Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI ISSN INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM ASTRONOMIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI ISSN 1809-1636 INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM ASTRONOMIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA"

Transcrição

1 INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM ASTRONOMIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Juliana Alves da Silva UBINSKI 1 Dulce Maria STRIEDER 2 RESUMO A Astronomia é uma área científica fascinante e intrigante, capaz de gerar grande curiosidade. Na escola, com um caráter multidisciplinar, a Astronomia é uma ferramenta motivadora que pode ser utilizada na introdução de conceitos de diferentes ramos das Ciências, como a Física, Matemática e Biologia. Numa ótica construtivista, a motivação para a aprendizagem é essencial, uma vez que o papel do professor é de mediador entre o aluno e o conhecimento científico, tendo como ponto de partida o conhecimento prévio dos educandos sobre o assunto abordado. Com base nesse referencial e a partir do interesse manifestado pelos estudantes do Ensino Médio, criou-se um grupo de estudos de Astronomia em uma escola da pública da cidade de Cascavel, PR. Tal grupo foi formado no ano de 2008, com a inserção de 15 alunos, continua a atividade até a presente data, contando neste ano de 2013 com 34 alunos. O objetivo desse grupo de estudos é discutir assuntos astronômicos, direcionar estudantes na busca por fontes de informação seguras e confiáveis e popularizar a Astronomia na comunidade escolar. Os métodos utilizados nos encontros são diversificados, incluindo oficinas, pesquisas bibliográficas e observações noturnas. Como um dos resultados relevantes da ação do grupo de estudos é possível indicar que, a partir do momento em que os estudantes começaram a debater e escrever sobre suas descobertas ficou mais evidente para eles a importância do embasamento científico na explicação dos fenômenos astronômicos. Palavras-chave: Ensino de Astronomia; iniciação científica; construtivismo ABSTRACT Astronomy is a fascinating and intriguing scientific area capable of generating great curiosity. Within the school environment, with a multidisciplinary character, Astronomy is a motivational tool that may be used to introduce concepts of different scientific branches, such as Physics, Mathematics and Biology. In a constructivist perspective, motivation for learning is essential, as the teacher acts as a mediator between student and scientific knowledge based on the previous knowledge of the students on the approached topic. Based on this reference and from the interest shown by high school students, a group of studies of Astronomy was created in a public school in the city of Cascavel, state of Paraná. The group was set up in 2008, with the insertion of 15 students. It remains in activity to date, now (2013) with 34 students. This group of studies aims to discuss astronomical matters, guide students in the search for safe and reliable sources of information, and popularize Astronomy in the school environment. Different methods were used in the meetings, including workshops, bibliographical researches and night observations. As one of the 1 Integrante do Grupo de Pesquisa Formação de Professores de Ciências e Matemática/UNIOESTE-Cascavel, PR; Professora da Educação Básica / 2 Doutora em Educação; Integrante do Grupo de Pesquisa Formação de Professores de Ciências e Matemática; Docente da área de Física/CCET/UNIOESTE-Cascavel, PR. / Vivências. Vol. 9, N.17: p , Outubro/

2 relevant results of the actions of the group of studies, it is possible to point out that from the moment the students started to debate and write about their findings, the importance of scientific basis in the explanation of astronomical phenomena became clearer to them. Key words: Teaching Astronomy; Undergraduate Research; Constructivism. INTRODUÇÃO A Astronomia é uma das Ciências mais antigas e presentes na sociedade. Já nos primeiros registros da civilização é possível constatar a existência de conhecimentos astronômicos norteando as atividades das pessoas. Entender o comportamento dos corpos celestes e sua influência sobre a vida era questão de sobrevivência. A sucessão de dias e noites, as estações do ano, o comportamento das marés e a elaboração de um calendário são questões de que muitas civilizações primitivas se ocuparam, evidenciando a relação da Astronomia com aspectos do dia-a-dia. Considerando que esses conhecimentos eram transmitidos de uma geração a outra, pode-se concluir que o ensino de Astronomia já acontecia na Antiguidade, mesmo que de maneira informal. No ensino formal, a Astronomia já teve seu status de disciplina específica, porém na década de 60 passou a ser apenas parte integrante dos conteúdos de Ciências e Física. A Astronomia atrai a atenção e desperta à curiosidade das pessoas, independente possuírem ou não conhecimentos científicos. Essa característica pode fazer da Astronomia uma importante ferramenta na motivação dos alunos no estudo das disciplinas de Ciências, Física e Biologia (GONZALEZ et al., 2004). Associando os elementos curiosidade e motivação a um processo de ensino realizado por meio de metodologias diferenciadas, levando-se em consideração o interesse dos alunos e envolvendo-os em projetos estimulantes, nos quais sejam produzidos trabalhos (desenhos e textos, por exemplo), os resultados podem ser muito satisfatórios (GONZALEZ et al., 2004). Essa abordagem pode ser adotada não só em sala de aula, mas também em atividades complementares, tais como as realizadas em um grupo de estudos de Astronomia formado por alunos, sob orientação apropriada de um professor. Neste trabalho, relatam-se as principais atividades de um grupo dessa natureza, bem como alguns dos resultados alcançados. ENSINO E APRENDIZAGEM EM UM ENFOQUE CONSTRUTIVISTA Em uma ótica construtivista, a motivação para a aprendizagem é essencial, uma vez que a assimilação de conceitos depende da participação ativa dos estudantes para integrar novas idéias à estrutura cognitiva. Outro fator determinante do sucesso da aprendizagem é o conhecimento prévio dos aprendizes, que deve ser levado em consideração na elaboração de estratégias de ensino (AUSUBEL, 2003). As pesquisas sobre as chamadas concepções alternativas, espontâneas ou de senso comum mostram que os alunos constroem, a partir de suas experiências cotidianas, explicações pessoais sobre a realidade, que podem diferir substancialmente dos conhecimentos científicos e ser muito resistentes a mudanças (MORTIMER, 1995; BASTOS 1998). Muitas dessas noções apresentam padrões similares entre alunos de diferentes contextos culturais e são encontradas em relação a diversas áreas do conhecimento, incluindo a Astronomia (LANGHI, 2004). Apesar disso, uma idéia amplamente disseminada é que os estudantes, antes de serem ensinados, não sabem nada. Nessa visão, o aluno aprenderia pela simples absorção de informações Vivências. Vol. 9, N.17: p , Outubro/

3 transmitidas no ambiente escolar, sem nenhum trabalho de reelaboração pessoal (BASTOS, 1998). De acordo com a teoria de Ausubel, um fator relevante a ser considerado no processo de ensino-aprendizagem é o conhecimento adquirido pelo indivíduo em suas experiências anteriores. Um conceito que o aluno já possui e pode ser relacionado com uma nova informação ensinada é denominado subsunçor (equivalente a subordinador). Quando a nova informação não se relaciona com conceitos existentes na estrutura cognitiva, acaba sendo armazenada de forma arbitrária (MOREIRA, 1985). A aprendizagem significativa ocorrerá então mediante a conexão de maneira não-arbitrária e não-literal e a interação entre o conhecimento adquirido anteriormente e aquele que está sendo ensinado, resultando em melhor elaboração dos subsunçores iniciais. Mesmo na aprendizagem por descoberta, o resultado será significativo somente se os novos achados forem relacionados com conceitos relevantes já existentes na estrutura cognitiva (MOREIRA, 1999). O conhecimento científico precisa ser visto com algo aberto, sujeito a mudanças e reformulações, a exemplo do que aconteceu em toda a história da Ciência. Mostrar a Ciência como algo finalizado constitui uma grande barreira para a sua contínua construção (CARVALHO et al., 2006). Enquanto, por exemplo, a Ciência Clássica fez da natureza algo pronto e acabado, a Ciência Moderna reintegrou o homem ao Universo que ele próprio observa, não falando mais de leis eternas, mas sim de História do Universo ou da matéria, em constante evolução. Nesse período de transição, a Ciência expressa nossas interrogações frente a um mundo mais complexo e inesperado do que poderia imaginar a Ciência Clássica (CHASSOT, 1997). Matsuura (1998), alerta para que, ao buscar facilitar o entendimento dos conceitos é preciso cuidar, no entanto, para não se acabar vulgarizando (no sentido pejorativo) o conhecimento científico, julgando que o aluno não será capaz de compreender a linguagem científica e produzindo a falsa impressão de que os cientistas são seres superiores, detentores de saberes de difícil assimilação pelas pessoas comuns. O autor ainda defende que o processo de ensino e aprendizagem é favorecido com a realização de experimentos simples, em que o aluno possa ser aproximado do fenômeno ou conceito que está sendo ensinado, levando-o a realizar observação, mensuração, análise, teste de hipóteses e discussões sobre os resultados. As atividades do grupo de estudos abordado neste trabalho foram orientadas com base nesse referencial, que considera as ideias prévias dos estudantes, busca respeitar seus interesses e opiniões, e estimula sua capacidade de observar, formular hipóteses e debater, de modo a contribuir para a construção de conceitos científicos e também sobre a natureza da Ciência. O GRUPO DE ESTUDOS DE ASTRONOMIA Durante as aulas de Física ministradas pela primeira autora do presente artigo, constatou-se o interesse dos estudantes pela Astronomia, pois, quando citados exemplos relacionados a fenômenos astronômicos, sua participação intensificava-se. Aos poucos, o tempo para essas discussões foi se tornando insuficiente, visto que a Astronomia estava sendo utilizada apenas como fator motivador e não era o conteúdo principal a ser trabalhado. Surgiu então a preocupação de não desmotivar os estudantes diminuindo esses debates ou interrompendo-os bruscamente em função do tempo. A solução surgiu por parte dos próprios alunos: formar um grupo de estudo de Astronomia. O grupo, constituído por quinze estudantes do Ensino Médio do Colégio Estadual Horácio Ribeiro dos Reis, de Cascavel-PR, começou a se encontrar semanalmente em outubro de 2008, no contraturno. Em 2009, vinculou-se ao programa Viva a Escola (Programa responsável por gerir atividades de contraturno), da Secretaria de Educação do Paraná, passando a reunir-se por quatro Vivências. Vol. 9, N.17: p , Outubro/

4 horas-aula semanais, permanecendo desta forma em A partir de 2011, o programa Viva a Escola foi substituído pelo Programa de Atividades de Complementação Curricular que, em geral, segue os mesmos moldes do programa anterior, porém nesse último, além de discussões, os estudantes realizam também atividades práticas e sócio-educativas (viagens e gincanas). O grupo de estudos em Astronomia se vincula então a este novo Programa ainda em Inicialmente, as atividades eram voltadas a alunos de todas as séries do Ensino Fundamental e Médio matriculados na escola em que o projeto estava sendo realizado. Nos anos iniciais de existência do grupo, de 2008 a 2010 as atividades tiveram uma maior adesão de alunos do Ensino Médio. Entretanto, como os alunos do Ensino Médio têm menor disponibilidade de horários em contraturno devido à inserção no mercado de trabalho e realização de cursos preparatórios ao vestibular, aos poucos o ingresso de alunos do Ensino Fundamental foi aumentando. Assim, no presente ano de 2013, o projeto encontra-se em funcionamento com uma turma de 34 alunos das séries finais do Ensino Fundamental. No decorrer destes seis anos de grupo de estudo, vários dos alunos participantes já estão inseridos no ensino superior, sendo que alguns deles têm mantido contato com o grupo, trazendo contribuições importantes para os momentos de discussão e promovendo uma interação entre a universidade e escola a partir de outros projetos em parceria. Na sequência do presente texto serão descritos os encaminhamentos pontuais das ações no grupo, denominado Foco Astronômico, que tem por objetivo discutir assuntos relacionados à Astronomia, direcionar os alunos na busca de fontes de dados seguros e confiáveis (em especial na Internet, principal recurso de pesquisa), bem como popularizar a Astronomia na comunidade escolar. ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO Inicialmente, os assuntos tratados nos encontros do grupo de estudos denominado Foco Astronômico eram definidos previamente. Assim, a cada encontro todos os estudantes já teriam levantado informações sobre o tema, facultando discussões com maior riqueza de conteúdo. Desta forma, os tópicos trabalhados no último trimestre de 2008 foram diversificados, sendo eles: ciência e religião; teoria do Big Bang; estrutura e funcionamento do Large Hadron Collider (LHC); buracos negros; teoria da expansão do universo; teoria das supercordas; Astronomia e ficção científica; possibilidade de vida em outros planetas. No início de cada encontro, os estudantes eram convidados a compartilhar os resultados das leituras feitas durante a semana, as curiosidades encontradas e as conclusões a que haviam chegado. Raramente algum aluno deixava de expor seu trabalho. A discussão era iniciada automaticamente após as apresentações. No segundo momento do encontro, a professora introduzia materiais com informações relevantes sobre o tema, tais como revistas científicas, artigos científicos, vídeos e outras fontes. Em novembro de 2008, a Secretaria de Educação do Paraná lançou o programa Viva a Escola, com o propósito de incentivar os professores a desenvolver ações educacionais no contraturno com estudantes matriculados e/ou com a comunidade. Com a aprovação do projeto do grupo de estudos em Astronomia no programa Viva a Escola, a atividade foi regulamentada com quatro horas-aula semanais (terças e quintas-feiras, das 19 às 21 horas) e o grupo de estudos passou a receber apoio financeiro para a aquisição de materiais. Além de ter a carga horária aumentada, o projeto passou a ser executado seguindo um cronograma semestral de atividades teóricas e práticas, que abordavam desde iniciação à metodologia científica até as recentes descobertas astronômicas e outros assuntos divulgados na mídia. Vivências. Vol. 9, N.17: p , Outubro/

5 Durante o ano letivo de 2009, já vinculado ao Programa Viva à Escola, o projeto passou a atender alunos do Ensino Fundamental e Médio. Enquanto os alunos do Ensino Médio eram incentivados a realizar pesquisas e escrever artigos com seus achados e conclusões, os alunos do Ensino Fundamental realizam oficinas. O grupo todo realizava atividades de observações a olho nu, com lunetas feitas com lentes de óculos (confeccionadas pelos próprios alunos) e telescópios. Neste momento do projeto, percebemos que os alunos de Ensino Médio estavam sofrendo uma sobrecarga de atividades (aula no regular, curso de idiomas, curso de informática, curso pré-vestibular, grupo de Astronomia...) o que dificultou a assiduidade desses alunos, mesmo estando motivados a participar do projeto. Desta forma, os alunos que tinham problemas com horários foram convidados a realizar suas pesquisas em horas vagas, sob a orientação on line da professora, o que ajudou nos estudos dos mesmos, sendo que dentre os alunos que iniciaram as atividades em 2009, não houve nenhuma desistência. O estudo orientado de diferentes temas e a produção de artigos motivou os alunos à participação em diversos eventos, sendo o primeiro deles o Congresso da Academia Trinacional de Ciências (C3N), realizado em Foz do Iguaçu, em outubro de Os resumos dos trabalhos foram publicados nos anais do evento e abordaram os seguintes temas: A Lua e sua influência nas marés; O estudo dos buracos mudos para melhor compreensão dos buracos negros; Uso de satélites no monitoramento da Amazônia; Vida no planeta Gliese 581c? A participação no congresso foi de grande relevância para os alunos, visto que tiveram a oportunidade de apresentar os trabalhos para pesquisadores, profissionais e estudantes de outras áreas que se interessam pelo assunto. Esses alunos, em conjunto com mais 30 estudantes do Ensino Fundamental, a diretora da escola e dois professores, puderam também conhecer um centro de divulgação da Astronomia com observatório e planetário localizado próximo ao local onde o congresso ocorreu. Essa visita foi importante para disseminar a Astronomia na comunidade escolar, visando também à abertura para a inclusão de estudantes do Ensino Fundamental no grupo de estudos, no ano seguinte (2010). Em março de 2010, o grupo de estudos passou a ser destinado a alunos do Ensino Fundamental, com intuito de proporcionar um maior interesse no estudo de ciências, matemática, geografia, língua portuguesa e demais disciplinas, devido ao seu caráter interdisciplinar e por ser um assunto que aguça a curiosidade dos alunos. Os alunos egressos (que concluíram o Ensino Médio) continuaram vinculados ao grupo de estudos em através de projetos de pesquisa e extensão, sendo importantes pontes de integração entre a universidade e a escola. Além de atividades de pesquisa e elaboração de textos relacionados às pesquisas realizadas pelos alunos, passaram a ser realizadas mais oficinas para assegurar um melhor entendimento dos temas abordados. Em setembro de 2010, o projeto ganhou apoio da Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste, que através de um projeto de extensão possibilitou o encontro entre alunos do projeto com acadêmicos do curso de pedagogia para a realização de oficinas de Astronomia, além de inserir um dos alunos egressos do grupo de estudos de Astronomia no Programa de Iniciação Científica para que o mesmo pudesse atuar como monitor do projeto em uma inter-relação escolauniversidade. Neste mesmo ano, no mês de outubro, os alunos participaram de uma palestra proferida por Marcos Pontes, o momento que teve um grande impacto positivo na motivação do grupo. No final deste ano, alunos egressos do grupo idealizaram a realização local do Encontro Regional do Ensino de Astronomia - EREA que é promovido pelo comitê da OBA Olimpíada Brasileira de Astronomia. Desta forma, no início do ano letivo de 2011, foi firmada parceria com a Unioeste e Núcleo Regional de Educação de Cascavel para trazer este evento para a cidade. Com a realização do EREA, os alunos integrantes do grupo e também os alunos já egressos tiveram a oportunidade de expor suas pesquisas juntamente com trabalhos de professores e pesquisadores da região. Vivências. Vol. 9, N.17: p , Outubro/

6 Em 2011, além dos temas voltados ao estudo de Astronomia, o grupo dedicou um tempo maior para assuntos relacionados à Astronáutica. Foram realizados estudos sobre as missões espaciais, sendo que foi dado maior enfoque à Missão Centenário que contou com a participação do astronauta brasileiro Marcos Pontes. Nos anos de 2012 e 2013, o grupo passou a valorizar mais o aspecto experimental, realizando oficinas e/experimentos em todos os encontros, sendo enriquecido com pesquisas. Desde a criação do grupo, anualmente, os alunos participam da Olimpíada Brasileira de Astronomia OBA e realizam visita ao Pólo Astronômico Casimiro Montenegro Filho, em Foz do Iguaçu, para realizar atividades pedagógicas no observatório e no planetário gerando uma melhor compreensão das atividades realizadas no projeto. A participação dos alunos no Grupo de Astronomia é possibilitada através de matrícula, sendo seu acompanhamento realizado pela freqüência dos participantes, não gerando assim notas e aprovações. Os alunos optam por participar do projeto. Sendo então, o ponto crítico da atividade, manter os alunos freqüentando assiduamente, já que sua ausência, não gera para ele, nenhuma conseqüência, a não ser pela falta do conteúdo abordado. As faltas e desistências foram aos poucos sendo reduzidas devido à participação cada vez mais ativa dos alunos, que podem interferir diretamente no planejamento das atividades dos grupos através de sugestões de temas e atividades, no que são, em geral, prontamente atendidos. CONSIDERAÇÕES FINAIS No período inicial de atividades do grupo, quando os alunos retornavam ao encontro seguinte, alguns traziam informações desencontradas obtidas em sites que não possuíam caráter científico. Aos poucos, os estudantes foram sendo conduzidos a fontes de pesquisa mais seguras, aprendendo a diferenciar especulação e fato real, mito e Ciência. A partir do momento em que os estudantes começaram a escrever seus próprios artigos de revisão bibliográfica de assuntos escolhidos por eles mesmos, sob orientação da professora, ficou mais clara para eles a importância do embasamento científico na explicação dos fenômenos astronômicos, além do valoroso contato destes com o perfil de escrita e normas de produção de um texto científico. As discussões no grupo de estudos contribuíram para a melhoria do nível de argumentação e dos questionamentos dos alunos. Como todo o conhecimento construído pelos estudantes foi continuamente valorizado, conforme defendido por (AUSUBEL, 2003), com a professora atuando apenas na organização de novas descobertas, os conteúdos trabalhados foram assimilados com maior facilidade. Tal fato tem sido evidenciado nos debates em sala de aula no ensino regular, quando comumente os alunos integrantes do grupo fazem referência, em seus argumentos, a ideias desenvolvidas no grupo de estudos. Com o passar do tempo, as atividades do grupo foram sendo reestruturada para atender os anseios de seus participantes. Como mencionado anteriormente, a preocupação em motivar os participantes a serem assíduos às atividades é uma constante. Os alunos do Ensino Médio, apesar de despertar interesse em participar do grupo, comumente tinham dificuldades de participar dos encontros devido à participação de outras atividades extraclasse. A partir de 2011, quando o projeto passou a ser destinado aos alunos do Ensino fundamental, percebeu-se maior assiduidade dos alunos. Para esse novo público, oficinas e experimentação passaram a ser mais frequentes. Os debates são realizados para proporcionar aos alunos um maior amadurecimento em suas argumentações, sempre buscando embasamento em fontes científicas seguras. Os alunos do Ensino Médio que participaram assiduamente do grupo de Astronomia em seu início, ao ingressarem na universidade, possuem o diferencial de já terem currículo lattes cadastrado Vivências. Vol. 9, N.17: p , Outubro/

7 junto ao CNPq, com diversas participações em eventos e trabalhos publicados, além da importante experiência com a iniciação científica. Tal condição facilitou sua vinculação a grupos de pesquisa e a aprovação em programas institucionais de iniciação científica, possibilitando a continuidade das ações no campo da pesquisa, demonstrando a relevância da inserção no campo da investigação científica já na Educação Básica. Atividades de iniciação científica na Educação Básica, em complementação com as atividades realizadas em sala de aula, proporcionam ao aluno um amadurecimento científico e maior autonomia nos estudos. O aluno percebe que ele é responsável pela construção de seu conhecimento, sentindo-se então motivado a estudar e pesquisar assuntos do seu interesse. Este aluno constrói também a concepção de que tem condições de contribuir com o campo nacional de pesquisa. A Astronomia é uma excelente ferramenta motivadora para o ensino, em especial nas áreas relacionadas às Ciências Naturais. As discussões sobre fenômenos astronômicos são de grande relevância, visto que os estudantes trazem consigo uma grande gama de noções prévias sobre o assunto. Ao se buscar relacionar o conhecimento científico com as concepções que os alunos já possuem, facilita-se a assimilação dos conteúdos, favorecendo-se o sucesso do processo de ensino e aprendizagem. Quando os estudantes têm espaço para expor suas idéias, realizar pesquisas, desenvolver experiências e fazer descobertas, sentem-se mais motivados para estar em sala de aula, pois o ambiente escolar passa a ter mais sentido para eles. Este é um dos principais resultados alcançados pelo projeto e constitui a perspectiva central de continuidades das ações. REFERÊNCIAS AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano, BASTOS, F. Construtivismo e ensino de ciências. In: NARDI, R. (Org.). Questões atuais no ensino de ciências. São Paulo: Escrituras, p BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil: conhecimento de mundo, volume 3. Brasília, DF, Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf>. Acesso em: 18 out CARVALHO, M. P. et al. Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, CHASSOT, A. A Ciência através dos tempos. 6. ed. São Paulo: Moderna, GONZALEZ, E. A. M. et al. A Astronomia como ferramenta motivadora no ensino das ciências. In: Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, 2., 2004, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, Disponível em: <http://www.ufmg.br/congrext/educa/educa5.pdf>. Acesso em: 17 out LANGHI, R. Um estudo exploratório para a inserção da Astronomia na formação de professores dos anos iniciais do ensino fundamental p. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, Disponível em: <http://www2.fc.unesp.br/bibliotecavirtual/arquivospdf/dis_mest/dis_mest _lan GHI%20RODOLFO.pdf>. Acesso em: 18 out Vivências. Vol. 9, N.17: p , Outubro/

8 MATSUURA, O. T. Divulgação da Astronomia: um plano abrangente para o ensino básico. [Diadema]: [s.n.], Não paginado. MORTIMER, E. F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? In: Escola de Verão para Professores de Prática de Ensino de Física, Química E Biologia, 3., 1994, Serra Negra. Coletânea... São Paulo: FEUSP, p MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa. Brasília: Universidade de Brasília, MOREIRA, M. A. Ensino e aprendizagem. São Paulo: Moraes, SANTOS, C. C. Ensino de ciências: abordagem histórico-crítica. São Paulo: Autores Associados, Vivências. Vol. 9, N.17: p , Outubro/

FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DIFICULDADES NO ENSINO DE ASTRONOMIA

FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DIFICULDADES NO ENSINO DE ASTRONOMIA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DIFICULDADES NO ENSINO DE ASTRONOMIA Juliana Alves da Silva Ubinski 1 Introdução Desvendar os mistérios que cercam o Universo levou o homem a olhar para o céu cada vez com maior

Leia mais

Divulgação da Astronomia na Região de Bambuí - MG

Divulgação da Astronomia na Região de Bambuí - MG VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí Divulgação da Astronomia na Região de Bambuí - MG Kamyla E. G. REIS 1 ; Thamara MARTINS 2 ; Mayler MARTINS 3. 1 Estudante de Bacharelado em Engenharia

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA Autores : Edson KARSTEN; Irene WEHRMEISTER. Identificação autores: Acadêmico do curso Física Licenciatura, IFC-Campus

Leia mais

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades:

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades: REDESCOBRINDO A ASTRONOMIA: UMA NOVA JANELA PARA O CÉU DO CERRADO SANTOS, Dener Pereira.; MARTINS, Alessandro.; PRADO, Valdiglei Borges.; LIMA, Thiago Oliveira. 1 Palavras-chaves: Divulgação científica,

Leia mais

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI Thaynara Fontenele de Oliveira (Universidade Federal do Piauí UFPI/CMRV) Email: thaynarafontenele@outlook.com Maria das

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA E FILOSOFIA DA UFRB COM RELAÇÃO A TEMAS DE ASTRONOMIA

CONCEPÇÕES DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA E FILOSOFIA DA UFRB COM RELAÇÃO A TEMAS DE ASTRONOMIA III Simpósio Nacional de Educação em Astronomia III SNEA 2014 Curitiba, PR 1 CONCEPÇÕES DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA E FILOSOFIA DA UFRB COM RELAÇÃO A TEMAS DE ASTRONOMIA CONCEPTIONS OF STUDENTS OF PEDAGOGY

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DE ASTRONOMIA COM O USO DE SOFTWARE LIVRE FILHO, Valdinei Bueno Lima 1, PRADO, Valdiglei Borges 2, SOARES, Fabrízzio Alphonsus A. M. N. 3, MARTINS, Alessandro

Leia mais

O Ano Internacional da Astronomia e sua Contribuição para a Educação Não-Formal

O Ano Internacional da Astronomia e sua Contribuição para a Educação Não-Formal O Ano Internacional da Astronomia e sua Contribuição para a Educação Não-Formal Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas rab@ifi.unicamp.br O Ano Internacional

Leia mais

ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A DISTÂNCIA ASTRONOMY AND ASTROPHYSICS BY DISTANCE LEARNING

ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A DISTÂNCIA ASTRONOMY AND ASTROPHYSICS BY DISTANCE LEARNING II Simpósio Nacional de Educação em Astronomia II SNEA 2012 São Paulo, SP 122 ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A DISTÂNCIA ASTRONOMY AND ASTROPHYSICS BY DISTANCE LEARNING Maria de Fátima Oliveira Saraiva 1, Alexei

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

VIAJANDO ATRAVÉS DO SISTEMA SOLAR: ENSINO DE ASTRONOMIA E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO MÉDIO

VIAJANDO ATRAVÉS DO SISTEMA SOLAR: ENSINO DE ASTRONOMIA E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO MÉDIO VIAJANDO ATRAVÉS DO SISTEMA SOLAR: ENSINO DE ASTRONOMIA E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO MÉDIO José Ancelmo da Silva Cintra Júnior 1, Andressa Paula Fidelis do Nascimento 2, Bárbara Bezerra de Carvalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO

CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO L. L. A. Veiga 1 ; A. C. L. Dias 2 ; F. A. O. Cruz 3 1 Mestrado Profissional em Educação em Ciências

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia.

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Autor 1 * Autor 2 ** Resumo: Neste artigo vamos apresentar o relato de uma proposta de trabalho desenvolvida na escola básica

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA Emma Gnoatto AMOP emmagnoatto2009@hotmail.com Heliane Mariza Grzybowski Ripplinger SEED liaripp@hotmail.com

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

Análise de artigos apresentados nos Encontros Nacionais de Ensino de Biologia (ENEBIO) sobre o tema aulas práticas experimentais.

Análise de artigos apresentados nos Encontros Nacionais de Ensino de Biologia (ENEBIO) sobre o tema aulas práticas experimentais. Análise de artigos apresentados nos Encontros Nacionais de Ensino de Biologia (ENEBIO) sobre o tema aulas práticas experimentais. Analysis of papers presented in the National Meetings of Biology Teaching

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DAS OLIMPIADAS BRASILEIRAS DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS EM PATO BRANCO E MARIÓPOLIS. Introdução

INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DAS OLIMPIADAS BRASILEIRAS DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS EM PATO BRANCO E MARIÓPOLIS. Introdução INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DAS OLIMPIADAS BRASILEIRAS DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS EM PATO BRANCO E MARIÓPOLIS C. A. F. Bortoli*, S. R.W. Sanguino B.** e J. Luchesi* *COMAT/UTFPR, Pato Branco, Brasil

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estágio Supervisionado: Educação Infantil 4 e 5 anos Educação de Jovens e Adultos (EJA) Ensino Fundamental Educação Especial (Ensino

Leia mais

CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO

CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO CURSOS DIURNO E NOTURNO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO a) Perfil do curso (máximo: ½ página) Em 1954 foi criado na UFMG

Leia mais

Dificuldades e motivações de aprendizagem em Química de alunos do ensino médio investigadas em ações do (PIBID/UFS/Química)

Dificuldades e motivações de aprendizagem em Química de alunos do ensino médio investigadas em ações do (PIBID/UFS/Química) SCIENTIA PLENA VOL. 9, NUM. 7 2013 www.scientiaplena.org.br Dificuldades e motivações de aprendizagem em Química de alunos do ensino médio investigadas em ações do (PIBID/UFS/Química) A. O. Santos 1 ;

Leia mais

FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO

FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Ricardo Lisboa Martins Faculdade Integrada Tiradentes - FITS ricardolisboamartins@gmail.com Alex Melo da Silva

Leia mais

ASTRO-JOGO ASTRORUMMIKUB COMO AUXÍLIO NO ENSINO DE ASTRONOMIA ASTRO-GAME "ASTRORUMMIKUB" AS AN AID IN ASTRONOMY TEACHING

ASTRO-JOGO ASTRORUMMIKUB COMO AUXÍLIO NO ENSINO DE ASTRONOMIA ASTRO-GAME ASTRORUMMIKUB AS AN AID IN ASTRONOMY TEACHING II Simpósio Nacional de Educação em Astronomia II SNEA 2012 São Paulo, SP 107 ASTRO-JOGO ASTRORUMMIKUB COMO AUXÍLIO NO ENSINO DE ASTRONOMIA ASTRO-GAME "ASTRORUMMIKUB" AS AN AID IN ASTRONOMY TEACHING Daniel

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

A química forense como motivadora do ensino de química.

A química forense como motivadora do ensino de química. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado de Educação e Cultura SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN Faculdade de Ciências Exatas e Naturais FANAT DEPARTAMENTO DE

Leia mais

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB): IDEALIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E ATIVIDADES REALIZADAS. Mariana de SenziZancul (Docente do Núcleo de Educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

OPINIÃO DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO SOBRE A IMPORTÂNCIA DAS AULAS EXPERIMENTAIS NO ENSINO DE QUÍMICA.

OPINIÃO DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO SOBRE A IMPORTÂNCIA DAS AULAS EXPERIMENTAIS NO ENSINO DE QUÍMICA. OPINIÃO DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO SOBRE A IMPORTÂNCIA DAS AULAS EXPERIMENTAIS NO ENSINO DE QUÍMICA. Neyrilane Rodrigues Silva¹, Roberval Soares das Neves 1, Emannuel Sousa Elizeu Osorio 1, Altemária

Leia mais

ANEXO II EDITAL Nº 01/2010/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID. DETALHAMENTO DO SUBPROJETO (Licenciatura)

ANEXO II EDITAL Nº 01/2010/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID. DETALHAMENTO DO SUBPROJETO (Licenciatura) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 01/2010/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS

CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS Dener Pereira SANTOS, Alessandro MARTINS, Hildeu Ferreira da ASSUNÇÃO, Campus Jataí, Universidade

Leia mais

TRABALHANDO EXPERIMENTOS DE BAIXO CUSTO NA ÁREA DA FÍSICA NO ENSINO MÉDIO. Francisco Carlos Vieira da Silva 2 Nórlia Nabuco Parente 3 RESUMO

TRABALHANDO EXPERIMENTOS DE BAIXO CUSTO NA ÁREA DA FÍSICA NO ENSINO MÉDIO. Francisco Carlos Vieira da Silva 2 Nórlia Nabuco Parente 3 RESUMO TRABALHANDO EXPERIMENTOS DE BAIXO CUSTO NA ÁREA DA FÍSICA NO ENSINO MÉDIO Antonio Carolino de Oliveira Filho 1 Francisco Carlos Vieira da Silva 2 Nórlia Nabuco Parente 3 RESUMO O processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

A Educação Integral em Curitiba e Região Metropolitana e o Programa Mais Educação Veronica Branco Universidade Federal do Paraná.

A Educação Integral em Curitiba e Região Metropolitana e o Programa Mais Educação Veronica Branco Universidade Federal do Paraná. A Educação Integral em Curitiba e Região Metropolitana e o Programa Mais Educação Veronica Branco Universidade Federal do Paraná Resumo Este texto aborda a implantação da Educação Integral em Curitiba

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Ciências Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conteúdos e fundamentos

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

Um panorama dos Programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática no Rio Grande do Sul

Um panorama dos Programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática no Rio Grande do Sul Um panorama dos Programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática no Rio Grande do Sul Resumo A prospect of Postgraduate programs of Science and Mathematics teaching in Rio Grande do

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFERÊNCIA EM FORMAÇÃO E

Leia mais

ASTRONOMIA. Educação formal, informal, não formal e divulgação

ASTRONOMIA. Educação formal, informal, não formal e divulgação ASTRONOMIA Ensino da astronomia no Brasil: Educação formal, informal, não formal e divulgação científica. Educação formal Educação informal Educação não formal Popularização da ciência E como se estuda

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES O ENSINO DE FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PORTELA, Caroline Dorada Pereira UFPR cdp_fisica@yahoo.com.br HIGA, Ivanilda UFPR ivanilda@ufpr.br

Leia mais

Science Lab Restructuring of a Public School Elementary and High School

Science Lab Restructuring of a Public School Elementary and High School Reestruturação do Laboratório de Ciências de uma Escola Pública de Ensino Fundamental e Médio Elisiane da Costa Moro +, Eduarda Cardoso Francischetti ++, Giovana Danieli Flores ++, Juliana de Ávila Fontoura

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA UFPR

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA UFPR CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA UFPR Orliney Maciel Guimarães, Flávio Massao Matsumoto e Izaura Hiroko Kuwabara Universidade Federal do Paraná RESUMO A iniciação

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO/SP. José Luan de Carvalho (Universidade Cruzeiro do Sul) Resumo

AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO/SP. José Luan de Carvalho (Universidade Cruzeiro do Sul) Resumo AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO/SP. José Luan de Carvalho (Universidade Cruzeiro do Sul) Resumo No que diz respeito ao ensino de biologia vale ressaltar que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação Marcos A. Betemps 1, Vitor B. Manzke 1, Vera L. Bobrowski 1,2, Rogério A. Freitag 1,3, Cristiano da S. Buss 1 1 Núcleo

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DE UM MATERIAL DIDÁTICO QUE AUXILIE NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO VIÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS.

EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DE UM MATERIAL DIDÁTICO QUE AUXILIE NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO VIÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. EXPERIÊNCIA DA APLICAÇÃO DE UM MATERIAL DIDÁTICO QUE AUXILIE NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO VIÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. José Fernandes Silva; Kamila Costa Santos; Kelly Letícia Andrade Viana

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Professores de Matemática e o Uso do Computador

Professores de Matemática e o Uso do Computador Secretaria de Estado da Educação SEED Superintendência da Educação - SUED Diretoria de Políticas e Programas Educacionais DPPE Programa de Desenvolvimento Educacional PDE SILVIA VILELA DE OLIVEIRA RODRIGUES

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE REDAÇÕES COMO METODOLOGIA AVALIATIVA DE ESTUDANTES BRASILEIROS DO ENSINO MÉDIO DE QUÍMICA

UTILIZAÇÃO DE REDAÇÕES COMO METODOLOGIA AVALIATIVA DE ESTUDANTES BRASILEIROS DO ENSINO MÉDIO DE QUÍMICA IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN UTILIZAÇÃO DE REDAÇÕES COMO METODOLOGIA AVALIATIVA DE ESTUDANTES BRASILEIROS DO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

OS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELOS DOCENTES E DISCENTES DA EJA NA ÁREA DA MATEMÁTICA DA ESCOLA JOSÉ LUIZ NETO DE BARRA DE SANTA ROSA PB

OS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELOS DOCENTES E DISCENTES DA EJA NA ÁREA DA MATEMÁTICA DA ESCOLA JOSÉ LUIZ NETO DE BARRA DE SANTA ROSA PB OS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELOS DOCENTES E DISCENTES DA EJA NA ÁREA DA MATEMÁTICA DA ESCOLA JOSÉ LUIZ NETO DE BARRA DE SANTA ROSA PB Francilene Almeida SOUSA 1 Universidade Federal de Campina Grande francy.1511@hotmail.com

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A DISTÂNCIA ASTRONOMY AND ASTROPHYSICS BY DISTANCE LEARNING

ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A DISTÂNCIA ASTRONOMY AND ASTROPHYSICS BY DISTANCE LEARNING II Simpósio Nacional de Educação em Astronomia II SNEA 2012 São Paulo, SP 1 ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A DISTÂNCIA ASTRONOMY AND ASTROPHYSICS BY DISTANCE LEARNING Resumo Produzimos um material didático para

Leia mais

Colaboraram neste texto as acadêmicas do curso de Pedagogia, Francielle Selzer Brecher e Maísa Amélia Haefliger.

Colaboraram neste texto as acadêmicas do curso de Pedagogia, Francielle Selzer Brecher e Maísa Amélia Haefliger. A CONTRIBUIÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO E INSERÇÃO DO PEDAGOGO NA ESCOLA 12 SZYMANSKI, Maria Lídia Sica UNICAMP GT: Formação de Professores / n. 08 INTRODUÇÃO: Este trabalho objetivou verificar

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

OBSERVAÇÕES EM SALA DE AULA, ALGUMAS PERCEPÇÕES

OBSERVAÇÕES EM SALA DE AULA, ALGUMAS PERCEPÇÕES OBSERVAÇÕES EM SALA DE AULA, ALGUMAS PERCEPÇÕES 1042 Margareth Mellão, Darley Garcia Ribeiro, Maria Luiza de Sousa Pinha Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Mestrado em Educação, Presidente Prudente

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Palavras-chave: Classe multisseriada - jogos pedagógicos processo ensino aprendizagem

Palavras-chave: Classe multisseriada - jogos pedagógicos processo ensino aprendizagem O JOGO NO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NAS CLASSES MULTISSERIADAS: UMA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA NA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE IGARAPÉ-AÇU. Maria Do Socorro Castro Hage Natalina Dos Santos Medeiros

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE ALUNOS NÃO REGULARES - 2014/4

EDITAL PARA ADMISSÃO DE ALUNOS NÃO REGULARES - 2014/4 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA (PPGECiMa) MESTRADO PROFISSIONAL EDITAL PARA ADMISSÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Curso Ler e Pensar em Educação, Comunicação e Práticas de Ensino

Curso Ler e Pensar em Educação, Comunicação e Práticas de Ensino Curso Ler e Pensar em Educação, Comunicação e Práticas de Ensino REGULAMENTO 1) EMENTA: Ampliar as possibilidades de atuação dos profissionais titulados pelas licenciaturas universitárias, oferecendo oportunidade

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS

CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR Jose Lucas dos Santos Oliveira Universidade Federal de Campina Grade UFCG - Patos, Paraíba. e-mail: lucasoliveira.ufcg@gmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

Região do ABC. ABC paulista, Região do Grande ABC, ABCD:

Região do ABC. ABC paulista, Região do Grande ABC, ABCD: Tutoria: inclusão, permanência e êxito Andifes UFMG - 213 Região do ABC ABC paulista, Região do Grande ABC, ABCD: Região Metropolitana de São Paulo (Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul,

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUND. TEÓRICOS METODOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Educação

Leia mais

UTILIZANDO O WINDOWS MOVIE MAKER NA PRODUÇÃO DE VÍDEOS EDUCATIVOS PARA O ENSINO E DIVULGAÇÃO DE ASTRONOMIA

UTILIZANDO O WINDOWS MOVIE MAKER NA PRODUÇÃO DE VÍDEOS EDUCATIVOS PARA O ENSINO E DIVULGAÇÃO DE ASTRONOMIA II Simpósio Nacional de Educação em Astronomia II SNEA 2012 São Paulo, SP 749 UTILIZANDO O WINDOWS MOVIE MAKER NA PRODUÇÃO DE VÍDEOS EDUCATIVOS PARA O ENSINO E DIVULGAÇÃO DE ASTRONOMIA USING WINDOWS MOVIE

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - EDUCAÇÃO ESPECIAL: PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - EDUCAÇÃO ESPECIAL: PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CENTRO DE REFERÊNCIA EM FORMAÇÃO E EaD CENTRO DE REFENCIA

Leia mais

Recepção às Escolas Públicas: Oficina sobre Química Forense

Recepção às Escolas Públicas: Oficina sobre Química Forense Recepção às Escolas Públicas: Oficina sobre Química Forense Geovana Stafin¹, Adrielle Cristina dos Reis 1, Aline Alves Migliorini 1, Pamela Catarina Tomiatti 1, Maísa da Cunha 1, Nadhine Assis Rios 1,

Leia mais