A GESTÃO DOS EFLUENTES LIQUIDOS DAS INDUSTRIAS DE FARINHA DE MANDIOCA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DOS EFLUENTES LIQUIDOS DAS INDUSTRIAS DE FARINHA DE MANDIOCA."

Transcrição

1 A GESTÃO DOS EFLUENTES LIQUIDOS DAS INDUSTRIAS DE FARINHA DE MANDIOCA. Amalia Maria Goldberg Godoy Universidade Estadual de Maringá Av.Colombo, 5790 Maringá- Paraná Ricardo de Jesus Carvalho dos Santos Universidade do Estado do Paraná Campo Mourão. ABSTRACT: This study was developed through field research to check the fitness of these agricultural industries to the environmental legislation. For a better comprehension of technological fitness and the treatment of flowing out, the companies were devided by the degree of technology used, in: agricultural industries I (small) and agricultural industries II (large). The current legislation was investigated as well, It was also measured the flowing out throw into the receiver bodies. The results of laboratory analysis and researches about the entrepreneurs and workers profile show that the technology is important factor but, in face of the results found out, it is possible to point out that the agricultural-industries fit each other on different ways to the environmental standards in force. Therefore, one believes that this study will go a long way to the Science Interests, bringing larger knowledge to the whole society. Key-words: Agricultural-Industrial Complex; Manioc; Flowing Out. I O PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO DA FARINHA DE MANDIOCA NO MUNICIPIO DE ARARUNA PARANÁ. Os produtos derivados da mandioca, segundo ABAM - Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca - (1999:16), que também congrega fabricantes de máquinas, pesquisadores e produtores de farinha, são: a) amiláceos: composto por amido (fécula), polvilho azedo, sagu, tapioca, modificados e b) Farináceos:constituido por farinha branca (fina e grossa),farinha torrada (amarela), farinha biju (flocos), farofas. Vale ressaltar que o processo de industrialização da mandioca pode variar em função do produto final e da infra-estrutura disponível na empresa. O fluxograma 1 mostra o processo de produção dos farináceos e os pontos de geração dos efluentes. Ressaltam-se que, independente do tamanho da empresa, as fases do processo de produção obedecem à mesma seqüência e que tanto as agroindústrias pequenas quanto as grandes possuem processo igual ao descrito. No entanto, as pequenas, geralmente, só fabricam farinha branca, pois possuem mercado específico ou são fornecedoras de farinhas para as grandes empresas. Portanto, as grandes empresas, na maioria dos casos, adquirem tanto a matéria-prima in natura (mandioca) quanto produtos semi-elaborados como a farinha branca das pequenas farinheiras. Uma outra ressalva é que enquanto nas grandes farinheiras os equipamentos utilizados são blindados, não se tendo a visão do fluxo de produção, nas pequenas ENEGEP 2002 ABEPRO 1

2 farinheiras os equipamentos são totalmente diferentes e expostos, ou seja, é possível visualizar todas as etapas de obtenção da farinha. A seguir apresenta-se o fluxograma 2, que mostra os pontos de geração, destinação do efluente I e dos resíduos sólidos. A água originada da lavagem da matéria-prima que no meio técnico convencionou-se chamar de EFLUENTE I, nada mais é do que os resíduos oriundos da lavagem da raiz, cujas águas ficam repletas de pequenas cascas, partículas, areia e terra, devendo ser acondicionadas segundo as normas legais (Resolução CONAMA 20/86). Essas cascas são ricas em nutrientes e podem servir como ração animal e adubação. Quanto às lagoas de decantação, essas servem para reter as casquinhas e outras partículas que tenham passado pelos sistemas. Por meio da decantação reduzem-se os lançamentos de materiais sedimentáveis nos corpos receptores, o que diminui o impacto ambiental causado pelos despejos, pois quanto mais matéria orgânica for lançada num corpo hídrico, maior será a necessidade de oxigênio para decompô-la e estabilizar as condições físico-químicas do efluente. Portanto, o efluente destina-se à lagoa anaeróbia e em seguida para as lagoas facultativas onde se completa a decantação e em seguida para os corpos receptores. É rico em matéria orgânica e partículas. As casquinhas podem ser destinadas à adubação e/ou alimentação animal. EFLUENTES II são os resíduos líquidos provenientes da prensagem da raiz. As destinações dadas, geralmente, são a fertirrigação direta nas lavouras e pastagens, ou acondicionamento total em lagoa para decantação e evaporação. É importante salientar que esse efluente é muito danoso à vida aquática, causando alto impacto se lançado diretamente nos corpos receptores (rios e/ou lagos). Levam consigo grande volume de água rica em cianeto, esse efluente é mais conhecido nos meios técnicos como água de manipueira e é portanto, impróprio para consumo humano, animal e despejos em cursos d água. II - METODOLOGIA No setor de derivados de mandioca o município de Araruna conta, hoje, com 12 empresas operando, o que representa mais de 50% da produção regional da COMCAM - Comunidade dos Municípios de Campo Mourão. Para a discussão do problema, ou seja, se as empresas se adequam à legislação vigente, foram selecionadas duas empresas: uma pequena denominada de Agroindústria I e uma grande chamada de Agroindústria II. Para isso, o estudo se desdobrou em seis etapas: 1) Reconhecimento das instalações industriais e sistemas de tratamento de efluentes e destinação; 2) Reconhecimento dos locais de possíveis destinação dos efluentes; 3) Entrevistas com os diversos atores sociais; 4) Coletas de amostragens dos efluentes e corpos receptores; 5) Análise das amostras; 6) Interpretação e discussão dos dados. As coletas de amostras do curso d água foram feitas no corpo receptor, tanto à montante do ponto de lançamento da agroindústria (cerca de 50 m), quanto à jusante do ponto de lançamento (cerca de 100 m). Registra-se que quando não havia lançamento, optou-se pela coleta da amostra do efluente II dentro da última lagoa facultativa. Essas coletas (cada uma delas era composta por três amostras para a agroindústria I -pequeno porte - e três para a agroindústria II -grande porte), foram realizadas no período de outubro de 2000 até junho de 2001 perfazendo nove coletas identificadas na discussão do trabalho como 1, 2, 3 até 9. ENEGEP 2002 ABEPRO 2

3 Fluxograma 1- Apresentação do Fluxograma da Indústria Farinheira COLHEITA TRANSPORTE RECEPÇÃO EFLUENTES I LAVAGEM DESCASQUE E RESÍDUOS TRITURAÇÃO DESINTEGRAÇÃO EFLUENTES II PRENSAGEM FARINHA BIJU - FLOCOS PRODUZIR FARINHA BRANCA FINA E GROSSA PENEIRAÇÃO SECAGEM SECAGEM PENEIRAÇÃO FARINHA TORRADA PRODUZIR ESFARE- LAMENTO RESFRIA- MENTO ENSACA- MENTO ENSACA- MENTO MOEGA RECEBIMEN- PADRONI- ZAÇÃO RETOR- RAÇÃO CLASSIFI- CAÇÃO ENSACA- MENTO Fonte: Terra Engenharia Ambiental (1977), modificado pelo autor ENEGEP 2002 ABEPRO 3

4 Fluxograma 2 - Efluente I: Processo Agroindustrial dos Farináceos: Geração e destinação dos Efluentes Líquidos e Resíduos Sólidos. INÍCIO LAVAGEM E DESCASQUE DA MANDIOCA SEPARAÇÃO DA CASQUINHA ARMAZENAGEM DA CASQUINHA TRANSPORTE DO EFLUENTE COM AREIA DESTINAÇÃO PARA RAÇÃO NÃO DESTINAÇÃO P/ADUBAÇÃO SIM CONTATO COM AGRICULTOR ARMAZENAGEM DA AREIA SEPARAÇÃO DA AREIA DA ÁGUA COMERCIALIZAÇÃO APLICAÇÃO NO SOLO DISPOSIÇÃO NO SOLO DECANTAÇÃO EM LAGOA ANAERÓBIA CONSUMO F I M F I M DECANTAÇÃO EM LAGOA FACULTATIVA F I M LANÇÁMENTO NO RIO F I M FONTE: Terra Engenharia Ambiental SC Ltda; Modificado pelo autor. Os parâmetros físico-químicos analisados em virtude da disponibilidade do laboratório do IAP foram: DBO; DQO; ph, matéria sedimentável e a temperatura. A metodologia usada no laboratório é Standard Methods, sendo para o DBO incubação 20ºC em 5 dias (DBO 5 ) sem a presença da luz; para o DQO o método do refluxo aberto, para a matéria sedimentável em teste de 1 hora em cone imhoff; e o ph através do potenciômetro (eletrométrico). Nos dois casos, quando não havia lançamento, coletavam-se as amostras de efluente final dentro da última lagoa de tratamento para que assim se pudesse ter uma referência. ENEGEP 2002 ABEPRO 4

5 III APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANALISES DOS EFLUENTES DAS AGROINDUSTRIAS I e II. Como resultado, na agroindústria I pequeno porte - verifica-se que o sistema de tratamento é composto por uma lagoa anaeróbia e duas lagoas facultativas. Em função do volume de matéria-prima trabalhada, inferior à capacidade das lagoas no período de coleta, verificou-se que não houve nenhum lançamento ao corpo receptor. Ressalta-se também, o fato de que, durante o período das coletas 5,6,7 e 8, essas agroindústrias trabalharam com um volume menor de matéria-prima do que os períodos 1,2,3,4, e 9 (em virtude dos baixos preços), o que inviabilizou a coleta de amostras do efluente final nesses meses. As lagoas facultativas desta agroindústria encontram-se a uma distância aproximada de 100 metros do corpo receptor. Na agroindústria II, por sua vez, verifica-se que o sistema de tratamento é composto por uma lagoa anaeróbia e quatro lagoas facultativas, número maior que na agroindústria I. Em função desse número de lagoas e de um bom sistema de retiradas de cascas e sedimentos durante o processo de fabricação, menores quantidades de partículas foram carreadas. Com relação ao PH, verifica-se, na agroindústria I, que as amostras coletadas à montante, à jusante e no efluente final estão dentro do padrão estipulado pela legislação (ph 5 a 9). Os resultados laboratoriais apresentaram uma variação de 6,3 até 8,3, ou seja, amplitude de 2,0 pontos. Essa oscilação é muito superior à variação encontrada para a agroindústria II, indicando uma maior instabilidade nas águas do corpo receptor na agroindústria I (pequena), o que surpreende, visto que não houve lançamento de efluente final neste período, e, portanto, tal alteração pode ter sido provocada por carreamento pelas águas das chuvas de solo agricultável com resíduos químicos, dias antes da realização da coleta. Com referência aos índices zero das coletas 5; 6; 7 e 8, observa-se que em virtudes dos baixos preços da mandioca (R$ 34,00 por toneladas) de matéria-prima, a agroindústria I trabalhou com cerca de 30% de sua capacidade. Em conseqüência da baixa produção nesse período, as lagoas ficaram ociosas em torno de 70% de sua capacidade, não ocorrendo assim, nenhum lançamento. Portanto, inviabilizando a coleta neste período. Na agroindústria II, verificou-se que as amostras coletadas à montante, à jusante e no efluente final estavam dentro do padrão estipulado pela legislação. Os resultados laboratoriais apresentaram uma variação de 6,5 até 7,2, cuja amplitude é de 0,7 pontos, bem menor relativamente à agroindústria I. Com relação ao material sedimentável da agroindústria I, verifica-se que tanto à montante quanto à jusante da agroindústria, os volumes encontrados na grande maioria da amostras se concentram igual ou menor que 1 ml/l, sendo que o permitido por lei é de 1 ml/l. Verificou-se que o efluente final apresentou-se abaixo do padrão em mais de 88% das amostras. Somente numa amostra (de número 3), a concentração foi superior, mas, mesmo assim, não alterou as características da água do corpo receptor. Por outro lado, com respeito ao efluente final, observa-se que oscilações com picos, tanto na agroindústria I quanto na agroindústria II, o que indica que neste tipo de efluente, o sistema de controle não alcançou um padrão e é necessário, por parte do empresário, verificar se os instrumentos de retirada de casca e impurezas não estão com defeitos, pois está havendo indícios de falha. Isso pode extrapolar o parâmetro permitido e causar prejuízos ambientais, elevando assim o nível de sedimento nas águas dos rios e elevando, com isso, o consumo de oxigênio para estabilizar a massa d água em detrimento dos outros seres vivos ali existentes. Quanto ao DBO da agroindústria I constata-se que as águas do corpo receptor (jusante) estão dentro de um padrão de qualidade. Embora sem originar problemas à ENEGEP 2002 ABEPRO 5

6 jusante, pois, há um tratamento do efluente final, esses apresentaram diversos períodos em que ultrapassaram os limites legais, mostrando que o empresário tem maior custo com o tratamento do efluente para que o mesmo se enquadre aos parâmetros legais. O padrão permitido por lei é de 100 mg/l e os resultados encontrados no corpo receptor estão iguais ou inferior a 6 mg/l. Quanto à agroindústria II, também, constatou-se que as águas do corpo receptor estão dentro de um padrão de qualidade. Os valores encontrados são iguais ou menores que 4 mg/l no corpo receptor. No efluente final, apenas uma das amostras apresentou concentração superior ao padrão, comportamento diferente do encontrado para a agroindústria I, e não alterou, de maneira significativa, o padrão da água do corpo receptor. Quanto ao DQO, o volume máximo legal permitido no lançamento de efluentes junto aos corpos receptores é de 250 mg/l. Na Agroindústria I, à montante, o maior índice encontrado foi de 7 mg/l; à jusante o maior índice foi de 11 mg/l. No efluente final, o menor índice foi de 149 mg/l e o maior índice foi de 850 mg/l, o que está fora do limite, apresentando uma amplitude de 701 mg/l, mas a carga poluidora não foi suficiente para alterar o parâmetro DQO, ou seja, o tratamento ocorrido permitiu que a empresa estivesse dentro das normas legais. O indicador médio de DQO na agroindústria II é de 2 a 10 vezes menor para as coletas 1,2,3 e 9,do que os verificados na agroindústria I; isto evidencia uma melhor tecnologia, resultando em maior eficiência. Os índices médios de DQO têm variado de 16,7 a 58,33 mg/l durante as nove coletas o que se traduz numa certa estabilidade do processo durante o período em questão. IV - CONCLUSÕES Pode-se apontar que antes, na década de 1980 e início de 1990, a preocupação das agroindustriais da mandioca, no Paraná, era produzir e havia pouco ou nenhum tratamento de efluentes. Com a promulgação de várias leis e a intensificação dos trabalhos do IAP, na década de 1990, passou-se a exigir o licenciamento, e, com esses, melhores sistemas de tratamento, como lagoas, anaeróbias e facultativas. Cerca de 10 anos depois, no entanto, ainda se verifica nas agroindústrias de farinha de mandioca do município de Araruna alguns índices acima dos parâmetros permitidos. No entanto, observa-se, também, que para as agroindústrias I não se verificou nenhum lançamento de efluente final no corpo receptor durante o monitoramento, visto que as lagoas existentes são muito superiores à demanda gerada em função do pouco volume de matéria-prima trabalhada no ano de Entretanto, não se pode excluir a possibilidade de ter havido lançamentos dolosos ou culposos nos corpos hídricos. No entanto, a agroindústria I, ou seja, a de menor porte foi a que apresentou maior freqüência de extrapolação dos indicadores nos efluentes finais, ou seja, ultrapassou a norma legal para material sedimentável, DBO e DQO enquanto a agroindústria II ultrapassou o parâmetros legal somente em material sedimentável. Contudo, em nenhum caso, à jusante, as agroindústrias I e II ultrapassaram os padrões legais, durante a pesquisa, sendo que a maioria deles ficou muito próximo do mínimo. Isso indica que ambas, obedeceram à legislação nos parâmetros analisados. Por outro lado, tudo indica que a agroindústria II tem um controle maior da qualidade de seus efluentes desde o processo até o momento em que lança os mesmos nas lagoas. A agroindústria I, de menor porte, tem maiores dificuldades no controle dos parâmetros analisados, ou seja, em vários momentos da coleta nas lagoas ultrapassou os limites legais. ENEGEP 2002 ABEPRO 6

7 Os resultado encontrados de ph; DBO; DQO; Materiais Sedimentáveis e Temperatura estiveram todo o tempo dentro e abaixo da média do padrão estipulado por lei para lançamento de efluentes em rios classe II. Isso nos permite apontar que as agroindústrias de Araruna apresentam, por extensão, bons resultados de gestão dos efluentes I e II. Mas, nem por isso, a sociedade, as ONGs, os órgãos ambientais e os empresários e as Promotorias Públicas podem descuidar da vigilância dos padrões a serem respeitados, pois a manutenção de um ambiente de qualidade requer atenção e persistência. Nesse contexto, é importante ressaltar que há uma nítida diferença entre os resultados encontrados para os parâmetros analisados, haja vista as agroindústrias menores apresentarem para um nível tecnológico mais baixo e, conseqüentemente, maiores dificuldades em manter processos dentro do padrão em face do seu aporte tecnológico. As agroindústrias maiores, com aportes tecnológicos de última geração, conseguem maior rapidez, menores volumes de efluentes e com cargas poluidoras menores, e conseqüentemente melhores resultados ambientais. Na totalidade desses levantamentos, verificaram-se pequenas alterações do corpo receptor à jusante, ficando claro que é possível às agroindústrias de diferentes portes tecnológicos adaptarem-se aos padrões ambientais exigidos. Nesse contexto, é válido lembrar que essa situação encontrada na região não é comum, ou seja, há situações muito diferentes em outras regiões do Paraná. Estudos apontam que as situações das farinheiras e do seu enquadramento normas ambientais são problemáticas. V - BIBLIOGRAFIA CONSULTADA. ABAM - Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca, Prefeitura municipal de Paranavaí, sindicato Rural, SEAB, EMATER, IAPAR, APROMAN. Plano para desenvolvimento e modernização de produção de mandioca e derivados Apostila. COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Previsão e Acompanhamento da safra 2000/2001 [S. l.: s.d.]. fev Cad. Da CONAB. GODOY, Amalia Maria G. Modernização da agricultura paranaense: conseqüências ambientais e políticas governamentais Anais da Conferência Internacional Desenvolvimento Sustentável e Agroindústria, Lageado: RS, p. 1-22, 16 de maio de 2000 (trabalho completo publicado em CD). Manual de Licenciamento Ambiental, Diretoria de Controle de Recurso Ambientais. Secretaria do Estado do Meio Ambiente E Recursos Hídricos- SEMA; Instituto Ambiental do Paraná- IAP, 15 dez Capítulo de Licenciamento Industrial. p 15. Capítulo de Generalidades. p 58. Cap. Licenciamento Industrial. p. 7. MIRANDA, LILIAN AZEVEDO, Processamento mínimo de raiz de mandioca de mesa. Centro de Ciências Agrária, Departamento de tecnologia de alimentos e medicamentos [S. l.: s.d.] STANDARD METHODS for the examination of water and wastewater, 20 th edition. Mary Ann H. FRANSON. Printing: United Books Press, Inc. Baltimore, Maryland, ENEGEP 2002 ABEPRO 7

8 TERRA ENGENHARIA AMBIENTAL: Consultoria & Projetos. Projeto Básico de Sistema para Tratamento de Efluentes. Farinheira 31 Ind. & Com. Ltda, Araruna-Pr.; fev TORNATZKY, Louis e FLEISCHER, M. The processes of technological innovation. Lexington Books, ENEGEP 2002 ABEPRO 8

EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS

EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS Anna Paola Tonello 1, Paulo Sérgio Lourenço de Freitas 2, Altair Bertonha 3 RESUMO:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06. DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.97 SEÇÃO I DOS PADRÕES DE EMISSÃO EM COLETORES PÚBLICOS OBJETIVO Art.

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EFLUENTE FINAL DE LAGOA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DE UM FRIGORIFICO AVICOLA

AVALIAÇÃO DE EFLUENTE FINAL DE LAGOA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DE UM FRIGORIFICO AVICOLA AVALIAÇÃO DE EFLUENTE FINAL DE LAGOA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DE UM FRIGORIFICO AVICOLA Gustavo Lima Cardoso 1 ; Priscila Silva 1 ; Sandra Andréia Pierini 2, Edicléia Aparecida Bonini 3 RESUMO: Tratar os

Leia mais

QUALIDADE DO EFLUENTE GERADO NO PROCESSO DE PARBOILIZAÇÃO DE ARROZ. Catia Cirlene Felipi 1 Cladir Teresinha Zanotelli 2

QUALIDADE DO EFLUENTE GERADO NO PROCESSO DE PARBOILIZAÇÃO DE ARROZ. Catia Cirlene Felipi 1 Cladir Teresinha Zanotelli 2 QUALIDADE DO EFLUENTE GERADO NO PROCESSO DE PARBOILIZAÇÃO DE ARROZ Catia Cirlene Felipi 1 Cladir Teresinha Zanotelli 2 1 UNIVILLE Universidade da Região de Joinville Curso de Engenharia Ambiental Rua Júlio

Leia mais

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO CELEIRO DO RS

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO CELEIRO DO RS AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO CELEIRO DO RS Marieli da Silva MARQUES 1, Iliane Toledo BORGES 2, Andrey Berlesi AGNES e João Eduardo König LAUER 3, Gabriele

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA Efluentes ÁGUA MAIS LIMPA O tratamento de efluentes em abatedouros avícolas é obrigatório e fundamental para amenizar o impacto ambiental da atividade. A água tratada pode retornar à natureza sem poluir

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO)

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre

Leia mais

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA II-11 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Irene Maria Chaves Pimentel (1) Graduanda em Engenharia Civil da Universidade Federal de Alagoas UFAL. Bolsista

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE

INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE Aline Cavalcanti e Cavalcante * ; Ana Claudia Carneiro da Silva Braid; Diego Magalhães Nascimento;

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1 AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS Diego Filipe Belloni 1 Sandro Rogério Lautenschlager 2 RESUMO Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR Kelly Mayara Poersch (IC) 1, Anelize Queiroz do Amaral (PQ) 2, Renan Pies (IC) 3, Adrieli

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva¹; Ricardo Andreola ² RESUMO: Este trabalho apresenta a avaliação do desempenho

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos Global Conference Building a Sustainable World Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável e Eventos Preparatórios e Simultâneos Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte Rua João Bernardo Pinto, 333

Leia mais

Águas industriais: controle físico-químico e biológico do efluente e medida da eficiência do tratamento na agroindústria

Águas industriais: controle físico-químico e biológico do efluente e medida da eficiência do tratamento na agroindústria Águas industriais: controle físico-químico e biológico do efluente e medida da eficiência do tratamento na agroindústria Resumo José Carlos Azzolini * Eduarda de Magalhães Dias Frinhani ** Lucas Fernando

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 MANDIOCULTURA Economista Methodio Groxko Outubro de 2011 ASPECTOS

Leia mais

Caracterização do lodo residual das lagoas de lodo da estação de tratamento de água estudo de caso: ETA Gramame

Caracterização do lodo residual das lagoas de lodo da estação de tratamento de água estudo de caso: ETA Gramame Caracterização do lodo residual das lagoas de lodo da estação de tratamento de água estudo de caso: ETA Gramame Claudia Coutinho Nóbrega, Sabrina Livia de Medeiros Pereira, Gilson Barbosa A claudiacn@uol.com.br

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE

Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE Abril de 2013 INTRODUÇÃO O SEMAE-OP Serviço Municipal de Água e Esgoto de Ouro Preto foi criado pela Lei Nº 13/2005 em 24 de fevereiro de 2005,

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico DIALE Nº 213/2004 Processo COPAM: 196/1995/004/2003 PARECER TÉCNICO Empreendedor: AVE NOBRE ALIMENTOS LTDA. (ex-gramado FRIOS E FRANGOS LTDA.) Atividade:

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB.

UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB. UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB. Elton Silva Cruz, Engenheiro Civil; Djalena M. de Melo, Engenheira Civil; Melissa F. da Silveira, Graduanda da UFCG. Departamento

Leia mais

ESTABELECIMENTOS PARA ARMAZENAGEM TEMPORÁRIA DE GRÃOS, CASCAS E CINZAS (CDRAM 3124,00) Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax:

ESTABELECIMENTOS PARA ARMAZENAGEM TEMPORÁRIA DE GRÃOS, CASCAS E CINZAS (CDRAM 3124,00) Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: ESTABELECIMENTOS PARA ARMAZENAGEM TEMPORÁRIA DE GRÃOS, CASCAS E CINZAS (CDRAM 3124,00) 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade:

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

PROJETOS. Principais aplicações:

PROJETOS. Principais aplicações: 1 PROJETOS 2 PROJETOS A Econsulting atua na atividade de desenvolvimento de projetos diversos relativos à área ambiental, sendo esta uma das atividades pioneiras da empresa e atingindo um número superior

Leia mais

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO Walter Luiz da P. B. Vieira (1) Engenheiro Civil pela Universidade Católica de Goiás. Especialista em

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita)

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) WWW.CETCAF.COM.BR AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) Autores: Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira ÍNDICE Pág. Prefácio... 03 Ações a Serem

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 O SISTEMA LOGÍSTICO DO MILHO EM UM ARMAZÉM GRANELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ: UM ESTUDO DE CASO Luiz

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL Maria Goretti Gurgel Mota de Castro Engenheira de Pesca - UFC/CE, Especialização em Engenharia Ambiental - Faculdade

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS Gustavo Silva de Carvalho (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Alagoas, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

Subsídios para o uso sustentável da água em uma indústria de laticínio de pequeno porte: avaliação do consumo e geração de efluentes

Subsídios para o uso sustentável da água em uma indústria de laticínio de pequeno porte: avaliação do consumo e geração de efluentes Subsídios para o uso sustentável da água em uma indústria de laticínio de pequeno porte: avaliação do consumo e geração de efluentes Subsidies for sustainable water use in a small dairy industry: assessment

Leia mais

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE Para refletir A Água A água, tal como o Sol, é essencial para a vida na Terra. A água é

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO Avenida

Leia mais

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM María del Pilar Durante Ingunza (1) Geóloga/Universidad Complutense de Madrid/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/Universidad Politécnica de Madrid/Espanha,

Leia mais

Produção Integrada da Batata DESTINO CORRETO DAS ÁGUAS RESIDUÁRIAS RIAS DA LAVAGEM DA BATATA. Prof. Alisson Borges DEA-CCA-UFV Araxá, agosto de 2007

Produção Integrada da Batata DESTINO CORRETO DAS ÁGUAS RESIDUÁRIAS RIAS DA LAVAGEM DA BATATA. Prof. Alisson Borges DEA-CCA-UFV Araxá, agosto de 2007 Produção Integrada da Batata DESTINO CORRETO DAS ÁGUAS RESIDUÁRIAS RIAS DA LAVAGEM DA BATATA Prof. Alisson Borges DEA-CCA-UFV Araxá, agosto de 2007 Poluição Ambiental Todos têm direito ao meio ambiente

Leia mais

Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça.

Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça. Geração de energia elétrica a partir do tratamento anaeróbico da vinhaça. Suelem Correia GARCIA¹; Rutiele Tamara Januário RODRIGUES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA². ¹Estudante de Engenharia de Produção

Leia mais

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 HISTÓRICO 70 década da água 80 década do ar 90 década dos resíduos sólidos Histórico

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS Área Temática Saneamento Ambiental Responsável pelo Trabalho Roberta Steffany Stangl Galharte - Endereço:Rua

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO Karine Cardoso Custódio PASTANA (UFPA) e-mail:karineccpastana@gmail.com Tatiana Almeida de OLIVEIRA

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE:

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE: ATO nº 03/2009 Dispõe sobre a criação e normatização do Programa de Recebimento de Efluentes Especiais (PRESS) pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sorocaba O DIRETOR GERAL do Serviço Autônomo de

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior INTRODUÇÃO Esgoto Sanitário Características variáveis em função: de sua origem; da hora de produção; da extensão da rede coletora

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES EXTERNOS QUE OCASIONAM AMEAÇAS NO SETOR MANDIOQUERIO NO MUNICÍPIO DE IVINHEMA-MS

IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES EXTERNOS QUE OCASIONAM AMEAÇAS NO SETOR MANDIOQUERIO NO MUNICÍPIO DE IVINHEMA-MS IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES EXTERNOS QUE OCASIONAM AMEAÇAS NO SETOR MANDIOQUERIO NO MUNICÍPIO DE IVINHEMA-MS Ivete Aparecida SCHUROFF 1 ; Erica Schuroff LIRANÇO 3 ; Heloisa Carla Xavier Marthos dos SANTOS

Leia mais

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA Cristiane Silveira Tecnóloga em Gerenciamento Ambiental pela Universidade

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS Aline Pires Veról(1) Graduanda em Engenharia Civil Escola Politécnica/UFRJ, Bolsista IC-CNPq/PROSAB Maria Cristina

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0003/2015 A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS Marco Túlio Rocha Porto* Engenheiro Civil, Mestrando em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil 1 Majane Marques Dias Lessa 2 Ana Alexandrina Gama da Silva RESUMO: Este estudo apresenta os resultados obtidos

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA.

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. OLIVEIRA, Graciela Aparecida Bueno de. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail : gracielagabo@hotmail.com

Leia mais

SISTEMA DE SEPARAÇÃO DE ÁGUA E ÓLEO EM ATIVIDADES AUTOMOTIVAS CONSIDERAÇÕES GERAIS

SISTEMA DE SEPARAÇÃO DE ÁGUA E ÓLEO EM ATIVIDADES AUTOMOTIVAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Adriano da Silva Leppa SISTEMA DE SEPARAÇÃO DE ÁGUA E ÓLEO EM ATIVIDADES AUTOMOTIVAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo apresentado na disciplina de Estágio Supervisionado do curso técnico em química do Centro

Leia mais

II-153 - Avaliação de uma Estação de Tratamento de Esgoto Compacta, do tipo Discos Biológicos Rotativos DBR

II-153 - Avaliação de uma Estação de Tratamento de Esgoto Compacta, do tipo Discos Biológicos Rotativos DBR II-153 - Avaliação de uma Estação de Tratamento de Esgoto Compacta, do tipo Discos Biológicos Rotativos DBR Sandra Parreiras P. Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre em Irrigação

Leia mais

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16 SUMÁRIO Introdução... 1 Objetivo... 3 Geral... 3 Específicos... 3 Justificativa... 3 Metodologia... 3 Área de Estudo... 3 Resultados e Discussões... 5 Análise dos Parâmetros Físico-Químicos... 5 Demanda

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA

Leia mais

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC Brayam Luiz Batista Perini (1) Engenheiro Químico (PUC-PR), Mestrando em Engenharia de Processos (UNIVILLE),

Leia mais

Paulo Sidney Gomes Silva¹ Criste Jones Bessa Simão² Edivânia Gracielle Silva³

Paulo Sidney Gomes Silva¹ Criste Jones Bessa Simão² Edivânia Gracielle Silva³ TRATAMENTO DE EFLUENTES OLEOSOS DE ATIVIDADE PETROLÍFERAS UTILIZANDO TÉCNICA DE MICROBOLHAS DESENVOLVIDA PELA EMPRESA SERVINDU NÃO-RESIDENTE DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE MOSSORÓ. Paulo Sidney Gomes Silva¹

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

RESÍDUOS GERADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA COM DESCARGAS DIÁRIAS

RESÍDUOS GERADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA COM DESCARGAS DIÁRIAS RESÍDUOS GERADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA COM DESCARGAS DIÁRIAS Francisco Gláucio Cavalcante de Souza (*) Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) Universidade de São Paulo (USP). Engenheiro civil

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO José Carlos Trindade Filho. IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial, Fecilcam, jctf_epa@hotmail.com Me. Nabi Assad

Leia mais

BENEFICIAMENTO DE GRÃOS

BENEFICIAMENTO DE GRÃOS BENEFICIAMENTO DE GRÃOS 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Aterros no Estado de São Paulo. Eng.º Thiago Marcel Campi Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto

Licenciamento Ambiental de Aterros no Estado de São Paulo. Eng.º Thiago Marcel Campi Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto Licenciamento Ambiental de Aterros no Estado de São Paulo Eng.º Thiago Marcel Campi Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto CETESB PRESIDÊNCIA (P) VICE- PRESIDÊNCIA (V) DIRETORIA DE GESTÃO COORPORATIVA (A)

Leia mais

PUBLICAÇÕES CPRH / MMA - PNMA11

PUBLICAÇÕES CPRH / MMA - PNMA11 162 DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL - LITORAL NORTE 163 -.1 - Compondo uma rede hidrográfica relativamente densa e perene, as águas superficiais do Litoral Norte refletem, através de sua qualidade, o estado

Leia mais

II-035 SEPARAÇÃO DE FASES SÓLIDO-LÍQUIDO DE DEJETOS DE SUÍNOS

II-035 SEPARAÇÃO DE FASES SÓLIDO-LÍQUIDO DE DEJETOS DE SUÍNOS II-35 SEPARAÇÃO DE FASES SÓLIDO-LÍQUIDO DE DEJETOS DE SUÍNOS José Luiz Rocha Oliveira (1) Engenheiro Sanitarista e Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestrando do Programa de

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Aprova a proposta para implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, nas bacias hidrográficas

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar. Volume 2. Caracterização da Área

Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar. Volume 2. Caracterização da Área Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar Volume 2 Caracterização da Área 7.5.6 Metal-mecânica No presente trabalho a indústria metal-mecânica

Leia mais