META-ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "META-ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS"

Transcrição

1 META-ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ENSINO E PESQUISA EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Sibele Leandra Penna Silva Mestre em Administração pela UFV Coordenadora do curso de Ciências Contábeis da FAMINAS - Campus Muriaé Professora da Faculdade Dinâmica Ponte Nova (MG) Av. Cristiano Ferreira Varella, 655, Muriaé (MG), CEP Telefone (32) Walmer Faroni Doutor em Administração pela Universidade de Valência Espanha Diretor do Centro de Ciências Humanas, Letra e Artes da UFV Professor do Mestrado em Administração do Programa de Pós-Graduação da UFV Av. Peter Hery Rolfs, s/n, Campus Universitário, Viçosa (MG), CEP Telefone (31) Resumo A importância do ensino e da pesquisa para o desenvolvimento do conhecimento é inegável, assim como a compreensão de questões cada vez mais complexas exige uma nova formação profissional que enfoque as várias dimensões do ser humano e da sociedade requeridas para enfrentar os desafios da sociedade do conhecimento. Nessa perspectiva o artigo visa analisar a produção científica sobre o ensino e a pesquisa na área de Contabilidade no Brasil, Apresentaram-se os principais conceitos sobre ensino, pesquisa e produção de conhecimento científico na área de contabilidade, e foram identificados e analisados 383 artigos apresentados no Congresso da ANPCONT, na Revista Eletrônica do CRCRS e na Revista Contabilidade Vista & Revista, na área de ensino e pesquisa, nos anos de 2007 a Ao final, somaram-se 60 artigos, cujos conteúdos foram categorizados segundo sua frequência em cada unidade analisada; perfil dos autores e procedimentos metodológicos; posteriormente foram analisados em termos de conteúdo com o estabelecimento de eixos temáticos comuns entre os dados. As indagações feitas visam favorecer a ampliação do conhecimento na área contábil. Palavras-Chave: Ensino em contabilidade; pesquisa em contabilidade; profissional contábil. Abstract The importance of education and research for the development of knowledge is undeniable, as well as the understanding of increasingly complex issues requires a new training that focuses on the various dimensions of human beings and society required to meet the challenges of the knowledge society. In this perspective the paper aims to analyze the scientific literature on teaching and research in Accounting in Brazil, presented the main concepts of teaching, research and production of scientific knowledge in the accounting area, and were identified and analyzed 383 papers presented in Congress ANPCONT in CRCRS Electronic Journal of Accounting and Vista Magazine & Journal, in education and research in the years 2007 to At the end, amounted to 60 papers, whose contents were categorized according to their frequency in each unit; profile of the authors and methodological procedures, were later analyzed in terms of content with the establishment of common themes among the data. The questions asked concerning the welfare and expansion of knowledge in accounting. Keywords: Education in accounting; accounting research; accounting professional.

2 INTRODUÇÃO No mundo contemporâneo, o conhecimento, em grande parte ainda baseado em um modelo cartesiano de pensar, pautado por visões simplistas, reducionistas e fragmentadas, parece ser incapaz de oferecer explicações científicas e fundamentar debates que tratem de questões da atualidade. Os avanços que tem ocorrido com a sociedade provocando alterações substanciais nos saberes até então vigentes, exigem a compreensão de questões cada vez mais complexas, a constante adaptação à velocidade e à imprevisibilidade das mudanças sociais, econômicas, políticas e tecnológicas e tornam as demandas por aprendizagem sem precedentes quantitativos e qualitativos. Na sociedade pós-moderna, conceituada como sociedade do conhecimento, em virtude das transformações ocorridas na economia, na política e na cultura, o recurso econômico essencial é o conhecimento. Nesse sentido, a aprendizagem apresenta-se como forma unívoca de geração e acumulação de capital, subjetivo e flexível, entretanto vital para evitar-se a exclusão tecnológica e consequentemente social. A ampliação do conhecimento e a construção de novos saberes estão atreladas ao desenvolvimento da pesquisa, e nesse sentido, percebe-se a necessidade de articular ensino e pesquisa em uma reciprocidade enriquecedora para ambos. Nesse contexto, a pesquisa contábil pode ser considerada como uma prática de ordem social e institucional, capaz de influenciar entidades e processos de modo a transformá-los. O crescimento da pesquisa científica em Contabilidade no Brasil, que tem-se expandido em uma velocidade crescente nos últimos, em razão de várias mudanças econômicas e sociais, aumento expressivo do número de programas de pós-graduação e, consequentemente, o aumento da produção científica, do impacto econômico que ela produz nas organizações e na sociedade, bem como da evolução da Contabilidade em todo o mundo. As discussões acerca da produção do conhecimento na área contábil têm seus primeiros estudos a partir de meados da década de Dentre os trabalhos sobre essa temática, destacam-se o de Theóphilo e Iudícibus (2005), no qual verificaram uma mudança de paradigma na pesquisa contábil brasileira neste período, evidenciado pela preocupação em estudos com foco empírico e pela aproximação dos trabalhos a um formato científico, apesar da pouca diversidade das abordagens metodológicas; Frezatti e Borba (2000), que estudaram os padrões de revistas científicas internacionais na área de Contabilidade; Oliveira (2001), analisando o conteúdo e a forma dos periódicos científicos de Contabilidade no Brasil; Leite (2004), que pesquisou a relação orientador-orientando e sua associação com a produção de teses e dissertações nos programas de pós-graduação em Contabilidade; Santana (2004), na investigação da produção científica em Contabilidade Social no período de 1990 a 2003; e, Cardoso, Mendonça, Riccio e Sakata (2005) que estudaram as publicações científicas em Contabilidade de 1990 a O presente estudo motivou-se pela contribuição à literatura existente e pela exigência atual de formação diferenciada do profissional de ciências contábeis. Para tanto, com base na análise da produção científica relativa ao ensino e à pesquisa em Contabilidade, questiona-se: Qual o padrão e o perfil da produção científica sobre a temática Ensino e Pesquisa em Contabilidade, de trabalhos apresentados em anais de congressos e periódicos da área contábil no Brasil? O objetivo principal deste trabalho é realizar uma meta-análise da produtividade científica no Brasil, sobre a temática de ensino e pesquisa em contabilidade. Como objetivos específicos apontam-se: a) verificar a frequência e a evolução da produtividade sobre o tema em epígrafe, b) identificar características dos artigos, dos autores e dos veículos de publicação; c) comparar os procedimentos metodológicos utilizados na produção pesquisada;

3 d) apresentar o referencial bibliográfico utilizado na produção pesquisada; e) analisar o conteúdo abordado nos estudos apresentados. O presente estudo, além desta introdução, que apresenta a contextualização da proposta central, está dividido em mais quatro seções: na segunda seção que faz-se uma revisão da literatura sobre o tema, apresentando estudos anteriores; na terceira seção descreve a metodologia utilizada da pesquisa empírica, a quarta apresenta à análise de resultados e, por fim, na quinta seção descrevem-se as considerações finais. A EVOLUÇÃO DO O ENSINO DA CONTABILIDADE NO BRASIL O ensino comercial e de Contabilidade no Brasil teve seus primeiros delineamentos no século XIX, com a vinda da Família Real Portuguesa, em Até então, a atividade comercial brasileira resumia-se à venda dos bens produzidos ao mercado internacional. Internamente, o comércio era composto basicamente uma parte, de mercadorias importadas ou destinadas à exportação e, outra parte, ao abastecimento dos grandes centros urbanos. A preocupação do governo com negócios públicos e privados tornou-se relevante, em frente às profundas mudanças na situação econômica, política e social da Colônia. Segundo Schmidt (2000), em 1808, foi criada uma cadeira de Aula Pública de Ciências Econômicas no Rio de Janeiro, atribuída ao Visconde de Cairu; em 1809, foram criadas as Aulas de Comércio, iniciando- se o ensino comercial no Brasil. Saes e Cytrynowicz (2001) apontam que o ensino comercial brasileiro a partir da Proclamação da República sofreu grandes mudanças, que culminaram na fundação da primeira instituição direcionada ao ensino comercial, a Escola de Comércio Álvares Penteado, em Os cursos profissionalizantes, ou de Ensino Técnico Comercial, foram instituídos pelo Decreto de 28 de maio de 1926, que aprovou o regulamento dos estabelecimentos de ensino para oferecerem dois cursos: um com formação geral e outro com formação superior O curso geral conferia o diploma de Contador e o superior o título de graduado em Ciências Econômicas (PELEIAS et. al. 2007, p. 26). Marion (2005) aponta que, em termos gerais o currículo para formação geral comercial e obtenção do título de Contador tinha a seguinte estrutura: no primeiro ano, ministrava-se Língua Portuguesa, Francês, Inglês (ou Alemão), Aritmética, Álgebra, Geometria e Contabilidade, onde o aluno se iniciava em noções gerais de escrituração mercantil; no segundo ano entrava-se em Comércio, Finanças, Estenografia, Desenho e Tecnologia, envolvendo o estudo das mercadorias, em sua procedência, valor, processo de avaliação de sua falsificação ou alteração; e, finalmente no terceiro ano eram ministradas Geografia Econômica e Comercial, Regras Gerais do Direito e Legislação Comercial, Economia Política e Finanças que abrangia desde Estatística até Análise do Sistema Monetário, Operações de Câmbio e Bolsas de Valores. Com respeito à formação superior e obtenção do título de graduado em Ciências Econômicas, as disciplinas eram distribuídas assim: no primeiro ano ministrava-se Contabilidade de Transportes, Matemática Financeira, Geografia Econômica, Direito Constitucional Civil e Economia Política; no segundo ano, Contabilidade Pública, Finanças, Economia Bancária, Direito Internacional Comercial, Ciências da Administração, Legislação Consular, Psicologia, Lógica e Ética; e, no último ano, não haviam mais disciplinas de contabilidade, prevalecendo, Direito Administrativo, Industrial e Internacional além de Diplomacia, Política Comercial, Sociologia e História Econômica. O Decreto-Lei , de 30 de junho de 1931, regulamentou a profissão de contador e reorganizou o ensino comercial, dividindo-o nos níveis propedêutico, técnico e superior. O propedêutico exigia o mínimo de doze anos para realização de exames admissionais. No

4 técnico, o ensino comercial era dividido em secretário, guarda- livros e administradorvendedor, com duração de dois anos, e atuário e perito contador, com duração de três anos. Furtado (1995, p ), referindo-se às mudanças econômicas e sociais do país nesse período, cita que: A precária situação da economia cafeeira nas primeiras décadas do século XX afugentava desse setor os capitais que nele ainda se formavam. [...] Restringida a reposição, parte dos capitais que haviam sido imobilizados em plantações de café foram desinvestidos, e foram absorvidos por outros setores da economia, como o sistema comercial, de serviços e o bancário, e ainda mais pelo nascente sistema industrial. [...] o fator dinâmico principal, nos anos que se seguem à crise (de 29), passa a ser, sem nenhuma duvida, o mercado interno. O país passa por um período de inflexão de sua matriz produtiva, deixando de ser unicamente produtor agrícola para se industrializar. Esta mudança impunha ao país a modernização de seus serviços e a adequação de sua mão-de-obra, especializando-a. Peleias et. al. (2007) demonstra que, como forma de adequar-se às novas demandas do mercado, foram efetuadas mudanças nos cursos de ensino comercial profissionalizantes, foi promulgado em 23 de agosto de 1939, o Decreto-Lei 1.535, que mudou a denominação do Curso de Perito Contador para Curso de Contador. O Decreto-Lei de 22 de setembro de 1945, criou o curso de Ciências Contábeis e Atuariais, conferindo aos concluintes o título de Bacharel em Ciências Contábeis e Atuariais, definindo o prazo mínimo de quatro anos para conclusão do curso. Em 1996, com a promulgação da Lei 9.394, que, revogando a Lei 4.024/61, definiu as novas Diretrizes e Bases da Educação Nacional, criou o Conselho Nacional de Educação CNE e a respectivas Câmaras para os níveis de ensino, dentre elas a Câmara de Ensino Superior CES, várias mudanças foram introduzidas no ensino superior do país, tais como: a qualificação docente, produção intelectual, docentes com regime de tempo integral e perfil profissional ligado à formação da cultura regional e nacional. As décadas de 1990 e 2000 tornaram-se cenário da implantação de novos programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Contabilidade. Em 1998 iniciou-se o Programa de Mestrado em Ciências Contábeis da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS; em 1999 foram implantados o programa de Mestrado Multi-Institucional e Inter-Regional do consórcio mantido pela Universidade de Brasília - UNB, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE e Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN; os programas de Mestrado em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro e do Centro Universitário Álvares Penteado FECAP; em 2000 surgiu o Programa de Mestrado em Ciências Contábeis da Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças FUCAPE; nos anos de 2002, 2003, 2004 e 2005 iniciaram-se os Programas de Mestrado em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Ceará UFC, Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, Universidade Federal do Paraná UFPR, e Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB respectivamente. Em 2006 foi a vez das Universidades Federais de Minas Gerais UFMG e da Bahia UFBA, criarem o Programa de Mestrado em Ciências Contábeis. A implantação de programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Contábeis contribuiu para o crescimento da produção científica e surgimento de eventos científicos e profissionais específicos, além de resultar em fatos significantes para a pesquisa em Contabilidade no Brasil.

5 Uma das consequências foi a possibilidade de publicações de trabalhos de pesquisa contábil em periódicos classificados no Sistema Qualis 1 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES que resultou tanto no aumento das publicações da área contábil quanto na criação e manutenção de periódicos, mantidos por alguns programas Stricto Sensu de Contabilidade. Finalmente, ressalta-se a criação da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis ANPCONT, por iniciativa dos coordenadores de tais programas, em reunião realizada no ano de 2006, em Vitória (ES), que apresenta, conforme previsto no artigo 4º de seu estatuto: Art. 4º A Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis ANPCONT tem por objetivo atuar na área de educação, congregando e representando as instituições brasileiras que matem cursos de mestrado e/ou doutorado em Ciências Contábeis. PESQUISA CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE O desenvolvimento de qualquer campo do conhecimento humano baseia-se na atuação dos integrantes de um grupo capaz de materializar os conceitos e princípios básicos da matéria, cristalizando-os a fim de criar novas teorias e práticas. Segundo Nepomuceno (1996), para se entender a Contabilidade, é preciso qualidade e conhecimento específico geral e quem apoia essa qualificação é a cultura abrangente buscada em outras disciplinas correlatas. Cosenza (2001, p. 48) ao discorrer que a Contabilidade vem assumindo o papel de ciência consolidada, formando correntes de pensamentos, afirma que Como não poderia deixar de ser, surge uma imensa desarmonia contábil, seja dentro de um único país ou, mesmo, no âmbito de nacionalidades distintas. Dependendo do modo como os fatos patrimoniais são qualificados e quantificados, em cada uma dessas localidades, pode-se apresentá-los de diversas formas, às vezes até conflitantes. Tudo porque cada qual interpreta e manipula à sua maneira e conveniência o quê? e porquê? do fato contábil. Nessa perspectiva, o crescimento da Contabilidade depende muito do desempenho dos pesquisadores, docentes e profissionais que atuam na área e da revisão das metodologias aplicadas no ensino de contabilidade, de forma que o mesmo apresente modificações essenciais para que o espírito científico possa fazer parte inseparável das Instituições de Ensino Superior. Segundo Marion e Marion (1999, p. 37) qualquer instituição de ensino superior, seja uma universidade ou uma faculdade, é o local adequado para a construção de conhecimento para a formação da competência humana. Competência esta que exige a capacidade de inovar, criar e criticar. No entanto, mesmo sendo a universidade ou qualquer instituição de ensino superior o local mais adequado para a investigação científica, com todo ambiente apropriado para tal, isso nem sempre ocorre. 1 Qualis é o conjunto de procedimentos utilizados pela Capes para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação. Tal processo foi concebido para atender as necessidades específicas do sistema de avaliação e é baseado nas informações fornecidas por meio do aplicativo Coleta de Dados. Como resultado, disponibiliza uma lista com a classificação dos veículos utilizados pelos programas de pós-graduação para a divulgação da sua produção.

6 Marion (2001, p. 11) afirma que as IES são apenas fios que levam a energia gerada, propondo-se simplesmente a transmitir o conhecimento através de mera cópia daquilo que já existe. Não criam, não inovam, não ensinam os alunos a construir conhecimento. Morais (2005) aponta como fatores para a carência da pesquisa nos de Ciências Contábeis o fator falta de disponibilidade de tempo dos alunos, cuja maioria faz o curso no período noturno; a escassez de linhas de financiamentos para a pesquisa e da concessão de bolsas para iniciação científica além de um alto grau de dificuldade para obtê-las; o número reduzido de professores detentores dos títulos de mestres e doutores, que, em geral, são pesquisadores no campo da Contabilidade. Marion (1998, p. 2) declara que Ironicamente podemos dizer que o professor de Contabilidade, de maneira geral, constitui uma das categorias que menos pesquisa na área contábil. Não nos referimos à pesquisa de novas descobertas na área profissional, mas sim no que tange ao ensino da Contabilidade. Por outro, Marion e Marion (1999) argumentam que as IES não são incentivadas ao desenvolvimento de pesquisas científicas contábeis perante as Diretrizes Curriculares Nacionais. Analisando-se os conteúdos que os cursos de graduação em Ciências Contábeis deverão contemplar em seus projetos pedagógicos e em sua organização curricular, definidos no art. 5º da Resolução CNE/CES 10, de 16 de dezembro de 2004, verifica-se que a pesquisa científica em Contabilidade não é destacada como um conteúdo fundamental para o curso. Art. 5º - [...] I conteúdos de Formação Básica: estudos relacionados com outras áreas do conhecimento. Os conteúdos que os cursos de graduação em Ciências Contábeis deverão contemplar em seus projetos pedagógicos e em sua organização curricular estão definidos no art. 5º da Resolução CNE/CES 10, de 16 de dezembro de 2004: I conteúdos de Formação Básica: estudos relacionados com outras áreas do conhecimento, sobretudo Administração, Economia, Direito, Métodos Quantitativos, Matemática e Estatística; II conteúdos de Formação Profissional: estudos específicos atinentes às Teorias da Contabilidade, incluindo as noções das atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais, governamentais e não governamentais, de auditorias, perícias, arbitragens e controladoria, com suas aplicações peculiares ao setor público e privado; III conteúdos de Formação Teórico-Prática: Estágio Curricular Supervisionado, Atividades Complementares, Estudos Independentes, Conteúdos Optativos, Prática em Laboratório de Informática utilizando softwares atualizados para Contabilidade.(RESOLUÇÃO CNE/CES, 2004) De acordo com Kramer (2005, p. 73), não basta somente existir uma norma que determine a adoção de disciplina especificamente voltada para a pesquisa contábil nos cursos de graduação em Ciências Contábeis, pois as IES não estão preparadas para tal mudança, sendo necessário que se tenha uma estrutura adequada funcionando e um currículo compatível implantado. ASPECTOS METODOLÓGICOS Enquadramento metodológico O presente trabalho caracteriza-se como pesquisa empírico-analítica, cuja lógica é dedutiva, pois os resultados são decorrentes do desenvolvimento de uma estrutura teórica e conceitual testada posteriormente pela observação empírica (COLLIS e HUSSEY, 2005, p. 25).

7 A abordagem utilizada nesse estudo é predominantemente qualitativa, por tratar da natureza semântica e interpretativa dos fenômenos, através de atributos que lhes dão significados (GONÇALVES E MEIRELLES, 2004). Considerando as três as instâncias de integração entre métodos qualitativos e quantitativos: o planejamento de pesquisa, a coleta de dados e a análise da informação (RICHARDSON, 1999, p. 79), utilizou-se de técnicas quantitativas com o propósito de tabular os dados e informar os resultados a serem analisados. Por meio das técnicas qualitativas é possível interpretar os resultados e ampliar o conhecimento; por meio das técnicas quantitativas, é possível embasar as informações qualitativas com o apoio de métodos estatísticos (RICHARDSON, 1999). Quanto aos fins, considera-se o estudo como descritivo, pois visa descrever as características da produção científica publicada em periódicos e anais de evento contábeis. Gil (1996, p. 46) ensina que as pesquisas descritivas visam à descrição das características de determinada população ou fenômeno, e têm por objetivo levantar as opiniões, atitudes e crenças de uma população. Em relação às técnicas de coleta de dados, trata-se de uma pesquisa bibliográfica e documental. Na pesquisa bibliográfica o referencial teórico é construído com base em material publicado e acessível ao público em geral [...] enquanto a pesquisa documental, documental considerara dados oriundos de documentos que não receberam ainda tratamento analítico, ou que ainda podem ser reelaborados de acordo com os objetivos da pesquisa (VERGARA, 2005, p. 48). Procedimentos adotados Segundo Rudio (1980), os métodos específicos ou procedimentos estão relacionados com os procedimentos técnicos a serem seguidos pelo pesquisador dentro de uma determinada área de conhecimento. No caso deste artigo buscou-se analisar a incidência e o perfil de artigos relacionados ao tema Ensino e Pesquisa em Contabilidade. Para tanto, foram seguidos os seguintes procedimentos: 1. Seleção dos periódicos e anais do congresso a serem utilizados como fontes para coleta de dados. 2. Determinação do período de tempo a ser coberto pela investigação 2007 a 2010, por apresentar dados disponíveis para todas as fontes pesquisadas; 3. Definição do campo de abrangência do tema Ensino e Pesquisa em Contabilidade artigos que contêm trabalhos específicos acerca da temática; 4. Realização de consulta a fontes secundárias de dados busca com base nos sites de artigos vinculados aos periódicos e aos anais dos eventos em análise; 5. Leitura dos resumos e refinamento dos artigos encontrados leitura do tópico de metodologia e coleta de dados para verificar sua adequação ao escopo do trabalho; 6. Desenvolvimento de um banco de dados para registro de dados coletados o instrumento de coleta, organização e análise quantitativa dos dados foi um roteiro estruturado em banco de dados no Microsoft Excel Universo pesquisado A opção pela análise de dados referentes a publicações que apresentam abrangência nacional, fossem significativas para a pesquisa contábil e sobre as quais houvesse relativa escassez de estudos, culminou na seleção da seguintes unidades de análise do presente estudo: 1. O Congresso Nacional da ANPCONT evento de importante significado acadêmicocientífico em nível nacional. À partir de sua primeira edição, em junho de 2007 tem-se realizado anualmente, no mês de junho e vem-se tornando um dos maiores incentivadores da produção científica na área contábil. 2. A Revista Contabilidade Vista & Revista periódico trimestral, impresso, digital e gratuito mantido pelo Departamento de Ciências Contábeis da Faculdade de Ciências

8 Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, com o apoio institucional do programa de Mestrado em Ciências Contábeis, tem contribuído de forma significativa com o incentivo e disseminação da produção científica na área contábil. 3. A Revista Eletrônica do CRCRS periódico trimestral, impresso, digital e gratuito mantido pelo Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul, tem tido papel significativo na produção científica entre os profissionais da área, contribuindo para a minimização da dicotomização entre teoria e prática da ciência contábil. O período pesquisado foi de 2007 a 2010, tendo sido assim delimitado por corresponder o ano de 2007 ao início da existência do congresso da ANPCONT, e, buscando a abrangência vertical da análise, optou-se pela consideração do período em que há disponibilidade de dados para todas as unidades. O volume de trabalhos encontrados na área temática totalizou 60 artigos, os quais representam o foco deste estudo. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS A definição do universo da pesquisa englobou três unidades de análise diferentes: o congresso nacional da ANPCONT, a Revista Contabilidade Vista & Revista e a Revista Eletrônica do CRCRS. Tabela 1 Universo de Pesquisa Título do Periódico/Congresso ISSN Abrangência CONGRESSO ANPCONT Nacional CONTABLIDADE VISTA & REVISTA X Nacional REVISTA ELETRÔNICA CRC/RS Nacional O período de análise ficou determinado a iniciar-se em 2007, desde a primeira edição do Congresso da ANPCONT, e estender-se até 2010, por ser o último período de dados disponíveis. Tabela 2 Amostra e Período Analisado: Título do Periódico/Congresso Período Analisado Anos CONGRESSO ANPCONT anos CONTABLIDADE VISTA & REVISTA anos REVISTA ELETRÔNICA CRC/RS anos Há predominância da publicação de artigos referentes à temática Ensino e Pesquisa em Contabilidade no Congresso da ANPCONT, conforme mostra a Tabela 3. Tabela 3 Total de artigos analisados Fonte/Ano Total CONGRESSO ANPCONT CONTABLIDADE VISTA & REVISTA REVISTA ELETRÔNICA CRC/RS Total Geral

9 A Tabela 4 mostra que apesar de ser um evento que se destaca na publicação sobre ensino e pesquisa em contabilidade, em relação ao total de artigos, o percentual sobre o tema, mesmo em ascensão, ainda é pequeno em comparação com os demais. Tabela 4 Total de artigos analisados em relação ao total publicado Artigos/Ano Total Total do CONGRESSO ANPCONT Artigos Analisados Percentual anual 11% 13% 16% 21% 16% Total da REVISTA ELETRÔNICA CRC/RS Artigos Analisados Percentual anual 26% 8% 17% 8% 16% Total da CONTABLIDADE VISTA & REVISTA Artigos Analisados Percentual anual 13% 13% 11% 21% 14% Total de Publicações Total de Artigos Analisados Percentual anual total 15% 12% 15% 19% 16% A análise do perfil dos autores dos artigos apresentados nos veículos de publicação, aponta que, o máximo de autores por artigo foi de cinco, e a maior parte dos trabalhos continha três e quatro autores, que representam juntamente 60% da amostra analisada, conforme demonstrado na tabela 5. Esses primeiros resultados divergem dos resultados obtidos como os trabalhos de Oliveira (2001), em que o autor assevera que, em publicações periódicas, os autores da área de ciências sociais teriam uma tendência de trabalhar e publicar isoladamente, no máximo em coautoria. Tabela 5 Perfil dos Autores Periódicos/Congresso N de Congresso Revista Contabilidade Total autores/ano ANPCONT CRCRS Vista & Revista F f F f F f F f 1 autor 1 3% 5 63% 1 8% 7 16% 2 autores 9 23% 2 25% 4 31% 15 19% 3 autores 17 44% 1 13% 3 23% 21 30% 4 autores 11 28% % 15 30% 5 autores 1 3% % 2 5% Total de 39 Artigos 100% 8 100% % % Total de 119 Autores Média autor/artigo 3,1 1,5 3,0 2,8

10 Os dados demonstram que a autoria dos trabalhos em revistas é maior entre o gênero feminino, enquanto o gênero masculino concentra 62% nas publicações em congresso. Nas publicações do periódico vinculado à instituição de ensino superior, verifica-se um equilíbrio na frequência de autores do sexo masculino e do sexo feminino. Silva et al. (2005), também investigaram o gênero dos autores e concluíram que o maior percentual acumulado dos autores analisados eram do gênero masculino. Pode-se notar que os números apresentados pela presente pesquisa, apesar de apontar para uma maior participação masculina nas autorias em congressos da área contábil, em termos gerais apresentam uma situação de maior equilíbrio, conforme pode-se verificar na tabela 6, a seguir: Tabela 6 Gênero dos Autores Periódicos/Congresso N de Congresso Revista Contabilidade Total autores/ano ANPCONT CRCRS Vista & Revista F f F f F f F f Feminino 56 47% 6 43% 22 58% 84 49% Masculino 62 53% 8 57% 16 42% 86 51% Total % % % % Em relação aos aspectos metodológicos dos artigos estudados, pode-se verificar quais as abordagens de pesquisa utilizadas, o que está diretamente relacionado aos objetivos dos artigos, conforme mostra a tabela 7. Dentre a amostra pesquisada verifica-se que a abordagem quantitativa apresenta maior ocorrência que a abordagem qualitativa. Em relação à abordagem mista, concentrou 39% das publicações no ano de 2007 e obteve queda no ano de Tabela 7 Abordagem de Pesquisa Abordagem Quantitativa Qualitativa Mista Frequência/Ano F f F f F f % 4 24% 7 39% % 4 24% 5 28% % 2 12% 2 11% % 7 41% 4 22% Total % % % Outro aspecto metodológico a ser abordado é o tipo de pesquisa mais utilizado, conforme mostra a Tabela 8. Dentre os artigos amostrados, pode-se observar que a maior parte dos trabalhos apresenta delineamento exclusivamente descritivo, concentrando 44 artigos do total pesquisado, contra 15 ocorrências da pesquisa exploratória, que ocupa o segundo lugar. Isso se dá porque a maior parte das produções visa descrever as características e as perspectivas do ensino e da pesquisa em contabilidade. Quanto ao tipo de pesquisa classificado como explicativo, observou-se apenas 1 ocorrência, isto porque esse delineamento serve mais às pesquisas naturais e biológicas.

11 Tabela 8 Total de artigos analisados por tipo de pesquisa Abordagem Descritiva Explicativa Exploratória Frequência/Ano F f F f F f % % % % % % % 1 100% 7 47% Total % 1 100% % A tabela 9 evidencia que o levantamento de dados secundários predomina em todos os anos, apresentando 35 ocorrências em um universo de 60 artigos pesquisados. Em segundo lugar, destaca-se o questionário como instrumento de coleta. Ressalta-se que as técnicas de pesquisa são coerentes com as abordagens de pesquisa apresentadas. Tabela 9 Técnicas de Coleta de Dados Técnicas de Coleta Dados Secundários Observação Entrevista Questionário Frequência/Ano F f F f F f F F % 1 17% 1 20% 2 15% % 2 33% % % 2 33% 2 40% 2 15% % 1 17% 3 60% 7 54% Total % 6 100% 5 100% % Os dados apresentados na tabela 10 evidenciam a forma de tratamento dos dados, sobressaindo-se a análise documental que concentrou no período 32 estudos. Apesar de grande parte das produções apresentarem uma abordagem quantitativa, a utilização de técnicas estatísticas não corresponde à tal classificação, sugerindo que, em grande parte, a abordagem considerada quantitativa nas pesquisas em ciências contábeis utilizam-se de tratamentos elementares, tais como tabulações, cálculo de percentuais ou frequências. Em relação à análise do discurso, que apresentou uma situação equilibrada, ressalta-se que é coerente com a quantidade de entrevistas realizadas, considerando-se ser bastante utilizada para tratamento de dados coletados à partir daquele instrumento. Tabela 10 Técnicas de Análise dos Dados Técnicas de Coleta Análise Análise Análise Documental Estatística Conteúdo de Análise Discurso Frequência/Ano F f F f F f F F % 4 21% 2 50% 1 20% % 3 16% % % 5 26% % % 7 37% 2 50% Total % % 4 100% 5 100% do

12 A tabela 11 evidencia as frequências absolutas e relativas dos materiais utilizados como referências nas produções analisadas. No geral, os artigos apresentam uma média de 24, 1 referências bibliográficas, sendo os livros as principais fontes de consulta, apresentando um número de 10,8 livros por artigo analisado. Material Bibliográfico Tabela 11 Categorias referenciais dos Trabalhos Livros Periódicos Teses e Anais de Sites Outros Total Dissertações Congressos Freq./Ano F f F f F f F f F f F f F f % 78 28% 52 26% 26 25% 36 23% 13 21% % % 62 22% 38 19% 22 21% 27 17% 12 19% % % 84 30% 56 28% 28 27% 42 27% 14 23% % % 57 20% 53 27% 27 26% 52 33% 23 37% % Total % % % % % % Média/Artigo 10,8 4,7 3,3 1,7 2,6 1,0 24,1 CONSIDERAÇÕES FINAIS A presente pesquisa teve como objetivo principal analisar a produção científica sobre o ensino e a pesquisa em contabilidade no Brasil. A produção científica indica o esforço dos pesquisadores na ampliação das fronteiras do conhecimento e também na caracterização do cotidiano vivenciado pelas organizações, além de sinalizar tendências e perspectivas de desenvolvimento econômico e social, mais precisamente quando se analisa a área de gestão das organizações. Ao abordar a temática sobre o ensino e a pesquisa em contabilidade, o presente artigo, na forma de meta-análise procurou caracterizar e analisar a produção científica referente ao período de 2007 a 2010, de artigos publicados nos Anais do Congresso da ANPCONT, na Revista Eletrônica do CRCRS e na Revista Contabilidade Vista & Revista. Uma primeira constatação foi encontrada com base na literatura, de que a produção científica brasileira na área de contabilidade tem crescido muito, inclusive em virtude do aumento no número de cursos de pós-graduação. Como resultados gerais, decorrentes do atendimento ao objetivo de levantar e descrever a produção científica sobre o tema proposto destaca-se o crescimento da importância da ANPCONT, através de seus eventos, na publicação de pesquisas contábeis em geral, e sobre o ensino contábil em particular, já que dos 60 artigos amostrados, 39 são desse evento; a baixa incidência de publicações sobre o tema nos eventos escolhidos; o predomínio de publicação de artigos descritivos e com a utilização de análise documental; a baixa incidência de grandes autores sobre o tema já que apenas 2 autores possuem mais de um artigo na amostra; a maioria dos estudos quer apenas analisar algum aspecto da contabilidade ou um caso específico, sendo poucos os que possibilitam uma maior generalização. Ao analisar a produção na área de ensino e da pesquisa em contabilidade, percebeu-se o um número relativo de estudos teóricos que alertam igualmente para os seguintes aspectos: a necessidade de revisão do ensino-aprendizagem na formação contábil, perpassando pelo redirecionamento do papel do professor e do aluno, bem como da estrutura curricular; a relevância da pesquisa no processo ensino-aprendizagem, como forma de levar os profissionais da área contábil a aprender a aprender, e, nesse sentido, enfatiza-se também a preocupação com a constante atualização desse profissional; a formação de um grupo maior

13 de pesquisadores na área contábil é um fator determinante para o impulso à ciência contábil; e, finalmente, aspectos epistemológicos devem ser cuidadosamente analisados como forma de quebrar paradigmas conservadores e impeditivos de uma maior expansão do conhecimento contábil. Ressalta-se que apesar da relevância do tema, o presente artigo é fruto de um estudo inicial, visando contribuir para os debates sobre a evolução do processo de pesquisa e ensino em contabilidade no Brasil. Sugere-se a necessidade de novos estudos, leituras, análises, reinterpretações e reflexões para aprofundar esta questão, através da ampliação do período de investigação dos artigos publicados bem como do escopo dos meios de publicação, a fim de que este debate possa, no futuro, traduzir-se em propostas concretas para o desenvolvimento do ensino e da pesquisa em Ciências Contábeis. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS I CONGRESSO NACIONAL DA ANPCONT Gramado. Anais.... Disponível em < Acesso em 03 ago II CONGRESSO NACIONAL DA ANPCONT Salvador. Anais.... Disponível em < Acesso em 03 ago III CONGRESSO NACIONAL DA ANPCONT São Paulo. Anais.... Disponível em < Acesso em 07 ago IV CONGRESSO NACIONAL DA ANPCONT Natal. Anais.... Disponível em < Acesso em 07 ago COSENZA, J. P.. A escrituração contábil através dos tempos: uma revisão histórica da contabilidade contemporânea com base na literatura contábil. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ. DEMO, Pedro. Educar pela Pesquisa. 4a. ed. São Paulo: Autores Associados, FURTADO, C.. Formação Econômica do Brasil. 25ª. ed. São Paulo: Nacional, GOLDENBERG, Miriam. A arte de pesquisar. 5a. ed. Rio de Janeiro: Record, IUDICÍBUS, Sérgio de. Conhecimento, Ciência, Metodologias Científicas e Contabilidade. Revista Brasileira de Contabilidade. N. 104, mar/abril, LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, LEITE, C. E. B.. A evolução das ciências contábeis no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

14 LUNA, S. V.. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC, MARION, J. Carlos, MARION, Márcia M. Costa. A importância da Pesquisa no Ensino da Contabilidade. Revista Pensar Contábil, Rio de Janeiro, n. 3, MARTINS, G. A.. O livro caixa da ordem terceira de São Francisco em Recife e São Paulo (Brasil): séculos XVII e XVIII. Revista Contabilidade e Finanças, Universidade de São Paulo, São Paulo, n. 33, p.78-89, set./dez PELEIAS, Ivan Ricardo. et al. A evolução do ensino da contabilidade no Brasil. Revista Contabilidade e Finanças, Universidade de São Paulo, São Paulo, Edição 30 Anos de Doutorado, p , Junho PRADO Jr., C.. História Econômica do Brasil. 43. ed. São Paulo: Brasiliense, REVISTA CONTABILIDADE VISTA & REVISTA. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, ISSN X. Disponível em <http://www.face.ufmg.br/revista/index.php/contabilidadevistaerevista>. Acesso em 09 ago REVISTA DO CRCRS. Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre < Acesso em 07 ago RICARDINO FILHO, A. A.. Auditoria: Ensino acadêmico x treinamento profissional. Tese. 2002, (Doutorado em Controladoria e Contabilidade). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. RODRIGUES, A. A.. Pesquisa sobre a evolução do ensino comercial, contábil, atuarial, administrativo e econômico no Século XIX. Revista Paulista de Contabilidade, n SÁ, A. L. de. História geral e das doutrinas da contabilidade. São Paulo: Atlas, SÁ, Antônio Lopes de. Diretrizes e Bases de uma Metodologia Geral no curso de Ciências Contábeis. Revista do Conselho Regional de Minas Gerais, SCHMIDT, P.. História do pensamento contábil. Porto Alegre: Bookman, SILVA. A. F.. A contabilidade brasileira no século XIX leis, ensino e literatura. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis e Financeiras). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, SP.

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 Profa. Ms. Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof.

Leia mais

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

O Ensino da Teoria da Contabilidade: Uma Avaliação em Instituições no Estado de São Paulo

O Ensino da Teoria da Contabilidade: Uma Avaliação em Instituições no Estado de São Paulo O Ensino da Teoria da Contabilidade: Uma Avaliação em Instituições no Estado de São Paulo Autoria: Claudio de Souza Miranda, Marcelo Botelho da Costa Moraes, Silvio Hiroshi Nakao Resumo A Teoria da Contabilidade

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010 Capítulo. Análisis del discurso matemático escolar CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 200 Marcelo Dias Pereira, Ruy César Pietropaolo

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

I PESQUISA PARA MONITORAMENTO DE CARREIRAS DOS ALUNOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

I PESQUISA PARA MONITORAMENTO DE CARREIRAS DOS ALUNOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Centro Universitário de Belo Horizonte Uni-BH Curso de Relações Internacionais Laboratório Pedagógico de Relações Internacionais I PESQUISA PARA MONITORAMENTO DE CARREIRAS DOS ALUNOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais 1394 Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais X Salão de Iniciação Científica PUCRS Jonas Tarcisio Reis, Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O ENSINO DA CIÊNCIA CONTÁBIL EM QUESTÃO: UMA ANÁLISE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DE MINAS GERAIS

O ENSINO DA CIÊNCIA CONTÁBIL EM QUESTÃO: UMA ANÁLISE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DE MINAS GERAIS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 3 a 6 de outubro de 007 O ENSINO DA CIÊNCIA CONTÁBIL EM QUESTÃO: UMA ANÁLISE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DE MINAS GERAIS João Paulo

Leia mais

HORARIOS DE TUTORIAS: É necessário agendamento para tutoria.

HORARIOS DE TUTORIAS: É necessário agendamento para tutoria. HORARIOS DE TUTORIAS: É necessário agendamento para tutoria. Matemática: Luiz Paulo Tavares Disciplinas em que atua: Administração Financeira Contabilidade Estatística Estatística Aplicada Formação de

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

Mestrado em Ciências Contábeis Centro Universitário Álvares Penteado

Mestrado em Ciências Contábeis Centro Universitário Álvares Penteado Processo Seletivo 1º Semestre de 2016 Programa de Mestrado em Ciências Contábeis A FECAP Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado de maneira especial foca suas atividades no Programa de Mestrado em

Leia mais

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Metodologia Científica Aula 1 Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Bibliografia: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks. com/w/file/fetch/64878127/willian%20cost a%20rodrigues_metodologia_cientifica

Leia mais

MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC)

MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC) MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil

Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil Marcelo Dias Pereira Universidade Municipal de São Caetano do Sul, Faculdades Integradas de

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

Processo Seletivo 2011 1º Semestre. Programa de Mestrado em Ciências Contábeis

Processo Seletivo 2011 1º Semestre. Programa de Mestrado em Ciências Contábeis Processo Seletivo 2011 1º Semestre Programa de Mestrado em Ciências Contábeis A FECAP Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado de maneira especial foca suas atividades no Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 013/2010 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação Associado em Educação

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA Luís Cláudio Symanski (CEPA - Universidade Federal do Paraná) Christiane Lopes Machado (Rheambiente) Roberto Stanchi (Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO 1268 PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO Rodrigo Rodrigues Menegon, Sérgio Augusto Gouveia Júnior, Marcia Regina Canhoto Lima, José Milton Lima Universidade Estadual Paulista

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB) Carla Manuelle Silva de Almeida (Licencianda em Matemática/UFPB)

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO LIMA, Raiane Ketully Vieira Acadêmica do curso de Educação Física licenciatura da Universidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade)

MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade) MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos

Leia mais

O FUTURO PROFISSIONAL DOS TÉCNICOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CAMBORIÚ

O FUTURO PROFISSIONAL DOS TÉCNICOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CAMBORIÚ O FUTURO PROFISSIONAL DOS TÉCNICOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CAMBORIÚ Caroline Estercio 1 ; Valéria Machado 2 ; Roberta Raquel 3 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo identificar o

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO Autor: Riselda Maria de França Oliveira Universidade Estadual do Rio de Janeiro - riseldaf@hotmail.com Co-autor: Marcelo Alex de Oliveira

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Glauciane Marques de Assis Berteloni 1 ; Maria

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa GESTÃO EDUCACIONAL INTEGRADA: Oferecendo 04 Habilitações: supervisão de ensino, orientação educacional, inspeção de ensino e administração escolar. JUSTIFICATIVA O Curso de Especialização em Gestão Educacional

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais