Passo 1: Definição do tipo de crédito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Passo 1: Definição do tipo de crédito"

Transcrição

1 Manual Cm avaliar risc de crédit de um cliente Índice Intrduçã O que é risc de crédit? Pass 1: Definiçã d tip de crédit Pass 2: Cm elabrar uma ficha de crédit Pass 3: Métds para avaliar risc de crédit Pass 4: Cm elabrar uma prpsta de crédit Intrduçã O risc de crédit é alg que está presente n ctidian de qualquer empresa, seja uma empresa da área financeira, seja uma empresa de serviçs, cmercial u industrial. N entant, tend em cnta negóci u a área de atividade em que se inserem, as empresas prcedem as análises mais u mens elabradas d risc de crédit ds seus clientes. Desde estabeleciment cmercial de venda a públic que habitualmente nã prcede a qualquer análise, até às instituições financeiras que prcedem a análises bastante exaustivas, existe uma infinidade de cass. O que é risc de crédit? A cncessã de crédit traduz-se na dispnibilidade de um valr presente mediante uma prmessa de pagament desse mesm valr n futur, que pressupõe a cnfiança na slvabilidade d devedr, ist é, de que mesm irá hnrar s seus cmprmisss nas datas acrdadas previamente. Pr utras palavras, risc de crédit é risc de perda em que se incrre quand há incapacidade de uma cntrapartida numa peraçã de cncessã de crédit. Este risc está intimamente relacinad cm fatres interns e externs à empresa que pdem prejudicar pagament d mntante de crédit cncedid, cm irems ver adiante. Para determinar risc de crédit de um cliente cm mair u menr exatidã, pde prceder-se a avaliações d risc. Estas avaliações pdem ser mais u mens detalhadas e cuidadas de acrd cm a atividade em questã e pes d crédit cncedid n ttal d faturament da empresa. Pass 1: Definiçã d tip de crédit O risc de crédit ds clientes varia, cnsante tip de cliente, tip de prduts e serviçs ferecids, mntante em causa e tip de entidade que cncede crédit. Em terms gerais, há três tips de crédit: que é cncedid pr empresas cmerciais, nas vendas a públic e a empresas, e que é cncedid pr instituições financeiras a particulares e a empresas. Venda a públic Em pequenas e médias empresas, risc de crédit é avaliad cm base na cnfiança que se gera entre cliente e a empresa e históric de crédit d cliente. A análise da capacidade de pagament da dívida é muit superficial, cnseqüentemente, risc de crédit é agravad. Nas empresas de mair prte, sã criadas linhas de crédit especiais, nrmalmente em parceria cm instituições financeiras u cm entidades especializadas na cncessã de crédit. Neste cas, é a entidade respnsável pel crédit que avalia risc d cliente, pedind-lhe uma série de infrmações (nmeadamente a última declaraçã de IRPF e um dcument cmprvaçã de endereç, entre utrs dads pessais e prfissinais) para elabrar uma ficha de crédit (cuja estrutura é descrita abaix), que servirá de base para a análise.

2 Em qualquer um ds cass anterires, s prazs médis de pagament sã, nrmalmente, reduzids. Venda a empresas Neste cas, a avaliaçã d risc de crédit tem, à partida, um mair númer de indicadres - demnstrações financeiras, históric de crédit da empresa, infrmações reclhidas pels própris vendedres junt a cliente, ntícias publicadas pela imprensa de negócis, etc. -, mas s mntantes envlvids também sã superires. Os prazs médis de pagament sã mais elástics d que s praticads na venda a crédit a particulares; estes prazs sã reduzids ns cass em que risc de crédit é mair e, nrmalmente, para encmendas de menr mntante. Crédit cncedid pr instituições financeiras As instituições financeiras fazem uma análise exaustiva para avaliarem risc de crédit ds clientes, quer sejam empresas, quer sejam particulares, e têm prduts de crédit diferenciads para cada um destes segments de clientes. Para s particulares têm, pr exempl, linhas de crédit à habitaçã, de crédit pessal, etc.; e para empresas têm linhas de crédit para aquisiçã de equipament, prduts de financiament à explraçã e de api a investiment, entre muits utrs. N cas da cncessã de crédit a particulares, risc de crédit é avaliad cm base numa ficha de crédit. Quand se trata de clientes cm um risc de crédit mais elevad, devid, pr exempl, a baix nível de rendiments, esse risc é reduzid pela existência de um (u mais) fiadr(es) u de utras garantias de pagament, pr exempl, bens que estejam n nme d titular. Quand cliente é uma empresa, e dad que s mntantes de crédit sã nrmalmente superires as ds particulares, a análise d risc de crédit é ainda mais aprfundada. A instituiçã de crédit avalia risc de crédit também cm base numa ficha de crédit, mas cncebida especialmente para empresas, que inclui infrmações relevantes cm as demnstrações financeiras, s relatóris financeirs, históric de crédit, etc. Pass 2: Cm elabrar uma ficha de crédit A classificaçã e avaliaçã d risc de crédit de um cliente é nrmalmente resumida numa ficha de crédit, que cntém as infrmações que permitirã elabrar a emissã de um parecer sbre uma peraçã de crédit. Estas infrmações estã nrmalmente incluídas ns seguintes parâmetrs de avaliaçã: Históric d cliente: é nrmalmente primeir fatr de seleçã ds clientes. Revela a intençã/capacidade dele pagar u nã s cmprmisss assumids. O indicadr mais óbvi da prbabilidade d cliente vir a pagar as suas dívidas é se pagu pntualmente n passad. A pntualidade d cliente n pagament das suas brigações é um fatr relevante para apurar seu caráter, pdend ser identificada através d recurs a registrs interns d banc u infrmações cmerciais e bancárias. Pde haver cass em que atras n pagament nã signifique que indivídu u empresa nã tivesse a intençã de saldar as suas dívidas. Muitas vezes a pessa que tma empréstim u financiament nã tem simplesmente a habilidade necessária para gerir seu negóci u as suas finanças, endividand-se excessivamente. Capacidade de gestã: é a capacidade d tmadr de crédit para gerir seu negóci, a fim de gerar lucr e pagar as suas brigações, hnrand s seus cmprmisss. Dit pr utras palavras, capacidade significa ptencial d cliente para saldar s crédits recebids. Na capacidade dever-se-á ter em cnta nã só a capacidade de pagament, mas também a cmpetência, a cmpetitividade e s aspects técnics d negóci a ser financiad, valr, a rigem, a previsã de recebiment ds valres, entre utrs fatres. Valr d patrimôni: está relacinada cm a saúde financeira d cliente n que diz respeit a seu patrimôni líquid dispnível para saldar as suas brigações. Também é imprtante neste fatr a rigem ds recurss dispníveis d cliente. Muitas vezes, um critéri imprtante para avaliar este fatr é a dimensã d capital scial da empresa, u seja, a dimensã ds capitais que s sócis u acinistas investiram na empresa. Garantias de crédit: sã uma frma de segurança de pagament d crédit que fi slicitad. Sã nrmalmente ativs cmplementares que tmadr d crédit apresenta cm garantias. Estas têm de ser muit bem selecinadas e têm regularmente de representar valres iguais u superires as mntantes emprestads, para que n cas de inslvência ativ seja utilizad para pagar a peraçã de crédit. Para a avaliaçã das garantias reais dever-se-ã ter em cnta a liquidez, a depreciabilidade, a capacidade de cmercializaçã, a lcalizaçã, s custs de manutençã e as despesas de venda d bem. Envlvente cntextual: fatres ecnômics e setriais que pdem aumentar u diminuir risc d

3 cliente. Nrmalmente, sã cmpsts pela plítica gvernamental, a cnjuntura internacinal, a cncrrência, fatres reginais e events naturais. Pass 3: Métds para avaliar risc de crédit A avaliaçã d risc de crédit é reflex da multiplicidade, qualidade e rigem das infrmações dispníveis para analista d crédit. A análise e administraçã d risc baseiam-se n prcessament das infrmações sbre prpnente de crédit. Há váris métds de análise e avaliaçã d risc de crédit. Eis s mais cmuns. Métd de análise da ficha de crédit É métd mais simples de avaliaçã d risc de crédit. Cnsiste na atribuiçã de valres as parâmetrs anterires - e as inúmers fatres que cada um destes inclui - para emitir um parecer sbre determinada peraçã de cncessã de crédit. A cada fatr emite-se um valr subjetiv - "psitiv" u "negativ". Se, n final, númer de fatres cm classificações psitivas fr superir a ds negativs, entã parecer tenderá a ser favrável à cncessã de crédit. Sã váris s fatres a ter em cnta na análise de crédit. Os indicadres incluíds ns parâmetrs Histórics d cliente e "capacidade de gestã" (já referids) sã ds mais imprtantes, pis dã-ns uma ideia muit cncreta d prvável cmprtament d cliente. Analisand seu passad, irems prever seu cmprtament futur, prcurand só cnceder crédit a quem demnstre maires e melhres hipóteses para hnrar s seus cmprmisss. É pssível representar risc de crédit de um cliente pr mei de equações cm as seguintes: Risc de crédit = Históric d cliente + Capacidade de gestã + Valr d patrimnial + Garantias de crédit + Envlvente cntextual Históric d cliente = Pntualidade n pagament das dívidas + Fatres restritivs (infrmações negativas dadas pr um banc de quem é cliente, pr exempl) + Identificaçã (idade, estad civil, fntes de rendiment, se vive em casa própria, há quant temp mudu de residência, se tem empreg fix, etc.) Capacidade de gestã = Análise das demnstrações financeiras + Cálcul de liquidez, de slvabilidade e de rentabilidade (ver glssári). Valr d patrimôni = Cmprvaçã d valr das existências em estque (n cas de ser uma empresa) u cmprvaçã d valr patrimnial ds bens (se fr um particular) + Valr de mercad (só se cliente fr uma empresa; é valr a que capital da empresa seria vendid em determinad mment). Garantias de crédit = Liquidez (capacidade de cliente pagar as suas dívidas) + Valr de mercad (quand cliente é uma empresa) + Crreta frmalizaçã d cntrat (as cláusulas d cntrat pdem exigir determinadas garantias de pagament das dívidas, pr exempl, a existência de um fiadr u avalista) Risc cntextual = É uma análise puramente qualitativa das cndições d mercad que a empresa nã pde cntrlar, mas que influenciam risc de crédit. Métd d credit scring É um tip de análise utilizad para a avaliaçã da qualidade de crédit de clientes, sejam pessas físicas u jurídicas. Através da pnderaçã de váris fatres - idade, prfissã, renda, atividade prfissinal, patrimôni, tip de residência, etc. -, classifica s clientes em duas categrias: Bns pagadres - s que, ptencialmente, têm cndições para hnrar as brigações empréstim btid. Maus pagadres - s que, ptencialmente, nã reúnem as cndições para cumprir as brigações d crédit. Este tip de análise é muit utilizad para a avaliaçã de crédit de cmpradres de bens duráveis (pr exempl, autmóveis), clientes de crédit pessal e para atribuir limite de crédit as clientes.

4 Este sistema dependerá da qualidade ds dads reclhids e da inteligência d seu inter-relacinament. Para a cnstruçã de um sistema de credit scring é precis prcessar uma quantidade de dads muit significativa, que nem tdas as empresas, nmeadamente as de pequena e média dimensã, cnseguirã fazer. Há empresas, nmeadamente financeiras, que prcedem habitualmente a análises estatísticas para avaliar risc. Estas análises facilitam, pr um lad, a cmpreensã e explraçã d risc d cliente, pr utr lad, criam estimativas precisas das prbabilidades ds crédits serem pags definind um critéri que visa a maximizaçã das receitas e a minimizaçã das perdas, frnecend uma base estatística satisfatória para cmprvaçã das decisões. De referir ainda que esta análise pderá ser efetuada sbre uma base histórica (exame de cass passads de crédits prblemátics para dela extrair variáveis) u sbre dads crrentes (cnstruçã aleatória). Métd d risk rating Trata-se de uma metdlgia que avalia uma série de fatres, atribuind uma nta a cada um deles e, psterirmente, uma nta final a cnjunt destes fatres analisads. Cm base nesta nta final é atribuíd um risk rating, u seja, uma classificaçã para risc, que determina valr (risc de crédit) que a instituiçã financeira dará a tmadr d crédit. Pdem ser utilizadas escalas de 1 a 10, de 1 a 4, de A a E, cmbinações de letras e númers, etc. O ideal é que sistema seja eficiente e permita prever quais seriam s crédits cm mair prbabilidade de risc. A grande vantagem deste tip de análise é de que dá acess às decisões de crédit pr pessas que nã sejam especialistas na matéria da avaliaçã de riscs e crédits. Além diss, permite uma utilizaçã pr empresas que trabalham cm prduts de crédit em massa (pr exempl, empresas financeiras, empresas de cartã de crédit e bancs de investiment, entre utrs) e que precisam de velcidade para prcessament de grandes quantidades de prpstas num interval mínim de temp. Pass 4: Cm elabrar uma prpsta de crédit Uma vez avaliad risc e emitid um parecer favrável em relaçã à cncessã de crédit, deve ser elabrada uma prpsta de crédit. Esta inclui: A definiçã da frma cm a peraçã fi realizada; O nme de quem autrizu a peraçã; Os dads pessais d tmadr d crédit e d avalista (cas exista); A descriçã da peraçã: valr, praz, frma de pagament, garantias, etc. As cnclusões das análises realizadas, nmeadamente a descriçã ds resultads das pesquisas realizadas para a emissã d parecer. A prpsta de crédit deverá ser elabrada tend sempre em cnta a plítica de crédit, que nrteia as tmadas de decisã em relaçã a crédit. Nela deve estar definida tip de crédit que a empresa deve cnceder as seus clientes bem cm s resultads que se pretendem alcançar cm estas perações. Para ser bem sucedida, a plítica de crédit deverá ter em atençã s seguintes aspects: Legislaçã e nrmas legais: as empresas devem estar atentas à legislaçã vigente para que nã incrram em riscs desnecessáris. (Ex. Códig de defesa d cnsumidr) Psicinament estratégic da empresa: definiçã d públic alv (pessas físicas e/u jurídicas), da área gegráfica de atuaçã, quais s prduts que vai perar (leasing, pr exempl) e em que mercads vai atuar. Resultads que a empresa deseja atingir: quant é que a empresa espera ter cm resultad? Quais s bjetivs de negóci? Pessas cm bjetivs mais agressivs tendem a adaptar uma plítica de crédit cm mais dispsiçã para a tmada de risc. Assim, pdems cncluir que nível de expsiçã a risc mais resultad u retrn esperad é que irá determinar a plítica de crédit. Pderes de decisã: definiçã de quem e cm será feita a cncessã de crédit. Ficha de crédit - É um dcument que cntém as infrmações que permitirã emitir um parecer sbre a

5 peraçã de crédit. Serve de pnt de partida para uma análise de crédit mais aprfundada. Deve ser um instrument bjetiv e útil e de preenchiment rápid e simples. Pde u nã incluir uma prpsta de crédit, mas tem que ter em cnta as necessidades específicas da empresa/instituiçã. Tmadr d crédit - A pessa u entidade que cntrai a dívida e que assume a brigaçã de a pagar, mediante as cndições acrdadas previamente cm a entidade que cncedeu financiament. Liquidez - Sã indicadres financeirs que dã uma idéia da capacidade de uma empresa satisfazer s seus cmprmisss de curt praz. O índice mais utilizad é liquidez imediata, calculad pela divisã entre ativ circulante e passiv de circulante. Slvabilidade - Sã indicadres da extensã em que a empresa se financiu cm capitais própris u alheis, que permitem avaliar grau de inslvência a lng praz em que a empresa incrre. O Índice mais cmum é: Índice de slvabilidade = Ativ ttal / Passiv ttal. Rentabilidade - Indicam grau de eficiência cm que a empresa utilizu s recurss à sua dispsiçã. Os três principais índices utilizads sã: Rentabilidade das vendas = Resultads líquids/vendas; Rentabilidade ds capitais própris = Resultad líquid/capitais própris; rentabilidade d investiment = Resultad líquid/ativ Bibligrafia Silva, Jsé Pereira da; Gestã e Análise de Risc de Crédit; Editra Atlas, Berni, Maur Tadeu; Operaçã e Cncessã de Crédit: Os Parâmetrs para a Decisã de Crédit; Editra Atlas, Brealey, Richard; Myers, Stewart; Princípis de Finanças Empresariais, McGraw Hill. Adaptad Prtal Executiv Acerplan treinament e Aperfeiçament Prfissinal

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

Passo 1: Descrição do plano de negócios

Passo 1: Descrição do plano de negócios Manual Cm fazer um plan de negócis Índice Intrduçã Pass 1: Descriçã d plan de negócis Pass 2: Abrdagem d mercad Pass 3: Investiments e financiament Pass 4: Cnta de explraçã prvisinal Pass 5: Orçament prvisinal

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Mais segurança para sua empresa conceder crédito a consumidores.

Mais segurança para sua empresa conceder crédito a consumidores. 909 SCPC/SERVIÇO E PROTEÇÃO (SCPC) Mais segurança para sua empresa cnceder crédit a cnsumidres. O SCPC frnece infrmações restritivas de td Brasil para auxiliar a sua empresa a avaliar cnsumidres e realizar

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs sb númer únic de matrícula e de pessa clectiva 503 219 886 COMUNICADO Resultads

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer?

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer? WORKSHOP 1 Critéris ambientais e sciais na cntrataçã: Cm fazer? Paula Trindade Investigadra LNEG Crdenadra Building SPP Helena Esteván EcInstitut Tratad da Uniã Eurpeia Princípis: Livre mviment de bens

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 ESTRATÉGIA DESEGMENTAÇÃO ESTRATÉGIA DE SEGMENTAÇÃO Estrutura segmentada vltada a estratégia

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Então o que vem a ser Fluxo de Caixa?

Então o que vem a ser Fluxo de Caixa? FLUXO DE CAIXA É muit freqüente, n ambiente d SEBRAE, empresári chegar cm muitas dúvidas sbre as finanças da empresa. E finanças, cm sabems, é fundamental para a sustentaçã um negóci, tant para a sua sbrevivência

Leia mais

MONITORIA & AVALIAÇÃO:

MONITORIA & AVALIAÇÃO: MONITORIA & AVALIAÇÃO: Os fundaments para bter resultads Bénédicte de la Briere O Banc Mundial Os bjetivs desta sessã 1 2 3 4 5 Prquê cncentrar-se ns resultads Mnitria u Avaliaçã Utilizar uma cadeia de

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

o CUSTO DO FINANCIAMENTO

o CUSTO DO FINANCIAMENTO CUSTO DO FINANCIAMENTO DAS VENDAS A PRESTACOES NO BRASIL POLIA LERNER HAMBURGER JORGE WILSON SIMIERA JACOB "A dispnibilidade de vendas a prestaçã tem ajudad a cmpensar, de certa frma" as desigul"a.ldades

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

Eventos Extras - Descontos PP - Contestação PP - Faturas Avulsas - Eventos Programados FP x PEONA 12.1.5. maio de 2015. Versão 1.0

Eventos Extras - Descontos PP - Contestação PP - Faturas Avulsas - Eventos Programados FP x PEONA 12.1.5. maio de 2015. Versão 1.0 Events Extras - Descnts PP - Cntestaçã PP - Faturas Avulsas - Events Prgramads FP x PEONA 12.1.5 mai de 2015 Versã 1.0 1 Sumári 1 Intrduçã... 3 2 Seleçã de Dads... 4 2 1 Intrduçã Emitir n relatóri d PEONA,

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL Prf. Glauce Almeida Figueira EMENTA AULA TÓPICOS 31/08 Intrduçã a Cntabilidade de Custs ; Terminlgia Cntábil; Tips de Custei;

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.2 PRODUÇÃO INTEGRADA Enquadrament Regulamentar Artig 28.º Agrambiente e clima d Regulament (UE)

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais