Criação de recursos de aprendizagem, distribuidos num LMP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criação de recursos de aprendizagem, distribuidos num LMP"

Transcrição

1 I

2 II

3 RESUMO Com o acesso generalizado das escolas às novas tecnologias de informação, nomeadamente à Internet de banda larga, torna-se pertinente adequar as práticas pedagógicas a essas tecnologias. Esta dissertação vai focar, principalmente, os recursos de aprendizagem electrónicos a serem construídos, numa perspectiva construtivista do conhecimento pela resolução de problemas, de forma a tirarem o melhor partido da utilização das tecnologias na prática pedagógica. Para tal, serão analisados vários modelos de planeamento e desenvolvimento de cursos e serão comparadas taxionomias de especificação de objectivos da instrução formas de estruturar conteúdos, tendo em conta modelos de motivação do aluno, princípios de instrução, actividades de aprendizagem e sistemas de avaliação. Será também descrito o protótipo elaborado, disponibilizado e avaliado, aos alunos do 9º ano da Escola Secundária da Cidadela, na disciplina de TIC Tecnologias da Informação e Comunicação, bem como o LMP (Learning Management Plataform) utilizado. Finalmente serão analisados os resultados obtidos da avaliação de todo este processo, tirando as conclusões possíveis. PALAVRAS CHAVE Recursos de aprendizagem, LMP, Construtivismo, TIC, Internet, Objectos de aprendizagem, SCORM, E-learning III

4 IV

5 ABSTRACT The generalized access of schools to the new information technologies, namely to wide band Internet, has made even more important to adapt pedagogies practices to technologies. This dissertation will focus mainly on the electronic learning resources that can be built from problems resolution so as to optimise the use of technology on the pedagogical practice. This approach is based on a constructivism perspective of knowledge. In order to do so, several planning and development models of training courses will be analysed. Taxonomy specification of educational objectives will be compared, as well as ways of structuring contends regarding students motivational models, instruction principles, learning activities and evaluation systems. Moreover it is described the prototype produced implemented and evaluated on the Cidadela secondary school to the 9th grade students of the information and communication technologies (TIC) discipline. The learning management platform used is also presented. Finally, the results achieved on the process evaluation will be analysed and all possible conclusions taken. KEYWORDS Learning resources, LMP, Constructivism, TIC, Internet, Learning Object, SCORM, E-learning. V

6 VI

7 AGRADECIMENTO Para o meu orientador, Prof. Doutor Carlos Costa, pela disponibilidade permanente, pela orientação e acompanhamento realizado. Para a minha irmã Patrícia Gonçalves, os meus amigos Manuela Cabanas e João Paulo Costa, pelo interesse, companheirismo e colaboração constante ao longo deste trabalho. Para os meus alunos que tão gentilmente aceitaram participar neste trabalho e que, sem eles, não teria sido possível ser realizado. Para o meu marido e família por todo o apoio que me prestaram. VII

8 VIII

9 INDICE RESUMO III PALAVRAS CHAVE III ABSTRACT V KEYWORDS V AGRADECIMENTO VII LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS XI 1. INTRODUÇÃO Enquadramento Objectivos Problemas Motivação e Importância do Trabalho Resumo da Metodologia Utilizada Estrutura da Dissertação 9 2.RECURSOS DE APRENDIZAGEM DISPONIBILIZADOS NA INTERNET Enquadramento Teoria da Aprendizagem Construtivista Modelos de Planeamento e Desenvolvimento de Instrução Análise Desenho Desenvolvimento Implementação Avaliação Estrutura Modular de Um Curso Estruturação de Conteúdos Taxionomias de Objectivos Educacionais Aprendizagem pela Resolução de Problemas 29 IX

10 INDICE DE TABELAS Tabela 1- Modalidades de ligação à Internet , população portuguesa (Continente), em %, adaptado de UMIC (2004) 3 Tabela 2- Número e distribuição percentual de alunos, docentes, estabelecimentos de ensino (do pré-escolar ao secundário), computadores e computadores com ligação à Internet, segundo o tipo dos estabelecimentos de ensino (dados do DAPP, ano lectivo de 2002/2003, valores provisórios), adaptado de Paiva (2003) 6 Tabela 3- Ensino tradicional v.s. ensino recorrendo às TIC em Cartaxeiro (2004) 15 Tabela 4- Vantagens e desvantagens do ensino baseado na Internet em Alves (2000) 16 Tabela 5- Teorias da Aprendizagem Behavioristas, Cognitivistas e Construtivistas, adaptado de Capitão e Lima (2003). 17 Tabela 6- Autores Construtivistas. 17 Tabela 7- Utilizando as fases do Modelo Genérico da Análise de Sistemas, comparação dos Modelos de Kemp, Morrisom e Ross, ADDIE, R2D2 e de Smith e Ragan, de planeamento e desenvolvimento da instrução, adaptado de Capitão e Lima (2003). 22 Tabela 8- Fase de Análise do modelo de planeamento e desenvolvimento da instrução 23 Tabela 9- Fase de Desenho do modelo de planeamento e desenvolvimento de instrução 24 Figura 2- Utilização de uma fase de prototípagem num ISD, adaptado de Inofor (2003) 25 Tabela 10- Fase de Desenvolvimento do modelo de planeamento e desenvolvimento de instrução 25 Tabela 11- Fase de Implementação do modelo de planeamento e desenvolvimento de instrução 26 Tabela 12- Fase de Avaliação do modelo de planeamento e desenvolvimento de instrução 27 Tabela 13- Estruturação de conteúdos e autores 28 T Tabela 14- Taxionomias dos objectivos da instrução para o domínio cognitivo adaptado de Reigeluth e Moore (1999) 28 Tabela 15- Taxinomia de Reigeluthn e Moore (1999): Identificação e classificação dos objectivos educacionais 29 X

11 XI

12 INDICE DE FIGURAS igura 1- Mapa conceptual sobre a Teoria de Aprendizagem Construtivista adaptado de Wilhelmsen et al. (1999) 20 Figura 2- Utilização de uma fase de prototípagem num ISD, adaptado de Inofor (2003) 24 Figura 3- Estrutura comum de um curso 26 XII

13 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ADL ou ADLNet (Advanced Distributed Learning Initiative) Iniciativa de Aprendizagem Distribuída Avançada ID (Instructional Design) Desenho da Instrução ISDD (Instructional Systems Design and Development) Modelos Planeamento e Desenvolvimento de Instrução LCMS (Learning Content Management System) Sistema de Gestão de Aprendizagem LMP (Learning Management Plataform) Plataforma de Gestão de Aprendizagem LMS (Learning Management System) Sistema de Gestão da Aprendizagem LO (Learning Object) Objecto de Aprendizagem PC (Personal Computer) Computador Pessoal SCORM (Sharable Content Object Reference Model) Modelo de Referência dos Objectos de Conteúdo Partilhável TIC Tecnologias de Informação e Comunicação XIII

14 1. INTRODUÇÃO 1

15 2

16 OS QUATRO PILARES DA NOVA APRENDIZAGEM (UNESCO): Aprender a ser Aprender a conhecer Aprender a fazer Aprender a viver juntos 1. INTRODUÇÃO 1.1. Enquadramento A convergência das tecnologias de telecomunicações, informática e audiovisual atingiu finalmente o patamar de desenvolvimento que pode sustentar, de modo eficaz, aplicações de impacte nos sistemas de educação. As redes de banda larga, os potentes microprocessadores e a vasta capacidade de armazenagem óptica em disco levam a crer que existe um enorme potencial para o ensino -aprendizagem. O surgimento da Internet e dos serviços associados (em Portugal a sua utilização tem aumentado de ano para ano, conforme se comprova pela Tabela 1), conduziu a uma mudança paradigmática na sociedade e na educação. As forças que impulsionam a mudança para o novo paradigma podem ser identificadas na sociedade actual, segundo Hämäläinen et al. (1996), como: A convergência das tecnologias digitais; A conectividade global pela Internet; A infra-estrutura de transacções electrónicas; A frequente alteração dos conteúdos; A instrução profissional específica; A instrução contínua ao longo da vida; A globalização da educação; As universidades virtuais; Os centros de recursos digitais; O aumento nos custos da educação POSSUEM LIGAÇÃO À INTERNET BANDA ESTREITA Linha analógica Linha RDIS Telemóvel (serviço WAP) BANDA LARGA Serviço de transmissão por cabo ADSL Placa Wireless Telemóvel (serviço UMTS) NS/NR NÃO POSSUEM LIGAÇÃO À INTERNET Tabela 1- Modalidades de ligação à Internet , população portuguesa (Continente), em %, adaptado de UMIC (2004) 3

17 Muitos críticos consideram que os benefícios das novas tecnologias educativas são poucos e não justificam os investimentos necessários. Cada vez mais o professor necessita de se adaptar à nova economia do conhecimento, mais competitiva e dinâmica, capaz de um crescimento económico duradouro, acompanhado de uma melhoria quantitativa e qualitativa do emprego e de uma maior coesão social. Estas mudanças são orientadas e incentivadas pelo Ministério da Educação (2003). Para a prossecução desse desígnio, projectou-se o desenvolvimento de políticas coerentes e com definições de objectivos concretos no contexto da União Europeia, nomeadamente o aumento da qualidade e eficácia dos sistemas educativos e a garantia do acesso de todos à educação e à instrução, com ligação efectiva às novas tecnologias, tirando partido do seu elevado potencial como meio de aprendizagem, inclusive para aqueles que têm menores oportunidades de acesso a espaços formais de aprendizagem e de apoio escolar (M.E. 2003). Nessa perspectiva, e assumindo como decisiva a opção estratégica de potenciar a articulação progressiva entre as políticas de educação e instrução, o governo propõe recentrar as políticas educativas na resposta objectiva às necessidades de cada aluno, a fim de melhorar a sua educação e instrução, prosseguindo metas ambiciosas aferidas internacionalmente, combatendo as assimetrias sociais e regionais, que tanto se têm acentuado nos últimos anos (M.E. 2003). Com base no acima exposto, pressupõe-se mudanças radicais na forma de aprender e ensinar, onde a tecnologia terá um papel fundamental como apoio aos modelos pedagógicos. Os estudos realizados na principal linha de investigação em tecnologia educacional concentram-se essencialmente na descoberta de modos mais racionais de fazer chegar a informação pertinente aos estudantes (Gantt, 1998). Mas, aparentemente, o problema não reside no facto dos alunos não terem acesso aos materiais ou deles não conseguirem aprender com os mesmos. O problema está simplesmente no facto de que os estudantes não se empenham o suficiente com as matérias (Strommen, 1995), especialmente quando se trata de domínios científicos com um nível elevado de pensamento abstracto (exemplo: matemática e física). Em suma, são necessários artefactos cognitivos que permitam solucionar o problema. Mais atenção deve ser dada à relação entre aspectos motivacionais e aspectos cognitivos (Almeida, 2001). Professores, como por exemplo Di Pado (2001), referem que actualmente os profissionais não têm tempo para estudar como gostariam. Estão sempre ocupados. Sabem que precisam de voltar à escola, mas não conseguem. Precisavam que a escola fosse até eles. Conclui-se deste modo que existe a necessidade de desenvolver sistemas educacionais que satisfaçam as necessidades destes profissionais. Assim se contextualiza a construção e utilização de recursos de aprendizagem electrónicos na prática do ensino aprendizagem nas escolas, a sua distribuição e gestão por uma plataforma de gestão de conteúdos e o modelo pedagógico que tem necessariamente de acompanhar esta prática. 4

18 1.2. Objectivos O objectivo geral desta dissertação de mestrado é identificar as boas práticas de elaboração de recursos de aprendizagem electrónicos, segundo uma perspectiva construtivista, para serem disponibilizados aos alunos pela Internet, utilizando um Learning Management Plataform (LMP). São objectivos específicos: Propor uma lista de boas práticas para o desenvolvimento de recursos de aprendizagem a serem distribuídos por um LMP; Validar as boas práticas pela concepção de um protótipo; Validar o protótipo pela sua utilização e avaliação numa situação prática identificada; Identificar a mais valia obtida pelos alunos, nomeadamente no seu comportamento motivacional e atitudinal Problemas Tentando integrar a componente tecnológica no ensino actual, nomeadamente sistemas de informação, de forma a obter resultados melhores nos nossos alunos, esta dissertação baseia-se na construção de recursos de aprendizagem electrónicos a serem disponibilizados pela Internet. O objectivo geral é identificar as boas práticas para elaborar estes recursos, permitindo aos alunos obterem uma mais valia em relação à sua aprendizagem. Assim sendo, pretende-se obter uma lista de boas práticas para o desenvolvimento destes recursos que terão de ser validados. Para conseguir essa validação serão utilizadas as boas práticas identificadas através da elaboração e aplicação de um protótipo num grupo de alunos, fazendo depois a avaliação do processo. Surge assim o primeiro problema de investigação: P1 Será que a utilização de recursos de aprendizagem, disponibilizados pela Internet aos alunos, construídos utilizando as boas práticas identificadas nesta dissertação, se traduz numa mais valia na sua aprendizagem? Se sim, é generalizada a todos os alunos? Outro objectivo específico desta dissertação é tentar melhorar a componente motivacional e atitudinal dos alunos na sua aprendizagem. Esta componente é muito importante para a identificação das boas práticas e para a avaliação do protótipo, sendo assim o segundo problema de investigação: P2 Será que a utilização das boas práticas identificadas nesta dissertação consegue alunos empenhados, motivados e interessados? Para terminar seria interessante verificar se esta componente atitudinal introduzida na educação destes alunos ficaria para o seu futuro e não apenas na sua passagem pela escola. Surge então o último problema de investigação desta dissertação: P3 As novas atitudes dos alunos, promovidas pela utilização das boas práticas identificadas nesta dissertação, ficarão para o seu futuro, tornando-se cidadãos informados, em constante aprendizagem ao longo da sua vida profissional e pessoal? 5

19 1.4. Motivação e Importância do Trabalho A resposta à pressão social sobre a escola (a sociedade contemporânea imputa à escola o insucesso sócio/económico do cidadão) permite estruturar planos fundamentais favoráveis ao desenvolvimento da inovação educativa, provocando profundas mudanças nos seus principais agentes, nomeadamente no estudante, no professor e na cultura da escola (Andrade, 2003). Os novos papéis do professor podem ser descritos como (Carneiro, 2003): Orientador da aprendizagem; Empreendedor de ambientes de aprendizagem; Aprendiz na sala de aula; Tutor (discussões on-line, mobilizador, treinador e árbitro, andaimes); Colaborador de alunos; Investigador; Formador ao longo da vida; Membro de uma equipa de professores. Como resposta a esta necessidade de mudança, a actual proposta de Lei de Bases da Educação introduz o aumento da escolaridade obrigatória para os doze anos, com início a partir do ano lectivo (Governo, 2003), bem como a introdução de uma disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) no 9º e no 10º ano (Justino, 2002). A propagação cada vez mais generalizada do acesso à Internet, nomeadamente de banda larga, pelas Escolas Portuguesas (Tabela 2), bem como os actuais objectivos estipulados pelo Ministério da Educação (Governo, 2003; Justino, 2002) e as directrizes emanadas da Comunidade Europeia (CCE, 2003), fizeram surgir necessidades de resolução tecnológica cada vez mais pertinentes. Em resposta a estas necessidades, começa-se a entrar numa nova fase de evolução em que Sistemas de Informação, desenvolvidos pelas principais Software Houses, permitem responder de alguma forma a estas solicitações. Os recursos de aprendizagem convencionais, como os manuais e cadernos de exercícios produzidos por editoras conhecidas, compêndios elaborados pelos professores da disciplina, fichas de trabalho, fotocópias sobre determinados assuntos e outros demais, normalmente em suporte papel, começam a ser considerados obsoletos pelos alunos que os consideram monótonos e enfadonhos. Tipo de ensino Público Privado Total Valor % Valor % Alunos , ,9 Docentes , ,2 Escolas , ,4 Computadores , ,0 Comp. c. ligação à Internet , ,1 Tabela 2- Número e distribuição percentual de alunos, docentes, estabelecimentos de ensino (do pré-escolar ao secundário), computadores e computadores com ligação à Internet, segundo o tipo dos estabelecimentos de ensino (dados 6

20 do DAPP, ano lectivo de 2002/2003, valores provisórios), adaptado de Paiva (2003) Nos últimos anos surgiram recursos de aprendizagem electrónicos, disponibilizados pelas editoras em suporte CD-Rom, Disquete, por portais na Internet (Escola Virtual da Porto Editora, por exemplo) ou até mesmo elaborados por alguns professores mais familiarizados com as tecnologias de informação, muito melhor aceites pelos alunos. Como qualquer inovação tecnológica educacional também esta tem que ser introduzida com o devido cuidado, de forma a conseguir produzir resultados positivos. A tecnologia, só por si, não passa de uma ferramenta a ser utilizada pelos pedagogos positivamente (quando utilizada de uma forma correcta) ou como mais um recurso (se utilizada de uma forma ligeira), sem a preocupação de lhe tirar a totalidade da sua potencialidade (Papper, 1996). Não se pode cair no erro de continuar a utilizar os modelos educativos do ensino tradicional, adicionando somente as TIC s ao processo educativo, sem se reflectir que estas devem, sobretudo, promover interacção e partilha dentro de uma comunidade. O segredo reside não só na tecnologia, já que esta pode falhar, mas sim na pedagogia adoptada, aliada ao que de melhor as tecnologias nos podem oferecer. Um dos grandes perigos que se corre com o uso das novas tecnologias no ensino é cair no erro de propagar modelos didácticos da idade da pedra com a ajuda da tecnologia da idade do espaço (Higgins, 1988). A investigação neste sentido tem conduzido a variadas e complementares metodologias, em particular nos planos da definição de objectos de ensino e de aprendizagem, de estrutura de conteúdo e do desenvolvimento de cursos. Assim, com este trabalho pretende-se utilizar um LMP para fazer a gestão e distribuição dos recursos educativos aos alunos, mantendo-os on-line 24 horas por dia. Os recursos serão construídos, distribuídos e utilizados pelos alunos. Depois será avaliado o desempenho destes perante a nova forma de leccionar. Como resultado deste estudo ficará um incentivo real, devidamente documentado, para que outros professores o possam seguir em situações devidamente identificadas Resumo da Metodologia Utilizada Com base na fundamentação teórica, obtida através da revisão da literatura, a fase de exploração desta dissertação engloba a análise do campo de aplicação, a definição dos objectivos a atingir e a determinação dos problemas de investigação. Da fundamentação obtém-se uma lista de boas práticas para elaboração de cursos e recursos de aprendizagem electrónicos. A revisão da literatura é uma constante ao longo de todo o trabalho. Engloba uma pesquisa muito vasta, nacional e internacional, a organizações científicas, a universidades, a autores consagrados, a entidades oficiais e a particulares. Desta pesquisa são utilizados artigos científicos, livros, dados estatísticos, relatórios de actividades de empresas, entre outros. Os temas pesquisados vão da pedagogia (nomeadamente a teoria da aprendizagem construtivista, os modelos de planeamento e desenvolvimento da instrução, a estrutura modular de um curso, a taxionomia de objectos educacionais, 7

21 a aprendizagem pela resolução de problemas, o modelo de motivação do aluno, as actividades de aprendizagem, o sistema de avaliação dos alunos, etc.) à tecnologia (nomeadamente os objectos de aprendizagem e as suas normalizações, a distribuição e a gestão de recursos de aprendizagem num LMP, a escolha do LMP, etc.). Na fase de trabalho empírico vão ser utilizadas as boas práticas, identificadas na fundamentação teórica, para desenvolver um curso e os recursos electrónicos necessários para a sua implementação. Para tal, começa-se por identificar os alunos que vão ser sujeitos ao curso. Em seguida são criadas duas ferramentas que permitem elaborar o plano de curso e o plano de lição-a-lição, onde fica registada toda a planificação necessária para o desenvolvimento e implementação do cursos e dos recursos de aprendizagem. Procede-se então à escolha da plataforma, onde os recursos de aprendizagem vão ficar alojados e onde os alunos podem interagir com eles, permanentemente, através da Internet. Depois de escolher a plataforma, procede-se então à construção dos recursos, tendo em conta toda a fundamentação teórica. Constroem-se ainda duas ferramentas de avaliação: um questionário aos alunos e uma grelha de observação. Depois do desenvolvimento do curso e dos seus recursos de aprendizagem já só falta implementálos. Para tal aloja-se os recursos de aprendizagem na plataforma de aprendizagem e distribui-se pelos alunos. Estes alunos vão interagir com os recursos 1h30m por semana, com o apoio do seu professor presencialmente. No entanto, podem também interagir sempre que o desejarem fora deste período, sem o apoio presencial do professor. Para tal basta recorrer à aplicação Messenger para comunicar sincronamente ou por para comunicar assincronamente, com o professor ou colegas, para esclarecimento de dúvidas. Durante as aulas presenciais o professor utiliza a ferramenta de avaliação grelha de observação para registar a evolução dos alunos. No fim do curso os alunos utilizam a outra ferramenta de avaliação, o questionário, para avaliarem a instrução a que foram submetidos. Ao mesmo tempo que estes alunos estão a ser submetidos a esta instrução, um outro grupo de alunos, com características muito semelhantes, está a ser submetida a um outro tipo de instrução, que tem os mesmos conteúdos programáticos e professores. O que distingue esta instrução é o facto destes alunos receberem os recursos de aprendizagem em suporte papel, não recorrendo à plataforma de aprendizagem. O trabalho empírico desta dissertação termina então com a análise dos dados obtidos nestas duas amostras de alunos. Comparam-se as avaliações sumativas das duas amostras, analisam-se as respostas obtidas no questionário aplicado e retiram-se as conclusões possíveis, respondendo aos problemas de investigação determinados na fase de exploração. Recorre-se ainda à revisão da literatura para obter as conclusões finais desta dissertação. Os detalhes desta Metodologia serão descritos mais à frente nesta dissertação 1. 1 Capítulo 3, Metodologia e Descrição do Trabalho Empírico Realizado. 8

22 1.6. Estrutura da Dissertação No capítulo 1, Introdução, contextualiza-se o tema, estabelecem-se os objectivos da dissertação, elaboram-se as hipóteses de investigação, justifica-se a importância da dissertação, resume-se a metodologia utilizada e descreve-se a sua estrutura. No capítulo 2, Recursos de Aprendizagem Disponibilizados na Internet, descreve-se a fundamentação teórica de todo o trabalho. Começa-se por caracterizar a teoria construtivista da aprendizagem e analisar os mais conhecidos modelos de planeamento e desenvolvimento de cursos, descrevendo as suas fases. Depois estipula-se os cuidados a ter com a estruturação dos conteúdos, nomeadamente, a aplicação dos modelos de aprendizagem pela resolução de problemas CLE, OLE e CAIT, a definição dos objectivos institucionais de um curso, os princípios elementares de instrução de Merrill, o modelo de motivação de alunos ARCS, as actividades de aprendizagem possíveis de utilizar e o sistema de avaliação dos alunos. Ainda neste capítulo, identifica-se a estrutura modular de um curso, bem como o modelo de avaliação da instrução de Kirkpatrick. Descreve-se a norma SCORM a utilizar nos objectos de aprendizagem que constituem os recursos de aprendizagem electrónicos. Define-se ainda o conceito de LCMS e LMS, referindo exemplos e utilizações possíveis, bem como fornecedores e clientes. Contextualiza-se também as ferramentas de autor e o software auxiliar para a elaboração de recursos de aprendizagem. Conclui-se com uma descrição da lista de boas práticas para elaboração de cursos e recursos de aprendizagem electrónicos. No capítulo 3, Metodologia e Descrição do Trabalho Empírico Realizado, descreve-se as etapas metodologias seguidas para o desenvolvimento desta dissertação, bem como o trabalho empírico realizado em cada uma delas, nomeadamente na caracterização das amostras de alunos, na construção dos recursos de aprendizagem (tendo em conta a fundamentação teórica do capítulo 2), na construção das ferramentas de planificação e de avaliação, na implementação e na gestão dos recursos de aprendizagem com o LMS. No capítulo 4, Resultados, descreve-se a análise feita aos dados obtidos da avaliação ao protótipo, nomeadamente aqueles que foram obtidos através do questionário aplicado aos alunos no fim da sua aprendizagem e através da comparação da classificação sumativa final dos alunos que utilizaram v.s. os alunos que não utilizaram o protótipo, chegando-se aos resultados. Por último, no capítulo 5, Conclusões e Sugestões Para Futuros Trabalhos, descrevem-se as conclusões possíveis de todo este trabalho e dá-se sugestões para futuros trabalhos

23 10

24 2. RECURSOS DE APRENDIZAGEM DISPONIBILIZADOS NA INTERNET 11

25 12

26 Penso que há mercado mundial para apenas uns cinco computadores Thomas Watson, Presidente da IBM, em Um computador em cada secretária Bill Gates anos RECURSOS DE APRENDIZAGEM DISPONIBILIZADOS NA INTERNET Neste capítulo será feita a revisão da literatura referente às boas práticas na construção de recursos de aprendizagem, que possam ser distribuídos aos alunos pela Internet e disponibilizados 24 horas por dia. Começa-se por contextualizar recurso de aprendizagem, tendo em conta: O que é um recurso de aprendizagem? Qual a tecnologia envolvida para criar um recurso de aprendizagem electrónico, que possa ser disponibilizado aos alunos pela Internet, 24 horas por dia? Qual o meio em que o recurso de aprendizagem vai ser distribuído? Como resposta a que necessidades? Qual o tipo de ensino aprendizagem necessário para a utilização deste tipo de recursos de aprendizagem? De seguida passa-se para a Teoria de Aprendizagem Construtivista na qual se enquadra o tipo de ensino aprendizagem que este trabalho descreve. Depois de uma introdução às teorias Behavioristas e Cognitivistas, vão ser analisadas as várias vertentes da teoria construtivista, nomeadamente o construtivismo cognitivo e o construtivismo social, identificando os seus princípios e características. São salientadas as suas potencialidades e limitações. É ainda apresentado um mapa conceptual, onde esta teoria é sintetizada. Depois de saber qual a teoria de aprendizagem a utilizar na construção de recursos de aprendizagem a serem distribuídos na Internet, procede-se à análise dos modelos de planeamento e desenvolvimento de instrução, nomeadamente os modelos construtivistas de planeamento e desenvolvimento de instrução que comportam o conceito de educação apoiada pelo computador. São comparados quatro modelos, tendo em conta as suas fases de desenvolvimento e tarefas desempenhadas em cada uma delas. São ainda descritas detalhadamente cada uma destas fases e tarefas. Em seguida, identifica-se a equipa necessária de pessoas para desenvolver este tipo de recursos, bem como as suas funções. Esta informação fica registada no documento de planificação do curso. Refere-se ainda qual a estrutura que um curso, que comporte estes recursos de aprendizagem, deve ter. Depois descreve-se a forma como os conteúdos devem ser estruturados, tendo em conta os objectivos educacionais do curso, modelos de concepção de conteúdos pela resolução de problemas, os princípios elementares de instrução de Merrill, o modelo de motivação do aluno ARCS, as activi- 13

27 dades de aprendizagem a serem integradas nos recursos, bem como o sistema de avaliação a utilizar. Dá-se ainda uma atenção especial à normalização dos objectos de aprendizagem que integram os recursos, segundo as normas SCORM, e descreve-se o modelo de avaliação de instrução de Kirkpatrick a ser utilizado neste tipo de ensino aprendizagem, nomeadamente os seus níveis e vantagens. Ainda neste capítulo, define-se o conceito de LCMS, LMS e ferramenta de autor, dando exemplos de utilização e mencionando fornecedores e clientes destas aplicações. Descreve-se o que é um LMP, as suas vantagens e desvantagens especificamente para o LMP Class Server. São identificados e descritos vários casos práticos de utilização do LMP Class Server, analisando os resultados obtidos. Faz-se ainda referência à avaliação feita à utilização deste LMP em Portugal. Por último, faz-se uma síntese de todo o capítulo, apresentando uma lista de boas práticas que se deve seguir para a elaboração de cursos e de recursos de aprendizagem a serem distribuídos por um LMP via Internet Enquadramento Um recurso de aprendizagem não é mais do que um elemento de estudo disponibilizado ao aluno para este atingir determinado grau de conhecimento. Quando disponibilizado pela Internet, temos a tecnologia envolvida. Esta poderá ser encarada como extensão e apoio à aula presencial ou mesmo como substituto. Normalmente funcionam em modo misto, isto é, servem de apoio às aulas, mas permitem também aos alunos estudar à distância. As maiores vantagens do uso das TIC na educação podem ser descritas como (Bates, 1999): A possibilidade de se ter acesso a materiais didácticos de qualidade independentemente do espaço e do tempo; O acesso à informação que, no passado recente, era exclusivamente detida pelo professor e que passa a estar disponível em rede; Os materiais multimédia, bem concebidos, podem ser mais eficazes na aprendizagem, do que os métodos tradicionalmente usados em sala de aula; As novas tecnologias digitais permitem desenvolver competências de aprendizagem de alto nível, nomeadamente, resolução de problemas, tomada de decisões e pensamento crítico; A interacção com professores, tutores e especialistas pode ser estruturada e gerida on-line de modo a proporcionar grande flexibilidade e conveniência, tanto para os docentes como para os discentes; A comunicação mediada por computador pode facilitar a aprendizagem em grupo, o acesso a professores, a tutores e a especialistas dispersos por várias instituições, e a implementação de cursos internacionais e multiculturais. O ensino recorrendo às TIC vai distanciar-se significativamente do ensino tradicional. O foco do processo de ensino aprendizagem passa do professor para o aluno, podendo este escolher o caminho e o meio mais indicado para a sua aprendizagem. O trabalho desempenhado pelo aluno é muito 14

PALAVRAS CHAVE Recursos de aprendizagem, LMP, Construtivismo, TIC, Internet, Objectos de aprendizagem, SCORM, E-learning. III

PALAVRAS CHAVE Recursos de aprendizagem, LMP, Construtivismo, TIC, Internet, Objectos de aprendizagem, SCORM, E-learning. III II Criação de recursos de aprendizagem, distribuídos num LMP RESUMO Com o acesso generalizado das escolas às novas tecnologias de informação, nomeadamente à Internet de banda larga, torna-se pertinente

Leia mais

Criação de Recursos de Aprendizagem distribuídos numa Plataforma de Gestão de Aprendizagem

Criação de Recursos de Aprendizagem distribuídos numa Plataforma de Gestão de Aprendizagem Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação Susana Maria Paulino Gonçalves Duarte (Licenciada) Criação de Recursos de Aprendizagem distribuídos numa Plataforma de Gestão de Aprendizagem Dissertação

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning Público-Alvo Profissionais que pretendam adquirir competências de base para monitorizar formação na modalidade e-learning ou b-learning que sejam possuidores do

Leia mais

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO.

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. Workshop 1 Web 2.0 na educação (dinamizado por Fernando Delgado EB23 D. Afonso III) Os serviços da Web 2.0 têm um enorme potencial para a educação, pois possibilitam

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 - Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 - Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO An 2-A Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

Teorias de e-learning Fábio Fernandes

Teorias de e-learning Fábio Fernandes Teorias de e-learning Fábio Fernandes O que é uma teoria? Uma teoria, nesse contexto, pode ser descrita como uma série de hipóteses que aplicam-se a todas as instâncias de um acontecimento ou assunto e

Leia mais

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design.

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design. Abordagem Formativa Web-Based Success does not happen by accident. It happens by Design. Objectivo, Processo, Resultado Objectivo desta Apresentação Introduzir as características e benefícios chave de

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Aplicações Informáticas B

Aplicações Informáticas B Prova de Exame Nacional de Aplicações Informáticas B Prova 703 2008 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção-Geral

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. ANTÓNIO GRANJO Biblioteca Escolar Clube Web 2.0 PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros Ano letivo 2012-2013 Introdução Hoje é tido

Leia mais

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO

ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO ELABORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS EDUCATIVOS MUNICIPAIS E DE PROJETO EDUCATIVO METROPOLITANO OBJETIVOS, METODOLOGIA E ETAPAS DO PROJETO EDUCATIVO MUNICIPAL Concebendo a Educação como

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESENHO DE SISTEMAS DE E-LEARNING Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESENHO DE SISTEMAS DE E-LEARNING Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular DESENHO DE SISTEMAS DE E-LEARNING Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA 3. Ciclo de

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Jornadas da Educação, 2015

Jornadas da Educação, 2015 República de Moçambique Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação Jornadas da Educação, 2015 A nossa escola por uma educação inclusiva, humanista

Leia mais

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Revista Formar n.º 43 Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Os dados estão lançados. O IEFP lançou-se na formação a distância. O balanço inicial do curso a distância de Gestão da Formação

Leia mais

PLANO DE APRESENTAÇÃO

PLANO DE APRESENTAÇÃO DEGEI Mestrado em Gestão de Informação AVALIAÇÃO DA ADOPÇÃO DA FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DE ESTUDO NA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA PLANO DE APRESENTAÇÃO TEMA CONTETO PROBLEMA HIPÓTESES CONTETO TEÓRICO

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Multimédia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Projecto e Produção Multimédia Escolas Proponentes / Autores Direcção-Geral de Formação

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: E.I.A. - Ensino, Investigação

Leia mais

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados

A Parte I, denominada Desenvolvimento e Educação, integra textos sobre o desenvolvimento humano e as implicações educativas de teorias e resultados Introdução Reunimos aqui, num único volume, os contributos de vários psicólogos e investigadores nacionais que desenvolvem trabalho teórico e empírico nos domínios da aprendizagem e do desenvolvimento

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Índice Introdução... 2 Aplicação do modelo estatístico VALOR ESPERADO... 3 Quadros relativos à aplicação do modelo estatístico de análise de resultados académicos... 5 Avaliação

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Enquadramento institucional Programas

Enquadramento institucional Programas O e-learning na Universidade de Aveiro (1998-2005) Evento de ensino virtual e e-learning UFP@Porto 28 Jan 2005 Helder Caixinha caixinha@cemed.ua.pt UOe-L Unidade Operacional de e-learning Universidade

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

MANUAL RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO

MANUAL RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Mário Beirão PLATAFORMA GATO:\> GESTÃO DE EQUIPAMENTOS E EQUIPAMENTOS ON LINE MANUAL RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO Novembro de 2009 1 O QUE É O GATO:\>? A aplicação das Tecnologias

Leia mais

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário RELATÓRIO Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Projecto de investigação/acção No âmbito da Portaria nº 350/2008,

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução GUIA PEDAGÓGICO Introdução O objectivo deste documento é ser um condutor para os formandos que frequentam os cursos em elearning ministrados através da plataforma NetForma. Os cursos serão sempre orientados

Leia mais