3 Resseguro Introdução (História)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 Resseguro. 3.1. Introdução (História)"

Transcrição

1 3 Resseguro 3.1. Introdução (História) De acordo com a Enciclopédia Virtual Wikipedia 4, o primeiro contrato de resseguro é datado de 12 de julho de 1370 em Gênova na forma de compra e venda condicional devido à crise de confiança do segurador, com objetivo de evitar riscos indesejáveis. Onde Giuliano Grillo, o segurador, obrigou-se a comprar mercadorias do Giovanni Sacco, o segurado, se estas não chegassem ou chegassem avariadas no porto de D Écluse (Sluis), de uma viagem de Gênova. Então Goffreda DiBenavia e Martino Maruffo, os resseguradores, assumiram a obrigação similar perante o Sr. Grillo, caso a avaria ocorresse no trecho da viagem entre Cadiz e o porto de destino. Esse contrato de resseguro deixou traços visíveis até os dias de hoje, tendo como principal característica a falta de vinculo entre o segurado e o ressegurador. A partir daí, cada vez mais o segurador viu a necessidade de partilhar o risco com outras partes, pois com o avanço tecnológico foram aumentando os tipos de exposição aos riscos. No entanto, apenas no século XVII foram formuladas as primeiras normas de resseguro (Antuérpia/1609, França/1681). No século XVIII, o Rei George II da Inglaterra proíbe o resseguro em virtude das operações especulativas feitas pelos seguradores, botando o país em crise até 1864, quando a Rainha Vitória consolidou o sistema de co-seguro 5 por pessoas físicas. Já no século XIX, o resseguro já era reconhecido legalmente no Brasil, através do Código Comercial Brasileiro Art.687: o segurador pode ressegurar por outros seguradores os mesmos objetos que ele tiver segurado, com as mesmas ou diferentes condições, e por igual, maior ou menor prêmio. Nesse século surgiram os primeiros resseguradores profissionais para evitar a divulgação de carteira de clientes e critérios de precificação a concorrentes. 4 (http://pt.wikipedia.org/wiki/resseguro) 5 O co-seguro pode ser definido como a simultaneidade de seguros sobre o mesmo objeto, desde que não ultrapassem, somados, o valor deste.

2 Resseguro 19 Por fim, no século XX, houve uma grande proliferação das resseguradoras, com uma ampliação nas suas atividades e formulação de técnicas de resseguro, levando a criação do resseguro financeiro nas décadas de 80 e 90. Segundo a SUSEP (1997) 6, nesse mesmo século foi criado, no Brasil em 1939, o Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), através do Decreto-lei n 1.186, de 3 de abril de As sociedades seguradoras ficaram obrigadas, desde então, a ressegurar no IRB as responsabilidades que excedessem sua capacidade de retenção própria, que, através da retrocessão, passou a compartilhar o risco com as sociedades seguradoras em operação no Brasil. Com esta medida, o Governo Federal procurou evitar que grande parte das divisas fosse consumida com a remessa, para o exterior, de importâncias vultosas relativas a prêmios de resseguros em companhias estrangeiras O que é resseguro? O resseguro pode ser considerado como a transferência do risco da apólice de uma seguradora para outra por meio de contratos, nos quais um ressegurador, em troca de um prêmio, concorda em indenizar a seguradora cedente de parte das conseqüências financeiras de certas exposições a prejuízos, que seriam cobertos pelas apólices da tal seguradora cedente. Informalmente, o resseguro pode ser visto como um seguro de seguro. As grandes diferenças do resseguro para o seguro é que: o resseguro normalmente é feito de pessoa jurídica a pessoa jurídica e este tem o poder de transferir parte do risco. O ato de repassar, parcialmente ou totalmente, os riscos assumidos por uma seguradora para uma resseguradora é conhecido como cessão, onde se paga um prêmio de cessão equivalente ao risco repassado. A resseguradora também pode se segurar contra os riscos assumidos, através de um processo de retrocessão, onde a resseguradora cede riscos, informações e parte do seu prêmio de resseguro pra outra resseguradora, ou para uma sociedade seguradora. Não existe vínculo direto entre o segurado e o ressegurador nos processos de cessão e retrocessão. O vínculo está entre o segurado e a seguradora, onde em caso de sinistro a seguradora deverá arcar com as conseqüências, e da mesma maneira a resseguradora para com a seguradora. 6 Superintendência de Seguros Privados (http://www.susep.gov.br/menususep/historiadoseguro.asp)

3 Resseguro 20 Na prática, o resseguro é um contrato voltado a equilibrar e dar solvência aos seguradores, evitar falência no caso de um excesso em sinistralidade 7, como a ocorrência de grandes tragédias, e garantir assim o pagamento das coberturas a todos os segurados Seguradora Vs. Resseguradora De acordo com o Glossário de Termos Técnicos de Seguros da SUSEP 8, uma seguradora é uma instituição que tem como objetivo indenizar prejuízos involuntários verificados no patrimônio do seu segurado, geralmente uma pessoa física, ou eventos aleatórios que não trazem necessariamente prejuízos, mediante recebimento de prêmios. E já uma resseguradora é a pessoa jurídica, que aceita, em resseguro, a totalidade ou parte das responsabilidades repassadas pela seguradora, ou por outros resseguradores, recebendo esta última operação o nome de retrocessão Resseguro no Brasil De acordo com reportagem 9 de Neves (2008), por muito tempo, o mercado de resseguro brasileiro foi motivo de preocupação dos legisladores e daqueles que atuavam neste meio. Isto se deu pelo fato de que o Brasil era um dos poucos países do mundo que ainda mantinha um monopólio estatal, feito pelo IRB Instituto de Resseguros do Brasil, em suas atividades de resseguro. No entanto, a Lei Complementar 126, de 15 de janeiro de 2007, e a Resolução 168 da SUSEP, de 17 de dezembro de 2007, fizeram com que o mercado de resseguros ficasse aberto, inclusive para as ressegurados internacionais, com isso visou incrementar a capacidade das seguradoras para a concessão de seguros em âmbito nacional. Com a abertura do mercado, criaram-se expectativas para novos produtos e recursos externos. Porém, o sistema de resseguro no Brasil ainda fica sujeito as regulamentações da SUSEP, tanto para resseguradoras nacionais, quanto para internacionais. A grande vantagem que os resseguradores locais têm, em relação aos resseguradores eventuais ou admitidos, está no direito de preferência para a subscrição de resseguro. 7 Sinistralidade = sinistro / prêmio 8 (http://www.susep.gov.br/menubiblioteca/glossario.asp)

4 Resseguro 21 Neves (2008) afirma que o mercado de resseguros tende a dobrar nos próximos anos, mostrando um alinhamento do Brasil com as tendências do mercado de resseguros, mediante transferência para a iniciativa privada do desenvolvimento da atividade, com manutenção no Poder Público da sua regulamentação e fiscalização Finalidade do resseguro Segundo o Harrison (2007), existem vários motivos pelos quais uma seguradora decide ser ressegurada como parte de sua responsabilidade sobre a administração de uma carteira de riscos para o bem de seus investidores e clientes. Uma das funções do resseguro é aumentar a capacidade da cedente para assumir riscos de grande porte. Introduzindo assim um conceito de participação como sendo o valor máximo da importância segurada ou o limite de responsabilidade que uma seguradora estabelece ao assumir um risco, ou uma exposição a sinistro. Os resseguradores facultam às seguradoras cedentes uma capacidade de assumir riscos de grande porte ao aceitarem exposições a sinistros que elas não querem ou não podem reter. Esta função do resseguro permite que as seguradoras, cuja capacidade para subscrever riscos de grande porte é limitada, possam participar de um mercado mais amplo. O resseguro também é muito usado como proteção contra catástrofes. As seguradoras usam o resseguro para se protegem de conseqüências financeiras de um evento catastrófico que resulte em muitos sinistros. Geralmente as catástrofes se referem aos incêndios, fenômenos da natureza, explosões de indústrias, desastres de avião, etc. Dependendo do montante de sinistros a seguradora pode ter seus resultados diminuídos, e até mesmo pode ameaçar a solvência da seguradora. O controle da sinistralidade da seguradora também é uma importante função do resseguro. A sinistralidade flutua normalmente de ano a ano, fazendo variar os resultados financeiros da seguradora. Portanto, estabilizá-la é importante para ajudar no planejamento financeiro e amparar o crescimento da seguradora, encorajando investimentos de capital dado que os investidores confiam mais em companhias que possuem resultados financeiros estáveis. 9 (http://www.azevedosette.com.br/noticias/noticia?id=1465)

5 Resseguro 22 Outra importante função é a de facilitar um rápido crescimento do volume de prêmios emitidos da seguradora cedente ou proporcionar surplus relief 10. É muito comum as seguradoras encontrarem dificuldades para manter a relação entre o volume de prêmios emitidos e o capital dentro do limite estabelecido pelas autoridades reguladoras. Além dessas principais funções é possível considerar que o resseguro também é responsável por facilitar a saída da companhia de um segmento de mercado, dado que este não é rentável o suficiente, contratando um resseguro de transferência de carteira; e também e responsável por prestar assistência na subscrição de riscos Notações Considere as seguintes notações: N é a variável aleatória referente ao número de sinistros ocorridos; IS é a variável aleatória referente à importância segurada; X é a variável aleatória referente ao valor individual dos sinistros; χ é a variável aleatória referente ao grau de sinistro, onde χ = X ; IS S é a variável aleatória referente ao custo total dos sinistros, onde S = N i= 1 X i ; W(is) = P(IS is) é a distribuição de importância segurada; G(ξ) = P(χ ξ) é a distribuição do grau de sinistro; V(x) = P(X x) é a distribuição individual dos valores dos sinistros; F(s) = P(S s) é a distribuição do custo total dos sinistros; X ~ é a variável aleatória referente ao valor individual dos sinistros retido pela seguradora; X ( é a variável aleatória referente ao valor individual dos sinistros repassado para a resseguradora; S ~ é a variável aleatória referente ao custo total dos sinistros retido pela seguradora, onde ~ S = N i= 1 ~ X i ; 10 A comissão de resseguro paga pelo ressegurador compensa a redução do patrimônio líquido da seguradora cedente causada pelas despesas de aquisição.

6 Resseguro 23 S ( é a variável aleatória referente ao custo total dos sinistros repassado ( para a resseguradora, onde S = N i= 1 P ~ é o prêmio total retido pela seguradora, onde ~ ( ( P = (1 + δ ) E( S) (1 + δ ) E( S ) δ é o carregamento do prêmio puro; ( δ é o carregamento do prêmio de resseguro; α é o limite de retenção de um resseguro Quota-Parte; m é o limite de retenção de um resseguro Excedente de Responsabilidade; r é o limite de retenção de um resseguro Excesso de Danos; d é o limite de retenção de um resseguro Stop-Loss; ( X i ; 3.3. Limite de retenção O Limite de Retenção é o valor máximo da importância segurada, ou limite de responsabilidade, que uma seguradora estabeleceu que pode assumir em um risco, ou uma exposição a sinistro. Segundo Harrison (2007), este pode ser influenciado pelos seguintes fatores: O valor máximo da importância segurada por risco permitido pela regulamentação nacional de seguros. O montante de um sinistro, ou conjunto do mesmo, que pode ser arcado pela seguradora sem afetar negativamente sua rentabilidade ou seu patrimônio líquido. As características específicas de uma exposição a sinistro. O limite de cobertura, os tipos e o custo do resseguro disponível. De acordo com a Lei Complementar No.126, de 15 de janeiro de 2007, no Brasil, cabe ao Poder Executivo regulamentar o limite máximo de prêmios que podem ser cedidos anualmente aos resseguradores eventuais, os quais são aqueles sediados no exterior e sem escritório de representação no Brasil, tendo sido aceitos pela SUSEP para atuar no país. Além disso, segundo a Resolução nº 172, de 17 de dezembro de 2007, os valores máximos de responsabilidade que as sociedades resseguradoras locais poderão reter, denominados limites de retenção, em cada risco isolado, serão determinados com base no valor do respectivo patrimônio líquido ajustado. E

7 Resseguro 24 também, para o cálculo dos valores de limite de retenção a sociedade resseguradora deverá manter nota técnica atuarial, elaborada pelo atuário responsável técnico, à disposição da SUSEP. E em 2008, foi determinado que as seguradoras podem ceder a resseguradores eventuais até 10% do valor total dos prêmios cedidos em resseguro, considerando-se a globalidade de suas operações em cada ano civil, devendo a SUSEP normatizar sobre ramos de seguro a serem excepcionados com percentual superior Limite de retenção Vs. Retenção Existe uma diferente entre esses dois conceitos, onde limite de retenção é a garantia máxima que a seguradora assume em cada risco isolado, em outras palavras, limite de retenção é uma constante, exibida na seção 3.2.4, que é aplicada de acordo com a cobertura de resseguro. Já a retenção em si é o valor que de fato é retido pela seguradora. Na maioria dos casos, o limite de retenção é igual à retenção, e nesse estudo será possível ver que isso não acontece com o resseguro proporcional com cobertura de Excedente de Responsabilidade Prêmio Retido Straub (1980) sugere o cálculo de prêmio retido como sendo ~ ( ( P = (1 + δ ) E( S) (1 + δ ) E( S ), apesar deste ser criticado por não considerar nenhum fator de volatilidade, ele evidencia, de maneira direta, o prêmio de resseguro e é a maneira mais direta de cálculo de prêmio retido. Além disso, através desse cálculo de prêmio retido é possível evidenciar que ao contratar uma cobertura de resseguro qualquer acarreta numa perda do prêmio retido pela seguradora. De acordo com Straub (1980), tendo δ e ( δ como os carregamentos da seguradora e resseguradora, respectivamente, na maioria das vezes apresentam a seguinte relação: δ < ( δ. Isso se dá devido ao preço de resseguro cobrado à seguradora. No ponto de visto da resseguradora, assumir riscos de terceiros se torna vantajoso apenas se a mesma precificar seus serviços de maneira correta, onde

8 Resseguro 25 além de assumir parte dos riscos da seguradora, também assumirá parte dos prêmios ganho pela seguradora incluindo seu preço pelo resseguro contratado, evitando que a seguradora lucre financeiramente mais em cima do contrato de resseguros independente dos limites de retenção adotados pela seguradora. ( Portanto, caso δ δ, tem-se então que a seguradora não deverá ter lucros, nem perdas em comissão, significativos no seu cálculo de prêmio retido Tipos de contrato de resseguro Segundo Harrison (2007), existe dois tipos de contrato de resseguro: o contrato automático, considerado como resseguro para riscos individuais; e o contrato facultativo, contrato de resseguro para carteiras de seguro inteiras, também chamado de resseguro obrigatório. O resseguro facultativo é a forma mais antiga de resseguro. Possibilita o resseguro de riscos individuais, permitindo a seguradora o direito a faculdade de decidir se interessa ceder um risco ao ressegurador e, em caso positivo, qual risco individual será cedido. O ressegurador tem a liberdade de aceitar ou recusar um risco oferecido, tendo o mesmo caráter facultativo que a seguradora. A seguradora deve apresentar ao seu ressegurador uma proposta precisa, contendo todas as informações relativas ao risco em questão. A partir daí o ressegurador decide, após um exame minucioso de proposta, se aceita ou recusa o risco. Geralmente, o resseguro facultativo é aplicado depois que a retenção do segurador estiver esgotada e não existirem possibilidades de resseguro automático, ou quando uma apólice contém riscos excluídos do resseguro automático. No caso do resseguro proporcional, a seguradora deve oferecer o risco a ser coberto facultativamente sob as mesmas condições e prêmios, como ele próprio recebeu do segurado. No entanto, as condições e prêmios podem-se divergir através de acordos especiais, evidenciando que o contrato de resseguro é totalmente independente do contrato entre a seguradora e o segurado. Portanto, não há nenhuma relação jurídica entre o segurado e o ressegurador e, conseqüentemente, nenhuma obrigação legal recíproca. Além do resseguro facultativo proporcional, existe também o não proporcional que segue as mesmas regras já citada.

9 Resseguro 26 No caso de resseguro automático, a seguradora se compromete a ceder ao ressegurador as participações estabelecidas contratualmente em todos os riscos indicados no contrato de resseguro. O ressegurador, por sua vez, é obrigado a aceitar sua participação nos riscos. Portanto, o ressegurador não pode recusar a cobertura para riscos individuais no âmbito do contrato, assim como a seguradora é obrigada a cedêlos ao ressegurador. O contrato de resseguro automático é, via de regra, rescindível anualmente Tipos de cobertura de resseguro Em muitos aspectos, cada cobertura de resseguro é única e seus termos refletem as necessidades da seguradora cedente e a disposição de resseguradores no mercado de atenderem essas necessidades. Usualmente, uma seguradora utiliza várias coberturas de resseguro, os quais, vistos em conjunto, formam a sua carteira de resseguro Cobertura proporcional O resseguro proporcional envolve uma, ou mais, resseguradora que assume uma determinada porcentagem, sobre as apólices de uma, ou mais, seguradora. Isto significa que o ressegurador irá receber uma determinada proporção de cada valor de prêmio pago a seguradora, e também terá que pagar a mesma proporção sobre o valor dos sinistros ocorridos. Além disso, o ressegurador poderá determinar uma comissão de resseguro à seguradora, que tem como finalidade compensar os custos de admissão de apólices, e custos administrativos das negociações. De acordo com a Swiss Re (1999), devido à atual concorrência entre as seguradoras, muitas vezes o nível de taxas de prêmios originais não é suficiente. O prêmio original, após a dedução dos custos operacionais do segurador direto, não basta mais para cobrir os eventuais sinistros. Em conseqüência, os resseguradores estão cada vez mais propensos a devolverem à seguradora apenas aquela parte do prêmio original não empregada para o pagamento de indenizações. Assim, as comissões de resseguro são estabelecidas mais freqüentemente de acordo com aspectos comerciais, não considerando os

10 Resseguro 27 custos efetivos da seguradora. Geralmente, esta comissão é fixada contratualmente, perfazendo uma determinada porcentagem do prêmio original. A seguir serão exibidos dois exemplos amplamente utilizados e bem conhecidos de resseguros com cobertura proporcional Quota-Parte No resseguro Quota-Parte, o ressegurador assume uma porcentagem fixa de todas as apólices de seguro subscritas pelo segurador direto no âmbito do ramos estipulados no contrato. Esta cota é determinante para a repartição da responsabilidade, dos prêmios e dos sinistros entre a seguradora e a resseguradora. Segundo Harrison (2007), este tipo de resseguro é matematicamente simples e de fácil aplicação. Todavia, o contrato apresenta a desvantagem de não considerar suficientemente as diferentes necessidades de resseguro da seguradora, já que o ressegurador avalia tudo globalmente, sem distinguir as diferenças. Além disso, esse tipo de cobertura não contribui para a homogeneidade da carteira, pois não limita a exposição dos riscos de ponta; e também pode oferecer coberturas de resseguro nem sempre absolutamente necessárias, limitando inutilmente a margem de lucro da seguradora. No entanto, esta cobertura possui seu campo de aplicação, sendo muito indicado a companhias em desenvolvimento, ou para aquelas que começam a trabalhar com um novo ramo de seguros. O resseguro Quota-Parte é também bastante apropriado para limitar riscos imprevisíveis e os riscos na mudança de toda uma carteira. Portanto, esse tipo de cobertura pode ser definido da seguinte maneira: ~ Dado 0 α 1, limite de retenção, então α X = X, onde X ~ é o valor individual ~ dos sinistros retido pela seguradora, logo se tem que α S = S, onde S ~ é o custo total dos sinistros retido pela seguradora Excedente de Responsabilidade No resseguro de Excedente de Responsabilidade, o ressegurador não participa de todos os riscos igualitariamente como na cobertura de Quota-Parte. A seguradora retém todos os riscos até uma determinada quantia, ao seu limite de retenção. Este limite de retenção máximo pode ser fixado distintamente

11 Resseguro 28 segundo a classe de risco. De acordo com Straub (1980), geralmente o tamanho de cada risco não é medido pela importância segurada e sim pelo MPL 11 ou EML 12. No entanto, por motivos teóricos e por falta de conseqüências nos cálculos atuariais, a importância segurada pode ser utilizada para a mensuração de cada risco. Do quociente entre o limite de retenção e a importância segurada resulta um percentual por risco ressegurado, que é determinante para a repartição da responsabilidade, dos prêmios e de todos os sinistros entre a seguradora e a resseguradora. Essa cobertura é um excelente meio para equilibrar a carteira da seguradora, e, desta maneira, limitar os riscos mais expostos, contrariamente ao que acontece com a cobertura de resseguro Quota-Parte. É possível ver que a retenção pode ser fixada diferencialmente segundo a classe de risco e a sinistralidade esperada. Este tipo de cobertura permite à seguradora colocar sempre o risco aceito em acordo com sua capacidade financeira. A desvantagem deste tipo de cobertura é ser complicado em sua aplicação, por isso caro na administração, se esta não puder ser feita com apoio de um sistema informatizado e competente. Então, essa cobertura pode ser definida como: X, se IS m ~ X = m X, se IS > m IS onde, m é o limite de retenção, X ~ é o valor individual dos sinistros retido pela seguradora e IS é a importância segurada Cobertura não proporcional No resseguro não-proporcional, não há nenhuma proporção fixa, estabelecendo antecipadamente a repartição dos prêmios e sinistros entre a seguradora e o ressegurador. A repartição dos sinistros orienta-se pelos sinistros realmente ocorridos. No entanto, será fixado o montante de sinistros, até o qual o segurador direto deverá assumir todas as indenizações com seus próprios recursos. O ressegurador, por sua vez, se compromete a assumir os montantes dos sinistros que excederem a prioridade, até o limite de cobertura acordado. 11 Maximum Possible Loss Perda máxima possível 12 Estimated Maximum Loss - Perda máxima estimada

12 Resseguro 29 A obrigação de pagamento do ressegurador somente se efetiva quando a carteira ou os riscos ressegurados são atingidos por um sinistro que excede a prioridade. Portanto, serão apresentados dois tipos de cobertura de resseguros não proporcionais clássicos e de grande importância Excesso de Danos O resseguro Excesso de Danos, também conhecido como XL, tem uma estrutura completamente diferente dos tipos de seguros proporcionais apresentados. Enquanto aqueles têm interesse na importância segurada no momento de cessão, agora o montante de sinistros é o fato decisivo para terminar o limite de retenção. Neste tipo de cobertura, o segurador direto assume financeiramente sozinho todos os sinistros do ramo especificado no contrato até um determinado limite, independentemente da importância segurada. Logo, os sinistros que superarem este limite deverão ser cobertos pelo ressegurador, até um limite de cobertura previamente convencionado. Assim, a diferença em relação às coberturas proporcionais nos quais o ressegurador participa de todos os sinistros resultantes das apólices por ele resseguradas é que nas coberturas de Excesso de Danos, o ressegurador somente assume o pagamento de indenizações até certo montante de sinistros, aqueles que ultrapassaram o limite de retenção da seguradora. De acordo com Harrison (2007), este tipo de cobertura tem uma história bem mais recente do que as coberturas proporcionais; somente na década de setenta ele pôde ser imposto. Uma das principais razões disso pode ser o modo de distribuição de prêmios entre a seguradora e a resseguradora, não decorrente de estrutura do contrato, como no resseguro proporcional. Atualmente, tem uma grande importância como proteção para seguradoras contra sinistros de grandes magnitudes e acumulações catastróficas. Com isso, o Excesso de Danos pode ser definido da seguinte maneira: ~ X, se X r X = X r, se X > r onde, r é o limite de retenção e X ~ é o valor individual dos sinistros retido pela seguradora.

13 Resseguro Stop-Loss Através desta forma relativamente rara de resseguro, a seguradora busca uma ampla cobertura contra oscilações anuais da sinistralidade em um ramo de negócios. Com a cobertura de resseguro Stop-Loss, o ressegurador compromete-se a assumir a parte da carga de sinistros anual que supera a prioridade, fixada normalmente em uma porcentagem da receita de prêmios anual, ou, às vezes, em uma importância absoluta acordada previamente. É indiferente se a prioridade é excedida pela acumulação de pequenos e médios sinistros ou por grandes sinistros individuais. Segundo Harrison (2007), geralmente o limite de retenção é expresso em forma de uma proporção do prêmio, mas não necessariamente, que é o caso abordado pela definição aqui utilizada. Dado que o objetivo deste tipo de cobertura não é a exoneração de qualquer risco empresarial da seguradora, a resseguradora exige que sua obrigação de pagamento somente se inicie após a seguradora ter sofrido uma perda técnica, ou seja, o valor dos sinistros e custos são maiores que os valores dos prêmios. O Stop-Loss oferece a seguradora a mais ampla cobertura de resseguro. E de acordo com Harrison (2007), a reserva do ressegurador diante deste tipo de cobertura explica sua pouca difusão. Diversos são os motivos para tal reserva; é possível, entre outros, citar: transferência excessiva de risco para o ressegurador, sem lhe dar as respectivas possibilidades de interferência; perda do volume de prêmios do ressegurador e, conseqüentemente, de influência; grande necessidade do ressegurador de obter informações; possibilidade de manipulação pela seguradora; internacionalização dos negócios de seguros. Portanto, o Stop-Loss pode ser definido da seguinte maneira: ~ S, se S d S = S d, se S > d onde, d é o limite de retenção e S ~ é o custo total dos sinistros retido pela seguradora.

Estruturação do Contrato Automático de Resseguro

Estruturação do Contrato Automático de Resseguro Estruturação do Contrato Automático de Resseguro Seminário A Arte de Elaborar o Contrato Marcus Clementino 13 de agosto de 2013 Estruturação do Contrato Automático Princípios básicos; Interesses e necessidades

Leia mais

Reunião IBRADEMP. O Resseguro no Brasil. Marcelo Mansur Haddad mmansur@mattosfilho.com.br 13/08/2008

Reunião IBRADEMP. O Resseguro no Brasil. Marcelo Mansur Haddad mmansur@mattosfilho.com.br 13/08/2008 Reunião IBRADEMP O Resseguro no Brasil Marcelo Mansur Haddad mmansur@mattosfilho.com.br 13/08/2008 CONCEITO DE RESSEGURO DEFINIÇÕES Ernst Hosp... is balancing fluctuating results ;... balancing results

Leia mais

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis 1. Autarquia, com personalidade jurídica de direito público, que dispõe de autonomia administrativa e financeira, que tem como atribuição fundamental fiscalizar o fiel cumprimento da legislação de seguros:

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

Bases Técnicas das Empresas Securitárias

Bases Técnicas das Empresas Securitárias Bases Técnicas das Empresas Securitárias Francisco de Assis Braga Risco e Seguro - Definições Básicas - Probabilidade de dano - é a freqüência relativa de perdas no longo prazo. - Risco - é a incerteza

Leia mais

Comentários sobre as regras de controle de solvência das seguradoras

Comentários sobre as regras de controle de solvência das seguradoras Comentários sobre as regras de controle de solvência das seguradoras I) Introdução Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) Ao final de 1998, a Susep

Leia mais

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013 1 A Colocação do Resseguro Facultativo Marcus Clementino Março/2013 Marcus Clementino 2 Formação Acadêmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 Ph.D. em Matemática Aplicada - London School of Economics

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Resseguro: os novos resseguradores legais João Marcos Brito Martins* A Lei Complementar 126/07 dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações

Leia mais

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Novembro/2001 SUMÁRIO: I) Introdução II) Análise Comparada III) Projeções e Conclusões Francisco Galiza Consultor e Mestre

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SUBSCRIÇÃO E ACEITAÇÃO DE RISCOS Jean Carlo de Borba Diretor SindsegSC PDES Subscrição e

Leia mais

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS Elaborado em 11.2007. João Marcos Brito Martins Bacharel em Administração de Empresas e em Ciências Jurídicas, pós-graduado em Seguros pelo Instituto de Administração

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES.Nº 83/99 GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Recomendação Nº

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978.

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978. Dispõe sobre as normas e procedimentos para contabilização e elaboração de demonstrações financeiras, relativas a ajustes decorrentes da avaliação de investimento relevante de companhia aberta em sociedades

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS COMPREENSIVOS Nilso Gonçalves Membro Comissão Ramos Diversos PDES Seguros Compreensivos

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 35. Instrumentos Financeiros 1. Conceitos 1 - Para fins de registro contábil, considera-se: (Res 3534 art 2º) a) instrumento

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Valores Redutores da Necessidade de Cobertura das Provisões Técnicas por Ativos Garantidores Orientações da Susep ao Mercado

Valores Redutores da Necessidade de Cobertura das Provisões Técnicas por Ativos Garantidores Orientações da Susep ao Mercado Valores Redutores da Necessidade de Cobertura das Provisões Técnicas por Ativos Garantidores Orientações da Susep Julho/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Área Responsável... 3 1.2. Base Legal... 3 1.3.

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Regulatory Practice Insurance News Janeiro 2014 SUSEP Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Esta Circular dispõe sobre instruções complementares necessárias à execução

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. Estabelece regras para estruturação e envio da nota técnica atuarial da carteira de automóveis

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL SEGURO DE CRÉDITO Proteção para as vendas a prazo de produtos ou Prestação de serviços entre empresas Proteção para o Ativo

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Orientações relativas aos limites dos contratos

Orientações relativas aos limites dos contratos EIOPA-BoS-14/165 PT Orientações relativas aos limites dos contratos EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax. + 49 69-951119-19; email: info@eiopa.europa.eu

Leia mais

Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos

Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos Palestrantes: Gabriel Caldas Adriano Rodrigues 1 Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos Palestrante Gabriel Caldas Apresentação

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS Forma de Contratação do Limite Máximo de Responsabilidade 1. SEGURO A PRIMEIRO RISCO RELATIVO A seguradora responderá pelos prejuízos de sua

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. Estabelece regras para a Nota Técnica Atuarial de Carteira que deverá ser encaminhada com o Plano

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.150/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.150/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.16 para NBC TG 11 e de outras normas citadas: de NBC T 11 para NBC TG 23; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 O Resseguro e a Administração Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro julho/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência...

Leia mais

NÚMEROS DO MERCADO DE SEGUROS ALTERAÇÕES DE CONCEITOS NÚMEROS SUSEP SES

NÚMEROS DO MERCADO DE SEGUROS ALTERAÇÕES DE CONCEITOS NÚMEROS SUSEP SES NÚMEROS DO MERCADO DE SEGUROS ALTERAÇÕES DE CONCEITOS NÚMEROS SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 Curitiba, 2 de julho de 2014. Ilmos. Senhores, Presidentes de Seguradoras, Previdência

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Nota Técnica Atuarial de Carteira

Nota Técnica Atuarial de Carteira Nota Técnica Atuarial de Carteira Circular SUSEP 362/2008 Resolução CNSP 163/2007 Quadros Estatísticos 270, 271 e 272 Carlos Augusto Pinto César da Rocha Neves Eduardo Fraga Lima de Melo São Paulo 29 de

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Atualmente as seguradoras que operam na modalidade são classificadas pelo IRB (instituto de Resseguros do Brasil) em duas situações distintas:

Atualmente as seguradoras que operam na modalidade são classificadas pelo IRB (instituto de Resseguros do Brasil) em duas situações distintas: 1- Introdução: Antes de analisar os números da modalidade Garantia é importante que conheçamos os principais conceitos que a regem, uma vez que alguns profissionais e poucas seguradoras se dedicam de fato

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Página 1 Conceitos Risco É um evento incerto cuja ocorrência tem um efeito negativo. Esse evento pode

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo. Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo. Consulta Pública de Lâmina de Fundo 1 de 6 11/06/2015 10:39 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 19 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

Deliberação CVM nº 563 (DOU de 31/12/08)

Deliberação CVM nº 563 (DOU de 31/12/08) Deliberação CVM nº 563 (DOU de 31/12/08) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 11 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Contratos de Seguro. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 228, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 228, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 228, DE 2010. Dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital adicional baseado no risco de crédito das sociedades

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 457, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Institui o Teste de Adequação de Passivos para fins de elaboração das demonstrações financeiras e define regras e

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: Nº 18.048.590/0001-98 Informações referentes a setembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE I Informações Iniciais... 4 II Glossário... 4 III Objetivo... 5 IV Natureza do Título... 5 V Vigência... 5 VI Pagamento... 5 VII Carência...

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM SEGUROS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM SEGUROS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM SEGUROS SEGURO Atividade bastante antiga Assemelha-se se a uma aposta Pagamento de uma parcela em dinheiro, para adquirir o direito a um reembolso por alguma perda ou avaria

Leia mais

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL Simulação para avaliação da viabilidade econômica e retorno do capital investido para a implantação de Resseguradora

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, Série B. n.1, p. 1-7 EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL Deborah Tinoco Ribeiro deborahtinoco@yahoo.com.br Marcus

Leia mais

Benefícios a Empregados

Benefícios a Empregados Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 33 (R1) Benefícios a Empregados Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 36 Impairment of Assets No CPC: CPC 01 (R1) Redução ao valor recuperável

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA SEGURO-GARANTIA Prezados Corretores de Seguros, O SINCOR-SP, através da sua comissão técnica de seguros de crédito e garantia, elaborou esta cartilha de seguro garantia com o intuito de divulgar aos interessados

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53. Informações referentes a Agosto de 2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53. Informações referentes a Agosto de 2015 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53 Informações referentes a Agosto de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o QUELUZ TRADER FUNDO

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Cadastro das Principais

Cadastro das Principais 46 Cenário Econômico Cadastro das Principais Corretoras de Seguros Primeiras conclusões Francisco Galiza O estudo ESECS (Estudo Socioeconômico das Corretoras de Seguros), divulgado pela Fenacor em 2013,

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

O Mercado de Resseguros no Brasil. San Jose, 13 a 16 de Abril, 2015 ASSAL

O Mercado de Resseguros no Brasil. San Jose, 13 a 16 de Abril, 2015 ASSAL O Mercado de Resseguros no Brasil San Jose, 13 a 16 de Abril, 2015 ASSAL Sumário Tema Breve Histórico do Resseguro no Brasil Marcos Importantes Legislação Modalidades de Resseguradores LC nº 126/2007 Restrições

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MOMENTO ECONÔMICO Os investimentos dos Fundos de Pensão, e o PRhosper não é diferente, têm por objetivo a formação de capital para uso previdenciário, portanto, de longo prazo. Exatamente por essa razão,

Leia mais