P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159"

Transcrição

1 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 C A P Í T U L O 1 4 Empresas de serviços Pergunta aos consultores e aposto que, para a maioria, a primeira afirmação do cliente é: Nossa empresa é diferente. O que, evidentemente, é verdade; todo negócio é único. Por outro lado, todas as empresas se fundamentam num núcleo comum de conceitos, princípios e técnicas. Veja o caso das pessoas. Todos os indivíduos são diferentes e singulares. No entanto, todos estão sujeitos aos mesmos princípios básicos de comportamento e motivação. O mesmo se aplica aos produtos. Cereais para o café da manhã são diferentes de computadores, que são diferentes de automóveis, e assim por diante. Todavia, os princípios básicos de marketing se aplicam a todos os produtos. DIFERENTES, PORÉM A MESMA COISA A aplicação dos fundamentos é de fato uma tarefa difícil, para a qual os gerentes são remunerados e na qual geralmente se saem bem. Os gerentes devem adaptar os conceitos básicos e os princípios gerais, às circunstâncias específicas de cada empresa. Da mesma maneira, os exemplos utilizados nos capítulos anteriores devem ser ajustados e modificados para se encaixarem nas características e problemas de cada empresa em particular. Este capítulo utiliza as ferramentas e técnicas de análise do lucro, abordadas nos capítulos precedentes, às empresas de serviços. Essas entidades de negócios não vendem produtos físicos, e isso ocorre é algo esporádico e fortuito. As diferenças de comportamento do lucro e do caixa entre empresas de produtos e empresas de serviços são muito interessantes. EXEMPLO DE EMPRESA DE SERVIÇO As empresas de serviços abrangem atividades de faxina, revelação de filmes fotográficos, hotéis, hospitais, linhas aéreas, transporte de carga, auditorias, barbearias, fotografia, teatro, cinema, parque de diversões e assim por diante. O setor de serviços é a maior categoria econômica genérica, embora extremamente diversificada.

2 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 160 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO BALANÇO PATRIMONIAL NO FIM DO EXERCÍCIO FLUXO DE CAIXA DO EXERCÍCIO DO EXERCÍCIO A empresa de serviços não vende produtos: assim, não apresenta as linhas de custo das mercadorias vendidas e de lucro bruto. A empresa de serviços não tem estoques ou contas a pagar referentes à compra de estoques Receita de vendas Custo das mercadorias vendidas Lucro bruto Despesas operacionais variáveis: Induzidas pela receita de vendas ( ) Induzidas pelo volume de vendas ( ) Margem de contribuição Despesas fixas: Despesas operacionais ( ) Despesas de depreciação ( ) Lucro operacional Despesas financeiras (76.650) Lucro antes do Imposto de Renda Provisão para o Imposto de Renda ( ) Lucro Líquido Ativo Operacional Caixa e bancos Contas a receber Estoques Despesas pagas antecipadamente Ativo imobilizado ao custo histórico Depreciação acumulada ( ) Total do ativo operacional Passivo Operacional Contas a pagar Estoques Despesas operacionais Total de contas a pagar Despesas acumuladas Operações Juros Total de despesas acumuladas I. renda a recolher Total do passivo operacional Ativo operacional líquido Fontes de Capital Empréstimos e financiamentos a curto prazo Empréstimos e financiamentos a longo prazo Total de empréstimos e financiamentos onerosos Capital social Lucros acumulados Total do patrimônio líquido Total dos empréstimos e financiamentos e do patrimônio líquido Atividades operacionais Lucro líquido Variações nos ativos e passivos do ciclo operacional Aumento em contas a receber (96.404) Aumento em estoques ( ) Aumento em despesas antecipadas (24.341) Aumento em contas a pagar Aumento em despesas acumuladas Aumento em imposto de renda a recolher Caixa gerado pelas operações Depreciação Caixa gerado pelo lucro Atividades de Investimento Aquisição de imobilizado ( ) Atividades financeiras Aumento líquido nas dívidas de curto prazo Empréstimos de longo prazo Emissão de ações Pagamento de dividendos (93.750) Aumento (redução) do caixa durante o ano (56.267) Figura Linhas riscadas na empresa de serviços.

3 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 161 No entanto, é possível desenvolver um exemplo geral que sirva como referencial relevante para uma vaga gama de empresas de serviços. Este paradigma pode ser modificado para se enquadrar nas características específicas de qualquer empresa de serviços. Demonstração do Resultado do exercício Receita de vendas Despesas operacionais variáveis Induzidas pelo volume de vendas ( ) Induzidas pela receita de vendas ( ) Margem de contribuição Despesas fixas: Despesas operacionais ( ) Despesa de depreciação ( ) Lucro operacional Despesas financeiras (32.000) Lucro antes do imposto de renda Provisão para o imposto de renda ( ) Lucro líquido O ROE é de 20,3%, mas lembre-se de que este resultado depende do tipo de serviço. O ROE de uma empresa de serviços públicos, por exemplo, talvez seja muito inferior, em decorrência da regulamentação. Balanço Patrimonial no fim do exercício Ativo Operacional Caixa e bancos Contas a receber Despesas pagas antecipadamente Ativo imobilizado ao custo histórico Depreciação acumulada ( ) Total do ativo operacional Passivo Operacional Contas a pagar Despesas operacionais Despesas acumuladas Operações Juros Total das despesas acumuladas Imposto de renda a recolher Total do passivo operacional Ativo operacional líquido Fontes de Capital Empréstimos e financiamentos a curto prazo Empréstimos e financiamentos a longo prazo Total de financiamentos onerosos Capital social Lucros acumulados Total do patrimônio líquido Total dos empréstimos e financiamentos e do patrimônio líquido Mudanças (em comparação com a Figura 14.1 do exemplo da empresa de produtos): Não há estoques nem contas a pagar referentes à compra de estoques. Esporadicamente, ocorrem vendas de produtos juntamente com os serviços; o saldo de estoque desses produtos geralmente é incluído em despesas antecipadas, o que se aplica a este exemplo. Em vez de custo das mercadorias vendidas, as despesas de serviços apresentam, em geral, grandes despesas operacionais fixas. Assim, todo o custo das mercadorias vendidas do outro exemplo foi transferido para despesas operacionais fixas. O capital de terceiros e o capital próprio são mais baixos, em face da menor necessidade de capital para financiamento de um ativo operacional líquido mais alto. Figura Exemplo de demonstração do resultado e de balanço patrimonial de uma em presa de serviços.

4 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 162 Volume de vendas Receita de vendas Despesas operacionais variáveis: Induzidas pelo volume Induzidas pela receita Margem de contribuição Volume de vendas Receita de vendas Despesas operacionais variáveis: Induzidas pelo volume Induzidas pela receita Margem de contribuição Exemplo básico Mudanças unidades sem alteração Totais Por unidade Totais Por unidade R$ R$ R$ R$ , , , , , , ,90 Exemplo básico Mudanças unidades unidades Totais Por unidade Totais Por unidade R$ R$ R$ R$ , , , , A diferença no aumento da margem de contribuição entre os dois tipos de mudança não é muito grande a única discrepância é o aumento nas despesas induzidas pelo volume, no caso do aumento de vendas, que não ocorre no caso de maior preço de venda. O aumento no volume de vendas talvez provoque aumento nas despesas fixas, se a empresa já estiver operando na ou próximo da capacidade. Figura Comparação de um aumento de 10% no preço de venda com um aumento de 10% no volume de vendas no caso de uma empresa de serviços. A esta altura, o leitor já deve estar bastante familiarizado com a empresa de produtos do exemplo, utilizada desde o primeiro capítulo. Em vez de introduzir um novo exemplo, converteremos o exemplo da empresa de produtos em exemplo de empresa de serviços para ressaltar as diferenças básicas entre os dois tipos de negócios. A Figura 14.1 apresenta (pela última vez) as demonstrações financeiras da empresa de produtos, mas com algumas contas riscadas. Estas são as contas que não se encontram nas demonstrações financeiras de uma empresa de serviços. Conceito Chave A empresa de serviços não vende produtos. Assim, no balanço patrimonial, a conta de estoques e as demais contas relacionadas com estoques estão riscadas, o mesmo ocorrendo com a rubrica contas a pagar, referente a compra para estoques. Na demonstração do resultado, também estão riscadas a conta custo das mercadorias vendidas e a linha do lucro bruto. Na demonstração do fluxo de caixa, a linha variações nos estoques está riscada. Além disso, a rubrica contas a pagar seria afetada.

5 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 163 A Figura 14.2 apresenta a empresa do exemplo num negócio de serviços e serve de base para o restante do capítulo. Como não precisa manter estoques, empresa de serviços necessita de menos capital. Assim, os níveis de capital de terceiros são menores no exemplo da empresa de serviços. As notas na Figura 14.2 comentam as alterações em relação ao exemplo da empresa de produtos. O resultado da última linha (lucro líquido) é um pouco maior, em conseqüência da redução das despesas financeiras (o exemplo da empresa de serviços exige menos capital de terceiros). Mas a mudança mais importante é a eliminação do custo das mercadorias vendidas na demonstração do resultado. Observe na Figura 14.2 que as linhas do custo das mercadorias vendidas e do lucro bruto estão apagadas, pois a empresa de serviços não vende produtos. No exemplo, todo o valor do custo das mercadorias vendidas é transferido para as despesas operacionais fixas da empresa, que é a maior despesa na demonstração do resultado. Mesmo que, por definição, a empresa de serviços venda serviços e não produtos, esporadicamente a empresa vende produtos, juntamente com os serviços. Por exemplo, um negócio de reprografia, ao vende cópias, também vende papel. Evidentemente, o objeto principal do negócio é o serviço de cópias, não o papel. Da mesma maneira, as empresas de aviação vendem transporte, mas também fornecem refeições e bebidas a bordo. Os hotéis não são de fato negócios de venda de toalhas e cinzeiros, mas sabem que muitos hóspedes levam esses objetos com eles na saída. De fato, muitas empresas de serviços pessoais e profissionais, como as empresas de arquitetura e auditoria, não vendem qualquer produto. Algumas despesas das empresas de serviços variam com o total da receita de vendas. Os exemplos típicos são descontos de cartões de créditos e comissões de venda. As empresas de serviços também apresentam algumas despesas que variam no volume de vendas por exemplo, o número de passageiros na empresa de aviação e o número de hóspedes no hotel afetam diretamente certas despesas variáveis no negócio. Dica A maioria das empresas de serviços carrega grandes despesas fixas. Os serviços exigem pessoas, as empresas de serviços têm uma grande quantidade de empregados com salários fixos ou que, nos Estados Unidos, recebem por hora, mas considerando a semana fixa de quarenta horas. Outras, como cinemas e linhas aéreas, efetuam grandes investimentos de capital em edifícios e/ou equipamentos, ou pagam aluguéis fixos por esses ativos. Assim, o exemplo inclui um valor elevado em despesas fixas.

6 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 164 As duas despesas operacionais variáveis da empresa são relativamente pequenas, em comparação com a receita de vendas, o que é muito diferente da situação da empresa de produtos. Observe que a margem de contribuição é uma porcentagem muito elevada da receita de vendas. R$ ,00 (margem de contribuição) R$ ,00 (receita de vendas) = R$ 83,9% (margem de contribuição). Parta da premissa de que o volume de vendas anual da empresa é ,00 unidades de serviço, não importa o tipo de unidade de serviço horas faturáveis de um escritório de advocacia, número de ingressos de um cinema, passageiros-milhas numa empresa de aviação, e assim por diante. A empresa vende os serviços por R$ 10,00 a unidade e gera a margem de contribuição de R$ 8,39 por unidade. MUDANÇAS DE 10% Qual seria o impacto sobre o lucro resultante de um aumento de 10% no preço de venda, em comparação com um aumento de 10% no volume de vendas, no exemplo da empresa de serviços? A Figura 14.3 mostra a resposta. Observe que o fator volume de vendas foi adicionado ao quadro. Para uma transportadora de longa distância, por exemplo, a unidade é toneladasmilhas. A maioria das empresas de serviços usa um denominador comum para o volume de vendas. A Figura 14.3 demonstra que a mudança de 10% no volume de vendas aumentaria a margem de contribuição em aproximadamente tanto quanto a mudança de 10% no preço de venda. (As despesas induzidas pelo volume de vendas não aumentariam com o incremento no preço de venda.) Esta comparação apresenta um forte contraste com a situação da empresa de produtos, nas quais as mudanças no preço de venda afetam muito mais o lucro do que as mudanças no volume de vendas. No caso da mudança de serviços, o aumento no preço de venda em cima da margem de contribuição unitária já relativamente alta não causa tanto impacto com o aumento no preço de venda da empresa de produtos, na qual a margem de contribuição unitária é uma base muito mais baixa para a adição do aumento no preço de venda. Em síntese, a mudança tanto no preço como no volume aumenta a receita de vendas e as despesas induzidas pela receita de vendas em

7 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l %; a única diferença é que uma também aumenta as despesas induzidas pelo volume de vendas ao contrário da outra. Conceito Chave O outro aspecto crítico para a análise do lucro é a grande base das despesas operacionais fixas. A Figura 4.3 parte da premissa de que os custos fixos permanentes constantes em ambas as alternativas, embora, conforme observado na figura, se a empresa já estivesse operando na ou próximo da capacidade, talvez fosse necessário aumentar os custos fixos no caso de aumento no volume de vendas. Os custos fixos proporcionam capacidade, que se referem ao maior número possível de horas de trabalho durante o ano na empresa de serviços pessoais ou ao maior número possível de passageiros-milhas de vôo da empresa de aviação, e assim por diante. A principal preocupação é se a capacidade está sendo plenamente utilizada ou não. Alguma folga ou ociosidade é normal. Mas quando o volume de vendas fica muito aquém da capacidade e a gerência não tem condições de aumentar o volume de vendas, a única opção é reduzir a força de trabalho. Conceito Chave MUDANÇAS NO FLUXO DE CAIXA Agora, convém dar uma olhada rápida nos impactos sobre o fluxo de caixa decorrentes de uma mudança de 10% - digamos, a mudança de 10% no preço de venda. A Figura 14.4 apresenta o impacto sobre o caixa gerado pelo lucro (antes da depreciação) no caso de aumento no preço de venda. A mudança no lucro líquido é igual aos R$ ,00 de aumento na margem de contribuição (ver Figura 14.3), menos o imposto de renda à alíquota de 34%, no valor de R$ ,00 ou seja, o lucro líquido aumenta em R$ ,00. Contas a receber sofreria um bom aumento, que não seria assim tão grande em despesas pagas antecipadamente. Essas duas mudanças negativas no fluxo de caixa seriam parcialmente compensadas pelos aumentos nos dois itens do passivo operacional e no imposto de renda a recolher. No total, o aumento no caixa gerado pelo lucro não é muito inferior ao aumento no lucro. Evidentemente, não examinamos se a empresa seria capaz de efetuar o aumento de 10%

8 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 166 no preço, sem efeitos adversos sobre a demanda. Assim, passaremos em seguida para o tradeoff preço de venda e volume de venda. Mudanças na demonstração do resultado (a partir da Figura 14.3) Receita de vendas Despesas operacionais variáveis: Induzidas pelo volume de vendas Induzidas pela receita de vendas Margem de contribuição Despesas fixas: Despesas operacionais Despesa de depreciação Lucro operacional Despesas financeiras Lucro antes do imposto de renda Provisão para o imposto de renda Lucro líquido Variações pro forma no fluxo de caixa operacional decorrentes de: Aumento em contas a receber Aumento em despesas antecipadas (4.630) Aumento em contas a pagar Aumento em despesas acumuladas Aumento em imposto de renda a recolher Aumento no lucro líquido Aumento líquido no caixa gerado pelo lucro Nota: As variações no ativo e no passivo operacional estão baseadas nos índices operacionais da empresa. Por exemplo, o saldo final de contas a pagar é igual 3/52 das despesas operacionais variáveis anuais no caso em questão. Assim, um aumento nas despesas operacionais aumentaria contas a pagar na mesma proporção. No ano, o caixa gerado pelo lucro ou pelas atividades operacionais aumentaria quase tanto quanto o aumento no lucro líquido. Figura Impacto sobre o fluxo de caixa decorrente de um aumento de 10% no preço de venda numa empresa de serviços. Perigo DECISÕES DO TIPO TRADE-OFF: SEJA CUIDADOSO Imagine que a empresa de serviços esteja analisando uma redução de 10% no preço de venda. Prevê que o volume de vendas aumentaria em pelo menos 10%, talvez mais. Já analisamos essa situação de trade-off para a empresa de produtos (ver Capítulo 11). O resultado foi uma redução muito grande no lucro. O mesmo se aplica à empresa de serviços? A Figura 14.5 mostra que os resultados para a empresa de serviços não são tão ruins como o declínio acentuado no caso da empresa de produtos. A empresa de serviços ainda geraria lucro, mas estaria usando mais capacidade (força de trabalho) para ganhar menos dinheiro um trade-off não muito bom.

9 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 167 A margem de contribuição cairia em R$ ,00, redução de apenas 1,8%. Mas o impacto sobre a última linha do resultado seria uma diminuição de R$ ,00 depois do imposto, ou seja, queda de 20,8%. Isso é muito menos do que o enorme decréscimo que ocorre nos exemplos da empresa de produtos. A principal razão para a queda percentual muito menor no lucro é o fato de que a margem de contribuição unitária não receberia um impacto tão grande como no caso de empresa de produção. Aqui, a margem de contribuição unitária cai R$ 0,90, ou 10,7%. É mau; o aumento no volume de vendas não chega a compensar esse declínio na margem de contribuição unitária. Mais uma vez, sempre que o volume de vendas aumenta, a gerência deve analisar com cuidado as despesas fixas da empresa, assegurando-se da desnecessidade de aumentos para atender ao maior volume de vendas. É o oposto desse trade-off de 10%? Suponha um aumento de 10% no preço, com a redução de apenas 10% no volume. Nas empresas de produtos, esse trade-off acarreta um grande aumento percentual o lucro. Mas não no caso de empresas de serviços. Novamente, a Figura 14.5 ajuda a determinar o aumento no lucro. A receita de vendas diminuiria em R$ ,00, como mostra a Figura 14.5 (A venda de 90 unidades a R$ 110,00 dá o mesmo resultado da venda de 110 unidades a R$ 90,00; em ambos os casos, o total da receita de vendas é de R$ 9.900,00 ou 1% a menos do que a venda de 100 unidades a R$ 100,00 por unidade.) Assim, as despesas induzidas pela receita de vendas diminuiriam em R$ 6.019,00, pois correspondem a 10,0% da receita de vendas na empresa do exemplo. E as despesas induzidas pelo volume diminuiriam em 10%, ou R$ ,00. Mas essas duas reduções nas despesas não são suficientes para compensar a queda na receita de vendas. A empresa perderia parte da margem de contribuição e o resultado da última linha sofreria as conseqüências. O aumento do preço em 10% e o corte de 10% no volume não é uma boa iniciativa, a não ser que a empresa conseguisse reduzir substancialmente as despesas fixas, em decorrência da redução do volume de vendas. Conforme já mencionado antes, o downsizing de uma empresa estabelecida é muito difícil, e abrir mão de participação de mercado vai contra a índole da maioria dos gerentes. Ponto Final Sob muitos aspectos, as demonstrações financeiras das empresas de serviços não são assim tão diferentes daquelas das empresas de produtos embora, evidentemente, existam algumas

10 Volume de vendas = P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 168 Receita de vendas distorções. No caso das empresas de serviços, não existe a linha do custo das mercadorias Menos: Custo das vendidas na demonstração do resultado e as linhas de estoques e de contas a pagar resultantes mercadorias de compras para estoques no balanço patrimonial. Algumas empresas serviços, como vendidas transportadoras e prestadoras de serviços públicos de gás e eletricidade, são muito intensivas em Margem bruta capital. Outras, como as de serviços profissionais, por exemplo, auditorias e escritórios de Menos: Despesas operacionais advocacia, necessitam de relativamente poucos ativos operacionais de longo prazo. variáveis Induzidas pelo volume de vendas As mesmas ferramentas analíticas são úteis para ambos os tipos de negócios. Este capítulo Induzidas pela receita de vendas demonstra como usar os métodos de análise do lucro e do fluxo de caixa nas empresas de Margem de contribuição Despesas fixas Despesas operacionais Despesas de depreciação Lucro operacional Despesas financeiras Lucro antes do imposto de renda Provisão para o imposto de renda Lucro líquido serviços. As ferramentas para a avaliação do desempenho dos investimentos, assim como outras ferramentas discutidas neste livro, também são úteis para as empresas de serviços.

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Demonstrativo do Fluxo de Caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Fluxo de Caixa Caixa = caixa em espécie, dinheiro em banco e investimentos de curto prazo.

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Demonstrações Financeiras Externas

Demonstrações Financeiras Externas P A R T E I D e m o n s t r a ç õ e s F i n a n c e i r a s p a r a G e r e n t e s 16 C A P Í T U L O 2 Demonstrações Financeiras Externas O que o mundo sabe sobre sua empresa As demonstrações financeiras

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Ponto de equilíbrio e geração de lucros

Ponto de equilíbrio e geração de lucros P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 90 C A P Í T U L O 8 Ponto de equilíbrio e geração de lucros Como vimos, a empresa do exemplo gerou lucro no findo e auferiu um ROE razoavelmente satisfatório.

Leia mais

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período,

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, por meio eo da exposição posção dos fluxos de recebimentos

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2010 2009 CIRCULANTE Caixa e bancos 422.947 20.723 Contas a receber 4 698.224 903.098 Outras contas a receber 5 3.304.465 121.908 Estoques 14.070

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Apresentação dos Resultados 3T06

Apresentação dos Resultados 3T06 Apresentação dos Resultados 3T06 Aviso Legal Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO. Aracaju - SE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O CIRCULANTE 160.805.445 138.417.

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO. Aracaju - SE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O CIRCULANTE 160.805.445 138.417. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O 2008 2007 CIRCULANTE 160.805.445 138.417.550 DISPONIBILIDADES 19.838.758 6.355.931 Caixa e bancos 2.931.388 3.021.874 Aplicações de liquidez imediata 16.907.370

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I)

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Procedimentos um guia prático Análise dos procedimentos Método direto e indireto Caso prático Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc.

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc. DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Regime de Caixa Regime de Competência X DFC: Objetivo/finalidade Permitir que investidores, credores e outros usuários avaliem:

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

10 pontos mais importantes sobre finanças para. Pequenas Empresas:

10 pontos mais importantes sobre finanças para. Pequenas Empresas: 10 pontos mais importantes sobre finanças para Pequenas Empresas: Por Joseph Anthony Freqüentemente, contadores e consultores especializados em pequenas empresas dizem que estas não prestam atenção suficiente

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ORIENTAÇÕES RECEBIDAS DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE,

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - EXEMPLO PRÁTICO

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - EXEMPLO PRÁTICO COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - PRÁTICO! Exemplo prático de conversão de um demonstrativo contábil para moeda estrangeira Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A Como estruturar o orçamento? A importância dos centros de custos. O plano de contas orçamentário. Qual a função da árvore de produtos? Autores: Carlos Alexandre Sá(carlosalex@openlink.com.br)

Leia mais

2.1. Giro dos Estoques O giro dos estoques geralmente mede a atividade, ou liquidez, dos estoques da empresa. Quanto maior for o valor dos estoques, maior será a necessidade de capital de giro da empresa.

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras. Análise de Índices

Análise das Demonstrações Financeiras. Análise de Índices Análise das Demonstrações Financeiras Análise de Índices Análise de Índices Relaciona itens e grupos de itens do Balanço Patrimonial e do Demonstrativo de Resultados. É útil para a análise de crédito e

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

Programas de Auditoria para Contas do Passivo

Programas de Auditoria para Contas do Passivo Programas de Auditoria para Contas do Passivo ATIVO CIRCULANTE Auditoria Contábil PASSIVO E PATRIMÔMIO LÍQUIDO CIRCULANTE Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

AULA 8: FLUXO DE CAIXA

AULA 8: FLUXO DE CAIXA AULA 8: FLUXO DE CAIXA E os estudos, na reta final? A pedidos estou colocando a aula de Demonstração do Fluxo de Caixa. Como é uma matéria nova em Contabilidade Geral, estou fazendo uma introdução teórica

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250 MÚLTIPLA ESCOLHA 1 Não integra o Ativo: a contas representativas de origem dos recursos b contas com saldo devedor c contas representativas de bens d contas representativas de direitos e capital fixo e

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos.

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos. NBC TSP 5 Custos de Empréstimos Objetivo Esta Norma indica o tratamento contábil dos custos dos empréstimos. Esta Norma geralmente exige o reconhecimento imediato no resultado do exercício dos custos dos

Leia mais