Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?"

Transcrição

1 i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata Lèbre La Rovere A configuração atual do contexto capitalista promove uma sociedade dinâmica e globalizada em que o conhecimento ganha importância como um fator de produção. A universidade é chamada a contribuir para o desenvolvimento local e o grande desafio, nesse contexto de incerteza, é ampliar a relação entre as universidades e o setor produtivo em busca de maior autonomia econômica e social. Nesse capítulo, discute-se o relacionamento entre a universidade e as empresas a partir da percepção dos atores da Universidade Estadual de Goiás/Brasil (UEG) e das empresas locais do setor de turismo e se essa relação contribui para a solução de problemas e para inovação diante da seguinte questão: como se dá o relacionamento entre UEG e as empresas locais? No Brasil, os incentivos para a inovação vêm da Lei de Inovação (2004) que regula a relação entre as universidades e o setor privado e motiva esse estudo. Essa referência legal legitima a investigação conjunta, permitindo que os pesquisadores permaneçam na universidade e que as empresas complementem seus investimentos internos em P&D. 211

2 A hipótese é que os atores centrais da universidade e das empresas em Goiás perceberam a urgente necessidade de se considerar o papel interativo da universidade em uma sociedade cada vez mais baseada no conhecimento e de estabelecer parcerias que contribuam para o desenvolvimento local. Assim, a universidade foi redirecionada para considerar um novo papel econômico, educacional, política e social a partir de um diálogo entre esses atores (LUNDVALL, 2002, 2007). 1 A abordagem da hélice tríplice A escolha da abordagem da hélice tríplice (Etzkowitz, 2000) se dá devido ao foco no processo de inovação a partir da interação entre universidade, governo e empresa. Essa abordagem também considera as questões endógenas e institucionais que fortalecem o Sistema Nacional de Inovação em países em desenvolvimento e destaca a importância do papel do conhecimento. Neste sentido, a universidade é um grande ator e, por isso, tem sido conduzida a um processo de mudança que vai além do papel do ensino e da pesquisa que contribui para o desenvolvimento regional e a capacidade de transferência de tecnologia e inovação. Atores institucionais devem assumir novos papéis e funções nesse contexto em que o conhecimento é um insumo importante para o desenvolvimento socioeconômico. Ao repensar o seu papel na promoção da inovação a partir da interação com a empresa e o governo, a universidade deve gerar atividade econômica por meio dos resultados das atividades de pesquisa. O objetivo do modelo hélice tríplice é transformar a relação entre universidades e empresas em um modelo interativo de inovação que se concentra na construção de redes de produção de conhecimento que permitem a interface com o setor produtivo em um ambiente que gera uma dinâmica e cria uma universidade empreendedora. O contexto brasileiro, especificamente, em Goiás, revela a fragilidade da articulação entre as instituições (universidades, empresas e governo) e a relação entre as universidades e as empresas locais tem sido explicada por diferentes abordagens devido a sua grande complexidade, mas, nesse estudo, considera-se o modelo hélice tríplice na descrição e análise da percepção dos atores centrais da UEG e das empresas de turismo do Estado. 212 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

3 2 Metodologia Este capítulo apresenta um estudo de caso (Yin, 2001) com duas perspectivas: a da universidade e a das empresas de turismo. Optou-se, ainda, por uma abordagem qualitativa e descritiva e por teorias evolucionistas sobre o processo de inovação. Na primeira parte, apresenta-se a descrição e análise de questionários e entrevistas com os principais atores centrais da UEG diretores, professores e coordenadores de ensino, pesquisa e extensão acerca da sua percepção do relacionamento entre a UEG e as empresas locais. Na segunda parte, apresenta-se a descrição e a análise das entrevistas com os atores centrais das empresas locais do setor do turismo gerentes de hotéis de duas regiões turísticas de Goiás, a fim de compreender a percepção dos atores das empresas sobre o relacionamento entre o setor e a UEG. Percepção dos atores da UEG A primeira parte do estudo de caso apresenta as percepções dos atores centrais da UEG. A proposta inicial dessa universidade estava relacionada com as diferentes necessidades da região e, em sua primeira década, o seu principal objetivo era a formação de recursos humanos e de professores. Desde a sua criação e em sua evolução, a UEG busca parcerias locais porque a cooperação entre os diferentes segmentos tem sido fundamental para a sua manutenção. As respostas sobre a existência de relacionamento entre a UEG e as empresas revelam que os atores centrais entendem que existe algum tipo de relacionamento. Um exemplo disso foi a oferta de cursos de graduação, mantidos com a ajuda das prefeituras e dos sindicatos de professores. No entanto, mesmo que tenha havido relacionamento entre as instituições públicas locais, as parcerias com as empresas privadas são menos frequentes. Essa percepção é confirmada pelos professores que concordam que há algum tipo de interação com os atores locais e acrescentam que a relação não é só com instituições de ensino e órgãos governamentais ligados aos cursos existentes, mas também com as empresas. Destacam, ainda, que o relacionamento com as empresas contribui com as atividades de ensino como o estágio supervisionado. Quanto ao tipo de relacionamento, a percepção dos atores centrais é diferente. Os diretores e coordenadores de pesquisa indicam uma relação de prestação de serviços, caracterizada principalmente pelo incentivo e auxílio em eventos realizados na Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? 213

4 universidade. Os coordenadores de ensino e de extensão apontam para o convênio com o projeto de pesquisa. Portanto, entende-se que a prestação de serviço e convênios com o projeto de pesquisa são consideradas estratégias para o relacionamento e que o desenvolvimento de equipamentos, transferência de tecnologia e desenvolvimento de software, por exemplo, não se constituem estratégias para esse tipo relacionamento nessa universidade. As entrevistas com os atores oferecem mais explicações sobre o tipo de relação entre UEG e empresa. Para os professores, esse relacionamento pode ser formal ou informal e, frequentemente, ocorre a partir da atividade considerada mais importante: o ensino, indicando que esse relacionamento ocorre a partir da difusão do conhecimento e da formação de recursos humanos. Assim, os diferentes atores acreditam que as atividades de ensino, especialmente, a de estágio supervisionado, motivam a interação da UEG com a empresa local. Eles também destacam que a área de conhecimento dos professores pode definir essa interação, desde que atenda ao interesse da empresa local. Este tipo de relação é estabelecido por relações sociais informais na comunidade local que permitem a confiança entre as partes interessadas e estabelecem uma cultura de aprendizagem entre os pares cooperativamente. Mesmo que isso ocorra de forma esporádica, a relação com a empresa local é uma condição que tem sido parte da história da instituição, mesmo com infraestrutura frágil e sem formalidade. Na atividade de estágio supervisionado, considera-se que a aquisição do conhecimento prático combinado com a teoria facilita a aprendizagem, aumenta o nível de conhecimento e é visivelmente mais significativa para alcançar autonomia e criar uma rede de contatos essenciais para a vida profissional. O desenvolvimento de atividades em parceria com as empresas é definido por competências, equipamentos e laboratórios que devem estar disponíveis para a realização dos projetos, pois são fatores preponderantes para promover ou dificultar o tipo de relacionamento com a instituição. Constata-se que o interesse pelo relacionamento é mútuo, pois tanto o pesquisador que visa à produção e difusão do conhecimento quanto a empresa que visa ao lucro são atendidos. As áreas de engenharia e agronomia, por exemplo, realizam pesquisas aplicadas e desenvolvem atividades de ensino e pesquisa na forma de consultoria, treinamento e transferência de conhecimento para o desenvolvimento local e são consideradas potenciais atividades empresariais. Outras percepções sobre a interação da UEG com as empresas locais podem ser identificadas a partir das atividades de pesquisa e de extensão como cur- 214 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

5 sos e eventos, incluindo a participação do aluno em eventos, projetos de pesquisa e Empresa Júnior. Assim, pode-se entender que a UEG se relaciona com as empresas a partir do conhecimento teórico e prático, produzido em suas atividades pesquisa e extensão e que, a partir daí, a interação entre a UEG e as empresas permite que o aluno avance em seus estudos e contribua para a comunidade, mostrando uma infinidade de elementos que permitem um diálogo com base na experiência local. Quanto aos obstáculos para relacionamento entre a UEG e as empresas locais, os diretores e os coordenadores destacam a falta de infraestrutura, de incentivo e de interesse dos atores. Consideram, ainda, que a interação depende de recursos públicos e de apoio financeiro por parte do governo uma vez que há poucos investimentos e incentivos para essa interação. Outro obstáculo para o relacionamento entre UEG e as empresas está relacionado à área teórica porque eles entendem que para produzir um conhecimento que seja muito específico para as empresas é necessário o conhecimento da área. Nesse sentido, a cultura universitária ainda se baseia na ideia da torre de marfim em que os professores realizam suas atividades de forma individual e eles não estão interessados em desenvolvê-los de forma cooperativa com outra instituição. Assim, existem poucas iniciativas para disseminar a produção de conhecimento porque os professores não apresentam atividades de extensão. Há, portanto, falta de interesse dos professores e pouca experiência na realização de parcerias, dificultando um engajamento efetivo para este relacionamento. A cultura da universidade pode não ser capaz de tomar os ativos de conhecimento já acumulado para investir em empreendedorismo e inovação. Os professores indicam, também, alguns obstáculos para interação por parte das empresas, pois, em alguns casos, não há interesse em investimentos porque elaes preferem a imitação de produtos que já foram desenvolvidos do que o desenvolvimento de novos produtos. Isso porque essa iniciativa é de alto custo e com resultados demorados. Muitas vezes, eles preferem pagar ou quebrar patentes a criar novos produtos. Percepção das empresas locais do setor de turismo A segunda parte do estudo de caso apresenta as percepções dos atores centrais das empresas do setor do turismo sobre o relacionamento e interação entre universi- Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? 215

6 dade e empresa. O setor do turismo tem mostrado uma crescente importância econômica no estado e o desenvolvimento da capacidade de inovação dos trabalhadores do setor pode ocorrer a partir da interação e do relacionamento com a universidade. Entre as empresas do setor do turismo, foram consideradas aquelas relacionadas aos meios de hospedagem, hotéis e pousadas. Foram entrevistados gestores dos hotéis de duas regiões turísticas do Estado: a Região das Águas e a Região do Ouro. Embora haja uma proximidade geográfica, as duas regiões têm características diferentes: a Região das Águas oferece turismo de massa e a Região de Ouro oferece turismo de experiência. Ambas acreditam que a sazonalidade é uma das dificuldades do setor e investem no potencial da região como uma atração turística, sendo as águas termais na Região das Águas e a história, a cultura e a culinária local na Região de Ouro. A partir da análise das informações obtidas nas entrevistas com os principais atores das empresas sobre o relacionamento entre a UEG e as empresas do setor, destaca-se a formação do profissional que pode contribuir para a inovação no setor. Para os atores centrais das empresas, a formação no ensino superior é importante e desejável. Os gerentes de hotéis consideram que esta formação contribui para a qualificação profissional, mas destacam que a rotina de trabalho não ajuda a formação de pessoas que trabalham em hotéis porque a jornada de trabalho concorre com o horário dos cursos na UEG. Especialmente na Região das Águas, a formação do profissional do setor de turismo aconteceu em cursos técnicos de nível médio e não no ensino superior. Esse fato implica na criação de conhecimento, já que não é uma prática eficaz para discussões sobre as decisões e inovações do setor. Assim, o setor tem dificuldade em contratar e valorizar os profissionais de nível superior e a maioria contrata trabalhadores não qualificados e incentiva o trabalho informal. Neste sentido, os hotéis costumam contratar trabalhadores não qualificados e profissionais de outras áreas para fazer as atividades da forma como a empresa necessita. Como resultado, entende-se que, mesmo quando os trabalhadores do setor frequenta uma universidade, esta parece não atender às necessidades do setor uma vez que o conhecimento teórico não está relacionado às demandas das empresas. Por outro lado, na Região de Ouro, o relacionamento entre a UEG e as empresas pode ajudar na contratação de profissionais, pois incentiva a inclusão do profissional nessas empresas locais. Neste caso, porque a comunidade reconhece e valoriza o profissional formado na região. Os gerentes afirmam que os empresários do setor 216 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

7 do turismo não permitiam que os trabalhadores fossem para a universidade, mas que, atualmente, essa percepção mudou e os empresários motivam os funcionários a desenvolverem as suas capacidades e acreditam que essa formação pode contribuir no seu desempenho no hotel. Os gerentes reconhecem que há uma valorização do profissional que sai da universidade e a região absorve os profissionais treinados em universidades locais. Eles também concordam que existem atividades importantes desenvolvidas pela universidade que permitem o relacionamento entre as universidades e o setor do turismo e podem expandir a formação profissional no estado. Dentre essas atividades, foram considerados o estágio supervisionado em empresas do setor de turismo e a produção de trabalho de conclusão de curso. Na Região do Ouro, não há nenhum obstáculo em criar oportunidades de formação porque as empresas locais estão interessadas nos alunos da UEG. Tanto as empresas quanto a UEG concordam que os atores das empresas também buscam o ensino superior depois que oferecem vagas para o estágio supervisionado. Eles destacam a importância do relacionamento entre a UEG e as empresas que reconhecem o papel do curso de turismo na criação e difusão de conhecimento do setor. Na Região das Águas, ao contrário, os gerentes de hotéis criticam a forma como a UEG organiza o estágio supervisionado e seu reflexo na prática das empresas e apontam outros obstáculos na realização de atividades que promovam a interação. Os empresários afirmam que eles têm receio de trazer o aluno para a empresa e compartilhar informações importantes por considerarem que a atividade não é bem organizada e séria. O relacionamento entre a UEG e as empresas locais pode contribuir para novas formas de resolver problemas, aumentar a capacidade de inovação e de empreendedorismo dos profissionais do setor. Para os gerentes de hotéis, há capacitação, mas não há interação ou troca de experiências com aqueles que realmente experimentam as atividades de turismo. Embora existam atividades inovadoras no setor do turismo na Região de Ouro, esse debate ainda parece muito tímido, tanto nas empresas quanto na UEG, pois ainda é necessário compreender a importância e a necessidade da relação formal entre empresas e universidades. Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? 217

8 3 Considerações finais O estudo realizado revela que o modelo da hélice tríplice no relacionamento entre universidade e empresa ainda não é realidade em Goiás, pois falta articulação entre as instituições (universidades, empresas e governo) e esse modelo pode ser utilizado como uma estratégia para apontar caminhos para a criação de uma sociedade do conhecimento. A falta de infraestrutura é apontada por todos os atores da UEG e a condição de infraestrutura das empresas é apontada como uma barreira para a interação porque as empresas às vezes não parecem dispostas a fazer essa interação. Por outro lado, a frágil infraestrutura da UEG provoca a falta de confiança entre os atores porque os professores advertem que as empresas se preocupam com confiabilidade dos resultados alcançados pela falta de padronização em alguns equipamentos que pode oferecer um risco. A falta de infraestrutura, seja física ou tecnológica, pode promover e também dificultar a interação, pois os recursos limitados podem indicar que a escassez promove uma maior cooperação no âmbito da UEG, que permite o relacionamento e justifica a parceria que é a real condição de deficiência tanto da UEG e quanto da comunidade local. Os atores da UEG concordam com a falta de incentivo e de apoio dos órgãos governamentais e da ausência de transferência de tecnologia que seria algo possível para a pequena empresa local. Indicam, ainda, que a burocracia do órgão estadual afasta a empresa e isso incentiva a informalidade do relacionamento que ocorre por relações reduzidas entre essas instituições e por relações pessoais na tentativa de resolver os problemas locais. O relacionamento entre a UEG com empresas locais pode ser caracterizado, primeiro, porque a UEG é simbolicamente necessária e desejada por muitos municípios em Goiás e, segundo lugar, porque a UEG tem promovido essa interação intuitivamente, independente do contexto da inovação. As conclusões desse estudo são preliminares, mas um dos principais desafios para o desenvolvimento local é a construção e articulação de uma proposta de inovação que está em sua fase inicial. Acredita-se que o governo, a partir de políticas públicas, pretende desenvolver estratégias para empreender o relacionamento entre a UEG e as empresas locais. Portanto, por meio do desenvolvimento de políticas públicas e de incentivos financeiros, será possível uma maior produção e difusão do conheci- 218 Coletânea Luso-Brasileira iv Gestão da Informação, Inovação e Logística

9 mento para o desenvolvimento local a partir da inovação e também para melhorar a competitividade no estado. Atualmente, a UEG parece interessada em inovação e empreendedorismo e suas atividades podem ser ferramentas para o relacionamento com o setor produtivo. Portanto, uma das iniciativas da UEG e das empresas de turismo, por exemplo, deve ser a implementação de infraestrutura física, científica e tecnológica e a motivação para a cooperação entre a UEG e a empresa que deve ser construída. Uma possibilidade é atualizar o currículo de disciplinas, a fim de torná-los mais atuais e consistentes com essa discussão. Outra possibilidade é o desenvolvimento de políticas que promovam parcerias entre universidades, governo e empresas para facilitar o desenvolvimento do sistema regional de inovação. Assim, é necessária a construção de um espaço de interação que envolve o fortalecimento das instituições para interação efetiva que contribua para a inovação. Desta forma, espera-se que esse estudo contribua para compreensão de uma nova missão da universidade que é a de ser empreendedora que motiva a criação, produção e transferência de conhecimento, tecnologia e a inovação que são fundamentais para o desenvolvimento local. Acredita-se, portanto, que o relacionamento entre a UEG e empresas locais está sendo construído. Referências ETZKOWITZ, H. O futuro da universidade e da universidade do futuro: evolução da torre de marfim de paradigma empresarial. Policy Research, v.29, p , LUNDVALL, B.-Å. A universidade na economia da aprendizagem. Working Paper DRUID, n. 6, Ensino superior, inovação e desenvolvimento econômico. Conferência do Banco Regional do Banco Mundial sobre Economia do Desenvolvimento. Pequim, janeiro de YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e métodos. Trad. Daniel Grassi. 2a ed. Porto Alegre: Bookman, Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? 219

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio?

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Matheus Kfouri Marino Camila Dias de Sá* A competitividade do agronegócio brasileiro é incontestável e resulta em taxas expressivas

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional

Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional Objetivos Objetivo Geral: Ampliar capacidade da força de trabalho se inserir no processo de desenvolvimento econômico da RMBH, com

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

AVISO DE SELEÇÃO 29 Produto 04/08 -

AVISO DE SELEÇÃO 29 Produto 04/08 - AVISO DE SELEÇÃO 29 A OEI Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação a Ciência e a Cultura, no âmbito do Projeto OEI/BRA 08/003 Fortalecimento DA Capacidade Institucional da Secretaria de

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Introdução. Objetivos do Curso

Introdução. Objetivos do Curso Introdução A nova dinâmica dos negócios, principalmente relacionada ao meio industrial, impele uma realidade de novos desafios para a indústria nacional. O posicionamento do Brasil como liderança global

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a:

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a: CURSO: Graduação em Marketing ( graduação) Missão O Curso de Graduação em Marketing tem como missão formar profissionais com capacidade de criar, planejar, executar e controlar processos de marketing que

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

CONHECIMENTO E CAPACITAÇÃO: Uma Aliança Estratégica nos Institutos de Pesquisas. Valéria Cristina dos Santos Ribeiro 10 de agosto de 2006 CRH/STD

CONHECIMENTO E CAPACITAÇÃO: Uma Aliança Estratégica nos Institutos de Pesquisas. Valéria Cristina dos Santos Ribeiro 10 de agosto de 2006 CRH/STD CONHECIMENTO E CAPACITAÇÃO: Uma Aliança Estratégica nos Institutos de Pesquisas Valéria Cristina dos Santos Ribeiro 10 de agosto de 2006 CRH/STD OBJETIVO DA PESQUISA: Refletir e construir proposituras

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

Bota pra Fazer: Negócios de Alto Impacto.

Bota pra Fazer: Negócios de Alto Impacto. Bota pra Fazer: Negócios de Alto Impacto. Instituto Educacional BM&FBOVESPA e Endeavor: Negócios de Alto Impacto. Com reconhecida experiência, o Instituto Educacional BM&FBOVESPA, a Escola de Negócios

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

GT 04 Setorial. Dinâmica econômica e produtiva dos setores empresariais relacionados às atividades do INPE

GT 04 Setorial. Dinâmica econômica e produtiva dos setores empresariais relacionados às atividades do INPE Workshop Intermediário do Planejamento Estratégico do INPE, 14-15 de setembro de 2006 GT 04 Setorial Dinâmica econômica e produtiva dos setores empresariais relacionados às atividades do INPE Participantes

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Universidade Estatual do Sudoeste da Bahia UESB. Pró-Reitoria de Graduação

Universidade Estatual do Sudoeste da Bahia UESB. Pró-Reitoria de Graduação Universidade Estatual do Sudoeste da Bahia UESB Pró-Reitoria de Graduação ESTRUTURA PROGRAD A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) é um órgão assessor da Reitoria responsável pelo Ensino de Graduação. Atualmente

Leia mais

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais