Biologia 2ª Série Cordados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biologia 2ª Série Cordados"

Transcrição

1 Agnatas Ciclostomados - Sem mandíbula; boca circular. Lampréia e Feiticeira: Marinhos, crescem até 1 metro. Lampréia - Vertebrado parasita - Permanecem 7 pares de fendas branquiais. - Surgem brânquias; - Possuem nadadeiras (3 ou 5); - Presença de Notocorda revestida por uma pseudo coluna cartilaginosa; Locomoção: musculatura organizada em miótomos. Sistema digestório: - Completo. A lampréia fixa a boca, dotada de uma espécie de ventosa, na parte ventral do corpo do peixe, raspa-lhe a pele e a carne com a língua e os dentes (a língua também tem dentes) e suga todos os tecidos juntamente com o sangue. Liberam substâncias anticoagulantes durante a ingestão do sangue. O alimento passa para a faringe, esôfago e cai no intestino, onde ocorre digestão química dos tecidos e absorção de nutrientes. O tiflossole aumenta a superfície de absorção. Sistema Circulatório: - Fechado e Simples (sangue venoso). Fechado = sangue não abandona os vasos. Simples= sangue passa uma única vez pelo coração no trajeto completo pelo corpo. Sistema Respiratório: - Branquial. A água entra pela boca, passa pela faringe e vai para as brânquias onde há oxigenação do sangue. De lá, é eliminada pelas fendas branquiais. Quando a lampréia está parasitando algum ser, a entrada da água passa a ser pelas fendas branquiais, pois a boca está ocupada. Na feiticeira a água entra pelas narinas. Sistema Excretor: amoniotélicos. Rins Pronefros filtram o celoma e rins Mesonefros que filtram celoma e corrente sangüínea. Sistema Nervoso:- Encéfalo e 10 pares de nervos cranianos Sexuada - Dióicos; fecundação externa; desenvolvimento indireto. No outono, as lampréias que atingirem a maturidade sexual entram nos estuários dos rios. Chegando em água doce, param de se alimentar. O macho sobe o rio primeiro e faz um muro com seixos, que junta com sua boca. A fêmea chega em seguida. Ela o ajuda a terminar o ninho de pedras, onde bota aproximadamente óvulos, que são fecundados pelo macho. Depois disso, o macho e a fêmea nadam rio abaixo e morrem. As larvas, com 15 a 20 cm de comprimento, saem do ninho duas semanas depois. Elas passam 4 a 5 anos na água doce antes de assumir sua forma definitiva e retornar ao mar. E o ciclo recomeça. Colégio I. L. Peretz - Morá Anita 1/9

2 Condrictes Gnathostomata, ou seja peixes com mandíbula. O nome Chondrychthyes expressa peixe com esqueleto cartilaginoso. A maioria dos representantes é marinha, embora haja alguns de água doce. Nadadeiras pares e mais desenvolvidas e um esqueleto melhor estruturado. São pecilotérmicos (poiquilotérmicos) ou heterotérmicos. Diferem dos peixes ósseos por apresentarem a boca na posição ventral, a nadadeira caudal heterocerca e no tubo digestivo a válvula espiral. Revestimento: As escamas são do tipo placóides, de origem dermo-epidérmicas, semelhantes a dentículos dérmicos que dão a aspereza característica da pele dos condrictes Sistema Muscular: miótomos, permitem as ondulações, favorecendo a natação. Nadadeiras pares controle do movimento, nadadeiras ímpares impulso. Sistema Digestório Completo A boca é ventral com várias fileiras de dentes laminares e pontiagudos, que são substituídos freqüentemente. O esôfago curto conduz o alimento ao estômago que apresenta a forma de letra J. O intestino é curto, mas para compensar, possui internamente a válvula espiral para aumentar a superfície de absorção e remover o excesso de sais. A terminação do intestino é a cloaca. Possuem pâncreas, um enorme fígado com vesícula biliar e não têm glândulas salivares. Sistema Circulatório Fechado e simples Coração com duas cavidades: um átrio e um ventrículo. Sistema Respiratório branquial. Não há opérculo para proteger as brânquias. Grande parte dos condrictes possui uma abertura de tamanho variável, geralmente localizada próximo ao olho, conhecida como espiráculo, que auxilia na respiração, sendo indispensável para espécies mais sedentárias. A água entra pela boca, banha as brânquias e sai pelas fendas e espiráculos. Sistema Excretor No embrião existem rins pronefro e no adulto mesonefro. Os excretas nitrogenados são uréia e amônia. A urina possui poucos sais devido a pouca capacidade dos rins em torná-la concentrada. Eles armazenam sais no sangue, uréia para equilibrar a pressão osmótica com a água do mar. Sistema Nervoso O encéfalo, lobos olfativos e ópticos e um cerebelo bem desenvolvido. Existem 10 pares de nervos cranianos e nervos espinais para cada segmento do corpo. Na faringe há botões gustativos. O olfato e a visão são desenvolvidos. Alguns tubarões, como o tigre e o branco, têm uma membrana na parte inferior do olho, a membrana nictitante. Essa membrana é usada para proteger os olhos, se fechando quando o tubarão ataca a presa, por exemplo. Existe apenas o ouvido interno com função de equilíbrio. Em cada lado do corpo, desde o tronco até a cauda, existe uma linha para a percepção da correnteza e pressão da água. Na cabeça existe as ampolas de Lorenzini, funcionam como termorreceptores e também como eletrorreceptores. São pequenas câmaras contendo células sensitivas ligadas a fibras nervosas. Estão ligados a um pequeno canal que se abre para o exterior através de poros. Existem órgãos elétricos nas raias. Dióicos com dimorfismo sexual (cláspers - projeções de pele nas nadadeiras pélvicas dos machos, usadas na cópula. Em alguns casos, o clásper possui um "espinho" que se abre após a penetração, prendendo a fêmea ao macho até o final da fecundação.) Fecundação geralmente é interna; a maioria das espécies é ovípara ou ovovivípara; tem o desenvolvimento direto sem formação de larvas. Colégio I. L. Peretz - Morá Anita 2/9

3 Classe Osteíctes Gnatostomados Peixes com esqueleto parcial ou totalmente ossificado. Vértebras ósseas. Corpo de forma variável, achatado lateralmente. Boca terminal. Nadadeira caudal homocerca. Brânquias cobertas por um opérculo Bexiga natatória. Revestimento: A pele do peixe reveste todo o corpo, inclusive os olhos onde é transparente. Tem órgãos anexos: cromatóforos, escamas, glândulas e fotóforos. Sua principal função é proteger, mas também, respiratória dependendo da espécie e do estágio de desenvolvimento. Cromatóforos - organelas que contém pigmentos, ajudam no mimetismo e na reprodução. Escamas - originárias da derme. Apresentam vários tipos, sendo os mais comuns ciclóides, guanóides e ctenóides. Glândulas - geralmente mucosas, secreção de muco isolante que recobre o corpo dos peixes, facilitando sua locomoção e protegendo contra a entrada de bactérias. Fotóforos órgãos luminescentes, nas formas que habitam cavernas ou em regiões abissais. Locomoção: Nadadeiras: pares- peitorais e pélvicas e nadadeiras ímpares anal, caudal e dorsal. Sistema digestório: Completo. Possuem boca terminal com dentes e língua com grande número de papilas gustativas. O animal dilacera o alimento e engole, levando-o pelo esôfago até o estômago, onde começa a digestão. O alimento semidigerido passa por cecos pilóricos (projeções com formato de dedos de luva que aumentam a superfície de absorção) e depois vai para o intestino, onde termina a digestão e ocorre a absorção dos nutrientes. Os restos são eliminados pelo ânus. As glândulas anexas são fígado e pâncreas. Sistema Circulatório Fechado e simples Coração com duas cavidades: um átrio e um ventrículo. Sistema Respiratório Brânquias, protegidas pelo opérculo. As brânquias são filamentos altamente vascularizados que se apóiam em arcos cartilaginosos. A bexiga natatória é o apêndice hidrostático dos peixes. Pode ou não estar ligada por meio de um ducto pneumático e ter função respiratória. Sistema Excretor: amoniotélicos Há dois tipos de rins: pronefro ou cefálico e o mesonefro. Deles saem ductos que se unem, formando apenas um, que desemboca em uma vesícula urinária ou diretamente no poro urogenital. Sistema Nervoso: Cérebro dividido em cinco vesículas (mielencéfalo, metencéfalo, mesencéfalo, diencéfalo e telencéfalo) e medula espinhal. Há 10 pares de nervos cranianos. Na faringe há botões gustativos, narinas (sem função respiratória) em formato de U responsáveis pelo olfato ou quimiocepção e a visão bem desenvolvida, olhos sem pálpebras. Ouvido interno com função de equilíbrio. Em cada lado do corpo, há a linha lateral para a percepção da correnteza e pressão da água e quimiocepção. Dióicos com dimorfismo sexual (nadadeira caudal mais vistosa, coloração exuberante no macho.) Apresentam todos os mecanismos de fecundação a bissexual, hermafrodita e a partenogenética. Os ovários das fêmeas localizam-se longidutinalmente no corpo, apoiados sobre a bexiga natatória. Os testículos apresentam-se como estruturas alongadas e compactas, localizadas, a exemplo dos ovários no sentido longitudinal do corpo sobre a bexiga natatória. Fecundação interna ou externa; a maioria das espécies é ovípara ou ovovivípara; tem o desenvolvimento direto ou indireto com estágio larval alevino. Colégio I. L. Peretz - Morá Anita 3/9

4 Anfíbios Origem dos Anfíbios: os Anfíbios surgiram no Ordovioiano ou Siluriano, se originaram a partir dos peixes pulmonados sarcopterígeos, cuja estrutura interna de suas nadadeiras e estrutura do crânio são semelhantes. Características: Seres de transição entre ambiente aquático e terrestre. Não há representantes marinhos. Pecilotérmicos. Dependem do ambiente aquático para respiração e para a reprodução. Tetrápodes, respiração cutânea, branquial e pulmonar. Classificação - Três ordens: Anura: sem cauda- sapos, rãs e pererecas. Como características distintivas, os sapos possuem muitas verrugas, as rãs possuem pele lisa e as pererecas têm discos adesivos nas extremidades dos dedos. Urodela: com cauda salamandras. Ápoda ou gimnofiona: sem patas ou com olhos recobertos por membrana, sem pálpebras cobra cega. Revestimento: Fornece proteção física; interfere na respiração; interfere na absorção de água. Ricamente vascularizada; úmida para facilitar as trocas. Glândulas mucosas: secretam um fluído aquoso para conservar a pele úmida (facilitar as trocas) e proteção. Glândulas venenosas: por todos os poros sai uma substância de aspecto leitoso e tóxico. A cor é dada por grânulos de pigmentos que se encontram na epiderme e cromatóforos na derme. Locomoção: Membros desenvolvidos, para andar ou saltar ou nadar. Pode haver membranas interdigitais ou discos adesivos nos dedos. Sistema digestório: A boca ocupa toda triangulação da cabeça. Língua longa e viscosa inserida na região frontal da boca, responsável pela apreensão do alimento. O alimento passa pela faringe e esôfago até o estômago, órgão de armazenamento e digestão. Intestino delgado e grosso, o reto termina em ânus ou cloaca. Glândulas anexas: Fígado produz a bile que atua como emulsificante de gorduras e é liberada na parte inicial do intestino delgado. Pâncreas, glândula produtora de enzimas digestivas. Sistema Circulatório: Fechado, duplo e incompleto. Fechado = o sangue não abandona os vasos. Duplo = o sangue passa duas vezes pelo coração num trajeto completo. Incompleto = ocorre mistura entre sangue venoso e arterial. Coração com três câmaras 2 átrios e 1 ventrículo. O sangue chega do corpo e entra pelo átrio direito, o sangue que chega do pulmão entra pelo átrio esquerdo. Ambos os átrios, durante a contração, enviam sangue para o ventrículo único, onde ocorre a mistura. Uma parte do sangue sai para o pulmão e outra parte vai para o corpo, passado pela pele, onde recebe mais oxigênio. Sistema Respiratório: Girino respiração branquial: inicialmente as brânquias são externas, depois desaparecem e há a formação de pulmão interno. Adulto Cerca de 1/3 da oxigenação é por respiração pulmonar; 2/3 por respiração cutânea. Pulmão: com aspecto esponjoso pelo grande número de alvéolos que apresenta. Corda vocal cuja função é coaxar, macho coaxa para atração da fêmea. Sistema Excretor: Girinos - Amoniotélicos Adultos - Ureotélicos Sistema Nervoso: Cérebro e medula espinhal. Há 10 pares de nervos cranianos. Colégio I. L. Peretz - Morá Anita 4/9

5 Na faringe há botões gustativos, narinas com função respiratória, responsáveis pelo olfato ou quimiocepção, comunicam-se com a boca, através de orifícios chamados coanas. Visão bem desenvolvida, olhos com pálpebras. Ouvido interno com função de equilíbrio. Ouvido para sensação auditiva. Quimioceptores na pele. Dióicos com dimorfismo sexual. A fêmea apresenta dois ovários e dois ovidutos, a porção terminal se abre na cloaca e pode se apresentar mais alargada. Os machos apresentam dois testículos e dois canais deferentes que conduzem o esperma e liberam seus produtos na cloaca. Há um órgão de Bidder: localizado entre o testículo e o órgão adiposo que ocorre nos machos do gênero Bufo nos quais tem ação feminilizante transformando-se num ovário efetivo sempre que por algum problema, o testículo perder sua função, podendo ocorrer inversão de sexo. Após a fecundação, os ovos são envolvidos por uma camada de muco que quando em contato com a água incha extraordinariamente constituindo um espesso invólucro gelatinoso. As fêmeas são ovíparas e o desenvolvimento é indireto, com um estágio larval aquático, representado pelo girino. Colégio I. L. Peretz - Morá Anita 5/9

6 Répteis Seres que conquistam definitivamente a terra. Pele seca, impermeável, ovos com casca e respiração exclusivamente pulmonar. São os primeiros tetrápodes amniotas e alantoidianos. Classificação - Quatro ordens: Crocodilianos com placas dérmicas. Ex.: jacarés, crocodilos, gaviais. Quelônios ou testudíneos com plastrão e carapaça. Ex.:jabutis (terrestres), cágados (água doce), tartarugas (marinhas) Escamados corpo recoberto por escamas. Ex.: lacertílios e ofídios Rincocéfalos com espinhos na cabeça Ex. Tuatara Revestimento: Pele seca, impermeável graças à deposição de queratina, com fâneros como escamas, plastrões, escudos, placas ósseas. A cor é dada por grânulos de pigmentos que se encontram na epiderme e cromatóforos na derme. Locomoção: Membros curtos, situados no mesmo plano do corpo, ou ausentes. Rastejantes. As cobras não possuem esterno e deslocam-se por movimentos das costelas. Sistema digestório: Boca com dentes e língua longa e bífida. O alimento passa pela faringe e esôfago até o estômago, órgão de armazenamento e digestão. Intestino delgado e grosso, o reto termina em ânus ou cloaca. Glândulas anexas: Fígado produz a bile que atua como emulsificante de gorduras e é liberada na parte inicial do intestino delgado. Pâncreas, glândula produtora de enzimas digestivas. Na boca de cobras há uma série de modificações. Alguns dentes são modificados para inocular peçonha. De acordo com a posição dos dentes as cobras podem ser classificadas como opistóglifas, solenóglifas, áglifas, proterógligas. A glândula salivar parótida é modificada e produz peçonha. A mandíbula e formada por duas peças não fundidas frontalmente e ligada ao crânio por um osso quadrado e um ligamento elástico, permitindo uma abertura muito maior para a boca. Além disso, as costelas são todas flutuantes, ou seja, não há osso esterno, e a cobra pode deglutir alimentos muito maiores que seu diâmetro normal. Sistema Circulatório: Fechado, duplo e incompleto. Completo nos crocodilianos. Coração com quatro câmaras incompletamente separadas, quatro câmaras separadas em crocodilianos. Ainda há mistura entre sangue venoso e arterial, compensada pelo baixo metabolismo. O sangue vindo do corpo entra pelo átrio direito, o sangue vindo do pulmão entra pelo átrio esquerdo. O sangue venoso é levado para o ventrículo direito e o sangue arterial vai para o ventrículo esquerdo. Durante a contração do ventrículo, um pouco de sangue arterial passa para o ventrículo direito. Sistema Respiratório: Exclusivamente pulmonar. Pulmões com maior superfície de trocas compensam o fato de não haver respiração cutânea. Sistema Excretor: Uricotélicos é o ponto máximo da economia de água, o ácido úrico é praticamente atóxico e pouco solúvel, podendo ser eliminado quase sem água. Colégio I. L. Peretz - Morá Anita 6/9

7 Sistema Nervoso: Cérebro e medula espinhal. Há 10 pares de nervos cranianos. Narinas responsáveis pelo olfato ou quimiocepção. Visão bem desenvolvida, olhos com pálpebras e membrana nictitante. Ouvido interno com função de equilíbrio. Ouvido para sensação auditiva. Nos escamados há órgãos de Jacobson, depressões no céu da boca nas quais a língua bífida encosta depois de ter tateado o ambiente. Nas cobras peçonhentas há um par de orifícios entre as narinas e os olhos, chamadas fossetas loreais com função de termoceptores. Auxiliam a encontrar presas de sangue quente. Dióicos com dimorfismo sexual. A fêmea apresenta dois ovários e dois ovidutos. Os machos apresentam dois testículos e dois canais deferentes. Pode haver pênis ou hemipênis. Cópula e fecundação interna. As fêmeas são ovíparas ou ovovivíparas e o desenvolvimento é direto. Apresentam cuidados com os ovos. Na fase embrionária, como o ovo tem casca calcária, não há possibilidade do embrião receber nutrientes ou eliminar excretas, os restos metabólicos ficam retidos num anexo embrionário, o alantóide. Jacaré ou crocodilo? O jacaré tem a cabeça mais larga e arredondada. Quando fecha a boca, seus dentes não aparecem. Já o crocodilo tem a cabeça mais estreita e seus dentes ficam de fora, mesmo com a boca fechada. Os jacarés e crocodilos podem viver de 25 a quarenta anos e habitam as regiões tropicais, geralmente às margens dos rios. No Brasil só existem jacarés. Cobras peçonhentas ou não? De forma bem simplificada, para diferenciarmos uma cobra peçonhenta de uma não peçonhenta, existem algumas características. Cobra peçonhenta: cabeça triangular, cauda afilada, pupila em fenda, escamas pequenas e ásperas, fossetas loreais. Cobras não peçonhentas: cabeça arredondada, cauda não distinta do corpo, pupila esférica, escamas grandes e lisas. Em caso de acidente, não faça qualquer tipo de atendimento caseiro, não corte nem perfure o local da mordida e não faça torniquete. Procure imediatamente um posto médico, porque somente o soro antiofídico cura. Ele é distribuído gratuitamente a hospitais, casas de saúde e postos de atendimento médico por todo o país pelo Ministério da Saúde. Em São Paulo, o Hospital Vital Brazil que pertence ao Instituto Butantan realiza esse tipo de atendimento 24 horas por dia, como também os vários pontos estratégicos espalhados pelo Estado. Uma lista atualizada destes pontos pode ser encontrada em: junho : 00h Colégio I. L. Peretz - Morá Anita 7/9

8 Aves Originárias do período Jurássico, a partir de répteis voadores. Corpo recoberto por penas e escamas. Membros anteriores modificados em asas. Homeotérmicos penas, gordura subcutânea, aparelho circulatório eficiente ajudam a manter o calor, ofegação e abertura das asas permitem a dissipação de calor. Amniotas e alantoidianos. Têm uma série de adaptações que diminuem a densidade do corpo do animal, e facilitam o vôo. Penas ocas, carena ou quilha para inserção da musculatura peitoral. Ossos ocos ou pneumáticos, ausência de dentes, ausência de bexiga urinária, vísceras únicas. Ainda têm formato aerodinâmico. Podemos dividir as aves em carenadas (com carena, as que voam) e ratitas (sem carena). Revestimento: Pele seca, impermeável graças à deposição de queratina, coberta por penas, cerdas e plumas. Quase sem glândulas, sendo a mais importante a glândula uropigiana, responsável pela impermeabilização e lubrificação das penas. Sistema digestório: Boca com bico córneo e ausência de dentes. Língua seca e coriácea. O alimento pode ficar temporariamente armazenado no papo, nas aves que comem grãos, e de lá vai para o proventrículo (estômago químico) e moela (estômago mecânico, órgão responsável por triturar o alimento). De lá o alimento semi digerido ou quimo, segue para o intestino delgado e grosso, o reto termina em ânus ou cloaca. Glândulas anexas: Fígado produz a bile que atua como emulsificante de gorduras e é liberada na parte inicial do intestino delgado. Pâncreas, glândula produtora de enzimas digestivas. Sistema Circulatório: Fechado, duplo e completo. Coração com quatro câmaras completamente separadas não há mistura entre sangue venoso e arterial, favorece a alta taxa de metabolismo. Sistema Respiratório: Exclusivamente pulmonar. Pulmões com alvéolos, sacos aéreos aumentam a superfície para trocas gasosas. Na bifurcação da traquéia, há um órgão canoro, a siringe. Sistema Excretor: Uricotélicos é o ponto máximo da economia de água, o ácido úrico é praticamente atóxico e pouco solúvel, podendo ser eliminado quase sem água. Ausência de bexiga urinária. Sistema Nervoso: Cérebro e medula espinhal. Há 10 pares de nervos cranianos. Narinas responsáveis pelo olfato ou quimiocepção. Visão bem desenvolvida, olhos com pálpebras e membrana nictitante. Ouvido interno com função de equilíbrio. Ouvido para sensação auditiva. Dióicos com dimorfismo sexual. Corte, cópula e fecundação interna. As fêmeas são ovíparas e o desenvolvimento é direto. Apresentam cuidados com os ovos, chocando-os e com a prole. Colégio I. L. Peretz - Morá Anita 8/9

9 Mamíferos Surgiram a partir dos répteis, no fim do período triássico da Era Mesozóica. Características: Tetrápodos, craniados, amniotas, alantoidianos, deuterostômios, celomados, homeotérmicos que possuem pêlos e amamentam seus filhotes. Glândulas mamárias nas fêmeas. A secreção dessas glândulas, o leite, serve à alimentação das crias nos primeiros meses de vida. Corpo coberto por pêlos contribue para a homeotermia. Aparecimento de útero, para abrigar o concepto. Vivíparos, na maioria. São heterodontes, pois os dentes são diferenciados em incisivos, caninos, pré-molares e molares. Com exceção dos monotremados, todos os mamíferos possuem tubo digestivo completo que termina no ânus, independente dos sistemas reprodutor e excretor. Circulação dupla e completa, com hemácias bicôncavas e anucleadas. Diafragma responsável por movimentos respiratórios. Possuem bexiga urinária e a excreção da uréia é feita dissolvida na água, constituindo a urina. A articulação do crânio com a primeira vértebra é feita por dois côndilos ocipitais, o que limita os movimentos da cabeça, quando comparados com o das aves. Encéfalo altamente desenvolvido com muitos giros ou circunvoluções. Dois côndilos, menor rotação da cabeça sobre o pescoço. Os mamíferos são dióicos, e com fecundação interna. Dividem-se em três subclasses: Prototérios, Monotremados ou Adelfos fêmeas sem útero e sem vagina. Desenvolvimento embrionário direto e interno, no interior do útero, órgão de parede muscular. Cloaca, ausência de tetas, o leite transuda da pele como suor. Ex.: ornitorrincos e équidnas. Metatérios, Marsupiais ou Didelfos útero e vagina duplos Placentação difusa. Desenvolvimento embrionário direto e interno, no interior do útero, órgão de parede muscular. Fêmea com bolsa marsupial. Ex.: Cangurus, coalas, gambás. Eutérios ou placentários útero e vagina únicos. Placentação bem definida. No revestimento interno do útero, os embriões dos mamíferos placentários fixam-se através da placenta. Por meio desse anexo embrionário exclusivo dos mamíferos, ocorrem trocas por difusão entre o sangue materno e o sangue do embrião, sem mistura. Há passagem de oxigênio, água, nutrientes e anticorpos da mãe para o embrião, e passagem de gás carbônico e de outros resíduos metabólicos em sentido contrário. Ex.: baleias, cães, ratos, homens... Referências: infociencias.fc.ul.pt consultado 11/09/06 17:51h Colégio I. L. Peretz - Morá Anita 9/9

FILO CHORDATA. Anfioxo. Ascídia

FILO CHORDATA. Anfioxo. Ascídia FILOS ANIMAIS FILO CHORDATA O filo apresenta cerca de 50.000 espécies distribuídas entre protocordados e vertebrados. Protocordados cordados mais simples, pequenos e exclusivamente marinhos não são muito

Leia mais

FILO CHORDATA. Cordados

FILO CHORDATA. Cordados FILO CHORDATA Cordados Cordados Notocorda Triblásticos Deuterostômios Simetria Bilateral Epineuro Celomados 2 Características presentes em todos Notocorda; Fendas na faringe; Tubo nervoso dorsal; Cauda

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 08 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP 0 Intenção sem ação é ilusão. Ouse fazer e o poder lhe será dado

Leia mais

CLASSE CYCLOSTOMATA (AGNATHA)

CLASSE CYCLOSTOMATA (AGNATHA) CLASSE CYCLOSTOMATA (AGNATHA) - VERTEBRADOS MAIS PRIMITIVOS; - NÃO POSSUEM VÉRTEBRAS TÍPICAS, APENAS PEÇAS CARTILAGINOSAS, AOS PARES, DISPOSTAS AO LONGO DA MEDULA (NOTOCORDA); - BOCA CIRCULAR COM FUNIL

Leia mais

1. (UFMG) Todas as alternativas indicam características que podem aparecer nos. a) coração dorsal com quatro cavidades circulação aberta.

1. (UFMG) Todas as alternativas indicam características que podem aparecer nos. a) coração dorsal com quatro cavidades circulação aberta. 12. Cordados 1. (UFMG) Todas as alternativas indicam características que podem aparecer nos vertebrados, exceto: a) coração dorsal com quatro cavidades circulação aberta. b) sistema excretor com néfrons

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 7 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Além do vegetais outros organismos habitavam o ambiente terrestre Organismos de corpo mole como moluscos e anelídeos Organismos com cutícula redução da

Leia mais

OS PEIXES. Capítulo 9 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti

OS PEIXES. Capítulo 9 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti OS PEIXES Capítulo 9 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti A EVOLUÇÃO DOS PEIXES Os primeiros peixes surgiram nos oceanos primitivos a cerca de 510 milhões de anos atrás - ''Ostracodermas'

Leia mais

RESUMO Nº 1 3º TRIMESTRE

RESUMO Nº 1 3º TRIMESTRE 7 O ANO EF CIÊNCIAS RESUMO Thiago Judice RESUMO Nº 1 3º TRIMESTRE Leia o resumo com atenção e traga as dúvidas para a sala de aula. Para melhor compreensão da origem dos animais estudados, leia os textos

Leia mais

Triblásticos Celomados

Triblásticos Celomados Biologia Móds. 19/20 Setor 1403 Os Cordados Prof. Rafa Características: Triblásticos Celomados ectoderme intestino mesoderme celoma cavidade corporal na mesoderme endoderme Características: Deuterostômios:

Leia mais

- Tem importância nos mecanismos de evolução e Seleção Natural dos seres vivos; - Mantém o equilíbrio ecológico e alimentar de um habitat;

- Tem importância nos mecanismos de evolução e Seleção Natural dos seres vivos; - Mantém o equilíbrio ecológico e alimentar de um habitat; A reprodução: - Tem importância nos mecanismos de evolução e Seleção Natural dos seres vivos; - Mantém o equilíbrio ecológico e alimentar de um habitat; - E, principalmente, ajuda a perpetuar uma espécie

Leia mais

Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos

Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos PARNAMIRIM - RN Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos Prof. José Roberto E Raphaella Madruga. Nematódeo Vermes de corpo cilíndrico, coberto por cutícula. Apresentam sexos separados (dimorfismo sexual

Leia mais

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 7 o ano Unidade 8

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 7 o ano Unidade 8 Sugestões de atividades para avaliação Ciências 7 o ano Unidade 8 5 Nome: Data: UniDaDE 8 1 Com relação às suas características gerais, podemos dizer que os vertebrados possuem exclusivamente: I. patas.

Leia mais

ZOOLOGIA - REINO METAZOA

ZOOLOGIA - REINO METAZOA ZOOLOGIA - REINO METAZOA FILO CORDADO CARACTERÍSTICAS GERAIS O que será que caracteriza um vertebrado? Substituição da Notocorda pela Coluna Vertebral; Presença de uma cabeça definida; Presença de órgãos

Leia mais

Ciclostomados e peixes

Ciclostomados e peixes Ciclostomados e peixes Agnatos ou ciclostomados Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2012. Agnatos ou ciclostomados

Leia mais

RÉPTEIS PROF. MARCELO MIRANDA

RÉPTEIS PROF. MARCELO MIRANDA RÉPTEIS Padrões evolutivos Surgimento dos amniotas Âmnio: membrana que envolve completamente o embrião e delimita uma cavidade cheia de líquido que protege contra choques mecânicos e evita o ressecamento

Leia mais

Os anfíbios. Cobertura e temperatura do corpo

Os anfíbios. Cobertura e temperatura do corpo Os anfíbios Nas proximidades de riachos, lagoas, açudes, banhados e outras áreas alagadas, você pode escutar os sons dos anfíbios - sapos, rãs, pererecas. O que são anfíbios, afinal? A palavra anfíbio,

Leia mais

Ciências OS MAMÍFEROS. A principal característica dos mamíferos é a presença de glândulas

Ciências OS MAMÍFEROS. A principal característica dos mamíferos é a presença de glândulas Ciências OS MAMÍFEROS A principal característica dos mamíferos é a presença de glândulas mamárias, endotermia e pêlos. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MAMÍFEROS São animais endotérmicos. Em condições normais

Leia mais

Animais Parte 2 (9- Cordados)

Animais Parte 2 (9- Cordados) Animais Parte 2 (9- Cordados) Os cordados são animais vertebrados, bilateralmente simétricos e o filo animal mais diverso no mundo. Todos compartilham um grupo de características derivadas, embora muitas

Leia mais

Curso Wellington Biologia Reino Animal Cordados- Aves- Prof Hilton Franco

Curso Wellington Biologia Reino Animal Cordados- Aves- Prof Hilton Franco 1. É engraçado pensar em um tordo empoleirado nas costas de um Velociraptor ou um pato nadando ao lado de um Spinosaurus. (DYKE, 2010, p. 59). A ilustração apresenta duas concepções sobre a origem das

Leia mais

Vivendo na Terra. Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre?

Vivendo na Terra. Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre? Vivendo na Terra Como era a Terra e quais os grupos animais viventes no momento evolutivo em que se deu a transição para o ambiente terrestre? Transição para o ambiente terrestre Peixes com características

Leia mais

BIOLOGIA. Prof. Fred CORDADOS. 1) Invertebrados. 1.A) Subfilo Urocordata ou tunicados. Ex: Ascidia. 1.B) Subfilo Cefalocordata. Ex. Anfioxo.

BIOLOGIA. Prof. Fred CORDADOS. 1) Invertebrados. 1.A) Subfilo Urocordata ou tunicados. Ex: Ascidia. 1.B) Subfilo Cefalocordata. Ex. Anfioxo. BIOLOGIA Prof. Fred CORDADOS 1) Invertebrados. 1.A) Subfilo Urocordata ou tunicados. Ex: Ascidia. 1.B) Subfilo Cefalocordata. Ex. Anfioxo. 2) Vertebrados 2) Sibfilo Vertebrata (EUCORDATAS). 2.A) Superclasse

Leia mais

A origem do nome réptil (do latim, reptare = rastejar) deve-se ao modo de locomoção desses animais: possuem quatro pernas (exceto as cobras), cinco

A origem do nome réptil (do latim, reptare = rastejar) deve-se ao modo de locomoção desses animais: possuem quatro pernas (exceto as cobras), cinco CLASSE DOS RÉPTEIS A origem do nome réptil (do latim, reptare = rastejar) deve-se ao modo de locomoção desses animais: possuem quatro pernas (exceto as cobras), cinco dedos com unhas e suportam o corpo

Leia mais

BIOLOGIA AULA 11: ZOOLOGIA EQUINODERMOS; CORDADOS

BIOLOGIA AULA 11: ZOOLOGIA EQUINODERMOS; CORDADOS BIOLOGIA AULA 11: ZOOLOGIA EQUINODERMOS; CORDADOS FILO DOS EQUINODERMOS Os equinodermos (do grego echinos: espinhos; derma: pele) constituem um grupo de animais exclusivamente marinhos, dotados de um endoesqueleto

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

FILO: CORDADOS SUB-FILO: VERTEBRADOS TABELA DE ZOOLOGIA COMPARADA

FILO: CORDADOS SUB-FILO: VERTEBRADOS TABELA DE ZOOLOGIA COMPARADA Classes Peixes Cartilaginosos (Condrictes) Temperatura ectotérmicos do corpo Tegumento pele coberta por escamas placóides, de origem dermoepidérmi ca Sustentação e locomoção Nutrição digestão Circulação

Leia mais

Ano: 7 Turma: 71 e 72

Ano: 7 Turma: 71 e 72 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 2ª Etapa 2013 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 7 Turma: 71 e 72 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Curso Wellington - Biologia - Reino Animal - Cordados - Anfíbios Prof Hilton Franco

Curso Wellington - Biologia - Reino Animal - Cordados - Anfíbios Prof Hilton Franco 1. Os anfíbios são animais extremamente dependentes do ambiente aquático, em especial, na fase reprodutiva. Sobre a reprodução desses animais, assinale o que for correto. 01) Seus ovos sem casca, apenas

Leia mais

Filo Chordata Classe Reptilia. Prof. André R. Senna

Filo Chordata Classe Reptilia. Prof. André R. Senna Filo Chordata Classe Reptilia Prof. André R. Senna Répteis modernos Compreendem duas da três linhagens de vertebrados amnióticos Linhagens: Anapsida: Tartarugas; Diapsida: Lagartos, cobras e crocodilos.

Leia mais

Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO. 3º trimestre

Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO. 3º trimestre Ciências/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºcie303r Roteiro de Estudos de Ciências 7 ANO 3º trimestre O que estudamos no terceiro trimestre? No terceiro trimestre finalizamos nosso estudo

Leia mais

FILO CORDADOS. *Providos de nortocorda pelo menos na fase embrionária. *providos de fendas branquiais faringeanas pelo menos na fase embrionária.

FILO CORDADOS. *Providos de nortocorda pelo menos na fase embrionária. *providos de fendas branquiais faringeanas pelo menos na fase embrionária. FILO CORDADOS *Providos de nortocorda pelo menos na fase embrionária. *providos de fendas branquiais faringeanas pelo menos na fase embrionária. *Providos de tubo nervoso dorsal. SUB-FILO PROTOCORDADOS

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula ORIGEM EMBRIONÁRIA A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula A- Radiata Mesoderme se forma a partir de células invasoras da endoderme (Equinodermatas)

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

Estudo Dirigido de Ciências 6 as séries Professores: Andréia e Zago

Estudo Dirigido de Ciências 6 as séries Professores: Andréia e Zago Colégio Salesiano São Gonçalo Escola de Educação Básica Estudo Dirigido de Ciências 6 as séries Professores: Andréia e Zago 1. No aniversário de uma cidade a beira-mar, um restaurante promoveu um Festival

Leia mais

SUPERCLASSE PEIXES 2) CLASSE CONDRÍCTEIS PEIXES CARTILAGINOSOS

SUPERCLASSE PEIXES 2) CLASSE CONDRÍCTEIS PEIXES CARTILAGINOSOS PEIXES SUPERCLASSE PEIXES 2) CLASSE CONDRÍCTEIS PEIXES CARTILAGINOSOS Endoesqueleto cartilaginoso Espiráculos Boca ventral 5 a 7 pares de fendas branquiais Sem bexiga natatória Presença de cloaca Glândula

Leia mais

Reino Animalia 0 (Metazoa) Filo Chordata. Natália A. Paludetto

Reino Animalia 0 (Metazoa) Filo Chordata. Natália A. Paludetto Reino Animalia 0 (Metazoa) Filo Chordata Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Reino Animalia Filos: 1) Porifera; 2) Cnidaria; 3) Platyhelminthes; 4) Nematoda;

Leia mais

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco

truta - sapos - rãs - tartaruga - serpente - garça - andorinha - morcego - macaco PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== 01- Marque com um (X) a(s) alternativa(s)

Leia mais

Cordados I. Peixes, Anfíbios e Répteis. Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública

Cordados I. Peixes, Anfíbios e Répteis. Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública Cursinho Popular de Ensino Pré-Vestibular TRIU Pela popularização da universidade pública Cordados I Peixes, Anfíbios e Répteis Prof. Rafael Rosolen T. Zafred Revisão Peixes ; Anfíbios; Répteis; Aves;

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas.

Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas. ANFÍBIOS QUEM SÃO? INTRODUÇÃO Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas. Pernas sustentam e deslocam

Leia mais

Filo extremamente diversificado quanto ao tamanho e ao aspecto geral de seus representantes O agrupamento baseia-se no desenvolvimento embrionário,

Filo extremamente diversificado quanto ao tamanho e ao aspecto geral de seus representantes O agrupamento baseia-se no desenvolvimento embrionário, Filo extremamente diversificado quanto ao tamanho e ao aspecto geral de seus representantes O agrupamento baseia-se no desenvolvimento embrionário, principalmente, na nêurula, quando é possível identificar

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios

Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios Disciplina: Ciências Série: 6ª - 3º BIMESTRE Professor: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Anfíbios e Répteis Da água para a terra com sucesso Os Anfíbios Anfíbio é um termo que significa vida dupla, ou

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL 2013 BIOLOGIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL 2013 BIOLOGIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL 2013 BIOLOGIA Série: 2ª EM Disciplina: Biologia Professor (a): Bernardo Grieco Aluno (a): Caro (a) aluno (a), O roteiro de recuperação abrange todo conteúdo trabalhado ao longo

Leia mais

Agnatha Prof. Dr. Carlos Eduardo L. Ferreira

Agnatha Prof. Dr. Carlos Eduardo L. Ferreira Agnatha Prof. Dr. Carlos Eduardo L. Ferreira Diversidade dos Vertebrados O nosso atual conhecimento da filogenia dos vertebrados é baseado em evidências anatômicas, moleculares e fósseis. Na base estão

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com As Aves Características Gerais Endotermia; Desenvolvimento das penas; Desenvolvimento de ossos pneumatizados; Perda, atrofia

Leia mais

Reino Animalia 0 (Metazoa)

Reino Animalia 0 (Metazoa) Reino Animalia 0 (Metazoa) Filo Chordata (Parte II) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Chordata Triblásticos, celomados, deuterostômios e possuem simetria bilateral;

Leia mais

REVISÃO DO FILO DOS CORDADOS. Biologia Professora: Maria Lucia Fensterseifer

REVISÃO DO FILO DOS CORDADOS. Biologia Professora: Maria Lucia Fensterseifer REVISÃO DO FILO DOS CORDADOS Biologia Professora: Maria Lucia Fensterseifer PROTOCORDADOS NOTOCORDA TUBO NERVOSO DORSAL FENDAS FARÍNGEAS ASCÍDIA = UROCORDADO (NOTOCORDA NA CAUDA DA FASE LARVAL) ANFIOXO

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS

PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= ANIMAIS INVERTEBRADOS

Leia mais

Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos. Prof. José Roberto

Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos. Prof. José Roberto Revisão de Ciências 3 Trimestre 7 anos Prof. José Roberto VERTEBRADOS CARACTERÍSTICAS GERAIS Animais vertebrados são todos aqueles que possuem como caracteristica principal, uma coluna vertebral. Animais

Leia mais

Tabela de biologia - Anatomia Comparada SISTEMAS / GRUPOS ANIMAIS

Tabela de biologia - Anatomia Comparada SISTEMAS / GRUPOS ANIMAIS Tabela de biologia - Anatomia Comparada Tabela de anatomia comparada S / S ESPONGIÁRIOS Externamente o corpo é revestido por uma camada de células achatadas, os pinacócitos. Possuem um esqueleto interno

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Reino Animal - Moluscos Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Reino Animal - Moluscos Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Reino Animal - Moluscos Prof. Enrico Blota Biologia Reino Animal Moluscos Variam muito de tamanho, desde caracóis de 1 mm até lulas gigantes de 18 m. Os moluscos sofreram uma

Leia mais

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os Embriologia Embriologia é a parte da Biologia que estuda as transformações que se processa no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia

Leia mais

Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas.

Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas. ANFÍBIOS QUEM SÃO? INTRODUÇÃO Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas. Pernas sustentam e deslocam

Leia mais

EXCREÇÃO COMPARADA. Profº Moisés Myra Araújo, por www.bioloja.com

EXCREÇÃO COMPARADA. Profº Moisés Myra Araújo, por www.bioloja.com EXCREÇÃO COMPARADA Profº Moisés Myra Araújo, por www.bioloja.com EXCREÇÃO Através da excreção são eliminadas substâncias tóxicas do organismo (como resíduos nitrogenados provenientes do metabolismo de

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

CLASSE REPTILIA Características Gerais crânio com 1 côndilo occipital 12 pares de nervos cranianos Respiratório

CLASSE REPTILIA Características Gerais crânio com 1 côndilo occipital 12 pares de nervos cranianos Respiratório CLASSE REPTILIA Características Gerais: - corpo coberto com pele seca e cornificada; - com escamas e escudos; - 5 dedos terminando em garras córneas; - esqueleto ossificado; - crânio com 1 côndilo occipital;

Leia mais

Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: VERTEBRADOS: RÉPTEIS AVES E MAMÍFEROS BATERIA DE EXERCÍCIOS 7º ANO

Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: VERTEBRADOS: RÉPTEIS AVES E MAMÍFEROS BATERIA DE EXERCÍCIOS 7º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: VERTEBRADOS: RÉPTEIS AVES E MAMÍFEROS Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 7º ANO 1 Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa incorreta: a)

Leia mais

Passa_Palavras_Ed.52_Miolo.indd 1 20/01/2015 09:23:31

Passa_Palavras_Ed.52_Miolo.indd 1 20/01/2015 09:23:31 ANFÍBIOS Constituem uma CLASSE de animais VERTEBRADOS, pecilotérmicos que não possuem BOLSA AMNIÓTICA agrupados na classe AMPHIBIA. A característica mais MARCANTE dos seres vivos da classe é o seu ciclo

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Aves e Mamíferos Considerações do professor: As aves apresentam um avanço significante sobre todos os animais anteriores, apresentando um revestimento isolante do corpo, separação completa da circulação

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 Tipos de reprodução Reprodução é a capacidade que os seres vivos têm de gerar descendentes da mesma espécie. A união dos gametas é chamada fecundação, ou fertilização,

Leia mais

Sistema Reprodutor e Hormônios. 01- Existem dois sistemas que estão atuando na coordenação do nosso corpo: o sistema nervoso e o sistema hormonal.

Sistema Reprodutor e Hormônios. 01- Existem dois sistemas que estão atuando na coordenação do nosso corpo: o sistema nervoso e o sistema hormonal. PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 5º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Sistema Reprodutor e Hormônios 01- Existem

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

ATIVIDADE DO SEMINÁRIO DE BIOLOGIA - RÉPTEIS 3º A - E.M. PROFª CLAUDIA LOBO

ATIVIDADE DO SEMINÁRIO DE BIOLOGIA - RÉPTEIS 3º A - E.M. PROFª CLAUDIA LOBO ATIVIDADE DO SEMINÁRIO DE BIOLOGIA - RÉPTEIS 3º A - E.M. PROFª CLAUDIA LOBO Grupo: Carolina Nunes - Catalina De Vera - Giulliana Marak - Thainá Barbosa - Thais Yang 01. (FUVEST) Os vertebrados conquistaram

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: FUNDAMENTOS DE GENÉTICA Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. A importância da digestão para o nosso corpo é: a) desenvolver nosso organismo.

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Profa. Dra. Maria Luisa da Silva

Profa. Dra. Maria Luisa da Silva Profa. Dra. Maria Luisa da Silva baseado em Kardong, K. Vertebrates: comparative anatomy, function, evolution. McGraw-Hill 2º ed. 1998. Hildebrand, M. Análise da Estrutura dos Vertebrados. Atheneu, 1 SP.

Leia mais

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 2º Trimestre. 3 ano DISCIPLINA: BIOLOGIA B

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 2º Trimestre. 3 ano DISCIPLINA: BIOLOGIA B ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 2º Trimestre 3 ano DISCIPLINA: BIOLOGIA B Observações: 1- Antes de responder às atividades, releia o material entregue sobre Sugestão de Como Estudar. 2 - Os exercícios

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

Cor C da or do da s do Prof. Fernando Belan Prof. Fernand - BIOLOGIA MAIS o Belan

Cor C da or do da s do Prof. Fernando Belan Prof. Fernand - BIOLOGIA MAIS o Belan Cordados Cordados Prof. Fernando Fernando Belan Belan -- BIOLOGIA BIOLOGIA MAIS MAIS Prof. Introdução Protocordados (anfioxo e ascídia); Vertebrados (peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos); Simetria

Leia mais

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1 Como é constituído o aparelho digestivo? 1 Morfologia do aparelho digestivo Glândulas salivares Boca Faringe Esófago Fígado Vesícula biliar Estômago Intestino delgado pâncreas Apêndice Recto Intestino

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

Filo dos Cordados. Profª Janaina Q. B. Matsuo

Filo dos Cordados. Profª Janaina Q. B. Matsuo Profª Janaina Q. B. Matsuo Os Cordados possuem com exclusividade uma neurocorda dorsal de origem ectodérmica, fendas branquiais pares na faringe do embrião (no Homem originarão as cordas vocais), uma notocorda

Leia mais

Possuem sistema circulatório. O sangue desloca-se por um sistema fechado de vasos e contém pigmentos respiratórios dissolvidos no plasma.

Possuem sistema circulatório. O sangue desloca-se por um sistema fechado de vasos e contém pigmentos respiratórios dissolvidos no plasma. Possuem sistema circulatório. O sangue desloca-se por um sistema fechado de vasos e contém pigmentos respiratórios dissolvidos no plasma. Na minhoca, o pigmento respiratório é a hemoglobina, responsável

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS

RECEPTORES QUÍMICOS E OLFATÓRIOS SISTEMA SENSORIAL PEIXES A visão dos vertebrados terrestres depende de lentes planas e flexíveis; Os vertebrados aquáticos dependem de lentes esféricas, menos flexíveis, com um alto poder de refração.

Leia mais

COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques

COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques Classificar as cobras como venenosas ou não venenosas é um equívoco, já que todas apresentam veneno, sendo este sua saliva capaz de degradar a

Leia mais

BIOLOGIA Diversidade da Vida Exercícios complementares Répteis, aves e mamíferos

BIOLOGIA Diversidade da Vida Exercícios complementares Répteis, aves e mamíferos 1. (UECE) Analise as afirmações abaixo, classificando-as em verdadeiras (V) ou falsas F. ( ) Nos mamíferos o coração encontra-se dividido em quatro cavidades: dois átrios e dois ventrículos. Desta forma,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

RESUMO Nº 3 3º TRIMESTRE

RESUMO Nº 3 3º TRIMESTRE 7 O ANO EF CIÊNCIAS RESUMO Thiago Judice RESUMO Nº 3 3º TRIMESTRE Leia o resumo com atenção e traga as dúvidas para a sala de aula. Para melhor compreensão da origem dos animais estudados, leia os textos

Leia mais

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS CURSO: Ciências Biológicas 3º Ano 2º semestre 12ª Aula Répteis: diversidade e caracteres gerais (Ministrante: Profa. Dra. Virginia S. Uieda) Professores Responsáveis: Virgínia Sanches

Leia mais

FILO CHORDATA CEPHALOCHORDATA VERTEBRATA CYCLOSTOMATA P. CARTILAGINOSOS P. ÓSSEOS AMPHIBIA REPTILIA AVES MAMMALIA

FILO CHORDATA CEPHALOCHORDATA VERTEBRATA CYCLOSTOMATA P. CARTILAGINOSOS P. ÓSSEOS AMPHIBIA REPTILIA AVES MAMMALIA CLASSE REPTILIA FILO CHORDATA SUBFILOS: UROCHORDATA CEPHALOCHORDATA VERTEBRATA CYCLOSTOMATA P. CARTILAGINOSOS P. ÓSSEOS AMPHIBIA REPTILIA AVES MAMMALIA PRIMEIROS RÉPTEIS SURGIRAM HÁ: 300 MILHÕES DE ANOS

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia - Embriologia

Exercícios de Aprofundamento Biologia - Embriologia 1. (Fgv 2015) A figura ilustra os vasos sanguíneos maternos e fetais na região da placenta, responsável pela troca dos gases respiratórios oxigênio e dióxido de carbono. Como a circulação e a ventilação

Leia mais

Evolução e diversidade de Amphibia. Prof. André Resende de Senna

Evolução e diversidade de Amphibia. Prof. André Resende de Senna Evolução e diversidade de Amphibia Prof. André Resende de Senna Significado: Do Grego: amphi = ambos, dupla ; bios = vida. Generalidades: Sapos, salamandras e cobras-cegas; Incorretamente tidos como intermediários

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO DOS VERTEBRADOS

SISTEMA CIRCULATÓRIO DOS VERTEBRADOS SISTEMA CIRCULATÓRIO DOS VERTEBRADOS Os vertebrados, como são grandes e complexos há a necessidade de um sistema circulatório definido. Nos invertebrados ocorre o desenvolvimento de dois tipos de circulação:

Leia mais

REINO ANIMAL PORÍFEROS CNIDÁRIOS PLATELMINTOS NEMATELMINTOS ANELÍDEOS MOLUSCOS ARTRÓPODES EQUINODERMOS CORDADOS

REINO ANIMAL PORÍFEROS CNIDÁRIOS PLATELMINTOS NEMATELMINTOS ANELÍDEOS MOLUSCOS ARTRÓPODES EQUINODERMOS CORDADOS REINO ANIMAL PORÍFEROS CNIDÁRIOS PLATELMINTOS NEMATELMINTOS ANELÍDEOS MOLUSCOS ARTRÓPODES EQUINODERMOS CORDADOS NÃO POSSUI TECIDOS VERDADEIROS (ESPECIALIZADOS). DIGESTÃO É INTRACELULAR. PORÍFEROS

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais