Séries, Séries Cômicas e Sitcoms: debatendo gêneros e formatos na televisão brasileira 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Séries, Séries Cômicas e Sitcoms: debatendo gêneros e formatos na televisão brasileira 1"

Transcrição

1 Séries, Séries Cômicas e Sitcoms: debatendo gêneros e formatos na televisão brasileira 1 Gisele Noll 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS Resumo O artigo propõe uma discussão sobre gêneros e formatos televisivos em uma tentativa de expor as definições acerca de séries e sitcoms (comédia de situação). Explorando a diferenças e as semelhanças entre este tipo de produção, em busca de mapear as possíveis classificações para os programas A Grande Família e Tapas e Beijos, produzidos pela Rede Globo de Televisão. A metodologia utilizada para compor o artigo foi a pesquisa bibliográfica e como resultados, destaca-se a relevância de seguir a lógica proposta pelo Obitel Brasil 2012, que denomina A Grande Família como inspirado em sitcoms norteamericanos e Tapas e Beijos como comédia romântica, denominando os dois programas como séries cômicas nacionais. Palavras-chave: série; sitcom; televisão; gênero; série cômica. 1 Considerações Iniciais Em todas as épocas alguém sempre buscou escrever algo sobre o riso. O riso e a literatura, o riso e o cinema, o humor no teatro, o humor no cotidiano, o riso na televisão, no jornal, no rádio e, nos últimos tempos, na internet. Fenômeno universal, ele (o riso) pode variar muito de uma sociedade para outra, no tempo ou no espaço (MINOIS, 2003). Pode assumir formas irônicas, grotescas, subversivas, sutis, ser ambivalente, maldoso, ou simpático. O riso ocupa importante espaço em nosso cotidiano e a televisão tem explorado a capacidade mutável do riso para entreter e informar, entre outros. Presente em 95,2% dos domicílios brasileiros (MÍDIA DADOS, 2012), a televisão, através de seus gêneros e formatos, consolida-se como uma grande fonte de entretenimento, informação, cultura, etc. As redes de televisão transformam seus programas em produtos de exportação, sendo 1 Trabalho apresentado no DT 4 Comunicação Audiovisual do XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul realizado de 30 de maio a 1 de junho de Mestranda do Programa de Pós Graduação em Comunicação e Informação PPGCOM/UFRGS, Bolsista CNPq, e- mail 1

2 que, no País, produtos de ficção seriada podem ser considerados como os mais exportados entre a grade da programação (SOUZA, 2004). Atualmente, o principal produto da ficção seriada nacional é a telenovela, contudo, outros programas como séries, minisséries e sitcoms 3 (comédia de situação ou comédia de costumes) disputam espaço na grade de programação da televisão. Após muito importar séries e sitcoms, as redes de televisão nacional resolveram testar as suas habilidades em produzir programas que apresentem a comicidade do cotidiano, pondo à prova a irreverência dos personagens e o humor dos diálogos. Assim, a TV brasileira mostra que adaptou os gêneros de maior sucesso nos Estados Unidos, investindo em combinações que atraiam o telespectador sem perder o caráter multinacional característico destes gêneros (SOUZA, 2004). Desta forma, o artigo visa fomentar a discussão sobre as diferenças e semelhanças entre séries e sitcom, principalmente no que se refere a questões de gênero e formato. Para tanto, primeiramente será realizado um levantamento de algumas definições na área para em seguida tentar delimitar um gênero e/ou formato para as séries A Grande Família e Tapas e Beijos, produzidas pela Rede Globo. A referência bibliográfica será tomada como metodologia, a partir de Duarte (2008), Lopes e Mungioli (2012), Souza (2004) e Balogh (2002). 2 Debatendo gêneros e formatos na televisão: série, série cômica ou sitcom? Souza (2004) separa os programas de televisão em categorias para atender a necessidade de classificar seus gêneros correspondentes. Para ele, é desta forma que o produto é identificado, seguindo uma lógica da produção e ao gênero estaria associado o formato (característica que ajuda a definir o gênero). Na televisão, diversos formatos compõem um gênero de programa e, reunidos, estes gêneros formam uma categoria. É assim que o autor analisa a televisão brasileira em 1996, classificando os programas televisivos identificados por ele em cinco categorias principais: entretenimento, informação, educação, publicidade e outros. Em relação ao gênero, o autor identifica 23 pertencentes à categoria do entretenimento auditório, colunismo social, culinário, desenho animado, docudrama, 3 Optou-se por utilizar a forma masculina da palavra sitcom, mesmo que sua tradução seja comedia de situação ou costumes. 2

3 esportivo, filme, game show (competição), humorístico, infantil, interativo, musical, novela, quis show (perguntas e respostas), reality show, revista, série, série brasileira, sitcom (comédia de situações), talk show, teledramaturgia (ficção), variedades, western (faroeste), quatro da categoria informação debate, documentário, entrevista e telejornal, dois da categoria educação educativo e instrutivo e cinco da categoria publicidade chamada, filme comercial, político, sorteio e telecompra. Na categoria outros foram identificados os gêneros especial, eventos e religioso. Devido ao caráter internacional, a série está presente no mundo inteiro. No Brasil não é diferente e o programa classificado como série pode servir para todos os tipos de público, variando o seu conteúdo. A técnica da produção da série não exige que o público a acompanhe de forma permanente, nem que o telespectador conheça a história antes de assisti-la, mas pode prender sua atenção durante todo capítulo. Quanto ao seu formato, podem existir documentários com status de série devido ao fato de abordarem um determinado tema de maneira segmentada. Há séries formatadas em capítulos e aquelas que são desenvolvidas em episódios independentes. Gênero e formato ainda podem se fundir, com programas que fazem da série um formato (SOUZA, 2004). Contudo, esta série, a qual o autor aborda, é preferencialmente aquela com caráter multinacional, que pode sobreviver durante anos, sendo transmitida de um país para outro, sem muitas vezes precisar ter seu nome alterado. Os maiores produtores seriam os Estados Unidos e a Europa, que teriam este tipo de programa como carro chefe da programação. Assim como Souza (2004), Messa (2006) conceitua a série e o sitcom dentro da categoria entretenimento, com a diferença de que os sitcoms não possuem situações tão dramáticas e complexas, além de ter duração menor que as séries, já que essas possuem episódios semanais de 40 a 45 minutos, em média, sem intervalo. Nas séries: cada episódio tem uma relação com o anterior, embora o compromisso com a continuidade não seja uma premissa. Como o sitcom, a cada nova temporada, novos elementos são adicionados à trama. Sua produção é mais esmerada, com um maior número de locações, onde a ação se desenvolve com mais personagens, tendo vários núcleos de tensão. (...) Enquanto na sitcom a marca é a leveza na abordagem dos temas, aqui os assuntos são problematizados. As séries podem ser dramáticas, cômicas ou criminais (MESSA, 2006, p. 3). O sitcom tem origem com o rádio britânico, quando era chamado britcom. Passado à cultura americana, o formato adquiriu características cômicas, apresentando situações 3

4 engraçadas do cotidiano de gente comum, geralmente utilizando as cenas em, no máximo, três ambientes. O primeiro sitcom produzido na América foi I Love Lucy, em 1951 e com a aceitação do público o formato foi ganhando mais espaço nas redes de televisão de todo mundo. Um exemplo foi a sitcom nacional Alô Doçura (1953), com Eva Wilma e John Herbert, baseado em I Love Lucy (1951). Segundo a autora, somente no final dos anos 70 a ficção seriada passou a dar atenção à realidade nacional, com produções como A Grande Família (1972), Carga Pesada (1979), etc. Dos anos 70 para cá, as tecnologias avançaram, mas no cenário cultural brasileiro, produzir este tipo de programa ainda não é uma prática. Dentro da ficção seriada, a telenovela é a preferência nacional e a detentora de todas as atenções nas grandes redes de televisão, nos lares da maioria dos brasileiros e nas produções científicas (SANTOS, apud MESSA, 2006, p. 4). Combinado humor com a teledramaturgia, o formato do sitcom conta com a participação de um elenco fixo e construção de cenários. Mas o Brasil não seguiu apenas essa receita e lançou outros programas que multiplicaram os formatos do gênero como esquetes de humor de curta duração (SOUZA, 2004, p ). Para Messa (2006), longe de ser apenas mais uma forma de entretenimento, sitcoms e séries são um fenômeno social, que tratam de temas relevantes para a sociedade. Os sitcoms ainda apresentam histórias curtas voltadas ao convívio de uma família ou determinado grupo, com locações pré-estabelecidas como, por exemplo, casa e trabalho. Sua estrutura é semelhante à crônica literária, pois aborda assuntos cotidianos e corriqueiros da sociedade de uma forma aparentemente superficial e cômica. As personagens são estereotipadas, pois, devido a sua duração (em média 25 minutos, sem os comerciais), a identificação do espectador precisa ser imediata (MESSA, 2006, p. 2). Tem-se ainda a proposta do sitcom como um subgênero da ficção. Conforme Bastos (2008), a comédia de costumes ainda é pouco estudada de maneira sistemática pela academia e devido ao aumento de sua aceitação por produtores e a queda da audiência de outros formatos, a Rede Globo tem investido em inúmeras comédias seriadas. Para a autora, os sitcoms são um subgênero ficcional que opera com um plano de realidade discursiva de caráter ficcional chamada supra-realidade, propondo como regime de crença a verossimilhança [grifo do autor]. Não têm, portanto, compromisso direto com o real, mundo exterior, embora se proponham a retratá-lo de forma lúdica (DUARTE, 2008). Os sitcoms seriam crônicas do cotidiano que a televisão normalmente exibe em forma de seriados, através de episódios. 4

5 Por seus aspectos ligados ao engraçado, ao cômico, por sua pretensão de fazer rir, divertir [grifo do autor], privilegiam enquanto tons [grifo do autor] principais alguns eixos da categoria tonal disposição [grifo do autor], combinados com outras categorias tonais (DUARTE, 2008). Estes programas não têm data definida para encerrar e podem permanecer na grade da emissora enquanto tiver audiência e patrocínio. Em relação ao tema, os sitcoms, aproveitam os aspectos hilários do dia a dia, utilizando até mesmo situações que poderiam até parecer trágicas para fazer graça, expondo falhas, deslizes, acasos, etc. Eles levam o receptor a interagir, já que o humor precisa do riso para fazer sentido e também varia de acordo com a dimensão social que está inserido. O processo comunicativo televisivo traz consigo uma dupla mensagem: a par dos conteúdos que veicula através de seus produtos, anuncia sua própria venda. Mas qualquer venda só se materializa com a compra, que, no caso, é representada pela assistência, de parte do telespectador. Daí a necessidade de interatividade, consubstanciada pelo modo de endereçamento, pela partilha do tom [grifo do autor], feito de humor, disposição e graça que têm de ser compartilhados. Mas vale novamente pontuar: as estratégias discursivas e textuais empregadas pelos sitcoms na expressão de sua combinatórias tonais, dirigem-se e interpelam um telespectador cativo da mídia televisão. Só ele poderá interagir, apreender e compartilhar desse tom que muitas vezes se constrói e se expressa de forma tão auto-reflexiva (DUARTE, 2008). O Anuário do Obitel 2012 (LOPES; MUNGIOLI, 2012), no entanto, apresenta a série como um dos formatos do gênero ficção, assim como a telenovela, minissérie, filme, desenho, adulto e infantil. Apresenta ainda os gêneros informação (com programas nos formatos documentário, entrevista, jornalismo e reportagem), entretenimento (com programas nos formatos auditório, game show, humorístico, musical, reality show, show, premiação, feminino, moda e making of), religioso, esporte (com programas nos formatos esporte e futebol), educativo, político e outros (com programas nos formatos televendas, rural, turismo, saúde, sorteio, espaço empresarial). Balogh (2002) também considera a ficção como um gênero televisivo, sendo a série um de seus formatos mais consagrados da televisão brasileira, junto com os seriados, as minisséries, os unitários e as telenovelas. Provenientes da cultura norte-americana, nos primórdios, eram estas as séries e seriados transmitidos no Brasil. Os seriados tradicionais geralmente eram transmitidos semanalmente, com dias e horários específicos, contudo, hoje, a TV por assinatura vem fazendo uma avalanche com séries e seriados, as exibindo em qualquer dia e horário. 5

6 Perde-se, assim, a periodicidade original, o horário de exibição original e o público-alvo, pondo em xeque o termo seriado em benefício do termo genérico série. No caso dos formatos nacionais, em que essas regularidades se conservam, também se preserva a denominação seriado [...] A série não é o formato que as realizações brasileiras mais se distinguiram, ainda assim permanecem muitos clássicos das séries brasileiras, como retratos ficcionais de nosso modo de ver em determinado momento histórico (BALOGH, 2002, p ). A autora chama o sitcom como um tipo e série, que tem sua temática relacionada comicidades de situações cotidianas e comuns. Ao diferenciar séries de sitcoms, D Abreu (2010) ressalta que a primeira pode abranger o documentário e a ficção, desdobrando temas como relações familiares, tópicos sobrenaturais, fantasia, adolescência, sexo, paranormalidade, guerra, casos médicos, etc. Já a segunda, trata de situações cômicas ficcionais vividas pelos personagens. Os sitcoms sugerem em sua abertura o nome do episódio e o próximo não precisa seguir essa linha, podendo tratar de um tema diferente. Com as séries isso não ocorre, uma vez que é necessário dar continuidade ao tema tratado, sendo que um capítulo é a continuidade de outro e cada temporada tem um tema central que norteia todos os capítulos. Não é à toa que, na série, os capítulos não são, necessariamente, identificados por títulos, ao passo que isto acontece com a sitcom, na qual é dado um título sugestivo para cada epísódio endosso da situação. Tanto em relação à telenovela quanto à série, à minissérie e à sitcom, deve-se fazer uma referência à serialidade, que envolve mecanismos narrativos de suspensão e reatamento de sentido e a simplificação do processo de produção que visa o lucro (D ABREU, 2010, p. 10). Nos sitcoms: o que move a ação são as performances de personagens que se relacionam em família, no grupo de amigos, entre os colegas de trabalho, como podemos verificar em produtos estrangeiros atuais. Em sua origem americana, a sitcom também pode se caracterizar (embora isto não seja regra) pela incidência de risadas ao longo de cada episódio, que pontuam o desenvolvimento cômico das situações, podendo aparecer sob a forma de saco de risadas (efeito sonoro pré-gravado e inserido durante a edição) ou de claque (reações orientadas de uma platéia presente no estúdio durante a gravação ou exibição de um programa) (D ABREU, 2010, p. 10). Em comparação com a telenovela, são características estruturais que diferenciam os dois formatos, uma vez que para que as histórias sejam contadas é necessário: 6

7 a finitude através da qual se configure um efeito de sentido gradual; um esquema de personagens que explicite perfis contrários; uma qualificação específica destes personagens que justifiquem suas ações ao longo da história; e um encadeamento de ações que permita o encaminhamento da trama e das relações entre os personagens (BALOGH, apud D ABREU, 2010, p. 11). No sitcom a finitude explicada por Balogh encerra em cada episódio e o efeito que faz sentido de uma maneira gradual na telenovela, acontece em cada episódio do sitcom. O esquema de personagens, que caracteriza a maldade e a bondade dos personagens não é tão singular nos programas do gênero, pois a estrutura maniqueísta se desloca do contrário para o contraditório, para o que, podendo ser incompatível, não é necessariamente o oposto (D ABREU, 2010, p. 11). As questões de finitude e esquema de personagens acabam no encadeamento específico, que a telenovela utiliza para dar personalidade aos personagens, enquanto que o sitcom costuma dar temperamentos a eles, pois cada dia eles podem agir de determinada maneira. Tudo isso encerra na ação, que permite a telenovela dar continuidade nas relações existentes entre os personagens, quando cada um assume um papel e o segue até o fim. No sitcom o que importa é o papel assumido pelo personagem naquele episódio, podendo variar no seguinte. A serialidade e o resgate do sentido deixam marcas distintas nestes dois formatos industriais da televisão, marcas estas que podem abrir caminho para a investigação teórica acerca das questões de memória, principalmente no que se refere à comédia de situação. Nela, um episódio trabalha a memória enfatizando a performance situacional no presente, apagando situações do passado e sem estabelecer determinismos situacionais para o futuro operação distinta em relação à da telenovela, na qual o presente é um elo que resgata e estabelece, respectivamente, situações passadas e futuras da trama (D ABREU, 2010, p ). De fato, percebe-se que não há unanimidade em se tratando de gêneros e formatos na televisão brasileira, mas há semelhanças entre as propostas dos autores já mencionados. Ainda em busca dessa definição (ou de um ponto de vista) no próximo item será realizada uma breve análise da ficção nacional, com ênfase nos programas seriados dentro do gênero cômico mais assistidos no Brasil em 2011, segundo o Anuário do Obitel de 2012: A Grande Família e Tapas e Beijos. 3 A Grande Família e Tapas e Beijos: séries cômicas ou sitcoms? 7

8 O Brasil possui seis redes de televisão aberta (nacionais), sendo uma delas pública (TV Brasil) e as outras cinco privadas (Rede Globo, Record, SBT, Band e Rede TV!). No ano de 2011 apenas a Rede TV não produziu ou emitiu ficção televisiva e ao todo, 67 títulos do gênero foram transmitidos, sendo 47 inéditos (só a Rede Globo foi responsável pela produção de 41 títulos inéditos). Quanto às séries, desde 2008, o que se tem visto é o aumento da produção nacional, passando de sete títulos em 2008 para 11 em 2009, 12 em 2010 e 13 em O horário predominantemente reservado para a transmissão de séries em todas as emissoras de TV aberta é o noturno, espaço que se destaca para a exibição de ficções nacionais (dos 24 títulos exibidos, 11 eram séries). Entre as séries exibidas em 2011, nove foram produções inéditas da Rede Globo (Tapas e beijos, A mulher invisível, Aline, Amor em quatro atos, Batendo o ponto, Divã, Força-tarefa, Lara com Z, Macho Men), e uma foi produzida pela Band (Anjos do Sexo) (LOPES; MUNGIOLI, 2012). De acordo com o Anuário do Obitel 2012 (LOPES; MUNGIOLI, 2012), nota-se que as emissoras de sinal aberto vêm produzindo programas no formato série, dentro do gênero ficção, com o predomínio do gênero cômico. A Rede Globo, por exemplo, só em 2012, produziu pelo menos cinco programas seguindo essa formato e gênero, sendo dois deles (A Grande Família e Tapas e Beijos) fixos na grade de programação anual e outros três (As Brasileiras, Como aproveitar o fim do mundo e Louco por Elas) intercalados na grade durante alguns meses do ano. A Grande Família e Tapas e Beijos estão entre as 10 maiores audiências de ficção da TV brasileira e o fato de trazerem o cômico ao cotidiano independentemente de ser tratada como sitcom ou série cômica, um subgênero, ou formato do gênero ficcional, faz com que temas considerados como tabus, possam ser debatidos através do humor e do gênero cômico, podendo virar até mesmo motivo de piada. A Grande Família completa em 2013, 12 anos de exibição, em 13 temporadas e Tapas e Beijos inicia sua terceira temporada, com exibição desde abril de A Grande Família é transmitida toda quinta-feira, das 22h15 às 23h, apresentando o cotidiano de uma família de classe média, formada pelo casal Nenê e Lineu (Marieta Severo e Marcos Nanini), filhos Bebel e Tuco (Guta Stresser e Lúcio Mauro Filho) e o genro Agostinho (Pedro Cardoso). Além desses personagens a série conta com os papeis de Mendonça (Tonico Pereira), Paulão da Regulagem (Evandro Mesquita), Beiçola 8

9 (Marcos Oliveira) e Florianinho (Vinícius Moreno). As temáticas dominantes na série são as relações familiares, as relações entre os vizinhos e o cotidiano das famílias das classes populares, tendo a socialidade suburbana e o protagonismo feminino como temática social (LOPES; MUNGIOLI, 2012), apresentando formas da família se manter unida a partir de todas as situações que ocorrem no dia-a-dia. A Grande Família que iniciou em 2001 é remake homônimo da série transmitida entre 26 de outubro 1972 a 27 de março de 1975 (baseada no sitcom norte-americano All in the Family), que teve um total de 112 episódios e originalmente foi escrita por Oduvaldo Viana Filho, Armando Costa e Paulo Pontes. Atualmente a série possui redação geral de Bernardo Guilherme e Marcelo Gonçalves e pertence ao Núcleo Guel Arraes. Em Tapas e Beijos, exibida terças-feiras, das 22h15 às 23h, acompanha-se a história das amigas Fátima e Suely (Andréa Beltrão e Fernanda Torres) em sua luta para conquistar o amor e conciliá-lo com o trabalho e outras situações do cotidiano das amigas que ganham a vida trabalhando em uma loja de vestidos de noiva e artigos para cerimônias de casamento. Também fazem parte do elenco fixo da trama os personagens Armane (Vladimir Brichta), Jorge (Fábio Assunção), Djalma (Otávio Müller), Flavinha (Fernanda de Freitas), Jurandir (Érico Bras), Bia (Malu Rodrigues) e Chalita (Flávio Mogliaccio). Entre as temáticas dominantes tem-se a amizade, o relacionamento amoroso e extraconjugal e a amizade de mulheres acima dos 30 anos. Assim como A Grande Família, Tapas e Beijos apresenta a socialidade suburbana como temática social. Considera-se que, mesclado com o melodrama, o cômico pode trazer novas nuances a trama, trazendo certa leveza a uma situação dramática, tratando de temas cotidianos através do humor e da irreverência. Série mais longa da televisão brasileira, A Grande Família mantém uma aproximação com sitcoms norte-americanos, com os cenários fixos, o humor irônico, o sarcasmo, e diálogos que tem a pretensão de fazer rir. Tanto Lopes e Mungioli (2012) quanto Bastos (2008) a consideram um sitcom, pois ainda preserva essa herança norteamericana. Já Tapas e Beijos é tida por Lopes e Mungioli (2012) como comédia romântica, em função de que sua trama gira em torno dos relacionamentos amorosos das personagens, sem nunca deixar de ter diálogos rápidos, escrachados e cômicos. As situações tragicômicas da vida são exploradas pelos dois programas que, com base no que foi levantado até este momento, pretende-se chamar de séries cômicas nacionais. Série por seguir uma terminologia adotada por uma rede de pesquisadores 9

10 nacionais, pois considera-se neste momento a série como um formato do gênero ficção seriada, assim como apresentado pelo Anuário do Obitel 2012 (LOPES; MUNGIOLI, 2012). Cômica por terem o gênero cômico como base de toda sua produção e adicionado ao termo está o nacional, justamente para diferenciar este tipo de produção das estrangeiras que são transmitidas no País (a exemplo de The Bing Bang Theory, Two and a Half a Man, entre outras). O que também pode ser dito é que as emissoras estão investindo no formato série aliado ao gênero cômico, esta é uma grande aposta para os próximos anos e que já pode ser observada com o surgimento de novos títulos, como o recente O Dentista Mascarado, da Rede Globo. Para ampliar o tema, ainda tem que ser analisada a complexidade narrativa dessas séries de televisão, o que deverá ser realizado em outro momento. 4 Considerações finais É certo que está é apenas uma discussão inicial por parte da proponente do presente artigo sobre gêneros e formatos na televisão brasileira. A tentativa de fazer um levantamento sobre o que tem sido trabalhado na área já mostra indícios que esta não é uma temática simples e certamente será aprofundada em outros trabalhos. Ao resgatar as diferentes formas de encarar a ficção televisiva ou o próprio gênero e seus formatos, notase que os pontos comuns entre cada abordagem é o gênero cômico e o humor. É importante pensar porquê o humor é utilizado na linguagem televisiva em produções seriadas. Apesar das séries cômicas nacionais não se distanciarem tanto assim do modelo proposto por sitcoms norte-americanos, neste caso, em especial nos programas A Grande Família e Tapas e Beijos, eles não serão denominados deste modo, neste momento, por se considerar que as produções nacionais são inspiradas em sitcoms, mas que de alguma forma, como já destacava Souza (2004), é sempre adaptada para o público brasileiro. A falta de unanimidade entre os autores, apresentada no levantamento sobre gêneros e formatos na televisão brasileira, pode mostrar também o quanto a própria televisão pode reinventar-se em relação às suas narrativas. Trabalhar com gêneros e formatos não é uma tarefa simples e nem pretende-se resolvê-la de uma única vez. A busca pela definição ou de uma proposta que resolva estas questões, deve ser contínua, 10

11 levanto em conta estratégias discursivas, formas de inserção na grade de programação da emissora, caracterização dos personagens, entre outros aspectos. Referências bibliográficas BALOGH, Anna Maria. O Discurso Ficcional na TV: Sedução e Sonho em Doses Homeopáticas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, D ABREU, Patrícia. Descabimentos de fala e formatação: a perspectiva da heterologia na análise narrativa da sitcom. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 33., 2010, Caxias do Sul. Anais Eletrônicos...Caxias do Sul: UCS, Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2010/resumos/r pdf>. Acesso em: 20 out DUARTE, Elizabeth Bastos. Sitcoms: novas tendências. In: Revista Interamericana de Comunicação Midiática Animus, Vol. 7, n. 13, jan-jun Disponível em: <http://w3.ufsm.br/animus/animus_2008-1_art02.html>. Acesso em: out GLOBO, Rede. Direção Geral de Comercialização. Disponível em: <http://comercial2.redeglobo.com.br/programacao/pages/home.aspx>. Acesso em: abr LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; MUNGIOLI, Maria Cristina Palma. Brasil: a nova classe média e as redes sociais potencializam a ficção televisiva. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; OROZCO GÓMEZ, Guillermo (org.). Transnacionalização da ficção televisiva nos países ibero-americanos: anuário Obitel Porto Alegre: Sulina, MESSA, Márcia Rejane. A cultura desconectada: sitcoms e séries norte-americanas no contexto brasileiro. Disponível em: <http://www.unirevista.unisinos.br/_pdf/unirev_messa.pdf> Acesso em: 10 de fev MINOIS, Georges. História do Riso e do Escárnio. São Paulo: Unesp, 2003, 654 p. Disponível em: < Acesso em: 01 de fev Mídia Dados Disponível em <www.gm.org.br>. Acesso em: 09 de Set SOUZA, José Carlos Aronchi de. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus Editorial,

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

O PROJETO PORQUE PATROCINAR

O PROJETO PORQUE PATROCINAR PAIXÃO NACIONAL O gosto pelo futebol parece ser uma das poucas unanimidades nacionais do Brasil. As diferenças sociais, políticas e econômicas, tão marcantes no dia a dia do país diluem-se quando a equipe

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

Plano Comercial RICTV Florianópolis

Plano Comercial RICTV Florianópolis Plano Comercial RICTV Florianópolis TV: A mídia preferida dos brasileiros Meio com maior penetração, atingindo 95% da população. TV Rádio Internet Jornal Revistas TV por Assinatura Cinema 17% 95% 61% 58%

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores**

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** 16 revistas 3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** Fonte: *IV (Out/09 a Set/10) E **Ipsos-Estudos Marplan/EGM- Out/09 a Set/10 Leitores Ambos, 10/+ anos Audiência Líquida das Revistas

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei;

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; Excelentíssimos Senhores Senadores, gostaria de agradecer pela oportunidade de participar dessa audiência pública, essencial não apenas para regulamentação do art. 221, II e III da Constituição, mas também

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

DEFESA CANAL GNT 7/3/2013 DEFESA

DEFESA CANAL GNT 7/3/2013 DEFESA 7/3/2013 DEFESA O Canal O CANAL O GNT é um canal voltado para o universo feminino, com conteúdo direcionado para estilo de vida e atualidade. Tem como foco a programação nacional, que caracteriza-se pela

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 090.3630.1 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA REDAÇÃO E EXPRESSÃO ORAL VI ETAPA 6ª CH 02 ANO 2011 OBJETIVO

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

Daniela Baldo Martins

Daniela Baldo Martins Daniela Baldo Martins O IMPACTO DAS REDES SOCIAIS NOS PEQUENOS COMÉRCIOS Como aproveitar os canais e ferramentas on-line para obter resultados nos negócios Universidade Metodista de São Paulo São Bernardo

Leia mais

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva Promoção: Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (CECC/Linha Media, Technologies, Contexts), Faculdade de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 090.3630.1 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6ª Período

Leia mais

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO Copa Rede Amazônica de Futsal APRESENTAÇÃO A Copa Rede Amazônica de Futsal chega a sua 18ª edição em 2016. O evento leva milhares de pessoas para torcer pelos times locais e do interior, incentivando o

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6 Período CH 2 ANO

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Escola de Gestores. Orientações para elaboração da proposta de intervenção

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Escola de Gestores. Orientações para elaboração da proposta de intervenção UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Escola de Gestores Orientações para elaboração da proposta de intervenção ELEMENTOS QUE COMPÕEM O TCC -PROJETO DE INTERVENÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3. PROPOSTA

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

SÁBADO TOTAL PATROCÍNIO E MERCHANDISING O LEÃO ESTÁ DE VOLTA PARA ALEGRIA DA FAMÍLIA BRASILEIRA NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com.

SÁBADO TOTAL PATROCÍNIO E MERCHANDISING O LEÃO ESTÁ DE VOLTA PARA ALEGRIA DA FAMÍLIA BRASILEIRA NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com. SÁBADO TOTAL PATROCÍNIO E MERCHANDISING NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com.br www.redetv.com.br/comercial DEPARTAMENTO DE MARKETING REDETV! DIVISÃO PLANEJAMENTO DE MARKETING PUBLICITÁRIO O LEÃO ESTÁ

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO As emoções da Copa Espírito Santo de Futebol estão de volta. A Rede Vitória, pelo sexto ano consecutivo,

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A corrida do ursinho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Corridas variadas é o tema do quinto

Leia mais

Repórter sensacionalista, de estilo machão e truculento. Não se conforma com a separação de Berê. Guarda um segredo a sete chaves.

Repórter sensacionalista, de estilo machão e truculento. Não se conforma com a separação de Berê. Guarda um segredo a sete chaves. Taxista, divorciada, uma mulher interessante, de mente aguçada e observadora, que deixou a vida cair na rotina. Mantém com o filho uma relação distante e automática. O envolvimento de Tiago no assassinato

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE MODA DA TRIBO DOS COSPLAYERS. Autor(a): Raissa Silva de Araujo Lima Email: rasinha_lima@hotmail.com

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE MODA DA TRIBO DOS COSPLAYERS. Autor(a): Raissa Silva de Araujo Lima Email: rasinha_lima@hotmail.com ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE MODA DA TRIBO DOS COSPLAYERS Autor(a): Raissa Silva de Araujo Lima Email: rasinha_lima@hotmail.com Introdução As tribos urbanas são constituídas por agrupamentos compostos por

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims. Fabiano Andrade Curi

Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims. Fabiano Andrade Curi Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims Fabiano Andrade Curi A história de The Sims Lançado em fevereiro de 2000, rapidamente se tornou um dos jogos mais vendidos na história

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17 Crianças e adolescentes Lucas 18:15.17 Quem tem ensinado as nossas crianças? Nós ou Eles? Jogos eletrônicos Os jogos eletrônicos hoje em dia, cada vez mais próximo da realidade, que incitam a violência,

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 Gabriela Viero GARCIA 2 Jana GONÇALVES 3 Samira Tumelero VALDUGA 4 Luciano MATTANA 5 Universidade Federal

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 O Diretor Geral do Câmpus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), no uso de suas atribuições

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

O RÁDIO COMO INSTRUMENTO DE PERPETUAÇÃO DA CULTURA DOS POVOS ÉTNICOS DE IJUÍ

O RÁDIO COMO INSTRUMENTO DE PERPETUAÇÃO DA CULTURA DOS POVOS ÉTNICOS DE IJUÍ O RÁDIO COMO INSTRUMENTO DE PERPETUAÇÃO DA CULTURA DOS POVOS ÉTNICOS DE IJUÍ VAN RIEL, Oscar Michel dos Santos 1 ; SANTOS, Janaíne dos 2 Palavras-chave: Linguagem Radiofônica. Cultura. Identidade Étnica.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Durante três dias, Vitória se torna o centro da moda capixaba, com desfile de grandes marcas no evento Vitória Moda.

Durante três dias, Vitória se torna o centro da moda capixaba, com desfile de grandes marcas no evento Vitória Moda. APRESENTAÇÃO Durante três dias, Vitória se torna o centro da moda capixaba, com desfile de grandes marcas no evento Vitória Moda. Reunindo cerca de 10 mil pessoas no Centro de Convenções de Vitória, em

Leia mais

Em 2009, a Fundação Padre Anchieta mais uma vez estará presente na Campus Party.

Em 2009, a Fundação Padre Anchieta mais uma vez estará presente na Campus Party. Mais uma vez, a cidade de São Paulo se prepara para receber a Campus Party entre os dias 19 e 25 de janeiro de 2009. Milhares de internautas vêm a cidade participar do evento, que é o maior encontro mundial

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

11ÍIJIIIII Linga A/902799

11ÍIJIIIII Linga A/902799 Linga-Bibliothek 11ÍIJIIIII Linga A/902799 REDE GLOBO 40 ANOS DE PODER E HEGEMONIA Valério Cruz Brittos César Ricardo Siqueira Bolano (orgs.) PAULUS {locíl Sumário APRESENTAÇÃO 11 PARTE I PLANO GERAL 17

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema Iecine

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema Iecine Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema Iecine Mapeamento dos Produtores Audiovisuais do Rio Grande do Sul Audiovisual 2013 Porto Alegre 2013

Leia mais

O Ensino de Matemática na Educação Infantil

O Ensino de Matemática na Educação Infantil Débora de Oliveira O Ensino de Matemática na Educação Infantil No Brasil, desde 1996, a Educação Infantil é considerada a primeira etapa da educação básica e tem como guia de reflexão de cunho educacional

Leia mais

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA PROJETO TE VEJO NA ESCOLA Flávia Oliveira Machado 1 Isabela Mayara Cheida José Leonardo Gallep Maria do Carmo Palhaci (coordenadora) Maria Helena Gamas (coordenadora) RESUMO O projeto em questão visa a

Leia mais

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo.

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo. O PROGRAMA Claquete, sua revista eletrônica de entretenimento. Claquete: Sua revista eletrônica de entretenimento. Com seu bom humor e curiosidade característicos, Otávio Mesquita apresenta os bastidores

Leia mais

MusiTec: tutorial multimídia no ensino da música contemporânea

MusiTec: tutorial multimídia no ensino da música contemporânea MusiTec: tutorial multimídia no ensino da música contemporânea Henderson J. Rodrigues PPGM/UFPB GMT/UFPB e-mail: henderson_rodrigues@hotmail.com Sumário: Nesta comunicação apresentamos os resultados da

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

TQC 1. Lucimara GONÇALVES 2 Anelise TODT 3 Franciane P. MARTINS 4 Jessica LUZ 5 Kezia M. SILVA 6 Suzana SEGALLA 7 Flávia BESPALHOK 8 Juliane MARTINS 9

TQC 1. Lucimara GONÇALVES 2 Anelise TODT 3 Franciane P. MARTINS 4 Jessica LUZ 5 Kezia M. SILVA 6 Suzana SEGALLA 7 Flávia BESPALHOK 8 Juliane MARTINS 9 TQC 1 Lucimara GONÇALVES 2 Anelise TODT 3 Franciane P. MARTINS 4 Jessica LUZ 5 Kezia M. SILVA 6 Suzana SEGALLA 7 Flávia BESPALHOK 8 Juliane MARTINS 9 Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR RESUMO

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Letras 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Letras 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Letras 2010-2 IDAS E VINDAS DOS ELEMENTOS COESIVOS TEXTUAIS: ANÁFORAS E CATÁFORAS PRESENTES

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais