ANÁLISE DE INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL VISANDO A MELHORIA CONTÍNUA DO ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR DO ESTADO DE SÃO PAULO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL VISANDO A MELHORIA CONTÍNUA DO ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR DO ESTADO DE SÃO PAULO."

Transcrição

1 i ANÁLISE DE INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL VISANDO A MELHORIA CONTÍNUA DO ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Maurício Fontana Silva Realização Apoio

2 ii ANÁLISE DE INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL VISANDO A MELHORIA CONTÍNUA DO ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Projeto coordenado pelo Grupo Técnico de Questões Globais da CETESB/SMA em convênio com o Ministério das Ciência e Tecnologia MCT Maurício Fontana Silva Orientador: Prof. Ms. Marcos Eduardo Gomes Cunha Campinas 2006

3 iii SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...IV LISTA DE TABELAS...V 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO JUSTIFICATIVA DO TRABALHO METODOLOGIA QUESITOS AVALIADOS NA MATRIZ DO PROJETO QUADRO Nº 1 CARACTERÍSTICAS DA ÁREA DE INTERVENÇÃO/ INFLUÊNCIA/ LOCAL QUADRO Nº 2 CARACTERÍSTICAS DA IMPLANTAÇÃO/ INFRA ESTRUTURA QUADRO Nº 3 CARACTERÍSTICAS DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS QUADRO Nº 4 CARACTERÍSTICAS DA GESTÃO AMBIENTAL QUADRO Nº 5 CARACTERÍSTICAS DA RECUPERAÇÃO DO BIOGÁS/ APROVEITAMENTO ENERGÈTICO SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS RMC CRIANDO UM PROCESSO DE MEDIÇÃO METODOLOGIA MATRIZ DE LEOPOLD (MÉTODO DE CONSTRUÇÃO) COMO PROCEDER A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA PROPOSTA VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ABORDAGENS SOBRE INDICADORES DE DESEMPENHO ESTUDADAS CONCEITO DO INDICADOR PROPOSTO DIFERENTES ABORDAGENS PARA O APRIMORAMENTO DE PROCESSOS CRITÉRIOS DE PERFORMACE (CONCLUSÃO)...45 BIBLIOGRAFIA...48 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA...50 APÊNDICES...51 APÊNDICE A - RELATÓRIO DE VISITA AO ATERRO DELTA A ( CAMPINAS SP)...51 APÊNDICE B - RELATÓRIO DE VISITA AO ATERRO CG PAULÍNIA (ESTRE SP)...55 APÊNDICE C - RELATÓRIO DE VISITA AO ATERRO DE INDAIATUBA SP...60 APÊNDICE D - RELATÓRIO DE VISITA AO ATERRO DE ITATIBA SP...64 APÊNDICE E - RELATÓRIO DE VISITA AO ATERRO DE PEDREIRA SP...67 APÊNDICE F - RELATÓRIO DE VISITA AO ATERRO DE SANTA BÁRBARA D OESTE SP...70

4 iv LISTA DE FIGURAS FIGURA DESENHO EXTERNO E INTERNO DE UM ATERRO SANITÁRIO...01 FIGURA DISPOSIÇÃO DE UMA GEOMENBRANA IMPERMEABILIZANTE DE UM ATERRO SANITÁRIO FIGURA LAGOA DE COLETA DE CHORUME DRENADO...12 FIGURA TRATAMENTO BIOLÓGICO DE CHORUME EM LAGOAS AERÓBIAS E ANAERÓBIAS...12 FIGURA SISTEMA DE TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE CHORUME...12 FIGURA SISTEMA DE TRATAMENTO DE CHORUME POR EVAPORAÇÃO E INCINERAÇÃO...12 FIGURA DRENO DE GÁS...13 FIGURA DRENO DE PEAD PERFURADO PARA A COLETA DO GÁS...13 FIGURA BALANÇA DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA DE CAMINHÕES...14 FIGURA MÉTODO OPERACIONAL DA TRINCHEIRA FONTE: (IPT/CEMPRE,2000)...15 FIGURA MÉTODO OPERACIONAL DA RAMPA FONTE:(IPT/CEMPRE,2000)...16 FIGURA SISTEMA DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS...18 FIGURA SISTEMA DE DRENAGEM DE CHORUME NA BASE DO ATERRO...19 FIGURA COLETA DE ÁGUA DO LENÇOL FREÁTICO PARA CONTROLE DE INFILTRAÇÃO FONTE: RODRIGUES ET AL, FIGURA SISTEMA DE MONITORAMENTO E POÇO CONTENDO O PIEZÔMETRO FONTE: (RODRIGUES ET AL, 2002)...20 FIGURA DIAGRAMA ESPINHA DE PEIXE...27 FIGURA 3.1 DIVISÃO POLITICO ADMINISTRATIVA DA RMC (FONTE: EMPLASA, 2005)...30 FIGURA GRÁFICO QUANTIDADE DE RESÍDUOS NA REGIÃO METROPOLITANA...32 FIGURA EXEMPLO DE UMA SIMPLES MATRIZ BINÁRIA EM QUE SÃO RELACIONADAS AS INTERDEPENDÊNCIAS ENTRE SISTEMAS...34 FIGURA GRÁFICO INDÍCE DE QUALIDADE DE ATERROS DE RESÍDUOS...41 FIGURA A.01 LOCALIZAÇÃO (ATERRO DELTA A CAMPINAS SP)...51 FIGURA A.02 VISTA AÉREA DO ATERRO DELTA A (CAMPINAS SP)...54 FIGURA C.01 LOCALIZAÇÃO DO ATERRO DE INDAIATUBA SP...60 FIGURA C.02 VISTA DO ATERRO DE INDAIATUBA - SP...63

5 v LISTA DE TABELAS TABELA 1.1 IQR UTILIZADO PELA CETESB...03 TABELA 3.1 SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS URBANOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS RMC...31 TABELA PARCELA DA MATRIZ PARA A ANÁLISE AMBIENTAL DA MATRIZ DE LEOPOLD...34 TABELA EXPLICATIVA DO INDICE DE QUALIDADE DE RESÍDUOS...36 TABELA EXPLICATIVA (QUADRO Nº1 - IQR)...36 TABELA EXPLICATIVA (GRAVIDADE/INTENSIDADE IQR)...37 TABELA EXPLICATIVA (ABRANGÊNCIA IQR)...37 TABELA EXPLICATIVA (SIGNIFICÂNCIA IQR)...38 TABELA EXPLICATIVA (ENQUADRAMENTO DOS PESOS IQR)...38 TABELA ENQUADRAMENTO DAS INSTALAÇÕES E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES EM FUNÇÃO DOS VALORES DE IQR...39 TABELA NOTAS E TOTAIS UTILIZADOS PARA A CONSTRUÇÃO DO GRÁFICO...39 TABELA REPRESENTAÇÃO COMPARATIVA DO ENQUADRAMENTO OBTIDO APÓS A PONTUAÇÃO FINAL...45 TABELA A.01 DADOS DO ATERRO DELTA A CAMPINAS SP...54 TABELA A.02 DADOS DO ATERRO DELTA A CAMPINAS SP...54 TABELA B.01 DADOS DO ATERRO ESTRE PAULÍNIA SP...59 TABELA B.02 - DADOS DO ATERRO ESTRE PAULÍNIA SP...59 TABELA C.01 - DADOS DO ATERRO INDAIATUBA SP...63 TABELA C.02 - DADOS DO ATERRO INDAIATUBA SP...63 TABELA E.01 - DADOS DO ATERRO PEDREIRA SP...69 TABELA F.01 - DADOS DO ATERRO SANTA BÁRBARA D OESTE SP...72 TABELA F.02 -DADOS DO ATERRO SANTA BÁRBARA D OESTE SP...72 TABELA A.03 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR CAMPINAS (QUADRO A)...73 TABELA A.04 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR CAMPINAS (QUADRO B)...74 TABELA A.05 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR CAMPINAS (QUADRO C)...75 TABELA A.06 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR CAMPINAS (QUADRO D)...76

6 vi TABELA A.07 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR CAMPINAS (QUADRO E)...77 TABELA B.03 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PAULÍNIA (QUADRO A)...78 TABELA B.04 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PAULÍNIA (QUADRO B)...79 TABELA B.05 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PAULÍNIA (QUADRO C)...80 TABELA B.06 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PAULÍNIA (QUADRO D)...81 TABELA B.07 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PAULÍNIA (QUADRO E)...82 TABELA C.03 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR INDAIATUBA (QUADRO A)...83 TABELA C.04 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR INDAIATUBA (QUADRO B)...84 TABELA C.05 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR INDAIATUBA (QUADRO C)...85 TABELA C.06 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR INDAIATUBA (QUADRO D)...86 TABELA C.07 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR INDAIATUBA (QUADRO E)...87 TABELA D.01 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR ITATIBA (QUADRO A)...88 TABELA D.02 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR ITATIBA (QUADRO B)...89 TABELA D.03 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR ITATIBA (QUADRO C)...90 TABELA D.04 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR ITATIBA (QUADRO D)...91 TABELA D.05 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR ITATIBA (QUADRO E)...92 TABELA E.02 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PEDREIRA (QUADRO A)...93 TABELA E.03 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PEDREIRA (QUADRO B)...94 TABELA E.04 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PEDREIRA (QUADRO C)...95 TABELA E.05 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PEDREIRA (QUADRO D)...96

7 vii TABELA E.06 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR PEDREIRA (QUADRO E)...97 TABELA F.03 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR SANTA BÁRBARA D OESTE (QUADRO A)...98 TABELA F.04 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR SANTA BÁRBARA D OESTE (QUADRO B)...99 TABELA F.05 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR SANTA BÁRBARA D OESTE (QUADRO C) TABELA F.06 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR SANTA BÁRBARA D OESTE (QUADRO D) TABELA F.07 ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERRO DE RESÍDUOS IQR SANTA BÁRBARA D OESTE (QUADRO E)...102

8 1 1 - INTRODUÇÃO Resíduo sólido tornou-se um grande problema, atualmente, devido à sua inevitabilidade, à sua crescente multiplicação e às condições cada vez mais limitantes para seu descarte final. Partindo das leis da física, não existe processo produtivo que não gere resíduos. Com o constante aumento populacional mundial, o consumo em geral é crescente e, portanto, a produção de resíduos também é crescente. O aumento conjugado da população e da geração de resíduos conduz a um cenário onde se torna obrigatório a criação de condições cada vez mais limitantes para o descarte dos resíduos como forma de conciliar e manter a qualidade de vida. O aterro sanitário é definido como sendo uma obra de engenharia que tem como objetivo acomodar no solo resíduos no menor espaço prático possível, sem causar danos ao meio ambiente ou à saúde pública.(cetesb, 1997). Sendo uma outra definição de aterro sanitário forma de disposição final de resíduos urbanos no solo, através do confinamento em camadas cobertas com material inerte, geralmente solo, segundo normas operacionais específicas, de modo a evitar danos à saúde pública e à segurança, minimizando os impactos ambientais.(cetesb,1997). FIGURA 1.1 DESENHO EXTERNO E INTERNO DE UM ATERRO SANITÁRIO FONTE: (IPT/CEMPRE,200). Frente a esta situação, na gestão de resíduos sólidos passou-se a dar prioridade a sistemas que busquem e/ou propiciem um método de avaliação que faça com que o monitoramento dos órgãos responsáveis seja viabilizado, bem como os sistemas de disposição final se adequem a tais métodos.

9 2 A minimização dos resíduos tornou-se obrigatória em qualquer plano de gerenciamento moderno, assim como o reaproveitamento energético dos mesmos, desta forma deu-se necessária a criação de indicadores. De uma maneira geral, os indicadores e índices são utilizados com as funções de: simplificação, quantificação, análise e comunicação, permitindo a compreensão de fenômenos complexos, quantificando-os e tornando-os compreensíveis, de maneira que possam ser analisados num dado contexto e divulgados à sociedade. Diferentes indicadores têm sido formulados para qualificar e/ou quantificar a situação das mais diversas áreas de interesse humano, tais como na saúde (índice de natalidade, índice de mortalidade), educação (índice de repetência, índice de analfabetismo), economia (renda per capita), sociologia (índice de desenvolvimento humano) e no meio ambiente (qualidade do ar, qualidade das águas e qualidade de disposição de resíduos). Segundo (Figueiredo, 1996), estes indicadores não espelham a qualidade dos temas em sua totalidade, mas indiretamente servem de referência para abordá-los e tratá-los em seus aspectos mais sensíveis. O desempenho ambiental de um sistema de disposição de resíduos também não pode ser quantificado de forma absoluta, tendo em vista a diversificada relação que existe entre a atividade e o meio ambiente. Dessa forma, os indicadores de desempenho ambiental devem ser formulados considerando os diversos aspectos dessa relação de dependência e interferência. Na construção desses indicadores, pode-se ponderar variáveis com dados da própria dinâmica da atividade em estudo, que dizem respeito à: quantidade e qualidade dos resíduos a serem dispostos (peso, volume, densidade, composição etc...); topografia, geografia, geologia e hidrologia (demais aspectos físicos do meio ambiente); custo de disposição, quantidade de mão-de-obra, valor a ser agregado, características sócio-econômicas e culturais, legislação aplicável (demais aspectos antrópicos do meio ambiente); e finalmente, as questões relacionadas ao aproveitamento dos resíduos como matéria-prima ou energia como forma de re-inserção ao ciclo de vida da cadeia. A análise dessas relações possibilita realizar avaliações não só de desempenho ambiental, mas também de aspectos de sustentabilidade sócio-ambientais que são de suma importância para a melhoria contínua dos indicadores. Conforme a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB,1997), desde a sua origem, desenvolveu diversos trabalhos de levantamentos e avaliações sobre as condições ambientais e sanitárias dos locais de destinação final de

10 3 resíduos domiciliares nos municípios paulistas, sendo que, a partir de 1997, dedicou-se a organizar e sistematizar as informações obtidas, de modo a compor o Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Domiciliares. O Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Domiciliares reflete as condições em que se encontram os sistemas de disposição e tratamento de resíduos sólidos domiciliares, em operação, a partir de dados e informações coletados e consolidados, em cada um dos 645 municípios do Estado. As informações obtidas nas inspeções realizadas pela CETESB são processadas a partir da aplicação de um questionário padronizado, constituído de três capítulos relativos, respectivamente, às características locacionais, estruturais e operacionais de cada instalação de tratamento e/ou disposição de resíduos. Estas condições são expressas pelo Índice da Qualidade de Aterro de Resíduos IQR, que apresentam variação de 0 a 10 e são divididos em três faixas de enquadramento: inadequada, controlada e adequada. TABELA 1.1 IQR UTILIZADO PELA CETESB.

11 4 A evolução e o acompanhamento dos índices IQR, por município, no período compreendido entre 1997 e 2005, permite aferir o resultado das ações de controle da poluição ambiental desenvolvidas no Estado e monitorar a eficácia dos programas alinhados com as políticas públicas estabelecidas para o setor. É com o compromisso da melhoria contínua (NBR ISO :2004 e NBR ISO :2004) que se deve promover o PDCA 2 na aplicação dos índices de qualidade. Neste caso, desde que foi criado em 1997, o Índice de Qualidade de resíduos de Aterro - IQR não sofreu uma análise crítica da metodologia aplicada. Para tanto é importante que certos instrumentos de gestão ambiental (exemplo: NBR ISO :2004) possam ser objeto de uma análise crítica e metodológica fundamentada em normas técnicas vigentes e aplicáveis, dentro é claro, de critérios técnicos e científicos reconhecidos pela comunidade acadêmica e especializada. 1 ISO - significa International Standartization Organization. Trata-se de uma organização internacional formada por um conselho e comitês com membros oriundos de vários países. Seu objetivo é criar normas e padrões universalmente aceitos sobre como realizar as mais diversas atividades comerciais, industriais, científicas e tecnológicas. 2 PDCA - Plan, Do, Check and Action ou Planejar, Executar, Verificar e Agir, ferramenta que implica na melhoria de todos os processos de fabricação ou de negócios

12 Objetivo O presente trabalho pretende reformular a metodologia utilizada para a qualificação dos Aterros do Estado de São Paulo, ou seja, construir um novo questionário, introduzindo novas questões objetivando o sistema de gestão ambiental e a avaliação do potencial de aproveitamento energético com recuperação do biogás do aterro Justificativa do trabalho A realização do Inventário de Resíduos Sólidos Domiciliares do Estado de São Paulo está completando 09 anos, constituindo assim uma relevante ferramenta de benchmarking ambiental 3 na avaliação técnica e operacional dos aterros e sistemas de disposição dos 645 municípios do Estado de São Paulo. No entanto, a reavaliação sistemática e metodológica do IQR faz-se necessária já que os índices tem sido uma forma de divulgação competitiva entre os gerenciadores dos sistemas, sejam estes públicos ou privados. Portanto, justifica-se uma análise crítica da forma de aplicação do IQR visando sua melhoria contínua e credibilidade técnico-científica entre as partes interessadas. Dentro desta nova realidade, decidiu-se estabelecer uma diretriz de avaliação pertinente com o Índice de Qualidade de Resíduos utilizando-se de matrizes sistêmicas de avaliação. Como base conceitual, utilizou-se de conceitos já consagrados como o método da Matriz de Leopold.(CANTER,1977) 3 O benchmarking Ambiental é uma ferramenta de gestão que atualiza e ao mesmo tempo aprimora o processo técnico-gerencial por ser uma ação de melhoria contínua

13 6 1.3 Metodologia Relatório de visita técnica de aterros com potencial de recuperação de aproveitamento energético com recuperação do biogás, especificamente os aterros DELTA I (Campinas SP); Análise crítica dos Relatórios de Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Domiciliares do Estado de São Paulo entre o ano de 1997 e 2005 e da metodologia utilizada em seus respectivos IQR s (Índice da Qualidade de Aterros); Avaliar os critérios de pontuação do IQR e, introduzir novos conceitos levando-se em consideração os instrumentos de Gestão Ambiental previstos nas Normas: NBR ISO :2004, NBR ISO :2004 (Implantação de Sistema de Gestão Ambiental SGA 4 ) e NBR ISO :2004 (Avaliação de Desempenho Ambiental ADA 5 ); Estabelecer novos conceitos da pontuação final visando uma reformulação matemática da equação do IQR final; Analisar os sistemas de disposição final, ou seja, os aterros e, formular novo questionário, introduzindo novas questões objetivando a avaliação do potencial de aproveitamento energético com recuperação do biogás 6 do aterro. 4 SGA - Sistema de Gestão Ambiental, cuja implementação deve seguir as diretrizes da ISO 14001:1996 Sistemas de Gestão Ambiental Especificação e diretrizes para uso. 5 ADA Avaliação de Desempenho Ambiental é uma técnica de gerenciamento utilizada para analisar a performance ambiental de uma organização através de requisitos estabelecidos 6 BIOGÁS é o gás resultante da fermentação anaeróbica da matéria orgânica (decomposição de matérias orgânicas, em meio anaeróbio, por bactérias denominadas metanogênicas

14 7 2 - QUESITOS AVALIADOS NA MATRIZ DE ANÁLISE. Os quesitos avaliados na matriz de estudo do presente trabalho foram divididos em 5 quadros onde cada um deles se refere a uma etapa do processo de avaliação constituindo, respectivamente, as características das áreas de intervenção e influência do local, da implantação e infra-estrutura, das condições operacionais, da gestão ambiental, da recuperação e reaproveitamento energético do biogás de cada instalação de tratamento e/ou disposição de resíduos. Estas condições são expressas pelo Índice da Qualidade de Aterro de Resíduos IQR, que no trabalho em questão apresentam variação de 0 a 10 e são divididos em cinco faixas de enquadramento: Lixão, Aterro Controlado, Aterro Sanitário, Aterro com Gestão Ambiental e/ou Reaproveitamento Energético e Aterro com Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL) em que os quadros descritos contém os seguintes itens discriminados abaixo: 2.1 (Quadro n.º 1) - Características da Intervenção/ Influência / Local: Atendimento à Escolha da Área e ao Planejamento Ambiental (RAP / EIA / RIMA): Os aterros são empreendimentos passíveis de elaboração de ElA/RIMA, conforme Resolução CONAMA 001 de 23/01/86, devendo o estudo ser submetido à apreciação da Secretaria Estadual do Meio Ambiente. O aterro deve atender às necessidades de soluções para o tratamento e destinação final de resíduos sólidos de diversas natureza, a escolha da área correta é de suma importância, pois pode suprir várias etapas do projeto para medidas compensatórias, bem como o correto levantamento dos possíveis impactos ambientais. Profundidade do Lençol Freático: Estudos do lençol freático são normalmente feitos utilizando-se sondagens a trado, percussão, rotativa ou poços (poços piezométricos) de observação do lençol freático, onde são medidas as flutuações dos níveis de água visando detectar a existência de áreas mais propícias a contaminação. O poço de observação do lençol freático é instalado em toda a área a ser estudada ou em pontos específicos da mesma, onde o lençol freático apresente maiores possibilidades de contaminação em níveis críticos que venham causar danos ao

15 8 mesmo. A profundidade do lençol é identificada através de sondagens efetuadas em pontos estratégicos do aterro, como: Proximidade de Corpos de Água: Esse item tem a finalidade de informar a distância permitida pela Legislação entre os lençóis freáticos, lagos e o aterro com relação as distâncias permitidas na legislação estas estão indicadas no quadro Gravidade/Intensidade (ver tabela 4.3.3). Permeabilidade do Solo do Aterro: Essa medição é efetuada através de sondagens estipuladas pelos técnicos, onde é possível identificar qual é o tipo de solo existente no local. Este item também deve atender o quadro de Gravidade/Intensidade. Capacidade de Suporte do Solo: Preferencialmente, o terreno deve possuir uma capacidade de suporte do solo que assegure que o mesmo está corretamente dentro das exigências técnicas. Distância da área de Empréstimo: A distância de empréstimo é importante pois se a área é muito distante do aterro torna-se inviável a aquisição do solo, sendo assim uma área mais próxima implica em um menor custo de transporte viabilizando a sua implantação. Qualidade do Material para Recobrimento: A qualidade do solo para recobrimento influencia diretamente nos itens relativos ao número de animais existentes no aterro, pois se a qualidade do solo usada no recobrimento dos resíduos for baixa, o aterro fica exposto a aves e ratos entre outros. Proximidade c/ Atividades Econômicas (Indústrias e Comércios): Proximidades com tais estabelecimentos são evitadas, porém quando se tornam inevitáveis, deverá ser implantada medidas compensatórias como uma barreira vegetal por exemplo.

16 9 Proximidade de Centros Urbanos e Núcleos Habitacionais: Este item deve ser cuidadosamente estudado pois, o aterro sanitário além de oferecer risco ao meio ambiente ele também oferece incômodo perante a vizinhança. Diretrizes Urbanísticas e de Uso e Ocupação do Solo: Neste item não devem ser apresentadas restrições à construção do aterro sanitário. Diretrizes Ambientais e de Áreas de Proteção: Este é um fator de suma importância, pois a incidência de legislações contrárias ao empreendimento o inviabilizam desde sua concepção. Remanescentes nos s Flora e Fauna: Neste item verifica-se a ocorrência ou não de fauna e vegetação nativa significativa na área de intervenção do empreendimento. Condições do Sistema Viário de Trânsito: A presença de um acesso em boas condições de tráfego é importante, pois resíduos provenientes de várias origens chegarão até o local diariamente sendo assim, um sistema viário de trânsito em bom estado diminui a contaminação caso ocorra algum incidente, por exemplo o derramamento de resíduos no solo. 2.2 (Quadro n.º 2) características da implantação e infra-estrutura: Atendimento ao Projeto Básico / Executivo: Nesta etapa do processo serão avaliadas se todas as obras e atividades que compõem o empreendimento foram realizadas. Impermeabilização da Base do Aterro: O sistema de tratamento de base tem a função de proteger a fundação do aterro, evitando-se a contaminação do solo e canais de água adjacentes, pela migração de chorume e/ou dos gases provenientes da degradação principalmente da matéria orgânica (IPT/CEMPRE, 2000). Um sistema de base deve ter as seguintes características: Estanqueidade;

17 10 Durabilidade; Resistência mecânica; Resistência às intempéries; Compatibilidade físico-química e biológica com os resíduos a serem enterrados. Dentre os materiais utilizados em tratamento de base de aterros, têm-se as argilas compactadas e as geomembranas sintéticas que ocupam um lugar de destaque. FIGURA DISPOSIÇÃO DE UMA GEOMENBRANA IMPERMEABILIZANTE DE UM ATERRO SANITÁRIO (IPT/CEMPRE,2000) Há a necessidade de um controle tecnológico da compactação das camadas impermeabilizantes de argila e estas devem atender as características tecnológicas de baixa permeabilidade, mínimas espessuras, representando assim barreiras à migração de poluentes. Conforme o (IPT/CEMPRE, 2000), o tipo de geomembrana que tem se mostrado mais adequado para impermeabilização dos aterros é o de geomembrana de polietileno de alta densidade; por sua compatibilidade com inúmeros resíduos, por sua resistência mecânica e durabilidade. Drenagem de Águas Pluviais Provisória e Definitiva: O sistema de drenagem de águas pluviais está constituído por um conjunto que terá caráter permanente e outro provisório, ou seja, deverá ser alterado á medida em que o houver necessidade. Drenagem de Líquidos Percolados "Chorume": Para a coleta dos líquidos percolados gerados na massa de resíduos sólidos, o sistema de drenagem deverá ser instalado na base do aterro sanitário, assim como nas camadas subseqüentes.

18 11 Sistema de Tratamento de Chorume: Em um aterro sanitário, a geração de líquidos percolados é devida principalmente à ação das águas pluviais que precipitam sobre a massa de resíduos sólidos, e ainda a umidade intrínseca da própria biodigestão anaeróbia do lixo. A concepção do sistema de tratamento de líquidos percolados da unidade de disposição de resíduos sólidos deverá tratar todo resíduo líquido e/ou encaminhá-lo para uma estação de tratamento de efluentes líquidos mais próxima possível e totalmente credenciada pelos órgãos competentes. Uma das formas de minimização do impacto ambiental causado pelo aterramento de resíduos sólidos é a coleta, remoção e tratamento dos líquidos percolados. A coleta deverá ser realizada através de drenos de brita com tubos que compõem o sistema de drenagem de percolado, os quais conduzirão os líquidos percolados coletados até tanques ou caixas de acumulação de onde serão enviados a um tratamento adequado. De acordo com o IPT/CEMPRE (2000), processos de tratamento atualmente empregados são: Recirculação ou irrigação: estes sistemas são fundamentados nos processos de infiltração e percolados dos líquidos, através da massa de lixo num sistema de recirculação dos percolados; Tratamento em lagoas de estabilização: este sistema tem fundamento teórico de tratamento de líquidos contaminados em lagoas, baseado na biodegradação da matéria orgânica contida no percolado por ação de dois grupos de bactérias: aeróbias e anaeróbias; Tratamento por filtros biológicos: o fundamento científico dos filtros está condicionado à descarga contínua de despejos poluídos através de um meio biológico ativado. Existem dois tipos de filtro, segundo a atividade biológica: aeróbio e anaeróbio; (figura 2.2.3) Tratamento por processo fotossintético: apesar deste processo estar em fase de desenvolvimento, os resultados obtidos com o aguapé, são bastante promissores pela possibilidade múltipla de tratar os despejos líquidos e produzir biomassa, que pode ser convertida em fertilizante, combustível ou ração animal. No aterro sanitário, deverá sempre ser previsto um sistema de coleta e tratamento dos líquidos percolados, não sendo admissível sua descarga em cursos d água, fora dos padrões normalizados.

19 12 O projeto adequado da instalação a ser implantada para o aterro dependerá das características e quantidades dos líquidos percolados gerados no aterro. FIGURA LAGOA DE COLETA DO CHORUME DRENADO (IPT/CEMPRE, 2000). FIGURA TRATAMENTO BIOLÓGICO DE CHORUME EM LAGOAS AERÓBIAS E ANAERÓBIAS (IPT/CEMPRE, 2000). Existem atualmente novas tecnologias de tratamento do chorume, como sistema de tratamento físico-químico e um sistema de incineração de chorume vaporizado. FIGURA SISTEMA DE TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE CHORUME(IPT/CEMPRE, 2000). FIGURA SISTEMA DE TRATAMENTO DE CHORUME POR EVAPORAÇÃO E INCINERAÇÃO(IPT/CEMPRE, 2000). Sistema de Drenagem de Gases: A decomposição anaeróbia de fração orgânica dos resíduos sólidos gera biogás, formado principalmente pelo metano e gás carbônico, os quais devem ser retirados do maciço de lixo, de forma a evitar riscos de explosão do aterro sanitário, bem como prejuízos á estabilidade física desse conjunto. Dessa forma um aterro sanitário deve sempre ser dotado de um sistema adequado de drenagem de gases gerado no interior do maciço de resíduos, sempre com o objetivo de evitar a formação de bolsões de gases.

20 13 O sistema de drenagem de gases tem a função de drenar os gases provenientes da decomposição da matéria orgânica resultante do processo de digestão, evitando sua migração através dos meios porosos que constituem o subsolo, podendo atingir redes de esgotos, fossas, poços e edificações (IPT/CEMPRE, 2000). A migração dos gases deve ser controlada através da execução de rede de drenagem adequada, constituída por drenos verticais de tubos de concreto perfurados, colocados em pontos escolhidos no aterro. Estes drenos atravessam todo o aterro no sentido vertical, desde o solo até as camadas superiores.(figura 2.2.6) Associados aos drenos verticais projetam-se drenos horizontais e subverticais que facilitam a drenagem mais eficiente da massa de lixo. Estes drenos podem ser interligados ao sistema de drenagem de percolados, dependendo da alternativa de solução de tratamento adotada para o aterro sanitário. FIGURA DRENO DE GÁS (IPT/CEMPRE, 2000). Atualmente, alguns aterros empregam o uso de drenos de PEAD perfurados, com um acessório de cobertura para evitar que a chama seja apagada.(figura 2.2.7) FIGURA DRENO DE PEAD PERFURADO PARA A COLETA DO GÁS

21 14 Instalação do Sistema de Monitoramento de Águas Subterrâneas: O monitoramento de águas subterrâneas deverá ser efetuado através de poços de monitoramento e instalação de piezômetros, medidores de deslocamento horizontais e verticais, medidores de vazão, análises físico-químicas e biológicas. Acesso a Frente de Trabalho: Este item classifica quais são as condições da frente de trabalho, se estão adequadas às condições operacionais. Trator de Esteiras ou Equipamentos Compatíveis: Quais são os equipamentos e as qualidades dos tratores e dos diversos equipamentos, que compõem e interagem com a parte operacional do aterro. Outros Equipamentos: Se existe outro equipamento que auxilie no setor operacional. Cercamento da Área: Se há cercamento da área para que impossibilite a entrada de pessoas não autorizadas e dificulte a entrada de animais. Controle Recebimento de Cargas: Se há um controle de recebimento de cargas, esse controle de resíduos sólidos no aterro deverá ser iniciado por uma balança instalada na entrada do aterro. Balança Rodoviária: O controle de recebimento do lixo consiste na implantação de balança localizada na entrada do aterro sanitário, onde os veículos que entram e saem da área são pesados por funcionários. Estes verificam a placa e sua procedência, tendo-se o controle quantitativo e qualitativo dos resíduos a serem dispostos na área.(figura 2.2.8) FIGURA BALANÇA DE CONTROLE DE ENTRADA E SAÍDA DE CAMINHÕES

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Através deste anexo, a Brascarbon Consultoria Projetos e Representação Ltda. descreve como o projeto - Brascarbon Projeto

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de propostas com vistas

Leia mais

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem Compostagem A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

TECNOLOGIAS. Disposição Final Ambientalmente Adequada dos Resíduos Sólidos

TECNOLOGIAS. Disposição Final Ambientalmente Adequada dos Resíduos Sólidos TECNOLOGIAS Disposição Final Ambientalmente Adequada dos Resíduos Sólidos Prof. Dr. Aurélio Picanço UFT Pres. ABES Seção TO aureliopicanco@uft.edu.br 1 LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. CAPÍTULO 2

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE ANÁPOLIS: um estudo de caso PIBIC/2010-2011

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE ANÁPOLIS: um estudo de caso PIBIC/2010-2011 AVALIAÇÃO DA ÁREA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE ANÁPOLIS: um estudo de caso PIBIC/2010-2011 Walleska Alves De Aquino Ferreira 1 Escola de Engenharia Civil / UFG walleskaaquino@gmail.com

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prof. Dr. Paulo S. Hemsi Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Ponta Grossa, 24 de Agosto de 2011 Aterro de Resíduos Sistema de engenharia projetado, construído,

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário

Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário Engª MSc. Thelma Sumie Kamiji Junho/2014 GERAÇÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL EOLUÇÃO DO IDH BRASILEIRO DESTINAÇÃO FINAL ATERRO

Leia mais

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB José Dantas de Lima (1) Engenheiro Civil pela UFPB (1987), Mestre em Engenharia Sanitária pela UFPB(2001), Diretor Operacional

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 A série de normas NBR ISO 14000 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTAL 14001:2004 e 14004:2005 14031:2004 (Versão corrigida

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO

ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO MÓDULO SERVIÇOS CONTRATANTE I II III PLANILHA RESUMO DE INVESTIMENTOS ANUAIS Sistema de Coleta e Transporte de Resíduos Sólidos Urbanos Sistema de Serviços Complementares de

Leia mais

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 HISTÓRICO 70 década da água 80 década do ar 90 década dos resíduos sólidos Histórico

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro Gersina N. da R. Carmo Junior Objetivo: avaliar as conseqüências da presença dos efluentes do aterro no meio ambiente. Sistema de Monitoramento do Aterro

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO Sérgio Luis da Silva Cotrim (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio do Sul - UFRGS em 1993. Mestre em

Leia mais

EXECUÇÃO DO PROJETO DE DRENAGEM SUB-SUPERFICIAL DE BIOGAS, PERCOLADOS E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ATERRO SANITÁRIO

EXECUÇÃO DO PROJETO DE DRENAGEM SUB-SUPERFICIAL DE BIOGAS, PERCOLADOS E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ATERRO SANITÁRIO EXECUÇÃO DO PROJETO DE DRENAGEM SUB-SUPERFICIAL DE BIOGAS, PERCOLADOS E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ATERRO SANITÁRIO Ricardo Luis Alves Tecnólogo em Controle Ambiental (UNICAMP), Engº. Ambiental (USM),

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PERIGOSOS NO PÓLO PETROQUÍMICO DE CAMAÇARI - BA

EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PERIGOSOS NO PÓLO PETROQUÍMICO DE CAMAÇARI - BA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PERIGOSOS NO PÓLO PETROQUÍMICO DE CAMAÇARI - BA José Artur Lemos Passos Engenheiro Sanitarista e Ambiental pela Universidade Federal da Bahia. Especialista em Gerenciamento

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos

CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos Profa. Dra. Andréa Sell Dyminski, asdymi@ufpr.br Referência Bibliográfica Básica: Manual de Gerenciamento Integrado de resíduos sólidos / José Henrique Penido

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Disciplina: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Viviane Japiassú Viana GERENCIAMENTO PARTE 4. Disposição final de resíduos sólidos

Disciplina: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Viviane Japiassú Viana GERENCIAMENTO PARTE 4. Disposição final de resíduos sólidos GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOSS PARTE 4 Disposição final de resíduos sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Disposição final De acordo com a Resolução CONAMA 358/05, disposição final de

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos aterros sanitários nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Resumo Convênio FEALQ - Ministério do Meio Ambiente (Início

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SUAS IMPLICAÇÕES PARA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

IMPACTOS AMBIENTAIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SUAS IMPLICAÇÕES PARA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL JUCELEINE KLANOVICZ IMPACTOS AMBIENTAIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS E SUAS IMPLICAÇÕES PARA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS SÃO DOMINGOS DO

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Disciplina: Sociedade, Meio Ambiente e Cidadania

Disciplina: Sociedade, Meio Ambiente e Cidadania Armazenamento de lixo urbano em Lixões e Aterros Sanitários: Contaminação do solo, proliferação de macro e micro vetores e contaminação do lençol freático Disciplina: Sociedade, Meio Ambiente e Cidadania

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe foram conferidas pela Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SEMINÁRIO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SEMINÁRIO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SEMINÁRIO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gestão Contemporânea da Limpeza Urbana: A busca da sustentabilidade ambiental e econômica com responsabilidade

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO 17ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO 17ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ESPECIALIZADA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE CUIABÁ-MT. Autos da Ação de Execução de Obrigação de Fazer e de Não Fazer n. 207-18.2010.811.0082 (10375) Exequente:

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS

QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS QUESTÕES TÉCNICAS PARA SUSTENTABILIDADE DE ATERROS SANITÁRIOS *HyORJR0V& *,/)(51$1'2%8(1232/,'252 -XQKR SUSTENTABILIDADE SUSTENTADO = EQUILIBRADO SUSTENTÁVEL Capacidade de satisfazer as nossas necessidades hoje, sem comprometer a capacidade das pessoas satisfazerem

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN Allyson Leandro Bezerra Silva (*), Paulo Alexandre da Rocha Morais. * UFERSA, Universidade Federal Rural do Semi-Árido Campus

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-101 - FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO DE ATERRO SANITÁRIO E ESTIMATIVA

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN Fernanda Gracielly Santos da Silva (*), Joel Medeiros Bezerra2 *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Rotina de operação do aterro Descarga do lixo O caminhão deve depositar o lixo na frente de serviço mediante presença do fiscal, para controle

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - Profa. DSc. Aline Sarmento Procópio Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental aline.procopio@ufjf.edu.br Gestão dos Resíduos

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Critérios de Locação de Aterros

Critérios de Locação de Aterros Critérios de Locação de Aterros Conceitos Principais RSU: Classe II Resíduos Industriais: Normalmente Classe III Aterros projetados seguindo as mesmas premissas, de conter e confinar os resíduos, diferindo

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria²

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² 434 SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE INDIANA-SP Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais