MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini"

Transcrição

1 MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini

2 MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE

3 DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti AS AÇÕES SOBRE O MOSQUITO DEVEM SER PLANEJADAS!

4 ANTECEDENTES INTRODUÇÃO DO Aedes aegypti DURANTE A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS 1685: 1ª EPIDEMIA DE FEBRE AMARELA EM RECIFE 1690: GOVERNADOR DE PERNAMBUCO, MARQUÊS DE MONTEBELO, APÓS CURADO DA DENGUE, PROMOVEU A PRIMEIRA CAMPANHA PROFILÁTICA DE QUE SE TEM NOTÍCIA NO BRASIL. MESMO SEM SABER QUE A TRANSMISSÃO DA FEBRE SE DAVA PELA PICADA DE UM MOSQUITO, RECOMENDOU O DESPEJO DO LIXO EM LOCAL ADEQUADO, QUARENTENA DOS DOENTES, ENTERRO DOS MORTOS EM COVAS FUNDAS, FORA DA ÁREA URBANA, E A LIMPEZA PERIÓDICA DE RUAS E CASAS. 1849: FEBRE AMARELA REAPARECE EM SALVADOR 1850 a 99: O A. aegypti SE PROPAGA PELO PAÍS.

5 ANTECEDENTES CENÁRIO FIM SÉCULO XIX E INÍCIO DO SÉCULO XX AUSENCIA DE SANEAMENTO; EPIDEMIAS DE PESTE BUBÔNICA, VARÍOLA E FEBRE AMARELA; A RELAÇÃO ENTRE SAÚDE E AMBIENTE JÁ TINHA SIDO ESTABELECIDA NESTA ÉPOCA. OS GRANDES SANITARISTAS IDENTIFICAVAM COMO CAUSA DAS EPIDEMIAS A PRESENÇA DE VETORES E ROEDORES EM SITUAÇÕES AMBIENTAIS FAVORÁVEIS TANTO NAS PERIFERIAS DAS CIDADES SEM SANEAMENTO, COMO NAS ÁREAS RURAIS, CAUSANDO AS GRANDES EPIDEMIAS QUE ASSOLAVAM O PAÍS

6 ANTECEDENTES AS ATIVIDADES ENVOLVENDO MUDANÇAS EM AMBIENTES URBANOS, A UTILIZAÇÃO DE INSETICIDAS PARA CONTROLE DOS VETORES E INTRODUÇÃO DE CAMPANHAS DE VACINAÇÃO RESULTARAM EM UMA SITUAÇÃO RELATIVAMENTE CONFORTÁVEL NA SAÚDE PÚBLICA DA ÉPOCA. OSWALDO CRUZ

7 ANTECEDENTES CRIAÇÃO DO DIRETORIA DE SAÚDE PÚBLICA - CRIAÇÃO DA BRIGADA MATA-MOSQUITO VISTORIA DAS CASAS, INTERDIÇÃO E DERRUBADA; RETIRADA DA POPULAÇÃO; SANEAMENTO DA REGIÃO CENTRAL E PORTUÁRIA DO RIO DE JANEIO; VACINAÇÃO COMPULSÓRIA;

8 ANTECEDENTES RESULTADOS: CONTROLE DA FEBRE AMARELA, VARÍOLA, PESTE BUBÔNICA. ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE SANEAMENTO COMO RESPOSTA A SITUAÇÃO EPIDEMICA HIGIENISMO. DESLOCAMENTO DA POPULAÇÃO DESALOJADA PARA OS MORROS DO RJ. REVOLTA DA VACINA. DESGASTE DO GOVERNO

9 ANTECEDENTES MINISTÉRIO DA SAÚDE 1955: ELIMINADO O ÚLTIMO FOCO DE A. aegypti NO BRASIL 1956 DENERU DEPARTAMENTO NACIONAL DE ENDEMIAS RURAIS FEBRE A MARELA, MALÁRIA FUNDAÇÃO SESP LIGADA AO MS (ASSIST. TÉCNICA E PESQUISA EM 73) O MODELO SANITÁRIO CAMPANHISTA PREDOMINOU ATÉ A DÉCADA DE 60

10 ANTECEDENTES SUCAN SUPERINTENDÊNCIA DE CAMPANHAS DE SAÚDE PÚBLICA 1967: REINTRODUÇÃO DO A. aegypti EM BELÉM 1973: FOI CONSIDERADO ERRADICADO DO BR (ULTIMO FOCO EM BELÉM) 1976: NOVA REINTRODUÇÃO DO VETOR EM SALVADOR A 84: PRESENÇA DO VETOR EM QUASE TODOS OS ESTADOS. 1986: O A. albopictus É ENCONTRADO PELA PRIMEIRA VEZ NO RJ. 1995: ENCONTRADO A. aegypti NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL RS

11 DÉCADA FUNASA FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE 1996 PLANO DE ERRADICAÇÃO DO Aedes aegypti 1999 PORTARIA 1399/99 - MS/FUNASA DESCENTRALIZAÇÃO DA SAÚDE E REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS ESTABELECENDO OS NÍVEIS DE GESTÃO E OS RECURSOS PARA A EXECUÇÃO DAS AÇÕES DESCENTRALIZAÇÃO PARA OS ESTADOS DO CONTROLE DAS ENDEMIAS FUNASA SANEAMENTO E ÁREAS INDÍGENAS CRIAÇÃO PELO MS-FUNASA DA VIGILÂNCIA AMBIENTAL COM O OBJETIVO DE RECOMENDAR E ADOTAR MEDIDAS PREVENTIVAS E DE CONTROLE DE DOENÇAS E AGRAVOS LIGADOS AO AMBIENTE PNCD -

12 SEC.XXI- DESCENTRALIZAÇÃO DAS AÇÕES PARA OS MUNICÍPIOS PELO MS

13 VIGILÂNCIA AMBIENTAL PROBLEMAS AMBIENTAIS PROBLEMAS SEC. XXI AQUECIMENTO GLOBAL ACIDENTES LIGADOS AO CLIMA... VETORES DE DOENÇAS

14 FATORES QUE INFLUENCIAM A DISPERSÃO DE VETORES MIGRAÇÕES AUMENTO DAS CIDADESURBANIZAÇÃO DESORDENADA BOLSÕES DE POBREZA

15 DENGUE FATORES DA DISPERSÃO DO VETOR : RÁPIDO CRESCIMENTO POPULACIONAL NAS ÁREAS METROPOLITANAS; FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO; FALTA DE ÁGUA CANALIZADA (QUE LEVA AO ARMAZENAMENTO INADEQUADO DA ÁGUA DE USO DOMÉSTICO; COLETA DE LIXO INADEQUADA OU AUSENTE (MULTIPLICANDO O NÚMERO DE POTENCIAIS CRIADOUROS); AUMENTO DA PRODUÇÃO DE RECIPIENTES DESCARTÁVEIS INDUSTRIALIZADOS (EMBALAGENS); RIO GRANDE DO SUL: VASOS DE PLANTAS NO INTERIOR DOS DOMICÍLIOS, PNEUS, LIXO

16 AVALIAÇÃO AMBIENTAL PARA MANEJO CONHECER O NOSSO AMBIENTE AVALIAR AS ÁREAS DE RISCO (LEVANTAMENTO DE ÁREAS)

17 AVALIAÇÃO DO AMBIENTE A VIGILÂNCIA DE VETORES TEM NA AVALIAÇÃO AMBIENTAL SEU PONTO FUNDAMENTAL PARA PLANEJAR AÇÕES VOLTADAS AO VETOR, CONHECER O CENÁRIO OU CENARIOS ONDE A AÇÃO VAI SE DESENVOLVER É FUNDAMENTAL PARQUE DA LAGOA DO PEIXE - RS SANTO ANTÔNIO DAS MISSOES

18 CAOS URBANO FOTO:LUCIA MARDINI, RIO DE JANEIRO, SET.2007

19 O CENARIO ENVOLVE O CONHECIMENTO DAS VARIAÇÕES CLIMATICAS POSSÍVEIS PARA O LOCAL ALVO DO PLANEJAMENTO INFLUÊNCIA DO AQUECIMENTO GLOBAL SOBRE A FAUNA DE VETORES

20 FATORES QUE FAVORECEM A PERMANÊNCIA DE VETORES CLIMÁTICOS: VARIAÇÕES DE TEMPERATURA REGIME DE CHUVAS temporal_noturno.jpg

21 RISCOS POR DESASTRES NATURAIS FOTO:LUCIA MARDINI/MANAUS FOTO:REVISTA VEJA RISCOS POR MUDANÇAS AMBIENTAIS

22 FATORES QUE FAVORECEM A PERMANÊNCIA DE VETORES E A TRANSMISSÃO DE DOENÇAS HUMANOS: OFERTA DE CRIADOUROS CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS (ABAST. ÁGUA E ENERGIA) LIXO CONTATO COM VETORES OCUPAÇOES DE HÁBITATS SILVESTRES DESMATAMENTO AUMENTO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA CULTURAIS

23 CONHECIMENTO DA SITUAÇÃO

24 VARIAÇÃO SAZONAL DA TEMPERATURA, VERÃO, E MUNICÍPIOS INFESTADOS POR Aedes aegypti, COM CASOS AUTÓCTONES DE DENGUE E LEISHMANIOSE, E EPIZOOTIA DE FEBRE AMARELA, RS, 2007 Aedes aegypti X + Epizootia F. A Casos Leishmaniose

25 Temperatura e precipitação média anual e municípios infestados por Aedes aegypti, com casos autóctones de dengue e leischmaniose, e epizootia de febre amarela, RS, 2007

26 Lucia Mardini,Dra. FOTO:LUCIA MARDINI Programa Simulídeo

27 FOTO:LUCIA MARDINI REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM FOTO:LUCIA MARDINI-RS FOTO:LUCIA MARDINI - RS CAXIAS DO SUL ÁREA RURAL 15/6/2007

28 FONTE:REVISTA VEJA

29 DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS FOTO:LUCIA MARDINI FOTO:LUCIA MARDINI FOTO:LUCIA MARDINI

30 LIXO E ÁGUA FOTO:LUCIA MARDINI FONTE:REVISTA VEJA

31 CULTURAIS Joana E. Defferrari: pesquisa no cemitério de Picada Francesa, Novo Hamburgo

32 VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA, CONSCIENTIZAÇÃO, EDUCAÇÃO, MUDANÇA DE COMPORTAMENTO CONSCIÊNCIA SOCIAL

33

34 MUDANÇA DE HÁBITOS E VIGILÂNCIA

35 VIGILÂNCIA

36 VIGILÂNCIA

37 VIGILÂNCIA FOTO:MARIA AMÉLIA TORRES FOTO:MARIA AMÉLIA TORRES FOTO:MARIA AMÉLIA TORRES FOTO:MARIA AMÉLIA TORRES

38 MUDANÇA DE HÁBITO

39 CENTRAL DE RECICLAGEM CACHOEIRINHA/RS FOTO:LUCIA MARDINI FOTO:LUCIA MARDINI FOTO:LUCIA MARDINI

40 COLETA SELETIVA FOTO:JORGE WILSON/TAPEJARA

41

42 CONTROLE BIOLÓGICO É PRECISO DOMINAR A TÉCNICA, PESQUISAR OS ORGANISMOS ENCONTRADOS NA NATUREZA LOCALMENTE, AVALIAR A EFICIÊNCIA EM LABORATÓRIO E NO CAMPO ANTES DE INTRODUZIR NOS CRIADOUROS Foto:lucia mardini/camaguey/cuba IPK HAVANA/CUBA

43 CONTROLE BIOLÓGICO UTILIZAÇÃO DE PREDADORES Astuanax bimaculatus Fonte:filaman.ifm-geomar.de/.../jpg/tn_Asbim_u0.jpg FOTO:LUCIA MARDINI COL. PEIXES RIO URUGUAI COPÉPODOS

44 CONTROLE BIOLÓGICO A UTILIZAÇÃO DE OUTRAS ESPÉCIES DE MOSQUITOS OU A MODIFICAÇÃO GENÉTICA VEM SENDO ESTUDADO UNIVERSIDADE DA FLÓRIDA VERO BEACH/EUA

45 DO RECONHECIMENTO DAS SITUAÇÕES E ÁREAS DE RISCO E, DA CAPACIDADE DE ARTICULAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DOS TRÊS NÍVEIS DE GESTÃO, COM OUTROS PARCEIROS LOCAIS, REGIONAIS ESTADUAIS E NACIONAIS, DEPENDE O SUCESSO DAS AÇÕES DA ÁREA DE SAÚDE AMBIENTAL.

46 PROTEÇÃO cove red.jpg

47 A ÁGUA - FONTE DA VIDA OBRIGADA PELA ATENÇÃO! FOTO: LUCIA MARDINI/ RIO NEGRO - AMAZONAS

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE Área de dispersão do vetor Aedes aegypti Originário da África tropical e introduzido nas Américas durante a colonização

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Resultado do LIRAa Março / 2014 Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Levantamento Rápido de Índices LIRAa O LIRAa foi desenvolvido em 2002,

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008

Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008 Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008 Conteúdo Saúde Pública Lei 8080 de 19/09/1990; Lei 8142 de 28/12/1990; ABC do SUS Doutrinas e Princípios - Ministério da Saúde; Avanços

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO INTRODUTÓRIO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PARA AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS ALUNO (A): PROFESSOR (A): CETAM Centro de Educação Tecnológica do Amazonas SUMÁRIO

Leia mais

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Universidade Federal de Pelotas Dept de Veterinária Preventiva Faculdade de Veterinária Disciplina de Saneamento Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Prof.

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti.

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Cartilha de Dengue Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Conhecendo o ciclo biológico do mosquito O Aedes aegypti

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC Comissão Plano de Prevenção à Dengue (Portaria Nº 1829/2015/GR/UFSC) Carlos José de Carvalho Pinto CCB/MIP (Presidente) Adriana Rodrigues secretária

Leia mais

18/06/2012. Componentes da Vigilância em Saúde:

18/06/2012. Componentes da Vigilância em Saúde: CURSO INTERNACIONAL DE MESTRADO ACADÊMICO EM SAÚDE PÚBLICA LIMA/PERÚ Modulo disciplinar: Introdução à Vigilância em Saúde Professores responsáveis: Prof. Dr. Luciano M. de Toledo Profa. Dra. Ana Maria

Leia mais

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Comunicação e Marketing Ltda Veículo: Editoria: Notícias www.acritica.uol.com.br Coluna: -- Assunto: Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Origem:

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI INTRODUÇÃO A dengue é uma doença infecciosa febril aguda benigna na maior parte dos casos. É causada pelo vírus do

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Laboratório de Estatística Aplicada ao Processamento de Imagens e Geoprocessamento INFLUÊNCIA DOS AGENTES

Leia mais

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015 Brasília, 01 de dezembro de 2015. Área: Área Técnica em Saúde Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti Fonte: Dab/MS/SAS/CNS 1. Em comunicado

Leia mais

Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas já foram realizadas.

Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas já foram realizadas. www.portalamazonia.com.br Coluna: Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA PODER EXECUTIVO

Prefeitura Municipal de Gavião-BA PODER EXECUTIVO ANO. 2014 DO MUNICÍPIO DE GAVIÃO - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. GAVIÃO: SECRETARIA DE SAÚDE REALIZA CAMPANHA PREVENTIVA

Leia mais

Situação Epidemiológica da Febre Amarela no Brasil

Situação Epidemiológica da Febre Amarela no Brasil Situação Epidemiológica da Febre Amarela no Brasil Zouraide Guerra Antunes Costa CENEPI GT-FEBRE AMARELA Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Febre Amarela no Brasil - resgatando a história...

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

CLIPPING IMPRESSO Página: -- Data: 04/10/2011. Enfoque: (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Neutro NOTÍCIAS

CLIPPING IMPRESSO Página: -- Data: 04/10/2011. Enfoque: (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Neutro NOTÍCIAS Editoria: Notícias www.manausonline.com.br Coluna: -- Prefeitura inicia programação do Outubro Rosa, movimento de prevenção ao câncer de mama ( ) Matéria articulada pela assessoria de imprensa -- NOTÍCIAS

Leia mais

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA Porto Alegre, junho de 2016 1. O vetor Originário da África, o mosquito Aedes aegypti tem duas subespécies, Aedes aegypti formosus

Leia mais

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS MAIO/2015 E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA E.E. DR. João Ponce de Arruda Rua: Conceição do Rio Pardo, Nº: 1997 Centro.

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com ou

Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com ou Professor Fernanda & Suellen Disciplina Biologia Lista nº 2 Assuntos Biomédicas Lista ENEM complemento do projeto UERJ Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti SECRETÁRIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti Porto Alegre - RS 2016 SECRETÁRIA

Leia mais

Francisco Paz 09/12/2015

Francisco Paz 09/12/2015 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado de Saúde DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: DESAFIOS PARA A GESTÃO Plano de Intensificação do combate ao Aedes aegypti Francisco Paz 09/12/2015 Ações estaduais

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DO SIMULÍDEO

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DO SIMULÍDEO PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DO SIMULÍDEO No Rio Grande do Sul os insetos hematófagos da família Simuliidae (DIPTERA NEMATOCERA) geram extremo desconforto e agravos à saúde decorrentes das suas picadas.

Leia mais

Aula 1 Histórico da Implementação da Política de Saúde no Brasil

Aula 1 Histórico da Implementação da Política de Saúde no Brasil Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Epidemiologia e Saúde Pública Aula 1 Histórico da Implementação da Política de Saúde no Brasil Histórico - Mundo Na Inglaterra: movimento

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro

SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) de outubro demonstra que 0,7% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte contam com a presença do mosquito

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CARGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE - ACS LÍNGUA PORTUGUESA 1. Interpretação de textos

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009

A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009 A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009 TRANZILLO, Eliene Maria dos Santos 1 MARTINS, Inatiane Campos Lima 2 BATISTA, Gustavo Silva 3 1. Introdução A dengue é um dos principais problemas

Leia mais

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO TÍTULO:AVALIAÇÃO DA INCIDÊNCIA DA DENGUE NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ATRAVÉS DA CONFIRMAÇÃO SOROLÓGICA AUTORES: Cavalcanti, A. C.; Oliveira A. C. S. de; Pires, E. C. ; Lima, L.

Leia mais

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Coordenação Geral Programa Nacional de Controle da Dengue, Chikungunya e Zika - CGPNCD Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde dengue@saude.gov.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE!

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! O mosquito da Dengue se prolifera em "em silêncio". Gosta de "sombra e água limpa". O melhor jeito de combatê-lo é eliminando os criadouros

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA 20 a 24 de outubro de 2008 ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA Ana Carla Zarpelon 1 ; Rejane Cristina Ribas 1 ; Fernando Henrique das Mercês Ribeiro

Leia mais

Clipping Eletrônico Domingo dia 26/10/2014

Clipping Eletrônico Domingo dia 26/10/2014 Clipping Eletrônico Domingo dia 26/10/2014 Jornal Diário do Amazonas Sociedade Pág. 19-26 de outubro de 2014 Jornal Em Tempo Saúde e Bem Estar Pág. F1-26 de outubro de 2014 Jornal Em Tempo Saúde e Bem

Leia mais

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois DENGUE DENGUE : DOENÇA QUE MATA DENGUE FORMAS CLÍNICAS DA DENGUE Assintomática Oligossintomática Dengue clássica Dengue grave Febre hemorrágica Dengue com Complicações transmissão Dengue é transmitida

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti LIRAa, de outubro de 2015, demonstra que 0,6% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte conta com a presença

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Biologia 1ª série Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Profª Reisila Mendes Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença. Homeostase Equilíbrio

Leia mais

CNC contra a Dengue, Zica e Chikungunya

CNC contra a Dengue, Zica e Chikungunya COLÉGIO NOVA CACHOEIRINHA Projeto Interdisciplinar: CNC contra a Dengue, Zica e Chikungunya Profº Júlio César (Coordenador) São Paulo 09/03/16 Introdução Embora a Organização Mundial da Saúde (OMS) tenha

Leia mais

Febre Amarela Situação epidemiológica no Brasil

Febre Amarela Situação epidemiológica no Brasil Clínica e Diagnóstico da Febre Amarela Treinamento para Profissionais da Assistência Febre Amarela Situação epidemiológica no Brasil Porto Alegre, 12/02/2009 Zouraide Guerra Antunes Costa zouraide.guerra@saude.gov.br

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014)

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) 1 NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) Assunto: Avaliação de armadilhas para a vigilância entomológica de Aedes aegypti com vistas à elaboração de novos índices

Leia mais

Mobilização Nacional contra o Aedes aegypti. Atividades realizadas nas empresas Eletrobras no dia 11 de março de 2016

Mobilização Nacional contra o Aedes aegypti. Atividades realizadas nas empresas Eletrobras no dia 11 de março de 2016 Mobilização Nacional contra o Aedes aegypti Atividades realizadas nas empresas Eletrobras no dia 11 de março de 2016 Eletrobras holding: Envio de e-mail no dia 10/3/2016 com mensagem do presidente da Eletrobras

Leia mais

Figura 2. Evolução da População Urbana no Brasil. 1940 2000. Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 1940, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000. In.

Figura 2. Evolução da População Urbana no Brasil. 1940 2000. Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 1940, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000. In. UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Uso e Ocupação do Solo

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde!

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde! Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE Saneamento é saúde! Ordem na casa! Proteger o meio ambiente é dever de todos. E começar pelo saneamento pode ser uma boa alternativa Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE.

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. AUTORES:Madureira, M.L 1.; Oliveira, B.C.E.P.D 1.; Oliveira Filho, A. M. 2 ; Liberto, M.I.M. 1 & Cabral, M. C. 1. INSTITUIÇÃO( 1 - Instituto

Leia mais

Campanha contra Aedes aegypti

Campanha contra Aedes aegypti Campanha contra Aedes aegypti CONTRIBUIÇÕES DA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E INFRAESTRUTURA OBSERVAR locais ou objetos que podem ser criadouros do mosquito Aedes aegypti REALIZAR ações para evitar criadouros

Leia mais

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640 MUNICÍPIO DE PORTÃO População: 28583 (Censo IBGE 2007) Imóveis: 9981 (Censo IBGE 2007) Agentes de Endemias: 4 agentes Dpt VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ENDEREÇO: Rua 09 de Outubro, 313 3 Andar TELEFONE:

Leia mais

Dengue uma grande ameaça. Mudanças climáticas, chuvas e lixo fazem doença avançar.

Dengue uma grande ameaça. Mudanças climáticas, chuvas e lixo fazem doença avançar. Dengue uma grande ameaça. Mudanças climáticas, chuvas e lixo fazem doença avançar. O verão chega para agravar o pesadelo da dengue. As mortes pela doença aumentaram na estação passada e vem preocupando

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

RELATO DAS ATIVIDADES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO COMBATE A DENGUE EM SANTA MARIA

RELATO DAS ATIVIDADES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO COMBATE A DENGUE EM SANTA MARIA RELATO DAS ATIVIDADES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO COMBATE A DENGUE EM SANTA MARIA A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 50

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS FEVEREIRO 2011 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE DIRETOR: JOSÉ CANDIDO DE CASTRO NETO COORDENADORA: FÁTIMA SURIANO

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO DE LEI N. º 013 /2013. A Câmara Municipal de Bela Vista de Minas decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Institui a Política Municipal de Prevenção, Controle e Combate à Dengue, sob a denominação

Leia mais

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Humanas e Naturais CCHN Departamento de Geografia DEFESA DE MONOGRAFIA MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO

Leia mais

Trabalhos selecionados

Trabalhos selecionados Trabalhos selecionados 1ª ETAPA DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA DENGUE EM UBERABA: EPIDEMIA NUNCA MAIS E. M. PROFESSOR JOSÉ GERALDO GUIMARÃES - CENTRO INTEGRADO PACAEMBU PROFESSOR CÁSSIA CRISTINA DE SANTANA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS ETAPA 2 CURSO INTRODUTÓRIO INSTRUÇÕES

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON Curso: Introdução à Educação Digital Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica Fique de na Dengue! ATENÇÃO: A dengue é uma doença muito dolorosa, deixa

Leia mais

PERÍODO DE INCUBAÇÃO SEIS DIAS INSETICIDAS QUÍMICOS (VENENO) QUALQUER PESSOA VÍRUS

PERÍODO DE INCUBAÇÃO SEIS DIAS INSETICIDAS QUÍMICOS (VENENO) QUALQUER PESSOA VÍRUS VETOR PICAR UMA INFECTADA PERÍODO DE INCUBAÇÃO NÃO EXISTE ELIMINAÇÃO DOS OVO TRINTA DIAS SEIS DIAS INTERIOR DAS CASAS NOTIFICAÇÃO E MULTA DOIS BILHÕES DE REAIS QUÍMICOS (VENENO) Aedes aegypti e Aedes albopictus

Leia mais

SE CORRER O BICHO PEGA, SE FICAR O BICHO PICA PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE NO AMBIENTE DE TRABALHO

SE CORRER O BICHO PEGA, SE FICAR O BICHO PICA PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE NO AMBIENTE DE TRABALHO SE CORRER O BICHO PEGA, SE FICAR O BICHO PICA PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE NO AMBIENTE DE TRABALHO Autores Adão Vieira Gonçalves Adhemar Augusto Craveiro Neide Aparecida Leão Guesso Sandra Inêz Moura

Leia mais

Situação da Dengue no Rio Grande do Sul. Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS

Situação da Dengue no Rio Grande do Sul. Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS Situação da Dengue no Rio Grande do Sul Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Vigilância Epidemiológica Processo contínuo e sistemático

Leia mais

Proposta de Lei n.º 189/XII

Proposta de Lei n.º 189/XII Proposta de Lei n.º 189/XII ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DE EPIDEMIAS DA FEBRE DO DENGUE A febre do dengue figura entre algumas das doenças que poderão ser consideradas emergentes no

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 14 DE MAIO Das 14 às 17: 30 horas 3 horas e 30 minutos de duração 30 QUESTÕES AGENTES COMUNITÁRIOS

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

2 Dengue: Características Relevantes

2 Dengue: Características Relevantes 2 Dengue: Características Relevantes 2.1 Apresentação da Doença A dengue é uma arbovirose encontrada em regiões tropicais e subtropicais do mundo inteiro. Sua ocorrência está associada a quatro sorotipos

Leia mais

PEP /2013-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE

PEP /2013-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE 1 PEP /2013-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE 1 a QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar a situação atual das endemias regionais (Dengue, Leishmanioses e Doença de Chagas) no

Leia mais

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO Razão Social: JESSICA APARECIDA NAGALINE LOURENÇO ME Ramo de Atividade: Açougue CPF/CNPJ: 16.579.958/0001-19 Endereço:

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

Inseticidas aliados contra a dengue

Inseticidas aliados contra a dengue Inseticidas aliados contra a dengue Alguns dos produtos testados deixaram a desejar na eliminação de baratas e moscas. A boa notícia é que todos eles tiveram ótimo desempenho contra o mosquito Aedes aegypti.

Leia mais

Curso Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

Curso Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Curso Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Planejamento de Coleta Seletiva com Cooperativas de Catadores de Materiais Recicláveis SECRETARIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Bertrand Sampaio de Alencar

Leia mais

Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial

Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial Rosemary Costa Pinto Assessora Técnica/ASTEC/FVS rosemary.pinto@gmail.com Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas Secretaria de Estado

Leia mais

Agente de Combate a Endemias

Agente de Combate a Endemias Leia atentamente o texto a seguir para responder às questões de 01 a 08. TEXTO: Agente de Combate a Endemias 5 10 15 20 Vistoria de residências, depósitos, terrenos baldios e estabelecimentos comerciais

Leia mais

a crise aa agua ao avanco da dengue NAO ESTAO CLAROS, MAS E PRECIS0 EVITAR NOVOS SEGUNDO ESPECIALISTA, MOTIVOS DA EPIDEMIA AINDA

a crise aa agua ao avanco da dengue NAO ESTAO CLAROS, MAS E PRECIS0 EVITAR NOVOS SEGUNDO ESPECIALISTA, MOTIVOS DA EPIDEMIA AINDA Niio ha como ligar a crise aa agua ao avanco da dengue SEGUNDO ESPECIALISTA, MOTIVOS DA EPIDEMIA AINDA NAO ESTAO CLAROS, MAS E PRECIS0 EVITAR NOVOS FOCOS DO MOSQUITO; VACINA PODE CHEGAR EM 2016 JAIRO MARQUES

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

DENGUE VERSUS LIXO UMA PROBLEMÁTICA NO JARDIM NOVA ESPERANÇA

DENGUE VERSUS LIXO UMA PROBLEMÁTICA NO JARDIM NOVA ESPERANÇA Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DENGUE VERSUS LIXO UMA PROBLEMÁTICA NO JARDIM NOVA ESPERANÇA Simone Aparecida de Paiva Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Graduando do curso de Gestão Ambiental Sônia Cristina

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VALENTIM DO SUL ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VALENTIM DO SUL ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VALENTIM DO SUL ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SÃO VALENTIM DO SUL CONTEXTUALIZAÇÃO Região dos Vales 16ª CRS População: 2.370 II Mostra Nacional de

Leia mais