EDUCADORA DE CRECHE: IDENTIDADE E FORMAÇÃO. Este artigo é resultado de uma monografia apresentada ao Curso de Pedagogia. Neste

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCADORA DE CRECHE: IDENTIDADE E FORMAÇÃO. Este artigo é resultado de uma monografia apresentada ao Curso de Pedagogia. Neste"

Transcrição

1 1 EDUCADORA DE CRECHE: IDENTIDADE E FORMAÇÃO MONTEIRO, Ana Maria Gutierrez 1 RONDON, Gislei Amorim de Souza 2 RESUMO Este artigo é resultado de uma monografia apresentada ao Curso de Pedagogia. Neste sentido, o estudo, teve-se como objetivo caracterizar os sentidos que educadoras de uma creche municipal atribuem a sua prática profissional. Para a realização do estudo, optouse por uma abordagem de cunho qualitativo e quantitativo, um estudo de caso. Os resultados demonstraram que a formação das profissionais investigadas ainda não é adequada para atuar na educação infantil e que o saber fazer e os sentidos que as mesmas dão a sua profissão, estão ligados as suas experiências adquiridas no cotidiano da creche. Palavras-chave: Educadores, Identidade, Formação. ABSTRACT This article is the result of a thesis submitted to the Pedagogy Course. In this sense, the study had as objective to characterize the way that municipal daycare center attribute their professional practice. To conduct the study, we chose a qualitative approach and quantitative, a case study. The results showed that the formation of professional investigation is still not suitable for work in early childhood education and the knowhow and the directions that they give to their profession, are connected to their everyday experiences in the nursery. 1 Aluna egressa do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Matogrossenses de Ciências Sociais e Humanas, Cuiabá, MT. 2 Professora das Faculdades Integradas Matogrossenses de Ciências sociais e Humanas, Cuiabá, MT.

2 2 Keywords: Educators, Identity Formation. INTRODUÇÃO A presente pesquisa se constituiu em uma creche da rede pública na cidade de Cuiabá, onde se buscou evidenciar a formação das profissionais e como são construídas suas identidades em relação ao campo de trabalho e principalmente em relação às crianças inseridas neste contexto. Durante muito tempo a educação infantil foi vista como algo nada além do que cuidar, deixando a desejar na questão de profissionais qualificados para atuar no processo de desenvolvimento integral das crianças presentes no ambiente infantil. É certo que a formação do educador aprendiz é inegavelmente necessária para consagrar e valorizar o fazer docente na educação infantil, ou seja, não basta apenas saber cuidar, tem que possuir múltiplas facetas, aprimorar sua experiência e a partir desta, romper barreiras aparentemente impossíveis. Pois o caminho a ser seguido nesta modalidade tem prioridades e somente o educador ciente da vulnerabilidade da criança pequena saberá intervir perante as mudanças e dificuldades que conseqüentemente irão surgir durante esta convivência. IDENTIDADE E FORMAÇÃO: O EDUCADOR PESQUISADOR, OBSERVADOR E INDAGADOR DAS ESPECIFICIDADES DA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudos recentes demonstram que a formação de professores para a educação infantil tem uma história bastante familiar com o reconhecimento desta modalidade de ensino, pois, tanto o educador, quanto a educação infantil, foram e são alvos de inúmeras discussões entre autores reconhecidos e palestrantes em diferentes congressos pelo mundo a fora. Registra-se ainda que grandes transformações aconteceram a partir das conquistas alcançadas pela Constituição de 1988 (que reconheceu a criança como cidadão de direitos) e pela LDB 9394/96 (que reconhece os profissionais da educação infantil como docentes).

3 3 A respeito disso merece destacar: A Lei de Diretrizes e bases 9.394/96 dá estatuto legal ao estabelecimento sobre a educação infantil na constituição de A partir da LDB a educação infantil e a formação dos profissionais passam a ser pensadas no âmbito da educação básica. A pressão e a luta dos movimentos sociais e dos educadores colaboraram para que algumas das propostas iniciais fossem contempladas pela nova LDB 9394/96, dentre elas as que tratam dos profissionais da educação infantil como docentes, dando inicio a uma nova fase (BONETTI, 2005, p.147). Entretanto, apesar de tudo, ainda hoje, a identidade 3 e formação do profissional atuante da educação infantil passam por questionamentos a cerca da qualificação e caracterização de um trabalho promissor e participativo no que diz respeito às especificidades da primeira etapa da educação básica. Isto deixa evidente, a relevância que o profissional desta área tem para a futura geração humana. Dessa forma, entende-se por identidade os atributos adquiridos pelo profissional ao longo da sua jornada de trabalho, ou seja, competências e habilidades contempladas com a coletividade em todos os sentidos, tudo aquilo que é vivenciado dia-a-dia com o fazer da sua profissão. Neste sentido, o educador infantil, tem sua identidade construída dia após dia, seja nas leituras teóricas, nas reuniões de professores, na elaboração de um planejamento ou no contato com os pequenos. Tudo que envolve o trabalho docente produz identidade e conseqüentemente fortalece a formação continuada desta categoria. Fulanetto destaca a identidade como fator experimental do sujeito em construção: a percepção da identidade como fixa e contínua cede espaço para uma nova concepção de sujeito com uma identidade inacabada, fragmentada, aberta e contraditória (2007, p.14). Percebe-se na fala da autora que não podemos falar em uma identidade comum e acabada a todos educadores da infância, pois esta depende de vários aspectos como experiências, conhecimentos e percepções construídos ao longo de sua prática. Sendo assim, é inegável que o educador da infância deve demonstrar características diferentes do educador dos anos iniciais (ensino fundamental). Pois, a 3 Segundo o minidicionário Luft (2000) o verbete identidade significa conjunto de caracteres que fazem reconhecer um indivíduo

4 4 partir do momento em que tem o contato com os primeiros anos da criança, automaticamente ele já se destaca nos princípios de desenvolver as dimensões de um ser particularmente vulnerável ao mundo que se encontra inserido. Assim Bonetti (2005), contribui ao destacar que o desenvolvimento das crianças é entendido como uma das finalidades da Educação Infantil (EI), devendo esta propiciar condições para que as crianças possam realizar construir, criar, recriar suas possibilidades como sujeitos. Além do mais a educação da criança pequena propicia sua especificidade na integração do cuidar e do educar, onde não é válido seguir um parâmetro disciplinar e rigoroso a um corpo em adaptação, necessitado de atenção, compreensão, carinho e dedicação durante o seu desabrochar. Conforme sustenta Kishimoto: O poder constituído dos campos disciplinares tem efeitos catastróficos, por exemplo, na formulação de currículos para a educação infantil. A criança pequena aprende em contato com o amplo ambiente educativo que a cerca, que não pode ser organizado de forma disciplinar. A linguagem é desenvolvida em situações do cotidiano, quando a criança desenha, pinta ou observa uma flor, assiste a um vídeo, brinca de faz-deconta, manipula um brinquedo, explora areia, coleciona pedrinhas, sementes, conversa com amigos ou com seu professor (2008, p.108). A autora destaca a importância da organização de espaços e práticas voltadas para as especificidades das crianças pequenas ao destacar que o ambiente organizado de forma rígida, onde a criança não tem liberdade para expressar-se, brincar, traz conseqüências catastróficas e o mesmo vale para a organização dos currículos que não atendem a necessidade das crianças. Assinala ainda a autora que o educador das crianças pequenas deve ser um facilitador, e, tem que revigorar a sua prática no decorrer da sua experiência com o grupo de crianças que está se comunicando, pois ciente da sua incompletude poderá descobrir caminhos verdadeiramente originais e transformadores de culturas estagnadas em um contexto contemporâneo. Rezende apud Furlanetto (2007, p.22) salienta: O conceito sem experiência é vazio, seriam palavras, palavras e mais palavras, assim como uma experiência não nomeada, não conceitualizada, não possibilita a apropriação. A aprendizagem, por sua vez, está profundamente relacionada ao crescimento, não existe possibilidade de

5 5 crescer sem aprender. Para aprender não basta só olhar, mas, ver; não basta só ouvir, mas, escutar. Para que o olhar possa transformar-se em ver e o ouvir em escutar, o intervalo estabelecido entre eles necessita ser preenchido pela nomeação possibilitada pelo pensamento. Conseqüentemente, não basta também só fazer, mas, pensar o que se faz e sobre o que se faz. Quando exercitamos nossa capacidade de pensar, deslocamo-nos do patamar da atuação para o da ação. Segundo o autor a experiência é primordial para a construção de conhecimentos pelo educador, e a sua pratica deve ser reflexiva, ou seja, embasada na ação x reflexão x ação. Logo constatamos que a formação do educador é um fator de grande preocupação no que diz respeito a apresentar grau representativo de conhecimento e preparação para contemplar a aprendizagem das futuras gerações e preencher lacunas que surgirão durante o exercício em sala de aula. O professor aprendiz tem a incumbência de aliar-se fielmente ao seu estado inacabado, tomando atitudes inovadoras para romper barreiras inesperadas e fortalecer a sua bagagem de conceitos, gerando neste segmento o reconhecimento do seu trabalho. Como afirma Alarcão, criar, estruturar e dinamizar situações de aprendizagem e estimular a aprendizagem e a auto-confiança nas capacidades individuais para aprender são competências que o professor de hoje tem de desenvolver (2003, p.30). Desta forma, deve-se pensar no profissional da educação como um apreciador do seu oficio, onde a auto-avaliação esteja em constante sintonia com a sua prática docente, para que possa refletir sobre seus conceitos e decisões no ambiente de trabalho, sendo humilde e perspicaz no momento em que esteja vivenciando situações indagadoras. Para que isso aconteça Furlanetto relata a seguinte posição: refletir não é um exercício linear, envolve além da razão a nossa emoção; articula conteúdos inconscientes, criativos e defensivos que ora nos possibilitam, ora nos dificultam os movimentos de ampliação da consciência (2007, p.23). Pode-se destacar que o sucesso do educador na sua formação e na sua identidade, está atrelado ao seu interior, onde o que se busca é a satisfação permanente do seu eu, pois o ser humano precisa estar recheado de artifícios que o façam brilharem e permanecer vivo para continuar buscando e exercitando a sua mente desafiadora. E é neste sentido que o interlocutor do conhecimento cultivará sua profissão, buscando

6 6 incessantemente as chaves que abrirão a porta do alvorecer, da realidade, do novo, do exemplo e da dignidade que o seu trabalho lhe permite experimentar. Acredita-se que no contato com a criança pequena, alguns princípios são imprescindíveis para estabelecer uma prática participativa e eficaz no desenvolvimento integral desses sujeitos tão empíricos, famintos de experiência e aventura. Entre estes princípios destacam-se as seguintes facetas: comprometimento, condicionamento, ética, respeito, diálogo, bom senso, humildade, curiosidade e acima de tudo o ato da pesquisa, pois é neste ponto que grandes mudanças ocorrem em relação a certas concepções preestabelecidas pela sociedade. Nesta perspectiva, Freire articula as seguintes palavras: Não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino. Enquanto ensino contínuo buscando, reprocurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para constatar, constatando, intervenho, intervindo educo e me educo. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade (1996, p. 29). A educação dos pequenos e pequenas é um caminho que exige do facilitador deixar transparecer e aflorar seus sentimentos e emoções, pois a criança é completamente sensível aos tratamentos que lhes são oferecidos. Tudo que está voltado para o lado infantil, é simples, cativador, inofensivo e conquistador. Para tanto, sustenta-se a necessidade do educador ter bem claro, que está lidando com seres ativos e protagonistas do seu próprio conhecimento, sendo que nesta viagem de interações e descobertas, as culturas se entrelaçam e se transformam em comunhão gerada entre professor e aluno. Nesta direção, Faria apud Filho escreve que: A criança não só aprende e consome a cultura do seu tempo, como também produz cultura, seja a cultura infantil de sua classe, seja reconstruindo a cultura à qual tem acesso. O fato da criança não falar, ou não escrever, ou não saber fazer as coisas que os adultos fazem transformam-na em produtora de uma cultura infantil, justamente através dessas especificidades. A ausência, a incoerência e a precariedade características da infância, em vez de serem falta, incompletude, são exatamente a infância (2005, p.19). É central nestes conceitos que, os fazeres que articulam está realidade é essencialmente orientador do conjunto de adereços julgados importantes na conquista de

7 7 uma identidade própria do ser criança, sendo esta singular em cada indivíduo que transforma, organiza, reorganiza e da originalidade ao espaço que ocupa na sociedade. Na concepção de Filho A. M., a criança exerce o papel de ator principal da sua aprendizagem, dando um novo olhar ao ambiente caracterizado por outras histórias: Pois se é importante à criança conhecer e integrar valores, normas e condutas da sociedade em que está inserida, é também necessário que se reconheça que esse conhecimento e integração são reconstruídos por ela mesma, ultrapassando as meras dimensões de inculturação e reprodução, que historicamente lhes tem sido atribuídas (2005, p.24). A prática que envolve esse mundo tão peculiar chama a atenção para que a relação professor/aluno ultrapasse o método da passividade, dando lugar ao dinamismo, a parceria e a formação mútua dos personagens. Fica a cargo do interlocutor do saber incrementar essa convivência, incentivando e respeitando em todos os sentidos o vasto repertório de especificidades desmembradas por cada criança. No mesmo momento em que se pensa nas especificidades da educação infantil, como ponto de partida para uma prática consciente das necessidades de cada pequeno aprendiz, também se pensa no profissional com uma identidade exemplar, que não só caracterize seu trabalho, mas principalmente que caracterize o seu eu. Esse eu, pode-se permitir destacar como o modo de pensar e agir deste ser em constante evolução, deixando-se moldar por meio de novas atitudes docentes, que querendo ou não trarão frutos imprescindíveis para uma identidade plural e autêntica. Perante este contexto Libâneo (2009) colabora com pontos altamente significativos para que o educador modifique e incremente sua ação docente de acordo com a realidade contemporânea. O autor destaca que a identidade do professor é algo que necessita de ousadia, pois exige mudança e rompimento. Segundo o autor, na medida em que o mundo se transforma, as pessoas também se transformam, deixando para traz paradigmas que não servem mais para o atual momento, neste sentido o educador tem em mãos duas chaves: a chave do sucesso e a chave do fracasso, podendo assim traçar o seu perfil. Ainda argumenta o autor que de um modo geral, o fator primordial e norteador da prática docente é a busca incansável pelo conhecimento, trazendo este um direcionamento para o exercício desta profissão. Entretanto, o professor tem que estar aberto e demonstrar capacidade de compactuar com o seu aprimoramento, fazendo deste

8 8 consagrador de atributos como competência, habilidades e saberes geradores de novos caminhos a serem percorridos. Neste sentido Alarcão contextualiza o seguinte ponto de vista: São hoje muitas as competências desejadas que assentam num conjunto de capacidades. Valoriza-se a curiosidade intelectual, a capacidade de utilizar e recriar o conhecimento, de questionar e indagar, de ter um pensamento próprio, de desenvolver mecanismos de auto-aprendizagem. Mas também a capacidade de gerir a sua vida individual e em grupo, de se adaptar sem deixar de ter a sua própria identidade, de se sentir responsável pelo seu desenvolvimento constante, de lidar com situações que fujam à rotina, de decidir e assumir responsabilidades, de resolver problemas, de trabalhar em colaboração, de aceitar os outros (2003, p.24). Assinala ainda que a veracidade da ação docente está nos pequenos atos, onde o recheio está na capacidade de interagir com o mundo e com o emaranhado de situações que ele proporciona. As pessoas que nele habitam têm uma bagagem imensa de sonhos, realidades, fantasias, cada qual em uma fase da vida, seja ela na infância, na juventude ou na vida adulta. Assim, o educador tem que mergulhar no mundo dos seus alunos, onde cada um tem uma história, uma realidade, uma cultura diferente, onde cada um tem seu jeito singular de apreciar as coisas da vida e no momento em que está em processo de aprendizagem não é diferente. Nota-se que o facilitador nada mais é do que um aluno evoluído, na qual tem a profissão de compartilhar o conhecimento adquirido com pessoas pouco desenvolvidas intelectualmente, mas que acima de tudo contribui significativamente para o novo horizonte a ser conquistado. Enfim, para se pensar no profissional com uma identidade e formação voltada para educação infantil, nada mais justo do que pensar na profissionalização deste docente, pois as especificidades que abrangem esta modalidade de ensino estão voltadas não somente para o reconhecimento e respeito à vulnerabilidade de cada criança, mas principalmente pela qualidade das educadoras que estarão em constante contato com este público tão fragilizado. Oliveira-Formosinho define com muita exatidão a profissionalidade docente na educação infantil:

9 9 O conceito de profissionalidade docente diz respeito à acção profissional integrada que a pessoa da educadora desenvolve junto das crianças e famílias com base nos seus conhecimentos, competências e sentimentos, assumindo a dimensão moral da profissão (2008, p.133). A autora coloca que a identidade profissional está voltada para a categoria de ensino a ser ministrada, no caso em questão a educação infantil. E é neste patamar que o indivíduo toma partido da construção dessa identidade. Dessa forma se percebe que são muitos os fatores que contribuem para uma formação sólida e concreta dessa identidade profissional e, em muitos destes fatores, permite-se destacar o entendimento amplo do que é ser criança, pois é a partir desse conceito que o educador completará sua identidade, fortalecendo sua atividade diária com competência e segurança. A criança é um ser humano repleto de contextos, que merece respeito as suas especificidades, gerando a partir desse respeito o reconhecimento da identidade do ser criança e conseqüentemente da identidade do ser professor. Moss. P, deixa transparecer em suas palavras que o entendimento de criança como um ser ativo em todos os aspectos da vida, desmembra novos conceitos de criança no seu mais puro mundo de múltiplas linguagens: Desse entendimento de criança como co-construtora, cidadã, agente, membro do grupo, advém uma outra série de linguagens. A criança como forte, competente, inteligente, um pedagogo poderoso, capaz de produzir teorias interessantes e desafiadoras, compreensões, perguntas e desde o nascimento, não em uma idade avançada quando já ficaram prontos. Uma criança com uma voz para ser ouvida, mas compreendendo que ouvir é um processo interpretativo e que as crianças podem se fazer ouvir de muitas formas. Em resumo, essa construção da criança produz uma criança rica (2008, p. 242). Este imenso repertório de valores que a criança traz consigo, mostra que o educador tem que estar completamente esclarecido de que a criança não somente habita no lugar em que ela está inserida, mas principalmente participa de tudo a sua volta, demonstrando que independentemente das suas limitações é um ser produtor do seu próprio saber, da sua própria cultura e da sua própria identidade. Oportuno destacar que a identidade do profissional da educação infantil, está visivelmente atrelada ao seu perfil profissional, pois ambos são construídos em conjunto, dando ênfase em questões como a qualidade do ensino e o compromisso para com o próprio desenvolvimento profissional.

10 10 Por conseguinte, cada atitude que o mediador tomar em partido da sua identidade, faz dele uma pessoa questionadora sobre a sua atual qualificação, pois é nesta que o seu trabalho estará alicerçado, podendo ser reconstruído à medida que for se descaracterizando. E para o mestre da educação infantil, isso é mais do que um dever, no qual ele estará lidando com pessoas que apesar do pequeno tamanho, são grandes na sua competência de descobrir o mundo e aprender por si mesmas. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A pesquisa iniciou-se com uma breve visita de quatro dias em uma creche municipal, da cidade de Cuiabá,MT, no mês de setembro de As alternativas metodológicas escolhidas para conduzir este trabalho foram às seguintes: pesquisa de Campo (estudo de caso descritivo), pesquisa bibliográfica, observação não participante, registro no caderno de campo, registro fotográfico e aplicação de questionários, numa linha de pesquisa qualitativa e quantitativa. Com a pesquisa de campo focou-se em todos os detalhes relacionados ao ambiente pesquisado, utilizando-se também como complementação o registro fotográfico e o registro de campo onde houve maior exploração do contexto educativo da unidade de ensino. Para dar suporte à informação adquirida durante a pesquisa de campo teve-se a necessidade da utilização da pesquisa bibliográfica, sendo este fator importantíssimo na consagração de um repertório lingüístico rico e verdadeiramente conciso na produção das discussões das análises decorrentes da pesquisa. Partindo de uma linha de pesquisa tão envolvente nas questões do cotidiano a ser desmembrado por diferentes olhares, observou-se indiretamente todas as pistas encontradas no dia-a-dia da creche, destacando que em nenhum momento palpitou-se em relação às atividades desenvolvidas pelas educadoras, pelo contrário, se utilizou desta experiência para incrementar ainda mais o conhecimento a cerca dos profissionais que atuam na educação infantil. Em relação ao questionário teve-se a incumbência de aplicação de dezessete questionários contendo vinte e quatro perguntas intercaladas em perguntas abertas e fechadas para as educadoras da instituição, onde se enfatizou perguntas que caracterizasse a formação e a identidade daquelas profissionais.

11 11 Decorrente deste instrumento de pesquisa baseou-se nas análises qualitativas e quantitativas dos sete questionários devolvidos, onde se discutiu cada questão abordada com o intuito de apresentar dados significativos para o público que posteriormente fará a leitura ou releitura do contexto apresentado neste trabalho. RESULTADOS E DISCUSSÕES A pesquisa foi efetivada com uma amostra de sete educadoras na faixa etária de 24 à 49 anos de idade, dos quais, 42% estão entre 30 a 39 anos, 29% entre 24 a 29 anos e 29% com igual ou mais de 40 anos. A maior parte dessas profissionais é solteira totalizando 57%, 29% das educadoras são casadas e apenas 14%, viúvas. Em relação à formação das educadoras constatou-se que, 57%,possui apenas o diploma de ensino médio voltado para áreas distintas como magistério, auxiliar de escritório e técnico em desenvolvimento infantil, deixando transparecer neste sentido que o conhecimento básico ainda prevalece dentro das instituições de educação infantil, deixando a desejar no contexto educativo propiciado as crianças pequenas. Cerca de, 29% dessas profissionais concluíram o Curso de Pedagogia, é de se verificar, que a formação em pedagogia é essencial para ampliar o conhecimento específico em relação às teorias que explicitam não só as fases de desenvolvimento das crianças, como também as leis que envolvem esta modalidade de ensino. Pois para atuar na educação infantil não basta apenas ter experiências adquiridas no dia-a-dia, mas sim uma integração de saberes onde a teoria e a prática estejam em comunhão no desenrolar de cada atitude tomada dentro do ambiente educacional. Vale destacar que desses 29% de profissionais que concluíram o curso de pedagogia 50% possui também o diploma universitário na área de matemática. Apenas 14% das educadoras infantis disseram ter cursos em outra área do conhecimento, sendo este específico na área de administração de empresas. Quando questionadas se tiveram dificuldades para adaptar-se ao trabalho, a maioria das educadoras (57%), responderam não ter tido nenhuma dificuldade, sinalizando que a educação infantil apesar das várias exigências, é um ambiente de fácil adaptação, principalmente para aqueles profissionais que querem aprender e conquistar o seu espaço.

12 12 Em analise as respostas, é importante salientar que o primeiro contato com qualquer ambiente de trabalho é constrangedor, gera medo e insegurança, mas o funcionário não pode se deixar abater por suas limitações tem que encarar com firmeza e demonstrar que é capaz de estar na profissão escolhida. Ademais o caminho da docência é cheio de incertezas, de desafios, principalmente quando se trata da criança pequena, mas este caminho é um caminho que precisa de pessoas que mereçam estar nele, e mergulhem nas surpresas que ele proporcionar, onde o ato de ensinar e aprender são mútuos e nada dá mais prazer do que experimentar o sabor de cada conquista. Inclusive, em muitos momentos na vida precisamos nos adaptar, seja na escola, numa casa nova, no emprego novo, no casamento, na cidade desconhecida, enfim, em várias novas experiências, mas tudo se aprende e se acostuma, quando a pessoa tem sede de superação. Quando questionadas, a respeito de ter freqüentado cursos de atualização nos últimos cinco anos, a grande maioria das educadoras, com exceção de uma que não respondeu, afirmaram ter se qualificado em cursos de atualização, demonstrando que não ficaram paradas no tempo, pois na sociedade em que vivemos não podemos ser ingênuos de pensar que o conhecimento não necessita ser aprimorado. O educador da contemporaneidade é aquele que pensa no futuro dos seus alunos, que corre atrás de novas fontes de aprendizagem ou de novas teorias para compreender alguma deficiência ou distúrbio que seu aluno possa ter e demonstrar no dia-a-dia em sala de aula. Hoje, o patamar da educação é a inclusão em todos os aspectos, principalmente quando se trata das creches e pré-escolas, onde o facilitador tem que estar preparado para lidar com múltiplas situações e isso exige que o profissional esteja aberto a novos horizontes, no qual ele terá que investigar e pesquisar novos mecanismos para satisfazer se não completamente mais parcialmente às necessidades dos seus alunados, contribuindo significativamente na qualidade de vida desses seres tão vulneráveis. Cerca de 57% das educadoras, afirmaram estar satisfeitas com o atual trabalho, em geral, isso nos mostra que apesar da complexidade que é trabalhar com a educação infantil, elas estão felizes em fazer parte desse mundo cheio de aventuras. Pois quando o docente está satisfeito com a sua prática é porque ela está lhe proporcionando

13 13 alegrias, prazeres, conquistas, pois a satisfação em um ambiente de trabalho não se baseia somente no salário, no cargo mais cobiçado, mas sim nas recompensas adquiridas com as experiências do seu cotidiano. Soma-se a esse fato a educação infantil é um espaço destinado a profissionais que querem e gostam de ensinar, de aprender, de contribuir, de zelar, de participar e socializar o conhecimento. Ou seja, é um espaço destinado a pessoas com prazer de acolher, de dar a mão, de buscar aquilo que favoreça os pequenos e as pequenas em processo de descoberta, pois o educador tem que ter em mente que todos (adultos e crianças) estão ali para fortalecer, construir e reconstruir suas histórias, suas especificidades, suas identidades, sem que haja nesta relação um poder de autoridade, de egoísmo, de insatisfação. Larrosa apud Furlanetto contribui com as seguintes palavras: A criança não se pode antecipar, nem se projetar, nem se idealizar, nem se determinar, nem se antecipar. A criança não cumpre nada, não realiza nada, não culmina nada. É um limite, uma fronteira, um salto, um intervalo, um mistério... A criança abre um devir que não é senão o espaço de uma liberdade sem garantias, de uma liberdade que não se sustenta mais sobre nada, de uma liberdade trágica, de uma liberdade que não pertence à história, mas que inaugura um novo começo, de uma liberdade libertada. Sob o signo da criança, a liberdade não é outra coisa senão a abertura de um porvir que não está determinado nem por nosso saber, nem por nosso poder, nem por nossa vontade, que não depende de nós mesmos. Que não está determinado pelo que somos, mas que se indetermina no que vemos a ser. A liberdade é a experiência da novidade, transgressão, do ir além do que somos, da invenção de novas possibilidades de vida (2007, p.74). Compreende-se que a satisfação vem do coração, como fonte de transformação, de equilíbrio, de amor a vida, pois a vida sem o sabor das incertezas, não é vivida com entusiasmo, sendo assim, que os futuros educadores da educação básica, escolham a modalidade que satisfaça a sua vida profissional, para que possa olhar para trás e sentir orgulho do caminho percorrido. Em relação às fontes principais para aprender a exercer o seu trabalho atual, foram escolhidas entre várias alternativas as três mais votadas pelas educadoras para serem discutidas no corpo do trabalho, sendo estas colocadas por ordem de importância. Como primeira principal fonte quatro (4) das sete (7) investigadas escolheram a experiência e a prática profissional, sendo estas defendidas como forma de aprendizagem significativa por quase todas as educadoras que atuam nesta categoria,

14 14 onde se permite observar que ainda prevalece a concepção de que para aprender fazer algo desconhecido, o importante é praticar, pois, sem a prática fica difícil adquirir habilidades. Como segunda fonte mais importante três (3) das sete (7) investigadas escolheram a formação escolar de base, deixando a interpretar que as educadoras não valorizam nem a formação científica, nem a formação continuada, contradizendo as respostas expostas anteriormente, ou seja, só a formação de base não qualifica nenhum profissional, ainda mais neste caso específico que é a educação infantil. Como terceira fonte mais importante três (3) das sete (7) entrevistadas escolheu a experiência pessoal e familiar, indicando que as profissionais dão um grau significativo para aprender fazer em conjunto com suas próprias experiências de vida tanto individual, quanto familiar, isso nos permite diagnosticar que por mais que estas duas experiências sejam válidas na questão do fazer docente, não é suficiente para preparar os pequenos seres humanos para uma vida cheia de surpresas no futuro a ser seguido. Analisando as respostas dadas a questão: defina sua própria competência na área na qual atua, por meio de uma auto-análise, tanto de conhecimento quanto de experiência., pode-se constatar que grandes partes das educadoras conseguiram descrever sua competência, fazendo uma auto-análise, tanto de conhecimento quanto de experiência, na qual nenhumas das respostas foram compatíveis umas com as outras. Cada uma delas expressou um ponto de grande importância na sua prática, sendo estes: aprimoramento do saber, amor pela profissão, competência e experiência profissional. Todos esses fatores destacados pelas educadoras têm sua parcela de contribuição para com a formação docente e para o fortalecimento da identidade das profissionais de educação infantil. Quando se fala em formação e identidade, se fala em questionamento, inquietação, transformação e amadurecimento deste profissional, pois, a sua valorização e o seu reconhecimento depende exclusivamente da sua capacidade de querer progredir, de querer ir além daquilo que ele já conquistou. Por conseguinte, os profissionais da criança pequena são conhecedores de que para reconstruírem suas histórias e definir suas fronteiras é necessário que se comprometam com o seu campo de atuação, correndo atrás de uma formação melhor,

15 15 que garanta lutar pelos seus direitos, pois nada adianta demonstrar sua insatisfação, se nada faz para ampliar seu crescimento profissional. CONSIDERAÇÕES FINAIS A identidade e a formação das educadoras de creche ainda permanecem a passos lentos, principalmente pelo fato de que poucas delas possuem formação adequada para estarem desenvolvendo um trabalho diferenciado e inovador para com as crianças da rede pública. Assim, propõe-se que os atuantes e os futuros profissionais que desejam um reconhecimento a altura das suas responsabilidades, sejam protagonistas assíduos do seu crescimento profissional e pessoal, pois só assim terão subsídios para lutar com segurança e credibilidade, demonstrando que vale a pena serem recompensados com valorização e respeito. Que a formação docente esteja em primeiro lugar nas suas atitudes como formador de seres em processo de evolução e que seja utilizado da curiosidade para adquirir novas formas de contemplar a aprendizagem em todos os sentidos. Para tanto se espera que a presente pesquisa colabore para reflexões e indagações à muitos profissionais da área da educação infantil e que para além de questionamentos, possa ser alvo de muitas outras pesquisas que nos levem a conhecer novas realidades e que positivamente nos apontem outras problemáticas a serem discutidas e resolvidas na sociedade das constantes mudanças. Para finalizar, é interessante destacar que o prazer de ser professor está justamente na sua posição constante do ser aprendiz e esse estado não termina no ensino médio, na faculdade ou em qualquer outro curso de atualização, ele tem uma continuidade infinita que garante as características necessárias para o profissional de qualquer área da educação básica. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, BONETTI. N. Leis de diretrizes e bases e suas implicações na formação de professores de educação infantil. In: FILHO, A. J. M. (org.). Criança pede respeito: temas em educação infantil. Porto Alegre: Mediação, FILHO, A. J. M. (org.). Criança pede respeito: temas em educação infantil. Porto Alegre: Mediação, 2005.

16 FURLANETTO, E. C. Como nasce um professor? : uma reflexão sobre o processo de individuação e formação. São Paulo: Paulus, FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e terra, Prefeitura. SME. Proposta pedagógica para a educação infantil. Cuiabá: Central de texto, LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, Adeus professora? : novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez, LUFT. C. P. Minidicionário. São Paulo: Ática, KISHIMOTO, T. M. Encontros e desencontros na formação dos profissionais de educação infantil. In: MACHADO, M. L. A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, MACHADO, Maria. Lúcia. A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, MOSS, PETER. Reconceitualizando a infância :crianças,instituições e profissionais. In: MACHADO, M. L. A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. O desenvolvimento profissional das educadoras de infância :entre os saberes e os afetos, entre a sala e o mundo.in: MACHADO, M. L. A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez,

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES VERA LUCIA MAZUR BENASSI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA). Resumo O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

INTELIGÊNCIA PRODUTIVA

INTELIGÊNCIA PRODUTIVA INTELIGÊNCIA PRODUTIVA SIDINEI MARCELO DOS SANTOS Uniesp - Faculdade Renascença SP RESUMO: Este artigo pretende discutir o homem como ser único, com características e habilidades únicas e por isso temos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem.

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem. O PRINCÍPIO DA PEDAGOGIA EMPREENDEDORA NO CURSO TÉCNICO DE AGROPECUÁRIA, DA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DO PACUÍ. DARLENE DO SOCORRO DEL-TETTO MINERVINO DR. SANDRA REGINA GREGÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Universidade Federal de Ouro Preto Professor: Daniel Abud Seabra Matos AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Capítulo 08-Delineando Relatórios de Avaliação Jussara Hoffmann

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETOS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Palavras-chave: Educação Infantil Metodologia de Projetos Formação de professores

METODOLOGIA DE PROJETOS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Palavras-chave: Educação Infantil Metodologia de Projetos Formação de professores Resumo: METODOLOGIA DE PROJETOS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES 1 Edeliane Melo Boeira ¹ Nureive Goularte Bissaco ² Lisandra Pacheco da Silva O presente trabalho surgiu a partir de nossas inquietações frente

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR Erika Aparecida Domiciano Moser 1 RESUMO A alegria não chega apenas no encontro

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL Resumo Fabiana Grassi Mayca UFSC fabiana.mayca@gmail.com Aprendizagem nas Diferentes Dimensões

Leia mais

Rede Nacional Primeira Infância

Rede Nacional Primeira Infância Rede Nacional Primeira Infância O lugar da Educação Infantil nas políticas para a primeira infância Seminário Nacional Currículo e Avaliação da Educação Infantil: Políticas para a primeira infância. Rio

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Mercedes Bêtta Quintano de Carvalho Pereira dos Santos ( Centro Universitário São Camilo) GT 02 Formação de Professores As alunas

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

CIRCUITO DAS BRINCADEIRAS: O CURRÍCULO EM MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CIRCUITO DAS BRINCADEIRAS: O CURRÍCULO EM MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO DAS BRINCADEIRAS: O CURRÍCULO EM MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Introdução MÔNICA DO NASCIMENTO BRITO NILVANA DO SOCORRO GASPAR ROCHA ROSA MARIA ALVES DA COSTA SÔNIA SILVA SANTOS MARIA CELIA SALES

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

Mediação: processo comunicacional não violento

Mediação: processo comunicacional não violento Mediação: processo comunicacional não violento Desde que comecei a escrever nessa coluna, preocupo-me em deixar muito claro do que se trata a mediação. Assim, a mediação é um processo conversacional pacífico,

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil RESUMO Fernanda Azevedo Fagundes 1 Júlia Estefani Alves 2 O presente artigo, busca discutir acerca da função do Coordenador

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. Viviane Kalil Fadel Plombon * PUCPR Resumo Para que ocorra um trabalho de qualidade em uma

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Jailza de Lima Oliveira (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Larissa Santos do Sacramento (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Lucimara de Oliveira Soares (UNEB -

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 HOLZSCHUH, Aline Simone 2 ; CANCIAN, Viviane Ache 3 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Curso de Especialização em Gestão Educacional (UFSM),

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Márcia Adriana Rosmann 1 Francieli da Veiga dos Santos 2 Palavras-chaves: Formação. Informação. Comunicação. Escola. A escola de Educação

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN)

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN) AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID-ESPANHOL PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA EM DUAS ESCOLAS DA CIDADE DE PAU DOS FERROS-RN Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Emylle Barros de Almeida Fonseca Aluna graduanda do curso de Pedagogia - CAMEAM- UERN Thais Chaves de Oliveira

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais