Séries, Séries Cômicas e Sitcoms: debatendo gêneros e formatos na televisão brasileira 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Séries, Séries Cômicas e Sitcoms: debatendo gêneros e formatos na televisão brasileira 1"

Transcrição

1 Séries, Séries Cômicas e Sitcoms: debatendo gêneros e formatos na televisão brasileira 1 Gisele Noll 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS Resumo O artigo propõe uma discussão sobre gêneros e formatos televisivos em uma tentativa de expor as definições acerca de séries e sitcoms (comédia de situação). Explorando a diferenças e as semelhanças entre este tipo de produção, em busca de mapear as possíveis classificações para os programas A Grande Família e Tapas e Beijos, produzidos pela Rede Globo de Televisão. A metodologia utilizada para compor o artigo foi a pesquisa bibliográfica e como resultados, destaca-se a relevância de seguir a lógica proposta pelo Obitel Brasil 2012, que denomina A Grande Família como inspirado em sitcoms norteamericanos e Tapas e Beijos como comédia romântica, denominando os dois programas como séries cômicas nacionais. Palavras-chave: série; sitcom; televisão; gênero; série cômica. 1 Considerações Iniciais Em todas as épocas alguém sempre buscou escrever algo sobre o riso. O riso e a literatura, o riso e o cinema, o humor no teatro, o humor no cotidiano, o riso na televisão, no jornal, no rádio e, nos últimos tempos, na internet. Fenômeno universal, ele (o riso) pode variar muito de uma sociedade para outra, no tempo ou no espaço (MINOIS, 2003). Pode assumir formas irônicas, grotescas, subversivas, sutis, ser ambivalente, maldoso, ou simpático. O riso ocupa importante espaço em nosso cotidiano e a televisão tem explorado a capacidade mutável do riso para entreter e informar, entre outros. Presente em 95,2% dos domicílios brasileiros (MÍDIA DADOS, 2012), a televisão, através de seus gêneros e formatos, consolida-se como uma grande fonte de entretenimento, informação, cultura, etc. As redes de televisão transformam seus programas em produtos de exportação, sendo 1 Trabalho apresentado no DT 4 Comunicação Audiovisual do XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul realizado de 30 de maio a 1 de junho de Mestranda do Programa de Pós Graduação em Comunicação e Informação PPGCOM/UFRGS, Bolsista CNPq, e- mail 1

2 que, no País, produtos de ficção seriada podem ser considerados como os mais exportados entre a grade da programação (SOUZA, 2004). Atualmente, o principal produto da ficção seriada nacional é a telenovela, contudo, outros programas como séries, minisséries e sitcoms 3 (comédia de situação ou comédia de costumes) disputam espaço na grade de programação da televisão. Após muito importar séries e sitcoms, as redes de televisão nacional resolveram testar as suas habilidades em produzir programas que apresentem a comicidade do cotidiano, pondo à prova a irreverência dos personagens e o humor dos diálogos. Assim, a TV brasileira mostra que adaptou os gêneros de maior sucesso nos Estados Unidos, investindo em combinações que atraiam o telespectador sem perder o caráter multinacional característico destes gêneros (SOUZA, 2004). Desta forma, o artigo visa fomentar a discussão sobre as diferenças e semelhanças entre séries e sitcom, principalmente no que se refere a questões de gênero e formato. Para tanto, primeiramente será realizado um levantamento de algumas definições na área para em seguida tentar delimitar um gênero e/ou formato para as séries A Grande Família e Tapas e Beijos, produzidas pela Rede Globo. A referência bibliográfica será tomada como metodologia, a partir de Duarte (2008), Lopes e Mungioli (2012), Souza (2004) e Balogh (2002). 2 Debatendo gêneros e formatos na televisão: série, série cômica ou sitcom? Souza (2004) separa os programas de televisão em categorias para atender a necessidade de classificar seus gêneros correspondentes. Para ele, é desta forma que o produto é identificado, seguindo uma lógica da produção e ao gênero estaria associado o formato (característica que ajuda a definir o gênero). Na televisão, diversos formatos compõem um gênero de programa e, reunidos, estes gêneros formam uma categoria. É assim que o autor analisa a televisão brasileira em 1996, classificando os programas televisivos identificados por ele em cinco categorias principais: entretenimento, informação, educação, publicidade e outros. Em relação ao gênero, o autor identifica 23 pertencentes à categoria do entretenimento auditório, colunismo social, culinário, desenho animado, docudrama, 3 Optou-se por utilizar a forma masculina da palavra sitcom, mesmo que sua tradução seja comedia de situação ou costumes. 2

3 esportivo, filme, game show (competição), humorístico, infantil, interativo, musical, novela, quis show (perguntas e respostas), reality show, revista, série, série brasileira, sitcom (comédia de situações), talk show, teledramaturgia (ficção), variedades, western (faroeste), quatro da categoria informação debate, documentário, entrevista e telejornal, dois da categoria educação educativo e instrutivo e cinco da categoria publicidade chamada, filme comercial, político, sorteio e telecompra. Na categoria outros foram identificados os gêneros especial, eventos e religioso. Devido ao caráter internacional, a série está presente no mundo inteiro. No Brasil não é diferente e o programa classificado como série pode servir para todos os tipos de público, variando o seu conteúdo. A técnica da produção da série não exige que o público a acompanhe de forma permanente, nem que o telespectador conheça a história antes de assisti-la, mas pode prender sua atenção durante todo capítulo. Quanto ao seu formato, podem existir documentários com status de série devido ao fato de abordarem um determinado tema de maneira segmentada. Há séries formatadas em capítulos e aquelas que são desenvolvidas em episódios independentes. Gênero e formato ainda podem se fundir, com programas que fazem da série um formato (SOUZA, 2004). Contudo, esta série, a qual o autor aborda, é preferencialmente aquela com caráter multinacional, que pode sobreviver durante anos, sendo transmitida de um país para outro, sem muitas vezes precisar ter seu nome alterado. Os maiores produtores seriam os Estados Unidos e a Europa, que teriam este tipo de programa como carro chefe da programação. Assim como Souza (2004), Messa (2006) conceitua a série e o sitcom dentro da categoria entretenimento, com a diferença de que os sitcoms não possuem situações tão dramáticas e complexas, além de ter duração menor que as séries, já que essas possuem episódios semanais de 40 a 45 minutos, em média, sem intervalo. Nas séries: cada episódio tem uma relação com o anterior, embora o compromisso com a continuidade não seja uma premissa. Como o sitcom, a cada nova temporada, novos elementos são adicionados à trama. Sua produção é mais esmerada, com um maior número de locações, onde a ação se desenvolve com mais personagens, tendo vários núcleos de tensão. (...) Enquanto na sitcom a marca é a leveza na abordagem dos temas, aqui os assuntos são problematizados. As séries podem ser dramáticas, cômicas ou criminais (MESSA, 2006, p. 3). O sitcom tem origem com o rádio britânico, quando era chamado britcom. Passado à cultura americana, o formato adquiriu características cômicas, apresentando situações 3

4 engraçadas do cotidiano de gente comum, geralmente utilizando as cenas em, no máximo, três ambientes. O primeiro sitcom produzido na América foi I Love Lucy, em 1951 e com a aceitação do público o formato foi ganhando mais espaço nas redes de televisão de todo mundo. Um exemplo foi a sitcom nacional Alô Doçura (1953), com Eva Wilma e John Herbert, baseado em I Love Lucy (1951). Segundo a autora, somente no final dos anos 70 a ficção seriada passou a dar atenção à realidade nacional, com produções como A Grande Família (1972), Carga Pesada (1979), etc. Dos anos 70 para cá, as tecnologias avançaram, mas no cenário cultural brasileiro, produzir este tipo de programa ainda não é uma prática. Dentro da ficção seriada, a telenovela é a preferência nacional e a detentora de todas as atenções nas grandes redes de televisão, nos lares da maioria dos brasileiros e nas produções científicas (SANTOS, apud MESSA, 2006, p. 4). Combinado humor com a teledramaturgia, o formato do sitcom conta com a participação de um elenco fixo e construção de cenários. Mas o Brasil não seguiu apenas essa receita e lançou outros programas que multiplicaram os formatos do gênero como esquetes de humor de curta duração (SOUZA, 2004, p ). Para Messa (2006), longe de ser apenas mais uma forma de entretenimento, sitcoms e séries são um fenômeno social, que tratam de temas relevantes para a sociedade. Os sitcoms ainda apresentam histórias curtas voltadas ao convívio de uma família ou determinado grupo, com locações pré-estabelecidas como, por exemplo, casa e trabalho. Sua estrutura é semelhante à crônica literária, pois aborda assuntos cotidianos e corriqueiros da sociedade de uma forma aparentemente superficial e cômica. As personagens são estereotipadas, pois, devido a sua duração (em média 25 minutos, sem os comerciais), a identificação do espectador precisa ser imediata (MESSA, 2006, p. 2). Tem-se ainda a proposta do sitcom como um subgênero da ficção. Conforme Bastos (2008), a comédia de costumes ainda é pouco estudada de maneira sistemática pela academia e devido ao aumento de sua aceitação por produtores e a queda da audiência de outros formatos, a Rede Globo tem investido em inúmeras comédias seriadas. Para a autora, os sitcoms são um subgênero ficcional que opera com um plano de realidade discursiva de caráter ficcional chamada supra-realidade, propondo como regime de crença a verossimilhança [grifo do autor]. Não têm, portanto, compromisso direto com o real, mundo exterior, embora se proponham a retratá-lo de forma lúdica (DUARTE, 2008). Os sitcoms seriam crônicas do cotidiano que a televisão normalmente exibe em forma de seriados, através de episódios. 4

5 Por seus aspectos ligados ao engraçado, ao cômico, por sua pretensão de fazer rir, divertir [grifo do autor], privilegiam enquanto tons [grifo do autor] principais alguns eixos da categoria tonal disposição [grifo do autor], combinados com outras categorias tonais (DUARTE, 2008). Estes programas não têm data definida para encerrar e podem permanecer na grade da emissora enquanto tiver audiência e patrocínio. Em relação ao tema, os sitcoms, aproveitam os aspectos hilários do dia a dia, utilizando até mesmo situações que poderiam até parecer trágicas para fazer graça, expondo falhas, deslizes, acasos, etc. Eles levam o receptor a interagir, já que o humor precisa do riso para fazer sentido e também varia de acordo com a dimensão social que está inserido. O processo comunicativo televisivo traz consigo uma dupla mensagem: a par dos conteúdos que veicula através de seus produtos, anuncia sua própria venda. Mas qualquer venda só se materializa com a compra, que, no caso, é representada pela assistência, de parte do telespectador. Daí a necessidade de interatividade, consubstanciada pelo modo de endereçamento, pela partilha do tom [grifo do autor], feito de humor, disposição e graça que têm de ser compartilhados. Mas vale novamente pontuar: as estratégias discursivas e textuais empregadas pelos sitcoms na expressão de sua combinatórias tonais, dirigem-se e interpelam um telespectador cativo da mídia televisão. Só ele poderá interagir, apreender e compartilhar desse tom que muitas vezes se constrói e se expressa de forma tão auto-reflexiva (DUARTE, 2008). O Anuário do Obitel 2012 (LOPES; MUNGIOLI, 2012), no entanto, apresenta a série como um dos formatos do gênero ficção, assim como a telenovela, minissérie, filme, desenho, adulto e infantil. Apresenta ainda os gêneros informação (com programas nos formatos documentário, entrevista, jornalismo e reportagem), entretenimento (com programas nos formatos auditório, game show, humorístico, musical, reality show, show, premiação, feminino, moda e making of), religioso, esporte (com programas nos formatos esporte e futebol), educativo, político e outros (com programas nos formatos televendas, rural, turismo, saúde, sorteio, espaço empresarial). Balogh (2002) também considera a ficção como um gênero televisivo, sendo a série um de seus formatos mais consagrados da televisão brasileira, junto com os seriados, as minisséries, os unitários e as telenovelas. Provenientes da cultura norte-americana, nos primórdios, eram estas as séries e seriados transmitidos no Brasil. Os seriados tradicionais geralmente eram transmitidos semanalmente, com dias e horários específicos, contudo, hoje, a TV por assinatura vem fazendo uma avalanche com séries e seriados, as exibindo em qualquer dia e horário. 5

6 Perde-se, assim, a periodicidade original, o horário de exibição original e o público-alvo, pondo em xeque o termo seriado em benefício do termo genérico série. No caso dos formatos nacionais, em que essas regularidades se conservam, também se preserva a denominação seriado [...] A série não é o formato que as realizações brasileiras mais se distinguiram, ainda assim permanecem muitos clássicos das séries brasileiras, como retratos ficcionais de nosso modo de ver em determinado momento histórico (BALOGH, 2002, p ). A autora chama o sitcom como um tipo e série, que tem sua temática relacionada comicidades de situações cotidianas e comuns. Ao diferenciar séries de sitcoms, D Abreu (2010) ressalta que a primeira pode abranger o documentário e a ficção, desdobrando temas como relações familiares, tópicos sobrenaturais, fantasia, adolescência, sexo, paranormalidade, guerra, casos médicos, etc. Já a segunda, trata de situações cômicas ficcionais vividas pelos personagens. Os sitcoms sugerem em sua abertura o nome do episódio e o próximo não precisa seguir essa linha, podendo tratar de um tema diferente. Com as séries isso não ocorre, uma vez que é necessário dar continuidade ao tema tratado, sendo que um capítulo é a continuidade de outro e cada temporada tem um tema central que norteia todos os capítulos. Não é à toa que, na série, os capítulos não são, necessariamente, identificados por títulos, ao passo que isto acontece com a sitcom, na qual é dado um título sugestivo para cada epísódio endosso da situação. Tanto em relação à telenovela quanto à série, à minissérie e à sitcom, deve-se fazer uma referência à serialidade, que envolve mecanismos narrativos de suspensão e reatamento de sentido e a simplificação do processo de produção que visa o lucro (D ABREU, 2010, p. 10). Nos sitcoms: o que move a ação são as performances de personagens que se relacionam em família, no grupo de amigos, entre os colegas de trabalho, como podemos verificar em produtos estrangeiros atuais. Em sua origem americana, a sitcom também pode se caracterizar (embora isto não seja regra) pela incidência de risadas ao longo de cada episódio, que pontuam o desenvolvimento cômico das situações, podendo aparecer sob a forma de saco de risadas (efeito sonoro pré-gravado e inserido durante a edição) ou de claque (reações orientadas de uma platéia presente no estúdio durante a gravação ou exibição de um programa) (D ABREU, 2010, p. 10). Em comparação com a telenovela, são características estruturais que diferenciam os dois formatos, uma vez que para que as histórias sejam contadas é necessário: 6

7 a finitude através da qual se configure um efeito de sentido gradual; um esquema de personagens que explicite perfis contrários; uma qualificação específica destes personagens que justifiquem suas ações ao longo da história; e um encadeamento de ações que permita o encaminhamento da trama e das relações entre os personagens (BALOGH, apud D ABREU, 2010, p. 11). No sitcom a finitude explicada por Balogh encerra em cada episódio e o efeito que faz sentido de uma maneira gradual na telenovela, acontece em cada episódio do sitcom. O esquema de personagens, que caracteriza a maldade e a bondade dos personagens não é tão singular nos programas do gênero, pois a estrutura maniqueísta se desloca do contrário para o contraditório, para o que, podendo ser incompatível, não é necessariamente o oposto (D ABREU, 2010, p. 11). As questões de finitude e esquema de personagens acabam no encadeamento específico, que a telenovela utiliza para dar personalidade aos personagens, enquanto que o sitcom costuma dar temperamentos a eles, pois cada dia eles podem agir de determinada maneira. Tudo isso encerra na ação, que permite a telenovela dar continuidade nas relações existentes entre os personagens, quando cada um assume um papel e o segue até o fim. No sitcom o que importa é o papel assumido pelo personagem naquele episódio, podendo variar no seguinte. A serialidade e o resgate do sentido deixam marcas distintas nestes dois formatos industriais da televisão, marcas estas que podem abrir caminho para a investigação teórica acerca das questões de memória, principalmente no que se refere à comédia de situação. Nela, um episódio trabalha a memória enfatizando a performance situacional no presente, apagando situações do passado e sem estabelecer determinismos situacionais para o futuro operação distinta em relação à da telenovela, na qual o presente é um elo que resgata e estabelece, respectivamente, situações passadas e futuras da trama (D ABREU, 2010, p ). De fato, percebe-se que não há unanimidade em se tratando de gêneros e formatos na televisão brasileira, mas há semelhanças entre as propostas dos autores já mencionados. Ainda em busca dessa definição (ou de um ponto de vista) no próximo item será realizada uma breve análise da ficção nacional, com ênfase nos programas seriados dentro do gênero cômico mais assistidos no Brasil em 2011, segundo o Anuário do Obitel de 2012: A Grande Família e Tapas e Beijos. 3 A Grande Família e Tapas e Beijos: séries cômicas ou sitcoms? 7

8 O Brasil possui seis redes de televisão aberta (nacionais), sendo uma delas pública (TV Brasil) e as outras cinco privadas (Rede Globo, Record, SBT, Band e Rede TV!). No ano de 2011 apenas a Rede TV não produziu ou emitiu ficção televisiva e ao todo, 67 títulos do gênero foram transmitidos, sendo 47 inéditos (só a Rede Globo foi responsável pela produção de 41 títulos inéditos). Quanto às séries, desde 2008, o que se tem visto é o aumento da produção nacional, passando de sete títulos em 2008 para 11 em 2009, 12 em 2010 e 13 em O horário predominantemente reservado para a transmissão de séries em todas as emissoras de TV aberta é o noturno, espaço que se destaca para a exibição de ficções nacionais (dos 24 títulos exibidos, 11 eram séries). Entre as séries exibidas em 2011, nove foram produções inéditas da Rede Globo (Tapas e beijos, A mulher invisível, Aline, Amor em quatro atos, Batendo o ponto, Divã, Força-tarefa, Lara com Z, Macho Men), e uma foi produzida pela Band (Anjos do Sexo) (LOPES; MUNGIOLI, 2012). De acordo com o Anuário do Obitel 2012 (LOPES; MUNGIOLI, 2012), nota-se que as emissoras de sinal aberto vêm produzindo programas no formato série, dentro do gênero ficção, com o predomínio do gênero cômico. A Rede Globo, por exemplo, só em 2012, produziu pelo menos cinco programas seguindo essa formato e gênero, sendo dois deles (A Grande Família e Tapas e Beijos) fixos na grade de programação anual e outros três (As Brasileiras, Como aproveitar o fim do mundo e Louco por Elas) intercalados na grade durante alguns meses do ano. A Grande Família e Tapas e Beijos estão entre as 10 maiores audiências de ficção da TV brasileira e o fato de trazerem o cômico ao cotidiano independentemente de ser tratada como sitcom ou série cômica, um subgênero, ou formato do gênero ficcional, faz com que temas considerados como tabus, possam ser debatidos através do humor e do gênero cômico, podendo virar até mesmo motivo de piada. A Grande Família completa em 2013, 12 anos de exibição, em 13 temporadas e Tapas e Beijos inicia sua terceira temporada, com exibição desde abril de A Grande Família é transmitida toda quinta-feira, das 22h15 às 23h, apresentando o cotidiano de uma família de classe média, formada pelo casal Nenê e Lineu (Marieta Severo e Marcos Nanini), filhos Bebel e Tuco (Guta Stresser e Lúcio Mauro Filho) e o genro Agostinho (Pedro Cardoso). Além desses personagens a série conta com os papeis de Mendonça (Tonico Pereira), Paulão da Regulagem (Evandro Mesquita), Beiçola 8

9 (Marcos Oliveira) e Florianinho (Vinícius Moreno). As temáticas dominantes na série são as relações familiares, as relações entre os vizinhos e o cotidiano das famílias das classes populares, tendo a socialidade suburbana e o protagonismo feminino como temática social (LOPES; MUNGIOLI, 2012), apresentando formas da família se manter unida a partir de todas as situações que ocorrem no dia-a-dia. A Grande Família que iniciou em 2001 é remake homônimo da série transmitida entre 26 de outubro 1972 a 27 de março de 1975 (baseada no sitcom norte-americano All in the Family), que teve um total de 112 episódios e originalmente foi escrita por Oduvaldo Viana Filho, Armando Costa e Paulo Pontes. Atualmente a série possui redação geral de Bernardo Guilherme e Marcelo Gonçalves e pertence ao Núcleo Guel Arraes. Em Tapas e Beijos, exibida terças-feiras, das 22h15 às 23h, acompanha-se a história das amigas Fátima e Suely (Andréa Beltrão e Fernanda Torres) em sua luta para conquistar o amor e conciliá-lo com o trabalho e outras situações do cotidiano das amigas que ganham a vida trabalhando em uma loja de vestidos de noiva e artigos para cerimônias de casamento. Também fazem parte do elenco fixo da trama os personagens Armane (Vladimir Brichta), Jorge (Fábio Assunção), Djalma (Otávio Müller), Flavinha (Fernanda de Freitas), Jurandir (Érico Bras), Bia (Malu Rodrigues) e Chalita (Flávio Mogliaccio). Entre as temáticas dominantes tem-se a amizade, o relacionamento amoroso e extraconjugal e a amizade de mulheres acima dos 30 anos. Assim como A Grande Família, Tapas e Beijos apresenta a socialidade suburbana como temática social. Considera-se que, mesclado com o melodrama, o cômico pode trazer novas nuances a trama, trazendo certa leveza a uma situação dramática, tratando de temas cotidianos através do humor e da irreverência. Série mais longa da televisão brasileira, A Grande Família mantém uma aproximação com sitcoms norte-americanos, com os cenários fixos, o humor irônico, o sarcasmo, e diálogos que tem a pretensão de fazer rir. Tanto Lopes e Mungioli (2012) quanto Bastos (2008) a consideram um sitcom, pois ainda preserva essa herança norteamericana. Já Tapas e Beijos é tida por Lopes e Mungioli (2012) como comédia romântica, em função de que sua trama gira em torno dos relacionamentos amorosos das personagens, sem nunca deixar de ter diálogos rápidos, escrachados e cômicos. As situações tragicômicas da vida são exploradas pelos dois programas que, com base no que foi levantado até este momento, pretende-se chamar de séries cômicas nacionais. Série por seguir uma terminologia adotada por uma rede de pesquisadores 9

10 nacionais, pois considera-se neste momento a série como um formato do gênero ficção seriada, assim como apresentado pelo Anuário do Obitel 2012 (LOPES; MUNGIOLI, 2012). Cômica por terem o gênero cômico como base de toda sua produção e adicionado ao termo está o nacional, justamente para diferenciar este tipo de produção das estrangeiras que são transmitidas no País (a exemplo de The Bing Bang Theory, Two and a Half a Man, entre outras). O que também pode ser dito é que as emissoras estão investindo no formato série aliado ao gênero cômico, esta é uma grande aposta para os próximos anos e que já pode ser observada com o surgimento de novos títulos, como o recente O Dentista Mascarado, da Rede Globo. Para ampliar o tema, ainda tem que ser analisada a complexidade narrativa dessas séries de televisão, o que deverá ser realizado em outro momento. 4 Considerações finais É certo que está é apenas uma discussão inicial por parte da proponente do presente artigo sobre gêneros e formatos na televisão brasileira. A tentativa de fazer um levantamento sobre o que tem sido trabalhado na área já mostra indícios que esta não é uma temática simples e certamente será aprofundada em outros trabalhos. Ao resgatar as diferentes formas de encarar a ficção televisiva ou o próprio gênero e seus formatos, notase que os pontos comuns entre cada abordagem é o gênero cômico e o humor. É importante pensar porquê o humor é utilizado na linguagem televisiva em produções seriadas. Apesar das séries cômicas nacionais não se distanciarem tanto assim do modelo proposto por sitcoms norte-americanos, neste caso, em especial nos programas A Grande Família e Tapas e Beijos, eles não serão denominados deste modo, neste momento, por se considerar que as produções nacionais são inspiradas em sitcoms, mas que de alguma forma, como já destacava Souza (2004), é sempre adaptada para o público brasileiro. A falta de unanimidade entre os autores, apresentada no levantamento sobre gêneros e formatos na televisão brasileira, pode mostrar também o quanto a própria televisão pode reinventar-se em relação às suas narrativas. Trabalhar com gêneros e formatos não é uma tarefa simples e nem pretende-se resolvê-la de uma única vez. A busca pela definição ou de uma proposta que resolva estas questões, deve ser contínua, 10

11 levanto em conta estratégias discursivas, formas de inserção na grade de programação da emissora, caracterização dos personagens, entre outros aspectos. Referências bibliográficas BALOGH, Anna Maria. O Discurso Ficcional na TV: Sedução e Sonho em Doses Homeopáticas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, D ABREU, Patrícia. Descabimentos de fala e formatação: a perspectiva da heterologia na análise narrativa da sitcom. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 33., 2010, Caxias do Sul. Anais Eletrônicos...Caxias do Sul: UCS, Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2010/resumos/r pdf>. Acesso em: 20 out DUARTE, Elizabeth Bastos. Sitcoms: novas tendências. In: Revista Interamericana de Comunicação Midiática Animus, Vol. 7, n. 13, jan-jun Disponível em: <http://w3.ufsm.br/animus/animus_2008-1_art02.html>. Acesso em: out GLOBO, Rede. Direção Geral de Comercialização. Disponível em: <http://comercial2.redeglobo.com.br/programacao/pages/home.aspx>. Acesso em: abr LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; MUNGIOLI, Maria Cristina Palma. Brasil: a nova classe média e as redes sociais potencializam a ficção televisiva. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; OROZCO GÓMEZ, Guillermo (org.). Transnacionalização da ficção televisiva nos países ibero-americanos: anuário Obitel Porto Alegre: Sulina, MESSA, Márcia Rejane. A cultura desconectada: sitcoms e séries norte-americanas no contexto brasileiro. Disponível em: <http://www.unirevista.unisinos.br/_pdf/unirev_messa.pdf> Acesso em: 10 de fev MINOIS, Georges. História do Riso e do Escárnio. São Paulo: Unesp, 2003, 654 p. Disponível em: < Acesso em: 01 de fev Mídia Dados Disponível em <www.gm.org.br>. Acesso em: 09 de Set SOUZA, José Carlos Aronchi de. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus Editorial,

A produção ficcional da televisão brasileira e a busca por novos formatos. Ana Sílvia Médola Doutora UNESP:Bauru

A produção ficcional da televisão brasileira e a busca por novos formatos. Ana Sílvia Médola Doutora UNESP:Bauru A produção ficcional da televisão brasileira e a busca por novos formatos Ana Sílvia Médola Doutora UNESP:Bauru A comunicação de massa é um dos campos em que os processos de globalização revelam-se de

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO Fabiana Piccinin 1 Esse artigo faz uma crítica ao modelo de telejornalismo adotado pelas Tvs comerciais brasileiras, apresentando uma nova proposta de jornalismo

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Blitz JPB Zona de contato e estratégia de aproximação com o público 1

Blitz JPB Zona de contato e estratégia de aproximação com o público 1 Blitz JPB Zona de contato e estratégia de aproximação com o público 1 Zuila Frutuoso David Duarte e Roberta Matias Simões Marques de Azevedo, mestrandas do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo Profissional

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa.

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa. Pare de assistir e comece a escrever, criar e produzir para a televisão! A arte de contar histórias é a força cultural dominante no mundo contemporâneo, e as séries televisivas são o meio mais atraente

Leia mais

O PROJETO PORQUE PATROCINAR

O PROJETO PORQUE PATROCINAR PAIXÃO NACIONAL O gosto pelo futebol parece ser uma das poucas unanimidades nacionais do Brasil. As diferenças sociais, políticas e econômicas, tão marcantes no dia a dia do país diluem-se quando a equipe

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

Websérie Minha Quase Última Vítima 1

Websérie Minha Quase Última Vítima 1 Websérie Minha Quase Última Vítima 1 Eloá AGUADO 2 Gustavo MIACIRO 3 Leonardo YOSHIDA³ Lucas TEIXEIRA³ Lucas LOPES³ Mariana MATOS³ Matheus PINHEIRO³ Mayra OLIVEIRA³ Thito CASSIMIRO³ Vinícius BORGES³ Viviane

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO Disciplinas Obrigatórias Departamento de Comunicação e Artes 1) Teoria da Comunicação I: 1. Comunicação: conceito, objeto e objetivo. 2. Ciências da Informação.

Leia mais

SÁBADO TOTAL PATROCÍNIO E MERCHANDISING O LEÃO ESTÁ DE VOLTA PARA ALEGRIA DA FAMÍLIA BRASILEIRA NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com.

SÁBADO TOTAL PATROCÍNIO E MERCHANDISING O LEÃO ESTÁ DE VOLTA PARA ALEGRIA DA FAMÍLIA BRASILEIRA NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com. SÁBADO TOTAL PATROCÍNIO E MERCHANDISING NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com.br www.redetv.com.br/comercial DEPARTAMENTO DE MARKETING REDETV! DIVISÃO PLANEJAMENTO DE MARKETING PUBLICITÁRIO O LEÃO ESTÁ

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO TV CAATINGA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO TV CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO TV CAATINGA Petrolina Junho de 2013 TV CAATINGA e-mail: contato.rtvcaatinga@univasf.edu.br Endereço: Av. Jose de Sá Maniçoba, s/n, campus universitário, Centro,

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 090.3630.1 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA REDAÇÃO E EXPRESSÃO ORAL VI ETAPA 6ª CH 02 ANO 2011 OBJETIVO

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

GEOTARGET PERNAMBUCO ENTRETENIMENTO

GEOTARGET PERNAMBUCO ENTRETENIMENTO GEOTARGET PERNAMBUCO ENTRETENIMENTO GEOTARGET: o que é? É uma forma de comprar mídia na internet. A compra por Geotarget permite o direcionamento das peças publicitárias para determinadas áreas geográficas.

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Indústria Cultural Teoria Crítica; Estudos Culturais; Produção cultural: obras ou serviços. Criados; Elaborados;

Leia mais

DEFESA CANAL GNT 7/3/2013 DEFESA

DEFESA CANAL GNT 7/3/2013 DEFESA 7/3/2013 DEFESA O Canal O CANAL O GNT é um canal voltado para o universo feminino, com conteúdo direcionado para estilo de vida e atualidade. Tem como foco a programação nacional, que caracteriza-se pela

Leia mais

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE

Leia mais

Malhação.com em mescla de Você Decide e Intercine. Porque o público receptor tinha

Malhação.com em mescla de Você Decide e Intercine. Porque o público receptor tinha Programa Malhação: em busca de um formato Jacira Souza MEDRONHA Profª. Publicidade e Propaganda UNOCHAPECÓ/SC RESUMO: Malhação, ao longo de dez anos na programação brasileira, conseguiu se firmar como

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 090.3630.1 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6ª Período

Leia mais

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva Promoção: Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (CECC/Linha Media, Technologies, Contexts), Faculdade de Ciências

Leia mais

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 Márcio Carneiro

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6 Período CH 2 ANO

Leia mais

Período: agosto e setembro de 2004 Especial para mostrar a formação do mapa étnico do Sul de Santa Catarina.

Período: agosto e setembro de 2004 Especial para mostrar a formação do mapa étnico do Sul de Santa Catarina. ETNIAS DO SUL Período: agosto e setembro de 2004 Especial para mostrar a formação do mapa étnico do Sul de Santa Catarina. A região Sul de Santa Catarina se caracteriza pela colonização italiana, mas outros

Leia mais

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva.

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. Mariana Carneiro da Cunha CAMPELO 1 Resumo Ao longo dos anos, na publicidade televisiva brasileira, vem ocorrendo algumas mudanças na comunicação

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Cultura HD segundo lugar de audiência é retorno rápido e garantido

Cultura HD segundo lugar de audiência é retorno rápido e garantido Mídia Kit Cultura HD A Cultura HD faz parte do Grupo Integração, um grupo multimídia composto por quatro emissoras de televisão afiliadas Rede Globo, quatro emissoras de Rádio, um portal de internet, uma

Leia mais

SE EU FOSSE VOCÊ 2. material de apoio FICHA TÉCNICA ELENCO

SE EU FOSSE VOCÊ 2. material de apoio FICHA TÉCNICA ELENCO material de apoio DIVULGAÇÃO SE EU FOSSE VOCÊ FICHA TÉCNICA ELENCO BRASIL, 009 GÊNERO: COMÉDIA DURAÇÃO: 00 MINUTOS CLASSIFICAÇÃO: 0 ANOS SITE OFICIAL: Glória Pires - Helena Tony Ramos - Cláudio Isabelle

Leia mais

CANAL DE TELEVISÃO PARA SALAS DE ESPERA

CANAL DE TELEVISÃO PARA SALAS DE ESPERA CANAL DE TELEVISÃO PARA SALAS DE ESPERA Conteúdo audiovisual de entretenimento + informação PROPOSTA DE ADESÃO 2015 Este conteúdo é para uso exclusivo. Nenhuma de suas partes pode ser veiculada, transcrita

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Concepção, Pesquisa e Processo de Criação no Documentário Love Songs 1

Concepção, Pesquisa e Processo de Criação no Documentário Love Songs 1 RESUMO Concepção, Pesquisa e Processo de Criação no Documentário Love Songs 1 João Roberto CINTRA 2 Ana Lúcia Diniz da Costa 3 Gibran Khalil de Espindola Brandão 4 Luiz Carlos Cavalcante Monteiro Ferreira

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

Maloca Virtual: uma proposta de produção de Televisão para Web 1

Maloca Virtual: uma proposta de produção de Televisão para Web 1 Maloca Virtual: uma proposta de produção de Televisão para Web 1 Abelly de Oliveira dos SANTOS 2 Fabíola da Silva COSTA 3 Edilene MAFRA Mendes de Oliveira 4 Centro Universitário do Norte, Manaus, AM RESUMO

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP MORETTI, Luiza H. A.B. mestranda em Divulgação Científica

Leia mais

A QUATRILHA 1 APRESENTAÇÃO

A QUATRILHA 1 APRESENTAÇÃO A QUATRILHA 1 Victor Hugo Melo SILVA 2 Ana Carolina Tavares de LIMA 3 Clever Cesar Magno de FREITAS 4 Isabele Ferret BADIALI 5 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN APRESENTAÇÃO Na corrente

Leia mais

ABC Digital 1. PALAVRAS-CHAVE: TV Digital; Jornalismo Utilitário; Interatividade; Privacidade; Modelagem de conteúdo. INTRODUÇÃO

ABC Digital 1. PALAVRAS-CHAVE: TV Digital; Jornalismo Utilitário; Interatividade; Privacidade; Modelagem de conteúdo. INTRODUÇÃO ABC Digital 1 Fernanda Chocron MIRANDA 2 ; Diolene Borges Machado, Suzana Cunha Lopes, Dandara Silva de Almeida, Fabrício Natalino Bentes Queiroz, Graziella Câmara Mendonça, Killzy Kelly Lucena, Larissa

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei;

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; Excelentíssimos Senhores Senadores, gostaria de agradecer pela oportunidade de participar dessa audiência pública, essencial não apenas para regulamentação do art. 221, II e III da Constituição, mas também

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA PROJETO TE VEJO NA ESCOLA Flávia Oliveira Machado 1 Isabela Mayara Cheida José Leonardo Gallep Maria do Carmo Palhaci (coordenadora) Maria Helena Gamas (coordenadora) RESUMO O projeto em questão visa a

Leia mais

Apresentação. Diariamente no Net Cidade Canal 26 Sábados na Band Canal 10 Apresentação Eliane Beuren www.progviverbem.com.br

Apresentação. Diariamente no Net Cidade Canal 26 Sábados na Band Canal 10 Apresentação Eliane Beuren www.progviverbem.com.br Apresentação No ar desde 13 de março de 2002, o Programa Viver Bem é apresentado por Eliane Beuren e inspirado no prazer que sentimos em viver e na conquista de uma melhor qualidade de vida através da

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

Televisão; Discurso religioso; Semiótica; Manipulação; Veridicção. Uma análise das vozes de deus na TV

Televisão; Discurso religioso; Semiótica; Manipulação; Veridicção. Uma análise das vozes de deus na TV A mensagem de deus na tv 1 Leandro Eduardo Wick Gomes Universidade Estadual Paulista - UNESP 2 Resumo: Os programas religiosos tornaram-se comum na grade de programação da maioria das emissoras de TV do

Leia mais

Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica da obra.

Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica da obra. A Fulano de Tal Endereço Rio de Janeiro, de de Prezado Fulano de Tal, Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica

Leia mais

Daniela Baldo Martins

Daniela Baldo Martins Daniela Baldo Martins O IMPACTO DAS REDES SOCIAIS NOS PEQUENOS COMÉRCIOS Como aproveitar os canais e ferramentas on-line para obter resultados nos negócios Universidade Metodista de São Paulo São Bernardo

Leia mais

A Telenovela na Internet: as estratégias do autor Aguinaldo Silva 1

A Telenovela na Internet: as estratégias do autor Aguinaldo Silva 1 A Telenovela na Internet: as estratégias do autor Aguinaldo Silva 1 Wesley Pereira Grijó 2 Kairo Vinicios Queiroz de Souza 3 Universidade Federal do Pampa Resumo O objetivo deste paper é abordar as estratégias

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

AMORES ROUBADOS AMORES ROUBADOS. Minissérie, livremente inspirada no livro A emparedada da Rua Nova, é um thriller sobre o poder avassalador da paixão

AMORES ROUBADOS AMORES ROUBADOS. Minissérie, livremente inspirada no livro A emparedada da Rua Nova, é um thriller sobre o poder avassalador da paixão plano comercial AMORES ROUBADOS NO SERTÃO DE PERNAMBUCO, TRAMA ENVOLVE AMOR E ÓDIO LEANDRO E ANTÔNIA De 6 a 17 de janeiro/14 (segunda a sexta-feira), a Globo exibe a minissérie Amores Roubados, em 10 capítulos

Leia mais

Alternativas de Comercialização Cinematográfica: Novas janelas e o caso 3 Efes 1. Maria Cristina Couto Melo 2 Universidade Federal de São Carlos

Alternativas de Comercialização Cinematográfica: Novas janelas e o caso 3 Efes 1. Maria Cristina Couto Melo 2 Universidade Federal de São Carlos Alternativas de Comercialização Cinematográfica: Novas janelas e o caso 3 Efes 1 Resumo Maria Cristina Couto Melo 2 Universidade Federal de São Carlos O modelo industrial de produção cinematográfica estrutura-se

Leia mais

Representação midiática: uma análise comparativa entre as participações da cantora Gaby Amarantos nos talk shows Agora é Tarde e The Noite 1

Representação midiática: uma análise comparativa entre as participações da cantora Gaby Amarantos nos talk shows Agora é Tarde e The Noite 1 Representação midiática: uma análise comparativa entre as participações da cantora Gaby Amarantos nos talk shows Agora é Tarde e The Noite 1 Thaís Barbosa de MEDEIROS 2 Denise Figueiredo Barros de PRADO

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

A construção de um roteiro de Sucesso: uma análise do seriado Friends. Grazieli Silva dos ANJOS. Márcia CARVALHO

A construção de um roteiro de Sucesso: uma análise do seriado Friends. Grazieli Silva dos ANJOS. Márcia CARVALHO A construção de um roteiro de Sucesso: uma análise do seriado Friends Grazieli Silva dos ANJOS Márcia CARVALHO Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação (FAPCOM) Resumo Friends foi uma série exibida

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG JornaVista: entrevista em quadrinhos 1 Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG RESUMO O presente trabalho pretende apresentar como se deu a

Leia mais

Animale. Laís PALERMO Caio SPAOLONZI Renata BECATE Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto, SP

Animale. Laís PALERMO Caio SPAOLONZI Renata BECATE Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto, SP Animale Laís PALERMO Caio SPAOLONZI Renata BECATE Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto, SP RESUMO A Websérie Animale é um projeto experimental realizado pelos alunos da Faculdade de

Leia mais

box de series MEDIA KIT

box de series MEDIA KIT box de series MEDIA KIT www.boxdeseries.uol.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06

Leia mais

Evolução do Mercado Audiovisual: Cinema e TV

Evolução do Mercado Audiovisual: Cinema e TV Evolução do Mercado Audiovisual: Cinema e TV SIAESP, São Paulo, 11 jun 2014 Alex Patez Galvão Superintendente de Análise de Mercado Superintendência de Análise de Mercado A apresentação A Superintendência

Leia mais

Palavras-Chave Plataforma digital, internet, VOD Video On-demand, televisão

Palavras-Chave Plataforma digital, internet, VOD Video On-demand, televisão 1 BALAN, Willians Cerozzi. Plataformas digitais: uma nova forma de ver TV. in FERREIRA JUNIOR, José e SANTOS, Márcio Carneiro dos. Comunicação, tecnologia e inovação: estudos interdisciplinares de um campo

Leia mais

Panorama da Pesquisa Científica em Telejornalismo: os congressos como espaço de difusão e consolidação do campo 1

Panorama da Pesquisa Científica em Telejornalismo: os congressos como espaço de difusão e consolidação do campo 1 Panorama da Pesquisa Científica em Telejornalismo: os congressos como espaço de difusão e consolidação do campo 1 Edna de Mello SILVA 2 Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO Resumo A proposta do

Leia mais

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries MEDIA KIT http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06 ESTATÍSTICAS

Leia mais

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17 Crianças e adolescentes Lucas 18:15.17 Quem tem ensinado as nossas crianças? Nós ou Eles? Jogos eletrônicos Os jogos eletrônicos hoje em dia, cada vez mais próximo da realidade, que incitam a violência,

Leia mais

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO

Copa Rede. Amazônica de Futsal! APRESENTAÇÃO Copa Rede Amazônica de Futsal APRESENTAÇÃO A Copa Rede Amazônica de Futsal chega a sua 18ª edição em 2016. O evento leva milhares de pessoas para torcer pelos times locais e do interior, incentivando o

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Letras 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Letras 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Letras 2010-2 IDAS E VINDAS DOS ELEMENTOS COESIVOS TEXTUAIS: ANÁFORAS E CATÁFORAS PRESENTES

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Ilustração Alessandro Lima As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Arlindo Machado por Mônica Ramos Arlindo Machado é professor de Comunicação e Semiótica da PUC-SP

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo.

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo. O PROGRAMA Claquete, sua revista eletrônica de entretenimento. Claquete: Sua revista eletrônica de entretenimento. Com seu bom humor e curiosidade característicos, Otávio Mesquita apresenta os bastidores

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR Silmara Cristina Dela Silva 1 Este trabalho é parte de uma pesquisa

Leia mais

O projeto prevê a montagem e a realização da temporada na cidade do Rio de Janeiro, por 3

O projeto prevê a montagem e a realização da temporada na cidade do Rio de Janeiro, por 3 de Fernando Ceylão Rio de janeiro, Janeiro de 2013 Prezados senhores, Nossa empresa vem durante anos levando ao público espetáculos excelente nível cultural, todos com boa aceitação por parte do público

Leia mais

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Objetivo:Promover a interação entre pais e filhos, de maneira divertida, prazerosa e colaborativa, dentro do contexto escolar de convivência e socialização.

Leia mais