, p. 384) nos diz que cada vez mais as narrativas estão se tornando a arte da construção de universos, na medida em que os artistas criam ambientes atraentes e que não podem ser completamente esgotados em uma única obra ou mesmo em uma única mídia. Há, portanto, no horizonte, mudanças estruturais nas formas pelas quais as produções narrativas audiovisuais se distribuem e, consequentemente, se consomem. Para Marcelo Glutz, diretor de Mídias Digitais da Globosat, se a história dos Três Porquinhos fosse lançada hoje, teríamos uma comunidade no Orkut, poderíamos acompanhar os porquinhos no Twitter, ler os detalhes sobre a obra de cada casa; assistir a um episódio de 3 minutos com as aventuras do Lobo Mau e a perseguição dos três porquinhos no celular, depois do Lobo Mau com a Chapeuzinho Vermelho ou o Lobo Mau na sua vida pessoal. Poderíamos ver no Google Maps da distância percorrida entre as casas que o Lobo Mau iria destruir. Assistir a um documentário do History Channel sobre a saga da Família Porco na América. E ainda: enviar um SMS e receber um ringtone com o sopro do lobo. Poderíamos conversar com os amigos sobre o que faríamos no lugar do porquinho construtor, enviar para o Lobo Mau a nossa receita favorita de leitão à pururuca para ele aproveitar melhor, entre outras interações com a história principal. (Glutz, 2010, s.p.). De forma divertida, Glutz chama a atenção para o conteúdo (narrativo) expandido que as novas mídias potencializam.

7 Pedro Rolla, diretor de Mídia do Portal Terra para a América Latina e Estados Unidos, chama a atenção para as conexões e a multiplicidade de aparelhos: TVs, PCs, Notebooks, Netbooks, I-pads, I-pods e celulares. O que resulta, de imediato, num consumo avassalador de mídia. Em um futuro próximo, ele enxerga que a probabilidade de as pessoas terem mais de um aparelho conectado à internet é alta, sendo tudo cada vez mais wireless. Rolla destaca que as pessoas podem se locomover entre os diversos lugares, conectar e acessar os conteúdos de seu interesse nos vários momentos do dia. E há prazer nesses acessos aos conteúdos. Conexões e prazeres numa escala espaciotemporal dinamizada pela oferta múltipla de dispositivos interconectados: Em um aplicativo, no Facebook, no Twitter, no que for. Quando eu estou com o meu iphone, eu consigo enxergar prazer, entrar no Facebook e falar que aconteceu tal coisa e que eu estou com tal problema. As pessoas, cada vez mais, estão consumindo mais conteúdo. E cada vez mais, os devices são móveis, possibilitando uma velocidade incrível da informação. Temos hoje a capacidade de gravar um vídeo pelo celular em Johanesburgo, na frente do estádio, e mandar em tempo real para as pessoas publicarem em multiplataformas. (rolla, 2010, s.p.). Levando em conta a descentralização da produção e do consumo no contexto das novas mídias, Luiz Gleiser, diretor de Núcleo da TV Globo, afirma que há algum tempo a maior emissora de TV aberta do Brasil busca atingir o usuário em toda parte. De forma estratégica, há a necessidade de ativar mecanismos de participação num contexto de acentuadas transições, em que as formas discursivas deixam de existir em um centro único para habitar vários lugares. A interatividade e a integração das redes sociais são mecanismos dessas novas demandas. Gleiser cita como exemplo as webséries de Malhação. Malhação é um programa para adolescentes e se constrói sob o imperativo do ecletismo, em que se tenta falar com o conjunto da sociedade brasileira. Nas webséries, começou-se a produzir conteúdos complementares, em que se ativam, por exemplo, o aprofundamento na psicologia, no comportamento e no universo de cada personagem. Essas webséries são produzidas por dispositivos tais como o telefone, o Nokia i95 ou o X1, da Sony, que possui uma câmera extremamente singela. Dessa forma, o custo de produção é muito baixo. Cada uma dessas webséries costuma ter três episódios com uma média de 1 minuto e 30 segundos, 1 minuto e 40 segundos, e são produzidas em 40 minutos. Essas pílulas acabam se acoplando ao conceito e ao produto final do próprio programa. (Gleiser, 2010, s.p.). 83 Conexão Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 10, n. 20, jul./dez Outro exemplo foram os episódios criados para a internet da telenovela Passione (2010). Depois que a cena era gravada, os personagens continuavam-na em um monólogo dirigido para a câmera. Esse monólogo só existia na internet, ele não era veiculado na TV Globo. Isso era supervisionado pelo próprio Sílvio de Abreu, autor da telenovela. Ele destacou o fato de todo programa da TV Globo ter, necessariamente,

8 Sobrinho, Gilberto Alexandre. Acir, Edvaldo. Agenciamentos entre ficção seriada televisiva e novas mídias: uma introdução que levar em consideração o conceito de multiplataformas e, já em vários casos, avançar para os domínios da transmídia. Ele destaca, inclusive, em como ser atingido pela ausência do telespectador, sempre tendo em mente essa necessidade de estar presente em um universo multiplataforma e ser viabilizado dentro dos orçamentos. Trata-se de um negócio que está funcionando bem, crescendo exponencialmente. A telenovela Passione teve um universo considerável de exibição do Twitter que foi bastante importante durante cada capítulo e no final dos capítulos. E, depois, podia-se cruzar a história por dentro do próprio site. (Gleiser, 2010, s.p.). Para Glutz, entre a mídia tradicional e o que se denomina uma experiência totalmente transmídia, há três níveis diferentes. O primeiro é o transporte, que é simplesmente quando se pega o conteúdo de determinada mídia e se o transporta para outra mídia. É o que a Globo.com faz quando, por exemplo, pega a telenovela, corta e oferece no site. Aqui não se cria nada, simplesmente, se desloca um conteúdo que estava em uma mídia para outra mídia. Isso serve para atingir pessoas que não estão naquela mídia original daquele conteúdo, pessoas que não estão vendo a novela às 21 horas e que podem querer conseguir vê-la no dia seguinte, de manhã, por exemplo, ou que perderam a novela. O segundo nível é o que se chama de tradução, quando existe uma adaptação da história na passagem de uma mídia para outra. Todos os filmes que viraram games são exemplos clássicos. Por fim, há a experiência chamada de transmídia. Trata-se de uma expansão, portanto, a obra é expandida. Os exemplos mais clássicos são: Big Brother, Heroes, Lost e Matrix. Para Michael Monello, produtor de A Bruxa de Blair, o mais importante é deixar fatos profanos e se apropriar da história. Reconstruir parodiando, amplificando, ramificando e dividindo o sucesso. A propriedade da história é do autor, então, se pode contar do jeito que se quiser. Para ele, é importante fazer o fã se apropriar da história para gerar um encadeamento maior, para gerar grandes desdobramentos para aquela história no fim. (Glutz, 2010, s.p.). Com olhos voltados à relação direta entre novos formatos narrativos e, mais acentuadamente, aos novos modelos de negócios, Steve Rudolph, diretor Global de Mídia, do Instituto de Pesquisas McKinsey, diz que, nos Estados Unidos, aproximadamente, um quarto das pessoas está disposto a pagar pelo menos US$ 5 mensais por um agregador de conteúdo de alta qualidade. Além disso, os usuários não mostram rejeição a anúncios relevantes em conteúdos audiovisuais, bem-direcionados e que podem fazer parte do entretenimento. Segundo o executivo, um terço dos anunciantes nos Estados Unidos já investe em campanhas multiplataformas. As pesquisas também apontam o declínio de 1% em número de horas assistidas no consumo de vídeo linear e um aumento de 14% no consumo não-linear. Ao mesmo tempo, a geração de receitas com vídeos nos Estados Unidos cresceu 8% no período de 1990 a

9 2010. Metade dos americanos tem gravador de vídeo digital, e metade costuma assistir ao conteúdo pré-gravado. Houve um aumento de 39% de usuários que assistem a vídeos em três telas. Na internet, 80% das atrações assistidas são gratuitas. Rudolph destacou que para monetizar nesse novo cenário de consumo de mídia, é preciso estabelecer parcerias, desenvolver conteúdos profissionais de qualidade (embora o conteúdo não-profissional seja complementar e importante), criar novas formas de conteúdo e resolver os dois lados da equação: aumento de valor para o anunciante e para os usuários. Parece que, no fim, tudo volta para a TV. Os complementos tornam a experiência de TV melhor, observa (TI INSIDE, 2010, s.p.). O quadro apresentado, embora de forma resumida, elucida o surgimento de novos modelos e/ou formatos narrativos associados com novos modelos de negócios, o que Jenkins (2008) denomina a cultura da convergência, alicerçada nos seguintes termos: a convergência dos meios de comunicação, a valorização da cultura participativa e a ativação da inteligência coletiva. Os exemplos de narrativas transmidiáticas anteriores são signos desse novo cenário conceituado pelo teórico norte-americano. Vemos, assim, a redefinição do campo midiático em que há uma mudança cultural pelas alterações nas esferas da produção e do consumo. A produção seriada no Brasil ainda não alcança o grau de convergência que a verificada no contexto norte-americano. Pelo que se pode verificar, a realidade efetiva da transmediação no âmbito narrativo pertence a lugares que detêm tecnologia, e, em termos de negócios, essa nova ficção é encabeçada por grandes corporações que estendem seu produtos em escala planetária. Produtoras independentes como a O2 e a Conspiração Filmes já integraram o seu vocabulário a produção voltada para multiplataformas, seguindo essa forte tendência contemporânea. Um exemplo pioneiro da migração e expansão de conteúdo narrativo foi experienciado pela própria O2. O circuito foi iniciado pelo curta-metragem Palace II (2000), exibido no programa Brava Gente, na Rede Globo, seguindo-se a realização do longa-metragem de sucesso internacional Cidade de Deus (2002), coproduzido pela Globo Filmes e Videofilmes, posteriormente a série coproduzida pela Rede Globo Cidade dos Homens ( ) e, finalmente, o longa-metragem Cidade dos Homens (2007), em que participaram Globo Filmes, Fox Filmes e Petrobras. É importante destacar que as variações da narrativa, cujo ponto de partida foi, na verdade, o romance de Paulo Lins, Cidade de Deus, configura uma experiência dinâmica entre produção independente cinematográfica e televisiva, não há, portanto, a mobilização de dispositivos de rede, próprios do cenário apresentado pelas mídias digitais. Evidentemente isso não atenua a importância desse exemplo para o audiovisual brasileiro e a produção para multiplaformas. 85 Conexão Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 10, n. 20, jul./dez. 2011

10 Sobrinho, Gilberto Alexandre. Acir, Edvaldo. Agenciamentos entre ficção seriada televisiva e novas mídias: uma introdução Algumas das iniciativas mais ousadas no Brasil no que se refere à utilização de produção e distribuição do audiovisual em um ambiente de convergência midiática estão ligadas ao canal de televisão por assinatura da operadora Oi. A empresa se posiciona como uma empresa de mídia completa e, por isso, para ela é fundamental a criação de produtos adequados para todas as mídias. O canal lançou, no fim de novembro de 2009, o projeto Castigo Final, um jogo que envolvia programa de TV, site de apoio na internet, divulgação de pistas e informações de episódios pelo celular, sempre com vídeos específicos para cada mídia. O jogo previa a participação do público para salvar a vida de oito prisioneiras que estavam isoladas em um presídio de segurança máxima de alta tecnologia. Depois de uma pane no sistema, as prisioneiras começaram a ser assassinadas, e o jogador precisava descobrir o código que abriria as portas da prisão para que elas retomassem o contato com o mundo exterior. Os jogadores precisavam navegar por todo esse conteúdo para descobrir as pistas que levavam ao código secreto. As pistas foram enviadas por SMS para quem se cadastrava. (Al m e i d a, 2010, p. 101). No Brasil, a minissérie fez sucesso no mundo virtual e televisivo. Uma semana após a transmissão em TV, os episódios foram disponibilizados no site com.br. Mais de 20 mil pessoas se ligaram no site para assistir ao primeiro capítulo, e mais de 125 mil fãs, impulsionados pela estreia televisiva do programa, passaram pelo endereço eletrônico da série e interagiram em comunidades nas redes sociais, incluindo Orkut, Facebook e Twitter. Mais de um milhão de acessos também foram registrados com as chamadas e os anúncios de Castigo Final espalhados pela web. (Al m e i d a, 2010, p. 102). Essa minissérie foi indicada para o International Digital Emmy Awards/2010, conquistando para o Brasil a sua primeira participação nessa premiação da indústria televisiva. A primeira produção brasileira, 100% produzida pela BeActive Entertainment, concorreu na categoria Programa digital ficção. A série de suspense foi desenvolvida em parceria com a produtora Millagro e foi finalista do primeiro Pitching Multimídia do Canal Oi. Castigo Final concorreu com produções do Reino Unido da BBC, da Fremantle e uma produção da Alemanha, da UFA TV. Pela primeira vez, o Brasil foi indicado para uma das categorias digitais do Emmy. E depois de conquistar a primeira nomeação brasileira para o Digital Emmy Awards/2009 e de uma nomeação para um Rose d Or/2009, a série Castigo Final, conquistou o prêmio Best Internacional Format Awards na categoria de melhor formato multiplataforma em Cannes A minissérie esteve também presente como case study no evento Futuremedia/2009, que aconteceu em novembro, em Londres. A BeActive Entertainment negociou a adaptação do Castigo Final com empresas na França e nos Estados Unidos.

11 Também, nesse contexto, chamam a atenção as telenovelas produzidas para o horário nobre da Rede Globo, em que se encontram as estratégias alinhadas a esses modelos surgidos pelas demandas de circuitos integrados das plataformas digitais. Podemos verificar expedientes dessa natureza nas três últimas produções da emissora e também em Insensato Coração, Caminho das Índias (2009), Viver a Vida (2010) e Passione (2010/2011) valem-se, mesmo de forma econômica, de estruturas narrativas transmidiáticas que agregam: a exibição em capítulos no horário nobre (o produto audiovisual mais assistido no País) e a página na web, de onde se expandem o conteúdo narrativo e a esfera da recepção e dos negócios associados. O site de Caminho da Índias é um bom exemplo de como se articulou a transmediação: no menu principal, havia doze seções que incluíam Capítulos, Bastidores, fique por Dentro, Personagens, Revista, Você na Novela, Vídeos, Busca, Créditos, Trilha, Loja e Conexão Índia. Ainda no site, constavam convites para outras plataformas que continham o conteúdo da novela tais como: Twitter, o Blog do Indra e o Blog Caminho das Índias Finais. Além dos links diretos do Estúdio, Newsletter, Fale Conosco, Fale com o Diretor, Outras Atrações e Novela no Celular no menu do rodapé. Foi nessa telenovela que se dinamizaram, de forma pioneira, esses esquemas migratórios de conteúdos, as outras telenovelas seguiram, de forma parecida, esse modelo. Tendo em vista a prerrogativa da cultura da convergência como um horizonte transformador da cultura na produção e no consumo de conteúdos, podemos notar a agregação desses novos valores na esfera da telenovela global. Formam-se comunidades participativas nas redes sociais, ativa-se o interesse do público, expandindo o conteúdo em mídias locativas, provoca-se o interesse pelo desenvolvimento de jogos, mobilizam-se outros lugares para dinamizarem a fidedignidade e a identificação com o produto de ficção, bem como com as marcas que patrocinam e garantam os negócios e o lucro. 87 Conexão Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 10, n. 20, jul./dez Referências ALMEIDA, L. Mídias irmãs. São Paulo: Anuário de Mídias Digitais; Converge Comunicações, JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, LACALLE, C. As novas narrativas da ficção televisiva e a internet. Matrizes, ano 3, n. 2, p , jan./jul LOPES, M. I. V. (Org.). Ficção televisiva no Brasil: temas e perspectivas. São Paulo: Globo, 2009.

12 Sobrinho, Gilberto Alexandre. Acir, Edvaldo. Agenciamentos entre ficção seriada televisiva e novas mídias: uma introdução MÉDOLA, A. S.; REDONDO, L. V. A ficção televisiva no mercado digital. In: RIBEIRO, A. P.; SACRAMENTO, I.; ROXO, M. História da televisão no Brasil: do início ao dias de hoje. São Paulo: Contexto, MESQUITA, D. Realidade ambígua: imersão em The Lost Experience. Revista Geminis, ano 1, n. 1, p , jul./dez MURRAY, J. H., Hamlet on the Holodeck: the future of narrative in the cyberspace. Cambridge: MIT, O REILLY, T. What is Web 2.0. Design Patterns and Business Models for the next Generation of Software Disponível em: <http://www.oreillynet.com/oreilly/ tim/news/2005/09/30/what-is-web-20.html>. Acesso em: 13 jan TI INSIDE, Receita com conteúdos 2.0 está a caminho, diz McKinsey, Disponível em: <http://www.tiinside.com.br/11/08/2010/receita-com-conteudos-20- esta-a-caminho-diz-mckinsey/ti/194735/news.aspx>. Acesso em: 31 ago WILLIAMS, R. Television: technology and cultural form. London; New York: Fontana, Entrevistas: GLEISER, Luis. Diretor de Núcleo. Rede Globo. Local: 11º Fórum Brasil TV, Converge Comunicações. São Paulo: 29 jul GLUTZ, Marcelo. Diretor de Mídias Digitais. Globosat. Local: 11º Fórum Brasil TV, Converge Comunicações. São Paulo: 29 jul ROLLA, Pedro. Diretor de Mídia para a América Latina e Estados Unidos, Portal Terra. Local: 11º Fórum Brasil TV, Converge Comunicações. São Paulo: 29 jul

Convergência e Narrativa Transmidiática

Convergência e Narrativa Transmidiática Convergência e Narrativa Transmidiática O que é convergência? Convergência: processo que torna imprecisas as fronteiras entre as comunicações ponto a ponto (correio, telefone) e de massa. O que é convergência?

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Edição 3 - Dezembro 2009

Edição 3 - Dezembro 2009 Edição 3 - Dezembro 2009 Indicadores Categorias + vistas na internet (usuários únicos) 33,7 Telecomunicações e Serviços de Internet -10,5% +13% Buscadores, Portais e Comunidades 33,5 Ocasiões Especiais

Leia mais

- Aula 04_2012 - Profa. Ms. Karen Reis

- Aula 04_2012 - Profa. Ms. Karen Reis Protótipos de Jogos Digitais - Aula 04_2012-1 O documento do game (GDD) Game Design Document (GDD) usa palavras, tabelas e diagramas para explicar o conceito e o funcionamento de um game, a partir de uma

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Alternativas de Comercialização Cinematográfica: Novas janelas e o caso 3 Efes 1. Maria Cristina Couto Melo 2 Universidade Federal de São Carlos

Alternativas de Comercialização Cinematográfica: Novas janelas e o caso 3 Efes 1. Maria Cristina Couto Melo 2 Universidade Federal de São Carlos Alternativas de Comercialização Cinematográfica: Novas janelas e o caso 3 Efes 1 Resumo Maria Cristina Couto Melo 2 Universidade Federal de São Carlos O modelo industrial de produção cinematográfica estrutura-se

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Apresentação A emergência de novas tecnologias de informação e comunicação e sua convergência exigem uma atuação de profissionais com visão

Leia mais

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP Empresa Nome fantasia: Rádio Kiss FM Razão Social: Kiss Telecomunicações LTDA. Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Campinas 107,9 MHz; Brasília 94,1 MHz CNPJ: 59.477.240/0001-24.

Leia mais

SOCIAL TV UNESP: Proposta de Aplicativo em Segunda Tela com Ênfase em Modelo de Negócios para TV Universitária UNESP

SOCIAL TV UNESP: Proposta de Aplicativo em Segunda Tela com Ênfase em Modelo de Negócios para TV Universitária UNESP SOCIAL TV UNESP: Proposta de Aplicativo em Segunda Tela com Ênfase em Modelo de Negócios para TV Universitária UNESP Francisco Rolfsen BELDA 1 Matheus Monteiro de LIMA 2 Felippe de Souza LIMA 3 Resumo

Leia mais

SOCIAL MIX A MÍDIA TRADICIONAL E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO SOCIAL TV. Outubro de 2012 www.elife.com.br twitter.com/elife_br

SOCIAL MIX A MÍDIA TRADICIONAL E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO SOCIAL TV. Outubro de 2012 www.elife.com.br twitter.com/elife_br SOCIAL MIX A MÍDIA TRADICIONAL E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO SOCIAL TV Este paper faz parte de uma série elaborada pela E.life/Social Agency que aborda como as tradicionais disciplinas do Mix de Comunicação

Leia mais

Tendências de comunicação para 2014. 89% dos brasileiros pesquisam preços na web. E-mail é 40 vezes mais eficiente que FB nas vendas

Tendências de comunicação para 2014. 89% dos brasileiros pesquisam preços na web. E-mail é 40 vezes mais eficiente que FB nas vendas Tendências de comunicação para 2014 Veja alguns temas que devem influenciar o setor 89% dos brasileiros pesquisam preços na web 78% acredita que na internet os produtos são mais baratos 63% utiliza smartphones

Leia mais

A MultiRio na formação do leitor

A MultiRio na formação do leitor A MultiRio na formação do leitor Há 18 anos, a MultiRio presta relevantes serviços, enfrentando o desafio de participar da formação de educadores e alunos da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro,

Leia mais

41% 21% 17% 55% 17% 28%

41% 21% 17% 55% 17% 28% Encontre aqui um apanhado de indicadores, estudos, análises e pesquisas de variadas fontes, todas vitais para avaliação e mensuração do desempenho e dos negócios no mundo digital sophia Mind Mulheres querem

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries MEDIA KIT http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06 ESTATÍSTICAS

Leia mais

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes Estudo Hábitos 2012 Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes O estudo O Estudo Hábitos é realizado anualmente pela E.life

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia:

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: INTRODUÇÃO Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: 1450 Imprensa de Gutemberg 1940 Primeiras transmissões na TV 1960 Internet começa a ser desenvolvida 1973 Primeira ligação

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Usuários na web Em 2015, a internet alcançará 42,4% da população...

Usuários na web Em 2015, a internet alcançará 42,4% da população... Usuários na web Em 2015, a internet alcançará 42,4% da população... Serão mais de 3 bi de usuários Crescimento no próximo ano será de 6,2% Pela 1ª vez, a internet vai alcançar mais de 2 em cada 5 pessoas

Leia mais

WEBSÉRIE SEIS: CONVERGÊNCIA MIDIÁTICA E CONSUMO DE AUDIOVISUAL NA INTERNET 1

WEBSÉRIE SEIS: CONVERGÊNCIA MIDIÁTICA E CONSUMO DE AUDIOVISUAL NA INTERNET 1 WEBSÉRIE SEIS: CONVERGÊNCIA MIDIÁTICA E CONSUMO DE AUDIOVISUAL NA INTERNET 1 Erick Vieira de JESUS 2 James ZORTEA 3 Gabriela ALMEIDA 4 Universidade Luterana do Brasil, Canoas, RS RESUMO O trabalho apresenta

Leia mais

O Vem Brasil é um projeto de distribuição de conteúdo editorial acerca do turismo, gastronomia, moda e produtos brasileiros.

O Vem Brasil é um projeto de distribuição de conteúdo editorial acerca do turismo, gastronomia, moda e produtos brasileiros. Com a democratização dos meios de produção ocorrendo com grande velocidade nos últimos anos, sobretudo por conta da popularização da internet, acesso a equipamentos de produção com baixo custo e com relativa

Leia mais

TV digital: novas tendências e o design de interfaces

TV digital: novas tendências e o design de interfaces João Paulo Amaral Schlittler TV digital: novas tendências e o design de interfaces As mídias digitais interativas criaram uma demanda pelo design de interfaces facilitadoras da interação entre máquinas,

Leia mais

Redes Sociais e TV Social nas TVs Públicas Universitárias

Redes Sociais e TV Social nas TVs Públicas Universitárias Redes Sociais e TV Social nas TVs Públicas Universitárias Karla Rossana Francelino Ribeiro Noronha 1 ; Olga Maria Tavares da Silva 2 Universidade de Federal da Paraíba, João Pessoa, PB. Resumo Este artigo

Leia mais

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global O CONSUMIDOR MOBILE Uma visão global A PRÓXIMA POTÊNCIA EM MÍDIA Quando a primeira chamada foi realizada por um telefone móvel em 1973, o protótipo utilizado tinha bateria com duração de 30 minutos e levava

Leia mais

Um projeto social SET EXPERIMENTAL Idealização e direção: Giuliano Chiaradia. https://artmobileproject.com

Um projeto social SET EXPERIMENTAL Idealização e direção: Giuliano Chiaradia. https://artmobileproject.com Um projeto social SET EXPERIMENTAL Idealização e direção: Giuliano Chiaradia. https://artmobileproject.com Gostaríamos de apresentar um projeto inovador de inclusão e arte digital. ÍNDICE: 1. O projeto

Leia mais

ALTERNATE REALITY GAMES (ARGs): novas ferramentas de entretenimento, comunicação e marketing

ALTERNATE REALITY GAMES (ARGs): novas ferramentas de entretenimento, comunicação e marketing Central de Cases ALTERNATE REALITY GAMES (ARGs): novas ferramentas de entretenimento, comunicação e marketing www.espm.br/centraldecases Central de Cases ALTERNATE REALITY GAMES (ARGs): novas ferramentas

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Palavras-Chave Plataforma digital, internet, VOD Video On-demand, televisão

Palavras-Chave Plataforma digital, internet, VOD Video On-demand, televisão 1 BALAN, Willians Cerozzi. Plataformas digitais: uma nova forma de ver TV. in FERREIRA JUNIOR, José e SANTOS, Márcio Carneiro dos. Comunicação, tecnologia e inovação: estudos interdisciplinares de um campo

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS 1. Sobre a Sétima A SÉTIMA quer ajudar os realizadores, artistas, coletivos de audiovisual, distribuidoras e produtoras, que não

Leia mais

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos White Paper 24 de Setembro de 2014 Rede IPTV DX - Clubes Desportivos Alcançando e realizando o potencial do torcedor móvel IPTV Móvel para Clubes Desportivos - DX - 1 O negócio de mídia e venda para torcedores

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis

Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis Marketing Digital Trabalho científico apresentado ao Professor Edvaldo Jr., docente da matéria Marketing Digital, da turma de Produção

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

box de series MEDIA KIT

box de series MEDIA KIT box de series MEDIA KIT www.boxdeseries.uol.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06

Leia mais

Workshop Comunicação e Marketing para terapeutas e administradores de espaços holísticos. Lançamento do site Portal do Bem Rio de Janeiro, 31/05/2012

Workshop Comunicação e Marketing para terapeutas e administradores de espaços holísticos. Lançamento do site Portal do Bem Rio de Janeiro, 31/05/2012 Workshop Comunicação e Marketing para terapeutas e administradores de espaços holísticos Lançamento do site Portal do Bem Rio de Janeiro, 31/05/2012 Marketing criar produtos e serviços que atendam necessidades

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Peças para diferentes sites

Peças para diferentes sites Encontre aqui um apanhado de indicadores, estudos, análises e pesquisas de variadas fontes, todas vitais para avaliação e mensuração do desempenho e dos negócios no mundo digital. Confira Aunica The Tagnology

Leia mais

o telespectador online

o telespectador online bolsa de estudos Encontre aqui um apanhado de indicadores, estudos, análises e pesquisas de variadas fontes, todas vitais para avaliação e mensuração do desempenho e dos negócios no mundo digital. Confira

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

Sistemas de comunicação e novas tecnologias

Sistemas de comunicação e novas tecnologias Sistemas de comunicação e novas tecnologias Módulo 3: Capitalismo informacional 3.3: Ascensão da TV paga Esta obra estálicenciada sob umalicença CreativeCommons. Prof. Dr. Marcos Dantas 1948 Pequenos empreendedores

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

Presença da franquia de Game of Thrones nas mídias sociais 1

Presença da franquia de Game of Thrones nas mídias sociais 1 Presença da franquia de Game of Thrones nas mídias sociais 1 Natália de Oliveira SANTOS 2 Mirna TONUS 3 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Com o advento da internet, e posteriormente,

Leia mais

Propriedade Intelectual e a segunda tela: conteúdo autoral em qualquer lugar, a qualquer hora. Roberta Westin 26.08.14

Propriedade Intelectual e a segunda tela: conteúdo autoral em qualquer lugar, a qualquer hora. Roberta Westin 26.08.14 Propriedade Intelectual e a segunda tela: conteúdo autoral em qualquer lugar, a qualquer hora Roberta Westin 26.08.14 AGENDA O fenômeno da segunda tela O impacto para os usuários e o mercado Potenciais

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE

PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE Através do presente documento, a agência ACNBRASIL tem como objetivo apresentar uma proposta de criação e desenvolvimento de Website para COOPERATIVA DE

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S A MELHOR OPORTUNIDADE PARA O SEU NEGÓCIO ESTÁ AO SEU ALCANCE NAS REDES SOCIAIS... O MUNDO É FEITO DE REDES SOCIAIS

Leia mais

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br O Projeto O Homem e a Bolsa é uma investigação documental a partir das principais bolsas de valores mundiais, incluindo-se aí a do Brasil. Em nossos levantamentos preliminares, buscamos as Bolsas de Nova

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

"TV digital não é panaceia" Valério Brittos deixa um vazio na Pesquisa da Comunicação

TV digital não é panaceia Valério Brittos deixa um vazio na Pesquisa da Comunicação "TV digital não é panaceia" Valério Brittos deixa um vazio na Pesquisa da Comunicação Carlos Alberto Moreira Tourinho* Valério Cruz Brittos nos deixou em 27 Julho de 2012, aos 48 anos. Jornalista, Professor

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES EDITAL 2015/2016 SELEÇÃO NACIONAL DE PROJETOS CULTURAIS

PERGUNTAS FREQUENTES EDITAL 2015/2016 SELEÇÃO NACIONAL DE PROJETOS CULTURAIS 1. Onde faço a inscrição dos meus projetos? No site www.oifuturo.org.br 2. Há alguma forma de fazer inscrição dos projetos por outro meio? Não, somente online. 3. Não consigo abrir o formulário de inscrição.

Leia mais

Diversidade Cultural e Conteúdo

Diversidade Cultural e Conteúdo Diversidade Cultural e Conteúdo I Fórum da Internet no Brasil Comitê Gestor da Internet Expo Center Norte Outubro/2011 Oona Castro Instituto Overmundo Overmundo Missão: difundir a cultura brasileira em

Leia mais

Apps de Produtividade

Apps de Produtividade Apps de Produtividade Os App s de Produtividade oferecem controle, organização e recursos para profissionalização das áreas internas e externas da empresa, proporcionando: Produtividade Controle Integração

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

I - O que é o Mobilize-se

I - O que é o Mobilize-se Índice O que é o Mobilize-se...03 A campanha de lançamento...12 Divulgação da campanha...14 Como irá funcionar o sistema para o ouvinte da rádio...20 O que a rádio deve fazer para se inscrever no Mobilize-se...36

Leia mais

INTRODUÇÃO Pesquisa Game Brasil 2015 é uma nova leitura de campo que traça o perfil do gamer brasileiro. Em 2013 a primeira versão realizada em parceria com o núcleo de Estudos e Negócios em Marketing

Leia mais

Para multiplar os visitantes do seu site

Para multiplar os visitantes do seu site 7Fontes de Tráfego Para multiplar os visitantes do seu site apresentação youtube Link Building Midias Socias SEO Email Marketing Blog Remarketing /raphael.ciciriello @rciciriello @rciciriello email marketing

Leia mais

Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV

Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV Consulta.net Seja certificado pelo CENP e tenha acesso a análises de audiência de TV Pequenas e médias agências de publicidade podem ter acesso a dados e relatórios de audiência de TV por meio do Consulta.net,

Leia mais

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013 OBSERV ATÓRIO Outro dia, por mais uma vez, decidi que freqüentaria a uma academia. Como acabei de me mudar de casa, busquei no Google maps do meu celular por Academia e de imediato diversos pontinhos vermelhos

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

MediaKit Rede Jornal Contábil 2015. Todas as informações sobre a maior rede de comunicação contábil do Brasil

MediaKit Rede Jornal Contábil 2015. Todas as informações sobre a maior rede de comunicação contábil do Brasil MediaKit Rede Jornal Contábil 2015 Todas as informações sobre a maior rede de comunicação contábil do Brasil Conheça a Rede Informações importantes: atualização do Midia Kit. A Rede Jornal Contábil está

Leia mais

O CANAL DE OPORTUNIDADES MÍDIA KIT 2015. Uma empresa registrada na. www.franchisetv.com.br

O CANAL DE OPORTUNIDADES MÍDIA KIT 2015. Uma empresa registrada na. www.franchisetv.com.br O CANAL DE OPORTUNIDADES MÍDIA KIT 2015 Uma empresa registrada na www.franchisetv.com.br Índice 05. 06. 09. 10. 11. 12. 13. 14. 15. Por que Franchise TV? Formatação do programa Franchise TV na WEB - Estatísticas

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS TEMAS o O que são mídias sociais (conceito, apresentação dos diversos canais das redes sociais, gestão dos canais) o Moda ou

Leia mais

TV Digital: Interatividade através da Segunda Tela 1. Mayra de Oliveira SÁ 2 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG

TV Digital: Interatividade através da Segunda Tela 1. Mayra de Oliveira SÁ 2 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG TV Digital: Interatividade através da Segunda Tela 1 Mayra de Oliveira SÁ 2 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG Resumo O presente trabalho tem o objetivo de analisar as novidades apresentadas

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Usando Ferramentas de Busca

Usando Ferramentas de Busca Web Marketing Usando Ferramentas de Busca Marcelo Silveira Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br 1 Conhecendo o cenário de pesquisas na Internet Este capítulo apresenta uma visão geral sobre

Leia mais

Capítulo 1 Por que Google Marketing?

Capítulo 1 Por que Google Marketing? Capítulo 1 Por que Google Marketing? O Google modificou substancialmente a maneira como o mercado lida com a informação e informação, na nossa sociedade pós terceira onda, é tudo. Do dinheiro ao eletrodoméstico,

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 O SESI/SENAI - PR, torna pública a RETIFICAÇÃO referente ao Edital de CREDENCIAMENTO N.º 502/2009, conforme segue: Fica Incluído no ANEXO III - ÁREAS

Leia mais

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 O Rio ao Vivo é a primeira plataforma de transmissão online, em tempo real,com imagens de alta qualidade dos locais mais movimentados do Rio de Janeiro para o mundo.

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão UFMA jbbj@terra.com.br 29 de Outubro de 2013 Contexto

Leia mais

O Modelo DX sumário executivo

O Modelo DX sumário executivo White Paper O Modelo DX sumário executivo INTRODUÇÃO 2 O MODELO BROADCAST 3 MODELO TRADICIONAL DE BROADCAST 3 O MODELO DX 4 NOVOS MODELOS DE RECEITA 5 O MODELO DX PARA TELAS COLETIVAS 6 1 www.dx.tv.br

Leia mais

Ações de Interatividade

Ações de Interatividade Ações de Interatividade Fundação Padre Anchieta TV Cultura Julho de 2007 Diário de Bárbara Em agosto de 2007, 14 adolescentes de várias partes do mundo foram convidados a conhecer o Pólo Norte para ver

Leia mais

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO

IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO RESUMO IPTV UMA INOVAÇÃO PARA O VALE DO SÃO LOURENÇO AMADIO Renato Arnaut 1 RESUMO A região do Vale do São Lourenço já está inserida na era digital, ela se caracteriza pela economia sustentada na agropecuária,

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

GEOTARGET PERNAMBUCO ENTRETENIMENTO

GEOTARGET PERNAMBUCO ENTRETENIMENTO GEOTARGET PERNAMBUCO ENTRETENIMENTO GEOTARGET: o que é? É uma forma de comprar mídia na internet. A compra por Geotarget permite o direcionamento das peças publicitárias para determinadas áreas geográficas.

Leia mais

Framework DX conjunto de tecnologias para geração, distribuição e monetização de experiências audiovisuais pela internet.

Framework DX conjunto de tecnologias para geração, distribuição e monetização de experiências audiovisuais pela internet. White Paper técnico-comercial (10/01/2014) Framework DX conjunto de tecnologias para geração, distribuição e monetização de experiências audiovisuais pela internet. 1 DX é a nova experiência televisiva

Leia mais

18/05/2009. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Produção. Technology Roadmapping André Leme Fleury

18/05/2009. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Produção. Technology Roadmapping André Leme Fleury Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Produção Sistemas de Informação Ambientes Virtuais para Ensino da Engenharia de Produção Prof. Dr. André Leme Fleury Apresentação

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Afinal, tudo começa em sua maneira de pensar. E marketing é isto, uma questão de posicionamento. PROPOSTA DE SERVIÇOS Logotipos Web Sites Lojas

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Interatividade: O conceito e a prática no SBT

Interatividade: O conceito e a prática no SBT Interatividade: O conceito e a prática no SBT A EVOLUÇÃO DA TV O Ã Ç U L O EV A IMPORTÂNCIA DA TV ABERTA NO BRASIL 84% da população 96% brasileira assiste apenas TV aberta, 10% assiste TV aberta e TV por

Leia mais

FAQ (Frequently Asked Questions) PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ (Frequently Asked Questions) PERGUNTAS FREQUENTES 1. Onde faço a inscrição dos meus projetos? No site www.oifuturo.org.br. 2. Há alguma forma de fazer inscrição dos projetos por outro meio? Não, somente online. Os anexos não serão aceitos por correio.

Leia mais

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes REDES SOCIAIS Profº Thiago Arantes Todos os direitos reservados - IAB 2014 - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 92/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Radialismo, Bacharelado,

Leia mais

Sobre o site. mídia kit. www.nivelepico.com

Sobre o site. mídia kit. www.nivelepico.com 2013 Sobre o site O Nível Épico é um site de entretenimento que tem como objetivo manter o público informado sobre as últimas novidades da cultura pop. Fundado em 2010, traz conteúdos sobre cinema, literatura,

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

O SIGNIFICADO DA PESQUISA:

O SIGNIFICADO DA PESQUISA: O SIGNIFICADO DA PESQUISA: ESCRITO POR Clive de Freitas PUBLICADO Outubro 2013 como ela molda nossas vidas e cria marcas O RESUMO Como profissionais de marketing, é fácil reduzir a pesquisa para métricas

Leia mais

Web 2.0: a nova internet é uma plataforma

Web 2.0: a nova internet é uma plataforma Página 1 de 5 Mídia interativa - Comportamento - Criação - Web 2.0 Web 2.0: a nova internet é uma plataforma 07/12/2005 0:00 Por: Gilberto Alves Jr. Os empreendimentos na internet que deram certo pensam

Leia mais