Resseguro para os ramos de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resseguro para os ramos de"

Transcrição

1 ISSN IRB-Brasil Resseguros S.A. [ ano 68 ] [ número 305 ] [ novembro ] [ 2008 ] Resseguro para os ramos de Aumenta a demanda por produtos de vida e previdência Entrevista: Claudio Contador, da Escola Nacional de Seguros Agrobusiness conta com seguro para acelerar crescimento Energia limpa na mira do mercado de seguros

2 EXPEDIENTE CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Otávio Ribeiro Damaso (Presidente) Eduardo Hitiro Nakao (Vice-presidente) Otacílio Caldeira Júnior Carlos Augusto Moreira Araújo Luiz Tavares Pereira Filho Antonio Eduardo Marquez de Figueiredo Trindade DIRETORIA Eduardo Hitiro Nakao (Presidente) Alberto de Almeida Pais (Vice-presidente Executivo) Sergio Caruso Vandro Ferraz da Cruz Manoel Morais de Araujo Francisco Aldenor Alencar Andrade CONSELHO FISCAL Marcio Leão Coelho (Presidente) Rogério Baptista Teixeira Fernandes Eduardo Gonçalves Boquimpani Lúcio Antônio Marques Sidney Maury Sentoma SEDE Av. Marechal Câmara, Castelo CEP Rio de Janeiro - RJ - Brasil Telefone: (21) GERÊNCIA REGIONAL EM SÃO PAULO R. Manoel da Nóbrega, andar - Jardim Paulista CEP São Paulo - SP - Brasil Telefone: (11) ESCRITÓRIO DE REPRESENTAÇÃO DA SECRETARIA EXECUTIVA EM BRASÍLIA SCN - Edifício Brasília Trade Center, Quadra I - Bloco C - salas a CEP Brasília - DF - Brasil Telefone: (61) SUBSIDIÁRIAS EM NOVA YORK UA Holding Corporation UAIC - United Americas Insurance Company UA Service Corporation, 805 Third Avenue - 14 th floor New York USA Telefone: ESCRITÓRIO DE LONDRES London Branch 25, Lime Street - London EC3M 7HR, United Kingdom Telefone: CONSELHO EDITORIAL Eduardo Hitiro Nakao Vandro Ferraz da Cruz Francisco Aldenor Alencar Andrade Sebastião Furtado Pena Gisele de Lima Castro Campos Sergio Ricardo de Vasconcellos Dias Claudio Roberto Contador Lúcio Antônio Marques COORDENAÇÃO EDITORIAL Inah de Paula Comunicações DIREÇÃO DE ARTE Inah de Paula Comunicações REDAÇÃO Jorge Clapp e Valéria Maciel REVISÃO IRB-Brasil Resseguros S.A. e Inah de Paula Comunicações GRÁFICA Grafitto Gráfica e Editora FOTÓGRAFO Alexandre Faria DISTRIBUIÇÃO IRB-Brasil Resseguros S.A. Os conceitos emitidos em artigos assinados exprimem apenas as opiniões de seus autores e são de sua exclusiva responsabilidade. Os textos publicados podem ser livremente reproduzidos, desde que citada a fonte. Publicação editada pelo IRB-Brasil Re. Circulação desta edição: mil exemplares, distribuídos gratuitamente mediante assinatura.

3 EDITORIAL Esta edição da Revista do IRB circula no momento em que o mundo experimenta uma forte crise econômica, cujas conseqüências ainda não podem ser totalmente dimensionadas. Esse, aliás, é o tema da entrevista exclusiva concedida à Revista do IRB pelo economista Claudio Contador, diretor da Escola Nacional de Seguros (Funenseg). Na conversa, ele traça um cenário positivo para o País e comenta os possíveis reflexos da crise no mercado de seguros. Contador projeta um futuro auspicioso para o Brasil: temos um projeto de boa qualidade, o futuro é promissor, diz o economista. A matéria de capa tem como tema central as novas perspectivas para os ramos de pessoas. Na reportagem, a Revista do IRB ouviu a consultora da Gerência de Riscos Pessoais do IRB-Brasil Re, Alessandra Martins Monteiro; o presidente da Münchener do Brasil, Kurt Müller; o diretor da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Alfredo Cardoso; e a diretora da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), Solange Beatriz. Outra matéria importante trata da busca por fontes alternativas de energia. Na reportagem, mostramos que as seguradoras mantêm um time de especialistas para analisar esse setor. É o caso da Allianz Brasil, que conta com um grupo de cientistas para estudar as mudanças climáticas e as soluções que possam minimizar esses efeitos: a mudança do clima é um grande risco que expõe toda a nossa sociedade. Resolvemos estudar o clima de forma científica, na tentativa de contribuir para amenizar esses impactos, explica o diretor de Grandes Riscos da Allianz Brasil, Ângelo Colombo. Há ainda uma reportagem sobre o agrobusiness. A matéria oferece indícios de que o faturamento do seguro rural vai crescer de forma expressiva nos próximos anos. Mas esse futuro promissor dependerá da manutenção da subvenção aos prêmios dessa carteira e da implementação do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural, cujo projeto de lei ainda tramita no Congresso Nacional. O leitor encontrará também, nesta edição, as tradicionais seções Na Estante, Jurisprudência e Panorama do Mercado. Boa Leitura! Conselho Editorial R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p. 1-52, novembro

4 IRB-Brasil Resseguros S.A Revista do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p. 1-52, novembro 2008 ISSN Editorial Carta do Presidente Cenário global desfavorável não afeta Brasil Entrevista com Claudio Contador Na Estante Panorama do Mercado Jurisprudência Matéria de Capa Setor de resseguro explora segmento de riscos pessoais Em Foco Agrobusiness atrai o foco do mercado de seguros Mercado segurador investe em produtos para energia limpa Artigo Técnico Procedimento licitatório simplificado: empresas estatais e atuação competitiva no cenário concorrencial Bárbara Malta Rabello Raphael Domingues de Moraes Zyngier Novo Ambiente de Resseguro no Brasil conseqüências imediatas da abertura de mercado Osvaldo Haruo Nakiri O Mercado de Seguros 10 anos de mudanças Lucio Marques Aspectos cruciais das novas regras para o resseguro no Brasil Sergio Barroso de Mello Seguro de roubo Alvaro Eyler

5 CARTA DO PRESIDENTE O ano de 2008 representa um marco histórico sem precedentes para o setor de seguro/resseguro no País, cujos reflexos se estendem além de nossas próprias fronteiras. A abertura do mercado de resseguro corresponde ao início de uma nova era, em que os players passam a atuar num cenário concorrencial, o que exige um cuidadoso processo de preparação e aprendizagem, a exemplo do que ocorreu com o IRB-Brasil Re que, ao longo dos últimos anos, não mediu esforços nesse sentido, em que pesem as restrições a que está sujeito. As modificações ocorridas na sua estrutura interna, com a adoção de medidas de gestão mais eficazes, tais como a revisão de normas e procedimentos, a integração das gerências e a maior interação com os clientes e parceiros, foram fundamentais para que entrássemos confiantes e preparados no mercado competitivo. Outro ponto a destacar consiste no investimento realizado pela Empresa em treinamento do corpo funcional. Instituições especializadas foram contratadas para ministrar cursos fechados, com conteúdos programáticos voltados, basicamente, para a atividade-fim da Empresa e profissionais das áreas de subscrição, estratégia e tecnologia fizeram visitas ao exterior, com a finalidade de conhecer in loco os sistemas e métodos adotados naquele mercado. Nesses primeiros meses de mercado concorrencial, podemos comprovar que a nossa estratégia é sólida e eficaz. O impacto da abertura nas atividades da Empresa ocorreu dentro do esperado, ou seja, trabalhamos com eficiência para minimizar as perdas de receita e obtivemos êxito. Mas estamos conscientes de que os desafios são contínuos e só poderão ser superados com muito trabalho e dedicação. Para isso, contamos com um corpo técnico capacitado e com inegável grau de comprometimento com a Empresa além de conhecedor das reais necessidades dos nossos clientes diretos e indiretos, no caso, as cedentes (sociedades seguradoras) e os segurados, respectivamente. Por tudo isso, estamos otimistas diante das perspectivas que surgem com o mercado aberto e, especialmente, com a atuação e o papel do IRB-Brasil Re neste momento histórico, em que a concorrência no setor de resseguro emerge na sua plenitude. Eduardo Hitiro Nakao Presidente R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p. 1-52, novembro

6 ENTREVISTA Cenário global desfavorável não afeta Brasil O cenário econômico atual é de muitas incertezas. Uma crise, iniciada nos Estados Unidos, cujo tamanho exato ainda não foi dimensionado, preocupa e se espalha por todo o mundo, deixando um rastro de incertezas que se reflete em diferentes setores da economia. As Bolsas de Valores vivem momento de grande instabilidade. Um dia sobem alavancadas por notícias favoráveis pinçadas de um noticiário nervoso. No outro, despencam arrastadas por fatos negativos que azedam os humores nos quatro cantos do planeta. Nesse contexto, é difícil achar um oásis, um país ou região que consiga passar ao largo da crise. Afinal, na era da globalização não há como fugir dos avanços e muito menos dos desvios de rumo, principalmente quando os medicamentos convencionais demoram um pouco mais a surtir efeito. Mesmo assim, pelo menos até agora, o Brasil foi pouco contaminado pelo clima de pessimismo, muito embora aqui ou ali surjam alguns sintomas que demandam atenção maior, especialmente os relativos aos repiques da inflação, à desvalorização do real frente ao dólar e ao sobe e desce nos pregões da bolsa. O crescimento econômico apurado nos últimos anos, coroado pela conquista do grau de investimento, a melhor distribuição de renda e a queda nos níveis de desemprego mantêm o otimismo do brasileiro. Essa reação positiva pode contribuir para manter o Brasil até certo ponto imune à crise que toma conta de europeus, asiáticos e norteamericanos. Nessa entrevista, o diretor da Escola Nacional de Seguros (Funenseg), Claudio Contador, traça um cenário positivo para o futuro do País e comenta os possíveis reflexos do momento econômico no mercado de seguros e resseguros: o Brasil é a bola da vez, não tenho dúvidas disso, afirma Contador, que nasceu no Rio de Janeiro, formouse economista em 1966, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, e no início da década seguinte recebeu o Mestrado (1971) e o Doutorado (1973) em Economia da conceituada Universidade de Chicago. Como bom virginiano, Claudio Contador é metódico e pode passar horas trabalhando em uma análise minuciosa sobre os diversos ângulos de uma questão que se apresenta com falsas obviedades. Assim, é enfático ao projetar um futuro auspicioso para o Brasil: temos um projeto de boa qualidade, o futuro é promissor, afirma. 6 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p. 6-10, novembro 2008

7 ENTREVISTA Antes de ocupar o cargo de diretor da Escola Nacional de Seguros, Claudio Contador consolidou sua bela carreira em cargos tais como o de editor da revista Pesquisa e Planejamento Econômico, do IPEA; diretor da Escola de Pós-Graduação em Administração de Empresas, Universidade Federal do Rio de Janeiro; chefe do Departamento de Economia e Finanças e diretor do Centro para Pesquisas e Estudos em Seguros, da Coppead, além de intensas atividades de consultoria na sua empresa, Silcon Estudos Econômicos e participação em inúmeros conselhos de empresas e instituições no Brasil e no exterior. Assim, pôde acumular a expertise necessária para publicar mais de uma dezena de livros e quase 300 artigos no Brasil e no exterior. Pôde também pontuar suas pesquisas em tópicos abrangentes, incluindo planejamento de estratégias, sistemas de simulação, mercado de seguros, análise de custos e benefícios, ciclos econômicos, indicadores antecedentes e previsão. Foi em função desses atributos que a Revista do IRB o procurou para ouvir sua opinião sobre os rumos da economia e, mais particularmente, do mercado de seguros. Revista do IRB Quais as vantagens competitivas oferecidas pelo Brasil? Claudio Contador O Brasil tem cada vez mais destaque no mercado mundial. É a bola da vez, como se costuma dizer. A economia local combina uma base de consumidores muito pobres um pouco melhor que a Índia e a China, mas com problemas semelhantes, uma classe média, típica de países europeus de renda média, e segmentos muito sofisticados, típicos dos EUA e das economias mais avançadas. Então, é um laboratório excelente, pois as empresas podem trabalhar com produtos para todos os tipos de públicos. Se um produto der certo aqui, ele pode ser levado para outros países. Fotos: Alexandre Faria Revista do IRB A crise mundial preocupa ou o Brasil está imune? Claudio Contador O potencial de problemas lá fora é bem maior que aqui, porque no exterior, principalmente nos EUA, houve grande securitização de dívidas imobiliárias, falta de fiscalização sobre os mercados financeiros e sistemas contáveis abertos a fraudes. Então, a crise preocupa, mas o Brasil tem bons indicadores. Nós temos estabilidade política e econômica. O País se destaca mesmo no âmbito do chamado BRIC. A Rússia possui certa estabilidade, mas é um mercado menor que o nosso. A Índia é mais pobre e a China é um grande mistério, por ser um mercado fechado. R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p. 6-10, novembro

8 ENTREVISTA É preciso, agora, acabar com alguns resquícios da legislação, como proibir pessoas e empresas de abrirem contas correntes em moeda estrangeira Revista do IRB Houve avanços na legislação? Claudio Contador Nos casos específicos do mercado de capitais e do setor de seguros, o ideal é que houvesse uma interação total entre os órgãos reguladores, Susep, Banco Central, ANS, Comissão de Valores Mobiliários e Secretaria de Previdência Complementar. O Brasil até teve sorte, porque houve um resgate do mercado de capitais sem a força do Governo. Foi uma reação espontânea. Não havia ativos privados para servir de reservas de seguradoras e outros investidores institucionais e sustentar o crescimento econômico. A concentração de títulos públicos, por carência de títulos privados, nas reservas das seguradoras e entidades de previdência não é favorável ao crescimento do mercado e da economia em geral. Isso não acrescenta nada para o aumento da capacidade produtiva local. Mas esse receio passou. Hoje, as ações, debêntures privadas e outros ativos do mercado de capitais podem capitalizar e aumentar o crédito para as empresas. É preciso, agora, acabar com alguns resquícios da legislação, como proibir pessoas e empresas de abrirem contas correntes em moeda estrangeira. Revista do IRB Qual o papel reservado ao seguro nesse contexto? Claudio Contador O seguro melhora e fortalece o mercado interno de capital, aumenta as taxas de poupança e investimento, ajuda a incrementar o potencial de crescimento do PIB e fornece informação sobre risco nas atividades de negócios. Então, tem um papel de protagonista. Revista do IRB Até que ponto a obtenção do grau de investimento é importante para o País? Claudio Contador Foi excelente. Contudo, após passar a crise atual, será preciso evitar a doença holandesa, que foi provocada por uma grande entrada de dólares, que valorizou a moeda local e tirou a competitividade da indústria, nos anos 70. De qualquer forma, creio que o Brasil não corre esse risco. Temos uma economia maior, mais projetos, mais oportunidades. Revista do IRB Qual a real relação entre crescimento econômico e incremento da atividade de seguros? Claudio Contador Claro que há uma relação direta entre estabilidade econômica, inflação baixa e crescimento do mercado de seguros. Mas, isoladamente, o crescimento econômico não gera crescimento do setor de seguros, que 8 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p. 6-10, novembro 2008

9 ENTREVISTA O seguro melhora e fortalece o mercado interno de capital, aumenta as taxas de poupança e investimento, ajuda a incrementar o potencial de crescimento do PIB e fornece informação sobre risco nas atividades de negócios pode consolidar uma tendência de expansão até mesmo em condições econômicas não totalmente favoráveis. O mais importante é ter uma legislação adequada, marcada pela desregulamentação, maior abertura do mercado interno ao capital estrangeiro, como ocorreu na última década, e abertura no resseguro. Os fatores macro, de maior impacto no processo de crescimento da indústria do seguro e do resseguro, são a renda real e a taxa de inflação. Revista do IRB E a questão dos alimentos? Claudio Contador Os preços dos alimentos também tendem a se normalizar, até porque teremos novas e promissoras safras. Aliás, isso cria renda no campo e é muito bom para o mercado de seguros, que pode explorar novos nichos na área rural. Nesse sentido, lembro que a demanda por alimentos na China aumentou quatro vezes nos últimos anos. Ainda assim, para atingir a média da Europa será preciso multiplicar por sete os números atuais. Então, há um enorme potencial de consumo de alimentos no exterior, que pode ser aproveitado pelo Brasil. Por isso, o seguro tem muito a ganhar com o novo cenário mundial. Revista do IRB Como o senhor vê os primeiros meses de abertura no resseguro? Claudio Contador A importância do resseguro ainda não foi totalmente percebida pelo Governo, a não ser por vozes isoladas, como a do superintendente da Susep, Armando Vergílio. O resseguro é fundamental para a necessária integração internacional, que é o que falta ao Brasil. Repito sempre que se houver um bom marco regulatório poderemos atrair capital de boa qualidade. É simples assim. Temos grandes projetos nas áreas de energia, transportes e infra-estrutura em geral, que precisam do resseguro. O mercado de resseguros ainda é pequeno no Brasil, gera por ano cerca de R$ 3,5 bilhões, montante que equivale a apenas uma semana de exportações brasileiras. Mas não tenho dúvidas de que a abertura e o novo modelo podem alavancar muitos negócios para o mercado de seguros. Revista do IRB E que nichos o senhor destaca nesse novo cenário, que mistura abertura no resseguro e crescimento econômico? Claudio Contador São vários nichos que surgem para o seguro e o resseguro. No caso do seguro popular, destaco o potencial apresentado pelas pequenas e médias empresas, que precisam contratar seguros a preços mais competitivos. Há um espaço enorme para o seguro voltado para essas empresas. Desde que sejam produtos baratos, fáceis de contratar, com renovação automática. Digo sempre que se um corretor de seguros se dispuser a entrar em um prédio comercial, onde cada sala é uma pequena empresa, imagine quantos seguros ele vai vender. Revista do IRB E o microsseguro? Claudio Contador É um dos assuntos mais discutidos nos principais encontros do seguro mundial. Mas não há ainda uma legislação específica e é preciso, antes de tudo, entender a diferença entre o micros- R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p. 6-10, novembro

10 ENTREVISTA A Escola inseriu no planejamento de 2008 a realização de palestras, cursos, pesquisas e a publicação de títulos sobre o tema seguro e o seguro popular, que tem prêmios baixos e um mercado enorme, com produtos vendidos em grandes redes varejistas, por exemplo. O microsseguro pode vir a exigir subsídio do Governo para existir, pois é voltado para classes muito baixas. Ele dá ainda um alívio muito grande para políticas sociais. Poderá ser até embutido no programa Bolsa-Família. De qualquer forma, o mercado tem muito que aprender com o microsseguro. As seguradoras, os consumidores, todos têm muito a aprender. Revista do IRB De que forma a Escola Nacional de Seguros pode atuar para ajudar a sociedade e o mercado a entenderem melhor o microsseguro? Claudio Contador A Escola inseriu no planejamento de 2008 a realização de palestras, cursos, pesquisas e a publicação de títulos sobre o tema. Houve ainda uma edição especial da revista Cadernos de Seguro, editada por nós, sobre o tema. Pensamos também em publicar uma coletânea de artigos em inglês, para mostrar no exterior o que anda sendo discutindo aqui no Brasil. Revista do IRB Qual o cenário atual do mercado mundial de seguros? Claudio Contador No mundo, a atividade de seguros gera recursos da ordem de US$ 3,4 trilhões. Estudos recentes mostram que esse mercado cresce mais rapidamente nas economias emergentes, incluindo o Brasil. Com isso, é possível que seja mantido, nos próximos anos, o ritmo de crescimento da receita do mercado global em torno dos 2,5%. Para nós, a boa notícia é que as economias em crescimento necessitam mais de serviços de seguros. Além disso, normalmente os investidores priorizam os países com mercados de seguros sólidos. O Brasil leva vantagem porque o seu mercado de seguros vem crescendo rapidamente. 10 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p. 6-10, novembro 2008

11 NA ESTANTE CONTABILIDADE DE CUSTOS Autor: Eliseu Martins - Ed. Atlas págs. O trabalho aborda as mais recentes evoluções conceituais e novas tendências na utilização da Contabilidade de Custos para fins gerenciais. O autor direciona o foco do livro para a utilização da Contabilidade de Custos nas funções de planejamento e controle, relacionadas ao estabelecimento de padrões, orçamentos e outras formas de previsão. A partir de uma abordagem realística, são destacadas ainda as principais barreiras e reações comportamentais às tentativas de implantação e os custos e benefícios dos diferentes sistemas disponíveis. ÉTICA EMPRESARIAL: POSTURAS RESPONSÁVEIS NOS NEGÓCIOS, NA POLÍTICA E NAS RELAÇÕES PESSOAIS Autor: Robert Henry Srour - Ed. Campus págs. O autor aborda, de forma clara e objetiva, a ética empresarial, sob a perspectiva da responsabilidade social da empresa, em um ambiente de negócios marcado pela competição acirrada. Indicado para profissionais que desenvolvem atividades em organizações públicas ou privadas. A publicação é recomendada também para programas de treinamento e desenvolvimento de executivos. ECONOMIA E SEGURO: UMA INTRODUÇÃO Autor: Francisco Galiza Escola Nacional de Seguros - Ed. Funenseg págs. O livro apresenta aspectos básicos da contabilidade e da economia aplicados ao seguro, noções de probabilidade, estatística, risco e incerteza, análise macroeconômica, evolução histórica e perspectivas, além das definições e dos principais conceitos usados na área. Referência desde a sua primeira edição, de 1997, a publicação é um clássico do mercado de seguros do Brasil. R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro

12 NA ESTANTE RESSEGUROS: FUNDAMENTOS TÉCNICOS E JURÍDICOS Autores: João Marcos Brito Martins e Lídia de Souza Martins - Ed. Forense Universitária págs. A publicação trata de um assunto que vem ocupando espaço cada vez mais amplo na mídia: o resseguro. De forma didática, utilizando uma linguagem acessível a públicos distintos, os autores explicam os fundamentos de um contrato de resseguro, sob os aspectos técnicos e jurídicos. SEGURO: CONCEITOS, DEFINIÇÕES E PRINCÍPIOS Autor: Julio Cezar Pauzeiro - Ed. VTN Comunicação págs. O autor compartilha com os leitores as informações e expertise acumuladas em uma vida profissional totalmente dedicada ao mercado de seguros. Utilizando uma linguagem acessível, a publicação desmistifica o segurês e coloca de maneira objetiva, prática e sistematizada tudo aquilo que as pessoas sempre tiveram curiosidade de aprender sobre seguro. Seleção de obras disponíveis na Biblioteca de Seguros Rodrigo Médicis pertencentes ao acervo da empresa. A Biblioteca está aberta para consulta diariamente das 9 às 17 horas, na Avenida Marechal Câmara, nº térreo, Castelo, RJ. Informações pelos telefones (21) e (21) , pelo ou pelo site 12 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro 2008

13 PANORAMA DO MERCADO Site da CNSeg tem informações sobre o resseguro Já está disponível no site da CNSeg um campo específico para o segmento de resseguro, visando a ampliar a área de conhecimento para os usuários e facilitar a sua navegação. O espaço reúne informações diversas sobre o tema, como, por exemplo, história do resseguro no Brasil, o processo de abertura do mercado, as empresas do setor, palestras nacionais e internacionais, artigos e notícias publicados no site e eventos a serem realizados. Também estão sendo disponibilizadas as Cláusulas Contratuais. Para acessar Resseguro basta clicar no item Mercado, no site Inscrições para Curso Superior da Funenseg Estão abertas até o dia 13 de janeiro de 2009 as inscrições para o vestibular do Curso Superior de Administração com Ênfase em Seguros e Previdência, ministrado pela Escola Nacional de Seguros (Funenseg), no Rio de Janeiro. São 50 vagas para a sexta turma do curso, que será formada no primeiro semestre de A inscrição custa R$ 30,00. Os interessados poderão se inscrever no hotsite onde também estão disponíveis o edital, a ementa, o corpo docente e demais informações. O vestibular está marcado para o dia 18 de janeiro de Susep já cadastrou 33 resseguradoras A crise econômica não reduziu o apetite dos resseguradores estrangeiros em relação ao mercado brasileiro. Desde o início da vigência das novas regras que regulamentam a abertura do resseguro, em 17 de abril, até o fechamento desta edição, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) já cadastrou ou autorizou a operação no mercado brasileiro de 33 resseguradoras, incluindo o IRB-Brasil Re. Dessas empresas, três estão operando como resseguradoras locais (entre as quais o IRB), outras 13 são admitidas; e 17 eventuais. Segundo o diretor da Susep, Murilo Chaim, a questão do acesso ao mercado brasileiro já está praticamente resolvida. Esperamos que até o fim do ano 55 empresas tenham autorização para operar com segurança no País, afirmou, no Seminário Internacional de Resseguro A Arte de Elaborar o Contrato, que a CNSeg e a Escola Nacional de Seguros (Funenseg) realizaram em São Paulo, no fim de outubro. Tanto interesse é mais do que compreensível. Mesmo com a crise internacional, cujas conseqüências ainda não são totalmente conhecidas, o Brasil é tido como um dos mercados de seguros e resseguros com o maior potencial para crescer nos próximos anos. As estimativas continuam otimistas. Em cinco anos, o mercado segurador vai dobrar de tamanho. Já o mercado de Resseguro deverá duplicar de tamanho em três anos, acredita Murilo Chaim. R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro

14 PANORAMA DO MERCADO PANORAMA DO MERCADO Mercado cria fórum para acompanhar crise O mercado brasileiro decidiu criar um fórum de acompanhamento da crise financeira internacional. A idéia é avaliar os reflexos no mercado segurador e propor medidas para a direção da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSeg) e das quatro federações participantes do sistema de representação institucional FenaCap, FenaPrevi, FenSeg e FenaSaúde. Segundo o presidente da CNSeg, João Elisio Ferraz de Campos, é fundamental a participação do mercado no fórum para o alcance dos objetivos propostos na iniciativa. Os participantes do fórum serão indicados pelos presidentes das seguradoras. O cadastramento será feito por intermédio de endereço eletrônico criado para atender ao fórum, revelou João Elisio, em carta enviada a todas as empresas do mercado. Ele explicou ainda que o fórum tem caráter provisório, propositivo, consultivo e mobilizador. Outra finalidade do fórum é promover a integração das empresas que compõem o sistema de representação institucional formado pela CNSeg e pelas Federações em relação à crise financeira internacional. O fórum terá um Comitê Gestor, coordenado pelo consultor Ismar Tôrres e composto por representantes da confederação e das federações. Contrato deve ser renegociado com antecedência É preciso começar a renegociar um contrato de resseguro com bastante antecedência, para que se possa obter benefícios tanto para os segurados como para o próprio corretor. O conselho foi dado por Maria Elena Bidino, diretora da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSeg), durante a palestra sobre o tema O Novo Cenário do Resseguro no Brasil, realizada no 13º Congresso dos Corretores de Seguros (Conec), organizado pelo Sindicato dos Corretores de Seguros de São Paulo (Sincor-SP), em outubro. Na palestra, a executiva ressaltou a necessidade de qualificação técnica dos profissionais que atuam no resseguro. No mercado aberto, quanto mais informações o corretor oferecer à seguradora, maior será a chance de a negociação com os resseguradores resultar em melhora de preços e de coberturas, lembrou Maria Elena Bidino. Ela disse ainda que faltam alguns detalhes no aspecto regulatório, mas nada impede que as empresas realizem contratos. Segundo Maria Elena Bidino, esses ajustes são normais em um setor que acaba de ser aberto. 14 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro 2008

15 JURISPRUDÊNCIA Indenização por danos morais e materiais - Não sendo demonstrada falha no serviço e sendo certo que a vítima teve a melhor e a última oportunidade de evitar o dano, é indevida a indenização. Preliminares rejeitadas. Recursos providos. (TJ-SP Ac. Unânime da 2ª Câmara de Direito Público, julg. em Ap. Cív Rel. Des. Lineu Peinado) AÇÃO DE INDENIZAÇÃO - CONTRATO DE SEGURO - PRESCRIÇÃO - DANO MORAL A ação do segurado, visando o recebimento de indenização contratada, prescreve em um ano (CC/1916, art. 178, 6º). Não configurado o dano moral, inexiste o dever de indenizar. Apelação não provida, e parte dispositiva da sentença alterada. (TJ-MG Ac. Unânime da 10ª Câmara Cív., julg. em Ap. Cív /002 Rel. Des. Roberto Borges de Oliveira) AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO AGRÍCOLA. DENUNCIAÇÃO DA LIDE AO IRB-BRASIL RESSEGUROS S.A. INADMISSIBILIDADE. RESPONSABILIDADE EXCLUSIVA DA SEGURADORA PERANTE O SEGURADO. RECURSO NÃO PROVIDO. (TJ-PR Ag. Instr. Unânime da 10ª Câmara Cível, julg. em Ag. Instr Rel. Des. Nilson Mizuta) CIVIL - APELAÇÃO - AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS MORAIS - ACIDENTE DE TRÂNSITO - DANOS MORAIS CONFIGURADOS - RESPON- SABILIDADE CIVIL DA TRANSPORTADORA RÉ CARACTERIZADA - DENUNCIAÇÃO DA LIDE DA SEGURADORA - DANOS MORAIS - COBERTURA EXCLUÍDA EXPRESSAMENTE NA APÓLICE - REGRESSO - IMPOSSIBILIDADE - REFORMA DA SENTENÇA - LIDE SECUNDÁRIA INACOLHIDA - RESSEGURO - DENUNCIAÇÃO PREJUDICADA- HONORÁRIOS DE ADVOGADO - RECURSOS CONHECIDOS, PROVIDO O PRIMEIRO E PREJUDICADO O SEGUNDO. O contrato de seguro garante o direito de regresso nos limites delineados na apólice.-havendo previsão expressa na apólice, de exclusão de cobertura para danos morais, a seguradora não deve ser condenada a pagar ao segurado, regressivamente.-firmado resseguro pela seguradora litisdenunciada, também não haverá regresso, se esta não deve reembolsar ao segurado originário. Contudo, nesta lide terciária, a empresa de resseguro faz jus a honorários advocatícios contra aquela que a denunciou.-recursos conhecidos, provido o 1º e prejudicado o 2º. (TJ-MG Ac. Unânime da 17ª Câmara Cív., julg. em Ap. Cív /001 Rel. Des. Márcia de Paoli Balbino) R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro

16 JURISPRUDÊNCIA PROCESSUAL CIVIL. SEGURO DE VIDA EM GRUPO. AÇÃO DE SEGURADO CONTRA A SEGURADORA. PRAZO PRESCRICIONAL. INCIDÊNCIA DO ART. 178, 6 o, INCISO II, DO CÓDIGO CIVIL. SUMULA 101 DO STJ. PRELIMINAR DE PRESCRIÇÃO QUE SE ACOLHE. EXTINÇÃO DO PROCESSO COM RESOLUÇÃO DE MÉRITO. PROVIMENTO DO RECURSO. (TJ-RJ Ac. Unânime da 1ª Câmara Cível, julg. em Ap. Cív Rel. Des. Maldonado de Carvalho) QO. SEGURADORA. RECUSA. RENOVAÇÃO. APÓLICE. A Turma, em questão de ordem, decidiu submeter à Segunda Seção recurso especial em que se discute o direito da seguradora de não renovar apólice coletiva de seguro especificamente no que diz respeito à segurada, ora recorrente. O Min. Massami Uyeda ressaltou tratar-se de um leading case no qual a controvérsia centra-se entre a teoria contratual pura e as emanações protecionistas do Código de Defesa do Consumidor. (REsp MG, Rel. Min. Nancy Andrighi, em 18/9/2008) CIVIL. SEGURO DE VIDA. EMBRIAGUEZ. A cláusula do contrato de seguro de vida que exclui da cobertura do sinistro o condutor de veículo automotor em estado de embriaguez não é abusiva; que o risco, nesse caso, é agravado resulta do senso comum, retratado no dito se beber não dirija, se dirigir não beba. Recurso especial não conhecido. SEGURO. VEÍCULO. MORA. NOTIFICAÇÃO. PRÊMIO. A Turma reiterou que o simples atraso no adimplemento de parcelas do prêmio do seguro de veículo não autoriza o desfazimento automático do contrato, pois é necessária a interpelação para a prévia constituição em mora do segurado. No caso, o segurado pagou duas das quatro parcelas e, embora em atraso, não houve interpelação, cabendo, em razão do furto do veículo, a condenação da seguradora ao pagamento do seguro, acrescido de juros moratórios a contar da citação, custas e honorários advocatícios de 10% sobre o valor da condenação. (REsp SP, Rel. Min. Aldir Passarinho Junior, julgado em 2/9/2008) UNIÃO ESTÁVEL. PARTILHA. VERBA. ACIDENTE. TRABALHO. Na dissolução da união estável, a partilha de bens refere-se ao patrimônio comum formado pelo casal, não se computando indenizações percebidas a título personalíssimo por quaisquer dos ex-companheiros, tal qual a recebida em razão de acidente de trabalho sofrido, pois é certo que a reparação deve ser feita àquele que sofreu o dano e carrega consigo a deficiência adquirida. A indenização recebida em razão do pagamento de seguro de pessoa cujo risco previsto era a invalidez temporária ou permanente não constitui fruto ou rendimento do trabalho que possam ajustar-se às disposições do inciso VI do art. 271 do CC/1916. (REsp RS, Rel. Min. João Otávio de Noronha, julgado em 28/10/2008) (STJ Resp, Unânime da 3ª T., julg. em Resp SP Rel. Min. Ari Pargendler) 16 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro 2008

17 MATÉRIA DE CAPA SETOR DE RESSEGURO EXPLORA SEGMENTO DE RISCOS PESSOAIS O mercado de seguro vive um momento auspicioso. De acordo com as estatísticas da Susep, de janeiro a agosto deste ano, foram arrecadados R$ 44,092 bilhões em prêmios, o que representa um incremento de 17,3% em relação ao mesmo período do ano passado. Alguns setores, como o de vida e previdência, apresentam um crescimento acima da média do mercado e, em função da demanda aquecida, aparecem como grandes nichos a serem explorados. Alexandre Faria Outro setor com boas perspectivas de crescimento é o de saúde. Os avanços tecnológicos neste mercado trouxeram melhoria nos tratamentos, mas, por outro lado, o custo do serviço também aumentou consideravelmente. Diante desse cenário, as resseguradoras se preparam para atender à demanda aquecida dos ramos pessoais. O IRB-Brasil Re, por exemplo, vai atuar com força total nos segmentos de vida individual e previdência privada. Para isso, já estuda o lançamento de novos produtos. Na área de vida, três soluções deverão surgir: resseguros para doenças graves (câncer, infarto, entre outros), riscos agravados e riscos preferenciais. Antes atuávamos em parceria com outros resseguradores. Agora já nos estruturamos para oferecer sozinhos os produtos na área de vida individual. Posso dizer que temos experiência e uma base de dados bastante consistente nesta área, informa a consultora da Gerência de Riscos Pessoais do IRB-Brasil Re, Alessandra Martins Monteiro. Alessandra Monteiro Já trabalhamos com a previdência aberta, garantindo coberturas de risco agregadas aos planos de acumulação, como VGBL e PGBL A previdência complementar também será um nicho a ser explorado pelo IRB-Brasil Re. Já trabalhamos com a previdência aberta, garantindo coberturas de risco agregadas aos planos de acumulação, como VGBL e PGBL, R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro

18 MATÉRIA DE CAPA diz Alessandra. No momento, um novo produto está sendo desenhado com foco, principalmente, nos fundos fechados. Trata-se da troca da tábua de mortalidade, na qual os fundos baseiam seus cálculos para medir as probabilidades de vida e de morte de um determinado grupo de pessoas. Com o passar dos anos, existe a tendência de aumento da expectativa de vida, o que pode deixar a tábua de mortalidade defasada. O fundo então tem que se reestruturar, mas haverá uma diferença nos cálculos no momento de adoção da nova tabela. O resseguro pode cobrir este déficit, explica a consultora, informando que o IRB-Brasil Re desenvolve estudos,que se encontram em fase avançada para oferecer esse tipo de produto. Atualmente, os ramos de vida individual e previdência aberta representam 15% de resseguros aceitos pelo ressegurador. A nossa expectativa é de crescimento, prevê Alessandra. Há um grande interesse de transferência de risco a respeito de longevidade. Mas ainda não existe uma solução def inida Ao longo dos últimos anos, o IRB-Brasil Re preparou-se para enfrentar o mercado concorrencial. O nosso foco será no cliente. Vamos atender de forma individualizada e a nossa grande vantagem é que temos um conhecimento profundo do mercado, ressalta Alessandra. Antranik Asarian Para ajudar ao cliente neste momento de adaptação à abertura de mercado, o IRB-Brasil Re está oferecendo treinamento em resseguro e subscrição de riscos de pessoas. Até o momento foram realizados treinamentos em dez seguradoras e já existem outros eventos agendados para os próximos meses. O encontro dura um dia. O objetivo é o de qualificar os riscos aceitos pelas seguradoras e, conseqüentemente, também os da carteira de resseguro, explica Alessandra Monteiro, destacando que estão sendo oferecidos treinamentos na área de sinistros de vida e acidentes pessoais. Vamos trabalhar em parceria e dividir a nossa expertise na área com nossos clientes. Kurt Müller A Münchener Rück do Brasil também acredita na expansão da oferta de resseguro para os mercados de vida e previdência privada no Brasil. De acordo com o presidente da companhia no Brasil, Kurt Müller, a expectativa, principalmente, em relação ao segmento de vida é grande. Atualmente, no Brasil, em seguro de vida, 1,4% do prêmio de risco total é 18 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro 2008

19 MATÉRIA DE CAPA cedido em resseguro. Na Alemanha e na França os percentuais são de 6% e 8%, respectivamente. Por isso, estamos esperando, no Brasil, o aumento dessa participação de 1,4%. Além do que, esperamos que o mercado hoje significativo de co-seguro (R$ 422 milhões) migre naturalmente ao mercado de resseguros, explica. Para Kurt Müller, o mercado brasileiro de previdência privada também apresenta um enorme potencial, principalmente, porque nos últimos anos a população começou a tomar consciência da importância de se preparar para o futuro. Este é o ramo de maior crescimento. E as pessoas estão se conscientizando de que há necessidade de complementação de renda na fase de aposentadoria. No entanto, ele lembra que a questão da longevidade ainda é um desafio, não somente no Brasil, mas em todos os países. Há um grande interesse de transferência de risco a respeito de longevidade. Mas ainda não existe uma solução definida, finaliza Müller. Muitas possibilidades e algumas pendências para a oferta de novos resseguros A opinião dos especialistas é unânime: muitas questões ainda precisam ser resolvidas para que ofertas de novos tipos de resseguro possam surgir no mercado brasileiro. Uma delas é a legislação que norteia o segmento de saúde suplementar. Atualmente, de acordo com a regulamentação dos planos de saúde, as operadoras de planos podem contratar o resseguro diretamente das resseguradoras. Já a regulamentação de resseguro em vigor estabelece a necessidade de o contrato ser firmado entre uma seguradora e uma resseguradora. Ou seja, a legislação é conflitante com relação ao cedente. O primeiro passo é conseguir uma definição jurídica se as operadoras de saúde podem ser caracterizadas como cedentes, explica Murilo Chaim, diretor da Susep. Acervo ANS O diretor de Normas e Habilitação de Operadoras da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Alfredo Cardoso, ressalta que é preciso definir como vai ser a regulamentação, a sua abrangência e de que forma será a operação. Por isso, optamos por realizar uma proposta conjunta da ANS e da Susep, tendo em vista que o resseguro para saúde envolve características do mercado segurador e também do segmento de saúde suplementar, avalia. Para isso, Susep e ANS vão formar um grupo de trabalho especificamente para estudar o assunto. Alfredo Cardoso R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro

20 MATÉRIA DE CAPA Resseguradoras se preparam para oferecer soluções em Saúde Suplementar Apesar de ainda depender da questão jurídica, o mercado já se prepara para oferecer soluções em saúde suplementar. A relevância do setor pode ser traduzida em números: o segmento movimenta anualmente cerca de R$ 45 bilhões e garante a proteção de 48 milhões de beneficiários. A diretora da FenaSaúde, Solange Beatriz, vê com otimismo a oferta deste produto no Brasil. Há uma expectativa por parte dos operadores de planos de saúde de minimizar os picos de sinistralidade, de garantir o equilíbrio atuarial e de diminuir a exigência de capital por repassar risco. Diante dos custos elevados e crescentes na área da saúde, a expectativa é de que esse instrumento venha contribuir para o aprimoramento deste mercado, avalia. Mas a posição da Agência parece ser clara. A idéia da ANS é que todas as operadoras possam contratar resseguro diretamente das resseguradoras. Dessa forma aumentará a concorrência no mercado, diz Cardoso. A idéia da ANS é que todas as operadoras possam contratar resseguro diretamente das resseguradoras Amadurecimento Após 10 anos da regulamentação da saúde suplementar, com o estabelecimento da Lei 9.656, de 3 de junho de 1998, o amadurecimento do setor é visível. Este avanço pode ser observado em vários pontos: melhoria das informações econômico-financeiras e assistenciais; profissionalização a partir dos investimentos realizados em tecnologia da informação; aperfeiçoamento das regras; padronização e transmissão eletrônica de dados entre operadoras e prestadores por meio do TISS (Troca de Informações de Saúde Suplementar); e o gradual saneamento do mercado. 20 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 68, n. 305, p , novembro 2008

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Resseguros sem fronteiras

Resseguros sem fronteiras Resseguros sem fronteiras Ernesto Borges do Rio O dia 17 de abril já entrou para a história do setor de seguros no Brasil. Depois de 70 anos de monopólio estatal, o segmento de resseguros foi finalmente

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, Série B. n.1, p. 1-7 EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL Deborah Tinoco Ribeiro deborahtinoco@yahoo.com.br Marcus

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

A palavra é eficiência

A palavra é eficiência A palavra é eficiência A redução de juros está no radar da indústria global de seguros. Compensar negócios mal precificados com ganhos financeiros já não é mais possível em um cenário de taxas em queda.

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Mesa Redonda Agrícola

Mesa Redonda Agrícola Mesa Redonda Agrícola Dia 14/04 das 14 às 16h Wady J. M. Cury 14 e 15 de Abril de 2015 ÍNDICE Princípios do Seguro MUTUALISMO... É um dos princípios fundamentais que constitui a base de todas as operações

Leia mais

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Escopo da Análise Com base nas experiências internacionais e brasileiras

Leia mais

As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro

As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro ANDRÉ ALARCON Sócio da Área de Seguros e Resseguros BÁRBARA BASSANI Advogada da área de Seguros e Resseguros Desde o advento da Lei Complementar

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO E SITUAÇÃO ATUAL DO SEGURO AGRÍCOLA Vera Melo - Diretora César Neves - Coordenador Sistema Nacional de Seguros Privados: Conselho Nacional

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL?

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? 8 REVISTA RI Setembro 2013 É o mercado de capitais brasileiro que precisa das pequenas e médias

Leia mais

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das ESECS-PJ Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros A G O S T O / 2 0 1 3 O Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros Pessoa Jurídica (ESECS-PJ) é fruto de um trabalho de

Leia mais

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização.

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização. Melhores Práticas das Empresas de Capitalização 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização 5 Capitalização 6 Missão da Capitalização 7 Valores da Capitalização 7 Melhores Práticas

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T06 Porto Seguro 14 de Agosto de 2006

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T06 Porto Seguro 14 de Agosto de 2006 Operadora: Bom dia a todos. Sejam Bem Vindos à Teleconferência da S.A. para a discussão dos resultados referentes ao segundo trimestre de 2006. Estão presentes no evento os Srs. Casimiro Blanco Gómez,

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Seguros Gerais em Evolução: o Papel do Corretor de Seguros. Paulo Marraccini paulo.marraccini@fenseg.org.

O Mercado Brasileiro de Seguros Gerais em Evolução: o Papel do Corretor de Seguros. Paulo Marraccini paulo.marraccini@fenseg.org. O Mercado Brasileiro de Seguros Gerais em Evolução: o Papel do Corretor de Seguros Paulo Marraccini paulo.marraccini@fenseg.org.br Seguros Gerais Segmento de Danos (SUSEP) Automóvel 8 ramos Patrimonial

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria 16 Seguro e doença preexistente Lauro Vieira de Faria Um dos temas mais polêmicos no mercado de seguros são as limitações e até recusas de cobertura decorrentes das chamadas doenças preexistentes. Em diversos

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Ano XVI Nº 157 2015 R$ 20,00 GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Fábio Basilone Presidente da CGSC para o Brasil Especial: saiba tudo sobre o 4º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro reuniu mais de 500

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL

EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL 14 REVISTA RI Abril 2015 É sabido que 2015 vai ser um ano difícil diante de uma economia com perspectiva de recessão. No

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Marco Antonio Rossi. FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência 1 Agenda 1. Linha do Tempo 2. Mercado Brasileiro 3. Indicadores de Desenvolvimento 4. Cenários 5. O Agregado de Oportunidades 6. Seguros

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a Entre nós www.marinhodespachantes.com Novas oportunidades! de todos nossos clientes, parceiros, amigos e colaboradores em 2012 e renovar nosso contrato de amizade para 2013 Elza Aguiar Presidente Todo

Leia mais

Camara Temática de Seguros Rurais

Camara Temática de Seguros Rurais Camara Temática de Seguros Rurais Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 07.06.2011 Camara Temática Seguro Rural Agenda 1 - Legislação O seguro rural: setor, abrangência e legislação 2 - Modelo

Leia mais

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ESCOPO DA ANÁLISE Com base nas experiências internacionais e brasileiras sobre Seguro Agrícola, procurou-se

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Microsseguros. Série Pesquisas. Volume 2

Microsseguros. Série Pesquisas. Volume 2 Microsseguros Série Pesquisas Volume 2 i ii ESCOLA NACIONAL DE SEGUROS FUNENSEG Microsseguros Série Pesquisas Volume 2 Coordenação Editorial CLAUDIO CONTADOR Rio de Janeiro 2010 iii Escola Nacional de

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

2015: UM ANO DECISIVO

2015: UM ANO DECISIVO 2015: UM ANO DECISIVO 1. EMENTA: o presente trabalho tem por objetivo abordar as necessidades de mudanças para que o país volte a crescer mais do que neste momento, com um patamar de inflação menor do

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Apresentação Institucional Junho 2013

Apresentação Institucional Junho 2013 Apresentação Institucional Junho 2013 BB Seguridade Maior Companhia de Seguros, Previdência e Capitalização da América Latina Rápido Crescimento com Alta Rentabilidade Maior Corretora de Seguros da América

Leia mais

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência 1 Brasil Entre as Maiores Economias do Mundo Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência O Mundo do Seguro e Previdência Desafios

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Pauta da apresentação 1º Estrutura do Setor 2º Representação Institucional do Setor 3º Arrecadação Visão por

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

PESQUISA PLANOS DE SAÚDE

PESQUISA PLANOS DE SAÚDE 20 Junho 2013 REVISTA DO IDEC Saúde não é o que interessa Reajustes dos planos coletivos não são regulados pela ANS. Mas pesquisa inédita do Idec revela que, mesmo assim, a Justiça tem considerado abusivos

Leia mais

1. Por que o corretor de seguros deve. 2. Quais são os principais fundamentos. 3. Critérios importantes na escolha da SEGURO GARANTIA AGENDA

1. Por que o corretor de seguros deve. 2. Quais são os principais fundamentos. 3. Critérios importantes na escolha da SEGURO GARANTIA AGENDA SEGURO GARANTIA SINCOR-ES Vitória / 21set2010 AGENDA 1. Por que o corretor de seguros deve operar no segmento do Seguro Garantia? 2. Quais são os principais fundamentos técnicos do Seguro Garantia? 3.

Leia mais

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar pág. 08 DOUGLAS DUEK COMO AS EMPRESAS PODEM CHEGAR À BOLSA? pág. 12 TRENDS O QUE PODE ATRAPALHAR A BOLSA EM 2011 A REVISTA DO INVESTIDOR NA BOLSA ANO 3 MAR 11 #36 R$ 12,00 9 771982 835003 0 3 0 3 6 EXEMPLAR

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

CONHEÇA O NOVO CENTAURO-ON NEWS. MAIS MODERNO E VERSÁTIL, PARA VOCÊ.

CONHEÇA O NOVO CENTAURO-ON NEWS. MAIS MODERNO E VERSÁTIL, PARA VOCÊ. Ano VII Nº 37 Outubro/Dezembro 2015 CONHEÇA O NOVO CENTAURO-ON NEWS. MAIS MODERNO E VERSÁTIL, PARA VOCÊ. LEIA TAMBÉM 2015: Ano de grandes realizações Pág. 02 Seguro Vida Individual: Tranquilidade para

Leia mais

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA - Criação da Federal Crop

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

RECORRENTE: COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 64.000,00.

RECORRENTE: COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 64.000,00. MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP 206 Sessão Recurso n 4703 Processo SUSEP n 15414.100262/2005-00 RECORRENTE: COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL

Leia mais

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação.

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação. Empírica Investimentos na mídia EXAME Janeiro 23/12/2014 Com juro alto, renda fixa é mais atrativa e Petrobras, opção A alta dos juros na semana passada por conta da instabilidade externa tornou mais atrativos

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013

ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013 ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013 Sumário: 1) Desafios econômicos do setor de seguros (Brasil e Mundo) 2) Princípios sobre Modelos

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

Marco Antonio Rossi. A Economia Brasileira Atual com Foco na Área de Benefícios

Marco Antonio Rossi. A Economia Brasileira Atual com Foco na Área de Benefícios Marco Antonio Rossi A Economia Brasileira Atual com Foco na Área de Benefícios 1 Agenda 1. Linha do Tempo 2. Mercado Brasileiro 3. Cenários Indicadores de Desenvolvimento 4. Desafios e Oportunidades 5.

Leia mais

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 A saúde suplementar no Brasil cresceu consistentemente nos últimos anos e o país ocupa lugar de destaque no cenário mundial.

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Corretagem

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Corretagem Regulatory Practice Insurance News Fevereiro 2012 SUSEP Corretagem Resolução CNSP 249, de 15.02.2012 Atividade dos corretores de seguros Dispõe sobre a atividade dos corretores de seguros de ramos elementares

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.13.050455-8/001 Númeração 0504558- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 19/05/2015 29/05/2015 EMENTA:

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Planos de Expansão de Telefonia Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Secretaria Nacional do Consumidor Ministério da Justiça Apresentação

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR Dispõe sobre o aperfeiçoamento dos instrumentos de seguro rural

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas Balneário Camboriú-SC 21 de julho de 2011 O padrão IFRS é adotado, atualmente, por cerca de 140 países(1) e por milhões de pequenas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E EMPREGO CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS DE PALMAS - CIAP

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E EMPREGO CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS DE PALMAS - CIAP PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E EMPREGO CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS DE PALMAS - CIAP Palmas TO Ciap CENTRO DE INOVAÇÃO E ACELERAÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento

2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento 2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento Abril de 2007 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2º PANORAMA ANUAL DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Evolução dos fundos

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático 1. Estrutura dos Sistemas de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Saúde Suplementar 1.1 Estrutura do Sistema de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Leia mais

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Atualmente, o mercado financeiro é caracterizado por altos níveis de volatilidade e incerteza- o que não

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Número 12 (18 de abril de 2008) Publicação periódica do Clube Brasileiro-Catalão de Negócios. Com o apoio de:

Número 12 (18 de abril de 2008) Publicação periódica do Clube Brasileiro-Catalão de Negócios. Com o apoio de: Clube Brasileiro-Catalão de Negócios (CB-CN) Av. Juscelino Kubitschek, 1726 conj. 111 sala 9 Vila Olímpia São Paulo SP Brasil CEP: 04543-000 www.cb-cn.com E-mail: info@cb-cn.com Número 12 (18 de abril

Leia mais

MÍDIA KIT C O M U N I C A Ç Ã O I N T E G R A D A CONTEÚDOS INTEGRADOS EM TODOS OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO: Redes Sociais

MÍDIA KIT C O M U N I C A Ç Ã O I N T E G R A D A CONTEÚDOS INTEGRADOS EM TODOS OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO: Redes Sociais C O M U N I C A Ç Ã O I N T E G R A D A MÍDIA KIT 2015 CONTEÚDOS INTEGRADOS EM TODOS OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO: Impresso Web Tablets Smartphones Apps Parceiros Estratégicos Portal da ABF Mailing Exclusivo

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Diretor, Conselheiro, CEO, CFO ou cargo Equivalente (pessoa física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Reunião Pública dos Analistas 1T12

Reunião Pública dos Analistas 1T12 Reunião Pública dos Analistas Agenda Visão da Indústria de Seguros Cenário Atual Perspectivas Visão Geral da Estrutura Linhas de Negócio Estratégia e Cultura Resultados em 2011 Principais Realizações e

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Junho 2008 SUSEP Questionário Trimestral Carta-Circular DECON 05, de 09.06.2008 - Demonstrações contábeis e questionário trimestral A presente

Leia mais