UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Rogéria Sena Cruz ANÁLISE DAS BRINCADEIRAS DE FAZ-DE-CONTA EM CRIANÇAS SURDAS USUÁRIAS DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Rogéria Sena Cruz ANÁLISE DAS BRINCADEIRAS DE FAZ-DE-CONTA EM CRIANÇAS SURDAS USUÁRIAS DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Rogéria Sena Cruz ANÁLISE DAS BRINCADEIRAS DE FAZ-DE-CONTA EM CRIANÇAS SURDAS USUÁRIAS DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS. Rio de Janeiro 2008

2 ROGÉRIA SENA CRUZ ANÁLISE DAS BRINCADEIRAS DE FAZ-DE-CONTA EM CRIANÇAS SURDAS USUÁRIAS DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS. Dissertação apresentada ao curso de Mestrado profissionalizante em Fonoaudiologia da Universidade Veiga de Almeida como requisito parcial para a obtenção do grau de mestre. Orientadora: Profª. Drª. Marcia Goldfeld Rio de Janeiro 2008

3 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA SISTEMA DE BIBLIOTECAS Rua Ibituruna, 108 Maracanã Rio de Janeiro RJ Tel.: (21) Fax.: (21) FICHA CATALOGRÁFICA C957a Cruz, Rogéria Sena Análise das brincadeiras de faz-de-conta em crianças surdas usuárias de língua brasileira de sinais (LIBRAS) / Rogéria Sena Cruz, p; 30 cm. Dissertação (Mestrado) Universidade Veiga de Almeida, Mestrado em Fonoaudiologia, Rio de Janeiro, Orientação: Márcia Goldfeld 1. Crianças surdas - linguagem. 2. Língua de sinais. 3. Brincadeiras. I. Goldfeld, Márcia (orientador). II. Universidade Veiga de Almeida, Mestrado em Fonoaudiologia. III. Título. CDD Ficha Catalográfica elaborada pela Biblioteca Setorial Tijucal/UVA

4 ANÁLISE DA BRINCADEIRA DE FAZ DE CONTA EM CRIANÇAS SURDAS USUÁRIAS DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS. Dissertação apresentada ao curso de Mestrado profissionalizante em Fonoaudiologia da Universidade Veiga de Almeida como requisito parcial para a obtenção do grau de mestre. Aprovada em 04 de julho de BANCA EXAMINADORA COMPOSTA POR: Profª Drª Silvana Frota Doutora Universidade Veiga de Almeida Profª Drª Aliny Lamoglia Doutora Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

5 Dedico, com carinho especial, à minha família pelo apoio, incentivo e preocupação.

6 Agradecimentos À minha orientadora e professora Marcia Goldfeld, pela amizade, pelo reencontro, pela maioridade profissional, e pela dedicação investida neste trabalho. Aos meus professores do Mestrado profissionalizante da Universidade Veiga de Almeida, que, sem exceção, tiveram contribuições tanto pedagógicas como pessoais. À amiga e profissional Rosangela Ferrer que me ensinou os primeiros passos na surdez e por tantas outras contribuições. Às novas amizades que fiz no Mestrado, que foram tantas e com tanta intensidade, proporcionando-me mesclar conhecimento acadêmico e de vida. À Escola Municipal Arlete Rosa Castanho, sua direção, professores, equipe técnica, funcionários, alunos e a todos que por lá passaram neste período. Agradeço pelas contribuições profissionais, pelas críticas, pelos olhares diversos e pela vontade de conhecer como nossos alunos brincam. Especial agradecimento aos pais dos alunos pela confiança e pela permissão para a realização deste estudo. Aos colaboradores diretos deste trabalho: Márcia Regina, Márcia Paz, Natália Xavier e Victorino Carriço que contribuíram com esta pesquisa e emprestaram-me seus saberes. À professora Betty, que com sua capacidade de ser bilíngüe, de saber passear sobre as duas formas lingüísticas perfeitamente (Libras e Português), contribuiu com a transcrição das gravações e com sua experiência de ser Surda. Aos meus amigos incansáveis de alegria e companheirismo durante este período (em ordem alfabética!): Altair, Elis Lombardelli, Ila de Castro, Marilena Breves, Mônica Penna Firme, Simone Conforto, Solange Moraes.

7 Resumo A presente pesquisa teve como objetivo analisar a brincadeira simbólica de crianças surdas usuárias da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), e verificar se a aquisição deste idioma, mesmo tardia e restrita ao ambiente escolar, é eficaz para a realização da brincadeira de faz de conta. Participaram da pesquisa cinco crianças, com idade média de nove anos e usuárias da Libras há aproximadamente quatro anos, todas freqüentadoras de uma escola especializada para surdos localizada no interior do Rio de Janeiro. A coleta de dados englobou uma gravação da brincadeira, mediada pela pesquisadora com cada criança; três gravações da brincadeira em dupla; e também o material gravado de cinco recreios livres, onde apenas três destas crianças brincaram simbolicamente e as outras duas preferiram brincar de jogar bola. Após a análise dos dados, foi possível concluir que as crianças brincaram simbolicamente de faz de conta, criando histórias longas, usando apenas temas de situações cotidianas e não utilizaram os temas imaginários de ficção. A mediação mostrou-se eficaz para o avanço das crianças nas etapas da brincadeira simbólica. Palavra-chave: surdez, linguagem de sinais, brincadeira

8 ABSTRACT Analysis of make-believe games with deaf children users of the Brazilian Signs Language The current research had as main goal, to analyze the symbolical games played by deaf children; users of the Brazilian Sign Language (LIBRAS), and to check if the acquisition of this alternate idiom, even though, late and restricted to the school environment, is effective for the accomplishment of the make-believe games. Five children were part of the research, kids around nine years old, users of the LIBRAS language for approximately four years; all of them students of a specialized school for deaf people located in the countryside of the state of Rio de Janeiro. The data collection involved a recording of the game, intermediated by the researcher with each child; three recordings of the game played in pairs and, also, the recorded footage in five school recess times, where only three of the children played using the signs and the other two preferred to play ball. After the data analysis, it was possible to conclude that the kids played symbolically the make-believe, creating long stories, using only themes of daily situations and they did not use imaginary fiction themes. Key words: deafness, sign language, games.

9 Lista de quadros e gráficos Quadros referente à brincadeira mediada: Quadro 1 Forma de comunicação com enfoque na criança, p.42 Quadro 2 Forma de comunicação com enfoque na pesquisadora, p 42 Quadro 3 Tipo de comunicação para dar início ou retomar a brincadeira, p 43 Quadro 4 Relação da criança com os objetos, p 43 Quadro 5 Etapas da brincadeira simbólica, p 44 Quadro 6 Características da brincadeira simbólica, p 44 Quadro 7 Temas da brincadeira simbólica, p 44 Quadro 8 Aspectos da atenção, p 45 Quadro 9 Aspectos da interação, p 45 Quadro 10 Características da mediação, p 45 Quadro 11 Aproveitamento da mediação, p 46 Quadros referente à brincadeira em dupla: Quadro 12 Formas de comunicação, p 46 Quadro 13 Tipo de comunicação para dar início ou retomar a brincadeira, p 47 Quadro 14 Relação da criança com os objetos, p 47 Quadro 15 Etapas da brincadeira simbólica, p 48 Quadro 16 Características da brincadeira simbólica, p 48 Quadro 17 Temas da brincadeira simbólica, p 49 Quadro 18 Aspectos da atenção, p 49 Quadro 19 Aspectos da interação, p 50

10 Quadros referente à brincadeira no recreio: Quadro 20 Tipo de brincadeira realizada, p 50 Quadro 21 Formas de comunicação, p 51 Quadro 22 Convite para a preparação da brincadeira simbólica, p 51 Quadro 23 Tipo de comunicação para dar início ou retomar a brincadeira, p 52 Quadro 24 Relação da criança com os objetos estruturados, p 52 Quadro 25 Relação da criança com objetos não-estruturados, p 52 Quadro 26 Características da brincadeira simbólica, p 53 Quadro 27 Temas da brincadeira simbólica, p 53 Quadro 28 Aspectos da atenção, p 53 Quadro 29 Aspectos da interação, p 54 Quadro 30 Obediência às regras, p 54 Quadro 31 Finalização da brincadeira, p 55 Gráficos comparativos entre a brincadeira mediada, em dupla e no recreio: Gráfico 1 Forma de comunicação, p 55 Gráfico 2 Aspectos da interação, p 56 Gráfico 3 Etapas da brincadeira simbólica, p 56 Gráfico 4 Características da brincadeira simbólica, p 57 Gráfico 5 Temas da brincadeira simbólica, p 57 Gráfico 6 Relação da criança com objetos estruturados, p 58 Gráficos 7 Comparativo entre objetos estruturados e não estruturados durante a brincadeira simbólica no recreio, p 59

11 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT LISTA DE QUADROS E GRÁFICOS 1. INTRODUÇÃO, p OBJETIVOS, p OBJETIVO GERAL, p OBJETIVOS ESPECÍFICOS, p REVISÃO DE LITERATURA, p LINGUAGEM, INTERAÇÃO E CONSTRUÇÃO DA BRINCADEIRA, p BRINCADEIRA NA CRIANÇA SURDA, p METODOLOGIA, p LOCAL DE REALIZAÇÃO, p INFORMANTES, p MATERIAL, p PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS, p RESULTADOS, p DISCUSSÃO, p CONCLUSÃO, p REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA, p APÊNDICE, p ANEXOS, p. 112

12 11 1- INTRODUÇÃO A surdez na infância que, primariamente, caracteriza-se por uma privação sensorial, provoca conseqüências muito além do campo perceptivo, podendo marcar na criança diversas dificuldades, caso não seja oferecida a possibilidade real da aquisição de uma língua logo no início da sua vida. Quando há a impossibilidade de adquirir uma comunicação de forma espontânea e natural, o acesso à brincadeira simbólica, dentre outros aspectos do desenvolvimento infantil, fica comprometido. A linguagem é o foco principal do trabalho com o Surdo. Para as crianças, de uma forma geral, a brincadeira é a atividade principal da infância, onde ocorrem as interações, comunicações, impasses, improvisos, re-memorização de vivências, possibilitando-as organizar o mundo de forma simbólica. Ao observarmos os movimentos, as palavras e gestos utilizados na brincadeira, podemos perceber que, no início, um simples gesto pode ter somente um sentido e, mais tarde, esse sentido se amplia e ganha ressignificações. Nas crianças sem privação lingüística, a evolução da brincadeira ocorre de forma intensa e rápida. Esta parece não ser a realidade da criança surda. Historicamente, as crianças surdas foram proibidas de usar a Libras em troca de um aprendizado sistemático e formal para a aquisição da fala durante longo período - quase todo século XX (MOURA et al, 1997). A história da educação de surdos mostra a diversidade de opiniões para solucionar tais dificuldades da criança surda. Diversas correntes surgiram como

13 12 propostas para possibilitar o aprendizado do surdo, dentre elas o Bilingüismo, corrente filosófica que legitima o uso da Libras (Língua Brasileira de Sinais) e preconiza sua aquisição como essencial para garantir o pleno desenvolvimento infantil e a aprendizagem de língua oral e/ou escrita como segunda língua. Devido a inúmeras dificuldades no desenvolvimento lingüístico, cognitivo e social das crianças surdas o Bilingüismo se fortaleceu como um movimento educacional de reconhecimento da Língua de Sinais e da identidade do Surdo. Apesar da teoria do Bilingüismo ter surgido no Brasil por volta de duas décadas, esta teoria enfrenta dificuldades de ser implantada até hoje. A educação de surdos no Brasil, de uma forma geral, ainda se pauta na visão do ouvinte, sendo comum professor não fluente em Língua de Sinais Brasileira (Libras) lecionando sozinho em uma sala de aula, sem o apoio de instrutores e/ou intérpretes na língua de sinais. Tal quadro agrava-se com a demora do diagnóstico da surdez, com o contato tardio da criança com a língua de sinais aliado ainda a pouca fluência da família, em muitos casos, ausência, da Língua de Sinais. É importante ressaltar o atual momento histórico na educação de Surdos. Os governantes brasileiros, pressionados pelos movimentos sociais e culturais da comunidade surda, sancionaram leis garantindo aos surdos, usuários de Libras, respeito às suas diferenças lingüísticas. Esta determinação, apesar de ser um respaldo legal ainda não possibilita a transformação da realidade das crianças surdas brasileiras. Podemos vislumbrar que esta determinação propicie à criança surda aproveitar sua infância fazendo o que lhe é peculiar brincar através da comunicação e praticar a comunicação através da brincadeira. Neste contexto então a fonoaudiologia, como ciência da linguagem, enfrenta um desafio. Aproximadamente uma década atrás era vista apenas como um

14 13 treinamento para aquisição da linguagem oral, precisa agora abarcar aspectos mais amplos do desenvolvimento infantil. Esta pesquisa se propõe, especificamente, a analisar a brincadeira de crianças surdas de uma escola bilíngüe. Optou-se pelo estudo da brincadeira de faz-de-conta sob o enfoque sóciointeracionista, tendo como motivação o seguinte questionamento: As crianças surdas estudantes de uma escola bilíngüe, que tiveram contato com a língua de sinais tardiamente e restrita ao ambiente escolar, podem ter acesso à brincadeira simbólica, plenamente ou ao menos parcialmente, utilizando a Libras que lhe é oferecida durante as aulas com professores surdos proficientes em Libras e professores ouvintes aprendizes da Libras? Nesta pesquisa tentamos responder a essa questão através da observação da brincadeira vista em três aspectos: a brincadeira através da mediação, a brincadeira em dupla de crianças surdas, e a brincadeira livre durante o recreio. Analisamos o uso da linguagem, através da LIBRAS, nas interações sociais, na mediação, na chamada de atenção, nas ações e nos usos dos brinquedos durante a brincadeira, na construção de personagens e temas nas brincadeiras simbólicas.

15 14 2- Objetivos 2.1 Objetivo geral: O presente estudo tem por objetivo geral analisar se o uso da LIBRAS, por crianças surdas que adquiriram esta língua tardiamente e restrita ao ambiente escolar, configura-se como um fator preponderante e eficaz para a realização da brincadeira simbólica. 2.2 Objetivos específicos: Verificar se o contexto da brincadeira (em dupla, mediada e em grupo) influencia na forma das crianças brincarem. Observar as possibilidades de interação social na brincadeira. Analisar a influência do tipo de brinquedo (estruturado x não estruturado) na brincadeira. Observar os temas utilizados nas brincadeiras.

16 15 3- Revisão da literatura 3.1- Linguagem, interação e construção da brincadeira Com a intenção de investigar as brincadeiras de faz-de-conta de crianças surdas, esse levantamento bibliográfico se torna importante no sentido de refletir e de proporcionar a revisão sobre uma fase do desenvolvimento infantil que garante à criança uma vida plena, rica de linguagem, de imaginação, de conhecimento de mundo, e experiências vividas que marcam a criança e a acompanharão até a fase adulta. A interferência da brincadeira de faz-de-conta abrange o processo de aprendizagem da língua, de reconhecimento de seus pares, da sua cultura e da possibilidade de formar opiniões sobre o mundo. Sendo assim, as questões que se colocam e que se busca conhecer nesta revisão bibliográfica são: Qual a relação entre brincadeira e linguagem? Qual a função da brincadeira no desenvolvimento infantil? Como as crianças surdas observadas brincam? Abordamos a brincadeira sob o enfoque interacionista. Sant ana e Resende (2004) seguem o mesmo enfoque por esta permitir uma análise acerca das ações presentes nas brincadeiras e também por respeitar as atitudes singulares das crianças quanto à cultura, relacionamento e ressignificação da realidade. Para as autoras, analisar uma ação de brincadeira só tem sentido se for possível visualizar a rede tecida por significações presentes em tal brincadeira. O que compõe a rede de significações é o conjunto de atos da criança produzidos pela e na interação. As significações transcendem o comportamento, indo ao encontro do contexto interacional. Há, nas brincadeiras, múltiplas experiências constituídas nas e pelas interações sociais. As interações derivam mais do que apenas conhecimentos; elas

17 16 afloram afetividade, sentimentos, permitem categorizar, generalizar, organizar e conscientizar as crianças das relações sociais do mundo (BRINKS 2000). O que diferencia a análise interacionista das outras abordagens é a possibilidade de buscar o sentido no uso da linguagem em contexto social. Tomasello (2003), psicólogo interacionista, diz que desde o nascimento, o bebê está imerso em um contexto social, desenvolvendo-se em uma linha natural. Aos nove meses o bebê percebe os outros como agentes intencionais. A partir desta percepção ele começa a partilhar focos de atenção do adulto, constituindo assim cenas de atenção conjunta. A cena de atenção conjunta é um contexto intersubjetivo em que ocorre o processo de simbolização. Neste contexto a criança e o adulto focam a atenção numa mesma atividade e ambos monitoram a atenção do outro nesta atividade. Neste contexto, o bebê começa a entender as intenções comunicativas do adulto, ele compreende e começa a utilizar o gesto de apontar e, depois de repetidas cenas em situações semelhantes, começa a utilizar as primeiras palavras. Observar, analisar e refletir o brincar na ótica do interacionismo é, para Sant ana e Resende (2004), ter o foco da dimensão da rede de significações da linguagem na interação social da brincadeira, em diferentes contextos de experiências. É entender que para sair do imediatismo dos sentidos se faz necessário o acesso à linguagem do outro, para assim transformar percepções em palavras. Esse Outro pode ou não favorecer zonas de desenvolvimento proximais (ZDP) 1, possibilitar ou não a aquisição de sistemas simbólicos de mediação, que 1 Termo criado por Vygotsky ([1930]2003) para denominar a distância entre o que a criança pode fazer com autonomia e o que ela só faz com auxílio do adulto. Este termo visa valorizar a mediação do adulto no desenvolvimento cognitivo da criança possibilitando auxiliá-la em atividades que ainda não consegue realizar com autonomia.

18 17 pressupõem um desenvolvimento lingüístico que vai desde a dependência total do contexto concreto e imediato até a construção de significações independentes das interações sociais. A brincadeira simbólica de faz-de-conta é um momento de transição para a independência da linguagem entre a realização imediata das ações e o contexto interacional. Magalhães (2006) contribui com um levantamento bibliográfico sobre estratégias de mediação num contexto interacional utilizando autores como Vygotsky, Mercer, Bruner. A autora coloca em evidência três aspectos da mediação: 1) andaimento onde a atenção da criança é guiada para os aspectos relevantes da tarefa; 2) adequação da zona de desenvolvimento proximal a mediação dá um suporte para que a criança realize tarefas que não seria capaz de realizar sozinha; 3) apropriação os conhecimentos adquiridos pela criança se dão através do contato cultural, do diálogo. A brincadeira é um contexto propício para o uso da linguagem, já que nela a criança organiza conceitos através da criação de situações imaginárias. Quanto mais avançado o desenvolvimento lingüístico, mais enriquecida será a brincadeira e quanto mais a criança brincar, mais usos da linguagem poderá fazer. Ou seja, existe uma interdependência entre brincar e desenvolvimento lingüístico (VYGOTSKY [1934] 2003). Góes (2006) nos mostra, brilhantemente, a complexidade do jogo imaginativo, ressaltando a importância da linguagem nesse processo exclusivamente humano: através da palavra o faz-de-conta se lapida e sustenta a atividade imaginativa. A principal característica do jogo infantil é o simbolismo, onde a criança pode representar a realidade e atitudes. O jogo simbólico faz a criança distinguir entre a realidade e a fantasia, além de fazer a criança expressar significados com base na

19 18 sua experiência (KISHIMOTO, 2004). O jogo simbólico é a transformação do real. A criança revive uma experiência passada e a transforma segundo sua vontade e as regras do jogo. Leontiev ([1959]2001) mostra que o motivo da brincadeira para a criança é a própria atividade de brincar. A criança brinca de faz-de-conta devido à discrepância entre seus desejos de agir no mundo adulto e a realidade que se impõe impedindo a realização destes desejos. Como as crianças são imediatistas, criam situações imaginárias que permitem, de alguma forma, a realização deste desejo de agir no mundo adulto. Os efeitos da brincadeira de faz-de-conta na formação da criança são bastante significativos. Moraes e Carvalho (1994) identificam que, no faz-de-conta, a criança transforma o significado dos objetos reais, para significá-lo e transformá-lo em novo elemento cultural e histórico do seu grupo social. Ao mesmo tempo em que a criança se afasta do real, ela experimenta e reconstrói a realidade. Vygotsky ([1934]2001) aponta a brincadeira como a atividade simbólica mais importante da infância, que possibilita a expressão de situação imaginária. Para ele, a criança brinca para preencher necessidades em sua compreensão do mundo adulto, e não por satisfação ou prazer. Sant Ana e Resende (2004) acreditam ainda que a presença física e afetiva de cuidadores são necessárias para que a criança internalize a linguagem e os conteúdos sócio-culturais do grupo ao qual pertence - até mesmo de outros grupos mais amplos -, levando ao pensamento abstrato e exercendo uma atitude mais reflexiva. A brincadeira é um meio de comunicação e todo ser humano é lúdico por natureza. Na brincadeira, é permitido que a criança construa sua própria atitude com

20 19 autonomia e autoria, podendo ficar mais livre para fazer do seu jeito. O modo de agir e de brincar deve ser respeitado, possibilitando à criança meios de refletir sobre seu aprendizado de forma autônoma e espontânea. Kishimoto (2004), fundamentada em Bateson, diz que o brincar é uma forma de comunicação entre pessoas que compartilham uma mesma cultura, fazendo sentido nesse contexto específico. Há um intenso envolvimento da criança durante o brincar; ela fica atenta, alerta, proporcionando um ambiente de curiosidade e aprendizagem, levantando hipóteses, explorando e desenvolvendo-se. Vygotsky ([1934]2003) aponta que a criança desenvolve-se essencialmente através da atividade de brinquedo. No início, o brinquedo é apenas uma lembrança de uma situação vivenciada pela criança; é uma memória, não uma situação imaginária. O próprio autor nos exemplifica que quando uma criança brinca com uma boneca, inicialmente ela repete o que vê sua mãe fazendo, este momento tem pouca situação imaginária. Depois essa situação evolui, o que consideramos nesta pesquisa como brincadeira de faz de conta. Conforme o brinquedo se desenvolve, desenvolve também um propósito, que justifica a atividade. Mais tarde, em torno de seis anos, surgem as regras, então o propósito fica mais rígido. A criação de uma situação imaginária pode ser considerada como um meio para desenvolver o pensamento abstrato. Para Leontiev ([1959]2001), o percurso da brincadeira permite que a criança brinque utilizando o brinquedo na forma de manipulação, explorando sensorialmente o objeto concreto, até poder brincar sem utilizar nenhum instrumento presente. Ele também pontua a importância da fala do adulto e o papel do educador na brincadeira da criança.

21 20 Ou seja, a criança percorre o brincar desde a forma sensório-motora com objetos, brinca utilizando a linguagem e finalmente, brinca através do pensamento lingüístico na ausência do objeto. De Conti e Sperb (2001) diferem os tipos de brincadeiras em jogos de papéis (faz-de-conta genérico e imitação de papéis de adultos com os temas de tarefas domésticas, relações familiares e extra-familiares, atividades cotidianas, personagens fantásticos, e serviços comunitários gerais) e brincadeiras exploratórias (ocorrem quando a criança não assume o papel de outra pessoa, coisa ou criatura). Goldfeld e Chiari (2005), com base nas idéias de Vygotsky e Leontiev, descreveram tipos de brincadeiras como: psicomotoras, construtivas, plásticas, projetivas (simbólicas) e jogos com regras. As brincadeiras projetivas são divididas em: a) imitação de situações vivenciadas, caracterizada principalmente pela criação de cenas isoladas (por exemplo: colocar a boneca para dormir, andar com o carrinho na rua), pela necessidade de mediação do adulto ou pela ação solitária; e b) faz-deconta, caracterizado principalmente pelo uso de seqüências encadeadas, criando histórias com situações imaginárias, pela possibilidade da criança brincar com mediação, sozinha ou em grupo. O faz-de-conta só é possível de ser realizado de forma lingüística, pois a criança constrói a história com os brinquedos através de sua narrativa. Kishimoto (2003) também concorda que o faz-de-conta tem forte presença da situação imaginária. Em sua obra, ela difere jogo brinquedo brincadeira. No jogo, há um funcionamento do sistema lingüístico e social, sistema de regras e um objetivo; o brinquedo é marcado pela ausência de regras, há presença de uma indeterminação no seu uso, justamente por que não há regras norteando a utilização do brinquedo. Ele (...) estimula a representação, a expressão de imagens que

22 21 evocam aspectos da realidade (p.18). A brincadeira é a ação que a criança desempenha, é o mergulho na ação lúdica. Leontiev ([1959]2001) conclui que os jogos de regras surgem dos jogos de papéis com situação imaginária (faz-de-conta); neles aparecem os objetivos. Então, a criança precisa dominar as regras, dominando e controlando seu próprio comportamento. Vygotsky ([1934]2003) esclarece, dizendo que jogos de papéis têm situação imaginária explícita e também regras, mas são regras implícitas que refletem as regras sociais. Por outro lado, nos jogos com regras, há também situação imaginária, ainda que embutida, mas suas regras são explícitas. Courtin (2000) pesquisou sobre habilidades lingüísticas e demonstrou que, quanto mais cedo a criança for exposta à linguagem, mais facilidade terá em desenvolver processos mentais e cognitivos. A linguagem é uma condição imprescindível para a criança controlar suas atitudes no meio social, sendo um componente fundamental para a formação da sua individualidade. Góes (1996) acredita que os processos de linguagem ampliam as possibilidades de elaboração no plano imaginário do brincar. O momento da escolha dos brinquedos serve para as crianças organizarem a brincadeira e antecipar, momentaneamente, suas atividades futuras, do que querem brincar. De Conti e Sperb (2001) observam que o faz-de-conta ocorre dentro de um ambiente organizado, onde a criança se desenvolve e escolhe os objetos que ela usará nessa atividade. Poletto (2005) divide os objetos da brincadeira entre brinquedos industrializados (estruturados) e os que possibilitam criação (não estruturados). Ela

23 22 faz uma importante colocação ao afirmar que os brinquedos não-estruturados favorecem de maneira grandiosa o maior uso da imaginação e da criatividade. Seguindo uma concepção parecida, Mello e Fachel (1997) definem os objetos de brincar relacionando-os com o pré-conceito que cada objeto carrega consigo: objetos de alta especificidade (são aqueles que não permitem grandes variações no seu uso, como os brinquedos); e objetos de baixa especificidade (são as sucatas, que permitem uso de forma múltipla). Leontiev ([1959]2001) dividiu os brinquedos em: - objetos de largo alcance, que promovem múltiplas oportunidades de brincar (varas, bastões, arcos etc.); - objetos especializados de função fixa, os quais por si só não promovem multiplicidade de ação da criança sobre ele (um brinquedo em que um boneco acrobata balança em uma barra horizontal); - objetos especializados que não possuem função fixa, os quais podem ser explorados pelas crianças através do uso de todos os recursos que o brinquedo oferece ou apenas uma parte dele, dependendo do estágio de desenvolvimento da brincadeira que a criança se encontra (por exemplo: trem elétrico, mecanismos de máquinas, jogos eletrônicos etc.). De Conti e Sperb (2001), como dito anteriormente, diferem as brincadeiras em jogos de papéis e brincadeiras exploratórias. As autoras, baseadas em Michelet (1992), categorizam os objetos utilizados nas brincadeiras de faz-de-conta como: objetos para desenvolvimento afetivo (bonecas e acessórios, maquilagem, roupas, bolsa, rádio, avião, binóculos, máscaras...); objetos para atividades físicas (bicicletas, raquetes, bola, gangorra, tonéis, corda...); objetos para atividades intelectuais (jogos e quebra-cabeças); objetos sem uso específico (sucata, animais,

24 23 areia, folhas...); e objetos para atividades sensório-motoras (balde, pá, peças de encaixe e de empilhar). Já nas brincadeiras exploratórias, os objetos podem ser orientados para a criança, quando são preparados para uso específico infantil sem fim acadêmico definido (pneus colocados especialmente para servir de brinquedo); ou serem orientados para os adultos, quando a criança se apropria de um material do universo adulto para utilizar em suas brincadeiras (sacos de lixo, sucatas, talheres). Podem ser ainda naturais (como folhas, areia, pedras, o próprio corpo); ou acadêmicos (quebra-cabeças e jogos). As autoras (DE CONTI e SPERB, 2001) observaram em sua pesquisa que, dentro do contexto escolar, meninos não utilizam os objetos para o desenvolvimento afetivo em nenhuma de suas brincadeiras, enquanto as meninas não exibem brincadeiras exploratórias com objetos orientados para o adulto. Poyares (2007) analisou o uso do brinquedo estruturado e não-estruturado na brincadeira simbólica de crianças cegas e videntes. Comparativamente, como resultado, a autora nos revela a transformação do brinquedo estruturado em nãoestruturado devido à falta de reconhecimento imediato do brinquedo pela ausência da visão e assim significam o brinquedo pelo reconhecimento tátil. A criança cega sentia a necessidade de manipular sensorialmente os brinquedos para compreender e agregar conteúdo sobre o objeto. A transmissão cultural, através da brincadeira, é outro ponto que possibilita a variedade de formas de brincar em cada tempo e sociedade. Kishimoto (2004) afirma que cada cultura tem maneiras diferentes de fabricar o brinquedo e que não se deve esquecer que quem é responsável por fabricar o objeto lúdico, geralmente, é o adulto.

25 24 Pontes e Magalhães (2003) concluem que a cultura da brincadeira é um fenômeno de grupo, o que pressupõe que entender como as crianças se organizam e como elas se regulam são fatores essenciais para o estudo da transmissão da cultura. A atividade da brincadeira insere um aprendizado sócio-cultural, no qual há interação entre os atores mais experientes e os aprendizes. Os mais experientes devem dar oportunidades aos novatos, o que pode favorecer ou não o processo desse aprendizado. Geralmente não se encontram brincantes com o mesmo nível de experiência. As mensagens culturais emitidas pelos adultos são internalizadas pela criança em suas estruturas de conhecimento de diversas maneiras. De Conti e Sperb (2001) ainda afirmam que o papel ativo da criança na transmissão cultural é que garante que a sua geração vá além da dos seus pais. A atividade de brincar da criança é estabelecida pelos parâmetros dos sistemas de significado cultural do grupo (coletivo) e reorganizada durante o próprio ato de brincar da criança (individual) em conjunto com seus pares ou atores mais competentes da sua cultura. Poletto (2005) diz que é através do lúdico que a criança se insere na cultura, que choca suas vivências internas com a realidade externa e torna mais fácil a sua interação com o meio. O meio em que a criança interage é de importância ímpar para favorecer seu desenvolvimento, porque o desenvolvimento das habilidades e competências pessoais tem correlação com os estímulos que o ambiente proporciona. A autora analisou crianças em situação de pobreza e observou que: (...) a pobreza e o preconceito podem ser considerados como fatores que envolvem aspectos tão diversos, que muitas vezes se tornam crônicos, interagindo de forma negativa no desenvolvimento da criança (pág. 1 4). E que a criança que vive em situação de pobreza não tem, muitas vezes, as necessidades básicas atendidas pelo cuidador. A falta de uma estrutura familiar

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Creche Municipal Pequeno Príncipe

Creche Municipal Pequeno Príncipe DESCRIPCIÓN DE LA INSTITUCIÓN UBICACIÓN GEOGRÁFICA Região: Centro Oeste Município: Porto dos Gaúchos MT Título da experiência: Construindo sua identidade no universo da brincadeira Autoras: Claudiane Eidt

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. O projeto - o lúdico: jogos, brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprendizagem

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BRINCADEIRA E DO JOGO NA IDADE PRÉ-ESCOLAR

A INFLUÊNCIA DA BRINCADEIRA E DO JOGO NA IDADE PRÉ-ESCOLAR A INFLUÊNCIA DA BRINCADEIRA E DO JOGO NA IDADE PRÉ-ESCOLAR Carolina de Oliveira Darlene Soares Rodrigues Edinei de Pontes Eliene Silva Érica Landim Medeiros Josyane Cristine Ferreira Chaves Ligia Pereira

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO Área Temática: sociedade e educação. Anilde Tombolato Tavares da Silva (Coordenadora da Ação) Autores

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA I. Dados de Identificação: Escola:Escola Estadual Arthur Damé Professor (a): Professora supervisora do Pibid:

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS 175 ANAIS III FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS Marta Deckert * RESUMO: Como

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM.

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. UCHÔA, Yasmim Figueiredo Graduanda de Pedagogia/ UEPB. Bolsista PIBID CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais Graduanda

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CHERUBINI, Iris Cristina Barbosa (UNIOESTE) Resumo: Este trabalho tem por propósito divulgar a importância da brincadeira

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 42 Luciene Rodrigues Ximenes lrximenes@hotmail.com Pós-Graduada em Alfabetização, leitura e escrita pela UFRJ. Atualmente é professora e coordenadora

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Psicologia

Revista Científica Eletrônica de Psicologia A IMPORTÂNCIA DE ATIVIDADES LÚDICAS NO DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DE CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA DE 3 A 6 ANOS. RESUMO. Daniela, SCARPINELLI¹. Gabriel Gonçalves, MATTOS². O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

Alfabetização Matemática: O universo lúdico infantil potencializando a aprendizagem

Alfabetização Matemática: O universo lúdico infantil potencializando a aprendizagem 1 Alfabetização Matemática: O universo lúdico infantil potencializando a aprendizagem Juliana de Alcântara Silveira Rubio 1 Resumo A alfabetização matemática, assim como a alfabetização da língua materna,

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

A brincadeira na vida da criança

A brincadeira na vida da criança A brincadeira na vida da criança A brincadeira, é parte do crescimento e desenvolvimento da criança, além de ser uma de suas necessidades básicas. 1 A criança precisa brincar porque através da brincadeira,

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9. CAPÍTULO 1 Gláucio de Castro Júnior

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9. CAPÍTULO 1 Gláucio de Castro Júnior SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9 CAPÍTULO 1 Gláucio de Castro Júnior CULTURA SURDA E IDENTIDADE: estratégias de empoderamento na constituição do sujeito Surdo...11 A cultura surda contra o discurso médico: uma

Leia mais

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Cristiane Correia Taveira, IHA/SME-Rio Laura Jane Belém, IHA/SME-Rio Micheli Accioly, IHA/SME-Rio Miriam Frias Nascimento,

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Nara Fernanda de Campos 1 RESUMO Considerando os jogos e as brincadeiras infantis como uma ferramenta ideal ao aprendizado, podemos dizer

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE.

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. Amauri de Oliveira¹, Adenilson Argolo¹, Marilene Pereira¹. ¹Universidade do Estado da Bahia Campus XV Educação e trabalho

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul Eixo Temático: Autismo Introdução: O autismo

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ ALVES, T. C.²; RENK, E. F.³; LEÃO, T.J.E. 4 ¹ Trabalho desenvolvido na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II Espaços

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais