META-ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "META-ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS"

Transcrição

1 META-ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Sibele Leandra Penna Silva Mestre em Administração pela UFV Coordenadora do curso de Ciências Contábeis da FAMINAS - Campus Muriaé Professora da Faculdade Dinâmica Ponte Nova (MG) Av. Cristiano Ferreira Varella, 655, Muriaé (MG), CEP Telefone (32) Walmer Faroni Doutor em Administração pela Universidade de Valência Espanha Diretor do Centro de Ciências Humanas, Letra e Artes da UFV Professor do Mestrado em Administração do Programa de Pós-Graduação da UFV Av. Peter Hery Rolfs, s/n, Campus Universitário, Viçosa (MG), CEP Telefone (31) Resumo A importância do ensino e da pesquisa para o desenvolvimento do conhecimento é inegável, assim como a compreensão de questões cada vez mais complexas exige uma nova formação profissional que enfoque as várias dimensões do ser humano e da sociedade requeridas para enfrentar os desafios da sociedade do conhecimento. Nessa perspectiva o artigo visa analisar a produção científica sobre o ensino e a pesquisa na área de Contabilidade no Brasil, Apresentaram-se os principais conceitos sobre ensino, pesquisa e produção de conhecimento científico na área de contabilidade, e foram identificados e analisados 383 artigos apresentados no Congresso da ANPCONT, na Revista Eletrônica do CRCRS e na Revista Contabilidade Vista & Revista, na área de ensino e pesquisa, nos anos de 2007 a Ao final, somaram-se 60 artigos, cujos conteúdos foram categorizados segundo sua frequência em cada unidade analisada; perfil dos autores e procedimentos metodológicos; posteriormente foram analisados em termos de conteúdo com o estabelecimento de eixos temáticos comuns entre os dados. As indagações feitas visam favorecer a ampliação do conhecimento na área contábil. Palavras-Chave: Ensino em contabilidade; pesquisa em contabilidade; profissional contábil. Abstract The importance of education and research for the development of knowledge is undeniable, as well as the understanding of increasingly complex issues requires a new training that focuses on the various dimensions of human beings and society required to meet the challenges of the knowledge society. In this perspective the paper aims to analyze the scientific literature on teaching and research in Accounting in Brazil, presented the main concepts of teaching, research and production of scientific knowledge in the accounting area, and were identified and analyzed 383 papers presented in Congress ANPCONT in CRCRS Electronic Journal of Accounting and Vista Magazine & Journal, in education and research in the years 2007 to At the end, amounted to 60 papers, whose contents were categorized according to their frequency in each unit; profile of the authors and methodological procedures, were later analyzed in terms of content with the establishment of common themes among the data. The questions asked concerning the welfare and expansion of knowledge in accounting. Keywords: Education in accounting; accounting research; accounting professional.

2 INTRODUÇÃO No mundo contemporâneo, o conhecimento, em grande parte ainda baseado em um modelo cartesiano de pensar, pautado por visões simplistas, reducionistas e fragmentadas, parece ser incapaz de oferecer explicações científicas e fundamentar debates que tratem de questões da atualidade. Os avanços que tem ocorrido com a sociedade provocando alterações substanciais nos saberes até então vigentes, exigem a compreensão de questões cada vez mais complexas, a constante adaptação à velocidade e à imprevisibilidade das mudanças sociais, econômicas, políticas e tecnológicas e tornam as demandas por aprendizagem sem precedentes quantitativos e qualitativos. Na sociedade pós-moderna, conceituada como sociedade do conhecimento, em virtude das transformações ocorridas na economia, na política e na cultura, o recurso econômico essencial é o conhecimento. Nesse sentido, a aprendizagem apresenta-se como forma unívoca de geração e acumulação de capital, subjetivo e flexível, entretanto vital para evitar-se a exclusão tecnológica e consequentemente social. A ampliação do conhecimento e a construção de novos saberes estão atreladas ao desenvolvimento da pesquisa, e nesse sentido, percebe-se a necessidade de articular ensino e pesquisa em uma reciprocidade enriquecedora para ambos. Nesse contexto, a pesquisa contábil pode ser considerada como uma prática de ordem social e institucional, capaz de influenciar entidades e processos de modo a transformá-los. O crescimento da pesquisa científica em Contabilidade no Brasil, que tem-se expandido em uma velocidade crescente nos últimos, em razão de várias mudanças econômicas e sociais, aumento expressivo do número de programas de pós-graduação e, consequentemente, o aumento da produção científica, do impacto econômico que ela produz nas organizações e na sociedade, bem como da evolução da Contabilidade em todo o mundo. As discussões acerca da produção do conhecimento na área contábil têm seus primeiros estudos a partir de meados da década de Dentre os trabalhos sobre essa temática, destacam-se o de Theóphilo e Iudícibus (2005), no qual verificaram uma mudança de paradigma na pesquisa contábil brasileira neste período, evidenciado pela preocupação em estudos com foco empírico e pela aproximação dos trabalhos a um formato científico, apesar da pouca diversidade das abordagens metodológicas; Frezatti e Borba (2000), que estudaram os padrões de revistas científicas internacionais na área de Contabilidade; Oliveira (2001), analisando o conteúdo e a forma dos periódicos científicos de Contabilidade no Brasil; Leite (2004), que pesquisou a relação orientador-orientando e sua associação com a produção de teses e dissertações nos programas de pós-graduação em Contabilidade; Santana (2004), na investigação da produção científica em Contabilidade Social no período de 1990 a 2003; e, Cardoso, Mendonça, Riccio e Sakata (2005) que estudaram as publicações científicas em Contabilidade de 1990 a O presente estudo motivou-se pela contribuição à literatura existente e pela exigência atual de formação diferenciada do profissional de ciências contábeis. Para tanto, com base na análise da produção científica relativa ao ensino e à pesquisa em Contabilidade, questiona-se: Qual o padrão e o perfil da produção científica sobre a temática Ensino e Pesquisa em Contabilidade, de trabalhos apresentados em anais de congressos e periódicos da área contábil no Brasil? O objetivo principal deste trabalho é realizar uma meta-análise da produtividade científica no Brasil, sobre a temática de ensino e pesquisa em contabilidade. Como objetivos específicos apontam-se: a) verificar a frequência e a evolução da produtividade sobre o tema em epígrafe, b) identificar características dos artigos, dos autores e dos veículos de publicação; c) comparar os procedimentos metodológicos utilizados na produção pesquisada;

3 d) apresentar o referencial bibliográfico utilizado na produção pesquisada; e) analisar o conteúdo abordado nos estudos apresentados. O presente estudo, além desta introdução, que apresenta a contextualização da proposta central, está dividido em mais quatro seções: na segunda seção que faz-se uma revisão da literatura sobre o tema, apresentando estudos anteriores; na terceira seção descreve a metodologia utilizada da pesquisa empírica, a quarta apresenta à análise de resultados e, por fim, na quinta seção descrevem-se as considerações finais. A EVOLUÇÃO DO O ENSINO DA CONTABILIDADE NO BRASIL O ensino comercial e de Contabilidade no Brasil teve seus primeiros delineamentos no século XIX, com a vinda da Família Real Portuguesa, em Até então, a atividade comercial brasileira resumia-se à venda dos bens produzidos ao mercado internacional. Internamente, o comércio era composto basicamente uma parte, de mercadorias importadas ou destinadas à exportação e, outra parte, ao abastecimento dos grandes centros urbanos. A preocupação do governo com negócios públicos e privados tornou-se relevante, em frente às profundas mudanças na situação econômica, política e social da Colônia. Segundo Schmidt (2000), em 1808, foi criada uma cadeira de Aula Pública de Ciências Econômicas no Rio de Janeiro, atribuída ao Visconde de Cairu; em 1809, foram criadas as Aulas de Comércio, iniciando- se o ensino comercial no Brasil. Saes e Cytrynowicz (2001) apontam que o ensino comercial brasileiro a partir da Proclamação da República sofreu grandes mudanças, que culminaram na fundação da primeira instituição direcionada ao ensino comercial, a Escola de Comércio Álvares Penteado, em Os cursos profissionalizantes, ou de Ensino Técnico Comercial, foram instituídos pelo Decreto de 28 de maio de 1926, que aprovou o regulamento dos estabelecimentos de ensino para oferecerem dois cursos: um com formação geral e outro com formação superior O curso geral conferia o diploma de Contador e o superior o título de graduado em Ciências Econômicas (PELEIAS et. al. 2007, p. 26). Marion (2005) aponta que, em termos gerais o currículo para formação geral comercial e obtenção do título de Contador tinha a seguinte estrutura: no primeiro ano, ministrava-se Língua Portuguesa, Francês, Inglês (ou Alemão), Aritmética, Álgebra, Geometria e Contabilidade, onde o aluno se iniciava em noções gerais de escrituração mercantil; no segundo ano entrava-se em Comércio, Finanças, Estenografia, Desenho e Tecnologia, envolvendo o estudo das mercadorias, em sua procedência, valor, processo de avaliação de sua falsificação ou alteração; e, finalmente no terceiro ano eram ministradas Geografia Econômica e Comercial, Regras Gerais do Direito e Legislação Comercial, Economia Política e Finanças que abrangia desde Estatística até Análise do Sistema Monetário, Operações de Câmbio e Bolsas de Valores. Com respeito à formação superior e obtenção do título de graduado em Ciências Econômicas, as disciplinas eram distribuídas assim: no primeiro ano ministrava-se Contabilidade de Transportes, Matemática Financeira, Geografia Econômica, Direito Constitucional Civil e Economia Política; no segundo ano, Contabilidade Pública, Finanças, Economia Bancária, Direito Internacional Comercial, Ciências da Administração, Legislação Consular, Psicologia, Lógica e Ética; e, no último ano, não haviam mais disciplinas de contabilidade, prevalecendo, Direito Administrativo, Industrial e Internacional além de Diplomacia, Política Comercial, Sociologia e História Econômica. O Decreto-Lei , de 30 de junho de 1931, regulamentou a profissão de contador e reorganizou o ensino comercial, dividindo-o nos níveis propedêutico, técnico e superior. O propedêutico exigia o mínimo de doze anos para realização de exames admissionais. No

4 técnico, o ensino comercial era dividido em secretário, guarda- livros e administradorvendedor, com duração de dois anos, e atuário e perito contador, com duração de três anos. Furtado (1995, p ), referindo-se às mudanças econômicas e sociais do país nesse período, cita que: A precária situação da economia cafeeira nas primeiras décadas do século XX afugentava desse setor os capitais que nele ainda se formavam. [...] Restringida a reposição, parte dos capitais que haviam sido imobilizados em plantações de café foram desinvestidos, e foram absorvidos por outros setores da economia, como o sistema comercial, de serviços e o bancário, e ainda mais pelo nascente sistema industrial. [...] o fator dinâmico principal, nos anos que se seguem à crise (de 29), passa a ser, sem nenhuma duvida, o mercado interno. O país passa por um período de inflexão de sua matriz produtiva, deixando de ser unicamente produtor agrícola para se industrializar. Esta mudança impunha ao país a modernização de seus serviços e a adequação de sua mão-de-obra, especializando-a. Peleias et. al. (2007) demonstra que, como forma de adequar-se às novas demandas do mercado, foram efetuadas mudanças nos cursos de ensino comercial profissionalizantes, foi promulgado em 23 de agosto de 1939, o Decreto-Lei 1.535, que mudou a denominação do Curso de Perito Contador para Curso de Contador. O Decreto-Lei de 22 de setembro de 1945, criou o curso de Ciências Contábeis e Atuariais, conferindo aos concluintes o título de Bacharel em Ciências Contábeis e Atuariais, definindo o prazo mínimo de quatro anos para conclusão do curso. Em 1996, com a promulgação da Lei 9.394, que, revogando a Lei 4.024/61, definiu as novas Diretrizes e Bases da Educação Nacional, criou o Conselho Nacional de Educação CNE e a respectivas Câmaras para os níveis de ensino, dentre elas a Câmara de Ensino Superior CES, várias mudanças foram introduzidas no ensino superior do país, tais como: a qualificação docente, produção intelectual, docentes com regime de tempo integral e perfil profissional ligado à formação da cultura regional e nacional. As décadas de 1990 e 2000 tornaram-se cenário da implantação de novos programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Contabilidade. Em 1998 iniciou-se o Programa de Mestrado em Ciências Contábeis da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS; em 1999 foram implantados o programa de Mestrado Multi-Institucional e Inter-Regional do consórcio mantido pela Universidade de Brasília - UNB, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE e Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN; os programas de Mestrado em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro e do Centro Universitário Álvares Penteado FECAP; em 2000 surgiu o Programa de Mestrado em Ciências Contábeis da Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças FUCAPE; nos anos de 2002, 2003, 2004 e 2005 iniciaram-se os Programas de Mestrado em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Ceará UFC, Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, Universidade Federal do Paraná UFPR, e Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB respectivamente. Em 2006 foi a vez das Universidades Federais de Minas Gerais UFMG e da Bahia UFBA, criarem o Programa de Mestrado em Ciências Contábeis. A implantação de programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Contábeis contribuiu para o crescimento da produção científica e surgimento de eventos científicos e profissionais específicos, além de resultar em fatos significantes para a pesquisa em Contabilidade no Brasil.

5 Uma das consequências foi a possibilidade de publicações de trabalhos de pesquisa contábil em periódicos classificados no Sistema Qualis 1 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES que resultou tanto no aumento das publicações da área contábil quanto na criação e manutenção de periódicos, mantidos por alguns programas Stricto Sensu de Contabilidade. Finalmente, ressalta-se a criação da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis ANPCONT, por iniciativa dos coordenadores de tais programas, em reunião realizada no ano de 2006, em Vitória (ES), que apresenta, conforme previsto no artigo 4º de seu estatuto: Art. 4º A Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis ANPCONT tem por objetivo atuar na área de educação, congregando e representando as instituições brasileiras que matem cursos de mestrado e/ou doutorado em Ciências Contábeis. PESQUISA CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE O desenvolvimento de qualquer campo do conhecimento humano baseia-se na atuação dos integrantes de um grupo capaz de materializar os conceitos e princípios básicos da matéria, cristalizando-os a fim de criar novas teorias e práticas. Segundo Nepomuceno (1996), para se entender a Contabilidade, é preciso qualidade e conhecimento específico geral e quem apoia essa qualificação é a cultura abrangente buscada em outras disciplinas correlatas. Cosenza (2001, p. 48) ao discorrer que a Contabilidade vem assumindo o papel de ciência consolidada, formando correntes de pensamentos, afirma que Como não poderia deixar de ser, surge uma imensa desarmonia contábil, seja dentro de um único país ou, mesmo, no âmbito de nacionalidades distintas. Dependendo do modo como os fatos patrimoniais são qualificados e quantificados, em cada uma dessas localidades, pode-se apresentá-los de diversas formas, às vezes até conflitantes. Tudo porque cada qual interpreta e manipula à sua maneira e conveniência o quê? e porquê? do fato contábil. Nessa perspectiva, o crescimento da Contabilidade depende muito do desempenho dos pesquisadores, docentes e profissionais que atuam na área e da revisão das metodologias aplicadas no ensino de contabilidade, de forma que o mesmo apresente modificações essenciais para que o espírito científico possa fazer parte inseparável das Instituições de Ensino Superior. Segundo Marion e Marion (1999, p. 37) qualquer instituição de ensino superior, seja uma universidade ou uma faculdade, é o local adequado para a construção de conhecimento para a formação da competência humana. Competência esta que exige a capacidade de inovar, criar e criticar. No entanto, mesmo sendo a universidade ou qualquer instituição de ensino superior o local mais adequado para a investigação científica, com todo ambiente apropriado para tal, isso nem sempre ocorre. 1 Qualis é o conjunto de procedimentos utilizados pela Capes para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação. Tal processo foi concebido para atender as necessidades específicas do sistema de avaliação e é baseado nas informações fornecidas por meio do aplicativo Coleta de Dados. Como resultado, disponibiliza uma lista com a classificação dos veículos utilizados pelos programas de pós-graduação para a divulgação da sua produção.

6 Marion (2001, p. 11) afirma que as IES são apenas fios que levam a energia gerada, propondo-se simplesmente a transmitir o conhecimento através de mera cópia daquilo que já existe. Não criam, não inovam, não ensinam os alunos a construir conhecimento. Morais (2005) aponta como fatores para a carência da pesquisa nos de Ciências Contábeis o fator falta de disponibilidade de tempo dos alunos, cuja maioria faz o curso no período noturno; a escassez de linhas de financiamentos para a pesquisa e da concessão de bolsas para iniciação científica além de um alto grau de dificuldade para obtê-las; o número reduzido de professores detentores dos títulos de mestres e doutores, que, em geral, são pesquisadores no campo da Contabilidade. Marion (1998, p. 2) declara que Ironicamente podemos dizer que o professor de Contabilidade, de maneira geral, constitui uma das categorias que menos pesquisa na área contábil. Não nos referimos à pesquisa de novas descobertas na área profissional, mas sim no que tange ao ensino da Contabilidade. Por outro, Marion e Marion (1999) argumentam que as IES não são incentivadas ao desenvolvimento de pesquisas científicas contábeis perante as Diretrizes Curriculares Nacionais. Analisando-se os conteúdos que os cursos de graduação em Ciências Contábeis deverão contemplar em seus projetos pedagógicos e em sua organização curricular, definidos no art. 5º da Resolução CNE/CES 10, de 16 de dezembro de 2004, verifica-se que a pesquisa científica em Contabilidade não é destacada como um conteúdo fundamental para o curso. Art. 5º - [...] I conteúdos de Formação Básica: estudos relacionados com outras áreas do conhecimento. Os conteúdos que os cursos de graduação em Ciências Contábeis deverão contemplar em seus projetos pedagógicos e em sua organização curricular estão definidos no art. 5º da Resolução CNE/CES 10, de 16 de dezembro de 2004: I conteúdos de Formação Básica: estudos relacionados com outras áreas do conhecimento, sobretudo Administração, Economia, Direito, Métodos Quantitativos, Matemática e Estatística; II conteúdos de Formação Profissional: estudos específicos atinentes às Teorias da Contabilidade, incluindo as noções das atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais, governamentais e não governamentais, de auditorias, perícias, arbitragens e controladoria, com suas aplicações peculiares ao setor público e privado; III conteúdos de Formação Teórico-Prática: Estágio Curricular Supervisionado, Atividades Complementares, Estudos Independentes, Conteúdos Optativos, Prática em Laboratório de Informática utilizando softwares atualizados para Contabilidade.(RESOLUÇÃO CNE/CES, 2004) De acordo com Kramer (2005, p. 73), não basta somente existir uma norma que determine a adoção de disciplina especificamente voltada para a pesquisa contábil nos cursos de graduação em Ciências Contábeis, pois as IES não estão preparadas para tal mudança, sendo necessário que se tenha uma estrutura adequada funcionando e um currículo compatível implantado. ASPECTOS METODOLÓGICOS Enquadramento metodológico O presente trabalho caracteriza-se como pesquisa empírico-analítica, cuja lógica é dedutiva, pois os resultados são decorrentes do desenvolvimento de uma estrutura teórica e conceitual testada posteriormente pela observação empírica (COLLIS e HUSSEY, 2005, p. 25).

7 A abordagem utilizada nesse estudo é predominantemente qualitativa, por tratar da natureza semântica e interpretativa dos fenômenos, através de atributos que lhes dão significados (GONÇALVES E MEIRELLES, 2004). Considerando as três as instâncias de integração entre métodos qualitativos e quantitativos: o planejamento de pesquisa, a coleta de dados e a análise da informação (RICHARDSON, 1999, p. 79), utilizou-se de técnicas quantitativas com o propósito de tabular os dados e informar os resultados a serem analisados. Por meio das técnicas qualitativas é possível interpretar os resultados e ampliar o conhecimento; por meio das técnicas quantitativas, é possível embasar as informações qualitativas com o apoio de métodos estatísticos (RICHARDSON, 1999). Quanto aos fins, considera-se o estudo como descritivo, pois visa descrever as características da produção científica publicada em periódicos e anais de evento contábeis. Gil (1996, p. 46) ensina que as pesquisas descritivas visam à descrição das características de determinada população ou fenômeno, e têm por objetivo levantar as opiniões, atitudes e crenças de uma população. Em relação às técnicas de coleta de dados, trata-se de uma pesquisa bibliográfica e documental. Na pesquisa bibliográfica o referencial teórico é construído com base em material publicado e acessível ao público em geral [...] enquanto a pesquisa documental, documental considerara dados oriundos de documentos que não receberam ainda tratamento analítico, ou que ainda podem ser reelaborados de acordo com os objetivos da pesquisa (VERGARA, 2005, p. 48). Procedimentos adotados Segundo Rudio (1980), os métodos específicos ou procedimentos estão relacionados com os procedimentos técnicos a serem seguidos pelo pesquisador dentro de uma determinada área de conhecimento. No caso deste artigo buscou-se analisar a incidência e o perfil de artigos relacionados ao tema Ensino e Pesquisa em Contabilidade. Para tanto, foram seguidos os seguintes procedimentos: 1. Seleção dos periódicos e anais do congresso a serem utilizados como fontes para coleta de dados. 2. Determinação do período de tempo a ser coberto pela investigação 2007 a 2010, por apresentar dados disponíveis para todas as fontes pesquisadas; 3. Definição do campo de abrangência do tema Ensino e Pesquisa em Contabilidade artigos que contêm trabalhos específicos acerca da temática; 4. Realização de consulta a fontes secundárias de dados busca com base nos sites de artigos vinculados aos periódicos e aos anais dos eventos em análise; 5. Leitura dos resumos e refinamento dos artigos encontrados leitura do tópico de metodologia e coleta de dados para verificar sua adequação ao escopo do trabalho; 6. Desenvolvimento de um banco de dados para registro de dados coletados o instrumento de coleta, organização e análise quantitativa dos dados foi um roteiro estruturado em banco de dados no Microsoft Excel Universo pesquisado A opção pela análise de dados referentes a publicações que apresentam abrangência nacional, fossem significativas para a pesquisa contábil e sobre as quais houvesse relativa escassez de estudos, culminou na seleção da seguintes unidades de análise do presente estudo: 1. O Congresso Nacional da ANPCONT evento de importante significado acadêmicocientífico em nível nacional. À partir de sua primeira edição, em junho de 2007 tem-se realizado anualmente, no mês de junho e vem-se tornando um dos maiores incentivadores da produção científica na área contábil. 2. A Revista Contabilidade Vista & Revista periódico trimestral, impresso, digital e gratuito mantido pelo Departamento de Ciências Contábeis da Faculdade de Ciências

8 Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, com o apoio institucional do programa de Mestrado em Ciências Contábeis, tem contribuído de forma significativa com o incentivo e disseminação da produção científica na área contábil. 3. A Revista Eletrônica do CRCRS periódico trimestral, impresso, digital e gratuito mantido pelo Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul, tem tido papel significativo na produção científica entre os profissionais da área, contribuindo para a minimização da dicotomização entre teoria e prática da ciência contábil. O período pesquisado foi de 2007 a 2010, tendo sido assim delimitado por corresponder o ano de 2007 ao início da existência do congresso da ANPCONT, e, buscando a abrangência vertical da análise, optou-se pela consideração do período em que há disponibilidade de dados para todas as unidades. O volume de trabalhos encontrados na área temática totalizou 60 artigos, os quais representam o foco deste estudo. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS A definição do universo da pesquisa englobou três unidades de análise diferentes: o congresso nacional da ANPCONT, a Revista Contabilidade Vista & Revista e a Revista Eletrônica do CRCRS. Tabela 1 Universo de Pesquisa Título do Periódico/Congresso ISSN Abrangência CONGRESSO ANPCONT Nacional CONTABLIDADE VISTA & REVISTA X Nacional REVISTA ELETRÔNICA CRC/RS Nacional O período de análise ficou determinado a iniciar-se em 2007, desde a primeira edição do Congresso da ANPCONT, e estender-se até 2010, por ser o último período de dados disponíveis. Tabela 2 Amostra e Período Analisado: Título do Periódico/Congresso Período Analisado Anos CONGRESSO ANPCONT anos CONTABLIDADE VISTA & REVISTA anos REVISTA ELETRÔNICA CRC/RS anos Há predominância da publicação de artigos referentes à temática Ensino e Pesquisa em Contabilidade no Congresso da ANPCONT, conforme mostra a Tabela 3. Tabela 3 Total de artigos analisados Fonte/Ano Total CONGRESSO ANPCONT CONTABLIDADE VISTA & REVISTA REVISTA ELETRÔNICA CRC/RS Total Geral

9 A Tabela 4 mostra que apesar de ser um evento que se destaca na publicação sobre ensino e pesquisa em contabilidade, em relação ao total de artigos, o percentual sobre o tema, mesmo em ascensão, ainda é pequeno em comparação com os demais. Tabela 4 Total de artigos analisados em relação ao total publicado Artigos/Ano Total Total do CONGRESSO ANPCONT Artigos Analisados Percentual anual 11% 13% 16% 21% 16% Total da REVISTA ELETRÔNICA CRC/RS Artigos Analisados Percentual anual 26% 8% 17% 8% 16% Total da CONTABLIDADE VISTA & REVISTA Artigos Analisados Percentual anual 13% 13% 11% 21% 14% Total de Publicações Total de Artigos Analisados Percentual anual total 15% 12% 15% 19% 16% A análise do perfil dos autores dos artigos apresentados nos veículos de publicação, aponta que, o máximo de autores por artigo foi de cinco, e a maior parte dos trabalhos continha três e quatro autores, que representam juntamente 60% da amostra analisada, conforme demonstrado na tabela 5. Esses primeiros resultados divergem dos resultados obtidos como os trabalhos de Oliveira (2001), em que o autor assevera que, em publicações periódicas, os autores da área de ciências sociais teriam uma tendência de trabalhar e publicar isoladamente, no máximo em coautoria. Tabela 5 Perfil dos Autores Periódicos/Congresso N de Congresso Revista Contabilidade Total autores/ano ANPCONT CRCRS Vista & Revista F f F f F f F f 1 autor 1 3% 5 63% 1 8% 7 16% 2 autores 9 23% 2 25% 4 31% 15 19% 3 autores 17 44% 1 13% 3 23% 21 30% 4 autores 11 28% % 15 30% 5 autores 1 3% % 2 5% Total de 39 Artigos 100% 8 100% % % Total de 119 Autores Média autor/artigo 3,1 1,5 3,0 2,8

10 Os dados demonstram que a autoria dos trabalhos em revistas é maior entre o gênero feminino, enquanto o gênero masculino concentra 62% nas publicações em congresso. Nas publicações do periódico vinculado à instituição de ensino superior, verifica-se um equilíbrio na frequência de autores do sexo masculino e do sexo feminino. Silva et al. (2005), também investigaram o gênero dos autores e concluíram que o maior percentual acumulado dos autores analisados eram do gênero masculino. Pode-se notar que os números apresentados pela presente pesquisa, apesar de apontar para uma maior participação masculina nas autorias em congressos da área contábil, em termos gerais apresentam uma situação de maior equilíbrio, conforme pode-se verificar na tabela 6, a seguir: Tabela 6 Gênero dos Autores Periódicos/Congresso N de Congresso Revista Contabilidade Total autores/ano ANPCONT CRCRS Vista & Revista F f F f F f F f Feminino 56 47% 6 43% 22 58% 84 49% Masculino 62 53% 8 57% 16 42% 86 51% Total % % % % Em relação aos aspectos metodológicos dos artigos estudados, pode-se verificar quais as abordagens de pesquisa utilizadas, o que está diretamente relacionado aos objetivos dos artigos, conforme mostra a tabela 7. Dentre a amostra pesquisada verifica-se que a abordagem quantitativa apresenta maior ocorrência que a abordagem qualitativa. Em relação à abordagem mista, concentrou 39% das publicações no ano de 2007 e obteve queda no ano de Tabela 7 Abordagem de Pesquisa Abordagem Quantitativa Qualitativa Mista Frequência/Ano F f F f F f % 4 24% 7 39% % 4 24% 5 28% % 2 12% 2 11% % 7 41% 4 22% Total % % % Outro aspecto metodológico a ser abordado é o tipo de pesquisa mais utilizado, conforme mostra a Tabela 8. Dentre os artigos amostrados, pode-se observar que a maior parte dos trabalhos apresenta delineamento exclusivamente descritivo, concentrando 44 artigos do total pesquisado, contra 15 ocorrências da pesquisa exploratória, que ocupa o segundo lugar. Isso se dá porque a maior parte das produções visa descrever as características e as perspectivas do ensino e da pesquisa em contabilidade. Quanto ao tipo de pesquisa classificado como explicativo, observou-se apenas 1 ocorrência, isto porque esse delineamento serve mais às pesquisas naturais e biológicas.

11 Tabela 8 Total de artigos analisados por tipo de pesquisa Abordagem Descritiva Explicativa Exploratória Frequência/Ano F f F f F f % % % % % % % 1 100% 7 47% Total % 1 100% % A tabela 9 evidencia que o levantamento de dados secundários predomina em todos os anos, apresentando 35 ocorrências em um universo de 60 artigos pesquisados. Em segundo lugar, destaca-se o questionário como instrumento de coleta. Ressalta-se que as técnicas de pesquisa são coerentes com as abordagens de pesquisa apresentadas. Tabela 9 Técnicas de Coleta de Dados Técnicas de Coleta Dados Secundários Observação Entrevista Questionário Frequência/Ano F f F f F f F F % 1 17% 1 20% 2 15% % 2 33% % % 2 33% 2 40% 2 15% % 1 17% 3 60% 7 54% Total % 6 100% 5 100% % Os dados apresentados na tabela 10 evidenciam a forma de tratamento dos dados, sobressaindo-se a análise documental que concentrou no período 32 estudos. Apesar de grande parte das produções apresentarem uma abordagem quantitativa, a utilização de técnicas estatísticas não corresponde à tal classificação, sugerindo que, em grande parte, a abordagem considerada quantitativa nas pesquisas em ciências contábeis utilizam-se de tratamentos elementares, tais como tabulações, cálculo de percentuais ou frequências. Em relação à análise do discurso, que apresentou uma situação equilibrada, ressalta-se que é coerente com a quantidade de entrevistas realizadas, considerando-se ser bastante utilizada para tratamento de dados coletados à partir daquele instrumento. Tabela 10 Técnicas de Análise dos Dados Técnicas de Coleta Análise Análise Análise Documental Estatística Conteúdo de Análise Discurso Frequência/Ano F f F f F f F F % 4 21% 2 50% 1 20% % 3 16% % % 5 26% % % 7 37% 2 50% Total % % 4 100% 5 100% do

12 A tabela 11 evidencia as frequências absolutas e relativas dos materiais utilizados como referências nas produções analisadas. No geral, os artigos apresentam uma média de 24, 1 referências bibliográficas, sendo os livros as principais fontes de consulta, apresentando um número de 10,8 livros por artigo analisado. Material Bibliográfico Tabela 11 Categorias referenciais dos Trabalhos Livros Periódicos Teses e Anais de Sites Outros Total Dissertações Congressos Freq./Ano F f F f F f F f F f F f F f % 78 28% 52 26% 26 25% 36 23% 13 21% % % 62 22% 38 19% 22 21% 27 17% 12 19% % % 84 30% 56 28% 28 27% 42 27% 14 23% % % 57 20% 53 27% 27 26% 52 33% 23 37% % Total % % % % % % Média/Artigo 10,8 4,7 3,3 1,7 2,6 1,0 24,1 CONSIDERAÇÕES FINAIS A presente pesquisa teve como objetivo principal analisar a produção científica sobre o ensino e a pesquisa em contabilidade no Brasil. A produção científica indica o esforço dos pesquisadores na ampliação das fronteiras do conhecimento e também na caracterização do cotidiano vivenciado pelas organizações, além de sinalizar tendências e perspectivas de desenvolvimento econômico e social, mais precisamente quando se analisa a área de gestão das organizações. Ao abordar a temática sobre o ensino e a pesquisa em contabilidade, o presente artigo, na forma de meta-análise procurou caracterizar e analisar a produção científica referente ao período de 2007 a 2010, de artigos publicados nos Anais do Congresso da ANPCONT, na Revista Eletrônica do CRCRS e na Revista Contabilidade Vista & Revista. Uma primeira constatação foi encontrada com base na literatura, de que a produção científica brasileira na área de contabilidade tem crescido muito, inclusive em virtude do aumento no número de cursos de pós-graduação. Como resultados gerais, decorrentes do atendimento ao objetivo de levantar e descrever a produção científica sobre o tema proposto destaca-se o crescimento da importância da ANPCONT, através de seus eventos, na publicação de pesquisas contábeis em geral, e sobre o ensino contábil em particular, já que dos 60 artigos amostrados, 39 são desse evento; a baixa incidência de publicações sobre o tema nos eventos escolhidos; o predomínio de publicação de artigos descritivos e com a utilização de análise documental; a baixa incidência de grandes autores sobre o tema já que apenas 2 autores possuem mais de um artigo na amostra; a maioria dos estudos quer apenas analisar algum aspecto da contabilidade ou um caso específico, sendo poucos os que possibilitam uma maior generalização. Ao analisar a produção na área de ensino e da pesquisa em contabilidade, percebeu-se o um número relativo de estudos teóricos que alertam igualmente para os seguintes aspectos: a necessidade de revisão do ensino-aprendizagem na formação contábil, perpassando pelo redirecionamento do papel do professor e do aluno, bem como da estrutura curricular; a relevância da pesquisa no processo ensino-aprendizagem, como forma de levar os profissionais da área contábil a aprender a aprender, e, nesse sentido, enfatiza-se também a preocupação com a constante atualização desse profissional; a formação de um grupo maior

13 de pesquisadores na área contábil é um fator determinante para o impulso à ciência contábil; e, finalmente, aspectos epistemológicos devem ser cuidadosamente analisados como forma de quebrar paradigmas conservadores e impeditivos de uma maior expansão do conhecimento contábil. Ressalta-se que apesar da relevância do tema, o presente artigo é fruto de um estudo inicial, visando contribuir para os debates sobre a evolução do processo de pesquisa e ensino em contabilidade no Brasil. Sugere-se a necessidade de novos estudos, leituras, análises, reinterpretações e reflexões para aprofundar esta questão, através da ampliação do período de investigação dos artigos publicados bem como do escopo dos meios de publicação, a fim de que este debate possa, no futuro, traduzir-se em propostas concretas para o desenvolvimento do ensino e da pesquisa em Ciências Contábeis. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS I CONGRESSO NACIONAL DA ANPCONT Gramado. Anais.... Disponível em < Acesso em 03 ago II CONGRESSO NACIONAL DA ANPCONT Salvador. Anais.... Disponível em < Acesso em 03 ago III CONGRESSO NACIONAL DA ANPCONT São Paulo. Anais.... Disponível em < Acesso em 07 ago IV CONGRESSO NACIONAL DA ANPCONT Natal. Anais.... Disponível em < Acesso em 07 ago COSENZA, J. P.. A escrituração contábil através dos tempos: uma revisão histórica da contabilidade contemporânea com base na literatura contábil. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ. DEMO, Pedro. Educar pela Pesquisa. 4a. ed. São Paulo: Autores Associados, FURTADO, C.. Formação Econômica do Brasil. 25ª. ed. São Paulo: Nacional, GOLDENBERG, Miriam. A arte de pesquisar. 5a. ed. Rio de Janeiro: Record, IUDICÍBUS, Sérgio de. Conhecimento, Ciência, Metodologias Científicas e Contabilidade. Revista Brasileira de Contabilidade. N. 104, mar/abril, LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, LEITE, C. E. B.. A evolução das ciências contábeis no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

14 LUNA, S. V.. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC, MARION, J. Carlos, MARION, Márcia M. Costa. A importância da Pesquisa no Ensino da Contabilidade. Revista Pensar Contábil, Rio de Janeiro, n. 3, MARTINS, G. A.. O livro caixa da ordem terceira de São Francisco em Recife e São Paulo (Brasil): séculos XVII e XVIII. Revista Contabilidade e Finanças, Universidade de São Paulo, São Paulo, n. 33, p.78-89, set./dez PELEIAS, Ivan Ricardo. et al. A evolução do ensino da contabilidade no Brasil. Revista Contabilidade e Finanças, Universidade de São Paulo, São Paulo, Edição 30 Anos de Doutorado, p , Junho PRADO Jr., C.. História Econômica do Brasil. 43. ed. São Paulo: Brasiliense, REVISTA CONTABILIDADE VISTA & REVISTA. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, ISSN X. Disponível em <http://www.face.ufmg.br/revista/index.php/contabilidadevistaerevista>. Acesso em 09 ago REVISTA DO CRCRS. Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre < Acesso em 07 ago RICARDINO FILHO, A. A.. Auditoria: Ensino acadêmico x treinamento profissional. Tese. 2002, (Doutorado em Controladoria e Contabilidade). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. RODRIGUES, A. A.. Pesquisa sobre a evolução do ensino comercial, contábil, atuarial, administrativo e econômico no Século XIX. Revista Paulista de Contabilidade, n SÁ, A. L. de. História geral e das doutrinas da contabilidade. São Paulo: Atlas, SÁ, Antônio Lopes de. Diretrizes e Bases de uma Metodologia Geral no curso de Ciências Contábeis. Revista do Conselho Regional de Minas Gerais, SCHMIDT, P.. História do pensamento contábil. Porto Alegre: Bookman, SILVA. A. F.. A contabilidade brasileira no século XIX leis, ensino e literatura. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis e Financeiras). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, SP.

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

Oportunidades de melhoria nos programas de mestrado acadêmico em contabilidade a partir da avaliação da CAPES: uma análise longitudinal

Oportunidades de melhoria nos programas de mestrado acadêmico em contabilidade a partir da avaliação da CAPES: uma análise longitudinal Oportunidades de melhoria nos programas de mestrado acadêmico em contabilidade a partir da avaliação da CAPES: uma análise longitudinal Resumo O objetivo da pesquisa aqui apresentada foi analisar os pontos

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE Jesse Alencar da Silva Centro Universitário La Salle (UNILASALLE-RS)

Leia mais

O DESEMPENHO DE PERIÓDICOS NACIONAIS DA ÁREA CONTÁBIL

O DESEMPENHO DE PERIÓDICOS NACIONAIS DA ÁREA CONTÁBIL O DESEMPENHO DE PERIÓDICOS NACIONAIS DA ÁREA CONTÁBIL RESUMO O objetivo geral deste estudo é identificar o desempenho de periódicos da área contábil em relação aos aspectos formais. Para isso foram selecionados

Leia mais

O ensino de administração no curso de ciências contábeis da Universidade estadual do centro-oeste/unicentro campus universitário de Irati/PR

O ensino de administração no curso de ciências contábeis da Universidade estadual do centro-oeste/unicentro campus universitário de Irati/PR O ensino de administração no curso de ciências contábeis da Universidade estadual do centro-oeste/unicentro campus universitário de Irati/PR Edson Roberto Macohon (FURB) edson_macohon@al.furb.br Maria

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

RAIANA SIMÕES DA SILVA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM raiana_silva26@hotmail.com

RAIANA SIMÕES DA SILVA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM raiana_silva26@hotmail.com O ENSINO DA CONTABILIDADE NO BRASIL CARACTERÍSTICAS E TENDÊNCIAS RAIANA SIMÕES DA SILVA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM raiana_silva26@hotmail.com JOSÉ CARLOS RODRIGUES Faculdade

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade)

MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade) MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

O Ensino da Teoria da Contabilidade: Uma Avaliação em Instituições no Estado de São Paulo

O Ensino da Teoria da Contabilidade: Uma Avaliação em Instituições no Estado de São Paulo O Ensino da Teoria da Contabilidade: Uma Avaliação em Instituições no Estado de São Paulo Autoria: Claudio de Souza Miranda, Marcelo Botelho da Costa Moraes, Silvio Hiroshi Nakao Resumo A Teoria da Contabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

HORARIOS DE TUTORIAS: É necessário agendamento para tutoria.

HORARIOS DE TUTORIAS: É necessário agendamento para tutoria. HORARIOS DE TUTORIAS: É necessário agendamento para tutoria. Matemática: Luiz Paulo Tavares Disciplinas em que atua: Administração Financeira Contabilidade Estatística Estatística Aplicada Formação de

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM Lidiane Nazaré da Silva Dias Instituto de Estudos Superiores da Amazônia

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA: O PERCURSO HISTÓRICO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE UMA DISCIPLINA Rogério Antonio da Silva CUML Rosilene Batista de Oliveira CUML

CONTABILIDADE PÚBLICA: O PERCURSO HISTÓRICO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE UMA DISCIPLINA Rogério Antonio da Silva CUML Rosilene Batista de Oliveira CUML CONTABILIDADE PÚBLICA: O PERCURSO HISTÓRICO DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE UMA DISCIPLINA Rogério Antonio da Silva CUML Rosilene Batista de Oliveira CUML Resumo Este trabalho tem como objetivo conhecer a história

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Panorama de Ocupação Profissional e de Renda: Análise dos Egressos de um Programa de Pós-graduação em Contabilidade

Panorama de Ocupação Profissional e de Renda: Análise dos Egressos de um Programa de Pós-graduação em Contabilidade Panorama de Ocupação Profissional e de Renda: Análise dos Egressos de um Programa de Pós-graduação em Contabilidade Fabiana Frigo Souza UFSC fabiiana_fs@hotmail.com Valdirene Gasparetto UFSC valdirene.gasparetto@ufsc.br

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Uma Avaliação da Estrutura Curricular dos Cursos de Ciências Contábeis nas Ies da Cidade de Caruaru/pe Diante da Proposta da Onu/unctad/isar

Uma Avaliação da Estrutura Curricular dos Cursos de Ciências Contábeis nas Ies da Cidade de Caruaru/pe Diante da Proposta da Onu/unctad/isar Uma Avaliação da Estrutura Curricular dos Cursos de Ciências Contábeis nas Ies da Cidade de Caruaru/pe Diante da Proposta da Onu/unctad/isar Flávia Viviane Gomes da Silva mariadaniella75@hotmail.com FAVIP

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO EDILEUZA DE FREITAS MIRANDA DE MENDONÇA Universidade Estadual de Goiás (Brasil) Campus BR 153, Km 98, CEP: 75001-970

Leia mais

Palavras-chave: metodologia de pesquisa, pós-graduação stricto sensu, Ciências Contábeis.

Palavras-chave: metodologia de pesquisa, pós-graduação stricto sensu, Ciências Contábeis. Metodologia de Pesquisa em Contabilidade: Análise da Percepção dos Discentes do Programa Multiinstitucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis UnB, UFPB e UFRN Autoria: Diogo Henrique

Leia mais

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com.

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com. A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: DESAFIOS EMERGENTES NA PRÁTICA E POSSIBILIDADES CONSTRUÍDAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E LINGUAGEM MATEMÁTICA Francini Sayonara Versiani Soares.

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO BRASIL & BAHIA (2013) UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO D.T. RODRIGUES 1, M. ROCHA 1, D.M. BRITO 1 e G.P. PINTO 1,2. 1

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

PERFIL DO ACADÊMICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI - E A NECESSIDADE DE ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS INTERNACIONAIS

PERFIL DO ACADÊMICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI - E A NECESSIDADE DE ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS INTERNACIONAIS PERFIL DO ACADÊMICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI - E A NECESSIDADE DE ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS INTERNACIONAIS Isabelle Ribeiro Viana Bolsista do Programa de Iniciação

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

III - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

III - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: ESTRUTURA I- Objetivo Geral 1. Desenvolver processo de ensino-aprendizagem no âmbito do trabalho em saúde e enfermagem, segundo conteúdos relacionados à Área de às Linhas de Pesquisa propostas neste Mestrado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. Disciplina I Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Prérequisito s Carga Horária

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS. Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C.

Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS. Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C. Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C. Contábei da FAP Piracanjuba-GO 2014 1 1. APRESENTAÇÃO: Formato: presencial

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

Pesquisa Científica: Uma investigação do perfil dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina

Pesquisa Científica: Uma investigação do perfil dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina Pesquisa Científica: Uma investigação do perfil dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina Resumo Com a expansão das Ciências Contábeis, torna-se fundamental

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Sem. CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS I II III IV V VI VI I Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

ENSINO SUPERIOR DE CONTABILIDADE NO BRASIL E A PRÁTICA DOCENTE

ENSINO SUPERIOR DE CONTABILIDADE NO BRASIL E A PRÁTICA DOCENTE ENSINO SUPERIOR DE CONTABILIDADE NO BRASIL E A PRÁTICA DOCENTE Resumo GASPARIN, João Luiz 1 - UEM GONÇALVES, Rosilene Nogueira 2 - UEM Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.609, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.609, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.9, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 117/06-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

A pós-graduação e sua contribuição para a formação profissional dos administradores

A pós-graduação e sua contribuição para a formação profissional dos administradores 1 A pós-graduação e sua contribuição para a formação profissional dos administradores RESUMO O presente artigo consiste em analisar as expectativas que os alunos do Curso de Administração de duas Instituições

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O ENSINO DA CIÊNCIA CONTÁBIL EM QUESTÃO: UMA ANÁLISE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DE MINAS GERAIS

O ENSINO DA CIÊNCIA CONTÁBIL EM QUESTÃO: UMA ANÁLISE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DE MINAS GERAIS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 3 a 6 de outubro de 007 O ENSINO DA CIÊNCIA CONTÁBIL EM QUESTÃO: UMA ANÁLISE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DE MINAS GERAIS João Paulo

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Marketing e Vendas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Reflexões iniciais sobre indicadores de qualidade nos cursos de MBA. Palavras-chaves: Educação lato sensu e indicadores de qualidade.

Reflexões iniciais sobre indicadores de qualidade nos cursos de MBA. Palavras-chaves: Educação lato sensu e indicadores de qualidade. Reflexões iniciais sobre indicadores de qualidade nos cursos de MBA Resumo Este artigo tem como objetivo refletir sobre a qualidade nos MBAs oferecidos por instituições de ensino no Brasil. Especificamente,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão Estratégica Empresarial

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão Estratégica Empresarial DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão Estratégica Empresarial 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil

Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil Marcelo Dias Pereira Universidade Municipal de São Caetano do Sul, Faculdades Integradas de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CIÊNCIAS CONTÁBEIS

MATRIZ CURRICULAR CIÊNCIAS CONTÁBEIS Curso: Graduação: Regime: Duração: CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS -

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

PESQUISA COMO RECURSO DE SUSTENTABILIDADE PARA A PROFISSÃO DE SECRETARIADO. Principais conquistas do Secretariado brasileiro

PESQUISA COMO RECURSO DE SUSTENTABILIDADE PARA A PROFISSÃO DE SECRETARIADO. Principais conquistas do Secretariado brasileiro PESQUISA COMO RECURSO DE SUSTENTABILIDADE PARA A PROFISSÃO DE SECRETARIADO Principais conquistas do Secretariado brasileiro 1931 Decreto Lei 20.158, organiza o ensino comercial, regulamenta a contador

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Metodologia Científica Aula 1 Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Bibliografia: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks. com/w/file/fetch/64878127/willian%20cost a%20rodrigues_metodologia_cientifica

Leia mais

V Congresso UFV de Administração e Contabilidade e II Mostra Científica

V Congresso UFV de Administração e Contabilidade e II Mostra Científica UMA ANÁLISE DA ADERÊNCIA DOS CURRÍCULOS DOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INTERIOR PAULISTA AO PROPOSTO PELA FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE CONTABILIDADE AN ANALYSIS OF THE ADHERENCE OF THE CURRICULA OF ACCOUNTANCY

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2 DENOMINAÇÃO: PORTARIA DE AUTORIZAÇÃO: PORTARIA DE RECONHECIMENTO: REGIME ESCOLAR: NÚMERO DE VAGAS ANUAIS: TURNOS DE FUNCIONAMENTO: NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA:

Leia mais

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Carlos Henrique Gonçalves (UNESC/FAAP) chcg@uol.com.br Roberval Bráz Padovan (UNESC/FAAP) am_padovan@terra.com.br Simone Thereza

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

Programas de Pós-graduação em Contabilidade: Análise da Produção Científica e Redes de Colaboração

Programas de Pós-graduação em Contabilidade: Análise da Produção Científica e Redes de Colaboração Programas de Pós-graduação em Contabilidade: Análise da Produção Científica e Redes de Colaboração RESUMO Autoria: Harley Almeida Soares da Silva, Diane Rossi Maximiano Reina, Sandra Rolim Ensslin, Donizete

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

EMANUELLE PRISCILA DE ALMEIDA PEIXOTO Universidade Federal da Paraíba. ROBÉRIO DANTAS DE FRANÇA Universidade Federal da Paraíba

EMANUELLE PRISCILA DE ALMEIDA PEIXOTO Universidade Federal da Paraíba. ROBÉRIO DANTAS DE FRANÇA Universidade Federal da Paraíba A Contribuição da Iniciação Científica na Elaboração do TCC no Curso de Ciências Contábeis sob a Ótica do Corpo Discente: uma Pesquisa nas IES Públicas do Estado da Paraíba EMANUELLE PRISCILA DE ALMEIDA

Leia mais