O PERFIL DA AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM CRECHES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DO RECIFE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PERFIL DA AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM CRECHES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DO RECIFE"

Transcrição

1 O PERFIL DA AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM CRECHES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DO RECIFE Fabíola Delgado de Arruda 1 Rogerio Silva de Faria 2 Ana Carolina Perrusi A. Brandão 3 RESUMO Elegemos as Auxiliares de Desenvolvimento Infantil, as chamadas ADIs, como nosso objeto de pesquisa com o objetivo de construir um perfil dessa categoria, conhecendo o que fazem e o que sentem no desempenho de suas funções. Para isso, 23 ADIs atuando em duas Creches (do Berçário ao Grupo III), foram entrevistadas. De acordo com os dados coletados, a maioria é aluna do curso Normal Médio e planeja permanecer na área de Educação. Nota-se no discurso das ADIs uma nítida divisão entre as tarefas de cuidado e trabalho pedagógico, discutida por Kramer (2005), sendo as primeiras tomadas como de sua responsabilidade. Revela-se, portanto, a necessidade de que as Creches criem espaços de reflexão sobre as concepções de cuidado e educação e sua repercussão para as práticas dos profissionais que atuam junto às crianças. Palavras-chave: Auxiliar de Desenvolvimento Infantil, Creches, Cuidar e Educar 1 Graduanda do Curso de Pedagogia da UFPE 2 Graduando do Curso de Pedagogia da UFPE. 3 Professora do Depto. de Métodos e Técnicas de Ensino do Centro de Educação UFPE.

2 1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS DA PESQUISA O interesse pelo tema da presente pesquisa surgiu pela escassez de estudos na área de Educação Infantil com enfoque na Auxiliar de Desenvolvimento Infantil - ADI. Constatou-se, portanto, a necessidade de conhecer melhor essa categoria de educadoras 4 que tem, assim como as professoras, uma atuação direta com as crianças no seu dia-adia nas Creches 5. Nas Creches vinculadas à Prefeitura da Cidade do Recife, as ADIs atuam em três turnos: manhã 7 às 11h; intermediário 10 às 14h e tarde 14 às 18h; com crianças do Berçário (idade de 0 a 11 meses), Grupo I (até 1 ano e 11 meses), Grupo II (até 2 anos e 11 meses) e Grupo III (até 3 anos e 11 meses). Sabe-se que no turno da manhã as ADIs trabalham junto às professoras nas salas dos grupos mencionados acima. No horário intermediário se responsabilizam pelo banho, almoço e atividades repousantes para as crianças. À tarde promovem atividades culturais, recreativas sob a supervisão da animadora cultural 6 e auxiliam as crianças durante o período de janta e arrumação para a saída da Creche. Atualmente, as ADIs são alunas ou alunos do Curso Normal Médio ou do Curso de Pedagogia e têm com a Prefeitura da Cidade do Recife (PCR) um contrato de estágio não curricular, remunerado e temporário, de no máximo 2 anos. A PCR criou em 28 de dezembro de 2005, através da Lei /2005, o cargo de Auxiliar de Desenvolvimento Infantil determinando que as ADIs devem cumprir a carga horária de 40 horas semanais, devendo este cargo ser provido por concurso público, tendo como pré-requisito o curso completo do magistério 7. Conforme o Anexo único da Lei /2005, de , as atribuições do cargo de Auxiliar de Desenvolvimento Infantil são: 4 A opção pelo uso do gênero feminino deve-se a predominância de mulheres nessa área de atuação. 5 O termo Creche tem sido comumente usado para instituições que atendem crianças de zero à três anos, enquanto o termo Pré-escola é destinado à crianças entre 4 e 6 anos. Recentemente, porém, as crianças de 6 anos foram incluídas no sistema de ensino obrigatório e o termo Educação Infantil passou a ser adotado com referência a crianças de 0 à 5 anos. 6 Professora da rede que atua no turno da tarde na Creche com objetivo de desenvolver atividades artísticas e culturais junto às crianças. 7 Nota-se, porém, que o Edital do Concurso para o cargo de ADI, recentemente aberto pela PCR em 30/05/2006, não indica o curso de magistério como requisito para investidura no cargo, exigindo apenas comprovação de conclusão do ensino médio. 2

3 Atuar junto às crianças nas diversas fases de Educação Infantil, auxiliando o professor no processo ensino-aprendizagem; Auxiliar as crianças na execução de atividades pedagógicas e recreativas diárias; Cuidar da higiene, alimentação, repouso e bem estar das crianças; Auxiliar o professor na construção de atitudes e valores significativos para o processo educativo das crianças; Planejar junto com o professor regente, atividades pedagógicas próprias para cada grupo infantil; Auxiliar o professor no processo de observação e registro das aprendizagens e desenvolvimento das crianças; Auxiliar o professor na construção de material didático, bem como na organização e manutenção deste material; Responsabilizar-se pela recepção e entrega das crianças junto às famílias, mantendo um diálogo constante entre família e creche; Acompanhar as crianças, junto às professoras e demais funcionários, em aulas-passeio programadas pela creche, e Participar das capacitações de formação continuada. (PCR, 2005) Como se vê, são várias as atribuições das ADIs, porém, pouco se sabe sobre como tais educadoras têm desempenhado essas funções. Assim, elegemos as ADIs como nosso objeto de pesquisa com intuito de construir um perfil dessa categoria, de modo a conhecê-la melhor, nos aproximando não só sobre o que fazem essas educadoras, mas sobre o que sentem no desempenho cotidiano de suas funções. Pretendemos, portanto, responder às seguintes questões: Quem são as ADIs? Quais as atribuições das ADIs nas Creches? Que importância atribuem ao seu trabalho e que dificuldades enfrentam? Quais as suas concepções sobre as crianças atendidas na Creche e sobre as funções da Educação Infantil? Que expectativas apresentam para seu futuro profissional? 2. REFERÊNCIAL TEÓRICO 2.1 Breve resgate histórico da Educação Infantil Antes do séc. XVII, não havia uma idéia de infância já que a criança era reconhecida como um adulto em miniatura. O papel da família se resumia à proteção e ao 3

4 atendimento das necessidades materiais e, pela convivência com os adultos, a criança se educava. Somente as famílias abastadas se envolviam na educação das crianças. A partir do séc. XVIII, com a contribuição do pensamento de Rousseau, a criança passa a ser vista com características, idéias e interesses próprios. Nesse período, surge a família centrada na criança, com função afetiva e a mulher como rainha do lar, responsável por tudo e por todos (RECIFE, 2004). Entretanto, em função da Revolução Industrial, surge a necessidade do trabalho da mulher fora de casa e a infância passa a ser também responsabilidade do Estado e da sociedade. As Creches surgem, então, no final do séc. XVIII e início do séc. XIX, com o objetivo de guardar as crianças menores de 6 anos durante o período em que os responsáveis estariam trabalhando, sendo a criança considerada um ser passivo e incompleto que deveria ser moldado pela educação. No Brasil, as primeiras Creches surgem nas regiões mais ricas no final do século XIX, como resultado do processo de industrialização e urbanização, que obrigou a saída dos pais para o trabalho nas fábricas. Em paralelo, surgem também alguns jardins de infância para os filhos da elite, inspirados nas idéias de Froebel, além de algumas iniciativas de atendimento às crianças pobres por grupos filantrópicos. Aliado a estes fatores, observa-se a presença de movimentos sociais que se organizam e pressionam a expansão e qualificação do atendimento à criança. Isso se torna tão mais forte quanto maior é a entrada do setor feminino no mercado de trabalho, que exige não só o atendimento relativo aos cuidados físicos, mas uma educação mais ampla, baseada em critérios científicos e em experiências pedagógicas das mais variadas (MEC, 2004). Em 1990, é criado o Estatuto da Criança e do Adolescente que vem reafirmar o que a Constituição Federal de 1988 determina: a criança como sujeito de direitos e o Estado com o dever de garanti-los. Finalmente, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB de 1996 define a não obrigatoriedade para a Educação Infantil; porém, garante como direito dos pais o atendimento gratuito em Creches e Pré-escolas às crianças de 0 6 anos de idade (Art. 4º inciso IV). A legislação determina ainda que a Educação Infantil deve ser considerada a primeira etapa da educação básica, visando ao desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade. 4

5 No Recife, não foi muito diferente da evolução nacional, inicialmente partiu-se de um atendimento restrito às classes mais elevadas ou voltado para as crianças mais pobres, por meio de instituições filantrópicas que prestavam esse serviço. A partir da década de 70, no século XX, cresce o atendimento através da rede pública de Creches vinculadas a órgãos de Bem Estar e Ação Social. Na gestão de 1986/1988, o atendimento era feito por moradores das comunidades em que a Creche estava inserida e que eram selecionados pela Legião Assistencial do Recife (LAR). Havia também uma vinculação com a Diretoria de Programas Especiais (DGPE) da Secretaria de Educação, provavelmente como resultado das lutas do movimento comunitário pela conquista do direito à Creche. Para superar a perspectiva assistencialista, as Creches municipais do Recife foram então incorporadas à Secretaria de Educação na gestão 1993/1996, efetivando uma Proposta Pedagógica na concepção sóciointeracionista, com implantação do professor berçarista e o programa de Animação Cultural para o turno da tarde. (RECIFE, 2004, p. 28). Na gestão de 1997/2000, as Creches públicas do município retrocederam com relação à política educacional que vigorava, descumprindo, inclusive, a LDB/96 quando as professoras berçaristas foram substituídas por estagiárias. Na gestão 2001/2004, a Secretaria de Educação do Recife integra as Creches municipais à Diretoria Geral de Ensino (DGE). Ainda nessa gestão, o sistema de Ciclos é implantado na Rede Municipal, garantindo a matrícula das crianças de 6 anos no primeiro ano do primeiro ciclo do Ensino Fundamental. Apesar da garantia por lei do direito de que crianças menores de 5 anos freqüentem Creches e Pré-escolas, sabemos que, na realidade, a oferta de vagas particularmente, em Creches está longe de atender às demandas da população. Um outro sério desafio a enfrentar, não apenas na Educação Infantil, mas em todo Ensino Básico, é a qualidade do trabalho pedagógico oferecido. Este último aspecto tem relação direta, embora não exclusiva, com a formação dos profissionais que atuam na educação. O próximo subitem abordará esse tópico, examinando as exigências atualmente colocadas para a formação do profissional que atua com crianças na Educação Infantil. 5

6 2.2 A formação da professora de Educação Infantil e as ADIs O Estado, através da LDB 9.394/96 e do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil RCNEI (1998), além dos Referenciais para Formação de Professores (1999) têm colocado certas diretrizes para a formação do profissional que atua na Educação Infantil. Como foi dito a LDB (1996) estabeleceu a Educação Infantil como primeira etapa na Educação Básica, conferindo reconhecimento ao trabalho com crianças de 0 a 6 anos. Nesse sentido, recomenda a formação em nível superior, admitindo-se, como formação mínima, a oferecida em nível médio, na modalidade Normal (LDB, art. 62) para o profissional atuando com crianças nessa faixa etária. O RCNEI (1998) destaca a necessidade de um profissional que supere a tradição assistencialista das instituições e incorpore as funções de educar e cuidar. Inicialmente, ele descreve um perfil profissional com competência polivalente, no sentido de trabalhar com diversos conteúdos, desde cuidados básicos até conhecimentos específicos. Essa polivalência exige formação ampla com reflexão sobre a prática através de observação, registro, planejamento e avaliação. Nos Referenciais para a Formação de Professores (1999) se dá um destaque especial para a organização curricular do curso de formação inicial de professores, incluindo o nível médio, com a garantia de conhecimentos essenciais relacionados à educação infantil, dentre outros níveis e modalidades de ensino, propiciando aos futuros profissionais em educação a compreensão dessa especificidade (BRASIL, p.125). Entendemos, porém, que os documentos oficiais citados acima não apresentam, de modo claro, um detalhamento sobre quais seriam tais conhecimentos essenciais para o currículo básico do magistério visando ao exercício de docência em Creches e Préescolas. Em 1994 foi elaborado um documento pelo Ministério da Educação e Cultura que apresenta o resultado de discussões a respeito de uma política de formação de profissionais de Educação Infantil. Nesse documento, a professora Maria Malta Campos, defende a idéia de que a Educação Infantil deve e pode ser vista de forma integral (educar/cuidar), não aceitando a educação de crianças pequenas sendo executada por pessoas sem formação para tanto e criticando a formação que os professores até então recebiam (ou recebem?) nos cursos de magistério e pedagogia existentes. 6

7 Malta defende uma formação baseada numa concepção integrada de desenvolvimento e educação infantil, sem separação dos eixos cuidar/educar e sem segmentação de espaços, horários e responsabilidades profissionais diferentes. Como a própria autora afirma: Poderíamos conceber uma proposta que garantisse a integração horizontal de objetivos e conteúdos (educação e cuidado), a qual poderá ser desenvolvida em diferentes níveis de complexidade e profundidade para cursos situados em etapas sucessivas do sistema educacional formal. (p. 38) Atualmente, todos reconhecem, formalmente, a necessidade de uma professora para o trabalho com crianças na Creche, porém, as estagiárias ou ADIs assumem grande parte do trabalho junto às crianças. Apesar dessa realidade que, com certeza, não se restringe à cidade do Recife, não encontramos na literatura qualquer informação mais específica a respeito da formação profissional ou perfil das ADIs, daí porque o interesse por esse tema de pesquisa. No próximo subitem, discutiremos as concepções de cuidado e educação e o que esperamos acerca da função da Educação Infantil e do papel do educador nas Creches. 2.3 O binômio Cuidado e Educação na Creche O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998) defende uma concepção de cuidado como parte integrante da educação, significando: valorizar e ajudar a desenvolver capacidades (p. 24, v. 1). Assim o cuidar da criança é tratado no documento como sendo sobretudo dar atenção a ela como pessoa que está num contínuo crescimento e desenvolvimento (p. 24, v.1). O RCNEI diferencia ainda os cuidados relacionais dos cuidados com os aspectos biológicos do corpo; ou seja, os cuidados que envolvem a dimensão afetiva e os cuidados com a qualidade da alimentação e saúde, respectivamente. Ambos necessários para o desenvolvimento infantil integral. O RCNEI enfatiza a importância do profissional de Educação Infantil ter sensibilidade na identificação das necessidades quando se relaciona com a criança; valorizando as suas várias formas de expressão (como choro, agitação, sono,...) para melhor interpretá-las e respondê-las com atitudes/procedimentos de cuidado. Nesse contexto, aponta a necessidade de que o profissional busque conhecimentos específicos 7

8 sobre o desenvolvimento biológico, emocional e intelectual das crianças, para que possa melhor compreendê-las e realizar o seu trabalho junto a elas. Quanto ao significado do educar, o RCNEI (1998) reforça a necessidade de que as instituições de Educação Infantil compreendam as funções de cuidado e educação de maneira integrada, definindo a função de educar como algo que deve: Propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir para o desenvolvimento das capacidades infantis de ralação interpessoal, de ser e estar com os outros em uma atitude básica de aceitação, respeito e confiança, e o acesso, pelas crianças, aos conhecimentos mais amplos da realidade social e cultural. (p.23 v.1, grifo nosso) Nota-se que embora os conceitos de cuidado e de educação sejam definidos no RCNEI de modo separado, a noção de educação na citação acima, na verdade, parece englobar a função de cuidar. Esta é, de fato, a posição defendida por Kramer (2005), ao considerar que não há educação que não implique também em cuidados. A autora aponta que o uso do binômio cuidar e educar alimenta uma separação entre essas funções, que segundo sua análise decorrem da própria formação da nossa sociedade em regime escravocrata, em que o trabalho braçal tem sido historicamente desvalorizado. A autora mostra que esse tipo de trabalho sempre foi relegado aos que eram dominados pelo sistema, sejam os índios no corte do pau-brasil e exploração de suas riquezas naturais, sejam os negros sem pátria no período do tráfico de escravos. Quem desempenhava o papel do trabalho manual era sempre identificado como possuidor de pouca ou nenhuma instrução. Em resumo, para Kramer (2005): Só uma sociedade que teve essa expressão máxima da desigualdade, (...), poderia separar essas duas instâncias de educação (atividades ligadas ao corpo e tarefas cognitivas) e entender que cuidar se refere apenas à higiene e não ao processo integrado, envolvendo a saúde, os afetos e valores morais. (p. 64) A autora aponta ainda que na desvinculação da Creche do nível de assistência social para o sistema de ensino se enfatizava a importância do educar e não apenas do cuidar, como se cuidar fosse algo inferior ao educar, estando o cuidar vinculado à assistência e ao corpo enquanto o educar estaria ligado ao mental, cognitivo. 8

9 Tal concepção tem, segundo a autora, contribuído para fomentar práticas distintas entre profissionais da educação que atuam lado a lado em instituições de educação infantil: as auxiliares cuidam, e as professoras realizam atividades pedagógicas. (KRAMER, 2005, p. 66). Nessa perspectiva, Kramer (2005) sugere a substituição do binômio cuidar e educar, assumidos como função das Creches e Pré-escolas, pelo uso do termo educar, simplesmente: A dificuldade em reintegrar esses pólos decorre do fato de que somos marcados, ainda, por essa cisão. Uma pergunta se coloca: se educar e cuidar são dois pólos que precisam estar integrados, em vez de assumirmos o binômio, não seria o caso de questionarmos a manutenção da dualidade, propondo, simplesmente, educar? (p. 72) Entendemos que cabe aos educadores da Creche superar a fragmentação apontada por Kramer entre esses dois pólos, reconhecendo a Educação Infantil como um espaço pedagógico, em que a criança, que passa boa parte de sua infância na escola, seja vista como um sujeito social de pleno direito que produz história e cultura. 3. METODOLOGIA A metodologia utilizada nesta investigação, conforme Santos Filho e Gamboa (2001) discutem, pauta-se numa abordagem qualitativa, no tratamento da subjetividade orientada na sociologia compreensiva e na fenomenologia. O processo se centraliza no sujeito, acessando os fatos pela compreensão do sentido do fenômeno. Nós, pesquisadores, nos inserimos na realidade pesquisada, interagindo com o que foi investigado. A nossa metodologia se baseia, portanto, numa pesquisa social interpretativa que busca compreender o significado subjetivo dos atores sociais, concentrando nosso maior interesse no indivíduo e no seu comportamento numa ação social. A pesquisa de campo envolveu duas Creches da Rede Pública Municipal do Recife, localizadas na Região Político-Administrativa (RPA) de número 5. Para a escolha das Creches na RPA 5 buscou-se duas unidades de ensino que tivessem uma capacidade semelhante em termos do número de crianças atendidas. 9

10 3.1 Sujeitos Foram contactadas para a entrevista ADIs lotadas nas Creches selecionadas (denominadas aqui de A e B), trabalhando nos turnos manhã, intermediário e tarde, do berçário ao Grupo III, com experiência mínima de 30 dias. Foram realizadas 23 entrevistas distribuídas conforme o quadro abaixo: Quantitativo de ADIs entrevistadas Turnos Manhã Intermediário Tarde Total de Turmas B GI GII GIII B GI GII GIII B GI GII GIII Entrevistadas Creche A Creche B Nota: B berçário; GI grupo I; GII grupo II; GIII grupo III. 3.2 Procedimento As ADIs foram entrevistadas em seus locais de trabalho em horário previamente agendado. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas, em que se teve a liberdade para interagir com o sujeito, esclarecendo e/ou ampliando os questionamentos no momento da aplicação do roteiro de perguntas previamente elaborado (ver Anexo I). As entrevistas foram gravadas em áudio e posteriormente transcritas literalmente. Com vistas a contribuir para a análise dos dados das entrevistas, as perguntas formuladas foram divididas em quatro eixos: Eixo dos antecedentes (perguntas 1 e 2 que visam a identificação das motivações das ADIs e suas expectativas iniciais em relação ao seu trabalho); Eixo das atribuições (perguntas 3 a 7 que visam a comparação entre o que é determinado pela Rede como atribuições para as ADIs e o que elas relatam sobre o seu trabalho na Creche, enfocando-se as preferências e dificuldades no exercício de suas funções); Eixo das concepções (perguntas 8 a 10 que visam a conhecer a importância que as ADIs atribuem ao que fazem e suas concepções sobre Criança e Educação Infantil) e Eixo da reflexão sobre a ação (perguntas 11 e 12 que pretendem identificar qual o nível de envolvimento das ADIs no planejamento e avaliação das atividades 10

11 pedagógicas e como percebem a contribuição da experiência obtida nas Creches para seu futuro profissional). A identificação das entrevistadas foi feita através de um código alfanumérico. Por exemplo, entrevista A05IGB, indica na seguinte ordem: Creche A ou B ; número da entrevista (01 à 23), turno de trabalho da ADI (Manhã, Intermediáro ou Tarde) e grupo de crianças atendido pela ADI (Berçário, I, II ou III). No exemplo dado a indicação seria, portanto, de uma das ADIs da Creche A, entrevistada de número 05, atuando no turno intermediário, com o grupo do Berçário. 4. Análise dos dados Após a transcrição dos dados, reunimos as informações coletadas nas entrevistas, buscando traçar um perfil das ADIs a partir das características comuns ou divergências observadas nas falas de cada uma. Também se buscou identificar nessas falas, significados e conflitos não totalmente explicitados. Os temas centrais que organizaram o roteiro das perguntas na entrevista (ou seja, os eixos descritos na seção 3.2), serviram, inicialmente, como ponto de partida para a análise das entrevistas. Porém, este procedimento não implicou que outras categorias de análise e outros significados fossem extraídos das falas das entrevistadas. Passaremos, portanto, a discussão dos resultados encontrados destacando os pontos mais relevantes extraídos das entrevistas realizadas. Como se verá, a análise feita foi de natureza qualitativa, embora alguns itens tenham sido quantificados no sentido de contribuir para uma melhor visualização dos aspectos postos em discussão. 4.1 Quem são as ADIs? Confirmando nossa expectativa, todas as ADIs entrevistadas são do sexo feminino. Quanto às idades, entrevistamos mulheres entre 17 e 44 anos, tendo uma maior incidência de ADIs na faixa de 20 à 30 anos (39%). A maioria delas é aluna do curso Normal Médio: somente 13% estão cursando Pedagogia. Identificamos ainda um alto percentual (45%) de ADIs que haviam concluído o ensino médio antes de cursar o magistério normal médio. Tal fato pode indicar uma busca pela profissionalização na educação como estratégia para fugir do desemprego. 11

12 Em relação a experiências anteriores das ADIs, constatamos uma grande diversidade de cursos realizados: turismo, informática, secretariado, carpintaria, bijuterias, marcenaria, serralharia, técnico em artes gráficas, técnico em administração, enfermagem (incompleto) e Libras, bem como de empregos em diferentes áreas: bar e restaurante; telefonista; recepcionista e cabeleireira. Entretanto, a maioria das ADIs entrevistadas (61%) tinha experiência na área de educação: Educação de Jovens e Adultos; Educação Infantil e Ensino Fundamental I na rede particular; escola de reforço e Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI. Verificamos que o interesse pelo trabalho como ADI decorreu, comumente, por motivações práticas e/ou financeiras ou ainda por motivações afetivas (cada uma com 39% das entrevistadas). Vejamos alguns exemplos nas falas das ADIs: Olhe, no começo era mais pelo dinheiro. Porque meu marido estava desempregado (...). Mas depois, com o passar do dia-a-dia a gente foi gostando, entendeu? (...) Estou me sentindo ótima aqui, já estou com o coração partido só em pensar em sair daqui, tanto que vou fazer o concurso que tem pra ADI(...) (A10MG2) 8 Porque é uma coisa que eu gosto de fazer, é uma coisa cativante, mexer com criança. São criaturas ótimas, super carinhosas que você se dedica e gostei de trabalhar. (A05IGB) Apenas 22% das entrevistadas alegaram motivações de ordem profissional, como se pode ver na fala de uma ADI atuando no grupo III: Eu acho, assim, que ADI fica melhor, assim pra gente que tá terminando o magistério, porque quando a gente terminar o curso, a gente fica com muita experiência. [...] Quando a gente acabar o magistério, se surgir uma oportunidade da gente ficar numa sala de aula, aí fica mais fácil, porque a gente tem mais prática com os alunos. (...) (A12MG3) Um dado importante revelado nas respostas à pergunta sobre as expectativas iniciais das ADIs em relação ao trabalho que viriam desempenhar foi a falta de esclarecimento ou entendimento sobre a sua função na Creche, apontando a necessidade de um maior investimento em sua formação em serviço. Vejamos, abaixo, o trecho da entrevista de uma ADI cursando Pedagogia: 8 Esse código alfanumérico identifica a entrevistada, indicando na seguinte ordem: Creche A ou B ; número da entrevista (01 à 23), turno de trabalho da ADI (Manhã, Intermediário ou Tarde) e grupo de crianças atendido pela ADI (Berçário, I, II ou III). 12

13 Nunca tive essa experiência assim, né, eu não sabia nem direito o que eu, eu iria fazer, eu acho, eu pensei que eu iria dar aula a eles tudinho, mas a gente só dá continuidade ao o que a professora faz, porque aula pra eles é só de manhã, como meu horário é intermediário, eu faço mais recrear e o pessoal da tarde também. (...) (A04IG3) Em termos quantitativos a análise das expectativas iniciais das ADIs em relação ao trabalho nas Creches revelou que 44% delas acreditavam que sua função seria o cuidado restrito com as crianças, como expressam os depoimentos abaixo: Cuidar das crianças. Eu não tinha ainda a idéia. Eu pensei: vou cuidar das crianças. Lá no meu contrato vinha dizendo, né? Claro que eu vou auxiliar a professora. Mas a minha expectativa era essa, o cuidar. Eu não via esse lado(...) do educar, do pedagógico, eu não tinha essa expectativa, não. (B14MG3) Eu achava que ter que trabalhar como ADI era ter que dar banho, cuidar, botar os meninos pra dormir, pra acordar, ficar cuidando enquanto a mãe não chegava e essas coisas assim, tratar da higiene e tratar do cuidado com eles, só. (...) Eu pensava que em creche a gente não trabalhava educação, tipo trabalhar desenho, pintura, era só cuidar. E quando eu cheguei aqui na creche, aí eu vi a diferença: a professora passa uma tarefa, não são tarefas complexas, mas pintar, desenhar, desenho à mão livre, conversas com eles, que eles param pra dar depoimentos que a gente na hora pode até não ser interessante, mas se a gente for parar pra pensar, aquela conversinha que ele disse naquela hora é bem interessante.(...) (B21TG2) 25% não pareciam ter uma idéia muito clara do que iriam fazer na Creche: Assim, eu não, eu não tinha noção, assim, a, o pessoal falava, mas o que o pessoal fala é uma coisa, mas na prática a gente já vê outra diferente. Aí, o pessoal: ah, na creche é muito bom e não sei o quê, é muito melhor ficar na creche do que ficar em sala de aula. Por conta disso, quando eu peguei o meu estágio, eu preferi ficar em creche, na função de ADI. Por que as pessoas diziam que era melhor ficar em creche? É porque na sala de aula, o professor é só, e em ADI não, a gente tem sempre alguém na sala com a gente. Então, quer dizer que, ou a re, carga toda da sala não fica numa pessoa só. Se acontecer alguma coisa, a culpa vai pra todo mundo. (A12MG3) 17% esperavam ter experiência com regência: (...) quando eu comecei, que eu vim conhecer a creche, eu sabia mesmo qual era esse o meu serviço, é, a menina explicou. Só, que eu, eu, antes achava assim que era uma salinha de aula, entendeu? Que eu ia chegar aqui, ia ser assim, eu ia trabalhar com tarefinha com eles, eu pensava que o meu serviço ia ser esse. Aí, quando eu cheguei aqui, ela disse: não, você vai ajudar a professora (...) (A11MG1) 13

14 Apenas 13% afirmaram que já tinham conhecimento sobre o trabalho, como se pode notar no fragmento abaixo: Na verdade, eu já esperava porque minha irmã já fazia estágio, também, em outra creche, ela me passava também o que era, né e agora, claro, assim, que eu não pensei em limpar a bunda de menino, fazer, dá banho, tudinho. Coisa que a gente não estuda pra isso, né. A gente não estuda para isso, mas tudo aqui tem que fazer, a gente faz. (...) (A02IG2) Os dados expostos acima apontam, assim, a necessidade de fornecer maiores informações às ADIs que ingressam nas Creches. 4.2 Quais as atribuições das ADIs nas Creches? Para responder a esta questão, recorremos à análise das respostas ao item da entrevista que solicitava a descrição de um dia de trabalho das ADIs. Vejamos o que falam três entrevistadas, cada uma atuando em um dos três turnos de trabalho, atendendo a crianças de mesma faixa etária (grupo II): Turno manhã: (...) Quando eu chego, a primeira coisa que a gente faz é dar bom dia pros meus filhotes, eu digo que são meus filhotes. A gente tira a roupinha deles, a gente ensina pra eles onde é a sacolinha de cada um, aí, tira a roupa dele, troca. Depois, tem o café da manhã, a gente vai dar o café da manhã. Depois do café da manhã vem a escovação e depois a gente faz a, a grande, o círculo, né, na sala, para conversar com eles, saber como foi a noite deles em casa. Na segunda-feira a gente pergunta como foi o fim de semana e cada um tem que contar que fez no final de semana. Os mais pequenininhos não sabem contar, então a gente vai cantar, primeiro lugar orar, pedir uma oração a Deus, pra agradecer o nosso dia-a-dia e depois a gente vai cantar com eles e depois tem as tarefinhas, né, de casa. Os menorzinhos só vai brincar e, a, os outros maiores, como o nosso grupo a gente já está fazendo tarefinha com eles, então a gente vai falar pra eles, contar uma história, daquela história a gente vai tirar um desenho pra eles pintarem... Mostrar como é que é, e o nosso dia-a-dia é assim, quer dizer, eu só faço 4 horas, né, no caso, então das 7 até as 11, eu trabalho com eles nisso. Aí 10 horas vem o banho, depois do banho, a gente termina e vamos sentar de novo e contar uma historinha porque eles adoram contar histórias, aí, o nosso dia-a-dia, quer dizer, o meu dia-a-dia com eles é esse. (...) (A10MG2) Turno Intermediário: (...) Eu pego de 10:30 até as 14:30. No horário que eu chego, as meninas estão terminando de dar o banho neles. Ainda, terminam o banho, depois do banho a gente tem que trocar a roupa deles. (...) a gente faz um grupo e conta historinhas pra eles, que eles ficam mais calmo, porque eles adoram historinhas. (...) Depois (do almoço), a gente vai lavar as mãos pra eles escovar os dentinhos, eles dormem, tomam o suco e dormem. Tem uns que não querem dormir, mas a gente começa a balançar eles aí, eles dormem. (...) É um horário bom que é um horário que os meninos dormem. (...) dá o almoço e depois, ele dorme. Uma e meia pra duas horas, eles acordam, chega outra turma. (...) E termina o turno, eles dormindo, é isso? 14

15 Não, quando sai de duas e meia, já estão tudo acordados. (...) (A02IG2) Turno da tarde: O horário da tarde inicia às 14h. Quando nós chegamos os meninos estão acordando. Nós acordamos eles e esperamos alguns que dormem mais, acordar. Na faixa de 14h30min estão todos acordados já. Aí geralmente a gente faz uma rodinha de leitura. Tem uma biblioteca lá em cima, a gente pega uns livros de historinhas, conta pra eles, depois a gente faz cirandas com eles, brinca com eles. Aí geralmente nesse espaço de tempo tem também o dia que eles brincam só com brinquedos e descem pro parque. Geralmente nessa faixa já vai dando 15h30min. Aí é a hora que eles tomam banho. A gente dá banho, arruma eles e desce pra jantar, entre 16:20 e 16:30. Eles jantam e sobem. Nessa faixa de horário a gente fica cantando algumas músicas e fica esperando a mãe chegar. As mães começam a chegar na faixa de 16:45 16:50 e vai até 18:00. Nessa faixa a gente fica brincando, conversando enquanto as mães vão chegando e elas vão sendo liberadas. (B21TG2) Como se observa acima e nas demais falas das ADIs, há algumas diferenças nas suas atribuições em função do turno de trabalho. No turno da manhã, as ADIs participam de atividades dirigidas junto às crianças e acompanham as tarefinhas que são propostas na rotina de sala, como também expressa esse depoimento: (...).a gente vai auxiliar a professora nas atividades que ela realiza. Geralmente é roda de conversa, musicalização (...) (B14MG3) No turno intermediário a rotina descrita envolve atividades de higiene (banho e escovação), alimentação (almoço) e sono. E como vimos, no depoimento acima relativo a esse horário de trabalho, para algumas pessoas esse turno é considerado bom porque as crianças dormem... No turno da tarde, há um misto de atividades recreativas/ livres e de cuidados com a higiene e alimentação das crianças. Assim, de modo geral, as atividades de cuidado com aspectos biológicos do corpo, conforme está posto no RCNEI (1998), parecem ocupar grande parte do tempo das ADIs nas Creches. Nota-se, porém, que algumas atribuições definidas para o cargo de ADI pela PCR (ver p. 3 deste artigo) não se apresentam nas descrições de um dia de trabalho registradas nas entrevistas, tais como: Planejar junto com o professor regente, atividades pedagógicas próprias para cada grupo infantil; Auxiliar o professor no processo de observação e registro das aprendizagens e desenvolvimento das crianças; Auxiliar o professor na construção de material didático, bem como na organização e manutenção deste material. Há uma fala que sinaliza, muito claramente, a não participação das ADIs nas atividades de planejamento: 15

16 (...) É a professora que faz atividade com os meninos, eu ajudo ela, sabe, nas atividades, mas quem elabora tudinho é ela.(...) (A12MG3) De fato, nas entrevistas encontramos somente uma ADI, do turno da manhã da Creche A, que afirmou que participava do planejamento, mas apenas nos momentos de festas: A gente participa assim, no caso, assim, por exemplo, agora mesmo no, no São João, aí, a gente/ fizemos uma reunião pra saber qual o tipo de música, que nós íamos escolher para expor por idade, né, e assim a banquinha deles, pra saber como é que eles vão capitar as músicas, tudinho, entendeu. Então, a gente participa nisso. (...) (A10MG2) As demais declararam que a professora faz seu planejamento sozinha: (...) Quando ela (a professora) não vem, ela deixa as atividades pra gente fazer com eles, mas isso (o planejamento) é tudo com a professora. A gente não tem muito a ver com isso, não. (A01MGB) Na Creche B, não se verifica também um planejamento conjunto entre as professoras e ADIs. Porém, assim como observou-se nas falas das ADIs da Creche A, muitas delas ressaltam sua contribuição nas atividades planejadas, como se vê no depoimento abaixo: Ela sempre conversa com a gente. Ela tem o planejamento dela. Ela vem e faz junto com as outras professoras, toda sexta-feira, às 10 horas. Mas o planejamento dela é super-maleável. Ela chega, conversa com a gente (as ADIs): E aí, meninas, vocês acham que dá pra realizar essa atividade hoje? Como é que vocês acham que deve ser?(...) E a gente vai moldando. O planejamento dela não é estático, ela vai compondo assim, com a gente, as melhores formas de desenvolver o trabalho.(...) (B14MG3) Nos turnos intermediário e tarde, como se poderia esperar diante da rotina descrita acima, as ADIs não participam do planejamento das atividades junto às professoras.... planejamento, quem faz é, é a professora, né, a professora é que faz o planejamento, (...) (A03IG1) Não. As professoras fazem planejamento entre elas e a gente vai ajudando a desenvolver, mas não participamos junto com elas, não.(...) (B21TG2) Na verdade, apenas a Creche B tem animadora cultural no turno da tarde e ao que parece em nenhuma das Creches ocorrem encontros para pensar as propostas para esse turno: Não, praticamente não porque a professora só tá no horário da manhã. (...) E a gente só quando ela pede pra fazer alguma atividade com eles à tarde, deixa algum recado, deixa alguma atividade pronta, aí a gente ajuda ela 16

17 nisso.(...) Mas praticamente só com a animadora mesmo (...) Com ela (a professora), só as meninas da manhã mesmo (...) (BT22G3) Com relação à contribuição das ADIs para o processo de avaliação das crianças foi evidenciado que esta se dá de modo informal, não se observando uma atuação mais sistemática por parte delas. Assim, no turno da manhã todas as ADIs afirmam que participam da avaliação, dando opiniões quando solicitadas pela professora quanto ao desenvolvimento e comportamento das crianças. (...) Então, é imprescindível a gente na avaliação deles, porque a professora geralmente procura a gente: (...), é, como é que ta fulano? Como é que ta cicrano? Que é que ele fez hoje? Que é que ele deixou de fazer? Então, tudo a gente vai falando (...) (A10MG2) Nos turnos intermediário e tarde, nota-se uma menor participação das ADIs na avaliação das crianças: entre as ADIs entrevistadas 57% e 38%, respecitivamente, afirmam que participam desse processo. Participo. A gente sempre participa, pergunta nossa opinião. Até mesmo se a saúde da criança está bem, se não está. Não é só na área pedagógica, mas também se a criança está bem de saúde, identificar emocionalmente se a criança está bem. (...) (B23TGB) Talvez essa menor participação ocorra nesses horários porque há, de fato, menos contato com as professoras, como mostra a fala desta ADI atuando no turno intermediário: A professora chega cedo, e fica mais com o grupo da manhã (...). Então a participação da gente é mínima. (...) (B19IG2) Analisando as respostas referentes ao que as ADIs mais gostam de fazer nas creches, 9% destacam que gostam de fazer tudo, 4% expressam o cuidar das crianças é o que mais gostam de fazer. Um dado positivo é a ênfase dada ao brincar, algo fundamental para a vida das crianças nesse período. Assim, 48% das respostas das ADIs, colocam a brincadeira como a atividade de que mais gostam de fazer na Creche: Eu gosto de brincar com os meninos, eu me sinto que nem uma criança. (A03IG1) Ainda aparecem nas respostas das ADIs, o contar histórias (17%), cantar (13%) e conversar na roda (9%) como atividades prediletas: 17

18 (...), eu gosto muito daquela convivência na hora da roda, porque a gente fica sabendo o, o, o que se passa na cabecinha deles no dia-a-dia, o que eles querem, entendeu? O, o que, que eles estão pensando, principalmente com relação a gente e em, com relação ao pessoal de casa. (...) (A10MG2) Quanto ao que as ADIs menos gostam de fazer na Creche, 25% das entrevistadas afirmam que estão plenamente satisfeitas: Tudo o que eu faço eu gosto. (B18IG3) Porém, 17% destacam que não gostam de limpar cocô: O que menos gosto é de limpar cocô. (A01MGB) 13% afirmam que não gostam de repreender as crianças ou de vê-las doentes (9%). Vejamos alguns exemplos: O que menos gosto de fazer é reclamar com eles, mas é necessário, né, tem que reclamar, (...) (A04IG3) Não tem. Não tem. Porque, assim, durante todo o horário, acho que, eu não gosto de fazer, eu acho que, é vê-los doentes, é a única coisa (...) (A08TG1) É importante ressaltar que 8% das entrevistas mencionam problemas no relacionamento entre as ADIs, apontando a necessidade da criação de momentos de discussão sobre as suas funções e de pensar, coletivamente, sobre o que será proposto às crianças. Vejamos esses casos: (...) quando eu tô assim, fazendo alguma coisa, fazendo alguma atividade com eles (os alunos), assim, não é com eles, é com as meninas que trabalham comigo/ ficam parada sem fazer nada, aí eu fico chateada, elas percebem que eu fico chateada (...) (A07TG2)... algumas estagiárias não entendem o que elas têm de fazer aqui. Fica aquela intriga/ não, manhã e tarde, manhã e tarde. Algumas estagiárias não entendem qual é a sua função e uma joga uma pra cima da outra. Se der alguma coisa errada, se sumiu algum brinquedo de alguma criança, joga uma em cima da outra (B15MGB) 4.3 Que importância as ADIs atribuem ao seu trabalho e que dificuldades enfrentam? Quase a metade das ADIs entrevistadas (45%) dão ênfase a necessidade de seu trabalho na Creche, justificando a sobrecarga que haveria para a professora em sua 18

19 tarefa diária, caso ela não contasse com a ajuda das auxiliares. Também fica clara a divisão de trabalho entre professoras e ADIs, discutida por Kramer (2005), em que as primeiras não assumem certas tarefas de cuidado, sentindo-se responsáveis apenas pelo chamado trabalho pedagógico, conforme se constata nos relatos abaixo: A ADI, no caso, ela vai estar auxiliando a professora formada, no caso, então a professora, ela fica com todo o material pedagógico, enquanto a ADI fica auxiliando em tudo. Então, assim, é importante porque ela tem que tá ali olhando, observando bem as crianças. Ela tem que tá dando banho, ela tem que tá dando comida, limpando, então, assim, a atenção dela tem que ser 100%, (...), então, assim, às vezes uma pessoa só na sala, fica difícil, assim, pra controlar 20 a 25 crianças, quanto tem que se passar as cores, tem que se passar os números, (...) (A08TG1) (...) eu acho importante porque a gente fica igual a mãe pra esses meninos, a gente toma conta deles, de, faz de tudo que a mãe deles faz. (...) A função de ADI é imprescindível? Acho, acho porque se não fosse a gente, de ADI, quem é que ia fazer isso tudinho? As professoras que ia ficar fazendo isso tudinho?! Dando banho em menino, tomando conta dos meninos igual a gente?! (A12MG3) (...) A professora sozinha não ia dar conta de jeito nenhum e assim, pelo o que vejo e escuto falar, assim, há professora que não está nem aí, as meninas, mas a professora que está comigo, ela é excelente, ela, assim, a função da gente é mais assim, dá comida, né, dá banho, essas coisas. Dá banho, ela (a professora) não dá, limpar cocô, ela não faz, mas assim pra dá comida, ela dá, pra trocar o xixi, ela faz. Tem professora que eu vejo que não faz não... (A01MGB). Analisando as respostas das questões: o que sente falta para desempenhar melhor suas atividades e como busca solucionar essas deficiências, em mais da metade das entrevistas (52%), notamos a esperada reclamação da falta de material e brinquedos na Creche, como se vê no fragmento abaixo. O que eu sinto falta é (...) de brinquedos pra eles, entendeu? Porque a estrutura de brinquedos é muito pouca, eles já passam o dia, todos aqui na creche, entendeu? Assim, chegam de manhã e sai as 5 e meia da tarde. Então, o que ta faltando aqui é brinquedos pra eles brincarem, a gente é que inventa sucatas de garrafa, monte de coisa. Se a Prefeitura se empenhasse mais em mandar mais brinquedos pra eles, eu acho que seria uma boa. Eles estão muito precisados disso, os bichinhos... (A10MG2) Notamos ainda em 25% das entrevistas algumas queixas quanto à falta de orientação para o trabalho, bem como de oportunidades de capacitação para as ADIs. Vejamos os trechos abaixo: Creio que mais capacitações (...) Eu participei agora da primeira capacitação, não sei se foi em janeiro ou fevereiro (...). Foram três dias, foi muito rico. Eu acho que poderia ter mais vezes durante o ano, acho que iria 19

20 me ajudar, pra saber qual é a expectativa: o que é que eles esperam da gente. Porque quando a gente vem ninguém diz: Eu espero que você... É o contrato, tudinho, mas ninguém orienta. (B14MG3) Eu acho que (a dificuldade) seria dessa animadora cultural, tendo contato diretamente conosco a tarde. (...) Por sermos iniciantes, a gente precisa de, de uma pessoa ao nosso lado, entendeu? Porque, assim, a turma da manhã, elas trabalham com uma professora já formada e, assim, no intermediário e a tarde, só somos estagiárias. (...) (A08TG1) Pra trabalhar com eles seria o material didático que a gente, que fala que a tarde não pode ter material, que não pode trabalhar com material, papel. Um dia desses, eu vim saber que pode trabalhar (...) (A07TG2) Tendo em vista as queixas de falta de material, 33% das entrevistadas dizem que buscam suprir suas necessidades com material reciclado: É, entendeu? Que aproveita, é a gente aproveita, assim, a gente faz muito de, muito, garrafas, essas garrafas, a gente faz muito, brincadeiras com eles, enche as garrafinhas com, é, arroz, feijão, aí, pinta, isso (...) (A10MG2) Entre as que sentem necessidade de capacitação e orientação, 33% procuram ajuda em outros meios, como: a professora da sala ou livros que tratem dos temas sobre os quais têm dúvidas. Vejamos algumas dessas falas: É, primeiramente, assim, na, na aula de magistério, nós temos aula prática, entendeu, assim, a gente acaba tendo contato com a professora, embora seja uma vez por semana e, assim qualquer coisa, a gente acaba tirando dúvidas e assim, qualquer coisa também a gente pode perguntar a diretora e, como eu disse, a gente acaba tendo contato com animadora cultural, uma vez ou outra, (...) as vezes, assim, tem alguns livros pedagógicos que a gente pode pegar instruções. (...) (A08TG1) Eu estou sempre junto da professora. A professora sabe mais sobre o assunto, fico junto dela, perguntando como é que eu faço, como é que deve ser, procuro leitura, aproveitei muito a disciplina de PPP III (Pesquisa e Prática Pedagógica III, oferecida no Curso de Pedagogia da UFPE) (...). A professora é a daqui da creche, tô sempre junto dela (...). Também da coordenadora, qualquer coisa a gente chega e pergunta e é assim que a gente vai suprindo. (B14MG3) Também foram registradas algumas iniciativas de suprir o que falta na Creche trazendo materiais de casa: A gente tenta no que a gente pode (...) arrecadar a gente arrecada. Às vezes a gente até traz xampu de casa, fraldas, pompom pro cabelo, perfume, muita coisa que fica faltando por parte da Prefeitura. (B13MG1) 20

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

O EDUCAR E O CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: narrativas de professoras

O EDUCAR E O CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: narrativas de professoras O EDUCAR E O CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: narrativas de professoras A. C. V. R./Professora/SEDUC F. P. T./Professora/UESPI RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa desenvolvida

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Creche, assistencialista, cuidar educar, dificuldades

Palavras-chave: Creche, assistencialista, cuidar educar, dificuldades EDUCAÇÃO SE TRAZ DA CRECHE: DIFICULDADES DE EDUCAR-CUIDAR EM UMA CRECHE DA REDE MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Aristeo Gonçalves Leite Filho Daise Silva dos Santos Resumo: O presente trabalho surgiu da experiência

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

Anais do II Seminário de Pesquisa do NUPEPE Uberlândia/MG p. 28-35 21 e 22 de maio 2010

Anais do II Seminário de Pesquisa do NUPEPE Uberlândia/MG p. 28-35 21 e 22 de maio 2010 28 O CUIDAR E O EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PERSPECTIVA PARA GRADUADOS EM LICENCIATURAS Adrienne Galvão Silveira Licenciada e Bacharel em Geografia Profa. Rede Particular Uberlândia - MG galvaodri@yahoo.com.br

Leia mais

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR Francisca Helena Carlos- Graduanda do 7º período do Curso de Pedagogia CAP /UERN Maria Solange Batista da Silva Graduanda do

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia de Souza acadêmica 3º ano Pedagogia UNICENTRO 1 Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 RESUMO: Este artigo dialogou com

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

A NECESSIDADE DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A NECESSIDADE DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DA EDUVALE Publicação científica da Faculdade de Ciências Sociais aplicadas do Vale de São Lourenço- Jaciara/MT Ano III, Número 05, outubro de

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPRESSÕES E EXPERIÊNCIAS

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPRESSÕES E EXPERIÊNCIAS O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPRESSÕES E EXPERIÊNCIAS Ana Larisse do Nascimento Maranhão Pedagoga UECE Gilvânia Rocha Rodrigues Pedagoga UECE Tânia Maria de Sousa França Doutoranda em

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA FUNÇÃO EDUCATIVA

IMPORTÂNCIA DOS CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA FUNÇÃO EDUCATIVA IMPORTÂNCIA DOS CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA FUNÇÃO EDUCATIVA Thaylisa Almeida Franco 1 Sandra Aparecida Machado Polon 2 RESUMO: Este artigo é resultado do Estágio Supervisionado na Educação Infantil.

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral 1 II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Palestrante: Luisa Rocha Cabral Graduada em Administração Pública pela Escola de Governo Professor Paulo Neves

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

ANINHA, UMA AMIGA ESPECIAL: RESIGNIFICANDO A PALAVRA NEGRO ATRAVÉS DA LUDICIDADE.

ANINHA, UMA AMIGA ESPECIAL: RESIGNIFICANDO A PALAVRA NEGRO ATRAVÉS DA LUDICIDADE. 1 ANINHA, UMA AMIGA ESPECIAL: RESIGNIFICANDO A PALAVRA NEGRO ATRAVÉS DA LUDICIDADE. Livânia Beltrão Tavares Universidade Estadual da Paraíba li.vania@hotmail.com Ana Claudia Dias Ivazaki Universidade Estadual

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil INTRODUÇÃO Currículo e Educação Infantil A Educação Infantil é dever e obrigação do Estado e responsabilidade política e social da sociedade e não apenas daqueles que vivenciam a realidade escolar, utilizando-se

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SALA DE RECURSOS E A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM MATO GROSSO: CONTEXTO E PERCURSO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SALA DE RECURSOS E A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM MATO GROSSO: CONTEXTO E PERCURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SALA DE RECURSOS E A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM MATO GROSSO: CONTEXTO E PERCURSO SILVA, Sérgio Carlos da - SEDUC/MT- SMEC/V.Grande sergioscs@hotmail.com MONTEIRO, Filomena Maria de

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA

EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA BUENO, Gilmar Duarte Ribeiro UNICENTRO PR gilmarduarte@hotmail.com RODRIGUES, Roseli Viola UNICENTRO - PR jguego@yahoo.com.br Eixo Temático:

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL NA CONTEMPORANEIDADE: CONCEPÇÃO E DESAFIO

EDUCAÇÃO INFANTIL NA CONTEMPORANEIDADE: CONCEPÇÃO E DESAFIO EDUCAÇÃO INFANTIL NA CONTEMPORANEIDADE: I ENCONTRO ESTADUAL MEC E MPPE DE EDUCAÇÃO ACESSO E QUALIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM PERNAMBUCO 20.09.2013 Aspectos históricos (tempo recente) Século XX: Os direitos

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução nº 021 de 10 de junho de 2009.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução nº 021 de 10 de junho de 2009. Resolução nº 021 de 10 de junho de 2009. Fixa normas para Educação Infantil no âmbito do Sistema Municipal de Ensino do Município de Várzea Grande Estado de Mato Grosso O Conselho Municipal de Educação

Leia mais

2. A Educação Infantil em Natal

2. A Educação Infantil em Natal Uma mudança importante ocorreu no início da década de 60, com a Lei 4.024/61 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional que incluiu os Jardins de Infância no Sistema de Ensino, incrementando a procura

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA 1 O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA Joelma da Silva Moreira 1 Angela Maria Corso 2 RESUMO: O presente artigo, na condição de trabalho de conclusão de curso, pretende

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE

EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE RITA DE CÁSSIA TAVARES MEDEIROS 1 NATÁLIA LORENA NOLA 2 RESUMO Este trabalho é fruto do estágio final do

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE E A QUALIDADE DAS RELAÇÕES ADULTO-CRIANÇA NA CRECHE

FORMAÇÃO DOCENTE E A QUALIDADE DAS RELAÇÕES ADULTO-CRIANÇA NA CRECHE FORMAÇÃO DOCENTE E A QUALIDADE DAS RELAÇÕES ADULTO-CRIANÇA NA CRECHE Thaís Oliveira de Souza, UNESP/Assis Adelaide Alves Dias, UFPB 1. Introdução O presente trabalho pretende apresentar e discutir alguns

Leia mais

O CUIDAR E O EDUCAR: UMA RELAÇÃO INDISSOCIÁVEL

O CUIDAR E O EDUCAR: UMA RELAÇÃO INDISSOCIÁVEL O CUIDAR E O EDUCAR: UMA RELAÇÃO INDISSOCIÁVEL Aristeo Gonçalves Leite Filho Juliana Carvalho Saraiva de Souza Resumo: O presente trabalho é sobre a importância da relação Cuidar e Educar no ambiente da

Leia mais

O DIREITO À BINCADEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O DIREITO À BINCADEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL O DIREITO À BINCADEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Juliana Mayane Sobreira Xavier Graduanda do Curso de Pedagogia Universidade Regional do Cariri-URCA jumayanne@gmail.com Maria Aparecida Ferreira dos Santos Graduanda

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ROTINA PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DA ROTINA PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTRIBUIÇÕES DA ROTINA PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUZ, Aline Matos Oliveira ¹ COSTA, Andréia de Oliveira Santos¹ SILVA, Raquel Rodrigues de Andrade ¹ FERREIRA, Jalmira

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL 1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL O Serta chegou a esta proposta depois de 6 anos de tentativa de capacitar agricultores para a compreensão e prática de uma agricultura mais natural e orgânica. Isso sem

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS DE ZERO A DOIS ANOS: O QUE SABEM OS EDUCADORES?

DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS DE ZERO A DOIS ANOS: O QUE SABEM OS EDUCADORES? DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS DE ZERO A DOIS ANOS: O QUE SABEM OS EDUCADORES? Regina Lucia de Jesus Santos - Autora Universidade do Estado do Rio de Janeiro- reginaluciajs25@hotmail.com Karla da Costa Seabra-

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL Coordenadora: Sheila Kaltenbacher Arantes A Educação Infantil do Instituto Educacional Jaime Kratz propiciará ao seu(sua) filho(a) situações de cuidados, brincadeiras

Leia mais

O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Karine Adriana Camilo 1 Sandra Aparecida Machado Polon 2 RESUMO: Este artigo é resultado do Estágio Supervisionado da Educação Infantil, o qual

Leia mais

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DAS CRECHES E DA EDUCAÇÃO INFANTIL INTRODUÇÃO Conforme garante

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS.

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. 712 A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. Indira Aparecida Santana Aragão ¹, Gilza Maria Zauhy Garms ² ¹ Aluna do curso de Pedagogia

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL Acacia Silva Alcantara Graduanda/UEPB Danielly Muniz de Lima Graduanda/UEPB Glória Mª Leitão de Souza

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação 1 Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo Temática: Valorização das/dos profissionais de educação Maria Malta Campos Introdução Há um paradoxo, já reconhecido

Leia mais

Avaliação do clima na escola

Avaliação do clima na escola Avaliação do clima na escola INSTRUÇÕES INICIAIS PARA O GESTOR: Avise que a pesquisa para avaliar o clima da escola é anônima. Não será preciso colocar nome, apenas identificar a qual segmento da comunidade

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE A OFICINA DE LETRAMENTO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO

O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE A OFICINA DE LETRAMENTO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO O LÚDICO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE A OFICINA DE LETRAMENTO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Fátima Silva da Costa 2 Introdução Apesar dos debates acerca da relevância

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDUCADOR PROVA A

CONCURSO PÚBLICO EDUCADOR PROVA A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DIVISÃO DE CRECHES 2010 CONCURSO PÚBLICO EDUCADOR PROVA A 1) Várias pesquisas discutem sobre a importância da brincadeira no desenvolvimento infantil. I) A criança bem pequena

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

MUDANDO A ROTINA PARA BRINCAR MAIS

MUDANDO A ROTINA PARA BRINCAR MAIS VERA MARIA RODRIGUES ALVES MARIA LUCIA DE A. MACHADO SÃO PAULO OUTUBRO 2015 DEFININDO OS PASSOS 2 1º - Apresentar o problema Delimitar o problema DEFININDO OS PASSOS Verificar o problema/coletar dados

Leia mais

ATIVIDADES DE DESENHO COMO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: AS EXPECTATIVAS DE CRIANÇAS APRENDENDO INGLÊS

ATIVIDADES DE DESENHO COMO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: AS EXPECTATIVAS DE CRIANÇAS APRENDENDO INGLÊS ATIVIDADES DE DESENHO COMO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: AS EXPECTATIVAS DE CRIANÇAS APRENDENDO INGLÊS Hidemi Senno (Letras Inglês/UEL/Pibid/Capes) Ingrid Carvalho (Letras Inglês/UEL/Pibid/Capes)

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

Rede Nacional Primeira Infância

Rede Nacional Primeira Infância Rede Nacional Primeira Infância O lugar da Educação Infantil nas políticas para a primeira infância Seminário Nacional Currículo e Avaliação da Educação Infantil: Políticas para a primeira infância. Rio

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR

PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR Tânia Aparecida Rodrigues de Oliveira Faculdade de Educação CCHSA tania.aro@puccampinas.edu.br Profa. Dra. Heloisa Helena

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Orientações Operacionais para a Educação

Orientações Operacionais para a Educação PREFEITURA MUNICIPAL DE CABEDELO Secretaria de Educação Gabinete da Secretária Orientações Operacionais para a Educação Ano Letivo de 2014 Prefeitura Municipal de Cabedelo Secretaria de Educação Rua Pastor

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INFANTIL I - META 1 DO PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches

Leia mais

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE...

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... Cintia Cristina de Castro Mello EMEF Alberto Santos Dummont RESUMO Este relato apresenta o trabalho desenvolvido no EMEF Alberto Santos Dumont, com as turmas 1ª e 3ª séries

Leia mais