Figura 1: VHDL - Exemplo de uso do construto generic: componente mult_se_neg com valor default de n=16 bits.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Figura 1: VHDL - Exemplo de uso do construto generic: componente mult_se_neg com valor default de n=16 bits."

Transcrição

1 OBJETIVOS: Projeto de componentes em VHDL. Projeto e simulação de uma biblioteca de componentes em VHDL no ambiente Quartus II Altera para construção de um caminho de dados (ou bloco operacional) e de um bloco de controle (ou unidade de controle) para implementação de lógica RTL. Implementação prática no kit didático de lógica programável Exsto XD301. Criação de uma biblioteca de componentes parametrizáveis (de tamanho genérico). MATERIAL UTILIZADO: Microcomputador com software Quartus II Altera Web Edition (gratuita). Kit didático de lógica programável marca EXSTO modelo XD301 com CPLD da família MAX3000A, modelo EPM3064ALC44-10, gravador USB Blaster e cabo USB. INTRODUÇÃO: Nessa prática você estudará e implementará em VHDL uma biblioteca de componentes. Os componentes que você implementará nessa prática são normalmente encontrados em qualquer processador. Todos os processadores são constituídos de dois blocos básicos: o caminho de dados (ou bloco operacional) e a parte de controle (ou unidade de controle). O caminho de dados é a parte responsável por levar dados de um componente de armazenamento a outro e de processar (ou modificar) esses dados de alguma forma, seja através de uma operação lógica (AND, OR, etc.) ou uma operação aritmética qualquer. A unidade de controle, por sua vez, é a parte do processador responsável por instruir os componentes que constituem o caminho de dados a executarem suas funções em uma ordem pré-estabelecida. Essa ordem pré-estabelecida é a sequência de ações que caracteriza um processador, ou seja, sua capacidade de executar tarefas encadeadas. Keyword GENERIC Em VHDL, o construto generic permite a criação de estruturas com tamanhos parametrizáveis. Por exemplo, as entradas e saídas do multiplicador seguinte têm tamanhos que são definidos pela variável n : Figura 1: VHDL - Exemplo de uso do construto generic: componente mult_se_neg com valor default de n=16 bits. No exemplo da Figura 1, note que usamos o símbolo asterisco (*) para implementar um multiplicador. Isso foi possível porque declaramos no cabeçalho (linha 3) o uso da biblioteca padrão numeric_std. sd11_e_sd12.docx 1/5

2 A definição de um generic precisa ser feito na entity do módulo. A sintaxe é: entity generic ( <nome do generic1> : <tipo do generic1> := <valor default>; <nome do generic2> : <tipo do generic2> := <valor default>; ); O tipo do generic pode ser natural ou integer. O generic pode ser usado na definição do tamanho de um std_logic_vector. Dessa forma, estruturas aritméticas podem ser usadas. Por exemplo, as sentenças seguintes definem o sinal teste1 com o tamanho de n bits e o sinal teste2 com o tamanho de 2 n bits ( ** = elevado a ). signal teste1 : std_logic_vector (n-1 downto 0); signal teste2 : std_logic_vector (2**n-1 downto 0); Em um projeto hierárquico os generic de vários módulos podem ser conectados. Isso é feito pelo construto generic map. Por exemplo, o CPLD EMP3064ALC44-10 existente no kit Exsto não comporta um multiplicador de 16 bits como estabelece o valor default de n=16 na rotina mult_se_neg mostrada na Figura 1. Mas podemos instruir o compilador para usar um valor diferente do default, digamos gen=4 bits como mostra o exemplo a seguir (Figura 2). Figura 2: Exemplo de sobreposição do parâmetro default n=16 bits por gen=4 bits no uso do componente mutl_se_neg pela entity projeto. sd11_e_sd12.docx 2/5

3 Neste exemplo o generic gen do módulo projeto conecta-se com o generic n do módulo mult_se_neg, de tal forma que n para a instância instancia_mult1 do componente mult_se_neg assume o valor contido em gen, ou seja, instancia_mult1 tem efetivamente 4 bits (e não 16 bits, que seria seu valor default caso a senteça generic fosse omitida), como mostra a Figura 3 a seguir. Note que a arquitetura para o componente mult_se_neg constante da Figura 1 testa o valor da multiplicação e só o coloca na saída se este for negativo (bit mais significativo em 1 quando usamos aritmética em complemento de dois). Veja na Figura 3-a que a realização prática desta arquitetura no CPLD usa o bit mais significativo para habilitar os latches (a variable temp[7] vai nas entradas ENABLE dos latches que foram instanciados). No caso da saída incondicional (se tirássemos o if ou o comentário da linha com o else ), teríamos a saída ligada direto no multiplicador (Figura 3-b). (b) (a) Figura 3: Diferença entre as implementações do componente mult_se_neg implementado na Figura 1, sem o else (a) e com o else (b). A arquitetura para o componente que testa o valor negativo usa o bit mais significativo para habilitar os latches (temp[7] vai nas entradas ENA dos latches ). No caso da saída incondicional (com a linha do else ativa), temos apenas o multiplicador, sem interferência de latches. sd11_e_sd12.docx 3/5

4 TAREFAS QUE DEVERÃO SER FEITAS ANTES DOS DIAS DAS AULAS (PRÉ-RELATÓRIO) 1. Estude os comandos em VHDL mais apropriados para descrição de componentes parametrizáveis: GENERIC e GENERIC MAP. 2. Estude no capítulo 4 do livro de Sistemas Digitais do Frank Vahid o funcionamento dos seguintes componentes: a. Registrador de carga paralela; b. Registrador de deslocamento (sequencial); c. Somadores (ripple carry); d. Deslocador Barrel Shifter (combinacional); e. Comparadores de igualdade e de magnitude; f. Contadores Ascendentes/Descendentes; g. Temporizadores; h. Banco de Registradores 3. Implemente em VHDL cada um dos componentes acima de maneira a formar uma biblioteca, onde eles possam ser reutilizados em um projeto de processador dedicado com capacidade de processamento de um número qualquer de bits. Em outras palavras, escreva cada componente em VHDL de forma parametrizável. Valide cada um dos componentes por meio de simulação. Anote em uma tabela quantas macrocélulas cada componente de seu projeto consome para realizações de 2 bits, 4 bits e 8 bits. Na aula faremos uma comparação de eficiência da implementação com os demais grupos. Caso o chip não comporte a solução de 8 bits, escolha um chip de maior capacidade da própria família MAX3000 (p. ex. o MAX3128 tem 128 macrocélulas, o MAX3512 tem 512 macrocélulas, etc.). ATIVIDADES NO LABORATÓRIO: Cada um dos componentes desenvolvidos deverá ser testado no kit XD301 com a quantidade de bits genérica. Devido à quantidade de componentes, teremos as aulas práticas 11 e 12 disponíveis para esta tarefa. RELATÓRIO: O grupo deverá entregar um relatório final no Moodle após a aula, no prazo determinado pelo professor, documentando o item 3 do pré-relatório e contendo as correções eventualmente necessárias verificadas nas aulas práticas. OPCIONAL: ESCLARECIMENTOS SOBRE PACKAGE E BIBLIOTECAS (LIBRARIES) NO QUARTUS II: Cada vez que se declara e compila um PACKAGE, ele é acrescentado automaticamente à biblioteca work, sendo necessário somente fazer a declaração "use.work.nome_do_package.all". A condição default é jogar todas as design units para a biblioteca work. Você pode deixar desta forma e tudo vai funcionar, ou então acrescentar uma diretiva (como comentário: synthesis library my_lib) antes de cada entity no seu código VHDL para jogá-las para um outro arquivo de biblioteca my_lib (opcional). Veja abaixo como isso pode ser feito no Quartus II: -- synthesis library my_lib library ieee; use ieee.std_logic_1164.all; entity my_entity(...) end entity my_entity; O texto na caixa mostrada na próxima página foi extraído do Help do Quartus II e diz como gerar uma library com o nome que você escolher (ao invés de jogar tudo na library "work"). A Altera também recomenda que toda cláusula "use" seja precedida de uma cláusula "library" correspondente. Em assignments > settings > libraries você especifica a localização dos arquivos de library que irá usar. sd11_e_sd12.docx 4/5

5 TEXTO EXTRAÍDO DO HELP DO QUARTUS II: ORGANIZING A VHDL DESIGN INTO LIBRARIES A VHDL library stores analyzed design units. Every design unit in a VHDL design must be compiled into a library, and two design units with the same name cannot be compiled into the same library. For example, if a design contains declares two packages with the same name, it must compile the packages into different libraries. By default, the Quartus II software compiles all VHDL files into the work library. If a VHDL design refers to a library that does not exist, or if the library does not contain a referenced design unit, the software searches for the design unit in the work library. This behavior allows the Quartus II software to compile most VHDL designs with minimal setup. Note: The Quartus II software cannot process VHDL designs with two or more entities of the same name even if the entities are compiled into separate custom libraries. Prior to analyzing the sources files in a design, you may specify a different destination library for the design units in a source file. You can use one of the following three methods, described in more detail below: In the File Properties dialog box in the Quartus II graphical user interface (GUI) In the Quartus Settings File (.qsf) or with a Tcl command In the VHDL file itself, using a synthesis directive When the Quartus II Compiler analyzes the file (in a flow that requires analysis of the source file), it stores the analyzed design units in the file's destination library. To specify a destination library name in the Quartus II GUI: To specify a library name in the GUI for one of your VHDL files, follow these steps: 1. In the File name list on the Files page of the Settings dialog box, select the appropriate VHDL file. 2. Click Properties. 3. In the Type list, select VHDL (if it is not already selected). 4. In the Library box, type the library name or select an existing library name To specify a destination library name in the QSF or with Tcl: In the QSF or through Tcl commands, you can specify the VHDL library name with the -library argument associated with the VHDL_FILE assignment. For example, the following QSF or Tcl assignment specifies that the Quartus II software should analyze my_file.vhd and store its contents (design units) in the VHDL library my_lib. set_global_assignment VHDL_FILE my_file.vhd -library my_lib To specify a destination library name in your VHDL file: You can use the library synthesis directive to specify a library name in your VHDL source file. This directive takes a single string argument: the name of the destination library. Specify the library directive in a VHDL comment prior to the context clause for a primary design unit (a package declaration, an entity declaration, or a configuration), using one of the supported keywords for synthesis directives, i.e. synthesis, pragma, synopsys, or exemplar. The library directive overrides the default destination library work, the Library setting specified for the current file through the GUI, QSF or Tcl, and any prior library directive in the current file. The directive remains effective until the end of the file or the next library synthesis directive. The following is an example using the library synthesis directive to create a library called my_lib that contains the design unit my_entity. -- synthesis library my_lib library ieee; use ieee.std_logic_1164.all; entity my_entity(...) end entity my_entity; Note: Specifying the library name through the GUI, QSF or Tcl allows you to specify only a single destination library for all the design units in a given source file. This synthesis directive allows you to change the destination VHDL library within a source file, providing the option of organizing the design units in a single file into different libraries, rather than just a single library. The Quartus II software gives an error if you use the library directive in the middle of a design unit. sd11_e_sd12.docx 5/5

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL 4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL Prof. Cesar da Costa VHDL é uma linguagem para descrever sistemas digitais utilizada universalmente. VHDL é proveniente de VHSIC Hardware

Leia mais

LABORG. Parte 3 - VHDL: Processos, Paralelismo e o Comando process. Fernando Gehm Moraes Ney Laert Vilar Calazans

LABORG. Parte 3 - VHDL: Processos, Paralelismo e o Comando process. Fernando Gehm Moraes Ney Laert Vilar Calazans LABORG Parte 3 - VHDL: Processos, Paralelismo e o Comando process Fernando Gehm Moraes Ney Laert Vilar Calazans 31/março/2014 Sumário Ø Introdução Ø Processos em VHDL Ø TRABALHO A FAZER Ø A ENTREGAR 2

Leia mais

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009 Laboratório 3 Base de Dados II 2008/2009 Plano de Trabalho Lab. 3: Programação em Transact-SQL MYSQL Referências www.mysql.com MICROSOFT SQL SERVER - Procedimentos do Lado do Servidor (Stored Procedures)

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação

Eletrônica Digital para Instrumentação G4 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof. Márcio Portes de Albuquerque (mpa@cbpf.br) Prof. Herman P. Lima Jr (hlima@cbpf.br) Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

VHDL Lógica Síncrona. Sinais de Saída. Sinais de Entrada. barreira. carg. VHDL -Lógica Síncrona

VHDL Lógica Síncrona. Sinais de Saída. Sinais de Entrada. barreira. carg. VHDL -Lógica Síncrona VHDL Lógica Síncrona Circuitos combinacionais respondem a estímulos com um atraso que depende de sua implementação Para sincronizar subsistemas em lógica combinacional utiliza-se barreiras temporais, que

Leia mais

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Bases tecnológicas Dispositivos Lógicos Programáveis. Introdução à Tecnologia

Leia mais

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

Slides_Java_1 !"$ % & $ ' ' Output: Run java. Compile javac. Name of program. Must be the same as name of file. Java source code.

Slides_Java_1 !$ % & $ ' ' Output: Run java. Compile javac. Name of program. Must be the same as name of file. Java source code. Slides_Java_1!"#$!" $ % & $ Sistemas Informáticos I, 2005/2006 ( Java source code Compile javac Java bytecode Run java Output:!"#) %& Name of program. Must be the same as name of file.!"#$!"$ % & $ Where

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Disciplina: Automação em Tempo Real (ELT012) Data: 17/04/2008 Professor: Luiz T. S. Mendes Guia prático para

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores II

Organização e Arquitetura de Computadores II Organização e Arquitetura de Computadores II Rômulo Calado Pantaleão Camara Romulo.camara@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~romulo.camara 60h/02h Disciplinas Correlacionadas Programação Org. e Arq. de

Leia mais

LABORG. Parte 5 Projeto de um circuito digital de média complexidade Parte 2. Fernando Gehm Moraes Matheus Trevisan

LABORG. Parte 5 Projeto de um circuito digital de média complexidade Parte 2. Fernando Gehm Moraes Matheus Trevisan LABORG Parte 5 Projeto de um circuito digital de média complexidade Parte 2 Fernando Gehm Moraes Matheus Trevisan 0/maio/2015 Relógio de Xadrez 1. Em campeonatos, o xadrez é jogado usando um relógio. A

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual IPortalMais: a «brainware» company FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Mozilla Thunderbird Doc.: Jose Lopes Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17 Rev.:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia Elétrica Engenharia da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia Elétrica Engenharia da Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia Elétrica Engenharia da Computação Software Altera Linguagem VHDL Compilando VHDL com o ALTERA MAX PLUS II - 1 - Compilando VHDL com o ALTERA MAX

Leia mais

NOVO SISTEMA DE CORREIO ELETRONICO PARA OS DOMINIOS ic.uff.br & dcc.ic.uff.br

NOVO SISTEMA DE CORREIO ELETRONICO PARA OS DOMINIOS ic.uff.br & dcc.ic.uff.br NOVO SISTEMA DE CORREIO ELETRONICO PARA OS DOMINIOS ic.uff.br & dcc.ic.uff.br A partir de 28/07/2004 (quarta-feira), ás 17:30 hs estaremos trocando nossos servidores de correio para ambos os domínios ic.uff.br

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP 1 MIBs RMON No Linux os arquivos MIB são armazenados no diretório /usr/share/snmp/mibs. Cada arquivo MIB

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP Net-SNMP (http://www.net-snmp.org) é um conjunto de aplicações usado para implementar SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3.

Leia mais

Descrição e Projeto de Circuitos Utilizando VHDL

Descrição e Projeto de Circuitos Utilizando VHDL Descrição e Projeto de Circuitos Utilizando VHDL O projeto de circuitos digitais de forma automatizada se tornou prática industrial comum. As principais vantagens são : Portabilidade de tecnologia Melhor

Leia mais

Projeto de Circuito Combinacional

Projeto de Circuito Combinacional ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I Projeto de Circuito Combinacional Unidade Lógica e Aritmética (ULA) prof. Dr. César Augusto M. Marcon prof. Dr. Edson Ifarraguirre Moreno 2 / 12 ULA Unidade

Leia mais

Utilizando subversion como controle de versão

Utilizando subversion como controle de versão Utilizando subversion como controle de versão Heitor Rapcinski Este documento descreverá a utilização de subversion como ferramenta de controle de versão mostrando as facilidades da sua utilização para

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 7ª Prática: Introdução à Verilog-HDL e á Lógica Sequencial Data: 22/05/2014 Nome: Adrián

Leia mais

PASSO A PASSO COMO CRIAR UM NOVO PROJETO EM SCHEMATIC NO SOFTWARE QUARTUS II

PASSO A PASSO COMO CRIAR UM NOVO PROJETO EM SCHEMATIC NO SOFTWARE QUARTUS II PASSO A PASSO COMO CRIAR UM NOVO PROJETO EM SCHEMATIC NO SOFTWARE QUARTUS II 1) Após abrir o quartus II, clique em CREATE A NEW PROJECT (tela abaixo). Se estiver utilizando windows 7, execute como administrador.

Leia mais

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle So that all the available files in the Moodle can be opened without problems, we recommend some software that will have to be installed

Leia mais

Introdução à Linguagem VHDL

Introdução à Linguagem VHDL Sistemas Digitais EEL 480 Introdução à Linguagem VHDL Luís Henrique M. K. Costa luish@gta.ufrj.br UFRJ DEL/Poli e PEE/COPPE P.O. Box 68504 - CEP 21941-972 - Rio de Janeiro - RJ Brasil - http://www.gta.ufrj.br

Leia mais

LICENCIATURA EM ENG. DE SISTEMAS E INFORMÁTICA Redes e Serviços de Banda Larga. Laboratório 4. OSPF Backbone

LICENCIATURA EM ENG. DE SISTEMAS E INFORMÁTICA Redes e Serviços de Banda Larga. Laboratório 4. OSPF Backbone Laboratório 4 OSPF Backbone Equipamento necessário: Três OmniSwitches Objectivo: Este laboratório tem como objectivo familiarizar os alunos com as configurações RIP em comutadores OmniSwitch. Sintaxe dos

Leia mais

Implementação de um Sistema Digital em VHDL Cronômetro para Jogos de Basquete

Implementação de um Sistema Digital em VHDL Cronômetro para Jogos de Basquete - 1 - V 1.0 - De: 02/maio/2012 por Ney Calazans Laboratório de Organização de Computadores-EC V 3.2 - De: 21/abril/2013 por Fernando Gehm Moraes e Ney Calazans Implementação de um Sistema Digital em VHDL

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

hdd enclosure caixa externa para disco rígido

hdd enclosure caixa externa para disco rígido hdd enclosure caixa externa para disco rígido USER S GUIDE SPECIFICATONS HDD Support: SATA 2.5 Material: Aluminium and plastics Input connections: SATA HDD Output connections: USB 3.0 (up to 5.0Gbps)

Leia mais

low): Descreve o que o sistema deve fazer utilizando expressões lógicas.

low): Descreve o que o sistema deve fazer utilizando expressões lógicas. Descrição por fluxo de dados (Data Data-Flow low): Descreve o que o sistema deve fazer utilizando expressões lógicas. Descrição estrutural: Descreve como é o hardware em termos de interconexão de componentes.

Leia mais

Modelagem de Sistemas com VHDL

Modelagem de Sistemas com VHDL Modelagem de Sistemas com VHDL A abstração empregada por projetistas de sistemas digitais pode ser expressa em dois domínios: No domínio estrutural, um componente é descrito em termos de um conjunto de

Leia mais

Universidade da Beira Interior. Sistemas Distribuídos - 2014/2015 Curso: Engª Informática. Folha 11. JAX-RS: Java API for RESTful Web Services

Universidade da Beira Interior. Sistemas Distribuídos - 2014/2015 Curso: Engª Informática. Folha 11. JAX-RS: Java API for RESTful Web Services JAX-RS: Java API for RESTful Web Services A - Creating RESTful Web Services from a Database 1- Comece por criar um projeto do tipo Java Web application, como fez nos exercícios das fichas anteriores. No

Leia mais

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Bases tecnológicas Dispositivos Lógicos Programáveis. Introdução à Tecnologia

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 3ª Prática: Rotação de uma palavra nos Displays de 7 segmentos Data: 10/04/2014 Nome: Adrián

Leia mais

Select a single or a group of files in Windows File Explorer, right-click and select Panther Print

Select a single or a group of files in Windows File Explorer, right-click and select Panther Print Quick Start Guide SDI Panther Print Panther Print SDI Panther products make sharing information easier. Panther Print is an intuitive dialog box that provides a thumbnail view of the file to print, depicting

Leia mais

Laboratório 5. Base de Dados II 2008/2009

Laboratório 5. Base de Dados II 2008/2009 Laboratório 5 Base de Dados II 2008/2009 Plano de Trabalho Lab. 4: Programação em Transact-SQL Referências MICROSOFT SQL SERVER - Triggers (gatilhos). - Exercícios 1. Conceito. - Os Stored Procedures permitem

Leia mais

SQL Gatilhos (Triggers)

SQL Gatilhos (Triggers) SQL Gatilhos (Triggers) Laboratório de Bases de Dados Gatilho (trigger) Bloco PL/SQL que é disparado de forma automática e implícita sempre que ocorrer um evento associado a uma tabela INSERT UPDATE DELETE

Leia mais

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH

ÍNDICE PORTUGUÊS INDEX ENGLISH ÍNDICE PORTUGUÊS 1. Características... 2 2. Conteúdo da Embalagem... 3 3. Como usar o Receptor de TV Digital... 3 4. Tela de Vídeo... 6 5.Requisitos Mínimos... 6 6. Marcas Compatíveis... 8 INDEX ENGLISH

Leia mais

Introdução ao VHDL. Circuitos Lógicos. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva. Original por Ayman Wahba

Introdução ao VHDL. Circuitos Lógicos. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva. Original por Ayman Wahba Introdução ao VHDL Circuitos Lógicos DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Original por Ayman Wahba VHDL É uma linguaguem de descrição de hardware, ou seja, uma forma estruturada para a descrição de circuitos

Leia mais

DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS - DLP. 18/04/2016 Prof. Alexandre - ELP1DLP1 / DEE

DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS - DLP. 18/04/2016 Prof. Alexandre - ELP1DLP1 / DEE DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS - DLP 1 Objetivos da Aula: Introdução à Linguagem VHDL Plano de Ensino Conteúdo Programático 3. Ferramentas de Desenvolvimento 3.4. Editor de texto (programação VHDL ou

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt. Manual Jose Lopes

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt. Manual Jose Lopes IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Microsoft Outlook Doc.: Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17

Leia mais

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO 1º Semestre 2010/2011 MEMec, LEAN Ficha da Aula Prática 3: Entrada/saída de dados. Scripts e funções. Estruturas de selecção. Sumário das tarefas e objectivos da aula: 1. Utilizar

Leia mais

O diagrama ASM contém dois elementos básicos: o bloco de estado e o bloco de decisão.

O diagrama ASM contém dois elementos básicos: o bloco de estado e o bloco de decisão. 14 3.2 Projeto da Unidade de Controle (VHDL) 3.2.1 Diagrama ASM (Algorithmic State Machine) ASM é um fluxograma através do qual se representa a seqüência de ações que a unidade de controle de um sistema

Leia mais

Registradores. Circuitos Lógicos. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva

Registradores. Circuitos Lógicos. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Registradores Circuitos Lógicos DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva 2 Registradores Conjunto de elementos de memória (flip-flops ou latches) utilizados para armazenar n bits. Utilizam um único sinal de

Leia mais

Tutorial do Quartus II

Tutorial do Quartus II Tutorial do Quartus II Introdução A seguir, você tomará contato com a ferramenta de projeto digital Quartus II, da Altera Corporation, que além de permitir descrever e simular circuitos lógicos complexos,

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Introdução à Programação em Visual Basic Fabricio Breve Objetivos Ser capaz de escrever programas simples em Visual Basic Ser capaz de usar os comandos de entrada e saída Familiarizar-se

Leia mais

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Quantas vezes eu não lamentei por este componente não ter uma propriedade que guardasse uma lista paralela a lista que é mostrada em

Leia mais

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO 3º ANO / 2º SEMESTRE 2014 INFORMÁTICA avumo@up.ac.mz Ambrósio Patricio Vumo Computer Networks & Distribution System Group Descrição do File Transfer Protocol - FTP FTP significa

Leia mais

Completing your Participant Agreement Como preencher o Contrato de Participação

Completing your Participant Agreement Como preencher o Contrato de Participação Completing your Participant Agreement Como preencher o Contrato de Participação A quick-start guide for stock plan participants. Um guia rápido para participantes do plano de compra de ações. Your company

Leia mais

BlackBerry Messenger SDK

BlackBerry Messenger SDK BlackBerry Messenger SDK Versão: 1.2 Getting Started Guide Publicado: 2011-10-11 SWD-1391821-1011103456-012 Conteúdo 1 Requisitos do sistema... 2 2 Dependências de versão do BlackBerry Messenger... 3 3

Leia mais

2. Execute o arquivo com o comando a seguir: sudo./alfresco-community-4.2.b-installer-linux-x64.bin

2. Execute o arquivo com o comando a seguir: sudo./alfresco-community-4.2.b-installer-linux-x64.bin Neste tutorial vamos realizar a instalação básica do Alfresco em um Servidor Linux. Usamos para este Tutorial o Alfresco CE 4.2 e Linux Ubuntu 12.10 mais o mesmo pode ser similar em diversos Linux baseasos

Leia mais

Semana de Engenharia

Semana de Engenharia Semana de Engenharia Introdução a Linguagem de Descrição de HW VHDL a ao Projeto Baseado em Lógica de Programação ALTERA Prof.. Daniel Barros Júnior (dbarros@ee.pucrs.br) Bolsista: Dárcio Prestes (darcio(

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 9ª Pratica: Computador de 16 bits Data:17/07/2014 Nome: Adrián Agüero Faraldo RA: 612227

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E MATEMÁTICA APLICADA DIMAP

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E MATEMÁTICA APLICADA DIMAP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E MATEMÁTICA APLICADA DIMAP Disciplina: DIM0403 Laboratório de Circuitos Lógicos Professor: Sílvio Fernandes 08 Introdução

Leia mais

SATA 3.5. hd:basic. hdd enclosure caixa externa para disco rígido

SATA 3.5. hd:basic. hdd enclosure caixa externa para disco rígido SATA 3.5 hd:basic hdd enclosure caixa externa para disco rígido hd:basic USER S GUIDE SPECIFICATIONS HDD support: SATA 3.5 Material: Aluminium Input connections: SATA HDD Output connections: USB 2.0

Leia mais

Lab 3. Timing Timing Constraints Simulação

Lab 3. Timing Timing Constraints Simulação Lab 3 Timing Timing Constraints Simulação A. Mariano - 2014 1 VHDL processes Para um designer, process é um bloco de instruções que funciona de maneira sequencial e que é chaveado quando algum dos sinais

Leia mais

Métodos Formais em Engenharia de Software. VDMToolTutorial

Métodos Formais em Engenharia de Software. VDMToolTutorial Métodos Formais em Engenharia de Software VDMToolTutorial Ana Paiva apaiva@fe.up.pt www.fe.up.pt/~apaiva Agenda Install Start Create a project Write a specification Add a file to a project Check syntax

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Material Fonte de alimentação 5V d.c. Resistor 270R / 1/8W Circuitos CI 7486 CI 7408 CI7432 LED Conectores Protoboard

Material Fonte de alimentação 5V d.c. Resistor 270R / 1/8W Circuitos CI 7486 CI 7408 CI7432 LED Conectores Protoboard UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CCN / Departamento de Física Disciplina Eletrônica básica Técnicas Digitais Construção de circuitos reais de computadores Prática 12 Experimento 1. Objetivo: Desenvolver a

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação. Prof: Herman Lima Jr hlima@cbpf.br

Eletrônica Digital para Instrumentação. Prof: Herman Lima Jr hlima@cbpf.br G03 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof: hlima@cbpf.br Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Eletrônica Digital para Instrumentação Objetivo

Leia mais

Tutorial do Max Plus II Baseline

Tutorial do Max Plus II Baseline Tutorial do Max Plus II Baseline Thiago Valentin de Oliveira 10/08/2010 1 Baixando, Licenciando e Instalando o Software O primeiro passo é adquirir o software Max Plus II com uma licença. Isso pode ser

Leia mais

Roteiro de Uso do InstallShield

Roteiro de Uso do InstallShield Roteiro de Uso do InstallShield Ao iniciar o InstallShield, a janela Welcome to InstallShield será exibida: Selecione a opção Create New Setup Project, para criar um novo modelo de instalação. A janela

Leia mais

Usando o do-file editor Automatizando o Stata

Usando o do-file editor Automatizando o Stata Usando o do-file editor Automatizando o Stata 1 O QUE É O EDITOR DE DO-FILE O Stata vem com um editor de texto integrado, o do-file editor (editor de do-files, em português), que pode ser usado para executar

Leia mais

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows DINAMIC LINK LIBRARIES Capítulo 7 Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows O QUE É UMA DLL? Dinamic Link Libraries

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Introdução ao FORTRAN (Parte I)

Introdução ao FORTRAN (Parte I) Programação de Computadores III Aula 7 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Circuitos/Sistemas Integrados Digitais (CID/SID)

Circuitos/Sistemas Integrados Digitais (CID/SID) Circuitos/Sistemas Integrados Digitais (CID/SID) Ano Lectivo 2002/03 1 a Trabalho de Laboratório Paulo Flores, Horácio Neto 1 Objectivos Pretende-se com este trabalho de laboratório introduzir e familiarizar

Leia mais

A Linguagem Python: Uma visão geral. Prof. Alberto Costa Neto Programação em Python

A Linguagem Python: Uma visão geral. Prof. Alberto Costa Neto Programação em Python A Linguagem Python: Uma visão geral Prof. Alberto Costa Neto Programação em Python Python é a linguagem do interpretador Python e daqueles que são capazes de conversar com ele. Um indivíduo que fala Python

Leia mais

Dispositivos Lógicos Programáveis

Dispositivos Lógicos Programáveis PARTE 1 - TEORIA Dispositivos Lógicos Programáveis Os dispositivos lógicos programáveis (PLD Programmable Logic Device) são circuitos integrados programáveis, que possuem um grande número de portas lógicas,

Leia mais

INSTALAR O SQL SERVER NO SERVIDOR. (É o caso da Zervan, que existe o servidor da Fernanda e queremos instalar um outro na máquina de Lilian)

INSTALAR O SQL SERVER NO SERVIDOR. (É o caso da Zervan, que existe o servidor da Fernanda e queremos instalar um outro na máquina de Lilian) INSTALAR O SQL SERVER NO SERVIDOR QUANDO JÁ EXISTE UM OUTRO SERVIDOR (É o caso da Zervan, que existe o servidor da Fernanda e queremos instalar um outro na máquina de Lilian) 1) No servidor novo, máquina

Leia mais

Somador e subtrator de 8 bits

Somador e subtrator de 8 bits Somador e subtrator de 8 bits Nota: Para desenvolver o somador e subtrator de 8 bits na Plataforma Windows, utilize preferencialmente Windows XP ou Vista. Você poderá encontrar problemas durante algumas

Leia mais

11g Wireless Broadband Router (Roteador banda-larga sem fio- Wireless G) Quick Installation Guide

11g Wireless Broadband Router (Roteador banda-larga sem fio- Wireless G) Quick Installation Guide LevelOne WBR-3408 11g Wireless Broadband Router (Roteador banda-larga sem fio- Wireless G) Quick Installation Guide English Português Table of Contents English... 3 Português... 16 2 English Package Contents

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30484&z=300

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30484&z=300 WinZip: Conheça a fundo um dos utilitários mais famosos da Internet Introdução: A Internet se tornou realmente popular apenas graças à diminuição de preço da banda larga. Mas mesmo na época em que a melhor

Leia mais

Tutorial para Criar e Simular Circuitos Digitais no Altera Quartus (R) II - versão 9.1

Tutorial para Criar e Simular Circuitos Digitais no Altera Quartus (R) II - versão 9.1 Tutorial para Criar e Simular Circuitos Digitais no Altera Quartus (R) II - versão 9.1 Laboratório Digital Marlim Pereira Menezes Profa. Dra. Liria M. Sato Prof. Dr. Edson Midorikawa Departamento de Engenharia

Leia mais

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos

Leia mais

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2)

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2) Arquitectura de um computador Caracterizada por: Conjunto de instruções do processador (ISA Estrutura interna do processador (que registadores existem, etc Modelo de memória (dimensão endereçável, alcance

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 6: 27 de abril de 2010 1 Recaptulando operações já estudadas Operações lógicas 2 3 Exercícios Referências bibliográficas Recaptulando operações já estudadas Operações

Leia mais

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Apresentar o processo de criação em uma interface gráfica para a Internet; Fornecer subsídios para que o aluno possa compreender onde aplicar Applets; Demonstrar a criação de uma Applet

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais

Circuitos Digitais. Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais Circuitos Digitais Tipos de circuitos digitais: Circuitos combinacionais Circuitos sequenciais Circuito combinacional: Possui portas lógicas conectadas para produzir valor dos sinais de saída Não possui

Leia mais

Acessando o servidor WEB de licença Hesule. O seguinte procedimento descreve como logar no aplicativo de licença Hesule.

Acessando o servidor WEB de licença Hesule. O seguinte procedimento descreve como logar no aplicativo de licença Hesule. Ativando licença para DCM ou RF-Gateway Introdução Este tópico descreve como acessar o aplicativo de licença Hesule, o procedimento para ativar licenças de um certificado e como baixar um novo arquivo

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

- Arquitetura de sistemas digitais- Cap 1 - Introdução

- Arquitetura de sistemas digitais- Cap 1 - Introdução - Arquitetura de sistemas digitais- Cap 1 - Introdução Prof. Alan Petrônio - www.ufsj.edu.br/alan - 2012 Conteúdos/propósitos deste capítulo: 1.1 - Relembrando conceitos 1.2 - Arquitetura de computadores

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Prática em Laboratório N.04 (Parte 01) Criando uma aplicação composta a partir de um serviço Web

Prática em Laboratório N.04 (Parte 01) Criando uma aplicação composta a partir de um serviço Web Prática em Laboratório N.04 (Parte 01) Criando uma aplicação composta a partir de um serviço Web O objetivo deste exercício é fornecer uma introdução a criação de uma aplicação composta de modo a ilustrar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DISCIPLINAS: CIRCUITOS E SISTEMAS DIGITAIS GUIA PRÁTICO MAX-PLUS II VERSÃO 7.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DISCIPLINAS: CIRCUITOS E SISTEMAS DIGITAIS GUIA PRÁTICO MAX-PLUS II VERSÃO 7. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DISCIPLINAS: CIRCUITOS E SISTEMAS DIGITAIS GUIA PRÁTICO MAX-PLUS II VERSÃO 7.21 - ESTUDANTE Prof. Dr. José Renes Pinheiro Prof. Dr. Hélio Leães

Leia mais

Circuitos Seqüenciais

Circuitos Seqüenciais Circuitos Seqüenciais Circuitos Lógicos DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Circuitos Seqüenciais Um circuito seqüencial síncrono consiste de um circuito combinacional e uma rede de memória formada por

Leia mais

Delphi IDE. Jocélio Passos joceliodpassos@bol.com.br. Delphi - IDE. Integrad Development Enviroment Ambiente de Desenvolvimento Integrado

Delphi IDE. Jocélio Passos joceliodpassos@bol.com.br. Delphi - IDE. Integrad Development Enviroment Ambiente de Desenvolvimento Integrado Delphi Integrad Development Enviroment Ambiente de Desenvolvimento Integrado IDE Jocélio Passos joceliodpassos@bol.com.br Iniciar Programas Borland Delphi X Delphi X 2/2/2007 2 Primeiro Projeto Menu File

Leia mais

Descreva em VHDL, simule no simulador logico e sintetize usando uma ferramenta de CAD para FPGA :

Descreva em VHDL, simule no simulador logico e sintetize usando uma ferramenta de CAD para FPGA : UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMATICA LISTA DE EXERCÍCIOS DE SISTEMAS DIGITAIS Prof. Fernanda Gusmão de Lima Kastensmidt E Marcelo Porto (aluno mestrado PPGC) Descreva em VHDL,

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

FPGA Field Programmable Gate Array

FPGA Field Programmable Gate Array Arquitetura de Computadores FPGA Field Programmable Gate Array Alex Vidigal Bastos Sumário Dispositivos Reconfiguráveis Field Programmable Gate Arrays Funcionamento Desenvolvimento Ferramentas Dispositivos

Leia mais

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java)

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Universidade Federal do ABC (UFABC) Disciplina: Processamento da Informação (BC-0505) Assunto: Java e Netbeans Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Conteúdo 1. Introdução... 1 1.1. Programas necessários...

Leia mais

Universidade Federal Fluminense - UFF Centro Tecnológico - CTC Escola de Engenharia - TCE Departamento de Engenharia de Telecomunicações TET

Universidade Federal Fluminense - UFF Centro Tecnológico - CTC Escola de Engenharia - TCE Departamento de Engenharia de Telecomunicações TET 1 Universidade Federal Fluminense - UFF Centro Tecnológico - CTC Escola de Engenharia - TCE Departamento de Engenharia de Telecomunicações TET Técnicas Digitais A Laboratório nº 3: Somadores. Data do laboratório:

Leia mais

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda:

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: 33 Capítulo 3 Procedimentos (macros) Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: O objetivo de uma macro é automatizar as tarefas usadas com mais freqüência. Embora algumas macros sejam

Leia mais

ArcMAP (parte 2) Rodar o ArcMap teclar: Iniciar > Todos os programas > ArcGIS > ArcMap. Sobre a janela selecionar o item An existing map:

ArcMAP (parte 2) Rodar o ArcMap teclar: Iniciar > Todos os programas > ArcGIS > ArcMap. Sobre a janela selecionar o item An existing map: ArcMAP (parte 2) Nesta parte do tutorial, você irá mapear cada tipo de uso da terra dentro do noise contour. Você adicionará dados ao seu mapa, desenhará feições baseadas em atributos, selecionará feições

Leia mais

Organização de programas em Python. Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br

Organização de programas em Python. Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Organização de programas em Python Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Vamos programar em Python! Mas... } Como um programa é organizado? } Quais são os tipos de dados disponíveis? } Como variáveis podem

Leia mais

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal Introdução à Ciência da Computação I Março/2004 Introdução (1 de 3) Homenagem a Blaise Pascal, filósofo e matemático do século XVII. Desenvolvida

Leia mais