PLANEJAMENTO, CONTROLE E ANÁLISE DE DESPESAS FINANCEIRAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO, CONTROLE E ANÁLISE DE DESPESAS FINANCEIRAS."

Transcrição

1 1 PLANEJAMENTO, CONTROLE E ANÁLISE DE DESPESAS FINANCEIRAS. Luciana Silvério de Souza Soares FACITEC-FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAS E TECNOLOGICAS Resumo O objetivo desse estudo foi facilitar a compreensão, o funcionamento e aplicação do planejamento, controle e a análise das despesas financeiras na empresa ou sociedade empresarial, tanto na visão administrativa quanto na contábil; Dentro desse estudo percebe-se sua importância da contabilidade para a tomada de decisão ou para qualquer área que busque o melhoramento funcional e administrativo da empresa. A metodologia adotada foi o método bibliográfico com análise de dados que nos permitiu uma maior compreensão do tema abordado. Os livros adotados em sua maioria são bibliografias de administração, pois o tema em questão não é especifico abordado na doutrina de contabilidade. Esse estudo trás um melhor entendimento dessa junção entre planejamento, relatórios e demonstrações financeiras, levando em consideração que uma depende da outra na tomada de decisão, planejamento, controle e principalmente na análise, seja ela financeira ou administrativa. Verificou-se que os administradores das empresas usam esses dados não só para planejar estratégias nas também, esses relatórios sevem de controle e peça fundamental para a análise em toda parte orçamentária e financeira, fazendo possível a realização do trabalho administrativo com prováveis e constantes modificações para o crescimento da entidade. Palavras- chaves: Planejamento. Controle. Analise de Despesas Financeiras. 1 Introdução 1.1 Contextualização Esse estudo busca facilitar o entendimento e como funciona o planejamento, controle e analise das despesas financeiras. Tal estudo faz

2 2 menção e a união de duas ciências a administrativa e a contábil, tão grande é sua importância. A contabilidade detém varias funções ligadas à empresa, entre elas fornecer informação precisa para a tomada de decisão, influenciando diretamente na parte administrativa da empresa com os relatórios fornecidos periodicamente e seus instrumentos revisado. A partir dos dados fornecidos e relacionados às suas demonstrações, Gestores, Administradores e Diretoria podem fazer planejamentos estratégicos visando um objetivo, com metas prédefinidas a fim de melhorar o capital ou os investimentos da entidade e até mesmo no funcionamento operacional implantando mudanças e traçando planejamento tático e operacional baseado ao controle e análise. 1.2 Problemática e Justificativa Como funciona o planejamento, controle e análise das despesas na visão da contabilidade? A partir de pesquisa realizada na administração financeira deixado de maneira clara como funciona a coleta dos dados até o fim do processo pré-determinado no planejamento inicial. 1.3 Objetivo Geral Apresentar o estudo, definir seus objetivos, função e analisar os conceitos conforme pesquisa realizada sobre visão contábil; demonstração e tabelas propostas Objetivos Específicos Para a formação da pesquisa foram analisadas algumas variáveis especificas na compreensão do estudo: Apresentar conceitos dos autores citados, identificando sua posição em relação ao tema; Analisar documentos e comparativos;

3 3 Apresentar demonstrações e relatórios usados no estudo; Apresentar tabelas mostrando essas variáveis. Apresentar instrumentos de análise (orçamentos). 2 Plataforma Teórica Conforme pesquisa bibliográfica propõe alguns conceitos indispensáveis para a compreensão do estudo são: planejamento, controle, demonstração financeira e analise de despesas financeiras, Orçamento de Caixa e Fluxo de Caixa. 2.1Planejamento Na visão de Haroldo Vinagre Brasil e Haroldo Guimarães Brasil, (1999) o planejamento amarrar-se diretamente na questão econômico e financeiro, para eles o crescimento depende diretamente desses fatores. O planejamento seja ele estratégico ou para auxiliar na gestão financeira, coloca em ênfase a questão dos investimentos, a empresas precisa de uma certa previsão de receita e controle dos gastos, ficando sempre atento com a reação do mercado e suas variações. O planejamento deve amarrar-se, em nível econômico e financeiro, ao crescimento equilibrado da empresa a curto e longo prazos... Já o crescimento, pressupõe primeiro a sobrevivência pura e simples da empresa no mercado, dependendo em seguida de uma escolha acertada dos investimentos. (BRASIL, 1999, p. 77). Planejar remete a provável situação da empresa, através de métodos e meios efetivos na área gerencial, faz com que possa discutir e definir os objetivo, metas e desenhar um traço previu a ser seguido dentro dos projetos da empresa, voltado para o melhoramento, seja em qual for a área, não deixando de considerar sua missão e sua proposta na busca da satisfação, implantando a otimização e adaptação da mudança proposta. Na visão contábil

4 4 o planejamento financeiro faz parte da área gerencial que tem como função discutir, controlar e assessorar de maneira clara e objetiva para o sucesso da empresa, O lucro, e prováveis ações que serão realizadas, afim do comprimento das metas para o sucesso do objetivo da empresas. O planejamento consiste em estabelecer com antecedência as ações a serem executadas dentro de cenário e condições preestabelecidos, estimando os recursos a serem utilizados e atribuindo as responsabilidades, para atingir os objetivos fixados. (HOJI, 21, p.359). Uma coisa não podemos deixar passa em brancas nuvens, qual quer que seja o planejamento mesmo se utilizando de métodos, técnicas especificas e ética, existe um fator importantíssimo para o sucesso do mesmo,não podemos deixar de lado a parte humana que é talvez a mais importante em qualquer planejamento, pois dessa parte que vem a realização das metas para o sucesso dos objetivos.como bem cita Morante (28) esse planejamento o fator As pessoas deve ser bem exposto, sendo fator determinante para o lucro ou prejuízo no planejamento, por se tratar de uma variável não podendo ser totalmente controlada. Todo planejamento deve ser amparado por princípios científicos, práticos e éticos. Planejar não é apenas trabalhar com modelos matemáticos e financeiros. É imperioso reconhecer que as pessoas têm fundamental importância no processo e que planejar é uma atividade absolutamente previsível resultante da aplicação de algumas fórmulas... (MORANTE, 28, p. 5) Sobre esse contexto Hoji, (21) refere-se a planejamento de operações financeiras: O planejamento de operações financeiras, que consiste em planejar as despesas e receitas financeiras, bem como as fontes e as condições gerais dos financiamentos, exige um profundo conhecimento do mercado financeiro e da economia brasileira e internacional.

5 5 A informação básica para o administrador financeiro iniciar a elaboração do orçamento de despesas financeiras é o volume de geração de caixa antes das despesas financeiras, que é parte do orçamento de caixa. A elaboração do orçamento de despesas financeiras exige a definição clara e objetiva de premissas e critérios básicos, considerando os possíveis cenários econômicos do período orçamentário. (HOJI, 21, p.454). O planejamento da empresa deve ser feito pelo profissional dotado de conhecimento financeiro, ou de pessoas capazes de identificar as melhores operações financeiras, lavando em consideração o mercado brasileiro e internacional e suas regras, para que assim possa definir o melhor tipo de estratégia financeira a ser adotada para situação.o planejamento pode ser estratégico, tático ou operacional, o que vai definir quais desses tipos de planejamentos a ser usado será A necessidade, O que se deseja? ou O melhor método adotado pelo profissional para resolver determinado problema. Demonstrativo para visualização e explicação de como funciona o inicio na coleta dos dados até o resultado para a tomada de decisão por parte dos administradores, gestores e diretores da empresa. Fato que ocorre na empresa: Entrada e Saída, Financiamentos, Aplicações e etc. A contabilidade fica a par das informações, coloca em ordem, analisa,homologa e responde com os relatórios ou demonstrativos financeiros. Estando com a documentação em mãos os gestores, administradores ou responsável pela tomada de decisão ou mudança da empresa terão uma noção exata como esta a situação financeira da empresa. Sabendo o perfil da empresa os usuários saberão o melhor caminho a seguir, e dando inicio o planejamento traçado.

6 6 Esquema acima para facilitar o entendimento. 2.2 Controle O controle faz parte da área gerencial da empresa e devem ser associados com as demonstrações contábeis, orçamento de caixa e outros instrumentos de informação indispensáveis nesse processo, detendo informações precisas, rápidas e eficazes para esse fim, pois são essas ferramentas que possibilitarão o gerenciamento com sucesso. A principal função do controller é dar suporte à gestão dos negócios da empresa, para que esta atinja seus objetivos, por meio de informações gerenciais geradas em tempo hábil para tomada de decisões, a um custo razoável....pela visão tradicional, o controller tem uma atitude passiva, pois consegue visualizar os diversos riscos da operação, mas sua função é somente a de mencioná-los aos tomadores de decisão.(hoji, 27, p.357). Segundo Hoji, um dos instrumentos para fazer esse controle é o orçamento; O orçamento é um eficiente instrumento de controle gerencial, se utilizado adequadamente. As variações das despesas ou receitas podem ser analisadas utilizando as técnicas tradicionais de análise de variação orçamentária, pois os juros variam em função do volume, prazo e taxa.(hoji, 21, p.469). O controle é feito com base no orçamento de caixa, no intuito de acompanhar, identificar e prevê o sucesso proposto, pois neste instrumento usado pelos controller estão expostas todas as despesas financeiras, (juros, empréstimos, aplicações e outras despesas financeiras) e receitas financeiras ligadas as aplicações. O controle assim como o planejamento e analise são

7 7 assuntos bem amplo de ser tratar e bem complexo, por está presente em todas as linhas voltada as crescimento da empresas. Controlar significa acompanhar a execução de atividades e comparar periodicamente o desempenho efetivo com planejamento. A função de controle envolve também a geração de informação para a tomada de decisão e correção do eventual desvio do desempenho em relação ao originalmente projeto.(hoji,21,p.362). 2.3As demonstrações Financeiras As demonstrações Financeiras de uma empresa detêm todas as informações necessárias e resumidas, para a tomada de decisão. Esses relatórios são elaborados com dados fornecidos periodicamente de acordo com a necessidade do usuário da organização, variadas conforme for constituída a sociedade empresarial e sendo relatórios anuais obrigatórios, de acordo com a legislação brasileira desde 28. Elas têm como base a escrituração mercantil das empresas e seu exercício respeita na sua maioria o calendário social, devendo assim relatar a situação do patrimônio da companhia e as suas mutações no exercício social a que se refere. Essas demonstrações financeiras são elaboradas de acordo com o regime de competência, ou seja, todas as receitas e despesas só serão contabilizadas quando ocorrer o fato gerador. São utilizadas na gestão financeira visando a analise de dados e auxiliando no controle. De acordo com art.176 da Lei nº 6.44, de , conhecida, também, como Lei das Sociedades por Ações, é obrigatória a publicação pelas companhias, ao final de cada exercícios social com duração de um ano, as seguintes demonstrações financeiras: a. Balanço patrimonial; b. Demonstração do resultado do exercício; c. Demonstração de lucros ou prejuízos acumulados ou demonstração das mutações do patrimônio líquido; d. Demonstração das origens e aplicações de recursos. (HOJI,21,p.251)

8 Demonstração do Resultado do Exercício A demonstração do resultado do exercício exibe os valores referentes às receitas custos e despesas do período considerado, podendo ser feita mensalmente de forma resumida, dando uma visão clara e rápida de como está a situação geral da empresa. A Demonstração de Resultado do Exercício é uma demonstração contábil que apresenta o fluxo de receitas e despesas, que resulta em aumento ou redução do patrimônio líquido entre duas datas.ele deve ser apresentada de forma dedutiva.isto é,inicia-se com a receita operacional bruta e dela deduz-se custos e despesas, para apurar o lucro líquido.(hoji, 21, p. 259). Os lucros serão distribuídos aos acionistas através de dividendos e o saldo restante ficará na empresa como lucros retidos. A demonstração do resultado do Exercício a (DRE) é elaborada a partir do regime de competência já citado neste estudo. As despesas financeiras são bem visíveis neste tipo de demonstração é peça chave para nosso estudo. Exemplo de uma Demonstração de Resultado do Exercício. Demonstração de Resultados dos Exercícios Receita Operacional Bruta 26., 23.5, - Vendas Canceladas 27, 2, - Descontos 453, 298, - Impostos Sobre Vendas 4.42, 3.99, = Receita Operacional Líquida 2.857, 19.12, - Custo de Produtos Vendidos 11., 1.15, = Lucro Bruto 9.857, 8.97,

9 9 - Despesas Operacionais 4.857, 4.56, Despesas De Vendas 28, 25, Despesas Gerais de Administração 79, 75, Despesas de Depreciação 3.787, 3.56, = Lucro Operacional 5., 4.347, - Despesas Financeiras 5, 465, = Lucro Líquido Antes do IR 4.5, 3,882, - Imposto de Renda mais Contribuição (32%) 1.44, 1.242, = Lucro Líquido após o IR 3.6, 2.64, - Reserva Legal 153, 132, - Dividendos às ações preferências 315, 315, = Lucro Líquido disponível aos acionistas 2.592, 2.193, - Lucros a Distribuir 2.147, 1.893, = Lucro Transferido para lucros acumulados 445, 3, = Lucro por ação LPA (1.35.,) 2,27 1,196 = Lucro auferido por lote de mil ações ordinárias e preferenciais $2.266, ,55 Fonte: Júnior Lemes et al. (25, p.55). 2.4 Análise Análise proporciona a avaliação das demonstrações financeiras remete a uma situação passada, quanto na avaliação do patrimônio da empresa espelhado para o futuro no caso do orçamento financeiro. A análise de balaços é uma ferramenta importantíssima à disposição da empresa, segundo Matarazzo, (21, p.3) por extrair informações das demonstrações financeiras para a tomada de decisões. De acordo com as regras contábeis as demonstrações financeiras fornecem várias informações sobre a empresa, a análise de balaços somente transforma essas informações em, precisa e clara. Ainda Segundo Matarazzo, (21, p.3) dados são números ou descrição de objetos ou eventos que, isoladamente, não provocam nenhuma reação no

10 1 leitor e informações representa, para quem as recebe, uma comunicação que pode produzir reação ou decisão... então a análise só reforça a visão de clareza, tornando assim mais fácil para administradores, gestores e diretos da empresa a tomada de decisão e mudança. Analisar os relatórios fornecidos pela contabilidade como o Balanço Patrimonial (BP) ou a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) é umas das técnicas mais usadas nas organizações pelas áreas gerencias e administrativas com exceção dos órgãos de administração pública descentralizada e menos ainda da administração publica direta. A análise passa uma posição segura de como anda a empresa no termino de cada período do planejamento. Como base de estudo a análise do Balanço Patrimonial nos da uma visão do termino de um período de um ano, podendo fecha um ciclo do planejamento estratégico; A análise da Demonstração do Resultado do Exercício nos dar a visão de um período menor, onde podem ser alteradas várias linhas de mudanças pré-determinadas, fechando mais um ciclo do planejamento o tático e finalmente a análise de todos dados de relatórios menores com acontecimentos diários, semanal e até mensal como orçamentos de caixa, nos mostra uma visão operacional braçal fechando então a base do planejamento o operacional, pois o sucesso do objetivo final são as metas realizadas operacionalmente. As principais técnicas adicionais de análise financeiras são a Análise Vertical e a Análise Horizontal Análise Vertical e Horizontal A análise vertical indica na forma de porcentagem a importância relativa de cada item de relação no Balanço Patrimonial o Ativo e o Passivo e no caso da demonstração do resultado a relação da receita liquida a fim de analisar o lucro ou prejuízo. A análise parte do principio que o total do ativo representa cem por cento, assim como no passivo, sendo então valor base em relação as demais sub-contas que serão divididas por esse total, obtendo então a porcentagem e o reflexo ocorrido em cada período. Essa mesma formula é aplicada nas outras demonstrações, cada uma com sua base, no

11 11 caso da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) o valor base é a receita líquida, representando cem por cento para a análise das demais contas. Análise Vertical facilita a avaliação do Ativo e do Passivo. Bem como a participação de cada item da Demonstração do Resultado na formação do lucro ou prejuízo. O cálculo do percentual de participação relativa dos itens do ativo e do Passivo é feito dividindo-se o valor de cada item pelo valor total do Ativo e do Passivo. O cálculo do percentual de participação relativa dos itens da demonstração de resultado é feito dividindo-se cada item pelo o valor da receita líquida. (HOJI, 21, p.359). Segundo Dante Carmine Matarazzo a análise baseia-se em valores percentuais das demonstrações financeiras e deve partir do geral. Matarazzo, (21, p.17) a análise vertical. O percentual de cada conta mostra real importância no conjunto Análise Horizontal compara duas demonstrações ou dados coletado de diferentes períodos no intuito de evidenciar as informações e variações percentuais de conta por conta, ou por grupos de contas. Ela esta preocupada com a variação do período Le os números horizontalmente.segundo Hoji, (21, p.359) A análise horizontal tem a finalidade de evidenciar a evolução dos itens das demonstrações contábeis, por períodos. Assim como Segundo Matarazzo(21, p.172) A evolução de cada conta mostra os caminhos trilhados pela empresa e as possíveis tendências. e análise horizontal baseiase na evolução de cada conta de uma serie de demonstração financeira em relação. 2.5 Despesas Financeiras As despesas financeiras são compostas de contas como: Juros pagos ou incorridos, descontos concedidos, Comissões bancarias, Impostos sobre operações financeiras e Variações monetárias.as

12 12 receitas financeiras provenientes de Aplicações financeiras,descontos obtidos etc. São deduzidas das Despesas financeiras.(hoji, 21, p. 359). A pesquisa sobre as despesas financeiras aponta as seguintes vertentes; As despesas financeiras podem exercer forte impacto sobre o lucro das empresas. A administração eficaz das despesas financeiras consiste em planejar, controlar e analisar adequadamente, compreendendo perfeitamente sua natureza e seu mecanismo, para máxima os recursos financeiros colocados a disposição da empresa. (HOJI, 21, p. 359 ). 3. Orçamento do Caixa O orçamento do caixa deve ser feito todos os meses, pois seu resultado influencia no resultado do mês seguinte. O administrador tem essa responsabilidade pois sua elaboração e seu resultado dará sequência nas operações dos meses seguintes. Os requisitos essências para a análise da variação orçamentária são dois: o volume e o preço. As despesas financeiras líquidas, bem como os saldos das operações financeiras que as geram, devem ser segregadas adequadamente, para que seja possível a análise da variação orçamentária, mediante a aplicação de técnicas tradicionais. (HOJI, 21, p. 453) 4. Fluxo de Caixa O controle do desempenho das despesas e receitas financeiras pode contribuir diretamente com geração de lucro pela empresa. Esse controle e a analise de despesas financeiras se da ao orçamento feito adequadamente observando todas essas variações detectadas pelo fluxo de caixa.

13 13 O fluxo de caixa é uma conseqüência dos demais orçamentos.para ele fluem todas as entradas e saídas operacionais Aquelas que, por sua natureza, têm influencia direta nos saldos das contas dos ativos e passivos operacionais. E as entradas e as saídas não operacionais. A movimentação de recursos financeiros como conseqüências de aquisição de ativos produtivos, assim como aportes de capital ou outras entradas de recursos financeiros por empréstimos. (MORANTE, 28, p. 73). 5 Procedimentos Metodológicos 5.1Metodologia A realização desse trabalho deu-se a pesquisa bibliográfica com análise de dados. Para facilitar o processo de entendimento foi desenvolvido neste trabalho um banco de dados composto de farias informações em relação a tabela de demonstrações, orçamentos e apurações de resultado do tema proposto. Essas tabelas em sua maioria foi feita no Microsoft Office Word e Excel 27 e utilizado alguns recursos Power Point para facilitar a visualização e compreensão das análises realizadas. 5.2Universo e Amostra A amostra dos dados nos permite visualizar todas as faces neste estudo desde planejamento, controle e a análise das despesas apontando os índices percentuais e quanto sua utilização na administração, a partir dos dados fornecidos pela contabilidade. A tabela 1 consta os dados fornecidos pela contabilidade para a área administrativa. Essa tabela consta a análise vertical e analise horizontal, facilitando assim a evolução e percentual dos itens analisado para a tomada de decisão e constatação de possível lucro ou prejuízo.

14 Na tabela de Demonstração do Resultado do Exercício, e dividido cada item a partir o valor da Receita líquida, exemplo hipotético da tabela: O valor da Receita Líquida representa 1%, e do Lucro Bruto e de R$ , para saber analisar de maneira vertical pega o valor que queira analisar e divide pelo valor da Receita e multiplica por 1. A análise horizontal tem a função de evidenciar a evolução dos itens, na mesma tabela base vamos analisar. Neste caso pode ser analisado qualquer item do exercício base no caso X6, escolhem um item no caso hipotético os valores do Lucro Bruto no exercício base são de R$ ,, a seguir o valor do exercício X7 que tem valor de R$ , então se dividi X7 por X6 enfim teremos a evolução do item analisado. Tabela 1:Análise Vertical e Horizontal, Demonstração do Resultado do Exercício. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO

15 15 EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/X6 31/12/X7 31/12/X8 VALORE S AV(%) AH VALORE S AV(% ) AH VALORE S AV(%) AH VENDAS DE PRODUTOS , ,8 135, ,7 157,7 (+) Prestações de Serviços (=) RECEITA BRUTA (-) Deduções e Abatimentos , , , ,7 167, ,5 196, ,5 137, ,2 159, ,9 75, ,5 117,2 (-) Impostos , ,6 125, ,7 128 (=) RECEITA LÍQUIDA (-) Custos dos Produtos Vendidos (-) Custos dos Serviços Prestados (=) LUCRO BRUTO (-) Despesas Operacionais (+) Outras Receitas (despesas) Operacionais líquidas (=) LUCRO OPERACIONAL I (-) Despesas (Receitas) Financeiras líquidas , , , , , , , , , 143, , 172, ,7 132, ,7 146, , , , 161, , 29, ,7 13, ,4 142, ,1-44, ,5-555, 149, 217 1,5 111, , 2.46, , ,648-8,7 424,9

16 16 (=) LUCRO OPERACIONAL II Resultado não operacional (=) LUCRO ANTES DO IR E CONTRIBUIÇÃ O SOCIAL (-) Provisão para IR e Contribuição Social (=) LUCRO APÓS IR E CONTRIBUIÇÃ O SOCIAL (-) Participações e contribuições (=) LUCRO OU PREJUÍZO DO EXERCÍCIO , , , 1, , 1, , ,8-654, ,4-827,3,, 2.822,2 18, ,8-75, ,5-96, , #DIV/! ,5 #DIV/! ,8-56, ,1-67, ,2 #DIV/! ,9 #DIV/! ,6 476, ,1-528,4 Fonte :Hoji,(21, p.272) Nesta amostragem demonstra o crescimento inerente dos dados, e como o tipo de instrumento utilizado se faz útil para detectar os principais fatos que pode atrapalhar o desempenho do planejamento. Em relação ao exercício base o crescimento do Lucro bruto foi espetacular, e deu continuidade no exercício seguinte. 6. Análise e Discussão dos índices Planejamento de operações financeiras, Empréstimo e Aplicações financeiras, exigem um profundo conhecimento do mercado brasileiro e internacional, essas informações dão inicio a elaboração de orçamento

17 17 financeiro com definição clara e objetiva das premissas e critérios básicos tendo como base o cenário econômico no período do orçamento. 6.1 Regras e Critérios Gerais- Para calcular os juros seja no inicio ou durante o período do orçamento, um fator determinante é o tempo. Os juros variam de acordo com a data de sua contratação. Sobre os empréstimos e aplicações financeiras existentes no inicio do período do orçamento (antigos) devem ser aplicadas as taxas de juros contratadas, pro rata die, como são conhecidas. Se as taxas de juros forem variáveis ( indexadas a libor semestral ou trimestral, pó exemplo), devem ser estimadas.(hoji, 21, p. 454). Durante o período do orçamento é difícil de prevê com exatidão quando ocorrerão as possíveis captações de empréstimo. Se elas podem ocorrer no inicio, meio o fim desse período por causa de vários fatores como pagamento de diversos, recebimentos de clientes e amortização de empréstimos, sendo os juros calculados sobre a metade do número de dias existentes de captação e vencimento, ou seja, na metade do mês em questão. 6.2 Estratégias Financeiras O mercado financeiro é dinâmico por causa de fator as estratégicas financeiras deveram ser flexíveis, estabelecendo uma visão geral e globalizada no período do orçamento. Segundo Hoji, (21, p. 456) para que se tenha eficácia deve se analisado todo o comportamento da necessidade de caixa de todo o período orçamentário, considerando diversos fatores, fatores esses relacionados com o mercado brasileiro e internacional e a capacidades de obtenção de financiamento da empresa. As principais estratégias de financiamento são, Empréstimo em moeda local e em moeda estrangeira, sendo no caso da moeda local, ainda segundo Hoji, (21, p. 456) toda a necessidade de caixa será coberta com empréstimo em moeda local com o

18 18 prazo de dois meses. E no caso da estrangeira 8% do valor amortizado do empréstimo externo serão renovados pelo prazo de três meses. A análise da tabela dois nos mostra as datas para a captação de empréstimos, vencimento, valor e taxa de juros, mais o interessante de se observar nesta tabela é justamente o montante ao fim do exercício, ele projeta a despesas com juros que a empresa acarretará de cada empréstimo contratado, mesmo com vencimentos, por exemplo, o primeiro caso o vencimento será no dia 12/1/X1 após o fim do exercício no dia 31/12X mas essas despesas só são calculadas até o fim do exercício de X. Tabela 2 Saldos iniciais de empréstimo em moeda local (valores em R$) Data de Data de Taxa de Juros Valor Original Montante em Captação Vencimento (%a.a) (R$) 31/12/X(R$) 12/11/X 12/1/X1 21.5% /11/X 22/1/X1 21,% /1/X 16/2/X1 22,% /12/X 25/6/X1 2,% Total Fonte: Hoji, (21, p. 456) A análise da tabela três o empréstimo foi feito com moeda estrangeira e todos os seus valores como; valor original quanto montante é calculado com base no dólar, podendo assim sofre variação, aumentar ou diminuir conforme sua cotação diária. Essa é a única diferença da análise do exemplo anterior, da tabela dois.

19 19 Tabela 3 Saldos iniciais de empréstimos e moeda estrangeira (valores em U$$). Data de Data de Taxa de Juros Valor Original Montante em Captação Vencimento (%a.a) (U$$) 31/12/X(U$$) 25/7/X 5/1/X1 14,% /7/X 12/1/X1 13,5% /1/X 15/1/X1 11,95% /4/X 26/1/X1 16,% /1/X 15/2/X1 12,6% /12/X 23/2/X1 1,8% /X 2/3/X1 11,2% /7/X 3/3/X1 14,% /12/X 9/4/X1 1,95% /1/X 16/4/X1 11,75% /11/X 15/5/X1 11,4% /12/X 11/6/X1 1,5% /12X 1/12/X1 1,5% Fonte: Hoji, (21 p. 457) A tabela 4 mostra um orçamento incompleto, pois foi pelo administrador da empresa antes da apuração das despesas financeiras líquida referente ao primeiro semestre, sendo assim o administrador deverá completá-lo com os dados referentes a despesas financeiras(juros a pagar e a receber, amortização e financiamentos). Análise dessa tabela relata a falta de homologação das despesas financeiras, tal fato influencia em toda parte do planejamento, controle e principalmente na análise das despesas, pois será gasto mais esforço para fazer outra tabela, como no exemplo seguinte, (a tabela cinco mais completas).

20 2 Tabela 4 Orçamento de caixa antes das despesas financeiras líquidas. Mês Jan-X1 Fev-X1 Mar-X1 Abr-X1 Maio-X1 Jun-X1 Total Taxa de Câmbio 2, 164 2, 329 2, 496 2, 664 2, 833 2, 1 Recebimentos Venda mercado domestica de Vendas no mercado externo , Total (A) Pagamentos Compras mercado doméstico no Compras no mercado externo Outros custos e despesas Total(B) Geração de caixa operacional (C=A-B) (18.33) (4.99) Investimentos Aplicação (vendas) ações de 1. (1.) Compra (venda) de imobilizado

21 21 Total(D) (5) Geração de caixa antes das despesas financeiras líquidas (E=C- D) (19.533) (5.99) Fonte: Hoji, (21, p. 458) A análise da tabela cinco nos montra todas as despesas referentes ao primeiro semestre de X1de maneira completa, com índices, taxas de cambial e toda a variação das despesas e receita sofrida pela empresa. Nesta tabela vemos que os juros de empréstimo antigo em moeda local se fez presente nos dois primeiros meses do semestre, mas em compensação os juros de empréstimos novos em moeda local logo no mês de março começa a aparecer com a exceção de maio. Tabela 5 Orçamento de caixa completado com operações financeiras. Mês Jan-X1 Fev-X1 Mar- X1 Abr-X1 Maio- X1 Jun-X1 Total Taxa de câmbio 2, 164 2, 329 2, 496 2, 664 2, 833 2, 1 Geração de caixa antes das despesas financeiras líquidas (E=C-D) (19.533) (5.99) Pagamentos despesas financeiras de

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS 110 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS CAPITAL ORDINÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2006 2005 Caixa e investimentos Caixa................................................. $ 276 $ 223 Investimentos Carteira

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 DFC DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA ( Exercícios ) 1. INTRODUÇÃO A Demonstração de Fluxos de Caixa, de acordo com a lei 11.638/2007, passou a ser obrigatória para as companhias abertas, companhias de

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 Índice 1. Orçamento Empresarial...3 2. Conceitos gerais e elementos...3 3. Sistema de orçamentos...4 4. Horizonte de planejamento e frequência

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I)

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Procedimentos um guia prático Análise dos procedimentos Método direto e indireto Caso prático Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Mutações do Patrimônio Líquido Tópicos do Estudo Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados nos moldes da Lei das

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados Unidade 6 Hebert Sá 90 Sumário Introdução... 92 Objetivos... 93 Estrutura da Unidade... 93 Unidade 6: Tópico 1: Integração entre DRE e Balanço Patrimonial...

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2010 2009 CIRCULANTE Caixa e bancos 422.947 20.723 Contas a receber 4 698.224 903.098 Outras contas a receber 5 3.304.465 121.908 Estoques 14.070

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA EDITORA ATLAS Livro de Exercícios 9ª Edição VERSÃO DIGITAL (2010) SUMÁRIO Apresentação... 4 EXERCÍCIOS PROPOSTOS... 5 1 Introdução à administração

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Princípios de Finanças Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Material didático e acesso Site da disciplina http://frega.net Login: UFPRPRINCFIN 2 Prof. José Roberto Frega, Dr. Graduado em Engenharia

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 COMO FAZER RAPIDAMENTE PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Projeção do Balanço, Resultado e do Caixa integrados Qual o melhor método para uma projeção rápida Finalidades

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2

Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 INVESTIMENTOS PERMANENTES Avaliados pelo método de equivalência patrimonial MEP Procedimentos

Leia mais

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I.

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 3 COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE& ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Up-To-Date

Leia mais

Entidades de Incorporação Imobiliária. ria- Tratamento contábil e fiscal das transações com unidades imobiliárias.

Entidades de Incorporação Imobiliária. ria- Tratamento contábil e fiscal das transações com unidades imobiliárias. Entidades de Incorporação Imobiliária ria- Tratamento contábil e fiscal das transações com unidades imobiliárias Agenda Atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis 1.Formação

Leia mais