Estruturação do Contrato Automático de Resseguro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estruturação do Contrato Automático de Resseguro"

Transcrição

1 Estruturação do Contrato Automático de Resseguro Seminário A Arte de Elaborar o Contrato Marcus Clementino 13 de agosto de 2013

2 Estruturação do Contrato Automático Princípios básicos; Interesses e necessidades das Seguradoras; Tipos de Resseguro; Tipos de Contratos; Vantagens e desvantagens por tipo de resseguro; Informações para Subscrição de Contratos; Exemplos; Conclusões. 2

3 Resseguro e Retrocessão Resseguro é o seguro da seguradora. Retrocessão é o resseguro da resseguradora. Seguradora Prêmio Segurado Seguro Cedente Promessa de Indenização por perdas Resseguradora Retrocessão Retrocessionária 3

4 Definição Resseguro é um mecanismo de transferência de risco, através do qual a seguradora (ressegurada) transfere parte ou todo o risco da apólice por ela emitida a outra seguradora (resseguradora), que concorda em indenizá-la pelas perdas decorrentes da referida apólice. Resseguro é o seguro da seguradora. É o seguro do risco assumido pela seguradora. 4

5 Aspectos Técnicos do Resseguro O resseguro é um instrumento de proteção da carteira da cedente. A proteção é obtida através da transferência de risco (proporcionais) ou compra de proteção (não proporcionais). Do ponto de vista da solvência, o resseguro é uma operação de empréstimo de capital. Não deve ser usado com o intuito de melhorar o resultado da seguradora. A resseguradora espera que a seguradora haja tecnicamente como se o resseguro não existisse. A resseguradora espera que a seguradora retenha parte do risco. 5

6 Funções do Resseguro 6

7 Interesses e Necessidades das Seguradoras Aumento de capacidade Estabilização de resultado Proteção contra catástrofe Melhoria da solvência 7

8 Aumento de Capacidade Importância Segurada $ $ Retenção $ Cessão Resseguradora Cedente 8

9 Estabilização de Resultado Coef. Sinistro /Prêmio Período 9

10 Proteção contra Catástrofe 10

11 Proteção contra Catástrofe 11

12 Proteção contra Catástrofe 12

13 Proteção contra Catástrofe 13

14 Proteção contra Catástrofe Indaiatuba julho

15 Proteção contra Catástrofe 15

16 Proteção contra Catástrofe Blumenau

17 Proteção contra Catástrofe 17

18 Proteção contra Catástrofe 18

19 Proteção contra Catástrofe 19

20 Proteção contra Catástrofe 20

21 Proteção contra Catástrofe 21

22 Proteção contra Catástrofe Santa Bárbara do Sul, RS 28/7/

23 Melhoria da Solvência Prêmios Ativo Líquido 23

24 Margem de Solvência (capacidade da seguradora em honrar os seus compromissos futuros) Prêmios (média de 12 meses) Sinistros (média de 3 anos) 5:1 Prêmios Ativo Líquido Sinistros Ativo Líquido A. L. maior valor entre 20% dos prêmios ou 33% dos sinistros 24

25 Margem de Solvência (capacidade da seguradora em honrar os seus compromissos futuros) Prêmios (média de 12 meses) 5:1 Exemplo: Sem resseguro AL: R$ 100 milhões Prêmio Subscrito Máximo: R$ 500 milhões Com cessão de 60% Cedido: R$ 300 milhões Retido: R$ 200 milhões Com cessão de 60%, é possível aumentar a subscrição até R$ milhões Cedido: R$ 750 milhões Retido: R$ 500 milhões Prêmios Ativo Líquido 25

26 Tipos de Resseguro 26

27 Tipos de Resseguro Facultativo Automático (Subscrição) 27

28 Tipos de Resseguro Custos MO Prêmios Facultativo 80% 20% 80% Automático 20% 28

29 (Contrato) Facultativo 29

30 (Contrato de) Resseguro Facultativo Companhia Cedente Resseguradora A Resseguradora B 30

31 Formas de Resseguro (Facultativo) Formas de Resseguro Proporcional Excesso de Danos 31

32 Resseguro Facultativo Tipo mais antigo de resseguro (1 o registro: 1370) na forma proporcional. Nenhuma obrigação de ceder. Nenhuma obrigação de aceitar. Negociação individual. Flexibilidade. Antisseleção contra a resseguradora. Altos custos administrativos (tempo e dinheiro). Apólice não pode ser emitida antes da confirmação integral da cobertura de resseguro. Proporcional ou Excesso de Danos. 32

33 Funções do Facultativo 33

34 Funções do Facultativo Capacidade para riscos que: ultrapassem o limite de cobertura do contrato automático; estejam excluídos da cobertura do contrato automático. Proteção dos resultados do contrato. Redução da retenção. Obtenção de know-how. 34

35 Contrato (Automático) 35

36 Contrato de Resseguro Automático Cedente Contrato Resseguradora 36

37 Nomenclatura Às vezes se vê o uso de tratado para contratos automáticos. Segundo Dirube*: A palavra tratado... designa os pactos de maior hierarquia política, celebrados entre Estados Soberanos, a respeito de paz, limites, intercâmbio comercial e outros assuntos. Entre particulares celebram-se contratos e não tratados, e não se deve usar esta expressão..., cuja origem seguramente - como outros tantos casos - provém de uma tradução simplesmente fonética, da palavra treaty. * : Ariel Fernández Dirube "Manual de Resseguros", General Re,

38 Nomenclatura Segundo autores brasileiros: De Plácido e Silva Vocabulário Jurídico, vol. 4 Forense, Rio de Janeiro, 1997 Diniz, Maria Helena Dicionário Jurídico, vol. 4 Saraiva, São Paulo, 1998 Diversos dicionários on-line: michaelis.uol.com.br, É um acordo celebrado entre dois ou mais Estados e/ou organizações internacionais, regulando interesses mútuos. 38

39 Resseguro Automático Cobre uma carteira ou modalidade. Cobertura automática para a cedente. Fonte de negócio para a resseguradora. Possibilita um relacionamento de longo prazo. Cessão obrigatória. Aceitação obrigatória. Os termos são acordados previamente. Os riscos não são identificados. Custo inferior ao facultativo. Proporcional ou Excesso de Danos. 39

40 Formas de Resseguro (Contrato Automático) Formas de Resseguro Proporcional Excesso de Danos Quota- Parte Excedente de Responsabilidade Por Risco Por Ocorrência (Catástrofe) Stop Loss ou Agregado 40

41 Tipos de Contratos (Automáticos) Proporcional Quota-parte Excedente de Responsabilidade Excesso de Danos (Não-Proporcional) Por Risco Por Ocorrência (Catástrofe) Agregado / Stop-Loss 41

42 Contratos Proporcionais 42

43 Resseguro Proporcional É o tipo mais antigo de contrato automático (1 o registro: 1821). Divisão de responsabilidade em base proporcional, de acordo com os percentuais obtidos entre a cessão de resseguro e o valor segurado. O foco é o tamanho do risco. A resseguradora aceita o prêmio fixado na apólice e recebe um percentual desse prêmio de acordo com sua proporção no risco. A resseguradora participa dos sinistros com base na mesma proporção da sua participação no prêmio. 43

44 Resseguro Proporcional O resseguro segue as condições da apólice, em geral oferecendo as mesmas coberturas. A resseguradora paga uma comissão sobre os prêmios a ela cedidos. A comissão serve para reembolsar a cedente dos custos de aquisição. A comissão é o único mecanismo que a resseguradora dispõe para manipular o custo de resseguro. A vinculação a um contrato é feito pelo início de vigência da apólice subscrita. 44

45 Resseguro Proporcional Resseguro de 50% % % 80% Cedido 70% 60% 50% Cedido Retido 40% 30% Retido % 10% 0 Risco Prêmio Sinistro 0% Risco Prêmio Sinistro A cessão de risco e de prêmio e a recuperação de sinistro têm a mesma proporção (50%) 45

46 Perfil de Riscos Faixas de Riscos N o Riscos IS Prêmios N o Sinistros Indenização % S/P IS Media % Taxa (1.000) (1.000) (1.000) Media , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0 0, ,00 0 0,0000 Mais de ,00 0 0,0000 Total , ,

47 Perfil de Sinistros Faixas de Sinistros Qde. Sinist. % Indenização % (1.000) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0 Mais de , ,0 Total

48 Triangulação Relatório Triangulação do Ramo XXX - em Real Ano/Mês Subscrição Ano-0 Ano-1 Ano-2 Ano-3 Ano-4 Ano-5 Ano-6 Ano-7 Ano-8 Ano Pagos Pendentes Pagos Pendentes Pagos Pendentes Pagos Pendentes Pagos Pendentes Pagos Pendentes Pagos Pendentes Pagos Pendentes Pagos Pendentes Pagos Pendentes - 48

49 Cláusulas Como todo contrato, os contratos de resseguro são caracterizados por suas cláusulas, acordadas entre as partes. As cláusulas podem ser: Exigidas por lei ou Não exigidas 49

50 Cláusulas Limite por Evento Característica dos contratos proporcionais: não há limite no total das indenizações. A resseguradora participa em todos os sinistros cobertos. Depois de Onze de Setembro resseguradoras implementaram um limite no total pago por evento. 50

51 Funções do Contrato Proporcional 51

52 Funções do Contrato Proporcional Ajuda o início de operação (CP). Aumenta capacidade de subscrição (principalmente o ER). Melhora a solvência. 52

53 Contrato Cota (ou Quota) Parte 53

54 Resseguro Cota-Parte Valor dos riscos (R$ mil) 100 risco 1 Retenção = 40% Cessão = 60% 40 risco 2 16 riscos 54

55 Resseguro Cota-Parte Retenção e cessão são estabelecidas através de um percentual fixo. Não há cessões individuais. Prêmio de resseguro é um percentual do prêmio de seguro. Usado para novas carteiras. Uso típico em fronting. Não estabiliza resultados. 55

56 Resseguro Proporcional Cota-Parte 80% Seguradora Direta Resseguradora Apólice 20% 80% $ Limite $ $ $ Prêmio $ $ $ Sinistro $ $ Índice de Sinistro 75% 75% CP 80% Resseguradora 20% Retenção Líquida da Seguradora Capacidade: $

57 Resseguro Cota-Parte $ Quota-Parte Risco 57

58 Contrato Excedente de Responsabilidade 58

59 Resseguro Excedente de Responsabilidade Valor dos riscos (R$ mil) risco risco 2 risco 3 contrato de excedente de responsabilidade (R$ 1 milhão) 100 risco 1 retenção (R$ 100mil) riscos 59

60 Resseguro Excedente de Responsabilidade Carteira com retenção mais homogênea. Percentagens variadas de resseguro. Cessões individuais. Prêmio de resseguro é um percentual do prêmio de seguro. Flexível para se ajustar às necessidades da seguradora. Seguradora perderá uma retenção só no caso de uma perda total. Conceito de Equilíbrio Esperado. 60

61 Conceito de Equilíbrio Esperado Mede a volatilidade do contrato. Taxa de equilíbrio (%) calculada por: Taxa = Volume de prêmio a ceder *100 Capacidade contratual Volume de prêmio a ceder: EPI (Expected Premium Income). Taxa mínima depende das condições do mercado. Idealmente > 50%. Afeta diretamente a comissão de resseguro e pode implicar na existência de um CP. 61

62 Contrato de Excedente de Responsabilidade ($ de retenção e $ de Limite) Divisão de Valores Segurados, Prêmios e Sinistros Apólice Participação Participação da da Seguradora Resseguradora Apólice A Importância Segurada Prêmios Indenizações Apólice B Importância Segurada Prêmios Indenizações Apólice C Importância Segurada Prêmios Indenizações

63 Resseguro Excedente de Responsabilidade $ Excedente de Responsabilidade Risco 63

64 Contratos Proporcionais - Comissionamento 64

65 Comissão de Resseguro Fixa (Flat) Escalonável (Sliding Scale) Participação nos Lucros (Profit Commission) 65

66 Contratos Não Proporcionais 66

67 Excesso de Danos por Risco 67

68 Resseguro Excesso de Danos por Risco Valor do sinistro (R$ mil) sinistro do risco 1 sinistro do risco 2 sinistro do risco 3 contrato não-proporcional por risco (R$ 400 mil) 100 retenção de sinistro por risco (R$ 100 mil) sinistros 68

69 Excesso de Danos (aplicável a todos os tipos) Não há divisão de responsabilidade. O foco é a dimensão da perda. Taxas de resseguro distintas das do seguro. Não há comissão. Sinistros pagos individualmente. Cobertura por início de vigência dos riscos ou por data de ocorrência de sinistros. É necessário estimar o GNPI, o prêmio da carteira abatido das cessões proporcionais. 69

70 Excesso de Danos (continuação) Prêmio mínimo e de depósito. Capacidade do contrato é esgotável. Perda da resseguradora é limitada. 70

71 Proporcional X Não-Proporcional RISCO 100 M RISCO 2 M 1 M 1 M PROPORCIONAL NÃO-PROPORCIONAL 71

72 Proporcional X Não Proporcional RISCO 100 M RISCO 2 M SINISTRO 1,2 M 1 M 1 M 0,012 M SINISTRO 1,2 M 1 M PROPORCIONAL NÃO PROPORCIONAL A perda retida não tem relação com o tamanho do risco. 72

73 Resseguro Excesso de Danos por Risco Capacidade $ $ xs $ $ Apólice $ Limite $ Prêmio Prioridade Seguradora Taxa de ajuste: 25% Resseguradora $ $ $ $ $ Sinistro (1) Índice de Sinistro $ Sinistro (2) Índice de Sinistro $ $ 0 100% 0 $ $ % 200% 73

74 Como o Resseguro Excesso de Danos é Dividido por Faixas _ a Faixa $ a Faixa 2 a Faixa 1 a Faixa Prioridade ou Retenção $ $ $ Retenção de $

75 Algumas Cláusulas Importantes do Resseguro de Excesso de Danos Reintegração Aviso de Sinistros 75

76 Excesso de Danos Catástrofe 76

77 Resseguro Excesso de Danos Catástrofe Valor do sinistro (R$ mil) evento total ( ) sinistros 2 3 contrato não-proporcional por evento (R$ 1 milhão) retenção por evento (R$ 100 mil) sinistros 77

78 Excesso de Danos Agregado 78

79 Resseguro Excesso de Danos Agregado sinistros 2,5M 2,0M 1,5M faixa de proteção 1 ano tempo 79

80 Exemplo de Stop-Loss Forma Usual de Contratação 110% 80% Responsabilidade da Resseguradora 80

81 Precificação de Excesso de Danos 81

82 Métodos Utilizados no Cálculo do Prêmio no Excesso de Danos Burning Cost Exposição Amortização (Pay-Back) 82

83 jan-02 mar-02 mai-02 jul-02 set-02 nov-02 jan-03 mar-03 mai-03 jul-03 set-03 nov-03 jan-04 mar-04 mai-04 jul-04 set-04 nov-04 Métodos Utilizados no Cálculo do Prêmio no Excesso de Danos Burning Cost 25 Sinistros

84 jan-02 mar-02 mai-02 jul-02 set-02 nov-02 jan-03 mar-03 mai-03 jul-03 set-03 nov-03 jan-04 mar-04 mai-04 jul-04 set-04 nov-04 Métodos Utilizados no Cálculo do Prêmio no Excesso de Danos Burning Cost Prioridade: Sinistros

85 jan-02 mar-02 mai-02 jul-02 set-02 nov-02 jan-03 mar-03 mai-03 jul-03 set-03 nov-03 jan-04 mar-04 mai-04 jul-04 set-04 nov-04 Métodos Utilizados no Cálculo do Prêmio no Excesso de Danos Burning Cost Prioridade: 17,5 25 Sinistros

86 Burning Cost Cálculo das indenizações em n anos: Custo anual dos sinistros = Somatório dos valores que excedam a prioridade n Supondo Somatório dos sinistros = $ n = 5 Custo anual dos sinistros = $ 200 Carregamento da resseguradora = 25% Custo do contrato = 200 / 75% = $ 266,67 É importante que a prioridade seja fixada suficientemente alta para indenizar apenas os sinistros de ponta. 86

87 Outros Métodos Exposição: Neste caso a seguradora não apresenta, em seu histórico, perdas acima da prioridade. A resseguradora usa tabelas próprias para calcular um custo. Amortização (pay-back): A resseguradora estipula um número de anos para recuperar uma perda total. Ex.: cobertura de $ 60M a ser recuperada em 30 anos. Custo anual: $ 2,0M, taxa: 3,33% (= 1 / 30 anos) 87

88 Problema de Prioridade Baixa Neste caso a seguradora acaba transferindo para a resseguradora sinistros que deveriam ser de sua responsabilidade. Supondo Somatório dos sinistros = $ n = 5 Custo anual dos sinistros = $ 800 Carregamento da resseguradora = 25% Custo do contrato = 800 / 75% = $ 1.066,67 Resumo: a seguradora pagaria $ 800 de sinistros (média dos últimos n anos) ao longo dos 12 meses. Pela proteção em ED ela vai pagar $ 1.066,67 adiantado para que a resseguradora lhe repasse os $ 800 ao longo do ano. Esta situação é chamada de troca de dinheiro. E mais: ainda teria que pagar o custo da reintegração. 88

89 Funções do Contrato Não Proporcional 89

90 Funções do Contrato Não-Proporcional Aumenta capacidade de subscrição. Estabiliza resultados. Protege contra catástrofes. 90

91 Funções por Tipo de Resseguro 91

92 Funções por Tipo de Resseguro Emprestar Capacidade Estabilizar Proteger contra Catástrofe Melhorar Solvência Transferir Know-How Entrar em um Mercado Facilitar Saída de um Mercado Facultativo X X Automático Cota-Parte Automático Excedente Automático Exc.Danos X X X X X X X X X 92

93 Exemplos de Planos Mistos 93

94 EXEMPLO 1 Cota-Parte com ED Uma carteira tem um resseguro de Cota Parte de 30% com capacidade de R$ 10 milhões, ou seja, para riscos até R$ 10 milhões, 30% são cedidos ao contrato e 70% são retidos. Como não é possível perder R$ 7 milhões por risco, a retenção é protegida por um contrato de ED de R$ 6,5 milhões xs R$ 500 mil a uma taxa de 4,0%. 94

95 EXEMPLO 1 10 M Cota ED Parte 6,5 M xs 0,5 M 30% Taxa: 4,0% 0,5 M 95

96 EXEMPLO 2 Uma companhia tem R$ 18 milhões de capacidade para uma de suas carteiras com retenção de R$ 2 milhões (ER) protegida por um ED com prioridade de R$ 200 mil. Ela precisa aumentar a capacidade para R$ 24 milhões. Este aumento torna contrato desequilibrado e ela decide ceder um CP de 40% para equilibrá-lo. Sua retenção cai para R$ 1,2 milhões e o ED então precisa ser de R$ 1 milhão xs R$ 200 mil. Esta proteção deve ser mais barata que a anterior. 96

97 EXEMPLO 2 (cont.) Resumo do novo contrato: Capacidade Automática: $ 24 M Excedente de Responsabilidade: Capacidade: $ 22 M Comissão: 15% Quota-Parte: Capacidade: $ 2 M Cessão: 40% Comissão 20% Excesso de Danos: $ 1 M xs $ 0,2 M taxa: 10% 97

98 EXEMPLO 2 (cont.) Resumo do Plano: 24 M ER 2 M CP cessão: 40% ED 1 M xs 0,2 M 0,2 M 98

99 Conclusões 99

100 ESTRUTURAÇÃO DOS CONTRATOS Iniciando uma operação: Pouco prêmio. Não suporta sinistro grande. Usar Cota Parte. Operação já estável: Precisa de mais capacidade: ER. Precisa melhorar o equilíbrio: acrescentar CP. Precisa reter mais prêmio: aumentar retenção do ER. Não pode perder retenção tão alta: proteger com ED. Ou, alternativamente Usar um ED puro caso não seja necessário muita capacidade (muita capacidade pode custar caro). 100

101 ESTRUTURAÇÃO DOS CONTRATOS Evitar usar ED em carteira decrescente: Custo do ED provavelmente será fixo e igual ao PMD. Com o GNPI menor, o custo ED fica mais caro que o esperado. Para carteiras estáveis, sem riscos de ponta: Preferir ED por risco, principalmente se não houver problemas de solvência. 101

102 CICLO DO PROGRAMA Levantar necessidades da carteira Analisar desempenho do programa Obter dados para perfis Escolher alternativa, dar ordem firme Montar programa e obter cotações 102

103 PERGUNTA FINAL (OU FATAL?) Qual a melhor estrutura para meu programa? 103

104 Obrigado 104

3 Resseguro. 3.1. Introdução (História)

3 Resseguro. 3.1. Introdução (História) 3 Resseguro 3.1. Introdução (História) De acordo com a Enciclopédia Virtual Wikipedia 4, o primeiro contrato de resseguro é datado de 12 de julho de 1370 em Gênova na forma de compra e venda condicional

Leia mais

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis 1. Autarquia, com personalidade jurídica de direito público, que dispõe de autonomia administrativa e financeira, que tem como atribuição fundamental fiscalizar o fiel cumprimento da legislação de seguros:

Leia mais

Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos

Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos Palestrantes: Gabriel Caldas Adriano Rodrigues 1 Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos Palestrante Gabriel Caldas Apresentação

Leia mais

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013 1 A Colocação do Resseguro Facultativo Marcus Clementino Março/2013 Marcus Clementino 2 Formação Acadêmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 Ph.D. em Matemática Aplicada - London School of Economics

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

Bases Técnicas das Empresas Securitárias

Bases Técnicas das Empresas Securitárias Bases Técnicas das Empresas Securitárias Francisco de Assis Braga Risco e Seguro - Definições Básicas - Probabilidade de dano - é a freqüência relativa de perdas no longo prazo. - Risco - é a incerteza

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES.Nº 83/99 GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Recomendação Nº

Leia mais

Escola Nacional de Seguros - FUNENSEG 13 e 14/08/2013. Seminário A Arte de elaborar o Contrato - 5ª Edição

Escola Nacional de Seguros - FUNENSEG 13 e 14/08/2013. Seminário A Arte de elaborar o Contrato - 5ª Edição Escola Nacional de Seguros - FUNENSEG 13 e 14/08/2013 Seminário A Arte de elaborar o Contrato - 5ª Edição Cláusulas Específicas em Contratos Não-Proporcionais (Patrimonial) Dario Oliveira de Matos Alexandre

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Valores Redutores da Necessidade de Cobertura das Provisões Técnicas por Ativos Garantidores Orientações da Susep ao Mercado

Valores Redutores da Necessidade de Cobertura das Provisões Técnicas por Ativos Garantidores Orientações da Susep ao Mercado Valores Redutores da Necessidade de Cobertura das Provisões Técnicas por Ativos Garantidores Orientações da Susep Julho/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Área Responsável... 3 1.2. Base Legal... 3 1.3.

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SUBSCRIÇÃO E ACEITAÇÃO DE RISCOS Jean Carlo de Borba Diretor SindsegSC PDES Subscrição e

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. Estabelece regras para a Nota Técnica Atuarial de Carteira que deverá ser encaminhada com o Plano

Leia mais

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Novembro/2001 SUMÁRIO: I) Introdução II) Análise Comparada III) Projeções e Conclusões Francisco Galiza Consultor e Mestre

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos de Seguros

Glossário de Termos Técnicos de Seguros Glossário de Termos Técnicos de Seguros O objetivo deste glossário é apresentar, como referencial, definições de termos usualmente empregados pelo mercado segurador. As definições foram selecionadas e

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS COMPREENSIVOS Nilso Gonçalves Membro Comissão Ramos Diversos PDES Seguros Compreensivos

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO 1 Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil 1º de abril de 2014 Roteiro 2 Alterações na Norma Contábil Principais justificativas para as alterações na norma contábil Alterações promovidas

Leia mais

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL SEGURO DE CRÉDITO Proteção para as vendas a prazo de produtos ou Prestação de serviços entre empresas Proteção para o Ativo

Leia mais

Apresentação Comercial. Generali Brasil Seguros

Apresentação Comercial. Generali Brasil Seguros Apresentação Comercial Generali Brasil Seguros O GRUPO GENERALI Liderança, a, solidez e presença a global Assicurazioni Generali SPA., fundada em 1831 em Trieste Itália. 85.000 funcionários no mundo e

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR Seja bem-vindo à Blue Service Assistance, a opção mais vantajosa em assistência e clube de vantagens. É uma enorme satisfação ter você como nosso associado. A Blue Service Assistance está cada vez mais

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. Estabelece regras para estruturação e envio da nota técnica atuarial da carteira de automóveis

Leia mais

ZZZSDWHQWHVHJXURVFRPEU

ZZZSDWHQWHVHJXURVFRPEU ZZZSDWHQWHVHJXURVFRPEU $&(,7$d 2 - ato de aprovação, pelo segurador, de proposta efetuada pelo segurado para a cobertura de seguro de determinado(s) risco(s) e que servirá de base para emissão da apólice.

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP Nº 15414.004703/2010-01 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE AUTOMOBILÍSTICO NO BRASIL

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO BENEFICIÁRIOS: entidades que em virtude de obrigação legal ou contratual sejam beneficiárias de uma obrigação de caucionar ou de afiançar, em que seja devido, designadamente,

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo

Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo 1. Definições 1.1. Apólice: é o documento emitido pela Seguradora que expressa o contrato celebrado entre a Seguradora

Leia mais

CADEIA DE VALOR. Cada elo dessa cadeia de actividades está interligado. António Horta Salvo

CADEIA DE VALOR. Cada elo dessa cadeia de actividades está interligado. António Horta Salvo A cadeia de valor designa um série de actividades relacionadas e desenvolvidas pela empresa a fim de satisfazer as necessidades dos clientes, visando o lucro. Cada elo dessa cadeia de actividades está

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DO RESSEGURO NO MERCADO SEGURADOR

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DO RESSEGURO NO MERCADO SEGURADOR UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DO RESSEGURO NO MERCADO SEGURADOR Maurício Figueiredo Azevedo Orientadora: Mary Sue de Carvalho Pereira Rio de

Leia mais

NCRF 19 Contratos de construção

NCRF 19 Contratos de construção NCRF 19 Contratos de construção Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 11 - Contratos de Construção, adoptada pelo texto original do Regulamento

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Como funciona o seguro

Como funciona o seguro Como funciona o seguro Sobre a Insurance Europe A Insurance Europe é a federação de seguradoras e resseguradoras da Europa. Por meio dos seus 34 órgãos membros as associações nacionais de seguradoras a

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO Estipulante: BANCO TRIÂNGULO S. A. Seguradora: PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Número processo SUSEP: 15414.000223/2007-67

Leia mais

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP NOVO MECANISMO PARA COBERTURA FINANCEIRA DO PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO Apresentador: Sérgio Leite Santiago Gerente Comercial do Rio de Janeiro Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP Ministério da

Leia mais

Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil. Eng. Augusto Andrade

Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil. Eng. Augusto Andrade Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil Eng. Augusto Andrade 17/04/2013 Agenda Estrutura do Mercado Seguros no Brasil; Mercado de Resseguros; Seguros e Garantias para Construção Civil:

Leia mais

Proteção de riscos: O ponto de vista do mercado segurador no Brasil. José Carlos de Lacerda Souza Gerente de Property & Casualty Brasil IRB Brasil RE

Proteção de riscos: O ponto de vista do mercado segurador no Brasil. José Carlos de Lacerda Souza Gerente de Property & Casualty Brasil IRB Brasil RE Proteção de riscos: O ponto de vista do mercado segurador no Brasil José Carlos de Lacerda Souza Gerente de Property & Casualty Brasil IRB Brasil RE Agenda: 1. Introdução ao mercado de seguros 2. Números

Leia mais

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL Simulação para avaliação da viabilidade econômica e retorno do capital investido para a implantação de Resseguradora

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

Orientações sobre a aplicação de mecanismos de resseguro cedido para o submódulo de risco específico de seguros não vida

Orientações sobre a aplicação de mecanismos de resseguro cedido para o submódulo de risco específico de seguros não vida EIOPA-BoS-14/173 PT Orientações sobre a aplicação de mecanismos de resseguro cedido para o submódulo de risco específico de seguros não vida EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany

Leia mais

As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro

As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro ANDRÉ ALARCON Sócio da Área de Seguros e Resseguros BÁRBARA BASSANI Advogada da área de Seguros e Resseguros Desde o advento da Lei Complementar

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro julho/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência...

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 19 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Regulatory Practice Insurance News Janeiro 2014 SUSEP Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Esta Circular dispõe sobre instruções complementares necessárias à execução

Leia mais

ANS. Grupo TécnicoT. Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco. 14 de maio de 2013. Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP. @usp.

ANS. Grupo TécnicoT. Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco. 14 de maio de 2013. Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP. @usp. Grupo TécnicoT Solvência ANS Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP lacarneiro@usp. @usp.br 14 de maio de 2013 Introduçã ção Internacionalmente,

Leia mais

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes.

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Data Base 31.12.2010 Dados do declarante Participação no capital social do declarante Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Poder de voto de

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

JARDINE LLOYD THOMPSON. JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia

JARDINE LLOYD THOMPSON. JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia JARDINE LLOYD THOMPSON JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia Seguro Garantia - Definição O Seguro Garantia é um ramo de seguro destinado a garantir o cumprimento de uma obrigação contratual, seja ele de

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

Mercado a Termo de Ações

Mercado a Termo de Ações Prof Giácomo Diniz Módulo I Dfiiã Definição Tradicional i São acordos fechados entre partes de compra e venda de um determinadoativo. Nahoradacontrataçãoaspartesestabelecemo preço para a liquidação em

Leia mais

Atualmente as seguradoras que operam na modalidade são classificadas pelo IRB (instituto de Resseguros do Brasil) em duas situações distintas:

Atualmente as seguradoras que operam na modalidade são classificadas pelo IRB (instituto de Resseguros do Brasil) em duas situações distintas: 1- Introdução: Antes de analisar os números da modalidade Garantia é importante que conheçamos os principais conceitos que a regem, uma vez que alguns profissionais e poucas seguradoras se dedicam de fato

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático 1. Estrutura dos Sistemas de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Saúde Suplementar 1.1 Estrutura do Sistema de Seguros Gerais, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Leia mais

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

* Quase todos os países são membros MIGA. A lista dos países membros da MIGA pode ser consultada no website www.miga.org.

* Quase todos os países são membros MIGA. A lista dos países membros da MIGA pode ser consultada no website www.miga.org. MIGA: A Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) é um membro do Grupo do Banco Mundial. Seu propósito é promover o investimento estrangeiro direto (IED) nos países em desenvolvimento, proporcionando

Leia mais

PLANO DE CONTAS PADRÃO ANS

PLANO DE CONTAS PADRÃO ANS MICROFLEX Informática Folha 1 1 ATIVO 1.2 ATIVO CIRCULANTE 1.2.1 DISPONÍVEL 1.2.1.1 CAIXA 1.2.1.1.1 Caixa 1.2.1.1.1.9.1.0.0 Caixa 1.2.1.2 VALORES EM TRÂNSITO 1.2.1.2.1 Valores em Trânsito 1.2.1.2.1.9.1.0.0

Leia mais

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 35. Instrumentos Financeiros 1. Conceitos 1 - Para fins de registro contábil, considera-se: (Res 3534 art 2º) a) instrumento

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

RC PROFISSIONAL. Sucursal Endereço Telefone Fax CNPJ SAO PAULO AV. PAULISTA, 1294 17 4504-4400 4504-4395 3.502.099/0001-18

RC PROFISSIONAL. Sucursal Endereço Telefone Fax CNPJ SAO PAULO AV. PAULISTA, 1294 17 4504-4400 4504-4395 3.502.099/0001-18 SEGURO DE RC PROFISSIONAL Sucursal Endereço Telefone Fax CNPJ SAO PAULO AV. PAULISTA, 1294 17 4504-4400 4504-4395 3.502.099/0001-18 Apólice Número Endosso Número Renova Apólice 17.7826713.28 17611 Vigência

Leia mais

(**) Renegociação de divida representada por Acordo Judicial

(**) Renegociação de divida representada por Acordo Judicial São Paulo, 15 de maio de 2015. À Comissão de es Mobiliários ( CVM ) Gerência de Acompanhamento de Fundos Estruturados - GIE Rua Sete de Setembro, 111 30º andar 20159-900 - Rio de Janeiro - RJ REF.: RELATÓRIO

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Reunião IBRADEMP. O Resseguro no Brasil. Marcelo Mansur Haddad mmansur@mattosfilho.com.br 13/08/2008

Reunião IBRADEMP. O Resseguro no Brasil. Marcelo Mansur Haddad mmansur@mattosfilho.com.br 13/08/2008 Reunião IBRADEMP O Resseguro no Brasil Marcelo Mansur Haddad mmansur@mattosfilho.com.br 13/08/2008 CONCEITO DE RESSEGURO DEFINIÇÕES Ernst Hosp... is balancing fluctuating results ;... balancing results

Leia mais

Anteprojecto de Decreto-Lei

Anteprojecto de Decreto-Lei Anteprojecto de Decreto-Lei O risco de fenómenos sísmicos corresponde à catástrofe natural de danos potencialmente mais significativos no nosso país, verificando-se, ainda, que zonas que historicamente

Leia mais

ESTUDOS FUNENSE 4 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas Paulo Pereira Ferreira * Abril de 7 * Sócio Consultor da Towers Perrin, Mestre em Estatística e diplomado pela UFRJ,

Leia mais

MEDIDAS DE PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR NA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA ASSOCIADOS

MEDIDAS DE PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR NA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA ASSOCIADOS Informação n.º 27/2009 22 09 2009 MEDIDAS DE PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR NA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA ASSOCIADOS AO CRÉDITO À HABITAÇÃO O Decreto Lei n.º 222/2009, de 11 de Setembro, estabelece

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 604, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 604, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009 Aprova os Pronunciamentos Técnicos CPC 38, 39 e 40, do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que tratam do reconhecimento e mensuração, da apresentação e da evidenciação de instrumentos financeiros. A PRESIDENTE

Leia mais

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 O Resseguro e a Administração Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração

Leia mais

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978.

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978. Dispõe sobre as normas e procedimentos para contabilização e elaboração de demonstrações financeiras, relativas a ajustes decorrentes da avaliação de investimento relevante de companhia aberta em sociedades

Leia mais

DICIONÁRIO DE SEGUROS EM TERMOS TÉCNICOS

DICIONÁRIO DE SEGUROS EM TERMOS TÉCNICOS DICIONÁRIO DE SEGUROS EM TERMOS TÉCNICOS "A" ACEITAÇÃO - ato de aprovação, pelo segurador, de proposta efetuada pelo segurado para a cobertura de seguro de determinado(s) risco(s) e que servirá de base

Leia mais

Cartilha. Ourocap Fiador

Cartilha. Ourocap Fiador Faz diferença ter Ourocap Fiador na hora de alugar um imóvel. Cartilha Ourocap Fiador O Ourocap Fiador* é o título de capitalização que funciona como uma garantia de aluguel, facilitando sua vida na hora

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA SEGURO-GARANTIA Prezados Corretores de Seguros, O SINCOR-SP, através da sua comissão técnica de seguros de crédito e garantia, elaborou esta cartilha de seguro garantia com o intuito de divulgar aos interessados

Leia mais

.MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

.MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR .MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO - RDC Nº 65, DE 16 DE ABRIL DE 2001 (*) Dispõe sobre as sociedades seguradoras especializadas em saúde. A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

Acordo Quadro para Transacções Financeiras

Acordo Quadro para Transacções Financeiras Acordo Quadro para Transacções Financeiras Anexo de Manutenção de Margem para Transacções de Reporte e Empréstimos de Valores Mobiliários Edição de Janeiro de 2001 Este Anexo complementa as Condições Gerais

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 01

ESCLARECIMENTO Nº 01 ESCLARECIMENTO Nº 01 Segue abaixo, perguntas formuladas por empresa participantes da licitação supra e a respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Seção I - Instruções aos Proponentes: 1.1) 1.4 na

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais